ANÁLISE DO DESEMPENHO DE REDES LOCAIS SEM FIO UTILIZANDO VPN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO DESEMPENHO DE REDES LOCAIS SEM FIO UTILIZANDO VPN"

Transcrição

1 ANÁLISE DO DESEMPENHO DE REDES LOCAIS SEM FIO UTILIZANDO VPN André Peres¹; Lúcio Gonçalves; Márcio Catafesta. ULBRA - Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática ¹professor orientador Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar os resultados da análise do impacto da utilização de redes virtuais privadas VPN Virtual Private Network, no que se refere ao desempenho em redes locais sem fio padrão b. Essas análises foram realizadas como parte da pesquisa em andamento na ULBRA-RS campus Guaíba sobre segurança em redes sem fio. Palavras-chaves: Desempenho; Redes sem fio; WEP; VPN. 1 Introdução O crescimento extraordinário ocorrido, nesta década, nas redes sem fio permitirá que informações e recursos possam ser acessados e utilizados em qualquer lugar e momento. Espera-se que as redes sem fio substituam as redes com fio que temos hoje, devido a sua flexibilidade e retorno de investimento que oferecem, mas o ambiente sem fio não possui muitos recursos a ponto de garantir um serviço seguro, com isso, a preocupação com a segurança torna-se cada vez mais importante. Uma solução para garantir a segurança na transmissão de informações em ambientes sem fio é a utilização de VPN Virtual Private Network, ou Redes Privadas Virtuais. Uma VPN [VPN03] é uma rede que opera utilizando recursos das redes públicas, cujo acesso é restrito a pessoas ou grupos credenciados. A idéia é de uma rede privada operando com recursos de redes públicas podendo ser comparada a um túnel que atravessa a uma rede pública como a Internet, por exemplo.

2 2 A VPN busca garantir a integridade e segurança dos dados, pois ela utiliza uma forte criptografia para garantir o sigilo das informações trafegadas, além de realizar a autenticação dos usuários desta rede privada e executar outras funções inerentes ao seu funcionamento. A utilização de criptografia, no entanto, acarreta em uma diminuição no desempenho total das redes de computadores e, a utilização da tecnologia de VPN em um ambiente sem fios necessita de uma análise do real impacto causado. A importância dessa análise é acentuada pelo objetivo inicial das redes sem fio: prover mobilidade. A mobilidade envolve a utilização de equipamentos compactos que geralmente possuem baixo poder de processamento, pouca capacidade de memória e que são alimentados por baterias. Essas características são afetadas diretamente quando da adição de criptografia. O principal objetivo deste artigo é justamente identificar o impacto no desempenho de uma rede sem fios, utilizando VPN. Para isso, foram realizados experimentos em um ambiente sem fio (uma rede b) medindo-se as alterações na vazão de dados com a utilização do padrão de criptografia dessas redes (o WEP Wired Equivalent Privacy) e com a utilização de uma VPN. A seguir é apresentado o resumo das principais características de funcionamento de redes , o modo de operação de uma VPN, os experimentos realizados e resultados obtidos. 2 Redes sem fio As novas tecnologias de redes sem fio trazem consigo um conjunto de funcionalidades capazes de transformar de maneira significativa à troca de informações entre equipamentos computacionais. Esta nova forma de comunicação está sendo adotada por um número cada vez maior de empresas e instituições das mais diversas áreas. A principal contribuição das redes sem fio na forma de comunicação de dados nas redes de computadores é, sem dúvida, a possibilidade de mobilidade de dispositivos sem perda de conexão com a rede ou queda de desempenho (as redes possuem a capacidade de 11Mbps, o que as equipara com a grande maioria de redes ethernet hoje em funcionamento).

3 3 A mobilidade permite que um dispositivo sem fio possa locomover-se dentro da área de abrangência da rede, sem desconectar-se dela. Diferentes padrões e tecnologias de rede sem fio surgiram nos últimos anos para acomodar esta vasta gama de aplicações e coberturas. Foram concebidas das redes celulares de larga cobertura até as redes PANs (Personal Area Networks) usadas na comunicação de equipamentos pessoais, como PDAs (Personal Digital Assistants), câmeras digitais, computadores e celulares. As Wireless Local Area Networks (WLANs) já são populares nos dias de hoje espera-se que as WLANs substituam as redes com fio, devido a sua flexibilidade e retorno de investimento que oferecem, através da redução de custos de implementação e suporte, além do ganho de produtividade. A segurança prevista no padrão que deveria garantir a compatibilidade entre conexões com e sem fios foi definida através do protocolo WEP (Wired Equivalent Privacy). Este protocolo provou-se ineficiente em uma série de estudos [ARB01, FLU02 e WAL01] e, atualmente, encontra-se em fase de reformulação por um grupo especial da IEEE, o grupo IEEE i [IEE03]. Uma análise dos possíveis ataques a redes , assim como possíveis mecanismos capazes de ampliar os aspectos de segurança em redes sem fio (entre eles a utilização de VPN) pode ser obtido em [FLE02, GAS02 e PER03]. 3 VPN ( Virtual Private Network) Com o uso de VPN [VPN03] obtemos um processo de comunicação codificado ou encapsulado que transfere dados de um ponto para outro da rede com segurança. A segurança está garantida através de uma robusta tecnologia de criptografia dos dados que trafegam através da rede, seja ela pública ou privada, geralmente a Internet. As VPNs possuem seus próprios protocolos de comunicação que atuam em conjunto com o TCP/IP, fazendo com que o túnel virtual seja estabelecido e os dados trafeguem criptografados. Dentre eles [VPN03], podemos destacar o Point-to-Point Tunneling

4 4 Protocol (PPTP), o Lawer Two Forwading (L2F), o Layer Two Tunneling Protocol (L2TP) e o IP Security Protocol (IPSec). Uma VPN consiste basicamente de hardware e software, mas ela também requer um conjunto de componentes básicos. Estes componentes garantem a segurança, disponibilidade e facilidade de manutenção de uma VPN. Os principais componentes extras de uma VPN são: Compatibilidade: ao usar a tecnologia de VPN e uma rede pública como meio de transporte a arquitetura do protocolo de rede interna da organização deve ser compatível ao protocolo de rede IP; outras redes que utilizam outros protocolos deverão ter um Gateway para fazer a conversão para o protocolo IP; Segurança: a VPN busca garantir integridade e segurança dos dados, pois ela utiliza uma forte criptografia para garantir o sigilo das informações trafegadas. Autenticação de dados e usuários: a autenticação de dados reafirma que a mensagem que foi enviada não foi alterada nem em sua totalidade ou em parte dela, a autenticação do usuário é o processo de permitir o acesso à sua rede interna. É importante que em qualquer tecnologia de VPN sejam oferecidos ambos os tipos de autenticação; Overhead: Quando um dispositivo VPN codificar todos os pacotes ocorre um aumento do seu tamanho, afetando assim sua utilização na largura de banda da rede; como forma de minimizar este impacto, em um bom serviço de VPN deve existir a possibilidade de especificar quais tipos de dados serão codificados, quais serão autenticados e quais dados poderão fluir livremente. 4 Ambiente dos Testes Os testes foram realizados em uma sala de 24 m 2, sem nenhum obstáculo físico entre os equipamentos utilizados. Todos os testes foram realizados nos dois cenários propostos:

5 5 Cenário 01: A comunicação é feita entre duas estações sem fio. Onde será criado um túnel VPN entre as duas estações, conforme a figura 4.1: Ponto de Acesso b 11Mbps b 11Mbps Estação sem fio Computador Portáti Figura Cenário 01 Cenário 02: A comunicação é feita entre uma estação sem fio e uma estação com fio. Segundo a figura 4.2, nesse cenário a estação sem fio comunica-se com a estação com fio, através de um Gateway VPN. Switch Ethernet 10/100 Mbps Estação de Trabalho Ethernet 10/100 Mbps Ponto de Acesso b 11Mbps Computador Portátil Figura Cenário Resultados Obtidos Os testes descritos foram repetidos inúmeras vezes, como isso se chegou aos seguintes resultados.

6 6 Resultados Cenário 01 Sem Túnel (cifragem) (cif + comp) (compressão) Sem WEP 2,6 Mbps 1,5 Mbps 1,8 Mbps 1,8 Mbps WEP 64 Bits 1,9 Mbps 1,6 Mbps 1,9 Mbps 2,0 Mbps WEP 128 Bits 2,0 Mbps 1,4 Mbps 1,8 Mbps 1,9 Mbps Erro: + 0,3 Mbps Tabela Resultados dos testes referentes ao cenário ,5 2 1,5 1 Sem WEP WEP 64 Bits WEP 128 Bits 0,5 0 Sem Túnel (cifragem) (cif + comp) (compressão) Figura Gráfico dos resultado do Cenário 01 Resultados Cenário 02 Sem Túnel (cifragem) (cif + comp) (compressão) Sem WEP 4,7 Mbps 2,8 Mbps 3,4 Mbps 3,5 Mbps WEP 64 Bits 3,4 Mbps 2,9 Mbps 3,6 Mbps 3,7 Mbps WEP 128 Bits 3,5 Mbps 2,8 Mbps 3,5 Mbps 3,6 Mbps Erro: + 0,3 Mbps Tabela Resultados dos testes referentes ao cenário 02

7 7 5 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Sem Túnel (cifragem) (cif + comp) (compressão) Sem WEP WEP 64 Bits WEP 128 Bits Figura Gráfico dos resultados do Cenário 02 5 Conclusões Após a realização dos testes, constatou-se que a utilização de VPN introduz um impacto na performance, adicionando uma queda no desempenho de aproximadamente 60%. Porém, o impacto foi reduzido com a utilização do algoritmo de compactação de dados, o LZO, obtendo-se ganhos na performance, com isso, reduzindo o impacto para 30%. A alta redução do impacto, causada pelo algoritmo de compactação, é verificado devido ao conteúdo dos pacotes gerados pelo IPerf. Conclui-se então que ao utilizar criptografia e compactação de dados simultaneamente em um ambiente de acesso a dados, o impacto causado pela adição de VPN deve permanecer entre 60%, sendo esse o pior caso, onde a compactação não expressa alterações e 30% ao utilizar-se dados lineares com altas taxas de compactação. Também deve ser considerado que o desempenho depende muito da capacidade dos equipamentos, assim quanto maior o poder de processamento, menor será o impacto, ou seja, com equipamentos de menor capacidade, por exemplo os PDAs, o impacto tende a aumentar. Um dos principais objetivos da utilização de ambientes sem fio é, com certeza a facilidade de mobilidade proveniente. Os dispositivos que tornam esse tipo de utilização possível

8 8 compreendem, na maioria dos casos, de equipamentos de baixa capacidade de processamento. Adicionar-se VPN nesses dispositivos pode tornar-se inviável, conforme a situação. Para trabalhos futuros, pretende-se estender a análise do desempenho de VPN em outras topologias de redes, com um número maior de estações sem fio, com outros tipos de equipamentos como os PDAs e com outros softwares de VPN. 6 Referências Bibliográficas 1. [ARB01] ARBAUGHT, William A; et al. Your Wireless Network has No Clothes. Department of Computer Science - University of Maryland.. Disponível na INTERNET via URL: Acesso em 28/03/ [FLE02] FLECK, Bob, POTTER, Bruce.; Security, US: O Reilly, [FLU02] FLUHRER, Scott; et al. Weaknesses in the Key Scheduling Algorithm of RC4. Cisco Systems Inc. Disponível na INTERET via URL: <http://www.cs.umd.edu/~waa/classpubs/rc4_ksaproc.ps> Acesso em 20/03/ [GAS02] GAST, Mattew S.; Wireless Networks: The Definitive Guide, US: O Reilly, [IEE03] IEEE Home Page. Disponível na INTERNET via URL: <http://www.ieee.org> Acesso em 05/04/ [IEE03] IEEE Home Page. Disponível na INTERNET via URL: <http://www.ieee.org> Acesso em 05/04/ [IPE03] Project Iperf. Disponível na INTERNET vai URL: <http://dast.nlanr.net/projects/iperf> Acessado em 01/04/2003.

9 9 7. [KOL02] KOLENISKOV, Oleg; HATCH, Brian. Building Linux Virtual Private Networks (VPNs). 1ª Edição. EUA: New Riders, p. 8. [LIN03] Red Hat Home Page. Disponível na INTERNET via URL: <http://www.redhat.com> Acesso em 28/03/ [PER03] PERES, André, WEBER, Raul, F.;Considerações Sobre Segurança em Redes Sem Fio, Workshop em Segurança de Sistemas computacionais (Wseg), SBRC2003, [TUN03] Virtual Tunnels over TCP/IP networks. Disponível na INTERNET via URL: <http://vtun.sourceforge.net> Acesso em 18/05/ [VPN03] Linux VPN Masquerade How To. Disponível na INTERNET via URL: <http://www.linuxdoc.org/howto/vpnmasquer ade-howto.html> Acesso em 17/03/ [WAL01] WALKER, Jesse R. Unsafe at any key size; An analysis of the WEP encapsulation. Intel Corporation, Oregon, Disponível na INTERNET via URL: <http://grouper.ieee.org/groups/802/11/documents/documentholder/0-362.zip> Acesso em 18/03/2003.

IMPLEMENTANDO VPN UTILIZANDO A FERRAMENTA VTUN

IMPLEMENTANDO VPN UTILIZANDO A FERRAMENTA VTUN IMPLEMENTANDO VPN UTILIZANDO A FERRAMENTA VTUN André Peres¹; Lúcio Gonçalves; Márcio Catafesta. ULBRA - Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática ¹professor orientador {peres@ulbra.tche.br}

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 10 Segurança na Camadas de Rede Redes Privadas Virtuais (VPN) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º Semestre / 2015

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 3 VPN Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Vantagens, Desvantagens e Aplicações Etapas da Conexão Segurança Tunelamento Protocolos de

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Prof. Me Willians Bueno williansbueno@gmail.com UNIFEB/2013 INTRODUÇÃO; ROTEIRO APLICAÇÕES; VANTAGENS; CARACTERÍSTICAS;

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail:charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma rede privada

Leia mais

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma

Leia mais

X Semana de Iniciação Científica do CBPF Outubro/03

X Semana de Iniciação Científica do CBPF Outubro/03 X Semana de Iniciação Científica do CBPF Outubro/0 SEGURANÇA EM REDES WIRELESS Bruno Marques Amaral Engenharia de Telecomunicações, UERJ o Período Orientador: Márcio Portes de Albuquerque Co-orientadora:

Leia mais

Nível de segurança de uma VPN

Nível de segurança de uma VPN VPN Virtual Private Network (VPN) é uma conexão segura baseada em criptografia O objetivo é transportar informação sensível através de uma rede insegura (Internet) VPNs combinam tecnologias de criptografia,

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Rede sem fio. Pollyana do Amaral Ferreira polly@ pop-mg.rnp.br

Rede sem fio. Pollyana do Amaral Ferreira polly@ pop-mg.rnp.br I Workshop do POP-MG Rede sem fio Pollyana do Amaral Ferreira polly@ pop-mg.rnp.br Sumário Introdução Principais aplicações O padrão IEEE 802.11 Segurança e suas diferentes necessidades Conclusão 2/36

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

VPN. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

VPN. Prof. Marciano dos Santos Dionizio VPN Prof. Marciano dos Santos Dionizio VPN Virtual Private Network ou Rede Privada Virtual É uma rede de comunicações privada normalmente utilizada por uma empresa ou um conjunto de empresas e/ou instituições,

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação 1 Agenda Segurança em Comunicações Protocolos de Segurança VPN 2 1 Comunicações Origem Destino Meio Protocolo 3 Ataques Interceptação Modificação Interrupção Fabricação 4 2 Interceptação

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Translation Address A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

A influência e importância da criptografia na velocidade de redes Ethernet

A influência e importância da criptografia na velocidade de redes Ethernet A influência e importância da criptografia na velocidade de redes Ethernet Otávio Augusto G. Larrosa 1, Késsia Rita Da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 Julio Cesar Pereira 1 1 Universidade Paranaense

Leia mais

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Padrão menos utilizado; Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Combina elementos da Ethernet com Token Ring; Velocidade de 100 Mbps; Cabos par Trançado (cat. 3, 4 e 5) ou fibras ópticas. Cabos de Fibra Óptica;

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS

CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS VIRTUAL PRIVATED NETWORK - VPN VPN: Rede Virtual Privativa que usa a estrutura aberta e distribuída da Internet para a troca de dados segura e confiável entre redes corporativas

Leia mais

Rede Local - Administração Acesso Remoto

Rede Local - Administração Acesso Remoto Rede Local - Administração Acesso Remoto Formador: Miguel Neto (migasn@gmailcom) Covilhã - Novembro 16, 2015 Introdução Alguns dos serviços e dados das empresas devem estar apenas disponíveis dentro da

Leia mais

Domín í io d e C onhecimento t 2 : Se S gurança e m C omunicações Carlos Sampaio

Domín í io d e C onhecimento t 2 : Se S gurança e m C omunicações Carlos Sampaio Domínio de Conhecimento 2: Segurança em Comunicações Carlos Sampaio Agenda Segurança de acesso remoto 802.1x (Wireless) VPN RADIUS e TACACS+ PPTP e L2TP SSH IPSec Segurança de E-Mail MIME e S/MIME PGP

Leia mais

Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio 57

Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio 57 Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio Objetivos Descrever como funciona o controle de acesso baseado em filtros de endereços; Definir o que é criptografia e qual a sua importância;

Leia mais

VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS

VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS Alfredo Alves da Silva Neto, Técnico em Eletrônica,CCNA-M4 pela academia Cisco Poli - UPE 2009 MCTIP MCTS MCT - Infra Estrutura Servidores e Virtualização

Leia mais

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO OBJETIVO Internet Protocol Security Antonio Abílio da Costa Coutinho José Eduardo Mendonça da Fonseca Apresentar conceitos sobre segurança em redes de comunicação de dados, relacionados ao Protocolo (Internet

Leia mais

Análise de segurança dos protocolos utilizados para acesso remoto VPN em plataformas Windows

Análise de segurança dos protocolos utilizados para acesso remoto VPN em plataformas Windows Laboratório de Administração e Segurança de Sistemas Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas Análise de segurança dos protocolos utilizados para acesso remoto VPN em plataformas Windows

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 5: VPN Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada) criada para interligar duas redes distantes, através

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Avaliação do Desempenho de Sistemas de Segurança com Suporte WPA

Avaliação do Desempenho de Sistemas de Segurança com Suporte WPA Logotipo Viana do Castelo Avaliação do Desempenho de Sistemas de Segurança com Suporte WPA Luís Barreto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Susana Sargento Universidade de Aveiro 8ª Conferência sobre

Leia mais

Estudo da Utilização de Redes Virtuais Privadas e Servidor RADIUS em Ambiente de Redes Sem Fio (IEEE 802.11)

Estudo da Utilização de Redes Virtuais Privadas e Servidor RADIUS em Ambiente de Redes Sem Fio (IEEE 802.11) Estudo da Utilização de Redes Virtuais Privadas e Servidor RADIUS em Ambiente de Redes Sem Fio (IEEE 802.11) Luis Antonio da Silva Teixeira Baptista Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) Curso de Sistemas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR Projeto de Redes de Computadores 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Henrique Machado Heitor Gouveia Gabriel Braz GOIÂNIA 2014-1 RADIUS

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Address Translation A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA

802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ 802.11 PROTOCOLO DE SEGURANÇA Nome: Micaella Coelho Valente de Paula Matrícula: 201207115071 2 o Período Contents 1 Introdução 2 2 802.11 3 3 Seu Funcionamento 3 4 História 4

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 8: Segurança de Redes Sem Fio Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Uma Wireless LAN (WLAN) é uma rede local sem fio padronizada pelo IEEE 802.11.

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Implementação de um Mecanismo de Filtragem de Pacotes para um Ponto de Acesso Sem Fio

Implementação de um Mecanismo de Filtragem de Pacotes para um Ponto de Acesso Sem Fio Implementação de um Mecanismo de Filtragem de Pacotes para um Ponto de Acesso Sem Fio ULBRA - Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática Autor: Márcio Catafesta. marcio-catafesta@procergs.rs.gov.br

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

APLICAÇÕES DA CRIPTOGRAFIA EM AMBIENTES COMPUTACIONAIS

APLICAÇÕES DA CRIPTOGRAFIA EM AMBIENTES COMPUTACIONAIS IV SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 APLICAÇÕES DA CRIPTOGRAFIA EM AMBIENTES COMPUTACIONAIS RESUMO Este artigo demonstra como a criptografia pode ser empregada em transações e protocolos

Leia mais

Campus Virtuais. Arquitectura de Roaming Nacional. Nuno Gonçalves, Pedro Simões FCCN

Campus Virtuais. Arquitectura de Roaming Nacional. Nuno Gonçalves, Pedro Simões FCCN Campus Virtuais Arquitectura de Roaming Nacional Nuno Gonçalves, Pedro Simões FCCN Versão 2.0 03 de Julho de 2009 Requisitos de uma solução nacional de roaming A implementação de uma solução de nacional

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

VPN PPTP (Point to Point Tunneling Protocol)

VPN PPTP (Point to Point Tunneling Protocol) VPN PPTP (Point to Point Tunneling Protocol) Redes de Comunicação Departamento de Engenharia da Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Baseado em: VPNs

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Uma análise dos mecanismos de segurança de redes locais sem fio e uma proposta de melhoria

Uma análise dos mecanismos de segurança de redes locais sem fio e uma proposta de melhoria Uma análise dos mecanismos de segurança de redes locais sem fio e uma proposta de melhoria Gilson Marques Silva, João Nunes Souza Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) 38.400-902

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário 1.

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação. Agenda. Conceitos Iniciais

Segurança em Sistemas de Informação. Agenda. Conceitos Iniciais Segurança em Sistemas de Informação Agenda 1. Conceitos Iniciais; 2. Terminologia; 3. Como funcionam; 4. : 1. Cache; 2. Proxy reverso; 5. Exemplos de Ferramentas; 6. Hands on; 7. Referências; 2 Conceitos

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Arquitetura de Redes Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 5 de Agosto de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 5 de Agosto de 2012 1 / 21 1 Modelo de Camadas 2 Camada

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

Como as redes privadas virtuais funcionam

Como as redes privadas virtuais funcionam Como as redes privadas virtuais funcionam Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Que faz um VPN? Analogia: Cada LAN é uma ilha Tecnologias de

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) UNISC Setor de Informática/Redes Atualizado em 22/07/2008 1. Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão de dados via

Leia mais

4 Metodologia e Implementação

4 Metodologia e Implementação 4 Metodologia e Implementação Como estudado no capítulo 3, as redes IEEE 802.11b possuem diversas vulnerabilidades decorrentes da fragilidade dos mecanismos de autenticação, confidencialidade e integridade

Leia mais

Orientações para implantação e uso de redes sem fio

Orientações para implantação e uso de redes sem fio Orientações para implantação e uso de redes sem fio Define requisitos e orientações técnicas para implantação e uso de redes sem fio na Universidade Estadual de Campinas. I. Introdução Este documento apresenta

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Avaliando a Sobrecarga Introduzida nas Redes 802.11 pelos Mecanismos de Segurança WEP e VPN/IPSec

Avaliando a Sobrecarga Introduzida nas Redes 802.11 pelos Mecanismos de Segurança WEP e VPN/IPSec Avaliando a Sobrecarga Introduzida nas Redes 82.11 pelos Mecanismos de Segurança WEP e VPN/IPSec Paulo Ditarso Maciel Júnior, Bruno Astuto Arouche Nunes, Carlos Alberto Vieira Campos, Luís Felipe Magalhães

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Seu manual do usuário NOKIA C111 http://pt.yourpdfguides.com/dref/824109

Seu manual do usuário NOKIA C111 http://pt.yourpdfguides.com/dref/824109 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof o : Marcelo Mendes. Padrões IEEE Termos importantes a saber: PACOTE Pacote é a estrutura de dados unitária de transmissão em uma rede de computadores. A informação a transmitir

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Implementação de um ponto de acesso para redes 802.11b baseado no OpenBSD

Implementação de um ponto de acesso para redes 802.11b baseado no OpenBSD Implementação de um ponto de acesso para redes 802.11b baseado no OpenBSD Demetrio S. D. Carrión e Luís Felipe M. de Moraes Laboratório de Redes de Alta Velocidade RAVEL COPPE/Programa de Engenharia de

Leia mais

Implementação de uma VPN com Protocolo PPTP

Implementação de uma VPN com Protocolo PPTP Implementação de uma VPN com Protocolo PPTP Rafael Folhal 1, Msc. Rafael Rodrigues 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006 ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES Segurança 5/12/2005 Engª de Sistemas e Informática Licenciatura em Informática UALG/FCT/DEEI 2005/2006 1 Classes de criptografia Criptografia simétrica ou de chave

Leia mais

MECANISMOS DE AUTENTICAÇÃO EM REDES IEEE 802.11

MECANISMOS DE AUTENTICAÇÃO EM REDES IEEE 802.11 U N I V E R S I D ADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2 0 1 0. 2 MECANISMOS DE AUTENTICAÇÃO EM REDES IEEE 802.11 PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno Eduardo

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

Considerações sobre Segurança em Redes Sem Fio

Considerações sobre Segurança em Redes Sem Fio Considerações sobre Segurança em Redes Sem Fio André Peres 1, Raul Fernando Weber 2 1 ULBRA - Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática peres@ulbra.tche.br 2 UFRGS - Universidade Federal

Leia mais

Roteadores de Serviços Unificados

Roteadores de Serviços Unificados VPN de alto desempenho Protocolos IPSec PPTP L2TP SSL Túneis VPN Até 25 (DSR-250N) Até 35 (DSR-500/500N) Até 70 (DSR-1000/1000N) Túneis SSL VPN Até 5 (DSR-250N) Até 10 (DSR-500/500N) Até 20 (DSR-1000/1000N)

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

Projeto Integrador - Projeto de Redes de Computadores

Projeto Integrador - Projeto de Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Projeto Integrador - Projeto de Redes de Computadores AYLSON SANTOS EDFRANCIS MARQUES HEVERTHON LUIZ THIAGO SHITINOE AYLSON SANTOS EDFRANCIS

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Como as Virtual Private Networks Funcionam

Como as Virtual Private Networks Funcionam Como as Virtual Private Networks Funcionam Índice Introdução Antes de Iniciar Convenções Pré-requisitos Componentes Usados Informações Complementares O que forma uma VPN? Analogia: Cada LAN É um IsLANd

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas Enunciado do Projecto Conjunto

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS 1/1. Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0

SEGURANÇA DE DADOS 1/1. Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0 SEGURANÇA DE DADOS 1/1 Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ARQUITECTURAS DE ACESSO REMOTO... 3 2.1 ACESSO POR MODEM DE ACESSO TELEFÓNICO... 3 2.2

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Conceitos de Segurança Física e Segurança Lógica. Segurança Computacional Redes de Computadores. Professor: Airton Ribeiro Fevereiro de 2016-1

Conceitos de Segurança Física e Segurança Lógica. Segurança Computacional Redes de Computadores. Professor: Airton Ribeiro Fevereiro de 2016-1 Segurança Computacional Redes de Computadores Professor: Airton Ribeiro Fevereiro de 2016-1 1 2 Compreende os mecanismos de proteção baseados em softwares Senhas Listas de controle de acesso - ACL Criptografia

Leia mais

Segurança em IEEE 802.11 Wireless LAN

Segurança em IEEE 802.11 Wireless LAN Segurança em IEEE 802.11 Wireless LAN Giovan Carlo Germoglio Mestrado em Informática Departamento de Informática Universidade do Minho 1 Contextualização Padrão IEEE 802.11 Wireless LAN: Estabelecido em

Leia mais

A solução objetiva conjugar a operação dos mecanismos internos do Padrão IEEE 802.11b com uma autenticação externa, utilizando o Padrão IEEE 802.1x.

A solução objetiva conjugar a operação dos mecanismos internos do Padrão IEEE 802.11b com uma autenticação externa, utilizando o Padrão IEEE 802.1x. 1 Introdução A comunicação de dados por redes sem fio (Wireless Local Area Network - WLAN - Padrão IEEE 802.11b) experimenta uma rápida expansão tecnológica, proporcionando novas soluções para serem implementadas

Leia mais

O que é VPN? 1. Definições:

O que é VPN? 1. Definições: O que é VPN? 1. Definições: VPNs (Virtual Private Networks) são redes que possibilitam um acesso privado de comunicação, utilizando-se redes públicas já existentes, como a Internet. O termo refere-se a

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais