REGULAMENTO DE PREÇOS A PRATICAR NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DOS SERVIÇOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE PREÇOS A PRATICAR NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DOS SERVIÇOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE PREÇOS A PRATICAR NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DOS SERVIÇOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO A ligação à sociedade em geral, nos diversos domínios que integram o seu âmbito de intervenção, constitui-se numa das mais relevantes atribuições da Universidade de Aveiro. Esta importante área de missão, claramente evidenciada na Lei nº 62/2007, de 10 de Setembro (RJIES) e igualmente contemplada nos Estatutos, encontra-se devidamente regulamentada, nomeadamente pelo denominado Regulamento de Prestação de Serviços de Investigação & Desenvolvimento por Contrato e Transferência de Tecnologia e Conhecimento, não sendo, portanto, esse o objecto do presente normativo. Contudo, também no âmbito da actividade dos serviços de apoio às diferentes áreas de missão da Universidade, existe a capacidade, e o dever, de colocar à disposição da comunidade em geral, os bens e recursos disponíveis, desde que para fins de interesse e relevância conexa com a missão institucional. Esta disponibilização só pode ser continuadamente concretizada se houver uma contrapartida que corresponda ao ressarcimento, senão na totalidade, pelo menos de uma parte do custo suportado. Importa, pois, definir um quadro coerente e único que, sem prejuízo das regras próprias aplicáveis aos Serviços de Acção Social, sistematize a disciplina aplicável a esta particular realidade, sendo esse o propósito do presente normativo. Nessa conformidade, e uma vez cumprido o disposto no artigo 110.º da Lei n.º 62/2007, de 10 de Setembro, aprova-se o Regulamento de preços a praticar no âmbito das actividades dos Serviços da Universidade de Aveiro, nos termos que se seguem: CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define os termos e as condições em que se devem aplicar os preços, constantes da tabela anexa, devidos pela disponibilização à comunidade, de bens e recursos, no âmbito das actividades dos Serviços da Universidade de Aveiro, adiante designada por UA. Artigo 2.º Salvaguarda de direito

2 Na disponibilização à comunidade dos bens e recursos a que se refere o artigo 1º, a UA reserva-se o direito de, não obstante as contrapartidas financeiras estabelecidas, solicitar ao interessado o cumprimento de determinados pressupostos, nos termos do disposto no nº 5 do artigo 5º, sem o que não será autorizado o seu gozo. Artigo 3.º Pagamento Os valores previstos na tabela anexa ao presente regulamento são preços IVA incluído, devendo ser pagos numa única prestação. Artigo 4.º Isenções e Reduções Em resultado do preceituado em protocolos e acordos específicos celebrados entre a UA e entidades terceiras, e nos exactos termos aí consignados, os valores constantes da tabela anexa podem ser objecto de redução ou mesmo de isenção total. CAPÍTULO II Cedência de instalações, equipamentos e serviços de apoio a entidades externas Artigo 5.º Reserva de instalações, equipamentos e serviços de apoio 1 - O pedido de reserva de espaço deve ser dirigido aos Serviços de Comunicação, Imagem e Relações Públicas (scirp), em modelo próprio, disponível na página Web dos Serviços. 2 Excepcionam-se do número anterior os pedidos de reserva dos espaços afectos à Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda, que devem ser dirigidos à mesma. 3 Quando se trate da reserva de instalações, o preço constante da tabela anexa inclui apenas o equipamento-base mencionado na respectiva ficha técnica, ficando a utilização de equipamento e serviços adicionais sujeita ao pagamento dos valores constantes da tabela anexa. 4 Á cedência de instalações não especificadas na tabela anexa será aplicada uma tarifa correspondente à de um espaço com lotação e condições técnicas equiparadas. 5 Em conformidade com o disposto no artigo 2.º, a UA reserva-se o direito de não autorizar o uso das suas instalações e equipamentos quando estiverem em causa actividades julgadas não adequadas às estruturas disponíveis, que possam colocar em risco a conservação das instalações e dos materiais, o seu normal funcionamento, ou que violem os princípios e valores pelos quais a Instituição se rege.

3 6 - Para efeitos da verificação da sua conformidade com os requisitos e exigências a que se referem as disposições conjugadas do nº 2 e do nº 5, a UA pode solicitar à entidade requisitante, programas, maquetas ou qualquer outra informação considerada relevante. Artigo 6.º Cancelamento de reservas de instalações 1 - O pedido de cancelamento de uma reserva que já tenha sido confirmada pelos scirp, pode ser feito sem qualquer encargo, desde que comunicado por escrito aos referidos Serviços com uma antecedência mínima de 2 dias úteis relativamente à data da reserva. 2 - Nos casos em que o pedido de cancelamento seja solicitado dentro dos 2 dias úteis anteriores à data de reserva, haverá lugar ao pagamento da taxa mínima em vigor para as instalações previamente reservadas, constante da tabela anexa ao presente regulamento. Artigo 7.º Taxa mínima A taxa mínima de cedência de espaço aplica-se, para além da situação descrita no n.º 2 do artigo anterior, sempre que, com base em fundamento atendível superiormente validado, não deva ser cobrado o respectivo preço, constante da tabela anexa ao presente regulamento. Artigo 8.º Horário de funcionamento 1 - O horário normal de funcionamento das instalações é, durante os dias úteis, das 9.00 às horas. 2 - A cedência de espaços poderá efectuar-se fora deste horário e destes dias, podendo estar, nesse caso, sujeita a um pagamento adicional, a determinar, sob consulta. Artigo 9.º Regulamentos conexos Os termos e condições em que deve ocorrer a cedência dos espaços a cargo da Unidade Integrada de Formação Continuada e dos Serviços de Acção Social constam de normativo próprio regularmente aprovado. CAPÍTULO III Serviços de impressão

4 Artigo 10.º Pedido de Impressão 1 - Os pedidos de impressão devem ser encaminhados para a Área de Suporte ao Utilizador dos Serviços de Tecnologias de Informação e Comunicação (stic), nos moldes descritos na página Web dos Serviços, com uma antecedência mínima de 3 dias relativamente à data da entrega do trabalho final. 2 O material a imprimir deve ser fornecido em formato digital, não procedendo os stic, em caso algum, ao arranjo gráfico do mesmo. 3 A execução dos serviços de impressão só terá lugar após um contacto prévio para confirmação da capacidade de execução dos trabalhos nos prazos pretendidos. Artigo 11.º Reduções 1 - O preço fixado para a impressão no plotter, constante da tabela anexa, terá uma redução de 2,50, por metro, se a mancha de cor não ultrapassar 50% da área impressa. 2 - Os valores a cobrar pela prestação de serviços de impressão, constantes da tabela anexa ao presente regulamento, sofrem uma redução de 25%, sempre que se destinem a ser suportados por centros de custos da UA. Artigo 12.º Créditos de Impressão 1 - São disponibilizados créditos de impressão para utilização na rede de impressoras disponível nas salas de estudo, cujo valor, constante da tabela anexa ao presente regulamento, permite a impressão de 100 páginas. 2 A aquisição dos créditos de impressão deve ser efectuada junto da secretaria dos stic. CAPÍTULO IV Reprodução e conversão de suportes audiovisuais Artigo 13.º Pedido de reprodução e conversão 1 - Os pedidos de reprodução e de conversão de suportes audiovisuais devem ser encaminhados para a Área de Suporte ao Utilizador dos stic, nos moldes descritos na página Web dos Serviços.

5 2 - Os valores a cobrar pela prestação de serviços de reprodução e de conversão de suportes audiovisuais, constantes da tabela anexa ao presente regulamento, não incluem trabalho de autoria, que é cobrado adicionalmente, em moldes a determinar caso a caso. Artigo 14.º Reduções Os valores a cobrar pela prestação de serviços de reprodução e de conversão de suportes audiovisuais, constantes da tabela anexa ao presente regulamento, sofrem uma redução de 25%, sempre que se destinem a ser suportados por centros de custos da UA. CAPÍTULO V Serviços das Bibliotecas Artigo 15.º Actos no âmbito das actividades das Bibliotecas 1 Os termos e condições dos actos que consubstanciam a actividade das Bibliotecas da UA, constam de regulamento próprio, o Regulamento das Bibliotecas da UA, que aqui se dá por reproduzido na parte aplicável. 2 Os valores a cobrar para esse efeito constam da tabela anexa ao presente regulamento. CAPÍTULO VI Parques de estacionamento Artigo 16.º Acesso e utilização 1 - Os termos e condições dos actos que consubstanciam o acesso e a utilização dos parques de estacionamento da UA, constam de regulamento próprio, o Regulamento de utilização dos parques de estacionamento, que aqui se dá por reproduzido na parte aplicável. 2 Os valores a cobrar para esse efeito constam da tabela anexa ao presente regulamento. CAPÍTULO VII Disposições finais

6 Artigo 17.º Dúvidas e omissões As dúvidas e omissões resultantes da interpretação do presente regulamento serão resolvidas por despacho do Reitor da Universidade. Artigo 18.º Vigência e revisão 1 - O presente regulamento entra em vigor no dia imediatamente a seguir à sua publicitação nos termos devidos. 2 - Os preços constantes da tabela anexa são revistos, pelo órgão legal e estatutariamente competente, após decorrido 1 ano de vigência. Artigo 19.º Publicitação Os Serviços da UA publicitam por meios adequados, nomeadamente a disponibilização no respectivo sítio de internet e a afixação em locais de estilo, os itens da tabela anexa ao presente regulamento que respeitem às respectivas áreas de actuação. Aveiro, 28 de Fevereiro de 2011 O Reitor, Prof. Doutor Manuel António Assunção

REGULAMENTO DA REQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA

REGULAMENTO DA REQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA REGULAMENTO DA REQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA Artigo 1.º (Objecto) O presente regulamento tem por objecto a definição das regras de requisição dos

Leia mais

Pavilhão Desportivo Municipal de Alijó

Pavilhão Desportivo Municipal de Alijó Pavilhão Desportivo Municipal de Alijó POSTURA DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto A presente postura estabelece as normas gerais e as condições de cedência e de utilização

Leia mais

Regulamento de utilização e exploração das instalações desportivas do Complexo Desportivo da Lapa (IDCDLP)

Regulamento de utilização e exploração das instalações desportivas do Complexo Desportivo da Lapa (IDCDLP) Regulamento de utilização e exploração das instalações desportivas do Complexo Desportivo da Lapa (IDCDLP) Regulamento n.º 27/2004 (Publicado no Diário da República, IIª Série, n.º 148, de 25.06.2004,

Leia mais

Equiparação a Bolseiro

Equiparação a Bolseiro Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Equiparação a Bolseiro Regulamento Preâmbulo Face ao disposto no artigo 29º- A do Decreto-Lei nº 207/2009, de 31 de Agosto - Estatuto da Carreira do Pessoal Docente

Leia mais

(FESTAS DO POVO) Artigo 1º. (Organização e Coordenação)

(FESTAS DO POVO) Artigo 1º. (Organização e Coordenação) PROJETO DE REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO, COORDENAÇÃO E REALIZAÇÃO DAS FESTAS DO POVO DE CAMPO MAIOR (FESTAS DO POVO) Artigo 1º (Organização e Coordenação) 1.- A organização e coordenação das Festas do Povo

Leia mais

Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira

Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira A Lei nº 59/2008, de 11 de Setembro, que regula o Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas, com efeitos a partir de 1 de Janeiro de 2009,

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO ATELIER DE ARTES PLÁSTICAS O Atelier de Artes Plásticas é um serviço que se encontra ao dispor de todos os interessados, visando instruí-los e dotá-los das ferramentas básicas

Leia mais

Decreto-Lei n.º 334/91 de 6 de Setembro

Decreto-Lei n.º 334/91 de 6 de Setembro Decreto-Lei n.º 334/91 de 6 de Setembro Gestão das instalações desportivas...2 Ordem de preferência na utilização...2 Cedência das instalações...3 Utilização das instalações...3 Intransmissibilidade das

Leia mais

PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS. Regulamento de Publicidade

PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS. Regulamento de Publicidade PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS Regulamento de Publicidade 1 REGULAMENTO DE PUBLICIDADE PARA O PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS PREÂMBULO NOTA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Municipal de Desportos é uma infra-estrutura

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA, ARRENDAMENTO E ALUGUER DOS ESPAÇOS FÍSICOS E DE EQUIPAMENTOS

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA, ARRENDAMENTO E ALUGUER DOS ESPAÇOS FÍSICOS E DE EQUIPAMENTOS APROVADO 10 de janeiro de 2012 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DE CEDÊNCIA, ARRENDAMENTO E ALUGUER DOS ESPAÇOS FÍSICOS E DE EQUIPAMENTOS Artigo 1.º Âmbito

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria

Despacho n.º /2015. Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria Despacho n.º /2015 Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação e

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

ARTIGO 1º Legislação Habilitante. ARTIGO 2º Objecto. ARTIGO 3º Âmbito de Aplicação. ARTIGO 4º Princípios

ARTIGO 1º Legislação Habilitante. ARTIGO 2º Objecto. ARTIGO 3º Âmbito de Aplicação. ARTIGO 4º Princípios ARTIGO 1º Legislação Habilitante O presente Regulamento tem suporte legal no n.º 4 do artigo 16.º da Lei n.º 2/2007, de15 de Fevereiro (Lei das Finanças Locais) e na alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º e

Leia mais

REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA

REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA Artigo 1.º Âmbito 1. O presente regulamento define os princípios e estabelece as normas a seguir no Instituto

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art.l - O Pavilhão Desportivo Municipal de Peso da Régua fica

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO SALÃO POLIVALENTE

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO SALÃO POLIVALENTE Junta de Freguesia da Brandoa REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO SALÃO POLIVALENTE Ao abrigo da competência regulamentar das Autarquias Locais consagrada no artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

LICENCIAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE EXPLORAÇÃO DE MÁQUINAS DE DIVERSÃO

LICENCIAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE EXPLORAÇÃO DE MÁQUINAS DE DIVERSÃO REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS, MECÂNICAS, ELÉCTRICAS E ELECTRÓNICAS DE DIVERSÃO Nos termos do disposto nos artigos 112.º, n.º 8 e 241.º da Constituição da República Portuguesa, do preceituado

Leia mais

Regulamento das Bolsas de Mérito Desportivo da Universidade de Aveiro

Regulamento das Bolsas de Mérito Desportivo da Universidade de Aveiro Projeto de Regulamento das Bolsas de Mérito Desportivo da Universidade de Aveiro A prática desportiva assume, hoje em dia, um importante papel na formação do caráter e na transmissão de princípios salutares,

Leia mais

Regulamento Municipal para a Utilização e Cedência dos Veículos Automóveis de Transporte Colectivo de Passageiros da Câmara Municipal de Ílhavo

Regulamento Municipal para a Utilização e Cedência dos Veículos Automóveis de Transporte Colectivo de Passageiros da Câmara Municipal de Ílhavo Regulamento Municipal para a Utilização e Cedência dos Veículos Automóveis de Transporte Colectivo de Passageiros da Câmara Municipal de Ílhavo Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento Municipal

Leia mais

Normas do Programa de Férias Desportivas e Culturais do Município de Ponte de Lima (PROFÉRIAS)

Normas do Programa de Férias Desportivas e Culturais do Município de Ponte de Lima (PROFÉRIAS) Normas do Programa de Férias Desportivas e Culturais do Município de Ponte de Lima (PROFÉRIAS) Um dos princípios estabelecidos pelo Município de Ponte de Lima visa o fortalecimento de hábitos de vida saudável,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre: Ordem dos Arquitectos, pessoa colectiva número 500 802 025, com sede na Travessa do Carvalho, 21-25, 1249-003 Lisboa, neste acto representada pelo Exmo. Sr. Arquitecto

Leia mais

CAPÍTULO I CAPÍTULO II

CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O campo de jogos do campus do IST no Taguspark é propriedade do Instituto Superior Técnico e a sua utilização está acessível a alunos, docentes e funcionários,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DO PAVILHÃO DESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art.l - O Pavilhão Desportivo Municipal de Peso da Régua fica

Leia mais

EDITAL Nº 116/2009. Presidente da Câmara Municipal de Sines. Manuel Coelho Carvalho

EDITAL Nº 116/2009. Presidente da Câmara Municipal de Sines. Manuel Coelho Carvalho C Â M A R A M U N I C I P A L D E S I N E S EDITAL Nº 116/2009 Manuel Coelho Carvalho, Presidente da Câmara Municipal de Sines, no uso da competência que lhe confere a alínea v) do nº 1 do art. 68º do

Leia mais

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL DESPACHO N.º 12/2013 Data: 2013/03/08 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Alteração ao Regulamento nº 10/2012. A recente revisão do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

Regulamento Cartão Jovem Municipal

Regulamento Cartão Jovem Municipal Regulamento Cartão Jovem Municipal Nota Justificativa O Cartão Jovem Municipal é uma iniciativa da Câmara Municipal de Vila do Porto, que visa proporcionar aos jovens vantagens, traduzidas num conjunto

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL O desporto e a actividade física são elementos que contribuem para o bem-estar, para a saúde e para a qualidade de vida dos cidadãos. Assim,

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA CASA DA PRAIA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA CASA DA PRAIA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA CASA DA PRAIA O presente regulamento visa disciplinar a utilização do espaço acima referido, bem como dos equipamentos e serviços a ele adjacentes, visando o melhor aproveitamento

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Creche Entre CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Creche PRIMEIRO OUTORGANTE: Centro Social Rocha Barros, Instituição Particular de Solidariedade Social, pessoa colectiva n.º 501182560 com sede em Góis, devidamente

Leia mais

Regulamento de Utilização do Campo Municipal de Jogos de Sobral de Monte Agraço

Regulamento de Utilização do Campo Municipal de Jogos de Sobral de Monte Agraço Regulamento de Utilização do Campo Municipal de Jogos de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara (aprovação do projeto) 20/04/2015 Edital (apreciação pública) 29/2015, de 05/05/2015 Publicado (projeto)

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 145/17

Jornal Oficial da União Europeia L 145/17 10.6.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 145/17 REGULAMENTO (CE) N. o 482/2009 DA COMISSÃO de 8 de Junho de 2009 que altera o Regulamento (CE) n. o 1974/2006 que estabelece normas de execução do Regulamento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 16 de Maio de 2011 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE EQUIPARAÇÃO A BOLSEIRO Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as condições da atribuição

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal PROTOCOLO Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal Entre A Câmara Municipal de Setúbal, adiante designada por CMS, na qualidade de 1.º Outorgante, representada pela Presidente,

Leia mais

AVISO N.º 11/2016 ASSUNTO: ABERTURA E ENCERRAMENTO DE AGÊNCIAS E DEPENDÊNCIAS

AVISO N.º 11/2016 ASSUNTO: ABERTURA E ENCERRAMENTO DE AGÊNCIAS E DEPENDÊNCIAS AVISO N.º 11/2016 ASSUNTO: ABERTURA E ENCERRAMENTO DE AGÊNCIAS E DEPENDÊNCIAS Havendo necessidade de se estabelecer os procedimentos e requisitos a serem observados no âmbito do dever de informação inerente

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DE PAVILHÕES ESCOLARES/MUNICIPAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DE PAVILHÕES ESCOLARES/MUNICIPAIS CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DE PAVILHÕES ESCOLARES/MUNICIPAIS I DISPOSIÇÕES GERAIS 1. O presente Regulamento estabelece as normas gerais e as condições de utilização

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E DE ALUGUER DE ESPAÇOS CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS I.I. ENQUADRAMENTO

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E DE ALUGUER DE ESPAÇOS CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS I.I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E DE ALUGUER DE ESPAÇOS CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS I.I. ENQUADRAMENTO 1. O Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE (CHLC) dispõe de diversos espaços, nomeadamente auditórios,

Leia mais

Regulamento da Piscina Municipal Coberta. Preâmbulo

Regulamento da Piscina Municipal Coberta. Preâmbulo Regulamento da Piscina Municipal Coberta Preâmbulo O exercício de actividades físicas e desportivas constitui um factor indispensável no desenvolvimento das condições de saúde e bem estar dos cidadãos,

Leia mais

Regulamento de Utilização e Cedência de Espaços e Equipamentos

Regulamento de Utilização e Cedência de Espaços e Equipamentos Regulamento de Utilização e Cedência de Espaços e Equipamentos da FMUP I PRINCÍPIOS GERAIS 1. A Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) dispõe de diversos espaços, nomeadamente, auditórios,

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro O Regulamento Geral de Estudos da Universidade de Aveiro, aprovado em, publicado no Diário da República

Leia mais

Disposições gerais. Artigo 2. Definições. Para efeitos do presente diploma entende-se por:

Disposições gerais. Artigo 2. Definições. Para efeitos do presente diploma entende-se por: Regulamento para Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, na esteira do estabelecido na alínea a) do n.º 2 do artigo 17.º

Leia mais

Protecção dos Utentes de Serviços Públicos Essenciais (Lei nº 23/96, de 23.7)

Protecção dos Utentes de Serviços Públicos Essenciais (Lei nº 23/96, de 23.7) Protecção dos Utentes de Serviços Públicos Essenciais (Lei nº 23/96, de 23.7) ÍNDICE Artigo 1.º Objecto e âmbito Artigo 2.º Direito de participação Artigo 3.º Princípio geral Artigo 4.º Dever de informação

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS AUTOCARROS DA FREGUESIA DE ALMARGEM DO BISPO, PÊRO PINHEIRO E MONTELAVAR

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS AUTOCARROS DA FREGUESIA DE ALMARGEM DO BISPO, PÊRO PINHEIRO E MONTELAVAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS AUTOCARROS DA FREGUESIA DE ALMARGEM DO BISPO, PÊRO PINHEIRO E MONTELAVAR ANO DE 2013 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS AUTOCARROS DA FREGUESIA DE ALMARGEM DO BISPO, PÊRO PINHEIRO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO E MANUTENÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO E MANUTENÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO E MANUTENÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, na esteira do estabelecido na

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS Preâmbulo Uma das funções da Câmara Municipal é garantir, no âmbito das suas atribuições e competências, a generalização da prática da actividade física

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS O primeiro outorgante, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P., doravante designado

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL Tendo em consideração: A) O regime jurídico aplicável à aquisição e alienação de acções próprias por sociedades anónimas estabelecido no Código das Sociedades Comerciais; B) A previsão do Contrato de Sociedade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 14 de Fevereiro de 2011 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA Artigo 1.º Objecto e âmbito 1) O presente Regulamento

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 16 de novembro de Série. Número 201

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 16 de novembro de Série. Número 201 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 16 de novembro de 2016 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA ECONOMIA, TURISMO E CULTURA Portaria n.º 488/2016 Aprova os modelos das placas

Leia mais

Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro

Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro A presente portaria vem alterar as Portarias n.os 1416-A/2006, de 19 de dezembro, 1594/2007, de 17 de dezembro, 622/2008, de 18 de julho, 1513/2008, de 23 de dezembro,

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS REFEITÓRIOS DOS SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS REFEITÓRIOS DOS SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS REFEITÓRIOS DOS SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE Artigo 1º O presente Regulamento aplica-se a todos os Refeitórios dos Serviços de Acção Social

Leia mais

Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro

Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) está integrado na Divisão dos Serviços

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO DOS RECINTOS ITINERANTES, IMPROVISADOS E DE DIVERSÃO PROVISÓRIA. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO DOS RECINTOS ITINERANTES, IMPROVISADOS E DE DIVERSÃO PROVISÓRIA. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO DOS RECINTOS ITINERANTES, IMPROVISADOS E DE DIVERSÃO PROVISÓRIA Preâmbulo O Decreto-Lei nº 268/2009, de 29 de Setembro, veio reger o licenciamento dos recintos itinerantes

Leia mais

Portaria n.º 369/2004, de 12 de Abril

Portaria n.º 369/2004, de 12 de Abril Regime de intervenção das entidades acreditadas em acções ligadas ao processo de verificação das condições técnicas e de segurança a observar na instalação e manutenção das balizas de futebol, de andebol,

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO CULTURAL

REGULAMENTO CENTRO CULTURAL REGULAMENTO CENTRO CULTURAL Capítulo I Funcionamento e Gestão Artigo 1.º O Centro Cultural é um espaço da A.T.C. Artigo 2.º Compete à Direcção da A.T.C. decidir da forma e modelo de gestão do Centro Cultural.

Leia mais

Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar. Legislação Citada. O E Página 1

Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar. Legislação Citada. O E Página 1 Decreto-Lei n.º 107/2012, de 18 de maio Regula o dever de informação e a emissão de parecer prévio relativos à aquisição de bens e à prestação de serviços no domínio das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTAÇÃO FUNDO DE ACIDENTES DE TRABALHO RECEITAS E REEMBOLSOS ÀS EMPRESAS DE SEGUROS. CAPÍTULO I Disposições gerais

PROJECTO DE REGULAMENTAÇÃO FUNDO DE ACIDENTES DE TRABALHO RECEITAS E REEMBOLSOS ÀS EMPRESAS DE SEGUROS. CAPÍTULO I Disposições gerais PROJECTO DE REGULAMENTAÇÃO FUNDO DE ACIDENTES DE TRABALHO RECEITAS E REEMBOLSOS ÀS EMPRESAS DE SEGUROS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto 1 A presente Norma Regulamentar tem por objecto estabelecer

Leia mais

Regulamentos. É aprovado o Regulamento de creditação de formação anterior e de experiência profissional da Universidade do Porto

Regulamentos. É aprovado o Regulamento de creditação de formação anterior e de experiência profissional da Universidade do Porto Regulamentos CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Aprovado pelo Despacho Reitoral GR.01/04/ 2012 de 5 de abril de 2012 Considerando que, nos termos do n. 3 do artigo 45. do Decreto -Lei

Leia mais

AVISO N.º 05/2014 de 15 de Setembro

AVISO N.º 05/2014 de 15 de Setembro Publicado no Diário da República, I série, nº 182, de 01 de Outubro AVISO N.º 05/2014 de 15 de Setembro ASSUNTO: Sistemas de Pagamentos de Angola Autorização para a Constituição das Sociedades Prestadoras

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

1. O que são serviços de valor acrescentado baseados no envio de mensagem?

1. O que são serviços de valor acrescentado baseados no envio de mensagem? PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM 1. O que são serviços de valor acrescentado baseados no envio de mensagem? Os serviços de valor acrescentado baseados

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO MANEIO

REGULAMENTO DO FUNDO MANEIO REGULAMENTO DO FUNDO MANEIO Enquadramento legal De acordo com o POC-E, a conta 118 Fundo Maneio destina-se a registar os movimentos relativos ao fundo de maneio criado pelas entidades nos termos legais,

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO E

REGULAMENTO DE CONTROLO E REGULAMENTO DE CONTROLO E UTILIZAÇÃO DE VIATURAS Artigo 1.º Objeto e âmbito da aplicação 1 - O presente regulamento estabelece as normas de controlo e as condições de utilização das viaturas propriedade

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Nos termos do disposto no artº 10º da Portaria nº 401/2007, de 5 de Abril, é aprovado o Regulamento dos

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Cláusula Primeira. (Objeto do contrato)

CADERNO DE ENCARGOS. Cláusula Primeira. (Objeto do contrato) - 1/6 CADERNO DE ENCARGOS Cláusula Primeira (Objeto do contrato) O objeto do contrato consiste na cedência do direito à exploração de uma loja correspondente à fração A do prédio urbano inscrito na matriz

Leia mais

/ / Regulamentos REGULAMENTO DE ACUMULAÇAO DE FUNÇOES DA U.PORTO. Capítulo 1. Âmbito e objecto. Artigo 1.0. Capítulo II Pessoal docente Artigo 2.

/ / Regulamentos REGULAMENTO DE ACUMULAÇAO DE FUNÇOES DA U.PORTO. Capítulo 1. Âmbito e objecto. Artigo 1.0. Capítulo II Pessoal docente Artigo 2. Regulamentos REGULAMENTO DE ACUMULAÇAO DE FUNÇOES DA U.PORTO FAEMsEÃ1 CONSELHO DE GESTÃO DE 1 L / / Tendo sido necessário enquadrar, do ponto de vista jurídico e institucional, o conjunto de regras que

Leia mais

CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO

CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO CONTRATO EMPREGO-INSERÇÃO Celebrado no âmbito da Medida Contrato Emprego-Inserção Desempregados Beneficiários das Prestações de Desemprego Entre (Denominação, forma jurídica e actividade da entidade),

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO ARTIGO 1.º PESSOAL ESPECIALMENTE CONTRATADO 1. Podem ser contratados

Leia mais

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Publicado no Diário da República, I série, nº 61, de 29 de Março AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Considerando a necessidade de se estabelecer os padrões para o exercício do serviço de remessas de valores

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho A empresarialização dos sistemas multimunicipais e municipais de captação, tratamento e distribuição de água para consumo

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CAMPO DE FUTEBOL SINTÉTICO DO PARQUE URBANO 25 DE ABRIL DE 1974 DE CASAL DE CAMBRA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CAMPO DE FUTEBOL SINTÉTICO DO PARQUE URBANO 25 DE ABRIL DE 1974 DE CASAL DE CAMBRA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CAMPO DE FUTEBOL SINTÉTICO DO PARQUE URBANO 25 DE ABRIL DE 1974 DE CASAL DE CAMBRA Proposta Regulamento de Utilização do Campo de Futebol Nota Justificativa A Junta de Freguesia

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PARQUES. Preâmbulo

REGULAMENTO GERAL DE PARQUES. Preâmbulo REGULAMENTO GERAL DE PARQUES Preâmbulo Com a revisão da política de estacionamento e mobilidade na cidade de Lisboa, tal como se encontra definida no âmbito do pelouro da Mobilidade, urge redefinir as

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Artigo 1º (âmbito)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Artigo 1º (âmbito) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO Preâmbulo Tem vindo a aumentar o número de candidatos, especialmente estrangeiros, que pretendem realizar estudos

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CASAL DE CAMBRA

JUNTA DE FREGUESIA DE CASAL DE CAMBRA NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO AUTOCARRO Artigo 1º Âmbito A presente norma estabelece as condições de utilização do autocarro de que a Junta de Freguesia é detentora, ao abrigo do Protocolo de Cooperação celebrado

Leia mais

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Nesta classe estão incluídos todos os valores representativos do conjunto da actividade creditícia, as aplicações em títulos que não sejam imobilizações financeiras

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP)

Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP) Regulamento da Unidade Curricular de Estágio (Formação em Contexto de Trabalho) dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTesP) Página 1 de 7 CAPÍTULO I Conceitos, objetivo e âmbito Artigo 1º Conceitos

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS GUILHERME FILIPE

REGULAMENTO DA SALA DE EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS GUILHERME FILIPE REGULAMENTO DA SALA DE EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS GUILHERME FILIPE Preâmbulo A Câmara Municipal de Arganil disponibiliza a Sala de Exposições Temporárias Guilherme Filipe para a realização de exposições temporárias,

Leia mais

2011 VIA VITI Edição 2_2011

2011 VIA VITI Edição 2_2011 2011 VIA VITI Edição 2_2011 PLANO DE FORMAÇÃO 2011 0 [PLANO DE FORMAÇÃO 2011] Edição nº 2 do plano de formação para o ano de 2011 Índice CURSO DE VINHOS NÍVEL I...2 1. INTRODUÇÃO À TÉCNICA DA PROVA...2

Leia mais

REGULAMENTO DAS RESIDÊNCIAS DE DOCENTES, FUNCIONÁRIOS E ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DAS RESIDÊNCIAS DE DOCENTES, FUNCIONÁRIOS E ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DAS RESIDÊNCIAS DE DOCENTES, FUNCIONÁRIOS E ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO I OBJECTIVOS Art.º 1.º - As residências destinam-se a proporcionar alojamento a docentes, funcionários,

Leia mais

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Decreto executivo n.º 1/06 de 9 de Janeiro Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento, estruturação e organização do Secretariado Executivo do

Leia mais

MUNICÍPIO DA CHAMUSCA. Minuta

MUNICÍPIO DA CHAMUSCA. Minuta Minuta CONTRATO PROGRAMA DE GESTÃO/ANO 2016 Capítulo I O presente Contrato Programa de Gestão para o ano de 2016 é celebrado entre o Município da Chamusca e a União Desportiva da Chamusca e consta no apoio

Leia mais

INSTRUÇÃO RELATIVA À APRESENTAÇÃO DE DESPESAS DE COLABORADORES

INSTRUÇÃO RELATIVA À APRESENTAÇÃO DE DESPESAS DE COLABORADORES Nº : Versão : 24 Agosto 2012 INSTRUÇÃO RELATIVA À APRESENTAÇÃO DE DESPESAS DE COLABORADORES 1I ENQUADRAMENTO A presente instrução define as regras de tratamento de despesas, que nos termos dos Regulamentos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE O LICENCIAMENTO E FUNCIONAMENTO DAS ESPLANADAS

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE O LICENCIAMENTO E FUNCIONAMENTO DAS ESPLANADAS REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE O LICENCIAMENTO E FUNCIONAMENTO DAS ESPLANADAS Num concelho e numa cidade com reconhecidas aptidões para a actividade turística como é Macedo de Cavaleiros, a existência de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Portaria nº 536/95, de 3 de Junho

Portaria nº 536/95, de 3 de Junho Portaria nº 536/95, de 3 de Junho Prevê-se no nº 2 do artigo 56.º do Regulamento do Serviço Público de Correios, aprovado pelo Decreto-Lei nº 176/88, de 18 de Maio, que as disposições respeitantes ao serviço

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor.

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor. Capítulo I DEFINIÇÃO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor. 2. Entende-se por inscrição

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO Nota justificativa Este regulamento visa definir os termos de funcionamento do Centro de Documentação e Informação da Região de Turismo do Algarve, serviço integrado no Núcleo de Planeamento, Comunicação

Leia mais

Projecto de Regulamento Municipal de Gestão, Utilização e Cedência. SKATE PARQUE _ Margem Sul _ Alcácer do Sal

Projecto de Regulamento Municipal de Gestão, Utilização e Cedência. SKATE PARQUE _ Margem Sul _ Alcácer do Sal Projecto de Regulamento Municipal de Gestão, Utilização e Cedência SKATE PARQUE _ Margem Sul _ Alcácer do Sal Regulamento Municipal de Gestão, Utilização e Cedência do Skate Parque Artigo 1.º (Lei habilitante)

Leia mais

CAPITULO I Disposições Gerais

CAPITULO I Disposições Gerais REGULAMENTO da Unidade Curricular Dissertação/Projeto/Estágio dos Cursos de Mestrado em Contabilidade, Mestrado em Contabilidade e Administração Pública e Mestrado em Marketing, do Instituto Superior de

Leia mais

Tarifário para Tarifário para 2015

Tarifário para Tarifário para 2015 Tarifário para 2015 Setembro de 2014 Página 1 de 12 Índice Tarifas de Abastecimento... 3 Tarifas de Saneamento... 4 Outros serviços de abastecimento... 5 Outros serviços de saneamento... 7 Processos de

Leia mais

Regulamento de Taxas para Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento de Taxas para Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Aviso n.º 1891/2004 (2.ª série) AP. Torna-se público, de harmonia com o artigo 118.º do CPA e dando cumprimento à deliberação tomada em reunião ordinária da Câmara Municipal realizada em 9 do corrente

Leia mais

Secretarias Regionais de Educação e das Finanças e Administração Pública

Secretarias Regionais de Educação e das Finanças e Administração Pública Secretarias Regionais de Educação e das Finanças e Administração Pública Regime de aplicação de taxas pela utilização de infraestruturas desportivas sob tutela da Secretaria Regional de Educação A existência

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA. (Versão em vigor, com as alterações introduzidas pela Deliberação n.

REGULAMENTO GERAL DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA. (Versão em vigor, com as alterações introduzidas pela Deliberação n. REGULAMENTO GERAL DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA (Versão em vigor, com as alterações introduzidas pela Deliberação n.º 2/AM/99) Capítulo I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º (Âmbito de aplicação)

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito I N S T I T U T O D E E N G E N H A R I A B I O M É D I C A REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento, aprovado pela Fundação

Leia mais

Regulamento Municipal Da Oficina do Idoso

Regulamento Municipal Da Oficina do Idoso Regulamento Municipal Da Oficina do Idoso ABRIL DE 2009 APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL DE SINTRA EM 14 DE JANEIRO DE 2009 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 23 DE ABRIL DE 2009 NOTA JUSTIFICATIVA

Leia mais

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB SECÇÃO I DEFINIÇÕES Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as normas aplicáveis ao processo de eleição das Comissões de Curso

Leia mais

ANEXO 1 Definições dos parâmetros de qualidade de serviço e objectivos de desempenho aplicáveis ao serviço universal

ANEXO 1 Definições dos parâmetros de qualidade de serviço e objectivos de desempenho aplicáveis ao serviço universal http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=232425 ANEXO 1 Definições dos parâmetros de qualidade de serviço e objectivos de desempenho aplicáveis ao serviço universal Prazo de fornecimento da ligação

Leia mais