TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS"

Transcrição

1 TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS MÓDULO 4 Os Diferentes Tipos e Padrões de Fluxogramas Há muitos tipos diferentes de fluxograma, cada um com sua aplicação específica. A seguir apresentaremos os quatro principais tipos. Diagrama de Blocos Trata-se do fluxograma mais simples e comum que existe. Ele nos fornece uma visão rápida e simples do processo. A figura abaixo apresenta um diagrama de blocos que fornece uma visão geral do processo de contratação. Os retângulos indicam atividades e as linhas com setas interligam os retângulos para mostrar o sentido do fluxo de informação e/ou relacionamento entre as atividades. Como você pode observar, muitas atividades são executadas dentro de cada retângulo. Se for conveniente, cada retângulo pode ser desenvolvido em um diagrama de blocos. A Fig. 3.8 mostra o processo de considerar a primeira

2 atividade do fluxograma da Fig. 3.9 e expandi-la num diagrama de blocos mais detalhado. Observe que os rótulos descritivos de cada atividade começam com um verbo. Embora isto não seja determinante, é bom seguir esta regra. A padronização das frases torna a compreensão mais rápida para o leitor. Além disso, todas as atividades empresariais podem ser descritas por um verbo. Assim sendo, se você rotular cada bloco com verbo poderá assegurar que o rótulo descreve, de fato, uma atividade empresarial.

3 Símbolos padronizados para Fluxograma Padrão ANSI O retângulo indica uma operação. Ele estará presente sempre que houver uma mudança. transporte. Esta é a chamada seta grossa e indica movimento ou O Losango deverá estar posicionado no ponto do processo onde a decisão deverá ser tomada. Usa-se o círculo grande para mostrar que o processo deverá ser interrompido e a qualidade do que está sendo desenvolvido possa ser revista.

4 O retângulo com base ondulada mostra quando a saída de uma atividade inclui informações registradas em papel (relatório escrito, cartas, listagens de computador). O retângulo com um dos lados arredondados indica um intervalo no processo. Também pode indicar que um item deve ser colocado em estoque temporário. O triângulo invertido indica uma condição de armazenagem. No processo empresarial o triângulo mostra a situação de uma requisição de compras. O retângulo aberto é usado para designar quem é o responsável pela realização de uma atividade. Também pode-se utilizar o retângulo aberto interligado por uma linha tracejada ao fluxograma para registrar informações adicionais pertinentes ao símbolo ao qual está ligado. A seta indica o sentido, bem como a seqüência das fases de um processo. Ela pode estar posicionada para cima, para baixo, para a direita ou para a esquerda. Este símbolo é denominado seta interrompida e identifica a transmissão instantânea de uma informação, seja por correio eletrônico, telefone ou fax. O círculo pequeno com uma letra inserida é usado no final do fluxograma para indicar que a saída daquela parte do fluxograma será usada como entrada em outro fluxograma. Esse símbolo é usado com freqüência quando não há espaço para desenhar o fluxograma inteiro na folha de papel.

5 final do processo. O círculo alongado é utilizado para indicar o início ou Fluxograma padrão ANSI Um fluxograma padrão ANSI fornece uma compreensão detalhada de um processo, que excede, e em muito, aquela dada por um diagrama de blocos. Na verdade, o diagrama de blocos normalmente é usado como ponto de partida, e um fluxograma padrão é usado para detalhar as atividades dentro de cada bloco, até o nível desejado do detalhe. Um exemplo de processo pode ser o de cortar o cabelo no barbeiro da esquina, e/ou sair para uma pescaria. Apresentamos os fluxos dos processos nas figs e Fig. 3.10

6 O Fluxograma padrão da fig mostra losangos como pontos de decisão, em que podem ser tomados percursos diferentes. Observe que as palavras SIM e NÃO são usadas para esclarecer as alternativas. Os pequenos círculos são símbolos de conexão, que levam a segunda parte do fluxograma (Fig. 3.11). Fig A Fig mostra o fluxograma do processo de cálculo do pagamento semanal dos vendedores. As atividades do procedimento estão anotadas ao lado de cada símbolo do fluxograma para melhor entendimento.

7 Fig IDENTIFICAÇÃO DOS PROCESSOS EMPRESARIAIS Análise dos processos-chave e de apoio Marketing / Vendas (processo chave): Levantamento das necessidades e expectativas dos clientes, a fim de determinar: As características de desempenho, físicas e funcionais do Produto ou Serviço. O preço pelo qual o cliente está disposto a pagar pelo Produto ou Serviço. Cliente alvo. Como promover o Produto ou Serviço. Produção (processo chave): Definição de como produzir para atender às Vendas. Desenvolvimento do produto ou serviço para atender às necessidades e expectativas dos clientes (Engenharia). Garantir o funcionamento contínuo das máquinas e

8 equipamentos da produção, bem como da estrutura física (predial) (Manutenção). Recursos Humanos (processo de apoio): Prover a organização de pessoas qualificadas para atender as suas necessidades. Para isso é necessário adequar as atividades de: Recrutamento, seleção e contratação. Integração. Atendimento à Legislação. Benefícios. Avaliação. Plano de Ação de melhoria da Qualificação. Acompanhamento da eficácia do Plano de Ação. Materiais (processo de apoio): Proporcionar a aquisição, o armazenamento e distribuição adequada dos materiais (matéria prima, insumos, equipamentos etc.). Transportes (processo de apoio) Adequar a entrega dos produtos atendendo o acordado com o cliente. Também abrange o transporte de colaboradores. Financeira (processo de apoio) Adequar os pagamentos aos recebimentos da organização. Planejar adequadamente os investimentos. Desenvolver adequadas Demonstrações Financeiras. Contratar seguros necessários. Gestão Administrativa (processo de apoio): Integrar todas as atividades e definir objetivos, indicadores e metas para toda a organização. Acompanhar, controlar e propor ações de melhoria. Fluxos dos principais processos empresariais

9 Tomando como base o Sistema de Gestão representado na figura anterior, podemos definir que: Para a Realização do Produto necessita-se da integração dos Processos de Marketing / Vendas e de Produção. A Gestão de Recursos abrange os Processos Financeiros, Transportes, Materiais e Recursos Humanos. É Responsabilidade da Administração a Gestão Administrativa. Para o atendimento aos Stakeholders, ou às partes interessadas em qualquer negócio como Acionistas / Proprietários; Clientes; Colaboradores; Fornecedores e Sociedade é necessário o acompanhamento contínuo de todos os processos, através de Medições, Análise dos Resultados e propostas de Aperfeiçoamento. Pode-se representar o fluxo dos processos empresarias conforme a seguir:

10

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais, PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 38/2016 Define a Política de Gerenciamento da Central de Serviços de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO/E.E ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código:091.01 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

CAPÍTULO II Fornecedores SEÇÃO I Qualificação de fornecedores de produtos e insumos

CAPÍTULO II Fornecedores SEÇÃO I Qualificação de fornecedores de produtos e insumos REGULAMENTO PRÓPRIO PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E COMPRAS COM RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO. CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer normas de padronização para aquisição de materiais,

Leia mais

Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog: Uberlândia - MG

Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog:  Uberlândia - MG FLUXOGRAMA CONCEITO Fluxograma é um tipo de diagrama, e pode ser entendido como uma representação esquemática de um processo, muitas vezes feito através de gráficos que ilustram de forma descomplicada

Leia mais

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional INFORMATIVO SENAI 5.5 TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O MUNDO SENAI PESQUISA INSTITUCIONAL S E N A I - R O. 2 01 5 MOSTRAR SEU SORRISO DE SATISFAÇÃO Sua participação é importante para o SENAI continuar

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João NÚMERO DO DOCUMENTO : VERSÃO : 1.1 ORIGEM STATUS : c:\projetos : Acesso Livre DATA DO DOCUMENTO : 22 novembro 2007 NÚMERO DE PÁGINAS : 13 ALTERADO POR : Manoel INICIAIS:

Leia mais

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação 1. Objetivo Esta norma estabelece o procedimento para elaboração e implementação de ações preventivas no Sistema de Gestão da Qualidade da (Seduc). 2. Documentos complementares 2.1 Norma EDSGQN003 Registros

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PAULINO BOTELHO Ensino Técnico Código: 091 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação: Técnico em

Leia mais

Processo de gerenciamento de capacidade

Processo de gerenciamento de capacidade Processo de gerenciamento de capacidade O fornecimento da capacidade exigida para processamento e armazenamento de dados é tarefa do gerenciamento de capacidade. Isso é feito para que o provimento desta

Leia mais

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Aula Inaugural Introdução as Boas Práticas da Farmácia Hospitalar Kelly Braga Farmácia Hospitalar Unidade clínica, administrativa a e econômica,

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

Processos de Gerenciamento de Projetos. Parte 02. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Processos de Gerenciamento de Projetos. Parte 02. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza Processos de Gerenciamento de Projetos Parte 02 CSE-301 / 2009 / Parte 02 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração:

Leia mais

Modelo Geral do SIG 18/11/2014. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG

Modelo Geral do SIG 18/11/2014. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014. Todos direitos reservados. Componentes, condicionantes, níveis de influência e abrangência do SIG Modelo Geral do SIG Planejamentos Fator Humano SIG Estrutura

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MBA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA : MODELAGEM E GESTÃO DE PROCESSOS TÓPICO: - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PROFESSOR: Dr. Ruben H. Gutierrez (D.Sc.) rubenhg@uol.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar VII e

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar VII e UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar VII e VIII Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Recursos Humanos 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Primeira Edição: 20/08/2010 Página 1 de 10 Revisão 01 POP.ADM.001 PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS

Primeira Edição: 20/08/2010 Página 1 de 10 Revisão 01 POP.ADM.001 PROCEDIMENTO ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS Página 1 de 10 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 20/08/2010 Emissão do Documento 01 08/11/2011 Alteração logomarca e revisão do procedimento Claudiane Freire de Oliveira Coordenador

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida Planejamento e Desempenho de Custos Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida O que é um orçamento? É o planejamento financeiro para um determinado projeto. Objetivo da aula: apresentar

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior.

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. PLANO GERAL DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO Com a entrada em vigor da Lei 9.394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO?

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? É UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS FATORES DE PRODUÇÃO, MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, PROCESSOS E RECURSOS HUMANOS, VOLTADOS PARA A SOBREVIVÊNCIA DA EMPRESA, ATRAVÉS DA BUSCA CONSTANTE

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 5: Revisão Geral Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Estratégia Corporativa Estratégia corporativa é o processo essencial dentro das organizações,

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão e Adequação integral do PO 02 Revisão integral do procedimento e adequação dos registros e padrões 03 Adequação da ISO

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS WORKSHOP II Mapeamento de Processos

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS WORKSHOP II Mapeamento de Processos WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS WORKSHOP II Mapeamento de Processos Superintendência de Planejamento e Gestão Escritório de Processos Organizacionais Goiânia, 03 de junho de 2009 Objetivos do Workshop II

Leia mais

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS)

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS) H.E. BanKi-moon Secretário Geral Nações Unidas Nova York, NY10017 EUA Referência: COMUNICAÇÃO DO PROGRESSO (COP - Communication on Progress) Período: 07/2015 à 06/2016 1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 5 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Auditoria Ambiental Questionário Pré-Auditoria É um instrumento utilizado na etapa de pré-auditoria,

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

Introdução à Qualidade

Introdução à Qualidade Introdução à Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Introdução A Gerência da Qualidade quando focada na busca pela Qualidade Total possibilita a empresa dirigir seus esforços para: Melhorar de

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I Departamento de Estatística Tarciana Liberal CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Gerenciamento de risco Químico Edson Haddad CETESB Gerenciamento de risco Propósito do PGR Programa de Gerenciamento

Leia mais

ISO 9001: Abordagem de processo

ISO 9001: Abordagem de processo ISO 9001:2008 0.2. Abordagem de processo Apesar dos requisitos da ISO 9001 propriamente ditos só começarem no item 4 da norma, o item 0.2 Abordagem de processo, é uma exigência básica para a aplicação

Leia mais

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²):

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²): PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS PGRI Página 1/5 1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Classificação Fiscal: 2. Caracterização do Empreendimento Contato (Fone

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais. da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM

Sistemas de Informações Gerenciais. da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM Sistemas de Informações Gerenciais da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM Empresa digital 2 Sistema Integrado de Gestão e-commerce e empresas parceiras Compras BACK OFFICE FRONT OFFICE SCM - Supply Chain

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE Primeira 1/7 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DAS ATIVIDADES ESTÁGIOSUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Colegiado: -Validar o

Leia mais

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações Professora: Caroline Camera Origens da Contabilidade de Custos A preocupação com a Contabilidade nasceu desde que o homem passou a possuir

Leia mais

CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO DAS ESTAÇÕES DA CPTM PARA MELHORIA DO FLUXO DE PASSAGEIROS

CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO DAS ESTAÇÕES DA CPTM PARA MELHORIA DO FLUXO DE PASSAGEIROS CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO DAS ESTAÇÕES DA CPTM PARA MELHORIA DO FLUXO DE PASSAGEIROS DANILO TEMERLOGLOU DE ABREU EDSON LUIZ BELLUOMINI FÁBIO CÂNDIDO DOS SANTOS AGENDA OBJETIVO CONCEPÇÃO

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Gerenciamento de s Planejamento e Gestão de s Prof. Msc. Maria C Lage Prof. Newman Serrano, PMP Gerenciamento de Recursos Humanos Introdução

Leia mais

JÁDSON PIERRE MARTINS DE SOUZA

JÁDSON PIERRE MARTINS DE SOUZA JÁDSON PIERRE MARTINS DE SOUZA Santa Cruz do Capibaribe, PE pierrealmoxarifado@hotmail.com - 81 99219 3067 Disponibilidade de mudança para: Qualquer lugar EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Encarregado de Almoxarifado

Leia mais

. ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS

. ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS . ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS ASPECTOS LEGAIS LEI Nº 4.751, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre o Sistema de Ensino e a Gestão Democrática do Sistema de Ensino Público do Distrito Federal. PORTARIA Nº

Leia mais

Sistemas de Informação na Empresa

Sistemas de Informação na Empresa Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

PLANEJAMENTO CICLO PDCA PLANEJAMENTO CICLO PDCA PLANO DO PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ 28/03/2016. PROFª MSc. HELOISA F.

PLANEJAMENTO CICLO PDCA PLANEJAMENTO CICLO PDCA PLANO DO PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ 28/03/2016. PROFª MSc. HELOISA F. SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL GESTÃO DE Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2 SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PLANEJAMENTO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR)

SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Nº Comité de Estudio: 11 Nº IV SESEP: CE.11.08e SISTEMA DE MATERIAIS DE RESERVA (SMR) Irineu J. V. Finato ITAIPU BINACIONAL Ricardo Gonzalez Jacques ITAIPU BINACIONAL Edeltraut Eyng Thiel ITAIPU BINACIONAL

Leia mais

1) A quem devo me reportar para solicitar esclarecimentos sobre o conteúdo dos documentos da Chamada Pública.

1) A quem devo me reportar para solicitar esclarecimentos sobre o conteúdo dos documentos da Chamada Pública. Objetivo: Divulgar respostas a questionamentos específicos apresentados pelas partes interessadas na Chamada Pública, de forma a garantir a ampla divulgação de todas as informações relevantes e pertinentes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec Professora Ermelinda Giannini Teixeira Código: 187 Município: SANTANA DE PARNAIBA Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo ELEMENTOS DO DESENHO TÉCNICO Os desenhos no papel continuam a ter importância, em particular para a fabricação,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Portfólio de Serviços PSX Tecnologia Ltda 2016 BR R9b

Portfólio de Serviços PSX Tecnologia Ltda 2016 BR R9b www.psxtecnologia.com.br Portfólio de Serviços PSX Tecnologia Ltda 2016 BR R9b O que fazemos QUEM SOMOS Nossa empresa A PSX Tecnologia é uma empresa especializada em consultoria no segmento empresarial.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 238 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P : O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005 CUSTOS NO SETOR PÚBLICO: P Diversidade de visões. Objetivos - custo para otimização de resultados, para melhoria de

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES POLÍTICA DE TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES A CCT Conceitual Construções LTDA, considera cada reclamação como uma oportunidade de melhorar o serviço que desenvolve para seus clientes, colaboradores e parceiros

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

Ementas. Certificate in Business Administration CBA

Ementas. Certificate in Business Administration CBA Ementas Certificate in Business Administration CBA Agosto 2012 Módulo Fundamental Administração Financeira EMENTA: Disciplina desenvolve a capacidade de contribuição para as decisões gerenciais aplicando

Leia mais

Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família. (PROESF Fase 2) AQUISIÇÕES de BENS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS

Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família. (PROESF Fase 2) AQUISIÇÕES de BENS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família (PROESF Fase 2) AQUISIÇÕES de BENS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS Aquisições através das Regras do Banco Mundial O Artigo 42 5º da Lei 8.666 permite que os

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Este é o capítulo 13 do PMBoK e é uma área muito importante para o PMI, pois antes de levar em consideração o cumprimento dos prazos, orçamento e qualidade,

Leia mais

Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos. Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos

Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos. Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos 1. Introdução: O aplicativo Previsão a Curto Prazo e Evolução dos Sistemas Convectivos denominado de FORTRACC, foi desenvolvido com o objetivo de obter a

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

ÍNDICE. Técnico em Administração I Módulo Contabilidade Geral

ÍNDICE. Técnico em Administração I Módulo Contabilidade Geral ÍNDICE METODOLOGIA E TRABALHO CIENTÍFICO...9 1 INTRODUÇÃO...9 2 OBJETIVO...9 3 PROCEDIMENTOS...9 3.1 CRITÉRIOS PARA FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE TRABALHO...9 3.2 CRITÉRIOS DE ESCOLHA DOS TEMAS...9 3.3 CRITÉRIOS

Leia mais

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA Direção de Serviço de Reformas Cargo Função Técnico Diretor de Serviço Dirigir e enquadrar os projetos de modernização e reforma no âmbito do

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE 1 FORMULÁRIO 1 - PLANO DE AÇÃO 2016 Durante a discussão da Proposta Orçamentária e Diretrizes para o Plano de Ação 2016 no CONSAD foi recomendado a explicitação dos objetivos

Leia mais

COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ. Setembro/2004

COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ. Setembro/2004 COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ DIRETORIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA - DF GERÊNCIA DE CONTRATAÇÕES E COMPRAS - GCP Setembro/2004 Apresentação do tema Objetivo Exposição de planejamento

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação II Encontro Nacional entre o Ministério Público e o MEC Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação Setembro - 2009 O que é Sistema de acesso

Leia mais

Gestão de sistemas em energia:

Gestão de sistemas em energia: MESTRADO EM ENERGIA Gestão de sistemas em energia: - Planejamento da Operação - Projeto de sistemas de energia Prof. Manuel Jarufe manueljarufe@ceunes.ufes.br Disciplina: Gestão de sistemas em energia

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público I SEMINÁRIO POTIGUAR SOBRE CONTABILIDADE, CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público Nelson Machado e Victor Holanda MAIO 2011, NATAL RN Ambiente e Desafios

Leia mais

OPORTUNIDADES DE ESTÁGIO

OPORTUNIDADES DE ESTÁGIO da Vaga Nº da 2003 Curso(s): Administração Auxiliar na preparação de documentos administrativos; Auxiliar na elaboração de relatórios em geral, relativos a informações não protegidas por sigilo fiscal;

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I 2015.2 Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade de Software

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Assembleia Geral Extraordinária. Seiva S.A. Florestas e Indústrias

Assembleia Geral Extraordinária. Seiva S.A. Florestas e Indústrias Assembleia Geral Extraordinária Seiva S.A. Florestas e Indústrias ÍNDICE Proposta da Administração 2 Informações sobre a operação a ser realizada com Parte Relacionada (Art. 8º - Instrução CVM nº 481)

Leia mais

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016 Tipos de Indicadores 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho ; OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 03

Princípios da Engenharia de Software aula 03 Princípios da Engenharia de Software aula 03 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes Material cedido por: Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Modelos de processos de software: Evolucionário Tipos

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais