QUADRO DE HARMONIZAÇÃO SOBRE OS REGIMES DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL AUTOMÓVEL NA REGIÃO ESA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUADRO DE HARMONIZAÇÃO SOBRE OS REGIMES DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL AUTOMÓVEL NA REGIÃO ESA"

Transcrição

1 QUADRO DE HARMONIZAÇÃO SOBRE OS REGIMES DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL AUTOMÓVEL NA REGIÃO ESA 1. Objectivo do Quadro de Harmonização Para traçar o quadro da harmonização dos regimes de seguro automóvel contra terceiros nos países da África Oriental e Austral 1 (ESA) para a apreciação do Sistema do Cartão Amarelo (CA) como o mecanismo preferencial para o sistema de harmonização. 2. Introdução Os transportes rodoviários internacionais enfrentam muitos desafios que aumentam os custos e comprometem a sua eficácia. Um dos principais desafios enfrentados é o problema de seguro de responsabilidade civil nos territórios estrangeiros. O cruzamento de fronteiras internacionais exige que os operadores tenham ou obtenham algum tipo de seguro contra terceiros para cobrir as responsabilidades decorrentes de acidentes que possam ocorrer em território estrangeiro. Dependendo do sistema em vigor no território ou territórios em que o veículo passa, a falta de harmonização tem duas principais consequências: (i) (ii) vítimas de acidentes rodoviários cujas vidas e propriedades sofram danos ou são destruídas pelo trânsito de veículos, ficam sem indemnização; e agências de seguros em diferentes países experimentam desequilíbrios nos pagamentos de indemnizações, onde existem diferenças nos prémios e na regularização dos sinistros. 1 ESA é a região abrangida pelas comunidades económicas regionais da COMESA, EAC e SADC. 1 P a g e

2 As diferenças nas respostas para estes problemas resultam num aumento de custos operacionais de transporte e de riscos em três aspectos: (i) (ii) (iii) aumento da burocracia e, consequentemente, de custos; contribuição para os atrasos nas fronteiras; e necessidade dos condutores de transportar dinheiro e os riscos a isso associados. A tendência geral dos regimes de transportes rodoviários se tornarem mais liberalizados exige sistemas harmonizados que minimizem os custos. Para enfrentar esse desafio, o Mercado Comum da África Austral (COMESA), a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e a Comunidade da África Oriental (EAC) nomearam a Rayfact Investments (Pty.) Ltd (Rayfact) para desenvolver instrumentos e orientações estratégicas para harmonizar os regimes nacionais e regionais de seguros contra terceiros em vigor nos Estados-Membros da Região da África Oriental e Austral (ESA), com base no plano de trabalho aprovado pela Comissão de Ministros da SADC responsáveis pelo transporte, em Maio de Como parte dessa nomeação, a Rayfact, com o apoio dos directores, organizou seminários dos intervenientes nacionais no Botswana, Lesoto, Suazilândia, África do Sul, Namíbia, Moçambique e República Democrática do Congo. Um seminário regional também foi realizado para sensibilizar os Estados-Membros e criar um consenso sobre a estratégia de implementação de harmonização, focando o objectivo da interface de sistemas de seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel existentes com o Esquema Regional de Cartão Amarelo do COMESA. 3. Historial O Protocolo da SADC sobre Transportes, Comunicações e Meteorologia, em particular o Capítulo 6 relativo ao Tráfego Rodoviário e o Artigo 6.8 relativo a Harmonização de Seguros Contra Terceiros conferiu o mandato segundo o qual a harmonização deveria ser realizada, nomeadamente que: 2 P a g e

3 Os Estados-Membros devem investigar os mecanismos para a criação de um sistema harmonizado de seguros contra terceiros na Região. Para este efeito, os Estados-Membros devem tomar conhecimento dos sistemas existentes para proporcionar seguros contra terceiros na Região e devem, na elaboração dos mecanismos previstos no 1º parágrafo, guiar-se pelos seguintes princípios: a) adequação de cobertura; b) acessibilidade dos preços; c) procedimentos eficazes para receber prémios; d) reconhecimento do seguro emitido num Estado-Membro por toda a Região; e e) flexibilidade administrativa. 4. Definição de Conceitos 4.1 Harmonização refere-se ao estabelecimento de políticas mutuamente complementares, legislação, normas, práticas ou sistemas entre as nações com base nos padrões mínimos acordados. 4.2 Padronização, por outro lado, refere-se ao estabelecimento de políticas uniformes e invariáveis, legislação, normas e práticas ou sistemas nos respectivos Estados-Membros. A Padronização não é um objectivo do exercício actual. A Região da ESA procura harmonizar os sistemas nacionais de seguro contra terceiros com o Sistema Regional do Cartão Amarelo do COMESA, com base nos padrões mínimos acordados. A harmonização visa alcançar o seguinte: i. facilitação do comércio e transporte para a integração regional e o desenvolvimento económico; ii. simplificação do processo de subscrição; iii. determinação do preço justo por parte dos membros das agências nacionais; iv. contribuição para a criação de um mercado integrado de transporte rodoviário na região; e v. contribuição para um sentido de justiça e equidade no mercado regional. 3 P a g e

4 4.3 Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel (CTP) O CTP, também conhecido como Lei de Seguros, oferece cobertura para danos corporais, morte e em alguns casos, danos a propriedade de terceiros que um condutor pode causar a outros utentes da estrada, levando à responsabilidade legal por parte do condutor infractor. O CTP deve ser adquirido antes de se registar ou licenciar o veículo quando novo ou anualmente aquando da renovação, e quando se reabastece o veículo conforme exigido pelo padrão da União Aduaneira da África Austral (SACU). Em vários países da SADC existem os seguintes regimes nacionais de seguro obrigatório contra terceiros: Seguro Nacional Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel a) Lei sobre o Tráfico Rodoviário Trata-se do seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel que opera ao nível nacional com base na legislação aplicável num dado país como Zimbabwe, Zâmbia e Malawi. b) Sistema de Imposto sobre Combustíveis Nos países da SACU, quando se reabastece o veículo, parte do dinheiro vai para o imposto sobre produtos petrolíferos ou combustíveis. A extensão da cobertura obrigatória varia de país para país, conforme a legislação nacional. c) Sistema de Pagamento em Dinheiro Os pagamentos em dinheiro efectuados na fronteira com base nas normas nacionais e são aplicáveis aos condutores com veículos de matrícula estrangeira que entram num dado país. A apólice do seguro obedece às leis e regulamentos do país onde o pagamento é efectuado. 4.5 Seguro Regional Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel Na Região da ESA existe apenas um regime operacional regional de seguro 4 P a g e

5 obrigatório e é designado por Sistema de Cartão Amarelo. Este sistema é um certificado de seguro automóvel emitido como um cartão de cor amarela, sendo reconhecido pelos países membros que são signatários do Protocolo e participam do sistema. O sistema garante que o conductor para o qual o cartão é emitido tenha seguro que esteja em conformidade com os requisitos de seguro obrigatório de responsabilidade civil do país em que o condutor esteja de visita ou em trânsito. Este Regime pode incluir o seguro contra terceiros em caso de morte, lesão corporal e/ou danos à propriedade. A cobertura do seguro depende da legislação do país onde foi emitido. 5. Visão Geral do Sistema de Cartão Amarelo 5.1 Historial do Sistema de Cartão Amarelo O sistema opera há 27 anos e os principais marcos da sua história são os seguintes: i. Em 1985, o Conselho de Ministros do COMESA chegou ao acordo sobre um Regime de Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel. ii. O Protocolo sobre a Criação do Sistema foi assinado por catorze (14) países, em 1986, em Adis Abeba, Etiópia. iii. O regime é um ponto de referência contra alguns sistemas internacionais de cartões de seguro que tenham estado em vigor há vários anos na Europa e em outras partes do mundo. iv. Em 1987, foi assinado em Lusaka, Zâmbia, um Acordo entre as Agências Nacionais de Seguros com vista a implementar o Sistema, designadas pelos respectivos governos para gerir as operações do sistema nos seus países 5.2 Objectivos do Sistema de Cartão Amarelo do COMESA Os principais objectivos do sistema são: i. Reduzir os problemas encontrados pelo tráfego inter-estatal, em relação aos requisitos de seguro de responsabilidade civil automóvel na entrada em outros países membros e não-membros do COMESA (por exemplo, República Unida da Tanzânia) que fazem parte no Sistema; ii. Oferecer uma garantia mínima às vítimas de acidentes rodoviários, a título de compensação por danos/lesão corporal que poderão ter sofrido em 5 P a g e

6 iii. resultado de acidente (s) rodoviário (s) inter-estatal, em conformidade com as disposições da lei em vigor nos territórios de cada um dos Estados- Membros participantes visitados ou transitados; Fornecer um sistema comum de regularização de sinistros para créditos de liquidação nas fronteiras de todos os Estados-Membros participantes do Regime. 5.3 Quadro Institucional O enquadramento de administração de empresas, a estrutura institucional, o papel e funções de cada uma das partes do regime pode ser assim resumido: a) Principais Partes do Sistema i. Estados-Membros signatários do protocolo operacional sobre a criação do sistema; e ii. companhias de seguros que estejam autorizadas a subscrever o negócio de seguro automóvel na Região da ESA. b) Governos dos Estados-Membros Estes são responsáveis pelo cumprimento da implementação e funcionamento do sistema em: i. reconhecer a validade do Cartão Amarelo do COMESA; ii. promulgar as disposições legais e regulamentares destinadas à criação do sistema de Cartão Amarelo; iii. designar a Agência Nacional que é o ponto focal para as actividades do Cartão Amarelo em cada país membro específico; iv. garantir que a Agência Nacional seja estabelecida e funcione de acordo com as disposições do Protocolo e que aderiu ao Conselho das Agências Nacionais e em conformidade com as decisões do mesmo; v. garantir a solvência da sua Agência Nacional; vi. garantir que o governo ou a Agência Nacional efectue depósitos no Banco Central ou num Banco Comercial designado, num mínimo de USD em forma de uma carta de crédito ou de segurança aceitável para assegurar o seu desempenho ou solvência; vii. garantir que a Agência Nacional seja estabelecida e funcione de acordo com as disposições do Protocolo e que se junte ao Conselho das Agências 6 P a g e

7 Nacionais e em conformidade com as decisões do mesmo; 2 c) Conselhos das Agências Nacionais O Conselho das Agências Nacionais é o órgão supremo do sistema e executa as seguintes funções: i. orientar, coordenar e supervisionar as operações legais, administrativas e financeiras do Sistema; ii. decidir sobre as admissões dos novos membros para o Sistema; iii. arbitrar e resolver litígios entre os Estados-Membros; iv. determinar o orçamento anual e as contribuições dos membros. d) Agências Nacionais Uma Agência Nacional poderá ser uma agência/companhia de seguros estabelecida ou Comissão/Conselho/Associação Nacional de Seguros ou qualquer outro sector designado pelo governo de determinado país para coordenar as operações do Regime. A designação varia de um país para outro. A Agência Nacional desempenha os seguintes papéis e funções: i. é o ponto focal designado pelo governo de cada Estado-Membro para representar as seguradoras de veículos automóveis. ii. coordenar as actividades do Regime em cada país, e relaciona-se com outras Agências Nacionais noutros Estados-Membros. iii. fornecer acordos mútuos com outras Agências Nacionais, por exemplo, na regularização de sinistros em nome de outras Agências Nacionais em caso de sinistros provocados por acidentes envolvendo condutores que visitam determinado país. iv. actuar como um segundo centro de participação após, à seguir a Polícia e auxiliar na regularização do sinistro depois de feitas as verificações necessárias. e) Pool de Resseguro A ZEP-Reinsurence Pool administra o prémio de cessões de resseguro por parte das Agências Nacionais e lida com o número excessivo de sinistros ao qual as 2 N. T: a repetição verificada nos pontos iv. e vii. deve-se a repetição no documento original. 7 P a g e

8 Agências Nacionais não conseguem fazer face e envia relatórios à Comissão Técnica de Gestão do Cartão Amarelo 5.5 Status de funcionamento do Regime Actualmente, o sistema está operacional em doze (12) países-membros do COMESA: Burundi, Etiópia, Eritreia, Djibuti, Sudão, Ruanda, Uganda, República Democrática do Congo (RDC), Zâmbia, Quénia, Malawi e Zimbabwe. O sistema também está operacional na Tanzânia, um país não-membro do COMESA. Na região existem mais de 180 seguradoras envolvidas nas operações do sistema. Em 2010/2011, as agências de seguros envolvidas emitiram mais de cartões, colectaram mais de USD 5,5 milhões de receitas em prémios e receberam mais de 450 pedidos de compensação para as vítimas de acidentes de viação. O Sistema possui uma facilidade dos serviços do Pool de Resseguro, com uma base de activos de USD 7,5 milhões, projectada para melhorar a eficácia e a rentabilidade das operações do sistema. 5.6 Benefícios do Cartão Amarelo Os benefícios do Cartão Amarelo são abaixo descritos Administrativos O Cartão Amarelo; i. é uma das plataformas para a melhoria da integração regional e do comércio inter-estatal; ii. é um dos instrumentos mais eficazes para a cooperação na facilitação de circulação de bens e pessoas e no fortalecimento do comércio e do turismo ao nível do COMESA, dentro e fora da região; iii. tem, por sua natureza, aplicação universal e regional; iv. reduz os custos de funcionamento na medida em que aumenta a eficiência no transporte; v. é gerido pela Comissão Técnica de Gestão do Cartão Amarelo que, por duas vezes ao ano, analisa as operações quer ao nível do Pool de Resseguro, quer do Sistema do Cartão Amarelo quer ao nível da Agência Nacional 8 P a g e

9 5.6.2 Operacionais i. O Cartão Amarelo é um seguro de responsabilidade civil automóvel transfronteiriço único que abrange todos os países visitados por um condutor. ii. Reduz os custos operacionais de seguro de responsabilidade civil automóvel transfronteiriço e melhora a eficiência no transporte. iii. Em alguns países, o CA é emitido como uma extensão de uma apólice de seguro automóvel subjacente emitida no país de origem do condutor. iv. Complementa os sistemas locais de seguro contra terceiros. v. O CA opera desde 1986 e é um instrumento regional testado e comprovado pelos agentes interessados. vi. O CA integra os países através do funcionamento do acordo multilateral de interagências e do manual de operação do sistema; é fácil de operar, uma vez que um país membro tenha aderido ao sistema. vii. É protegido pela ZEP-Reinsurance Company, através da qual todos os sinistros ocorridos que excedam o valor de USD ,00 sejam pagos até ao fim, de modo a atenuar as perdas sofridas pela Agência Nacional Legais i. Cada Agência Nacional assina o Acordo estabelecido entre as Agências Nacionais e relata ao Conselho das Agências Nacionais; ii. Os resultados financeiros de cada Agência Nacional são auditados anualmente para efeitos de cumprimento; iii. O Conselho das Agências Nacionais reúne-se regularmente para, entre outras funções, analisar os progressos, considerar as alterações feitas ao sistema e admitir novos membros; iv. O Cartão Amarelo foi implementado em países com diferentes sistemas legais (Inglês, Francês, Português ou Romano-Neerlandês). 5.7 Desafios enfrentados pelo Sistema do Cartão Amarelo Os principais desafios enfrentados pelo Sistema do Cartão Amarelo incluem, mas não estão limitados ao seguinte: a) A burocracia do governo, especialmente no que toca aos controlos de câmbio; (Num inquérito complementar, o COMESA exortou aos Estados-Membros que liberalizassem os seus controlos cambiais e cada Agência Nacional 9 P a g e

10 tivesse uma conta em moeda estrangeira e de transferência de fundos entre os Estados-Membros, dado que não constitui mais um grande desafio, excepto para o Sudão, que está sob sanções das Nações Unidas); b) algumas Agências Nacionais são menos eficientes que as outras, portanto, existem disputas e atrasos na regularização de sinistros entre as mesmas; c) sistemas legais há muitas variações, na medida em que os sistemas legais estão envolvidos, visto que estes dependem da proveniência da lei, ou seja, da Inglesa, Francesa, Portuguesa ou Romano-Neerlandês; d) cobertura de riscos e perigos na maior parte dos países, o seguro cobre apenas casos de lesão ou morte e não cobre os danos causados à propriedade de terceiros; o argumento é de que a cobertura de danos a propriedades constitui mais um risco comercial que um risco social, responsabilidade que os condutores terão de assumir; e) limitação de responsabilidades vários países têm diferentes limites de responsabilidade ou indemnização e de extensão de cobertura a favor das vítimas; muitos dos países apoiam a cobertura contra as limitações estabelecidas no regime de seguro mínimo obrigatório do tráfego rodoviário de um dado país; f) prémio o prémio é considerado como uma medida do preço pela cobertura contra os riscos apresentados. Devido à flutuação de sinistros, diferenças na interpretação das condições dos sinistros entre o sector de liquidação, o sector de emissão e o tempo necessário para regulariza-los, as Agências Nacionais tendem a usar estimativas para determinar o prémio de risco desejado por forma a gerir o regime; a solução seria a utilização de valores actuariais e dados históricos através de estatísticas disponíveis recolhidas ao longo dos anos; g) devoluções, comunicações e reembolsos A Comissão Técnica de Gestão do COMESA (TMC) do Pool de Resseguro (ZEP-Re) enfrenta problemas relacionados com as devoluções e comunicações com as Agências Nacionais, enquanto que o Conselho das Agências Nacionais deve frequentemente presidir em casos da não-remessa de prémio ou de reembolso atempado da regularização de sinistros estabelecidos por uma agência em nome de outra. 6. Conclusão Na região da ESA, as actuais disposições para o seguro automóvel contra terceiros não facilitam de forma efectiva o comércio e o transporte regional, principalmente devido às deficiências, ineficiências, por não estarem harmonizadas e pelo facto de 10 P a g e

11 o sistema do Cartão Amarelo não ter sido ainda implementado ou adoptado por todos os países. Tendo estudado e analisado uma série de regimes nacionais e regionais de seguros de automóveis contra terceiros, quer ao nível regional, quer ao nível global e, após consultas com os Estados-Membros do COMESA, da EAC, os Estados-Membros da SADC concluiram que o sistema de Cartões Amarelos do COMESA é o único existente e é a opção mais adequada para a harmonização. 7. Recomendações Com base no Protocolo da SADC e na necessidade de facilitação do comércio e do transporte na região da ESA, aos Estados-Membros que não aderiram ao regime de responsabilidade civil automóvel regional, recomenda-se que: a) o Cartão Amarelo deve ser analisado para a sua adopção como mecanismo de harmonização na região da ESA; b) o Secretariado da SADC em consulta com os Secretariados do COMESA e da EAC deverá preparar e apresentar uma resolução ou um projecto de instrumento legal para a adopção e implementação do Sistema de Cartão Amarelo, primeiramente aos órgãos políticos da SADC para a sua apreciação e, posteriormente, ao COMESA e à EAC; c) o Secretariado da SADC em consulta com o secretariado do COMESA e da EAC deve preparar e apresentar uma proposta do plano de implementação para a apreciação por parte dos órgãos políticos da SADC; d) os Estados-Membros criem grupos de trabalho nacionais para coordenar as actividades subsequentes no programa de harmonização; e) o Secretariado da SADC deverá prestar apoio técnico aos Estados-Membros de modo a sensibilizar, mobilizar apoio e criar um consenso para a implementação do Cartão Amarelo; f) se considere a melhoria das operações do Cartão Amarelo para acomodar as exigências dos novos Estados-Membros. Fim 11 P a g e

12 12 P a g e

Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC

Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC 1 DECLARAÇÃO PREÂMBULO NÓS, os Chefes de Estado e de Governo ou os Representantes devidamente Autorizados

Leia mais

TRIBUNAL ADMINISTRATIVO

TRIBUNAL ADMINISTRATIVO REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Public Disclosure Authorized TRIBUNAL ADMINISTRATIVO CONTADORIA DE CONTAS E AUDITORIAS Public Disclosure Authorized RELATÓRIO DE AUDITORIA FINANCEIRA Realizada ao Projecto Agricultural

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 122-A/86

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 122-A/86 DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 122-A/86 EMISSOR : Ministério das Finanças - Secretaria de Estado do Tesouro DATA : Sexta-feira 30 de Maio de 1986 NÚMERO : 123/86 SÉRIE I 3º SUPLEMENTO ÁGINAS DO DR : 1294-(7)

Leia mais

REGULAMENTOS. L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia

REGULAMENTOS. L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia 25.2.2011 REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 176/2011 DA COMISSÃO de 24 de Fevereiro de 2011 relativo às informações a fornecer antes da criação e da modificação

Leia mais

10 e 11 de Março de 2011. Nairobi, Quénia

10 e 11 de Março de 2011. Nairobi, Quénia Ver. de Março de 2011 RELATÓRIO DA SESSÃO DE FORMAÇÃO E ORIENTAÇÃO SOBRE O SISTEMA EM LINHA PARA OS PONTOS FOCAIS PARA AS BARREIRAS NÃO TARIFÁRIAS (NTB S) DO PROCESSO TRIPARTIDO DA COMESA, EAC E SADC 10

Leia mais

COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL.

COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL. COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL Contexto A Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral

Leia mais

UNIÃO AFRICANA PROTOCOLO RELATIVO AO FUNDO MONETÁRIO AFRICANO

UNIÃO AFRICANA PROTOCOLO RELATIVO AO FUNDO MONETÁRIO AFRICANO AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA PROTOCOLO RELATIVO AO FUNDO MONETÁRIO AFRICANO 2 Preâmbulo Os Estados membros da União Africana ; Considerando que o Acto constitutivo da União Africana instituiu

Leia mais

O SEGURO NA VIDA DO CIDADÃO

O SEGURO NA VIDA DO CIDADÃO O SEGURO NA VIDA DO CIDADÃO O que é o seguro? Dá-se o nome de seguro a todo contrato pelo qual uma das partes (segurador) se obriga a indemnizar a outra (segurado) em caso de ocorrência de determinado

Leia mais

BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO. económico geral. das instituições

BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO. económico geral. das instituições ANEXO III BASES JURÍDICAS PARA O PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO 1 Artigo 14.º Base jurídica Descrição Elementos processuais 1 Artigo 15.º, n. 3 Artigo 16.º, n. 2 Artigo 18.º Artigo 19.º, n. 2 Artigo 21.º,

Leia mais

Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC ASSESSOR SÉNIOR PARA DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC ASSESSOR SÉNIOR PARA DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC Titulo da Posição: Período de desempenho: ABRIL A SETEMBRO DE 2014 Dias de trabalho: 110 DIAS EQUIVALENTE A 5 MESES RENOVÁVEIS Nome do consultor: PD ASSESSOR

Leia mais

A CONTABILIDADE PÚBLICA NO PRINCÍPIO DO ACRÉSCIMO

A CONTABILIDADE PÚBLICA NO PRINCÍPIO DO ACRÉSCIMO A CONTABILIDADE PÚBLICA NO PRINCÍPIO DO ACRÉSCIMO Índice 1. Introdução 2. A Contabilidade Pública 2.1 Enquadramento Legal 2.2 Âmbito, Objecto e Características 3. O sistema Contabilístico do Estado 4.

Leia mais

Tendo em conta a proposta da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho (COM(2003) 510) 1,

Tendo em conta a proposta da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho (COM(2003) 510) 1, P5_TA(2004)0266 SIS (certificados de matrícula dos veículos) ***I Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Convenção

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS DEZ (10) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS DEZ (10) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.africa-union.org CONSELHO EXECUTIVO Décima Segunda Sessão Ordinária

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE SEDE REGIONAL AFRICANA. Quinquagésima sessão Ouagadougou, Burkina Faso, 28 de Agosto - 2 de Setembro de 2000

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE SEDE REGIONAL AFRICANA. Quinquagésima sessão Ouagadougou, Burkina Faso, 28 de Agosto - 2 de Setembro de 2000 WORLD HEALTH ORGANIZATION REGIONAL OFFICE FOR AFRICA ORGANISATION MONDIALE DE LA SANTE BUREAU REGIONAL DE L'ÁFRIQUE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE SEDE REGIONAL AFRICANA COMITÉ REGIONAL AFRICANO Quinquagésima

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio)

The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio) The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio) VISÃO GERAL A Rede da África Austral para Biociências (SANBio) é uma plataforma de partilha de pesquisa, desenvolvimento e inovação para colaboração

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 13/2006-R. Data: Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 13/2006-R. Data: Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 13/2006-R Data: 05-12-2006 Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO O Decreto-Lei n.º 83/2006, de 3 de Maio, transpôs parcialmente

Leia mais

Relatório de Progresso sobre a Recomendação da 8ª Conferência de Ministros Responsáveis pelos Recursos Animais em África. 1. Histórico. 2.

Relatório de Progresso sobre a Recomendação da 8ª Conferência de Ministros Responsáveis pelos Recursos Animais em África. 1. Histórico. 2. Estabelecimento de um Mecanismo Integrado de Regional para a Prevenção e Controlo de Doenças Animais Transfronteiriças e Zoonoses em África (IRCM) Relatório de Progresso sobre a Recomendação da 8ª Conferência

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 22.1.2016 COM(2016) 18 final 2016/0005 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à celebração do Acordo de Parceria Económica entre a União Europeia e os seus Estados-Membros,

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 22.6.2011 COM(2011) 360 final 2011/0157 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura e à conclusão do acordo monetário entre a União Europeia e a República Francesa

Leia mais

Em cumprimento do disposto na Decisão da Comissão de /531/CE. Período de abrangência

Em cumprimento do disposto na Decisão da Comissão de /531/CE. Período de abrangência Relatório sobre a aplicação da Directiva 1999/13/CE do Conselho Relativa à limitação das emissões de compostos orgânicos voláteis resultantes da utilização de solventes orgânicos em certas Actividades

Leia mais

Financiamento para Infraestruturas em África HARMONIZAÇÃO DA ESTRATÉGIASOBRE O TURISMO EM ÁFRICA

Financiamento para Infraestruturas em África HARMONIZAÇÃO DA ESTRATÉGIASOBRE O TURISMO EM ÁFRICA IE18278 131/131/9/10 PRIMEIRA SESSÃO ORDINÁRIA DO COMITÉ TÉCNICO ESPECIALIZADO DA UNIÃO AFRICANA EM TRANSPORTE, INFRAESTRUTURAS INTERCONTINENTAIS E INTER-REGIONAIS, ENERGIA E TURISMO Tema: Financiamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009 APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO Instituto de Seguros de Portugal 6 de Maio de 2009 1 OBJECTIVOS DA INICIATIVA REGULATÓRIA Estabelecimento de princípios gerais a observar

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES Reconhecida a necessidade

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ORGANISMO NACIONAL DE EXECUÇÃO DO REGULAMENTO (UE) Nº 181/2011, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 16 DE FEVEREIRO,

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ORGANISMO NACIONAL DE EXECUÇÃO DO REGULAMENTO (UE) Nº 181/2011, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 16 DE FEVEREIRO, RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ORGANISMO NACIONAL DE EXECUÇÃO DO REGULAMENTO (UE) Nº 181/2011, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 16 DE FEVEREIRO, RESPEITANTE AOS DIREITOS DOS PASSAGEIROS NO TRANSPORTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 137/2006 de 26 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 137/2006 de 26 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 137/2006 de 26 de Julho O gás natural comprimido, designado por GNC, é um combustível alternativo, que pode ser utilizado na alimentação dos motores

Leia mais

EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA EQUIPAMENTO DE INFORMAÇÃO ATIVADO PELOS VEÍCULOS

EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA EQUIPAMENTO DE INFORMAÇÃO ATIVADO PELOS VEÍCULOS A. Âmbito da Nota Técnica A presente Nota Técnica pretende estabelecer o enquadramento do Equipamento de Segurança: Equipamento de Informação Ativado pelos Veículos. O referido equipamento poderá ser instalado

Leia mais

IVA aplicável a serviços financeiros e de seguros*

IVA aplicável a serviços financeiros e de seguros* C 8 E/396 Jornal Oficial da União Europeia 14.1.2010 IVA aplicável a serviços financeiros e de seguros* P6_TA(2008)0457 Resolução legislativa do Parlamento Europeu, de 25 de Setembro de 2008, sobre uma

Leia mais

Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Espanha sobre Cooperação no Sector do Turismo

Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Espanha sobre Cooperação no Sector do Turismo Decreto do Governo n.º 80/84 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Espanha sobre Cooperação no Sector do Turismo, bem como o seu Protocolo Adicional O Governo decreta,

Leia mais

Sexagésima sexta sessão Adis Abeba, República Federal Democrática da Etiópia, 19 a 23 de Agosto de 2016

Sexagésima sexta sessão Adis Abeba, República Federal Democrática da Etiópia, 19 a 23 de Agosto de 2016 22 de Agosto de 2016 COMITÉ REGIONAL PARA A ÁFRICA ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima sexta sessão Adis Abeba, República Federal Democrática da Etiópia, 19 a 23 de Agosto de 2016 Ponto 21.3 da ordem do dia RELATÓRIO

Leia mais

Title of Power Point presentation DATE

Title of Power Point presentation DATE Title of Power Point presentation DATE Campanha para um Subsídio de Rendimento Básico (SRB) na SADC Altos níveis de pobreza e desigualdade dentro da SADC. Suazilândia: 78.59% do pop. vive abaixo da linha

Leia mais

SEGUNDO PROTOCOLO AO ACORDO GERAL SOBRE O COMÉRCIO DE SERVIÇOS

SEGUNDO PROTOCOLO AO ACORDO GERAL SOBRE O COMÉRCIO DE SERVIÇOS Decreto n.º 4/97 Segundo e Terceiro Protocolos ao Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços e as alterações à lista de compromissos específicos das Comunidades Europeias e seus Estados membros em matéria

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 830

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 830 Directriz de Revisão/Auditoria 830 Março de 2005 Exame dos Elementos Financeiros e Estatísticos das Empresas de Seguros e das Sociedades Gestoras dos Fundos de Pensões Encerramento de 2004 Índice INTRODUÇÃO

Leia mais

Criminalidade automóvel com repercussões transfronteiriças *

Criminalidade automóvel com repercussões transfronteiriças * P6_TA(2004)0097 Criminalidade automóvel com repercussões transfronteiriças * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma iniciativa do Reino dos Países Baixos tendo em vista a adopção de uma

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA SÉRVIA NO DOMÍNIO DA DEFESA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA SÉRVIA NO DOMÍNIO DA DEFESA ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA SÉRVIA NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República da Sérvia, doravante designadas por Partes, Tendo em conta os princípios

Leia mais

Condições Zootécnicas e Genealógicas

Condições Zootécnicas e Genealógicas Condições Zootécnicas e Genealógicas Legislação Consolidada Data de actualização: 24/01/2011 Texto consolidado produzido pelo sistema CONSLEG do serviço das publicações oficiais das comunidades Europeias.

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 146/7

Jornal Oficial da União Europeia L 146/7 8.6.2007 Jornal Oficial da União Europeia L 146/7 REGULAMENTO (CE) N. o 633/2007 DA COMISSÃO de 7 de Junho de 2007 que estabelece requisitos para a aplicação de um protocolo de transferência de mensagens

Leia mais

Seminário Financiamento à Exportação Brasileira. 2 de Dezembro de 2014

Seminário Financiamento à Exportação Brasileira. 2 de Dezembro de 2014 Seminário Financiamento à Exportação Brasileira 2 de Dezembro de 2014 África: Nosso Cartão Postal 1 Visão Geral do Grupo Presença na África Estabelecido em 1862; ICBC, o maior banco chinês, detém participação

Leia mais

Documento Técnico N.º 6 do CTE: Estratégia Africana de Mini-Redes de Energia Ecológicas

Documento Técnico N.º 6 do CTE: Estratégia Africana de Mini-Redes de Energia Ecológicas IE18298 30/30/9/10 Documento Técnico N.º 6 do CTE: Estratégia Africana de Mini-Redes de Energia Ecológicas 1. Antecedentes/Contexto No mundo moderno, a electrificação doméstica é essencial para que os

Leia mais

DA AEGON SANTANDER PORTUGAL VIDA - COMPANHIA DE SEGUROS DE VIDA, SA.

DA AEGON SANTANDER PORTUGAL VIDA - COMPANHIA DE SEGUROS DE VIDA, SA. POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DA AEGON SANTANDER PORTUGAL VIDA - COMPANHIA DE SEGUROS DE VIDA, SA. Nos termos estatutários, inexistindo Comissão de

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República Federativa do Brasil, doravante referidas como as Partes

Leia mais

PEDIDO DE CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AERÓDROMO

PEDIDO DE CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AERÓDROMO REPÚBLICA DE CABO VERDE CIVIL AVIATION AUTHORITY PEDIDO DE CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AERÓDROMO Este formulário pode ser usado para um pedido de emissão, emenda, transferência ou devolução de um certificado

Leia mais

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Publicado no Diário da República, I série, nº 61, de 29 de Março AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Considerando a necessidade de se estabelecer os padrões para o exercício do serviço de remessas de valores

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Paulo Bornhausen) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Paulo Bornhausen) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Paulo Bornhausen) Dispõe sobre o exercício da profissão de supervisor de segurança portuária. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A profissão de supervisor de segurança

Leia mais

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário João Noronha ESAC/IPC 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

Guia de Informações Úteis em caso de Sinistro Automóvel

Guia de Informações Úteis em caso de Sinistro Automóvel Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A. Guia de Informações Úteis em caso de Sinistro Automóvel Saiba sempre o que fazer para resolver um sinistro de forma célere e segura. Seguros de A a Z. Tive um

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ACTIVOS QUE CONSTITUEM O PATRIMÓNIO DOS FUNDOS DE PENSÕES

AVALIAÇÃO DOS ACTIVOS QUE CONSTITUEM O PATRIMÓNIO DOS FUNDOS DE PENSÕES Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 26/2002-R Data: 31/12/2002 Assunto: AVALIAÇÃO DOS ACTIVOS QUE CONSTITUEM O PATRIMÓNIO DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que nos termos dos n.º s 1 e

Leia mais

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Temas a abordar: Estratégia recente da Comissão: - Relatório Monti - Comunicação de Outubro de 2010 - O IVA europeu - Livro verde

Leia mais

RECONHECIMENTO MÚTUO PORTUGAL - ESPANHA GUIA DE REQUISITOS DOS CENTROS DE MANUTENÇÃO DE MATERIAL CIRCULANTE FERROVIÁRIO

RECONHECIMENTO MÚTUO PORTUGAL - ESPANHA GUIA DE REQUISITOS DOS CENTROS DE MANUTENÇÃO DE MATERIAL CIRCULANTE FERROVIÁRIO RECONHECIMENTO MÚTUO PORTUGAL - ESPANHA GUIA DE REQUISITOS DOS CENTROS DE MANUTENÇÃO DE MATERIAL CIRCULANTE FERROVIÁRIO ÍNDICE 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Objeto... 3 3. Gestão de riscos... 3 4. Procedimento

Leia mais

REGULAMENTOS. (Atos não legislativos)

REGULAMENTOS. (Atos não legislativos) 10.3.2017 L 65/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) 2017/389 DA COMISSÃO de 11 de novembro de 2016 que complementa o Regulamento (UE) n. o 909/2014 do Parlamento Europeu

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01 /2003 de 7 de Fevereiro

INSTRUTIVO N.º 01 /2003 de 7 de Fevereiro INSTRUTIVO N.º 01 /2003 de 7 de Fevereiro ASSUNTO: POLITICA CAMBIAL Operações de Capitais Com vista a estabelecer os procedimentos para o licenciamento e a realização das operações de capitais, em conformidade

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros

Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros Que políticas para o Sector? Seminário Transporte Rodoviário Transportes & Negócios Sumário O sector dos transportes Principais problemas do sector Conclusões

Leia mais

TERMO DE MOEDA - CONTRATADO COM CONTRAPARTE CENTRAL GARANTIDORA ( COM GARANTIA ) Especificações para Registro

TERMO DE MOEDA - CONTRATADO COM CONTRAPARTE CENTRAL GARANTIDORA ( COM GARANTIA ) Especificações para Registro TERMO DE MOEDA - CONTRATADO COM CONTRAPARTE CENTRAL GARANTIDORA ( COM GARANTIA ) Especificações para Registro 02/10/2017 SUMÁRIO 1 DEFINIÇÕES... 3 2 OBJETO DE REGISTRO... 6 3 DADOS DA OPERAÇÃO... 7 4 CRITÉRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos referentes ao reconhecimento e mensuração de títulos e valores

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

CIMEIRA EXTRAORDINÁRIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA SADC 8 DE DEZEMBRO DE 2012 DAR ES SALAAM, REPÚBLICA UNIDA DA TANZÂNIA COMUNICADO

CIMEIRA EXTRAORDINÁRIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA SADC 8 DE DEZEMBRO DE 2012 DAR ES SALAAM, REPÚBLICA UNIDA DA TANZÂNIA COMUNICADO 10/12/12 16h30 CIMEIRA EXTRAORDINÁRIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA SADC 8 DE DEZEMBRO DE 2012 DAR ES SALAAM, REPÚBLICA UNIDA DA TANZÂNIA COMUNICADO 1. A Cimeira Extraordinária dos Chefes de Estado

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão. Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão. Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º (Natureza) 1. O Centro de Estudos

Leia mais

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP

O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE PEDSA. Impacto esperado com a implementação do PEDSA através do CAADP O PACTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR AGRÁRIO DE MOÇAMBIQUE A SER IMPLEMENTADO ATRAVÉS DO PEDSA O PACTO A SER IMPLEMENTADO PELO PEDSA: PRIORIDADES Impacto esperado com a implementação do PEDSA através

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA REGULAMENTO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA. Tel: Fax:

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA REGULAMENTO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA.   Tel: Fax: SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA REGULAMENTO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA Email: informacoescaii@scma.pt Tel: 212740996 Fax: 212748371 Página 1 de 10 Página 10 de 10 2 - A cessação do trabalho

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta:

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta: DOCUMENTO DE REFERÊNCIA DA POLÍTICA NACIONAL DE PREVENÇÃO E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS Esta proposta preliminar é resultado de um esforço coletivo do Grupo de Trabalho de Conflitos Fundiários

Leia mais

ANEXO IV EXPOSIÇÕES ANALISADAS COLECTIVAMENTE. Parte 1 Grupos homogéneos de risco

ANEXO IV EXPOSIÇÕES ANALISADAS COLECTIVAMENTE. Parte 1 Grupos homogéneos de risco ANEXO IV EXPOSIÇÕES ANALISADAS COLECTIVAMENTE Parte 1 Grupos homogéneos de risco 1. Para efeitos do presente Instrutivo, no que respeita à determinação de grupos homogéneos de risco devem ser analisados,

Leia mais

Relatório sobre a Solvência e a Situação Financeira

Relatório sobre a Solvência e a Situação Financeira Relatório sobre a Solvência e a Situação Financeira ... 5... 7 Actividades... 7... 13 B.1 Informações Gerais sobre o sistema de governação... 13 B.2 Requisitos de qualificação e idoneidade... 16 B.3 Sistema

Leia mais

Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) é a autoridade nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO IBA Nº 03/2016. O INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA - IBA, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO IBA Nº 03/2016. O INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA - IBA, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Página1 RESOLUÇÃO IBA Nº 03/2016 Publicada em 21 de março de 2016 Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 004 PROVISÃO DE EXCEDENTE TÉCNICO - SUPERVISIONADAS SUSEP O INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 10/2015 De 04 de Junho

INSTRUTIVO N.º 10/2015 De 04 de Junho INSTRUTIVO N.º 10/2015 De 04 de Junho ASSUNTO: POLÍTICA CAMBIAL - Sessões de Compra e Venda de Moeda Estrangeira - Procedimentos Extraordinários de Participação Havendo necessidade de se ajustar os procedimentos

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo MOÇAMBIQUE Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores Sector Externo CATEGORIA DE DADOS: Agregados da Balança de Pagamentos Descritor Nacional (no caso de diferente, precisar): PRINCIPAIS INDICADORES:

Leia mais

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2015) 248 final. Anexo: COM(2015) 248 final. 9589/15 /ip 1 DGG3A

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2015) 248 final. Anexo: COM(2015) 248 final. 9589/15 /ip 1 DGG3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 4 de junho de 2015 (OR. en) 9589/15 Dossiê interinstitucional: 2015/0124 (NLE) PROPOSTA de: ECO 69 ENT 103 MI 372 UNECE 4 Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado

Leia mais

ACORDOS INTERNACIONAIS

ACORDOS INTERNACIONAIS APRESENTAÇÃO INTEGRADA NO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO (ESAL / IPVC) - MARKETING DE VINHOS ACORDOS INTERNACIONAIS Edite Azenha Instituto da Vinha e do Vinho, IP Ponte de Lima 14 Novembro 2009 A União Europeia

Leia mais

6170/17 aap/ip 1 DGC 2B

6170/17 aap/ip 1 DGC 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 9 de fevereiro de 2017 (OR. en) 6170/17 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações COHOM 16 CONUN 54 SOC 81 FREMP 11 n.º doc. ant.:

Leia mais

Importância do CAADP para Moçambique

Importância do CAADP para Moçambique Breve Reflexão Apresentada na Revisão Técnica Anual do MINAG/ PROAGRI de 2010 Importância do CAADP para Moçambique Hélder Gêmo (Maputo, 14.04.2010) Agricultura é importante, em especial nos 7 países de

Leia mais

A Informação Empresarial Simplificada (IES)

A Informação Empresarial Simplificada (IES) A Informação Empresarial Simplificada (IES) - 2011 Os novos formulários da Informação Empresarial Simplificada (IES) / Declaração Anual de Informação Contabilística e Fiscal só agora ficaram disponíveis

Leia mais

Recomendações do Provedor Médis 2016

Recomendações do Provedor Médis 2016 Médis Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. 1. Recomendação Procedimentos Atendimento Telefónico Recomenda-se à Seguradora que, verificando-se uma interrupção involuntária das chamadas telefónicas,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 188/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Portaria n.º 1068/2006 de 29 de Setembro

MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Portaria n.º 1068/2006 de 29 de Setembro MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1068/2006 de 29 de Setembro As taxas devidas pelos serviços prestados pela Direcção-Geral de Viação não são actualizadas

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA

SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA Projecto de Decreto Presidencial que Estabelece o Regime Jurídico de Vinculação e de Contribuição da Protecção Social

Leia mais

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis.

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis. CAPÍTULO III OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E PROJECTOS PRIORITÁRIOS OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Em termos de Objectivos estratégicos manteve-se o definido no Plano anterior, ou seja existem três vectores que se

Leia mais

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III)

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III) A Bolsa de Valores Na parte final do artigo anterior caracterizámos o mercado secundário de valores e, neste âmbito, apresentámos a definição basilar da bolsa de valores, como uma entidade que tem por

Leia mais

DIALOGO AFRICANO SOBRE TRIBUTAÇÃO

DIALOGO AFRICANO SOBRE TRIBUTAÇÃO DIALOGO AFRICANO SOBRE TRIBUTAÇÃO Workshop: A eliminação das tarifas aduaneiras na SADC e EAC: Será que as barreiras não tarifárias seguirão o mesmo caminho? Por: Guilherme Mambo, Autoridade Tributaria

Leia mais

L 342/20 Jornal Oficial da União Europeia

L 342/20 Jornal Oficial da União Europeia L 342/20 Jornal Oficial da União Europeia 24.12.2005 REGULAMENTO (CE) N. o 2150/2005 DA COMISSÃO de 23 de Dezembro de 2005 que estabelece regras comuns para a utilização flexível do espaço aéreo (Texto

Leia mais

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos,

Alfândegas. O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente. localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, Alfândegas Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 Alfândegas O termo Alfândega designa um departamento público, geralmente localizado junto a portos marítimos, fronteiras terrestres e aeroportos, com

Leia mais

RESERVA CONTRACÍCLICA ESPECÍFICA DA INSTITUIÇÃO

RESERVA CONTRACÍCLICA ESPECÍFICA DA INSTITUIÇÃO RESERVA CONTRACÍCLICA ESPECÍFICA DA INSTITUIÇÃO 30 de dezembro de 2016 2 BANCO DE PORTUGAL Índice 1. Reserva contracíclica específica da instituição... 3 2. Comunicação... 6 3. Países terceiros relevantes...

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL Síntese do Workshop Nacional sobre o Projecto de Centros de Excelência do Ensino Superior para África

Leia mais

SERVIÇO DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES

SERVIÇO DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES O serviço de gestão de reclamações De acordo com o artigo nº 157.º da Lei n.º 14/2015, de 9 de Setembro, referente ao regime jurídico de acesso e exercício da actividade seguradora e resseguradora, as

Leia mais

O Governo Português e o Conselho da Europa:

O Governo Português e o Conselho da Europa: Resolução da Assembleia da República n.º 21/96 Acordo Suplementar ao Acordo Geral sobre Privilégios e Imunidades do Conselho da Europa, concluído entre Portugal e o Conselho da Europa, referente ao Centro

Leia mais

Fontes de dados para otimizar a Recolha e o Uso de Dados de SST

Fontes de dados para otimizar a Recolha e o Uso de Dados de SST Fontes de dados para otimizar a Recolha e o Uso de Dados de SST Sistemas nacionais de notificação, recolha de dados e análise de acidentes de trabalho e doenças profissionais A fim de prevenir acidentes

Leia mais

PROJECTO DE ALTERAÇÃO DE POSTURA MUNICIPAL DE TRÂNSITO DE OLVEIRA DE AZEMÉIS. Preâmbulo

PROJECTO DE ALTERAÇÃO DE POSTURA MUNICIPAL DE TRÂNSITO DE OLVEIRA DE AZEMÉIS. Preâmbulo PROJECTO DE ALTERAÇÃO DE POSTURA MUNICIPAL DE TRÂNSITO DE OLVEIRA DE AZEMÉIS Preâmbulo A presente proposta de alteração da Postura Municipal de Trânsito, aprovada em Assembleia de Câmara de 15 de Junho

Leia mais

PROJECTO PROVISÓRIO DO PROGRAMA DE TRABALHO. Tema: Materializar o Potencial de África como um Pólo de Crescimento Global

PROJECTO PROVISÓRIO DO PROGRAMA DE TRABALHO. Tema: Materializar o Potencial de África como um Pólo de Crescimento Global ` CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL DAS NAÇÕES UNIDAS COMISSÃO ECONÓMICA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA ÁFRICA Trigésima Primeira reunião do Comité de Peritos Reunião do Comité de Peritos da 5ª Reunião Anual Conjunta

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Assembleia Nacional Lei n.º 10/94 31 de Agosto de 2008 O processo de redimensionamento do sector empresarial do Estado teve até agora como principal suporte legais o Decreto n.º

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais