Código Florestal. Experiências em Recuperação Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Código Florestal. Experiências em Recuperação Ambiental"

Transcrição

1 Experiências em Recuperação Ambiental Código Florestal Restauração ecológica de mata ciliar e nascente por meio da regeneração natural e plantio de mudas

2 Restauração ecológica de mata ciliar e nascente por meio da regeneração natural e plantio de mudas 1. Bioma: Mata Atlântica Estado: Paraná Município: Saudade do Iguaçu 2. Fitofisionomia (IBGE, 2012): Floresta Estacional Semidecidual (Floresta Tropical Subcaducifólia) / Floresta Ombrófila Mista (Floresta de Araucária) 3. Tipo de área onde o Modelo/Estratégia foi testado (APP, ARL, AUR, UAS): Área de Preservação Permanente APP 4. Objetivo de implantação do Modelo/Estratégia: Proteção e regeneração natural de mata ciliar e nascente 5. Aplicabilidade do Modelo/Estratégia: A aplicação do modelo independe do tamanho do imóvel rural. 6. Histórico da área: A restauração ecológica de mata ciliar e nascente foi iniciada em 2006 por meio do isolamento da área com cerca e plantio de espécies florestais nativas. As atividades desenvolvidas inicialmente na propriedade envolveram o plantio de milho, feijão, soja, suínos e leite. O leite foi ganhando espaço principal com a aquisição de uma área pelo grupo, sendo hoje a principal atividade na propriedade e o que garante a renda das famílias. A produção pecuária leiteira conta hoje com mais de 100 vacas em lactação, sendo a propriedade referência em produção pecuária leiteira no município. Apresenta sistemas de produção com arborização de pastagens.

3 7. Condições gerais da área com relação a solo e relevo: Geologia: 3º Planalto Paranaense (rochas vulcânicas basálticas). Relevo: Ondulado a Suave ondulado; Solos da região: Latossolo Vermelho distrófico, Latossolo Vermelho hálpico, Latossolo Vermelho eutrófico, Nitossolo Vermelho distrófico (maior percentual), Cambissolo eutrófico, Cambissolo distrófico (maior percentual), Neossolo Litólico eutrófico e Neossolos flúvico (Balena et al., 2009). A temperatura média varia entre 22ºC e 14ºC. A média de precipitação anual é de 2109,79 mm/ano, sendo outubro o mês mais chuvoso, e agosto o mês com menor índice pluviométrico. O trimestre mais chuvoso apresenta 29,93% do total da precipitação anual, enquanto que o menos chuvoso apenas 20,51% do total precipitado, demonstrando uma distribuição uniforme no ano (Dados da estação meteorológica da SIMEPAR - Pato Branco, período 1979 a 2005). 8. Descrição passo a passo para a implantação e monitoramento do Modelo/Estratégia: Isolamento (proteção) e regeneração natural A proteção é um dos primeiros passos que deve ser realizado em áreas com presença de pecuária, tanto em áreas onde se deixará a regeneração natural ou em áreas onde pretende-se realizar o plantio de mudas de espécies florestais nativas. Em ambos os casos a cerca deve apresentar o primeiro fio de arame com altura mínima de 50 cm para facilitar a circulação da fauna, principalmente animais silvestres que auxiliam na dispersão de frutos e sementes na medida em que ocorre a regeneração do ambiente. As estratégias recomendadas, bem como critérios para a seleção das espécies para plantio em covas são apresentadas em Carpanezzi & Carpanezzi (2006) (http:// ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/cnpf /41588/1/ doc136.pdf).

4 Figura 1. Isolamento e regeneração natural de APP em beira de rio a partir de área com espécies florestais nativas. Saudade do Iguaçu-PR. Foto: Emiliano Santarosa. 9. Avaliação: Finalizado. Estratégia pode ser replicada em outras regiões, desde que planejado de acordo com as condições edafoclimáticas de cada local, principalmente em relação a escolha das espécies florestais e espaçamentos. 10. Referências bibliográficas: CARPANEZZI, A. A. Fundamentos para a reabilitação de ecossistemas florestais. In: GALVÃO, A.P.M. (ed.). Restauração florestal: fundamentos e estudo de casos. Colombo:Embrapa Florestas, CARPANEZZI, A. A. (Coord.). Zoneamento ecológico para plantios florestais no Estado do Paraná. Brasília, DF: EMBRAPA-DDT; Curitiba: EMBRAPA-C- NPF, p. (EMBRAPA-CNPF. Documentos, 17). CARPANEZZI, A. A.; CARPANEZZI, O. T. B. Espécies nativas recomendadas para recuperação ambiental no Estado do Paraná, em solos não degradados. Colombo: Embrapa Florestas, p. (Embrapa Florestas. Documentos, 136).

5 CARPANEZZI, A.A.; NICODEMO, M.L.F. Recuperação de mata ciliar e reserva legal florestal no noroeste paulista. São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste, p. (Série documentos, Embrapa Florestas, 188). Colombo, PR: Embrapa Florestas, p. (Espécies Arbóreas Brasileiras, v. 1). Colombo, PR: Embrapa Florestas, p. (Espécies Arbóreas Brasileiras, v. 2). Colombo, PR: Embrapa Florestas, p. (Espécies Arbóreas Brasileiras, v.3). 11. Observações adicionais: Projeto originado da Agenda Comum entre Embrapa Florestas, Emater-PR e SEAB-PR, que desenvolvem ações conjuntas de transferência de tecnologia. 12. Responsáveis pelo fornecimento das informações/ud ou Instituição: Vanderley Porfírio da Silva; Emiliano Santarosa/Embrapa Florestas

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Restauração ecológica de mata ciliar utilizando talhão facilitador diversificado

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Restauração ecológica de mata ciliar utilizando talhão facilitador diversificado Experiências em Recuperação Ambiental Código Florestal Restauração ecológica de mata ciliar utilizando talhão facilitador diversificado Restauração ecológica de mata ciliar utilizando talhão facilitador

Leia mais

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Proteção e restauração ecológica de nascentes utilizando talhão facilitador diversificado

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Proteção e restauração ecológica de nascentes utilizando talhão facilitador diversificado Experiências em Recuperação Ambiental Código Florestal Proteção e restauração ecológica de nascentes utilizando talhão facilitador diversificado Proteção e restauração ecológica de nascentes utilizando

Leia mais

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Recuperação de área degradada em encosta

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Recuperação de área degradada em encosta Experiências em Recuperação Ambiental Código Florestal Recuperação de área degradada em encosta Recuperação de área degradada em encosta 1. Bioma: Mata Atlântica Estado: São Paulo Município: Ubatuba 2.

Leia mais

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Recuperação de área degradada com o uso de lodo de esgoto

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Recuperação de área degradada com o uso de lodo de esgoto Experiências em Recuperação Ambiental Código Florestal Recuperação de área degradada com o uso de lodo de esgoto Recuperação de área degradada com o uso de lodo de esgoto 1. Bioma: Mata atlântica Estado:

Leia mais

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Módulos demonstrativos de restauração ecológica para ambientes savânicos do bioma Cerrado

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Módulos demonstrativos de restauração ecológica para ambientes savânicos do bioma Cerrado Experiências em Recuperação Ambiental Código Florestal Módulos demonstrativos de restauração ecológica para ambientes savânicos do bioma Cerrado Módulos demonstrativos de restauração ecológica para ambientes

Leia mais

Restauração Florestal de Áreas Degradadas

Restauração Florestal de Áreas Degradadas Restauração Florestal de Áreas Degradadas Seminário Paisagem, conservação e sustentabilidade financeira: a contribuição das RPPNs para a biodiversidade paulista 11/11/ 2016 Espírito Santo do Pinhal (SP)

Leia mais

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradas. Aula 2. Matas Ciliares: Nomenclatura e Conceito. Contextualização

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradas. Aula 2. Matas Ciliares: Nomenclatura e Conceito. Contextualização Recuperação de Áreas Degradas Aula 2 Prof. Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Aula Conceito, Importância e Recuperação da Mata Ciliar 1.Conceitos e funções da mata ciliar 2.Cenário de degradação

Leia mais

Comportamento de espécies arbóreas na recuperação da mata ciliar da nascente do Rio Pitimbu, Macaíba, RN

Comportamento de espécies arbóreas na recuperação da mata ciliar da nascente do Rio Pitimbu, Macaíba, RN http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.254-634-1 Comportamento de espécies arbóreas na recuperação da mata ciliar da nascente do Rio Pitimbu, Macaíba, RN José A. da S. Santana 1, José G. A.

Leia mais

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico - SEMADE Presidência da República Casa

Leia mais

RODADA DE NEGÓCIOS. I INTERNATIONAL SEMINAR ON GREEN ECONOMY Ecosystem and Environmental Goods and Services and Finantial Compensation.

RODADA DE NEGÓCIOS. I INTERNATIONAL SEMINAR ON GREEN ECONOMY Ecosystem and Environmental Goods and Services and Finantial Compensation. RODADA DE NEGÓCIOS I INTERNATIONAL SEMINAR ON GREEN ECONOMY Ecosystem and Environmental Goods and Services and Finantial Compensation Maio / 2012 Agenda Introdução Projeto Verde Rio Etapa Rio Cuiabá Projeto

Leia mais

Relatório de Atividades.

Relatório de Atividades. Relatório de Atividades 2016 www.apremavi.org.br Programa Matas Legais Objetivo: Desenvolver um programa de Conservação, Educação Ambiental e Fomento Florestal que ajude a preservar e recuperar os remanescentes

Leia mais

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF Programa Plante Árvore Instituto Brasileiro de Florestas - IBF O que é? O Programa Plante Árvore é uma ação voluntária do Instituto Brasileiro de Florestas IBF que consiste no cadastro de proprietários

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros

Ecossistemas Brasileiros Campos Sulinos Ecossistemas Brasileiros Estepe (IBGE, 1991) Mosaico campoflorestal Campos Sulinos Estepe (Campos Gerais e Campanha Gaúcha): Vegetação gramíneo-lenhosa com dupla estacionalidade (Frente

Leia mais

Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados

Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados Definição A Agenda de P&D da Embrapa Cerrados é um documento de caráter estratégico, construído em consonância com o Sistema de Inteligência Estratégica

Leia mais

Imagem: Rede Agroecologia

Imagem: Rede Agroecologia Imagem: Rede Agroecologia CONTEÚDO: 1. Introdução à adequação ambiental de propriedades rurais... 03 2. Legislação para restauração de RLs... 05 3. Princípios da Restauração Florestal e dos SAFs... 06

Leia mais

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos...

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos... Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos......para facilitar a comunicação sobre o Código Florestal Brasileiro!!! por Renata Evangelista de Oliveira FCA-UNESP- Doutorado em Ciência Florestal

Leia mais

DESFLORESTAMENTO DA MATA ATLÂNTICA

DESFLORESTAMENTO DA MATA ATLÂNTICA IFRJ- CAMPUS NILO PEÇANHA PINHEIRAL DESFLORESTAMENTO DA MATA ATLÂNTICA Profa. Cristiana do Couto Miranda Ecossistema em equilíbrio funções Serviços ambientais Interações meio biótico (organismos vegetais,

Leia mais

Coordenador: Prof. Pedro Brancalion

Coordenador: Prof. Pedro Brancalion Coordenador: Prof. Pedro Brancalion Organização da disciplina Objetivo: capacitar os alunos para planejar, recuperar, gerir, explorar e utilizar recursos florestais em propriedades rurais Ambiental planejamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil TERMO DE REFERÊNCIA Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil Contextualização e justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo CITRÓLEO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ÓLEOS ESSECIAIS LTDA FAZENDA CITRÓLEO BAIRRO TRES PINHEIROS CEP 37.443-000 BAEPENDI / MG CNPJ 51.527.190/0002-11

Leia mais

Recuperação da mata ciliar do Assentamento Vale do Lírio, São José de Mipibu, RN

Recuperação da mata ciliar do Assentamento Vale do Lírio, São José de Mipibu, RN http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.69-659-2 Recuperação da mata ciliar do Assentamento Vale do Lírio, São José de Mipibu, RN José A. da S. Santana 1, Wanctuy da S. Barreto 1, José G. A.

Leia mais

Experiências Agroflorestais na Comunidade de Boqueirão. Renato Ribeiro Mendes Eng. Florestal, Msc

Experiências Agroflorestais na Comunidade de Boqueirão. Renato Ribeiro Mendes Eng. Florestal, Msc Experiências Agroflorestais na Comunidade de Boqueirão Renato Ribeiro Mendes Eng. Florestal, Msc Localização da área de estudo Dados Climáticos da Região Clima Tropical semi-úmido, com 4 a 5 meses de seca

Leia mais

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Solos do Brasil

NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085. Solos do Brasil NATUREZA E TIPOS DE SOLOS ACH1085 Solos do Brasil 1 conteúdo 1. Introdução 2. Tipos de solos do Brasil 2 2.Tipos de solos do Brasil: área absoluta e relativa 3 Mapa com os tipos de solo do Brasil 38,73%

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA SOBRE ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO

CONSULTA PÚBLICA SOBRE ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO CONSULTA PÚBLICA SOBRE ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO A Araupel, empresa 100% brasileira, é um dos maiores players nacionais dos setores de reflorestamento e beneficiamento de produtos de alto padrão

Leia mais

ISSN Dezembro, Análise da Informação Pedológica da Região de Araguaína e Palmeirante-TO para Fins de Zoneamento Agrícola

ISSN Dezembro, Análise da Informação Pedológica da Região de Araguaína e Palmeirante-TO para Fins de Zoneamento Agrícola ISSN 1517-5111 Dezembro, 2005 149 Análise da Informação Pedológica da Região de Araguaína e Palmeirante-TO para Fins de Zoneamento Agrícola ISSN 1517-5111 Dezembro, 2005 Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas LEI DA MATA ATLÂNTICA Lei nº 11.428/2006 Estudo Dirigido Prof. MSc. Guilhardes Júnior 1. Que formações florestais fazem parte do Bioma Mata Atlântica? Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica

Leia mais

Restauração Ecológica

Restauração Ecológica Restauração Ecológica A importância das florestas Seres humanos e sociedade: uso de recursos direta e indiretamente Diretamente: madeira para móveis, lenha, carvão, frutos, sementes e castanhas, óleos,

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

MATA ATLÂNTICA Geografia 5 º ano Fonte: Instituto Brasileiro de Florestas

MATA ATLÂNTICA Geografia 5 º ano Fonte: Instituto Brasileiro de Florestas MATA ATLÂNTICA Geografia 5 º ano Fonte: Instituto Brasileiro de Florestas Bioma Mata Atlântica Este bioma ocupa uma área de 1.110.182 Km², corresponde 13,04% do território nacional e que é constituída

Leia mais

ATUAÇÃO DO PROJETO DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL CULTIVANDO ESPERANÇA NO ASSENTAMENTO ROSA EM GUARAPUAVA-PR

ATUAÇÃO DO PROJETO DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL CULTIVANDO ESPERANÇA NO ASSENTAMENTO ROSA EM GUARAPUAVA-PR ATUAÇÃO DO PROJETO DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL CULTIVANDO ESPERANÇA NO ASSENTAMENTO ROSA EM GUARAPUAVA-PR Lais Martinkoski (UNICENTRO) martinkoskilais@hotmail.com Patrikk John Martins (Fundação RURECO) patrikk_martins@yahoo.com.br

Leia mais

FLORESTAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA

FLORESTAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA IV SIMPÓSIO INTERNACIONAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS FLORESTAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA Dr. Valdir de Cicco Engenheiro Florestal Pesquisador Científico BOTUCATU - SP. 2013 SUMÁRIO Laboratório de Hidrologia Florestal.

Leia mais

rio Xingu aproximadamente 2,7 mil quilômetros de extensão Campanha Y Ikatu Xingu

rio Xingu aproximadamente 2,7 mil quilômetros de extensão Campanha Y Ikatu Xingu rio Xingu aproximadamente 2,7 mil quilômetros de extensão Campanha Y Ikatu Xingu Paisagens da Bacia do rio Xingu Localização da Bacia do rio Xingu Total da Bacia (MT/PA): 51 milhões de hectares Ecossistemas

Leia mais

ZONEAMENTO DE USO E COBERTURA DOS SOLOS DO MUNICÍPIO DE ARARAS, SP. Relatório de Execução

ZONEAMENTO DE USO E COBERTURA DOS SOLOS DO MUNICÍPIO DE ARARAS, SP. Relatório de Execução Fotos: Sérgio Tôsto, 2007 ZONEAMENTO DE USO E COBERTURA DOS SOLOS DO MUNICÍPIO DE ARARAS, SP Relatório de Execução Sérgio Gomes Tôsto Lauro Charlet Pereira João Paulo de Carvalho João Alfredo de Carvalho

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz

Universidade Estadual de Santa Cruz Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA JAQUES WAGNER - GOVERNADOR SECRETARIA DE EDUCAÇÃO OSVALDO BARRETO FILHO - SECRETÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ ADÉLIA MARIA CARVALHO

Leia mais

GEOGRAFIA REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV

GEOGRAFIA REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV Aula 25.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV Complexos Regionais Amazônia: Baixa densidade demográfica e grande cobertura vegetal. 2 3 Complexos Regionais Nordeste: Mais baixos níveis de desenvolvimento

Leia mais

Estimativa do volume de madeira em unidades de referência tecnológica com sistema agrossilvipastoril

Estimativa do volume de madeira em unidades de referência tecnológica com sistema agrossilvipastoril Anais do 1º Simpósio Internacional de Arborização de Pastagens em Regiões Subtropicais 81 Estimativa do volume de madeira em unidades de referência tecnológica com sistema agrossilvipastoril Emiliano Santarosa

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio Diretoria de Agronegócios BB e o Agronegócio Importância do Agronegócio no Brasil + 35% nas exportações do país 197,9 40,9% 41,1% 37,4% 55,1 58,2 60,4 20,6 23,8 24,8 41,9% 73,1 30,6 160,6 40,4% 137,5 118,3

Leia mais

Mata Atlântica Floresta Pluvial Tropical. Ecossistemas Brasileiros

Mata Atlântica Floresta Pluvial Tropical. Ecossistemas Brasileiros Mata Atlântica Floresta Pluvial Tropical Ecossistemas Brasileiros https://www.youtube.com/watch?v=ee2ioqflqru Sub-regiões biogeográficas endemismo de aves, borboletas e primatas Mata das Araucárias (Ombrófila

Leia mais

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: -28.6036 Longitude: -53.6736 Altitude: 432 m Rio Grande do Sul torre Cruz Alta torre DESCRIÇÃO: Descrição Geral:

Leia mais

RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR Bacia do Rio do Peixe

RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR Bacia do Rio do Peixe RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR Bacia do Rio do Peixe MANEJO Veja como recuperar áreas degradadas Espécies nativas CONHEÇA + Funções e benefícios da Mata Ciliar Legislação sobre faixa de vegetação permanente

Leia mais

Biomas / Ecossistemas brasileiros

Biomas / Ecossistemas brasileiros GEOGRAFIA Biomas / Ecossistemas brasileiros PROF. ROGÉRIO LUIZ 3ºEM O que são biomas? Um bioma é um conjunto de tipos de vegetação que abrange grandes áreas contínuas, em escala regional, com flora e fauna

Leia mais

Relatar as ativ idades executadas durante o plantio, no projeto de restauração florestal da fazenda Bela Vista.

Relatar as ativ idades executadas durante o plantio, no projeto de restauração florestal da fazenda Bela Vista. Relatório Técnico 1 Tipo: Plantio Número: 1 Data Relatório: 17/07/2013 Local: Rodov ia Lav ras Ijaci Município: Ijaci - MG Coordenadas de referência: Geográfica (SAD69) Longitude: 109.25461728326 Latitude:

Leia mais

Estudo 4 - Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais

Estudo 4 - Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Prospecção Tecnológica Mudança do Clima Estudo 4 - Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais Giselda Durigan Instituto

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 059-P

FICHA PROJETO - nº 059-P FICHA PROJETO - nº 059-P PADEQ Grande Projeto 1) TÍTULO: Apoio a Alternativas Sustentáveis no Território Portal da Amazônia. 2)MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Nova Guarita, Terra Nova do Norte MT. 3)LINHA

Leia mais

Produção e qualidade de sementes de espécies florestais nativas

Produção e qualidade de sementes de espécies florestais nativas Produção e qualidade de sementes de espécies florestais nativas Jarbas Y. Shimizu Consultor Florestal (IV Congresso Florestal Paranaense 10-14 de setembro de 2012, Curitiba, PR.) A discussão sobre produção

Leia mais

Restauração de APP e RL

Restauração de APP e RL Restauração de APP e RL Demandas legais: manter ou recuperar a vegetação nativa em determinadas porções da propriedade rural (Lei Florestal) áreas pré-determinadas espacialmente (onde recuperar?). Demandas

Leia mais

PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO?

PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO? PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO? II SEMINÁRIO DA CADEIA PRODUTIVA DA MADEIRA Eng. Ftal. Flavio Sérgio Mendes Lages, 22 de Setembro de 2005 SIM, PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO. Quais as premissas que foram

Leia mais

LEVANTAMENTO, DIAGNÓSTICO E PLANEJAMENTO FAZENDA DOIS GAROTOS ADEQUAÇÃO E LEGALIZAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA FLORESTAL LEGAL

LEVANTAMENTO, DIAGNÓSTICO E PLANEJAMENTO FAZENDA DOIS GAROTOS ADEQUAÇÃO E LEGALIZAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA FLORESTAL LEGAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 LEVANTAMENTO, DIAGNÓSTICO E PLANEJAMENTO FAZENDA DOIS GAROTOS ADEQUAÇÃO E LEGALIZAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA FLORESTAL LEGAL Alex

Leia mais

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio Junho de GILMAN VIANA RODRIGUES SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL EVOLUÇÃO DO USO DE FONTES

Leia mais

A diferença entre o remédio e o veneno é a dose! Luís Carlos Silva de Moraes

A diferença entre o remédio e o veneno é a dose! Luís Carlos Silva de Moraes A diferença entre o remédio e o veneno é a dose! Luís Carlos Silva de Moraes moraes.luis@terra.com.br Entendendo o problema 38%: prop. rurais 4%: urbano 58%: qual destinaçã ção? 58%: ponto de partida do

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Milton Satoshi Matsushita Instituto Emater e Facsul Curitiba Paraná Brasil

Leia mais

Campo Nativo não é Área Rural Consolidada

Campo Nativo não é Área Rural Consolidada Campo Nativo não é Área Rural Consolidada Riscos para a implantação da lei de Proteção da Vegetação Nativa (12.651/2012) e equívocos no tratamento dos Campos Sulinos Contribuição técnica da Rede Campos

Leia mais

Relato I: estabelecimento do povoamento misto para regeneração de floresta em área de pastagem no Pantanal da Nhecolândia

Relato I: estabelecimento do povoamento misto para regeneração de floresta em área de pastagem no Pantanal da Nhecolândia Relato I: estabelecimento do povoamento misto para regeneração de floresta em área de pastagem no Pantanal da Nhecolândia ntonio dos Santos Jr (IFRO Porto Velho Calama); Walfrido Tomas (EMBRP Pantanal);

Leia mais

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W.

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W. Recuperação de Áreas Degradadas Aula 6 Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Aula Adequação Ambiental e Biologia da Conservação 1. Adequação Ambiental de Atividades Produtivas 2. Preservação,

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra;

A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra; A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra; três convenções Biodiversidade, Desertificação e Mudanças climáticas; uma declaração de princípios sobre florestas;

Leia mais

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica.

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170 mil motivos para comemorar 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170.000 mudas plantadas conheça a história Sumário Anterior Próximo No dia da Mata Atlântica, 170 mil motivos para comemorar No dia 27 de

Leia mais

PROGRAMA: RESTAURAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS CURSOS D ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO LAJEADO CRUZEIRO FASE II

PROGRAMA: RESTAURAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS CURSOS D ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO LAJEADO CRUZEIRO FASE II PROGRAMA: RESTAURAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS CURSOS D ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO LAJEADO CRUZEIRO FASE II Rafael Leão 1; Murilo Anzanello Nichele 1; André Leão 1; Helga Cristina Fuhrmann Dinnebier¹; João

Leia mais

Quais as vantagens em aderir ao PRA? Multas antes de julho de 2008 serão realmente suspensas?

Quais as vantagens em aderir ao PRA? Multas antes de julho de 2008 serão realmente suspensas? Quais as vantagens em aderir ao PRA? Multas antes de julho de 2008 serão realmente suspensas? Quais as vantagens em aderir ao PRA? Continuidade das ATIVIDADES AGROSSILVIPASTORIS, de ecoturismo e de turismo

Leia mais

Relatório Plante Bonito Área: RPPN Cabeceira do Prata

Relatório Plante Bonito Área: RPPN Cabeceira do Prata Instituto das Águas da Serra da Bodoquena IASB Organização não governamental sem fins lucrativos, com caráter técnico, científico e ambiental, criado em Bonito/MS por proprietários rurais, empresários,

Leia mais

Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria

Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria urso de Graduação em Engenharia Ambiental Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria Ecologia de comunidades: Abordagem geral sobre Distúrbios: Fragmentação de hábitats, efeito de borda, ecologia da

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 25, DE 2015 Dispõe sobre a conservação e a utilização sustentável da vegetação nativa do Bioma Cerrado. Autor:

Leia mais

QUALIDADE DE MATRIZES DE Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. ex Steud EM DIFERENTES FRAGMENTOS FLORESTAIS DE DOIS VIZINHOS-PR

QUALIDADE DE MATRIZES DE Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. ex Steud EM DIFERENTES FRAGMENTOS FLORESTAIS DE DOIS VIZINHOS-PR QUALIDADE DE MATRIZES DE Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. ex Steud EM DIFERENTES FRAGMENTOS FLORESTAIS DE DOIS VIZINHOS-PR Anathan Bichel 1*, Elisandra Okada 1, Eleandro José Brun 2 [orientador] 1 Acadêmicos

Leia mais

O CLIMA E A VEGETAÇÃO DO BRASIL

O CLIMA E A VEGETAÇÃO DO BRASIL O CLIMA E A VEGETAÇÃO DO BRASIL [...] Não tinha inverno e verão em Brasília, tinha o tempo da seca e tempo das chuvas. Uma vez choveu onze dias sem parar, e as pessoas andavam quase cegas debaixo do aguaceiro,

Leia mais

Silvicultura no Tocantins

Silvicultura no Tocantins Silvicultura no Tocantins Situação atual e perspectivas Alisson Moura Santos Pesquisador Palmas/TO, 17 de junho de 2016 Integração de esforços Secretaria de Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária Contextualização

Leia mais

MAPA DE DECLIVIDADE P A R Q U E E S T A D U A L D A C A B E Ç A D O C A C H O R R O

MAPA DE DECLIVIDADE P A R Q U E E S T A D U A L D A C A B E Ç A D O C A C H O R R O 200 200 Limite do CLASSES DE DECLIVIDADE 7200 7200 Plano Suave Ondulado Ondulado Forte Ondulado Montanhoso 0 250 1.000 acrescidas as constantes 10.000 km e km, respectivamente MAPA DE DECLIVIDADE 200 200

Leia mais

Apresentação do Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal.

Apresentação do Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal. Apresentação do Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal www.lerf.esalq.usp.br Coordenadores Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Sérgius Gandolfi Onde estamos? Diretrizes para Conservação

Leia mais

Anexo eletrônico da cartilha Conservando pastagens e paisagens pecuária de corte no Pantanal. WWF-Brasil / Embrapa Pantanal / Outubro de 2012.

Anexo eletrônico da cartilha Conservando pastagens e paisagens pecuária de corte no Pantanal. WWF-Brasil / Embrapa Pantanal / Outubro de 2012. Anexo eletrônico da cartilha Conservando pastagens e paisagens pecuária de corte no Pantanal WWF-Brasil / Embrapa Pantanal / Outubro de 2012 Anexo 1 Alguns métodos de controle recomendados para as principais

Leia mais

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS IvarWendling Engenheiro Florestal Pesquisador da Embrapa Florestas Chefede P&D Santa Maria, 27/05/2011 SUMÁRIO -A Embrapa

Leia mais

Características dos Solos Goianos

Características dos Solos Goianos Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário de Pontes e Lacerda Departamento de Zootecnia Disciplina: Geologia Docente: Prof. Dr. Eurico Características dos Solos Goianos Discente: Kepler

Leia mais

Fundamentos de la Restauración Ecológica de Bosques

Fundamentos de la Restauración Ecológica de Bosques Fundamentos de la Restauración Ecológica de Bosques Cali, Colombia - Diciembre 1 al 6 de 2013 SUCESIÓN ECOLÓGICA Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@usp.br Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal - Departamento

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS Anglo Atibaia 1º ano Aulas 42 46 Professor Marcelo Gameiro CLIMAS DO MUNDO Climas do mundo Baixa latitude Média latitude Alta latitude ZONA INTERTROPICAL ZONA TEMPERADA ZONA

Leia mais

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Juliana Leite Ribeiro 1, Sâmmara Emiliana Fonseca Carvalho 2, Marielle Aparecida de

Leia mais

SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL

SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL James Stahl Klabin: Uma empresa líder 110 anos de tradição, inovação, liderança e sustentabilidade 17 unidades fabris em nove

Leia mais

Perspectivas Econômicas e Técnicas da Atividade Agropecuária com Adequação Ambiental

Perspectivas Econômicas e Técnicas da Atividade Agropecuária com Adequação Ambiental Perspectivas Econômicas e Técnicas da Atividade Agropecuária com Adequação Ambiental Perspectivas do mercado de grãos face à adequação ambiental: casos de sucesso em sustentabilidade no cultivo de soja

Leia mais

MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR

MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR MISSÃO Promover o conhecimento, o uso sustentável e a ampliação da cobertura florestal, tornando a agenda florestal estratégica para a economia do país. MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR Diretoria

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO ETAPA I MÓDULO I: Organização do processo de elaboração e Mobilização PT/ MOBILIZAÇÃO quecoso Etapas do PMMA ETAPA II proncovo MÓDULO II: Elaboração do Diagnóstico da Situação Atual

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS. Solos do Acre. Professor Adjunto do DCA-UFAC

CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS. Solos do Acre. Professor Adjunto do DCA-UFAC INSTRUTOR: Dr. José Ribamar Torres da Silva Professor Adjunto do DCA-UFAC Classificação Taxonômica LATOSSOLOS ------------------------------------------------------------- Local de Ocorrência A1 AB BA

Leia mais

Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL

Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL Ana Paula Corrêa do Carmo 28/10/09 Reunião Técnica IPEF Silvicultura de Nativas aplicada à restauração: Conceitos e ações prioritárias Restauração

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PUBLICADA NO DOE DE 05-04-2014 SEÇÃO I PÁG 36-37 RESOLUÇÃO SMA Nº 32, DE 03 DE ABRIL DE 2014 Estabelece as orientações, diretrizes e critérios sobre restauração ecológica no Estado de São Paulo, e dá providências

Leia mais

Renascimento de florestas

Renascimento de florestas Renascimento de florestas regeneração na era do desmatamento Robin L. Chazdon SUMÁRIO 1. Percepções sobre florestas tropicais e regeneração natural... 15 1.1 Visão cíclica das florestas... 15 1.2 A resiliência

Leia mais

Recuperação do Cinturão Verde da Usina Presidente Vargas. Volta Redonda / RJ

Recuperação do Cinturão Verde da Usina Presidente Vargas. Volta Redonda / RJ Recuperação do Cinturão Verde da Usina Presidente Vargas Volta Redonda / RJ 1. RESUMO O presente documento relata os trabalhos realizados, entre Dezembro/2010 e dezembro/2011 visando um adensamento da

Leia mais

Impactos da deficiência hídrica na produtividade de soja e milho no Estado do Paraná

Impactos da deficiência hídrica na produtividade de soja e milho no Estado do Paraná Impactos da deficiência hídrica na produtividade de soja e milho no Estado do Paraná Geovanna C. Zaro Bolsista do CNPq/Finep IAPAR/SIMEPAR Wilian da S. Ricce Pesquisador EPAGRI/CIRAM Paulo. H. Caramori

Leia mais

PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO

PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO Alfredo Penzo de Barros 1 ; Norton Hayd Rego 2 ; Aluisio Pereira da Luz 3 ; Aliston Flàvio de Souza 3 ; Nivaldo Liuzzi Gomes 4 ; Bruno Jacobson 5. 1

Leia mais

Unidade Terras Quentes, Acidentadas, do vale do Itapemirim

Unidade Terras Quentes, Acidentadas, do vale do Itapemirim Unidade Terras Quentes, Acidentadas, Secas ou de Transição Chuvosas/Secas do vale do Itapemirim Elzimar de Oliveira Gonçalves Engª Florestal, DSc. Ciência Florestal Professora Adjunta II DEF/CCA/UFES 28

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO DA Hymenaea Courbaril (JATOBÁ) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO DA Hymenaea Courbaril (JATOBÁ) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO DA Hymenaea Courbaril (JATOBÁ) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Klippel, V.H., Toledo, J.V., Costa, J., Pimenta, L.R., Pezzopane, J.E.M. Universidade Federal do Espírito Santo/Departamento

Leia mais

Capítulo 11. Biomas e a vegetação Parte 2

Capítulo 11. Biomas e a vegetação Parte 2 Capítulo 11. Biomas e a vegetação Parte 2 Características das formações vegetais brasileiras (pág. 225) Brasil: vegetação nativa Domínio Amazônico: Floresta Densa e meandros fluviais Formações Arbóreas

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Rossini Ferreira Matos Sena Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável

Leia mais

Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio

Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio Josimar Rodrigues OLIVEIRA 1** ; Josiane Rodrigues OLIVEIRA²; Urbano Teixeira Guimarães

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

Mural Informativo ...

Mural Informativo ... Mural Informativo... Mina Bauxita Barro Alto Maio de 2017 APLICAÇÃO DE BIOINDICADORES DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO EM ÁREAS RESTAURADAS PELA COMPANHIA BRASILEIRA DE ALUMINÍO CBA UNIDADE DE MIRAÍ MG Figura

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO TÉCNICO-CIENTÍFICA E A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL GUSTAVO RIBAS CURCIO PESQUISADOR EMBRAPA FLORESTAS COORDENADOR DO PROJETO BIOMAS (41) 3675-3511 PATROCINADORES PONTOS FOCAIS - A legislação ambiental

Leia mais

Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE

Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE O relevo Brasileiro O relevo brasileiro é constituído, principalmente, por planaltos, planícies e depressões. Os planaltos são terrenos mais antigos relativamente

Leia mais

Audiência Pública. Ocupação do Cerrado Brasileiro

Audiência Pública. Ocupação do Cerrado Brasileiro Audiência Pública Ocupação do Cerrado Brasileiro Senado Federal 10/04/2012 José Roberto Rodrigues Peres Embrapa Cerrados jrperes@cpac.embrapa.br RR AP Região do Cerrado AM PA MA CE RN PI PE PB AC RO MT

Leia mais

Projeto Sustenta a MATA - Preservando florestas. Desenvolvendo comunidades.

Projeto Sustenta a MATA - Preservando florestas. Desenvolvendo comunidades. Uso Econômico Sustentável de Florestas: Iniciativa prática de projetos da The Nature Conservancy do Brasil em três sítios das região Sudeste e Sul da Mata Atlântica Insert Image Credit Projeto Sustenta

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ CARACTERIZAÇÃO DO MEIO ABIÓTICO DA REGIÃO DE PIRAÍ DA SERRA - PARANÁ Rafael Köene (PIBIC/CNPq-UEPG), Mário Sérgio de Melo, e-mail: msmelo@uepg.br, Gilson Burigo Guimarães Universidade Estadual de Ponta

Leia mais

Parâmetros meteorológicos em cafeeiros arborizados com aleias de leguminosas e a pleno sol, em São Sebastião do Paraíso, MG

Parâmetros meteorológicos em cafeeiros arborizados com aleias de leguminosas e a pleno sol, em São Sebastião do Paraíso, MG Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte Parâmetros meteorológicos em cafeeiros arborizados com aleias de leguminosas e a pleno sol, em São Sebastião do Paraíso, MG Lívia

Leia mais

Manejo Intensivo de Pastagens para Produção de Carne Bovina. Curso Teórico Prático Embrapa Pecuária Sudeste 22 a 25 de abril de 2003

Manejo Intensivo de Pastagens para Produção de Carne Bovina. Curso Teórico Prático Embrapa Pecuária Sudeste 22 a 25 de abril de 2003 Manejo Intensivo de Pastagens para Produção de Carne Bovina Curso Teórico Prático Embrapa Pecuária Sudeste 22 a 25 de abril de 2003 Situação atual: Baixa produtividade: 100 kg de PV/ha/ano Produtividade

Leia mais