Matemática 3.º ano. Curso Profissional de Técnico de Informática de Gestão. Módulo 7 Funções de Crescimento 27 Horas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática 3.º ano. Curso Profissional de Técnico de Informática de Gestão. Módulo 7 Funções de Crescimento 27 Horas"

Transcrição

1 Curso Profissionl d Técnico d Informátic d Gstão Mtmátic.º no Módulo 7 Funçõs d Crscimnto 7 Hors E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

2 ÍNDICE P A R T E I... INTRODUÇ ÃO... COMPETÊNCI AS A DESENVOLVER... OBJETI VOS... 4 CONTEÚDOS (brv dscrição):... 4 ARTI CULAÇÕES I NTERDI SCIPLINARES... 5 TAREFAS / ATI VI DADES... 5 RECURSOS... 5 AVALI AÇ ÃO... 5 BI BLIOGRAFI A... 6 NÍ VEI S DE AVALI AÇ ÃO D AS COMPETÊNCI AS PES SO AI S E SOCI AI S Erro! Mrcdor não dfinido. NÍ VEI S DE AVALI AÇ ÃO D AS COMPETÊNCI AS TÉC NICAS... Erro! Mrcdor não dfinido. P A R T E I I FUNÇ ÃO EXPONENCI AL DEFI NIÇÃO DE FUNÇÃO EXPON ENCI AL PROPRI ED ADES D AS FUN ÇÕES EXPONENCI AI S REGRAS OPERATÓRI AS C OM EXPONENCI AI S... 8 EXERCÍCIOS PROPOSTOS: FUNÇ ÃO EXPONENCI AL D E BAS E CRESCIMENTO EXPONENCI AL... EXERCÍCIOS PROPOSTOS: FUNÇ ÃO LOG ARÍ TMICA NOÇ ÃO DE LOG ARI TMO... 5 EXERCÍCIOS PROPOSTOS: FUNÇ ÃO LOG ARÍ TMICA... 7 EXERCÍCIOS PROPOSTOS: PROPRI ED ADES D AS FUN ÇÕES LOGARÍ TMIC AS REGRAS OPERATÓRI AS D E LOG ARI TMOS... 9 EXERCÍCIOS PROPOSTOS: EQU AÇÕES E I NEQUAÇÕES EXPONENCI AI S E LOG ARÍ TMIC AS... EXERCÍCIOS PROPOSTOS: APLI CAÇ ÃO D AS FUNÇÕES EXPONENCI AI S E LOG ARÍ TMIC AS N A MODELAÇ ÃO DE SI TU AÇÕES REAI S CRESCIMENTO LOGÍSTIC O FUNÇ ÃO LOGÍ STI CA. PROPRI ED ADES D A FUNÇ ÃO LOGÍ STI CA... 6 EXERCÍCIOS PROPOSTOS: FI CHA DE AVALI AÇ ÃO MODELO RESOLUÇÃO D A FICHA D E AVALI AÇ ÃO MODELO CONCLUSÃO... E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

3 P AR T E I INTRODUÇÃO Est mnul stá orgnizdo m dus prts. N primir prt stão dscritos os pré-rquisitos, os objtivos s comptêncis técnics qu dvrás dquirir, os nívis d comptêncis, form como vis sr vlido, os contúdos, s rticulçõs intrdisciplinrs, s trfs/tividds, os rcursos bibliogrfi qu foi utilizd pr lborr st mnul, qu podrás consultr pr profundrs os tus conhcimntos (stá n bibliotc). A sgund prt do mnul é compost por cinco cpítulos. Nos cpítulos um cinco ncontrrás um posição tóric d contúdos rcícios rsolvidos, qu dvrás nlisr tntmnt pr podrs rsolvr os rcícios propostos no finl dos cpítulos. O cpítulo sis st são rsptivmnt um tst d vlição tipo su corrção. Est mnul foi rdigido sgundo s rgrs do Acordo Ortográfico d 99. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Nst módulo d Funçõs d Crscimnto, comptênci mtmátic qu todos dvm dsnvolvr, inclui os sguints sptos: ptidão pr fzr invstigr mtmátic rcorrndo à modlção com uso ds tcnois; ptidão pr lborr, nlisr dscrvr modlos pr fnómnos ris utilizndo modlos d crscimnto não linr; ptidão pr rprsntr rlçõs funcionis d vários modos pssr d uns tipos d rprsntção pr outros, usndo rgrs vrbis, tbls, gráficos prssõs lgébrics rcorrndo, nomdmnt, à tcnoi gráfic; cpcidd d comunicr orlmnt por scrito s situçõs problmátics os sus rsultdos; ptidão pr usr quçõs inquçõs como mio d rprsntr situçõs problmátics pr rsolvr quçõs, inquçõs sistms, ssim como pr rlizr procdimntos lgébricos; cpcidd d prsntr d form clr, orgnizd com spto gráfico cuiddo os trblhos scritos, individuis ou d grupo, qur sjm pqunos rltórios, monogrfis, tc.; snsibilidd pr ntndr o uso d funçõs como modlos mtmáticos d situçõs do mundo rl, m prticulr nos csos m qu trduzm situçõs d crscimnto não linr; cpcidd d usr um hurístic pr rsolução d problms. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

4 OBJETIVOS rconhcr dr mplos d situçõs m qu os modlos ponnciis sjm bons modlos qur pr o obsrvdo qur pr o sprdo; usr s rgrs ds ponnciis s clculdors gráfics ou um computdor pr ncontrr vlors ou gráficos qu rspondm possívis mudnçs nos prâmtros; intrprtr um função prdizr form do su gráfico; dscrvr s rgulridds difrnçs ntr pdrõs linrs, qudráticos, ponnciis, rítmicos ísticos; obtr forms quivlnts d prssõs ponnciis; dfinir o númro (sgund dfinição) ritmo nturl; rsolvr quçõs simpls usndo ponnciis ritmos (no contto d rsolução d problms); rsolvr, plo método gráfico, inquçõs simpls usndo s funçõs ponnciis, rítmics ístics (no contto d rsolução d problms); rsolvr problms simpls d plicção usndo difrnts modlos d funçõs d crscimnto. CONTEÚDOS (brv dscrição):. Funçõs d Crscimnto Motivção: studo d situçõs ris d outrs árs cintífics. Função ponncil d bs suprior um. o Estudo ds propridds nlítics gráfics d fmíli d funçõs dfinids por f :, ; o Rgrs oprtóris ds funçõs ponnciis; o Crscimnto ponncil. Função rítmic d bs o Logritmo d um númro; o Função rítmic; o Rgrs oprtóris d ritmos; o Comprção d crscimnto d funçõs. Função ístic. o Propridds d função ístic; o Comprção d crscimnto d funçõs.. Logritmo d um númro. Rsolução d quçõs inquçõs no contto d rsolução d problms.. Rsolução d problms ond sj ncssário scolhr o modlo d funçõs mis dqudo à dscrição d situção. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 4

5 ARTICULAÇÕES INTERDISCIPLINARES: A rticulção intrdisciplinr pns é prtinnt pr o curso d Eltrónic, Automção Comndo. Assim, com disciplin d Eltricidd Eltrónic (E.E.), no módulo n.º, Eltrónic d Potênci Aplicçõs. No módulo d Mtmátic srão ddos os concitos propridds d função rítmic d função ponncil qu srão ncssários pr rlizção d rcícios/problms, d disciplin d E.E., rlciondos com o cálculo d t d vrição d corrnt d tnsão. Os profssors ds disciplins nvolvids n intrdisciplinridd lborrão um fich d trblho. N disciplin d Mtmátic srá vlid form como os lunos mobilizm plicm os rsultdos mtmáticos m função dos ddos forncidos pr rsolvrm os rcícios/problms, n disciplin d E.E. srá vlid form com os lunos prsntm o rsultdo finl m função ds crctrístics técnics dos condnsdors ds bobins. TAREFAS / ATIVIDADES: Eplorção d progrms computcionis (Mpl ); Rsolução d problms por vários procssos (trnsformçõs gométrics, utilizção d progrms computcionis d clculdor gráfic); Eposição tóric / prátic dos contúdos; Rsolução d rcícios/problms; Trblhos individuis / ou d grupo; Acompnhmnto d lunos com dificuldds. RECURSOS: Mnul do módulo; Bibliogrfi istnt n bibliotc; Clculdor Gráfic viw scrn; Computdor, Vidoprojtor softwr (Mpl ); Fichs d trblho; Pltform d lrning Moodl. AVALIAÇÃO: Critérios d vlição: Disciplin titud; Empnho intrss; Rsponsbilidd; Dinmismo inicitiv; Socibilidd spírito d quip; E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 5

6 Qulidd do trblho; Produção, rndimnto utonomi; Espírito crítico Comptêncis técnics dquirids com st módulo. Instrumntos d vlição: Obsrvção dirt do comportmnto n sl d ul; Obsrvção dirt do trblho no lugr, no qudro d prticipção orl; Minifichs d vlição d conhcimntos; Trblho d intrdisciplinridd. BIBLIOGRAFIA Nvs, M.A., Prir, A., Mtmátic A9 - Ensino Profissionl Nívl. Porto Editor. Frrir, S.F., Frrir, A.M., Crvlho, P.C.D., Crvlho, J.C., Mtmátic, Módulo A9 Funçõs d Crscimnto. Arl Editors. Brito, C., St. Aubyn, M.C., MAT, Volum, º Ano. Lisbo Editor. Nvs, M.A.F., Mtmátic B, Mtmátic º Ano. Porto Editor. Cost, B., Rodrigus, E.,Espço B. Mtmátic A,.º no. Ediçõs ASA. Cost, B., Rsnd, L.C., Rodrigus, E., Espço. Mtmátic A,.º no. Ediçõs ASA. Nvs, M.A.F., Fri, M.L.M., Ercícios, Mtmátic.º no.ª Prt. Porto Editor. Progrm d disciplin d Mtmátic. Dirção-Grl d Formção Voccionl 4/5. Como sbs pr obtrs sucsso nst módulo, tns d consguir tingir s comptêncis técnics proposts pr isso dvs procdr do sguint modo: fzr um litur tnt d todos os contúdos, d modo comprndr todos os concitos introduzidos. Sublinh ou ssinl o qu t prc importnt mmorizr ou consultr fcilmnt; fzr um nális dos rcícios rsolvidos o longo do mnul, pr vrigur s comprndst mtéri studd; rsolvr os rcícios propostos o longo do mnul, pr profundr os conhcimntos dquiridos. S não consguirs prcbr mtéri à primir não dsnims, tnt d novo pd o profssor pr t sclrcr s dúvids E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 6

7 . FUNÇÃO EXPONENCIAL P AR T E I I.. DEFINIÇÃO DE FUNÇÃO EXPONENCIAL As funçõs m qu prssão nlític é um potênci m qu bs é um vriávl o pont é um constnt dsignm-s por funçõs lgébrics. Emplo: y 5 Nst cpítulo vmos studr funçõs ponnciis. Ests funçõs crctrizm-s pl prssão nlític m qu bs é constnt o pont é vriávl. Emplos: y 5 ; y ; y Chm-s função ponncil d bs, com IR \ um função crctrizd d sguint form f : IR IR com IR. Como obsrvmos, prssão nlític d função é um potênci m qu bs é fi o pont vriávl. Not: S função é constnt. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 7

8 .. PROPRIEDADES DAS FUNÇÕES EXPONENCIAIS Função Eponncil f :, Propridds d função ponncil: D IR D f IR f é injtiv m todo o su domínio f, IR f é stritmnt crscnt m todo o su domínio lim lim y é um ssintot horizontl do gráfico d função f f é um função contínu m todo o su domínio. CURIOSIDADE: Considr gor f :, com Obsrv qu s, nm tods s propridds s vrificm. Nst cso A função é stritmnt dcrscnt lim lim.. REGRAS OPERATÓRIAS COM EXPONENCIAIS As rgrs oprtóris ds funçõs ponnciis são s msms rgrs oprtóris ds potêncis d pont rl. Considrmos s funçõs ponnciis d fmíli :,. f com IR \ IR Sjm b IR y IR, ntão tmos s sguints rgrs oprtóris: E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 8

9 y y b b y y y y b b b m n n m, n IN m Z Ercícios Propostos: Escrv, n form d potênci n bs indicd, cd um dos sguints númros: ) 9 bs b) bs c), bs FUNÇÃO EXPONENCIAL DE BASE Como sbmos, dnomin-s númro d Npr. Est númro é o númro pr o qul tndm os trmos d sucssão n à mdid qu n umnt. n Simbolicmnt, tmos n ou lim. n n n n Como, pois, , s propridds dst função são s qu studmos ntriormnt. Assim tmos, f :,, IR Propridds d função ponncil: D IR D f IR f é injtiv m todo o su domínio f, IR f é stritmnt crscnt m todo o su domínio lim lim y é um ssintot horizontl do gráfico d função f f é um função contínu m todo o su domínio. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 9

10 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO: As funçõs ponnciis d bs são fundmntis n Economi n Químic, nomdmnt no cálculo finnciro n dsintgrção rdiotiv. Considrmos os sguints mplos:. RADIOATIVIDADE A mss d um substânci rdiotiv é clculd trvés d fmíli d funçõs r t A A, m qu A rprsnt quntidd d substânci rdiotiv istnt dpois d t nos, m qu A rprsnt quntidd inicil r é um vlor qu dpnd ds crctrístics d cd substânci ssocido à t nul d dsintgrção. Font: Nvs, M.A., Prir, A., Mtmátic A9 - Ensino Profissionl Nívl. Porto Editor EXERCÍCIO: A mss d substânci rdiotiv m crt mostr clcul-s por A t,9t 5 com t m nos A t m miligrms. Quntos miligrms hvi no início d contgm do tmpo? E nos dpois? Aprsnt o rsultdo com um cs dciml. Ercício dptdo do livro Mtmátic A9 - Ensino Profissionl Nívl Mri August Nvs, d Albino Prir, d António Lit, d Luís Gurriro d M. Crlos Silv d Porto Editor RESOLUÇÃO: Cálculo dos miligrms d substânci rdiotiv qu istim no início d contgm do tmpo A 5,9 5 5 Cálculo dos miligrms d substânci rdiotiv qu istim dcorridos nos do início d contgm do tmpo A Rspost: 5,9, c. d. No início d contgm do tmpo hvi 5 mg nos dpois istim, proimdmnt,, mg. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

11 . CAPITAL ACUMULADO O cpitl cumuldo M obtido plo invstimnto d um cpitl C, durnt t nos, um t nul nominl r, com cpitlizçõs n vzs por no, é dd pl fórmul À mdid qu n umnt, M umnt, ms tm um limit. M C r n nt S cpitlizção foss clculd continumnt, fórmul rt M C prmitiri o cálculo do cpitl cumuldo. Font: Nvs, M.A.F., Mtmátic B, Mtmátic º Ano. Porto Editor EXERCÍCIO : O Crlos colocou uros num bnco à t nul nominl d 4 %. Clcul o cpitl cumuldo num no s s cpitlizçõs form: nuis, trimstris, mnsis, hor hor contínus. RESOLUÇÃO: Ercício dptdo do livro Mtmátic B, Mtmátic º Ano dos Cursos Tcnológicos d utori d Mri August Frrir Nvs, d Albino Prir, d Luís Gurriro d M. Crlos Silv d Porto Editor E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

12 EXERCÍCIO : A Sr, Mri Crolin, três migs, dcidirm plicr o dinhiro qu gnhrm trblhr ns féris : cd um. Dirigirm-s um gênci bncári optrm por difrnts modlidds d plicção. A Sr dcidiu fzr o dpósito à t nul d 4%, com príodos d cpitlizção nul. A Mri optou pl msm t nul, ms com cpitlizçõs contínus. Finlmnt Crolin scolhu modlidd m qu rcbri d juros por cd no. ) Qul ds três migs trá o mior cpitl cumuldo o fim d nos? b) E o fim d nos? Ercício dptdo do livro Mtmátic, Módulo A9 Funçõs d Crscimnto d Frrir, S.F., Frrir, A.M., Crvlho, P.C.D., Crvlho, J.C., d Arl Editors RESOLUÇÃO: ) Cálculo do cpitl cumuldo o fim d nos pl Sr:,4 74,59 O cpitl cumuldo pl sr o fim d nos é d 74,59 Cálculo do cpitl cumuldo o fim d nos pl Mri: lim,4 n n,4 8,49 O cpitl cumuldo pl Mri o fim d nos é d proimdmnt 8,49 Cálculo do cpitl cumuldo o fim d nos pl Crolin: 9 O cpitl cumuldo pl Crolin o fim d nos é d 9 Concluímos ssim qu Crolin scolhu modlidd mis vntjos pr um príodo d nos. b) Cálculo do cpitl cumuldo o fim d nos pl Sr:,4 444,7 O cpitl cumuldo pl sr o fim d nos é proimdmnt d 444,7 Cálculo do cpitl cumuldo o fim d nos pl Mri: lim,4 n n,4 4475,474 O cpitl cumuldo pl Mri o fim d nos é d proimdmnt 4475,47 Cálculo do cpitl cumuldo o fim d nos pl Crolin: E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

13 4 F u n ç õ s d C r s c i m n t o O cpitl cumuldo pl Crolin o fim d nos é d 4 Concluímos ssim qu Mri scolhu modlidd mis vntjos pr um príodo d nos..5. CRESCIMENTO EXPONENCIAL Um função do tipo f b dfin um modlo d crscimnto ponncil Vrific qu: no cso d b, populção crsc. no cso d b, populção dcrsc. EXEMPLO DE APLICAÇÃO: Um bióo studou o crscimnto d um colóni d bctéris rgistou os ddos obsrvdos no sguint qudro: t (dis) N (n.º d bctéris) Sbndo qu s trt d um situção d crscimnto ponncil qu pod sr modld por um k t função do tipo f b com b, ncontr prssão nlític qu dscrv função rprsntd no qudro. Adptdo do livro d Nvs, M.A.F., Fri, M.L.M., Ercícios, Mtmátic.º no.ª Prt. Porto Editor RESOLUÇÃO: Vmos rsolvr st rcício por dois procssos difrnts. PROCESSO ANALÍTICO Sj N t b k t Prcismos d dtrminr s constnts, b k. Sbmos qu N 8, N 6 qu N k Assim N 8 b 8 b 8 b 8. Logo b 8, o qu signific qu k t N t 8. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

14 Cálculo d d k. N 6 8 k 6 8 k 6 8 k 8 k N 8 k 8 k 8 4 k 4 Concluímos qu k. Logo o modlo pdido é N t t 8. PROCESSO GRÁFICO O procsso gráfico qu vmos utilizr é o d rgrssão ponncil Us clculdor TI 84 Plus sgu s sguints instruçõs: Clic m dpois slcion instrução :Edit clicndo n tcl ou n tcl. D sguid prnch s dus lists L L (ou outrs) com os ddos qu stão no qudro. Dpois d prnchids s lists, clic m slcion o mnu CALC nst opção EpRg Fz pr fzrs slção. Dpois no crã principl scrv L, L (ou o nom ds lists qu usst) Fz novmnt obtrá o modlo qu procurs Logo o modlo pdido é N t t 8. Ercícios Propostos: Rsolv o rcício d págin 9 do livro Mtmátic A9 - Ensino Profissionl Nívl, Nvs, M.A., Prir, A., Porto Editor. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 4

15 . FUNÇÃO LOGARÍTMICA.. NOÇÃO DE LOGARITMO Considr os sguints problms compr-os.º Problm.º Problm 5 Qul é o númro tl qu 4? Qul é o númro tl qu 4? O.º problm é d fácil rsolução. Flt-nos bs d potênci. Obtmos o rsultdo prtndido 5 trvés d rdicição (um ds oprçõs invrss d potncição), o 4. No.º problm consguimos clculr mntlmnt o vlor d m flt. Dtrminmos o vlor 5. Nst mplo o cálculo foi fácil, ms nm smpr isso contc. O vlor d qu dtrminámos foi obtido por um oprção nov, tmbém invrs d potncição, dsignd por trção d ritmo ou ritmção. O vlor d chm-s ritmo d 4 n bs 4 4 5, isto signific qu, 4 5. Chm-s ritmo d um númro positivo n bs, com IR \, um númro y qu tm d s lvr bs pr obtr. Ou sj, y y m qu IR \ IR (O ritmo d n bs é o pont qu s dv lvr pr obtr ). Not: Só irmos studr ritmos d bs suprior um, pois são pns sts qu fzm prt do progrm d Mtmátic. Consquêncis d dfinição: ; ; ; ; Só é possívl clculr o ritmos d númros positivos. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 5

16 EXEMPLOS: 5 5 porqu ; 4 64 porqu 4 64 ; porqu ; porqu ; 4 4 porqu. 8 8 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO: Clcul: ) 8 ; b) 4 7 RESOLUÇÃO: 7 ) Logo b) 4 4 Ercícios Propostos: Rsolv os rcícios ds págins 5 7 do livro Mtmátic A9 - Ensino Profissionl Nívl, Nvs, M.A., Prir, A., Porto Editor. MUITO IMPORTANTE No cálculo com ritmos há dois qu prcm com muit frquênci, são os ritmos d bs os ritmos d bs. O ritmo d bs, dsign-s ritmo dciml. Pr simplificção d scrit bs pod sr suprimid ssim, scrv-s m vz d. N máquin d clculr us-s tcl LOG. O ritmo d bs, dsign-s ritmo nprino ou ritmo nturl. Pr simplificção d scrit bs pod sr suprimid scrv-s ln m vz d. N máquin d clculr us-s tcl LN. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 6

17 .. FUNÇÃO LOGARÍTMICA Considrmos função ponncil f Sndo f um função ponncil é injtiv o dmit invrs. A função invrs d função f rprsnt-s por f os gráficos d f f são simétricos rltivmnt à rt d qução y. No cso d função ponncil f, função invrs dsign-s por função rítmic, f ln. Chm-s função rítmic d bs com IR \ à função f : IR IR Not: Só irmos studr funçõs rítmics d bs suprior um, pois são pns sts qu fzm prt do progrm d Mtmátic. Ercícios Propostos: Rsolv os rcícios ds págins 9 do livro Mtmátic A9 - Ensino Profissionl Nívl, Nvs, M.A., Prir, A., Porto Editor. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 7

18 .. PROPRIEDADES DAS FUNÇÕES LOGARÍTMICAS Considr função rítmic f : IR IR com Propridds d função rítmic: Domínio: IR Contrdomínio: IR f f é stritmnt crscnt m todo o su domínio f é injtiv m todo o su domínio lim lim A rt d qução é ssintot vrticl do gráfico d função f f é um função contínu m todo o su domínio CURIOSIDADE: Considr gor f :, com Obsrv qu s, nm tods s propridds s vrificm. Nst cso A função é stritmnt dcrscnt lim lim E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 8

19 .4. REGRAS OPERATÓRIAS DE LOGARITMOS As rgrs oprtóris d ritmos stão rlcionds com s rgrs oprtóris ds potêncis.. Logritmo d um produto O ritmo d um produto é igul à som dos ritmos dos ftors y y com, y IR IR \. Logritmo d um quocint O ritmo d um quocint é igul à difrnç ntr os ritmos do dividndo do divisor y com, y IR IR \ y. Logritmo d um potênci O ritmo d um potênci é igul o produto do pont plo ritmo d bs: p p, com p IR,, y IR IR \ 4. Mudnç d bs b, com b IR \ b IR Not: st rgr prmits clculr, rcorrndo à clculdor, o ritmo d um númro m qu bs é difrnt d ou. ln ou ln Por mplo:,58, 58 Ercícios Propostos: Rsolv o rcício d págin do livro Mtmátic A9 - Ensino Profissionl Nívl, Nvs, M.A., Prir, A., Porto Editor. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 9

20 . EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS F u n ç õ s d C r s c i m n t o EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES EXPONENCIAIS Tndo m cont qu um função ponncil é do tipo :,. f com IR \ IR Pr rsolvr quçõs inquçõs ponnciis tmos d tr m cont o sguint: O domínio ds funçõs ponnciis é o conjunto dos númros ris; As funçõs ponnciis são injtivs por isso tm-s: ;, IR IR S s funçõs ponnciis são crscnts tmos ntão qu: IR ;, \ ; E nmnt, tmos qu: IR ;, isso tm-s: CURIOSIDADE S s funçõs ponnciis são dcrscnts tmos ntão qu:, IR ; E nmnt, tmos qu, IR ; EXEMPLOS DE APLICAÇÃO: Rsolv m IR, s sguints condiçõs: ) 4 ; b) RESOLUÇÃO: ) Logo, 4 S b) 5 6. Logo, S ; E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

21 EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES LOGARITMICAS Tndo m cont qu um função rítmic é do tipo f : IR IR com Pr rsolvr quçõs inquçõs rítmics tmos d tr m cont o sguint: Tmos d dtrminr smpr o domínio ds funçõs rítmics; As funçõs ponnciis são injtivs por isso tm-s: ;, IR IR ; S s funçõs rítmics são crscnts tmos ntão qu: \ ;, IR E nmnt, tmos qu: ;, IR CURIOSIDADE S s funçõs rítmics são dcrscnts tmos ntão qu: ;, IR E nmnt, tmos qu ;, IR EXEMPLOS DE APLICAÇÃO: Rsolv m IR : ) b) RESOLUÇÃO: ) Em primiro lugr trmos d dtrminr o domínio. D Então D, IR: Em D, vmos ntão rsolvr qução dd: Como D, tmos qu S, E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

22 b) Em primiro lugr trmos d dtrminr o domínio. D Então D, IR: Em D, vmos ntão rsolvr qução dd: Como D,, só ist um solução. S Cálculos Auilirs: Ercícios Propostos: Rsolv os rcícios 4 d págin 7 do livro Mtmátic, Módulo A9 Funçõs d Crscimnto, Frrir, S.F., Frrir, A.M., Crvlho, P.C.D., Crvlho, J.C. Arl Editors. 4. APLICAÇÃO DAS FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS NA MODELAÇÃO DE SITUAÇÕES REAIS Not: Os rcícios dst cpítulo form dptdos d ms ncionis. Nos sguints rcícios smpr qu procdrs rrdondmntos, consrv no mínimo três css dcimis.. Num crt pstlri, tmprtur mbint é constnt. Admit qu tmprtur, m gru cntígrdos, d um cfé srvido nss pstlri, t minutos pós tr sido srvido n chávn, é dd por f t 5,4t t ) Dtrmin tmprtur do cfé no instnt m qu é colocdo n chávn. b) Qunto tmpo dcorr ntr o instnt m qu o cfé é colocdo n chávn o instnt m qu su tmprtur ting 65 grus cntígrdos? Aprsnt o rsultdo m minutos sgundos. c) Com o dcorrr do tmpo, tmprtur do cfé tnd igulr tmprtur mbint. Indic, justificndo, tmprtur mbint. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

23 . A prssão tmosféric d cd locl d Trr dpnd d ltitud qu s ncontr. Admit qu prssão tmosféric P (mdid m quilopscl) é dd, m função d ltitud h (m quilómtros), por P h, h ) A montnh mis lt d Portugl é o Pico Açors. A ltitud do cum do Pico é 5 mtros. Qul é o vlor d prssão tmosféric, nss locl? Aprsnt o rsultdo m quilopscl, rrdonddo às unidds. b) Dtrmin tl qu, pr qulqur h, P h P h. Aprsnt o rsultdo rrdonddo às décims. Intrprt o vlor obtido, no contto do problm.. A mgnitud prnt m mgnitud bsolut M d um strl são grndzs utilizds m Astronomi pr clculr distânci d qu ss strl s ncontr d Trr. As três vriávis stão rlcionds pl fórmul,4 m M d ( d é mdid m prsc, unidd utilizd m Astronomi pr grnds distâncis.) ) A Estrl Polr tm mgnitud prnt m, sndo su mgnitud bsolut M 4, 6. Qul é distânci d Trr à Estrl Polr? (Aprsnt o rsultdo m prsc, rrdonddo às unidds.) b) Prov qu, pr quisqur m, M d, s tm: M d m O nívl N d um som, mdido m dcibéis, é função d su intnsidd I, mdid m wtt por mtro qudrdo, d cordo com iguldd ) Vrific qu I N N I, pr I. b) Admit qu o nívl d ruído d um vião jto, ouvido por um psso qu s ncontr n vrnd d um roporto, é d 4 dcibéis. Dtrmin intnsidd dss som, m wtt por mtro qudrdo. 5. A mgnitud M d um sismo nrgi totl E librtd por ss sismo stão rlcionds pl qução E 5,4, 44M ( nrgi E é mdid m Joul). ) Um físico português stimou qu o trrmoto d Lisbo d 755 tv mgnitud 8,6. Mostr qu 7 nrgi totl librtd nss sismo foi proimdmnt 4, Joul. b) A pont Vsco d Gm foi concbid pr rsistir um sismo cuj nrgi totl librtd sj cinco vzs do trrmoto d Lisbo d 755. Qul srá mgnitud d um sismo? Aprsnt o rsultdo n form d dízim, rrdondmnto às décims. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

24 6. Num lbortório, foi colocdo um purificdor d r. Num dtrmindo di, o purificdor foi ligdo às zro hors dsligdo lgum tmpo dpois. Ao longo dss di, o nívl d poluição do r diminuiu, nqunto o purificdor stv ligdo. Um vz o purificdor dsligdo, o nívl d poluição do r comçou d imdito umntr. Admit qu o nívl d poluição do r no lbortório, mdido m pod sr ddo por ln t P t, t, 4 t ) Qul é o nívl d poluição à um hor trint minutos d trd? Aprsnt o rsultdo n unidd considrd, rrdonddo às décims. b) Qunto tmpo stv o purificdor d r ligdo? mg / l d r, às t hors dss di, Aprsnt o rsultdo m hors minutos (minutos rrdonddos às unidds). 7. A figur rprsnt um rsrvtório com três mtros d ltur. Considr qu, inicilmnt, o rsrvtório stá chio d águ qu, num crto instnt, s br um válvul o rsrvtório comç sr svzido. O rsrvtório fic vzio o fim d ctorz hors. Admit qu ltur, m mtros, d águ no rsrvtório, t hors pós st tr comçdo sr svzido, é dd por h t bt, t, 4, ond b são constnts ris positivs. Mostr qu 8 qu b. 8. Um fio ncontr-s suspnso ntr dois posts. A distânci ntr mbos é d mtros E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 4

25 Considr função f dfinid por Admit qu primiro post.,, f 5. F u n ç õ s d C r s c i m n t o f é distânci o solo, m mtros, do ponto do fio situdo mtros à dirit do ) Dtrmin difrnç d ltur dos dois posts. Aprsnt o rsultdo n form d dízim, com proimção às décims. b) Dtrmin, com proimção à décim d mtro, distânci o primiro post dos pontos do fio qu s ncontrm 5 mtros do solo. 9. Sj f função dfinid m IR por f 8 ) Mostr qu f, pr qulqur IR. b) Dtrmin bciss do ponto d intrsção do gráfico f d com rt d qução y 8.. N figur stá prt d rprsntção gráfic d função f, d domínio IR, dfinid por f 8 P é um ponto do gráfico d f, qu tm ordnd. Qul é bciss do ponto P?. N figur stá prt d rprsntção gráfic d função f, d domínio IR, dfinid por f ln ( ln dsign ritmo d bs ). Os pontos A C, qu prtncm o gráfico d função f, são vértics d um rtângulo ABCD, d ldos prllos os ios do rfrncil. As bcisss d A d C são 6, rsptivmnt. Clcul ár do rtângulo ABCD. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 5

26 5. CRESCIMENTO LOGÍSTICO 5.. FUNÇÃO LOGÍSTICA. PROPRIEDADES DA FUNÇÃO LOGÍSTICA Enumrs situçõs d vid rl prsntm um comportmnto crscnt, qu comç por sr rápido ms qu, prtir d crto momnto, s vi tornndo mis lnto, stbilizndo num crto vlor. A volução d populçõs, propgção d donçs o crscimnto d um niml são lguns mplos ds situçõs rfrids ntriormnt. O modlo ístico é do tipo f b c, m qu, b, c são constnts positivs. O modlo ístico prsnt no início um crscimnto qu s proim do crscimnto ponncil, no ntnto prtir d um crto momnto comç stbilizr. Concluímos ssim qu o crscimnto ístico é limitdo. As rprsntçõs gráfics dsts modlos são do tipo: b D obsrvção do gráfico podmos indicr s sguints propridds: A função f só tom vlors positivos, o f, qulqur qu sj o vlor d. f. O qu signific qu o gráfico d f intrst o io ds ordnds no ponto b ; b. Como f é um função qu só tom vlors positivos, vmos qu, à mdid qu umnt, tnd pr o vlor. Logo lim f lim O gráfico d função f dmit dus ssintots horizontis qu são s rts f y y. f E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 6

27 EXEMPLO: MODELO DE CRESCIMENTO LOGÍSTICO Um modlo d crscimnto d um populção d pis é ddo pl sguint função: 5 C t, t Em qu C rprsnt o númro d pis, m milhrs, istnts o fim d t nos. Estud volução dst populção contmplndo: ) O númro inicil d pis; b) A rprsntção gráfic; c) O tmpo ncssário pr qu o númro d pis tinj os 4 milhrs; d) A idntificção d ssintot horizontl rsptiv intrprtção no contto do problm. A font dst rcício d su rsolução é Nvs, M.A.F., Mtmátic B, Mtmátic.º Ano. Porto Editor. RESOLUÇÃO 5 ) C, 74 b) y C t O númro inicil r d proimdmnt 74 pis. c) Grficmnt y y C 4 t Anliticmnt C t 4 5 5,t,t 9,t 9 9 4, t ln t,t ln 559,,75 O númro d pis ting os 4 milhrs o fim d proimdmnt, 8 nos. d)a ssintot horizontl é rt d qução y 5. Signific qu populção d pis, com o dcorrr do tmpo, tnd stbilizr m crc d 5 indivíduos. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 7

28 Ercícios Propostos: F u n ç õ s d C r s c i m n t o Rsolv os rcícios ds págins do livro Mtmátic A9 - Ensino Profissionl Nívl, Nvs, M.A., Prir, A., Porto Editor. 6. FICHA DE AVALIAÇÃO MODELO GRUPO I Pr cd um ds qustõs qu s sgum, slcion rspost corrt, d ntr s ltrntivs qu t são prsntds, scrv n tu folh d rspost ltr qu lh corrspond. Aprsnt cálculos ou justificçõs ncssáris.. Sjm b, c três númros ris tis qu ( b c. Qul é o vlor d ( b)? (A) + c (B) + c (C) c (D) bc ). A função f dfinid por f ln ln( ) tm domínio igul : (A) \, IR (B), (C), (D),. Considrmos função f o su domínio é: (A) IR (B) IR (C) IR \ (D) IR \ 4. S ln ln b (, b ), ntão (A) b (B) b (C) b (D) b GRUPO II Ns qustõs qu s sgum prsnt o tu rciocínio d form clr, indicndo todos os cálculos qu fturs tods s justificçõs qu ntndrs ncssáris.. Rsolv m IR : 5 ) b) ln 4 ln. Considr ltur A (m mtros) d um crinç do so msculino pod sr prss, proimdmnt, m função do su pso p (m quirms), por A p,5,55ln p ( ln dsign ritmo d bs ) E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 8

29 ) O Ricrdo tm,4 m d ltur. Admitindo qu ltur o pso do Ricrdo stão d cordo com iguldd rfrid, qul srá o su pso? Aprsnt o rsultdo m quirms, rrdonddo às unidds. b) Vrific qu, pr qulqur vlor d p, difrnç A p A p é constnt. Dtrmin um vlor proimdo dss constnt (com dus cs dcimis) intrprt ss vlor, no contto d situção dscrit. Ercício dptdo d um m ncionl 7. RESOLUÇÃO DA FICHA DE AVALIAÇÃO MODELO Grupo I. ( b) b c, pois ( b c Rspost: A.. s ln ln( ) D IR: =, ) Rspost : B.. O domínio d função f é IR. Rspost : A. 4. ln ln b (, b ) ln ln b ln ln b ln ln b b Rspost : C. Grupo II 5. ) Conjunto solução é. b) ln 4 ln D, Domínio: IR: 4 ln 4 ln ln 4 ln 4 5 Tmos qu rsolvr um inqução do º gru. 5 Logo o conjunto solução é o intrvlo,. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó 9

30 ),4,5,55ln p,4,5,55ln p,9,55ln p,9,55 ln p p,9,55 p,86 Rspost: O Ricrdo ps, proimdmnt, Kg. b) A p A p,5,5,55ln p,55ln p,5,55ln,5,55ln p,55 ln p p ln p p,55ln p,55ln,8 Conclusão: A p A p, 8 8. CONCLUSÃO Com o studo dst módulo dsnvolvst cpcidd d modlr rsolvr situçõs nvolvndo modlos contínuos não linrs: ponncil, rítmic ístic. Como studst os modlos d crscimnto não linr podm rsultr d bordgm d situçõs rlists. D ntr os modlos não linrs studdos, são importnts intrssnts s ponnciis d form. Os modlos ponnciis form utilizdos pr rsolvr problms d volução d populçõs, poluição, tmprturs, drogs no sngu, mtriis rdiotivos, tc., lguns dls já tinhm sido mnciondos qundo d bordgm ds progrssõs gométrics. Como studst nst módulo, s funçõs d crscimnto rvstm-s d mior importânci no qu s rfr à form d orgnizr possívis rsoluçõs pr situçõs problmátics qu são prsntds, com bs m sptos d rlidd (socil) m sptos do studo ds divrss ciêncis (Mtmátic incluíd). O studo ds funçõs pod dv srvir pr vidncir conõs ntr mtmátic s outrs disciplins. E s c o l T c n o l ó g i c P r o f i s s i o n l d S i c ó

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial.

= 1, independente do valor de x, logo seria uma função afim e não exponencial. 6. Função Eponncil É todo função qu pod sr scrit n form: f: R R + = Em qu é um númro rl tl qu 0

Leia mais

log5 log 5 x log 2x log x 2

log5 log 5 x log 2x log x 2 mta unção rítmic. Indiqu o vlor d:.. 6.. 7 49...5..6. 5 ln.7. 9.4. ln.8..9. 46.. 4 4 6 6 8 8. Dtrmin o vlor d... 4 8.. 8.. 8.4. 5.5..9. 5.6. 9.7.,8.8... 6 5 8 4 5..... Rsolv cd um ds quçõs:.... 5.. ln

Leia mais

A Função Densidade de Probabilidade

A Função Densidade de Probabilidade Prof. Lorí Vili, Dr. vili@mt.ufrgs.r http://www.mt.ufrgs.r/~vili/ Sj X um vriávl ltóri com conjunto d vlors X(S). S o conjunto d vlors for infinito não numrávl ntão vriávl é dit contínu. A Função Dnsidd

Leia mais

Razão e Proporção. Noção de Razão. 3 3 lê-se: três quartos lê-se: três para quatro ou três está para quatro

Razão e Proporção. Noção de Razão. 3 3 lê-se: três quartos lê-se: três para quatro ou três está para quatro Razão Proporção Noção d Razão Suponha qu o profssor d Educação Física d su colégio tnha organizado um tornio d basqutbol com quatro quips formadas plos alunos da ª séri. Admita qu o su tim foi o vncdor

Leia mais

, ou seja, 8, e 0 são os valores de x tais que x e, Página 120

, ou seja, 8, e 0 são os valores de x tais que x e, Página 120 Prparar o Eam 0 07 Matmática A Página 0. Como g é uma função contínua stritamnt crscnt no su domínio. Logo, o su contradomínio é g, g, ou sja, 8,, porqu: 8 g 8 g 8 8. D : 0, f Rsposta: C Cálculo Auiliar:

Leia mais

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação

Expressão Semi-Empírica da Energia de Ligação Exprssão Smi-Empíric d Enrgi d Ligção om o pssr do tmpo n usênci d um tori dtlhd pr dscrvr strutur nuclr, vários modlos form dsnvolvidos, cd qul corrlcionndo os ddos xprimntis d um conjunto mis ou mnos

Leia mais

Lista de Matemática ITA 2012 Trigonometria

Lista de Matemática ITA 2012 Trigonometria List d Mtmátic ITA 0 Trigonomtri 0 - (UERJ/00) Obsrv bixo ilustrção d um pistão su squm no plno. Um condição ncssári suficint pr qu s dus árs sombrds n figur sjm iguis é t =. tg =. tg =. tg =. tg. O pistão

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

u t = L t N t L t Aplicação dos conceitos: Exemplo: Interpretando Rendimento Per Capita: Y = Pop {z} PIB per capita Y {z} Produtividade Trabalho

u t = L t N t L t Aplicação dos conceitos: Exemplo: Interpretando Rendimento Per Capita: Y = Pop {z} PIB per capita Y {z} Produtividade Trabalho 1 Aul 14 Ofrt Agrgd, Inflção Dsmprgo Populção, Tx d Prticipção, Populção Activ ( t ), Tx d Emprgo, Populção Emprgd (N t ), Tx d Dsmprgo (u t ) Populção Dsmprgd ( t N t ). Tx d Dsmprgo (u t ): u t t N t

Leia mais

Letra Letra Algarismo Algarismo Algarismo Letra Letra. Possibilidades

Letra Letra Algarismo Algarismo Algarismo Letra Letra. Possibilidades REOLUÇÃO A AVALIAÇÃO UNIDADE III - COLÉGIO ANCHIETA-BA PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA ELABORAÇÃO PEQUIA: PROF. ADRIANO CARIBÉ WALTER PORTO. - - UNEP-Adptd) Está prvisto qu, prtir d º d jniro d 7, ntrrá

Leia mais

Módulo II Resistores e Circuitos

Módulo II Resistores e Circuitos Módulo Cludi gin Cmpos d Crvlho Módulo sistors Circuitos sistênci Elétric () sistors: sistor é o condutor qu trnsform nrgi létric m clor. Como o rsistor é um condutor d létrons, xistm quls qu fcilitm ou

Leia mais

Oitavo Ano. Autor: Prof. Ulisses Lima Parente Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto. Portal da OBMEP

Oitavo Ano. Autor: Prof. Ulisses Lima Parente Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto. Portal da OBMEP Mtril Tórico - Módulo Frçõs Algébrics Oprçõs Básics Oitvo Ano Autor: rof. Ulisss Lim rnt Rvisor: rof. Antonio Cminh M. Nto ortl d OBME Simplificção d frçõs lgébrics Um frção lgébric é um xprssão lgébric

Leia mais

2 x. ydydx. dydx 1)INTEGRAIS DUPLAS: RESUMO. , sendo R a região que. Exemplo 5. Calcule integral dupla. xda, no retângulo

2 x. ydydx. dydx 1)INTEGRAIS DUPLAS: RESUMO. , sendo R a região que. Exemplo 5. Calcule integral dupla. xda, no retângulo Intgração Múltipla Prof. M.Sc. Armando Paulo da Silva UTFP Campus Cornélio Procópio )INTEGAIS DUPLAS: ESUMO Emplo Emplo Calcul 6 Calcul 6 dd dd O fato das intgrais rsolvidas nos mplos srm iguais Não é

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 0 Fs Prof. Mri Antôni Gouvi. CONHECIMENTOS GERAIS QUESTÃO 0 ) Quntos são os númros intiros positivos d qutro grismos, scohidos sm rptição, ntr,, 5, 6, 8, 9? b)

Leia mais

TRANSFORMADA DE LAPLACE

TRANSFORMADA DE LAPLACE TRANSFORMADA DE LAPLACE Nt cpítulo trtmo d um método d rolução d quçõ difrncii linr d ordm n com coficint contnt condiçõ inici, ou j, trnformd d Lplc.. Dfinição Sj f(t) um função dd pr t, uponhmo qu f

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

INTEGRAÇÃO MÉTODO DA SUBSTITUIÇÃO

INTEGRAÇÃO MÉTODO DA SUBSTITUIÇÃO INTEGRAÇÃO MÉTODO DA UBTITUIÇÃO o MUDANÇA DE VARIAVEL PARA INTEGRAÇÃO Emplos Ercícios MÉTODO DA INTEGRAÇÃO POR PARTE Emplos Ercícios7 INTEGRAL DEFINIDA8 Emplos Ercícios REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO:

Leia mais

Representação de Números no Computador e Erros

Representação de Números no Computador e Erros Rprsntação d Númros no Computador Erros Anális Numérica Patrícia Ribiro Artur igul Cruz Escola Suprior d Tcnologia Instituto Politécnico d Stúbal 2015/2016 1 1 vrsão 23 d Fvriro d 2017 Contúdo 1 Introdução...................................

Leia mais

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares

+ = x + 3y = x 1. x + 2y z = Sistemas de equações Lineares Sisms d quçõs Linrs Equção Linr Tod qução do ipo:.. n n Ond:,,., n são os ofiins;,,, n são s inógnis; é o rmo indpndn. E.: d - Equção Linr homogên qundo o rmo indpndn é nulo ( ) - Um qução linr não prsn

Leia mais

Função do 2 o Grau. Uma aplicação f der emr

Função do 2 o Grau. Uma aplicação f der emr UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA. Dfinição Uma aplicação f

Leia mais

PREFÁCIO BOM TRABALHO!

PREFÁCIO BOM TRABALHO! PREFÁCIO Est volum corrspond o sgundo livro virtul lnçdo plo Sistm d Ensino Intrtivo SEI. O livro trt d um curso d cálculo voltdo pr os vstibulrs militrs o longo d qutro cpítulos. Cd um dos qutro cpítulos

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA FORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE

MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA FORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE MOVIMENTOS SOB A AÇÃO DE UMA ORÇA RESULTANTE DE INTENSIDADE CONSTANTE Trjóris Tmos os sguins csos: 1º) S forç rsuln ivr dirção d vlocidd só vrirá o módulo ds rjóri srá rilín. v R Ou R v º) S forç rsuln

Leia mais

DIFRAÇÃO. E 2 = Em(r 2 ) cos(k r 2 - ω t) ê 2 (1) : : : : E N = E m (r N ) cos(k r N - ω t) ê N

DIFRAÇÃO. E 2 = Em(r 2 ) cos(k r 2 - ω t) ê 2 (1) : : : : E N = E m (r N ) cos(k r N - ω t) ê N ISTITUTO DE FÍSICA DA UFBA DEPARTAMETO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO DISCIPLIA : FÍSICA GERAL E EXPERIMETAL IV-E (FIS 4) DIFRAÇÃO. Difrção d Frunhofr d fnd simpls Suponh um fnd simpls, d lrgur comprimnto

Leia mais

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos.

TÓPICOS. Números complexos. Plano complexo. Forma polar. Fórmulas de Euler e de Moivre. Raízes de números complexos. Not m: litur dsts potmtos ão disps d modo lgum litur tt d iliogrfi pricipl d cdir Chm-s tção pr importâci do trlho pssol rlir plo luo rsolvdo os prolms prstdos iliogrfi, sm cosult prévi ds soluçõs proposts,

Leia mais

1. GRANDEZAS FÍSICAS 2. VETORES 3. SOMA DE VETORES Regra do Polígono Grandezas Escalares Grandezas Vetoriais DATA: NOME: TURMA:

1. GRANDEZAS FÍSICAS 2. VETORES 3. SOMA DE VETORES Regra do Polígono Grandezas Escalares Grandezas Vetoriais DATA: NOME: TURMA: NOME: TURMA: DATA: 1. GRANDEZAS FÍSICAS 1.1. Grndzs Esclrs São totlmnt dfinids somnt por um lor numérico ssocido um unidd d mdid. Exmplos: Tmpo mss comprimnto tmprtur nrgi crg létric potncil létrico corrnt

Leia mais

E X A M E ª FASE, V E R S Ã O 1 P R O P O S T A D E R E S O L U Ç Ã O

E X A M E ª FASE, V E R S Ã O 1 P R O P O S T A D E R E S O L U Ç Ã O Prparar o Eam 05 Matmática A E X A M E 0.ª FASE, V E R S Ã O P R O P O S T A D E R E S O L U Ç Ã O. Tm-s qu P A P A P A GRUPO I ITENS DE ESCOLHA MÚLTIPLA 0, 0, 0,. Assim: P B A PB A 0,8 0,8 PB A 0,8 0,

Leia mais

Estes resultados podem ser obtidos através da regra da mão direita.

Estes resultados podem ser obtidos através da regra da mão direita. Produto toril ou produto trno Notção: Propridds Intnsidd: Sntido: ntiomuttiidd: Distriutio m rlção à dição: Não é ssoitios pois, m grl, Cso prtiulr: Pr tors dfinidos m oordnds rtsins: Ests rsultdos podm

Leia mais

Solução: log. 04. Se Z C, então z. 3 z. Solução: Se z C, então z 3 z z z z é igual a: Sabemos que: Portanto

Solução: log. 04. Se Z C, então z. 3 z. Solução: Se z C, então z 3 z z z z é igual a: Sabemos que: Portanto Qustõs Objtivs. Ds firmçõs: I., y R \ Q, com y, ntão + y R \ Q; II. Q y R \ Q, ntão y R \ Q; III. jm, b, c R, com < b < c. f: [, c] [, b] é sobrjtor, ntão f não é injtor, é (são) vrddir(s) n log log n

Leia mais

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno:

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno: Curso d Engnharia Mcânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica Coordnador Profssor: Rudson R Alvs Aluno: Turma: EA3N Smstr: 1 sm/2017 Data: 20/04/2017 Avaliação: 1 a Prova Valor: 10,0 p tos INSTRUÇÕES DA

Leia mais

COLÉGIO OBJETIVO JÚNIOR

COLÉGIO OBJETIVO JÚNIOR COLÉGIO OBJETIVO JÚNIOR NOME: N. o : DATA: / /01 FOLHETO DE MATEMÁTICA (V.C. E R.V.) 6. o ANO Est folhto é um rotiro d studo para você rcuprar o contúdo trabalhado m 01. Como l vai srvir d bas para você

Leia mais

Professora: Profª Roberta Nara Sodré de Souza

Professora: Profª Roberta Nara Sodré de Souza MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA-CAMPUS ITAJAÍ Professor: Profª Robert Nr Sodré de Souz Função

Leia mais

Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Sistemas Trifásicos LIGAÇÃO DE CARGAS INTRODUÇÃO

Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Sistemas Trifásicos LIGAÇÃO DE CARGAS INTRODUÇÃO www.-l.nt Tmática Circuitos Eléctricos Capítulo Sistmas Trifásicos GAÇÃO DE CARGAS NTRODÇÃO Nsta scção, studam-s dois tipos d ligação d cargas trifásicas (ligação m strla ligação m triângulo ou dlta) dduzindo

Leia mais

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período

Resolução da Prova 1 de Física Teórica Turma C2 de Engenharia Civil Período Rsolução da Prova d Física Tórica Turma C2 d Engnharia Civil Príodo 2005. Problma : Qustõs Dados do problma: m = 500 kg ; v i = 4; 0 m=s ;! a = 5! g d = 2 m. Trabalho ralizado por uma força constant: W

Leia mais

Seja f uma função r.v.r. de domínio D e seja a R um ponto de acumulação de

Seja f uma função r.v.r. de domínio D e seja a R um ponto de acumulação de p-p8 : Continuidad d funçõs rais d variávl ral. Lr atntamnt. Dominar os concitos. Fazr rcícios. Função contínua, prolongávl por continuidad, dscontínua. Classificação d dscontinuidads. Continuidad num

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P 26 a Aula 20065 AMIV 26 Exponncial d matrizs smlhants Proposição 26 S A SJS ntão Dmonstração Tmos A SJS A % SJS SJS SJ % S ond A, S J são matrizs n n ", (com dt S 0), # S $ S, dond ; A & SJ % S SJS SJ

Leia mais

UFJF ICE Departamento de Matemática Cálculo I Terceira Avaliação 03/12/2011 FILA A Aluno (a): Matrícula: Turma: x é: 4

UFJF ICE Departamento de Matemática Cálculo I Terceira Avaliação 03/12/2011 FILA A Aluno (a): Matrícula: Turma: x é: 4 UFJF ICE Dpartamnto d Matmática Cálculo I Trcira Avaliação 0/1/011 FILA A Aluno (a): Matrícula: Turma: Instruçõs Grais: 1- A prova pod sr fita a lápis, cto o quadro d rspostas das qustõs d múltipla scolha,

Leia mais

- Função Exponencial - MATEMÁTICA

- Função Exponencial - MATEMÁTICA Postado m 9 / 07 / - Função Eponncial - Aluno(a): TURMA: FUNÇÃO EXPONENCIAL. Como surgiu a função ponncial? a n a n, a R n N Hoj, a idia d s scrvr. ² ou.. ³ nos parc óbvia, mas a utilização d númros indo

Leia mais

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz Hwltt-Packard MTRIZES ulas 0 a 06 Elson Rodrigus, Gabril Carvalho Paulo Luiz no 06 Sumário MTRIZES NOÇÃO DE MTRIZ REPRESENTÇÃO DE UM MTRIZ E SEUS ELEMENTOS EXERCÍCIO FUNDMENTL MTRIZES ESPECIIS IGULDDE

Leia mais

UMIDADE RELATIVA DO AR

UMIDADE RELATIVA DO AR UMIDADE RELATIVA DO AR Erro! Font d rfrênci não ncontrd..1 LEI DE DALTON PRESSÃO PARCIAL E A O r é um mistur d gss, como foi visto m uls ntriors, o r s comport como um gás idl. Lmbrndo do concito d um

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

D e atribuamos a x o acréscimo x e a y o acréscimo y, tais que o ponto ( x + x,

D e atribuamos a x o acréscimo x e a y o acréscimo y, tais que o ponto ( x + x, DERIVADAS PARCIAIS ACRÉSCIMOS Acréscimo totl Sj unção dinid n rgião D R Tommos o ponto D tribumos o créscimo o créscimo tis qu o ponto D O créscimo d unção qundo pssmos do ponto o ponto é s chm créscimo

Leia mais

Você sabe o que são áreas de risco? Sua casa está em risco? PEGAR PROGRAMA EDUCACIONAL DE GEOLOGIA EM ÁREA DE RISCO

Você sabe o que são áreas de risco? Sua casa está em risco? PEGAR PROGRAMA EDUCACIONAL DE GEOLOGIA EM ÁREA DE RISCO Su cs stá m risco? PEGAR PROGRAMA EDUCACIONAL DE GEOLOGIA EM ÁREA DE RISCO Você sb o qu são árs d risco? PEGAR PROGRAMA EDUCACIONAL DE GEOLOGIA EM ÁREA DE RISCO A Goconsultori Júnior, é um mprs júnior

Leia mais

O emprego da proporção na resolução de problemas

O emprego da proporção na resolução de problemas Proporção O mprgo da proporção na rsolução d problmas Vamos aprndr agora a rsolvr problmas utilizando a proporção. Considr o sguint problma Uma vara d 0 cm fincada vrticalmnt no solo produz numa dtrminada

Leia mais

1. Primeira lei da Termodinâmica

1. Primeira lei da Termodinâmica PQI 5821 Fundmntos d Procssos m Engnhri Químic II 2009 1. Primir li d Trmodinâmic Assuntos 1. Concitos fundmntis 2. Primir li d Trmodinâmic 3. Exrcícios 1.1. Concitos fundmntis 1 Como tod ciênci, Trmodinâmic

Leia mais

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR 6.1 PRESSÃO PARCIAL E A LEI DE DALTON O r é um mistur d gss, como foi visto m uls ntriors, o r s comport como um gás idl. Lmbrndo do concito d um gás idl (sus moléculs não ocupm

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Curso de Engenharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno:

Curso de Engenharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno: Curso d Engnharia Química Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica Coordnador Profssor: Rudson R Alvs Aluno: Turma: EQ3M Smstr: 1 sm/2017 Data: 27/04/2017 Avaliação: 1 a Prova Bimstral Valor: 10,0 p tos INSTRUÇÕES

Leia mais

Derivada Escola Naval

Derivada Escola Naval Drivada Escola Naval EN A drivada f () da função f () = l og é: l n (B) 0 l n (E) / l n EN S tm-s qu: f () = s s 0 s < < 0 s < I - f () só não é drivávl para =, = 0 = II - f () só não é contínua para =

Leia mais

MATRIZES E DETERMINANTES LISTA 5

MATRIZES E DETERMINANTES LISTA 5 RACIOCÍNIO LÓGICO - Zé Crlos MATRIZES E DETERMINANTES LISTA 5 RESUMO TEÓRICO Mriz rl Sjm m n dois númros iniros. Um mriz rl d ordm m n é um conjuno d mn númros ris, disribuídos m m linhs n coluns, formndo

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

POTÊNCIAS EM SISTEMAS TRIFÁSICOS

POTÊNCIAS EM SISTEMAS TRIFÁSICOS Tmática ircuitos Eléctricos apítulo istmas Trifásicos POTÊNA EM TEMA TRÁO NTRODÇÃO Nsta scção studam-s as potências m jogo nos sistmas trifásicos tanto para o caso d cargas dsquilibradas como d cargas

Leia mais

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR LCE2 Físic do mbint grícol CPÍTULO 6: UMIDDE DO R 6.1 PRESSÃO PRCIL E LEI DE DLTON O r é um mistur d gss, como foi visto m uls ntriors, o r s comport como um gás idl. Lmbrndo do concito d um gás idl (sus

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA CONVERSÃO EETROMECÂNICA DE ENERGIA Ivn Cmrgo Rvisão 1 (mio d 007) Pr nális d um convrsor, é fundmntl o conhcimnto d forç ltromgnétic dsnvolvid plo convrsor. Existm divrss forms d cálculo dst forç (ou conjugdo),

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 03

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 03 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 0 Em algum momnto da sua vida você dcorou a tabuada (ou boa part dla). Como você mmorizou qu x 6 = 0, não prcisa fazr st cálculo todas as vzs qu s dpara com l. Além

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

FILTROS. Assim, para a frequência de corte ω c temos que quando g=1/2 ( )= 1 2 ( ) = 1 2 ( ) e quando = 1 2

FILTROS. Assim, para a frequência de corte ω c temos que quando g=1/2 ( )= 1 2 ( ) = 1 2 ( ) e quando = 1 2 FILTROS Como tmos visto, quando tmos lmntos rativos nos circuitos, as tnsõs sobr os lmntos d um circuitos m CA são dpndnts da frquência. Est comportamnto m circuitos montados como divisors d tnsão prmit

Leia mais

Aula 20 Hipérbole. Objetivos

Aula 20 Hipérbole. Objetivos MÓDULO 1 - AULA 20 Aul 20 Hipérbole Objetivos Descrever hipérbole como um lugr geométrico. Determinr su equção reduzid no sistem de coordends com origem no ponto médio entre os focos e eixo x como o eixo

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

Preenchimento de Áreas. Preenchimento de Áreas Algoritmo Scanline. Preenchimento de Áreas. Preenchimento. Teste dentro-fora. Preenchimento.

Preenchimento de Áreas. Preenchimento de Áreas Algoritmo Scanline. Preenchimento de Áreas. Preenchimento. Teste dentro-fora. Preenchimento. Prnchimnto d Áras Algoritmo Scanlin Fonts: Harn & Bakr, Cap. - Apostila CG, Cap. Prnchimnto d Áras Problma d convrsão matricial d áras gométricas Aproimar uma primitiva gométrica por pils Primitivas D

Leia mais

Adriano Pedreira Cattai

Adriano Pedreira Cattai Adriano Pdrira Cattai apcattai@ahoocombr Univrsidad Fdral da Bahia UFBA, MAT A01, 006 3 Suprfíci Cilíndrica 31 Introdução Dfinição d Suprfíci Podmos obtr suprfícis não somnt por mio d uma quação do tipo

Leia mais

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017 Potencil Elétrico Evndro Bstos dos Sntos 14 de Mrço de 2017 1 Energi Potencil Elétric Vmos começr fzendo um nlogi mecânic. Pr um corpo cindo em um cmpo grvitcionl g, prtir de um ltur h i té um ltur h f,

Leia mais

Enunciados equivalentes

Enunciados equivalentes Lógica para Ciência da Computação I Lógica Matmática Txto 6 Enunciados quivalnts Sumário 1 Equivalência d nunciados 2 1.1 Obsrvaçõs................................ 5 1.2 Exrcícios rsolvidos...........................

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hwltt-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 05 Elson Rodrigus, Gabril Carvalho Paulo Luiz Ano: 2016 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO 2 PRODUTO CARTESIANO 2 Númro d lmntos d 2 Rprsntaçõs

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR MEIO DE DETERMINANTES RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES POR EIO DE DETERINANTES Dtrmt um mtrz su orm Sj mtrz: O trmt st mtrz é: Emlo: Vmos suor o sstm us quçõs om us óts y: y y Est sstm quçõs o sr srto orm mtrl: y Est qução r três mtrzs:.

Leia mais

Progressões Aritméticas

Progressões Aritméticas Segund Etp Progressões Aritmétics Definição São sequêncis numérics onde cd elemento, prtir do segundo, é obtido trvés d som de seu ntecessor com um constnte (rzão).,,,,,, 1 3 4 n 1 n 1 1º termo º termo

Leia mais

3. Geometria Analítica Plana

3. Geometria Analítica Plana MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSITICA APOSTILA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PLANA PROF VINICIUS 3 Gomtria Analítica Plana 31 Vtors no plano Intuitivamnt,

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE TRABALHO SOBRE SOLUÇÕES TAMPÃO, HIDRÓLISE DE SAIS E TITULAÇÕES DE SOLUÇÕES ÁCIDAS E BÁSICAS

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE TRABALHO SOBRE SOLUÇÕES TAMPÃO, HIDRÓLISE DE SAIS E TITULAÇÕES DE SOLUÇÕES ÁCIDAS E BÁSICAS PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE TRABALHO SOBRE SOLUÇÕES TAMPÃO, HIDRÓLISE DE SAIS E TITULAÇÕES DE SOLUÇÕES ÁCIDAS E BÁSICAS 1. ph =? 5ºC 1.1. [CN = 0,049 mol/l (HCN) = 4,910 10 CN é um sl muito solúvl,

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Processo de Seleção 2 0 Semestre 2008 Exame de Conhecimento em Física

Programa de Pós-Graduação Processo de Seleção 2 0 Semestre 2008 Exame de Conhecimento em Física UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS INSTITUTO DE FÍSICA C.P. 131, CEP 74001-970, Goiânia - Goiás - Brazil. Fon/Fax: +55 62 521-1029 Programa d Pós-Graduação Procsso d Slção 2 0 Smstr 2008 Exam d Conhcimnto m

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério d Educção Universidde Federl do Rio Grnde Universidde Abert do Brsil Administrção Bchreldo Mtemátic pr Ciêncis Sociis Aplicds I Rodrigo Brbos Sores . Mtrizes:.. Introdução:

Leia mais

INFORMATIVO 02 / 2009 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO

INFORMATIVO 02 / 2009 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO 2inf08 HMF (23.01.29) INFORMATIVO 02 / 29 LEI COMPLEMENTAR 128/08 - SIMPLES NACIONAL - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CERTOS PRESTADORES DE SERVIÇO Em 22.12.28 foi publicd Li Complmntr 128. El ltrou

Leia mais

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que:

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que: Cpítulo 8 Integris Imprópris 8. Introdução A eistênci d integrl definid f() d, onde f é contínu no intervlo fechdo [, b], é grntid pelo teorem fundmentl do cálculo. Entretnto, determinds plicções do Cálculo

Leia mais

5 Reticulados e sua relação com a álgebra booleana

5 Reticulados e sua relação com a álgebra booleana Nots d ul d MAC0329 (2004) 30 5 Rticuldos su rlção com álgbr booln 5.1 Conjuntos prcilmnt ordndos Sj A um conjunto não vzio. Um rlção binári R sobr A é um subconjunto d A A, isto é, R A A. S (x, y) R,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Progressões Geométrics p. 7 Qul é o o termo d PG (...)? q q? ( ) Qul é rzão d PG (...)? q ( )? ( ) 8 q 8 q 8 8 Três números reis formm um PG de som e produto

Leia mais

TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Aula 7 _ Função Modular, Exponencial e Logarítmica Professor Luciano Nóbrega

TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Aula 7 _ Função Modular, Exponencial e Logarítmica Professor Luciano Nóbrega 1 TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL Aul 7 _ Função Modulr, Eponencil e Logrítmic Professor Lucino Nóbreg FUNÇÃO MODULAR 2 Módulo (ou vlor bsolutode um número) O módulo (ou vlor bsoluto) de um número rel, que

Leia mais

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação.

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação. PONTAP DE SAÍDA TCNICAS DE Pntpé bliz Est lnc cntc n iníci jg pós cd gl. Est Gnhs cntr p dis"d jg- bl qund cm dis st jgdrs cir list d cmp tu d quip: pntpé é dd REMATE ntr d círcul cntrl. Os jgdrs jg cm

Leia mais

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c.

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c. EQUAÇÃO DO GRAU Você já estudou em série nterior s equções do 1 gru, o gru de um equção é ddo pelo mior expoente d vriável, vej lguns exemplos: x + = 3 equção do 1 gru já que o expoente do x é 1 5x 8 =

Leia mais

Definição de Área entre duas curvas - A área A entre região limitada pelas curvas. x onde f e g são contínuas e x g x

Definição de Área entre duas curvas - A área A entre região limitada pelas curvas. x onde f e g são contínuas e x g x Aula Capítulo 6 Aplicaçõs d Intração (pá. 8) UFPA, d junho d 5 Ára ntr duas curvas Dinição d Ára ntr duas curvas - A ára A ntr rião limitada plas curvas a y plas rtas a,, é ond são contínuas A a d y para

Leia mais

RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 2007/2008

RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 2007/2008 RADIOPROPAGAÇÃO MEEC 7/8 º Tst, 3-Nov-7 Durção: H3 DEEC AC-Tl Prof. Crlos Frnns Prof. António Top Problm Suponh qu um nvio fst-s cost nqunto mntém um comunicção vi ráio m 5 MHz, polrizção vrticl, com um

Leia mais

Escola Básica Tecnopolis Matemática - PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºano

Escola Básica Tecnopolis Matemática - PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºano DGEstE Dirção-GraL dos Establcimntos Escolars DSRAI Dirção d Srviços da Rgião Algarv AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JÚLIO DANTAS LAGOS (145415) Escola Básica Tcnopolis Matmática - PLANIFICAÇÃO ANUAL 6ºano 2013-2014

Leia mais

Capítulo 4 Resposta em frequência

Capítulo 4 Resposta em frequência Capítulo 4 Rsposta m frquência 4. Noção do domínio da frquência 4.2 Séris d Fourir propridads 4.3 Rsposta m frquência dos SLITs 4.4 Anális da composição d sistmas através da rsposta m frquência 4.5 Transformadas

Leia mais

Axel! Axel! Mas onde foi que se meteu o meu sobrinho?

Axel! Axel! Mas onde foi que se meteu o meu sobrinho? Hmburgo, domingo, 24 d mio d 1863... O profssor Lidnbrock s dirig prssdo à su pqun cs, situd no númro 19 d Königstrss. Já voltou, snhor Lidnbrock?!! Sim, Mrth, ms o jntr não prcis str pronto. não são nm

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A 12. o Ano de Escolaridade Prova 635/Versões 1 e 2

Prova Escrita de Matemática A 12. o Ano de Escolaridade Prova 635/Versões 1 e 2 Eam Nacional d 0 (. a fas) Prova Escrita d Matmática. o no d Escolaridad Prova 3/Vrsõs GRUPO I Itns Vrsão Vrsão. (C) (). () (C) 3. () (C). (D) (). (C) (). () () 7. () (D) 8. (C) (D) Justificaçõs:. P( )

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE ÁCIDO-BASE - CÁLCULOS DE ph

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE ÁCIDO-BASE - CÁLCULOS DE ph Rsolução d fich d Trblho Cálculos d ph PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE ÁCIDO-BASE - CÁLCULOS DE ph 1. 1.1. Signific qu ist 97 g d H SO 4 m 0 g d solução. 1.. H O(l)? m m % m Ac sol. 1,84

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA IV FICHA SUPLEMENTAR 2. < arg z < π}.

ANÁLISE MATEMÁTICA IV FICHA SUPLEMENTAR 2. < arg z < π}. Instituto Suprior Técnico Dpartamnto d Matmática Scção d Álgbra Anális ANÁLISE MATEMÁTICA IV FICHA SUPLEMENTAR LOGARITMOS E INTEGRAÇÃO DE FUNÇÕES COMPLEXAS Logaritmos () Para cada um dos sguints conjuntos

Leia mais

a b TERMOLOGIA 1- Definição É o ramo da física que estuda os efeitos e as trocas de calor entre os corpos.

a b TERMOLOGIA 1- Definição É o ramo da física que estuda os efeitos e as trocas de calor entre os corpos. TERMOLOGI 1- Dfinição É o ramo da física qu studa os fitos as trocas d calor ntr os corpos. 2- Tmpratura É a mdida do grau d agitação d suas moléculas 8- Rlação ntr as scalas trmométricas Corpo Qunt Grand

Leia mais

A função de distribuição neste caso é dada por: em que

A função de distribuição neste caso é dada por: em que 1 2 A função d distribuição nst caso é dada por: m qu 3 A função d distribuição d probabilidad nss caso é dada por X 0 1 2 3 P(X) 0,343 0,441 0,189 1,027 4 Ercícios: 2. Considr ninhada d 4 filhots d colhos.

Leia mais

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA CONTEÚDOS EIXO TEMÁTICO COMPETÊNCIAS Sistma d Numração - Litura scrita sistma d numração indo-arábico

Leia mais

indicando (nesse gráfico) os vectores E

indicando (nesse gráfico) os vectores E Propagação Antnas Eam 5 d Janiro d 6 Docnt Rsponsávl: Prof Carlos R Paiva Duração: 3 horas 5 d Janiro d 6 Ano Lctivo: 5 / 6 SEGUNDO EXAME Uma onda lctromagnética plana monocromática é caractrizada plo

Leia mais

(Nova) Matemática, Licenciatura / Engenharia de Produção

(Nova) Matemática, Licenciatura / Engenharia de Produção Recredencimento Portri EC 7, de 5.. - D.O.U.... (ov) temátic, Licencitur / Engenhri de Produção ódulo de Pesquis: Prátics de ensino em mtemátic, contetos e metodois Disciplin: Fundmentos de temátic II

Leia mais

CPV 82% de aprovação na ESPM em 2011

CPV 82% de aprovação na ESPM em 2011 CPV 8% de provção n ESPM em 0 Prov Resolvid ESPM Prov E 0/julho/0 MATEMÁTICA. Considerndo-se que x = 97, y = 907 e z =. xy, o vlor d expressão x + y z é: ) 679 b) 58 c) 7 d) 98 e) 77. Se três empds mis

Leia mais

S = evento em que uma pessoa apresente o conjunto de sintomas;

S = evento em que uma pessoa apresente o conjunto de sintomas; robabilidad Estatística I ntonio Roqu ula 15 Rgra d ays Considrmos o sguint problma: ab-s qu a taxa d ocorrência d uma crta donça m uma população é d 2 %, ou sja, o númro d pssoas da população com a donça

Leia mais

GRANDEZAS SINUSOIDAIS

GRANDEZAS SINUSOIDAIS www.-l.nt mática Circuitos Eléctricos Capítulo Rgim Sinusoidal GRANDEZAS SINUSOIDAIS INRODUÇÃO Nst capítulo, faz-s uma pquna introdução às grandzas altrnadas ond s aprsntam algumas das razõs porqu os sistmas

Leia mais