CAPÍTULO III CARACTERIZAÇÃO DA VITICULTURA POR MEIO DA GEOMORFOLOGIA NA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA IG MONTE BELO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO III CARACTERIZAÇÃO DA VITICULTURA POR MEIO DA GEOMORFOLOGIA NA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA IG MONTE BELO"

Transcrição

1 CAPÍTULO III CARACTERIZAÇÃO DA VITICULTURA POR MEIO DA GEOMORFOLOGIA NA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA IG MONTE BELO Rosemary Hoff, Rafael Munari Torri 1 INTRODUÇÃO O município de Monte Belo do Sul se situa na Região Vitivinícola Serra Gaúcha, limitando-se a nordeste e leste com o município de Bento Gonçalves, a oeste com o município de Santa Tereza, sendo que a norte e noroeste é limitado pelo rio das Antas, área contígua ao município de Cotiporã. Este estudo está aplicado à região de referência da IG Monte Belo, totalizando ha de vinhedos georreferenciados como mostra a Figura 1. A área está localizada no contexto geomorfológico da Região Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul, no limite das unidades geomorfológicas Serra Geral e Planalto dos Campos Gerais, segundo IBGE (2003). Nessa região, as altitudes alcançam 700 m acima do nível do mar e as declividades são variadas, mas apresentam terrenos íngremes nas bordas do Vale do Rio das Antas e seus afluentes. Foi feita a caracterização da viticultura considerando-se a geomorfologia na região de referência da IG Monte Belo, por meio de técnicas de processamento de imagens de altimetria (modelo digital de elevação MDE) para definir-se a hipsometria, a declividade e a exposição solar dos terrenos, cruzando-se com as áreas de vinhedos obtidas pelo Cadastro Vitícola. Figura 1. Localização da região de referência da IG Monte Belo.

2 2 MATERIAL E MÉTODO A partir de dados vetoriais de média resolução (HASENACK; WEBER, 2007), foi gerado o modelo digital de elevação MDE, que produziu a altimetria, declividade e exposição solar, sendo os dados reclassificados para os atributos mais adequados à viticultura. Baseando-se nisso, foram feitos trabalhos de campo, com os quais foram coletados pontos de controle no terreno por sistema de posicionamento global GPS Trimble Geo XT. A base cartográfica foi composta por dados digitais de folhas do Exército Brasileiro, escala 1: (HASENACK; WEBER, 2007), sendo adotado o sistema de referência de coordenadas SIRGAS 2000 (IBGE, 1997). Para caracterizar a viticultura, os levantamentos foram baseados nos dados do Cadastro Vitícola (MELLO; MACHADO, 2008) e, para a divisão política, nos dados do IBGE. Foram utilizados dados do levantamento de vinhedos do Cadastro Vitícola executado pela Embrapa Uva e Vinho na região de Monte Belo do Sul. Os dados vetoriais do cadastro foram utilizados para criar uma máscara matricial para recortar os produtos do MDE, a fim de estabelecer a análise do relevo apenas no contexto da viticultura regional. Os processamentos de imagens foram feitos nos programas gvsig (GENERALITAD VALENCIANA, 2010) e IDRISI Kilimanjaro (CLARK LABS, 2005), envolvendo geração de agrupamentos de classes: altimetria de 100 em 100 m; declividade de 0 a 30%, 30 a 45% e maior do que 45%; exposição solar Norte, Sul, Leste e Oeste. As classes de declividade e exposição solar foram cruzadas obtendo-se novas classes. Para selecionar apenas as áreas dos vinhedos, foi criada uma máscara a partir dos vetores do Cadastro Vitícola. Essa máscara representa uma imagem boleana (0,1), utilizada para isolar a altimetria, declividade, exposição solar e cruzamentos nas áreas dos vinhedos, por meio de multiplicação de imagem.

3 3 RESULTADOS O modelo digital de elevação MDE permitiu a geração de altimetria, declividade e exposição solar, que são atributos essenciais para a viticultura, no que se refere ao manejo agrícola. 3.1 Altimetria A área de referência da IG Monte Belo tem uma variabilidade altimétrica aproximada de 365 a 655 m, na qual predominam vinhedos entre cotas que variam de 400 a 600 m, conforme pode ser visto no Mapa de Altimetria segmentada da região de referência da IG Monte Belo (Tabela 1). A altimetria segmentada nos terrenos de vinhedos na região de referência da IG Monte Belo pode ser vista na Figura 2. Tabela 1.Classes de altimetria dos vinhedos da região de referência da IG Monte Belo. Classes de altimetria (m) Área (ha) Porcentagem (%) 300 a ,75 2, a ,82 53, a ,08 40, a ,07 4,27 Totais 1.944,72 100,00 Figura 2. Mapa de altimetria segmentada da região de referência da IG Monte Belo.

4 3.2 Declividade As declividades foram relacionadas ao relevo na forma de porcentagem, segmentadas como: 0-30% plano a suave ondulado; 30-45% ondulado a forte ondulado; > 45% montanhoso a escarpado. Os resultados da declividade segmentada frente aos vinhedos da área podem ser vistos no Mapa de declividade segmentada da região de referência da IG Monte Belo, sendo que sua distribuição em área é apresentada na Tabela 2 e Figura 3. Verifica-se que os vinhedos da região de referência da IG Monte Belo ocupam predominantemente terrenos planos a suave ondulados, caracterizados por declividades que variam entre 0-30%. Tabela 2. Classes de declividade dos vinhedos da região da IG Monte Belo. Declividade (%) Área (ha) Porcentagem (%) ,34 78, ,18 16,21 > 45 97,20 5,00 Totais 1.944,72 100,00 Figura 3. Mapa de declividade segmentada da região de referência da IG Monte Belo.

5 3.3 Exposição solar As classes de exposição solar foram segmentadas em intervalos de graus de azimute contados a partir da direção Norte no sentido horário, conforme os seguintes intervalos de exposição: Norte (0-45 e ); Leste ( ); Sul ( ); Oeste ( ). O Mapa de exposição solar segmentada da região de referência da IG Monte Belo mostra as áreas de exposição solar nos quatro quadrantes, conforme apresentam a Tabela 3 e a Figura 4. As exposições Oeste e Norte predominam nos terrenos ocupados por vinhedos nessa região, representando aproximadamente 60% da área. Tabela 3. Classes de exposição solar dos vinhedos da região da IG Monte Belo. Classes de exposição solar Área (ha) Porcentagem (%) (azimute Norte) Norte ( ) 554,13 28,49 Leste ( ) 329,76 16,96 Sul ( ) 470,16 24,18 Oeste ( ) 590,67 30,37 Totais 1944,72 100,00 Figura 4. Mapa de exposição solar segmentada da região de referência da IG Monte Belo.

6 3.4 Exposição solar cruzada com declividade O cruzamento da exposição solar com a declividade foi obtido para averiguar e produzir novas classes de combinações desses atributos, gerando as categorias como: Norte plano a suave ondulado; Norte ondulado a forte ondulado; Norte montanhoso a escarpado; Leste plano a suave ondulado; Leste ondulado a forte ondulado; Leste montanhoso a escarpado; Sul plano a suave ondulado; Sul ondulado a forte ondulado; Sul montanhoso a escarpado; Oeste plano a suave ondulado; Oeste ondulado a forte ondulado; Oeste montanhoso a escarpado. O Mapa do cruzamento da declividade com exposição solar na região de referência da IG Monte Belo mostra o cruzamento das áreas de exposição solar nos quatro quadrantes N, E, S e W e as três faixas de declividade, conforme apresentado na Tabela 4 e Figura 5. Os vinhedos da região de referência da IG Monte Belo predominam sobre terrenos da classe oeste plano a suave ondulado (W PLSO) seguidos da classe norte plano a suave ondulado (N PLSO). Tabela 4. Exposição solar x declividade associadas aos vinhedos da região de referência da IG Monte Belo. Declividade x exposição Área (ha) Porcentagem (%) N PLSO 446,49 22,96 E PLSO 259,11 13,32 S PLSO 367,20 18,88 W PLSO 459,54 23,63 N ONFO 90,27 4,64 E ONFO 53,73 2,76 S ONFO 76,05 3,91 W ONFO 95,130 4,89 N MOES 17,37 0,89 E MOES 16,92 0,87 S MOES 26,91 1,38 W - MOES 36,00 1,85 Totais 1.944,72 99,98 N: norte; E: leste, S: sul; W: oeste, PLSO: plano a suave ondulado; ONFO: ondulado a forte ondulado; MOES: montanhoso a escarpado.

7 Figura 5. Mapa do cruzamento da exposição solar com a declividade, região de referência da IG Monte Belo. 4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CLARK LABS. Idrisi Kilimanjaro: GIS software package. Worcester, MA, Disponível em: <http://www.clarklabs.org/>. Acesso em: 3 maio GENERALITAD VALENCIANA. gvsig Sistema de Información Geográfica. Valencia: Conselleria d'infraestructuras y Transportes, Disponível em: <http://www.gvsig.gva.es/>. Acesso em: 3 maio HASENACK, H.; WEBER, E. (Org.). Base cartográfica digital da Serra Gaúcha: escala 1: Porto Alegre: UFRGS, Centro de Ecologia, CD-ROM. (Série Geoprocessamento, 2). IBGE. Sistema de referência geocêntrico para a América do Sul: relatório final grupos de trabalho I e II CDD IBGE. Rio de Janeiro, p. IBGE. Levantamento dos recursos naturais. Rio de Janeiro, p. 1 CD- ROM. Folha Porto Alegre, Uruguaiana e Lagoa Mirim. (FIBGE, v. 33). MELLO, L. M. R. de; MACHADO, C. A. E. (Ed.). Cadastro vitícola do Rio Grande do Sul: 2005 a Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho, CD-ROM.

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DELIMITADA DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM VALE DOS VINHEDOS: CARTAS IMAGEM

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DELIMITADA DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM VALE DOS VINHEDOS: CARTAS IMAGEM CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DELIMITADA DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM VALE DOS VINHEDOS: CARTAS IMAGEM Loiva Maria Ribeiro de Mello Carlos Alberto Ely Machado André Rodrigo Farias Sonia Marliza

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOGRÁFICA DO MUNICÍPIO DE MONTE BELO DO SUL VISANDO A OBTENÇÃO DE DADOS QUE SUBSIDIEM A VITICULTURA DE ALTA QUALIDADE

CARACTERIZAÇÃO GEOGRÁFICA DO MUNICÍPIO DE MONTE BELO DO SUL VISANDO A OBTENÇÃO DE DADOS QUE SUBSIDIEM A VITICULTURA DE ALTA QUALIDADE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS BENTO GONÇALVES GUILHERME DA COSTA MENEZES CARACTERIZAÇÃO GEOGRÁFICA DO MUNICÍPIO DE MONTE BELO DO SUL VISANDO A OBTENÇÃO

Leia mais

O uso do GVSIG como apoio aos estudos de indicações geográficas para vinhos finos Farroupilha e Altos Montes, Serra Gaúcha, RS, Brasil.

O uso do GVSIG como apoio aos estudos de indicações geográficas para vinhos finos Farroupilha e Altos Montes, Serra Gaúcha, RS, Brasil. O uso do GVSIG como apoio aos estudos de indicações geográficas para vinhos finos Farroupilha e Altos Montes, Serra Gaúcha, RS, Brasil Rosemary Hoff 1 Ivanira Falcade 2 Jorge Tonietto 3 Nara Lúcia de Camargo

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO Ilka Soares Cintra (1) Professora Assistente do Departamento de Cartografia do Instituto de Geo- Ciências

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

Apresentar a importação de linhas e pontos cotados, em formato.dxf, afim de formarem um PI;

Apresentar a importação de linhas e pontos cotados, em formato.dxf, afim de formarem um PI; Adalberto Koiti Miura Silvia Cristina de Jesus Sumaia Resegue Aboud Thais Maria Sperandio Introdução ao Geoprocessamento (SER 300) Relatório do Laboratório 3 Modelagem Numérica do Terreno Objetivo O objetivo

Leia mais

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS

SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral SELEÇÃO DE MUNICÍPIOS CRÍTICOS A DESLIZAMENTOS NOTA EXPLICATIVA Vale do Cuiabá Petrópolis/RJ Jan 2011 Outubro de

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL ELISEU WEBER, ELIANA CASCO SARMENTO, HEINRICH HASENACK Universidade Federal do Rio Grande do Sul, eweber@portoweb.com.br

Leia mais

Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14

Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14 Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14 01. (Uerj/2014) Observe na imagem uma feição de relevo em escarpa, área de desnível acentuado de altitude, encontrada geralmente nas bordas de planalto,

Leia mais

II CONGRESSO BRASILEIRO DE ROCHAGEM 12 A 17 DE MAIO DE 2013 POÇOS DE CALDAS/MINAS GERAIS

II CONGRESSO BRASILEIRO DE ROCHAGEM 12 A 17 DE MAIO DE 2013 POÇOS DE CALDAS/MINAS GERAIS SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS COMO CONTRIBUIÇÃO À UTILIZAÇÃO DE PÓ DE ROCHA ORIUNDO DA FORMAÇÃO SERRA GERAL EM ÁREAS DE INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS VITIVINÍCOLAS NO BRASIL Resumo Rosemary Hoff 1 Magda

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA DETERMINAÇÃO DO PREÇO DA TERRA EM GOIÁS A PARTIR DO USO DE GEOESTATÍSTICA Fábio Campos MACEDO 1 ; Laerte Guimarães FERREIRA 2 ; Nilson Clementino FERREIRA 3 1 Doutorando em Geografia IESA/UFG; Professor

Leia mais

Geoprocessamento na Agricultura de Precisão

Geoprocessamento na Agricultura de Precisão 1 a Semana Acadêmica de Engenharia de Agrimensura 29 de novembro a 03 de dezembro de 2004 UFRRJ IT Departamento de Engenharia MINICURSO Geoprocessamento na Agricultura de Precisão UFRRJ NOVEMBRO 2004 CONTEÚDO

Leia mais

Sustainable Viticulture: geotechnology for characterization of land use and identification of permanent preservation areas in the Serra Gaúcha, Brazil

Sustainable Viticulture: geotechnology for characterization of land use and identification of permanent preservation areas in the Serra Gaúcha, Brazil Sustainable Viticulture: geotechnology for characterization of land use and identification of permanent preservation areas in the Serra Gaúcha, Brazil Vitivinicultura sustentável: geotecnologias para caracterização

Leia mais

Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas. Flávia F. Feitosa

Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas. Flávia F. Feitosa Aula 2 Sistemas de Coordenadas & Projeções Cartográficas Flávia F. Feitosa Disciplina PGT 035 Geoprocessamento Aplicado ao Planejamento e Gestão do Território Junho de 2015 Dados Espaciais são Especiais!

Leia mais

ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC

ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC ANÁLISE DE RELAÇÕES ENTRE DECLIVIDADE E USO DO SOLO COM AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO, MUNICÍPIO DE SOMBRIO, SC HADLICH, G. M.¹ ¹ Universidade Federal da Bahia, Instituto de Geociências, Depto. Geoquímica

Leia mais

Definição: representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro de uma região da superfície terrestre.

Definição: representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro de uma região da superfície terrestre. MODELO DIGITAL DE ELEVAÇÃO Modelagem Digital de Elevação Definição: UmModeloDigitaldeElevação (MDE) é uma representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I

LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I LISTA DE EXERCICIOS I TOPOGRAFIA I 1-Em um mapa cuja escala é 1:2.500.000, duas cidades estão separadas, em linha reta, por 5 centímetros. A distância real (no terreno) entre essas duas cidades é a) 50

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís Silva Brito 2 Dayane Zandonadi Soares 3

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís Silva Brito 2 Dayane Zandonadi Soares 3 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS CHUVAS NA BACIA DO RIO ARAGUARI (MG) (Texto publicado no VII Simpósio Brasileiro de Climatologia Geográfica Rondonópolis/MT Agosto de 2006) Washington Luiz Assunção 1 Jorge Luís

Leia mais

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO RURAL... 7 1.1 O Panorama Mundial... 7 1.2 O Panorama Brasileiro... 9 1.2.1

Leia mais

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS BD convencional Repositório de fatos do mundo real que possuem atributos

Leia mais

Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto. Imagens do Óptico Imagens InSAR

Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto. Imagens do Óptico Imagens InSAR Geração de mapas de altitude por sensoriamento remoto Imagens do Óptico Imagens InSAR Geração de MNT Num passado não muito distante: Digitalizava-se as curvas de nível para então gerar imagem sintética

Leia mais

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil.

Palavras-chaves: relevo; morfodinâmica; mapeamento; Presidente Prudente; Brasil. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-16 GEOMORFOLOGIA DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP, BRASIL. RESUMO Melina Fushimi 1 João Osvaldo

Leia mais

Dam It! 2012_v.1.0. Programa para identificação de reservatórios e levantamento de relações cota-area-volume MANUAL DO USUÁRIO

Dam It! 2012_v.1.0. Programa para identificação de reservatórios e levantamento de relações cota-area-volume MANUAL DO USUÁRIO Dam It! 2012_v.1.0 Programa para identificação de reservatórios e levantamento de relações cota-area-volume MANUAL DO USUÁRIO Eng. Dante Gama Larentis Porto Alegre, julho de 2013. 1 ÍNDICE 1. Introdução...3

Leia mais

O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais.

O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais. O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Conjunto de tecnologias de coleta, tratamento e desenvolvimento de informações espaciais. GEOPROCESSAMENTO O QUE É SIG? Sistema de Informações Geográficas Sistema de informações

Leia mais

O uso de atributos topográficos como subsídio para o mapeamento pedológico preliminar da bacia hidrográfica do rio Pequeno (Antonina/PR)

O uso de atributos topográficos como subsídio para o mapeamento pedológico preliminar da bacia hidrográfica do rio Pequeno (Antonina/PR) O uso de atributos topográficos como subsídio para o mapeamento pedológico preliminar da bacia hidrográfica do rio Pequeno (Antonina/PR) Nowatzki, A. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ) ; Santos, L.J.C. (UNIVERSIDADE

Leia mais

GERAÇÃO DE MAPA DE DECLIVIDADES PARA O ESTADO DO MARANHÃO COMO BASE PARA ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO

GERAÇÃO DE MAPA DE DECLIVIDADES PARA O ESTADO DO MARANHÃO COMO BASE PARA ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO GERAÇÃO DE MAPA DE DECLIVIDADES PARA O ESTADO DO MARANHÃO COMO BASE PARA ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO HOTT, M. C.; 1 CRISCUOLO, C.; 2 VALLADARES, G. S. RESUMO: O objetivo deste trabalho foi apresentar

Leia mais

TUTORIAL. Aprenda a importar um arquivo DWG no programa. ArcGIS.

TUTORIAL. Aprenda a importar um arquivo DWG no programa. ArcGIS. TUTORIAL Aprenda a importar um arquivo DWG no programa ArcGIS www.processamentodigital.com.br O Processamento Digital é um Canal de Conteúdo GEO oferecido pela HEX Tecnologias Geoespaciais Inovadoras,

Leia mais

Softwares de geoprocessamento e implantação de SIG s. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Softwares de geoprocessamento e implantação de SIG s. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Softwares de geoprocessamento e implantação de SIG s Prof. Dr. Cristiano Zerbato O que são? Programa computacional capaz de processar as coordenadas Softwares CAD: sistemas voltados para desenho técnico

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL.

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASIL. MAPEAMENT GEMRFÓGIC N MUNICÍPI DE PRESIDENTE PRUDENTE SP, BRASI. Melina Fushimi (melinafushimi@yahoo.com.br), João svaldo Rodrigues Nunes (joaosvaldo@fct.unesp.br) Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO TOPOCART TOPOGRAFIA ENGENHARIA E AEROLEVANTAMENTOS S/S LTDA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO TOPOCART TOPOGRAFIA ENGENHARIA E AEROLEVANTAMENTOS S/S LTDA MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO TOPOCART TOPOGRAFIA ENGENHARIA E AEROLEVANTAMENTOS S/S LTDA RELATÓRIO TÉCNICO LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMETRICO Brasília-DF, Setembro de 2012. ÍNDICE 1. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

PESQUISA CASA MINEIRA Preço dos Imóveis em Belo Horizonte. 2º Trimestre 2016

PESQUISA CASA MINEIRA Preço dos Imóveis em Belo Horizonte. 2º Trimestre 2016 PESQUISA CASA MINEIRA Preço dos Imóveis em Belo Horizonte 2º Trimestre 2016 METODOLOGIA A Pesquisa Casa Mineira - Preço dos Imóveis em BH é um estudo feito pela Casa Mineira Imóveis com o objetivo de compartilhar

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. Com base nos seus conhecimentos, complete a lacuna com a alternativa abaixo que preencha corretamente

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO DE ROCHAS VULCÂNICAS DA FORMAÇÃO SERRA GERAL UTILIZANDO GAMAESPECTROMETRIA TERRESTRE NA REGIÃO VITIVINÍCOLA SERRA GAÚCHA, RS - BRASIL

DIFERENCIAÇÃO DE ROCHAS VULCÂNICAS DA FORMAÇÃO SERRA GERAL UTILIZANDO GAMAESPECTROMETRIA TERRESTRE NA REGIÃO VITIVINÍCOLA SERRA GAÚCHA, RS - BRASIL DIFERENCIAÇÃO DE ROCHAS VULCÂNICAS DA FORMAÇÃO SERRA GERAL UTILIZANDO GAMAESPECTROMETRIA TERRESTRE NA REGIÃO VITIVINÍCOLA SERRA GAÚCHA, RS - BRASIL Rudi César ComioFo Modena rudi.modena@colaborador.embrapa.br

Leia mais

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA PINTO BANDEIRA: CARTAS IMAGEM

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA PINTO BANDEIRA: CARTAS IMAGEM CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA PINTO BANDEIRA: CARTAS IMAGEM Loiva Maria Ribeiro de Mello Carlos Alberto Ely Machado André Rodrigo Farias Sonia Marliza

Leia mais

DISCIPLINA SIG EXERCÍCIO 1: MUDANÇA DE SISTEMA DE COORDENADAS (GEOGRÁFICAS LAT/LONG PARA UTM CÓRREGO ALEGRE)

DISCIPLINA SIG EXERCÍCIO 1: MUDANÇA DE SISTEMA DE COORDENADAS (GEOGRÁFICAS LAT/LONG PARA UTM CÓRREGO ALEGRE) DISCIPLINA SIG OFICINA: MODELO NUMÉRICO DE TERRENO (MNT) Responsável: MARIA ISABEL C DE FREITAS Colaboração: BRUNO ZUCHERATO KATIA CRISTINA BORTOLETTO EXERCÍCIO 1: MUDANÇA DE SISTEMA DE COORDENADAS (GEOGRÁFICAS

Leia mais

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.210-469-2 Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE Janisson B. de Jesus 1, Dráuzio C.

Leia mais

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO ANEXO 5.2 - CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO PNSB E DA ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.2.1 REGIME PLUVIOMÉTRICO O regime pluviométrico das áreas do PNSB e de sua Zona de Amortecimento foi avaliado com base nos dados

Leia mais

ANÁLISE DA VARIAÇÃO TEMPORAL DO NÍVEL MÉDIO DO MAR NAS ESTAÇÕES DA RMPG

ANÁLISE DA VARIAÇÃO TEMPORAL DO NÍVEL MÉDIO DO MAR NAS ESTAÇÕES DA RMPG ANÁLISE DA VARIAÇÃO TEMPORAL DO NÍVEL MÉDIO DO MAR NAS ESTAÇÕES DA RMPG Luciana Maria da Silva Prof. Dr. Sílvio Rogério Correia de Freitas La Paz, 24 de novembro de 2014 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES THEOS E WORLDVIEW

MAPEAMENTO COSTEIRO COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES THEOS E WORLDVIEW 1 MAPEAMENTO COSTEIRO COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES THEOS E WORLDVIEW Gilberto Pessanha Ribeiro, gilberto.pessanha@gmail.com Artur Willcox dos Santos, arturwillcox@gmail.com Ubiratan de Souza Dias

Leia mais

ENSINANDO HISTÓRIA E GEOGRAFIA. A Geografia Levada a Sério

ENSINANDO HISTÓRIA E GEOGRAFIA.  A Geografia Levada a Sério ENSINANDO HISTÓRIA E GEOGRAFIA 1 Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina 2 Aquarela Toquinho Vinícius de Moraes M. Fabrízio G. Moura - 1983 3 Tempo e espaço Deve-se

Leia mais

MAPA DE DECLIVIDADE P A R Q U E E S T A D U A L D A C A B E Ç A D O C A C H O R R O

MAPA DE DECLIVIDADE P A R Q U E E S T A D U A L D A C A B E Ç A D O C A C H O R R O 200 200 Limite do CLASSES DE DECLIVIDADE 7200 7200 Plano Suave Ondulado Ondulado Forte Ondulado Montanhoso 0 250 1.000 acrescidas as constantes 10.000 km e km, respectivamente MAPA DE DECLIVIDADE 200 200

Leia mais

Lançamento Oficial O Site Internacional Internet do Sistema CCM Geovitícola

Lançamento Oficial O Site Internacional Internet do Sistema CCM Geovitícola XII Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia - Anais 79 Lançamento Oficial O Site Internacional Internet do Sistema CCM Geovitícola Flávio Bello Fialho 1 Jorge Tonietto 1 1 Introdução O clima faz

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1

MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 MAPEAMENTO DE UNIDADES GEOLÓGICO-GEOMORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CURUÇU-RS 1 BAZZAN, T. ¹ ¹ Universidade Federal de Santa Maria, thiagobaz@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. ² ² Universidade

Leia mais

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro

Tadeu Corrêa Pinheiro. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro Tadeu Corrêa Pinheiro Orientador: Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro 1 Tópicos 1. Introdução 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento do trabalho - Metodologia 4. Apresentação dos resultados 5. Análise

Leia mais

1/27. Copyright LTG 2016 LTG/PTR/EPUSP

1/27. Copyright LTG 2016 LTG/PTR/EPUSP 1/27 2/27 ESCALA é a relação entre o valor de uma distância medida no desenho e sua correspondente no terreno. Representa-se na forma: 1:M ou 1/M ou como escala gráfica M é o módulo da escala e deve ser

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA-GEOMORFOLÓGICA DAS ÁREAS DE OCORRÊNCIA DE AMETISTA, NO MUNICÍPIO DE QUARAÍ-RS.

CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA-GEOMORFOLÓGICA DAS ÁREAS DE OCORRÊNCIA DE AMETISTA, NO MUNICÍPIO DE QUARAÍ-RS. CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA-GEOMORFOLÓGICA DAS ÁREAS DE OCORRÊNCIA DE AMETISTA, NO MUNICÍPIO DE QUARAÍ-RS. LEMES, D.P¹ ¹ Mestranda UFSM, RS deniseperalta@ibest.com.br PIRES, C. A. ² ² Prof. Orientador UFSM,

Leia mais

Comunicado191 Técnico

Comunicado191 Técnico Comunicado191 Técnico ISSN 1808-6802 Dezembro, 2016 Bento Gonçalves, RS Vitivinicultura brasileira: panorama 2015 Loiva Maria Ribeiro de Mello 1 A importância da vitivinicultura brasileira nas diversas

Leia mais

A Indicação Geográfica Vale dos Vinhedos. Rogério Carlos Valduga Presidente Aprovale - Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos

A Indicação Geográfica Vale dos Vinhedos. Rogério Carlos Valduga Presidente Aprovale - Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos A Indicação Geográfica Vale dos Vinhedos Rogério Carlos Valduga Presidente Aprovale - Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos A Aprovale Associação dos Produtores de Vinhos Finos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE VINHEDOS LOCALIZADOS EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA VALE DOS VINHEDOS

IDENTIFICAÇÃO DE VINHEDOS LOCALIZADOS EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA VALE DOS VINHEDOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS BENTO GONÇALVES IDENTIFICAÇÃO DE VINHEDOS LOCALIZADOS EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA VALE

Leia mais

Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido

Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Construção do Mapa de Solos do Uso de Técnicas de Geoprocessamento na Elaboração do Mapa de Solos do Campo Experimental da Caatinga da Embrapa Semi-Árido Use of GIS

Leia mais

Infraestrutura de Dados Espaciais para a Administração Pública Estadual de Minas Gerais

Infraestrutura de Dados Espaciais para a Administração Pública Estadual de Minas Gerais Infraestrutura de Dados Espaciais para a Administração Pública Estadual de Minas Gerais Cláudia Werneck Diretora Geral Instituto de Geociências Aplicadas Autarquia do Estado de Minas Gerais Quem somos?

Leia mais

Anexo 2.8 Especificações do Sistema de Monitoramentoda Frota

Anexo 2.8 Especificações do Sistema de Monitoramentoda Frota Anexo 2.8 Especificações do Sistema de Monitoramentoda Frota ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 3 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 3 2.1 AQUISIÇÃO DE DADOS MONITORADOS DO VEÍCULO... 3 2.2 AQUISIÇÃO DE DADOS DE LOCALIZAÇÃO...

Leia mais

Conceito de Relevo. Internas ou endógenas: constroem o relevo. Externas ou exógenas: desgastam, modificam e modelam o relevo.

Conceito de Relevo. Internas ou endógenas: constroem o relevo. Externas ou exógenas: desgastam, modificam e modelam o relevo. Conceito de Relevo Relevo pode ser definido o conjunto das desnivelações que ocorrem sobre a superfície terrestre e que formam o modelado do planeta. Os desnivelamentos da crosta terrestre resultam da

Leia mais

Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS

Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS Cursos de Geoprocessamento com o Software Livre QGIS EMENTAS Níveis Básico e Avançado CURSOS DE GEOPROCESSAMENTO COM O SOFTWARE LIVRE QGIS O QGIS é um dos mais robustos softwares gratuitos para Sistemas

Leia mais

Pesquisa Casa Mineira

Pesquisa Casa Mineira Pesquisa Casa Mineira 1º Trimestre 2016 de mercado dos imóveis em Belo Horizonte Descubra Análise detalhada Preço do m² Venda e aluguel Saiba o valor máximo, médio, mínimo e mediano, por tipo e região

Leia mais

METODOLOGIA PARA A VETORIZAÇÃO TOPOLÓGICA E ANÁLISE ESPACIAL DAS ZONAS DE USO PERMITIDO PROPOSTAS NA NOVA LEI DE ZONEAMENTO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

METODOLOGIA PARA A VETORIZAÇÃO TOPOLÓGICA E ANÁLISE ESPACIAL DAS ZONAS DE USO PERMITIDO PROPOSTAS NA NOVA LEI DE ZONEAMENTO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. METODOLOGIA PARA A VETORIZAÇÃO TOPOLÓGICA E ANÁLISE ESPACIAL DAS ZONAS DE USO PERMITIDO PROPOSTAS NA NOVA LEI DE ZONEAMENTO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Reinaldo Paul Pérez Machado 1 RESUMO Em julho de 2004,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: QGIS; Geoprocessamento; Código Florestal.

PALAVRAS-CHAVE: QGIS; Geoprocessamento; Código Florestal. Utilização de ferramentas de geoprocessamento para a delimitação das Áreas de Preservação Permanente (APPs) no município de Marau, segundo o Novo Código Florestal (Lei 12.651-2012). Letícia Mesacasa *,

Leia mais

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO. Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO. Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro Estagiários: Ricardo Kwiatkowski Silva / Carlos André Batista de Mello ESCALAS - AULA 3 Precisão Gráfica É a menor grandeza

Leia mais

PUC UCG - ESCOLA DE ENGENHARIA. Curso : Engenharia Civil

PUC UCG - ESCOLA DE ENGENHARIA. Curso : Engenharia Civil PUC UCG - ESCOLA DE ENGENHARIA Curso : Engenharia Civil 1. Dados de Identificação Disciplina : ENG1062 TOPOGRAFIA E GEODÉSIA II Professor : TULE CÉSAR BARCELOS MAIA Turma : C01 Subturma : 1, 2, 3 Créditos

Leia mais

Aula 01 Período 2015.1

Aula 01 Período 2015.1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA RURAL DSER Laboratório de Topografia e Geoprocessamento - LabGeo Laboratório de Topografia e Geoprocessamento

Leia mais

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos Embrapa Uva e Vinho A vitivinicultura é uma atividade que apresenta grande importância sócio-econômica em vários Estados brasileiros, com especial destaque para o Rio Grande do Sul. Por esta razão, a Embrapa

Leia mais

MAPAS HIPSOMÉTRICOS E CURVAS DE NÍVEL A PARTIR DE IMAGENS SRTM

MAPAS HIPSOMÉTRICOS E CURVAS DE NÍVEL A PARTIR DE IMAGENS SRTM MAPAS HIPSOMÉTRICOS E CURVAS DE NÍVEL A PARTIR DE IMAGENS SRTM 1. Introdução Em ambientes GIS as imagens SRTM podem ser usadas para gerar curvas de nível, mapas hipsométricos, mapas de relevo sombreado,

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Escolha do Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Escolha do Traçado Objetivos (i) a delimitação dos locais convenientes para a passagem da rodovia, a partir da obtenção de informações básicas a respeito da geomorfologia

Leia mais

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129

UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO. Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 UNIDADES DO RELEVO E CLASSIFICAÇÃO DO RELEVO BRASILEIRO Módulos 29 e 30 Livro 2 paginas 122 a 124 / 127 a 129 Formas de relevo Escarpa: encosta de planalto intensamente dissecada (erodida) Serra: Morros

Leia mais

TUTORIAL PARA VOLUME POR SUPERFÍCIES

TUTORIAL PARA VOLUME POR SUPERFÍCIES TUTORIAL PARA VOLUME POR SUPERFÍCIES 1 O módulo de volumes por superfície do sistema posição permite o cálculo de volumes por comparativo entre triângulos Volume simples e o cálculo de volumes por platô

Leia mais

ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal

ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal Análise de imagens processadas pelo sistema DETEX e PRODES para detecção de desmatamento e da intervenção seletiva nas Unidades de Manejo

Leia mais

Sistema de informação geográfica na integração do conhecimento científico e tecnológico da cafeicultura em Minas Gerais

Sistema de informação geográfica na integração do conhecimento científico e tecnológico da cafeicultura em Minas Gerais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte 1 Sistema de informação geográfica na integração do conhecimento científico e tecnológico da cafeicultura em Minas Gerais Liliany

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA-RJ

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA-RJ CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA-RJ (2001-2011) Flavia de Oliveira Dias 1 ; Jessica Cristina dos Santos Souza 2 ; José Francisco de Oliveira Júnior 3 1,2 Curso Técnico em Meio

Leia mais

Geomorfometria de áreas de cultivo de banana no Litoral Norte do RS

Geomorfometria de áreas de cultivo de banana no Litoral Norte do RS Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.0231 Geomorfometria de áreas de cultivo de banana no Litoral Norte do RS Gabriel

Leia mais

Cálculo de áreas no Google Earth utilizando arquivo de GPS

Cálculo de áreas no Google Earth utilizando arquivo de GPS Cálculo de áreas no Google Earth utilizando arquivo de GPS A utilização de aparelhos de GPS permite a aquisição de coordenadas geográficas (latitude, longitude e altitude) em áreas de trabalho visando

Leia mais

CICLO HIDROLÓGICO CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

CICLO HIDROLÓGICO CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS José Antonio Tosta dos Reis Departamento de Engenharia Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo CICLO HIDROLÓGICO 1 Ciclo hidrológico médio

Leia mais

Padrões Dados Geoespaciais na INDE

Padrões Dados Geoespaciais na INDE EXÉRCITO BRASILEIRO Diretoria de Serviço Geográfico DSG Padrões Dados Geoespaciais na INDE Apresentação : Cel Omar A. Lunardi Eng.cart.omar@gmail.com Comissão Nacional de Cartografia Diretoria de Serviço

Leia mais

METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DE MAPAS DOS CENÁRIOS CLIMÁTICOS FUTUROS DO TERCEIRO RELATÓRIO DO IPCC PARA O BRASIL *

METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DE MAPAS DOS CENÁRIOS CLIMÁTICOS FUTUROS DO TERCEIRO RELATÓRIO DO IPCC PARA O BRASIL * METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DE MAPAS DOS CENÁRIOS CLIMÁTICOS FUTUROS DO TERCEIRO RELATÓRIO DO IPCC PARA O BRASIL * EMÍLIA HAMADA 1, RENATA RIBEIRO DO VALLE GONÇALVES 2, RAQUEL GHINI 1 1 Pesquisador, Embrapa

Leia mais

Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências da Terra

Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências da Terra Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências da Terra APLICAÇÃO DE DIFERENTES NÍVEIS DE REALISMO DERIVADOS DE IMAGEM DE SATÉLITE NA REALIDADE VIRTUAL Juliana Moulin Fosse - jumoulin@ufpr.br Mosar

Leia mais

Geodesia Física e Espacial <<>> Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação

Geodesia Física e Espacial <<>> Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação Geodesia Física e Espacial Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação Professores: Cursos: Ano Lectivo: 11/12 Gil Gonçalves e João Fernandes Mestrado em Engenharia Geográfica Mestrado em Tecnologias

Leia mais

Definição: representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro de uma região da superfície terrestre.

Definição: representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro de uma região da superfície terrestre. MODELO DIGITAL DE ELEVAÇÃO Modelagem Digital de Elevação Definição: UmModeloDigitaldeElevação (MDE) é uma UmModeloDigitaldeElevação (MDE) é uma representação matemática computacional da distribuição de

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Cidadania e movimento. Aula 13. 2 Conteúdo Estrutura geológica e relevo. Habilidade Compreender a

Leia mais

Filtragem. Processamento digital de imagens. CPGCG/UFPR Prof. Dr. Jorge Centeno

Filtragem. Processamento digital de imagens. CPGCG/UFPR Prof. Dr. Jorge Centeno Filtragem Processamento digital de imagens CPGCG/UFPR Prof. Dr. Jorge Centeno Operações de vizinhança (Filtros) Filtros lineares Filtro passa-baixas (suavização) Filtro passa-altas (realce) Filtros direcionais

Leia mais

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS

Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.131-592-1 Avaliação de métodos de classificação para o mapeamento de remanescentes florestais a partir de imagens HRC/CBERS Juliana Tramontina 1, Elisiane

Leia mais

CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016

CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016 CARTOGRAFIA CURSINHO TRIU- MARÇO 2016 NAVEGAR É PRECISO 2500 A.C. uma das primeiras representações de mapa, produzido na região da mesopotâmia. NAVEGAR É PRECISO Mapa do Salmo (1260) e Mappe-Monde (1707),

Leia mais

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro

Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro Estrutura Geológica e o Relevo Brasileiro 1. (ENEM-2010) TEIXEIRA, W. et. al. (Orgs.) Decifrando a Terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009 O esquema mostra depósitos em que aparecem fósseis

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA PROGNÓSTICO DE PRECIPITAÇÃO

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA PROGNÓSTICO DE PRECIPITAÇÃO 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Novembro-Dezembro-Janeiro 2003. Este período é caracterizado por chuvas em grande parte do Brasíl, com temporais, trovoadas, vendavais e queda de granizo nas Regiões Sul, Sudeste

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA ANÁLISE ESPACIAL DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DO BIOMA MATA ATLÂNTICA

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE. Introdução

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE. Introdução DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO DE FARINHA DE MANDIOCA NO TERRITÓRIO DO VALE DO JURUÁ, ACRE Daniel de Almeida Papa1, Virgínia de Souza Álvares2 e Daniela Popim Miqueloni3 1Eng. Florestal,

Leia mais

Posicionamento na Terra suposta esférica

Posicionamento na Terra suposta esférica Posicionamento na Terra suposta esférica Primeira imagem da Terra de TV feita do espaço em 1 de abril de 1960 A sombra da Terra projetada na Lua Cheia durante o eclipse total Lua mostrava que a forma da

Leia mais

ANÁLISE DA OCORRÊNCIA DE ENCHENTES NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO RIO JACUÍ /RS COM A UTILIZAÇÃO DE IMAGENS MODIS E DADOS SRTM

ANÁLISE DA OCORRÊNCIA DE ENCHENTES NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO RIO JACUÍ /RS COM A UTILIZAÇÃO DE IMAGENS MODIS E DADOS SRTM ANÁLISE DA OCORRÊNCIA DE ENCHENTES NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DO RIO JACUÍ /RS COM A UTILIZAÇÃO DE IMAGENS MODIS E DADOS SRTM Carline Biasoli Trentin, María Silvia Pardi Lacruz, Manoel de Araújo Sousa Jr.,

Leia mais

TUTORIAL. Aprenda a exportar um arquivo Shapefile para DWG do AutoCAD. ArcGIS.

TUTORIAL. Aprenda a exportar um arquivo Shapefile para DWG do AutoCAD. ArcGIS. TUTORIAL Aprenda a exportar um arquivo Shapefile para DWG do AutoCAD ArcGIS www.processamentodigital.com.br O Processamento Digital é um Canal de Conteúdo GEO oferecido pela HEX Tecnologias Geoespaciais

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GEOMORFOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GEOMORFOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 6 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

TUTORIAL. Aprenda a utilizar a consulta espacial em análises de sobreposição de feições QGIS.

TUTORIAL. Aprenda a utilizar a consulta espacial em análises de sobreposição de feições QGIS. TUTORIAL Aprenda a utilizar a consulta espacial em análises de sobreposição de feições QGIS www.processamentodigital.com.br O Processamento Digital é um Canal de Conteúdo GEO oferecido pela HEX Tecnologias

Leia mais

Sistemas de coordenadas tridimensionais

Sistemas de coordenadas tridimensionais Sistemas de coordenadas tridimensionais Prof. Dr. Carlos Aurélio Nadal Sistema de coordenadas Tridimensionais no espaço Prof. DR. Carlos Aurélio Nadal - Sistemas de Referência e Tempo em Geodésia Aula

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Apresentação da disciplina. Prof. Luiz Henrique S. Rotta

GEOPROCESSAMENTO. Apresentação da disciplina. Prof. Luiz Henrique S. Rotta 1 GEOPROCESSAMENTO Apresentação da disciplina Prof. Luiz Henrique S. Rotta POR QUE UTILIZAR GEOPROCESSAMENTO? A informação ambiental é espacial por natureza. O padrão de distribuição: de um poluente sobre

Leia mais

ESCOLA PÚBLICA DE ASTROFOTOGRAFIA AULA 02 DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS

ESCOLA PÚBLICA DE ASTROFOTOGRAFIA AULA 02 DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS ESCOLA PÚBLICA DE ASTROFOTOGRAFIA AULA 02 DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS SUMÁRIO 02. DADOS E COMPLEMENTOS ESSENCIAIS Sistema Horizontal ou Altazimutal de Coordenadas Pontos Cardeais Azimute Altura/Ângulo

Leia mais

CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO

CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO Renata Soares Pinto (*), Carlos Fernando Lemos Universidade Federal de Santa Maria- renatasoares261@gmail.com

Leia mais

USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO DIAGNÓSTICO EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS PARA GERAR INFORMAÇÕES EM BANCO DE DADOS

USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO DIAGNÓSTICO EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS PARA GERAR INFORMAÇÕES EM BANCO DE DADOS 1 USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO DIAGNÓSTICO EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS PARA GERAR INFORMAÇÕES EM BANCO DE DADOS TECNOLOGY USE OF THE INFORMATION IN THE DIAGNOSIS WATERSHEDS TO GENERATE INFORMATION

Leia mais

ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA

ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE DO RELEVO DA MICROBACIA Valdemir Antonio Rodrigues FCA Unesp Luis Alberto Bucci Instituto Florestal de São Paulo Danilo Simões Estudante de Pós Graduação Carlos Adolfo Bantel Engenheiro

Leia mais

SERVIÇOS DE BALCÃO DE ATENDIMENTO E MAPEAMENTO EM CAMPO DE PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO DOS MUNICÍPIOS DE IMBAÚ E ORTIGUEIRA

SERVIÇOS DE BALCÃO DE ATENDIMENTO E MAPEAMENTO EM CAMPO DE PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO DOS MUNICÍPIOS DE IMBAÚ E ORTIGUEIRA TERMO DE REFERENCIA PARA CONFECÇÃO DE BASE DE DADOS VETORIAL GEORREFERENCIADA SERVIÇOS DE BALCÃO DE ATENDIMENTO E MAPEAMENTO EM CAMPO DE PROPRIEDADES NA REGIÃO DOS MUNICÍPIOS DE IMBAÚ E ORTIGUEIRA 1. Objetivos.

Leia mais

PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS

PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS O QUE SÃO AS PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS? Os sistemas de projeções constituem-se de uma fórmula matemática que transforma as coordenadas geográficas, a partir de uma superfície esférica,

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PLANO DE ENSINO

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA PERÍODO HORÁRIO 970 GEOPROCESSAMENTO E SENSORIAMENTO REMOTO 80 HORAS (40h teóricas e 40h práticas) 4º QUARTA-FEIRA 19:00-20:40 e 20:50 22:30

Leia mais