Integração e crise na Europa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integração e crise na Europa"

Transcrição

1 Integração e crise na Europa

2 Fatores de integração Político Arrefecimento das tendências conflitivas mantidas nas décadas anteriores Econômicas Benefícios para os países envolvidos com aumento Investimento Mercado consumidor Aumento da expressão política internacional no SI do bloco capitalista

3 Integração etapas 1951 tratado de Paris CECA Tendência de formação de um mercado comum 1957 tratado de Roma CEE Definição do mercado comum Tendência de união monetária 1991 tratado de Maastricht EU Ideal de moeda única Definição de união monetária na Zona do Euro

4 Integração expansão ano 1957 Déc 1970 Déc Déc Déc Déc países Aumento das assimetrias regionais Cotação das moedas Níveis de produtividade

5 Integração expansão

6 Novas normas e instituições Sistema Monetário Europeu (SME) Tendência de convergência das moedas Banco Europeu de Investimentos Investimentos para aumento de competitividade nas áreas mais pobres do bloco. Iniciativa para redução das assimetrias regionais

7 Integração problemas Permanência das assimetrias regionais Dificuldades de maior mobilidade do trabalho Ausência de federalismo fiscal Maior pobreza e baixa competitividade econômica no sul e no leste Liberdade de mobilidade formal X Limitações práticas Transmissão de recursos do centro para áreas pobres ou em crise Como em uma federação

8 Crise europeia

9 Países mais vulneráveis Portugal Irlanda Itália Grécia Espanha Países do sul da Europa Baixa produtividade Déficit comercial Necessidade de financiamento externo PIIGS Recursos do sistema financeiro internacional para custeio: salários, aposentadorias, serviços públicos...

10 Anos 1990 e meados dos anos 2000: afluência Neoliberalismo Descontrole público sobre o sistema financeiro privado Novas modalidades de crédito/investimento Aumento do volume financeiro Originar e Manter Originar e Distribuir

11 Anos 1990 e meados dos anos 2000: afluência Países PIIGS: captação de recursos com dívidas controladas

12 : crise mundial Ameaça de quebra do setor financeiro PRIVADO Imprevisibilidade dos desdobramentos da crise de crédito Originar e Distribuir Crédito do FED e do BCE para os bancos privados com juros reduzidíssimos Nova afluência no setor financeiro privado

13 Crise dos PIIGS Com a eclosão da crise nos Estados Unidos, os bancos e as instituições financeiras na Europa iniciaram um processo de desalavancagem financeira e redução de suas linhas de créditos para os mercados emergentes na Europa. As intervenções nos mercados financeiros pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelos governos nacionais a partir de 2008, visou impedir a falência dos bancos mais afetados pela crise, injetar liquidez financeira, restaurar a confiança nos mercados financeiros e capitalizar os bancos e as instituições financeiras europeias. No entanto, as pilhas de débitos oriundas das intervenções realizadas pelos governos nacionais e pelo BCE não desapareceram com a crise financeira. Os prejuízos financeiros foram apenas transferidos para as contas públicas dos governos nacionais e para os balanços financeiros do BCE. O crescimento dos déficits fiscais e dos estoques da dívida pública nos países europeus foi acentuado principalmente nos PIGS. (O papel dos mercados financeiros na crise europeia, por Rafael Henrique Dias Manzi)

14 Crise dos PIIGS BCE e FED Empréstimos com juros reduzidos para bancos privados (0,01 a 1,0% aa) Transferência das dívidas dos bancos privados para os PIIGS Compra dos títulos públicos dos PIIGS pelos bancos privados com juros entre 6 e 12% aa Tendência de moratória junto aos PIIGS Intervenção da Troika

15 Ação da Troika nos PIIGS Recessão nas economias PIIGS Medidas de austeridade Aumento de impostos Redução dos gastos públicos Piora nos indicadores sociais com destaque para o desemprego e redução da massa salarial Medidas práticas de redução dos custos de exportação

16 Ação da Troika nos PIIGS Aumento da relação dívida-pib

Características gerais. Características gerais. Características gerais. Crise Europeia Crise Grega. Apresentação. Características gerais

Características gerais. Características gerais. Características gerais. Crise Europeia Crise Grega. Apresentação. Características gerais Crise Europeia Crise Grega Área agricultável: 63,8% do país; Principais produtos agrícolas: trigo, milho, cevada, beterraba, azeitona, uva, tabaco, batata, tomate e banana. Recursos naturais: linhito,

Leia mais

Crescimento Económico e Financiamento da Economia Portuguesa

Crescimento Económico e Financiamento da Economia Portuguesa Crescimento Económico e Financiamento da Economia Portuguesa João Leão 1, Ana Martins 2 e João Gonçalves 3 1 ISCTE- Instituto Universitário de Lisboa. 2 Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE), Ministério

Leia mais

Panorama Geral da crise grega:

Panorama Geral da crise grega: AS CONTAS PÚBLICAS DESSES PAÍSES FICARAM DESEQUILIBRADAS PORQUE ELES INTENSIFICARAM OS GASTOS A PARTIR DE 2008 PARA CONTER OS EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA MUNDIAL AO MESMO TEMPO, A CRISE FEZ COM QUE A ARRECADAÇÃO

Leia mais

Euro Zona. Carlos Alberto Belchior e Fernando Couto. 23 de Outubro de PET - Economia UnB. Consolidação Institucional O Euro A crise da UE

Euro Zona. Carlos Alberto Belchior e Fernando Couto. 23 de Outubro de PET - Economia UnB. Consolidação Institucional O Euro A crise da UE PET - Economia UnB 23 de Outubro de 2013 Histórico A Unificação Design Institucional Atual Orçamento da UE Como um bloco dividido após a II GM tornou-se um bloco unificado? A própria integração como uma

Leia mais

Causas da crise: Endividamento público elevado, principalmente de países como a Grécia, Portugal, Espanha, Itália e Irlanda. Falta de coordenação

Causas da crise: Endividamento público elevado, principalmente de países como a Grécia, Portugal, Espanha, Itália e Irlanda. Falta de coordenação A Crise Mundial Causas da crise: Endividamento público elevado, principalmente de países como a Grécia, Portugal, Espanha, Itália e Irlanda. Falta de coordenação política da União Europeia para resolver

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA. Col. Sta. Clara Prof. Marcos

UNIÃO EUROPEIA. Col. Sta. Clara Prof. Marcos UNIÃO EUROPEIA Col. Sta. Clara Prof. Marcos EUROPA: 47 países UNIÃO EUROPÉIA: 27 países (amarelo) F O R M A Ç Ã O E A T U A L I D A D E S Hoje, a União Europeia é formada por 27 países, sendo 17 com a

Leia mais

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas Sessão de Homenagem ao Dr. Silva Lopes Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas VÍTOR CONSTÂNCIO Maio de 2003 ÍNDICE I. Recessões e crises passadas de Balança de Pagamentos II. Problemas

Leia mais

A CRISE COM FOCO NA EUROPA

A CRISE COM FOCO NA EUROPA Ana Costa Daniela Poiano Jaqueline Granelli Renan Oliveira Karen Appetito Katia Benjamin Economia Aplicada Roberto Vertamatti MARÇO/2014 Histórico, Causas e Consequências da Crise; A moeda única como problema;

Leia mais

Taxas de Juros Elevadas e Semi-Estagnação

Taxas de Juros Elevadas e Semi-Estagnação Taxas de Juros Elevadas e Semi-Estagnação Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas Taxa de Juros Elevada e a Tragédia Brasileira (% média móvel 10 anos) 15 13 11 9 7 5 3

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais Bloco mais antigo; Está no mais adiantado estágio de integração; Estágios de Integração Objetivos Zona de Livre Comércio União Aduaneira Mercado Comum União Monetária União Política

Leia mais

Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro. Prof. Dr. Alberto Borges MaAas

Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro. Prof. Dr. Alberto Borges MaAas Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro Prof. Dr. Alberto Borges MaAas Alberto Borges Ma.as Professor Titular do Departamento de Administração da FEA- RP/USP Graduado,

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO. Ano Letivo

DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO. Ano Letivo DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO Ano Letivo 2017-2018 TEMAS/ CONTEÚDOS Módulo 1 A Economia e o Problema Económico

Leia mais

Cenário Econômico e perspectivas para o IMA

Cenário Econômico e perspectivas para o IMA Cenário Econômico e perspectivas para o IMA RUA DOM JAIME CÂMARA, 170 PRIME TOWER - 8 ANDAR - CENTRO - FLORIANÓPOLIS - SC - CEP 88015-120 5,0 PIB - EUA Expectativa 4,0 3,0 2,0 4,1 1,8 2,5 3,5 3,1 2,7 1,9

Leia mais

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS Duração da Prova:

Leia mais

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Outubro/2011 Cenário para as Micro e Pequenas Empresas Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Números das Micro e Pequenas Empresas no Brasil 2 Micro e pequenas empresas (até 99 funcionários)

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15 ÍNDICE Prefácio à presente edição 7 Prefácio à 3. 8 edição 9 Prefácio à 2.- edição 13 Prefácio à 1.* edição 15 1. Introdução e fases do crescimento português 19 Resumo 19 1.1. As fases do crescimento económico

Leia mais

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, 06 / 05/ 2016 PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES DISCIPLINA: GEOGRAFIA SÉRIE:9º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

1. Agenda: Assunto 30min Políticas Comercial e Políticas de Renda 30min Política Fiscal 30min Cenários 30min Atividade o Devolutivas

1. Agenda: Assunto 30min Políticas Comercial e Políticas de Renda 30min Política Fiscal 30min Cenários 30min Atividade o Devolutivas INTRODUÇÃO À ECONOMIA MACROECONOMIA: Principais Política e Instrumentos de Política Econômica Introdução: MANKIW, G. Introdução à Economia. RJ: Campus, 1999, cap. 22. WORLD BANK. World Development Indicator

Leia mais

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira Caixa Geral de Depósitos Centro de Congressos de Lisboa, 4 de Julho 2011 A comportamento do mercado em relação ao risco da dívida soberana

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 1948: BENELUX, primeiro bloco econômico do mundo (pós 2ª Guerra Mundial). HISTÓRICO Integrantes: Bélgica, Holanda e Luxemburgo. 1952: CECA

Leia mais

Transição incompleta e dilemas da ( macro) economia brasileira Gustavo H. B. Franco Agosto de 2011

Transição incompleta e dilemas da ( macro) economia brasileira Gustavo H. B. Franco Agosto de 2011 Transição incompleta e dilemas da ( macro) economia brasileira Gustavo H. B. Franco Agosto de 2011 TEMAS DOIS GRANDES TEMAS, micro e macro 1. Inserção externa: abertura 2.0 e projeção internacional, competitividade

Leia mais

Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique

Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique Fernando Faria de Oliveira VIII Conferência Anual de Economistas de Moçambique Novembro 2012 Índice Desenvolvimento Económico de Moçambique:

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia?

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Aula Teórica nº 1 Sumário: Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Objectivos da aula: No final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Identificar os principais problemas abordados pela Macroeconomia.

Leia mais

Análise do cenário econômico em um novo ambiente de baixos retornos

Análise do cenário econômico em um novo ambiente de baixos retornos Análise do cenário econômico em um novo ambiente de baixos retornos Marcelo Nazareth 26/07/12 NetQuant Tecnologia Financeira 1 Tópicos econômico-financeiros globais Estados Unidos Feroz batalha política

Leia mais

A GRÉCIA E OS CDS. Mariana Mortágua

A GRÉCIA E OS CDS. Mariana Mortágua A GRÉCIA E OS CDS Mariana Mortágua O QUE É DÉFICE DÍVIDA PÚBLICA DÍVIDA EXTERNA TÍTULOS DA DÍVIDA 1. LIBERALIZAÇÃO E FINANCIARIZAÇÃO: RECONFIGURAÇÃO DO CAPITALISMO ESTA CRISE: EXÓGENA, FRUTO DO AZAR E

Leia mais

MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55

MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55 MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55 Pós-Segunda Guerra Mundial A regionalização do mundo em países capitalistas e socialistas Critério: organização econômica, social e política

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

Objetivos e instrumentos de política econômica, 1

Objetivos e instrumentos de política econômica, 1 Sumário Prefácio, xiii i Objetivos e instrumentos de política econômica, 1 1. Objetivo do estudo de economia, 2 2. Objetivos de política econômica, 3 2.1 Crescimento da produção e do emprego, 3 2.2 Controle

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

A economia portuguesa, por onde vai?

A economia portuguesa, por onde vai? A economia portuguesa, por onde vai? Luciano Amaral Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa O que está a passar-se em Portugal entende-se melhor através do recurso à história: Historicamente,

Leia mais

Crise na Europa e Globalização

Crise na Europa e Globalização Crise na Europa e Globalização Crise na Europa e Globalização 1. Nas últimas décadas, a Turquia vem pleiteando, sem sucesso, sua entrada na União Europeia. Apresente uma razão que tem dificultado a entrada

Leia mais

EUROPA. o velho continente. Professora: Rilvania Flôr.

EUROPA. o velho continente. Professora: Rilvania Flôr. EUROPA o velho continente. Professora: Rilvania Flôr. http://noticias.universia.com.br/carreira/noticia/2015/04/30/1124394/profissionais-iberoamericanos-preferem-trabalhareuropa-aponta-pesquisa.html Ocupação

Leia mais

O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016

O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016 O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016 1 I. OS MERCADOS FINANCEIROS DA ZONA EURO Estrutura dos mercados Impacto da crise financeira sub-prime Lançamento

Leia mais

Perspectivas Alexandre Schwartsman

Perspectivas Alexandre Schwartsman Perspectivas 2014 Alexandre Schwartsman Desaceleração cíclica ou estrutural? Fonte: IBGE Pistas do mercado de trabalho 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% Taxa de desemprego anual 2003 2004 2005 2006 2007 2008

Leia mais

A Crise na União Européia: Causas e Perspectivas

A Crise na União Européia: Causas e Perspectivas June 3, 2011 1 União Européia: História e Razão de Existência 2 Grécia PIIGS 3 4 FMI História Em 1957 foi criada a Comunidade Econômica Européia (CEE) - 6 Estados-membros História Em 1957 foi criada a

Leia mais

Componente Específica de Economia

Componente Específica de Economia PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014 Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo Licenciaturas em Gestão, Gestão Hoteleira e Marketing

Leia mais

Exame de Economia. de zero a esta. questão.

Exame de Economia. de zero a esta. questão. Provas de Acesso ao Ensino Superiorr Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2011 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas

Leia mais

DESPOUPANÇA E MALPOUPANÇA CONDENAM PORTUGUESES A

DESPOUPANÇA E MALPOUPANÇA CONDENAM PORTUGUESES A DESPOUPANÇA E MALPOUPANÇA CONDENAM PORTUGUESES A PAUPERIZAÇÃO Panorama Europeu da Poupança 2016 Lisboa, 24 de Outubro de 2016 1. Despoupança: uma taxa de poupança constantemente negativa nos últimos 5

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

CIP - Europa Laboral em Síntese

CIP - Europa Laboral em Síntese CIP - Europa Laboral em Síntese Nº 5 janeiro de 2015 DESTAQUES Relatório sobre o emprego e desenvolvimentos sociais na Europa (2014) A Comissão Europeia publicou, em janeiro, o seu relatório sobre o emprego

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 2.º trimestre de 2016

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 2.º trimestre de 2016 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes.º trimestre de 1 Redigido com informação disponível até 3 de setembro de 1 Índice Sistema bancário português Avaliação global Indicadores macroeconómicos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Fevereiro de Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Fevereiro de Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Fevereiro de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Economia Americana...Pág.3 Europa: Grexit? Ainda Não...Pág.4

Leia mais

Lições da experiência portuguesa. Fernando Teixeira dos Santos. Ministro de Estado e das Finanças. Universidade do Minho Maio

Lições da experiência portuguesa. Fernando Teixeira dos Santos. Ministro de Estado e das Finanças. Universidade do Minho Maio Ministério das Finanças as e da Administração PúblicaP Euro@10 Lições da experiência portuguesa Fernando Teixeira dos Santos Ministro de Estado e das Finanças as Universidade do Minho Maio 2009 1 Índice

Leia mais

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves Balanço de pagamentos Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. BOP: Definição 2. BOP: Estrutura básica 3. BOP: Determinantes de curto prazo 4. BOP: Brasil 5. Posição do investimento

Leia mais

OS BLOCOS ECONÔMICOS. Prof.: ROBERT OLIVEIRA

OS BLOCOS ECONÔMICOS. Prof.: ROBERT OLIVEIRA OS BLOCOS ECONÔMICOS Prof.: ROBERT OLIVEIRA BLOCOS ECONÔMICOS: TODOS OS BLOCOS SÃO IGUAIS? Os blocos econômicos se dividem em quatro tipos diferentes em alguns pontos, porém o suficiente para estabelecer

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas Produto Interno Bruto Variações trimestrais homólogas Mediante reformas introduzidas na economia portuguesa, entre 2011 e 2015, nomeadamente quanto á competitividade das empresas, foi possível estimular

Leia mais

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos?

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Andrew Frank Storfer Vice Presidente da ANEFAC out 2009 CONJUNTURA

Leia mais

3. (UEPB) Assinale com V as proposições Verdadeiras e com F as Falsas, em relação à União Europeia.

3. (UEPB) Assinale com V as proposições Verdadeiras e com F as Falsas, em relação à União Europeia. União Europeia 1. (UEPB 2008)A Turquia, um dos países candidatos a integrar a União Europeia, tem dividido opiniões quanto ao seu ingresso no bloco. Dentre as polêmicas que dificultam sua entrada, destacam-se:

Leia mais

Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013

Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013 Evolução recente e desafios da economia brasileira Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013 A importância do crescimento Há vários anos, a economia brasileira tem

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cascais

Agrupamento de Escolas de Cascais 1º PERÍODO -74 TEMPOS LETIVOS ENSINO SECUNDÁRIO Disciplina: Economia A 11.º Ano Planificação Apresentação mútua e da disciplina Estabelecimento de regras e de métodos de trabalho Apresentação/negociação

Leia mais

EAE-206 Teoria Macroeconômica I Prof. Márcio I. Nakane Lista de Exercícios 4 Mercado de trabalho e AS AD. 1. Blanchard, cap.

EAE-206 Teoria Macroeconômica I Prof. Márcio I. Nakane Lista de Exercícios 4 Mercado de trabalho e AS AD. 1. Blanchard, cap. EAE-206 Teoria Macroeconômica I Prof. Márcio I. Nakane Lista de Exercícios 4 Mercado de trabalho e AS AD 1. Blanchard, cap. 7, exercício 2 Choques de gastos e o médio prazo Suponha que a economia começa

Leia mais

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil:

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: Projeções e Reflexões Fonte: FMI G7: EUA. Alemanha, Japão,

Leia mais

9. ALTERAÇÕES GEOESTRATÉGICAS, TENSÕES POLÍTICAS E TRANSFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS ATUAL 3. PORTUGAL NO NOVO QUADRO INTERNACIONAL 3.1. A 1.

9. ALTERAÇÕES GEOESTRATÉGICAS, TENSÕES POLÍTICAS E TRANSFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS ATUAL 3. PORTUGAL NO NOVO QUADRO INTERNACIONAL 3.1. A 1. 1. A evolução económica: 1986 1992 - Integração na CEE: em vigor a partir de 1.jan.1986 - Fundos Estruturais / Fundo de Coesão: vinda de capitais da CEE para Portugal - Melhoria da situação económica internacional

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS 20º Encontro de Lisboa com as Delegações dos Bancos Centrais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor Leste à Assembleia Anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial 04

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio)

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) 1. Em sete anos, União Europeia terá mais mortes do que nascimentos Enquanto endurece as restrições à entrada de imigrantes, a Europa vê o crescimento de sua população caminhar rumo à estagnação. De acordo

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO Adam Smith: divisão do trabalho, produtividade e custos David Ricardo: vantagens comparativas Malthus: controle demográfico Marx: mais-valia e crises capitalistas Marx:

Leia mais

9. ALTERAÇÕES GEOESTRATÉGICAS, TENSÕES POLÍTICAS E TRANSFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS ATUAL

9. ALTERAÇÕES GEOESTRATÉGICAS, TENSÕES POLÍTICAS E TRANSFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS ATUAL 1. A evolução económica: 1986 1992 - Integração na CEE: em vigor a partir de 1.jan.1986 - Fundos Estruturais / Fundo de Coesão: vinda de capitais da CEE para Portugal - Melhoria da situação económica internacional

Leia mais

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Hildo Meirelles de Souza Filho Ciclos do crescimento 1947-1980, taxas de crescimento do PIB 15,0 10,0 5,0-1948 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968

Leia mais

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006 O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado São Paulo, 06 de julho de 2006 Relação Moedas x Ouro - 01/1999=100 Cotação Ouro (onça-troy) - 100=12/2000 270

Leia mais

Não há crise no setor! Será?

Não há crise no setor! Será? FÓRUM DOS PAPELEIROS DA REGIÃO SUL Não há crise no setor! Será? Preparatória para Negociação Coletiva de Trabalho 2015/2016 Itapema, setembro de 2015 Tripé da Instabilidade Econômica Recessão econômica

Leia mais

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa ISEG - LISBON SCHOOL OF ECONOMICS & MANAGEMENT 16 maio 2017 1 Enquadramento metodológico 2 Indicadores de vulnerabilidades

Leia mais

O contexto macroeconómico e a economia do mar

O contexto macroeconómico e a economia do mar O contexto macroeconómico e a economia do mar João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística 3 abril 2014 MAREECOFIN PwC Economia e Finanças do Mar Reunião de Primavera Iniciativas de difusão

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

BRASIL. Paulo André de Oliveira. Conjuntura Econômica JUROS. Ciclos de expansão da Economia 1. Ciclos de expansão da Economia 2

BRASIL. Paulo André de Oliveira. Conjuntura Econômica JUROS. Ciclos de expansão da Economia 1. Ciclos de expansão da Economia 2 UNESP FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS Paulo André de Oliveira Pós Graduação Energia na Agricultura Economista DÓLAR Conjuntura Econômica JUROS BRASIL CRISE FINANCEIRA SETOR INTERNO E EXTERNO Ciclos de

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior

Provas de Acesso ao Ensino Superior Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 05 Exame de Economia Tempo para a realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: material de escrita, caneta

Leia mais

Piora no clima econômico mundial leva a região latina para a fase de declínio do ciclo econômico.

Piora no clima econômico mundial leva a região latina para a fase de declínio do ciclo econômico. 16 de novembro de 2011 Índice de Clima Econômico Piora no clima econômico mundial leva a região latina para a fase de declínio do ciclo econômico. O Índice de Clima Econômico (ICE) da América Latina recuou

Leia mais

Disciplina de Área de Integração Técnico Restauração variantes Restaurante/Bar

Disciplina de Área de Integração Técnico Restauração variantes Restaurante/Bar Disciplina de Área de Integração Técnico de Restauração variantes de Restaurante/Bar e Cozinha/Pastelaria 1º ano Ciclo de Formação 2015/2018 Ano letivo 2015/2016 Mód. 1 - Tema-Problema A Identidade Regional

Leia mais

Crise econômica: eles hoje, nós amanhã 1

Crise econômica: eles hoje, nós amanhã 1 Crise econômica: eles hoje, nós amanhã 1 Dezembro 2011 Reinaldo Gonçalves 2 Há risco crescente de que o número de países atingidos por crises econômicas aumente. No entanto, o cenário mais provável é que

Leia mais

A Alemanha Ocidental e a Economia Social de Mercado

A Alemanha Ocidental e a Economia Social de Mercado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA HISTÓRIA ECONÔMICA GERAL II PROF. DANIEL BARREIROS 7 A Alemanha Ocidental e a Economia Social de Mercado 1. Situação econômica da Alemanha Ocidental

Leia mais

Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia

Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia Aula Data 1 29/out 1 30/out Ter 2 31/out Qua 2 1/nov Qui Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia Conteúd o Especificado Economia: análise (ec. positiva ) e política (ec. normativa ),

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 2016

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 2016 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 3.º trimestre de 16 Redigido com informação disponível até 3 de dezembro de 16 Índice Sistema bancário português Avaliação global Indicadores macroeconómicos

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL E A ECONOMIA BRASilEIRA

A CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL E A ECONOMIA BRASilEIRA .,... Texto-síntese - Versão II (setembro/2011 ) A CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL E A ECONOMIA BRASilEIRA TEXTO-síNTESE DO GRUPO DE TRABALHO DO IPEA SOBRE A CRISE INTERNACIONAL '\. 1 Contexto internacional

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Coletiva de Imprensa Resultados de 2016 e Perspectivas para 2017 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Índice 1. Conjuntura Econômica 2. Construção Civil 3. Financiamento

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

BRASIL BREVE HISTÓRIA RECENTE E COMO VOLTAR A CRESCER? Carlos Alberto Sardenberg São Paulo, 16 de setembro de

BRASIL BREVE HISTÓRIA RECENTE E COMO VOLTAR A CRESCER? Carlos Alberto Sardenberg São Paulo, 16 de setembro de BRASIL BREVE HISTÓRIA RECENTE E COMO VOLTAR A CRESCER? Carlos Alberto Sardenberg São Paulo, 16 de setembro de 2015 www.sardenberg.com.br FIM D0 CCCC Real e ajuste China Comodities Crédito Consumo 1997

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Após maio fraco, geração de empregos volta a acelerar...

Leia mais

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. ALUNO(a): Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. ALUNO(a): Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / 06/ 2016 PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES DISCIPLINA: GEOGRAFIA SÉRIE:9º ALUNO(a): RECUPERAÇÃO SEMESTRAL/JUNHO 2016 No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

PORQUE O FED NÃO CONSEGUE AUMENTAR A TAXA DE JUROS

PORQUE O FED NÃO CONSEGUE AUMENTAR A TAXA DE JUROS 1 PORQUE O FED NÃO CONSEGUE AUMENTAR A TAXA DE JUROS Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 23/07/2016. Na nossa opinião a grande dificuldade que o Fed está enfrentando para aumentar a taxa de juros é

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA. Professor:César Augusto Moreira Bergo Data: Maio 2011

CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA. Professor:César Augusto Moreira Bergo Data: Maio 2011 CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA Professor:César Augusto Moreira Bergo Data: Maio 2011 Conceito de Economia: Ciência que estuda as formas de comportamento humano resultantes da relação existente entre as

Leia mais

Grupo de Conjuntura Econômica

Grupo de Conjuntura Econômica Grupo de Conjuntura Econômica Grupo de Conjuntura Econômica - Economia Internacional - Nível de Atividade Econômica - Políticas Públicas Economia INTERNACIONAL Luiz Antônio de Lima Jr Indicadores Analisados

Leia mais

Estatísticas sobre o endividamento das famílias

Estatísticas sobre o endividamento das famílias Estatísticas sobre o endividamento das famílias Filipa Lima 26 de março de 2015 Conselho Superior de Estatística Reunião Conjunta SPES e SPEE Estatísticas sobre o endividamento das famílias ESQUEMA DA

Leia mais

de la Recuperación Augusto Mateus LA ENCRUCIJADA DE LA POST CRISIS: AUSTERIDAD + CRECIMIENTO?

de la Recuperación Augusto Mateus LA ENCRUCIJADA DE LA POST CRISIS: AUSTERIDAD + CRECIMIENTO? Aceleradores e es y Frenos de la Recuperación Claves de Política Económica: Centro y Periferia Augusto Mateus LA ENCRUCIJADA DE LA POST CRISIS: AUSTERIDAD + CRECIMIENTO? 61 Junta Semestral de Predicción

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Reforma da Previdência

Reforma da Previdência Reforma da Previdência Henrique Meirelles Ministro da Abril, 2017. Evolução do Gasto Primário do Governo Central 2 Gasto Primário do Governo Central (% PIB) 20% 19,3% 19,7% 18% 16% 14,8% 15,9% 16,8% 17,0%

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública Vítor Gaspar Lisboa, 24 de outubro 2012 Figura 1. Progressos significativos nos mercados de financiamento Taxas de juro das Obrigações do Tesouro

Leia mais

OVERVIEW DE MERCADOS 2017

OVERVIEW DE MERCADOS 2017 OVERVIEW DE MERCADOS 2017 Dezembro 2016 DISCLAIMER As opiniões expressas são da inteira responsabilidade dos seus autores, refletindo apenas os seus pontos de vista e podendo não coincidir com a posição

Leia mais

Cenário Econômico para Dezembro / Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Cenário Econômico para Dezembro / Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico para 2010 Dezembro / 2009 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 O Crescimento do PIB em 2009 2 PIB no 3º Tri/2009 : Crescimento trimestral de 1,3% O PIB do 3º Tri/09 registrou

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais

Brasil negativado, Brasil invertebrado

Brasil negativado, Brasil invertebrado Brasil negativado, Brasil invertebrado Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia UFRJ 1 Sumário I. Desenvolvimento econômico 1. Renda 2. Investimento 3. Inflação 4. Contas externas 5.

Leia mais

12 Flutuações de Curto Prazo

12 Flutuações de Curto Prazo 12 Flutuações de Curto Prazo Flutuações Econômicas de Curto Prazo A atividade econômica flutua de ano para ano. Em quase todos os anos, a produção aumenta. Nem toda flutuação é causada por variação da

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais