Um framework baseado em componentes para o domínio de adaptação de conteúdo na Internet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um framework baseado em componentes para o domínio de adaptação de conteúdo na Internet"

Transcrição

1 Um framework baseado em componentes para o domínio de adaptação de conteúdo na Internet Renato A. T. Claudino 1, Wanderley L. de Souza, Antonio F. do Prado Departamento de Computação Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Caixa Postal São Carlos, SP {renato, desouza, Abstract. In the last few years it has become more common to have small mobile devices accessing the Internet by means of wireless access networks. In this new context one major challenge is the content adaptation to these devices. These adaptations aim to satisfy the devices capabilities and users preferences, and to optimize the use of the wireless access networks. In this sense this paper presents a framework, based on the reuse of components, for the development of applications that deal with Internet content adaptations. Keywords: content adaptation, components reuse; adaptation policy. Resumo. Nos últimos anos tornou-se mais comum o acesso de pequenos dispositivos móveis a Internet via redes de acesso sem fio. Neste novo contexto um grande desafio é a adaptação de conteúdo para tais dispositivos. Essas adaptações buscam satisfazer as capacidades dos dispositivos, as preferências dos usuários e otimizar o uso das redes de acesso sem fio. Neste sentido este artigo apresenta um framework, baseado no reuso de componentes, para o desenvolvimento de aplicações que lidam com adaptações de conteúdo na Internet. Palavras-chave: adaptação de conteúdo; reuso de componentes; política de adaptação. 1. Introdução O termo adaptação de conteúdo refere-se à modificação da representação de objetos ou conteúdos da Internet, buscando encontrar uma versão ideal desses conteúdos [Buchholz 2003]. Os trabalhos nessa área de adaptação cresceram bastante nos últimos anos, visto que a quantidade de conteúdo disponível na Internet aumentou significativamente. Essa adaptação pode ser realizada sobre diferentes tipos de conteúdos, assim como: páginas de marcação, e.g. HTML (HyperText Markup Language), XML (extensible Markup Language) ou WML (Wireless Markup Language); imagens, e.g. JPEG (Joint Photographic Experts Group), GIF (Graphic Image Format) ou WBMP 1 Bolsista CAPES

2 (Wireless BitMaP); vídeo sob-demanda e arquivos de vídeo, e.g. MPEG (Moving Picture Experts Group), AVI (Audio Video Interleave) ou Quicktime; aplicações (arquivos executáveis); ou ; A preocupação com a adaptação de diferentes conteúdos foi reforçada devido à disseminação do acesso à Internet. Com a difusão dos computadores pessoais, os conteúdos da Internet passaram a ser acessados por milhares de usuários. Estes geralmente possuem diferenças em relação a: classe social e financeira, profissão, idade, localização geográfica, idioma e preferências pessoais, entre outros. Nesse ambiente heterogêneo, as adaptações visam obter um maior nível de satisfação de cada usuário, atendendo seus interesses pessoais e suas necessidades. Outro fator que incentivou a realização dessas adaptações foi o desenvolvimento de novas tecnologias de redes de acesso à Internet. Algumas destas possuem grande largura de banda (e.g. conexão a cabo, Asymmetric Digital Subscriber Line ADSL e conexão a rádio), outras possuem baixa largura de banda (e.g. via linha telefônica comum), além das tecnologias com largura de banda variável (e.g. rede local sem fio, chamada de Wireless Local Access Network ou WLAN). O desenvolvimento de variados dispositivos com acesso à Internet, como PDAs (Personal Digital Assistent), telefones celulares, palmtop e laptop, consolidou a necessidade de adaptar os conteúdos da Internet. Esses dispositivos geralmente possuem características próprias como tamanho de tela, memória, processamento e aplicativos. Partindo desse contexto, os trabalhos nessa área buscam desenvolver uma estrutura que viabilize a realização dos serviços de adaptação. Buscando uma solução, foram criadas as redes de serviços que constituem uma nova camada na infra-estrutura da Internet. Essas redes descrevem mecanismos para interceptar a entrega de conteúdo e executar sobre este os serviços de adaptação. As redes de serviços são principalmente representadas pelo modelo OPES (Open Pluggable Edge Services) [Tommlinson 2001]. Um aspecto essencial na realização desses serviços é a definição de uma política de adaptação, que decide qual a melhor adaptação a ser realizada sobre o conteúdo, quando e para quem solicitá-la. Caso seja necessário realizar mais de uma adaptação, essa política define ainda a ordem de execução das adaptações. Entretanto para desempenhar essa política, devem ser consideradas informações sobre o usuário, o dispositivo do usuário, o conteúdo, a rede de acesso e o contrato de serviços. Assim, motivados em pesquisar soluções para os problemas de adaptação, este artigo apresenta um framework baseado em componentes que fornece uma infraestrutura flexível para o desenvolvimento de aplicações que prestam serviços de adaptação de conteúdo. O framework define uma política geral de adaptação que pode ser empregada, através da reutilização de componentes de software, pelas diferentes aplicações do domínio de adaptação de conteúdo na Internet. A seqüência deste artigo está estruturada como segue: a seção 2 discute a adaptação de conteúdo na Internet, suas principais aplicações e a política de adaptação; na seção 3 é apresentado o framework proposto; a seção 4 descreve uma experiência de reuso do framework, considerando uma política de adaptação, os protocolos abordados, além de mostrar uma avaliação de desempenho dessa reutilização; na seção 5 são discutidos os trabalhos correlatos; e finalmente na seção 6 apresentam-se as conclusões deste artigo.

3 2. Adaptação de Conteúdo na Internet No final do século passado houve um grande crescimento no número de usuários da Internet, provocando o aumento do fluxo de dados transmitidos nessa rede. Esse cenário implicou no congestionamento da Internet e no aparecimento de seus quatro pontos críticos [Akamai 2000]. Para minimizar esse problema desenvolveram-se as redes de conteúdo, que aproximam o conteúdo ao usuário através dos dispositivos de borda, evitando assim os gargalos da rede entre o usuário e o servidor de conteúdo [Vakali 2003]. No entanto, com a grande diversidade dos quatro elementos da Internet (conteúdo, usuário, redes de acesso e dispositivo), gerou-se a necessidade de adaptar on the fly os diversos conteúdos da Internet, visando satisfazer aos usuários, atender às capacidades de seus dispositivos e aperfeiçoar o uso dos recursos das redes de acesso. Dessa maneira foram criadas as redes de serviços, nas quais a função de adaptar os conteúdos é distribuída a servidores remotos, os módulos de serviços de conteúdo. As redes de serviços oferecem um mecanismo de direcionamento do conteúdo a esses módulos, que modificam o conteúdo segundo as adaptações solicitadas Aplicações de Adaptação de Conteúdo Dentre as aplicações de adaptação de conteúdo na Internet [Beck 2000 e McHenry 2001], que determinaram os requisitos do domínio do framework proposto, destacam-se: Escaneamento de vírus: capacidade de desempenhar dinamicamente a busca por vírus sobre o conteúdo requisitado antes de entregá-lo ao usuário. Com esse serviço o usuário acessa os conteúdos da Internet sem receber um conteúdo infectado. Inserção de propaganda: adiciona informações publicitárias num conteúdo (e.g. páginas Web) baseado nos interesses do usuário ou na sua localização geográfica. Essa adaptação permite, por exemplo, que as propagandas originais das páginas Web sejam substituídas por outras regionais ou focadas no perfil do usuário. Tradução de linguagens markup: permite aos dispositivos que não suportam páginas HTML, e.g. certos telefones celulares, receberem essas páginas em outro formato (e.g. WML). Esse serviço além de disponibilizar um número maior de conteúdo para dispositivos limitados, alivia o trabalho que o servidor de origem teria para desenvolver duas apresentações de um mesmo conteúdo. Compressão de dados: permite ao servidor de origem enviar seus conteúdos compactados para que o dispositivo de borda o descompacte, economizando a largura de banda utilizada nessa comunicação. Filtragem de conteúdo: capacidade de redirecionar uma requisição não autorizada ou bloquear uma resposta também não permitida. Esse serviço permite, por exemplo, aos pais controlarem o acesso de seus filhos a conteúdos impróprios. Transcodificação de imagens: trata-se da capacidade de manipular os arquivos de imagem, assim como: transformar seu formato; reduzir seu tamanho, resolução e sua escala de cores; ou remover imagens de uma página Web. Tradução de idiomas: traduz uma página Web de um idioma para outro, por exemplo, de português para chinês. Pode ser útil quando o servidor de origem não contiver todas as traduções necessárias para entregar um mesmo conteúdo em múltiplos idiomas.

4 2.2. Política de Adaptação Outro requisito importante a ser atendido pelo framework relaciona-se com a política de adaptação. A política de adaptação define: os serviços de adaptação que serão executados; os adaptadores locais ou remotos que realizarão essas adaptações; quando as adaptações serão solicitadas; e a ordem de suas execuções. Para que essas decisões sejam tomadas com eficiência é necessário conhecer as informações relativas ao ambiente de adaptação, assim como: preferências e dados pessoais dos usuários; características e capacidades de seus dispositivos; características dos conteúdos requisitados; condições da rede de acesso; e contrato de serviços entre o usuário e o provedor de serviços [Souza 2002]. Essas informações podem ser classificadas como dinâmica ou estática. As informações dinâmicas são coletadas do ambiente a cada processo da política de adaptação, pois sofrem alterações periodicamente, assim como as informações da rede de acesso e do conteúdo. As informações estáticas são adicionadas no momento da conexão do usuário e não são obrigatoriamente atualizadas a toda requisição/reposta de conteúdo. As informações estáticas são relativas ao usuário, dispositivo e contrato de serviços, sendo que um meio de disponibilizá-las é através de perfis. O perfil de usuário contém informações pessoais do usuário e suas preferências de adaptação. Com base nesse perfil, o processo de adaptação é direcionado para que seu resultado esteja em conformidade com as predileções do usuário. Uma vez que os usuários podem requerer diferentes serviços para um mesmo conteúdo, adaptações que não se baseiam em suas preferências podem ser inconvenientes ou indesejadas. No perfil de dispositivo estão contidas características e capacidades de hardware (e.g., dimensões de tela e memória) e software (e.g., sistema operacional e browser) do dispositivo. O conhecimento das capacidades de um dispositivo é fundamental para o processo de adaptação, que considera as limitações de cada dispositivo. No perfil de contrato de serviços constam os serviços, oferecidos pelo provedor de serviços, que o usuário pode utilizar. O provedor de serviços disponibiliza diversos planos de serviços, buscando atingir as necessidades do usuário. Um serviço pode ser vetado ao usuário, caso esse serviço não esteja contido no perfil de contrato de serviços. Dentre as informações dinâmicas utilizadas, sobre conteúdo pode-se analisar o tipo desse conteúdo, formato e dimensão de uma imagem, idioma de uma página Web, tamanho em bytes e origem do conteúdo, entre outros. Essas informações podem ser encontradas no cabeçalho de resposta do protocolo ou nos metadados do conteúdo. Finalmente, têm-se as informações relativas às características da rede de acesso, determinando a largura de banda, o tempo de resposta e o tráfego da rede, entre outros. Essas informações são analisadas para otimizar o uso dos recursos dessa rede, por exemplo, evitando que ocorra uma alta taxa de erros nas transmissões de vídeo. Além disso, como nem todo conteúdo requisitado deve sofrer as adaptações de conteúdo oferecidas pelo provedor de serviços, é necessário um mecanismo que invoque serviços de adaptação somente se certas condições forem satisfeitas. Para guiar esse processo de tomada de decisão, utilizando os perfis e as informações citadas acima, a política de adaptação deve considerar as regras de adaptação. Essas regras indicam as condições que devem ser atendidas para que determinada adaptação seja realizada. Sendo que essas condições devem ser

5 condizentes ao usuário, dispositivo, contrato de serviços, rede de acesso ou ao conteúdo. O grupo de trabalho OPES WG desenvolveu duas linguagens para especificar as regras de adaptação: IRML (Intermediary Rule Markup Language) e P. IRML foi designada para oferecer uma simples e eficiente maneira de expressar uma política de execução de serviços. Essa linguagem, baseada em XML, foi criada para refletir os interesses dos dois pontos finais de uma transação de conteúdo: servidor de origem e usuário [Hoffman 2001]. Enquanto que a linguagem P é interpretada e suas características são parecidas com Smalltalk e C++. Essa linguagem oferece os seguintes fatores: exatidão, flexibilidade, eficiência, simplicidade, segurança e rigidez [Beck 2003]. Conforme descrito nesta seção existem vários aspectos a serem considerados quando se pretende oferecer os serviços de adaptação de conteúdo. Com o surgimento das redes de serviços, um aspecto importante do problema é o que trata da distribuição dos serviços de adaptação para servidores dedicados, de forma a não sobrecarregar o dispositivo de borda. Com foco voltado para atender os requisitos apresentados foi construído um framework, conforme se apresenta a seguir. 3. Framework para Adaptação de Conteúdo na Internet A Figura 1 apresenta uma visão geral do framework, denominado FACI (Framework para Adaptação de Conteúdo na Internet), desenvolvido neste trabalho. O framework baseia-se nas idéias das redes de serviços, sendo constituído de dois pacotes principais: Adaptation Proxy, que desempenha o papel do dispositivo de borda; e Adaptation Server, que desempenha o papel do módulo de serviços de adaptação. Os atores, usuário da Internet (User) e servidor de origem (Origin Server), interagem com o Adaptation Proxy, através das requisições de conteúdo e suas respostas. O Adaptation Proxy oferece recursos para analisar essas requisições e respostas, baseado em uma política de adaptação, e utiliza os serviços disponíveis no Adaptation Server para adaptar o conteúdo transmitido Adaptation Proxy Figura 1. Visão geral do FACI A Figura 2 apresenta os componentes do pacote Adaptation Proxy. O componente Content Transfer Protocol é responsável pela comunicação com o usuário e com o servidor de origem, sendo genérico para suportar os protocolos de aplicação utilizados na Internet para transmissão de conteúdo. Dentre os principais protocolos de aplicação citamse: HTTP (HyperText Transfer Protocol), RTP (Real-time Transport Protocol), SOAP (Simple Object Access Protocol) e FTP (File Transfer Protocol). O Adaptation Proxy solicita as adaptações a um Adaptation Server através de protocolos que fazem a comunicação entre o dispositivo de borda e o módulo de serviços. Assim, foi definido o componente Callout Protocol Client, que realiza a chamada remota de adaptação. Esse componente suporta diferentes protocolos, assim como os protocolos criados especificamente para essa comunicação: ICAP (Internet Content Adaptation Protocol) [Elson 2003] e OCP (OPES Callout Protocol) [Rousskov 2005].

6 Outro componente é o Cache, que foi construído visando melhorar o desempenho do FACI. Esse componente armazena temporariamente os conteúdos requisitados da Internet, assim como páginas Web, vídeos ou imagens. Antes de solicitar um conteúdo ao servidor de origem, o Adaptation Proxy verifica se o mesmo está em Cache. Caso positivo, o FACI evita uma requisição ao servidor de origem e o conteúdo é entregue mais rapidamente ao usuário. Apesar de utilizar os módulos de serviços de adaptação, o FACI oferece recursos para realizar as adaptações de conteúdo no próprio dispositivo de borda, através do componente Local Adapter. Esse componente utiliza os recursos do próprio dispositivo de borda, portanto a utilização em grande escala do mesmo pode afetar o desempenho do Adaptation Proxy, retardando a entrega do conteúdo. Figura 2. Componentes do Adaptation Proxy O componente Proxy Manager gerencia o fluxo de dados do Adaptation Proxy. Através do Content Transfer Protocol, esse componente realiza a troca de mensagens com o usuário e com o servidor de origem. De posse do conteúdo, seja proveniente do usuário ou do servidor de origem, o Proxy Manager requisita uma análise de adaptação ao componente Adaptation Decision. E, caso alguma adaptação seja necessária, o Proxy Manager invoca esse serviço remotamente através do componente Callout Protocol Client ou localmente através do componente Local Adapter. Além disso, antes da requisição de conteúdo, o Proxy Manager verifica se esse conteúdo está presente no Cache, visando eliminar requisições desnecessárias. Um importante requisito da adaptação de conteúdo é a definição da política de adaptação. No FACI, esta é orientada por regras de adaptação e baseada nas informações do usuário, dispositivo, rede de acesso, conteúdo e contrato de serviços. A política de adaptação do FACI é implementada através dos componentes Adaptation Decision, Profile Loader, Adaptation Rules Updater e Network Data Coletor.

7 O componente Profile Loader busca os perfis de usuário, de dispositivo e de contrato de serviços que estão armazenados na base de dados ProfilesDB. Esses perfis viabilizam ao framework satisfazer as preferências e os interesses dos usuários, além de atender às capacidades e limitações dos dispositivos e determinar quais os serviços que o usuário está habilitado a receber. Para inserir os perfis de usuário e de dispositivo na base ProfilesDB, deve ser disponibilizada uma interface ao usuário da Internet. Essa interface pode ser uma página Web que contenha um formulário, onde os perfis são preenchidos em campos pré-estabelecidos. Já o perfil de contrato de serviços é inserido pelo administrador do sistema, também através de uma interface. O componente Network Data Coletor monitora as informações da rede de acesso. A cada alteração dessa rede, esse componente aciona o Adaptation Decision, indicando a característica que sofreu modificação e o seu valor atualizado. O controle da política de adaptação do framework é realizado pelo componente Adaptation Decision. Esse componente recebe as alterações da rede de acesso através do componente Network Data Coletor e o conteúdo a ser analisado através do componente Proxy Manager. Além disso, esse componente busca os perfis de usuário, dispositivo e de contrato de serviços na base de perfis através do componente Profile Loader. De posse dessas informações, o Adaptation Decision utiliza as regras de adaptação para decidir quais adaptações deverão ser executadas, qual servidor (seja local ou remoto) que realizará cada adaptação e, caso necessite-se desempenhar múltiplas adaptações, qual a ordem de execução dessas adaptações. Para assegurar que regras desatualizadas ou inválidas não sejam processadas, o Adaptation Rules Updater insere, remove e modifica as regras de adaptação implementadas no Adaptation Decision. A atualização dessas regras é efetuada pelo ator Rules Author através de uma interface oferecida pelo Adaptation Rules Updater Adaptation Server Esse pacote do FACI é responsável pelas adaptações de conteúdo solicitadas pelo Adaptation Proxy. Considerando que os servidores de adaptação podem realizar diferentes tipos de serviços, cada Adaptation Server poderá ter uma estrutura diferente. Assim, baseado nas idéias de componentes de software, foi definida uma estrutura genérica para os diversos Adaptation Servers, composta dos componentes apresentados na Figura 3. Figura 3. Componentes do Adaptation Server O componente Callout Protocol Server trata da comunicação com o Adaptation Proxy. Esse componente também suporta diferentes protocolos como ICAP e OCP. Esse componente recebe e analisa a solicitação de adaptação do Callout Protocol Client,

8 obtendo a ação a ser realizada e os respectivos parâmetros. A partir desses dados o Callout Protocol Server invoca a adaptação solicitada ao componente Remote Adapter. O Remote Adapter é responsável pela execução das adaptações de conteúdo. A estrutura interna desse componente suporta variações conforme o tipo de adaptação oferecido pelo Adaptation Server. Um exemplo de modelagem desse componente pode ser encontrado em [Forte 2004]. O Remote Adapter realiza as mesmas funções do Local Adapter, porém não utiliza os recursos de processamento do Adaptation Proxy. A decisão de adaptar o conteúdo localmente ou remotamente, deve considerar o tempo gasto com o Callout Protocol em relação ao tempo gasto com a adaptação do conteúdo. Quanto menor essa relação, mais favorável será a adaptação remota Funcionamento do FACI Seguindo as definições de [Elson 2003], o FACI foi construído para suportar dois modos de operação: modificação da requisição (reqmod) e modificação da resposta (respmod). No reqmod a adaptação é executada sobre a requisição que o usuário envia ao servidor de origem. Já o respmod visa o processamento das respostas de conteúdos provenientes dos servidores espalhados pela Internet antes de entregá-las ao usuário. Durante o fluxo de requisições e respostas dos conteúdos, existem quatro pontos onde a política de adaptação pode ser processada, conforme mostra a Figura 4 [Babir 2004]. Nos pontos 1 e 2 a política é processada sobre a requisição do usuário, respectivamente, antes ou após a busca do conteúdo em Cache. Nos pontos 3 e 4, executa-se a política sobre a resposta do servidor de origem, respectivamente, antes ou após seu armazenamento em Cache. Figura 4. Pontos de processamento da política de adaptação O componente Adaptation Decision exporta em sua interface o método policy.request, que tem um parâmetro que indica o ponto de processamento da análise de adaptação. A Figura 5 mostra um modelo de seqüência do caso de uso que realiza uma adaptação da resposta do servidor de origem (respmod). Nesse modelo o Proxy Manager solicita ao Content Transfer Protocol, através do método ctp.receiverequest, que aguarde uma requisição do usuário (User). Quando essa requisição é realizada, o Proxy Manager solicita um processamento da política de adaptação (policy.request) ao Adaptation Decision, enviando os identificadores do usuário, de seu dispositivo e de sua rede de acesso, além de fornecer o conteúdo, que nesse caso é a requisição do usuário. Baseado nesses dados o Adaptation Decision busca os perfis (profile.find) e determina se será realizado um serviço de adaptação. No caso mostrado na Figura 5, não existe essa necessidade. Dessa forma o Proxy Manager verifica, sem sucesso se o conteúdo original está armazenado em Cache (cache.search). Após essa busca em Cache, é solicitada outra análise de adaptação (ponto 2). Uma vez que não foi necessário adaptar a requisição do usuário, o conteúdo é solicitado do servidor de origem através de ctp.sendrequest e sua resposta é coletada através de ctp.receiveresponse. Em seguida o Proxy Manager solicita uma análise de adaptação referente ao ponto 3 de processamento. Nesse caso Adaptation Decision retorna

9 a necessidade de executar uma adaptação remota. Então o Proxy Manager solicita essa adaptação ao componente Callout Protocol Client (cpc.invoke), indicando o endereço (url) do servidor de adaptação, a ação a ser executada (action) e os parâmetros dessa ação (parameters), além do próprio conteúdo (content). O conteúdo adaptado é armazenado pelo Proxy Manager em Cache (cache.write). Em seguida o mesmo solicita outra análise de adaptação (policy.request - ponto 4), que nesse caso não retorna uma adaptação a ser realizada. Finalmente o conteúdo adaptado é retornado ao usuário (ctp.sendresponse). Figura 5. Modelo de seqüência do Adaptation Proxy na adaptação respmod. No modelo de seqüência da Figura 6 o Adaptation Proxy solicita um serviço (servicerequest) ao componente Callout Protocol Server, que recebe a solicitação através do método calloutprotocol.receive, juntamente com o cabeçalho desse protocolo e o conteúdo a ser adaptado. Esse componente analisa o cabeçalho do protocolo, extraindo deste a ação a ser executada e seus parâmetros. Assim o Callout Protocol Server invoca, através do método service.invoke, a adaptação ao componente Remote Adapter, que por sua vez realiza a adaptação de conteúdo solicitada (adaptcontent). Em seguida o conteúdo adaptado é encapsulado numa mensagem de resposta e retornado ao Adaptation Proxy através do método calloutprotocol.send.

10 Figura 6. Modelo de seqüência de uma adaptação no Adaptation Server 4. Reutilização do FACI O FACI foi desenvolvido com o objetivo de fornecer uma estrutura básica para o desenvolvimento das aplicações de adaptação de conteúdo na Internet através do reuso de seus componentes. Esta seção apresenta uma experiência de reutilização do framework proposto, representada no modelo de componentes da Figura 7. Nesse modelo têm-se os componentes que foram reutilizados do FACI através da instanciação direta: Local Adapter, Remote Adapter, Proxy Manager, Cache, Adaptation Rules Updater, Network Data Coletor e Profile Loader. Uma vez que a implementação da política de adaptação é a principal dificuldade encontrada nos sistemas de adaptação, o FACI define que essa política deve considerar as regras de adaptação e as informações relativas ao ambiente de adaptação. Contudo, existem diversas formas de realizar esse processo de decisão, inclusive através da implementação de um algoritmo em linguagem procedimental. Assim, para atender este requisito específico da aplicação alguns componentes foram adicionados e outros modificados, conforme descrito a seguir Inserção de um mecanismo de inferência A decisão da política de adaptação do FACI é de responsabilidade do componente Adaptation Decision. Nessa experiência este foi adaptado para trabalhar integrado com um mecanismo de inferência que, baseado nas regras de adaptação e nas informações do ambiente, define quais os serviços de adaptação devem ser realizados. O Adaptation Decision define apenas a ordem de execução desses serviços, caso existam múltiplas adaptações, e determina o adaptador (local ou remoto) que realizará essas adaptações. Nessa reutilização do FACI, o mecanismo de inferência foi introduzido através de uma base de conhecimento (Knowledge Base KB), implementada em linguagem Prolog. Esse mecanismo fornece uma maior flexibilidade à política de adaptação do framework e uma inteligência no processo de tomada de decisão.

11 Além da base de conhecimento, para o funcionamento desse mecanismo, foram adicionados dois novos componentes: KB Manager e Sql2Prolog. O KB Manager gerencia o funcionamento da base de conhecimento, realizando as seguintes funções: recebe do componente Adaptation Rules Updater as atualizações das regras de adaptação, convertendo-as para a linguagem Prolog e inserindo-as na KB; recebe do componente Network Coletor Data as modificações do estado corrente da rede de acesso, inserindo-as na KB; e quando solicitado pelo Adaptation Decision faz uma consulta de adaptação à KB, informando o usuário, dispositivo, conteúdo e rede de acesso que devem ser considerados. Para responder a esta consulta, a KB utiliza os perfis de usuário, dispositivo e de contrato de serviços, além das informações sobre a rede de acesso e o conteúdo. Considerando que a KB está implementada em Prolog e que os perfis estão na base ProfilesDB, o qual utiliza a linguagem de consulta SQL, existe uma incompatibilidade entre essas bases. Dessa forma foi desenvolvido o componente Sql2Prolog, que viabiliza a troca de informações entre essas bases através de uma interface, permitindo à KB receber e analisar os perfis armazenados na base de dados. Figura 7. Reutilização do FACI 4.2. Reuso adaptado dos componentes Content Transfer Protocol, Callout Protocol Client e Callout Protocol Server Nessa experiência de reutilização do FACI, três componentes foram adaptados com implementações específicas de suas interfaces, caracterizando o reuso através de especialização. Assim o componente Content Transfer Protocol foi especializado para efetuar a transmissão das requisições e respostas de conteúdo através do HTTP. Esse protocolo é bastante utilizado na Internet para transmissão de páginas Web, imagens, arquivos de vídeos, páginas dinâmicas ou aplicações. O HTTP é constituído por dois

12 campos, o cabeçalho e a carga útil (conteúdo). O componente modificado contém um parser HTTP, que identifica as ações semânticas desse protocolo. Os componentes Callout Protocol Client e Callout Protocol Server foram especializados para viabilizar a comunicação entre o dispositivo de borda e o servidor de adaptação através do ICAP. Este é um protocolo leve com cabeçalhos de requisição e de resposta similares aos cabeçalhos HTTP. Numa mensagem ICAP são encapsuladas o conteúdo e as mensagens HTTP trocadas entre o usuário e o servidor de origem. Ao receber uma solicitação de serviço, o componente Callout Protocol Client encapsula as ações, seus parâmetros e o conteúdo numa mensagem ICAP de requisição e a envia ao Callout Protocol Server. Este faz uma análise semântica dessa mensagem, retirando as informações necessárias e invoca o serviço solicitado ao Remote Adapter. O conteúdo, após ser adaptado, é encapsulado pelo Callout Protocol Server numa mensagem ICAP de resposta e retornado ao Adaptation Proxy Funcionamento da política de adaptação Com a inserção de novos componentes nessa experiência de reuso do FACI, o funcionamento da sua política de adaptação sofreu alterações, uma vez que em seu processo de análise foi inserido um mecanismo de inferência. Assim o Adaptation Decision foi alterado e a análise de adaptação foi atribuída à base de conhecimento. A nova interação entre os componentes dessa política é descrita no modelo de seqüência ilustrado na Figura 8. Figura 8. Requisição da análise de adaptação Nesse modelo o Proxy Manager continua solicitando a análise de adaptação através do método policy.request, pertencente ao componente Adaptation Decision. No entanto, esse componente solicita ao KB Manager, através do método analyse, a decisão sobre quais as adaptações que deverão ser efetuadas. Em seguida, o KB Manager busca na base de conhecimento (KB) quais as adaptações são necessárias. Nessa consulta, o KB Manager envia, por parâmetro, informações sobre a rede de acesso e sobre o conteúdo, além dos identificadores de usuário e dispositivo. A partir destes, a KB

13 consulta os perfis de usuário, dispositivo e contrato de serviços usando o método sql_query do componente Sql2Prolog. Este por sua vez solicita a consulta ao Profile Loader através de profile.find, transformando os dados da consulta SQL na linguagem Prolog de forma que a base de conhecimento possa manipulá-los. Após realizar a análise de adaptação, a KB envia o seu resultado ao KB Manager, que retorna as adaptações necessárias ao Adaptation Decision. Este por sua vez finaliza a análise de adaptação retornando as adaptações necessárias ao Proxy Manager Avaliação de desempenho do reuso proposto A avaliação de desempenho é uma questão importante a ser considerada quando são oferecidos serviços de adaptação, pois a execução destes tende a elevar o tempo de entrega do conteúdo. Como o FACI visa, dentre outros propósitos, a satisfação do usuário, essa entrega não deve ser demorada. Dessa forma esse framework se preocupa em oferecer seus serviços sem degradar o desempenho da infra-estrutura da Internet. Além disso, visto que o FACI define uma política de adaptação, esta deve ocupar pouco tempo de sua execução. Assim a avaliação desse reuso visa aferir o tempo consumido na adaptação de conteúdo e na política de adaptação, compreendendo o mecanismo de inferência adicionado. A avaliação de desempenho desse reuso foi efetuada numa rede formada por cinco computadores: o Adaptation Proxy, três Adaptation Servers e o User. Os Origin Servers foram acessados diretamente da Internet. A implementação do Adaptation Proxy baseou-se em [Proxy Shweby]. O servidores de adaptação implementados nessa avaliação foram os seguintes: Virus Scan (VS), Content Filter (CF) e Image Adapter (IA). Os servidores VS e IA basearam-se em [ICAP Server], enquanto o servidor CF foi desenvolvido em outro trabalho deste grupo de pesquisa [Forte 2004]. Para avaliar o desempenho dos componentes desse reuso, definiram-se certos pontos que medem os tempos gastos num fluxo de requisição e resposta de conteúdo. A Figura 9 apresenta esses pontos que fornecem os seguintes tempos: T(Origin Server), que representa o tempo da resposta do servidor de origem; T(Analysis), referente ao tempo gasto no processo da política de adaptação; T(Adaptation), que mede o tempo gasto pelo protocolo ICAP e pelas adaptações do conteúdo; e T(Delivery), que representa o tempo de entrega do conteúdo ao usuário após todas as adaptações. Figura 9. Tempos definidos para a avaliação do reuso do FACI A partir das definições desses tempos, é possível examinar o overhead ocasionado pela política de adaptação e pelas adaptações de conteúdo, respectivamente, através dos tempos T(Analysis) e T(Adaptation). Para efetuar essa avaliação, foram executadas 1000 requisições da página Através dos Adaptation Servers implementados, essa página Web sofreu 5 testes diferentes de adaptações: sem adaptação (NA); utilizando separadamente os três Adaptation Servers (CF, VS e IA); e combinando esses três servidores (CF+VS+IA). A Figura 10 apresenta a média dos

14 tempos T(Origin Server), T(Analysis), T(Adaptation) e T(Delivery) coletados nos testes realizados. Figura 10. Overheads do framework Nesses testes pode-se verificar que o maior atraso ocorreu na espera da resposta do servidor de origem e o tempo gasto no processo da política de adaptação foi semelhante em todas as adaptações testadas. Nos testes realizados sem a adaptação (NA), o tempo total da entrega do conteúdo teve média de 121 ms (milissegundos), sendo 103 ms referentes à resposta do servidor de origem, 17 ms referentes à política de adaptação e apenas 1 ms referente à entrega do conteúdo ao usuário. Dessa maneira, percebe-se que o atraso ocasionado pelo mecanismo de inferência (17 ms) é relativamente pequeno e satisfatório para a aplicação. Utilizando os servidores VS e IA, o tempo médio gasto nas adaptações de conteúdo foi de 5,3 ms e 2,5 ms respectivamente. Logo esses servidores se mostraram eficazes, provocando um atraso pouco significativo na entrega do conteúdo. Somente o servidor CF ocasionou um atraso relevante de 40 ms. 5. Trabalhos Correlatos Em meados da década de 90, com a proliferação do uso da Internet, os trabalhos dessa área se preocupavam em entregar conteúdos adaptados a seus usuários. Inicialmente as adaptações de conteúdo foram realizadas no próprio dispositivo de borda [Smith 1998 e Bharadvaj 1998]. A desvantagem agravante dessa técnica vem do acúmulo das adaptações de conteúdo que podem sobrecarregar o dispositivo de borda. A partir da elaboração do modelo de redes OPES, onde as adaptações são distribuídas a servidores dedicados, tornou-se viável a construção de uma única arquitetura que oferecesse vários tipos de adaptação. No entanto, para que essa arquitetura não realize todas as adaptações oferecidas, deve-se oferecer a política de adaptação [Babir 2004]. Em [Beck 2001] é apresentado uma arquitetura para realização dos serviços de adaptação que contém mecanismo de tomada de decisões baseado num conjunto de condições. Essas condições e as ações relacionadas constituem as regras de adaptação, que nesse trabalho foram especificadas através de IRML. Porém, essas condições das regras eram limitadas, pois não utilizavam as informações do ambiente de adaptação.

15 Já em [Ravindran 2002] é apresentado um framework para gerenciamento de personalização de serviços, sendo sua política de adaptação baseada numa combinação das preferências do usuário, das restrições do dispositivo e das características do conteúdo. Em [Marques 2004] foi apresentada uma arquitetura de adaptações direcionadas apenas a dispositivos móveis e que oferece adaptações de imagem, vídeo e compressão de textos. Nesse trabalho também foram utilizadas informações sobre a rede de acesso para tomar as decisões quanto a melhor adaptação. Diferentemente dos trabalhos relacionados, este artigo apresenta um framework baseado em componentes que oferece uma flexibilidade através da reutilização de seus componentes. Além disso, no framework é definida uma política de adaptação que se baseia nos perfis de usuário, de dispositivo e de contrato de serviços, além das informações sobre a rede de acesso e o conteúdo. 6. Considerações Finais e Trabalhos Futuros Este trabalho apresentou um framework baseado em componentes para o domínio de adaptação de conteúdo na Internet e uma experiência do seu reuso. Nessa experiência o framework foi instanciado para a utilização dos protocolos ICAP e HTTP, além de inserir um mecanismo de inferência na implementação da política de adaptação, baseado na linguagem Prolog. O uso desse mecanismo de inferência facilita a manutenção das regras de adaptação e oferece uma flexibilidade ao processo de decisão do framework. Neste trabalho também foi demonstrado que a inserção desse mecanismo satisfaz, em termos de desempenho, a entrega do conteúdo ao usuário. Espera-se com o reuso do framework em novas experiências, que seus componentes sejam refinados para atender um maior número de aplicações. Acredita-se que com uma maior generalização do framework seja possível definir padrões de software para o domínio de adaptação de conteúdo na Internet. Referências Babir, A. et al. (2004) Policy, Authorization, and Enforcement Requirements of the OPES. IETF Request for Comments Disponível em <www.ietf.org/rfc.html> Akamai White Paper (2000). Internet Bottlenecks: the case for Edge Delivery Services. Disponível em: <www1.cs.columbia.edu/~danr/6762/week1/akamaibottlenecks.pdf>. Beck, A.; Hofmann, M. (2000) Example Services for Network Edge Proxies. Internet Draft. <standards.nortelnetworks.com/opes/non-wg-doc/draft-beck-opes-esfnep- 01.txt> Beck, A.; Hofmann, M.; (2001). Enabling the Internet to deliver content-oriented services. Sixth Int. Workshop on Web Caching and Content Distribution, EUA. Beck, A.; Rousskov, A. (2003) P: Message Processing Language. IETF Internet Draft. Disponível em: <www.measurement-factory.com/tmp/opes/>.

16 Bharadvaj, H.; Joshi, A.; Auephanwiriyakul, S. (1998). An Active Transcoding Proxy to Support Mobile Web Access. IEEE Symposium on Reliable Distributed Systems, p Buchholz, S.; Schill, A (2003). Adaptation-aware web caching: Caching in the future pervasive web. <citeseer.ist.psu.edu/buchholz03adaptationaware.html>. Elson, J.; Cerpa, A. (2003) Internet Content Adaptation Protocol. IETF Request for Comments Disponível em: <www.ietf.org/rfc.html>. Forte, M.; Souza, W.; Prado, A. (2004). Servidor de classificação e filtragem de conteúdo com suporte ao protocolo ICAP. Workshop Coop. UFSCar - FSA em Ciência da Computação. Hofmann, M.; Beck, A. (2001) IRML: A Rule Specification Language for Intermediary Services. IETF Internet Draft. Disponível em: <standards.nortelnetworks.com/opes/ non-wg-doc/draft-beck-opes-irml-02.txt>. ICAP Server by Network Appliance. McHenry, S. et. al. (2001) OPES Use Cases and Deployment Scenarios. IETF Internet Draft. Disponível em: <standards.nortelnetworks.com/opes/non-wg.htm> Marques, M.; Loureiro, A.; (2004). Adaptation in mobile computing. 23o. Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores. Proxy Shweby. Ravindran, G.; Jaseemudin, M.; Rayhan, A.; (2002). A management framework for service personalization. IEEE Conf. on Management of Multimedia Networks and Services, EUA. Rousskov, A. (2005). OPES Callout Protocol (OCP) Core. IETF Request For Comments Disponível em: <www.ietf.org/rfc/rfc4037.txt> Smith, J.; Mohan, R.; Li, C. (1998). Content-based Transcoding of Images in the Internet. Anais da IEEE Int. Conference on Image Processing (ICIP), p Souza, W. et. al.; (2002). Adaptação de conteúdo baseada em perfis de dispositivo, conteúdo, usuário e serviço de rede. 20º Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores. vol. 2, p Tommlinson, G. et. al. (2001). A Model for Open Pluggable Edge Services. IETF Internet Draft, Work In Progress. Vakali, A.; Pallis, G. (2003). Content Delivery Networks: Status and Trends. IEEE Internet Computing, Vol. 7, No. 6, pp

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas

Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas (Policy-Based Networking) Ademir José de Carvalho Junior Recife, Fevereiro de 2007 Resumo: A complexidade das redes baseadas em IP atualmente segue crescendo

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO Existem várias maneiras com as quais dados geográficos podem ser distribuídos pela Internet, todas fundamentadas

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Transferindo a carga da autenticação remota dos servidores

Transferindo a carga da autenticação remota dos servidores Transferindo a carga da autenticação remota dos servidores Visão Geral Há três etapas usadas pela maioria dos computadores para proteger o acesso a operações, aplicativos e dados sensíveis: A identificação

Leia mais

3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT

3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT 3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT Este capítulo irá apresentar as propostas deste trabalho para que aplicações que utilizem CORBA como plataforma de comunicação possam atravessar firewalls/nat.

Leia mais

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos.

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos. Wireshark Lab: HTTP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Tendo molhado os nossos pés com o Wireshark no laboratório

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

01.00 CDNs Introdução

01.00 CDNs Introdução 01.00 CDNs Introdução Redes de Distribuição de Conteúdos Introdução A Web surgiu enquanto forma de partilha de conteúdos e serviços Aumento de utilizadores e conteúdos, aumenta a necessidade de largura

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus Java ME e suas principais tecnologias de conectividade Gracieli Begia Mateus Telefones Celulares no Mundo Fonte: UIT e Wireless Intelligence (Ovum/GSM Association) Posição do Brasil no Mundo Principais

Leia mais

Adaptação de conteúdo de mensagens HTTP baseada em perfis de dispositivo, conteúdo, usuário e serviço de rede

Adaptação de conteúdo de mensagens HTTP baseada em perfis de dispositivo, conteúdo, usuário e serviço de rede Adaptação de conteúdo de mensagens HTTP baseada em perfis de dispositivo, conteúdo, usuário e serviço de rede Wanderley Lopes de Souza 1, Gregor von Bochmann 2, Khalil El Khatib 2, Xiaoqing He 2 Grupo

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

NanoDataCenters. Aline Kaori Takechi 317055

NanoDataCenters. Aline Kaori Takechi 317055 NanoDataCenters Aline Kaori Takechi 317055 INTRODUÇÃO Introdução Projeto Europeu: NICTA National ICT Australia FP7 7th Framework Program Rede formada por Home Gateways Objetivo: distribuir conteúdo Dispositivos

Leia mais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Visão Geral Desafio Hoje, os aplicativos da web são um tremendo

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Desempenho de Web Servers

Desempenho de Web Servers Desempenho de Web Servers Web Servers no Modo Kernel X Web Servers no Modo Usuário Vandécia Rejane Fernandes Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Av. dos Portugueses s/n, Campus Universitário do Bacanga

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE TIPOS DE ALGORITMOS DE DISPATCHER PARA WEB CLUSTERS

UM ESTUDO SOBRE TIPOS DE ALGORITMOS DE DISPATCHER PARA WEB CLUSTERS REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 04, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br JXTA Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima Roteiro Motivação Introdução Arquitetura de JXTA Elementos de JXTA Os Protocolos Comparações e Desvantagens Conclusão Motivação Limitações do Modelo Cliente

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Engenharia de Software Aplicações de Internet

Engenharia de Software Aplicações de Internet Engenharia de Software Aplicações de Internet Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Histórico Por que existe a Internet? Por que existe

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Enfrente os atuais desafios de BYOD

Enfrente os atuais desafios de BYOD Folheto Enfrente os atuais desafios de BYOD HP Intelligent Management Center para BYOD Quem é você? Seu dispositivo está em conformidade? Atribuído para redes de aplicativos virtuais de identidade Usuário

Leia mais

Geração de Interfaces Adaptativas para Dispositivos Móveis

Geração de Interfaces Adaptativas para Dispositivos Móveis Geração de Interfaces Adaptativas para Dispositivos Móveis Giani Carla Ito 2, Nilson Sant anna 2, Maurício Ferreira 2, Douglas T. S. Finkler¹, André A. dos Santos¹, Marilson M. dos Santos¹ 1 Laboratório

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário 1.

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

2Arquitetura cliente-servidor

2Arquitetura cliente-servidor Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de aplicação Nossos objetivos: Conceitual, aspectos de implementação de protocolos de aplicação de redes Paradigma cliente-servidor Paradigma peer-to-peer

Leia mais

NEVA: Programa para aumento de performance de sites web usando o algoritmo de esteganografia

NEVA: Programa para aumento de performance de sites web usando o algoritmo de esteganografia NEVA: Programa para aumento de performance de sites web usando o algoritmo de esteganografia MÁRCIO PANTOJA LOBATO 1, PEDRO VICTOR PONTES PINHEIRO 1, ROBERTO YURI DA SILVA FRANCO 1, ALESSANDRA NATASHA

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

1º Seminário de Software Livre Tchelinux Software Livre: leve adiante esta idéia. Soluções de Web Caching e Web Acceleration

1º Seminário de Software Livre Tchelinux Software Livre: leve adiante esta idéia. Soluções de Web Caching e Web Acceleration 1º Seminário de Software Livre Tchelinux Software Livre: leve adiante esta idéia Soluções de Web Caching e Web Acceleration Domingos Parra Novo domingosnovo@terra.com.br Tópicos Introdução O que são web

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Técnico de Informática. Modulo II Segurança de Redes. Profª. Vanessa Rodrigues. Firewall

Técnico de Informática. Modulo II Segurança de Redes. Profª. Vanessa Rodrigues. Firewall Técnico de Informática Modulo II Segurança de Redes Profª. Vanessa Rodrigues Firewall Introdução Mesmo as pessoas menos familiarizadas com a tecnologia sabem que a internet não é um "território" livre

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos

Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos Ricardo Nabinger Sanchez Ciência da Computação - bolsista renovado Pibic/CNPq Luciano Paschoal Gaspary Orientador Universidade do Vale

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços

Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços Visão Geral Desafio Solução Uma implementação SOA (Service Oriented Architecture) bem-sucedida

Leia mais

Identificação de Dispositivos Móveis utilizando Repositório de Perfis

Identificação de Dispositivos Móveis utilizando Repositório de Perfis 19 a 21 de mar o de 2010 162 Identificação de Dispositivos Móveis utilizando Repositório de Perfis Giani Carla Ito Curso de Sistemas de Informação - Universidade Paranaense (UNIPAR) Rua Rui Barbosa, 611,

Leia mais

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Ivan Guilherme 1, Jonas Queiroz 1, Caio Marques 2 1 Universidade Estadual Paulista, IGCE, DEMAC, Caixa

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Internet. O que é a Internet?

Internet. O que é a Internet? O que é a Internet? É uma rede de redes de computadores, em escala mundial, que permite aos seus utilizadores partilharem e trocarem informação. A Internet surgiu em 1969 como uma rede de computadores

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB Deusa Cesconeti e Jean Eduardo Glazar Departamento de Ciência da Computação Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ {dcescone, jean}@fsjb.edu.br RESUMO

Leia mais

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos

CORBA Common Object Request Broker Architecture. Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos CORBA Common Object Request Broker Architecture Carolina de Oliveira Cunha Lenita Martins Ambrosio Victor da Fonseca Santos Introdução OMG (Object Management Group): uma organização formada por empresas

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Problema de resolução de endereço Mapeamento direto Associação dinâmica ARP

Leia mais

APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES.

APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES. APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES. Fredericko Xavier Gonçalves - fredericko.xg@hotmail.com Geshner Inagaki Martins

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome DNS Sistema de Nomes de Domínio O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome Camada de Aplicação DNS Telnet e SSH SNMP SMTP, POP e IMAP WWW FTP O espaço de nomes DNS Parte

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

Provedor de Digital Signage. Apresentação Comercial. contato@rj21.net www.rj21.net

Provedor de Digital Signage. Apresentação Comercial. contato@rj21.net www.rj21.net Apresentação Comercial contato@rj21.net www.rj21.net O que é Digital Signage? Uma mídia dinâmica e interativa Exibe mensagens digitais em pontos de venda, espaços públicos, transportes, TVs corporativas,

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais