DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. André Ricardo Hadlich, Msc. Eng

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. André Ricardo Hadlich, Msc. Eng"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL André Ricardo Hadlich, Msc. Eng

2 ENGENHARIA CIVIL E TRANSPORTES CONFEA Resolução N.º 218 (Art. 7.º) Art. 7º - Compete ao ENGENHEIRO CIVIL ou ao ENGENHEIRO DE FORTIFICAÇÃO e CONSTRUÇÃO: I - o desempenho das atividades 01 a 18 do artigo 1º desta Resolução, referentes a edificações, estradas, pistas de rolamentos e aeroportos; sistema de transportes, de abastecimento de água e de saneamento; portos, rios, canais, barragens e diques; drenagem e irrigação; pontes e grandes estruturas; seus serviços afins e correlatos.

3 TRANSPORTE

4 LOGÍSTICA A Logística é a área da gestão responsável por prover recursos, equipamentos e informações para execução de todas as atividades de uma empresa.

5 TRANSPORTE E LOGÍSTICA A Logística cresce em todos os ramos, está em voga. Antigamente, com a inflação, o que importava era o preço da produção. Agora, com preços estabilizados, as empresas procuram reduzir todos os custos para se manterem no mercado. O transporte é responsável por grande parte do custo dos produtos. É possível reduzir esse custo com o auxílio de sistemas de transportes integrados e lógicos.

6 PLANEJAMENTO EM TRANSPORTE E LOGÍSTICA

7 CASO DA PIZZA

8 CASO EXPORTAÇÃO GRÃOS x x 20t 40t 3 x 15 x t 60 vg 4.000t x t Logística reversa 40t

9 1. Histórico 2. Infraestrutura 3. Objetivo 4. Foco 5. Áreas de atuação 6. Projetos e Tecnologias desenvolvidas 7. Parceiros Nacionais e Internacionais 8. Aprendizados 9. Como ingressar no LabTrans? 10. Sites sobre transportes

10 1998 INÍCIO UFSC AMIR MATTAR VALENTE PROFESSOR FUNDADOR E COORDENADOR GERAL ATIVIDADES: ENSINO PESQUISA EXTENSÃO Map data Google

11 INFRAESTRUTURA FAPEU - UFSC Departamento de Engenharia Civil - UFSC SC 401 Corporate Park Parque Tecnológico Alfa Florianópolis

12 OBJETIVO DO LABTRANS Contribuir com a melhoria na qualidade de ensino da graduação, pós-graduação, pesquisa e extensão no setor de transportes da Universidade Federal de Santa Catarina, formando assim engenheiros aptos a executar trabalhos de alta complexidade e relevância técnica de acordo com as necessidades do mercado. Ensino Pesquisa OBJETIVOS Formação de Engenheiros para Setor de Transportes Extensão

13 FOCO ESTUDOS E PROJETOS: ÁREAS DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA RODOVIAS FERROVIAS HIDROVIAS PORTOS AEROPORTOS MEIO AMBIENTE PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL

14 ÁREAS DE ATUAÇÃO ENGENHARIA DE TRÁFEGO FRETES INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES MODAL FERROVIÁRIO MODAL HIDROVIÁRIO MODAL RODOVIÁRIO LOGÍSTICA PORTOS TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

15 ÁREAS DE ATUAÇÃO ENGENHARIA DE TRÁFEGO Microssimulador de Tráfego Melhoria da trafegabilidade e segurança da BR 101 Imagem da microssimulação de tráfego 3D - Via Expressa (BR 282) Trecho da rodovia em estudo na BR 101

16 ÁREAS DE ATUAÇÃO FRETES Sistema de Acompanhamento de Fretes Sistema de Previsão de Fretes Prevfretes Tela principal de consultas de fretes

17 ÁREAS DE ATUAÇÃO INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE Avaliação e Elaboração de Estratégias dos Projetos da Carteira IIRSA no Brasil Projeto Brasil Central Sistema de Informações para Planejamento SIG-PAC Restituidor as built Mapa Brasil Central

18 ÁREAS DE ATUAÇÃO LOGÍSTICA Simulador Logístico SISLOG Sistema de Análise Logística de Mercados SIAM Sistema de Informação Geográfica do Banco do Nordeste do Brasil SIGBNB Alocação direcionada, gerada através do SisLog Municípios que recebem combustível da base de Araucária Telas de cadastro do sistema

19 ÁREAS DE ATUAÇÃO MODALIDADE AÉREA Estudos para a Atualização do Plano Aeroviário do Paraná Planejamento Aeroviário SAC/PR Sistema de Gerenciamento de Informações de Aeroportos para a SAC/PR HÓRUS Hórus Módulo Gerencial HOTRAN Sistema estadual de aeroportos Infraestrutura atual - Aeroporto de Bonito

20 ÁREAS DE ATUAÇÃO MODALIDADE FERROVIÁRIA Sistema de Acompanhamento e Fiscalização de Transporte Ferroviário SAFF Apoio à fiscalização da infraestrutura e à apuração de acidentes graves no transporte ferroviário Módulos do SAFF Museu Ferroviário Nacional Revitalização do patrimônio histórico ferroviário Sistema de Custos Operacionais Ferroviários SICOF Tabela tarifária do SICOF

21 ÁREAS DE ATUAÇÃO MODALIDADE FERROVIÁRIA Projeto piloto do centro de supervisão das concessões ferroviárias Centro de Supervisão Simulação operacional de trens Projeto ANTT PIL Mapa da malha ferroviária brasileira com as ferrovias contidas no PIL Terminais Intermodais VALEC Exemplo de diagrama de desempenho do trem

22 ÁREAS DE ATUAÇÃO MODALIDADE HIDROVIÁRIA Transporte hidroviário na Baía de Babitonga Sistema de Informações do Transporte Aquaviário SINTAQ Sistema de Informações Geográficas do Transporte Aquaviário SIGTAQ Gráfico da movimentação de cargas Resultado de alocações de caminhos mínimos

23 ÁREAS DE ATUAÇÃO MODALIDADE HIDROVIÁRIA Desenvolvimento de estudos e análises das hidrovias brasileiras e suas instalações portuárias Levantamento das potencialidades das hidrovias do Estado do Paraná Localização de sete travessias do estado do Paraná

24 ÁREAS DE ATUAÇÃO MODALIDADE RODOVIÁRIA Sistema de Análise de Rede SAR Sistema de Pesagem em Movimento MS WIM Sistema Georreferenciado de Informações Viárias SGV Resultado de uma alocação de carga Variação do volume de tráfego de um trecho da malha rodoviária federal

25 ÁREAS DE ATUAÇÃO MODALIDADE RODOVIÁRIA Ações preventivas e corretivas de segurança rodoviária por meio de identificação de segmentos críticos Plano Nacional de Contagem de Tráfego Equipamento de contagem sendo instalado

26 ÁREAS DE ATUAÇÃO PORTOS Estudos de demanda do Porto de Itapoá Sistema de Informação Geográfica da SEP SIGSEP Plano de trabalho para operação do controle de acesso ao Porto de Vitória Janela de abertura do SIGSEP e janela de simulação logística WebPortos Ambiente Brasil do WebPortos

27 ÁREAS DE ATUAÇÃO PORTOS Elaboração de Planos Mestres Master Plans Plano Nacional de Logística Portuária PNLP Plano de Desenvolvimento e Zoneamento PDZ do Porto Organizado de Paranaguá Parametrização e sistematização de custos portuários Portos inseridos no Plano Mestre Portuário

28 ÁREAS DE ATUAÇÃO PORTOS Plano de Desenvolvimento e Zoneamento PDZ do Porto Organizado de Antonina Cadeia Logística Portuária Inteligente Mapa de zoneamento do Porto de Antonina Layout Cadeia Logística Portuária Inteligente

29 ÁREAS DE ATUAÇÃO PORTOS Anteprojetos de Arquitetura e Engenharia para a Cadeia Logística Portuária Sistema de Gerenciamento e Informação do Tráfego de Embarcações VTMIS Diagnóstico de infraestrutura de TI nas Companhias Docas Desenho conceitual de uma portaria pública e do entorno imediato Desenho conceitual de ponto de controle intermediário

30 ÁREAS DE ATUAÇÃO TRANSPORTE DE PASSAGEIROS Sistema de Viabilidade e Monitoramento de Linhas Rodoviárias SIMOV Sistema de Cálculo Tarifário SCT Sistema SCT Suporte à implantação de sistema de bilhetagem eletrônica no entorno do Distrito Federal Revisão Tarifária AGETRANSP/RJ Sistema SIG-T: cadastro de Terminais

31 ÁREAS DE ATUAÇÃO TRANSPORTE DE PASSAGEIROS Transporte Coletivo Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do Estado de Mato Grosso STCRIP Novo Modelo de Reajuste Tarifário para Transporte Aquaviário de Passageiros AGETRANSP/RJ Trens Regionais Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica, Financeira, Social e Ambiental:. Caxias do Sul (RS) Bento Gonçalves (RS). Pelotas (RS) Rio Grande (RS). Londrina (PR) Maringá (PR) Mercados de transporte do Estado do Mato Grosso Fonte: AGER/MT

32 ÁREAS DE ATUAÇÃO TRANSPORTE DE PASSAGEIROS Análise da Política Tarifária DETER/SC Política de Transportes de Passageiros DETER/SC Sistema de Passageiros SISPASS Área de Influência entre Rio de Janeiro e Minas Gerais

33 TECNOLOGIAS DESENVOLVIDAS Algumas das tecnologias já desenvolvidas e em uso: Framework SIG/Desktop: biblioteca geográfica e interface próprios Framework SIG/Web: biblioteca open source adaptada e interface web próprios Biblioteca matemática: conjunto de funções matemáticas Algumas ferramentas utilizadas:

34 PARCEIROS NACIONAIS

35 PARCEIROS INTERNACIONAIS Estados Unidos da América (EUA) Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) Alemanha Mobility Networks Logistics (DB) Holanda Erasmus University Rotterdam Suíça International Society for Weigh In Motion (ISWIM) França L'Institut français des sciences et technologies des transports, de l'aménagement et des réseaux (IFSTTAR) Estados Unidos da América (EUA) Michigan Technological University (MTU) Holanda Port of Rotterdam Estados Unidos da América (EUA) Transportation Research Board (TRB) Espanha Universitat de València Eslovênia Slovenian National Building and Civil Engineering Institute (ZAG)

36 APRENDIZADOS Embasamento no setor de Transporte e Logística; Trabalho em equipe; Participação em projetos; Desenvolvimento de relatórios; Reuniões com clientes; Ferramentas MS Office:

37 COMO INGRESSAR NO LABTRANS? Currículo + Histórico Universitário Avaliação Entrevista Seleção Banco de currículos André Ricardo Hadlich, Msc. Eng

38 SITES SOBRE TRANSPORTES LabTrans GOVERNO TRANSPORTE E LOGÍSTICA Ministério Transportes, Portos e Aviação Civil Transportes Terrestres Inteligência Logística Logística e Transportes Transportes Ferroviários Transportes Aquaviários

39 OBRIGADO André Ricardo Hadlich, Msc. Eng

LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA

LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal de Santa Catarina Engenheiro André Ricardo Hadlich andre.labtrans@yahoo.com.br Maio de 2014 Engenharia Civil

Leia mais

Laboratório de Transportes e Logística. Portfólio UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Laboratório de Transportes e Logística. Portfólio UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DE SANTA 2016 Portfólio CATARINA DE SANTA CATARINA Coordenador Geral: Amir Mattar Valente, Dr. Sumário Apresentação... 01 1 Engenharia de Tráfego... 02 1.1 Microsimulador de Tráfego... 02 1.2 Estudo para

Leia mais

Março/2012. Portfólio. Laboratório de Transportes e Logística T I A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Março/2012. Portfólio. Laboratório de Transportes e Logística T I A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA TA Março/2012 Laboratório de Transportes e Logística Portfólio N D E S A TA AR T C A I A N UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA TA N DE SA TA AR T C A I A N Laboratório de Transportes e Logística Coordenador

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA - 2014 Índice Santa Catarina 1 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 2 Infraestrutura de Transportes Modal

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP INFORMAÇÃO 113/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 179163/2012 176799/2012 INTERESSADO: FRANCISCO JOSÉ VELA ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO O profissional Engenheiro Civil Francisco José

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013 OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013 Índice 10 Santa Catarina 10 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 17 Infraestrutura

Leia mais

Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento

Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento Ministério dos Transportes PAULO SÉRGIO PASSOS Ministro de Estado dos Transportes Florianópolis, 27 de fevereiro de 2013 ASPECTOS NACIONAIS INFRAESTRUTURA

Leia mais

SECRETARIA DOS TRANSPORTES CENÁRIOS DA INFRAESTRUTURA DO RS

SECRETARIA DOS TRANSPORTES CENÁRIOS DA INFRAESTRUTURA DO RS SECRETARIA DOS TRANSPORTES ST CENÁRIOS DA INFRAESTRUTURA DO RS CENÁRIOS INFRAESTRUTURA DO RIO GRANDE DO SUL Cenário encontrado e dificuldades Estradas em más condições 76 municípios sem acesso asfáltico

Leia mais

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

01 de setembro de Belém - PA. Adalberto Tokarski Diretor

01 de setembro de Belém - PA. Adalberto Tokarski Diretor 01 de setembro de 2015. Belém - PA Adalberto Tokarski Diretor AGENDA 1. AS HIDROVIAS BRASILEIRAS 2. COMPLEXO HIDROVIÁRIO REGIÃO AMAZÔNICA 3. EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE GRÃOS 4. NOVOS INVESTIMENTOS Região

Leia mais

História Ferroviária

História Ferroviária História Ferroviária A Estrada de Ferro em SC E. F. Tereza Cristina Felisberto Caldeira Brant Pontes consegue em 1874 a concessão para a construção da ferrovia. A Estrada de Ferro The Donna Thereza Christina

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Délio Porto Fassoni

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Délio Porto Fassoni 132 ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Délio Porto Fassoni delio@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais

Leia mais

Os BENEFÍCIOS do SINGLE WINDOW

Os BENEFÍCIOS do SINGLE WINDOW Introdução Os BENEFÍCIOS do SINGLE WINDOW BENEFÍCIOS do Setor Privado na Operação em SINGLE WINDOW 1 ANUÊNCIAS mais RÁPIDAS 2 REDUÇÃO dos CUSTOS 3 PREVISIBILIDADE das REGRAS BENEFÍCIOS 4 5 RACIONALIDADE

Leia mais

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias Descrição geral - Trabalho técnico de Economia, Engenharia, Ciências do Meio Ambiente, Estatística, Geografia, Ciências Sociais

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL - 2014 Índice 3 Paraná Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário Infraestrutura de Transportes Modal Aquaviário Infraestrutura

Leia mais

Investimentos em Infraestrutura de Transportes

Investimentos em Infraestrutura de Transportes Investimentos em Infraestrutura de Transportes AGOSTO/2015 Superintendência Regional do DNIT em Santa Catarina O DNIT é responsável por implementar a política de infraestrutura do Sistema Federal de Viação,

Leia mais

Plano de Trabalho ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA, FINANCEIRA, SOCIAL E AMBIENTAL

Plano de Trabalho ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA, FINANCEIRA, SOCIAL E AMBIENTAL FOLHA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC Laboratório de Transportes e Logística LabTrans Plano de Trabalho ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA, FINANCEIRA, SOCIAL E AMBIENTAL SISTEMA DE

Leia mais

- Rumos da Cabotagem - Pontos Fortes e Pontos Fracos

- Rumos da Cabotagem - Pontos Fortes e Pontos Fracos - Rumos da Cabotagem - Pontos Fortes e Pontos Fracos BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, ENERGÉTICOS E AMBIENTAIS Cabotagem Brasileira o mundo cresceu no entorno das baias abrigadas População mundial regiões costeiras

Leia mais

TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS À EXPORTAÇÃO PELO PORTO DE SANTOS

TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS À EXPORTAÇÃO PELO PORTO DE SANTOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MULTIMODALIDADE APLICADA AO ESCOAMENTO DAS PRINCIPAIS MASSA ECONOMICAS BRASILEIRAS DESTINADAS

Leia mais

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica Frederico Bussinger BRASIL NO MUNDO LOGÍSTICA: FATOR CRÍTICO DE SUCESSO Área > 4 mi Km 2 População > 100 mi Paquistão USA Bangladesh China

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA. São José dos Campos, 20 de Agosto de 2014

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA. São José dos Campos, 20 de Agosto de 2014 INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO São José dos Campos, 20 de Agosto de 2014 Felipe Moreira Ribeiro FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio

Leia mais

Para mim é sempre uma honra vir ao Congresso Nacional, lugar que frequentei durante alguns anos como senador.

Para mim é sempre uma honra vir ao Congresso Nacional, lugar que frequentei durante alguns anos como senador. DISCURSO DO MINISTRO DOS TRANSPORTES, ANTONIO CARLOS RODRIGUES, NA COMISSÃO GERAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM 13 DE AGOSTO DE 2015 Senhor presidente. Senhoras e senhores. Bom dia. Para mim é sempre uma

Leia mais

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1 São Leopoldo / Novo Hamburgo ESCRITÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Coordenação de Planejamento Coordenação de Medições, Controle Financeiro

Leia mais

SCPar PORTO DE IMBITUBA S.A.

SCPar PORTO DE IMBITUBA S.A. SCPar PORTO DE IMBITUBA S.A. O Porto de Imbituba está localizado numa enseada aberta junto à Ponta de Imbituba, no litoral Sul de Santa Catarina, a cerca de 90 km da capital Florianópolis. Arrendatários:

Leia mais

Secretaria de Portos. Ministério dos Transportes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Secretaria de Portos. Ministério dos Transportes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de s Ministério dos Transportes Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Principais Corredores para Escoamento da Safra de Grãos CE Velho PE RN PB SE AL Salvador Ilhéus Hidrovias

Leia mais

EIXO TRANSPORTES. garantindo maior integração da malha brasileira de Transportes.

EIXO TRANSPORTES. garantindo maior integração da malha brasileira de Transportes. EIXO TRANSPORTES Para integrar as diferentes regiões do Brasil, eliminar gargalos logísticos e garantir que a produção nacional tenha custos mais baixos para os mercados interno e externo, o PAC 2 realiza

Leia mais

DNIT. Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes. Ministério dos Transportes

DNIT. Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes. Ministério dos Transportes PROGRAMA PRIORITÁRIO DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes Ministério dos Transportes PLANO DE REVITALIZAÇÃO DAS FERROVIAS Fundamentos Pequena participação ferroviária na matriz

Leia mais

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA 55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA Salvador/BA, 06 de Setembro de 2013 PREMISSA BÁSICA O setor de Transportes como catalisador do desenvolvimento nacional Estruturando

Leia mais

PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES

PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES Presidência da República Secretaria Especial de Portos I CONFERÊNCIA HEMISFÉRICA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES Eng MARCOS PAGNONCELLI Coordenador-Geral

Leia mais

,8% ,7% ,4% ,7% ,4%

,8% ,7% ,4% ,7% ,4% Fernando Seabra Mundo (mi. US$) Brasil (mi. US$) MarketShare 2010 39.719 11.043 27,8% 2011 45.698 16.327 35,7% 2012 53.183 17.248 32,4% 2013 57.444 22.810 39,7% 2014 59.005 23.277 39,4% Fonte: comtrade.un.org

Leia mais

2 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC. 22 de abril de 2009

2 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC. 22 de abril de 2009 2 o. Relatório de Acompanhamento dos Estudos BR-101/ES, BR-101/BA e BR-470/SC 22 de abril de 2009 Fases e principais atividades dos estudos Estudo de tráfego Estudo de engenharia Estudo jurídicoregulatório

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos XVII Assembleia Geral da CIT 27 e 28/06/2012 - Manaus/AM Sávio Neves Diretor Institucional ANPTrilhos Presidente ABOTTc

Leia mais

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza Regional Nordeste Concessões e Parcerias Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de Fortaleza Programa de Gestão de PPPs do Estado do Piauí Viviane Moura Bezerra Superintendente de Parcerias

Leia mais

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002.

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002. RESOLUÇÃO CONSEPE 44/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, DO CÂMPUS ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que

Leia mais

Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo

Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo 27/03/2014 Renato Ferreira Barco DIRETOR PRESIDENTE VISÃO GERAL PORTO DE SANTOS / BRASIL ÁREA DE INFUÊNCIA PORTO DE SANTOS 75 67% 56%

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberg

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberg UFV Catálogo de Graduação 2013 103 ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberg bohnen@ufv.br 104 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das

Leia mais

ESTRUTURA INSTITUCIONAL ANTT MAIO/2011

ESTRUTURA INSTITUCIONAL ANTT MAIO/2011 ESTRUTURA INSTITUCIONAL ANTT MAIO/2011 TEMAS ESTRUTURA/ORGANOGRAMA DA ANTT DIRETORIA (composição e relação com grupos de interesse) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (Informações) SISTEMA DE INFORMAÇÃO ( Gerenciamento,

Leia mais

INTRODUÇÃO À LOGISTICA

INTRODUÇÃO À LOGISTICA INTRODUÇÃO À LOGISTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI

Leia mais

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046. Aula 01

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046. Aula 01 UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Aula 01 OBJETIVOS 1.Adquirir subsídios

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Prefeitura de Belo Horizonte Belo Horizonte, fevereiro/2011 ASPECTOS GERAIS DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Área superficial : 330 km 2 População : 2,5 milhões

Leia mais

Mário Povia Diretor da ANTAQ

Mário Povia Diretor da ANTAQ III CIDESPORT Congresso Internacional de Desempenho Portuário A ANTAQ e a Regulação do Setor Portuário Mário Povia Diretor da ANTAQ Florianópolis, 16 de novembro de 2016 ORGANIZAÇÃO DO SETOR TRANSPORTES

Leia mais

Infra-estrutura de transportes

Infra-estrutura de transportes Infra-estrutura de transportes Prof. Adm. Denilton Macário de Paula Modal Rodoviário No modal rodoviário podemos encontrar tanto o transporte de passageiros como o transporte de cargas. A infra-estrutura

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES SINALIZAÇÃO E SEGURANÇA NO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES SINALIZAÇÃO E SEGURANÇA NO TRANSPORTE FERROVIÁRIO AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES SINALIZAÇÃO E SEGURANÇA NO TRANSPORTE FERROVIÁRIO São Paulo 14 de Agosto de 2007 HISTÓRICO DO SETOR FERROVIÁRIO DE TRANSPORTES - ATÉ A DÉCADA DE 40: FERROVIA

Leia mais

CLIPPING DE NOTÍCIAS

CLIPPING DE NOTÍCIAS Governo amplia plano contra filas em portos Entre as medidas está o aperfeiçoamento do sistema de agendamento nos terminais de Santos (SP) e Paranaguá (PR), que no ano passado ajudou a reduzir o custo

Leia mais

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Corredores Logísticos Legenda Ferrovias Estrada de Ferro Carajás - EFC Ferrovia Norte Sul FNS Ferrovia Norte Sul FNS (em construção)

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Aviação Civil Secretaria de Política Regulatória de Aviação Civil CRESCIMENTO DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO Gustavo Pacheco Fortes Fleury Gerente de Projeto do

Leia mais

O Uso da Água para a Navegação

O Uso da Água para a Navegação O Uso da Água para a Navegação JOSÉ ALEX BOTÊLHO DE OLIVA, M.Sc. Superintendente de Navegação Interior Rio de Janeiro, 09 de Dezembro de 2008. Rodovias RODOVIAS - Malha Rodoviária Brasileira 1.700 milhão

Leia mais

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES DE CARGAS Jean Carlos Pejo J C PEJO CONSUTORES ASSOCIADOS S/C LTDA Mapa da Produção de Soja no Brasil Projeção da Produção de Soja no Brasil Safra Produção Exportação 2009/2010

Leia mais

ESTUDIO DE REGULACIÓN, VENTAJAS COMPETITIVAS Y DE LA OFERTA Y LA DEMANDA DE CARGA DE LA HIDROVIA PARAGUAY-PARANÁ

ESTUDIO DE REGULACIÓN, VENTAJAS COMPETITIVAS Y DE LA OFERTA Y LA DEMANDA DE CARGA DE LA HIDROVIA PARAGUAY-PARANÁ ESTUDIO DE REGULACIÓN, VENTAJAS COMPETITIVAS Y DE LA OFERTA Y LA DEMANDA DE CARGA DE LA HIDROVIA PARAGUAY-PARANÁ 16 de Junio de 2016. Rosario, Argentina. JOSÉ RENATO RIBAS FIALHO Gerente de Desarrollo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - CAMPUS AGRESTE CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL GRADE VÁLIDA PARA OS INGRESSANTES EM 2006.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - CAMPUS AGRESTE CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL GRADE VÁLIDA PARA OS INGRESSANTES EM 2006. 1 o ANO 2 o ANO 3 o ANO 4 o ANO 5 o ANO 1 o Semestre 2 o Semestre 3 o Semestre 4 o Semestre 5 o Semestre 6 o Semestre 7 o Semestre 8 o Semestre 9 o Semestre 10 o Semestre e integral 1 CIVL 0080 Geometria

Leia mais

José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010

José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010 José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010 Estudo de Expansão BID Estudo de Acessibilidade USP/FDTE Planejamento Estratégico da CODESP Estudo da

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberg

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberg 108 ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberg bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2012 109 Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais previstas

Leia mais

Seminário ABRAEX/UDF 2016

Seminário ABRAEX/UDF 2016 Associação Brasiliense de Ex-Bolsistas Brasil-Japão Centro Universitário do Distrito Federal Seminário ABRAEX/UDF 2016 Infraestrutura: o desenvolvimento brasileiro a partir da experiência japonesa Realização:

Leia mais

Alguns casos de avanços tecnológicos...28 PERSPECTIVAS...30

Alguns casos de avanços tecnológicos...28 PERSPECTIVAS...30 APRESENTAÇÃO...11 INTRODUÇÃO...13 Definições de operadores...13 A evolução do segmento...13 O PAPEL ESTRATÉGICO DA LOGÍSTICA...15 Uma ampla cadeia de negócio.. 15 As atividades da logística...15 Importância

Leia mais

3. O transporte no Brasil

3. O transporte no Brasil 47 3. O transporte no Brasil Neste capítulo, faz-se uma breve descrição do sistema de transporte de cargas no Brasil, onde são apresentados os investimentos programados pelo Governo Federal no setor, a

Leia mais

Concessões RODOVIAS FERROVIAS PORTOS AEROPORTOS

Concessões RODOVIAS FERROVIAS PORTOS AEROPORTOS Concessões RODOVIAS FERROVIAS PORTOS AEROPORTOS Retomada do Planejamento em Logística O Programa de Investimentos em Logística (PIL) é a integração de 2 ações de planejamento do Governo Federal nos últimos

Leia mais

CCR MSVIA Novembro de IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal

CCR MSVIA Novembro de IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal CCR MSVIA Novembro de 2015 IV Seminário A aplicação do SIG na Gestão Pública Municipal O Negócio da CCR Viabilizar Soluções de Investimentos e Serviços em Infraestrutura, contribuindo para o Desenvolvimento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Tabela 1 Valor exportado do agronegócio brasileiro

1 INTRODUÇÃO. Tabela 1 Valor exportado do agronegócio brasileiro 1 INTRODUÇÃO O Brasil encontra-se num ambiente favorável de crescimento econômico nos últimos anos. A economia brasileira tem como principais forças o comércio, o setor industrial e o agronegócio. O agronegócio,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES 2º Seminário de OPERAÇÃO DE RODOVIAS Centro Nacional de Supervisão Operacional CNSO e Uso de Sistemas Inteligentes de Transportes-ITS nas Rodovias sob Concessão

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Política Nacional de Transportes Belém, 01 de setembro de 2015 Ministério dos Transportes - Competências Possui como principais

Leia mais

Estatística dos tipos de transportes no Brasil (1999):

Estatística dos tipos de transportes no Brasil (1999): Prof. Andressa Caracterização Geral A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Os transportes contêm três elementos: Infraestrutura - é a malha de transporte: rodoviária,

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre ABRIL /04/11

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre ABRIL /04/11 Clique para editar o estilo do subtítulo mestre ABRIL 2011 EMAP EMPRESA MARANHENSE DE ADMINISTRAÇÃO PORTUÁRIA Empresa pública, criada pela Lei 7.225, de 31 de agosto 1998, com personalidade jurídica de

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes,

Leia mais

Universidade de Lisboa,

Universidade de Lisboa, Universidade de Lisboa, 2016.03.04 Os Espaços Marítimos Nacionais 200 MI SUBÁREA AÇORES SUBÁREA CONTINENTE SUBÁREA MADEIRA LEGENDA MAR TERRITORIAL ZONA CONTÍGUA ZEE (coluna de água) e PLATAFORMA CONTINENTAL

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases 1º PERÍODO 1 02010-9 Introdução à Computação 4-2 06216-2 Leitura e produção de textos para

Leia mais

DNIT - CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES - OBRAS 11/07/2017

DNIT - CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES - OBRAS 11/07/2017 11/07/17 10:00 MA 0232/17-15 Pregão Eletrônico - Serviços de Manutenção (Conservação/recuperação) na BR 135/MA, Subtrecho Fim da Duplicação -Entr. BR 222 (Miranda do Norte) Km 25,10 ao Km 125,70. al=6537

Leia mais

ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6.

ETAPAS. 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Brasília, 2014 ETAPAS 1. Contextualização; 2. Abrangência; 3. Pregão Nº 811/2012 DNIT; 4. TED Nº 290/2014 DNIT/COTER; 5. Situação Atual; 6. Encerramento CONTEXTUALIZAÇÃO Histórico 1975 Programa de Contagem

Leia mais

Fernando Fonseca. Diretor Geral Substituto

Fernando Fonseca. Diretor Geral Substituto Fernando Fonseca Diretor Geral Substituto São Paulo, 24 de fevereiro de 2016 Concessão Porto Organizado Total/Parcial de Porto Organizado = Flexibilidade do modelo Direito de exploração de Instalação Portuária

Leia mais

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1 Sumário PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos Capítulo 1 Cadeias de suprimentos no século xxi... 2 A revolução da cadeia de suprimentos... 4 Integração gera valor... 6 Modelo geral de cadeia

Leia mais

Discussão Técnica sobre Ferrovias no Paraná

Discussão Técnica sobre Ferrovias no Paraná Discussão Técnica sobre Ferrovias no Paraná Macro fluxos Logísticos Conexões Marítimas e Matriz de Transportes Pretendida 2025 (PNLP) Ponto de Ruptura Fluxo Norte e Sul Matriz de Transportes - PNLP Fluxo

Leia mais

IDT FIESP. Índice Comparado de Desempenho da Infraestrutura de Transporte

IDT FIESP. Índice Comparado de Desempenho da Infraestrutura de Transporte IDT FIESP Índice Comparado de Desempenho da Infraestrutura de Transporte Brasil: 191 milhões de habitantes 8,5 milhões km² PIB R$ 4,4 trilhões A infraestrutura de transportes do Brasil é adequada: Ao tamanho

Leia mais

Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp. 2º Congresso de Saneamento do Nordeste

Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp. 2º Congresso de Saneamento do Nordeste Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp 2º Congresso de Saneamento do Nordeste O protagonismo dos municípios na gestão do saneamento. Eng. Leonardo Rodrigues

Leia mais

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 A ANTP convida a todos os integrantes das entidades associadas, seus membros individuais e

Leia mais

O IMPACTO DA EXPANSÃO DO PORTO E DO PRÉ-SAL EM SANTOS e BAIXADA SANTISTA João Paulo Tavares Papa

O IMPACTO DA EXPANSÃO DO PORTO E DO PRÉ-SAL EM SANTOS e BAIXADA SANTISTA João Paulo Tavares Papa Santos, 22/08/2011 O IMPACTO DA EXPANSÃO DO PORTO E DO PRÉ-SAL EM SANTOS e BAIXADA SANTISTA João Paulo Tavares Papa Prefeito de Santos Presidente da ABMP (2009/2011) VETORES RELEVANTES Energia Porto, retroporto

Leia mais

ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA TIETÊ PARANÁ

ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA TIETÊ PARANÁ ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA TIETÊ PARANÁ Vinícius Delalibera Trindade Haroldo Silva Barbara Stolte Bezerra ANÁLISE DO NOVO PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO DE ECLUSAS NA HIDROVIA

Leia mais

Modais de Transporte. Claudio Barbieri da Cunha. Escola Politécnica. Claudio Barbieri da Cunha

Modais de Transporte. Claudio Barbieri da Cunha. Escola Politécnica. Claudio Barbieri da Cunha Modais de Transporte Escola Politécnica Funções do Transporte Movimentar geograficamente e posicionar os estoque (produtos/bens/materiais) Abastecer instalações (fábricas) com matérias primas e insumos

Leia mais

ORÇAMENTO E CALCULO DO CUSTO DE OBRAS

ORÇAMENTO E CALCULO DO CUSTO DE OBRAS ORÇAMENTO E CALCULO DO CUSTO DE OBRAS Realização 27 e 28 de Março de 2015 Este curso tem por objetivo tornar o aluno apto a elaborar orçamentos e calculo do custo de obras de: Edificações,Estruturas, Terraplanagem,

Leia mais

WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos

WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos São Paulo, 28 de outubro de 2015 CENÁRIO E PERSPECTIVAS DE MELHORIA NOS ACESSOS SUMÁRIO: Acesso Aquaviário - Evolução dos navios - Iniciativa Santos

Leia mais

DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR. Brasília Setembro de 2008

DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR. Brasília Setembro de 2008 DIRETORIA DE INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA - DIR COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES RODOVIÁRIAS CGPERT/DIR PROGRAMA DE SEGURANÇA NAS RODOVIAS FEDERAIS Brasília Setembro de 2008 Sumário 1. Características do Problema

Leia mais

DISCIPLINA: Introdução à Engenharia Ambiental. Assunto: Atribuições do Engenheiro Ambiental

DISCIPLINA: Introdução à Engenharia Ambiental. Assunto: Atribuições do Engenheiro Ambiental Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Estudos Básicos e Instrumentais DEBI Curso de Engenharia Ambiental DISCIPLINA: Introdução à Engenharia Ambiental Assunto: Atribuições do Engenheiro

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 10 Prof. Amilton Jr.

Gestão Ambiental. Aula 10 Prof. Amilton Jr. Gestão Ambiental Aula 10 Prof. Amilton Jr. Estudo de impacto ambiental (EIA) Barbieri, José-Gestão Ambiental Cap 9, pag 299 EIA O que é: Instrumento de gestão ambiental sem o qual não seria possível promover

Leia mais

Administração do Transporte 2008

Administração do Transporte 2008 Administração do Transporte 2008 A cadeia de suprimento começa com o cliente e sua necessidade de obter o produto. O próximo estágio dessa cadeia de suprimento é uma loja que o cliente procura. Por exemplo:

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços A Marumbi, especializada em Consultoria no ramo de Engenharia Consultoria completa para processos ambientais. que resulta em economia a curto e longo prazo. Ambiental e de Segurança

Leia mais

ENGENHARIA DE AGRIMENSURA

ENGENHARIA DE AGRIMENSURA ENGENHARIA DE AGRIMENSURA COORDENADOR Dalto Domingos Rodrigues dalto@ufv.br 186 Currículos dos Cursos do CCE UFV Currículo do Curso de Engenharia de Agrimensura Engenheiro Agrimensor ATUAÇÃO Fundamentalmente

Leia mais

Ferrovias do Nordeste

Ferrovias do Nordeste Ferrovias do Nordeste Agosto 2013 ELABORAÇÃO: TLSA A Transnordestina Logística S/A, antiga Companhia Ferroviária do Nordeste CFN, obteve a concessão da Malha Nordeste SR (Recife), SR (Fortaleza) e SR (São

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Apresentação 2015 Prof. Dr. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com Nosso Negócio Produtividade Rentabilidade Melhoria Contínua Otimização de Produtos e Processos

Leia mais

ITUIUTABA MONTE ALEGRE DE MINAS MONTE CARMELO PRATA SANTA VITÓRIA MINAS GERAIS

ITUIUTABA MONTE ALEGRE DE MINAS MONTE CARMELO PRATA SANTA VITÓRIA MINAS GERAIS ITUIUTABA MONTE ALEGRE DE MINAS MONTE CARMELO PRATA SANTA VITÓRIA MINAS GERAIS A Mobilidade Urbana A Mobilidade Urbana é um tema amplo, abrange questões de desenvolvimento urbano, a saúde e a qualidade

Leia mais

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia Introdução PROFISSÕES REGULAMENTADAS O QUE SÃO? POR QUE EXISTEM? CONSELHOS PROFISSIONAIS O QUE SÃO? O QUE FAZEM? Profissões regulamentadas * Medicina

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA. COORDENADOR Moisés Ferreira Costa

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA. COORDENADOR Moisés Ferreira Costa 110 ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA COORDENADOR Moisés Ferreira Costa moises@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 111 Currículo do Curso de Engenharia de Agrimensura e Cartográfica Engenheiro

Leia mais

Código: CIVL0002 Obrigatória : Eletiva : Sim Período : 8º Carga Horária : 60 HORAS. Número de Créditos: TEÓRICO 04; PRÁTICOS 00; TOTAL: 04

Código: CIVL0002 Obrigatória : Eletiva : Sim Período : 8º Carga Horária : 60 HORAS. Número de Créditos: TEÓRICO 04; PRÁTICOS 00; TOTAL: 04 Disciplina: AEROPORTOS Código: CIVL00 Obrigatória : Eletiva : Sim Período : 8º Carga Horária : 60 HORAS Número de Créditos: TEÓRICO 04; PRÁTICOS 00; TOTAL: 04 Pré-Requisito: ESTRADAS 1 Co-Requisito: EMENTA:

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

Centro Nacional de Supervisão Operacional e Informações Gerenciais CNSOIG

Centro Nacional de Supervisão Operacional e Informações Gerenciais CNSOIG VIII WORKSHOP SOBRE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES RODOVIÁRIAS FEDERAIS: SOLUÇÕES TÉCNICAS E APLICADAS Centro Nacional de Supervisão Operacional e Informações Gerenciais CNSOIG Desenvolvimento

Leia mais

Data de Ingresso 01/12/ /08/ /11/ /03/2015

Data de Ingresso 01/12/ /08/ /11/ /03/2015 SETOR 1. Serviços de Tecnologia da Informação (TI) e de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Análise e desenvolvimento de sistemas Data de Ingresso Alíquotas Programação Análise e desenvolvimento

Leia mais

Gargalos logísticos e perspectivas

Gargalos logísticos e perspectivas Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Gargalos logísticos e perspectivas Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia ABN AMRO São Paulo SP 26 de janeiro de 2015 1 Produção de grãos cada vez

Leia mais

Desafios da Cabotagem em 2015 ILOS

Desafios da Cabotagem em 2015 ILOS Desafios da Cabotagem em 2015 ILOS Clique para editar o título mestre Agenda Contexto Atual Razões para maior competitividade da Cabotagem Evolução da Movimentação de Cabotagem Visão das Empresas sobre

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais