A PRESENÇA DE MÉDICAS E MÉDICOS NA CABEÇA DO CACHORRO :

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRESENÇA DE MÉDICAS E MÉDICOS NA CABEÇA DO CACHORRO :"

Transcrição

1 JUVENAL DONIZETE OZELIM A PRESENÇA DE MÉDICAS E MÉDICOS NA CABEÇA DO CACHORRO : uma pedra no meio do caminho entre a Segurança Nacional, a Defesa Nacional, o Desenvolvimento Regional e o Bem Comum Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Professor Simon Rosental. Rio de Janeiro 2014

2 ii C2014 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG Juvenal Donizete Ozelim Cel Med EB Biblioteca General Cordeiro de Farias Donizete Ozelim, Juvenal. A presença de médicas e médicos na Cabeça do Cachorro : uma pedra no meio do caminho entre a Segurança Nacional, a Defesa Nacional, o Desenvolvimento Regional e o Bem Comum / Coronel Médico do Exército Brasileiro Juvenal Donizete Ozelim - Rio de Janeiro: ESG, f. Orientador: Professor Simon Rosental. Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Saúde na Amazônia. 2. Cabeça do Cachorro. 3. Médicas e Médicos. 4. Serviço Militar. I. Título.

3 iii Ao pai nosso que está no céu. Em memória do meu pai. À minha mãe, irmãs e irmão pelos inesquecíveis dias de ontem. À minha esposa e filhos, pelos dias de hoje e de sempre. À melhor turma do CAEPE 2014, felizes para sempre.

4 iv AGRADECIMENTOS Ao Corpo Permanente da ESG pelos ensinamentos e orientação segura. Ao Cel Douglas Marcelo Merquior pelo apoio prestado a frente da Divisão de Assuntos Científicos e Tecnológicos (DACTEC). Ao Professor Simon Rosental pela indicação do melhor caminho a trilhar, incentivo e compreensão nos momentos dedicados ao meu trabalho. A Ten Cel QFO PSC R/1 Denise Pellegrini Maia Rovina pela contribuição ao trabalho ora apresentado. A todos os palestrantes do meio acadêmico, governamental e da iniciativa privada, por jogarem luz na escuridão. Aos dedicados servidores da biblioteca da ESG, pela atenção e excelência do trabalho de orientação e revisão da monografia. Aos servidores da Secretaria do CAEPE-2014 pela cordialidade, atenção e zelo para com os estagiários. Aos povos da Amazônia Brasileira pelos ensinamentos a mim repassados durante os mais de dez anos de convívio. Para Lenilza, Luana e Luan, mãe e filhos nota 10!

5 v No meio do caminho tinha uma pedra tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra. Nunca me esquecerei desse acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho tinha uma pedra tinha uma pedra no meio do caminho no meio do caminho tinha uma pedra. Carlos Drummond de Andrade.

6 vi RESUMO Esta monografia aborda a presença de médicas e médicos na Amazônia Brasileira como um dos meios para dar eficácia ao processo de inclusão social do cidadão indígena e não indígena que lá vive. Agrega valor no campo psicossocial e contribui com a Segurança Nacional, a Defesa Nacional e o Desenvolvimento Regional. O objetivo deste estudo é, a partir do diagnóstico da situação atual do atendimento na área médica na Amazônia Brasileira, fornecer subsídios que sirvam de base para a implementação de um planejamento estratégico capaz de atender às necessidades da região. A metodologia adotada comportou uma pesquisa bibliográfica e documental acrescida da experiência do autor como militar e médico atuando na Amazônia Brasileira. O campo de estudo delimitou-se ao atendimento de médicas e médicos no município brasileiro de São Gabriel da Cachoeira, na chamada Cabeça do Cachorro. Analisa os antecedentes e o ambiente interno e externo, os planos e os projetos em vigor para a alocação de médicas e médicos na Amazônia Brasileira, as necessidades e os meios disponíveis e potenciais, e, possíveis ações estratégicas para contribuir com a solução do problema. Aponta para uma direção que inclui o planejamento estratégico integrado a nível municipal, estadual e federal, bem como com a participação da sociedade local organizada, ONGs, Ministério da Defesa, Ministério da Saúde, Ministério da Educação, dentre outros. Considera a contribuição das Forças Armadas para o desenvolvimento regional, a defesa e a segurança nacional, por intermédio do Serviço Militar Obrigatório e Voluntário para médicos e médicas, respectivamente. Palavras chave: Saúde na Amazônia. Cabeça do Cachorro. Médicas e Médicos. Serviço Militar.

7 vii ABSTRACT The present work discusses the presence of medicine doctors in the Brazilian Amazon as a means to enhance the social inclusion process of both indigenous and non-indigenous citizens. Thus, it is believed that this monograph adds value to the psicosocial field, as well as contributes to the Nacional Security, the National Defense and the Regional Development. Based on the diagnosis of the current situation of the medical care in the Brazilian Amazon, the main goal of the present study is to provide a consistent material which may be used as basis for the implementation of a strategic planning capable of fulfilling the needs of the citizens which live in such region. The methodology considered in this effort consists of combining bibliographical and documental research to the personal experience of the author, who has worked as a military doctor in the Brazilian Amazon. The field of study has been limited to the medical care in the Brazilian city of São Gabriel da Cachoeira located at the so-called Dog s Head region. The backgrounds of the theme as well as its inner and outer environment have been analyzed. Also, there have been considered in the analysis the current active plans and projects regarding the allocation of medicine doctors to the Brazilian Amazon, besides the needs, the available and potential means and possible strategic actions to contribute to the solution of the problem. The results of the present study suggest that the proper way of addressing this issue demands an integrated strategic planning at municipal, state and federal levels, as well as the participation of the organized society, NGO, Ministry of Defense, Ministry of Health, Ministry of Education among others. This study also considers the contribution of the Armed Forces to the regional development, defense and to the national security by means of both the compulsory and voluntary military service for male and female medicine doctors, respectively. Key-words: Health Care in the Amazon. The dog's head. Medicine Doctors. Military Service.

8 viii LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS 2ª Bda Inf Sl 2ª Brigada de Infantaria de Selva 5º BIS 5ª Batalhão de Infantaria de Selva 12ª RM 12ª Região Militar ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas ACISO Ação Cívico Social CAEPE Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia CASAI Casa de Saúde do Índio CF Constituição Federal CFM Conselho Federal de Medicina CIGS Centro de Instrução de Guerra na Selva CMA Comando Militar da Amazônia CMS Conselho Municipal de Saúde CNS Conselho Nacional de Saúde CREAM Centro de Referência e Especialidades Médicas CRM Conselho Regional de Medicina DSEI Distrito Sanitário Especial Indígena EAD Ensino a Distância ESG Escola Superior de Guerra FAB Força Aérea Brasileira FIB Felicidade Interna Bruta FMT-HVD Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado FNS Fundo Nacional de Saúde FPM Fundo de Participação dos Municípios FUNASA Fundação Nacional de Saúde/MS HCmp Hospital de Campanha HGuSGC Hospital de Guarnição de São Gabriel da Cachoeira IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IE Institutos de Ensino MD Ministério da Defesa MEC Ministério da Educação MME Ministério das Minas e Energia MMI Missão de Misericórdia

9 ix MPF MS NAPIBEx OMS ONG OTCA PEF PIB PNAD PNDS Provab PSF RIPSA SAS SES SESP SUS USAID Ministério Público Federal Ministério da Saúde Núcleo Avançado de Pesquisa do Instituto de Biologia do Exército Organização Militar de Saúde Organização não Governamental Organização do Tratado de Cooperação Amazônica Pelotão Especial de Fronteira Produto Interno Bruto Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios Pesquisa Nacional sobre Demografia e Saúde Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica Programa Saúde da Família Rede Interagências de Informações para a Saúde Secretaria de Assistência à Saúde/MS Secretaria Estadual de Saúde Serviço Especial de Saúde Pública Sistema Único de Saúde United States Agency for International Development

10 x SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS, CONCEITOS E DEFINIÇÕES CONCEITOS E DEFINIÇÕES Segurança Nacional Desenvolvimento Nacional Defesa Defesa Nacional Objetivos Nacionais Objetivos Fundamentais Objetivos de Estado Objetivos de Governo Bem Comum Mobilização Nacional PARA ONDE VAMOS CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO ESTUDADA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE A SAÚDE INDÍGENA AS FORÇAS ARMADAS E A SAÚDE NA CABEÇA DO CACHORRO SITUAÇÃO ATUAL DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA PLANOS, NECESSIDADES, MEIOS E OPORTUNIDADES RETIRANDO A PEDRA NO MEIO DO CAMINHO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 52

11 10 1 INTRODUÇÃO Uma diversidade de óbices tem contribuído para atrasar o desenvolvimento da Amazônia Brasileira, sendo a questão da saúde pública colocada como um dos desafios a ser superado. A questão da saúde pública nessa região passa, obrigatoriamente, pela necessidade em se alocar médicas e médicos, considerando a importância desses atores na operacionalização de políticas públicas necessárias para a manutenção e a recuperação da saúde da população. Diversas ações em todos os níveis governamentais, institucionais e da sociedade organizada procuram, mas não encontram a fórmula ideal para compatibilizar a necessidade da assistência médica a ser dada a essa população e os mecanismos eficientes e eficazes para motivar as médicas e os médicos no sentido de atuarem na região. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil como um todo não possui uma situação favorável na relação médico/habitante. Enquanto o recomendado pelo Ministério da Saúde (MS) é o de 2,5 médicos para cada mil habitantes, havia em 2011 apenas 1,95. 1 À exceção da região Sudeste - que conta com uma média de 2,61 as demais regiões do país apresentam carência de profissionais da medicina, sendo que a região Norte tem a pior relação médico/habitante, com apenas 0,98. Vale destacar ainda que em alguns municípios da região não existem profissionais médicos e, em vários estados, profissionais estrangeiros exercem a profissão, muitos sem o devido respaldo legal. As Forças Armadas (FA) atuam permanentemente no noroeste do país e, reconhecidamente, colaboram com a promoção e a recuperação da saúde da população local, contudo não dispõem de militares profissionais da medicina em quantidade suficiente para atender a demanda. O tema proposto neste trabalho tem a ver com a alocação de médicas e médicos na Amazônia Brasileira, em particular na área do município de São Gabriel da Cachoeira conhecida, devido a sua forma física, como Cabeça do Cachorro. 1 EXAME.COM. Relação médico/habitante está abaixo do indicado, diz IBGE. Disponível em: Acesso em: 15 de jun

12 11 Para elaborar a monografia o autor considerou o pressuposto do dever ser e comparou-o com o que é na realidade. A partir daí e considerando a conjuntura mundial, o Brasil e o seu entorno estratégico, procurou o caminho do devir, ou seja, o caminho do tornar-se, de passar da potência à ação com base nas expressões do Poder Nacional: Política; Econômica; Psicossocial; Ciência, Tecnologia e Inovação; e, Militar. Considera-se aqui o tornar-se como um processo positivo operacionalizado por atitudes, comprometimento e ação em todos os níveis do governo e da sociedade, visando atender as necessidades, interesses e aspirações dos povos da Amazônia Brasileira, sem viés ideológico e/ou partidário. O conteúdo da monografia baseia-se nos objetivos nacionais fundamentais didáticos da ESG, derivados do processo histórico-cultural do nosso povo e cristalizados na consciência nacional: democracia, integração nacional, integridade do patrimônio nacional, paz social, progresso e soberania. A Expressão Psicossocial do Poder Nacional contribui para alcançar e manter os Objetivos Nacionais, estando fundamentada na Pessoa Humana, Ambiente e Instituições Sociais. Os fatores da Expressão Psicossocial são a cultura e padrões de comportamento, os níveis de bem-estar, a dinâmica ambiental e a dinâmica estrutural. A saúde pública é se não o mais importante, pelo menos o mais notório elemento do bem-estar, onde se insere a nossa problemática e envolve atores como médicas, médicos, o ser humano da Amazônia Brasileira, os poderes governamentais nas três esferas do poder e as elites que representam os povos amazônicos brasileiros. Em 1972 o rei do Butão - Jigme Singye Wangchuck - criou o termo Felicidade Interna Bruta (FIB) 2, índice relacionado com uma avaliação econômica do país associada à cultura de seu povo, contrapondo-se aos modelos tradicionais que consideram o Produto Interno Bruto (PIB) como objetivo primordial do crescimento econômico. Dentre os pilares da FIB encontramos a promoção do desenvolvimento educacional para a inclusão social; a preservação e promoção dos valores culturais; 2 Índice de Felicidade Interna, o Produto Interno Bruto das Nações e outros Indicadores Quantitativos. Um Estudo sobre as suas relações. Cássia Regina Vanícola. Disponível em: Acesso em: 20 ago

13 12 a resiliência ecológica na base do desenvolvimento sustentável; o estabelecimento da boa governança onde toda a sociedade é ouvida; a preservação dos valores capazes de garantirem a vitalidade comunitária; a saúde na garantia da vida; o desenvolvimento sustentável para a Inclusão e potencialização do padrão de vida; e, a diminuição da jornada de trabalho na promoção do tempo livre e do lazer. A ocupação da região Amazônica se deu com foco nos interesses econômicos e na necessidade em povoar as regiões de fronteira, gerando em consequência riscos à saúde dos povos indígenas locais e dos emigrantes de outras regiões do país (desmatamento desordenado e prática de garimpagem). A região da Cabeça do Cachorro é potencialmente muito rica em minerais, biodiversidade e água. A região possui, também, um grande potencial energético. O nióbio é um metal utilizado em processos tecnológicos sensíveis e de ponta. 98% das reservas de nióbio no mundo estão no Brasil, sendo que 82,7% dessas reservas encontram-se no município de São Gabriel da Cachoeira. A probabilidade de encontrar reservas de outros elementos nobres é significativa, o que confere ao Ministério das Minas e Energia (MME) papel importante na região. A ocupação da Cabeça do Cachorro gerou a necessidade da presença de médicos, dentistas, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, fisioterapeutas e paramédicos para, atuando em boas infraestruturas de saúde e contando com equipamentos, remédios, instrumentais e laboratórios de análises clínicas, pudessem atender a população. A degradação dos ecossistemas e a falta de uma melhor infraestrutura nos núcleos urbanos e rurais instalados preocuparam o governo brasileiro e a comunidade internacional, de tal forma que hoje, não é mais viável adotar modelos anteriormente utilizados para vivificar as fronteiras da Amazônia Brasileira. Deve-se observar um plano setorial incluindo a educação, desenvolvimento do comércio local, agroindústrias, prestadoras de serviços públicos eficientes e boa infraestrutura de saúde para que, em um futuro próximo, possa permitir o surgimento de verdadeiros vales do silício. A saúde na garantia da vida depende em grande parte da atuação dos profissionais de saúde aí incluídos as médicas e os médicos. Não podemos cair nos radicalismos daninhos que criam antagonismos insuperáveis, dividindo brasileiros e a comunidade internacional quando se fala em

14 13 desenvolver a Amazônia Brasileira 3, bem como devemos tratar a alocação de médicas e médicos para a região de forma estratégica onde o bem-estar desses profissionais também seja levado em conta. Para enfocar a Amazônia Brasileira precisamos incluir o conceito da FIB além de outros indicadores comumentemente utilizados, por tratar-se de uma região soberana do país, mas com reflexos na humanidade como um todo quanto ao modelo de desenvolvimento adotado. Qual é o papel do Estado, das Instituições Médicas, do Controle Social e das Forças Armadas na alocação de médicas e médicos na Amazônia Brasileira? Em que medida o Estado, as Instituições Médicas, as Instituições de Controle Social e as Forças Armadas veem contribuindo para alocar médicas e médicos na Amazônia Brasileira? Por que, com o decorrer dos anos, torna-se cada vez mais difícil alocar estes profissionais na região? O que a governança local, estadual e federal contribui com a questão? Em que o CFM contribui com a questão? Buscou-se verificar na questão o contraste entre o proposto no conteúdo das políticas públicas e a realidade factual do dia-a-dia, que demonstra a carência desses profissionais nesta dimensão geográfica do Brasil. Por que os mecanismos para alocar médicas e médicos na Amazônia Brasileira não vêm alcançando o sucesso esperado frente às políticas públicas em execução? A presença de uma equipe de saúde com médicas e médicos é importante para o sucesso das ações de defesa colocadas em práticas hoje em dia na região. O fato de ser uma ação subsidiária das Forças Armadas não impede que declaremos a sua importante contribuição para o desenvolvimento regional atual e para a construção de uma percepção que há de vir em termos de segurança nacional na área a questão é atual e merece nossa atenção, conforme preconizado na Política Nacional de Defesa: O planejamento da defesa deve incluir todas as regiões e, em particular, as áreas vitais onde se encontra a maior concentração de poder político e econômico. Da mesma forma, deve-se priorizar a Amazônia e o Atlântico Sul 4. (grifo nosso). 3 AGU decide esperar acórdão do STF para colocar em vigor portaria sobre terras indígenas. Disponível em: Acesso em 09 de jun Decreto Legislativo nº 373, Aprova a Política Nacional de Defesa, a Estratégia Nacional de Defesa e o Livro Branco de Defesa Nacional. Diário Oficial da União - Seção 1-26/9/2013.

15 14 Para o autor, que dedicou a maior parte de sua vida na caserna aos povos da Amazônia, é uma oportunidade de colaborar com o aperfeiçoamento dos mecanismos para levar profissionais da medicina para a região, na medida em que tem em mente a hipótese da necessidade de uma articulação conjunta dos atores envolvidos na construção de uma política de saúde pública. Como objetivos específicos da monografia sugerimos medidas que possam melhorar a captação de médicas e médicos para a Cabeça do Cachorro, destacando-se o mecanismo adotado pelas Forças Armadas para captar, motivar e manter os profissionais da medicina, aí incluídos os de carreira, aqueles cumprindo o Serviço Militar Obrigatório e as mulheres por intermédio do Voluntariado. O desenvolvimento econômico sustentável da região é fundamental para alavancar o interesse de recursos humanos qualificados. O desenvolvimento local deve atender requisitos ambientais, da cultura indígena local e requisitos econômicos geradores de riqueza, conforme preconizado por Mangabeira Unger no Programa Amazônia Sustentável 5, e possível utilizando-se de um Plano Diretor. A Política Nacional de Saúde engloba a Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas e deve ser compatibilizada com a Lei Orgânica da Saúde e com a Constituição Federal. Considerando que a maioria da população residente na área da Cabeça do Cachorro é constituída por povos indígenas, cabe considerar a política acima citada para também embasar a presente pesquisa. Dados da Federação das Organizações Indígenas do Alto Rio Negro (FOIRN) do ano de 2004 mostram que existiam, à época, na região onde está incluída a Cabeça do Cachorro, em torno de 581 aldeias que abrigavam famílias, perfazendo um total de pessoas indígenas 6. Propomos buscar melhores soluções para a saúde dos povos da Amazônia Brasileira considerando que movimentos políticos, gestores, trabalhadores e a sociedade civil organizada da região há muito veem reivindicando ações e investimentos governamentais nessa área. 5 Mangabeira Unger tem 7 propostas para a Amazônia. Disponível em: Acesso em: 8 jul FEDERAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES INDÍGENAS DO ALTO RIO NEGRO. Relação das aldeias por polo base. São Gabriel da Cachoeira: DSEI Alto Rio Negro, p.

16 15 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS, CONCEITOS E DEFINIÇÕES Fez-se um levantamento bibliográfico (selecionando bibliografia, realizando leitura analítica e fazendo fichamentos) e, num segundo momento, procedeu-se a análise dos dados obtidos, permitindo concluir sobre possíveis ações para aumentar a presença de médicas e médicos na Cabeça do Cachorro. Os conceitos que perpassam a discussão são aqueles padronizados na abordagem conceitual com base no Manual Básico da Escola Superior de Guerra (ESG) e disponibilizados na segunda seção desta monografia. A monografia encontra-se estruturada em seis seções. A introdução descreve o problema, as principais finalidades da pesquisa, sua justificativa e as opções teóricas empregadas. A segunda seção trata dos procedimentos metodológicos, conceitos e definições utilizadas neste trabalho, situando o leitor e criando um entendimento único sobre os mesmos. A terceira seção intitulada Para onde vamos, trata do referencial teórico, considerando a análise do ambiente relacionado com o assunto, restrito aos últimos dez anos e incluindo alguns fatos históricos remotos que tratam da saúde na Cabeça do Cachorro. Com base na experiência do autor, foram levantadas oportunidades e ameaças diretamente relacionadas com a alocação de médicas e médicos na Cabeça do Cachorro. Na quarta seção explicitamos os planos em vigor, as necessidades, meios disponíveis e oportunidades extraídos dos dados coletados no terceiro capítulo, bem como identificamos vários eventos que permitem a elaboração de um cenário o mais próximo da realidade atual em relação à problemática estudada. Na quinta seção intitulada Retirando a pedra do meio do caminho reunimos os principais argumentos e sugestões estratégicas enfatizando os mecanismos e a importância de aumentar a presença de médicas e médicos na Cabeça do Cachorro. A conclusão consta da quinta seção e mostra a contribuição do autor, como estagiário do CAEPE-2014 da ESG, explicitando a necessidade de um planejamento estratégico envolvendo todos os atores envolvidos para melhor resolver a problemática da alocação dos profissionais da medicina na região.

17 CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para padronizar os conceitos e as definições utilizadas neste trabalho torna-se necessário explicitá-los de forma clara para os leitores. Utilizou-se como referencial na utilização dos conceitos e definições aqueles preconizados pela ESG e constantes do Manual Básico Volume I Elementos Fundamentais; Manual Básico Volume II Assuntos Específicos; e, Manual Básico Volume III Método para o Planejamento Estratégico / ESG Segurança Nacional A Segurança Nacional desdobra-se nos seguintes níveis: individual, comunitário, nacional e coletivo. Tal abrangência reflete-se na complexidade e no vulto das responsabilidades de todos em relação à Defesa, em níveis de segurança diversos. O Território de um Estado apresenta características variadas, seja no que concerne à sua caracterização física, seja no que diz respeito ao potencial econômico, seja no que se refere às peculiaridades de suas fronteiras. Além disso, a população que vive nas diversas regiões cria subculturas, dando origem a regionalismos; decorrem dai interesses regionais que, entre si, podem ser harmônicos ou antagônicos. [...]. Entendemos assim que, dada as características da Cabeça do Cachorro e sua importância estratégica para a defesa do país, seus interesses devem ser compatibilizados com os das demais regiões do país e de forma harmônica Desenvolvimento Nacional Desenvolvimento Nacional é o processo global de fortalecimento e aperfeiçoamento do Poder Nacional, particularmente de seus Fundamentos 7 ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (Brasil). Manual Básico, 2014, 3v. Disponível em: Acesso em: 2 jun

18 17 (Homem, Terra e Instituições), visando à conquista, à manutenção dos Objetivos Nacionais e à consecução do Bem Comum. Um dos objetivos nacionais de Estado refere-se ao desenvolvimento da Amazônia Brasileira, por intermédio da exploração da terra respeitando o meio ambiente, pelo desenvolvimento econômico explorando de forma sustentável seus recursos naturais, e pela busca do Bem Comum para a população local Defesa Defesa é um ato ou conjunto de atos realizados para obter ou resguardar as condições que proporcionam a sensação de Segurança. A Constituição Federal (CF) da República Federativa do Brasil promulgada em 1988 diz em seu artigo 16, in verbis: Art. 16. Cabe às Forças Armadas, como atribuição subsidiária geral, cooperar com o desenvolvimento nacional e a defesa civil, na forma determinada pelo Presidente da República. 8 É justamente por intermédio de ações subsidiárias que as FA contribuem no campo psicossocial para o desenvolvimento do noroeste do país, alocando médicas e médicos na Cabeça do Cachorro Defesa Nacional Defesa Nacional é o conjunto de atitudes, medidas e ações do Estado, com ênfase na Expressão Militar, para a defesa do território, da soberania e dos interesses nacionais contra ameaças preponderantemente externas (...). Ao atuar na área da defesa as instituições que compõem a Expressão Militar garantem a nossa soberania, os nossos interesses e geram um ambiente dissuasório para que forças hostis não se animem a concentrarem-se junto as nossas fronteiras. Como suporte logístico indispensável, o Serviço de Saúde está presente na região para apoiar os militares e a população local. 8 BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, p.

19 Objetivos Nacionais São aqueles que a Nação busca satisfazer, em decorrência da identificação de necessidades, interesses e aspirações, em determinada fase de sua evolução histórico-cultural Objetivos Fundamentais Objetivos Nacionais que, voltados para o atingimento dos mais elevados interesses da Nação e preservação de sua identidade, subsistem por longo tempo. O art. 3º da CF da República Federativa do Brasil promulgada em 1988 nomina os Objetivos Fundamentais da Nação: construir uma sociedade livre, justa e solidária; garantir o desenvolvimento nacional; erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. Pela Emenda Constitucional nº 31, de 14 de dezembro de 2000, cria o Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza. Atenção especial é dada para a população indígena que vive na Cabeça do Cachorro, de forma universal e equitativa, sendo que o atendimento médico prestado pelas FA é feito sem discriminação, tanto para militares como para a população civil Objetivos de Estado São os objetivos nacionais intermediários, voltados para o atendimento de necessidades, interesses e aspirações, considerados de alta relevância para a conquista, consolidação e manutenção dos Objetivos Fundamentais. Em relação a nossa problemática, os objetivos intermediários referem-se a alocação de médicas e médicos na Cabeça do Cachorro para que, juntamente com outros profissionais de saúde e contando com uma infraestrutura adequada, possam trabalhar na busca da conquista, da consolidação e manutenção dos Objetivos Fundamentais acima citados.

20 Objetivos de Governo São objetivos nacionais intermediários, voltados para o atendimento imediato de necessidades, interesses e aspirações, decorrentes de situações conjunturais em um ou mais períodos de Governo. Ao lado de áreas prioritárias como o combate a fome e a miséria, a recuperação da infraestrutura do país e a solução do nosso problema energético, o governo atual dá atenção especial a área da saúde e do saneamento, particularmente no nordeste e norte do país (onde esta localizada a Cabeça do Cachorro Bem Comum Ideal de convivência que, transcendendo a busca do bem estar, construa uma sociedade onde todos tenham condições de plena realização de suas potencialidades e do exercício consciente de valores éticos, morais e espirituais Mobilização Nacional Na expressão psicossocial, a mobilização nacional visa à motivação de pessoas e da sociedade, com a finalidade de criar condições favoráveis ao apoio das atividades de mobilização. Atitude eminentemente consciente e participativa, tendo como estímulo preponderante a possibilidade da ocorrência de guerra que envolva direta ou indiretamente o país. A Amazônia Brasileira é uma região que desperta a cobiça internacional, tanto por questões ambientais como econômicas. A questão indígena suscita manifestações da comunidade internacional no sentido de forçar o Brasil a reconhecer os direitos dessa população e o reconhecimento do território que ocupam como áreas invioláveis. Frente a essas ameaças, o Poder Nacional deve contar com a mobilização para impor sua vontade e soberania nessa região do país.

SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA: Um sonho que está se tornando realidade. Peru Setembro,2011

SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA: Um sonho que está se tornando realidade. Peru Setembro,2011 : Um sonho que está se tornando realidade Peru Setembro,2011 DEMOGRAFIA DOS POVOS INDÍGENAS DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO INDÍGENA Estão presentes : em 26 Estados e no DF em 438 municípios: 11% de médio porte

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA?

MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA? MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA? De acordo com a Constituição Federal do Brasil, no capítulo dos direitos sociais, todo cidadão tem o direito à saúde, educação, trabalho, moradia, lazer,

Leia mais

4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE INDÍGENA

4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE INDÍGENA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE INDÍGENA 'DISTRITO SANITÁRIO ESPECIAL INDÍGENA: TERRITÓRIO DE PRODUÇÃO DE SAÚDE, PROTEÇÃO DA VIDA E VALORIZAÇÃO DAS TRADIÇÕES' DOCUMENTO BASE Brasília, outubro de 2005

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Mônica Maria Henrique dos Santos 1, Eduardo Machado Cavalcanti 2. Recife, Brasil. Brasil. Justificativa:

Mônica Maria Henrique dos Santos 1, Eduardo Machado Cavalcanti 2. Recife, Brasil. Brasil. Justificativa: Estudo comparativo dos percentuais dos gastos com medicamentos na saúde indígena de Pernambuco frente aos gastos totais em saúde, com os indicadores do SIOPS, nos exercícios de 2002 a 2011. Mônica Maria

Leia mais

Programa Nacional de Imunizações Case: Operação Gota

Programa Nacional de Imunizações Case: Operação Gota Programa Nacional de Imunizações Case: Operação Gota Samia Samad Organização Panamericana da Saúde Operação Gota - Dados Históricos 1989 apoio informal da Força Aérea para ações de saúde no Estado do Amazonas;

Leia mais

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Ana Iva Corrêa Brum Barros 1 Rayana de Carvalho Freitas 2 Prof. Esp. Gilmar dos Santos Soares

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

F. Tratamento fora do domicílio

F. Tratamento fora do domicílio F. Tratamento fora do domicílio artigos 197 e 198 da Constituição Federal de 1988; Lei Orgânica da Saúde nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, disciplinada pela Portaria Federal nº 055, de 24 de fevereiro

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS BRASIL 8,5 milhões de Km²; 192 milhões de habitantes; 26 Estados e 01 Distrito Federal; 5.564 municípios (70,3 % com menos de 20.000 habitantes);

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 109, de 6 de Junho de 2012 (quarta-feira) Seção 1 Págs. 227_232 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

O PRDIS-RN considera fundamental:

O PRDIS-RN considera fundamental: Mesmo assim, a FOIRN colaborou intensamente no processo de elaboração e aprovação do Plano Diretor do município de São Gabriel da Cachoeira, recomendando às associações afiliadas e as comunidades indígenas

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas 1. Nota Técnica. O sonho vira pesadelo : sobre as violações do direto à Saúde Indígena no Brasil

Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas 1. Nota Técnica. O sonho vira pesadelo : sobre as violações do direto à Saúde Indígena no Brasil Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas 1 Nota Técnica O sonho vira pesadelo : sobre as violações do direto à Saúde Indígena no Brasil Descaso na Saúde Indígena: O sonho vira pesadelo são

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

Saúde Indígena. ANOP Auditoria de Natureza Operacional TC 013.233/2008-5 / Ac. 402/2009-Plenário

Saúde Indígena. ANOP Auditoria de Natureza Operacional TC 013.233/2008-5 / Ac. 402/2009-Plenário Saúde Indígena ANOP Auditoria de Natureza Operacional TC 013.233/2008-5 / Ac. 402/2009-Plenário Verificação da efetividade na aplicação de recursos federais em ações assistenciais e de saúde aos povos

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

Declaração de Adelaide sobre Cuidados

Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Primários A adoção da Declaração de Alma Ata, há década atrás, foi o marco mais importante do movimento da "Saúde Para Todos

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Bogotá, junho de 2013 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o Plano Mais Brasil PPA 2012-2015 Dimensão Estratégica do Desenvolvimento

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS PORTUGUESE (PT) ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS A Fundação Rotária atesta que: 1. Suas metas visam aumentar a eficácia na outorga de subsídios e garantir a qualidade dos projetos; 2. As declarações

Leia mais

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 1.948, DE 3 DE JULHO DE 1996. Regulamenta a Lei n 8.842, de 4 de janeiro

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

O DIREITO À SAÚDE. Prof. Msc. Danilo César Siviero Ripoli

O DIREITO À SAÚDE. Prof. Msc. Danilo César Siviero Ripoli O DIREITO À SAÚDE Prof. Msc. Danilo César Siviero Ripoli Previsão : Arts. 196 à 200 da CF. Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE NO BRASIL (ESTUDOS DE CASO) FLAVIO GOULART (Consultor ad-hoc - OPAS Brasil) Brasília, 12 de dezembro de 2013

PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE NO BRASIL (ESTUDOS DE CASO) FLAVIO GOULART (Consultor ad-hoc - OPAS Brasil) Brasília, 12 de dezembro de 2013 PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE NO BRASIL (ESTUDOS DE CASO) FLAVIO GOULART (Consultor ad-hoc - OPAS Brasil) Brasília, 12 de dezembro de 2013 15 EXPERIÊNCIAS SELECIONADAS LABORATÓRIOS DE INOVAÇÃO ORIGEM Nº

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

DOCUMENTO FINAL VIII CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE ALAGOAS

DOCUMENTO FINAL VIII CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE ALAGOAS DOCUMENTO FINAL VIII CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE ALAGOAS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Atualizar anualmente a tabela do ministério da saúde de consultas e

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Rondônia. Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Rondônia. Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio RO Rondônia Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio RO Rondônia Expediente Sínteses Estaduais: Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Edição 2010 Tiragem 1000 exemplares Elaboração

Leia mais

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL.

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 1- Apresentação A Constituição de 1988, denominada pelo saudoso Deputado

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO

DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliar e qualificar acesso aos serviços de qualidade, em tempo adequado,

Leia mais

Gestão da saúde indígena O Modelo Brasileiro de Atenção à Saúde Indígena

Gestão da saúde indígena O Modelo Brasileiro de Atenção à Saúde Indígena Primer Foro Nacional de Salud de los Pueblos Indígenas San José Costa Rica 26, 27 y 28 de octubre de 2005 Gestão da saúde indígena O Modelo Brasileiro de Atenção à Saúde Indígena Edgard Dias Magalhaes

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas

Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas 1. Atenção a Saúde da População Indígena no Estado de São Paulo 1 A população Indígena residente no Estado de São Paulo totaliza, segundo Censo do IBGE

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

2º Debate sobre Mineração

2º Debate sobre Mineração 2º Debate sobre Mineração AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PROJETOS DE MINERAÇÃO E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Raimundo Moraes Ministério Público do Pará Belém, 30 de setembro

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007 Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios Brasília, 1º de outubro de 2007 A ANVISA Autarquia sob regime especial Independência administrativa e

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

A saúde do tamanho do Brasil

A saúde do tamanho do Brasil A saúde do tamanho do Brasil BREVE HISTÓRIA DE UMA LONGA CAMINHADA A saúde é um direito de todos e um dever do Estado. Essa conquista social, incorporada à Constituição Federal de 1988 e construída a partir

Leia mais

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul -III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul EM DEFESA DA AMAZÔNIA "ambientes sociais e físicos que destroem ou promovem

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS Sobre o SUS A Constituição Federal do Brasil define, em seu artigo 196 que a saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas,

Leia mais

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com.

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com. PERFIL MUNICIPAL Blumenau - SC Data de instalação Ano de 1880 Estimativa da população 2009 Natalidade 2007 299.416 habitantes 3.818 nascidos vivos Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855 Área 520

Leia mais