Equações não lineares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equações não lineares"

Transcrição

1 Capítulo 2 Equações não lineares Vamos estudar métodos numéricos para resolver o seguinte problema. Dada uma função f contínua, real e de uma variável, queremos encontrar uma solução x que satisfaça a equação não linear: f(x ) = 0. (2.1) Em geral a equação (2.1) não pode ser resolvida exatamente, isto é, a solução x não pode ser descrita a partir de uma combinação finita de operações algébricas simples (+,,/,, exp, log) e funções elementares (polinômios, razão entre polinômios, potências racionais, e as funções transcendentais: exp,log, trigonométricas, hiperbólicas). Há casos em que a própria função f não é conhecida explicitamente: pode ser definida a partir de uma série infinita, ou a partir de uma integral ou ainda ser solução de uma equação diferencial. nesses casos utilizamos métodos numéricos para resolver a equação. Idealmente, poderíamos dividir o procedimento nas seguintes etapas: inicialmente devemos encontrar uma região de interesse onde possam existir soluções da equação; em seguida, quando possível, isolar os intervalos que contém apenas 1 solução; feito isso, determinamos pelo menos 1 aproximação inicial x 0 da solução (de acordo com o método utilizado, pode ser necessário utilizar mais de uma aproximação inicial) para cada intervalo; finalmente, a partir das aproximações iniciais, o método numérico consiste na construção de uma seqüência {x n } n=0 que converge para a solução, isto é, lim x n = x n + solução da equação (2.1). Portanto os métodos numéricos para encontrar a solução de equações não lineares são métodos iterativos. A cada iteração, utilizamos um subconjunto das aproximações x n 1,x n 2,...,x 0, obtidas anteriormente, para determinar a próxima aproximação x n. Estudaremos os métodos separados em três classes principais: Métodos de quebra: o ponto de partida é encontrar um intervalo que contenha pelo menos 1 solução. Segundo o teorema de Bolzano, basta determinar um intervalo em que a função f muda de sinal. Os métodos de quebra consistem na descrição de como subdividir o intervalo inicial em intervalo cada vez menores que ainda contenham a mesma solução. Nesse caso, a seqüência x 0,x 1,x 2,...,x n é formada pelos extremos dos intervalos. A solução numérica será encontrada quando a largura do intervalo em uma m-ésima iteração for pequeno o suficiente para satisfazer as exigências de exatidão. Métodos de ponto fixo: A seqüência {x i } i=n i=0 é construída a partir da sucessiva iteração

2 Capítulo 2. Equações não lineares 21 x n+1 = φ(x n ). A convergência do método é garantida pelo teorema do ponto fixo, daí o nome dos métodos. Métodos de múltiplos passos: Uma generalização do método anterior onde a função φ depende de mais de uma aproximação anterior, i. e., x n+1 = φ(x n,x n 1,...,x n p ) para algum p n Métodos de quebra Os métodos de quebra utilizam como primeira aproximação um intervalo que contenha pelo menos 1 solução da equação não linear. As iterações consistem em seguidas subdivisões dos intervalos de maneira que o novo intervalo sempre contem a solução. O uso do teorema é comum a todos os métodos de quebra, ele fornece condições para que os intervalos contenham pelo menos 1 solução da equação. Apresentamos o teorema sem sua prova. Teorema (Bolzano) Seja I = [a,b] R e uma função f : I R contínua. Então o conjunto imagem f(i) é também um intervalo e [f(a),f(b)] f(i) ou [f(b),f(a)] f(i). Portanto, se encontrarmos um intervalo [a,b] tal que, por exemplo, f(a) < 0 e f(b) > 0, então pelo teorema de Bolzano existe, um ponto x [a,b] tal que f(x ) = 0. O que difere os métodos de quebra entre si é a maneira com que os intervalos são subdivididos Método da bissecção A aproximação inicial consiste em um intervalo [x 0,x 1 ] tal que f(x 0 )f(x 1 ) < 0. Então dividimos o intervalo ao meio, ou seja, no ponto x 2 = x 0 + x 1. Entre os intervalos [x 0,x 2 ] e [x 2,x 1 ] 2 escolhemos aquele que possui pelo menos 1 solução, ou seja, aquele em que f(x 2 )f(x i ) < 0 para i = 0,1. Pode ainda ocorrer que x 2 seja solução, ou seja, x 2 = x ou ainda que ambos os intervalos sejam tais que f(x 0 )f(x 2 ) < 0 e f(x 2 )f(x 1 ) < 0, nesse caso, ambos subintervalos contém pelo menos 1 solução e podemos continuar o procedimento em cada um deles em separado. Observação. Se a aproximação inicial [x 0,x 1 ] for tal que f(x 0 )f(x 1 ) > 0 isto não quer dizer que não exista solução nesse intervalo, apenas o teorema não permite uma conclusão sobre a existência ou não de solução nesse intervalo. Nesse caso é necessário escolher outro intervalo ou então realizar um divisão adicional. Por exemplo, se f(x) = x(1 x), a equação não linear f(x ) = 0 possui soluções x = 0 e x = 1, porém f( 1)f(3) > 0. Devemos adotar um critério de parada no processo de subdivisão dos intervalos. Em geral adotamos dois valores pequenos ε 1 e ε 2 de maneira que a solução é escolhida uma vez que uma das três desigualdades seguintes seja satisfeita: x n x m < ε 1, f(x n ) < ε 2 ou f(x m ) < ε 2. O seguinte algoritmo descreve com maior detalhe todos os passos. A entrada do programa consiste nos extremos do intervalo inicial [a,b], a função f, os parâmetros de exatidão ε 1 e ε 2 e o número máximo de passos aceitável N. A saída pode ser mensagens de erro, o intervalo mínimo (de comprimento ε 1 ) onde a solução se encontra (se não for possível obter a exatidão pretendida, ε 2 ) ou a solução x com exatidão dada pelo parâmetro ε 2. Por comodidade, os comentários estão colocados após o algoritmo.

3 Capítulo 2. Equações não lineares entrada {a,b,f,ε 1,ε 2,N} 2. x 0 a; x 1 b;f 0 f(x 0 ); f 1 f(x 1 ); i 1 3. se f 0 f 1 > 0, então: saída{ Erro nos dados de entrada }; vá para: final 4. enquanto f 0 > ε 2 e f 1 > ε 2 e i < N a) se x 0 x 1 < ε 1 então: saída{x 0,x 1 }; vá para: final b) x 2 0,5 (x 0 + x 1 ); f 2 f(x 2 ) c) se f 2 f 0 < 0, então: x 1 x 2 ; f 1 f 2, senão: x 0 x 2 ; f 0 f 2 d) i i se i > N, então: saída{ Não atingiu a exatidão exigida em,n, passos. }; vá para: final 6. se f 0 ε 2 então: saída{x 0 }; vá para: final, senão: saída{x 1 }; vá para: final 7. final: termina o programa. Comentários: linha 2: as variáveis x 0 e x 1 guardam o valor dos extremos dos intervalos, f 0 e f 1 guardam o valor da função nesses extremos. A variável i é um contador. linha 4: laço em que os intervalos são divididos. Se alguma das condições for satisfeita encontramos a solução com exatidão desejada ou excedemos o número máximo de passos. linha 4(a): os intervalo atingiu o menor valor admissível. O intervalo que contem a solução é retornado como saída, porém a exatidão não foi atingida. linha 4(c): teste para encontrar o intervalo que contem pelo menos 1 solução com certeza. linha 4(d): incremento do contador linha 5: se o código está nesse ponto, o laço 4 terminou, ou seja, ou encontramos a solução ou excedemos o número máximo de passos. linha 6: não é necessário testar f 1 pois se i > N é falso e f 0 ε 2 é falso, só resta f 1 ε 2 como afirmação verdadeira. Como exemplo do método, vamos estudar a equação não linear para f(x) = x e x. A solução é dada em termos da função especial W de Lambert: x = W(1) = 0, A tabela seguinte ilustra o comportamento dos extremos do intervalo para a equação x e x = 0 com intervalo inicial (0.0, 1.0): Após 20 iterações chegamos ao intervalo ( , ). O valor 0, é satisfatório como solução com 6 casa decimais exatas. Limitações do método No caso de raízes múltiplas de polinômios, pode não existir um intervalo onde a função troca de sinal. Ou pelo menos pode ser difícil encontrar tal intervalo. Veja os gráficos abaixo.

4 Capítulo 2. Equações não lineares 23 iteração x 0 x 1 1 0, 5 1,0 2 0,5 0,75 3 0,5 0, , , , , , , Tabela 2.1. Tabela das primeiras iterações para o método da bissecção f x x x Figura 2.1. Gráfico da função f(x) = x e x, no intervalo x [0, 1]. f x f x x x Método da falsa posição ou regula falsi A diferença básica entre este método e o método da bisseção está na forma de dividir o intervalo. O método da falsa posição utiliza como ponto intermediário para divisão do intervalo (x 0,x 1 ), o ponto dado pela intersecção entre o eixo x e a reta que une os pontos (x 0,f(x 0 )) e (x 1,f(x 1 )). A reta que une esses dois pontos possui equação ρ(x): Portanto, o ponto intermediário x m é dado por ρ(x) = f(x 0) f(x 1 ) x 0 x 1 x + x 0f(x 1 ) x 1 f(x 0 ) x 0 x 1. x m = x 0 (x 0 x 1 ) f(x 0 ) f(x 1 ) f(x 0). A tabela seguinte ilustra o comportamento dos extremos do intervalo para a equação x e x = 0 com intervalo inicial (0.0, 1.0):

5 Capítulo 2. Equações não lineares 24 f x x x 0 x x m x 1 Figura 2.2. A reta que une os pontos (x 0, f(x 0 )) e (x 1, f(x 1 )) está pontilhada. Ela cruza o eixo x no ponto que divide o intervalo, x m iteração x 0 x 1 1 0, 0 0, , 0 0, , 0 0, , 0 0, , 0 0, , 0 0, Tabela 2.2. Tabela das primeiras iterações para o método da falsa posição. Após 7 iterações chegamos ao resultado nas mesmas condições (6 casas decimais de exatidão) utilizadas no método anterior Métodos de ponto fixo Os métodos de ponto fixo são caracterizados por reescrever a equação não linear f(x ) = 0 (2.2) na forma φ(x ) = x e utilizar o teorema do ponto fixo que veremos logo adiante para garantir a convergência da seqüência x n+1 = φ(x n ) para o ponto fixo x que é solução de (2.2). Seja portanto a função φ : [a,b] R φ(x) = x + γ(x)f(x), onde γ(x) 0 no intervalo [a,b]. Nesse caso, se φ(x ) = x, então como γ(x) 0 para todo x [a,b], f(x ) = 0. A solução x será então determinada através da convergência da seqüência {x n } n=0, lim n x n = x, onde x n+1 = φ(x n ). A garantia da convergência é estabelecida pelo teorema do ponto fixo:

6 Capítulo 2. Equações não lineares 25 Teorema (ponto fixo) Seja φ uma função contínua, definida em um intervalo I = [a,b] e tal que as seguintes condições sejam satisfeitas: φ(i) I, obs: (a notação indica x I, g(x) I) x I, φ (x) L < 1 obs:(φ é uma contração) Então dado qualquer x 0 I, existe um único ponto x I tal que a seqüência x n+1 = φ(x n ) converge para x = φ(x ). Demonstração: Vamos tratar inicialmente a questão da convergência (existência de ponto fixo). Seja a distância entre dois pontos consecutivos x n+1 e x n da seqüência : x n+1 x n = φ(x n ) φ(x n 1 ). Segundo o teorema do valor médio, existe um c [x n,x n 1 ] tal que φ(x n ) φ(x n 1 ) = φ (c) x n 1 x. De acordo com as hipóteses, φ é tal que φ(i) I, então se a aproximação inicial x 0 pertence a I então φ(x n ) e φ(x n 1 ) também lhe pertencem. Como c [x n,x n 1 ] I então segundo as hipóteses φ (c) L < 1, então x n+1 x n = φ(x n ) φ(x n 1 ) = φ (c) x n x n 1 L x n x n 1. (2.3) Utilizando recursivamente a desigualdade (2.3) temos x n+1 x n L x n x n 1 L 2 x n 1 x n 2... L n x 1 x 0, portanto lim x n+1 x n lim n n Ln x 1 x 0 = x 1 x 0 lim n Ln. Novamente segundo as hipóteses, L < 1 e x 1 x 0 é um número finito pois x 1 e x 0 pertencem ao intervalo finito [a,b]. Assim lim n L n = 0 e lim x n+1 x n = 0. n Ou seja, a seqüência converge para um x = φ(x ). Dessa forma, existe pelo menos um ponto x no intervalo [a,b] que satisfaz a equação x = φ(x ). A seguir vamos verificar que esse ponto é único. Sejam x 1 e x 2 dois pontos distintos no intervalo I = [a,b] que satisfazem a equação x = φ(x), ou seja, x 1 = φ(x 1 ) e x 2 = φ(x 2 ). Então, de acordo com o teorema do valor médio, existe um c [x 1,x 2 ] tal que x 1 x 2 = φ (c) x 1 x 2.

7 Capítulo 2. Equações não lineares 26 Segundo as hipóteses, x 1,x 2 I, então φ (c) L < 1, ou seja x 1 x 2 < x 1 x 2 o que é uma contradição. Portanto, no intervalo I = [a,b] há um e somente um ponto x = φ(x). Observação. Note que na demonstração do teorema do ponto fixo, é fundamental que a derivada de φ seja estritamente menor do que 1 em alguma vizinhança I que contém a solução. Caso contrário, se φ (x) 1 em um intervalo I, não podemos excluir a possibilidade de que as iteradas transitem por uma seqüência cíclica de pontos sem convergir para a solução x, ou mesmo a possibilidade de haver mais de uma solução nesse intervalo. Naturalmente isto não quer dizer que esses comportamentos ocorram sempre que as hipóteses do teorema não forem válidas Método da iteração linear Trata-se de encontrar uma função φ que satisfaça as hipóteses do teorema do ponto fixo para alguma vizinhança em torno da solução x da equação f(x ) = 0. Como a função φ é construída a partir de uma outra função γ(x) 0 em um intervalo que contem a solução de f(x ) = 0, encontrá-la significa determinar γ(x) 0. A condição de convergência é garantida então pelo teorema do ponto fixo se as suas hipóteses forem satisfeitas. Vamos considerar o exemplo que já estudamos anteriormente, f(x) = x e x. Nesse caso f(x) = 0 x = e x = φ(x). Portanto, como por definição, φ(x) = x + γ(x)f(x), no nosso exemplo γ(x) 1. Assim γ(x) 0 para qualquer valor de x. Como φ (x) = e x, as hipóteses do teorema do ponto fixo são válidas apenas nos intervalos 1 I [W(1),1], onde φ(i) I e φ (x) < 1. Vamos escolher então a aproximação inicial x 0 = 0,5. a seqüência é dada em seus primeiros termos por iteração n x n 1 0, , , , , , Tabela 2.3. Tabela das primeiras iterações para o método da iteração linear com φ(x) = e x. A solução com 6 dígitos exatos é alcançada após 22 iterações. Uma outra possibilidade para a função φ seria a escolha φ(x) = ln x que corresponde a γ(x) = x + ln x x e x que é sempre negativa no intervalo (0,+ ). No entanto, φ (x) = 1 x é maior do que a unidade no intervalo (0, 1) que contém a solução e assim, o teorema do ponto fixo não dá 1 A função W é função W de Lambert e esta relacionada à solução da equação x = e x. Na prática, não procuramos garantir a hipótese φ(i) I pois muitas vezes, determinar esse intervalo exatamente equivale a resolver a equação não linear.

8 Capítulo 2. Equações não lineares 27 garantias de convergência. Podemos perceber que logo nas primeiras iterações, a seqüência toma valores negativos e, dessa forma, como φ(x) = lnx, a seqüência não estará definida apenas nos números reais. Em particular essa seqüência não converge para nenhuma solução de f(x) no plano complexo (a equação possui infinitas soluções lá) Método Newton-Raphson A partir da demonstração do teorema do ponto fixo, podemos notar que quanto menor for o limite superior L < 1 para o valor absoluto da derivada de φ na vizinhança da solução x mais rapidamente a seqüência converge para a solução da equação não linear. O método de Newton-Raphson é um método iterativo que utiliza essa propriedade da convergência das seqüências para garantir uma convergência rápida para a solução a partir do instante que x n+1 se aproxima de uma vizinhança suficientemente próxima de x. Portanto, a idéia é determinar uma função γ(x) tal que φ (x ) = 0 e assim garantir que, em uma vizinhança próxima de x, a função φ é tal que φ 1. Tomando a derivada de φ, por definição temos: φ (x) = 1 + γ (x)f(x) + γ(x)f (x) e em x = x, solução da equação f(x ) = 0, temos φ (x ) = 1 + γ(x )f (x ). Portanto, a escolha γ(x) = 1 f (x) (2.4) implica φ (x ) = 0 de maneira que na vizinhança de x, φ assume pequenos valores. A partir da escolha (2.4) para a função γ, a função φ é dada por φ(x) = x f(x) f (x). (2.5) Vamos novamente utilizar o exemplo f(x) = x e x, nesse caso a iteração é dada pela função φ: Partindo da aproximação inicial x 0 = 0,5: φ(x) = x x e x (x + 1) = 1 + e x 1 + e x. iteração n x n 1 0, , Tabela 2.4. Tabela das primeiras iterações para o método Newton-Raphson com φ(x) = (x+1) 1+e x. a seqüência converge para a solução exata até a 6 a casa decimal em duas iterações. Se utilizarmos x 0 = 1,0 como aproximação inicial obteríamos o mesmo resultado após três iterações.

9 Capítulo 2. Equações não lineares 28 Vamos analisar com um pouco mais de detalhe a questão da convergência. Se a função φ é suficientemente bem comportada a ponto de admitir uma expansão em série de Taylor em torno da solução x, então x n+1 x = φ(x n ) x = φ(x ) + φ (x ) x n x φ (x ) x n x 2 x Como a derivada φ é dada por φ (x ) x n x φ (x ) x n x 2 + O( x n x 3 ). (2.6) φ (x) = f(x)f (x) (f (x)) 2, (2.7) podemos concluir que se f (x ) 0 então φ (x ) = 0. E assim, a desigualdade (2.6) assume a forma x n x 1 2 φ (x ) x n 1 x 2 + O( x n 1 x 3 ) com φ (x ) = f (x ) f (x ). Ou seja, se f (x ) 0 então a convergência é quadrática pelo menos. No entanto se f (x ) = 0 (por exemplo, no caso de raízes múltiplas), a derivada de φ no ponto x não se anula. Se realizarmos uma expansão de Taylor para (2.7) encontraremos (devemos expandir o numerador e o denominador independentemente), no caso em que f (x ) = 0 e f (x ) 0, φ (x n ) = f (x ) 3! f (x ) (x n x ) + O((x n x ) 2 ), ou seja φ (x ) = 1 2 se f (x ) = 0. E assim a desigualdade (2.6) assume a forma x n x 1 2 x n 1 x + O( x n 1 x 2 ) e a convergência é linear como nos métodos de iteração linear Métodos de múltiplos pontos Método da secante O método da secante é similar ao método da falsa posição, diferem entre si pelo fato de que no método da secante não há divisão e escolha de intervalos, a seqüência de aproximações é calculada a partir das duas últimas aproximações e portanto, devemos iniciar com duas aproximações para a solução. Ao contrário do método da falsa posição, não há necessidade de que a solução esteja entre as duas aproximações iniciais.

10 Capítulo 2. Equações não lineares 29 A seqüência é montada a partir da regra para iteração 2 x n+1 = x n (x n x n 1 ) f(x n ) f(x n 1 ) f(x n). De maneira semelhante à que ocorre nos métodos de ponto fixo, para que ocorra convergência, em geral, as duas primeiras aproximações devem estar em uma vizinhança suficientemente próxima da solução. É possível demonstrar que existe um constante K tal que x n+1 x lim n x n x ρ = K, onde ρ = ,618. Ou seja, apesar de ser mais lenta que no método Newton-Raphson, a 2 convergência é mais rápida que a convergência linear de alguns métodos de ponto fixo. iteração n x n 1 0, , Tabela 2.5. Tabela das primeiras iterações para o método da secante para f(x) = x e x, com aproximações iniciais x 0 = 0, 9 e x 1 = 1, 0. a seqüência converge para a solução exata até a 6 a casa decimal em quatro iterações. Se utilizarmos x 0 = 0,5 e x 1 = 1,0 como primeiras aproximações obteríamos o mesmo resultado após três iterações Exercícios 1) Seja a equação não linear x e x = 0. A solução é dada em termos da função W de Lambert, x = W(1) 0, Se utilizarmos o método da bissecção e o intervalo inicial (0, 1) serão necessárias 20 iterações para obter um resultado com 6 casas decimais exatas. Utilizando o mesmo intervalo inicial mas com o método da falsa posição serão necessárias apenas 8 iterações para obter um resultado com a mesma exatidão. Se no entanto, o intervalo inicial for ( 10, 10) serão necessárias iterações no método da falsa posição enquanto que no método da bissecção serão necessárias apenas 24 iterações. Como você explicaria essa diferença? 2 É comum utilizar as seguintes variações para minimizar os efeitos de arredondamento: x n+1 = f(x n 1 ) 1 f(xn) f(x n 1 ) x n (xn x n 1) f(xn) x n (xn x n 1) 1 f(x n 1 ) f(xn), se f(x n) < f(x n 1), se f(x n 1) < f(x n)

11 Capítulo 2. Equações não lineares 30 2) Encontre as duas soluções reais da equação x + e x 3 = 0 com seis dígitos exatos. 3) As seguintes equações possuem possuem uma raiz real positiva igual a 3 2. x 4 3,5x 3 + 2,25x 2 + 3,375x 3,375 = 0 x 4 + 1,5x 3 1,5x 2 3,5x 1,5 = 0 Utilize o método de Newton-Raphson com algumas aproximações iniciais diferentes para encontrar essa raiz. O que você pode notar? 4) Utilize os métodos de Newton-Raphson e da secante para determinar a primeira raiz real positiva da equação cos(x) = x. 5) Utilize os métodos de Newton-Raphson e da secante para determinar as duas raizes reais e positivas da equação x x 0.8 = 0 6) Determine as três raizes reais e positivas da equação cos(x) = 0.02x 2

Neste capítulo estamos interessados em resolver numericamente a equação

Neste capítulo estamos interessados em resolver numericamente a equação CAPÍTULO1 EQUAÇÕES NÃO-LINEARES 1.1 Introdução Neste capítulo estamos interessados em resolver numericamente a equação f(x) = 0, onde f é uma função arbitrária. Quando escrevemos resolver numericamente,

Leia mais

f(1) = 6 < 0, f(2) = 1 < 0, f(3) = 16 > 0 x [2, 3].

f(1) = 6 < 0, f(2) = 1 < 0, f(3) = 16 > 0 x [2, 3]. 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Métodos Numéricos Para Solução

Leia mais

Métodos iterativos dão-nos uma valor aproximado para s. Sequência de valores de x que convergem para s.

Métodos iterativos dão-nos uma valor aproximado para s. Sequência de valores de x que convergem para s. Análise Numérica 1 Resolução de equações não lineares ou Cálculo de zeros de funções Problema: Dada a função f(x) determinar o valor s tal que f(s) = 0. Slide 1 Solução: Fórmulas exemplo: fórmula resolvente

Leia mais

Cálculo Numérico. Santos Alberto Enriquez-Remigio FAMAT-UFU 2015

Cálculo Numérico. Santos Alberto Enriquez-Remigio FAMAT-UFU 2015 Cálculo Numérico Santos Alberto Enriquez-Remigio FAMAT-UFU 2015 1 Capítulo 1 Solução numérica de equações não-lineares 1.1 Introdução Lembremos que todo problema matemático pode ser expresso na forma de

Leia mais

Exercícios de MATEMÁTICA COMPUTACIONAL. 1 0 Semestre de 2009/2010 Resolução Numérica de Equações Não-Lineares

Exercícios de MATEMÁTICA COMPUTACIONAL. 1 0 Semestre de 2009/2010 Resolução Numérica de Equações Não-Lineares Exercícios de MATEMÁTICA COMPUTACIONAL Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica 1 0 Semestre de 2009/2010 Resolução Numérica de Equações Não-Lineares 1. Considere a equação sin(x) e x = 0. a) Prove que

Leia mais

CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES

CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES Vamos estudar alguns métodos numéricos para resolver: Equações algébricas (polinómios não lineares; Equações transcendentais equações que envolvem funções

Leia mais

Ana Paula. October 26, 2016

Ana Paula. October 26, 2016 Raízes de Equações October 26, 2016 Sumário 1 Aula Anterior 2 Método da Secante 3 Convergência 4 Comparação entre os Métodos 5 Revisão Aula Anterior Aula Anterior Aula Anterior Aula Anterior Método de

Leia mais

étodos uméricos ZEROS DE FUNÇÕES Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

étodos uméricos ZEROS DE FUNÇÕES Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA étodos uméricos ZEROS DE FUNÇÕES Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE JOÃO DEL-REI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza.

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza. Métodos Numéricos Turma CI-202-X Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 5 (16/09/15) Zero de funções: Introdução Tipos de métodos Diretos Indiretos ou iterativos Fases de cálculos Isolamento

Leia mais

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Zeros: Introdução

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Zeros: Introdução TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Zeros: Introdução Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, 2015 Os zeros de uma função são os valores de x que anulam esta função. Este podem ser Reais ou Complexos.

Leia mais

Raízes de uma função. Laura Goulart. 16 de Março de 2016 UESB. Laura Goulart (UESB) Raízes de uma função 16 de Março de / 1

Raízes de uma função. Laura Goulart. 16 de Março de 2016 UESB. Laura Goulart (UESB) Raízes de uma função 16 de Março de / 1 Raízes de uma função Laura Goulart UESB 16 de Março de 2016 Laura Goulart (UESB) Raízes de uma função 16 de Março de 2016 1 / 1 Aproximação de uma raíz Dado uma precisão ɛ > 0, diremos que um ponto c R

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 7 04/2014 Zeros reais de funções Parte 1 Objetivo Determinar valores aproximados para as soluções (raízes) de equações da

Leia mais

Andréa Maria Pedrosa Valli

Andréa Maria Pedrosa Valli Raízes de Equações Andréa Maria Pedrosa Valli Laboratório de Computação de Alto Desempenho (LCAD) Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, Vitória, ES, Brasil 2-27 Raízes

Leia mais

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza.

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza. Métodos Numéricos Turma CI-202-X Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 9 (30/09/15) Método de Ponto Fixo: Método de Newton- Raphson ou Método das Tangentes O que é Como é calculado Particularidades

Leia mais

Equações não lineares

Equações não lineares DMPA IME UFRGS Cálculo Numérico Índice Raizes de polinômios 1 Raizes de polinômios 2 raizes de polinômios As equações não lineares constituídas por polinômios de grau n N com coeficientes complexos a n,a

Leia mais

Aula 2- Soluções de Equações a uma Variável (zeros reais de funções reais)

Aula 2- Soluções de Equações a uma Variável (zeros reais de funções reais) Cálculo Numérico IPRJ/UERJ Sílvia Mara da Costa Campos Victer ÍNDICE Aula 2- Soluções de Equações a uma Variável (zeros reais de funções reais) FASE I: Isolamento das raízes. FASE 2: Refinamento: 2.1-

Leia mais

Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA

Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA Exercícios de ANÁLISE E SIMULAÇÃO NUMÉRICA Licenciaturas em Engenharia do Ambiente e Química 2 o Semestre de 2005/2006 Capítulo II Resolução Numérica de Equações Não-Lineares 1. Considere a equação sin(x)

Leia mais

Resolução Numérica de Equações Métodos Parte II

Resolução Numérica de Equações Métodos Parte II Cálculo Numérico Resolução Numérica de Equações Métodos Parte II Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br MATERIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - www.dsc.ufcg.edu.br/~cnum/

Leia mais

MAP CÁLCULO NUMÉRICO (POLI) Lista de Exercícios sobre Zeros de Funções

MAP CÁLCULO NUMÉRICO (POLI) Lista de Exercícios sobre Zeros de Funções MAP 2121 - CÁLCULO NUMÉRICO (POLI) Lista de Exercícios sobre Zeros de Funções 1: Mostre que a função f(x) = x 2 4x + cos x possui exatamente duas raízes: α 1 [0, 1.8] e α 2 [3, 5]. Considere as funções:

Leia mais

Solução numérica de equações não-lineares

Solução numérica de equações não-lineares Capítulo 1 Solução numérica de equações não-lineares 1.1 Introdução Lembremos que todo problema matemático pode ser expresso na forma de uma equação. Mas, o que é uma equação? Uma equação é uma igualdade

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação FCSAC Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação FCSAC Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação FCSAC Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) REVISÃO DA 1ª PARTE

Leia mais

Capítulo 4 - Equações Não-Lineares

Capítulo 4 - Equações Não-Lineares Capítulo 4 - Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança 2 o Ano - Eng. Civil, Química e Gestão Industrial Carlos Balsa Métodos Numéricos 1/

Leia mais

étodos uméricos ZEROS DE FUNÇÕES DE UMA OU MAIS VARIÁVEIS Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

étodos uméricos ZEROS DE FUNÇÕES DE UMA OU MAIS VARIÁVEIS Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA étodos uméricos ZEROS DE FUNÇÕES DE UMA OU MAIS VARIÁVEIS Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE JOÃO DEL-REI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CENTRO

Leia mais

Zero de Funções ou Raízes de Equações

Zero de Funções ou Raízes de Equações Zero de Funções ou Raízes de Equações Um número ξ é um zero de uma função f() ou raiz da equação se f(ξ). Graficamente os zeros pertencentes ao conjunto dos reais, IR, são representados pelas abscissas

Leia mais

Lista de Exercícios 1 Cálculo Numérico - Professor Daniel

Lista de Exercícios 1 Cálculo Numérico - Professor Daniel Lista de Exercícios 1 Cálculo Numérico - Professor Daniel Observação: Esta lista abrange os três primeiros tópicos da ementa do curso, teoria dos erros, sistemas lineares, e zeros de funções. Ela abrange

Leia mais

José Álvaro Tadeu Ferreira. Cálculo Numérico Notas de aulas. Resolução de Equações Não Lineares

José Álvaro Tadeu Ferreira. Cálculo Numérico Notas de aulas. Resolução de Equações Não Lineares UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Computação José Álvaro Tadeu Ferreira Cálculo Numérico Notas de aulas Resolução de Equações Não Lineares Ouro

Leia mais

f(h) δ h p f(x + h) f(x) (x) = lim

f(h) δ h p f(x + h) f(x) (x) = lim Capítulo 6 Derivação numérica Nesta seção vamos desenvolver métodos para estimar a derivada de uma função f calculada em um ponto x, f (x, a partir de valores conecidos de f em pontos próximos ao ponto

Leia mais

A. Equações não lineares

A. Equações não lineares A. Equações não lineares 1. Localização de raízes. a) Verifique se as equações seguintes têm uma e uma só solução nos intervalos dados: i) (x - 2) 2 ln(x) = 0, em [1, 2] e [e, 4]. ii) 2 x cos(x) (x 2)

Leia mais

2.3- Método Iterativo Linear (MIL)

2.3- Método Iterativo Linear (MIL) .3- Método Iterativo Linear (MIL) A fim de introduzir o método de iteração linear no cálculo de uma raiz da equação (.) f(x) = 0 expressamos, inicialmente, a equação na forma: (.) x = Ψ(x) de forma que

Leia mais

Ajuste de mínimos quadrados

Ajuste de mínimos quadrados Capítulo 5 Ajuste de mínimos quadrados 5 Ajuste de mínimos quadrados polinomial No capítulo anterior estudamos como encontrar um polinômio de grau m que interpola um conjunto de n pontos {{x i, f i }}

Leia mais

CCI-22 CCI-22. 4) Equações e Sistemas Não Lineares. Matemática Computacional. Bissecção, Posição Falsa, Ponto Fixo, Newton-Raphson, Secante

CCI-22 CCI-22. 4) Equações e Sistemas Não Lineares. Matemática Computacional. Bissecção, Posição Falsa, Ponto Fixo, Newton-Raphson, Secante Matemática Computacional 4) Equações e Sistemas Não Lineares Carlos Alberto Alonso Sanches Bissecção, Posição Falsa, Ponto Fio, Newton-Raphson, Secante Introdução Ponto Fio Introdução Ponto Fio Raízes

Leia mais

= 2 sen(x) (cos(x) (b) (7 pontos) Pelo item anterior, temos as k desigualdades. sen 2 (2x) sen(4x) ( 3/2) 3

= 2 sen(x) (cos(x) (b) (7 pontos) Pelo item anterior, temos as k desigualdades. sen 2 (2x) sen(4x) ( 3/2) 3 Problema (a) (3 pontos) Sendo f(x) = sen 2 (x) sen(2x), uma função π-periódica, temos que f (x) = 2 sen(x) cos(x) sen(2x) + sen 2 (x) 2 cos(2x) = 2 sen(x) (cos(x) sen(2x) + sen(x) cos(2x) ) = 2 sen(x)

Leia mais

Integrais. ( e 12/ )

Integrais. ( e 12/ ) Integrais (21-04-2009 e 12/19-05-2009) Já estudámos a determinação da derivada de uma função. Revertamos agora o processo de derivação, isto é, suponhamos que nos é dada uma função F e que pretendemos

Leia mais

MINISTÉRlO DA EDUCACAO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO

MINISTÉRlO DA EDUCACAO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO prof. Jorge Roberto Grobe /09/4 4:2 cálculo numérico equações algébricas e transcendentes CAPITULO 4 4.0 SOLUÇÕES DE EQUAÇÕES ALGÉBRICAS E TRANSCENDENTES 4. METODO DA BISSECÇÃO OU PESQUISA BINARIA Descrição:

Leia mais

Encontre um valor aproximado para 3 25 com precisão de 10 5 utilizando o método da bissecção.

Encontre um valor aproximado para 3 25 com precisão de 10 5 utilizando o método da bissecção. 1 a) Mostre que f (x) = x cos x possui uma raiz no intervalo [0, 1]. b) Prove que essa raiz é única. c) Sem executar o método, preveja o número de iterações que o algoritmo da bissecção utilizaria para

Leia mais

Dízimas e intervalos encaixados.

Dízimas e intervalos encaixados. Dízimas e intervalos encaixados. Recorde que uma dízima com n casas decimais é um número racional da forma a 0.a a 2...a n = a 0 + a 0 + a 2 0 2 + + a n n 0 n = a j 0 j em que a 0,a,...,a n são inteiros

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA COMPUTACIONAL: PRIMEIRO BIMESTRE: EDGARD JAMHOUR. QUESTÃO 1: Indique as afirmativas verdadeiras.

EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA COMPUTACIONAL: PRIMEIRO BIMESTRE: EDGARD JAMHOUR. QUESTÃO 1: Indique as afirmativas verdadeiras. EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA COMPUTACIONAL: PRIMEIRO BIMESTRE: EDGARD JAMHOUR QUESTÃO 1: Indique as afirmativas verdadeiras. ( ) O número Pi não pode ser representado de forma exata em sistemas numéricos de

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/35

Prof. MSc. David Roza José 1/35 1/35 Métodos Iterativos Objetivos: Compreender a diferença entre os métodos de Gauss-Seidel e Jacobi; Saber analisar a dominância diagonal e entender o quê significa; Reconhecer como a relaxação pode ser

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Método de Newton Paulo Evandro Viana Belo Horizonte, março de 006 AOS MEUS QUERIDOS E ESTIMADOS FAMILIARES E,

Leia mais

EQUAÇÕES ALGÉBRICAS E TRANSCENDENTES ALVARO A. F. SOUZA

EQUAÇÕES ALGÉBRICAS E TRANSCENDENTES ALVARO A. F. SOUZA EQUAÇÕES ALGÉBRICAS E TRANSCENDENTES ALVARO A. F. SOUZA RAIZES Necessidade de determinar um número E tal que f( )=0 Equações Algébricas de 1º,2º,algumas de 3º,4º graus e algumas transcendentes podem ter

Leia mais

Interpolação polinomial: Polinômio de Lagrange

Interpolação polinomial: Polinômio de Lagrange Interpolação polinomial: Polinômio de Lagrange Marina Andretta ICMC-USP 09 de maio de 2012 Baseado no livro Análise Numérica, de R. L. Burden e J. D. Faires. Marina Andretta (ICMC-USP) sme0500 - cálculo

Leia mais

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57 Aula 2 p.1/57 Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Definição e representação Aula 2 p.2/57 Aula 2 p.3/57 Função Definição: Uma função de um conjunto em um conjunto, é uma correspondência

Leia mais

Curso de Matemática Aplicada.

Curso de Matemática Aplicada. Aula 1 p.1/25 Curso de Matemática Aplicada. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Sistema de números reais e complexos Aula 1 p.2/25 Aula 1 p.3/25 Conjuntos Conjunto, classe e coleção de objetos possuindo

Leia mais

1.1 Conceitos Básicos

1.1 Conceitos Básicos 1 Zeros de Funções 1.1 Conceitos Básicos Muito frequentemente precisamos determinar um valor ɛ para o qual o valor de alguma função é igual a zero, ou seja: f(ɛ) = 0. Exemplo 1.1 Suponha que certo produto

Leia mais

Matemática Computacional - 2 o ano LEMat e MEQ

Matemática Computacional - 2 o ano LEMat e MEQ Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Matemática Aplicada e Análise Numérica Matemática Computacional - o ano LEMat e MEQ Exame/Teste - 1 de Janeiro de 1 - Parte I (1h3m) 1. Considere

Leia mais

Os números reais. Capítulo O conjunto I

Os números reais. Capítulo O conjunto I Capítulo 4 Os números reais De todos os conjuntos numéricos que estudamos agora, a transição de um para outro sempre era construída de forma elementar A passagem do conjunto dos números racionais aos reais

Leia mais

Cálculo Numérico / Métodos Numéricos. Solução de equações polinomiais Briot-Ruffini-Horner

Cálculo Numérico / Métodos Numéricos. Solução de equações polinomiais Briot-Ruffini-Horner Cálculo Numérico / Métodos Numéricos Solução de equações polinomiais Briot-Ruffini-Horner Equações Polinomiais p = x + + a ( x) ao + a1 n x n Com a i R, i = 0,1,, n e a n 0 para garantir que o polinômio

Leia mais

4.2 Exemplos de aplicação Raiz cúbica de um número k

4.2 Exemplos de aplicação Raiz cúbica de um número k Capítulo 4 Zeros de Funções 4.1 Introdução Considere o seguinte problema: dada uma função real f, achar suas raízes, isto é, os valores de x para os quais f(x)=0, como ilustra a figura abaixo (os pontos

Leia mais

PAULO XAVIER PAMPLONA

PAULO XAVIER PAMPLONA Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - CCTA Unidade Acadêmica de Ciências e Tecnologia Ambiental-UACTA Cálculo Numérico por PAULO XAVIER PAMPLONA

Leia mais

II. Funções de uma única variável

II. Funções de uma única variável II. Funções de uma única variável 1 II.1. Conceitos básicos A otimização de de funções de de uma única variável consiste no no tipo mais elementar de de otimização. Importância: Tipo de problema encontrado

Leia mais

INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS

INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS 1 INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS Gil da Costa Marques 1.1 Introdução 1.2 Conceitos básicos 1.3 Subconjuntos e intervalos 1.4 O conjunto dos números reais 1.4.1 A relação de ordem em 1.5 Intervalos 1.5.1

Leia mais

Semana 4 Zeros das Funções

Semana 4 Zeros das Funções 1 CÁLCULO NUMÉRICO Semana 4 Zeros das Funções Professor Luciano Nóbrega UNIDADE 1 Eixo das ordenadas www.professorlucianonobrega.wordpress.com 2 ZEROS DAS FUNÇÕES INTRODUÇÃO Nas diversas áreas científicas,

Leia mais

EXERCÍCIOS ADICIONAIS

EXERCÍCIOS ADICIONAIS EXERCÍCIOS ADICIONAIS Capítulo Conjuntos numéricos e os números reais (x ) y Simplifique a expressão (assumindo que o denominador não é zero): 4 x y 6x A y 8x B y 8x C 4 y 6x D y Use a notação de intervalo

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II

ANÁLISE MATEMÁTICA II ANÁLISE MATEMÁTICA II Acetatos de Ana Matos Séries de Potências DMAT Séries de Potências As séries de potências são uma generalização da noção de polinómio. Definição: Sendo x uma variável e a, chama-se

Leia mais

Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12

Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12 Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 27 de Março de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 -

Leia mais

Sistemas de equações lineares

Sistemas de equações lineares DMPA IM UFRGS Cálculo Numérico Índice Sistema de Equações Lineares 1 Sistema de Equações Lineares 2 com pivoteamento parcial 3 Método de Jacobi Método Gauss-Seidel Sistema de Equações Lineares n equações

Leia mais

Métodos iterativos para equações não lineares

Métodos iterativos para equações não lineares 101 Capítulo 8 Métodos iterativos para equações não lineares Usando o Goal Seek (Atingir meta) O método mais simples de achar as soluções (ou raízes) duma equação "complicada" da forma f(x) = 0 consiste

Leia mais

x exp( t 2 )dt f(x) =

x exp( t 2 )dt f(x) = INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia Aproximação

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Francisco Beltrão

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Francisco Beltrão Isolamento de Raízes Campus Francisco Beltrão Disciplina: Professor: Jonas Joacir Radtke Definição Um número real ξ é um zero da função f (x) ou uma raiz da equação f (x) = 0 se f (ξ) = 0. Etapas para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

O Teorema do Valor Médio

O Teorema do Valor Médio Universidade de Brasília Departamento de Matemática Cálculo 1 O Teorema do Valor Médio Começamos este texto enunciando um importante resultado sobre derivadas: Teorema do Valor Médio. Suponha que f é uma

Leia mais

Sobre Desenvolvimentos em Séries de Potências, Séries de Taylor e Fórmula de Taylor

Sobre Desenvolvimentos em Séries de Potências, Séries de Taylor e Fórmula de Taylor Sobre Desenvolvimentos em Séries de Potências, Séries de Taylor e Fórmula de Taylor Pedro Lopes Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico o. Semestre 004/005 Estas notas constituem um material

Leia mais

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos MAT 1351 Cálculo para funções uma variável real I Curso noturno de Licenciatura em Matemática 1 semestre de 2016 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios

Leia mais

SME Cálculo Numérico. Lista de Exercícios: Gabarito

SME Cálculo Numérico. Lista de Exercícios: Gabarito Exercícios de prova SME0300 - Cálculo Numérico Segundo semestre de 2012 Lista de Exercícios: Gabarito 1. Dentre os métodos que você estudou no curso para resolver sistemas lineares, qual é o mais adequado

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO GEOMÉTRICA E PROGRAMAS DESENVOLVIDOS NO MATHCAD PARA REFINAR RAÍZES DE FUNÇÕES TRANSCENDENTES E POLINOMIAIS

A INTERPRETAÇÃO GEOMÉTRICA E PROGRAMAS DESENVOLVIDOS NO MATHCAD PARA REFINAR RAÍZES DE FUNÇÕES TRANSCENDENTES E POLINOMIAIS A INTERPRETAÇÃO GEOMÉTRICA E PROGRAMAS DESENVOLVIDOS NO MATHCAD PARA REFINAR RAÍZES DE FUNÇÕES TRANSCENDENTES E POLINOMIAIS Resumo RETZLAFF, Eliani URI elianir@urisan.tche.br CONTRI, Rozelaine de Fátima

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/37

Prof. MSc. David Roza José 1/37 1/37 Métodos Abertos Objetivos: Reconhecer as diferenças entre os métodos intervalados e abertos para a localização de raízes; Compreender o método da iteração de ponto-fixo e avaliar suas características

Leia mais

Bases Matemáticas Continuidade. Propriedades do Limite de Funções. Daniel Miranda

Bases Matemáticas Continuidade. Propriedades do Limite de Funções. Daniel Miranda Daniel De modo intuitivo, uma função f : A B, com A,B R é dita contínua se variações suficientemente pequenas em x resultam em variações pequenas de f(x), ou equivalentemente, se para x suficientemente

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

Semana 5 Zeros das Funções_2ª parte

Semana 5 Zeros das Funções_2ª parte 1 CÁLCULO NUMÉRICO Semana 5 Zeros das Funções_2ª parte Professor Luciano Nóbrega UNIDADE 1 2 LOCALIZAÇÃO DAS RAÍZES PELO MÉTODO GRÁFICO Vejamos dois procedimentos gráficos que podem ser utilizados para

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Tomar Área Interdepartamental de Matemática

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Tomar Área Interdepartamental de Matemática Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Tomar Área Interdepartamental de Matemática Análise Numérica Licenciaturas em Engenharia Ambiente,Civil e Química I - Equações Não Lineares.

Leia mais

1 A Equação Fundamental Áreas Primeiras definições Uma questão importante... 7

1 A Equação Fundamental Áreas Primeiras definições Uma questão importante... 7 Conteúdo 1 4 1.1- Áreas............................. 4 1.2 Primeiras definições...................... 6 1.3 - Uma questão importante.................. 7 1 EDA Aula 1 Objetivos Apresentar as equações diferenciais

Leia mais

Lista de exercícios de MAT / II

Lista de exercícios de MAT / II 1 Lista de exercícios de MAT 271-26 / II 1. Converta os seguintes números da forma decimal para a forma binária:x 1 = 37; x 2 = 2347; x 3 =, 75; x 4 =(sua matrícula)/1; x 5 =, 1217 2. Converta os seguintes

Leia mais

RESUMO - GRÁFICOS. O coeficiente de x, a, é chamado coeficiente angular da reta e está ligado à inclinação da reta

RESUMO - GRÁFICOS. O coeficiente de x, a, é chamado coeficiente angular da reta e está ligado à inclinação da reta RESUMO - GRÁFICOS Função do Primeiro Grau - f(x) = ax + b O gráfico de uma função do 1 o grau, y = ax + b, é uma reta. O coeficiente de x, a, é chamado coeficiente angular da reta e está ligado à inclinação

Leia mais

Questão 4 (2,0 pontos). Defina função convexa (0,5 pontos). Seja f : I R uma função convexa no intervalo aberto I. Dado c I (qualquer)

Questão 4 (2,0 pontos). Defina função convexa (0,5 pontos). Seja f : I R uma função convexa no intervalo aberto I. Dado c I (qualquer) DM IMECC UNICAMP, Análise I, Prof. Marcelo M. Santos Exame Final, 15/07/2009 Aluno: RA: Ass.: Observações: Tempo de prova: 100min; Justifique sucintamente todas as suas afirmações; Disponha as suas resoluções

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 4 Zeros reais de funções Parte 1 Objetivo Determinar valores aproimados para as soluções (raízes) de equações da forma: f

Leia mais

Cálculo Numérico P2 EM33D

Cálculo Numérico P2 EM33D Cálculo Numérico P EM33D 8 de Abril de 03 Início: 07h30min (Permanência mínima: 08h40min) Término: 0h00min Nome: GABARITO LER ATENTAMENTE AS OBSERVAÇÕES, POIS SERÃO CONSIDERADAS NAS SUA AVALIAÇÃO ) detalhar

Leia mais

Teoremas e Propriedades Operatórias

Teoremas e Propriedades Operatórias Capítulo 10 Teoremas e Propriedades Operatórias Como vimos no capítulo anterior, mesmo que nossa habilidade no cálculo de ites seja bastante boa, utilizar diretamente a definição para calcular derivadas

Leia mais

Enumerabilidade. Capítulo 6

Enumerabilidade. Capítulo 6 Capítulo 6 Enumerabilidade No capítulo anterior, vimos uma propriedade que distingue o corpo ordenado dos números racionais do corpo ordenado dos números reais: R é completo, enquanto Q não é. Neste novo

Leia mais

CÁLCULO FUNÇÕES DE UMA E VÁRIAS VARIÁVEIS Pedro A. Morettin, Samuel Hazzan, Wilton de O. Bussab.

CÁLCULO FUNÇÕES DE UMA E VÁRIAS VARIÁVEIS Pedro A. Morettin, Samuel Hazzan, Wilton de O. Bussab. Introdução Função é uma forma de estabelecer uma ligação entre dois conjuntos, sujeita a algumas condições. Antes, porém, será exposta uma forma de correspondência mais geral, chamada relação. Sejam dois

Leia mais

Considere a função f(x). Para algum x a f (x) pode não existir. Suponha que. Max f(x) s. a a x b

Considere a função f(x). Para algum x a f (x) pode não existir. Suponha que. Max f(x) s. a a x b Considere a função f(x). Para algum x a f (x) pode não existir. Suponha que se queira resolver o seguinte PPNL: Max f(x) s. a a x b Pode ser que f (x) não exista ou que seja difícil resolver a equação

Leia mais

A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e Máximos e Mínimos - Aula 18

A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e Máximos e Mínimos - Aula 18 A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e - Aula 18 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 10 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106

Leia mais

Métodos Numéricos Professor Tenani - 3 / 42

Métodos Numéricos Professor Tenani -  3 / 42 Métodos Numéricos Professor Tenani - www.professortenani.com.br 1 / 42 Métodos Numéricos Professor Tenani - www.professortenani.com.br 2 / 42 Introdução Objetivos da Seção Entender o que são problemas

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

Área e Teorema Fundamental do Cálculo

Área e Teorema Fundamental do Cálculo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Área e Teorema Fundamental

Leia mais

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS BANCO DE EXERCÍCIOS - HORAS 9º ANO ESPECIALIZADO/CURSO ESCOLAS TÉCNICAS E MILITARES FOLHA Nº GABARITO COMENTADO ) A função será y,5x +, onde y (preço a ser pago) está em função de x (número de quilômetros

Leia mais

CCI-22. Matemática Computacional. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra

CCI-22. Matemática Computacional. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CCI-22 Matemática Computacional Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CCI-22 4) Equações e Sistemas Não Lineares Biss ã P si ã F ls P nt Fi Bissecção, Posição Falsa, Ponto Fio, Newton-Raphson,

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I MATEMÁTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Números reais Três noções básicas são consideradas primitivas, isto é, são aceitas sem a necessidade de definição. São elas: a) Conjunto. b) Elemento. c)

Leia mais

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL BÁRBARA DENICOL DO AMARAL RODRIGUEZ CINTHYA MARIA SCHNEIDER MENEGHETTI CRISTIANA ANDRADE POFFAL CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL a Edição Rio Grande Editora da FURG 206 Universidade Federal

Leia mais

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE MÉTODOS NUMÉRICOS Prof.: Magnus Melo

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE MÉTODOS NUMÉRICOS Prof.: Magnus Melo ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE MÉTODOS NUMÉRICOS Pro.: Magnus Melo Eercício. Sejam os polinômios dados abaio. Use a regra de sinais de descartes e o teorema da cota de Augustin Cauchy para pesquisar a eistência

Leia mais

13 Fórmula de Taylor

13 Fórmula de Taylor 13 Quando estudamos a diferencial vimos que poderíamos calcular o valor aproimado de uma função usando a sua reta tangente. Isto pode ser feito encontrandose a equação da reta tangente a uma função y =

Leia mais

Exercícios Zeros de Funções

Exercícios Zeros de Funções Exercícios Zeros de Funções Cálculo Numérico, Turma A Profª. Dra. Tina Andreolla Data: 22/04/2008. Nome: Laure Max Da Silva Palma Curso: Engenharia Industrial Elétrica 1. Dê um exemplo de função f(x),

Leia mais

1 Congruências e aritmética modular

1 Congruências e aritmética modular 1 Congruências e aritmética modular Vamos considerar alguns exemplos de problemas sobre números inteiros como motivação para o que se segue. 1. O que podemos dizer sobre a imagem da função f : Z Z, f(x)

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 1) 2 Norma. Distância. Bola. R n = R R R

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 1) 2 Norma. Distância. Bola. R n = R R R Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Resumo das Aulas Teóricas (Semana 1) 1 Notação R n = R R R x R n : x = (x 1, x 2,, x n ) ; x

Leia mais

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I 1 MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I GEOMETRIA ANALÍTICA Coordenadas de pontos no plano cartesiano Distâncias entre pontos Sejam e dois pontos no plano cartesiano A distância entre e é dada pela expressão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, apresentaremos a noção de integral indefinidada. Também discutiremos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, apresentaremos a noção de integral indefinidada. Também discutiremos CÁLCULO L NOTAS DA DÉCIMA OITAVA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nesta aula, apresentaremos a noção de integral indefinidada. Também discutiremos a primeira técnica de integração: mudança

Leia mais

6.4 Métodos baseados em aproximação quadrática. 6.6 Comparação dos met. para cálculo de raízes.

6.4 Métodos baseados em aproximação quadrática. 6.6 Comparação dos met. para cálculo de raízes. 6. Raízes de equações 6.1 Isolamento de raízes. 6.2 Método da bisseção. 6.3 Métodos baseados em aproximação linear. 6.4 Métodos baseados em aproximação quadrática. 6.5 Métodos baseados em tangente. 6.6

Leia mais

Interpretação Geométrica

Interpretação Geométrica .. Método da Iteração Linear MIL Seja uma unção contínua em [a, com α [ a, tal que α. O Método de Iterações Lineares consiste em: a transormar a equação numa unção de iteração ϕ ; b adotar um valor inicial

Leia mais

A Derivada. Derivadas Aula 16. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

A Derivada. Derivadas Aula 16. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Derivadas Aula 16 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 04 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014104 - Engenharia Mecânica A Derivada Seja x = f(t)

Leia mais

Provas de. Cálculo II 02/2008. Professor Rudolf R. Maier

Provas de. Cálculo II 02/2008. Professor Rudolf R. Maier Provas de Cálculo II 0/008 Professor Rudolf R. Maier UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Brasília, 5 de setembro de 008. a prova em CALCULO II ) Determinar as retas normais da curva y = + x que passam pela origem.

Leia mais

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html 4.2 Teorema do Valor Médio Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Teorema de Rolle: Seja f uma função que satisfaça as seguintes hipóteses: a) f é contínua no intervalo

Leia mais