SICOM EM PAUTA. Juiz de Fora 27/05/2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SICOM EM PAUTA. Juiz de Fora 27/05/2014"

Transcrição

1 SICOM EM PAUTA Juiz de Fora 27/05/2014

2 2 Municípios Mineiros e a Transparência... Administração Pública

3 Sistema Informativo de Contas dos Municípios SICOM REMESSA ANUAL Plano Plurianual Diretrizes Orçamentárias Orçamento Anual REMESSA MENSAL Receitas Despesas Licitações Dispensas Inexigibilidades Contratos Notas Fiscais Legislação Municipal sobre Licitação Empenhos Restos a Pagar Liquidação Cadastro de Veículos ou Equipamentos etc.

4 O TCE/MG passa a se interessar mais pelo planejamento integral da gestão municipal, não só acerca dos instrumentos de planejamento orçamentário vigentes, mas principalmente quanto aos procedimentos da efetivação das despesas públicas.

5 O TCE/MG preparou um pacote de tecnologias para ampliar seu poder de fiscalização e aumentar sua capacidade de resposta às demandas da sociedade por meio do cruzamento de dados.

6 ANALISTA VIRTUAL Os dados informados mensalmente serão submetidos a um procedimento automatizado chamado de Analista Virtual.

7 ANALISTA VIRTUAL O sistema informatizado fará verificações mais criteriosas das declarações, com base na experiência do corpo técnico do TCE/MG, de forma que os problemas receberão pontuações e serão listados a partir dos que precisem de maior atenção dos servidores dedicados às inspeções.

8 Os gestores públicos municipais que não informarem corretamente seus gastos ao TCE/MG vão correr o risco de cair na malha fina da Corte de Contas.

9 A malha fina do TCE/MG será feita com o cruzamento de diversos bancos de dados, entre eles o da Receita Federal, Secretaria da Fazenda e da Justiça Eleitoral.

10 O responsável pela prestação de informações se sujeita às responsabilidades civis, penais e administrativas pela inexatidão, supressão ou falsidade das declarações prestadas.

11 As informações, declaradas mensalmente ao SICOM, passam - no momento do envio - por validações e verificações de consistência, que, se não atendidas, podem impedir a transmissão dos dados.

12 Comunicado nº 18 23/05/2014 Não haverá prorrogação do prazo para as prestações de contas mensais referentes a janeiro e fevereiro de 2014 e para o reenvio das informações de 2013, ou seja, permanece o prazo final para o dia 30/05/2014.

13 Comunicado nº 18 23/05/2014 A omissão relativa à remessa dos módulos Acompanhamento Mensal/AM e ou Instrumentos de Planejamento/IP ensejará a aplicação de multa pessoal no valor de R$ 3.000,00 por mês de inadimplência.

14 Comunicado nº 18 23/05/2014 As informações enviadas mensalmente pelos gestores municipais por meio do SICOM serão consideradas para efeito de prestação de contas anual do Chefe do Poder Executivo Municipal a partir do exercício 2014, sob pena de configuração de contas não prestadas.

15 Comunicado nº 18 23/05/2014 O TCE/MG no término do prazo estipulado iniciará os procedimentos de imputação de sanção aos responsáveis pelos documentos e informações prestados, inclusive, vai inserir os municípios, as câmaras e ou as entidades na Matriz de Risco para deflagração de inspeção in loco.

16 As informações estarão sujeitas à inspeção e auditoria pelo TCE/MG e serão disponibilizadas aos cidadãos através dos portais:

17 Minas Transparente Anuais Mensais

18 Veículos e Equipamentos

19 Dados dos Veículos

20 Gasto com Combustível

21 Transporte Escolar

22

23

24 Detalhamento da NF

25

26

27 AÇÕES DE CONTROLE ADMINISTRATIVO

28 Designar responsáveis pelo preenchimento dos dados e envio das informações mensais ao Tribunal de Contas, mediante ato administrativo.

29 É obrigatória a declaração no SICOM que no mês do envio não há informações inerentes aos atos e fatos de repercussão na execução orçamentária/financeira, bem como de licitações, dispensa, inexigibilidade, contratos, convênios e outros registros.

30 Controle Concomitante Prestação de Contas

31 Quebra de Paradigma

32 SIACE PCA e LRF Prestação de Contas Contábil Análise da conformidade dos dados

33 SICOM Controle da Gestão dos Recursos Públicos Tribunal de Contas Ministério Público Sociedade

34

35 Município: Modelo Exercício: 2013 Data e Hora de Entrega da Remessa: Remessas Atuais Data e Hora de Geração: 24/05/ :46:57 Critérios de Seleção: Coordenadoria: 8a Coord. Fisc. dos Municipios, Região de Planejamento: MATA, Órgão: Todos, Período: Anual Número da Lei Orçamentária: 865 Data da Lei: 25/10/2012 Data de Publicação: 25/10/2012 Fonte de Realizada no Realizada até o Órgão Rubrica - Descrição Previsão Inicial (A) % (C/A * 100) Recurso período (B) período (C) 02 - PREFEITURA MUNICIPAL DE Modelo Cota-Parte do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural Transferência de Recursos do SUS - Bloco Atenção Básica Transferência de Recursos do SUS - Bloco Vigilância em Saúde Transferência de Recursos do Fundo Nacional de Assistência Social - FNAS Transferências Diretas do FNDE referentes ao Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE Comparativo da Receita Prevista com a Realizada Receitas Cota-Parte do Fundo de Participação dos Municípios , , ,32 87,44% , , ,31 93,56% , , , ,06 84,51% Subtotal , , ,69 86,96% , , , ,21 86,83% , , ,74 86,81% 213, ,47 617,94 617,94 Subtotal 6.477, , , Cota- parte do Fundo Especial do Petróleo - FEP , , ,05 86,73% 86,81% 143,74% Subtotal , , ,05 143,74% , , , ,25 Subtotal , , , , , ,21 103,51% 103,51% 138,29% Subtotal , , ,21 138,29% , , , ,90 Subtotal , , , Transferências do Salário-Educação , , ,46 834,25% 834,25% 111,78% Subtotal , , ,46 111,78% , , , ,00 113,16% ,00 Subtotal , , ,00 Saldo a realizar ou excesso (D = A-C) , ,07 546,07 94,53 854, , , , , , , ,46 113,16% ,00

36 Município: Modelo Exercício: 2013 Data e Hora de Entrega da Remessa: DEZ - 12/05/ :41:46 Data e Hora de Geração: 24/05/ :08:47 Critérios de Seleção: Coordenadoria: 8a Coord. Fisc. dos Municipios, Região de Planejamento: MATA, Órgão: 02 - PREFEITURA MUNICIPAL DE Modelo, Mês Até: Dezembro Órgão 02 - PREFEITURA MUNICIPAL DE Modelo Data do Empenho Nº do Empenho Classificação da Despesa Relação de Empenhos Credor Valor Empenhado Valor Liquidação Valor Pagamento Outras Baixas Saldo a Pagar 16/01/ RG PNEUS LTDA. 30,00 30,00 30,00 0,00 0,00 16/01/ RG PNEUS LTDA. 90,00 90,00 90,00 0,00 0,00 16/01/ RG PNEUS LTDA , , ,12 0,00 0,00 16/01/ POLAR AGROPECUARIA LTDA , , ,00 0,00 16/01/ ANTONINOS CAPOTARIA LTDA. 168,00 168,00 168,00 0,00 0,00 0,00 16/01/ AUTO MECANICA LTDA. 100,00 100,00 100,00 0,00 0,00 ACL COMERCIAL 17/01/ ELETRICA E ELETRONICA 303,60 303,60 303,60 0,00 LTDA. ACL COMERCIAL 17/01/ ELETRICA E ELETRONICA 148,00 148,00 148,00 0,00 LTDA. 17/01/ CAROLINA 2.116, , ,25 0,00 0,00 17/01/ FOLHA DE PAGAMENTO , , ,00 0,00 0,00 17/01/ INSS 2.240, , ,00 0,00 0,00 17/01/ SENAC MINAS , , ,00 0,00 0,00 0,00 0,00

37 Município: Modelo Exercício: 2013 Data e Hora de Entrega da Remessa: 12/05/ :27:38 Data e Hora de Geração: 24/5/ :21:09 Órgão: 02 - PREFEITURA MUNICIPAL DE MODELO Período: Anual Movimentação do Empenho Detalhamento do Empenho Número do Empenho: 163 Modalidade do Empenho: Ordinário Data do Empenho: 11/01/2013 Valor Original (A) : 3.907,74 Responsáveis Fase Número Data Nome CPF Empenho /01/2013 AAAA Liquidação 1 18/01/2013 BBBBB Pagamento /02/2013 CCCCC Decorrência Tipo de Contratação: Licitação Número do Processo: 53 Exercício do Processo: 2012 Número do Contrato: - Data do Contrato: - Número do Termo Aditivo: - Credores Nome Documento AUTO PECAS MINEIRA LTDA / Classificação da Despesa Unidade: ATENÇÃO BÁSICA Função: 10 - Saúde Subfunção: Atenção Básica Programa: ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE Ação: AÇÕES DE ATENÇÃO BÁSICA Elemento de Despesa: MATERIAL PARA MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Especificação VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A aquisição de peças para manutenção do veículo ambulancia de placa HMN XXXX

38 Fontes de Recurso Descrição Valor Receitas de Impostos e de Transferências de Impostos Vinculados à Saúde 3.907,74 Movimentação do Empenho Tipo Núm ero Data Fonte de Recurso Valor Anulação de empenho (C) 1 18/01/2013 Liquidação de empenho (D) 1 18/01/2013 Pagamento (F) /02/ Receitas de Impostos e de Transferências de Impostos Vinculados à Saúde Receitas de Impostos e de Transferências de Impostos Vinculados à Saúde Receitas de Impostos e de Transferências de Impostos Vinculados à Saúde 2.188, , ,40 Detalhamento das retenções (H) Código Descrição Valor Total da(s) Retenção(ões)

39 Município: Modelo Exercício: 2013 Órgão: 02 - PREFEITURA MUNICIPAL DE Modelo Data e Hora de Geração: 24/5/2014 8:54:08 Data e Hora de Entrega da Remessa: 28/01/13 20:27:19 Orgão: 02 - PREFEITURA MUNICIPAL DE Modelo Unidade: EDUCAÇÃO BÁSICA Função: 12 - Educação Subfunção: Ensino Fundamental Programa: QUALIDADE TOTAL Ação: GESTÃO DO TRANSPORTE ESCOLAR Elemento de despesa: MATERIAL DE CONSUMO Fonte de recurso: Receitas de Impostos e de Transferências de Impostos Vinculados à Educação Valor inicial: ,00 Nº da Lei Tipo Data da Lei Alterações Orçamentárias Nº do Decreto Empenhos da Dotação por Subelemento Subelemento Período: Anual Movimentação da Dotação Orçamentária Classificação da Despesa Data do Decreto Tipo da Alteração Natureza COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES AUTOMOTIVOS , MATERIAL PARA MANUTENÇÃO DE BENS MÓVEIS 117, MATERIAL PARA MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS ,56 Total (D) Valor Valor ,66

40 Município: Modelo Exercício: 2013 Data e Hora de Entrega da Remessa: DEZ - 12/05/ :41:46 Data e Hora de Geração: 24/05/ :54:54 Critérios de Seleção: Coordenadoria: 8a Coord. Fisc. dos Municipios, Região de Planejamento: MATA, Órgão: 02 - PREFEITURA MUNICIPAL DE Modelo, Mês Até: Dezembro, Unidade Orçamentária: EDUCAÇÃO BÁSICA, Subfunção: Ensino Fundamental, Programa: QUALIDADE TOTAL, Ação: GESTÃO DO TRANSPORTE ESCOLAR, Elemento de Despesa: COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES AUTOMOTIVOS Órgão Data do Empenho Nº do Empenho Classificação da Despesa Relação de Empenhos Credor Valor Empenhado Valor Liquidação Valor Pagamento Outras Baixas Saldo a Pagar 02 - PREFEITURA MUNICIPAL DE Modelo 22/01/ POSTO Modelo LTDA , , ,08 0,00 0,00 20/11/ POSTO Modelo LTDA , , ,22 0,00 0,00 XXXXXX COMERCIO E 02/12/ REPRESENTACAO 431,80 431,80 431,80 0,00 LTDA. 0,00 Subtotal , , ,10 0,00 0,00 Total Total , , ,10 0,00 0,00

41 Município: Modelo Exercício: 2013 Data e Hora de Entrega da Remessa: Remessas Atuais Data e Hora de Geração: 24/05/ :15:31 Critérios de Seleção: Coordenadoria: 8a Coord. Fisc. dos Municipios, Região de Planejamento: MATA, Órgão: Todos, Período: Anual Relação dos Pagamentos por Movimentação Bancária Órgão 01 - CÂMARA 02 MUNICIPAL - PREFEITURA DE MUNICIPAL Nº do Pagamento Data do Pagamento Especificação Tipo Documento Documento Bancário VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE /03/2013 A inscrição da contadora para participação curso sigpc do fnde em 1 - Cheque belo horizonte realizado pelo instituto /07/2013 VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A fornecimento de cesta básica 1 - Cheque /07/2013 VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE Ao fornecimento de fraldas geriátricas 1 - Cheque VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE /07/2013 A aquisição de generos de alimentação para manutenção do fornecimento de 1 - Cheque refeições aos operários desta prefeitura VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE /07/2013 A aquisição de peças para o veículo 1 - Cheque ambulancia de placa HMG XXXX Conta Bancária Valor Subtotal , / / / / / / / / / / , , , , ,04

42 Município: Modelo Exercício: 2013 Data e Hora de Entrega da Remessa: Remessas Atuais Data e Hora de Geração: 24/05/ :15:36 Critérios de Seleção: Coordenadoria: 8a Coord. Fisc. dos Municipios, Região de Planejamento: MATA, Órgão: Todos, Período: Anual Órgão 01 - CÂMARA MUNICIPAL 0DE Modelo PREFEITURA MUNICIPAL Totais por Tipo de Pagamento Nº do Empenho Nº do Pagamento Data do Pagamento /01/2013 TELEMAR NORTE LESTE S/A /01/2013 PASEP /01/2013 PASEP /01/2013 AMPAR /01/2013 CAIXA ECONOMICA FEDERAL /01/2013 CIS /01/2013 CIS /01/2013 AAAA /01/2013 BBB Relação dos Pagamentos por Fonte de Recurso Valor 1 - Pagamento de despesa, exceto Serviço da Dívida , Pagamento de Restos a Pagar Processados , Pagamento de Restos a Pagar Não Processados Liquidados ,52 Total , /01/2013 CURINGA DOS PNEUS LTDA. 1 - Pagamento de despesa, exceto Serviço da Dívida Credor Especificação Fonte de Recurso Valor ,90 VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A despesas do exercício anterior - serviços de telefonia Recursos Ordinários 661,19 VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A contribuição Recursos Ordinários ao pasep 2.482,87 VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A contribuição Recursos Ordinários ao pasep 12,67 VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A contribuições a ampar Recursos Ordinários 990,00 VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A tarifação bancária Recursos Ordinários 1, Receitas de Impostos VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A rateio pela e de Transferências de participação em consorcio publico Impostos Vinculados à 500,00 Saúde VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A serviços médicos hospitalares e exames de média e alta complexidade através do consórcio intermunicipal de saúde VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A TERMO DE EXONERAÇÃO DE NOMEAÇÃO DA CHEFE DE DIVISÃO DE SAÚDE AAAA VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A diária de viagem ao chefe da seção de transporte a juiz de fora a serviço VALOR QUE SE EMPENHA REFERENTE A aquisição de penus para a máquina retroescavadeira randon Total por Órgão Receitas de Impostos e de Transferências de Impostos Vinculados à Saúde Receitas de Impostos e de Transferências de Impostos Vinculados à Saúde 4.288, , Recursos Ordinários 25, Recursos Ordinários 1.360,00

43 Município: Chácara Exercício: 2013 Órgão: 02 - PREFEITURA MUNICIPAL DE MODELO Data e Hora de Geração: 25/05/ :22:56 Data e Hora de Entrega da Remessa: 12/05/ :05:46 Período: Anual Movimentação da Conta Bancária Instituição financeira: 1 - Banco do Brasil S.A. Conta bancária XXXX-X - FMASIGD-SUAS Agência: XX-X Tipo de conta: Conta Corrente Tipo de recurso: Outros Recursos Vinculados Data de encerramento: - Tipo de movimentação Saldo Inicial (A) Conta transferida Entrada (B) 1 - Receita orçamentária arrecadada no mês ,91 Saída (C) 6 - Transferência dessa para outras contas bancárias no mês ,50 Saldo Final (D = A + B - C) Movimentações Tipo de entrada e saída 8 - Pagamentos efetuados no mês ,70 Receita Arrecadada Rubrica Receita de Remuneração de Depósitos Bancários de Recursos Vinculados Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS) SubTotal , Transferência de Recursos do Fundo Nacional de Assistência Social - FNAS 2.397,96 Valor ,29 SubTotal 2.779,91 Valor 0,00 381,95 Total 2.779,91

44 Município: Modelo Exercício: 2013 Data e Hora de Entrega da Remessa: Remessas Atuais Data e Hora de Geração: 24/05/ :39:12 Critérios de Seleção: Coordenadoria: 8a Coord. Fisc. dos Municipios, Região de Planejamento: MATA, Órgão: Todos, Período: Anual Recursos do Exercício Corrente Receitas e Despesas por Fonte de Recurso Destinação Recursos Ordinários Saúde Descrição da Fonte de Recurso Receita Arrecadada (B) Créditos Adicionais (D) Despesa Atualizada (E = C + D) Despesa Empenhada (F) Despesa Paga (G) Recursos Ordinários , , , , , , , Receitas de Impostos e de Transferências de Impostos Vinculados à Saúde Receita Prevista (A) Despesa Fixada (C) Saldo (H = B - G) ,94 Subtotal , , , , , , , , , , , , , , , , Transferências de Convênios Vinculados à Saúde 0, ,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0, , Transferências de Recursos do SUS para Atenção Básica , , ,91 0, ,91 969,65 969, , Transferências de Recursos do SUS para Vigilância em Saúde , , ,56 0, ,56 314,10 314, , Transferências de Recursos do Fundo Estadual de Saúde , , ,16 0, ,16 0,00 0, ,00 Subtotal , , , , , , , ,30 Assistência Transferências de Recursos do Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS) , , , , , , , ,97 Subtotal , , , , , , , ,97

45 Município: Modelo Exercício: 2013 Data e Hora de Entrega da Remessa: Remessas Atuais Data e Hora de Geração: 24/05/ :11:09 Critérios de Seleção: Coordenadoria: 8a Coord. Fisc. dos Municipios, Região de Planejamento: MATA, Órgão: Todos, Período: Anual Dívida Consolidada Lei Nro. Data Contrato Tipo de Lançamento Nome do Credor Saldo Anterior Contratação Encampação Atualização Amortização Cancelamento Saldo Atual XXX 25/10/ Parcelamento de Dívidas Previdenciárias INSS , ,59 0, , ,74 0, ,60 Total , ,59 0, , ,74 0, ,60

46 46 Fontes de Recursos A análise do SICOM está toda orientada por fontes de recursos

47 47 Fonte/Destinação de Recursos LRF Art. 8º Parágrafo único. Os recursos legalmente vinculados a finalidade específica serão utilizados exclusivamente para atender ao objeto de sua vinculação, ainda que em exercício diverso daquele em que ocorrer o ingresso. Art. 50 Além de obedecer às demais normas de contabilidade pública, a escrituração das contas públicas observará as seguintes: I a disponibilidade de caixa constará de registro próprio, de modo que os recursos vinculados a órgão, fundo ou despesa obrigatória fiquem identificados e escriturados de forma individualizada;

48 Fonte/Destinação de Recursos OBJETIVOS DA CLASSIFICAÇÃO: Evidenciação das fontes de financiamento das despesas Evidenciação de vinculações Transparência no gasto público O controle das disponibilidades financeiras por fonte/destinação de recursos deve ser feito desde a elaboração do orçamento até a sua execução.

49 Fontes / Destinação de Recursos CODIFICAÇÃO: Estabelecida pelo TCE/MG EXEMPLOS: 00 Recursos Ordinários 17 Contribuição para o custeio dos serviços de iluminação pública 23 Transferências de convênios vinculados à saúde 47 Transferência do salário educação 57 Multas de trânsito 92 Alienação de bens

50 O novo modelo de organização exige:

51 51 A Garantia da Boa Informação Responsável INFORMAÇÃO

52 52 A Garantia da Boa Informação Controle Interno Responsável INFORMAÇÃO

53 A Garantia da Boa Informação 53 Controle Externo Controle Interno Responsável INFORMAÇÃO

54 ... Convivendo com as mudanças.... Não é o mais forte nem o mais inteligente que sobrevive. É o mais adaptado às mudanças. (Charles Darwin )

55

56 Planejar Consultores Associados Carlos Henrique Leal Porto Maria Aparecida Fontes Cal Marcia Maria Pimentel Mendes Muito obrigado!

6,37 0,01 6,36 551.959,49 2.074.160,73 1.471.280,76 1.154.839,46 51.738,32 22.836,64 11.427,71 40.329,39 111129900000 OUTROS BANCOS CONTA MOVIMENTO

6,37 0,01 6,36 551.959,49 2.074.160,73 1.471.280,76 1.154.839,46 51.738,32 22.836,64 11.427,71 40.329,39 111129900000 OUTROS BANCOS CONTA MOVIMENTO 111110100000 CAIXA 6,37 0,01 6,36 111120200000 BANCO DO BRASIL S/A 551.959,49 2.074.160,73 1.471.280,76 1.154.839,46 111120300000 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 51.738,32 22.836,64 11.427,71 40.329,39 111129900000

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

03/06/2013. Tendo em vista a necessidade de diminuir o custo do controle e evitar a duplicidade de remessa de dados, o SICOM substituirá outros

03/06/2013. Tendo em vista a necessidade de diminuir o custo do controle e evitar a duplicidade de remessa de dados, o SICOM substituirá outros O SICOM é um instrumento de suporte ao controle concomitante e de obtenção de dados sobre os jurisdicionados que permite conhecer as especificidades e a realidade dos órgãos e entidades, além de subsidiar

Leia mais

O Controle na Gestão Orçamentária, Financeira e Patrimonial

O Controle na Gestão Orçamentária, Financeira e Patrimonial O Controle na Gestão Orçamentária, Financeira e Patrimonial Base Legal Lei 4.320 de 1964 LC 101 de 2000 Carta Magna de 1988 Normas e Jurisprudências TCE/MG Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

Alterações Efetuadas no Sistema

Alterações Efetuadas no Sistema Alterações Efetuadas no Sistema 2014 - Alterações efetuadas na versão 10.02 1) Correção CON 250 - Verifica a existência do Arquivo Texto com a natureza Plano de Trabalho para Convênio (Alerta); 2) Correção

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Paraná Diretoria de Contas Municipais. Sistema SIM-AM. Elaboração: Núcleo SIM-AM TCE/PR

Tribunal de Contas do Estado do Paraná Diretoria de Contas Municipais. Sistema SIM-AM. Elaboração: Núcleo SIM-AM TCE/PR Tribunal de Contas do Estado do Paraná Diretoria de Contas Municipais Sistema SIM-AM Elaboração: Núcleo SIM-AM TCE/PR Sistema SIM-AM Histórico Funcionamento Conteúdo Aplicações Pca Anual em Papel LC 101/2000

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015. (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015. (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015 (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015) Estabelece diretrizes para a prestação das contas anuais do Chefe do Poder Executivo Municipal referente ao exercício de 2015 e dá

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno INSTRUÇÃO NORMATIVA UCCI 001/2014 Versão 01 ASSUNTO: Instrução Normativa

Leia mais

LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011

LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011 LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011 "AUTORIZA ASSINATURA DE CONVÊNIO E CONCEDE CONTRIBUIÇÃO CORRENTE ESPECIAL À ASSOCIAÇÃO DESENVOLVIMENTO DAS BANDEIRINHAS & DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS" A Câmara Municipal

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 FUNDAMENTO LEGAL O artigo 9º, parágrafo 4 da Lei Complementar nº 101 de 04/05/2000 (Lei de Responsabilidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE

ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE O principal objetivo do SICOM é exercer um controle concomitante dos atos e fatos realizados nas administrações públicas, criando condições para identificar de

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Manual Técnico Volume III Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho

Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 4.1.1 - FLUXOGRAMA ORÇAMENTO LEGISLAÇÃO. Planejamento e Orçamento PPA Audiência Pública Legislativo Apreciação Executivo - Sanção Audiência Pública LDO Legislativo -

Leia mais

E&L Contabilidade Pública Eletrônica

E&L Contabilidade Pública Eletrônica E&L Contabilidade Pública Eletrônica Instruções para envio da prestação mensal do CIDADESWEB. Está disponível no menu Utilitários, uma opção de Implantação do CIDADESWEB. Neste utilitário estão os 9 passos

Leia mais

621.927,10 284.748,83 239.680,43 666.995,50 111115099000 F OUTRAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DE LIQUIDEZ IMEDIATA

621.927,10 284.748,83 239.680,43 666.995,50 111115099000 F OUTRAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DE LIQUIDEZ IMEDIATA Código BALANCETE ANALÍTICO CONTÁBIL SIMPLIFICADO BALANCETE - JANEIRO DE 2015 Saldo Inicial Débito Crédito Movimentação Débitos Créditos 111111901000 F BANCOS CONTA MOVIMENTO - DEMAIS CONTAS 621.927,10

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

ENCONTRO DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. Resoluções Normativas

ENCONTRO DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. Resoluções Normativas Tribunal de Contas ENCONTRO DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS Resoluções Normativas Ed Wilson Fernandes de Santana Fabiana Luzia C. R. de Miranda Marcos Uchôa de Medeiros Sumário Resolução nº 07/2009 (Balancetes)

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU DESTINAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA - APLICÁVEL PARA O EXERCÍCIO DE 2012 CODIFICAÇÃO UTILIZADA PARA CONTROLE DAS

Leia mais

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Estabelece normas para execução orçamentária, e define a programação financeira para o exercício de 2015 e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DO CONTROLE INTERNO

RELATÓRIO MENSAL DO CONTROLE INTERNO ,- CEP 45.300-000 - Amargosa - Bahia - CNP J.: 13.252.010/0001-66 ^ RELATÓRIO MENSAL DO CONTROLE INTERNO Em cumprimento ao art. 31, 70 e 74 da C.F., art. 59 da Lei Complementar 101/00, e Resolução n L120/05

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SAGRES 2015

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SAGRES 2015 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SAGRES 2015 Versão 14.00 25/11/2014 I - ESTRUTURA DOS ARQUIVOS INTERMEDIÁRIOS DE DADOS A partir de arquivos gerados pelos sistemas de gestão da Unidade Gestora, seguindo as

Leia mais

Apresentação. Novas dúvidas deverão ser encaminhadas ao TCE MS pelo seguinte endereço eletrônico: dggm@tce.ms.gov.br.

Apresentação. Novas dúvidas deverão ser encaminhadas ao TCE MS pelo seguinte endereço eletrônico: dggm@tce.ms.gov.br. 2013 TCE RESPONDE 1 Apresentação O TCE RESPONDE consolida entendimentos entre as áreas técnicas do Tribunal com o objetivo de auxiliar os gestores, contadores e responsáveis pelos sistemas de informática

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação DCA 2014 O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO Alterado pelo decreto nº 159, de 29-08-07 DECRETO Nº 21, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2007. PUBLICADO NO DOE Nº 2.356, PG. 39, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007 Dispõe sobre a programação orçamentário-financeira do

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 3. Apresentação. Definição de Receita Pública. Receita Pública. Classificação da Receita Pública

Contabilidade Pública. Aula 3. Apresentação. Definição de Receita Pública. Receita Pública. Classificação da Receita Pública Contabilidade Pública Aula 3 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Definição de Receita Pública Um conjunto de ingressos financeiros com fonte e fatos geradores próprios e permanentes, oriundos da ação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE UNAÍ

CÂMARA MUNICIPAL DE UNAÍ CÂMARA MUNICIPAL DE UNAÍ RELATÓRIO DO SISTEMA CONTROLE INTERNO Mês:: Janeiro/2014 Janeiro/2014 SUMÁRIO I APRESENTAÇÃO... II - AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS QUANTO À EFICIÊNCIA E À EFICÁCIA DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA,

Leia mais

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010 6º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais 17 e 18 de junho de 2010 RECEITAS E DESPESAS PÚBLICAS: Enfoque Orçamentário X Enfoque Patrimonial

Leia mais

Execução Orçamentária e Financeira

Execução Orçamentária e Financeira Execução Orçamentária e Financeira Introdutório aos cursos dos Sistemas de Contabilidade e Gastos Públicos Setembro / 2008 Administração Pública Classifica-se, conforme a CF/88 em: Administração Direta

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO GESTÃO PÚBLICA FERRAMENTAS DE GESTÃO PLANO DIRETOR INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO PERÍODO 20 ANOS INDICADORES MACRO ECONÔMICOS ESTUDOS DE CRESCIMENTO POPULACIONAL RENDA E EMPREGO EXPANSÃO URBANA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ.

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS Belo Horizonte - MG RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ./14 (1) INTRODUÇÃO Nossos trabalhos foram

Leia mais

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE PATRIMÔNIO CONCEITO: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública.

Leia mais

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016.

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. 1 Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. Formulários obrigatórios para Prestação de Contas PRESTAÇÃO DE CONTAS - PROJETOS INCENTIVADOS PELA DME E/OU SUAS SUBSIDIÁRIAS.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação aos arquivos publicados em 10/11/2014: Item alterado/incluído Evento 1.9 Evento 2.20.8 Evento 2.72.13 Motivo Obs: Os créditos relativos à Dívida Ativa podem ser registrados somente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL

DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL 012/2011 Elaborada em 28/12/2011 Este documento descreve os procedimentos que devem ser adotados para o fechamento

Leia mais

Transição de governo: Desafios Jurídicos e Administrativos e Finanças Públicas

Transição de governo: Desafios Jurídicos e Administrativos e Finanças Públicas Transição de governo: Desafios Jurídicos e Administrativos e Finanças Públicas TEMPO TOTAL : 3 h 180 MIN - Transição: Aspectos Gerais - exposição: 15 min - Desafios Jurídicos e Administrativos: 40 min

Leia mais

DECRETO Nº 27.438 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2006.

DECRETO Nº 27.438 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2006. DECRETO Nº 27.438 DE 12 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre a Estrutura Organizacional da Secretaria Municipal de Fazenda e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES TESOURO OUTRAS FONTES T O T A L ----------------------------------------------------------------------------------------------------- CÓDIGO E S P E C I F I C A Ç Ã O RECURSOS OUTROS TOTAL RECURSOS OUTROS

Leia mais

C O N V Ê N I O Nº 015/2015

C O N V Ê N I O Nº 015/2015 C O N V Ê N I O Nº 015/2015 Que entre si celebram de um lado o MUNICÍPIO DE ITABIRITO, pessoa jurídica de direito público interno, inscrição no CNPJ sob o nº 18.307.835/0001-54, com endereço a Avenida

Leia mais

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais,

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O N O TC 16/94 S U M Á R I O

R E S O L U Ç Ã O N O TC 16/94 S U M Á R I O GABINETE DO CONSELHEIRO SALOMÃO RIBAS JUNIOR R E S O L U Ç Ã O N O TC 16/94 DE 21/12/94 S U M Á R I O TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 o ARTS. TÍTULO II FISCALIZAÇÃO CONTÁBIL, FINANCEIRA, ORÇAMENTÁRIA,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Prefeitura Municipal de Vitória Controladoria Geral do Município RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Nome da Iniciativa ou Projeto Portal de Transparência Vitória Caracterização da situação anterior O Portal

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ibertioga Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Período: 01/08/2011 a 31/08/2011 18/10/2011 10:03:48

Prefeitura Municipal de Ibertioga Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Período: 01/08/2011 a 31/08/2011 18/10/2011 10:03:48 Prefeitura Municipal de Ibertioga Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 ORCAMENTARIAS 1 Receitas Correntes 871.896,14 7.105.194,18 11 Receita Tributária 15.190,79 116.474,16 111 Impostos 14.948,39

Leia mais

Detalhamento da Receita

Detalhamento da Receita Detalha da Receita 1.0.0.0.00.00 RECEITAS CORRENTES 7.987.325.00 1.1.0.0.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 1.1.1.0.00.00 IMPOSTOS 425.500.00 1.1.1.2.00.00 Impostos sobre o Patrimônio e a Renda 1.1.1.2.02.00 Imposto

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

Balancete Financeiro - RECEITA

Balancete Financeiro - RECEITA Balancete Financeiro Pagina 1/6 RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 5.554.843,81 55.865.864,51 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 596.903,38 5.277.172,60 1.1.1.0.00.00.00.00

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VARGEM BONITA - M.G Livro Nº 18 Folha Nº 015

PREFEITURA MUNICIPAL DE VARGEM BONITA - M.G Livro Nº 18 Folha Nº 015 Folha Nº 015 LEI Nº. 1.058/2014 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO PARA O EXERCÍCIO DE 2015 O Prefeito do Município: Faço saber que a Câmara Municipal de Vargem Bonita aprovou e eu sanciono

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade

Conselho Federal de Contabilidade Processo CFC n.º 2015/000011 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 10/2015 Assunto: Orientação para encerramento do Exercício de 2014, elaboração do processo de Prestação de Contas do Sistema CFC/CRCs e alteração

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS ANEXO I AO DECRETO Nº 732, DE 6 DE MARÇO DE 2014. PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS Data: / / Nº: SECRETARIA MUNICIPAL DE SOLICITAÇÃO DE COMPRAS DE BENS E SERVIÇOS / TERMO DE REFERÊNCIA (art. 14 da Lei nº

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

- Geração de Relatórios. - Geração de Gráficos. - Geração de Consultas

- Geração de Relatórios. - Geração de Gráficos. - Geração de Consultas - Geração de Consultas - Geração de Relatórios - Geração de Gráficos Para sua Prefeitura atender as Leis 4.320/1964, LC 101/2000 (LRF) e LC 131/2009 (Transparência Pública), a LOGUS está colocando à disposição

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CRC-DF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Domingos Poubel de Castro Brasília/DF, 18 de Maio de 2012 NECESSIDADES PERMANENTES DO GESTOR INFORMAÇÕES CONTROLE Cenário Externo 0800 570 0800

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2013 Exmo. Sr. Presidente Tenho a honra de encaminhar a V.Exa. o Relatório Anual das Atividades desenvolvidas por esta Coordenadoria de Controle Interno, no exercício de

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

Empenhado Até o Período. Saldo da Dotação 33909300000 - INDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES 0000009 1.000,00 28.403,01 28.403,01 28.403,01

Empenhado Até o Período. Saldo da Dotação 33909300000 - INDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES 0000009 1.000,00 28.403,01 28.403,01 28.403,01 BALANCETE ANALÍTICO DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA Descrição Ficha Orçado Autorização Atualizado Saldo da Dotação Liquidação a Liquidar Pago Liquidado a Pagar a Pagar 120 - SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SEMUS

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE CONTABILIDADE GERAL GERÊNCIA DE ESTUDOS E NORMATIZAÇÃO CONTÁBIL

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE CONTABILIDADE GERAL GERÊNCIA DE ESTUDOS E NORMATIZAÇÃO CONTÁBIL Nota Técnica GENOC/DCOG n. 005/2011 Florianópolis, 13 de maio de 2011. Assunto: Emissão de nota de empenho utilizando-se Inscrição Genérica para credor. Senhor Diretor de Contabilidade Geral, 1 Trata-se

Leia mais

Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre-BA

Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre-BA ANO. 2015 Prefeitura Municipal de Capela do Alto AlegreBA DO MUNICÍPIO DE CAPELA DO ALTO ALEGRE BAHIA ANO. V EDIÇÃO Nº 00652 A Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre, Estado Da Bahia Visando a Transparência

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1.756-2010, DE 10 DE JUNHO de 2010. DIÓGENES LASTE, Prefeito Municipal de Nova Bréscia RS.

LEI MUNICIPAL Nº 1.756-2010, DE 10 DE JUNHO de 2010. DIÓGENES LASTE, Prefeito Municipal de Nova Bréscia RS. LEI MUNICIPAL Nº 1.756-2010, DE 10 DE JUNHO de 2010. Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. DIÓGENES LASTE, Prefeito Municipal de Nova Bréscia RS. FAÇO SABER, que o Poder Legislativo

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade É sabido que empenho é o comprometimento de verba orçamentária para fazer face a uma despesa

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2014 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2015 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

CONTRATO n 002/2015. PARÁGRAFO ÚNICO - São as seguintes as modalidades de Ordens Bancárias, a serem processadas pelo Sistema OBN:

CONTRATO n 002/2015. PARÁGRAFO ÚNICO - São as seguintes as modalidades de Ordens Bancárias, a serem processadas pelo Sistema OBN: CONTRATO n 002/2015. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE PAGAMENTO A FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS E DE SERVIDORES, QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE CANDELÁRIA (RS) E O BANCO DO BRASIL S.A. O MUNICÍPIO

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

Anexo Único Resolução CGM nº 1126 de 22 de Janeiro de 2014* Sistema de Contabilidade e Execução Orçamentária FINCON

Anexo Único Resolução CGM nº 1126 de 22 de Janeiro de 2014* Sistema de Contabilidade e Execução Orçamentária FINCON Anexo Único Resolução CGM nº 1126 de 22 de Janeiro de 2014* Sistema de Contabilidade e Execução Orçamentária FINCON Solicitante Perfil Ações no Sistema Cria e cancela todos os tipos de solicitação de despesa.

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Riacho da Cruz - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de s Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos Municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64 e Empresas Estatais Dependentes

Leia mais

Aplicação FUNCIONALIDADES

Aplicação FUNCIONALIDADES O sistema Advice é uma solução Corpdigital baseada na web que centraliza, de forma totalmente integrada, as atividades de um conselho de fiscalização profissional. A ferramenta apresenta módulos integrados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCI Sistema de Controle Interno Versão: 1.0 Aprovada em: 31/10/2011 Unidade Responsável: Unidade Central de Controle Interno I -

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos, 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Ruy Barbosa - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo das

Leia mais

PROCEDIMENTO CONTÁBIL Nº 02/2015 (versão 0.0.1)

PROCEDIMENTO CONTÁBIL Nº 02/2015 (versão 0.0.1) UNIDADE DE CONTÁBIL UNICON PROCEDIMENTO CONTÁBIL Nº 02/2015 (versão 0.0.1) GUIA DE RECEBIMENTO (GR) LANÇAMENTO DE RECEITAS ÍNDICE 1 OBJETIVO... 1 2 - CONCEITOS... 1 3 PREENCHIMENTO DA GR NO SIAFEM... 2

Leia mais

Manual de Treinamento

Manual de Treinamento 1 SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO PÚBLICA SUBSISTEMA: CONTABILIDADE PÚBLICA Manual de Treinamento MOVIMENTO E FICHAS: Inclusões e Relatórios 2 1 - DESPESA ORÇAMENTÁRIA - movimentos Esta opção permite que o

Leia mais

8 - FONTES DE FINANCIAMENTO DAS DESPESAS DO ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

8 - FONTES DE FINANCIAMENTO DAS DESPESAS DO ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL 8 - FONTES DE FINANCIAMENTO DAS DESPESAS DO ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Fontes de Financiamento das Despesas do Orçamento da Seguridade Social Receitas Vinculadas (A) 261.219.912.063 1.1.2.1.17.00

Leia mais

O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS

O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS Assim dispõe a Constituição Federal: Art. 31 - A fiscalização do Município sera exercida pelo Poder Legislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA 1. CONTEXTO ORGANIZACIONAL O Tribunal de Contas é um órgão com autonomia orçamentária e financeira de auxílio ao

Leia mais

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG O QUE É O PDDE... Consiste na assistência financeira anual, pelo FNDE, às escolas públicas da educação básica das redes estaduais, municipais e do Distrito Federal. O objetivo

Leia mais

Assunto: Demonstrativos em atendimento à Portaria STN nº 72/2012.

Assunto: Demonstrativos em atendimento à Portaria STN nº 72/2012. A P O Autoridade Pública Olímpica Brasília, 28 de março de 2013. NOTA TÉCNICA Nº 004/2013SGC/DE/APO Assunto: Demonstrativos em atendimento à Portaria STN nº 72/2012. Senhor Presidente, 1. A partir do ano

Leia mais