Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while."

Transcrição

1

2 Conceitos básicos do C. 2 Introdução às funções. Entrada e saída. Comandos de controle de fluxo: if / for / while / do while. Variáveis, constantes, operadores e expressões Switch / break / matrizes e strings / funções

3 Switch: é um comando de seleção múltipla. 3 A forma geral do comando é:

4 Ele testa sucessivamente o valor de uma expressão, sendo próprio para se testar uma variável em relação a diversos valores préestabelecidos. O valor da expressão é testado, na ordem, contra os valores das constantes especificadas nos comandos case. Quando uma coincidência for encontrada, a sequência de comandos associada àquele case será executada até que o comando break ou o fim do comando switch seja alcançado. O comando break, faz com que o switch seja interrompido assim que uma das declarações seja executada. O comando default é executado se nenhuma coincidência for detectada. 4

5 5 Ele é opcional e será executada apenas se à variável, que está sendo testada, não for igual a nenhuma das constantes. Se o default não estiver presente, nenhuma ação será realizada se todos os teste falharem.

6 6 Considerações sobre o comando switch: O comando switch difere do if porque o switch só pode testar igualdade, enquanto o if pode avaliar uma expressão lógica ou relacional. Duas constantes case no mesmo switch não podem ter valores idênticos.

7 7 Entretanto, um comando switch incluído em outro comando switch mais externo pode ter as mesmas constantes case. Se constantes de caracteres são usadas em um comando switch, elas são automaticamente convertidas para seus valores inteiros. O comando switch é frequentemente usado para processar uma entrada, via teclado, como em uma seleção por menu. No exemplo seguinte, a função menu () mostra o menu de um programa de validação da ortográfica e chama os procedimentos apropriados:

8 8

9 Teoricamente, os comandos break, dentro do switch, são opcionais. 9 Se o comando break é omitido, a execução continua pelos próximos comandos case até que um break, ou o fim do switch, seja encontrado. Podem ser criados blocos de código com um dos comandos da sequência e declarar uma variável local dentro dele.

10 Podem ser criados switch como parte de uma sequência de comandos de um outro switch. 10 Mesmo se as constantes dos cases dos switchs interno e externo possuírem valores comuns, não ocorrerão conflitos.

11 O comando break 11 Ele tem dois usos: Terminar um case em um comando swith (ou outro comando). Interromper a execução de qualquer loop (como no caso do for, do while ou do do while), forçando uma terminação imediata do laço, evitando o teste condicional normal do laço. Quando o comando break é encontrado dentro de um laço, o laço é imediatamente terminado e o controle do programa retorna no comando seguinte.

12 Esse programa escreve os números de 1 até 10 na tela. Então, o laço termina porque o break provoca uma saída imediata do laço, desrespeitando o teste condicional t <

13 Os programadores geralmente usam o comando break em laços em que uma condição especial pode provocar uma terminação imediata. 13 VETORES, STRINGS E MATRIZES Uma matriz é uma coleção de variáveis do mesmo tipo que é referenciada por um nome comum. Um elemento específico em uma matriz é acessado por meio de um índice (em C todas as matrizes consistem de posições contíguas na memória). Matrizes podem ter de uma a várias dimensões.

14 14 Vetores: são matrizes unidimensionais. A forma geral para declarar uma matriz unidimensional é: tipo nome_var[tamanho] As matrizes devem ser explicitamente declaradas para que o compilador possa alocar espaço para elas na memória. tipo declara o tipo base da matriz (o tipo de cada elemento da matriz) tamanho define quantos elementos a matriz irá guardar. Exemplo: double balance [100];

15 Declara uma matriz de 100 elementos, chamada balance, e do tipo double. 15 Na linguagem C a numeração começa sempre em zero. Assim, se declararmos: float exemplo [20]; Isto significa que os dados serão indexados de 0 a 19. Para acessá los deve se escrever: exemplo[0] exemplo[1]... exemplo[19]

16 Mas ninguém o impede de escrever: exemplo[30] exemplo[103] 16 Porque o C não verifica se o índice usado está dentro dos limites válidos. Este é um cuidado que o programador deve tomar. Se ele não tiver atenção com os limites de validade para os índices ele corre o risco de ter variáveis sobreescritas ou de ver o computador travar e bugs podem surgir. O exemplo seguinte compilará sem erros?

17 17... int count[10], i; for(i = 0; i<100; i++) count [i] = i;... Exemplo de utilização de vetores:

18 18 No exemplo anterior, o inteiro count é inicializado em 0.

19 O programa pede pela entrada de números até que o usuário digite 999 para sair do loop. 19 Os números são armazenados no vetor num. A cada número armazenado, o contador do vetor é incrementado para na próxima iteração escrever na próxima posição do vetor. Quando o usuário digita 999, o programa abandona o primeiro loop e armazena o total de números gravados.

20 Por fim, todos os números são impressos na tela do pc. 20 Nenhuma restrição é feita quanto a quantidade de números digitados. Se o usuário digitar mais de 100 números, o programa tentará ler normalmente, mas o programa os escreverá em uma parte não alocada de memória, pois o espaço alocado foi para somente 100 inteiros. Isto pode resultar nos mais variados erros no instante da execução do programa.

21 Strings: são vetores de chars (cadeia de caracteres) 21 São o uso mais comum para os vetores. Importante: as trings têm o seu último elemento como um '\0'. A declaração geral para uma string é: char nome_da_string [tamanho]; O tamanho da string deve incluir o '\0' final. Exemplo: char str[10] = "Joao"; Nesta string, o terminador nulo está na posição 4.

22 Das posições 0 a 4, sabemos que temos caracteres válidos, e podemos escrevê los. 22 Para inicializamos a string str com os caracteres 'J' 'o' 'a' 'o' e '\0' simplesmente declaramos char str[10] = "Joao". Matrizes bidimensionais: a forma geral da declaração de uma matriz bidimensional é muito parecida com a declaração de um vetor: tipo_da_variável nome_da_variável [altura][largura]; É muito importante ressaltar que, nesta estrutura, o índice da esquerda indexa as linhas e o da direita indexa as colunas.

23 23 Para declarar uma matriz bidimensional de inteiros d de tamanho 10, 20, deve se escrever: int d[10][20]; Para acessar o ponto 1, 2da matriz d, utiliza se: d[1][2] Exemplo:

24 24

25 Neste exemplo, num[0][0] tem o valor 1, num[0][1], o valor 2, num[0][2], o valor 3 e assim por diante. 25 O valor de num[2][3] será 12. A matriz num será visualizada como mostrado aqui: Inicialização de matrizes: a linguagem C permite que as matrizes sejam inicializadas no momento de sua declaração.

26 A forma geral de uma inicialização de matriz é semelhante à de outras variáveis: 26 tipo nome_de_matriz[tamanho1] [tamanho2] = {lista_valores}; A lista de valores é uma lista de constantes, separada por vírgulas, cujo tipo é compatível com tipo. A primeira constante é colocada na primeira posição da matriz, a segunda, na segunda posição e assim por diante. Exemplo: Uma matriz inteira de dez elementos é inicializada com os números de 1 a 10; Int i[10] = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10};

27 Isso significa que i[0] terá valor 1 e i[9] terá valor Matrizes de caracteres podem ser inicializadas de forma abreviada como visto anteriormente: char nome_da_matriz[tamanho] = string ; Este fragmento de código inicializa str com a frase Eu gosto de C ; char str[14] = Eu gosto de C ; Isso é o mesmo que escrever: char str[14] = { E, u,, g, o, s, t, o,, d, e, C, \0 };

28 Como todas as stings em C terminam com um nulo, é preciso ter certeza de que a matriz a ser declarada é longa o bastante para incluir o nulo. 28 Por isso, str no exemplo anterior tem o comprimento de 14 caracteres, embora Eu gosto de C tenha apenas 13. Matrizes multidimensionais são inicializadas da mesma forma que matrizes unidimensionais: O código seguinte inicializa sqrs com o números de 1 a 10 e seus quadrados.

29 29

30 FUNÇÕES 30 Funções são as estruturas que permitem ao usuário separar seus programas em blocos. Uma função no C tem a seguinte forma geral: O tipo de retorno é o tipo de variável que a função vai retornar. O default é o tipo int Ou seja, uma função para qual não é declarado o tipo de retorno é considerada como retornando um inteiro.

31 A declaração de parâmetros é uma lista com a seguinte forma geral: 31 tipo nome1, tipo nome2,..., tipo nomen O tipo deve ser especificado para cada uma das N variáveis de entrada. É na declaração de parâmetros que informamos ao compilador quais serão as entradas da função (assim como informamos a saída no tipo de retorno). É no corpo da função nele que as entradas são processadas, saídas são geradas ou outras coisas são feitas.

32 Comando return 32 O comando return tem a seguinte forma geral: ou return valor_de_retorno; return; Quando uma função está sendo executada, ao chegar a uma declaração return a função é encerrada imediatamente e, se o valor de retorno é informado, a função retorna este valor. O valor de retorno fornecido tem que ser compatível com o tipo de retorno declarado para a função.

33 33

34 34 Protótipos de Funções: Até agora, nos exemplos apresentados, escrevemos as funções antes de escrevermos a

35 Protótipos de funções: nos exemplos apresentados, escrevemos as funções antes de escrevermos a função main(). 35 As funções estão fisicamente antes da função main().

36 Deve se lembrar que é na função main() onde são chamadas as demais funções. 36 Se o compilador fosse compilar primeiro a função main(), ele teria que saber com antecedência quais são os tipos de retorno e quais são os parâmetros das funções para que ele pudesse gerar o código corretamente. Foi por isto as funções foram colocadas antes da função main(): quando o compilador chegasse à função main() ele já teria compilado as funções e já saberia seus formatos. Muitas vezes não é possível escrever nesta ordem, pois teremos o programa espalhado por vários arquivos.

37 Estaremos chamando as funções em um arquivo que serão compiladas em outro arquivo. 37 Como manter a coerência? A solução são os protótipos de funções. Protótipos são declarações de funções. Ou seja, são declaradas as funções que serão utilizadas. O compilador toma então conhecimento do formato daquela função antes de compilá la. O código correto será gerado.

38 Um protótipo tem o seguinte formato: 38 tipo_de_retorno nome_da_função (declaração_de_parâmetros); em que o tipo_de_retorno, o nome_da_função e a declaração_de_parâmetros são os mesmos que serão utilizados na função. Os protótipos são muito semelhantes as declarações de variáveis. Exemplo:

39 39 A função Square() está colocada depois de main(), mas o seu protótipo está antes. Sem isto este programa não funcionaria corretamente. Usando protótipos é possível construir funções que retornam quaisquer tipos de variáveis.

40 O Tipo void: 40 Em inglês, void quer dizer vazio e é isto mesmo que o void é. Ele permite fazer funções que não retornam nada e funções que não têm parâmetros! É possível escrever o protótipo de uma função que não retorna nada da seguinte maneira: void nome_da_função (declaração_de_parâmetros); Numa função desse tipo não existe valor de retorno na declaração return. Neste caso, o comando return não é necessário na função.

41 Pode se também fazer funções que não têm parâmetros: 41 tipo_de_retorno nome_da_função (void); ou, ainda, que não tem parâmetros e não retornam nada: void nome_da_função (void); Um exemplo de funções que usam o tipo void:

42 Se quisermos que a função retorne algo, devemos usar a declaração return. 42 Se não quisermos, basta declarar a função como tendo tipo deretorno void. Devemos lembrar que a main() é uma função. O compilador acha que a função main() deve retornar um inteiro. Devemos nos lembrar da seguinte convenção: Se o programa retornar zero, significa que ele terminou normalmente;

43 Se o programa retornar um valor diferente de zero, significa que o programa teve um término anormal. 43 Se não estivermos interessados neste tipo de coisa, basta declarar a função main como retornando void.

44 Arquivos Cabeçalhos: são arquivos que contém informações que servem para o compilador reconhecer funções, macros, tipos de dados e variáveis que não estão no arquivo que esta sendo compilado. Esses arquivos tem a extensão ".h" é o caso dos cabeçalhos padrão stdio.h, conio.h e math.h. 44 Próxima aula: Será informado sobre como proceder para realização do trabalho final.

Introdução a Programação de Jogos

Introdução a Programação de Jogos Introdução a Programação de Jogos Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If...

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If... Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: Operadores relacionais e lógicos estruturas condicionais If... Else Switch Prof. Renato Pimentel 1 Operações relacionais Operações

Leia mais

Comandos em C (cont.)

Comandos em C (cont.) Comandos em C (cont.) Operador ternário:? O operador condicional possui uma opção um pouco estranha. É o único operador C que opera sobre três expressões. Sua sintaxe geral possui a seguinte construção:

Leia mais

Programação: Vetores

Programação: Vetores Programação de Computadores I Aula 09 Programação: Vetores José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/62 Motivação Problema Faça um programa que leia

Leia mais

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação

Linguagem C Controle do Fluxo de Execução. Lógica de Programação Linguagem C Controle do Fluxo de Execução Lógica de Programação Caro(a) aluno(a), Aqui começaremos a escrever os nossos primeiros programas em uma Linguagem de Programação. Divirta-se!!! Estrutura Seqüencial

Leia mais

Controle de Fluxo. Laços e Desvios incondicionais

Controle de Fluxo. Laços e Desvios incondicionais Controle de Fluxo Laços e Desvios incondicionais Laços Em C, há três comandos de ITERAÇÃO ou LAÇOS: for while do... while Estes permitem que um conjunto de instruções seja executado até que ocorra uma

Leia mais

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Introdução Variáveis Tipos de dados Operadores e Expressões: Operadores

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões

Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões INF1005: Programação 1 Introdução à Linguagem C Variáveis e Expressões 08/03/10 (c) Paula Rodrigues 1 Tópicos Principais Programando em C Funções Variáveis Define Operadores e Expressões Entrada e Saída

Leia mais

Introdução a classes e objetos. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Prof a. Rachel Reis

Introdução a classes e objetos. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Prof a. Rachel Reis Introdução a classes e objetos Prof. Marcelo Roberto Zorzan Prof a. Rachel Reis Estruturas de Seleção if... else Operador condicional (? : ) switch Aula de Hoje Estruturas de Repetição: while/do... while/for

Leia mais

Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo

Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo Lógica e Linguagem de Programação Convertendo um algoritmo em pseudocódigo para a linguagem C Professor: Danilo Giacobo Este documento explica como transformar um algoritmo escrito na forma pseudocódigo

Leia mais

Algoritmos e Programação Parte 02 Vetores e Matrizes

Algoritmos e Programação Parte 02 Vetores e Matrizes Parte 02 Vetores e Matrizes o Algoritmos e Programação Vetores Estrutura de Dados Homogênea e Estática o Unidimensional o Exemplo : Prédio com um apartamento por andar Conjunto habitacional com apenas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S PROGRAMAÇÃO I VA R I Á V E I S, C O N S TA N T E S, O P E R A D O R E S E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S Variáveis 2 Variáveis são locais onde são armazenados os valores na memória. Toda variável é

Leia mais

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões.

Estruturas da linguagem C. 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. 1 Estruturas da linguagem C 1. Identificadores, tipos primitivos, variáveis e constantes, operadores e expressões. Identificadores Os identificadores seguem a duas regras: 1. Devem ser começados por letras

Leia mais

Linguagem de Programação I. Aula 10 Funções

Linguagem de Programação I. Aula 10 Funções Linguagem de Programação I Aula 10 Funções Da Aula Anterior Tipos de dados básicos e operadores em C Declaração de variáveis e modificadores de tipo Estruturas de Controle Arrays unidimensionais Geração

Leia mais

Funções em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Linguagem de Programação Estruturada I. Universidade Federal do Paraná

Funções em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Linguagem de Programação Estruturada I. Universidade Federal do Paraná em C Linguagem de Programação Estruturada I Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná Sumário Funções: Conceitos; Forma Geral das funções; Regras de Escopo; Argumentos

Leia mais

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo

Programação Básica. Estrutura de um algoritmo Programação Básica Estrutura de um algoritmo Código-fonte Como vimos na aula anterior um algoritmo pode ser representado usando um fluxograma Um algoritmo pode também ser representado usando texto Esse

Leia mais

Estruturas de Repetição. for() while() do-while() break; continue;

Estruturas de Repetição. for() while() do-while() break; continue; Estruturas de Repetição for() while() do-while() break; continue; 1 Auto-Ajuda (!) Como ajudar a solucionar erros básicos do meu programa? Verificar os ; Verificar se não há comandos em maiúsculas; Verificar

Leia mais

C++ - Funções. Forma geral das funções C++

C++ - Funções. Forma geral das funções C++ C++ - Funções Conjunto de instruções para executar uma tarefa particular, agrupadas numa unidade com um nome para referenciá-las. O código é agregado ao programa uma única vez e pode ser executado muitas

Leia mais

Introdução à Linguagem C++

Introdução à Linguagem C++ Introdução à Linguagem C++ C++: Definição C++ C A Linguagem de Programação C++ pode ser definida como uma extensão da Linguagem C; Todo código de programação em Linguagem C pode a priori ser compilado

Leia mais

A Linguagem C. A forma de um programa em C

A Linguagem C. A forma de um programa em C A Linguagem C Criada em 1972 por D. M. Ritchie e K. Thompson. Tornou-se uma das mais importantes e populares, principalmente pela portabilidade e flexibilidade. Foi projetada para o desenvolvimento de

Leia mais

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes. Prof.: Bruno Gomes

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes. Prof.: Bruno Gomes Fundamentos de Programação Linguagem C++ aula II - Variáveis e constantes Prof.: Bruno Gomes 1 Variáveis Representa uma porção da memória que pode ser utilizada pelo programa para armazenar informações

Leia mais

Vetores e Matrizes. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Variáveis Compostas Homogêneas. Matriz

Vetores e Matrizes. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Conceito. Variáveis Compostas Homogêneas. Matriz Variáveis Compostas Homogêneas São conhecidas na linguagem C como matrizes. Vetores e es É um conjunto de variáveis do mesmo tipo, acessíveis com um único nome e armazenadas de forma contínua na memória.

Leia mais

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores

Variáveis, Tipos de Dados e Operadores ! Variáveis, Tipos de Dados e Operadores Engenharias Informática Aplicada 2.o sem/2013 Profa Suely (e-mail: smaoki@yahoo.com) VARIÁVEL VARIÁVEL É um local lógico, ligado a um endereço físico da memória

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Vetores e Strings int vetor[] / rand() / #define / char string[] / gets() Gil Eduardo de Andrade Vetores Introdução Um vetor pode ser definido como é um conjunto de elementos (variáveis)

Leia mais

Estruturas de Repetição em Java

Estruturas de Repetição em Java 1 Linguagem de Programação Estruturas de Repetição em Java A realização da repetição controlada por contador requer: 1. Uma variável de controle (ou contador de loop). 2. O valor inicial da variável de

Leia mais

Capítulo 3: Programando com Funções

Capítulo 3: Programando com Funções Capítulo 3: Programando com Funções INF1004 e INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Organização de Código Um programa de computador representa a implementação

Leia mais

Introdução à Linguagem de Programação Java 1 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA

Introdução à Linguagem de Programação Java 1 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA 1 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA 2 INDICE 1. COMENTÁRIOS... 4 1.1. Comentário de uma linha... 4 1.2. Comentário de múltiplas linhas... 4 2. IMPRESSÃO DE TEXTOS... 5 2.1. Imprimindo um texto

Leia mais

Módulo 1. Introdução. AEDS I C++ (Rone Ilídio)

Módulo 1. Introdução. AEDS I C++ (Rone Ilídio) Módulo 1 Introdução AEDS I C++ (Rone Ilídio) Introdução Linguagens de Programação Fonte Compilador Executável SO I Hardware C++ - Características Evolução do C, ou seja, possui a mesma sintaxe É uma linguagem

Leia mais

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero Linguagem C Prof.ª Márcia Jani Cícero A estrutura Básica de um Programa em C Consiste em uma ou várias funções ou programas. main( ) // primeira função a ser executada // inicia a função // termina a função

Leia mais

O vetor é provavelmente um dos mais simples e importantes tipos agregados. Através do seu uso, podemos

O vetor é provavelmente um dos mais simples e importantes tipos agregados. Através do seu uso, podemos Cláudio C. Rodrigues Faculdade da Computação -UFU LINGUAGEM C 04: VETORES, STRINGS E MATRIZES Faculdade da Computação - UFU 1 Introdução & Objetivo O vetor é provavelmente um dos mais simples e importantes

Leia mais

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Como construir um compilador utilizando ferramentas Java p. 1/2 Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Aula 1 - Introdução Prof. Márcio Delamaro delamaro@icmc.usp.br Como construir um

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 07: Funções O comando return Protótipo de funções O tipo void Arquivos-cabeçalho Escopo de variáveis Passagem de parâmetros por valor

Leia mais

As funções são blocos de instruções que facilitam o entendimento do código. Sua sintaxe é:

As funções são blocos de instruções que facilitam o entendimento do código. Sua sintaxe é: Linguagem C-Funções Objetivos No primeiro capítulo foi dito que um programa em C pode ser composto de uma ou mais funções, sendo que a única obrigatória é main (). Agora, estudaremos como utilizar outras

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. A diferença a entre as matrizes e as arrays é que acrescentamos mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. A diferença a entre as matrizes e as arrays é que acrescentamos mais Curso de PHP FATEC - Jundiaí Matrizes Multidimensionais A diferença a entre as matrizes e as arrays é que acrescentamos mais um índice para identificar a posição na matriz. O número n de índices será diretamente

Leia mais

Métodos Computacionais

Métodos Computacionais Métodos Computacionais Objetivos da Disciplina e Introdução a Linguagem C Construções Básicas Objetivos da Disciplina Objetivo Geral Discutir técnicas de programação e estruturação de dados para o desenvolvimento

Leia mais

INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C

INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C Aula 01 Programação em Microinformática Prof. Allbert Velleniche de Aquino Almeida E-mail: professor@allbert.com.br Site: http://www.allbert.com.br Histórico O C nasceu na década

Leia mais

Algoritmos. Algoritmos. Linguagem de programação. Conceitos. Conceitos. Conceitos. Sintaxe do comando para incluir bibliotecas no programa:

Algoritmos. Algoritmos. Linguagem de programação. Conceitos. Conceitos. Conceitos. Sintaxe do comando para incluir bibliotecas no programa: Algoritmos Algoritmos Leandro Tonietto Unisinos ltonietto@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~ltonietto/inf/pg1/algoritmosi_java.pdf Mar-2008 Possuem sintaxe flexível e são mais úteis para descrição

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CENTRO 06. Funções, variáveis, parâmetros formais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CENTRO 06. Funções, variáveis, parâmetros formais UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CENTRO 06 Disciplina: Linguagem de Programação C Profª Viviane Todt Diverio Funções, variáveis, parâmetros formais

Leia mais

Linguagem C Funções. André Tavares da Silva.

Linguagem C Funções. André Tavares da Silva. Linguagem C Funções André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Funções É uma coleção de comandos identificados por um nome (identificador); As funções executam ações e podem retornar valores; main, printf

Leia mais

[]: ;

<identificador>[<tamanho>]: <tipo>; Vetores e Constantes Imagine uma situação na qual fosse necessário armazenar 100 valores para processamento. Por exemplo, pode ser necessário armazenar as notas de 100 provas de uma turma de alunos. Uma

Leia mais

Programação de Computadores I Conhecendo a Linguagem C. Prof. Ramon Figueiredo Pessoa

Programação de Computadores I Conhecendo a Linguagem C. Prof. Ramon Figueiredo Pessoa Programação de Computadores I Conhecendo a Linguagem C Prof. Ramon Figueiredo Pessoa 1 Variáveis e tipos Variáveis são simplesmente posições de memória que o compilador aloca ao programa Mas quantas posições

Leia mais

Anhanguera Educacional S.A. Centro Universitário Ibero-Americano

Anhanguera Educacional S.A. Centro Universitário Ibero-Americano O C++ foi inicialmente desenvolvido por Bjarne Stroustrup durante a década de 1980 com o objetivo de melhorar a linguagem de programação C, mantendo a compatibilidade com esta linguagem. Exemplos de Aplicações

Leia mais

Algoritmos e Programação. Linguagem C Procedimentos e. Eliane Pozzebon

Algoritmos e Programação. Linguagem C Procedimentos e. Eliane Pozzebon Algoritmos e Programação Linguagem C Procedimentos e Funções Eliane Pozzebon Procedimentos e Funções Procedimentos são estruturas que agrupam um conjunto de comandos, que são executados quando o procedimento

Leia mais

MC-102 Aula 10 Vetores

MC-102 Aula 10 Vetores MC-102 Aula 10 Vetores Instituto de Computação Unicamp 15 de Setembro de 2016 Roteiro 1 Introdução 2 Vetores Definição de Vetores Vetores Como usar Vetores e a Memória Vetores Exemplos 3 Informações Extras:

Leia mais

Introdução à linguagem C++

Introdução à linguagem C++ Estrutura de Dados e Algoritmos e Programação e Computadores II Aula 2: Introdução à linguagem C++ Introdução à linguagem C++ Conceitos básicos: variáveis, tipos de dados, constantes, I/O, etc. Estruturas

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Primeiro programa em C #include int main() { int num1, num2, result; scanf("%d",&num1); scanf("%d",&num2); result = num1 + num2; printf("%d",

Leia mais

AULA INTERAÇÃO ENTRE OBJETOS

AULA INTERAÇÃO ENTRE OBJETOS AULA 16-17 INTERAÇÃO ENTRE OBJETOS Curso: Informática (Subseqüente) Disciplina: Programação Orientada a Objetos Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br Objetivos Criar objetos que controlem a criação

Leia mais

Conceitos Básicos da Linguagem C++ Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Conceitos Básicos da Linguagem C++ Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Conceitos Básicos da Linguagem C++ Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário As Origens da Linguagem C++; Primeiro Programa em C++; Declaração e Leitura de Variáveis; Estruturas de Seleção; if; switch; Estruturas

Leia mais

Apresentação da ferramenta de programação. Comandos de entrada e saída. Prof. Alex Camargo

Apresentação da ferramenta de programação. Comandos de entrada e saída. Prof. Alex Camargo UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO Apresentação da ferramenta de programação. Comandos de entrada e saída Prof. Alex Camargo alexcamargoweb@gmail.com Linguagem C A linguagem

Leia mais

Introdução a linguagem C. Introdução à Programação 06/07

Introdução a linguagem C. Introdução à Programação 06/07 Introdução a linguagem C Introdução à Programação 06/07 A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C A linguagem C foi criada, na década de setenta, por Dennis M. Ritchie; Apesar de se considerar uma linguagem de alto

Leia mais

Programação para GI. Subprogramas

Programação para GI. Subprogramas nível 05/05/2015 Programação para GI Aula 08 Java é uma linguagem de programação orientada a objetos (POO). O objetivo desta aula é escrever programas em Java organizando o código em subprogramas (funções)

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 05 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo LAÇOS Laços são comandos da linguagem

Leia mais

5. Vetores e alocação dinâmica

5. Vetores e alocação dinâmica 5. Vetores e alocação dinâmica W. Celes e J. L. Rangel 5.1. Vetores A forma mais simples de estruturarmos um conjunto de dados é por meio de vetores. Como a maioria das linguagens de programação, C permite

Leia mais

Hello World. Linguagem C. Tipos de Dados. Palavras Reservadas. Operadores Aritméticos. Pré e pós incremento e pré e pós decremento

Hello World. Linguagem C. Tipos de Dados. Palavras Reservadas. Operadores Aritméticos. Pré e pós incremento e pré e pós decremento Hello World Linguagem C printf("hello world!\n"); main é a função principal, a execução do programa começa por ela printf é uma função usada para enviar dados para o vídeo Palavras Reservadas auto double

Leia mais

Exercícios: Arquivos

Exercícios: Arquivos Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Arquivos 1. Codifique, compile e execute um programa que: (a) crie/abra

Leia mais

Conceitos básicos de programação

Conceitos básicos de programação Para aprender uma linguagem de programação podemos começar por conhecer os vocábulos ou símbolos que formam o seu léxico e depois aprender como esses vocábulos integram as instruções (frases) que compõe

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Introdução à Linguagem C Eduardo Simões de Albuquerque Instituto de Informática UFG 13/03/2006 1 História Inventada e desenvolvida por Dennis Ritchie em um DEC- PDP 11 Originária de: BCPL desenvolvida

Leia mais

5 Arrays. 5.1 Criando um array. 5.2 Inicializando arrays. c:\>java Array Janeiro tem 31 dias.

5 Arrays. 5.1 Criando um array. 5.2 Inicializando arrays. c:\>java Array Janeiro tem 31 dias. 5 Arrays Arrays são grupos de variáveis do mesmo tipo. As arrays podem armazenar variáveis de qualquer tipo (tipo de dado primitivo ou objetos), mas é importante lembrar que todos os valores devem ser

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Modularização (Funções) Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo

Linguagem C. Programação Estruturada. Modularização (Funções) Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo Programação Estruturada Linguagem C Modularização (Funções) Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Introdução Por que usar funções? Escopo de Variáveis Declarando uma

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Linguagem C Aula de hoje Introdução Vetores (revisão) Relacionamento entre vetores e ponteiros Professor: André de Carvalho Definição: coleção de valores de dados individuais com

Leia mais

Introdução à Programação C

Introdução à Programação C Introdução à Programação C Fabio Mascarenhas - 2014.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/introc Vetores de ponteiros Podemos também ter vetores de qualquer tipo, inclusive ponteiros A sintaxe é a mesma para

Leia mais

JavaScript (Elementos de Programação e Programação Básica)

JavaScript (Elementos de Programação e Programação Básica) Linguagem de Programação para Web JavaScript (Elementos de Programação e Programação Básica) Prof. Mauro Lopes 1 Objetivos Iniciaremos aqui o nosso estudo sobre a Linguagem de Programação JavaScript. Apresentaremos

Leia mais

Estrutura de Programas e Tipos de Dados Simples

Estrutura de Programas e Tipos de Dados Simples SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Estrutura de Programas e Tipos de Dados Simples Prof. Vanderlei Bonato: vbonato@icmc.usp.br Prof. Claudio Fabiano Motta Toledo: claudio@icmc.usp.br

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4 Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1 Estruturas Básicas Aula Tópico 4 1 Problema 3 Exibir o maior número inteiro que pode ser representado no computador. 2 Qual o maior número inteiro? Para

Leia mais

Leitura Segura de Strings

Leitura Segura de Strings Leitura Segura de Strings As funções da biblioteca padrão de C que podem ser usadas para leitura de strings não são suficientemente adequadas para esta finalidade básica. Nesta seção, serão descritos alguns

Leia mais

Linguagem C: Variáveis e Operadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Variáveis e Operadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Variáveis e Operadores Prof. Leonardo Barreto Campos Sumário Variáveis: Tipos de variáveis; Nome da variável; Palavras reservadas; A função printf(); A função scanf(); Variáveis locais; Variáveis

Leia mais

Agenda. O que é um array. Declaração de um array. Instanciação de um array. Acessando os elementos de um array. O tamanho de um array (length)

Agenda. O que é um array. Declaração de um array. Instanciação de um array. Acessando os elementos de um array. O tamanho de um array (length) Arrays em Java 1 Agenda O que é um array Declaração de um array Instanciação de um array Acessando os elementos de um array O tamanho de um array (length) Arrays multi-dimensionais 2 O que é um Array?

Leia mais

Fluxogramas. Leandro Tonietto ago-09

Fluxogramas. Leandro Tonietto ago-09 Fluxogramas Leandro Tonietto ltonietto@unisinos.br ago-09 Introdução Planejar, modelar e projetar primeiro, depois fazer (programar). Maiores chances de sucesso na programação Facilita a resolução, pois

Leia mais

Matrizes. DCC 119 Algoritmos

Matrizes. DCC 119 Algoritmos Matrizes DCC 119 Algoritmos Matrizes: vetores multidimensionais Assim como os vetores, as matrizes são estruturas de dados homogêneas. Podem ser construídas dos diversos tipos básicos primitivos (real,

Leia mais

Introdução à Programação Orientada a Objetos em C++

Introdução à Programação Orientada a Objetos em C++ Introdução à Programação Orientada a Objetos em C++ Disciplina de Programação Científica II Aula 12 de 18 24/05/2013 Professor Giovani Gracioli giovanig@gmail.com Objetivos Os objetivos dessa aula são:

Leia mais

Recursividade UFOP 1/48

Recursividade UFOP 1/48 BCC 201 - Introdução à Programação I Recursividade Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/48 Introdução I Recursividade: é um método de programação no qual uma função pode chamar a si mesma Muitas estruturas têm

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C++ 1 - VARIÁVEIS Variáveis espaço de memória reservado para armazenar tipos de dados, com um nome para referenciar seu conteúdo. Observações importantes Todas as variáveis devem

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação Linguagens de Programação Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Expressões Precedência e associatividade de operador Sobrecarga de operador Expressões de modo misto Várias formas de

Leia mais

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 29 de agosto de 2008

Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 29 de agosto de 2008 Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Segunda Aula Prática - 29 de agosto de 2008 Introdução O objetivo desta aula prática é exercitar comandos de entrada e saída simples

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados Tipos Abstratos de Dados Tipo Abstrato de Dados ou TAD Idéia principal: desvincular o tipo de dado (valores e operações) de sua implementação: O que o tipo faz e não como ele faz! Vantagens da desvinculação:

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Pampa Campus-Bagé Algoritmos e Programação Aula 2 - Elementos fundamentais de Algoritmos, Conceitos de Varíaveis Prof. Julio Saraçol juliodomingues@unipampa.edu.br Slide1 Aula de

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos 394 Podemos escrever e ler blocos de dados em um determinado arquivo. Para tanto, a linguagem C, disponibiliza as funções fread() e fwrite(). - fread Manipulação de Arquivos O protótipo de fread() é: unsigned

Leia mais

Unidade 5: Introdução à Programação com C/C++

Unidade 5: Introdução à Programação com C/C++ Lógica de Programação para Engenharia 1 Unidade 5: Introdução à Programação com C/C++ Prof. Daniel Caetano Objetivo: Explicitar os elementos básicos envolvidos na programação com a linguagem C/C++. Bibliografia:

Leia mais

1ª Lista de Exercícios

1ª Lista de Exercícios Universidade Federal do Rio de Janeiro Data: 26/04/05 Disciplina: Computação I 1ª Lista de Exercícios 1) Faça um programa, em pseudo-código, que peça ao usuário que informe n números reais e então calcule

Leia mais

Lógica de Programação Atividade Avaliativa 1 RESPOSTAS

Lógica de Programação Atividade Avaliativa 1 RESPOSTAS Lógica de Programação Atividade Avaliativa 1 RESPOSTAS Avaliação individual. A interpretação das questões faz parte da avaliação. Não é permitida conversa bem como troca de materiais entre os alunos; 1)

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN Fundamentos de Programação Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Linguagem de Programação Constituída por símbolos e por regras para combinar esses símbolos

Leia mais

Aula 05 Estruturas de controle em PHP. Prof. Pedro Baesse

Aula 05 Estruturas de controle em PHP. Prof. Pedro Baesse Aula 05 Estruturas de controle em PHP Prof. Pedro Baesse pedro.baesse@ifrn.edu.br Comandos Condicionais Comandos de Repetição Comando de Fluxo de Execução Comandos usados para estruturar seus programas

Leia mais

Working 03 : Conceitos Básicos II

Working 03 : Conceitos Básicos II Universidade Federal do Espirito Santo Centro Tecnologico Working 03 : Conceitos Básicos II Objetivos: Dominar a construção de estruturas de seleção em C; Aperfeiçoarse na resolução de problemas, da primeira

Leia mais

Seqüências de Caracteres

Seqüências de Caracteres Seqüências de Caracteres Strings Material da Prof. Ana Eliza Definição Uma STRING é uma seqüência de caracteres. Exemplos Maria José Número 10 5% de R$ 20,00 Introdução a Programação II - Prof. Márcio

Leia mais

Aula 06 - Funções. O que é uma Função - Comando return - Protótipos de Funções - Tipos de Funções - Escopo de Variáveis - Passagem de parâmetros

Aula 06 - Funções. O que é uma Função - Comando return - Protótipos de Funções - Tipos de Funções - Escopo de Variáveis - Passagem de parâmetros O que é uma Função - Comando return - Protótipos de Funções - Tipos de Funções - Escopo de Variáveis - Passagem de parâmetros Algoritmo e Programação Aula 06 - Funções Colegiado de Engenharia da Computação

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013

Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013 Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013 Linguagem C -Vetores e Matrizes- Prof. César Melo Todos os créditos ao Prof. Leandro Galvão Variáveis Compostas São um conjunto de variáveis identificadas por

Leia mais

Capítulo 2 Operadores. A função scanf()

Capítulo 2 Operadores. A função scanf() Capítulo 2 Operadores A função scanf() A função scanf() é outra das funções de E/S implementadas em todos os compiladores e nos permite ler dados formatados da entrada padrão (teclado). Sintaxe: scanf(

Leia mais

1) Operadores de auto incremento ++ e auto decremento --

1) Operadores de auto incremento ++ e auto decremento -- Aula 09 - Operadores de auto incremento e auto decremento, atribuição múltipla, atribuição na declaração, atribuição resumida e algumas regras de boa programação. 1) Operadores de auto incremento ++ e

Leia mais

cadeia de caracteres (string) INF Programação I Prof. Roberto Azevedo

cadeia de caracteres (string) INF Programação I Prof. Roberto Azevedo cadeia de caracteres (string) INF1005 -- Programação I -- 2016.1 Prof. Roberto Azevedo razevedo@inf.puc-rio.br cadeia de caracteres (string) tópicos caracteres cadeia de caracteres referência Capítulo

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton nilton@comp.uems.br Introdução A linguagem C foi inventada por Dennis Ritchie e

Leia mais

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1 Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação Lista de Exercícios 1 1. O programa seguinte tem vários erros em tempo de compilação. Encontre-os. Main() int a=1; b=2,

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL PREFÁCIO

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL PREFÁCIO INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC PREFÁCIO A linguagem C foi desenvolvida no início da década de 70 por dois pesquisadores do Bell Laboratories, Brian Kernihgan e Dennis Ritchie,

Leia mais

Curso de Introdução à Liguagem de. Grupo PET-Tele. Universidade Federal Fluminense. July 16, 2012

Curso de Introdução à Liguagem de. Grupo PET-Tele. Universidade Federal Fluminense. July 16, 2012 urso de à urso de à Universidade Federal Fluminense July 16, 2012 Indrodução urso de à O é uma linguagem de programação criada por Dennis Ritchie, em 1972 e que continua a ser muito utilizada até os dias

Leia mais

Curso de C. Introdução by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber 3/10/ :43 AM

Curso de C. Introdução by Arnaldo V. Moura e Daniel F. Ferber 3/10/ :43 AM Curso de C Introdução 1 Introdução Roteiro: Recordando Algoritmos Linguagem de Programação O computador Instruções de Máquina Níveis de Abstração Compilação 2 Algoritmos Recordando: Algoritmo: conjunto

Leia mais

Linguagem C. Eliane Pozzebon

Linguagem C. Eliane Pozzebon Linguagem C Eliane Pozzebon Material de Apoio de C Site da disciplina: http://www.univasf.edu.br/~eliane.pozzebon Slides de aulas Exercícios Dev-C++: um ambiente de programação interativo e gratuito para

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Primeiro Semestre de 2014 Roteiro 1 Maior número 2 Soma de n números 3 Fatorial 4 Máximo Divisor Comum (MDC) 5 Números primos

Leia mais

Estrutura do programa

Estrutura do programa Linguagem C Estrutura do programa Exemplo: #include #include main() { printf( Ola, mundo! ); system( pause ); }

Leia mais