RESUMO. Autoria: Alexandre Cappellozza, Otávio Próspero Sanchez, Alberto Luiz Albertin

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO. Autoria: Alexandre Cappellozza, Otávio Próspero Sanchez, Alberto Luiz Albertin"

Transcrição

1 ESTUDO DA INFUÊNCIA DA INFRA-ESTRUTURA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO À MOBILIDADE COMPUTACIONAL DOS USUÁRIOS E UTILIZAÇÃO DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM, APLICADO EM EMPRESAS DO SETOR DE SERVIÇOS. RESUMO Autoria: Alexandre Cappellozza, Otávio Próspero Sanchez, Alberto Luiz Albertin Dentre o desenvolvimento das tecnologias de TI, nota-se que diversos canais de comunicação especializados nesta área, tem sido amplamente divulgada a computação em nuvem como uma nova forma de armazenamento e disponibilização de informações aos usuários e com o potencial de alterar significativamente os investimentos em infraestrutura de TI (Ford, 2010). Também pode se mencionar a disseminação da colaboração virtual e emancipação dos profissionais, principalmente pertencentes aos escritórios, como exemplos das novas formas de trabalho provenientes do desenvolvimento das tecnologias de comunicação e processamento de dados (Chen & Nath, 2008). Dado o crescente interesse da academia por estudos que debatem sobre a eficácia e benefícios de investimento e adoção das tecnologias móveis e o modelo de computação em nuvem pelas empresas, (Bublitz, 2010; Iyer & Henderson, 2010; June, et al., 2009; Kang, 2010; Manzalini, et al., 2010; Zhu, 2004), esta pesquisa tem por objetivo investigar se existe uma relação significante entre infra-estrutura de TI e dispositivos eletrônicos que propiciem mobilidade de informações e usuários entre organizações brasileiras, além de verificar se existe relacionamento quantitativo entre a infra-estrutura de TI e adoção de computação em nuvem entre as organizações selecionadas para a análise. Para tanto, o trabalho foi conduzido por meio de análise de dados secundários envolvendo investimentos no setor de Tecnologia da Informação, especificamente no segmento de empresas do setor de serviços, escolhido pela sua relevância nos últimos anos na economia brasileira e por apresentar características importantes para segmentação das empresas analisadas neste estudo. Por meio dos resultados desta pesquisa foi possível confirmar a existência de relacionamento da infraestrutura de Tecnologia de Informação com a mobilidade computacional dos usuários, mas não foi encontrada significância no relacionamento da infra-estrutura de TI com a computação em nuvem. Várias conseqüências deste estudo tanto no nível teórico como em relação à prática gerencial são possíveis, entre elas, destaca-se que profissionais de TI e investimentos colaboram à infra-estrutura de TI de uma organização, de acordo com informações relatadas por Weill e Broadbent (1998) e não, somente, equipamentos de computação e telecomunicações em si (McAfee, 2006). Pela a ausência de significância no relacionamento infra-estrutura de TI versus computação em nuvem; os pesquisadores inferem que a coleta de informações detalhadas sobre o modelo de serviço (IaaS, PaaS ou SaaS) utilizado pelas empresas possa auxiliar a segmentação destas informações e, eventualmente, auxiliar a discriminação das empresas sobre este tema. 1

2 INTRODUÇÃO O avanço nas tecnologias de comunicação, tais como: ofertas de links de banda larga, redes celulares e wireless, sistemas de colaboração em rede, , além da redução de custo em dispositivos eletrônicos móveis aos clientes, como smartphones e notebooks, permitiram alterações relevantes no cotidiano das organizações; sobretudo, nas organizações que passaram a fornecer tecnologias móveis para os seus profissionais desempenharem suas funções diárias (Chalmers, 2008; Shamir & Salomon, 1985). Dentre as mudanças empresariais refletidas por estas tecnologias, notam-se ajustes nos modelos de negócios, formas de produção e relacionamento entre o trabalho e pessoas, entre outras alterações (Kang, 2010). Dentre o desenvolvimento destas novas tecnologias de TI, nota-se que diversos canais de comunicação especializados nesta área, tem sido amplamente divulgada a computação em nuvem como uma nova forma de armazenamento e disponibilização de informações aos usuários e com o potencial de alterar significativamente os investimentos em infra-estrutura de TI (Ford, 2010). Também pode se mencionar a disseminação da colaboração virtual e emancipação dos profissionais, principalmente pertencentes aos escritórios, como exemplos das novas formas de trabalho provenientes do desenvolvimento das tecnologias de comunicação e processamento de dados (Chen & Nath, 2008). Entre estas novas formas de trabalho, o tele-trabalho tem sido tema de diversos estudos que versam sobre seus impactos sociais, econômicos, ambientais, às organizações e sociedade, entre outros assuntos (Clancy, 2007; Fano & Gershman, 2002; Iyer & Henderson, 2010). O tele-trabalho se conceitua, entre outras definições, pela alteração do local de trabalho de pessoas das empresas para outros locais remotos, inclusive, as suas próprias residências (Shamir & Salomon, 1985). Essencialmente, tais tecnologias de comunicação que permitem o tele-trabalho, mobilidade e computação em nuvem são suportadas por infra-estruturas de TI, geralmente flexíveis e adaptáveis, que disponibilizam e fornecem os serviços eletrônicos aos usuários (Chung, Rainer Jr, & Lewis, 2003). Além dos equipamentos e sistemas, a infra-estrutura de TI de uma organização também pode ser composta de profissionais da área, conhecimentos, entre outros componentes (Weill e Broadbent, 1998). Nesta direção, esta pesquisa se propõe a analisar se existe uma relação significante entre infra-estrutura de TI e dispositivos eletrônicos que propiciem mobilidade de informações e usuários entre organizações brasileiras, além de verificar se existe relacionamento quantitativo entre a infra-estrutura de TI e adoção de computação em nuvem entre as organizações selecionadas para a análise. Para tanto, serão revisados conceitos teóricos associados a investimentos em TI, infra-estrutura, mobilidade, computação em nuvem e tele-trabalho. Em seguida, serão feitos testes de hipóteses, geradas a partir do modelo conceitual de pesquisa, validação dos resultados e, finalmente, serão apresentadas análises e respectivas conclusões deste estudo. REFERENCIAL TEÓRICO Aspectos estratégicos e decisórios de investimentos em Tecnologia da Informação O estudo de estratégias de investimento em Tecnologia da Informação é um dos assuntos pesquisados na literatura de Sistemas de Informação desde os anos 80 e tais investimentos podem ser considerados como ações que possam atribuir às organizações 2

3 para conceder vantagens competitivas a estas empresas (Barua, Kriebel, Mukhopadhyay, 1991; Dos Santos, 1991; McAfee, 2006; McAfee & Brynjolfsson, 2008; Renkema, 1998; Schwartz & Zozaya-Gorostiza, 2003). Sugere-se que os estrategistas da organização tenham parcimônia sobre a decisão de investimentos em Tecnologia de Informação, uma vez que os recursos, também denominados capabilities, podem ser copiados pelos concorrentes, na maioria dos casos. Tal facilidade de replicação dos recursos tecnológicos pode minar a vantagem competitiva obtida pela aquisição de tecnologia pela adoção posterior destes recursos pelos concorrentes. Por outro lado, o efeito reverso obtido pela recusa de investimentos em TI pode ocorrer: tal recusa de investimentos pode deixar a empresa vulnerável no seu mercado, comparando-se com seus concorrentes (Clemons & Weber, 1990). Associado a decisões de investimentos de TI, também se mencionam diversos aspectos que podem influenciar os decisores, tais como, experiências dos gestores na tomada de decisão com investimentos, crenças, influências ambientais, racionalidade limitada, entre outros (Bannister & Remenyi, 2000; Cappellozza, Sanchez, Albertin, 2010; Clemons & Weber, 1990; Holm & Rikhardsson, 2008; Renkema, 1998; Sanchez; Albertin, 2007). Assim como outros tipos de investimentos de TI, pode haver dificuldades para os gestores justificarem aportes de recursos sobre a infra-estrutura necessária para operacionalização dos sistemas de informação, uma vez que estes aportes podem ser realizados em longo-prazo com obtenção de benefícios indiretos e intangíveis (Clemons & Weber, 1990; Davern & Kauffman, 2000; Dos Santos, 1991; Renkema, 1998; S. D. Ryan & Harrison, 2000). Além disto, pode ser conjecturado que o investimento alocado, por exemplo, em infra-estrutura de TI não resolveria certos problemas da organização, tais como casos pontuais de funcionários que não exerçam satisfatoriamente suas tarefas cotidianas ou problemas de improdutividade causados pelo uso incorreto das tecnologias existentes nas empresas. Neste sentido, upgrades, ou aprimoramentos, na infra-estrutura colaborariam somente para o aumento da velocidade na finalização das tarefas; mas que, não necessariamente, estas tarefas teriam sido executadas de acordo com a expectativa dos gestores (S. D. Ryan & Harrison, 2000). Em contrapartida, uma das justificativas que suportam os investimentos de infra-estrutura de TI é a possibilidade de aumento da eficiência das operações conjugado com a redução de custos operacionais. (Duncan, 1995; Renkema, 1998). Infra-estrutura de TI Entre outras definições, a infra-estrutura pode ser descrita como um conjunto de recursos que possibilitam a operacionalização de negócios correntes ou futuros. No caso de infra-estrutura de Tecnologia de Informação, a visão tradicional exposta em periódicos da linha de pesquisa de TI sobre este termo descreve a infra-estrutura de TI como os recursos centralizados de informação e que podem compreender, por exemplo: hardware e software computacionais, dispositivos de telecomunicações e rede (Byrd, Pitts, Adrian, & Davidson, 2008; Chung, et al., 2003). Já a visão moderna sobre o conceito de infra-estrutura de TI, considera-a como a pedra angular para habilitar as funcionalidades dos sistemas de informação entre departamentos da empresa ou, inclusive, entre múltiplas unidades de negócio. Por este conceito, outros recursos são compreendidos nesta infra-estrutura, tais como: profissionais, conhecimento e expertise, políticas, além de serviços compartilhados de TI e bases de dados (Duncan, 1995; Renkema, 1998). Sobre o ponto de vista dos componentes da Tecnologia de Informação, McAfee (2006) separa estes componentes em três categorias de tecnologias: 1- Funcionais: 3

4 compreende sistemas que auxiliam os usuários em tarefas discretas, tais como: softwares processadores de textos e planilhas, entre outros; 2- Rede: neste caso, referem-se a softwares que possibilitam a interação entre os interessados, por exemplo: gerenciadores de , mensagens instantâneas ou outros sistemas; 3- Corporativo: incluem-se os sistemas desenvolvidos para gerenciamento e execução de processos específicos da organização; neste item 3, exemplifica-se os sistemas integrados ERP Enterprise Resource Planning. De acordo com Renkema (1998), a infra-estrutura de TI pode receber duas classificações conforme o tipo de investimento: Infra-estrutura Direta e Indireta, onde os componentes de cada tipo de infra-estrutura se relacionam com a visão tradicional e moderna, respectivamente. Outra característica que pode ser mencionada acerca de infra-estrutura de TI se refere à flexibilidade. Entende-se por uma infra-estrutura flexível quando esta supre demandas de compatibilidade, modularidade e conectividade com outros componentes tecnológicos, por exemplo: a presença de interfaces computacionais ubíquas e que disponibilizem acessos aos usuários às plataformas existentes na empresa (Chung, et al., 2003; Duncan, 1995). Neste sentido, uma infra-estrutura caracterizada como flexível pode absorver, entre outros componentes, uma ampla variedade de hardware, software, dados, plataformas de comunicação e suportar a conexão entre a camada física de dispositivos com as demandas humanas intrínsecas às atividades da organização. Vale notar que esta conexão entre as diversas interfaces da infra-estrutura de TI (máquina e humana) podem estar em locais geograficamente distintos. (Byrd & Turner, 2000; Chung, et al., 2003; Duncan, 1995). Em outras palavras, entende-se que uma infra-estrutura de TI flexível deve proporcionar acesso pleno aos dados contidos nos sistemas da organização e lhes conceder, portanto, mobilidade, acesso ubíquo e compartilhamento de informações (Duncan, 1995; Simon, 1990). Considera-se que a disponibilidade de uma infra-estrutura de TI, eficiente e flexível, é um pré-requisito para realização de negócios globalmente, onde a transmissão, distribuição e compartilhamento de informações e conhecimentos entre os interessados são indispensáveis (Byrd & Turner, 2000). Não obstante, o desenvolvimento das tecnologias de comunicação e processamento de dados também permitiu o desenvolvimento do conceito de ubiquidade computacional e que se refere à computação móvel e onipresente em atividades cotidianas dos indivíduos (Garfield, 2005; Lyytinen & Yoo, 2002). No entanto, tais mobilidade e ubiquidade à computação exigem o dimensionamento de infra-estrutura apropriada de TI que inclua: interfaces amigáveis e que se integrem dinamicamente à inserção de novos componentes na rede, estudos de cobertura dos hot-spots, compatibilidade entre os diversos protocolos de rede, comunicação com suporte a diferentes idiomas, proteção contra invasões e eventuais fraudes, entre outros componentes da infra-estrutura de TI (Banavar & Bernstein, 2002; Cousins & Varshney, 2009; Garfield, 2005). Por conseguinte, a mobilidade e o acesso ubíquo de informações também podem envolver aspectos gerenciais que podem ser relevantes à implantação de um processo de virtualização dos processos e informações das organizações. No próximo tópico, serão explorados alguns destes aspectos intrínsecos à mobilidade, computação ubíqua e teletrabalho. 4

5 Computação Ubíqua e Tele-Trabalho A mobilidade dos usuários com acesso irrestrito às informações pode estar associada diretamente com a computação ubíqua. Uma das definições deste tipo de computação se refere ao slogan a qualquer tempo, a qualquer hora ; em outras palavras, a computação ubíqua possibilita que um usuário hipotético, portador de um smartphone, por exemplo, possa se conectar diretamente aos seus dados sem quaisquer obstáculos, mesmo que estes dados estejam hospedados remotamente do local em que este usuário se encontra (Lyytinen & Yoo, 2002; Waller & Johnston, 2009). Como exemplo dos benefícios desta mobilidade e ubiquidade de acesso, um vendedor de uma empresa não precisaria, necessariamente, carregar consigo todos os catálogos de seus produtos para expor aos seus clientes em suas visitas, caso contasse com uma infra-estrutura de TI que lhe permitisse acesso externo a seus arquivos (Iyer & Henderson, 2010; June, Chun-Sheng, & Chang, 2009; Waller & Johnston, 2009). Outra possibilidade de aplicação da mobilidade e computação ubíqua se refere à possibilidade do profissional, restrita a algumas profissões, exercer suas atividades em sua própria residência e respectiva execução do, já citado, tele-trabalho (Chen & Nath, 2008; Fano & Gershman, 2002). Como exemplo de adoção relevante do tele-trabalho nas empresas, cita-se pesquisa apresentada por Kang (2010), onde segundo levantamento sobre informações a respeito do tele-trabalho, realizado em 2010 com 447 empresas coreanas, verifica-se uma boa porcentagem de empresas que adotaram ou adotarão o tele-trabalho nas empresas, de acordo com a Figura 1.. Figura 1: Adoção de tele-trabalho nas empresas. Fonte: (Kang, 2010) Pelo gráfico acima, nota-se mais da metade das empresas coreanas terão cargos profissionais operando sob regime de tele-trabalho nos próximos 03 anos. Embora não existam estes dados levantados nas pesquisas nacionais, infere-se que esta tendência possa ser semelhante em outros países que possuam empresas com infra-estrutura de TI, além de outras condições gerenciais e técnicas, suficientes para implantação do teletrabalho (June, et al., 2009; Kang, 2010). Entretanto, o tele-trabalho também pode causar impactos em diversos aspectos na sociedade, tais como econômicos, sociais, além de eventuais influências na utilização de transportes, consumo de energia, poluição, entre outros aspectos. Há estudos científicos que corroboram alterações no comportamento social, redução da qualidade de vida, além de problemas ao estabelecimento de limites ao tempo dedicado para 5

6 atividades pessoais e profissionais que trabalham regularmente em suas residências (Brodt & Verburg, 2007; Chalmers, 2008; Chen & Nath, 2008; Kang, 2010) Brodt e Verburg (2007) recomendam que os interessados devem planejar, com parcimônia, as tratativas destes ambientes de trabalho com a formação de times de interessados para integração e eventual adaptação das necessidades e expectativas dos profissionais que realizarão tele-trabalhos. Do ponto de vista de aspectos facilitadores à implementação do tele-trabalho, Chen e Nath (2008) informam que empresas que já possuam colaboradores que trabalhem externamente à organização possuem maior facilidade para estabelecer as prerrogativas necessárias ao tele-trabalho. Chalmers (2008) relata que, embora o tele-trabalho possa fornecer diversas facilidades aos profissionais que executarão suas atividades em casa, resultados obtidos em pesquisas científicas sobre o tema mostram diversos problemas neste tipo de prática profissional, tais como aumento de stress por horas excessivas de trabalho, cruzamento de atividades familiares com profissionais no horário de expediente, além de diferenças de percepção entre homens e mulheres sobre benefícios e malefícios em relação ao teletrabalho. Alguns exemplos de tecnologias emergentes que podem facilitar o teletrabalho aos usuários se enquadram dispositivos eletrônicos como os smartphones, notebooks, netbooks, tablets-pc, PDA-Wirelles, sistemas de vídeo-conferência, entre outros (Fano & Gershman, 2002; Townsend & Batchelor, 2005). Considerando-se os conceitos sobre infra-estrutura de TI e aspectos de mobilidade e possibilidade da realização de tele-trabalho, infere-se que a infra-estrutura de TI pode estar associada com a mobilidade tecnológica dos funcionários, por meio de seus equipamentos móveis; (Chen & Nath, 2008; Shamir & Salomon, 1985); e, portanto, formula-se a primeira hipótese desta pesquisa: Hipótese 1: A infra-estrutura de TI das organizações possui relação positiva significante com a mobilidade eletrônica dos seus profissionais. Não obstante aos conceitos associados à computação ubíqua, mobilidade e teletrabalho, os pesquisadores também inferem que possam existir relações entre a infraestrutura e computação em nuvem. Desta maneira, serão expostos alguns conceitos e categorizações associados a este tipo de computação para embasamento da segunda hipótese deste estudo. Computação em nuvem Entre outras definições, a virtualização digital pode ser conceituada como a execução de softwares em servidores que podem conter múltiplas plataformas, ou sistemas operacionais, com disponibilidade de acesso externo às informações ou processamento de dados a partir de um local único ao invés de servidores disponibilizados em locais, geograficamente, separados (Clancy, 2007). Já o conceito de computação em nuvem, recurso tecnológico que pode fazer parte da virtualização dos processos e informações das organização, é definida pela disponibilidade de aplicações computacionais oferecidas como serviços, a partir de acesso via Internet, por meio de hardware e software hospedados em data-centers remotos (Armbrust et al., 2010). Dentre as características gerais dos serviços que norteiam este segmento de mercado, citam-se: acesso sob demanda: rápido atendimento da demanda de recursos computacionais conforme requerido pelo processo; elasticidade: o acréscimo, ou redução, de recursos computacionais é orientado pelo cliente, geralmente, conforme 6

7 suas necessidades; pay-per-use: os pagamentos aos fornecedores são calculados de acordo com a utilização dos serviços fornecidos; conectividade: o acesso aos servidores é realizado por redes de alta-velocidade que permitem o tráfego de informações a contento; compartilhamento: a possibilidade de ganho de escala nas receitas dos serviços de computação em nuvem é habilitada pelo compartilhamento da infraestrutura de TI entre os clientes; abstração: os clientes podem desconhecer o local de hospedagem de suas informações, uma vez que pode estar garantido um nível de serviço mínimo pelo fornecedor; comprometimento: cláusulas específicas sobre garantias de nível mínimo de serviço ou condições para atendimento de demanda podem ser desfavoráveis aos clientes, mediante a aprovação das condições de uso dos serviços dos fornecedores, especialmente, os fornecedores de serviços gratuitos (Durkee, 2010; Katzan Jr, 2010). Geralmente, os fornecedores de serviços de computação em nuvem costumam ofertar seus serviços em diferentes níveis de abstração, conforme descritos abaixo (Iyer & Henderson, 2010; Katzan Jr, 2010; W. M. Ryan & Loeffler, 2010; Wyld, 2010): 1. Infra-estrutura Cloud Infrastructure as a Service - IaaS: são oferecidos servidores dedicados para acesso e controle total do cliente que pode armazenar, manipular suas informações e proceder instalação de aplicativos e sistemas operacionais de acordo com suas necessidades; 2. Plataforma Cloud Platform as a Service -PaaS: neste caso, os fornecedores concedem ambientes virtuais, incluindo sistemas e linguagens de programação, propícios para o desenvolvimento de aplicações pelos clientes. Sendo, assim, tais clientes não precisam se preocupar com outros processos inerentes às operações dos servidores; 3. Software Cloud Software as a Service - SaaS: O fornecedor concede os sistemas e aplicações, em ambientes virtuais, com interfaces amigáveis destinadas à utilização de usuários comuns. Como exemplo deste tipo de oferta pode ser citado o serviço de acessado pelo navegador, também denominado webmail. Além desta tipologia dos níveis de abstração, o serviço de computação em nuvem pode ser dividido nas seguintes categorias associadas a restrição de acesso aos usuários, a saber (Katzan Jr, 2010; W. M. Ryan & Loeffler, 2010; Wyld, 2010): 1. Nuvem Pública: a infra-estrutura da nuvem é disponibilizada para o público em geral; 2. Nuvem Privada: o gerenciamento e operação da nuvem é realizado por uma organização e o acesso às informações pode ser restrito por políticas de segurança; 3. Nuvem Comunitária: neste caso, a infra-estrutura da nuvem é administrada por um conjunto de organizações e cujo gerenciamento pode estar sujeito a regras estabelecidas pela comunidade proprietária; 4. Nuvem Híbrida: trata-se de um grupo de nuvens, embora estas nuvens mantenham sua identidade diferenciada entre o grupo, podem ser do tipo privada, pública ou comunitária. As nuvens pertencentes a esta categoria podem estar associadas entre si por protocolos ou padrões técnicos. Dentre os eventuais benefícios que podem ser obtidos pelas empresas pela utilização de computação em nuvem, citam-se: redução de custos associados ao 7

8 consumo de energia elétrica dos clientes; agilidade para expansão, ou redução, de recursos computacionais; diminuição dos custos operacionais de TI; disponibilidade de tempo às equipes de TI, alocadas na empresa, para outras atividades, ao invés de monitorar e manter os servidores locais; atendimento de eventuais picos de demandas de recursos tecnológicos (Clancy, 2007). Sendo assim, uma vez que os benefícios da computação em nuvem estão associados diretamente com a redução de custos e possibilidades de otimização e aprimoramento da infra-estrutura de TI das organizações; (Armbrust, et al., 2010; Clancy, 2007; Ford, 2010); formula-se a segunda hipótese desta pesquisa: Hipótese 2: A infra-estrutura de TI das organizações possui relação positiva significante com a adoção de computação em nuvem pelas empresas. Finalmente, uma vez apresentados os conceitos necessários à geração das hipóteses de pesquisa, serão descritas a metodologia de coleta e posterior análise dos dados e, em seguida, exposição das conclusões deste estudo. METODOLOGIA Informações e seleção da amostra A metodologia utilizada na parte empírica desse estudo é quantitativa e descritiva e se considera esta pesquisa classificada como exploratória. Instituições como a Fundação Getúlio Vargas, Gartner Group e revistas especializadas realizam pesquisas que apresentam indicadores e informações sobre a aquisição de Tecnologia da Informação nas empresas e que possibilitam comparações dos respectivos dados coletados. Para a análise estatística deste trabalho, foram utilizados dados secundários obtidos da pesquisa As 100 empresas mais conectadas do Brasil, realizada em 2010 pela Revista InfoExame (Info Exame, 2010). A amostra contém dados referentes a gastos e investimentos em Tecnologia de Informação em organizações de diferentes segmentos de mercado. Para início da análise dos dados, foram selecionadas 36 empresas do setor de serviços e excluída a variável faturamento, visto que após análise de outliers multivariados e dados ausentes, as empresas deste setor, assim como as variáveis selecionadas apresentavam maior homogeneidade na grandeza dos números obtidos. As variáveis utilizadas para este estudo e que apresentavam as quantidades dos itens entre as empresas pesquisadas foram: profissionais de TI, servidores, notebooks, celulares, desktops e investimento em TI. Antes de iniciar o processo de análise, uma matriz de correlação entre os 04 indicadores de infra-estrutura de TI (servidores, desktops, investimento em TI e profissionais de TI) foi visualmente analisada e não foram encontrados pares de variáveis que estavam altamente correlacionados. Não é desejável que exista alta correlação entre as variáveis independentes, pois o modelo estrutural e regressão logística é sensível à colinearidade entre as variáveis (Hair et al., 2005). A inclusão de variáveis altamente correlacionadas pode ocasionar estimativas extremamente exageradas dos coeficientes de regressão (Hosmer e Lemeshow, 1989). Validações dos Modelos e Testes de Hipóteses Para os cálculos e validações dos testes estatísticos serão utilizados os softwares SmartPLS e SPSS. A modelagem de equações estruturais (MEE) e regressão logística 8

9 foi a metodologia escolhida para a mensuração das relações a serem confirmadas à primeira hipótese. Já para a corroboração da Hipótese 2, será utilizado o cálculo de regressão logística para verificar se há discriminação entre as empresas que adotaram, ou não, a computação em nuvem. Na figura 2, pode ser visualizado o modelo conceitual, a ser validado, de acordo com a primeira hipótese exposta na seção Referencial Teórico. Figura 2: Modelo Conceitual de relacionamento entre Infra-estrutura de TI e mobilidade. Fonte: Elaboração dos autores. Análise do modelo (Hipótese 1): De acordo com Hair Et al. (2005), a MEE pode ser distinguida por duas características: a estimação de múltiplas e inter-relacionadas relações de dependência e a habilidade de representar conceitos não observados nessas relações. Como a amostra pode ser considerada pequena, pois foram utilizadas 36 observações no total, será utilizado o método (PLS) Mínimos Quadrados Parciais para estimação do modelo e posterior cálculo da simulação de bootstrapping para extrapolação da amostra (CHIN, 2000). O modelo foi estimado por PLS-PM (Partial Least Squares Path Modeling), porque comparado a outras opções tem, entre outras, a vantagem de estimar o modelo de mensuração (relação entre os indicadores e as variáveis latentes) e o modelo estrutural (relações entre as variáveis latentes) simultaneamente. A opção da utilização do PLS neste estudo decorre das suas características, dado que é considerado o método mais adequado para ser usado em estudos de caráter exploratório, considerando a sua menor dependência (comparando-se com o método LISREL) de teoria prévia e cujos dados são menos suscetíveis a desvios da normalidade multivariada. Adicionalmente, para este método as exigências de tamanho de amostra são menores (BIDO et al, 2010). Com o intuito de analisar a significância das cargas obtidas para as variáveis observáveis, optou-se por utilizar a técnica bootstrapping, a qual, segundo Hair et al. (2005), não se baseia em uma só estimação de modelo, mas calcula estimativas de parâmetros e seus intervalos de confiança com base em múltiplas estimações. Nesta pesquisa, realizou-se uma re-amostragem fixa de 1000 amostras, sendo todas as estimativas consideradas significativas. A fim de se examinar a validade convergente e discriminante dos construtos utilizados no modelo estrutural foi realizada a Análise Fatorial Confirmatória (HAIR et al., 2005). 9

10 Tais resultados das cargas fatoriais, apresentados na Tabela 1 a seguir, permitem que seja realizada a análise do modelo estrutural. Descrição Cargas Fatoriais Estrutura Mobilidade Celulares 0,59 0,82 Desktops 0,79 0,61 Investimentos 0,72 0,55 Notebooks 0,71 0,88 Profissionais 0,57 0,44 Servidores 0,91 0,69 Tabela 1: Cargas fatoriais pelos construtos Fonte: Elaboração dos autores Observa-se, pela Tabela 1, que a maioria dos construtos apresenta a maioria dos indicadores com cargas altas em suas variáveis latentes, superiores ao valor 0,70 e cargas baixas nas demais variáveis latentes, o que os torna como fatores de indicação de validade discriminante e validade convergente (CHIN, 2000). Observou-se que todas as cargas dos indicadores ficaram acima de 0,70, exceto a relação profissionais de TI com Infra-estrutura de TI que apresentou valor igual a 0,57. Segundo Hulland (1999), as cargas devem ser de, no mínimo, 0,40, sendo os indicadores apropriados para representar seus construtos. Ressalva-se que a variável NOTEBOOKS apresentou valores de suas cargas fatoriais superiores nos dois construtos, o que denota que os Notebooks também possuem participação relevante, não somente como equipamento que permita mobilidade dos usuários, mas que também se trata de um dispositivo computacional que se relaciona positivamente com a Infra-estrutura de TI. A Tabela 2 apresenta uma síntese dos valores dos coeficientes (β s) e o teste T, estimados pelo PLS, a fim de verificar se seus valores são significativamente diferentes de zero e apresentam valores de significância p-value até 5% para as relações estabelecidas no modelo. Pela técnica bootstrapping, calculou-se a significância estatística de cada estimativa e encontramos suporte suficiente para a primeira hipótese de pesquisa. Construto Relação Pesos (β s) Teste T p-value (bicaudal) H1: INFRA-ESTRUTURA DE TI -> MOBILIDADE 0,77 17,05 0 INFRA-ESTRUTURA DE TI DESKTOPS 0,61 3,07 5% INFRA-ESTRUTURA DE TI SERVIDORES 0,68 3,47 5% INFRA-ESTRUTURA DE TI INVESTIMENTOS DE TI 0,43 2,91 5% INFRA-ESTRUTURA DE TI PROFISSIONAIS DE TI -0,76 5,43 1% MOBILIDADE NOTEBOOKS 0,63 10,98 0 MOBILIDADE CELULARES 0,53 11,53 0 Tabela 2: Teste de hipótese do modelo estrutural. Fonte: Elaboração dos autores. 10

11 Validação do modelo estrutural (Hipótese 1): Segundo Hair et al. (2005), além do exame das cargas para cada indicador, uma medida principal usada para avaliar o modelo de mensuração é a confiabilidade composta de cada construto. Esta medida analisa a consistência interna dos indicadores do construto, descrevendo o grau em que eles refletem o construto latente em comum. Um valor de referência comumente usado para confiabilidade aceitável é 0,70. Nesse sentido, valida-se o modelo de mensuração em análise de acordo com valores expostos na Tabela 3. Já considerando a análise da validade convergente utilizamos dois indicadores: a Variância Média Extraída (AVE), que deve apresentar um valor superior a 0,5 e Consistência Interna com valor superior a 0,60. Tais indicadores podem ser visualizados na Tabela 3 (FORNELL; LARCKER, 1981). Variância Média Extraída dos construtos Confiabilidade Composta Consistência Interna (Alfa Cronbach) R² 0,73 0,84 0,63 0,59 Tabela 3: Validação do Modelo Estrutural Fonte: Elaboração dos autores A análise do coeficiente de determinação (R²) foi realizada com base nos estudos de Cohen (1977). Segundo este autor, o estado de desenvolvimento de grande parte da ciência do comportamento é tal que não muito da variância na variável dependente é previsível. Nesse sentido, o autor propõe uma escala para a classificação do coeficiente de determinação, sendo R² igual a 10% considerado baixo, R² igual a 30% considerado médio e R² igual a 50% considerado alto. Portanto, consideram-se os resultados obtidos como aceitáveis à primeira hipótese. Para a validação do modelo estrutural, de acordo com Hair et al. (2005), deve-se proceder a uma análise da matriz de correlação estimada entre os construtos. Valores superiores a 0,8 são um indicativo de que possa haver multicolinearidade, o que dificulta a interpretação da variável estatística, uma vez que se torna mais difícil verificar o efeito de qualquer variável, devido a suas inter-relações. Embora o valor 0,77 seja próximo a 0,80, considerou-se não haver problemas de multi-colinearidade. Já na Tabela 4, é possível observar que a raiz quadrada da variância média extraída do construto Mobilidade é maior que a correlação entre as variáveis latentes e se trata de um indicador de que há validade discriminante entre os construtos (FORNELL; LARCKER, 1981). ESTRUTURA T.I. MOBILIDADE MOBILIDADE 0,77 0,85 Tabela 4: Validação Discriminante do modelo estrutural Fonte: Elaboração dos autores 11

12 Portanto, abaixo segue o modelo conceitual com a síntese de validação das duas hipóteses propostas e os resultados das relações construtos versus variáveis. Figura 3: Síntese de validação das hipóteses conforme o Modelo Conceitual Fonte: Elaboração dos autores. Sendo assim, revela-se que servidores e desktops possuem influência positiva e pesos superiores comparados com profissionais de TI. Pode se suspeitar que as empresas que possuem uma ampla infra-estrutura de TI poderiam estar atuando com boa parte de seus profissionais de TI terceirizados, o que justificaria o valor negativo do peso da regressão destes profissionais associado com infra-estrutura de TI. Embora o investimento de TI tenha obtido menor influência positiva à infraestrutura de TI, comparado com servidores e desktops, é possível que os investimentos das empresas pesquisadas em 2010 tenham sido inferiores aos anos passados e, portanto, explicaria esta influência reduzida à infra-estrutura de TI. Do ponto de vista da mobilidade de informação, considera-se coerente e robusta a união das variáveis que tratam a quantidade de celulares e notebooks neste construto, pois dado o desenvolvimento dos smartphones, além da adoção de softwares de comunicação IP às empresas, estes dois tipos de equipamentos passam a desempenhar algumas tarefas semelhantes, tais como: visualização de s, ligações telefônicas, navegação na Internet, entre outras funções (Chen & Nath, 2008; Fano & Gershman, 2002; Kang, 2010). Análise da Hipótese 2: Segundo a pesquisa da InfoExame (2010), a empresa participante respondia Sim ou Não, de acordo com a utilização da computação em nuvem em suas atividades cotidianas; portanto, assume-se que esta informação sobre utilização de computação em nuvem se trata de uma variável categórica nesta coleta de dados. Sendo assim, para o teste da segunda hipótese será considerada a variável Computação em Nuvem como função das variáveis da Infra-estrutura de TI. A análise de regressão logística pode ser utilizada com enfoque discriminatório, conforme descrevem Krzanowski (1988) e McLachlan (1992). Esses autores argumentam que o modelo logístico de discriminação pode ser utilizado de forma bem mais geral, pois não faz suposições quanto à forma funcional das variáveis independentes. Segundo Hosmer e Lemeshow (1989), a técnica de regressão logística se tornou um método padrão de análise de regressão para variáveis medidas de forma dicotômica. 12

13 Na tabela 5, segue o teste de significância da regressão logística, considerandose computação em nuvem como variável independente e as variáveis que compõem a Infra-estrutura de TI como variáveis dependentes. G Graus de Liberdade Significância (p-value) 3,34 4 0,502 Tabela 5: Teste de significância da Regressão Logística Fonte: Elaboração dos autores De acordo com a tabela acima, a segunda hipótese não pode ser aceita, uma vez que testes de significância do modelo não obteve significância abaixo de 0,05. Com caráter exploratório, os pesquisadores tentaram obter significância dos valores utilizando diferentes combinações de variáveis por meio de método stepwise à regressão, mas não tiveram êxito à busca de significância nos coeficientes-betas de regressão, o que reforça a ausência de relação significante da computação em nuvem com da infra-estrutura de TI, neste estudo. CONCLUSÕES De acordo com o referencial teórico, estudos teorizam sobre o relacionamento de infra-estrutura de TI e mobilidade, onde relacionam a infra-estrutura de TI associada à mobilidade eletrônica dos usuários (Banavar & Bernstein, 2002; Brodt & Verburg, 2007; Cousins & Varshney, 2009; Lyytinen & Yoo, 2002) e computação em nuvem (Armbrust, et al., 2010; Iyer & Henderson, 2010; Manzalini, Roberto, & Corrado, 2010; Waller & Johnston, 2009). Esta pesquisa evidenciou a infra-estrutura de TI com relacionamento significante aos dispositivos móveis nas empresas do setor de serviços, além de outras conclusões periféricas sobre o tema. A primeira conclusão deste estudo é associação positiva, bem como significante, da infra-estrutura de TI corporativa com a mobilidade eletrônica dos usuários por meio de equipamentos móveis, tais como: telefones celulares e notebooks. Além dos equipamentos e sistemas, foi corroborado que profissionais de TI e investimentos colaboram à infra-estrutura de TI de uma organização, de acordo com informações relatadas por Weill e Broadbent (1998). Entende-se que o relacionamento do investimento e profissionais de TI, indiretamente, influenciam as operações dos sistemas e equipamentos, e sendo assim, aprimoram o entendimento sobre a infraestrutura da informação corporativa (McAfee, 2006). Também foi revelada a ausência de significância no relacionamento infra-estrutura de TI versus computação em nuvem; os pesquisadores inferem que a coleta de informações detalhadas sobre o modelo de serviço (IaaS, PaaS ou SaaS) utilizado pelas empresas possa auxiliar a segmentação destas informações e, eventualmente, auxiliar a discriminação das empresas sobre este tema. Finalmente, este estudo procura contribuir com as pesquisas de Tecnologia de Informação para melhor compreensão das relações existentes entre infra-estrutura de TI, mobilidade e computação em nuvem, visto que estudos recentes debatem sobre a eficácia e benefícios de investimento e adoção destas tecnologias pelas empresas (Bublitz, 2010; Iyer & Henderson, 2010; June, et al., 2009; Kang, 2010; Manzalini, et al., 2010; Zhu, 2004). 13

14 Limitações da pesquisa e recomendações futuras Dentre as possíveis limitações deste estudo, considera-se que o tamanho reduzido da amostra impossibilitou o estudo das relações pesquisadas em outros setores do mercado, tais como indústria e serviços. Recomenda-se que pesquisadores interessados em revelar outras descobertas sobre computação em nuvem considerem coletar qual o modelo deste tipo de serviço é utilizado pelos respondentes. Além disto, também se recomenda buscar informações de empresas com portes homogêneos de infra-estrutura de TI e outros indicadores associados para se evitar exclusões de observações na amostra, por conta de outliers multivariados. Outra aplicação da mobilidade computacional se refere à possibilidade do tele-trabalho, citado no referencial teórico. Desta maneira, sugere-se que os pesquisadores deste assunto incluam questões associadas com modelos de computação em nuvem, a fim de ampliar os conhecimentos neste campo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Armbrust, M., Fox, A., Griffith, R., Joseph, A. D., Katz, R., Konwinski, A.,... Zaharia, M. (2010). A View of Cloud Computing.. Communications of the ACM, 53(4), Banavar, G., & Bernstein, A. (2002). Software Infrastructure and Design Challenges for Ubiquitous Computing Applications. [Article]. Communications of the ACM, 45(12), Bannister, F., & Remenyi, D. (2000). Acts of faith: instinct, value and IT investment decisions. Journal of Information Technology (Routledge, Ltd.), 15(3), Barua, A., Kriebel, C. H., & Mukhopadhyay, T. (1991). An Economic Analysis of Strategic Information Technology Investments. MIS Quarterly, 15(3), Brodt, T. L., & Verburg, R. M. (2007). Managing mobile work insights from European practice. New Technology, Work & Employment, 22(1), doi: /j X x Bublitz, E. (2010). Catching The Cloud: Managing Risk When Utilizing Cloud Computing. National Underwriter / Property & Casualty Risk & Benefits Management, 114(39), Byrd, T. A., Pitts, J. P., Adrian, A. M., & Davidson, N. W. (2008). EXAMINATION OF A PATH MODEL RELATING INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE WITH FIRM PERFORMANCE. Journal of Business Logistics, 29(2), Byrd, T. A., & Turner, D. E. (2000). Measuring the Flexibility of Information Technology Infrastructure: Exploratory Analysis of a Construct. Journal of Management Information Systems, 17(1), Cappellozza, A., Sanchez, O. P., Albertin, A. L. (2010). Análise de Decisões sobre Uso de Tecnologia: Um Estudo no Setor de Telefonia Móvel Fundamentado nos Axiomas da Economia Comportamental. Paper presented at the Anpad - Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração - EnANPAD, Rio de Janeiro. Chalmers, L. (2008). Using IT in work at home: taking a closer look at IT use in homelocated production. New Technology, Work & Employment, 23(1/2), doi: /j X x 14

15 Chen, L., & Nath, R. (2008). A socio-technical perspective of mobile work. Information Knowledge Systems Management, 7(1/2), Chin. W. W., Partial Least Square for researchers: a overview and presentation of recent advances using the PLS approach Chung, S. H., Rainer Jr, R. K., & Lewis, B. R. (2003). THE IMPACT OF INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE FLEXIBILITY ON STRATEGIC ALIGNMENT AND APPLICATIONS IMPLEMENTATION. Communications of AIS, 2003(11), Clancy, H. (2007). MOBILITY ONE SHOT SAYS IT ALL. Entrepreneur, 35(12), Clemons, E. K., & Weber, B. W. (1990). Strategic Information Technology Investments: Guidelines for Decision Making. Journal of Management Information Systems, 7(2), Cousins, K. C., & Varshney, U. (2009). Designing Ubiquitous Computing Environments to Support Work Life Balance. Communications of the ACM, 52(5), Davern, M. J., & Kauffman, R. J. (2000). Discovering Potential and Realizing Value from Information Technology Investments. Journal of Management Information Systems, 16(4), Dos Santos, B. L. (1991). Justifying Investments in New Information Technologies. Journal of Management Information Systems, 7(4), Duncan, N. B. (1995). Capturing Flexibility of Information Technology Infrastructure: A Study of Resource Characteristics and their Measure. Journal of Management Information Systems, 12(2), Durkee, D. (2010). Why Cloud Computing Will Never Be Free. Communications of the ACM, 53(5), Fano, A., & Gershman, A. (2002). The Future of Business Services in the Age of Ubiquitous Computing. Communications of the ACM, 45(12), Fornell, C.; Larcker, D. F. Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research, v.18, p.39-50, Feb Ford, S. (2010). Managing Your Global Business With Cloud Technology. Financial Executive, 26(8), Garfield, M. J. (2005). ACCEPTANCE OF UBIQUITOUS COMPUTING. Information Systems Management, 22(4), Hair, JR. J. F.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L.; Black, W. C. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, Holm, C., & Rikhardsson, P. (2008). Experienced and Novice Investors: Does Environmental Information Influence Investment Allocation Decisions? European Accounting Review, 17(3), Hosmer, D.; Lemeshow, S. Applied logistic regression.new York: John Wiley & Sons,1989. Hulland, J. Use of Partial Least Squares (PLS) in strategic management research: a review of four recent studies. Strategic Management Journal, v. 20, n. 2, p , Feb Info Exame. São Paulo: Editora Abril, Junho Iyer, B., & Henderson, J. C. (2010). PREPARING FOR THE FUTURE: UNDERSTANDING THE SEVEN CAPABILITIES CLOUD COMPUTING. MIS Quarterly Executive, 9(2),

16 June, L., Chun-Sheng, Y., & Chang, L. (2009). MOBILE DATA SERVICE DEMOGRAPHICS IN URBAN CHINA. Journal of Computer Information Systems, 50(2), Kang, M. (2010). The Mobile Big Bang. SERI Quarterly, 3(4), Katzan Jr, H. (2010). On An Ontological View Of Cloud Computing. Journal of Service Science ( ), 3(1), 1-6. Krzanowsky, W. J. Principles of multivariate analysis. Oxford: Clarendon Press, Lyytinen, K., & Yoo, Y. (2002). Issues and Challenges in Ubiquitous Computing. Communications of the ACM, 45(12), Manzalini, A., Roberto, M., & Corrado, M. (2010). Autonomic clouds of components for self-managed service ecosystems. Journal of Telecommunications Management, 3(2), McAfee, A. (2006). Mastering the Three Worlds of Information Technology. Harvard Business Review. McAfee, A., & Brynjolfsson, E. (2008). Investing in the IT That Makes a Competitive Difference. McLachlan, G. Discriminant analysis and statistical pattern recognition. New York: John Wiley & Sons, Renkema, T. J. W. (1998). The four P's revisited: business value assessment of the infrastructure impact of IT investments. Journal of Information Technology (Routledge, Ltd.), 13(3), Ryan, S. D., & Harrison, D. A. (2000). Considering Social Subsystem Costs and Benefits in Information Technology Investment Decisions: A View from the Field on Anticipated Payoffs. Journal of Management Information Systems, 16(4), Ryan, W. M., & Loeffler, C. M. (2010). Insights into Cloud Computing. Intellectual Property & Technology Law Journal, 22(11), Sanchez, O. P., & Albertin, A. L. (2007). Proposição para a Melhoria da Prontidão Organizacional para a Decisão de Investimentos em Tecnologia da Informação. Paper presented at the Enanpad, Rio de Janeiro. Schwartz, E. S., & Zozaya-Gorostiza, C. (2003). Investment Under Uncertainty in Information Technology: Acquisition and Development Projects. Management Science, 49(1), Shamir, B., & Salomon, I. (1985). Work-At-Home and the Quality of Working Life. Academy of Management Review, 10(3), Simon, H. A. (1990). Information Technologies and Organizations. The Accounting Review, 65(3), Townsend, K., & Batchelor, L. (2005). Managing mobile phones: a work/non-work collision in small business. New Technology, Work & Employment, 20(3), doi: /j X x Waller, V., & Johnston, R. B. (2009). Making Ubiquitous Computing Available. Communications of the ACM, 52(10), Weill, P.; Broadbent, M. Leveraging the New Infrastructure: How Market Leaders Capitalize on Information Technology. Harvard Business School Press, Boston, MA, Wyld, D. C. (2010). Cloud computing around the world. MultiLingual, 21(1), Zhu, K. (2004). The Complementarity of Information Technology Infrastructure and E- Commerce Capability: A Resource-Based Assessment of Their Business Value. Journal of Management Information Systems, 21(1),

A influência da infraestrutura de tecnologia da informação sobre a mobilidade computacional de usuários e a computação em nuvem

A influência da infraestrutura de tecnologia da informação sobre a mobilidade computacional de usuários e a computação em nuvem REVISTA DE TECNOLOGIA APLICADA (RTA) Vol. 2, No. 3, Set-Dez 2013, p.03-15 ISSN: 2237-3713 A influência da infraestrutura de tecnologia da informação sobre a mobilidade computacional de usuários e a computação

Leia mais

Antecedentes da Adoção da Computação em Nuvem: Efeitos da Infraestrutura, Investimento e Porte

Antecedentes da Adoção da Computação em Nuvem: Efeitos da Infraestrutura, Investimento e Porte RAC - Revista de Administração Contemporânea ISSN: 1415-6555 rac@anpad.org.br Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração Brasil Prospero Sanchez, Otavio; Cappellozza, Alexandre Antecedentes

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Soluções em Mobilidade

Soluções em Mobilidade Soluções em Mobilidade Soluções em Mobilidade Desafios das empresas no que se refere a mobilidade em TI Acesso aos dados e recursos de TI da empresa estando fora do escritório, em qualquer lugar conectado

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

O PAPEL DA TI PARA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO DE UMA ORGANIZAÇÃO.

O PAPEL DA TI PARA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO DE UMA ORGANIZAÇÃO. O PAPEL DA TI PARA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO DE UMA ORGANIZAÇÃO. Daniel Ribeiro Kuramitsu (Fundação Carlos Alberto Vanzolini, São Paulo, Brasil) - danielrk@usp.br MSc. Kumiko Oshio Kissimoto (Fundação Carlos

Leia mais

Cloud Computing. Provendo valor ao negócio através da Gerência de Serviços Automatizada. Gerson Sakamoto gsakamoto@br.ibm.com

Cloud Computing. Provendo valor ao negócio através da Gerência de Serviços Automatizada. Gerson Sakamoto gsakamoto@br.ibm.com Cloud Computing Provendo valor ao negócio através da Gerência de Serviços Automatizada Gerson Sakamoto gsakamoto@br.ibm.com 1 Definição de Computação em Nuvem Computação em Nuvem é um novo modelo de aquisição

Leia mais

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist 05 De onde vem o termo nuvem? Business Servidores SAN WAN SAN LANs Roteador NAS Switch

Leia mais

Entendendo as camadas do cloud computing: Iaas, Paas e SaaS

Entendendo as camadas do cloud computing: Iaas, Paas e SaaS + segurança + economia + liberdade + disponibilidade + sustentabilidade + flexibilidade Entendendo as camadas do cloud computing: Iaas, Paas e SaaS As camadas da nuvem Nossa missão com este white paper

Leia mais

Convergência TIC e Projetos TIC

Convergência TIC e Projetos TIC TLCne-051027-P1 Convergência TIC e Projetos TIC 1 Introdução Você responde essas perguntas com facilidade? Quais os Projetos TIC mais frequentes? Qual a importância de BI para a venda de soluções TIC (TI

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF 108 Segurança da Informação Computação em Nuvem Prof. João Henrique Kleinschmidt Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

monitoramento unificado

monitoramento unificado DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA monitoramento unificado uma perspectiva de negócios agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 Seção 1: ambientes de computação emergentes atuais 4 Seção 2: desafios

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar)

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) COMPUTAÇÃO EM NUVEM Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Mih_nai@hotmail.com juliocesar@unipar.br Resumo. Este artigo contém a definição e citação

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Relatório de Progresso

Relatório de Progresso Luís Filipe Félix Martins Relatório de Progresso Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Preparação para a Dissertação Índice Introdução... 2 Motivação... 2 Cloud Computing (Computação

Leia mais

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect

Por Antonio Couto. Autor: Antonio Couto Enterprise Architect Cloud Computing e HP Converged Infrastructure Para fazer uso de uma private cloud, é necessário crescer em maturidade na direção de uma infraestrutura convergente. Por Antonio Couto O que é Cloud Computing?

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Cloud Computing O novo paradigma de Custeio. Anderson Baldin Figueiredo Consultor

Cloud Computing O novo paradigma de Custeio. Anderson Baldin Figueiredo Consultor Cloud Computing O novo paradigma de Custeio Anderson Baldin Figueiredo Consultor O momento da 3ª. Plataforma $$$$$ $ Conceituando Cloud Computing Mas o que significa cloud computing mesmo? Cloud = Evolução

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Entendendo a cloud computing (computação nas nuvens)

O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Entendendo a cloud computing (computação nas nuvens) O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Introdução A expressão cloud computing começou a ganhar força em 2008, mas, conceitualmente, as ideias por trás da denominação existem há muito mais tempo.

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Avaliando Imóveis Urbanos em 2 minutos Antônio Pelli Neto Eng. Civil e Mecânico INTRODUÇÃO Agenda: Conceitos básicos sobre Avaliando nas Nuvens Porque somente

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ TRIBUTAÇÃO NA NUVEM Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS APLICÁVEIS 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS INTRODUÇÃO À

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

NUVEM NO DNA COM A. pág. 8 NASCIDO PARA NUVEM. FUTURO Sistema operacional vai além da virtualização convencional dos recursos dos servidores

NUVEM NO DNA COM A. pág. 8 NASCIDO PARA NUVEM. FUTURO Sistema operacional vai além da virtualização convencional dos recursos dos servidores NASCIDO PARA NUVEM. INFORME PUBLICITÁRIO Windows Server 2012 março de 2013 COM A NUVEM NO DNA WINDOWS SERVER 2012 É A RESPOSTA DA MICROSOFT PARA O NOVO CENÁRIO DOS DATACENTERS pág. 4 FUTURO Sistema operacional

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL. Produto: Exchange

PROPOSTA COMERCIAL. Produto: Exchange PROPOSTA COMERCIAL Produto: Exchange Sumário SOBRE A LOCAWEB 3 INFRAESTRUTURA DO DATA CENTER 4 SOLUÇÕES PROPOSTAS 5 BENEFÍCIOS LOCAWEB 6 CONDIÇÕES COMERCIAIS 7 PRAZOS E DEMAIS CONDIÇÕES 8 www.locaweb.com.br/exchange

Leia mais

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02 tendências CLOUD EDIÇÃO 02 Agosto/2012 CLOUD O conceito de nuvem é nebuloso Como uma organização pode contratar assertivamente Serviços em Cloud? Quais são os principais riscos de um contrato de Cloud

Leia mais

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Bruno Sanchez Lombardero Faculdade Impacta de Tecnologia São Paulo Brasil bruno.lombardero@gmail.com Resumo: Computação em nuvem é um assunto que vem surgindo

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate Workshop Divisão Tributária 18.04.2013 CIESP - CAMPINAS PROGRAMA 1. BREVE INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS

Leia mais

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM?

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? Porque a Voz na Nuvem? 2 Índice Introdução... 3 Baixo Custo... 4 REQUISITOS MÍNIMOS DE CAPITAL... 4 EQUIPAMENTOS GENÉRICOS... 4 UTILIZAÇÃO DE MAIORES RECURSOS... 4 DESPESAS

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios

Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios IBM Global Technology Services White Paper IBM Resiliency Services Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios Escolha o provedor de serviços gerenciados certo para mitigar riscos à reputação

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

GIS Cloud na Prática. Fabiano Cucolo 26/08/2015

GIS Cloud na Prática. Fabiano Cucolo 26/08/2015 GIS Cloud na Prática Fabiano Cucolo 26/08/2015 Um pouco sobre o palestrante Fabiano Cucolo fabiano@soloverdi.com.br 11-98266-0244 (WhatsApp) Consultor de Geotecnologias Soloverdi Engenharia www.soloverdi.com.br.

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

SPED e NF- e Claudio Coli

SPED e NF- e Claudio Coli SPED e NF- e Claudio Coli A MASTERSAF Nossa Visão Missão Negócio Nossa Razão Convergência Promover Ética e Responsabilidade Social deixando um legado que seja motivo de Orgulho para nossos Clientes e Colaboradores

Leia mais

Artigo. Riscos de Segurança em Cloud Computing Questões de segurança e gestão de riscos. Parte 3

Artigo. Riscos de Segurança em Cloud Computing Questões de segurança e gestão de riscos. Parte 3 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro Tecnológico - CTC Departamento de Informática e Estatística - INE Curso Ciências da Computação CCO Disciplina Redes de Computadores I - INE5414 Professor

Leia mais

@daibert http://aka.ms/daibert

@daibert http://aka.ms/daibert Microsoft @daibert http://aka.ms/daibert Technical Evangelist Microsoft Brasil Boas Vindas Quatro grandes tendências da década Mobilidade Redes Sociais Nuvem Big Data Redes Sociais serão >70% dos seguidas

Leia mais

Os Desafios de Mobile, Cloud, GIS e Big Data nas Organizações. Leandro M. Rodriguez General Manager, Latin America - Esri

Os Desafios de Mobile, Cloud, GIS e Big Data nas Organizações. Leandro M. Rodriguez General Manager, Latin America - Esri Os Desafios de Mobile, Cloud, GIS e Big Data nas Organizações Leandro M. Rodriguez General Manager, Latin America - Esri Big Data Num futuro próximo, toda a informação vai ser Big Data. Já não existe pouca

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

EMC FORUM 2015. Copyright 2015 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. 1

EMC FORUM 2015. Copyright 2015 EMC Corporation. Todos os direitos reservados. 1 EMC FORUM 2015 1 EMC FORUM 2015 Identifying the right kind of hybrid cloud for your business Presenter name 2 O SOFTWARE ESTÁ REDEFININDO TODAS AS EMPRESAS OS NEGÓCIOS ESTÃO MUITO MAIS DINÂMICOS EQUIPE

Leia mais

Acelere a sua jornada à nuvem

Acelere a sua jornada à nuvem Boletim técnico Acelere a sua jornada à nuvem Arquitetura de nuvem convergente da HP Índice Uma nova computação para a empresa... 2 Evolua a sua estratégia de TI para incluir serviços da nuvem... 2 A nova

Leia mais

Computação em Grid e em Nuvem

Computação em Grid e em Nuvem Computação em Grid e em Nuvem Computação em Nuvem Molos 1 Definição Um grid computacional é uma coleção recursos computacionais e comunicação utilizados para execução aplicações Usuário vê o grid como

Leia mais

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla PLANO DE ENSINO Universidade Positivo Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Gestão e Sociedade Disciplina: Métodos Quantitativos Administração de Pesquisa Carga horária total:

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 08 Alternativas de Investimento em TI Fábricas de software, Softwarehouses, Virtualização, Computação em Nuvem Datacenter Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

O ecossistema em que se figura a segurança da informação

O ecossistema em que se figura a segurança da informação O ecossistema em que se figura a segurança da informação Você já estudou o conceito de segurança da informação antes, mas, para contextualizar o tratamento de incidentes, precisamos revisar alguns tópicos

Leia mais

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

Cloud Computing. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br

Cloud Computing. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Cloud Computing Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Facebook 750 milhões de usuários 42% de todos os usuários do Facebook estão localizado na América, 27% na Ásia e 25% na Europa 4% na África

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Levantamento sobre Computação em Nuvens

Levantamento sobre Computação em Nuvens Levantamento sobre Computação em Nuvens Mozart Lemos de Siqueira Doutor em Ciência da Computação Centro Universitário Ritter dos Reis Sistemas de Informação: Ciência e Tecnologia Aplicadas mozarts@uniritter.edu.br

Leia mais

Por que Office 365? Office 365 Por que usar?

Por que Office 365? Office 365 Por que usar? Por que Office 365? Office 365 Por que usar? POR QUE OFFICE 365? Olá. Nesse guia, vamos tratar de um serviço que está sendo extremamente procurado por executivos e especialistas em TI das empresas: o Office

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 0 CLOUD COMPUTING 1 1. Introdução Com o grande avanço da tecnologia de processadores,

Leia mais

Segurança em computação nas nuvens

Segurança em computação nas nuvens Segurança em computação nas nuvens Aluno: Ricardo Dobelin Barros RA: 160105 Prof.: Marco Aurélio Amaral Henriques Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem White paper Para provedores de nuvem Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem Introdução: os novos desafios dos clientes estimulam a adoção da nuvem Em um ambiente de negócios dinâmico,

Leia mais

Convergência tecnológica em sistemas de informação

Convergência tecnológica em sistemas de informação OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 333-338 INTEGRAÇÃO 333 Convergência tecnológica em sistemas de informação ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo l Atualmente vivemos em uma sociedade na qual o foco

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE API S PARA PORTABILIDADE EM NUVEM

ANÁLISE COMPARATIVA DE API S PARA PORTABILIDADE EM NUVEM ANÁLISE COMPARATIVA DE API S PARA PORTABILIDADE EM NUVEM Ana Paula Cristina Ehlke Carrion 1, Tiago Volpato 1, Claudete Werner 1, Ricardo de Melo Germano 1, Gabriel Costa Silva 2 1 Universidade Paranaense

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

Tendências em Qualidade de Software. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br

Tendências em Qualidade de Software. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Tendências em Qualidade de Software Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Tendências Tecnológicas Computação nas nuvens Análises avançadas para simulação e otimização de processos Aplicações RIA Social

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM.

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM. O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM O ponto de vista dos executivos sobre a nuvem Janeiro de 2015 Computação em nuvem Mudança da função e da importância das equipes de TI Janeiro de 2015 1 Capacitação

Leia mais

otimizando níveis de serviço em implantações na nuvem pública

otimizando níveis de serviço em implantações na nuvem pública DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA otimizando níveis de serviço em implantações na nuvem pública chaves para o gerenciamento de serviços efetivo agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução: modelos de

Leia mais

Computação em Nuvem. Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2

Computação em Nuvem. Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2 Computação em Nuvem Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010

Leia mais

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma 1 IDC - Equipe Pietro Delai Reinaldo Sakis João Paulo Bruder Luciano Ramos Gerente de Pesquisa e Consultoria -Enterprise Gerente de Pesquisa

Leia mais

Agregando valor com Business Service Innovation

Agregando valor com Business Service Innovation Agregando valor com Business Service Innovation A TI é enorme. Existem tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Como posso permitir um acesso conveniente e seguro ao Microsoft SharePoint?

Como posso permitir um acesso conveniente e seguro ao Microsoft SharePoint? RESUMO DA SOLUÇÃO Solução de segurança do SharePoint da CA Technologies Como posso permitir um acesso conveniente e seguro ao Microsoft SharePoint? agility made possible A solução de segurança do SharePoint

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho Um perfil personalizado de adoção da tecnologia comissionado pela Cisco Systems Fevereiro de 2012 Dinâmica de ganhos com as iniciativas de mobilidade corporativa Os trabalhadores estão cada vez mais remotos,

Leia mais

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Nº 96080 - Adário de Assunção Fonseca Muatelembe Nº 96118 - Castelo Pedro dos Santos Nº 96170 - Feliciano José Pascoal

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais