INCENTIVOS ÀS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INCENTIVOS ÀS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA"

Transcrição

1 INCENTIVOS ÀS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 1. QREN Quadro de Referência Estratégico Nacional: SI Inovação SI Qualificação e Internacionalização das PME 2. Regime Protocolos Bancários 3. Linha de Crédito PME Investe III Linha Sector do Turismo Linha Turismo Tesouraria Linha PME Investe IV Linha específica para as micro e pequenas empresas

2 QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

3 QREN - Enquadramento e Selectividade dos Incentivos Enquadramento nacional Dec.Lei nº287/2007, alterado pelo Dec.Lei nº65/2009, 20/03 Estabelece nas grandes orientações para a criação e aplicação de sistemas de incentivos ao investimento empresarial Regulamentos dos Sistemas de Incentivos Cria os sistemas de incentivos em areasprioritárias para o desenvolvimento económico, incluindo os co-financiados pelo QREN Concursos Específicos para Selecção Modo de aplicação dos sistemas de incentivos, definindo prioridades, regiões ou sectores elegíveis, tipologias de projectos, etc Metodologia de Selecção Selecção de projectos com base na sua qualidade e no seu contributo para a competitividade da empresa, região ou economia nacional (consoante o objectivo de cada concurso)

4 SI Inovação Portaria nº 353-C/2009, 3 de Abril Âmbito São abrangidos pelo SI Inovação os projectos de investimento de inovação produtiva promovidos por empresas. Objectivos O SI Inovação tem como objectivo promover a inovação no tecido empresarial, pela via da produção de novos bens, serviços e processos que suportem a sua progressão na cadeia de valor e o reforço da sua orientação para os mercados internacionais, bem como pela introdução de melhorias tecnológicas, criação de unidades de produção e estímulo ao empreendedorismo qualificado e ao investimento estruturante em novas áreas com potencial crescimento.

5 SI -Inovação Adaptação do âmbito ao sector do Turismo Novos Produtos criação de empreendimentos com elevado perfil de diferenciação, aferida em função da oferta existente na região Produtos significativamente melhorados requalificação global dos empreendimentos, que não se limite a investimentos de mera substituição e que determine uma alteração significativa do nível de qualidade dos recursos oferecidos Expansão da capacidade de produção em sectores com procuras internacionais dinâmicas e ampliação de empreendimentos que se posicionem nos segmentos de actividade com maior potencial de crescimento (que se associem aos produtos turísticos)

6 SI Inovação Beneficiários As entidades beneficiárias dos apoios previstos no SI Inovação são empresas de qualquer natureza e sob qualquer forma jurídica. Sectores de Actividade A definir nos Avisos de Abertura dos Concursos, sendo em termos genéricos elegíveis as seguintes CAE do projecto: Indústria ( ), Comércio( ), Serviços( ), Turismo:Grupos da CAE 551, 552, 553, 554, 633 e 771; Actividades declaradas de interesse para o turismoque se insiram nas Classes/ subclasses da CAE 9232, 9233, 92342, 9261, 9262, 9272, e Energia:( ), Transportes e Logística( )

7 SI Inovação Condições de elegibilidade do promotor Encontrarem-se legalmente constituídos Cumprir as condições legais necessárias ao exercício da actividade (*) Possuir a situação regularizada face à Segurança Social, Administração Fiscal e entidades pagadoras do incentivo (*) Assegurar os RH e físicos necessários ao desenvolvimento do projecto Dispor de contabilidade organizada Cumprir um rácio de autonomia financeira de 0,20 para NPME e 0,15 para PME(*) Indicar um responsável técnico do projecto Cumprir, quando existam investimentos em formação profissional, todas as regras definidas no regulamento específico dos apoios à formação profissional (*) Podem ser aferidas até à data da celebração do contrato de concessão de incentivos

8 SI Inovação Condições de elegibilidade do projecto Não incluir despesas anteriores à data da notificação da aprovação prévia de concessão de incentivos, à excepção dos adiantamentos para sinalização, relacionados com o projecto, até ao valor de 50% do custo de cada aquisição, e das despesas relativas aos estudos prévios, desde que realizados há menos de um ano Demonstrar que se encontram asseguradas as fontes de financiamento, incluindo o financiamento por capitais próprios (20%) No que respeita aos projectos de arquitectura ou às memórias descritivas do investimento, quando exigíveis legalmente, encontrarem-se previamente aprovados Ser declarado de interesse para o turismo, nos casos das actividades do sector do Turismo respeitante a empreendimentos e actividades de animação

9 SI Inovação Condições de elegibilidade do projecto (cont.) Ter uma duração máxima de execução de dois anos, excepto em casos devidamente justificados Corresponder a uma despesa mínima elegível de Apresentar viabilidade económico-financeira Ser sustentado por uma análise estratégica da empresa Manter-se afecto à actividade em causa pelo período fixado no contrato, no mínimo de 5 anos para empresas Não PME e no mínimo de 3 anos para empresas PME

10 SI Inovação Despesas elegíveis Activo Fixo Corpóreo: Despesas de construção (apenas no âmbito do sector do Turismo) Despesas com a aquisição de material circulante, desde que configurem em si mesmo empreendimentos de animação declarados de interesse para o turismo Aquisição de máquinas e equipamentos directamente relacionados com o desenvolvimento do projecto Instalação de sistemas energéticos para consumo próprio utilizando fontes renováveis de energia Software standard e específico, relacionado com o desenvolvimento do projecto Activo Fixo Incorpóreo: Despesas com transferência de tecnologia através da aquisição de direitos de patentes, licenças, saber-fazer ou conhecimentos técnicos não protegidos por patente, sendo que no caso de empresas não PME estas despesas não poderão exceder 50% das despesas elegíveis do projecto

11 Despesas elegíveis (cont.) SI Inovação Outras Despesas: Estudos, diagnósticos, auditorias, planos de marketing associados ao projecto de investimento Investimentos na área da eficiência energética e das energias renováveis Despesas relacionadas com promoção internacional Despesas inerentes ao desenvolvimento de sistemas de gestão pela qualidade total, à participação em prémios nacionais e internacionais, à implementação de sistemas de planeamento e controlo, à certificação de sistemas, produtos e serviços assim como à obtenção do rótulo ecológico Registo inicial de domínios e fees associados à domiciliação da aplicação em entidade externa, adesão a marketplaces e outras plataformas electrónicas Despesas com formação dos recursos humanos Custos, durante um período de 24 meses, com a contratação de dois novos quadros técnicos de pelo menos nível IV, para projectos de criação de empresas

12 SI Inovação Natureza e intensidade do incentivo Taxa 45 % Pequena Empresa - 20% Majorações Média Empresa - 10% Empreendedorismo Feminino ou Jovem 10% Estratégia de Eficiência Colectiva 10% Incentivo Natureza R Sem juros 6 anos com 3 de carência / Remodelação EH, TER e TH: 7 anos com 3 de carência / Novos EH: 10 anos com 3 de carência O incentivo poderá ser: convertido em incentivo NR, em função da execução e avaliação do desempenho do projecto até ao montante máx. de 75% do incentivo concedido, prémio esse atribuído em duas fases de minimis -Despesas com promoção internacional; pedidos Propriedade Industrial - Investimentos NUT II (Lisboa e Algarve) despesas em Activo Corpóreo e Incorpóreo e contratação de técnicos, construção de edifícios e obras de remodelação, desde que relacionadas com a actividade do sector do Turismo -Investimentos realizados por não PME correspondente às outras despesas elegíveis (essencialmente incorpóreas)

13 SI Inovação Avaliação de Desempenho O incentivo reembolsável pode ser convertido em não reembolsável, em função da avaliação de desempenho até um máximo de 75%. A avaliação do desempenho, é efectuada em duas fases: - 35% do prémio com a verificação da atempada conclusão do investimento - 65% do prémio com a verificação, no ano cruzeiro, do cumprimento das metas em, pelo menos, 70% Disponibilização do Incentivo Adiantamento Adiantamento de 50% com garantia bancária de 70% do adiantamento.

14 SI -Qualificação e Internacionalização de Objectivos PME Portaria nº353-a/2009, 3 de Abril Promoção da competitividade das empresas através do aumento da produtividade, da flexibilidade e da capacidade de resposta e presença activa das PME no mercado global. Beneficiários Empresas de qualquer natureza e sob qualquer forma jurídica; Entidades públicas com competências especificas em politicas públicas dirigidas às PME, associações que com aquelas entidades tenham estabelecido parcerias para a prossecução de políticas públicas, associações empresariais e entidades do SCT, no caso dos projectos conjuntos.

15 SI -Qualificação e Internacionalização de Sectores de Actividade PME A definir nos Avisos de Abertura dos Concursos, sendo em termos genéricos elegíveis as seguintes CAE do projecto: Indústria ( ), Comércio ( ), Serviços ( ), Energia: ( ) Transportes e Logística( ) Turismo: Grupos da CAE 551, 552, 553, 554, 633 e 771; Actividades declaradas de interesse para o Turismo que se insiram nas Classes/ subclasses 9232, 9233, 92342, 9261, 9262, 9272, e 93042

16 SI -Qualificação e Internacionalização de PME Tipologia de projectos Organização, Gestão, TIC e Economia Digital Propriedade industrial, Criação, Moda e Design Qualidade, Ambiente, Inovação, Diversificação e Eficiência Energética Comercialização, Marketing e Internacionalização Responsabilidade Social e HST, Igualdade de Oportunidades

17 SI -Qualificação e Internacionalização de Tipo de Projectos PME Projecto Individual Projecto apresentado a título individual por uma PME; Projecto Conjunto Projecto apresentado por uma entidade pública, uma associação empresarial ou uma entidade do SCT que, com o apoio de entidades contratadas, desenvolve um programa estruturado de intervenção num conjunto de PME, observando as condições expressas no Anexo A; Projecto de Cooperação Projecto apresentado por uma PME ou consórcio liderado por PME, que se proponha desenvolver um projecto de cooperação inter-empresarial; Projecto Simplificado de Inovação Projecto apresentado por uma PME para aquisição de serviços de consultoria e de apoio à inovação a entidades do SCT, qualificadas para o efeito, com base na atribuição de um crédito junto destas entidades. Cada Aviso de Abertura de Concurso para selecção de projectos fixará as respectivas modalidades de projecto.

18 SI -Qualificação e Internacionalização de PME Elegibilidade do projecto - Geral Corresponder a uma despesa mínima elegível de ; Apresentar viabilidade económico-financeira e assegurar as fontes de financiamento do projecto; Não incluir despesas anteriores a data da candidatura, (excepto adiantamentos ate 50% de cada aquisição, e estudos prévios realizados até um ano); Ter uma duração máxima de dois anos (prorrogável por um período de 1 ano, quando solicitado antes do termo da duração inicial autorizada); Afectar os investimentos apoiados a actividade e localização, durante 3 anos após o encerramento do projecto (5 anos no caso Não PME).

19 SI -Qualificação e Internacionalização de Despesas Elegíveis PME Activo Fixo Corpóreo: Aquisição de máquinas e equipamentos específicos, exclusivamente destinados às áreas da: -gestão, comercialização e marketing, distribuição e logística, design, qualidade, segurança e saúde no trabalho, controlo laboratorial, eficiência energética e energias renováveis,ambiente (tratamento de aguas residuais, emissões para a atmosfera, resíduos, redução de ruído e de introdução de tecnologias eco-eficientes); (exclui produção) Aquisição de equipamentos informáticos; Software standard e específico. Activo Fixo Incorpóreo: Transferência de tecnologia através da aquisição de direitos de patentes, licenças, saber-fazer ou conhecimentos técnicos não protegidos por patente (maximo 50% das despesas elegíveis do projecto para Não PME)

20 SI - Qualificação e Internacionalização de PME Modalidade Incentivo Taxa N R de minimis anos Individual Conjunto Cooperação Simplificação de Inovação 40% 40% Pode ir até75% (para despesas previstas nº2 art.12º) Até / projecto Até *nº empresas participantes Despesas com promoção internacional; pedidos Prop.Industrial; Investimentos NUT II (Lxe Alg.) 40% Até /projecto Não PME Projectos conjuntos 75% (despesas c/aquisição de serviços consultoria a entidades do SCT previamente qualificadas) Até /projecto Majorações Tipo de empresa 5% Pequenas empresas Tipo de despesa: Inv.corpóreo: 5% médias empresas Equip. que visam superar as normas em matéria de ambiente: 10% pequenas empresas acumulável c/majoração Tipo empresa 5% média empresa Estratégia de eficiência colectiva 5%

21 REGIME DOS PROTOCOLOS BANCÁRIOS

22 REGIME DOS PROTOCOLOS BANCÁRIOS Condições do financiamento Montante Máximo de Financiamento PME Proporção NÃO PME Projectos em Pólos de Desenvolvimento Turístico Outros Projectos 75% atéao limite de 8 milhões de Euros 75% atéao limite de 6 milhões de euros 60% Turismo de Portugal, I.P. / 40% Banco 40% Turismo de Portugal, I.P. / 60% Banco

23 REGIME DOS PROTOCOLOS BANCÁRIOS Remuneração Tipo de projecto -Projectos enquadráveis nos Produtos Turísticos Estratégicos quando localizados em Pólos de Desenvolvimento Turístico -Recuperação e adaptação de património cultural de interesse nacional ou público para instalação de unidades de alojamento, restauração e animação - Criação de hotéis e restaurantes inovadores - Empreendimentos, equipamentos e actividades de animação turística -Criação ou requalificação de esplanadas de estabelecimentos de restauração e bebidas -Criação de Hotéis, Hotéis-Apartamentos e AldeamentosTurísticos por via da demolição ou reconstrução integral de anteriores empreendimentos turísticos ou residenciais previstos no âmbito do produto turístico estratégico SOL E MAR -Apoios de Praia Condições Turismo de Portugal, I.P.: Taxa 0% Banco: Euribor, acrescida de spread no máximo de 2,25%, ou, uma taxa de juro que, globalmente, não ultrapasse 4% para empresas PME Líder e 4,25% para as restantes Restantes projectos, incluindo os que, não se encontrando expressamente previstos no Protocolo, possam vir a ser objecto de financiamento por demonstrarem contribuir para uma adequada estruturação de algum pólo ou produto turístico Turismo de Portugal, I.P.: 25% da Euribor Banco: Euribor, acrescida de spread, no máximo de 2,25%%, ou, uma taxa de juro que não ultrapasse 4% para empresas PME Líder e 4,25% para as restantes

24 REGIME DOS PROTOCOLOS BANCÁRIOS Tipo de projecto Criação de Estabelecimentos Hoteleiros e Hotéis Rurais Montante Máximos 15 anos incluindo um período máximo de carência de 4 anos Requalificação de estabelecimentos hoteleiros; criação ou requalificação de empreendimentos de turismo no espaço rural e de empreendimentos, actividades ou equipamentos de animação Restantes projectos 10 anos incluindo um período máximo de carência de 3 anos 6 anos incluindo um período máximo de carência de 2 anos

25 REGIME DOS PROTOCOLOS BANCÁRIOS Condições Gerais de Acesso dos Projectos - Encontrarem-se autorizados pelas entidades competentes, quando exigível legalmente, ou, nos casos em que careçam de projectos de arquitectura, encontrarem-se estes devidamente aprovados - Os empreendimentos, equipamentos e actividades de animação ou de restauração e de bebidas deverão encontrar-se declarados de interesse para o turismo - Encontrarem-se devidamente asseguradas as respectivas fontes de financiamento do projecto, pelo menos, 25% de capitais próprios - Contribuírem para a melhoria económico-financeira das respectivas empresas -Envolverem um montante mínimo de investimento elegível de Iniciarem-se, no caso de PME, após a apresentação do pedido de financiamento

26 REGIME DOS PROTOCOLOS BANCÁRIOS

27 REGIME DOS PROTOCOLOS BANCÁRIOS

28 REGIME DOS PROTOCOLOS BANCÁRIOS

29 DECLARAÇÃO DE INTERESSE PARA O TURISMO Decreto Regulamentar nº 22/98, de 21 de Setembro, alterado pelo Decreto-Regulamentar nº1/2002, 03/01 Requerimento O pedido de declaração de interesse para o turismo é dirigido ao directorgeral do Turismo (Presidente do Turismo de Portugal, IP), instruído com os seguintes elementos: - Cópia do projecto aprovado ou apresentado para aprovação junto das entidades competentes em razão do tipo de empreendimento; - Memória descritiva e programa de actividades a desenvolver, com indicação dos equipamentos a utilizar, dos montantes envolvidos, e com a descrição dos objectivos e mercados a atingir; - Descrição das potencialidades da região em termos de oferta turística; - Previsão do impacto turístico gerado; - Indicação de qual o sistema de incentivos ou outros instrumentos financeiros a que pretende recorrer.

30 DECLARAÇÃO DE INTERESSE PARA O TURISMO Decreto Regulamentar nº 22/98, de 21 de Setembro, alterado pelo Decreto-Regulamentar nº1/2002, 03/01 Requerimento O parecer dos órgãos regionais e locais de turismo destina-se a verificar o interesse do estabelecimento, iniciativa, projecto ou actividade para a região, pelo que deve fazer referência obrigatória: - Às estruturas de animação existentes na região; - Aos atractivos naturais, históricos e culturais da região; -Àrealização de acontecimentos que promovam a procura: feiras, exposições, congressos e outros; -Às taxas de ocupação, preços praticados e tipo de clientela em estabelecimentos, iniciativas, projectos ou actividades idênticas; - Às acções promocionais previstas; -Àimportância do estabelecimento, iniciativa, projecto ou actividade para a região.

31 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE

32 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE PME INVESTE III - Protocolo celebrado a 4 Dezembro 2008 LINHA SECTOR DO TURISMO LINHA SECTOR DO TURISMO - TESOURARIA PME INVESTE IV -Protocolo celebrado a 25 de Junho 2009 LINHA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Facilitar o acesso ao crédito por parte das empresas do sector do turismo, através da bonificação de taxas de juro e do recurso aos mecanismos de garantia do sistema nacional de garantia mútua

33 PME INVESTE III Linha Sector do Turismo Condições do Financiamento Dotação da Linha de crédito Montantes Máximos por Empresa para Empreendimentos Distintos Empréstimos de Médio e Longo Prazo 500 milhões 5 milhões, extensível até6 milhões para PME Líder Taxa de juro Euribor a 3 meses + 1,5% Prazo Utilização Carência Reembolso Garantia 7 anos Até 24 meses a partir da data de contratação Até 24 meses (capitalização de juros e carência de capital) Prestações constantes, iguais, trimestrais e postecipadas Garantia prestada pelas SGM s de 50% do capital em dívida em cada momento, totalmente bonificada Outras garantias decorrentes da decisão de crédito, a serem constituídas a pari-passu com as SGM s

34 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE III Turismo Tesouraria Tipo de Operação Empréstimos de Médio Prazo Montante Máximo por empresa Até ou por grupo empresarial Taxa de Juro da Empresa Euribora 3 meses, com a taxa mínima de 1,5% Prazo Período de Carência Amortização de capital Garantia Comissões, Encargos e Custos Até3,5 anos, após a contratação da operação Até 12 meses (carências de capital) Prestações constantes, iguais, trimestrais e postecipadas Garantia prestada pelas SGM saté75% do capital em dívida em cada momento, totalmente bonificada (1) Outras garantias decorrentes da decisão de crédito, a serem constituídas, a pari-passu com as SGM e do FINOVA Estas operações estão totalmente isentas deste tipo de custo (2) (1) As empresas beneficiárias terão que adquirir acções da SGM, no montante de 2% sobre o valor da garantia a prestar, até à data de emissão da garantia. As acções poderão ser revendidas à SGM, ao valor nominal, uma vez terminada a garantia. (2) São contudo suportados pela empresa beneficiária os custos e encargos associados à contratação do financiamento, designadamente os associados a avaliação de imóveis, registos e escrituras, impostos ou taxas e outras despesas similares.

35 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE IV Tipo de Operação Micro e pequenas empresas Empréstimos de Médio e Longo Prazo Operações Elegíveis Montante Máximo por Operação e por Empreendimento Taxa de Juro da Empresa Investimentos e necessidades de capitais permanentes 25 mil para as micro empresas e 50 mil para as pequenas empresas Euribora 3 meses -0,25%, (taxa mínima de 1,5% Prazo Período de Carência Amortização de capital Garantia Até3 anos, após a contratação da operação Até 12 meses (carências de capital e pagamento de juros) Prestações constantes, iguais, trimestrais e postecipadas Garantia prestada pelas SGM saté75% do capital em dívida em cada momento, totalmente bonificada Outras garantias decorrentes da decisão de crédito, a serem constituídas, a pari-passucom as SGM e do FINOVA Estas operações estão isentas de comissões, encargos e custos, com excepção dos encargos associados à contratação do financiamento (avaliação dos imóveis, registos e escrituras, impostos e taxas, e outras despesas similares)

36 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE Condições do Financiamento LINHA PME INVESTE - TURISMO PME INVESTE III LINHA SECTOR DO TURIMO PME INVESTE III LINHA APOIO DE TESOURARIA PME INVESTE IV -LINHA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CONDIÇÕES DE ACESSO Empresas com facturação anual < a 150 milhões; localizadas no território nacional; EBITDA positivo (não aplicável a PME Líder e a empresas c/início de exploração após 1 Janeiro 2006); situação regularizada perante a Banca, Soc.deGarantia Mútua, Adm.Fiscal, Seg.Social, IAPMEI, Turismo de Portugal e IEFP Empresas com facturação anual < a 150 milhões; localizadas no território nacional; EBITDA positivo (não aplicável a PME Líder e a empresas c/início de exploração após 1 Janeiro 2006); situação regularizada perante a Banca, Soc. de Garantia Mútua, Adm. Fiscal, Seg. Social, IAPMEI, Turismo de Portugal e IEFP Micro e Pequenas empresas; localizadas no Continente; volume de negócios inferior a 10milhões; resultados líquidos positivos em 2 dos últimos 4 exercícios (ou 2 anos de resultados líquidos positivos caso tenham menos de 4 exercícios); compromisso de manutenção do volume de emprego durante o contrato de financiamento; não apresentem mais do que 1 candidatura à presente Linha; situação regularizada perante a Banca, Soc. De Garantia Mútua, Adm. Fiscal, Seg. Social, IAPMEI, Turismo de Portugal e IEFP

37 Gabinete de Apoio ao Investimento e àiniciativa Turística Maria João Macedo: Roberto Grilo: Teresa Moreira: Tel Fax

38 PRODER Programa do Desenvolvimento Rural Diversificação de actividades na exploração agrícola Natureza e níveis de apoio Incentivo não reembolsável até uma despesa elegível de Investimentos entre e Incentivo Não Reembolsável: 40% das despesas elegíveis (s/criação PT) 60% com a criação de 1 posto de trabalho (PT) Investimentos superiores a Incentivo Não Reembolsável: 40% das despesas elegíveis (s/criação PT) 50% com a criação de 1 posto de trabalho (PT) 60% se criar pelo menos 2 postos de trabalho

39 PRODER Programa do Desenvolvimento Rural Desenvolvimento de Actividades Turísticas e de Lazer Beneficiários Pessoas singulares ou colectivas de direito privado Actividades económicas elegíveis -Unidades de alojamento turístico nas tipologias de turismo de habitação, turismo no espaço rural no grupo de casas de campo, parques de campismo e caravanismo e de turismo da natureza 55202; 55204; 553; Serviços de recreação e lazer; centros de observação da natureza/paisagem, rotas/percursos, animação turística, e criação ou desenvolvimento de produtos turísticos, nomeadamente ecoturismo, enoturismo, turismo associado a actividades de caça e pesca, turismo equestre, religioso, de saúde, cultural 93293; 91042; (desde que declaradas de interesse para o turismo, nos termos do Decreto Regulamentar n.º 22/98, de 21 de Setembro, na redacção dada pelo Decreto Regulamentar n.º 1/2002, de 3 de Janeiro).

40 PRODER Programa do Desenvolvimento Rural Desenvolvimento de Actividades Turísticas e de Lazer Natureza e níveis de apoio Incentivo não reembolsável até uma despesa elegível de Investimentos entre e Incentivo Não Reembolsável: 40% das despesas elegíveis (s/criação PT) 60% com a criação de 1 posto de trabalho (PT) Investimentos superiores a Incentivo Não Reembolsável: 40% das despesas elegíveis (s/criação PT) 50% com a criação de 1 posto de trabalho (PT) 60% se criar pelo menos 2 postos de trabalho Nota: o montante máximo das ajudas deverá respeitar os limites da regra de minimis Mais informações: - Grupos de Acção Local (GAL)/agentes locais - Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA - PROVERE Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE Fomento da competitividade

Leia mais

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em

T RI R SMO Crédit i o t a o a Inve v sti t m ento t no Tu T ris i mo Proto t co c lo l Ba B n a cá c r á io 2 7 d e e Se S t e em TURISMO Crédito ao Investimento no Turismo Protocolo Bancário Luís Coito 27 de Setembro de 2010 TURISMO INCENTIVOS FINANCEIROS AO SECTOR Intensidade de Auxílio Abrangência Empresarial Crédito ao Investimento

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano

ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano SISTEMAS DE INCENTIVO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL Sistema de Incentivos à Inovação MODCOM Modernização do Comércio Linha de Crédito - PME INVEST III ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Iniciativa i MERCA Protocolo Iniciativa Merca Medida 3 Incentivos a projectos de PME integrados em Estratégias de Valorização Económica de Base Territorial Acções de Regeneração

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 05/SI/2010 1 Índice Destinatários... 3 Condições de Elegibilidade do

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas Junho 2009 2 PME Investe IV Condições Específicas Breve Resumo das Condições CARACTERIZAÇÃO GERAL Linha Específica Sectores Exportadores Linha Micro e Pequenas Empresas Montante Global Até 400 milhões

Leia mais

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 1 QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

Sistemas de Incentivos PROVERE

Sistemas de Incentivos PROVERE Sistemas de Incentivos PROVERE 1 Estratégias de Eficiência Colectiva Conceito Conjunto coerente e estrategicamente justificado de iniciativas, integradas num Programa de Acção, que visem a inovação, a

Leia mais

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 1 QREN Inovação Inovação Produtiva Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

reconversão de empreendimentos turísticos

reconversão de empreendimentos turísticos reconversão de empreendimentos turísticos 01. Reconversão de Empreendimentos Turísticos Com o objectivo de requalificar a oferta turística nacional, foi aprovado um novo regime jurídico dos empreendimentos

Leia mais

crédito ao investimento no turismo

crédito ao investimento no turismo Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, lote 6 1050-124 Lisboa Tel 211 140 200 Fax 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt www.turismodeportugal.pt crédito ao investimento no turismo p r

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Inovação Produtiva PME

Inovação Produtiva PME Inovação Produtiva PME Objetivos Promover a inovação no tecido empresarial, traduzida na produção de novos, ou significativamente melhorados, bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis diferenciadores

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Fundo Modernização Comércio

Fundo Modernização Comércio 1 Fundo Modernização Comércio IAPMEI Portaria 236/2013 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos a Apoiar 4. Elegibilidade

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Comprovem ser Micro e Pequenas Empresas através da certificação

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais até concursos abertos 16 de abril de 2012 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos

Leia mais

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Objetivos Promover o empreendedorismo qualificado e criativo Tipologias de Projetos 1. São suscetíveis de financiamento os projetos das PME, com menos de

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 INOVAÇÃO PRODUTIVA SECTOR TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE PÁGINA OBJECTO

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS Reforço dos Capitais Permanentes Nuno Gonçalves nuno.goncalves@iapmei.pt Linhas de Crédito Linhas LINHAS DE FINANCIAMENTO VALOR Operações Entradas Operações

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

S. I. Inovação Produtiva

S. I. Inovação Produtiva S. I. Inovação Produtiva Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na área de Inovação

Leia mais

PME Investe VI Aditamento

PME Investe VI Aditamento PME Investe VI Aditamento O apoio do FINOVA às empresas Fundo gerido pela PME Investimentos No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe,

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

QREN Sistemas de Incentivos T u r is m o

QREN Sistemas de Incentivos T u r is m o SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS QREN Sistemas de Incentivos T u r is m o Ponte de Lima, 4 de Dezembro de 2012 AGOSTINHO PEIXOTO Programa COMPETE 2007-2013 QREN Quadro de Referência Estratégico Nacional

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS INFORMAÇÃO SINTETIZADA CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS ÍNDICE NOVAS LINHAS DE APOIO FINANCEIRO

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Subsistemas Fomento da Base Económica de Exportação Desenvolvimento Local Empreendedorismo

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

Investir no Atlântico

Investir no Atlântico Investir no Atlântico Domínio Competitividade e Internacionalização Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento UALG 17 novembro de 2015 Sistemas

Leia mais

Promoção da Propriedade Industrial

Promoção da Propriedade Industrial 1 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI Qualificação de PME) Projectos Individuais Dezembro de 2011 2 1- Enquadramento 2- Âmbito Sectorial Enquadramento Aviso n.º 14/SI/2011

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Sistemas de Incentivos Q R E N

Sistemas de Incentivos Q R E N SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS Sistemas de Incentivos Q R E N TURISMO [Regiões NUT II Continente] Funchal 13 novembro 2012 Miguel Mendes SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS 1 QREN - SISTEMA DE

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e ao EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA FIGUEIRA DA FOZ, 9 DE JULHO DE 2014 LUÍS COITO LINHAS DE APOIO FINANCEIRO Longo Prazo Curto / Médio Prazo Curto Prazo LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA LINHA

Leia mais

Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO

Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO Hugo Barros UALG Universidade do Algarve Albufeira, 12 de Março 2015 INOVAÇÃO PAPEL CRUCIAL NO CRESCIMENTO ECONÓMICO DOS

Leia mais

Sistemas de Incentivos Q R E N

Sistemas de Incentivos Q R E N SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS Sistemas de Incentivos Q R E N TURISMO [Região NUT II Algarve] Faro 10 outubro 2012 Miguel Mendes Programa COMPETE 2007-2013 QREN Quadro de Referência Estratégico

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

SI QUALIFICAÇÃO DE PME

SI QUALIFICAÇÃO DE PME SI QUALIFICAÇÃO DE PME SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (AVISOS DE CANDIDATURA MAIO 2010) TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

QREN. 2007-2013 Agenda de Competitividade

QREN. 2007-2013 Agenda de Competitividade 1 QREN. 2007-2013 Conhecimento e inovação Produção transaccionável QREN 2007-2013 Competitividade Financiamento Empresarial Eficiência da Administração Pública Convergência com a UE Perfil de especialização

Leia mais

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das empresas do sector

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

FINANCIAMENTOS TURISMO ESPAÇO RURAL

FINANCIAMENTOS TURISMO ESPAÇO RURAL FINANCIAMENTOS TURISMO ESPAÇO RURAL Apoios QREN e PRODER POFC / Mais Centro / Proder Articulação Feder / Feader Projetos até 200.000 euros de investimento de: -Turismo de Habitação -Turismo em espaço rural

Leia mais

AGENDA. Portugal 2020 Enquadramento Geral. Sistema de Incentivos às Empresas. Concursos

AGENDA. Portugal 2020 Enquadramento Geral. Sistema de Incentivos às Empresas. Concursos Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Guimarães, 10 de abril de 2015 AGENDA 1 Portugal 2020 Enquadramento Geral 2 Sistema de Incentivos às Empresas 3 Concursos 1 2020 Enquadramento Geral PORTUGAL 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

Sistemas de Incentivos Q R E N

Sistemas de Incentivos Q R E N SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS Sistemas de Incentivos Q R E N TURISMO [Região NUT II Lisboa] Lisboa 30 outubro 2012 Miguel Mendes Programa COMPETE 2007-2013 QREN Quadro de Referência Estratégico

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo

PME Investe III. Linha Específica para o Sector do Turismo PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Empreendimentos Turísticos e Actividades de Animação de Interesse para o Turismo Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que:

Leia mais

Sistemas de Incentivos Q R E N

Sistemas de Incentivos Q R E N SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS Sistemas de Incentivos Q R E N TURISMO [Região NUT II Norte] Vila Nova de Gaia 17 outubro 2012 Miguel Mendes Programa COMPETE 2007-2013 QREN Quadro de Referência Estratégico

Leia mais

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação.

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Exmos. Associados e parceiros, Chamamos a vossa atenção para o convite abaixo. Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Inscrevam-se! Convite No seguimento dos contactos mantidos

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas

Domínio Competitividade e Internacionalização. Sistemas de incentivos às empresas Sistemas de incentivos às empresas ACIBTM/In.Cubo 6 de julho 2015 P. O. financiadores Domínio Competitividade e OBJETIVO: Criação de riqueza e de emprego através da melhoria da competitividade das empresas

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento S E M I N Á R I O AUDITORIAS DE VALOR 11 de Outubro de 2010 A. Novo Paradigma de Desenvolvimento 2007/2013 Passagem do Objectivo 1 (Convergência) para o Objectivo 2 (Competitividade e Emprego). Alteração

Leia mais

LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA

LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA ORÇAMENTO: 120 milhões de euros, dos quais 60 milhões de euros alocados pelo Turismo de Portugal. ENTIDADES PARCEIRAS: - Banco Bilbao Vizcaya Argentaria - Banco

Leia mais

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO!

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Candidaturas abertas até 18 de Setembro QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Tel./Fax: 22 600 71 20 projectos@advancedway.pt www.advancedway.pt Qualificação e internacionalização

Leia mais

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira O presente documento pretende fazer um resumo do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2/M de 21 de Agosto

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO. Maria José Catarino. Loulé,, 5 Fevereiro de 2009

LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO. Maria José Catarino. Loulé,, 5 Fevereiro de 2009 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO Maria José Catarino Loulé,, 5 Fevereiro de 2009 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE ÍNDICE 1 OBJECTO 2 PME INVESTE II - Protocolo celebrado a 14 Outubro 2008 LINHA +RESTAURAÇÃO

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

Sistemas de Incentivos Portugal 2020

Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Portugal 2020 Acordo de parceria entre Portugal e a Comissão Europeia no qual se consagra a política de desenvolvimento económico, social e territorial a promover entre

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

Inovação empresarial e empreendedorismo. Qualificação e internacionalização das PME. Investigação e desenvolvimento tecnológico

Inovação empresarial e empreendedorismo. Qualificação e internacionalização das PME. Investigação e desenvolvimento tecnológico Mostra das empresas + Iniciativa Domínio Competitividade e Internacionalização Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento Loulé 8 Maio de 2015 Sistemas

Leia mais

PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO

PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO Workshop Vale Mais Centro PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO DAS PME DA REGIÃO CENTRO NOS PROGRAMAS VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NERGA, 23 DE JULHO ÍNDICE 1. O PROGRAMA VALE I&DT 2. O PROGRAMA VALE INOVAÇÃO 3. AS ENTIDADES

Leia mais