FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I RESOLUÇÃO DA LISTA I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I RESOLUÇÃO DA LISTA I"

Transcrição

1 FÍSICA GERAL E EPERIMENTAL I RESOLUÇÃO DA LISTA I

2 UNIERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Depataento de Mateática e Física Disciplina: Física Geal e Epeiental I (MAF ) RESOLUÇÃO DA LISTA II ) Consideando os deslocaentos, teos que: = = = = = = b) Consideando as distâncias pecoidas, teos que: d > d = d > d > = > ) < o sentido é negativo (o sinal da velocidade indica o sentido da tajetói b) > o sentido é positivo c) Si, e = d) Quando a velocidade é negativa, seu ódulo diinui co o tepo; e quando a velocidade é positiva, seu ódulo auenta a aceleação é positiva (a declividade da eta é positiv d e) O gáfico t é ua eta a Função (t) é do º Gau = a é constante. 3) E ; elocidade constante a aceleação é nula 4) () e (3) a aceleação e elocidade co sentidos opostos b) () e (3) aceleação positiva c) (4) elocidade e aceleação negativas d 5) ( e (c) = a é constante 6) 6 = 6 K / h = / s = 44, 44 / s (constante) 3,6

3 3 a = = = 8, 4 Usando a equação: t at 8, 4 = 44,44t t =, 44s = + +, teos: 7) = 4K e = 3 K / h = 4K e = 6 k / h 4 4 = t = = = h 3 3 t 4 h 6 3 t = = = = = = = t t 4 + t K / h b) Paa este caso, a distância pecoida te o eso valo do c) deslocaento = 4 K / h (k) 8 4 θ 4/3 t (h) 8 tgθ = = = 4 K / h 8) = 73, e = / s = 73, e = 3, 5 / s 73, = t = = = 6s, t 73, t = = = 3,5 4s

4 4 + 73, + 73, = = = = t t + t 6 + 4,74 / s b) t = in = 6s, =, / s t = 6s, = 3, 5 / s = t =, 6 = 73, = t = 3,5.6 = , + 83 = = = = t t + t 6 + 6,35 / s c) ve o gáfico do eecício 7. 9) p = 6 K / h (consideada constante) paa os tens, teos que: a = a =, =, = 6K = + t = 3t = + t = 6 3t Na posição de enconto, teos que: = 3t = 6 3t 6t = 6 t = h tepo que o pássao voa paa o pássao, teos que: d =. t = 6 d = 6K p ) < s < t < 4s b) < t < 3 o tatu se ove paa a esqueda c) 6 > t > 3 o tatu se ove paa dieita d) t = 3s o tatu uda de sentido ) t t = 4 + 3, t = s = d = + 6 t = + 6 = 6 / s

5 5 b) negativo, < c) = 6 / s d) paa < t <, o ódulo da velocidade diinui paa t = s, o ódulo da velocidade é nulo paa t > s, o ódulo da velocidade auenta e) Si, e t = s f) Nao, paa t > 3s velocidade é sepe positiva ) = 9,75 +,5t 3 t s c 3 = = 9,75 +,5 =,75 t s c 3 = 3 = 9,75 +,5 3 = 5, 5 5,5,75 = = = t 3 d b) = = 4,5 t 8,5 c / s t = s = 4, 5 t = 8 c / s c) d) t = 3s = 4,5 3 = 4,5 c / s t =,5s = 4,5 (,5) = 8, c / s e) = 36c (ponto édio), cálculo de t 3 36 = 9,75 +,5 4 =,6 t t s = 4,5 (, 6) = 3,33 c / s 4 4 f) A velocidade instantânea e cada ponto, é dado pela inclinação da eta tangente a cuva ( t) naquele ponto. 3) Sabendo que d d = = b) d dd d d d = = = a ( ) c) ( ) [ ] = / s e a = / s

6 6 4) At =, 4s = 8 / s = 3 / s a 3 8 = = = = / s t t, 4 5) = 5t + t paa, t = = paa, t = 3s = 4 / s 4 = = = t 3 8 / s b) t = 3s d = = 5 + t = = / s c) a d = = / s constante d) ve ite (c) do eecício 7. e) A velocidade instantânea e t = 3 s, é dada pela inclinação da eta tangente a cuva ( t) naquele ponto. (/s) f) = 5 + t tgα = a = = / s α 6) 3 = ct bt e etos c s e b 3 s t (s) b) = 3t t 3

7 7 d t t t t ' = = 6 6 = = e = = c) t " = s t = s = a patícula uda de sentido t = 4s = 8 d = = 8 d) = 8 = 8 d e) = = 6t 6t = 6 6 = f) d a = = 6 t = 6 = 6 / s Obs.: nos itens (e) e (f), basta substitui os outos valoes de t. 7) Cao Ciclista = 5 K / h = 6,944 / s = = 55 K / h = 5, 78 / s = 3 K / h = 8,333 / s t =,5in = 3s t =, 5 in = 3s 5, 78 6,944 a = = = t 3, 78 / s 8, 333 a = = 3, 78 / s 8) a = 5 / s (constante) = = K / h = 7, 78 / s = + at 7, 78 = 5 t t =,55s 9) a = 3, / s = 9,6 / s = + at 9,6 = + 3,,5 =,6 / s b) = + at = 9,6 + 3,,5 = 7,6 / s = 3 6 K / h, a =, 8 K, = ) in a = + a 36 = a,8 a = 36 K / h in in

8 8 ) a = s = K h = s = K h = s 5, /, 37 / 38, 5 /, 9 / 5 / = + at 5 = 38, 5 5, t t =,5s ) = 56 K / h = 5,55 / s, =, = 4 t = s = + t + at 4 = 5,55 + a a = 3,55 / s b) = + at = 5, 55 3,55 = 8, 45 / s 3) a s s a A =, /, A =, C 9, 5 /, A = C =, c = = + t + a t =, t =, t A A A A A C = C + Ct C = 9,5 t No ponto de enconto, teos que: A = C, t = 9,5 t t = 8, 64s ( ) = = = A, t, 8,64 8 b) = + a t =, 8,64 = 9 / s A A A A A 4) t = 6 s, = 5 / s, =, = 6 = + t + at 6 = 6 + a 6 = + 3a = + at 5 = + a 6 = + 3 a 5 = + 6 a Resolvendo o sistea, teeos: a =,67 / s e = 5 / s 5) = 7, =, = = g = 9,8 ( 7) = 83 / s = 659 K / h b) Não.

9 9 6) = 4 / s, =, = = g 4 = 9,8 ( ) = 9,39 b) = g t 4 = 9,8 t t =, 45s 7) =, = 5, = = g = 9,8 (5 ) = 3 / s b) = g t = 3 9,8 t t = 3,6s tepo de subida ' ' t t 3,6 t 6,33s = = = o tepo de subida é igual ao tepo de descida. 8) =, =, = 5 b) 9,8 = + t gt 5 = t t = 3, s ' ' = 5, = = g t = 9,8 3, = 3,36 / s = velocidade inicial na segunda etade ' do pecuso. ' ' ' 9,8 = + t gt = 5 3,36 t t t =,3s 9) = h, = = g = ( ) g ( h) = ( + gh) ( + gh) b) = g t ( + gh) = g t t = g c) Basta uda o sinal de nas espostas anteioes ' = d) t ' ( + gh) + = g 3) paa a chave, teos que: = 4 5, =, =

10 9,8 = + t gt = 45 t t = 3s O tepo de queda da chave é igual ao tepo de deslocaento do baco Paa o baco, teos que: =, =, a = o = + t = + 3 = 4 / s o 3) de A até B, teos que: a s t s = A =, A =, A B = 4 /, A B = B = A + A AB + AB AB B = = 7 t a t = + a t = 4 6 = 4 / s B A AB AB de B até C (altua ái, teos que: C = = g t = 4 9,8 t t =, 45s C B BC BC BC 9,8 C = B + BtBC gtbc C = 7 + 4, 45 (, 45) =,38 b) de C até A (qued, teos que: 9,8 A = C + CtCA gtca =,38 tca tca = 4,55s t = t + t + t = 6 +, ,55 t = 3s AB BC CA 3) A velocidade inicial do pacote é a esa do balão = / s, = 8, = 9,8 = + t gt = 8 + t t t = 5, 4s b) = g t = 9,8 5, 4 = 4 / s 33) paa a bala, teos que: = 8 + = 3, = + = 3 / s, h = B B a B

11 = g = 3 9,8 ( 3) = h = 76 B B B B B a paa o elevado, teos que: = 8, = / s, a = e e e e = e + et e = 8 + t 9,8 = + t gt = 3 + 3t t B B B B Quando a bala volta paa o piso do elevado, teos que: = 8 + t = 3 + 3t 4,9t e B 4,9t t = t = 4, s 34) a = 7,3 a = acos 7 = 7,3cos 7 =,5 5º b) a = asen7 = 7, 3sen7 = 6, 9 a 7º 35) A = 5, A = 4 b) A = A + A = = 47, A 4 tgθ = tgθ = θ = 58 α = A 5 A θ α 36) = cos 3 = 5cos 3 = 3 = sen3 = 5sen3 = 7,5 37) a = (4 ) iˆ + (3 ) ˆj, b = ( 3 ) iˆ + (7 ) ˆj = a + b = (4 3) iˆ + (3 + 7) ˆj = ( 9 ) iˆ + ( ) ˆj b) = 9 + = 3 θ α c) tgθ = θ = 48 α = ) = c + d = 7,4 + 4,4 =,8 b) = c + d = 3,8 = 5,8

12 c) = c + d = 6,+ 3,3 =,8 z z z 39) a = + = b) tgθ = θ = 37 4 c) e (d) seelhante aos itens ( e (b) e) = a + b = (4 + 6) iˆ + ( 3 + 8) ˆj = ( ) iˆ + (5 ) ˆj = + 5 =,8 f) seelhante ao ite (b) (g), (h), (i),(j) seelhantes aos itens (e) e (f) k) b a = ( a b) o ângulo é de 8 4) 45º 5º 3º 3º 45º b a 3º a = b = = a cos3 bcos 45 = cos3 cos 45 =,59 b) = a sen3 + b sen45 = sen3 + cos 45 =, c) d) = + = (,59) + (,) =,, tgθ = tgθ = θ = 8,5,59 θ 4) = b) = 35 k / h c) a = é constante = = 35 k / h d) O eso, o tepo de queda depende soente das coponentes veticais do oviento. 4) ˆ = iˆ + j ˆ + zk = ( 5 ) iˆ + (8 ) ˆj α

13 3 b) = = 9, 4 8 c)e d) tgθ = θ = 58 α = 5 e) = (3 ) iˆ = = (3+ 5) iˆ + ( 8) ˆj = (8 ) iˆ (8 ) ˆj f) e g) seelhantes aos itens ( e (b). 43) = (5 ) iˆ (3 ) ˆj + ( ) k ˆ = + + = 5 3 6,6 44) ˆ = 5ˆ 6 ˆ i j + k, ˆ ˆ ˆ = i + 6 j + k = = ( 5) iˆ + (6 + 6) ˆj + ( ) kˆ = ( 7 ) iˆ + ( ) ˆj b) ao plano 45) ˆ = 5ˆ 6 ˆ i j + k, ˆ ˆ ˆ = i + 8 j k, t = s ( 5) + (8 + 6) + ( ) (,7ˆ, 4 ˆ, 4 ˆ = = = = i + j k) / s t t 46) = 3tiˆ 4t ˆj + kˆ d = = ( 3iˆ 8 tj ˆ) / s b) t = s = 3iˆ 8 ˆj = (3iˆ 6 ˆj ) / s c) = = 6, 8 / s v θ 6 d) tgθ = θ = 79,4 3 47) = iˆ + 4t ˆj + tkˆ d = = (8 tj ˆ + kˆ ) / s d b) a = = (8 ˆj ) / s

14 48) ˆ ˆ ˆ = 4i j + 3k, t = 4s, ˆ ˆ ˆ = i j + 5k ˆ ˆ ˆ ˆ ˆ ( 4) i + ( + ) j + (5 3) k 6i + j a (,5 ˆ,5 ˆ = = = = a = i + k) / s t t b) a =,5 +,5 =,58 / s,5 tgθ = θ = 8,4 α = 6,6,5 θ α ) = (t 5 t) iˆ + (6 7 t ) ˆj, t = s 3 4 = ( 5 ) iˆ + (6 7 ) ˆj = (6iˆ 6 ˆj ) d 3 3 b) = = (6t 5) iˆ 8 t ˆj = (6 5) iˆ 8 ˆj = (9iˆ 4 ˆj ) / s d c) a = = tiˆ 84t ˆj = iˆ 84 ˆj = (4iˆ 336 ˆj ) / s c) É a esa da velocidade paa t = s 4 tgθ = θ = 85,5 Gáfico 9 v θ 5) Na vetical, teos que: c =, =, 9 =, 9, = 9,8 = + =,9 =, 6 t gt t t s b) Na hoizontal, teos que: =, = 3, a =, = = + t 3 =, 6 = 483,87 / s o 5) Na vetical, teos que: =, =,, = 9,8 = + =, =,49 t gt t t s b) Na hoizontal, teos que: =, =, 5, a =, = = + t,5 =, 49 = 3, / s o

15 5 5) = 6 K / h = 44, 7 / s constante =, = 9, 5 = + t 9,5 = 44,7 t t =, 6s o b) Coo a velocidade e é constante, o tepo seá o eso t =,6s c) Na pieia etade, teos que: = 9,8 9,8 = + t gt = t = (,6) =,7 d) Na segunda etade, teos que: = gt = 9,8,6 =, / s 9,8 = + t gt =,, 6 (, 6) =,64 e) No oviento vetical, te aceleação. = /, =, = 53) s = cos 4 = cos 4 = 5,3 / s = sen4 = sen4 =,85 / s = + t = 5, 3, = 6,85 9,8 b) = + t gt =,85, (,) = 8, c) e (d) basta substitui o tepo t =,8s, nas equações anteioes 54) = 46 / s Cálculo do ângulo de tio θ.na hoizontal, teos que: =, = 4 5, 7 = + cosθt 45, 7 = 46 cosθ t (equação ) Na vetical teos que: = = 9,8 = + senθt gt = 46 senθt t (equação ) isola o tepo na equação e substitui na equação

16 6 46senθ 45,7 4,9 45,7 senθ =,48 = 46cosθ 46.cosθ.45,7 cosθ cos θ,48 45,7senθ = cosθ,48 sen θ.cosθ = 45,7,48 sen ( θ) = 45,7 θ =,º θ =,6º h tgθ = h = 45,7. tg(,6)º 45,7 h =,48 55) Consideando =, a = senθ = senθ gt = senθ gt t = g = + senθ t gt senθ g sen θ a = senθ g g ( ) a = sen θ sen θ = sen θ = senθ g g g g a 56) = 5 / s Na hoizontal, teos que: a =, =, =, = cos 4 = 5 co s 4 = 9, 5 / s = + t = 9,5 t t =,5s o Na vetical, teos que: =, = s e n 4 = 5 s e n 4 = 6, 7 / s 9,8 = + t gt = 6, 7,5 (,5) b) = = 9,5 / s = gt = 6, 7 9,8,5 = 4,8 / s

17 7 c) Não, é positivo a bola ainda sobe. 57) = 7, 6iˆ + 6,ˆj de B até C, teos que: a =, = 6, / s c b 37, c = b g = (6,) 9,8 = =,898 9,8 a = + = 9,+,898 =,898 b b) Cálculo do tepo de queda (C até D) = =, = =, = = D c c 9,8 = + t gt = t t =,5s o tepo de subida é igual ao tepo de descida ' t t 3 s, 7,6 / s = = = constante = + t = 7,6 3,8 o c) = 7, 6 / s = gt = 9,8,5 = 4,7 / s D c = + = (7, 6) + ( 4, 7) = 6, 55 / s 4,7 tgθ = θ = 63 7,6 v θ 58) =, 5 / s, = = + t gt = 4,9t = + t =,5t o isolando t, e e substituindo e, teos que: =, p / =,3 = 8,74 não bateu p / = 4,6 = 34,94 não bateu p / = 6,9 = 78,63 já bateu 3 3 Coo 3 > 3 a bola bate no teceio degau

18 8 59) Coo as velocidades estão na esa dieção, basta considea os sentidos. B A = 4 K / h, A M = 9 K / h = + = 4 9 = 5 K / h Rio acia BM BA AM BM b) CB = 6 K / h = + = = K / h Rio abaio CM CB BM CM 6) (8 / ) ˆ, (5 / ) ˆ (3,89 / ) ˆ NS = s j SM = K h i = s i = + = (8 / s) ˆj (3,89 / s) iˆ NM NS SM 3,89 tgθ = θ = 6 8 NM SM NS 6) = + (6 k / h) ˆj = (8 k / h) iˆ = (8 K / h) iˆ (6 K / h) ˆj MS MP PS MP MP 8 = = 53 6 b) tgθ θ 8 tgθ = θ = 53 (ângulo de visad 6 c) Coo a aceleação é nula As velocidades são constantes ( não uda,8 t,8 8t 8(, t) 8 tgθ = = = = = θ = 53 ( b) não uda ' PS ', 6 MS t, 6 6t 6(, t) 6

a) Qual é a energia potencial gravitacional, em relação à superfície da água, de um piloto de 60kg, quando elevado a 10 metros de altura?

a) Qual é a energia potencial gravitacional, em relação à superfície da água, de um piloto de 60kg, quando elevado a 10 metros de altura? 1. (Espcex (Aan) 17) U cubo de assa 4 kg está inicialente e epouso sobe u plano hoizontal se atito. Duante 3 s, aplica-se sobe o cubo ua foça constante, hoizontal e pependicula no cento de ua de suas faces,

Leia mais

Exercício 1 Escreva as coordenadas cartesianas de cada um dos pontos indicados na figura abaixo. Exemplo: A=(1,1). y (cm)

Exercício 1 Escreva as coordenadas cartesianas de cada um dos pontos indicados na figura abaixo. Exemplo: A=(1,1). y (cm) INTRODUÇÃO À FÍSICA tuma MAN / pofa Mata F Baoso EXERCÍCIOS Eecício Esceva as coodenadas catesianas de cada um dos pontos indicados na figua abaio Eemplo: A=(,) (cm) F E B A - O (cm) - D C - - Eecício

Leia mais

DINÂMICA ATRITO E PLANO INCLINADO

DINÂMICA ATRITO E PLANO INCLINADO AULA 06 DINÂMICA ATRITO E LANO INCLINADO 1- INTRODUÇÃO Quando nós temos, po exemplo, duas supefícies em contato em que há a popensão de uma desliza sobe a outa, podemos obseva aí, a apaição de foças tangentes

Leia mais

MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE

MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE I-MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE II-MOVIMENTO DE QUEDA COM RESISTÊNCIA DO AR MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE 1 1 QUEDA LIVRE A queda live é um movimento de um copo que, patindo do epouso, apenas está sujeito à inteacção

Leia mais

setor 1214 Aulas 35 e 36

setor 1214 Aulas 35 e 36 seto 114 1140509 1140509-SP Aulas 35 e 36 LANÇAMENTO HORIZONTAL E OBLÍQUO O oviento de u copo lançado hoizontalente no vácuo (ou e cicunstâncias tais que a esistência do a possa se despezada) é a coposição

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departaento de Estudos Básicos e Instruentais 5 Oscilações Física II Ferreira 1 ÍNDICE 1. Alguas Oscilações;. Moviento Harônico Siples (MHS); 3. Pendulo Siples;

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201)

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201) 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Depatamento de Matemática e Física Coodenado da Áea de Física Disciplina: Física Geal e Expeimental I (MAF 221) LISTA 1 CAPÍTULO 2 1. (Pegunta 1) A Fig. 1 mosta quato tajetóias

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos 1 P.380 Dados: t s; F 0 N Intensidade: I F t 0 I 40 N s Direção: a esa da força ertical Sentido: o eso da força de baixo para cia P.381 Dados: 0,6 kg; g 10 /s ; t 3 s P g 0,6 10 P 6 N Intensidade do ipulso:

Leia mais

TRABALHO E POTÊNCIA. O trabalho pode ser positivo ou motor, quando o corpo está recebendo energia através da ação da força.

TRABALHO E POTÊNCIA. O trabalho pode ser positivo ou motor, quando o corpo está recebendo energia através da ação da força. AULA 08 TRABALHO E POTÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Uma foça ealiza tabalho quando ela tansfee enegia de um copo paa outo e quando tansfoma uma modalidade de enegia em outa. 2- TRABALHO DE UMA FORÇA CONSTANTE. Um

Leia mais

MECÂNICA. Dinâmica Atrito e plano inclinado AULA 6 1- INTRODUÇÃO

MECÂNICA. Dinâmica Atrito e plano inclinado AULA 6 1- INTRODUÇÃO AULA 6 MECÂNICA Dinâmica Atito e plano inclinado 1- INTRODUÇÃO Quando nós temos, po exemplo, duas supefícies em contato em que há a popensão de uma desliza sobe a outa, podemos obseva aí, a apaição de

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos 1 T.318 Resposta: b y E ec.(o) E ec.() 0 0 gh 0 gh gh h O 0 x Q 0 Q gh T.319 Resposta: e De E C, e: E C. Portanto: E C Q Sendo E C 0 J e Q 0 N s, resulta: 0 ( 0) 10 kg De Q, teos: 0 10,0 /s T.30 Resposta:

Leia mais

r r r r r S 2 O vetor deslocamento(vetor diferença) é aquele que mostra o módulo, a direção e o sentido do menor deslocamento entre duas posições.

r r r r r S 2 O vetor deslocamento(vetor diferença) é aquele que mostra o módulo, a direção e o sentido do menor deslocamento entre duas posições. d d A Cinemática Escala estuda as gandezas: Posição, Deslocamento, Velocidade Média, Velocidade Instantânea, Aceleação Média e Instantânea, dando a elas um tatamento apenas numéico, escala. A Cinemática

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO AULA 10 IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO 1- INTRODUÇÃO Nesta aula estudaemos Impulso de uma foça e a Quantidade de Movimento de uma patícula. Veemos que estas gandezas são vetoiais e que possuem a mesma

Leia mais

Universidade de Évora Departamento de Física Ficha de exercícios para Física I (Biologia)

Universidade de Évora Departamento de Física Ficha de exercícios para Física I (Biologia) Univesidade de Évoa Depatamento de Física Ficha de eecícios paa Física I (Biologia) 4- SISTEMA DE PARTÍCULAS E DINÂMICA DE ROTAÇÃO A- Sistema de patículas 1. O objecto epesentado na figua 1 é feito de

Leia mais

Física e Química 11.º Ano Proposta de Resolução da Ficha N.º 3 Forças e Movimentos

Física e Química 11.º Ano Proposta de Resolução da Ficha N.º 3 Forças e Movimentos ísica e Química 11.º Ano Poposta de Resolução da icha N.º 3 oças e ovimentos 1. Dados: v = const a = 15,0 N R N = 6,0 N Gupo I Estando o copo em equilíbio R = 0 N ou seja: a = sen e R N = cos explicitando

Leia mais

TÓPICOS DE FÍSICA BÁSICA 2006/1 Turma IFA PRIMEIRA PROVA SOLUÇÃO

TÓPICOS DE FÍSICA BÁSICA 2006/1 Turma IFA PRIMEIRA PROVA SOLUÇÃO Tópicos de Física ásica 006/1 pof. Mata SEMN 8 PRIMEIR PROV - SOLUÇÃO NOME: TÓPIOS E FÍSI ÁSI 006/1 Tuma IF PRIMEIR PROV SOLUÇÃO QUESTÃO 1 (alo: 1,5 pontos) Numa epeiência, foam deteminados os aloes da

Leia mais

do sistema. A aceleração do centro de massa é dada pela razão entre a resultante das forças externas ao sistema e a massa total do sistema:

do sistema. A aceleração do centro de massa é dada pela razão entre a resultante das forças externas ao sistema e a massa total do sistema: Colisões.F.B, 004 Física 004/ tua IFA AULA 3 Objetio: discuti a obseação de colisões no efeencial do cento de assa Assuntos:a passage da descição no efeencial do laboatóio paa o efeencial do cento de assa;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Segunda Chamada (SC) 1/8/2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Segunda Chamada (SC) 1/8/2016 UNIVESIDADE FEDEAL DO IO DE JANEIO INSTITUTO DE FÍSICA Fisica I 2016/1 Segunda Chaada (SC) 1/8/2016 VESÃO: SC As questões discursivas deve ser justificadas! Seja claro e organizado. Múltipla escolha (6

Leia mais

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas.

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas. NOME: Nº Ensino Médio TURMA: Data: / DISCIPLINA: Física PROF. : Glênon Duta ASSUNTO: Gandezas Vetoiais e Gandezas Escalaes Em nossas aulas anteioes vimos que gandeza é tudo aquilo que pode se medido. As

Leia mais

Docente Marília Silva Soares Ano letivo 2012/2013 1

Docente Marília Silva Soares Ano letivo 2012/2013 1 Ciências Físico-quíicas - 9º ano de Unidade 1 EM TRÂNSITO 1 Movientos e suas características 1.1. O que é o oviento 1.2. Grandezas físicas características do oviento 1.3. Tipos de Moviento COMPETÊNCIAS

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II 014.2

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II 014.2 CÁLCULO IFERENCIAL E INTEGRAL II Obsevações: ) Todos os eecícios popostos devem se esolvidos e entegue no dia de feveeio de 5 Integais uplas Integais uplas Seja z f( uma função definida em uma egião do

Leia mais

Aula 3 Escalares e Vetores

Aula 3 Escalares e Vetores Aula 3 Escalares e Vetores Física Geral I F - 128 2º semestre, 2012 QC1: Vetor vs Escalar Quais das quantidades abaixo não podem ser completamente descritas por um escalar? A. massa B. volume C. área D.

Leia mais

; b) ; c) Observação: Desconsidere o gabarito dado para esta questão no Caderno de Exercícios e considere a resposta acima.

; b) ; c) Observação: Desconsidere o gabarito dado para esta questão no Caderno de Exercícios e considere a resposta acima. 01 a) A = (a ij ) 2x2, com a ij = i + j A = a 11 a12 a21 a22 a 11 = 1 + 1 = 2 a 12 = 1 + 2 = 3 a 21 = 2 + 1 = 3 a 22 = 2 + 2 = 4 Assim: A = 2 3 3 4 b) A = (a ij ) 2x2, com a ij = i j A = a 11 a12 a21 a22

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Escola de Engenharia. 1 Cinemática 2 Dinâmica 3 Estática

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Escola de Engenharia. 1 Cinemática 2 Dinâmica 3 Estática UNIVERSIDDE PRESITERIN MKENZIE Escola de Engenhaia 1 inemática 2 Dinâmica 3 Estática 1ºs/2006 1) Uma patícula movimenta-se, pecoendo uma tajetóia etilínea, duante 30 min com uma velocidade de 80 km/h.

Leia mais

LEIS DE NEWTON APLICADAS AO MOVIMENTO DE FOGUETES

LEIS DE NEWTON APLICADAS AO MOVIMENTO DE FOGUETES LEIS DE NEWTON APLICADAS AO OVIENTO DE OGUETES 1ª Lei de Newton U copo e oviento continuaá e oviento, co velocidade constante, a não se que actue ua foça, ou u sistea de foças, de esultante não-nula, que

Leia mais

XForça. Um corpo, sobre o qual não age nenhuma força, tende a manter seu estado de movimento ou de repouso. Leis de Newton. Princípio da Inércia

XForça. Um corpo, sobre o qual não age nenhuma força, tende a manter seu estado de movimento ou de repouso. Leis de Newton. Princípio da Inércia Física Aistotélica of. Roseli Constantino Schwez constantino@utfp.edu.b Aistóteles: Um copo só enta em movimento ou pemanece em movimento se houve alguma foça atuando sobe ele. Aistóteles (384 a.c. - 3

Leia mais

TICA MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA. Nona Edição CAPÍTULO. Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr.

TICA MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA. Nona Edição CAPÍTULO. Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr. CAPÍTULO 2 Está MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA TICA Fedinand P. Bee E. Russell Johnston, J. Notas de Aula: J. Walt Ole Teas Tech Univesit das Patículas Conteúdo Intodução Resultante de Duas

Leia mais

Força Magnética ( ) Gabarito: Página 1. F = -k x F = -k (C 0) F = -5 C. II. F tem o mesmo sentido do vetor campo

Força Magnética ( ) Gabarito:  Página 1. F = -k x F = -k (C 0) F = -5 C. II. F tem o mesmo sentido do vetor campo orça Magnética -k x -k (C ) -5 C II Gabarito: O gráfico registra essas forças, e função do deslocaento: Resposta da questão : Coo as partículas estão etrizadas positivaente, a força étrica te o eso sentido

Leia mais

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS VETORES GRANDEZAS VETORIAIS Gandezas físicas que não ficam totalmente deteminadas com um valo e uma unidade são denominadas gandezas vetoiais. As gandezas que ficam totalmente expessas po um valo e uma

Leia mais

Dinâmica do Movimento Circular

Dinâmica do Movimento Circular Dinâmica do Movimento Cicula Gabaito: Resposta da questão 1: [E] A fita F 1 impede que a gaota da cicunfeência extena saia pela tangente, enquanto que a fita F impede que as duas gaotas saiam pela tangente.

Leia mais

Cap.2 - Mecanica do Sistema Solar II: Leis de Kepler do movimento planetário

Cap.2 - Mecanica do Sistema Solar II: Leis de Kepler do movimento planetário Cap. - Mecanica do Sistea Sola II: Leis de Keple do oviento planetáio Johannes Keple Tycho Bahe Mateático e Astônoo Aleão 57-630 Astônoo Dinaaquês 546-60 = Cicunfeência achatada = Elipse Lei das Elipses

Leia mais

MECÂNICA. F cp. F t. Dinâmica Força resultante e suas componentes AULA 7 1- FORÇA RESULTANTE

MECÂNICA. F cp. F t. Dinâmica Força resultante e suas componentes AULA 7 1- FORÇA RESULTANTE AULA 7 MECÂICA Dinâmica oça esultante e suas componentes 1- ORÇA RESULTATE oça esultante é o somatóio vetoial de todas as foças que atuam em um copo É impotante lemba que a foça esultante não é mais uma

Leia mais

x = Acos (Equação da posição) v = Asen (Equação da velocidade) a = Acos (Equação da aceleração)

x = Acos (Equação da posição) v = Asen (Equação da velocidade) a = Acos (Equação da aceleração) Essa aula trata de ovientos oscilatórios harônicos siples (MHS): Pense nua oscilação. Ida e volta. Estudando esse oviento, os cientistas encontrara equações que descreve o dito oviento harônico siples

Leia mais

MOVIMENTO EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES. O que um jogador de beisebol faz para saber onde deve estar para apanhar uma bola? CAPÍTULO 4

MOVIMENTO EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES. O que um jogador de beisebol faz para saber onde deve estar para apanhar uma bola? CAPÍTULO 4 MOVIMENTO EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES O que um jogador de beisebol faz para saber onde deve estar para apanhar uma bola? CAPÍTULO 4 Posição, velocidade e aceleração: Vetores Posição e velocidade: O vetor

Leia mais

FATO Medicina. Lista Complementar Física ( Prof.º Elizeu)

FATO Medicina. Lista Complementar Física ( Prof.º Elizeu) FATO Medicina Lista Copleentar Física ( Prof.º Elizeu) 0. (Uerj 07) Pela seção de u condutor etálico subetido a ua tensão elétrica, atravessa 4,0 x 0 8 elétrons e 0 segundos. A intensidade édia da corrente

Leia mais

1ªAula do cap. 04. Movimento em 2 Dimensões 2-D

1ªAula do cap. 04. Movimento em 2 Dimensões 2-D 1ªAula do cap. 4 Moimento em Dimensões -D Introdução ao moimento em -D. Vetor Posição e Deslocamento, Velocidade e aceleração, Princípio da Independência dos Moimentos, Moimento em -D Lançamento Horizontal,

Leia mais

Matemática B Extensivo V. 6

Matemática B Extensivo V. 6 Matemática Etensivo V. 6 Eecícios ) Seja: + e s a eta pependicula a : omo s, temos: m s m s Logo, a equação da eta s é dada po: m ( ) ( ) ( ) + + + ) + + Temos ainda: m + + m m omo as etas acima são paalelas,

Leia mais

Prof. A.F.Guimarães Questões Dinâmica 4 Impulso e Quantidade de Movimento Questão 1

Prof. A.F.Guimarães Questões Dinâmica 4 Impulso e Quantidade de Movimento Questão 1 Prof..F.Guiarães Questões Dinâica 4 Ipulso e Quantidade de Moiento Questão (FUVST) Ua pessoa dá u piparote (ipulso) e ua oeda de 6 g que se encontra sobre ua esa horizontal. oeda desliza,4 e,5 s, e para.

Leia mais

TRIGONOMETRIA. AO VIVO MATEMÁTICA Professor Haroldo Filho 02 de fevereiro, AS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS DO ÂNGULO AGUDO OA OA OA OA OA OA

TRIGONOMETRIA. AO VIVO MATEMÁTICA Professor Haroldo Filho 02 de fevereiro, AS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS DO ÂNGULO AGUDO OA OA OA OA OA OA TRIGONOMETRIA 1. AS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS DO ÂNGULO AGUDO Considere um ângulo agudo = AÔB, e tracemos a partir dos pontos A, A 1, A etc. da semirreta AO, perpendiculares à semirreta OB. AB A1B1 AB OAB

Leia mais

Segunda lista de exercícios

Segunda lista de exercícios Segunda lista de exercícios 3 de abril de 2017 Docente Responsável : Prof. Dr. Antônio C. Roque Monitor: Renan Oliveira Shioura Os exercícios desta lista deve ser resolvidos e Matlab. Para a criação dos

Leia mais

TD DE FÍSICA 1 Solução das Questões de Cinemática (MRU, MRUV, Queda livre) PROF.: João Vitor

TD DE FÍSICA 1 Solução das Questões de Cinemática (MRU, MRUV, Queda livre) PROF.: João Vitor Soluções Resposta da questão 1: Usando a equação de Torricelli co a = g = 10 /s e ΔS h 0. v v0 g h v 0 10 0 400 v 0 /s. Resposta da questão : a) Dados: d 1 = 1 k = 1.000 ; v = 7, k/h = /s; Δ t in 10s.

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA II PROF. MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA II PROF. MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III ª SÉRIE MATEMÁTICA II PROF. MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO www.professorwaltertadeu.mat.br ) Uma escada de m de comprimento está apoiada no chão

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV RJ_MATEMATICA_9_0_08 FGV-RJ A dministação Economia Dieito C Administação 26 26 das 200 vagas da GV têm ficado paa os alunos do CPV CPV O cusinho que mais apova na GV Ciências Sociais ociais GV CPV. ociais

Leia mais

Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para Engenheiros, 5ª edição revisada, Ferdinand P. Beer, E. Russell Johnston, Jr.

Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para Engenheiros, 5ª edição revisada, Ferdinand P. Beer, E. Russell Johnston, Jr. UC - Goiás Cuso: Engenhaia Civil Disciplina: ecânica Vetoial Copo Docente: Geisa ies lano de Aula Leitua obigatóia ecânica Vetoial paa Engenheios, 5ª edição evisada, edinand. Bee, E. Russell Johnston,

Leia mais

Física - I. Aula 11 Gravitação

Física - I. Aula 11 Gravitação Física - I º Seeste de 04 Instituto de Física- Univesidade de São Paulo Aula Gavitação Pofesso: Valdi Guiaães E-ail: valdig@if.usp.b Fone: 09.704 Suponha que a ea não tivesse atosfea e ua bola fosse atiada

Leia mais

MOVIMENTOS CURVILÍNEOS LANÇAMENTO HORIZONTAL COM RESISTÊNCIA DO AR DESPREZÁVEL

MOVIMENTOS CURVILÍNEOS LANÇAMENTO HORIZONTAL COM RESISTÊNCIA DO AR DESPREZÁVEL MOVIMENOS CURVILÍNEOS LANÇAMENO HORIZONAL COM RESISÊNCIA DO AR DESPREZÁVEL ata-se de um moimento composto po dois moimentos. Um deles obsea-se no plano hoizontal (componente hoizontal) e o outo no plano

Leia mais

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I FGE7 Eleticidade e Magnetismo I Lista de execícios 5 9 1. Quando a velocidade de um eléton é v = (,x1 6 m/s)i + (3,x1 6 m/s)j, ele sofe ação de um campo magnético B = (,3T) i (,15T) j.(a) Qual é a foça

Leia mais

Carga Elétrica e Campo Elétrico

Carga Elétrica e Campo Elétrico Aula 1_ Caga lética e Campo lético Física Geal e peimental III Pof. Cláudio Gaça Capítulo 1 Pincípios fundamentais da letostática 1. Consevação da caga elética. Quantização da caga elética 3. Lei de Coulomb

Leia mais

Taxas Trigonométricas

Taxas Trigonométricas Taas Trigonométricas Obs.: Com é mais difícil (confere a resolução). 1) A intensidade da componente F é p% da intensidade da força F. Então, p vale (a) sen(α) (b) 1sen(α) (c) cos(α) (d) 1cos(α) (e) cos(α)/1

Leia mais

a) Calcular a energia cinética com que a moeda chega ao piso.

a) Calcular a energia cinética com que a moeda chega ao piso. Dados: Considere, quando necessário: g = 10 /s ; sen 30 = cos 60 = 1/; cos 30 = sen 60 = 3/; calor específico da água = 1 cal/g C. 1) Ua pessoa deixa ua oeda cair, e, então, ouve-se o barulho do choque

Leia mais

CAPÍTULO 7. Seja um corpo rígido C, de massa m e um elemento de massa dm num ponto qualquer deste corpo. v P

CAPÍTULO 7. Seja um corpo rígido C, de massa m e um elemento de massa dm num ponto qualquer deste corpo. v P 63 APÍTLO 7 DINÂMIA DO MOVIMENTO PLANO DE ORPOS RÍGIDOS - TRABALHO E ENERGIA Neste capítulo será analisada a lei de Newton apresentada na fora de ua integral sobre o deslocaento. Esta fora se baseia nos

Leia mais

PUC-RIO CB-CTC. P3 DE ELETROMAGNETISMO quarta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma:

PUC-RIO CB-CTC. P3 DE ELETROMAGNETISMO quarta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: PUC-RIO CB-CTC P3 DE ELETROMAGNETISMO 7..0 quarta-feira Noe : Assinatura: Matrícula: Tura: NÃO SERÃO ACEITAS RESPOSTAS SEM JUSTIFICATIVAS E CÁLCULOS EXPLÍCITOS. Não é peritido destacar folhas da prova

Leia mais

Dinâmica de um Sistema de Partículas 4 - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME

Dinâmica de um Sistema de Partículas 4 - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME Dinâmica de um Sistema de atículas Da. Diana Andade, Da. Angela Kabbe, D. Caius Lucius & D. Ségio illing 4 MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME Se um onto se moe numa cicunfeência, seu moimento é cicula, odendo

Leia mais

Capítulo 15 Oscilações

Capítulo 15 Oscilações Capítulo 15 Oscilações Neste capítulo vaos abordar os seguintes tópicos: Velocidade de deslocaento e aceleração de u oscilador harônico siples Energia de u oscilador harônico siples Exeplos de osciladores

Leia mais

Prof. A.F.Guimarães Questões Dinâmica 1 As Leis de Newton

Prof. A.F.Guimarães Questões Dinâmica 1 As Leis de Newton uestão 1 Prof FGuiarães uestões Dinâica 1 s Leis de ewton (I) U físico acha se encerrado dentro de ua caixa hereticaente fechada, que é transportada para algu ponto do espaço cósico, se que ele saiba Então,

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico ESAF/ANA/2009 da Pova de Raciocínio Lógico (Refeência: Pova Objetiva 1 comum a todos os cagos). Opus Pi. Rio de Janeio, maço de 2009. Opus Pi. opuspi@ymail.com 1 21 Um io pincipal tem, ao passa em deteminado

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201)

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201) 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 221) LISTA 1 CAPÍTULO 2 1. (Pergunta 1) A Fig. 1 mostra

Leia mais

Análise Vetorial na Engenharia Elétrica

Análise Vetorial na Engenharia Elétrica nálise Vetorial na Engenharia Elétrica ula 13/03/09 1.3 - Medida algébrica de um segmento Segmento: um segmento é determinado por um par ordenado d de pontos. figura 1.8 apresenta um segmento Figura 1.8

Leia mais

FEP2195 Física Geral e Experimental para a Engenharia I Gabarito da prova 2 14/05/2009

FEP2195 Física Geral e Experimental para a Engenharia I Gabarito da prova 2 14/05/2009 FP95 Físia Geal e peiental paa a ngenhaia I Gabaito da pova 4/05/009 Ua bola de basquete (de assa M e ua bola de tênis (de assa são abandonadas do epouso a ua altua h do solo, onfoe ostado na figua. Os

Leia mais

Cap014 - Campo magnético gerado por corrente elétrica

Cap014 - Campo magnético gerado por corrente elétrica ap014 - ampo magnético geado po coente elética 14.1 NTRODUÇÃO S.J.Toise Até agoa os fenômenos eléticos e magnéticos foam apesentados como fatos isolados. Veemos a pati de agoa que os mesmos fazem pate

Leia mais

Lei de Ampère. (corrente I ) Foi visto: carga elétrica com v pode sentir força magnética se existir B e se B não é // a v

Lei de Ampère. (corrente I ) Foi visto: carga elétrica com v pode sentir força magnética se existir B e se B não é // a v Lei de Ampèe Foi visto: caga elética com v pode senti foça magnética se existi B e se B não é // a v F q v B m campos magnéticos B são geados po cagas em movimento (coente ) Agoa: esultados qualitativos

Leia mais

3. Estática dos Corpos Rígidos. Sistemas de vectores

3. Estática dos Corpos Rígidos. Sistemas de vectores Secção de Mecânica Estutual e Estutuas Depatamento de Engenhaia Civil e Aquitectua ESTÁTICA Aquitectua 2006/07 3. Estática dos Copos ígidos. Sistemas de vectoes 3.1 Genealidades Conceito de Copo ígido

Leia mais

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos 07 4.4 Mais da geometia analítica de etas e planos Equações da eta na foma simética Lembemos que uma eta, no planos casos acima, a foma simética é um caso paticula da equação na eta na foma geal ou no

Leia mais

ANÁLISE DO LUGAR DAS RAÍZES

ANÁLISE DO LUGAR DAS RAÍZES VII- &$3Ì78/ 9,, ANÁLISE DO LUGAR DAS RAÍZES 7.- INTRODUÇÃO O étodo de localização e análise do lugar das raízes é ua fora de se representar graficaente os pólos da função de transferência de u sistea

Leia mais

E = F/q onde E é o campo elétrico, F a força

E = F/q onde E é o campo elétrico, F a força Campo Elético DISCIPLINA: Física NOE: N O : TURA: PROFESSOR: Glênon Duta DATA: Campo elético NOTA: É a egião do espaço em ue uma foça elética pode sugi em uma caga elética. Toda caga elética cia em tono

Leia mais

Matemática: Trigonometria Vestibulares UNICAMP

Matemática: Trigonometria Vestibulares UNICAMP Matemática: Trigonometria Vestibulares 015-011 - UNICAMP 1. (Unicamp 015) A figura abaixo exibe um círculo de raio r que tangencia internamente um setor circular de raio R e ângulo central θ. a) Para θ

Leia mais

1. Mecanica do Sistema Solar (II): Leis de Kepler do movimento planetário

1. Mecanica do Sistema Solar (II): Leis de Kepler do movimento planetário . Mecanica do Sistea Sola (II): Leis de Keple do oviento planetáio Astonoy: A Beginne s Guide to the Univese, E. Chaisson & S. McMillan (Caps. 0 e ) Intoductoy Astonoy & Astophysics, M. Zeilek, S. A. Gegoy

Leia mais

Unidade II 2. Oscilações

Unidade II 2. Oscilações Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIERSIDDE DO ESDO DO RIO GRNDE DO NORE - UERN Pró-Reitoria de Ensino de Graduação PROEG Hoe Page: http://.uern.br

Leia mais

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes Capítulo 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Cap. 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Índice Lei de iot-savat; Cálculo do Campo Poduzido po uma Coente; Foça Ente duas Coentes Paalelas; Lei

Leia mais

TRIÂNGULOS RETÂNGULOS

TRIÂNGULOS RETÂNGULOS . (Unesp 05) A figura representa a vista superior do tampo plano e horizontal de uma mesa de bilhar retangular ABCD, com caçapas em A, B, C e D. O ponto P, localizado em AB, representa a posição de uma

Leia mais

Polícia Rodoviária Federal. Exercícios de Física Aula 1 de 5. Prof. Dirceu Pereira UNIDADE 1 - NOÇÕES SOBRE VETORES. 1) Não são grandezas vetoriais:

Polícia Rodoviária Federal. Exercícios de Física Aula 1 de 5. Prof. Dirceu Pereira UNIDADE 1 - NOÇÕES SOBRE VETORES. 1) Não são grandezas vetoriais: UNIDADE 1 - NOÇÕES SOBRE VETORES 1) Não são gandezas vetoiais: a) tempo, deslocamento e foça. b) foça, velocidade e aceleação. c) tempo, tempeatua e volume. d) tempeatua, velocidade e volume. ) (Unitau-SP)

Leia mais

Arco Duplo. Se a área do triângulo T 1 é o triplo da área do triângulo T 2, então o valor de cosθ é igual a. a) 1. b) 1. d) 1.

Arco Duplo. Se a área do triângulo T 1 é o triplo da área do triângulo T 2, então o valor de cosθ é igual a. a) 1. b) 1. d) 1. Arco Duplo. (Insper 0) Movendo as hastes de um compasso, ambas de comprimento, é possível determinar diferentes triângulos, como os dois representados a seguir, fora de escala. Se a área do triângulo T

Leia mais

tg30 = = 2 + x 3 3x = x 3 3 Tem-se que AB C = 90, AD B = 90 e DA B = 60 implicam em DB C = 60. Assim, do triângulo retângulo BCD, vem

tg30 = = 2 + x 3 3x = x 3 3 Tem-se que AB C = 90, AD B = 90 e DA B = 60 implicam em DB C = 60. Assim, do triângulo retângulo BCD, vem Resposta da questão : [C] 5 senα α 0 0 7,05 senβ 0,705 α 45 0 Portanto, AO B 0 + 45 75. Resposta da questão : [B] x x Tem-se que sen0 x 5 m. 0 0 Portanto, a resposta é 0 00% 00%. 5 Resposta da questão

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear NOTAS DE AULA Geoetria Analítica e Álgebra Linear Reta e Plano Professor: Lui Fernando Nunes, Dr. Índice Geoetria Analítica e Álgebra Linear ii Estudo da Reta e do Plano... -. A Reta no Espaço... -.. Equação

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CICUITOS ELÉTICOS - CONSIDEE A SEGUINTE ELAÇÃO: 3. LEI DE OHM - QUALQUE POCESSO DE CONVESÃO DE ENEGIA PODE SE ELACIONADO A ESTA EQUAÇÃO. - EM CICUITOS ELÉTICOS : - POTANTO,

Leia mais

APOSTILA. AGA Física da Terra e do Universo 1º semestre de 2014 Profa. Jane Gregorio-Hetem. CAPÍTULO 4 Movimento Circular*

APOSTILA. AGA Física da Terra e do Universo 1º semestre de 2014 Profa. Jane Gregorio-Hetem. CAPÍTULO 4 Movimento Circular* 48 APOSTILA AGA0501 - Física da Tea e do Univeso 1º semeste de 014 Pofa. Jane Gegoio-Hetem CAPÍTULO 4 Movimento Cicula* 4.1 O movimento cicula unifome 4. Mudança paa coodenadas polaes 4.3 Pojeções do movimento

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos oblíquo no ácuo Resoluções dos eercícios propostos 1 gt P.167 a) S. 5 t t s b) t 5 5. m c) gt 1 m/s h. m (5) () 3 m/s P.168 = 4, m/s h = 39, m 4, m d Tempo de queda: h gt 39, 1 Alcance horizontal: t 4,,8

Leia mais

1ª Ficha Global de Física 12º ano

1ª Ficha Global de Física 12º ano 1ª Ficha Global de Física 1º ano Duação: 10 minutos Toleância: não há. Todos os cálculos devem se apesentados de modo clao e sucinto Note: 1º - as figuas não estão desenhadas a escala; º - o enunciado

Leia mais

Física Geral I - F Aula 13 Conservação do Momento Angular e Rolamento. 2 0 semestre, 2010

Física Geral I - F Aula 13 Conservação do Momento Angular e Rolamento. 2 0 semestre, 2010 Físca Geal - F -18 Aula 13 Consevação do Momento Angula e Rolamento 0 semeste, 010 Consevação do momento angula No sstema homem - haltees só há foças ntenas e, potanto: f f z constante ) ( f f Com a apoxmação

Leia mais

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO Capítulo 4 - Cinemática Invesa de Posição 4 CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO 4.1 INTRODUÇÃO No capítulo anteio foi visto como detemina a posição e a oientação do ógão teminal em temos das vaiáveis

Leia mais

IF Eletricidade e Magnetismo I

IF Eletricidade e Magnetismo I IF 437 Eleticidade e Magnetismo I Enegia potencial elética Já tatamos de enegia em divesos aspectos: enegia cinética, gavitacional, enegia potencial elástica e enegia témica. segui vamos adiciona a enegia

Leia mais

Série 3 Movimento uniformemente variado

Série 3 Movimento uniformemente variado Resoluções Segento: Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gaa. Disciplina: Física Caderno de Exercícios 1 Unidade I Cineática Série 3 Moviento uniforeente variado 1. D Substituindo o valor de t = 4 s, na

Leia mais

LANÇAMENTO OBLÍQUO - INTERMEDIÁRIO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

LANÇAMENTO OBLÍQUO - INTERMEDIÁRIO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS LANÇAMENTO OBLÍQUO - INTERMEDIÁRIO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS A Equipe SEI, pensando em você, preparou este artio com exercícios resolvidos sobre lançamento oblíquo. Bons estudos!. (AFA 9) Uma bola de basquete

Leia mais

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I FGE7 Eleticidade e Magnetismo I Lista de execícios 9 1. Uma placa condutoa uadada fina cujo lado mede 5, cm enconta-se no plano xy. Uma caga de 4, 1 8 C é colocada na placa. Enconte (a) a densidade de

Leia mais

Capítulo 16. Ondas 1

Capítulo 16. Ondas 1 Capítulo 6 Ondas Outline Tipo de Ondas Ondas Longitudinais e Transversais Copriento de Onda e Frequência A velocidade de ua Onda Progressiva Energia e Potencia de ua Onda Progressiva A equação de Onda

Leia mais

Física a Lista de Exercícios

Física a Lista de Exercícios ísica - 9 a Lista de Exercícios 1. (Ex. 5 do Cap. 17 - ísica esnic, Halliday e Krane - 5 a Edição) E u areador elétrico a lâina se ove para frente e para trás co u curso de,. O oviento é harônico siples,

Leia mais

Matemática 3 Módulo 3

Matemática 3 Módulo 3 Matemática Módulo COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA 1. Lembrando... Se duas figuras são semelhantes, temos: 1 A = k; 1 = k, em que R 1 e R são medidas lineares A e A 1 e A são as áreas. Círculo I IV. =

Leia mais

PUC-RIO CB-CTC. P4 DE ELETROMAGNETISMO sexta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma:

PUC-RIO CB-CTC. P4 DE ELETROMAGNETISMO sexta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: UC-O CB-CTC 4 DE ELETOMAGNETSMO..09 seta-feia Nome : Assinatua: Matícula: Tuma: NÃO SEÃO ACETAS ESOSTAS SEM JUSTFCATVAS E CÁLCULOS EXLÍCTOS. Não é pemitido destaca folhas da pova Questão Valo Gau evisão

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 32 COLISÕES REVISÃO

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 32 COLISÕES REVISÃO FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 32 COLISÕES REVISÃO Fixação 1) Duas partículas A e B, de assas A = 1,0 kg e B = 2,0 kg, ove-se inicialente sobre a esa reta, coo ilustra a figura, onde estão assinalados os sentidos

Leia mais

Exercícios de dinâmica retilínea

Exercícios de dinâmica retilínea Professor: Ivan Peixoto ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: Exercícios de dinâica retilínea 1. (1987) U extraterrestre faz ua experiência para deterinar g e Marte, co u tipo local de áquina de

Leia mais

Lei de Gauss. Lei de Gauss: outra forma de calcular campos elétricos

Lei de Gauss. Lei de Gauss: outra forma de calcular campos elétricos ... Do que tata a? Até aqui: Lei de Coulomb noteou! : outa foma de calcula campos eléticos fi mais simples quando se tem alta simetia (na vedade, só tem utilidade pática nesses casos!!) fi válida quando

Leia mais

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru Luiz Fancisco da Cuz Depatamento de Matemática Unesp/Bauu EXERCÍCIOS SOBRE CÁLCULO VETOTIL E GEOMETRI NLÍTIC 01) Demonste vetoialmente que o segmento que une os pontos médios dos lados não paalelos de

Leia mais

Física Geral I. 1º semestre /05. Indique na folha de teste o tipo de prova que está a realizar: A, B ou C

Física Geral I. 1º semestre /05. Indique na folha de teste o tipo de prova que está a realizar: A, B ou C Física Geral I 1º seestre - 2004/05 1 TESTE DE AVALIAÇÃO 2668 - ENSINO DE FÍSICA E QUÍMICA 1487 - OPTOMETRIA E OPTOTÉCNIA - FÍSICA APLICADA 8 de Novebro, 2004 Duração: 2 horas + 30 in tolerância Indique

Leia mais

O conhecimento é a nossa propaganda.

O conhecimento é a nossa propaganda. Lista de Exercícios 1 Trigonometria Gabaritos Comentados dos Questionários 01) (UFSCAR 2002) O valor de x, 0 x π/2, tal que 4.(1 sen 2 x).(sec 2 x 1) = 3 é: a) π/2. b) π/3. c) π/4. d) π/6. e) 0. 4.(1 sen

Leia mais

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico O potencial elético Imagine dois objetos eletizados, com cagas de mesmo sinal, inicialmente afastados. Paa apoximá-los, é necessáia a ação de uma foça extena, capaz de vence a epulsão elética ente eles.

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física a Fase. Prova para alunos de 1 o e 2 o anos

Olimpíada Brasileira de Física a Fase. Prova para alunos de 1 o e 2 o anos Olipíada Brasileira de Física 2004 2 a Fase Prova para alunos de 1 o e 2 o anos Leia atentaente as instruções abaixo: 1 Esta prova destina-se exclusivaente a alunos de 1 o e 2 o anos. 2 A prova conté vinte

Leia mais

singular GEOMETRIA ANALÍTICA 2º E.M. Tarde Colégio Técnico Noturno Profª Liana (Lista de exercícios elaborada pelo professor DANRLEY)

singular GEOMETRIA ANALÍTICA 2º E.M. Tarde Colégio Técnico Noturno Profª Liana (Lista de exercícios elaborada pelo professor DANRLEY) 1 singula GEOMETRIA ANALÍTICA 2º E.M. Tade Colégio Técnico Notuno Pofª Liana (Lista de eecícios elaboada pelo pofesso DANRLEY) SISTEMA CARTESIANO ORTOGONAL 2 1) Indique a que quadante petence cada ponto:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação SERVIÇO PÚLICO FEDERL Ministério da Educação Universidade Federal do Rio Grande Universidade berta do rasil dministração acharelado Matemática para Ciências Sociais plicadas I Rodrigo arbosa Soares Curso

Leia mais

Movimento oscilatório forçado

Movimento oscilatório forçado Moviento oscilatório forçado U otor vibra co ua frequência de ω ext 1 rad s 1 e está ontado nua platafora co u aortecedor. O otor te ua assa 5 kg e a ola do aortecedor te ua constante elástica k 1 4 N

Leia mais

MEC2-98/99 ANÁLISE CINEMÁTICA DE MECANISMOS 2.1. Fig 1 - Mecanismo com 2 graus de liberdade

MEC2-98/99 ANÁLISE CINEMÁTICA DE MECANISMOS 2.1. Fig 1 - Mecanismo com 2 graus de liberdade MEC - 98/99 ANÁLISE CINEMÁTICA DE MECANISMOS.1 Problema nº Fig 1 - Mecanismo com graus de liberdade No mecanismo representado na figura, a barra ABE está ligada por uma articulação plana à barra OA e através

Leia mais