MEMÓRIA DESCRITIVA. OBRA: CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS ARQUITECTURA: EPUR - assessorias de urbanismo e arquitectura, Lda 1 - INTRODUÇÄO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIA DESCRITIVA. OBRA: CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS ARQUITECTURA: EPUR - assessorias de urbanismo e arquitectura, Lda 1 - INTRODUÇÄO"

Transcrição

1 MEMÓRIA DESCRITIVA 1 - INTRODUÇÄO O presente estudo refere-se ao conjunto das infra-estruturas eléctricas, constituídas por rede de distribuição em Baixa Tensão e rede de Iluminação Publica, a levar a efeito no CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DE ARCOS DE VALDEVEZ, lugar de Passos, Guilhadeses, Arcos de Valdevez, pela Associação para o Centro de Incubação de Base Tecnológica do Minho. 2 - CONCEPÇÃO DAS INSTALAÇÕES Far-se-á de seguida a descrição da rede de distribuição em baixa tensão e de iluminação pública que garantirá a alimentação das fracções. Adoptou-se rede de distribuição do tipo subterrâneo, sendo a de iluminação pública com características idênticas. 3 - REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA PÁGINA 1/6 No projecto da rede de distribuição procurou-se encontrar uma estrutura que permitisse uma boa exploração englobando os aspectos de continuidade, selectividade e menores correntes de curto-circuito em jogo. Será executada em cabo LSVAV 0.8/12.2 KV a partir do PT instalado pela EDP, com a secção que se encontra nos desenhos, colocados em vala á profundidade de 0.80 m envolvidos por areia fina ou terra cirandada e sinalizada por rede e fita plástica de cor vermelha colocada a 0,20 m dos cabos. Nas travessias serão enfiadas em tubos PVC, 4Kg/cm2, 100 e enterrados a uma profundidade de 1.0 m. Do PT sairão dois cabos para alimentar os armários de distribuição QD1 e QD2. Por sua vez o QD1 alimenta o QD3. Destes armários de distribuição partirão os ramais e chegadas. Embora os ramais não façam parte das infra-estruturas, aconselha-se que a partir dos armários se deixe tubagem até ás entradas dos edifícios. Estes serão em poliéster reforçado com fibra com índice de protecção não inferior a IP 459. No seu interior terá bases triblocos para colocação de fusíveis. Serão instalados sobre plinto de alvenaria a uma cota de 0.20 m. Junto do armário será executada uma terra de protecção/serviço onde será ligado o neutro da rede e todas as massas (D.R. 90/84). A resistência de terra do neutro por quilómetro não devera ser superior a 10 ohm nem a global superior a 5 ohm (art. 155).

2 A ligação aos eléctrodos de terra devera ser executada em cabo de 25mm2. O dimensionamento da rede de distribuição foi baseado nas potências indicadas nos desenhos. 4 - REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA A rede de iluminação pública será executada em cabo LSVAV 4*16 MM2, 0.8/1.2 KV instalado de acordo com o ponto 3 evitando a utilização de um condutor de protecção. As derivações para as lanternas serão executadas nas portinholas das colunas, onde serão colocados os disjuntores em calha DIN, para protecção da alimentação da lâmpada. Os pontos de luz serão constituídos por armaduras ARCUS e ALISIOS ou em alternativa FARIO da SCHERÉDER estabelecidas em colunas serão metálicas com características adiante descritas. Junto de cada coluna será feita a ligação a terra por intermédio de cabo de cobre de 25 mm2 ao eléctrodo de terra. 5 - CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente estudo foi elaborado tendo presente o R.S.R.D/E.E.B.T. (D.R. 90/84). A execução dos trabalhos deverá também ter em conta as já citadas disposições regulamentares, bem como as boas regras de arte aplicáveis. O Técnico Projectista. PÁGINA 2/6

3 CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ARMÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO Os armários de distribuição, terão as seguintes características principais: Índice de protecção mínimo IP 559 (NP 999) Assentamento sobre plinto de alvenaria de tijolo revestido de betonilha de cimento e com altura (acima do pavimento) de 0.20 m Base em ferro fundido, e estrutura inferior em perfilados de aço electromoldados para fixação das braçadeiras dos cabos e das bases dos corta circuitos fusíveis Revestimentos executados em poliéster reforçado com fibras de vidro, cuja marca esteja reconhecida pela D.G.E. em cor a definir pela fiscalização, com rasgos para ventilação, protegidas contra a entrada de insectos e provido de porta com junta vedante, munida de fechadura de modelo utilizado pela EDP. A garantia de continuidade eléctrica entre a porta e o armário propriamente dito deve ser assegurada pela aplicação de uma fita ou tranca de cobre por sua vez ligada ao barramento de protecção / serviço Os armários, previstos para o número de sadias indicadas nos respectivos esquemas de princípio, serão equipadas com bases APC com tamanhos DIN 00 ate 160 A. Os cartuchos fusíveis de APC terão as características de funcionamento gl No interior de cada armário serão afixadas etiquetas em trafolite, com a indicação de todos os circuitos (entradas e saídas) para identificação dos circuitos a que respeitam os aparelhos de protecção e ligação existentes. PÁGINA 3/ Nas ligações dos condutores de alumínio aos barramentos de cobre, alem de ligadores bimetálicos apropriados, serão adoptadas precauções especiais tendentes a evitar a corrosão electroquímica dessas ligações e a assegurar o contacto eléctrico por forma a que a temperatura, em serviço normal não exceda a dos condutores. O barramento será em barra de cobre, dimensionado para as correntes nominais indicadas e intensidades de curto-circuito previsíveis. A protecção das pessoas será assegurada pela ligação a terra (e simultaneamente ao neutro) de todo o invólucro metálico (incluindo portas).

4 Os armários de distribuição terão tamanhos normalizados pela D.G.E TERRAS DE PROTECÇÃO/SERVIÇO Em cada armário de distribuição as terras de serviço e de protecção serão comuns. Para tanto, envolucro e todas as peças não sujeitas a tensão do armário, serão ligadas por aperto mecânico ao barramento do neutro. A partir deste será estabelecida uma linha geral de terra executada em cabo H07VV-R 1G25 mm2 com cerca de 2.0 m estabelecendo a ligação com o eléctrodo de terra; este será constituído por duas varetas de aço cobreado (revestido de pelo menos 0.7 mm) com 2.0 m de comprimento e diâmetro de 15 mm, tipo "AARDING" ou equivalente. No sentido de evitar o aparecimento de tensões de passo perigosas e garantir estabilidade ao longo do tempo, do valor da resistência de terra, as varetas serão enterradas verticalmente no solo a uma profundidade tal que entre a superfície e a parte superior haja uma distancia mínima de 0.80 m, sendo o cabo de ligação isolado, de dupla bainha, coma acima se indicou. A resistência de terra do neutro não devera ser superior a 10 ohm em cada quilómetro ou fracção, ao longo das canalizações principais e ramais, nem a resistência global de terra do neutro ser superior a 5 ohm (Art. 155, do RSRDEEBT) ILUMINAÇÃO PÚBLICA CANALIZAÇÕES Serão executadas em cabo do tipo LSVAV 0.8/1.2 KV, fabricados e ensaiados segundo a norma NP 920, com os isolamentos dos condutores referenciados conforme especifica a NP Os cabos serão para montagem subterrânea, em condições similares as definidas para a rede de distribuição em BT Serão instalados inteiros sem emendas, ou caixas de união ou derivação. todas as derivações da rede serão efectuadas no interior das portinholas das colunas de iluminação publica através da instalação de duas ou três caixas de fim de cabo, com enchimento a resina epóxida, adequada a secção e numero de condutores do cabo de iluminação publica utilizado. PÁGINA 4/6

5 3.2 - COLUNAS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA, e EQUIPAMENTOS A INSTALAR As colunas e equipamentos a fornecer e instalar deverão exibir as seguintes características: 1. Armadura ARCUS 2 da SCHRÉDER estabelecida em coluna com H útil de 4 m, projectada para ventos de 160 km/h, pintada a cor RAL a definir, aparafusada a estribo de aço galvanizado em maciço de betão. Deverá ser instalada com portinholas SCHRÉDER modelo INTERPAK QE-T-A-2, IP 44, Classe II e bornes de acordo DMA C71-590/N. Deverá se equipada com lâmpada SAP 100 W. 2. Armaduras ALISIOS da SCHRÉDER estabelecidas em coluna de 15 m (quatro armaduras em cada coluna) projectada para ventos de 160 km/h, pintada a cor RAL a definir, aparafusada a estribo de aço galvanizado em maciço de betão. Deverá ser instalada com portinholas SCHRÉDER modelo INTERPAK QE-T-A-2, IP 44, Classe II e bornes de acordo DMA C71-590/N. Deverão ser equipadas com lâmpadas SAP 1000 W e possuir sistema motorizado que permita deslocar ao solo as armaduras para acções de manutenção. Em alternativa: 2.1 Armaduras FARIO da SCHRÉDER montada em coroa em alumínio a 360, estabelecida coluna tronco cónica, em aço termolacado de 12 m (quatro armaduras em cada coluna) projectada para ventos de 160 km/h, pintada a cor RAL a definir, aparafusada a estribo de aço galvanizado em maciço de betão. Deverá ser instalada com portinholas SCHRÉDER modelo INTERPAK QE-T-A-2, IP 44, Classe II e bornes de acordo DMA C71-590/N. Deverão ser equipadas com lâmpadas SAP TERRA DE PROTECÇÃO / SERVIÇO Sendo os postes de iluminação metálicos, serão individualmente ligados a terra através de cabo H07VV-R 1G25 mm2 e uma vareta de aço cobreado (revestido de pelo menos 0.7mm) com 2.0 m de comprimento e diâmetro de 15 mm, tipo "AARDING" ou equivalente. O neutro da rede, o condutor de protecção do cabo de alimentação das lanternas e o cabo acima aludido ligarão ao ligador da massa da coluna metálica. PÁGINA 5/6

6 PÁGINA 6/6

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1 VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PROJECTO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA PROJECTO DE EXECUÇÃO ÍNDICE 4-1 LEGISLAÇÃO... 2 4-2 COMPOSIÇÃO DO PROJECTO... 2 4-2.1 PEÇAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAFETYMAX

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAFETYMAX DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2006 de 11 de Setembro. DIRECTIVA DE BAIXA TENSÃO 2006/95/CE - Decreto

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2006 de 11 de Setembro DIRECTIVA DE BAIXA TENSÃO 2006/95/CE - Decreto-lei 6/2008,

Leia mais

Cascais Câmara Municipal

Cascais Câmara Municipal Cascais Câmara Municipal D P E Departamemto De Planeamento Estratégico DORT Divisão de Ordenamento de Território Parceiros: BRISA AUTOESTRADAS DE PORTUGAL S.A. Obs.: Assunto: PLANO DE PORMENOR para a Instalação

Leia mais

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA A instalação colectiva de edifícios deve obedecer ao Regulamento de Segurança de Instalações Colectivas de Edifícios e Entradas, sendo constituída por: Quadro

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 2007-2008 Urbanização Energia NR08 Trabalho Realizado Por: Carlos Manuel Pinto Oliveira, ee04026@fe.up.pt Ricardo Nuno Freitas Neves, ee02035@fe.up.pt Tiago Filipe Ferreira

Leia mais

MUNICÍPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Câmara Municipal

MUNICÍPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Câmara Municipal CLÁUSULAS TÉCNICAS Anexo A Cláusula 1.ª Caracterização do fornecimento 1. O presente concurso refere-se ao fornecimento e instalação de candeeiros de iluminação pública, para aplicação na área urbana de

Leia mais

Conjunto Tripolar de Corte em Carga de Acordo com a DFT-C18-321/N da EDP - Invitécnica

Conjunto Tripolar de Corte em Carga de Acordo com a DFT-C18-321/N da EDP - Invitécnica Catálogo Geral 2017 Conjunto Tripolar de Corte em Carga de Acordo com a DFT-C18-321/N da EDP - Invitécnica CONJUNTO TRIPOLAR DE CORTE EM CARGA (IN=400A) PARA FUSÍVEIS a.p.c. de acordo com a DFT-C18-321/N

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO DA-C13-523/N EV 2007 INSTALAÇÕES AT E T. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de reagrupamento de cabos Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão:

Leia mais

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA Fornecimento e montagem, incluíndo todos os acessórios, de acordo com o Caderno de Encargos e as Peças Desenhadas, de: 1. QUADROS ELÉCTRICOS 1.1 Quadros Eléctricos, incluindo toda a aparelhagem e equipamento

Leia mais

Quadros Eléctricos de Entrada

Quadros Eléctricos de Entrada Quadros Eléctricos de Entrada Quadros Eléctricos de Entrada Entrada de uma instalação Eléctrica Quadro de Entrada Definição, implantação e localização Condições de escolha do Equipamento Em função do aparelho

Leia mais

3. Redes - Aéreas de BT

3. Redes - Aéreas de BT 3. Redes - Aéreas de BT As redes de distribuição de baixa tensão, são constituídas por condutores isolados em feixe (torçadas), do tipo LXS ou XS. O sistema utilizado pela EDA é o sistema sem neutro tensor,

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS

CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS CENTRALIZAÇÃO DE CONTAGENS EM EDIFÍCIOS Regras para a concepção dos quadros ou painéis de contagem Elaboração: DPR Homologação: Edição: 2ª Emissão: Av. Urbano Duarte, 100 3030-215 Coimbra Tel.: 239002000

Leia mais

PORTA DO MEZIO ILUMINAÇÃO EXTERIOR CADERNO DE ENCARGOS

PORTA DO MEZIO ILUMINAÇÃO EXTERIOR CADERNO DE ENCARGOS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS ILUMINAÇÃO EXTERIOR Página: 1 / 9 PORTA DO MEZIO ILUMINAÇÃO EXTERIOR CADERNO DE ENCARGOS 1 / 9 INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS ILUMINAÇÃO EXTERIOR Página: 2 / 9 1. CONDIÇÕES TÉCNICAS GERAIS

Leia mais

CABOS ELECTRICOS TABELA DE PREÇOS MARÇO 2008 COMÉRCIO E INDÚSTRIAS ELECTRICAS, SA

CABOS ELECTRICOS TABELA DE PREÇOS MARÇO 2008 COMÉRCIO E INDÚSTRIAS ELECTRICAS, SA KTE08003AA. As características técnicas podem ser alteradas sem aviso prévio. Todos os preços estão sujeitos ao IVA em vigor. 01/03/2008 CABOS ELECTRICOS TABELA DE PREÇOS MARÇO 2008 Cruz da Pedra, Lt 12/13

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Tecnologias de electrificação Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções

Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções J. Neves dos Santos J. Rui Ferreira M. Costa Matos J. Tomé

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 13 Dimensionamento de Condutores (Critério do Limite de Queda de Tensão) Porto Alegre - 2012 Tópicos Critério do limite de queda

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA

CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA EDIFÍCIO DE ATL Projecto das Instalações Eléctricas e de Telecomunicações EXECUÇÃO Maio de 2007 INDICE 1. Introdução 2. Dados do Projecto 2.1. Regulamentos e bases do projecto

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

NOVIDADES 2013

NOVIDADES 2013 www.quiterios.pt NOVIDADES 2013 NOVIDADES 2013 CAIXA PORTINHOLA P100 S/ EQUIPAMENTO +32450 CX PORTINHOLA P100 VZ N/Q INT 250x375x200 Portinhola P100 vazia e não qualificada. CAIXA PORTINHOLA 2xP100 +32522

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores AT 72,5 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1995 Emissão: EDP

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT V, 50HZ PROJECTO ELÉCTRICO PARA IPEME-QUELIMANE

MEMÓRIA DESCRITIVA E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT V, 50HZ PROJECTO ELÉCTRICO PARA IPEME-QUELIMANE MEMÓRIA DESCRITIVA E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT 400-230V, 50HZ PROJECTO ELÉCTRICO PARA IPEME-QUELIMANE Has Eléctrica Maputo, Junho de 2014 Índice 1. Geral... 3 2. Entrada de Energia...

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. (*) Opcionalmente e sob consulta, a luminária poderá ser executada em aço inox.

MEMÓRIA DESCRITIVA. (*) Opcionalmente e sob consulta, a luminária poderá ser executada em aço inox. a) Descrição BLOCO ÓPTICO SELADO IP66 Luminária de design simples, com particular destaque para a sobriedade das suas linhas rectilíneas conciliando as exigências da iluminação pública viária, um sentido

Leia mais

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES Conetores de derivação do tipo compacto, de perfuração do isolante, para redes subterrâneas de baixa tensão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação:

Leia mais

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares

REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS. Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS DE INSTALAÇÃO DOS DIFERENTES TIPOS DE TUBAGENS Sistemas de Tubagem para Instalações de Água em Edifícios Hospitalares REGRAS GERAIS Cuidados a ter com o transporte e armazenamento de tubagens ou

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção

Leia mais

Condições de montagem

Condições de montagem Condições de montagem para o SUNNY CENTRAL 350 Conteúdo Este documento descreve as dimensões e as distâncias mínimas a respeitar, os volumes de entrada e de evacuação de ar necessários para um funcionamento

Leia mais

Uma nova geração de armários de distribuição de energia construidos segundo os padrões internacionais mais elevados. Grande versatilidade adequados pa

Uma nova geração de armários de distribuição de energia construidos segundo os padrões internacionais mais elevados. Grande versatilidade adequados pa ORLINE Série 2000 DIN 850, 1100 e 1250 mm altura. Armários em poliéster reforçado a fibra de vidro, para distribuição eléctrica de baixa tensão com duplo isolamento para exterior REPRESENTAÇÕES E EQUIPAMENTOS,

Leia mais

Índice. Página 1 de 10

Índice. Página 1 de 10 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Características da instalação...2 4 - Classificação da instalação...2 4.1 - Classificação em termos de utilização...2 4.2 - Lotação da instalação...2

Leia mais

GUIA TÉCNICO DE TERRAS

GUIA TÉCNICO DE TERRAS Guia Técnico Terras GUIA TÉCNICO DE TERRAS a) Ligações à terra homologada em 2005-07-26 e revista em MAI 2007 e Regras para a ligação à terra das instalações de distribuição de energia em MT e BT (redes

Leia mais

Lutuosa de Portugal - Associação Mutualista. Rua de Álvaro de Castelões, nº 600 e 622, PORTO.

Lutuosa de Portugal - Associação Mutualista. Rua de Álvaro de Castelões, nº 600 e 622, PORTO. Lutuosa de Portugal - Associação Mutualista. Rua de Álvaro de Castelões, nº 600 e 622, 4200-042 PORTO. PROJECTO DAS INSTALAÇÕES DE UTLIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA. Me001lutuosa

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de Método de instalação Esquema ilustrativo Descrição instalação a utilizar número: para a capacidade de condução de corrente 1 1 Condutores isolados

Leia mais

PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO

PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO Celso Rogério Tomachuk dos Santos CPFL Piratininga Rogério Macedo Moreira CPFL Piratininga 1 CPFL Energia Visão Geral da Empresa Líder

Leia mais

ARTIGO 1 TUBAGEM DE PEAD, POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE NA REDE DE ÁGUAS.

ARTIGO 1 TUBAGEM DE PEAD, POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE NA REDE DE ÁGUAS. ARTIGO 1 TUBAGEM DE PEAD, POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE NA REDE DE ÁGUAS. Medição por metro linear de tubagem aplicada, incluindo todos os acessórios e ligações. 1 - A abertura e o tapamento de roços e

Leia mais

O que é Padrão de Entrada?

O que é Padrão de Entrada? 1 O que é Padrão de Entrada? O padrão de entrada é o conjunto de condutores, eletrodutos, poste, caixa de medição e demais acessórios utilizados na sua montagem, padronizados pela Cosern e de acordo com

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOCUMENTAÇÃO LEGAL, REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL Manual ITED (1ª, 2ª e 3ª Edição) Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. DL 123/2009, de 21 Maio,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUADROS EQUIPADOS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUADROS EQUIPADOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS QUADROS EQUIPADOS DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2007 de 11 de Setembro. DIRECTIVA

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA FINALIDADE Este memorial refere-se ao projeto(de acordo com a NT-002/2011 R03 da COELCE) de implantação de uma subestação aérea de 225kVA, atendendo à BM Pré-Moldados LTDA. Localidade:, Rodovia BR 222,

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA NORMA PARA A EXECUÇÃO DE RAMAIS OU ENTRADAS, DERIVADOS DA REDE, DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA, EM BAIXA TENSÃO, DA EEM. 1. DEFINIÇÕES 1.1 Ramal Para efeitos da

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Balastros eletrónicos com aplicação na iluminação pública para lâmpadas de descarga de sódio de alta pressão e iodetos metálicos Características e ensaios

Leia mais

Postos de transformação

Postos de transformação Postos de transformação PFU e PF Edifícios tipo Cabina para Postos de Transformação Até 36 kv PFU EDIFÍCIO MONOBLOCO TIPO CABINA PARA POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO O edifício PFU de fabrico Ormazabal

Leia mais

MANUAL PARA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESFRIADOR DE ÁGUA SERIE POLAR MODELOS: PA-01 ~ PA-120 PW-09 ~ PW-120 PRECAUÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA

MANUAL PARA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESFRIADOR DE ÁGUA SERIE POLAR MODELOS: PA-01 ~ PA-120 PW-09 ~ PW-120 PRECAUÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA MANUAL PARA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESFRIADOR DE ÁGUA SERIE POLAR MODELOS: PA-01 ~ PA-120 PW-09 ~ PW-120 PRECAUÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA ÍNDICE INFORMAÇÕES GERAIS...3 QUADRO ELÉTRICO...3 DIMENSIONAMENTO

Leia mais

SISTEMAS ELÉCTRICOS DE ENERGIA I. Linhas de Transmissão

SISTEMAS ELÉCTRICOS DE ENERGIA I. Linhas de Transmissão Linhas de Transmissão José Rui Ferreira 2004 TÓPICOS: Linhas de transmissão de energia? Porquê? Qual a tensão de serviço que se deve escolher para uma linha? Qual o tipo de corrente? Devo optar por uma

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 07 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir quais os tipos e especificações técnicas dos modelos de hidrantes exteriores, de modo a cumprirem com a Regulamentação Nacional

Leia mais

!!" #$% & ''"'"!!! ()% & ''"'"!! % *+$), -.% /%00111-$), -

!! #$% & '''!!! ()% & '''!! % *+$), -.% /%00111-$), - !!" #$% & ''"'"!!! ()% & ''"'"!! % *+$), -.% /%00111-$), - 2 *3 4 2 50 2,,6 7, 8#9:9#9:9;#9, -2 6, - 2;:;8?*,$,6 9@A= 2,B 2 0B 5, * 8> / 2 * /C* 2 $* * 92 ;@9!D 2 $78?A

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL Página 1 de 2 COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1. OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA projectos de engenharia de edifícios lda Azinhaga do Torre do Fato 5C Esc.1-1600-299 Lisboa www.promee.pt geral@promee.pt ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA EDIFÍCIOS DO DRIVING RANGE E CLUB HOUSE LISBOA

Leia mais

MUNICÍPIO DE AVEIRO PROJECTO DE INFRA-ESTRUTURAS DE ELECTRICIDADE MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MUNICÍPIO DE AVEIRO PROJECTO DE INFRA-ESTRUTURAS DE ELECTRICIDADE MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MUNICÍPIO DE AVEIRO PROJECTO DE INFRA-ESTRUTURAS DE ELECTRICIDADE MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1 - JUSTIFICAÇÃO 1.1 - Introdução Refere-se o presente projecto ao cálculo e descrição das infra-estruturas

Leia mais

CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE PLANTA BAIXA MEDIDAS EM: cm BEP 1 x Ø4" VISTA FRONTAL MEDIDAS EM: cm VISTA CORTE LATERAL: A-A" MEDIDAS EM: cm Av.

Leia mais

Armários de pavimento 19

Armários de pavimento 19 Apresentação A gama de armários de pavimento Olirack foi projectada para a instalação de equipamentos de telecomunicações, informáticos e soluções datacenter. Robusto, seguro e com um design atractivo,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CANALIZAÇÕES ELÉTRICAS. António Augusto Araújo Gomes

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CANALIZAÇÕES ELÉTRICAS. António Augusto Araújo Gomes António Augusto Araújo Gomes INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CANALIZAÇÕES ELÉTRICAS SEGUNDO AS REGRAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO V Índice Nota de abertura... IX Prefácio...

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA 1.1. POSTO DE SECCIONAMENTO E TRANSFORMAÇÃO

MEMÓRIA DESCRITIVA 1.1. POSTO DE SECCIONAMENTO E TRANSFORMAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA 1. DESCRIÇÃO DAS INSTALAÇÕES 1.1. POSTO DE SECCIONAMENTO E TRANSFORMAÇÃO 1.1.1. OPÇÃO Dada a preferência pela construção de um POSTO DE SECCIONAMENTO E TRANSFORMAÇÃO exterior, optou-se

Leia mais

Medidor Trifásico SDM630D

Medidor Trifásico SDM630D Medidor Trifásico SDM630D MANUAL DO USUÁRIO Conteúdo 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 3 1.1 PESSOAL QUALIFICADO... 3 1.2 FINALIDADE... 4 1.3 MANUSEIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 2.1 ESPEFICICAÇÕES... 5 3 DIMENSÕES...

Leia mais

Pontos críticos da instalação e manutenção da deteção de incêndio

Pontos críticos da instalação e manutenção da deteção de incêndio Título 1 Pontos críticos da instalação e manutenção da deteção de incêndio 2 Pontos chave Nesta apresentação iremos focar os principais factores geradores de problemas nos sistemas SADI que são: Cablagem

Leia mais

Quadro eléctrico de uma habitação

Quadro eléctrico de uma habitação Quadro eléctrico de uma habitação Dispositivos de protecção É nos quadros eléctricos que se encontram os dispositivos para a protecção dos circuitos eléctricos contra sobreintensidades (curto circuitos

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Referenciação Generalidades Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A. DNT

Leia mais

onyx DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS LUMINÁRIA OPÇÕES DIMENSÕES

onyx DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS LUMINÁRIA OPÇÕES DIMENSÕES onyx 2 3 onyx DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS LUMINÁRIA Estanquicidade do bloco óptico: IP 66 Sealsafe (*) Estanquicidade dos acessórios eléctricos: - Onyx 2: IP 44 (*) - Onyx 3: IP 44 (*) Resistência aerodinâmica

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Código do Projeto: 1541-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial

Leia mais

CABOS ISOLADOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE BAIXA TENSÃO

CABOS ISOLADOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE BAIXA TENSÃO DMAC33200/N Modificação n.º 1 MAI 2003 CABOS ISOLADOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE BAIXA TENSÃO Características e ensaios Elaboração: GBNT Homologação: conforme despacho do CA de 20030522 Edição: 1ª.

Leia mais

PROTECÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMODFÉRICAS E SOBRETENSÕES PROJECTO DE LICENCIAMENTO

PROTECÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMODFÉRICAS E SOBRETENSÕES PROJECTO DE LICENCIAMENTO PROTECÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMODFÉRICAS E SOBRETENSÕES PROJECTO DE LICENCIAMENTO O presente caderno de encargos destina-se ao Projecto de Licenciamento de um Pára-Raios e Descarregadores de Sobretensões

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 12 Dimensionamento de Condutores (Critério da capacidade de corrente) Porto Alegre - 2012 Tópicos Dimensionamento de condutores

Leia mais

CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INTRODUÇÃO O presente Memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para o fornecimento de materiais e serviços para Desativação com remoção de dois transformadores

Leia mais

G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R I C O É P A Í S S E M P O B R E Z A QUADRA ESCOLAR 02 CGEST - C Geral de Infraestrutura Educacional PLANTA BAIXA, CORTE A-B e DETALHES EST FORMATO A1 (841 X 594) R.01

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

CARACTERISTICAS TÉCNICAS

CARACTERISTICAS TÉCNICAS SISTEMA SMART light CARACTERISTICAS TÉCNICAS MOBILIDADE E FLEXIBILIDADE A NATUREZA AUTOPORTANTE DESTE PRODUTO, QUER NA VERSÃO PAREDE DIVISÓRIA, QUER NA PAREDE ARMÁRIO, TEM COMO BASE A SUA TOTAL MOBILIDADE,

Leia mais

Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado. Improving Cabling Solutions

Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado.  Improving Cabling Solutions Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado Os armários outdoor estão desenhados para instalação em ambientes de exterior sujeitos a condições de chuva, vento, calor ou radiação solar. O interior

Leia mais

PROJETO DE INFRAESTRUTURAS DE REDE DE ÁGUAS E ESGOTOS

PROJETO DE INFRAESTRUTURAS DE REDE DE ÁGUAS E ESGOTOS Projeto de Loteamento Urbano e dos Projetos das Obras de Urbanização da Zona de Localização Empresarial do Sabugal PROJETO DE INFRAESTRUTURAS DE REDE DE ÁGUAS E ESGOTOS MEMÓRIA DESCRITIVA REQUERENTE: CÂMARA

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO HIDROSSANITÁRIO O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas da ABNT e Dec. 9369/88

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES 1. Introdução - O dimensionamento dos condutores deve ser realizado seguindo as seguintes etapas: a) cálculo da corrente de projeto; b) dimensionamento pelo critério da máxima

Leia mais

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Condutores O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada das condições de sua instalação e da carga a ser suprida. Dimensionar

Leia mais

Caixa de ligação para redes Rutenbeck, Cat. 5 blindada

Caixa de ligação para redes Rutenbeck, Cat. 5 blindada Caixa de ligação para redes Rutenbeck, Cat. 5 blindada simples 1 x 8 pólos N.º de encomenda: 0180 00 dupla 2 x 8 pólos N.º de encomenda: 0178 00 simples, (especial para montagem em calhas) N.º de encomenda:

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Obra: Mirante de Santo Antônio Finalidade: Projeto de instalações elétricas de baixa tensão Local: Sítio Jatobá Piancó - PB Proprietário: Prefeitura Municipal de Piancó - PB

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito -É assim chamado todo material que possui a propriedade de conduzir ou transportar energia elétrica. -Os condutores devem ser analisados sobre seguintes aspectos.

Leia mais

Aquecimento de espelho por infravermelhos

Aquecimento de espelho por infravermelhos 30 Os aquecedores de espelhos por infravermelhos são de construção em grande parte idêntica à dos aquecimentos de vidros e quadros. No entanto, para a superfície é usado um vidro de espelho especial resistente

Leia mais

PÁGINA Município da Marinha Grande DATA IMPRESSÃO 1 MAPA DE QUANTIDADES DO PROJECTO 2015/07/06

PÁGINA Município da Marinha Grande DATA IMPRESSÃO 1 MAPA DE QUANTIDADES DO PROJECTO 2015/07/06 1 MAPA DE QUANTIDADES DO PROJECTO 2015/07/06 1 1.1 DESMATAÇÃO E DECAPAGEM Corte e remoção de árvore, extração de troco e raízes com posterior enchimento e 1.000 U compactação da abertura com terra da própria

Leia mais

Barra de Cobre Flexível Isolada - Tyco-Simel

Barra de Cobre Flexível Isolada - Tyco-Simel Barra de Cobre Flexível Isolada - Tyco-Simel Aprovações: LLOYD N 93/30023 CSA N 099903 / UL105 C N E113407 Aplicações: Distribuição de energia de B.T Alta rigidez dielétrica Material isolante retardante

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Transdutor DC/DC (isolador galvânico) Revisão II

MANUAL DO USUÁRIO. Transdutor DC/DC (isolador galvânico) Revisão II MANUAL DO USUÁRIO Transdutor DC/DC (isolador galvânico) Índice Capítulo Página Introdução 3 Termo de Garantia 3 Características Técnicas 4 Esquemas de Ligação 6 Saída Analógica 8 Instalação do Produto

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

Calha DLP de climatização

Calha DLP de climatização Calha DLP de climatização AR CONDICIONADO AQUECIMENTO CANALIZAÇÕES A GAMA ADAPTADA A QUALQUER TIPO DE APLICAÇÃO [ DLP CLIMATIZAÇÃO ] Produtos e sistemas Calha DLP de climatização Um sistema especialmente

Leia mais

Guia Prático de Instalações de Micropodução

Guia Prático de Instalações de Micropodução Guia Prático de Instalações de Micropodução 1-Introdução Com a publicação de legislação específica, foi criada a possibilidade de todas as entidades que disponham de um contrato de compra de electricidade

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO. Kit de válvula de 2 vias/kit de válvula de 3 vias para ventilo-convectores EKMV2C09B7 EKMV3C09B7

MANUAL DE INSTALAÇÃO. Kit de válvula de 2 vias/kit de válvula de 3 vias para ventilo-convectores EKMV2C09B7 EKMV3C09B7 MANUAL DE INSTALAÇÃO Kit de válvula de vias/kit de válvula de vias EKMVC09B7 EKMVC09B7 EKMVC09B7 EKMVC09B7 Kit de válvula de vias/kit de válvula de vias para ventilo-convectores Leia atentamente este manual

Leia mais

CALHAS TÉCNICAS FICHA TÉCNICA SÉRIE 10 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE CALHAS) CALHAS. 12x7 (IK05) 12x7 Adesiva (IK05) 16x10. 16x10 Adesiva.

CALHAS TÉCNICAS FICHA TÉCNICA SÉRIE 10 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE CALHAS) CALHAS. 12x7 (IK05) 12x7 Adesiva (IK05) 16x10. 16x10 Adesiva. TÉCNICAS SÉRIE 0 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE ) Interiores Comp. Útil (Su) (m) (S:,4),5mm,5mm 4mm 6mm x7 (IK05) x7 Adesiva (IK05) 000 CBR 000 FBR 0x5,0 6, 44 5 5 4 3 6x0 6x0 Adesiva 000 CBR 000 FBR x8,0 86 8

Leia mais

Disjuntores Automáticos Modulares Disjuntores Automáticos modulares 1. Informações gerais

Disjuntores Automáticos Modulares Disjuntores Automáticos modulares 1. Informações gerais Aparelhagem Modular em calha DIN Disjuntores Automáticos modulares. formações gerais. Função Protecção contra correntes de curto-circuito Protecção contra sobreintensidades Corte Isolamento. Selecção Dados

Leia mais

Notas explicativas: Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas de iluminação LED Versão 09/2015

Notas explicativas: Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas de iluminação LED Versão 09/2015 Notas explicativas: Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas de iluminação LED Versão 09/2015 Índice Capítulo 1 Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas

Leia mais

SOLUÇÕES ELÉTRICAS 6/2015 QUADROS ELÉTRICOS

SOLUÇÕES ELÉTRICAS 6/2015 QUADROS ELÉTRICOS SOLUÇÕES ELÉTRICAS 6/2015 QUADROS 2 quadros elétricos de embeber Pág. semimontados Quadros DE entrada para DCP 4 Quadros de distribuição 7 Quadros de Telecomunicações - ATI 11 - CATI 13 completos Quadros

Leia mais

!""""#$ %&!""""## ,* -+..///&)*+

!#$ %&!## ,* -+..///&)*+ !""""#$ %&!""""## '(&)*+,* -+..///&)*+ *'01 *23.24 *))456)78!98 8!982!8;!98 )< %*=+)45+) *+97'+))458>?< *)*@ *+.@A3)'B7= -)* )< *'-C' *''D8!>8$"+!" *+B67?;E F?2E F?%E >* >G )< *411 )*'++.'* *)))45E.2 +@CB7+%H

Leia mais

FEUP 4º ano LEEC Produção e Transporte de Energia I Enunciados de Problemas sobre Cálculo Mecânico Ano Lectivo de 2005/06

FEUP 4º ano LEEC Produção e Transporte de Energia I Enunciados de Problemas sobre Cálculo Mecânico Ano Lectivo de 2005/06 FEUP 4º ano LEEC Produção e Transporte de Energia I Enunciados de Problemas sobre Cálculo Mecânico Ano Lectivo de 2005/06 Problema 1 Uma linha aérea a 150 KV está implantada numa zona costeira, sendo as

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014 MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de instalações elétricas para implantação de iluminação pública nas dependências internas da Praça da Biblia Quadra R22 e R23 com a instalação de projetores embutidos

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dimensionamento de Condutores Elétricos I Circuitos Elétricos Residenciais Dimensionamento Consiste em determinar a seção mínima

Leia mais

Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada

Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada Barramentos Blindados Novemp - Tipos de Barramentos - Vantagens - Sistema Modular

Leia mais

Capítulo 3. Proteção contra choques elétricos fundamentos. 3.1 A corrente elétrica no corpo humano 26/04/2010

Capítulo 3. Proteção contra choques elétricos fundamentos. 3.1 A corrente elétrica no corpo humano 26/04/2010 Capítulo 3 Proteção contra choques elétricos fundamentos 2008 by Pearson Education slide 1 3.1 A corrente elétrica no corpo humano A publicação IEC/TS 60479-1: Effects of current on human beings and livestock.

Leia mais

REDE FERROVIÁRIA NACIONAL REFER, EP

REDE FERROVIÁRIA NACIONAL REFER, EP REDE FERROVIÁRIA NACIONAL REFER, EP Supressão da Passagem de Nível ao km 71+349 2.ª Fase Prolongamento para Sul do Restabelecimento Infraestruturas Gerais Estudo Prévio Janeiro 2010 REDE FERROVIÁRIA NACIONAL

Leia mais

Direcção de Fiscalização

Direcção de Fiscalização Direcção de Fiscalização Julho de 2010 PROGRAMA ÍNDICE ASPECTOS GENÉRICOS ITUR PÚBLICA E ITUR PRIVADA PONTOS DE FRONTEIRA E CVM (CÂMARA DE VISITA MULTI- OPERADOR) ATU (ARMÁRIO DE TELECOMUNICAÇÕES DE URBANIZAÇÃO)

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHOS PRÓXIMOS DE INSTALAÇÕES EM TENSÃO 2 DESCRIÇÃO Nas tarefas de exploração, construção e manutenção das instalações eléctricas são susceptíveis

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de corrente MT e de 60 KV Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Setembro

Leia mais