WORKSHOP Dar Futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WORKSHOP Dar Futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA"

Transcrição

1 WORKSHOP Dar Futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA ABRIL 2011 UNIVERSIDADE DE AVEIRO INOVADOMUS

2 ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA CONSIDERAÇÕES FINAIS UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /2

3 ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO CASA MAJOR PESSOA - Construção data de Autoria dos Arquitetos Silva Rocha e Ernesto Korrodi - Símbolo da Arquitetura Arte Nova - Imóvel classificado de Interesse Público Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /3

4 ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO FASEAMENTO CONSTRUTIVOS -2 fases construtivas: Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /4

5 ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO FASEAMENTO CONSTRUTIVO 1 ª FASE - 2 pisos e sotão - Data de conclusão: Harmonia e alinhamento entre vãos dos dois pisos FOTOMONTAGEM Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /5

6 ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO FASEAMENTO CONSTRUTIVOS 2 ª FASE - Introdução de mais 1 piso - Desmonte e posterior reconstrução - 3 pisos e sotão - Data de conclusão: 1909 Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /6

7 ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO FASEAMENTO CONSTRUTIVO 1 ª FASE - 2 pisos e sotão - Data de conclusão: 1907 Foto datada de 1907 Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /7

8 ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO FASEAMENTO CONSTRUTIVOS 2 ª FASE - Introdução de mais 1 piso - Desmonte e posterior reconstrução - 3 pisos e sotão - Data de conclusão: 1909 Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /8

9 ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO FASEAMENTO CONSTRUTIVO Os vãos do rés-do-chão e 2º andar: alinham entre si apresentam harmonia e alinhamento correspondem em número FOTOMONTAGEM Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /9

10 ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO FASEAMENTO CONSTRUTIVO Os vãos do rés-do-chão e 2º andar: alinham entre si apresentam harmonia e alinhamento correspondem em número Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /10

11 ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E CONSTRUTIVO ELEMENTOS CONSTRUTIVOS - Alçados: alvenaria de pedra calcária - Paredes meeira: adobe - Paredes interiores: tijolo cerâmico maciço e tabique - Pisos: vigas de madeira - Cobertura: asnas e vigas de madeira Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /11

12 CASA MAJOR PESSOA QUE FUTURO? CONDICIONANTES - Efeitos nefastos da ampliação - Acréscimo do estado de tensão nos elementos pétreos - Reforço do novo piso com perfis metálicos, devido à existência de um saguão - Reduzida capacidade residual para receber novas cargas Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /12

13 CASA MAJOR PESSOA QUE FUTURO? CONDICIONANTES - Reduzida estanquicidade da cobertura e saguão - Infiltrações - Degradação de elementos estruturais - Fissuração das fachadas e deslocamento das pedras de fecho dos arcos - Degradação de alvenarias e rebocos - Apodrecimento dos madeiramentos Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /13

14 CASA MAJOR PESSOA QUE FUTURO? CONDICIONANTES - Humidades ascensionais - Degradação dos elementos arquitetónicos: pétreos, azulejares, estuques e serralharia decorativa - Uso para habitação - Tipologia desadequada Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /14

15 TOMADA DE DECISÃO UM NOVO USO CM Aveiro Promover a sua preservação Futura reutilização em atividades de natureza socio-cultural INSPEÇÃO E DIAGNÓSTICO PROJETO EXECUÇÃO DA FISCALIZAÇÃO - Universidade de Aveiro; Div. Museus e Património Histórico - CM Aveiro - DPGOM e DMPH - Consórcio A. Ludgero Castro / STAP - CM Aveiro DPGOM e DMPH; IPPAR - DRC UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /15

16 INSPEÇÃO E DIAGNÓSTICO - Elevado estado de degradação dos elementos estruturais em madeira e paredes de adobe ESTRUTURA: KO! - Degradação dos elementos pétreos, azulejos e serralharias CONSERVAÇÃO E RESTAURO Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /16

17 INSPEÇÃO E DIAGNÓSTICO Fonte: CM Aveiro UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /17

18 PROJETO Estabilidade: Arquitetura: Monitorização Escoramento provisório Fundações indiretas: micro-estacas e maciços de encabeçamento Estrutura metálica Estrutura da cobertura em madeira: manutenção Elementos pétreos Soalho de madeira assentes em perfis metálicos Rebocos de à base de argamassa bastardas Pinturas Carpintarias Conservação e restauro : elementos pétreos, azulejos, calçada e serralharia decorativas Instalações técnicas: Águas, esgotos, iluminação, ITED, Ascensor hidráulico UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /18

19 Monitorização - Instalação de alvos e testemunhos em gesso UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /19

20 Monitorização - Leitura de deslocamentos UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /20

21 Escoramento provisório UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /21

22 Prospeção geotécnica - Equipamento e pormenor de furação do terreno UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /22

23 Prospeção geotécnica UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /23

24 Reforço de fundações - Planta estrutural UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /24

25 Reforço de fundações Execução de microestacas Dadas as condições geológicas e geotécnicas do solo de fundação, e as elevadas cargas que a nova estrutura induziria nos elementos de fundação, optou-se pela execução de microestacas auto-perfurantes. UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /25

26 Reforço de fundações descrição da solução construtiva - Microestacas em perfis tubulares em aço N80, 73.0//8.5 mm, munidas de ponteira cónica de modo a que a própria armadura seja perfurante; - Furação foi efectuada com circulação directa de fluído (calda de cimento) diminuição das vibrações à estrutura de alvenaria; UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /26

27 Reforço de fundações execução de microestcas UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /27

28 Reforço de fundações maciços de encabeçamento UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /28

29 Reforço de fundações maciços de encabeçamento UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /29

30 Arquitetura UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /30

31 Arquitetura UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /31

32 Arquitetura UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /32

33 Arquitetura UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /33

34 Arquitetura UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /34

35 Arquitetura UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /35

36 Arquitetura UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /36

37 Arquitetura UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /37

38 Arquitetura UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /38

39 Arquitetura UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /39

40 Conservação e restauro: serralharia decorativa UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /40

41 Conservação e restauro: serralharia decorativa UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /41

42 Conservação e restauro: serralharia decorativa UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /42

43 Conservação e restauro: painéis azulejares UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /43

44 Conservação e restauro: painéis azulejares UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /44

45 Conservação e restauro: painéis azulejares UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /45

46 Conservação e restauro: elementos pétreos UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /46

47 Conservação e restauro: elementos pétreos UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /47

48 Conservação e restauro: calçada e pérgula UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /48

49 Conservação e restauro: elementos pétreos UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /49

50 Conservação e restauro: elementos pétreos UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /50

51 CONSIDERAÇÕES FINAIS A Reabilitação da Casa Major Pessoa deveu-se à vontade de se preservar um imóvel de elevado valor patrimonial, adaptando-o a uma nova funcionalidade; Tal opção implicou uma abordagem integrada e multidisciplinar, desde a inspeção e diagnóstico, ao projeto nas suas diversas especialidades (da estabilidade à conservação e restauro), até à fase de execução e fiscalização, atravessando-se domínios da Arqueologia, Restauro, História, Arquitectura, Engenharia, entre outras; Esta intervenção permitiu congregar esforços e conhecimento entre o meio académico e científico, decisor público, empresas de construção e coordenar os trabalhos com a entidade supervisora, ex-ippar, adotando-se as mais adequadas metodologias e soluções técnicas; UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /51

52 CONSIDERAÇÕES FINAIS Preservar as Casas que detêm um valor próprio acrescido, entenda-se patrimonial, exige um profundo conhecimento do seu Passado, vivência e métodos construtivos, e consciência do futuro que estas nos podem oferecer; Neste sentido, a STAP, mais uma vez, felicita as entidades e técnicos envolvidos na Reabilitação da Casa Major Pessoa, pela sensibilidade, capacidade e entusiasmo demonstrados, tendo conseguido de forma exemplar a congregação do conhecimento dos diversos agentes, com resultado evidentes na intervenção. UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /52

53 UA InovaDomus WORKSHOP Dar futuro às Casas do Passado REABILITAÇÃO DA CASA MAJOR PESSOA /53

PATOLOGIA E REABILITAÇÃO #01

PATOLOGIA E REABILITAÇÃO #01 46 N.18 NOVEMBRO 2005 CASA MAJOR PESSOA ERGUIDA POR VOLTA DO ANO DE 1909, A CASA MAJOR PESSOA, EM AVEIRO, É, SEM DÚVIDA, UM DOS MAIS EMBLEMÁTICOS EDIFÍCIOS EM ARTE NOVA DO PAÍS. PORÉM, O ABANDONO A QUE

Leia mais

1.1 Montagem de estaleiro, compreendendo instalações e equipamentos necessários á execução da obra.

1.1 Montagem de estaleiro, compreendendo instalações e equipamentos necessários á execução da obra. ORÇAMENTO OBRA: CONSTRUÇÃO HABITAÇÃO UNIFAMILIAR Dono de obra: Local da obra: 1 Estaleiro 1.1 Montagem de estaleiro, compreendendo instalações e equipamentos necessários á execução da obra. 2 Movimentos

Leia mais

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia

Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia I. CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/70 5. FASES CONSTRUTIVAS estrutura pórtico sapatas vigas de fundação

Leia mais

Construção de Moradia Unifamiliar Rosto do Cão (Livramento) Ponta Delgada LISTA DE MATERIAIS E ACABAMENTOS

Construção de Moradia Unifamiliar Rosto do Cão (Livramento) Ponta Delgada LISTA DE MATERIAIS E ACABAMENTOS Construção de Moradia Unifamiliar Rosto do Cão (Livramento) Ponta Delgada LISTA DE MATERIAIS E ACABAMENTOS A. R. Casanova - Construção Civil, Lda. Rua Adolfo Coutinho de Medeiros, 32 Ribeira Grande Ribeira

Leia mais

CONSTRUÇÃO TRADICIONAL A Construção Pombalina

CONSTRUÇÃO TRADICIONAL A Construção Pombalina Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura CONSTRUÇÃO TRADICIONAL A Construção Pombalina Com algumas imagens retiradas dos livros: Reabilitação de Edifícios Antigos: Patologias e tecnologias de intervenção

Leia mais

Reabilitação do Edifício Sede do Banco de Portugal. HCI Construções, S.A.

Reabilitação do Edifício Sede do Banco de Portugal. HCI Construções, S.A. Reabilitação do Edifício Sede do Banco de Portugal HCI Construções, S.A. A Obra do Banco de Portugal Visão do Empreiteiro: I. Principais desafios II. a) Necessidade de Múltiplas Competências b) Contexto

Leia mais

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO

REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO REMODELAÇÃO DO ESTALEIRO MUNICIPAL VIANA DO ALENTEJO ÍNDICE 1 CADERNO DE ENCARGOS 2 PROJECTO DE EXECUÇÃO A ARQUITECTURA 1.1.2 Solução Proposta 1.1.2.1 - Introdução 1.1.2.2 Caracterização do Espaço 1.1.2.2.1

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I

Programa Analítico de Disciplina ECV370 Construção Civil I 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2 2 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

REPARAÇÃO E REFORÇO DA ESTRUTURA DO CORO

REPARAÇÃO E REFORÇO DA ESTRUTURA DO CORO REPARAÇÃO E REFORÇO DA ESTRUTURA DO CORO Paulo B. Lourenço, Professor Catedrático, Engº Civil Nuno Mendes, Doutorado, Engº Civil ISISE, Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil, Guimarães

Leia mais

CASOS PRÁTICOS DE REFORÇO DE EDIFÍCIOS DE ALVENARIA

CASOS PRÁTICOS DE REFORÇO DE EDIFÍCIOS DE ALVENARIA CASOS PRÁTICOS DE REFORÇO DE EDIFÍCIOS DE ALVENARIA SUMÁRIO Luís Moura Engenheiro Mecânico ZIRCOM ENGENHARIA SA Palmela - Portugal A reabilitação de edifícios e outras estruturas de alvenaria é cada vez

Leia mais

12 INFORMATIVO DE ANDAMENTO DA OBRA ED. COMERCIAL HD SETEMBRO /2016. RUA HENRI DUNANT, SÃO PAULO/SP.

12 INFORMATIVO DE ANDAMENTO DA OBRA ED. COMERCIAL HD SETEMBRO /2016. RUA HENRI DUNANT, SÃO PAULO/SP. São Paulo, 30 setembro de 2016. 12. Informativo de Andamento de Obra. 1) Geral O HD873 foi matéria de capa da conceituada revista "Buildings" neste terceiro trimestre de 2016. Neste informativo reproduzimos

Leia mais

Patologias no terminal Termitrena - Porto de Setúbal : Danos em Estacas e Taludes de Retenção Marginal, incluindo Diagnóstico da Situação.

Patologias no terminal Termitrena - Porto de Setúbal : Danos em Estacas e Taludes de Retenção Marginal, incluindo Diagnóstico da Situação. Patologias no terminal Termitrena - Porto de Setúbal : Danos em Estacas e Taludes de Retenção Marginal, incluindo Diagnóstico da Situação. Ernesto Carneiro, APSS, ecarneiro@portodesetubal.pt Tiago Barata,

Leia mais

RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE

RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE MEMÓRIA DESCRITIVA RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE 3 Residência unifamiliar, com 158,88 m2 de área construída, 2 pisos, arquitetura contemporânea de alto padrão, implantada em terreno

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REFORMA E AMPLIAÇÃO EMEI ARCO ÍRIS BAIRRO AVIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E AMPLIAÇÃO EMEI ARCO ÍRIS 1. OBJETIVO: A presente especificação tem por objetivo estabelecer os critérios

Leia mais

Soluções Geotécnicas Aplicadas no Edifício do Terminal de Cruzeiros de Leixões

Soluções Geotécnicas Aplicadas no Edifício do Terminal de Cruzeiros de Leixões Soluções Geotécnicas Aplicadas no Edifício do Terminal de Cruzeiros de Leixões Alexandre Pinto JET SJ Geotecnia apinto@jetsj.com Manuel Neves JET SJ Geotecnia geral@jetsj.com Xavier Pita JET SJ Geotecnia

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇO Nº 2/2016

EDITAL DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇO Nº 2/2016 Page 1 of 10 Sub. Qtde. Unid. Descrição Marca/Modelo Valor Valor Total 1 1,00 UN INSTALAÇÃO DA OBRA Valor de Referência: 612,55000 1 2,50 M2 PLACA DE OBRA 2,00 m x 1,25 m Valor de Referência: 245,02000

Leia mais

Limpeza do terreno m 2 Área de ocupação, mais 3m em toda a periferia ou o total. Locação da obra m 2 Área do primeiro pavimento da obra.

Limpeza do terreno m 2 Área de ocupação, mais 3m em toda a periferia ou o total. Locação da obra m 2 Área do primeiro pavimento da obra. CRITÉRIOS PARA MEDIÇÃO DOS SERVIÇOS Limpeza do terreno m 2 Área de ocupação, mais 3m em toda a periferia ou o total. Locação da obra m 2 Área do primeiro pavimento da obra. Em obras muito extensas ou recortadas,

Leia mais

RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE

RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE MEMÓRIAL DESCRITIVO RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE Residência unifamiliar, com 150 m2 de área construída, 2 pisos, arquitetura contemporânea de alto padrão, implantada em terreno com

Leia mais

Cobertura. Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor.

Cobertura. Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor. 23 Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor. 4.1.10. Cobertura Após a cura da laje, foi executada a torre da caixa d água e a cobertura. A madeira utilizada para a estrutura da

Leia mais

CASAS COM PAREDES DE CONCRETO

CASAS COM PAREDES DE CONCRETO PAREDES DE CONCRETO CASAS COM PAREDES DE CONCRETO 2 PRÉDIOS 5 PAVTS. MCMV 3 25 PAVTS. CONCRETANDO 17ª LAJE TIPO 4 SELEÇAO DO PROCESSO CONSTRUTIVO OBJETIVOS: QUALIDADE DA OBRA FLUXO DE CAIXA POSITIVO RESULTADO

Leia mais

Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas

Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas Empresas titulares de alvará de empreiteiro de obras públicas (O alvará é válido por tempo indeterminado, sem prejuízo do controlo oficioso do cumprimento dos requisitos) Alvará 1747 - PUB Data de inscrição

Leia mais

Orçamento: RESIDENCIA - ANDRE CONGONHAS

Orçamento: RESIDENCIA - ANDRE CONGONHAS Orçamento: RESIDENCIA - ANDRE CONGONHAS Orçamento parcial nº 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 m2 Corte de capoeira fina a foice 900,000 0,19 171,00 1.2 m2 Raspagem e limpeza manual de terreno 900,000 0,63 567,00

Leia mais

MANUAL DE REABILITAÇÃO E MANUTENÇÃO GUIA DE INTERVENÇÃO

MANUAL DE REABILITAÇÃO E MANUTENÇÃO GUIA DE INTERVENÇÃO GUIA DE INTERVENÇÃO ALICE TAVARES ANÍBAL COSTA HUMBERTO VARUM Departamento de Engenharia Civil Universidade de Aveiro tavares.c.alice@ua.pt Vila Cecílio, Ílhavo Universidade de Aveiro 13 Julho de 2011

Leia mais

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples

Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples Caderno de Estruturas em Alvenaria e Concreto Simples CONTEÚDO CAPÍTULO 1 - RESISTÊNCIA DO MATERIAL 1.1. Introdução 1.2. Definição: função e importância das argamassas 1.3. Classificação das alvenarias

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 1 Apresentação da disciplina Cristóvão C. C. Cordeiro Tópicos principais 1. Apresentação da área de Construção Civil 2. Apresentação da disciplina 3. Apresentação

Leia mais

Obras Geotécnicas. Cortinas multi-apoiadas. Nuno Guerra

Obras Geotécnicas. Cortinas multi-apoiadas. Nuno Guerra Obras Geotécnicas Cortinas multi-apoiadas Nuno Guerra Estruturas flexíveis versus Estruturas rígidas Aspectos a analisar: Geometria Abordagem (filosofia) de cálculo Suporte de terras: qual a acção? 2 Estruturas

Leia mais

CORTINAS DE ESTACAS MOLDADAS

CORTINAS DE ESTACAS MOLDADAS CORTINAS DE ESTACAS MOLDADAS Autora: Eng.ª Sandra Lopes Coordenação: Prof. F. A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/44 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ESTACAS MOLDADAS

Leia mais

Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática

Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática Reabilitação de edifícios com sistema ETICS: um caso de aplicação prática Reabilitação da Escola Secundária de Rio Tinto, Gondomar Vasco Pereira, Saint-Gobain Weber Portugal 1. Introdução 2. Reabilitação

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 2º Semestre 2014/2015 A CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Construção de Obras Públicas - Obras de Arte, Viadutos, Túneis, Ferrovias,

Leia mais

PATOLOGIA DO EDIFICADO ANTIGO Anomalias dos Edifícios Antigos da Baixa de Coimbra

PATOLOGIA DO EDIFICADO ANTIGO Anomalias dos Edifícios Antigos da Baixa de Coimbra PATOLOGIA DO EDIFICADO ANTIGO Anomalias dos Edifícios Antigos da Baixa de Coimbra Romeu Vicente * romvic@ua.pt J.A.Raimundo Mendes da Silva raimundo@dec.uc.pt Humberto Varum hvarum@ua.pt Resumo A caracterização

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A Eng.Leonardo Braga Passos, Msc Sócio/Diretor PI-Engenharia e Consultoria Diretor Regional BH-ABECE (2015/2016) INTRODUÇÃO / OBJETIVO O Manual para Contratação

Leia mais

ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo

ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo Edificações térreas ou assobradadas, podendo ser geminadas, inclusive em ambos os lados, satisfazendo a projeto arquitetônico simples, geralmente

Leia mais

Arte final da fachada frontal em execução.

Arte final da fachada frontal em execução. Arte final da fachada frontal em execução. Arte final da fachada posterior em execução. Detalhe do pórtico da fachada frontal em pedra (Mármore ou granito). São Paulo, 30 de agosto de 2017. 16. Informativo

Leia mais

Aldeia de Banrezes Levantamento do Existente 1 / USO 1.1. original 1.2. actual 2. TIPOLOGIA

Aldeia de Banrezes Levantamento do Existente 1 / USO 1.1. original 1.2. actual 2. TIPOLOGIA Aldeia de Banrezes Levantamento do Existente 1 / 6 Edificação 1 N Vias Caminhos de terra batida Curso de Água Planta de Localização Escala 1:5000 1. USO 1.1. original habitação 1.2. actual armazém 2. TIPOLOGIA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR)

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR) DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR) DADOS NECESSÁRIOS PARA DEFINIR O PRODUTO (ESTRUTURA): Projeto Arquitetônico Plantas dos pavimentos tipos/subsolo/cobertura/ático Número de

Leia mais

Alvenaria estrutural

Alvenaria estrutural Estudo exploratório rio sobre a elaboração de projetos arquitetônicos Alvenaria desenvolvidos estrutural para o sistema de alvenaria estrutural Projeto de alvenaria O que é ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceito:

Leia mais

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias para Habitações de Interesse Social Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias

Leia mais

A seguir são apresentadas figuras ilustrando as atividades executadas ao longo do quarto mês de atividades.

A seguir são apresentadas figuras ilustrando as atividades executadas ao longo do quarto mês de atividades. São José, 28 de setembro de 2015. Relatório de Acompanhamento de Obra. Referência: mês 05 medição 08 Conforme contrato firmado com a Ponte Engenharia e Construção Ltda para fornecimento de mão de obra

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m²

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m² - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção horizontal do abrigo.

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m²

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ENDEREÇO: Rua 580, S/Nº - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção

Leia mais

FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS ANTIGOS FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS ANTIGOS CONSTRUÇÃO TRADICIONAL Licenciatura em Arquitectura IST António Moret Rodrigues TIPOS DE FUNDAÇÃO I As FUNDAÇÕES ou ALICERCES dos edifícios antigos dependiam, como hoje:

Leia mais

"Riscos de Reforma em Prédios de Alvenaria Estrutural" Brasília 26 /11/ 2013 Eng. Civil Iberê Pinheiro de Oliveira

Riscos de Reforma em Prédios de Alvenaria Estrutural Brasília 26 /11/ 2013 Eng. Civil Iberê Pinheiro de Oliveira "Riscos de Reforma em Prédios de Alvenaria Estrutural" Brasília 26 /11/ 2013 Eng. Civil Iberê Pinheiro de Oliveira O que é? Alvenaria Estrutural DEFINIÇÃO: A alvenaria estrutural é o processo de construção

Leia mais

REABILITAÇÃO E REFORÇO DA PONTE DE TAVIRA

REABILITAÇÃO E REFORÇO DA PONTE DE TAVIRA REABILITAÇÃO E REFORÇO DA PONTE DE TAVIRA Júlio Appleton, João Nunes da Silva Eng. Civis, A2P Consult Lda 1. DESCRIÇÃO DA PONTE E ANTECEDENTES A Ponte Romana de Tavira sobre o Rio Gilão é constituída por

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Obra: Construção de um edifício destinado a casa mortuária Local: Rua da Tulha Alvite 1. Considerações Gerais 1.1 Introdução Refere-se a presente memória descritiva e

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO OBRA: CONSTRUÇÃO-BLOCO DIREITO PROPRIETÁRIO: FUNDAÇAO INTEGRADA MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE MINEIROS (FIMES) ENDEREÇO OBRA:RUA 22 ESQ.

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

GARRAFAS PLÁSTICAS PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO) FICHA CATALOGRÁFICA-20- DATA: JUNHO/2011.

GARRAFAS PLÁSTICAS PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO) FICHA CATALOGRÁFICA-20- DATA: JUNHO/2011. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. GARRAFAS PLÁSTICAS PET (POLITEREFTALATO DE ETILENO) FICHA CATALOGRÁFICA-20- DATA: JUNHO/2011. Tecnologias,

Leia mais

Qualificação Profissional Mínima Exigível aos Engenheiros e outros Técnicos na Atividade da Construção (DECLARAÇÕES)

Qualificação Profissional Mínima Exigível aos Engenheiros e outros Técnicos na Atividade da Construção (DECLARAÇÕES) Qualificação Profissional Mínima Exigível aos Engenheiros e outros Técnicos na Atividade da Construção (DECLARAÇÕES) Lei n.º 40/2015 de 1 de junho Aprova o regime jurídico que estabelece a qualificação

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL CAMPUS DA FAROLÂNDIA 2013

ENGENHARIA CIVIL CAMPUS DA FAROLÂNDIA 2013 ENGENHARIA CIVIL CAMPUS DA FAROLÂNDIA 2013 ALVENARIA ESTRUTURAL Definição: processo construtivo que se caracteriza pelo uso de paredes de alvenaria como principal estrutura suporte do edifício, dimensionada

Leia mais

JORNADAS DA CONSTRUÇÃO EM CIMENTO 2013 REABILITACÃO CASOS DE REFERÊNCIA. VILA d ESTE: Reabilitação e Requalificação Arquitectónica Vila Nova de Gaia

JORNADAS DA CONSTRUÇÃO EM CIMENTO 2013 REABILITACÃO CASOS DE REFERÊNCIA. VILA d ESTE: Reabilitação e Requalificação Arquitectónica Vila Nova de Gaia JORNADAS DA CONSTRUÇÃO EM CIMENTO 2013 REABILITACÃO CASOS DE REFERÊNCIA. 29 DE MAIO DE 2013, CENTRO CULTURAL DE BELÉM VILA d ESTE: Reabilitação e Requalificação Arquitectónica Vila Nova de Gaia PROF. VITOR

Leia mais

PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA

PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA PROJECTO DE ESTABILIDADE BETÃO ARMADO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA CONSTRUÇÃO DE QUARTEL / SEDE DA ASSOCIAÇÃO ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DO BOMBARRAL PRAÇA DA RÉPUBLICA BOMBARRAL

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E

C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E C O N S U L T O R E S D E E N G E N H A R I A E A M B I E N T E Fundada em 1962, a COBA é hoje a maior empresa portuguesa de Consultores de Engenharia 250 colaboradores. 400 colaboradores ao serviço do

Leia mais

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado

Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Introdução às Estruturas de Edificações de Concreto Armado Prof. Henrique Innecco Longo longohenrique@gmail.com Departamento de Estruturas Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro 2017

Leia mais

G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R I C O É P A Í S S E M P O B R E Z A QUADRA ESCOLAR 02 CGEST - C Geral de Infraestrutura Educacional PLANTA BAIXA, CORTE A-B e DETALHES EST FORMATO A1 (841 X 594) R.01

Leia mais

MANUAL DE ATUALIZAÇÃO DO CADASTRO IMOBILIÁRIO DE ACORDO COM A PLANTA GENÉRICA DE VALORES

MANUAL DE ATUALIZAÇÃO DO CADASTRO IMOBILIÁRIO DE ACORDO COM A PLANTA GENÉRICA DE VALORES MANUAL DE ATUALIZAÇÃO DO CADASTRO IMOBILIÁRIO DE ACORDO COM A PLANTA GENÉRICA DE VALORES LEI COMPLEMENTAR nº.44 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015 MANUAL DE ATUALIZAÇÃO DO CADASTRO IMOBILIÁRIO Este manual tem por

Leia mais

Arquiteta Lisiane De Negri CAU A Rua Augusto Liska, Victor Graeff / RS Fones: (54) /

Arquiteta Lisiane De Negri CAU A Rua Augusto Liska, Victor Graeff / RS Fones: (54) / MEMORIAL DESCRITIVO GENERALIDADES Este memorial descritivo tem como objetivo discriminar materiais e técnicas construtivas que serão utilizadas na construção da CÂMARA MUNICIAPL DE VEREADORES, do município

Leia mais

Arte final da fachada frontal em execução.

Arte final da fachada frontal em execução. Arte final da fachada frontal em execução. Arte final da fachada posterior em execução. Detalhe do pórtico da fachada frontal em pedra (Mármore ou granito). São Paulo, 28 de abril de 2017. 14. Informativo

Leia mais

Canteiro e Locação de obra. Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria

Canteiro e Locação de obra. Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria Canteiro e Locação de obra Tecnologia das Construções Engª e Profª Bárbara Silvéria Canteiro de Obras Canteiro de obras (Definição segundo a NBR 12264) Conjunto de áreas destinadas à execução e apoio dos

Leia mais

LSF. É mais do que um método construtivo... É um conceito de habitação totalmente novo! Convidamo-lo a conhecer todas as vantagens.

LSF. É mais do que um método construtivo... É um conceito de habitação totalmente novo! Convidamo-lo a conhecer todas as vantagens. LSF É mais do que um método construtivo... É um conceito de habitação totalmente novo! Convidamo-lo a conhecer todas as vantagens. Segurança Segurança Segurança Segurança Conforto Conforto Conforto Conforto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO ANEXO X MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DO USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO - BOMSUCESSO 1. Histórico A unidade de Saúde Familiar Cornélia da Conceição do Bairro Bom Sucesso atende cerca de 70 usuários por dia, abrangendo

Leia mais

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO

AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO AVALIAÇÃO IN-SITU DA ADERÊNCIA DE MATERIAIS DE REVESTIMENTO Inês Flores-Colen (I.S.T) Jorge de Brito (I.S.T) Fernando A. Branco (I.S.T.) Introdução Índice e objectivo Ensaio de arrancamento pull-off Estudo

Leia mais

Book Comercial. Construindo e transformando sonhos em realidade

Book Comercial. Construindo e transformando sonhos em realidade Book Comercial Construindo e transformando sonhos em realidade Aquisição de Terreno e Construção Produto Conceito A HOME INCORP, visando atender às necessidades e à satisfação do cliente no quesito habitação,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DO ACESSO A UMA GARAGEM EDIFICIOS R. ANTÓNIO CARNEIRO, nº 373, 375, 381, 385 e 389, PORTO PORTO MARÇO DE 2009 ÍNDICE 01 INTRODUÇÃO 02 DESCRIÇÃO SUMÁRIA

Leia mais

vila mar (t2+1) Proposta de Orçamento Preparado por: Eng. Miguel Jorge, Dir. Técnico

vila mar (t2+1) Proposta de Orçamento Preparado por: Eng. Miguel Jorge, Dir. Técnico vila mar (t2+1) Proposta de Orçamento Preparado por: Eng. Miguel Jorge, Dir. Técnico 2017 1-10 descrição da proposta A presente proposta diz respeito a uma unidade móvel de habitação, designada por Vila

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Autor: Prof. Fernando Branco Coordenação: Prof. F.A. Branco, Prof. Jorge de Brito, Eng.º Pedro Vaz Paulo e Eng.º João Pedro Correia 1/51 TEMAS OBJECTIVOS DA CONSTRUÇÃO

Leia mais

Sistematização da atividade das empresas da Área de atividade III Execução (Empreiteiros e subempreiteiros)

Sistematização da atividade das empresas da Área de atividade III Execução (Empreiteiros e subempreiteiros) Sistematização da atividade das empresas da Área de atividade III Execução (Empreiteiros e subempreiteiros) Consideram-se nesta área cinco ramos de atividade. Os quatro primeiros abrangem atividades executadas

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA DIRETORIA DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA DIRETORIA DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL PARECER TÉCNICO Nº35/14-GEPET ASSUNTO: Vistoria realizada no edifício do Mercado Público Municipal de Lages - SC REQUERENTE: Fundação Cultural de Lages Data: 17/06/14 O presente Parecer Técnico refere-se

Leia mais

Farmácia Page

Farmácia Page PLANO DE MEDIÇÕES CONSTRUÇÃO CIVIL Artº Descritivo Un. Qtd. P. Unitário 1 ALVENARIAS 1.1 Paredes Alvenaria Normal 1.1.1 Fornecimento e montagem de paredes de alvenaria de tijolo de 11cm M2 29 1.2 Paredes

Leia mais

Medidas de Consolidação Temporária

Medidas de Consolidação Temporária Workshop Sismo de L Aquila: Ensinamentos para Portugal Medidas de Consolidação Temporária D. Oliveira, G. Vasconcelos, L. Ramos, P. Roca, P. Lamego, P. Pereira 10. Julho. 2009 2 CONTEÚDO I. Introdução

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA QUADRA COBERTA.

CONSTRUÇÃO DE UMA QUADRA COBERTA. CONSTRUÇÃO DE UMA QUADRA COBERTA. MEMORIA DE CÁLCULO DOS QUANTITATIVOS SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA E SERV. URBANOS. LOCAL: WALFREDO GURGEL - Município de Caicó/RN PROJETO NÚMERO: 0313 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CONTENÇÕES EM ZONAS URBANAS:

CONTENÇÕES EM ZONAS URBANAS: ESCOLA POLITÉCNICA DA USP PEF-2405 FUNDAÇÕES Escavações Escoradas CONTENÇÕES EM ZONAS URBANAS: - CONDICIONANTES / CRITÉRIOS DE ESCOLHA -DISCUSSÃO DE CÁLCULOS PARA PROJETO - TIPOS Jaime Domingos Marzionna

Leia mais

DECivil GESTEC CAP.VI. Licenciatura em Engenharia Civil. Processos de Construção FASES DE UM PROJECTO ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1/86

DECivil GESTEC CAP.VI. Licenciatura em Engenharia Civil. Processos de Construção FASES DE UM PROJECTO ASPECTOS GERAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1/86 CAP.VI FASES DE UM PROJECTO 1/86 1. FASES DO PROJECTO 2/86 FASES CONCURSO ADJUDICAÇÃO CONCEPÇÃO / PROJECTO CONSTRUÇÃO CONCURSO ADJUDICAÇÃO EXPLORAÇÃO E MANUTENÇÃO VIDA ÚTIL 3/86 CONCEPÇÃO INICIAL DEFINIÇÃO

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) Projeto Arquitetônico Projeto Estrutural TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA

Leia mais

1º RELATÓRIO Março/2003. a) identificação de patologias e suas causas; b) definição de acções de reabilitação; c) definição de plano de manutenção.

1º RELATÓRIO Março/2003. a) identificação de patologias e suas causas; b) definição de acções de reabilitação; c) definição de plano de manutenção. Reabilitação Estrutural e Funcional do Pavilhão de Civil do Instituto Superior Técnico 1º RELATÓRIO Março/2003 1. Objectivo Desde a ocupação do Pavilhão de Engenharia Civil do Instituto Superior Técnico,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 9 de setembro de Série. Número 123

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 9 de setembro de Série. Número 123 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 9 de setembro de 2013 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL E SECRETARIA REGIONAL DO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 81/2013 Autoriza

Leia mais

Mestrado em Reabilitação de Edifícios

Mestrado em Reabilitação de Edifícios Mestrado em Edição 2015-16 Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Seleção de Ramo de Especialização, seleção de Perfis (unidades curriculares) e

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA 1 MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA 1 - Base: 1.1 - Fundação: 1.1.1 - Brocas com diâmetro mínimo de 20 cm em concreto estrutural, executadas manualmente, com profundidade média de até 3,00 m. 1.1.2 -

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO CENTRO EMPRESARIAL DE DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO CENTRO EMPRESARIAL DE DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO CENTRO EMPRESARIAL DE DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA Propriedade: SENAI Área: 217 mil metros quadrados Jan/2015 Mai/2016 Set/2016 Mai/2016 Mai/2016

Leia mais

CEAA COMÉRCIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA-ME CNPJ / MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO

CEAA COMÉRCIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA-ME CNPJ / MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO SECRETÁRIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE -PROJETO BASE PARA BALANÇA DE CONCRETO, -PROJETO ESCRITÓRIO DE CONTROLE DE CARGAS. -DESCRIÇÃO BALANÇA RODOVIÁRIA

Leia mais

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar

Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Tecnologia de construção para uma habitação unifamiliar Módulo Processos de construção LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO A68262 Sara Cardoso A68222 Ana Catarina Silva Guimarães, 07 de fevereiro de 2014 Índice

Leia mais

TIPOLOGIAS E PRINCIPAIS DANOS OBSERVADOS EM CONSTRUÇÕES DE XISTO

TIPOLOGIAS E PRINCIPAIS DANOS OBSERVADOS EM CONSTRUÇÕES DE XISTO TIPOLOGIAS E PRINCIPAIS DANOS OBSERVADOS EM CONSTRUÇÕES DE XISTO Ricardo S. Barros * rbarros@ufp.edu.pt Daniel V. Oliveira danvco@civil.uminho.pt Humberto Varum hvarum@ua.pt Resumo As construções em xisto

Leia mais

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Arame Recozido Trançadinho Recozido Prático Sapatas Recozido Fácil Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo

Leia mais

REQUERIMENTO DE REGISTO

REQUERIMENTO DE REGISTO REQUERIMENTO DE REGISTO PRESTADORES ESTABELECIDOS NOUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA (Art. 6.º-A do Decreto-Lei n.º12/2004, de 09.01, com a redação introduzida pelo Decreto-Lei n.º69/2011, de 15.06)

Leia mais

Painel dos projetistas

Painel dos projetistas Painel dos projetistas Projetista: Rubem Clecio Schwingel Empresa: RS ENGENHARIA Projeto Estrutural e Consultoria Obra: Centro Educação Integrado - Campo Bom, RS Categoria: Obras especiais CEI Campo Bom

Leia mais

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração.

FLEXÍVEIS Suportam deformações de amplitude variável, dependendo de seu reforço à tração. IMPERMEABILIZAÇÃO Têm a função de proteger a edificação contra patologias que poderão surgir como possível infiltração de água. Classificação RÍGIDAS Baixa capacidade de deformação FLEXÍVEIS Suportam deformações

Leia mais

PROJETO-AVICULTURA COLONIAL AVIÁRIO PARA 500 AVES DE CORTE

PROJETO-AVICULTURA COLONIAL AVIÁRIO PARA 500 AVES DE CORTE PROJETO-AVICULTURA COLONIAL AVIÁRIO PARA 500 AVES DE CORTE CLIENTE-EMBRAPA CLIMA TEMPERADO ONSTRUÇÃO Projeto - Avicultura Colonial Aviário para 500 aves de corte Cliente Embrapa Clima Temperado Junho,

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor Produtos ARCE1109-0210_SOL_ALVENARIA.indd 1 20/01/14 15:00 BelgoFix BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames Telas Soldadas

Leia mais

Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade. Prof. João Appleton A2P. Reabilitação Sustentável. João Appleton

Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade. Prof. João Appleton A2P. Reabilitação Sustentável. João Appleton Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade Prof. João Appleton A2P Reabilitação Sustentável João Appleton 28 de Maio de 2009 1 Reabilitação Sustentável A reabilitação de edifícios antigos é hoje uma tarefa

Leia mais

Concreto de Alto Desempenho

Concreto de Alto Desempenho Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Concretos Especiais Concreto de Alto Desempenho Material de alta resistência

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza

MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza MEMORIAL DESCRITIVO Unidade Básica de Saúde de Santa Tereza OBJETIVO: O presente memorial descritivo destina-se a estabelecer as etapas necessárias, juntamente com sua descrição, para contratação de mão

Leia mais

Produzimos Solidez. produzimos solidez

Produzimos Solidez. produzimos solidez Produzimos Solidez produzimos solidez www.pribetoes.com PRODUZIMOS SOLIDEZ A PriBetões, estuda, desenvolve e produz sistemas estruturais pré-fabricados para o Sector Público, Indústria, Comércio e Habitação.

Leia mais

Aquedutos/ Túnel de Benfica/ IC17

Aquedutos/ Túnel de Benfica/ IC17 Aquedutos/ Túnel de Benfica/ IC17 António Campos e Matos 1 Ricardo Leite 1 Domingos Moreira 1 Pedro Araújo 2 Pedro Quintas 2 RESUMO O presente artigo expõe alguns dos aspetos da conceção e projeto de estruturas

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

vila monte (t1+1) Proposta de Orçamento Preparado por: Eng. Miguel Jorge, Dir. Técnico

vila monte (t1+1) Proposta de Orçamento Preparado por: Eng. Miguel Jorge, Dir. Técnico vila monte (t1+1) Proposta de Orçamento Preparado por: Eng. Miguel Jorge, Dir. Técnico 2017 1-10 descrição da proposta A presente proposta diz respeito a uma unidade móvel de habitação, designada por Vila

Leia mais

As estruturas tradicionais de madeira antes e agora Análise de alguns exemplos de recuperação

As estruturas tradicionais de madeira antes e agora Análise de alguns exemplos de recuperação Seminário Intervir em construções existentes de madeira 87 As estruturas tradicionais de madeira antes e agora Análise de alguns exemplos de recuperação Filipe Ferreira AOF filipeferreira@aof.pt SUMÁRIO

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO RELATÓRIO GEOTÉCNICO (REFª 72/2008/08/GER - 1126) Agosto de 2008 QUARTEL DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO... 2 2- ENQUADRAMENTO

Leia mais

Ficha de Inspeção da minha Casa de Construção Antiga

Ficha de Inspeção da minha Casa de Construção Antiga Zona Envolvente e Exterior : AGENTES EXTERNOS 01 Poças de água no terreno Acumulação de água na base ou sobre a calçada 03 04 05 06 07 08 09 10 Áreas específicas do terreno mais húmidas que o envolvente

Leia mais

Ramo de Especialização em ESTRUTURAS. 5º ano do Mestrado Integrado em. Engenharia Civil

Ramo de Especialização em ESTRUTURAS. 5º ano do Mestrado Integrado em. Engenharia Civil UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Ramo de Especialização em ESTRUTURAS do 5º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Civil Ano letivo 2017/2018 RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Colagem de Cerâmicos em Fachadas'

Colagem de Cerâmicos em Fachadas' Colagem de Cerâmicos em Fachadas' Coimbra 13. Novembro. 2013 Agenda Causas das patologias mas antigamente...? Como resolver... Exemplos Reabilitação Conclusões Reboco SUPORTE: Alvenaria de tijolo cerâmico

Leia mais