Evaluación y clasificación toxicológica de plaguicidas no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evaluación y clasificación toxicológica de plaguicidas no Brasil"

Transcrição

1 Oficina Intercambio de informações sobre avaliação toxicológica para registro de agrotóxicos Evaluación y clasificación toxicológica de plaguicidas no Brasil Gerência-Geral de Toxicologia Rio de janeiro 8 a 10 de Dezembro de 2008

2 RET Tipo de pleito relacionado ao registro de agrotóxicos Componentes Produto Técnico Produto Formulado Produto Técnico Equivalente Produto Técnico IA Novo REX Alteração Técnica Pós registro Uso emergencial Reavaliações Técnica

3 CON BASE EN: COMPOSICIÓN N CUALITATIVA Y CUANTITATIVA PROPIEDADES FÍSICOF SICO-QUÍMICAS EXPOSICIÓN Dérmica Sensibilización Irritación Respiratoria Oral TOXICIDAD Aguda Subaguda Crónica Mutagénesis Reproducción Teratogénesis Carcinogénesis nesis Neurotoxicidad RESIDUOS Métodos de análisis de residuos PA y sus metabolitos Residuos en alimentos Clasificación n toxicológica Exposición n Ocupacional Exposición n populación n en general

4 Exposição ocupacional Exposição através s da dieta

5 RET Requisitos - IN 25 de 14/09/05 - Art. 2º O RET será exigido para a realização de pesquisa e experimentação, estará sujeito à aprovação dos órgãos federais dos setores da agricultura, da saúde e do meio ambiente nos casos que se seguem: I - produto ainda não registrado II - produto já registrado no país quando: alterar composição; indicar mistura em tanque; utilização em novo ambiente que implique alteração do órgão registrante. Critério conhecimento limitado máximo de precaução classificação toxicológica e ambiental mais restritiva Indicadas todas as medidas de proteção individual do aplicador Fases de experimentação conhecimento toxicológico e ambiental do produto

6

7 Regulamentos que disciplinam a avaliação toxicológica Portaria nº 3 Resolução nº 216 Instrução Normativa Conjunta nº 1 (23/01/2006) - registro de produtos semioquímicos finalidade de detecção, monitoramento e controle

8 Regulamentos que disciplinam a avaliação toxicológica Instrução Normativa Conjunta nº 2, (23/01/2006) - agentes biológicos de controle organismos vivos, de ocorrência natural ou obtidos por manipulação genética controle de uma população ou de atividades biológicas de outro organismo considerado nocivo I - inimigos naturais: os organismos que naturalmente infectam, parasitam ou predam uma praga específica, dentre eles os parasitóides, predadores e nematóides entomopatogênicos; II - Técnica de Inseto Estéril - TIE: consiste na liberação de machos que foram esterilizados por radiação ionizante como método de controle que pode ser usado na supressão ou erradicação de pragas. 2º Excluem-se desta regulamentação os agentes microbiológicos de controle e os organismos cujo material genético tenha sido modificado por qualquer técnica de engenharia genética

9 Regulamentos que disciplinam a avaliação toxicológica Instrução Normativa Conjunta nº 3 (10/03/2006) agentes microbiológicos de controle controle de uma população ou de atividades biológicas de um outro organismo vivo considerado nocivo os microrganismos vivos de ocorrência natural, bem como aqueles resultantes de técnicas que impliquem na introdução natural de material hereditário, excetuando-se os organismos cujo material genético (ADN/ARN) tenha sido modificado por qualquer técnica de engenharia genética (OGM)

10 Equipe Técnica 20 técnicos concursados Equipe multidisciplinar Todos com especialização em toxicologia

11 Estudos consistentes Metodologia adequada Identificação da amostra testada Análise de Produtos e elaboração da Nota Técnica Descrição dos Estudos Classificação Toxicológica Portaria 03 Levantamento de Produtos já registrados Notas Técnicas Bibliografia (EPA, EU, INCHEM) Compara as classificações

12 ...se CT mais restritiva rever CT produtos já registrados comparar as composições e toxicidade dos componentes rever consistência dos estudos da CT menos restritiva Possibilidade de exigência para complementação Adequado Inadequado Respaldo técnico Comunica a empresa Engenharia reversa caso a caso Comunica e altera CT do produto já registrado Indefere art. 20; Decreto 4074/02

13 Evaluación toxicológica de Producto Técnico - PT Processo de síntese Discussão de Impurezas Análise qualitativa e quantitativa de 5 bateladas Estudos Físico-Químicos Estudos de Toxicocinética Absorção, Distribuição, Biotransformação e toxicidade dos metabólitos, Eliminação

14 Evaluación toxicológica de Producto Técnico - PT Estudios Agudos DL 50 Oral DL 50 Dérmica CL 50 Inhalatoria Irritación n / Corrosión n Ocular Irritación n / Corrosión n DérmicaD Sensibilización n Cutánea Evaluación n de peligro Clasificación n toxicológica Equipo de Protección n Individual

15 Estudios de corto plazo roedor (90 días) d no roedor (1 año) a Evaluaçión toxicológica PT Estudios de largo plazo y carcinogénesis nesis ratón n (18 meses) rata (24 meses) NOEL Estudios de la neurotoxicidad Estudios de la reproducción n y prole Estudios de los efectos teratogénicos

16 Evaluaçión toxicológica PT Estudios de la mutagenicidad Mutación n génica g (procariontes( procariontes) Mutación cromosómica mica (eucariontes) Prohibición n de registro Estudios de la carcinogenicidad ratón n (18 meses) rata (24 meses) Estudios de la teratogenicidad conejo rata

17 Evaluaçión toxicológica PT NOEL = No Observed Effect Level Dose 3X Dose X = NOEL Dose 2X Dose X Controle

18 Avaliação toxicológica PT NOEL IDA = NOEL Fator de incerteza Fatores de incerteza

19 Criterios de clasificación de ANVISA (compilaciones de la OMS) Estudios baseados protocolos internacionales Otras metodologías en desarrollo Otros criterios (EPA, EU, GHS, OMS, ANVISA) Método conservador hasta la standardización

20 CRITERIOS DE CLASIFICACIÓN N TOXICOLÓGICA Anexo III de la Portaria nº 03/ Los plaguicidas que, formulados, provocan corrosión, ulceración u opacidad de la córnea, irreversible en 07 días después de la aplicación en las conjuntivas de los animales testados, serón sometidos a estudio especial por el Ministerio de Salud, para concesión o no de clasificación toxicológica.

21 CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA CLASSE Classe I GRAU Extremamente tóxicost COR DA FAIXA Vermelha Classe II Altamente tóxicost Amarela Classe III Medianamente tóxicost Azul Classe IV Pouco tóxicost Verde PRODUTOS COM IMPEDIMENTO DE REGISTRO

22 PROIBIÇÕES (Decreto 4074 Seção IV) Impedimentos para registro de Agrotóxicos,componentes e afins Inexistência de métodos para desativação de componentes; Inexistência de antídoto ou tratamento eficaz no Brasil; Teratogênicos; Carcinogênicos; Mutagênicos; Distúrbios hormonais, danos ao aparelho reprodutor; Mais perigosos para o homem do que os testes de laboratório, com animais, tenham podido demonstrar, segundo critérios técnicos e científicos atualizados; Características que causem danos ao meio ambiente

23 Evaluación toxicológica de producto formulado - PF Estudios Agudos DL 50 Oral DL 50 Dérmica CL 50 Inhalatoria Irritación n / Corrosión n Ocular Irritación n / Corrosión n DérmicaD Sensibilización Cutánea Estudios de mutación Génica Cromosómica mica Evaluación n de peligro Clasificación n toxicológica Equipo de Protección n Individual Equipos de aplicación Restricción n para el registro Estudios de residuos

24 Como avaliamos a exposição ocupacional: Classificação do produto em função do estudo agudo mais restritivo, de acordo com os critérios da Portaria nº 03 Em reavaliações de produtos utilizamos eventualmente modelos matemáticos - PHED

25 ETIQUETAS Y PROSPECTOS DE PLAGUICIDAS Min. Agricultura, Salud, Medio Ambiental

26 INFORMACIONES PRESENTES EN LA ETIQUETA Y EL PROSPECTO 1 - Composición n do producto 2 - Precauciones generales 3 - Manipulación n del producto 4 - Precauciones en la aplicación n del producto 5 - Precauciones post aplicación 6 - Primeros auxilios 7 - Mecanismo de acción, absorción n y excreción 8 - Efectos agudos y crónicos 9 - Efectos asociados La etiqueta y el prospecto reflejan las evaluaciones realizadas por las instituciones competentes

27 Padronização de rótulos r e bulas

28 1500: Uso de cobre e enxofre no controle de pragas 1934: Decreto : Organoclorados (DDT) 1940: Herbicidas e organofosforados 1960: Fungicidas sistêmicos 1962: Silent Spring - Rachel Carson 1970: Maiores exigências para o registro nos Estados Unidos 1972: Proibição do DDT nos Estados Unidos 1980: Herbicidas mais específicos 1980 : Leis Estaduais 1985: Proibição dos Organoclorados no Brasil 1988: CF Art : Lei de agrotóxicos 1990: Decreto : Novas tecnologia de aplicação. 1996: Our stolen Future - Theo Colborn; Theo Colborn and John Peterson Myers 2002: Decreto : Decreto Legislativo Roterdã 2004: Decreto Legislativo 197 Estocolmo 2005: Registro de agrotóxicos por equivalência : Projeto normativo de severas restrições de registro na Comunidade Européia

29 GRACIAS Tel: (55-61) Fax: (55-61)

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009 Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas Exigências legais do MAPA Jaguariúna SP junho de 2009 REGULAMENTAÇÃO Histórico da Legislação 1934: Decreto que aprova o Regulamento de

Leia mais

Registro de Agrotóxicos no Brasil

Registro de Agrotóxicos no Brasil Produtos Fitossanitários Registro de Agrotóxicos no Brasil HELEN CALAÇA 02/08/2016 O que é um agrotóxico? Produtos correlatos Impurezas FORMULAÇÃO INGREDIENTE ATIVO Produto Formulado Produto Comercial

Leia mais

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Camila Queiroz Moreira Coordenação de Reavaliação Gerência de Pós-registro Gerência Geral de Toxicologia 23

Leia mais

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016 PAINEL Aspectos Regulatórios da Área de Agrotóxicos: Processo de Reavaliação de Herbicidas no Brasil Avaliação e Reavaliação de Herbicidas: como funciona e o que o MAPA pode fazer. XXX Congresso Brasileiro

Leia mais

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... PREFÁCIO... IX XI CAPÍTULO 1 Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia.... 1 1.1 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS.... 5 1.1.1 A Substância... 6 1.1.2 O Organismo Afetado....

Leia mais

Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos

Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS VEIS - IBAMA Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos Reunião da Câmara Temática de Insumos Agropecuários

Leia mais

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6.

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6. Defensivos Agrícolas, Produtos Fitossanitários, Agrotóxicos ou Pesticidas? FCA / UNESP Campus de Botucatu DPV Defesa Fitossanitária raetano@fca.unesp.br TERMINOLOGIA Agrotóxicos: Lei dos Agrotóxicos 7.802/89

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 25, DE 14 DE SETEMBRO DE 2005

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 25, DE 14 DE SETEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO

Leia mais

Fatores de risco químicos um constante desafio para a Saúde Ocupacional

Fatores de risco químicos um constante desafio para a Saúde Ocupacional Fatores de risco químicos um constante desafio para a Saúde Ocupacional ENCONTRO NACIONAL DE SAÚDE OCUPACIONAL 17 NOVEMBRO 2016 ESTeSL CESALTINA RAMOS Âmbito O número e a diversidade dos fatores de risco

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consulta Pública n 262, de 10 de outubro de 2016 D.O.U de 11/10/2016

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.  Consulta Pública n 262, de 10 de outubro de 2016 D.O.U de 11/10/2016 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 262, de 10 de outubro de 2016 D.O.U de 11/10/2016 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 25, DE 14 DE SETEMBRO DE 2005,

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 25, DE 14 DE SETEMBRO DE 2005, SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 25, DE 14 DE SETEMBRO DE 2005, O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO (MAPA), O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais

b) Comprovante de pagamento do Documento de Recolhimento de Receitas DR, realizado em qualquer agência da rede bancária autorizada, segundo códigos da

b) Comprovante de pagamento do Documento de Recolhimento de Receitas DR, realizado em qualquer agência da rede bancária autorizada, segundo códigos da INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº03, de 10 de Março de 2006 O SEETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA

Leia mais

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 RESUMO Legislação Federal de Agrotóxicos Necessidade do

Leia mais

Exercícios Parte I Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues

Exercícios Parte I Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues Exercícios Parte I 11.02.2012 Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues Questão Prova Perito Polícia Civil 1-( ) No âmbito forense, muitas vezes a verdadeira versão de um crime só pode ser descoberta

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento :: SISLEGIS http://extranet.agricultura.gov.br/sislegis-consulta/consultarlegislacao.do?operacao=vi... Page 1 of 3 25/6/2008 Senado Federal ANVISA Banco

Leia mais

REGISTRO ESPECIAL TEMPORÁRIO- RET

REGISTRO ESPECIAL TEMPORÁRIO- RET REGISTRO ESPECIAL TEMPORÁRIO- RET REUNIÃO TÉCNICA SOBRE PESQUISA COM AGROTÓXICO CURITIBA, 30 DE JULHO DE 2015 P Á T R I A E D U C A D O R A FASES DA PESQUISA Art. 6º A pesquisa e a experimentação serão

Leia mais

Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade. Silvana Kitadai Nakayama Merck

Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade. Silvana Kitadai Nakayama Merck Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade Silvana Kitadai Nakayama Merck Repelentes de Insetos IR3535 DEET Óleo de Citronela Óleo de Neem Óleo de Andiroba e outros óleos naturais

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes.

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. Gerência Geral de Toxicologia - GGTOX Gerência de Saneantes - GESAN Diretoria de Autorização

Leia mais

Ministério da Saúde Organização Pan-americana da Saúde- OPAS

Ministério da Saúde Organização Pan-americana da Saúde- OPAS Ministério da Saúde Organização Pan-americana da Saúde- OPAS IV Fórum Regional Sobre o Desenvolvimento Institucional nas Direções de Saúde Ambiental e I Fórum Regional de Saúde e Ambiente Brasília, de

Leia mais

MISTURAS DE DEFENSIVOS

MISTURAS DE DEFENSIVOS MISTURAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM TANQUE Ac. Albert Kenji Hirose Ac. André Hiroshi Kobayashi Ac. Fausto Nimer Terrabuio Ac. Gustavo Takeshi Hacimoto INTRODUÇÃO Misturas em tanque associações de dois

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO AVALIAÇÃO DE RISCO. Profa. Elisabeth de Sousa Nascimento- FCF-USP/ SP

AVALIAÇÃO DE RISCO AVALIAÇÃO DE RISCO. Profa. Elisabeth de Sousa Nascimento- FCF-USP/ SP Profa. Elisabeth de Sousa Nascimento- FCF-USP/ SP Profa. Dra. Isarita Martins Faculdade de Ciências Farmacêuticas TODA SUBSTÂNCIA, SEGUNDO A TOXICOLOGIA PODE SER CONSIDERADA UM AGENTE TÓXICO, DEPENDENDO

Leia mais

declaração do registrante contendo o nome dos produtos a serem formulados e o destino do produto, enquanto vigorar o registro do produto. 2ºOs dados b

declaração do registrante contendo o nome dos produtos a serem formulados e o destino do produto, enquanto vigorar o registro do produto. 2ºOs dados b Senado Federal ANVISA Banco Central Sec. do Tesouro Nacional IBAMA Palácio do Planalto Ajuda Situação: Vigente Instrução Normativa Conjunta Nº 2, DE 20 DE JUNHO DE 2008 Publicado no Diário Oficial da União

Leia mais

WORKSHOP Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas

WORKSHOP Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA WORKSHOP Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas AVALIAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

DEFENSIVOS PARA GRAMADOS

DEFENSIVOS PARA GRAMADOS LEGISLAÇÃO E REGISTRO DE DEFENSIVOS PARA GRAMADOS Prof. Dr. Carlos Gilberto Raetano FCA/UNESP Campus de Botucatu Depto. Produção Vegetal Defesa Fitossanitária Raetano@fca.unesp.br LEGISLAÇÃO - AGROTÓXICOS

Leia mais

Toxicologia Ocupacional

Toxicologia Ocupacional Toxicologia Ocupacional Introdução ACGIH NR 15 NR 9 Versão: Dezembro de 2016 1. Introdução / Conceitos básicos Toxicologia Ciência dos venenos Não existem substâncias inofensivas. O que diferencia um remédio

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA Conceitos básicos TOXICOLOGIA: Agente tóxico Organismo vivo efeito nocivo 1 Transdisciplinaridade Patologia Saúde Pública Química Física Estatística TOXICOLOGIA Farmacologia

Leia mais

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal José Eduardo Vieira de Moraes ANDEF Associação Nacional de Defesa Vegetal São Paulo, 25 de agosto de 2014 Desafios Por que Precisamos das

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SOLUÇÃO TAMPÃO ph 7 - Código interno de identificação do produto: S1036 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA Seminário FIESP Cooperação Brasil-Holanda: Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas Recuperação de

Leia mais

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas Secretaria de Defesa Agropecuária Luís Eduardo Pacifici Rangel

Leia mais

Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil. Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016

Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil. Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016 Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016 Karina Cham Analista Ambiental Carlos Tonelli Analista Ambiental Programação Papel do Ibama no Registro

Leia mais

FISPQ DP /01/2012 Página 1 de 6

FISPQ DP /01/2012 Página 1 de 6 Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: HCl Algicida Choque Aplicação: Eliminação de Algas Nome da Empresa: Hidroall

Leia mais

Crivialli Indústria de Produtos de Higiene e. FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Crivialli Indústria de Produtos de Higiene e. FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Limpa Alumínio e Inox Magic Brill Notificação na ANVISA/MS: 25351633832200902 Nome da Empresa: Crivialli Indústria de Produtos de Higiene e Limpeza

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância. Sanitária Consulta Pública n 87, de 2 de outubro e 2015 D.O.U de 5/10/2015

Agência Nacional de Vigilância. Sanitária  Consulta Pública n 87, de 2 de outubro e 2015 D.O.U de 5/10/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 87, de 2 de outubro e 2015 D.O.U de 5/10/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: KYARAD MR Page: (1 of 5) Data de elaboração: (04 /01 / 2006) Data de revisão: (16 / 08 / 2006) Número de Revisão: (01) ATENÇÃO: Leia

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ABELARDO LUZ

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ABELARDO LUZ LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ABELARDO LUZ ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau, Abril 2017. SUMÁRIO 1

Leia mais

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 17, DE 29 DE MAIO DE 2009 O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V, art.

Leia mais

Portaria nº 152, de 26 de fevereiro de 1999 (Publicada no DOU - Poder Executivo, 01 de março de 1999)

Portaria nº 152, de 26 de fevereiro de 1999 (Publicada no DOU - Poder Executivo, 01 de março de 1999) Portaria nº 152, de 26 de fevereiro de 1999 (Publicada no DOU - Poder Executivo, 01 de março de 1999) Alteração: ** Resolução nº 150, de 28 de maio de 1999, autoriza a inclusão da substância ÁCIDO DICLOROISOCIANÚRICO

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Identificação e classificação de produtos perigosos: Sistema harmonizado globalmente para a classificação

Leia mais

GHS aplicado a óleos lubrificantes. Prof. MSc. Fabriciano Pinheiro Diretor Técnico - Intertox

GHS aplicado a óleos lubrificantes. Prof. MSc. Fabriciano Pinheiro Diretor Técnico - Intertox GHS aplicado a óleos lubrificantes Prof. MSc. Fabriciano Pinheiro Diretor Técnico - Intertox Outubro - 2013 www.intertox.com.br SEGURANÇA QUÍMICA Conceito É a prevenção dos efeitos adversos, para o ser

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consulta Pública n 323, de 21 de março de 2017 D.O.U de 22/03/2017

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.  Consulta Pública n 323, de 21 de março de 2017 D.O.U de 22/03/2017 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 323, de 21 de março de 2017 D.O.U de 22/03/2017 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

ABRASIVO POLIÉSTER PE/PA

ABRASIVO POLIÉSTER PE/PA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Abrasivo Poliéster PE/PA Nome da Empresa: Rebarba, Brilhos Ind. Com. de Prod. de Polimento Ltda Fone/Fax: (1) 4043-3151/4043-3202 E-mail: comercial@rebarba.com.br

Leia mais

CGCRE / INMETRO. Reconhecimento da Conformidade aos Princípios das Boas Práticas de Laboratório - BPL

CGCRE / INMETRO. Reconhecimento da Conformidade aos Princípios das Boas Práticas de Laboratório - BPL CGCRE / INMETRO Reconhecimento da Conformidade aos Princípios das Boas Práticas de Laboratório - BPL Rio de Janeiro, 10 de maio de 2012 Elisa Rosa dos Santos Assessoria Técnica - DICLA/CGCRE/INMETRO INMETRO:

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança. Metronidazol. 1.2 Utilização da substância/preparação: Para utilizações de laboratório, análise, pesquisa e química fina.

Ficha de Dados de Segurança. Metronidazol. 1.2 Utilização da substância/preparação: Para utilizações de laboratório, análise, pesquisa e química fina. Ficha de Dados de Segurança Metronidazol 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Metronidazol Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 1.2 Utilização

Leia mais

Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios. Apresentação para:

Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios. Apresentação para: Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios Apresentação para: Março 2014 Agenda Ambiente regulatório Eucalipto GM FuturaGene Avaliação ambiental e de segurança Resumo 2 Estrutura legal no

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: EOSINA AMARELADA - Código interno de identificação do produto: E1007 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

Classificação, embalagem e rotulagem de produtos fitofarmacêuticos novo quadro legal

Classificação, embalagem e rotulagem de produtos fitofarmacêuticos novo quadro legal Classificação, embalagem e rotulagem de produtos fitofarmacêuticos novo quadro legal Francisca Almeida Lei 26/2013, de 11 Abril Regula as atividades de distribuição, venda e aplicação de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PRODUTO: NEOTRATY ALGICIDA DE MANUTENÇÃO FISPQ N 015 Data: 14/12/2016 Revisão: 01 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da

Leia mais

O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

KAREN FRIEDRICH ABRASCO FIOCRUZ UNIRIO

KAREN FRIEDRICH ABRASCO FIOCRUZ UNIRIO KAREN FRIEDRICH ABRASCO FIOCRUZ UNIRIO NOVEMBRO 2016 OGM NO BRASIL: SAÚDE E MEIO AMBIENTE 2º maior consumidor de sementes transgênicas > 40 mi ha plantados OGM NO BRASIL: SAÚDE E MEIO AMBIENTE 2º maior

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. Conceito Por Aramis Cardoso GHS é significa Sistema Harmonizado

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação da sociedade ou empresa:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SUBCARBONATO DE BISMUTO - Código interno de identificação do produto: S1039 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do produto: GESSO Nome da Empresa: POLIDENTAL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Endereço: Rua Phillip Leiner, 350 Parque Alexandra

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Paulo Teixeira) Altera a Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989, para banir os agrotóxicos e componentes que especifica, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s).

A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s). Workshop Prevenção e redução dos riscos associados à utilização de produtos fitofarmacêuticos A importância do uso de Equipamentos de Protecção Individual (EPI s). 29 de Junho de 2016 Maria Manuel Garrão

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH)

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) VITAMINA C.FDS_PT.DOC 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação

Leia mais

Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas. Prof. Dr. Fábio Kummrow

Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas. Prof. Dr. Fábio Kummrow Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas Prof. Dr. Fábio Kummrow fkummrow@unifesp.br 20/01/2017 Definição de área contaminada (CETESB): Uma área contaminada pode ser definida como uma

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de janeiro de 2016 (OR. en)

Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de janeiro de 2016 (OR. en) Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de janeiro de 2016 (OR. en) 5215/16 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 12 de janeiro de 2016 para: n. doc. Com.: D041721/03 Assunto: Secretariado-Geral

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação da sociedade ou empresa:

Leia mais

Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil. Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental

Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil. Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental Workshop Agrotóxicos: onde estamos? Jaguariúna, 8 de outubro de 2013 1 Registro de Agrotóxicos

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: VERSÁTIL BECKSOAP CREMOSO Utilização: Sabonete líquido cremoso para lavagem das mãos em ambientes públicos / profissionais. (uso industrial/

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ PASTA LUBRIFICANTE AMANCO

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ PASTA LUBRIFICANTE AMANCO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: PASTA LUBRIFICANTE Código Interno de identificação do produto: 90131 90129 90130 92678 Nome da empresa : MEXICHEM BRASIL INDUSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas. Edivandro Seron

Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas. Edivandro Seron Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas Edivandro Seron Foz do Iguaçu, 25 de agosto de 2016 Aplicação da Legislação Lei nº 7.802 de 11 de julho de 1989 Decreto nº 4.074 de 4 de janeiro

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: METABISSULFITO DE POTÁSSIO - Código interno de identificação do produto: M1005 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação da sociedade ou empresa:

Leia mais

SOLUÇÃO TAMPÃO ACETATO DE SÓDIO

SOLUÇÃO TAMPÃO ACETATO DE SÓDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. Nome do produto: Código interno de identificação do produto: AS-5562 Nome da empresa: Anidrol Produtos para Laboratórios Ltda. Endereço: Av. Fundibem,275 Jardim

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso:FARMÁCIA Disciplina:Toxicologia Professor(es): Maria de Fatima M. Pedrozo Núcleo Temático: Análises Clínicas DRT: 113037-5 Código da

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO AMBIENTAL DE AGROTÓXICOS. Alberto José Centeno

AVALIAÇÃO DE RISCO AMBIENTAL DE AGROTÓXICOS. Alberto José Centeno AVALIAÇÃO DE RISCO AMBIENTAL DE AGROTÓXICOS. Alberto José Centeno REGISTRO DE AGROTÓXICOS NO BRASIL Até 1989 Ministério da Agricultura Ministério da Saúde Ministério da Agricultura Lei 7.802, 11/07/89

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: CARBONATO DE LÍTIO - Código interno de identificação do produto: C1006 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

Wenda do Brasil. Acelerador ZDC Material Safety Data Sheet

Wenda do Brasil. Acelerador ZDC Material Safety Data Sheet Acelerador ZDC Material Safety Data Sheet SEÇÃO 1 PRODUTO QUIMICO E DADOS DA EMPRESA Nome do Material: Acelerador ZDC Nome Quimico: Zinco Dietilditiocarbamato Sinônimos: Acido Dietilditiocarbamico sal

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: AZUL DE TOLUIDINA - Código interno de identificação do produto: A1111 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus SOLICITAÇÃO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE/PERICULOSIDADE/RADIAÇÃO IONIZANTE E GRATIFICAÇÃO DE RAIOS-X Nome Fulano de Tal SIAPE 18246987 Lotação Coordenação Cargo Telefone (22)... Campos Itaperuna

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ARAQUARI

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ARAQUARI LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CÂMPUS ARAQUARI ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 2155240 Blumenau, 02 de Fevereiro de 2016.

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH)

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) PROGESTERONA.FDS_PT.DOC 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação

Leia mais

DRT: Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática

DRT: Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática Unidade Universitária: :CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso:FARMACIA Disciplina:TOXICOLOGIA Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática Ementa: DRT: 113037-5

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA

CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA CONCEITOS BÁSICOS DE TOXICOLOGIA KELLY FRANCISCO DA CUNHA Toxicologia Estuda os efeitos nocivos decorrentes das interações entre as substâncias químicas com o organismo. Agente tóxico Organismo vivo Efeito

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Paño abrillantador supergrande para oro y joyas

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Paño abrillantador supergrande para oro y joyas 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade/empresa Identificação da substância/preparação Nome do produto Uso do produto Produto de Consumo. Identificação da sociedade/empresa Fabricante

Leia mais

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus SOLICITAÇÃO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE/PERICULOSIDADE/RADIAÇÃO IONIZANTE E GRATIFICAÇÃO DE RAIOS-X Nome SIAPE Lotação Coordenação Cargo Telefone INFORMAÇÕES DO SERVIDOR Carga horária /

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA. Estrasburgo, 16 de Dezembro de 2008 (OR. en) 2007/0121 (COD) LEX 958 PE-CONS 3671/08 ADD 6 REV 2

UNIÃO EUROPEIA. Estrasburgo, 16 de Dezembro de 2008 (OR. en) 2007/0121 (COD) LEX 958 PE-CONS 3671/08 ADD 6 REV 2 UNIÃO EUROPEIA PARLAMENTO EUROPEU CONSELHO Estrasburgo, 16 de Dezembro de 2008 (OR. en) 2007/0121 (COD) LEX 958 PE-CONS 3671/08 ADD 6 REV 2 COMPET 306 ENV 538 CHIMIE 49 MI 293 ENT 213 CODEC 1079 REGULAMENTO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO SOLUÇÃO EDTA 0,01M 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. 2. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS.

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO SOLUÇÃO EDTA 0,01M 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. 2. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. Nome do produto: Solução EDTA 0,01 M. Código interno de identificação do produto: AS-5422 Nome da empresa: Endereço: Anidrol Produtos para Laboratórios Ltda. Av.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: CLORETO DE MAGNÉSIO - Código interno de identificação do produto: C1051 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

Proposta de lista positiva de insumos para a Regulamentação do Setor Orgânico Lei 10831

Proposta de lista positiva de insumos para a Regulamentação do Setor Orgânico Lei 10831 Proposta de lista positiva de insumos para a Regulamentação do Setor Orgânico Lei 10831 Coordenação de Agroecologia Jaguariúna, setembro 2007 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Agroecologia

Leia mais

9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade

9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade 9. Classificação de agentes químicos quanto a toxicidade e periculosidade Existem certos riscos associados ao uso de produtos químicos: Danos materiais Danos à saúde humana Danos ambientais (seres vivos

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 45, DE 2 DE OUTUBRO DE 2013 (*)

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 45, DE 2 DE OUTUBRO DE 2013 (*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 45, DE 2 DE OUTUBRO DE 2013 (*) (Republicado

Leia mais

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CAMPUS RIO DO SUL SEDE

LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CAMPUS RIO DO SUL SEDE LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO CAMPUS RIO DO SUL SEDE ALAINE SANTANA BARRETO Engenheira de Segurança do Trabalho CREA SC nº 072076-6 SIAPE 1789080 Blumenau, 05 de Maio de 2016.

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Cartasol Amarelo 6GFN liq Página : 1 / 9

FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Cartasol Amarelo 6GFN liq Página : 1 / 9 Cartasol Amarelo 6GFN liq Página : 1 / 9 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto (nome comercial) Cartasol Amarelo 6GFN liq Código interno de identificação do produto nº Material : 186221

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: BORATO DE SÓDIO - Código interno de identificação do produto: B1020 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda -

Leia mais

AGROQUÍMICOS. Because you care about consumers health

AGROQUÍMICOS. Because you care about consumers health AGROQUÍMICOS Because you care about consumers health 1 PRESENÇA GLOBAL PRESENTE EM 21 PAÍSES POR MEIO DE UMA REDE COM MAIS DE 80 LABORATÓRIOS Mais de 80 laboratórios acreditados Presença em 21 países Aproximadamente

Leia mais

Solid Ink - Preto, Ciano, Magenta, Amarelo

Solid Ink - Preto, Ciano, Magenta, Amarelo Página 1 / 7 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA de acordo com o Regulamento (UE) nº 1907/2006 redacção dada Solid Ink - Preto, Ciano, Magenta, 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA OU DA MISTURA E DA SOCIEDADE OU EMPRESA

Leia mais

BRASIL ENVENENADO { }

BRASIL ENVENENADO { } BRASIL ENVENENADO O Brasil, um dos países mais biodiversos do planeta, vem sendo sistematicamente envenenado pelo agronegócio, que despeja, por ano, só no país, cerca de UM BILHÃO de litros/toneladas de

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: MOLIBDATO DE SÓDIO - Código interno de identificação do produto: M1013 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

Sistema Globalmente Harmonizado (GHS). Sistema Internacional para Comunicação e Classificação de Perigos Químicos. SISTEMA GLOBALMENTE HARMONIZADO

Sistema Globalmente Harmonizado (GHS). Sistema Internacional para Comunicação e Classificação de Perigos Químicos. SISTEMA GLOBALMENTE HARMONIZADO SISTEMA GLOBALMENTE HARMONIZADO Sistema Globalmente Harmonizado (GHS). Sistema Internacional para Comunicação e Classificação de Perigos Químicos. O QUE É GHS? A segurança é um valor fundamental da Quaker

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE AGROTÓXICOS PROIBIDOS E RESTRITOS

INFORMAÇÃO SOBRE AGROTÓXICOS PROIBIDOS E RESTRITOS INFORMAÇÃO SOBRE AGROTÓXICOS PROIBIDOS E RESTRITOS LIFE-IN-RD001 Versão Internacional Português (ABRIL/2016) 2 OBJETIVO O objetivo deste Documento de Referência é definir e informar ao público quais são

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES Pág. 1/5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome do produto: GESSO Cód. Interno de Identificação do Produto: Nome da Empresa: POLIDENTAL INDÚSTRIA

Leia mais

Vias de Entrada dos Produtos Químicos no Organismo

Vias de Entrada dos Produtos Químicos no Organismo Riscos químicos Consideram-se agentes de riscos químicos aqueles cuja periculosidade é devido a um produto ou composto químico. Podem penetrar o organismo do trabalhador através a inalação (poeiras, fumos,

Leia mais

Curso: Interpretação e aplicação da norma ABNT-NBR Classificação GHS, rotulagem e FISPQ

Curso: Interpretação e aplicação da norma ABNT-NBR Classificação GHS, rotulagem e FISPQ Segundo Semestre de 2012 Curso: Interpretação e aplicação da norma ABNT-NBR 14725 Classificação GHS, rotulagem e FISPQ Coordenação: Prof. MSc. Fabriciano Pinheiro I. Informações gerais II. Apresentação

Leia mais