1. Como saber se determinado equipamento/produto é considerado EPI?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Como saber se determinado equipamento/produto é considerado EPI?"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMATIZAÇÃO E PROGRAMAS 1. Como saber se determinado equipamento/produto é considerado EPI? Para um determinado equipamento/produto ser considerado Equipamento de Proteção Individual (EPI) deve estar enquadrado no Anexo I da NR-6. Portanto, para um equipamento ser comercializado ou utilizado como EPI este necessita do Certificado de Aprovação - CA, emitido por este Ministério, ou seja, o CA qualifica o equipamento como EPI, autorizando sua utilização para os fins estabelecidos na NR- 06. Caso os equipamentos/produtos da empresa se enquadrem no Anexo I da NR-6 e sejam aprovados nas normas técnicas de ensaio aplicáveis, será considerado EPI. Caso contrário, tal equipamento/produto não obterá o CA e não será considerado nem poderá ser comercializado como EPI. Nesse caso, a empresa poderá comercializar seus produtos sem CA, entretanto este não estará qualificado como EPI. Logo, não poderão ser utilizados para os fins estabelecidos na NR Qual a documentação necessária para uma empresa se cadastrar junto ao Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho - DSST/SIT/MTE como fabricante e/ou importador de EPI? A empresa deve apresentar os documentos listados no Art. 3º da Portaria SIT n.º 126, de 2 de dezembro de 2009, disponível no link Ressalte-se que, conforme indicado no inciso III, do Art. 3º, deve constar expressamente no Contrato Social, dentre os objetivos sociais da empresa, a fabricação e/ou importação de EPI. 3. Como fazer o cadastramento de usuário do sistema CAEPI? Preencha o formulário disponível no link e encaminhe para o endereço abaixo. Coordenação-Geral de Normatização e Programas CGNOR/ DSST/ SIT Esplanada dos Ministérios. Bloco F, Ed. Anexo, Ala B, CEP , Brasília-DF Endereço Internet: Endereço de 4. Como usar o sistema CAEPI? Disponibilizamos no link abaixo um manual de instruções sobre o sistema. 5. Qual o procedimento para emitir ou renovar um CA?

2 R - Todo o processo de emissão de CA está regulamentado pela NR-6 e pelas Portarias SIT n.º 121/2009 e 126/2009, disponíveis nos links abaixo: Desse modo, a empresa deve: 1. Cadastrar-se como fabricante e/ou importadora de EPI; 2. Efetuar o enquadramento do seu equipamento/produto de acordo com o Anexo I da NR-6; 3. Efetuar os ensaios laboratoriais previstos na Portaria SIT n.º 121/2009 para o seu EPI; 4. Encaminhar toda a documentação exigida para a emissão ou renovação de CA informada no Art. 4º da Portaria SIT n.º 126/ Onde é possível realizar ensaios laboratoriais nos EPI? Os ensaios laboratoriais devem ser realizados prioritariamente em laboratorios nacionais credenciados junto ao DSST, conforme informado no item da Portaria SIT n.º 121/2009. Ressalte-se que somente são aceitos relatórios de ensaio ou declaração de conformidade de laboratórios ou organismos de certificação estrangeiros quando não há laboratório nacional credenciado para realização do ensaio. A lista de laboratorios credenciados junto ao MTE está disponível no link 7. Quais são os Equipamentos que devem ser submetidos a testes no exterior? Quais os laboratórios ou organismos de certificação estrangeiros aceitos pelo MTE? Para os equipamentos listados no item 1.3 da Portaria SIT n.º 121/2009 que terão sua conformidade comprovada nos termos do item e 1.3.2, o interessado deverá apresentar, no momento da solicitação de renovação/ emissão de CA, documento comprobatório (Copia autenticada do original e da tradução juramentada) indicando seu credenciamento nos termos da Portaria Assim sendo: No caso de certificado: Apresentar documento comprobatório (Copia autenticada do original e da tradução juramentada) que o organismo certificador do país emissor do certificado é acreditado por um organismo signatário de acordo multilateral de reconhecimento (Multilateral Recognition Arrangement - MLA) nos termos da Portaria SIT n.º 121, item No caso de ensaio em laboratório: Apresentar documento comprobatório (Copia autenticada do original e da tradução juramentada) que o laboratório que realizou o ensaio é

3 acreditado por um organismo signatário de acordo multilateral de reconhecimento mútuo, nos termos da Portaria SIT n.º121, item Quais são as marcações obrigatórias que devem ser feitas em um EPI? Devem ser feitas todas as marcações indicadas no item da NR-6 que dispõe: Todo EPI deverá apresentar em caracteres indeléveis e bem visíveis, o nome comercial da empresa fabricante, o lote de fabricação e o número do CA, ou, no caso de EPI importado, o nome do importador, o lote de fabricação e o número do CA Na impossibilidade de cumprir o determinado no item 6.9.3, o órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho poderá autorizar forma alternativa de gravação, a ser proposta pelo fabricante ou importador, devendo esta constar do CA. 9. Qual a descrição do CA que deve ser informada na Folha de Rosto do CAEPI e no memorial descritivo? A descrição do CA deve ser exatamente igual a descrição que consta no relatório de ensaio laboratorial. 10. Qual o procedimento para alteração de um CA? A empresa deve observar o disposto no Art. 5º e 6º da Portaria SIT n.º 126/ Onde é possível pesquisar um CA? É possível consultar no link abaixo: 12. Existe uma relação de equipamentos de proteção para cada tipo de atividade ou empresa? Não. A indicação de EPI é uma questão complexa devido à necessidade específica não só da atividade em si como também do espaço físico onde essa atividade é realizada. De acordo com a Norma Regulamentadora n.º 06 os EPI devem ser recomendados ou indicados conforme disposto abaixo. 6.5 Compete ao Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho SESMT, ouvida a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA e trabalhadores usuários, recomendar ao empregador o EPI adequado ao risco existente em determinada atividade Nas empresas desobrigadas a constituir SESMT, cabe ao empregador selecionar o EPI adequado ao risco, mediante orientação de profissional

4 tecnicamente habilitado, ouvida a CIPA ou, na falta desta, o designado e trabalhadores usuários Em todo caso, sugerimos acessar o texto da Norma Regulamentadora n.º 06 e consultar o Anexo I, que trata da lista de EPI e suas aplicações. 13. Qual o prazo para emissão e ou renovação de um CA? Como acompanhar o andamento do processo? O prazo para emissão de um CA é de até 60 dias. Para acompanhar o andamento do processo, consulte no CAEPI a opção CA Acompanhar Processo, informe um dos dados solicitados e clique em consultar. 14. Na opção CA Acompanhar Processos, quando posso ter certeza de que o CA foi aprovado pelo MTE? Somente quando visualizar na coluna andamento a informação de Expedido. As mensagens informadas na coluna andamento significam: Em Análise: o processo está aguardando análise; Emissão do CA: o processo está sendo analisado; Em Conferência: o processo está sendo conferido e aguarda assinatura; Expedido: foi concluída a analise do CA e ele foi aprovado. Obs: caso verifique que o status do andamento do processo é aguardando documentação, significa que o processo foi analisado e indeferido, sendo que o oficio de indeferimento é encaminhado para a empresa via correio. 15. Posso ter um CA para EPI conjugado? É possível. Neste caso, estará expresso no campo OBSERVAÇÃO do CA os equipamentos conjugados, ou seja, estará indicado que o CA nº X deve ser utilizado conjugado/acoplado com o CA n Y. 16. Qual a validade do CA? Aqui temos três situações: Caso o relatório de ensaio ou certificação apresentados tenham sido emitidos há menos de um ano, o prazo de validade do CA será de 5 anos. Quando o relatório de ensaio ou certificação tiver sido emitido há mais de 1 ano e menos 4 anos, o prazo de 5 anos contará a partir da data de emissão do laudo de ensaio ou certificado; Relatórios ou certificações emitidas com mais de 4 anos não serão validas. 17. Como está sendo emitido CA para Conjunto de segurança? Vide comunicado XV disponível no link

5 18. Quais são os procedimentos para emissão e/ou renovação de Certificado de Aprovação (CA) para os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) destinados a proteção contra agentes térmicos (calor) e chamas provenientes do arco elétrico e/ou fogo repentino? Dadas as peculiaridades deste tipo de equipamento, disponibilizamos o Comunicado IX no link abaixo com perguntas e respostas especificas sobre este tipo de EPI; 19. Como deve ser o manual de instruções de um EPI? O manual deve conter, no mínimo, as informações indicadas no item 4 do anexo I da Portaria SIT n.º 121/ O MTE continua emitindo CA por meio de Termo de Responsabilidade? O MTE não emite mais nenhum CA por termo de responsabilidade. Todos os EPI devem ser submetidos a ensaios laboratoriais. 21. Tem algum telefone para tirar dúvidas sobre questões relacionadas a EPI? Não. O MTE disponibiliza o como canal para esclarecer dúvidas e questionamentos sobre os processos de emissão de CA.

Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI)

Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI) Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI) A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A Lei

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ESPECIFICAÇÃO DAS VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO CONTRA OS EFEITOS TÉRMICOS DO ARCO ELÉTRICO E DO FOGO REPENTINO.

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ESPECIFICAÇÃO DAS VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO CONTRA OS EFEITOS TÉRMICOS DO ARCO ELÉTRICO E DO FOGO REPENTINO. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ESPECIFICAÇÃO DAS VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO CONTRA OS EFEITOS TÉRMICOS DO ARCO ELÉTRICO E DO FOGO REPENTINO. 1. Conceituação do arco elétrico e do fogo repentino Arco elétrico:

Leia mais

Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP. Informações úteis para o Empregador. Versão 1.2

Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP. Informações úteis para o Empregador. Versão 1.2 Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP Portaria MTE 1.510/2009 Informações úteis para o Empregador Versão 1.2 1 Sumário 1 PONTOS IMPORTANTES DA PORTARIA 1.510/2009... 3 1.1 Definições... 4 1.2

Leia mais

Manual de Orientações para Cadastramento dos Prestadores de Serviços Turísticos no Ministério do Turismo

Manual de Orientações para Cadastramento dos Prestadores de Serviços Turísticos no Ministério do Turismo Manual de Orientações para Cadastramento dos Prestadores de Serviços Turísticos no Ministério do Turismo 1ª Edição Outubro de 2011 MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Gastão Dias Vieira Secretário

Leia mais

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Procedimentos para Legalização e Inscrição do MEI Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Perguntas e respostas Atualizado até 15/07/2009 MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS (Resolução CGSIM

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA E-MARCAS. Instituto Nacional da Propriedade Industrial Diretoria de Marcas Versão 2.2 -Atualizado em 19/03/2013-

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA E-MARCAS. Instituto Nacional da Propriedade Industrial Diretoria de Marcas Versão 2.2 -Atualizado em 19/03/2013- MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA E-MARCAS Instituto Nacional da Propriedade Industrial Diretoria de Marcas Versão 2.2 -Atualizado em 19/03/2013- 2 Índice PARTE I... 5 PEDIDO DE REGISTRO DE MARCAS: INFORMAÇÕES

Leia mais

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004;

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria nº 10, de 24 de janeiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

EDITAL Nº 001/2015 DETRAN/MT, DE 24 DE ABRIL DE 2015.

EDITAL Nº 001/2015 DETRAN/MT, DE 24 DE ABRIL DE 2015. Página 15 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO DE CARGOS DO QUADRO PERMANENTE DO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE MATO GROSSO DETRAN/MT EDITAL Nº 001/2015 DETRAN/MT, DE

Leia mais

Solicitando o Cartão BNDES

Solicitando o Cartão BNDES Solicitando o Cartão BNDES Atualizado em 30/06/2014 Pág.: 1/12 Introdução Este manual destina-se a orientar as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) na solicitação do Cartão BNDES no site do Cartão

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA EDITAL N 01, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA EDITAL N 01, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO AMAZONAS, no uso de suas atribuições, em conformidade com os dispositivos da Constituição Federal vigente, da Lei nº 3.834, de 03 de dezembro de 2012 e suas alterações,

Leia mais

O programa é dividido em cinco fases, sendo que O PARTICIPANTE deve se atentar para as orientações de cada fase conforme descrito a seguir.

O programa é dividido em cinco fases, sendo que O PARTICIPANTE deve se atentar para as orientações de cada fase conforme descrito a seguir. Programa CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Orientações aos PARTICIPANTES (Versão 2014) O Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia,

Leia mais

Manual do Usuário Prestador SGU-CARD

Manual do Usuário Prestador SGU-CARD Manual do Usuário Prestador SGU-CARD ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. ACESSO AO SGU-CARD... 3 3. CONSULTAS (CONSULTÓRIOS)... 6 3.1. Consultas em aberto... 6 3.2. Execução das Consultas em aberto... 11 3.3.

Leia mais

Ministério do Trabalho e Emprego

Ministério do Trabalho e Emprego Manual da Aprendizagem O que é preciso saber para contratar o aprendiz Edição revista e ampliada Presidente da República Dilma Rousseff Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Lupi Secretário-Executivo Paulo

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO Escola Preparatória de Cadetes do Exército

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO Escola Preparatória de Cadetes do Exército Este documento é uma cópia do Edital do Concurso de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército, publicado no Diário Oficial da União Nr 83, de dia 05 de maio de 2014. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR (PAT) Responde

PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR (PAT) Responde PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR (PAT) Responde 1 Sumário PAT Perguntas e respostas mais frequentes... 6 Parecer Normativo CST nº. 08, de 19 de março de 1982 Imposto sobre a renda e proventos de

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO EDITAL DE ABERTURA 1. DAS DISPOSIÇÕES

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO EDITAL DE ABERTURA 1. DAS DISPOSIÇÕES O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), nos termos do disposto no Provimento 144, de 13 de junho de 2011, e suas alterações posteriores constantes do Provimento 156/2013, de 1º de novembro

Leia mais

EDITAL Nº 02, DE 15 DE JANEIRO DE 2015

EDITAL Nº 02, DE 15 DE JANEIRO DE 2015 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde EDITAL Nº 02, DE 15 DE JANEIRO DE 2015 ADESÃO DE MÉDICOS AOS PROGRAMAS DE PROVISÃO DE MÉDICOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PROJETO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONCURSO PÚBLICO - 2015 CARGO - NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO D Campus São Carlos 00115-01 ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO Campus Araras 00115-02 ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO Campus

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 44, DE 17 DE AGOSTO DE 2009 ##TEX Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Receita do Estado

Estado do Paraná Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Receita do Estado NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL Nº 086/2013 Publicada no DOE 9065 de 15.10.2013 SÚMULA: Estabelece procedimentos para o Cadastro de Contribuintes do ICMS - CAD/ICMS. Revoga as NPF 099/2011, 035/2012 e 067/2013.

Leia mais

Planos de saúde: guia prático

Planos de saúde: guia prático Planos de saúde: guia prático Dicas úteis para quem tem ou deseja ter um plano de saúde A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Atualizado em dezembro/2011 Índice O que é a ANS? 3 Como a ANS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGOA NOVA ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EDITAL NORMATIVO DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 PMLN/RN O MUNICÍPIO DE LAGOA NOVA, Estado do Rio Grande do Norte, no uso de suas atribuições

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/UFAM. Manual Ilustrado para preenchimento da Plataforma Brasil

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/UFAM. Manual Ilustrado para preenchimento da Plataforma Brasil UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/UFAM Manual Ilustrado para preenchimento da Plataforma Brasil Manual Ilustrado para preenchimento da Plataforma Brasil O presente Manual

Leia mais

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS - OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS Índice 1. INTRODUÇÃO...5 2. MÓDULO DE GESTÃO DE

Leia mais

EDITAL Nº 03/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS (PS)

EDITAL Nº 03/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS (PS) EDITAL Nº 03/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS (PS) UM HOSPITAL DE CLÍNICAS PARA TODOS Venha fazer parte de uma Instituição reconhecida e premiada pelas suas s nas áreas de assistência, ensino e pesquisa. Buscamos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO NÚCLEO DE CONTRATAÇÕES SEÇÃO DE LICITAÇÕES

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO NÚCLEO DE CONTRATAÇÕES SEÇÃO DE LICITAÇÕES PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO NÚCLEO DE CONTRATAÇÕES SEÇÃO DE LICITAÇÕES EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 59/2012 Processo nº. 6.652/10/2012-ADM A JUSTIÇA

Leia mais

e- SIC Manual do Cidadão

e- SIC Manual do Cidadão e- SIC Manual do Cidadão Sumário Introdução... 3 O e-sic... 4 Primeiro acesso... 5 Cadastrando-se no e-sic... 6 Acessando o e-sic... 7 Funções do e-sic... 8 Envio de avisos por e-mail pelo e-sic... 9 Como

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 3.233/2012-DG/DPF, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 3.233/2012-DG/DPF, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 3.233/2012-DG/DPF, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2012 (Alterada pela Portaria nº 3.258/2013 DG/DPF, publicada no D.O.U em 14/01/2013) (Alterada

Leia mais

Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação

Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação Sumário Introdução... 4 1. O que é o Pregão... 7 Bens e Serviços Comuns... 8 Base Legal... 9 2. Fase Preparatória... 10 Autoridade Competente... 11 Instauração

Leia mais