Anderson Tavares de Freitas. Bruno Vieira Bertoncini

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anderson Tavares de Freitas. Bruno Vieira Bertoncini"

Transcrição

1 PROPOSTA METODOLÓGICA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA MATRIZ ORIGEM/DESTINO DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO A PARTIR DOS DADOS DE BILHETAGEM ELETRÔNICA E GPS DOS VEÍCULOS Anderson Tavares de Freitas Bruno Vieira Bertoncini

2 PROPOSTA METODOLÓGICA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA MATRIZ ORIGEM/DESTINO DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO A PARTIR DOS DADOS DE BILHETAGEM ELETRÔNICA E GPS DOS VEÍCULOS Anderson Tavares de Freitas Bruno Vieira Bertoncini Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia de Transportes RESUMO A pesquisa em desenvolvimento busca propor uma metodologia para construir uma matriz origem-destino do transporte público a partir dos dados do Sistema de Bilhetagem Eletrônica (SBE) e de GPS dos veículos. O SBE é utilizado pelo transporte público como forma de pagamento e de validação do embarque dos usuários. Os dados gerados produzem rico banco de dados, contendo todas as validações de embarque por usuário com registros de horário, linha de ônibus e identidade do veículo. Juntamente com o sistema de rastreamento de ônibus por GPS, é possível construir uma matriz origem - destino (OD) dos usuários do sistema. Para tal, o trabalho adotará como hipótese de partida a realização de viagens segundo movimento pendular. Acredita-se que isto ajudará na determinação das origens e dos destinos de viagens. Para tanto, os objetivos específicos estabelecidos buscam verificar a hipótese de viagens pendulares, determinar os padrões de validações por usuário, determinar a origem e destino da parcela dos usuários com smartcard e expandir a Matriz para todas as viagens realizadas no sistema de transporte público da cidade de Fortaleza - CE. 1. INTRODUÇÃO A utilização do smartcard no Sistema de Bilhetagem Eletrônica (SBE) do transporte público é cada vez mais difundindo pelo mundo devido suas vantagens. O smartcard possibilita pagamento rápido e seguro da tarifa, redução dos custos a longo prazo no SBE, melhoria da gestão das receitas e permite flexibilidade espacial e temporal de cobrança da tarifa. Sistemas com smartcard são consolidados e bem desenvolvidos principalmente na França, Itália, Inglaterra, Estados Unidos, Canadá e Chile (Pelletier et al, 2009). No Brasil o uso do SBE é muito difundindo, de acordo com Martinelli e Aroucha (2012), 77% das cidades brasileiras com mais de 50 mil habitantes dispõe desse sistema. Contudo, os SBE s não são idênticos em todas as cidades, cada sistema possui suas peculiaridades quanto à validação, ao modo de pagamento, ao quê é registrado no banco de dados, dentre outras. Em alguns a validação da viagem ocorre unicamente ao entrar no veículo, por conseqüente só é registrado informações referente ao embarque, em outros a validação ocorre ao entrar e ao sair do veículo possibilitando o registro de informações referentes ao embarque e desembarque. O que é registrado no banco de dados dos SBE s não segue um padrão universal, logo informações quanto a linha de ônibus utilizada, o ID do veículo, a localização geográfica e outras informações podem não ser igualmente registradas. Os dados das validações podem ser usados numa escala de tempo precisa, contribuindo ao processo de planejamento. Quando os veículos são rastreados por satélite, a localização da validação também está disponível, logo estas estatísticas podem ser referenciadas no espaço. Assim, esses dados podem ser analisados e aplicados no ajuste de programação das linhas de ônibus, reconfiguração da rede de linhas de ônibus, na proposição de indicadores operacionais de desempenho, na identificação de erros e fraudes e na construção de matrizes OD, contribuindo no processo de análise da demanda por transportes (Pelletier et al, 2009). Assumindo cada smartcard como uma pessoa é possível, através do SBE, obter um registro temporal e espacial de todas as viagens realizadas pelos usuários do transporte público disponíveis para todos os dias da semana. Logo, por exemplo, consegue-se atualizar a matriz OD do transporte público, despendendo poucos recursos. 1

3 A construção de uma matriz OD é possível graças ao rastreamento das viagens realizadas pelo usuário que possui smartcard. A identificação dos pontos de embarque e desembarque dos usuários é usada para determinação das origens e destinos das viagens. No entanto a maioria dos SBE só realiza a validação ao embarcar no veículo, essa característica é presente principalmente nos SBE instalados nos ônibus. Logo se torna essencial a estimação do ponto de desembarque para a construção da matriz, muitos trabalhos utilizaram a hipótese de pendularismo das viagens. Esse comportamento deve ser verificado antes de se aplicar o método. Tal fato demanda a concepção de um procedimento que possibilite verificar a hipótese, bem como validar a mesma, uma questão motivadora para pesquisa. Na construção da matriz OD alguns distúrbios são identificados na determinação das origens e destinos das viagens. Primeiramente o fato do usuário do transporte público não ser limitado a realizar todos os seus deslocamentos exclusivamente por esse modal, perdendo, assim, o rastreamento da viagem. Além dos distúrbios causados pelo fato de alguns usuários não realizarem a validação do cartão logo ao embarcar no veículo, logo o registro temporal e espacial do embarque, não será no ponto exato do mesmo. Como diminuir esses distúrbios na determinação das origens e destino da matriz do transporte público torna-se peça chave e, assim, será considerada outra questão de pesquisa do presente trabalho. A determinação das origens e destinos dos usuários do transporte público pode ser realizada através do rastreamento das viagens realizadas com o smartcard. No entanto, há usuários que utilizam de outras formas de pagamento. Para as pessoas que não utilizam smartcard não é possível rastrear as viagens realizadas ao longo do dia. No entanto a matriz do transporte público deve contemplar também as viagens pagas por outras formas, para que totalizar todas as viagens que são realizadas pelo Transporte Público. Como determinar a origem e destino dos usários que não utilizam smartcard e como garantir que a totalidade das viagens do transporte público, são potenciais questões de pesquisa do presente estudo, formando assim a problemática da pesquisa. 2. OBJETIVOS Face a problemática apontada, tem-se que o objetivo central dessa pesquisa de mestrado é a proposição de uma metodologia para construir a matriz OD dos usuários do transporte público a partir dos dados de bilhetagem eletrônica e GPS dos veículos. Em complementação tem-se: (i) Determinar os padrões de validações por usuário; (ii) Verificar a hipótese de viagens pendulares; (iii) Determinar a origem e destino da parcela dos usuários com smartcard; e (iv) Expandir a Matriz para contemplar todas as viagens realizadas no transporte público. 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ao realizar uma viagem, através da validação do smartcard no leitor a bordo do veículo, é gerado uma informação que é transferida para o servidor central no momento que o veículo retorna a garagem. Essas informações são consolidadas em um banco de dados, no qual para cada validação, normalmente, é registrado: data e hora da validação, status da transação (embarque, desembarque, integração, recusa, etc), ID do cartão, tipo de tarifa, ID da Linha,ID ônibus e localização espacial da validação. Pode-se definir a origem da viagem como o ponto de embarque e destino da viagem como o ponto desembarque. Uma vez que o SBE, costumeiramente, só registra o embarque é necessário estimar o desembarque a fim de determinar o destino das viagens. Barry (2002) propôs um algoritmo baseado em duas hipóteses para estimação do destino. Primeiro, o passageiro retorna ao local de destino da viagem anterior para começar a próxima viagem. Segundo, o passageiro termina a última viagem do dia no local de origem da primeira viagem. 2

4 Vários trabalhos utilizaram as hipóteses de Barry para construção da matriz OD do transporte público com dados do smartcard. Dentre os trabalhos destacam-se Guerra (2011) e Guerra et al (2013), que não utilizaram o sistema de rastreamento por GPS para determinação da localização dos embarques e desembarques, em vez disso aplicaram o horário de inicio e fim desprendido pelas linhas de ônibus para realizar cada viagem de seu itinerário. Munizaga (2012) aplicou essas hipóteses num sistema composto por ônibus e metrô, utilizando os dados de GPS dos ônibus e a localização das estações de metrô, além de utilizar uma função de otimização para estimar o local e horário do desembarque. Ma et al (2013) determinaram a origem e destino das viagens e calcularam os padrões de deslocamentos dos passageiros utilizando uma amostra de vários dias, a partir de uma modelagem estatística. 4. METODOLOGIA Para que os objetivos dessa pesquisa sejam atingidos, a metodologia proposta é constituída pelas seguintes etapas: 4.1. Consolidação dos Bancos de Dados Será estudado o SBE da cidade de Fortaleza CE. Uma vez que o banco de dados do SBE disponível para realização da pesquisa não registra a localização geográfica das validações, será utilizado, em conjunto, o banco de dados de GPS dos veículos do sistema de transporte público para determinação geográfica das validações. Para tal, haverá o cruzamento das informações dos dois bancos de dados, visto que para cada validação é registrado o veículo em que ocorreu a viagem. Essa etapa metodológica tem por objetivo consolidar o banco de dados de validações com o banco de dados de GPS, determinando as coordenadas geográficas (latitude e longitude) para cada validação. Além disso, nessa etapa será definido qual zoneamento será usado para construção da matriz OD Caracterização Temporal e Espacial das Validações Visando entender o comportamento das viagens no sistema de transporte público,essa etapa realizará a caracterização das validações. Será analisada a distribuição da quantidade de validações ao longo do dia, o tempo médio que o usuário leva entre uma validação e outra, a quantidade média de validações realizada por um usuário, a distribuição espacial das validações na cidade ao longo do dia. Ao fim dessas análises espera-se inferir que as viagens realizadas no sistema de transporte público sejam predominantemente pendulares Determinação dos Padrões de Validações por Usuário Essa etapa determinará os padrões espaciais e temporais das validações de cada usuário, ou seja, para cada passageiro haverá o horário e a localização espacial que comumente representa sua viagem. Esses padrões serão calculados para os dias úteis, sábados e domingos, com base numa amostra semanal. Acredita-se que essa etapa é importante para diminuir os distúrbios causados pelo fato de a pessoa não realizar todos os seus deslocamentos exclusivamente pelo transporte público, podendo realizar viagens ou parte de viagens por outros modais. Além de distúrbios causados pelo fato de alguns usuários não realizarem a validação do cartão logo ao embarcar no veículo, afetando a determinação correta das origens e destinos, pois o horário e localização da validação são diferentes do horário e localização real embarque Construção da Matriz OD para usuários do Smartcard Essa etapa irá compilar a origem e o destino das viagens em uma matriz OD que representa o deslocamento dos usuários do transporte público. A localização e horário da origem serão definidos como sendo aqueles da primeira validação do usuário no dia, ocorrida numa janela de tempo do período da manhã. Uma vez que as validações no SBE da cidade de Fortaleza ocorrem unicamente no embarque, a localização do destino será definida como sendo aquele da primeira validação do usuário ocorrida em uma janela de tempo do período da tarde. A 3

5 determinação das origens e destinos das viagens dos usuários irá se basear nos padrões de validações dos usuários. Acredita-se que esse algoritmo será eficaz para determinação da origem e destino dos usuários que realizam viagem tipicamente pendulares Expansão da Matriz OD Essa etapa irá expandir a matriz para que ela compreenda todas as viagens que são realizadas no transporte público. Dado que a origem e destino das viagens só podem ser determinados para os usuários com smartcard, é necessário estimar a origem e destino das viagens realizadas sem o smartcard. O SBE registra todos os embarques realizados no transporte público, tanto os embarques realizados com smartcard quanto os embarques sem o cartão. No entanto, os embarques realizados sem o cartão não permitem rastrear seu deslocamento ao longo do dia, tornado a determinação do destino difícil. Uma vez que o embarque de todas as viagens é registrado, são detectáveis as origens de todas as viagens, a determinação espacial do destino daquelas viagens realizadas sem o smartcard será baseada no comportamento das viagens realizadas com a mesma zona de origem Validação da Matriz OD Será realizada uma pesquisa nos terminais de transporte público de forma a entrevistar usuários do sistema e questioná-los quanto a realização de suas viagens, identificando, principalmente, as origens e destinos das mesmas, buscando assim, obter uma matriz OD que possa ser comparada com a matriz estimada através do método proposto. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O andamento da pesquisa encontra-se na etapa de consolidação dos bancos de dados.já estão disponíveis todos os dados de GPS e Validação referentes ao ano de A partir desses dados será possível selecionar um mês típico, que represente melhor os deslocamentos dos passageiros do transporte público, no sentindo de não haver interferências de problemas com a operação do ônibus (greves, problemas com o GPS, etc). Agradecimentos: Os autores agradecem à CAPES pela concessão da bolsa de mestrado. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Barry J.; Newhouser R.; Rahbee A.; Sayeda S. (2002) Origin and Destination Estimation in New York City with Automated Fare System Data. Transportation Research Record: Journal of the Transportation Research Board, Volume 1817, Guerra A. L.; Barbosa H. M.; Oliveira, L. K. (2013) Metodologia para determinação de matriz origem/destino utilizando dados do sistema de bilhetagem eletrônica. In: XXVII Congresso da ANPET, 2013, Belém. Anais do XXVII ANPET, P Guerra A. (2011) Determinação de Matriz Origem/Destino utilizando dados do sistema de bilhetagem eletrônica. Dissertação. Belo Horizonte. Escola de Engenharia. UFMG Ma X.; Wu Y.; Wang Y.; Chen F.; Liu J. (2013) Mining smart card data for transit riders travel patterns. Transportation Research Part C:Emerging Technologies, Volume 36,1-12 Martinelli J.; Aroucha, M. (2012) Fase atual da bilhetagem eletrônica. Série Cadernos Técnicos ANTP, vol 8, p Munizaga M.; Palma C. (2012) Estimation of a disaggregate multimodal public transport Origin Destination matrix from passive smartcard data from Santiago, Chile. Transportation Research Part C: Emerging Technologies, Volume 24, Pelletier M.; Trépanier M.; Morency C. (2011) Smart card data use in public transit: A literature review. Transportation Research Part C: Emerging Technologies, Volume 19, Anderson Tavares de Freitas Bruno Vieira Bertoncini ) Departamento de Engenharia de Transportes, Universidade Federal do Ceará Campus do Pici - Bloco Fortaleza CE 4

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

METODOLOGIA PARA DETERMINAÇÃO DE MATRIZ ORIGEM/DESTINO UTILIZANDO DADOS DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA

METODOLOGIA PARA DETERMINAÇÃO DE MATRIZ ORIGEM/DESTINO UTILIZANDO DADOS DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA METODOLOGIA PARA DETERMINAÇÃO DE MATRIZ ORIGEM/DESTINO UTILIZANDO DADOS DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA André Leite Guerra Heloisa Maria Barbosa Leise Kelli de Oliveira Departamento de Engenharia de

Leia mais

Sistemas Inteligentes de Transporte (Intelligent Transportation Systems) é um conjunto de tecnologias de telecomunicações e de informática para

Sistemas Inteligentes de Transporte (Intelligent Transportation Systems) é um conjunto de tecnologias de telecomunicações e de informática para Sistemas Inteligentes de Transporte (Intelligent Transportation Systems) é um conjunto de tecnologias de telecomunicações e de informática para aplicação nos veículos e nos sistemas de transportes. Hoje

Leia mais

Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo.

Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo. Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo. Autores: Celso Bersi; Economista - Diretor de Transporte Urbano 1) Empresa de Desenvolvimento Urbano e Social de Sorocaba - URBES Rua Pedro de

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

Oportunidades de melhoria No Sistema de Transporte Coletivo

Oportunidades de melhoria No Sistema de Transporte Coletivo Oportunidades de melhoria No Sistema de Coletivo Nos últimos anos Curitiba promoveu diversas melhorias operacionais na RIT, como: Melhorias nos terminais Melhorias de acessibilidade Implantação da Linha

Leia mais

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. EDITAL CONCORRÊNCIA 01/2015 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. Este Anexo apresenta as especificações requeridas para o Sistema de Bilhetagem Eletrônica SBE a ser implantado

Leia mais

Estimativa de matriz origem/destino utilizando dados do sistema de bilhetagem eletrônica: proposta metodológica

Estimativa de matriz origem/destino utilizando dados do sistema de bilhetagem eletrônica: proposta metodológica Estimativa de matriz origem/destino utilizando dados do sistema de bilhetagem eletrônica: proposta metodológica André Leite Guerra¹, Heloisa Maria Barbosa², Leise Kelli de Oliveira³ Resumo: A caracterização

Leia mais

NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO

NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO Segunda Passagem Integrada Grátis 1) Quando será lançada a segunda passagem gratuita? Será lançada no dia 1 de julho. 2) Como funcionará a segunda passagem gratuita? O passageiro

Leia mais

Detecção de padrões de mobilidade urbana em dia atípico a partir de sistema de bilhetagem eletrônica: análise das viagens na RMRJ durante o carnaval

Detecção de padrões de mobilidade urbana em dia atípico a partir de sistema de bilhetagem eletrônica: análise das viagens na RMRJ durante o carnaval Journal of Transport Literature, 10(4), 20-24, Oct. 2016. ISSN 2238-1031 Detecção de padrões de mobilidade urbana em dia atípico a partir de sistema de bilhetagem eletrônica: análise das viagens na RMRJ

Leia mais

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO?

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? RESENHA Carlos Paiva Qual o número de veículos que circula em um dia ou a cada hora do dia na Região Metropolitana, no município e no centro expandido

Leia mais

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG Daniel da Silva Marques (UFAM) daniel.ufam2009@hotmail.com Caio Ronan Lisboa Pereira (UFAM) caioronan@hotmail.com Almir Lima Caggy (UFAM) almir_kggy@hotmail.com

Leia mais

Plano de Logística Encontro da Frente Nacional de Prefeitos Pré-projeto Estrutura do documento 1. Introdução 2. Características do evento

Plano de Logística Encontro da Frente Nacional de Prefeitos Pré-projeto Estrutura do documento 1. Introdução 2. Características do evento Plano de Logística Encontro da Frente Nacional de Prefeitos Pré-projeto Estrutura do documento 1. Introdução O Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável (EMDS) é um evento organizado pela

Leia mais

TRANSDATA SMART BILHETAGEM ELETRÔNICA

TRANSDATA SMART BILHETAGEM ELETRÔNICA BRASIL ARGENTINA +55 19 3515.1100 www.transdatasmart.com.br SEDE CAMPINAS-SP RUA ANA CUSTÓDIO DA SILVA, 120 JD. NOVA MERCEDES CEP: 13052.502 FILIAIS BRASÍLIA RECIFE CURITIBA comercial@transdatasmart.com.br

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte (SisMob-BH)

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte (SisMob-BH) modo ônibus metrô Sistema de Informações da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte (SisMobBH) suplementar táxi distribuição modal com base em pesquisas Tabela 211 Indicadores de distribuição modal em Belo

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

TRANSDATA SMART RASTREAMENTO E GESTÃO FROTA

TRANSDATA SMART RASTREAMENTO E GESTÃO FROTA BRASIL ARGENTINA +55 19 3515.1100 www.transdatasmart.com.br SEDE CAMPINAS-SP RUA ANA CUSTÓDIO DA SILVA, 120 JD. NOVA MERCEDES CEP: 13052.502 FILIAIS BRASÍLIA RECIFE CURITIBA comercial@transdatasmart.com.br

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO VI CADERNO DE SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA Abril/2014 Sumário 1. SISTEMAS

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO Página Capítulo 3 Objetivos, conceitos utilizados e metodologia 12 Dados socioeconômicos

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE

RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE agosto/2005 Cenário São Paulo tem uma das maiores frotas de ônibus do mundo. São quase 15 mil ônibus, para o transporte diário de mais de 6 milhões de passageiros.

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade POLÍTICA DE TRANSPORTE QUALIFICAR O Serviço de Transporte por Ônibus Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos Serviço em Rede Flexibilidade de Trajetos Racionalidade de Caminhos Operação Controlada Regularidade

Leia mais

Transdata Indústria e Serviços de Automação Ltda. Rua Bento de Arruda Camargo, 772 e 404 Cep.: 13088-650 - Campinas São Paulo Fone: +55 19 3296.

Transdata Indústria e Serviços de Automação Ltda. Rua Bento de Arruda Camargo, 772 e 404 Cep.: 13088-650 - Campinas São Paulo Fone: +55 19 3296. Transdata Indústria e Serviços de Automação Ltda. Rua Bento de Arruda Camargo, 772 e 404 Cep.: 13088-650 - Campinas São Paulo Fone: +55 19 3296.5004 www.transdatasmart.com.br SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA:

Leia mais

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO Frederico Souza Gualberto Rogério D'Avila Edyr Laizo Leise Kelli de Oliveira PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.2

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.2 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.2 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1. TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2. Acesso... 5 2.1 Interface inicial (Ambiente de

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO 1.Introdução A divisão modal pode ser definida como a divisão proporcional de total de viagens realizadas pelas pessoas e cargas, entre diferentes modos de viagem. Se refere

Leia mais

Soluções personalizadas em engenharia de transportes

Soluções personalizadas em engenharia de transportes SOBRE Soluções personalizadas em engenharia de transportes A Partner é uma empresa que presta consultoria em engenharia de planejamento de transportes. Aliando uma constante evolução tecnológica e aperfeiçoamento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a tecnologia vem se desenvolvendo cada vez mais rápido para suprir as necessidades da população.

Leia mais

Sistema de reconhecimento facial em transporte público urbano

Sistema de reconhecimento facial em transporte público urbano Sistema de reconhecimento facial em transporte público urbano Alexandre Diniz Assis 1, Augusto Cesar da Silva Bezerra 1, Rubens Martins Campos 1 * 1 Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

TRANSPORTE de viagens de bicicleta na Região Metropolitana de São Paulo TRANSPORTE

TRANSPORTE de viagens de bicicleta na Região Metropolitana de São Paulo TRANSPORTE Análise /2008 do número de viagens de bicicleta na Região Metropolitana de São Paulo Carlos Eduardo de Paiva Cardoso* Este trabalho analisa as viagens de bicicleta não integradas a outros modos de transporte

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

BRT MANAUS TRANSPORTE PÚBLICO MASSIVO: BRT MANAUS

BRT MANAUS TRANSPORTE PÚBLICO MASSIVO: BRT MANAUS TRANSPORTE PÚBLICO MASSIVO: BRT MANAUS CLAUDEMIR JOSÉ ANDRADE Arquiteto e Urbanista Membro da Comissão Executiva de Planejamento e Gestão de Projetos Manaus Sede da Copa do Mundo de 2014. BUS RAPID TRANSIT?

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

Embarque na Viagem. * Perfil * Audiência * Formatos * Contatos MÍDIA KIT 2011/2012. www.embarquenaviagem.com. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: Fevereiro / 2012

Embarque na Viagem. * Perfil * Audiência * Formatos * Contatos MÍDIA KIT 2011/2012. www.embarquenaviagem.com. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: Fevereiro / 2012 ------------------------------------ Embarque na Viagem ----------------------------------- MÍDIA KIT 2011/2012 * Perfil * Audiência * Formatos * Contatos ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: Fevereiro / 2012 www.embarquenaviagem.com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Águas Lindas de Goiás GO ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA

Prefeitura Municipal de Águas Lindas de Goiás GO ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ANEXO IV. CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRONICA CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO - CCO

Leia mais

Apresentação Free Track

Apresentação Free Track Apresentação Free Track A Free Track é um resultado da união de um grupo de empresários que atua no segmento de rastreamento automotivo, sede própria com laboratório de desenvolvimento localizado na maior

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014 PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO - PDTU AGOSTO - 2014 NO PAÍS, OS INCIPIENTES SISTEMAS PÚBLICOS DE PLANEJAMENTO FORAM DESMOBILIZADOS, SEUS QUADROS FUNCIONAIS SÃO MÍNIMOS.

Leia mais

Intelligent Transportation Systems

Intelligent Transportation Systems Intelligent Transportation Systems Mauricio Consulo Diretor America Latina Clever Devices - Overview Sede em Nova Iorque, EUA. Provedora de sistemas de informações digitais, Sistemas de Inteligentes de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

APRESENTAÇÃO OFICIAL DO SIM CAXIAS

APRESENTAÇÃO OFICIAL DO SIM CAXIAS APRESENTAÇÃO OFICIAL DO SIM CAXIAS Integração do Transporte Coletivo Eixo Leste/Oeste Integração O crescimento acentuado dos centros urbanos tem gerado inúmeras dificuldades para as cidades em diversas

Leia mais

Boas práticas para Mobilidade Urbana

Boas práticas para Mobilidade Urbana Boas práticas para Mobilidade Urbana PAC para Mobilidade - EMBARQ Otávio Vieira Cunha, Presidente da Diretoria Executiva Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU Brasília, 28 de Novembro

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS

PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS Angelica Meireles de Oliveira Antônio Nélson Rodrigues da Silva PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

BRT em Belo Horizonte Melhoria da Mobilidade para a Copa 2014

BRT em Belo Horizonte Melhoria da Mobilidade para a Copa 2014 BRT em Belo Horizonte Melhoria da Mobilidade para a Copa 2014 Situação Atual População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da RMBH: 4,5 milhões de habitantes 3,8 milhões de viagens/dia

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1 TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2 Acesso... 5 2.1 Como realizar um cadastro usuário

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

Futuro do ITS NO BRASIL

Futuro do ITS NO BRASIL Futuro do ITS NO BRASIL PRESENÇA DA PMB Bucaramanga 5 Países 520 Clientes / Operadores 220 Cidades 11 Capitais Brasileiras Quito 10 Bilhões de Transações Anuais 7 Postos Avançados 3 Endereços de Assistência

Leia mais

DECRETO Nº 156, DE 20 DE JULHO DE 2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA, no uso de suas atribuições

DECRETO Nº 156, DE 20 DE JULHO DE 2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA, no uso de suas atribuições DECRETO Nº 156, DE 20 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o Decreto Municipal de nº 076/2005 que institui a Bilhetagem Eletrônica no Município de Petrolina-PE, bem como a Lei nº 1.123/2002 e o Decreto 90/2002,

Leia mais

1. Tela de Acesso pg. 2. 2. Cadastro pg. 3. 3. Abas de navegação pg. 5. 4. Abas dados cadastrais pg. 5. 5. Aba grupo de usuários pg.

1. Tela de Acesso pg. 2. 2. Cadastro pg. 3. 3. Abas de navegação pg. 5. 4. Abas dados cadastrais pg. 5. 5. Aba grupo de usuários pg. Sumário 1. Tela de Acesso pg. 2 2. Cadastro pg. 3 3. Abas de navegação pg. 5 4. Abas dados cadastrais pg. 5 5. Aba grupo de usuários pg. 6 6. Aba cadastro de funcionários pg. 7 7. Pedidos pg. 12 8. Cartões

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial.

Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial. Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial. Elevadores de Passageiros Schindler Tempo O menor tempo entre você e o seu andar O Miconic

Leia mais

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO Projeção de crescimento populacional Demanda de energia mundial Impacto ao meio ambiente projeções indicam que os empregos vão CONTINUAR no centro EMPREGOS concentrados no CENTRO

Leia mais

Pesquisas em Planejamento de Transportes

Pesquisas em Planejamento de Transportes Pesquisas em Planejamento de Transportes Msc. Eng. Rita C. Zignani GEMOB - Gerência de Mobilidade Urbana Estrutura da apresentação Introdução sobre Planejamento de Transportes 1. Modelo Quatro Etapas 1.1

Leia mais

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Apresentação Florianópolis Dezembro

Leia mais

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação SP 18/01/80 NT 051/80 Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus Eduardo Antonio Moraes Munhoz 1. Apresentação Dado o atual estágio de desenvolvimento e implantação do programa Semco, onde a utilização

Leia mais

ANÁLISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR NO INTERIOR DO NORDESTE

ANÁLISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR NO INTERIOR DO NORDESTE ANÁLISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR NO INTERIOR DO NORDESTE Ary Ferreira da Silva Sabrina Câmara de Morais ANÁLISE DO PADRÃO DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010

Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010 200000 205000 210000 215000 220000 Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010 7660000 7665000 195000 Legenda Linhas Diametrais Rápido D Oeste (4) 7655000

Leia mais

SP 01/04/92 NT 144/92. Telemarketing: Uma Alternativa de Pesquisa de Opinião para o Sistema de Transporte Público

SP 01/04/92 NT 144/92. Telemarketing: Uma Alternativa de Pesquisa de Opinião para o Sistema de Transporte Público SP 01/04/92 NT 144/92 Telemarketing: Uma Alternativa de Pesquisa de Opinião para o Sistema de Transporte Público Assessoria Técnica da Presidência - ATE Introdução Nas grandes cidades, as restrições naturais

Leia mais

MANEJO DE LA CALIDAD EN EL SISTEMA DE TRANSPORTE PUBLICO DE SAO PAULO

MANEJO DE LA CALIDAD EN EL SISTEMA DE TRANSPORTE PUBLICO DE SAO PAULO MANEJO DE LA CALIDAD EN EL SISTEMA DE TRANSPORTE PUBLICO DE SAO PAULO III Congreso Las Mejores Prácticas SIBRT en America Latina Ciro Biderman - SPTrans Junio, 2013 Cenário 2012 Sistema de transporte urbano

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2011-2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA Alunos: WERNECK,

Leia mais

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte Mesa 1: Acessibilidade e qualidade do transporte coletivo e das calçadas de Belo Horizonte Em que medida o PlanMob-BH considerou e avançou

Leia mais

Calculadora de economia de energia do cliente Dell. Descrição geral do consumo de energia em sistemas de computador:

Calculadora de economia de energia do cliente Dell. Descrição geral do consumo de energia em sistemas de computador: Calculadora de economia de energia do cliente Dell Finalidade: A Calculadora de economia de energia do cliente Dell pretende oferecer uma ferramenta que permita aos clientes estimar o consumo de energia

Leia mais

AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS

AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS Barbosa, Maria Beatriz; Fortes, Melissa Belato; Fischer, Ligia C. Projeto de Estações e Gestão dos Serviços de Transporte A gestão das estações

Leia mais

Programação Inteligente para Transporte Urbano

Programação Inteligente para Transporte Urbano Programação Inteligente para Transporte Urbano Programação horária Também chamada de programação de linha, consiste em obter como resultado final, tabelas horárias de viagens para uma linha (ou linhas)

Leia mais

PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro

PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro SUMÁRIO 1. FINANCEIRO... 5 1.1. ED - SECRETARIA... 5 1.2. ED - ESCOLA... 5 1.3. USUÁRIOS POR ENTIDADE NO ED SECRETARIA E ESCOLA... 6 2. FINANCEIRO - SECRETARIA... 7 2.1.

Leia mais

2 - Quais as vantagens do Confidence Travel Card em relação ao Cheques de Viagem e o Cartão de Crédito?

2 - Quais as vantagens do Confidence Travel Card em relação ao Cheques de Viagem e o Cartão de Crédito? Perguntas frequentes Confidence Travel Card Sobre o Cartão Confidence Travel Card 1 - Eu posso adquirir e recarregar um Confidence Travel Card nas Bandeiras Visa e Mastercard? Para Compra: Na bandeira

Leia mais

Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon

Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon Exercício Estudar a descrição do sistema, examinar os planos de projetos

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

CompuStream Representação

CompuStream Representação Por Maximilian Immo Orm Gorissen Gerenciamento dos técnicos de campo Uma visão estratégica do business intelligence associado às operações de serviço a produtos. Nos últimos anos, o conceito de atendimento

Leia mais

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL Solução Tecnologia Monitoramento Instalação SOLUÇÃO A solução de rastreamento Unepxmil foi desenvolvida para atender as principais necessidades

Leia mais

Descrição do Projeto de Integração Grupo Totvs Microsiga Protheus Versão 11

Descrição do Projeto de Integração Grupo Totvs Microsiga Protheus Versão 11 Template: Lei 12.619 Regulamentação e Disciplina da Jornada de Trabalho e Tempo de Direção dos Motoristas Profissionais Descrição do Projeto de Integração Grupo Totvs Microsiga Protheus Versão 11 Índice

Leia mais

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis Gabriel Galvão da Gama 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este artigo descreve um projeto

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DO PROAP/CAPES

INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DO PROAP/CAPES INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DO PROAP/CAPES PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS PESQUISA DE CAMPO(REEMBOLSO DE DESPESAS, PASSAGENS AÉREAS E TX. DE INSCRIÇÃO) Introdução: O recurso PROAP/CAPES permite o

Leia mais

Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano

Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano Wan Yu Chih Wplex Software Florianópolis SC http://www.wplex.com.br Objetivo O objetivo deste documento é fornecer informações sobre

Leia mais

PORT Technology A solução inteligente para o tráfego em seu edifício. Gerenciamento de Tráfego

PORT Technology A solução inteligente para o tráfego em seu edifício. Gerenciamento de Tráfego A solução inteligente para o tráfego em seu edifício. Gerenciamento de Tráfego Nas grandes cidades, a vida segue em ritmo acelerado e constante. As megacidades do mundo enfrentam inúmeros desafios para

Leia mais

CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN

CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN Paulo Jarbas Camurça 1, Robson Franklin Vieira Silva 2, Mosefran Barbosa Macedo Firmino 2, 3, Eduardo Sávio Passos Rodrigues Martins

Leia mais

Julieta Cristina Fernandes (*)

Julieta Cristina Fernandes (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 7 Os muros e a mobilidade urbana: considerações a partir dos condomínios fechados no Setor Sul de Uberlândia-MG Julieta Cristina Fernandes (*)

Leia mais

Mobilidade em um Campus Universitário. Suely da Penha Sanches 1 ; Marcos Antonio Garcia Ferreira 1

Mobilidade em um Campus Universitário. Suely da Penha Sanches 1 ; Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 Mobilidade em um Campus Universitário. Suely da Penha Sanches 1 ; Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 1 Universidade Federal de São Carlos PPGEU, Rodovia Washington Luis, km 235, (16) 33519677 ssanches@ufscar.br;

Leia mais

Tecnologias empregadas no transporte por ônibus no Rio de Janeiro - RJ. Richele Cabral Diretora de Mobilidade Urbana

Tecnologias empregadas no transporte por ônibus no Rio de Janeiro - RJ. Richele Cabral Diretora de Mobilidade Urbana Tecnologias empregadas no transporte por ônibus no Rio de Janeiro - RJ Richele Cabral Diretora de Mobilidade Urbana Setembro de 2014 Ambiente Institucional Entidades Nacionais Empresariais Empresas Associadas

Leia mais

Análise do transporte coletivo urbano do município de Florianópolis SC com base nos dados do sistema de bilhetagem eletrônica.

Análise do transporte coletivo urbano do município de Florianópolis SC com base nos dados do sistema de bilhetagem eletrônica. Análise do transporte coletivo urbano do município de Florianópolis SC com base nos dados do sistema de bilhetagem eletrônica. Victor Marques Caldeira 1 ; Alexandre Hering Coelho 2 Universidade Federal

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com>

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com> DESEMPENHO DE REDES Fundamentos de desempenho e otimização de redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 Sumário 1. Introdução 2. Gerência de redes 3. Fundamentos

Leia mais

Manual Sistema de Reservas Pullmantur

Manual Sistema de Reservas Pullmantur Manual Sistema de Reservas Pullmantur OUTUBRO DE 2014 OBJETIVO Este manual tem como obetivo principal auxiliar o agente de viagens a efetuar reservas de cruzeiros no sistema da Pullmantur e aplicar o pagamento

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG Luciano Nogueira José Aparecido Sorratini ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE

Leia mais

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS

MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo MODELOS ESPACIAIS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO COM ÓBITOS Murilo Castanho dos Santos Cira Souza Pitombo Universidade

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Sphinx APRENDIZ - p.94 4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Depois de o questionário estar pronto, seus formulários definidos e as respostas coletadas ou prontas a coletar/importar, é possível

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

Consulta de valores para pagamento e geração de boletos via Web Site

Consulta de valores para pagamento e geração de boletos via Web Site Prezados clientes, Através de um projeto de melhoria contínua disponibilizamos ao mercado um importante sistema online para consultas de taxas e emissão de boletos agilizando assim a rotina de liberação

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do Sistema de Mensagens Instantâneas Corporativo da Prefeitura Municipal de Fortaleza (Chat Corporativo)

Manual de Instalação e Configuração do Sistema de Mensagens Instantâneas Corporativo da Prefeitura Municipal de Fortaleza (Chat Corporativo) SEPOG Secretaria de Planejamento Orçamento de Gestão Célula de Infraestrutura de TI da Manual de Instalação e Configuração do Sistema de Mensagens Instantâneas Corporativo da Prefeitura Municipal de Fortaleza

Leia mais

Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo

Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo Metrô em elevado com extensão de 9,3 Km com rede elétrica aérea, sinalização, bilhetagem eletrônica, escadas rolantes Quatro Estações de Passageiros

Leia mais

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Débora Cristina de Souza RODRIGUES1; Matheus Soares NAMETALA2; Rafaela Leite das CHAGAS3.Ciniro Aparecido Leite NAMETALA4; Wemerton Luís

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL Neste guia você vai encontrar as principais informações que precisa para embarcar no novo sistema

Leia mais

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL Senhoras e senhores É com grande satisfação que participo dessa primeira Conferência de Gerenciamento de

Leia mais