SENAI-RS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO REGIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SENAI-RS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO REGIONAL"

Transcrição

1

2 SENAI-RS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO REGIONAL Presidente Paulo Fernandes Tigre Presidente do Sistema FIERGS Conselheiros Representantes das Atividades Industriais - FIERGS Titulares Ademar De Gasperi Astor Milton Schmitt Manfredo Frederico Koehler Suplentes Arlindo Paludo Paulo Müller Pedro Antônio G. Leivas Leite Representantes do Ministério da Educação Titular Antônio Carlos Barum Brod Suplente Renato Louzada Meireles Representante do Ministério do Trabalho e Emprego Titular Neusa Maria de Azevedo Suplente Elisete Ramos Diretor Regional e Membro Nato do Conselho Regional do SENAI-RS José Zortea DIRETORIA SENAI-RS José Zortea Diretor Regional Paulo Fernando Presser Diretor de Educação e Tecnologia Paulo Fernando Eiras dos Santos Diretor Administrativo e Financeiro

3

4 PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM CONFECÇÕES 2007, CNTL SENAI-RS Publicação elaborada com recursos do projeto Publicação Casos de Sucesso em Produção mais Limpa sob a orientação, coordenação e supervisão do Centro Nacional de Tecnologias Limpas CNTL SENAI Coordenação Geral Coordenação Local Coordenação do Projeto Paulo Fernando Presser Diretoria de Educação etecnologia Paulo Antunes de Oliveira Rosa Diretor do CNTL SENAI Joseane Machado de Oliveira Coordenadora de Núcleo Tecnológico de Projetos Especiais CNTL SENAI Elaboração Maria Julieta Espíndola Biermann Revisão gramatical Jairo Brasil Vieira S 491 p SENAI. Departamento Regional do Rio Grande do Sul. Produção mais Limpa em Confecções/SENAI - Departamento Regional do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENAI, p. il. 1. Produção mais limpa 2. Indústria do vestuário I. Título CDU- 504:687 Catalogação na Fonte: Enilda Hack - CRB 599/10 Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENAI Av. Assis Brasil, 8450 Bairro Sarandi CEP , Porto Alegre RS Fone: (0xx51) Fax: (0xx51) SENAI Instituição mantida e administrada pela indústria.

5 APRESENTAÇÃO O guia Produção Mais Limpa em Confecções, projeto do Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENAI/ UNIDO/ UNEP CNTL, que tem o apoio do SENAI Departamento Nacional, através de sua Unidade de Tecnologia Industrial UNITEC, tem como principal propósito apresentar às empresas e a profissionais do ramo algumas das medidas implantadas por empresas que já adotaram esta prática, auxiliando-as no processo de implementação de PmaisL. Com a correta destinação, reutilização e economia de matéria-prima, as empresas que adotam estas práticas colaboram para o uso sustentável de nossos recursos naturais, bem como asseguram a melhoria de seu desempenho e competitividade. 5

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS GERAIS HISTÓRICO DO SETOR DE CONFECÇÃO NO BRASIL SETOR TÊXTIL COMPETITIVIDADE DAS INDÚSTRIAS DE CONFECÇÃO MEIO AMBIENTE E O SETOR DE CONFECÇÃO OBJETIVOS DESTE DOCUMENTO LEGISLAÇÃO NORMAS E LEGISLAÇÃO PERTINENTES À INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO PRODUÇÃO MAIS LIMPA VANTAGENS DA PmaisL APLICAÇÃO DA PmaisL HISTÓRIA DA PmaisL PORQUE INVESTIR EM PmaisL PmaisL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PmaisL E SEGURANÇA OCUPACIONAL IMPLEMENTAÇÃO DE PmaisL Descrição do processo de confecção SÍNTESE DO PROCESSO DE CONFECÇÃO Estudos de Caso ESTUDO DE CASO ESTUDO DE CASO ESTUDO DE CASO ESTUDO DE CASO ESTUDO DE CASO ESTUDO DE CASO ESTUDO DE CASO ESTUDO DE CASO Gerenciamento de Resíduos ETAPAS DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Dúvidas freqüentes...56 REFERÊNCIAS...59 SITES CONSULTADOS GLOSSÁRIO... 62

7 INTRODUÇÃO Este Manual apresenta uma revisão dos processos de Confecção, evidenciando os tipos de rejeitos gerados, os riscos à saúde dos trabalhadores e, principalmente, o método de Produção mais Limpa (PmaisL) aplicada ao setor e as respectivas leis ambientais inerentes, viabilizando a redução da geração dos resíduos na fonte. O desenvolvimento do tema considera os aspectos tecnológicos e ambientais do processo de confecção, visando estabelecer estratégias de prevenção que reduzam impactos ambientais, custos de gerenciamento, riscos à saúde e ao meio ambiente. Além disso, há o objetivo de disponibilizar informações a respeito das formas de tratamento e disposição adequados para os resíduos gerados neste processo. O presente manual aborda estratégias que permitem reduzir o impacto ambiental e econômico e é dirigido aos empresários, prestadores de serviços e colaboradores do setor de confecção, consultores, universidades e instituições de conhecimento, instituições governamentais, comunidades e iniciativa privada. 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS 1.1 HISTÓRICO DO SETOR DE CONFECÇÃO NO BRASIL A indústria Têxtil e de Confecção deu origem ao processo de industrialização no Brasil. O início desta história precede a ocupação do país pelos portugueses, já que os índios exerciam atividades artesanais, com técnicas de entrelaçamento manual de fibras vegetais, produzindo telas com diversas finalidades, inclusive para proteção corporal. No período de colonização, a indústria ainda sofria forte influência de acordos internacionais e era extremamente descontínua. As diretrizes da política econômica das colônias eram ditadas pela Metrópole e aconteciam conforme os interesses do colonizador. Mas, foi neste período que começou a primeira política industrial nacional, em 1844, quando foram elevadas as tarifas alfandegárias para a média de 30%, fato que propiciou um estímulo à industrialização, especialmente para o ramo têxtil. Mas o processo foi lento. Em 1864 funcionavam vinte fábricas no Brasil, com cerca de fusos e 385 teares. Menos de vinte anos depois, ou seja, em 1881, aquele total cresceria para quarenta e quatro fábricas, totalizando fusos e gerando cerca de empregos. Nas décadas seguintes, houve uma aceleração do processo de industrialização e, às vésperas da I Guerra Mundial, existiam duzentas fábricas que empregavam pessoas. Em 1929, a grande crise que se abateu sobre a economia mundial propiciou nova oportunidade de crescimento da indústria brasileira, a exemplo do que havia ocorrido durante a I Guerra. A capacidade de importação foi drasticamente reduzida, levando praticamente todos os países a adotarem políticas de substituição dos importados pela produção interna das mercadorias necessárias a seu abastecimento. O número de operários ocupados no ramo têxtil e de confecção triplicou no período de 1920 a Em 1958, foi fundada a Fenit, a primeira Feira Nacional da Indústria Têxtil, que aconteceu no Pavilhão Internacional do Parque do Ibirapuera, dando origem a dezenas de 7

8 outras feiras têxteis e de confecção espalhadas por todo o território brasileiro. A evolução da Indústria têxtil e do vestuário, ao longo dos últimos dez anos, ficou marcada por um forte investimento em tecnologia, com especial destaque na informação e comunicação. As indústrias têxtil e do vestuário assumiram posição de destaque nas exportações nacionais. 1.2 SETOR TÊXTIL O valor da produção da cadeia Têxtil e de Confecção representa o equivalente a pouco mais de 4% do PIB total brasileiro e de 17% da indústria de transformação. Emprega cerca de 1,5 milhão de trabalhadores, o que representa 1,7% da população economicamente ativa do país e 16,9% do total dos trabalhadores alocados na indústria da transformação. Isso faz dela a segunda maior empregadora formal deste aglomerado. Estes dados demonstram claramente que a cadeia Têxtil e de Confecção mantém seu status de setor de grande relevância para a dinâmica da economia do país, além de trazer forte impacto social, sobretudo por conta do perfil do trabalhador, constituído em sua maioria por mulheres, e com baixo grau de instrução. (Associação Brasileira das Indústrias Têxteis ABIT, 2003) 1.3 COMPETITIVIDADE DAS INDÚSTRIAS DE CONFECÇÃO Debate-se com um conjunto de mudanças fundamentais, nomeadamente num contexto em que coexistem três formas principais de concorrência: - indústrias de capacidade, onde a principal vantagem competitiva reside na produção em massa; - indústrias mistas, que asseguram o domínio da produção e a capacidade de produzir pequenas séries e, finalmente, - indústrias imateriais, que se caracterizam pelo domínio de competências específicas na criação, na organização do processo, na redução de perdas e na capacidade de distribuição. A confecção que aposte em fatores imateriais, dinâmicos de competitividade, é cada vez mais dependente do conhecimento técnico, de produtos, de processos com máximo aproveitamento de recursos e dos mercados. É neste quadro que a metodologia da Produção mais Limpa vem constituir um forte apoio à definição das estratégias empresariais. Como mais de 80% das empresas nacionais de confecção são de micro, pequeno e médio portes, em que, muitas vezes, o maior fator de competitividade está na redução dos custos operacionais, a Produção mais Limpa contribui com a redução de desperdícios e a minimização dos impactos ambientais, além de propiciar ganhos econômicos através da máxima utilização dos recursos. 1.4 MEIO AMBIENTE E O SETOR DE CONFECÇÃO A expectativa da sociedade está voltada à melhoria das condições de vida. Neste enfoque, as pressões sociais sobre as empresas estão cada vez mais fortes, de tal forma que modificam o comportamento delas e, muitas vezes, determinam sua extinção. 8

9 A demarcação do nível de poluição socialmente aceitável está diretamente relacionada ao nível de incômodo que a sociedade está disposta a suportar e, sobretudo, qual a contrapartida de recursos que está disposta a abrir mão para melhorar o seu meio ambiente. As preferências têm variação entre regiões, crenças, classes sociais, culturas e ideologias. Dentro desta ótica, as organizações podem agir de forma pró-ativa, reduzindo a quantidade de material usado nos produtos e serviços, o consumo e o custo de energia, criando novos produtos e serviços para novas oportunidades de mercado, de forma a possibilitar a redução dos riscos ambientais, aplicando e adquirindo tecnologias novas, bem como, melhorando de forma geral a imagem pública da empresa. As figuras 1 e 2 ilustram os principais resíduos gerados no processo de Confecção. Figura 1 - Resíduos sem segregação. Figura 2 - Resíduos por planejamento inadequado. 1.5 OBJETIVOS DESTE DOCUMENTO São objetivos fundamentais desse documento: - Contribuir com o processo de implantação das técnicas de Produção mais Limpa nas indústrias de Confecção; - Orientar para a gestão adequada dos resíduos de Confecção, levando em consideração os aspectos sociais, tecnológicos e econômicos; - Promover o uso de tecnologias de Produção mais Limpa, tendo por finalidade a prevenção e minimização de resíduos na fonte; - Caracterizar os tipos de resíduos gerados no setor da Confecção; - Construir uma ferramenta de fácil consulta que contenha as medidas e tecnologias de prevenção aplicáveis, minimizando o impacto dos rejeitos gerados sobre o meio ambiente e apresentando formas de destino adequadas; - Apresentar as vantagens de natureza técnica, ambiental e econômica que advêm da aplicação das tecnologias e das medidas de prevenção e redução de resíduos de Confecção; 9

10 2. LEGISLAÇÃO Todas as empresas deverão observar os requisitos legais inerentes às suas atividades, adotando para tanto medidas que possam evitar os danos ambientais causados por seus processos de produção. No ordenamento jurídico brasileiro é grande o número de normas que visam a proteção dos recursos ambientais. Esta legislação requer uma adequada aplicação, de forma a permitir o desenvolvimento sustentável, sendo a variável ambiental parte integrante desse desenvolvimento. Significa dizer que a empresa deverá considerar as questões ambientais, dentro do seu planejamento, como instrumento que permita a gestão racional dos recursos ambientais. Para atender os requisitos legais, os empreendedores devem adotar medidas preventivas e corretivas, planejando o uso dos recursos ambientais, de forma a minimizar os impactos negativos sobre o meio ambiente e permitir assim, o desenvolvimento sustentável. Existem várias normas aplicáveis à proteção do meio ambiente, em nível federal, estadual e municipal NORMAS E LEGISLAÇÃO PERTINENTES À INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO A constituição de 1988 mudou o sistema de competências ambientais. A competência para legislar e proteger o meio ambiente foi dada à União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O licenciamento é um dos instrumentos de gestão ambiental estabelecido pela lei Federal n.º 6938, de 31/08/81, também conhecida como Lei da Política Nacional do Meio Ambiente. Em 1997, a Resolução nº 237 do Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA, definiu as competências da União, Estados e Municípios e determinou que o licenciamento deveria ser feito em um único nível de competência. As atividades de confecção de peças e acessórios do vestuário, roupas profissionais, peças interiores, fabricação de artefatos têxteis a partir de tecidos para vestuário estão dispensadas do licenciamento. Neste caso, o interessado pode comparecer ao órgão ambiental e solicitar o Certificado de Dispensa de Licença - CDL. Entretanto, a Indústria de Confecção que fabrica tecido e artigos de malha fabricação de meias, tecidos de malha e outros artigos do vestuário que contenham materiais além de tecido é considerada fonte poluidora e requer o Licenciamento Ambiental. Resíduos sólidos Segundo Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) a Norma Brasileira (NBR) /2004 estabelece que resíduos sólidos são os resíduos nos estados sólidos e semisólidos, que resultam de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de 10

11 controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos d água, ou exijam para isso soluções técnica e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia possível. A periculosidade de um resíduo é a característica apresentada por um resíduo que, em função de suas propriedades físicas, químicas ou infecto-contagiosas, pode apresentar: a) risco à saúde pública, provocando mortalidade, incidência de doenças ou acentuando seus índices. b) riscos ao meio ambiente, quando o resíduo for gerenciado de forma inadequada. Classificação dos Resíduos sólidos Os resíduos sólidos são classificados conforme a NBR 10004/2004, como: - Resíduos Classe I Perigoso São aqueles que apresentam riscos a saúde pública, provocando ou acentuando, de forma significativa, um aumento de mortalidade ou incidência de doenças e/ou riscos ao meio ambiente, quando o resíduo é manuseado ou destinado de forma inadequada. Estes resíduos podem apresentar uma das seguintes características: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade ou patogenicidade. A figura 3 a seguir ilustra exemplos de resíduos de classe I Perigosos provenientes do setor de Confecção, segundo NBR 10004/2004: Lâmpadas Solventes usados em limpezas das peças Óleo lubrificante usado ou contaminado Pano e estopa contaminado com óleo lubrificante usado ou contaminado Figura 3 - Resíduos Classe I 11

12 - Resíduos Classe II A Não Inerte São aqueles que não se enquadram nas classificações de Resíduo Classe I (perigoso) ou de Resíduo Classe II B (inertes), nos termos da norma. Podendo ter propriedades como: biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em água. A figura 4 ilustra exemplos de resíduos de classe II A Não Inertes, do setor de Confecção, segundo NBR 10004/2004: Resíduos têxteis, retalhos e aparas de tecido Resíduos de plástico Resíduos de papel e papelão Resíduos de linhas e fios Resíduos de restaurante (restos de alimento) Figura 4 - Resíduos Classe II A 12

13 - Resíduos Classe II B: INERTES Quaisquer resíduos que, quando amostrados de uma forma representativa, segundo ABNT NBR , e submetidos a um contato dinâmico e estático com água destilada ou deionizada à temperatura ambiente, conforme ABNT NBR , não tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de água, excetuando-se aspecto, cor, turbidez, dureza e sabor. A figura 5 ilustra exemplos de resíduos de classe II B Inertes, provenientes dos setor de confecções, segundo NBR 10004/2004: Resíduos de vidro Sobras de botões Figura 5 - Resíduos Classe II B: INERTES Leis Federais - LEI N.º 6.938, de 31 de agosto de Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação e dá outras providências. - LEI N.º 7.347, de 24 de julho de Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico (vetado) e dá outras providências. - LEI N.º 9.605, de 12 de fevereiro de LEI DE CRIMES AMBIENTAIS Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente e dá outras providências. 13

14 3. PRODUÇÃO MAIS LIMPA Produção mais Limpa (PmaisL) é a aplicação contínua de uma estratégia ambiental preventiva e integrada, nos processos produtivos, nos produtos e nos serviços, para reduzir os riscos aos seres humanos e ao meio ambiente. São ajustes no processo produtivo que permitem a redução da emissão/geração de resíduos diversos, e que podem ser compostos de pequenas reparações no modelo existente até a aquisição de novas tecnologias (simples e/ou complexas). As tecnologias ambientais convencionais trabalham principalmente o tratamento dos resíduos gerados. Por isso, esta abordagem estuda os resíduos no final do processo de produção, sendo então denominada de técnica Fim de Tubo. A mesma é caracterizada essencialmente pelas despesas adicionais para a empresa e por uma série de problemas. (Exemplo: contratação de empresa licenciada para disposição final dos retalhos de corte) VANTAGENS DA PmaisL Comparada à disposição através de serviços externos ou às tecnologias de Fim de Tubo, a PmaisL apresenta algumas vantagens: - Produção mais limpa apresenta um potencial para soluções econômicas, no sentido de reduzir a quantidade de materiais e energia usados; - Devido a uma intensa exploração do processo de produção, a minimização de resíduos induz a uma técnica de inovação dentro da empresa; - A responsabilidade pode ser assumida para o processo de produção como um todo, e os riscos no campo das obrigações ambientais e da disposição de resíduos podem ser minimizados; - A minimização de resíduos é um passo em direção a um desenvolvimento sustentável. O objetivo da PmaisL é chegar à ponta do processo, sem redução dos valores qualitativos e quantitativos de produtos, com menores gastos de energia, água e material, gerando menos poluentes. Isso é possível com a alteração de linhas de processo, substituindo matéria-prima e capacitando os trabalhadores. O quadro 1 compara a gestão de resíduos convencional e a produção mais limpa: Quadro 1: enfoque da Gestão convencional X Produção mais Limpa em relação aos resíduos Gestão convencional de Resíduos O que se pode fazer com os resíduos, existentes? Quais as formas de se livrar deles? Quem pode comprar retalho? Produção mais Limpa De onde vêm os resíduos? Como eliminar ou reduzir na fonte? Por que são gerados? 14

15 3.2. Aplicação da PmaisL As possíveis modificações decorrentes da implantação de um programa de PmaisL ocorrem em vários níveis de aplicações de estratégias, de acordo com a figura 6. Figura 6 - Níveis de oportunidades de PmaisL Nível 1 Redução na fonte O primeiro nível de aplicação de PmaisL, prioriza as medidas que reduzam a geração de resíduos na fonte. Estas incluem modificações no processo, nos serviços e no produto. Modificações no processo As modificações no processo devem reduzir a geração dos resíduos, efluentes e emissões. Por processo, entende-se toda a transformação de materiais, energia e recursos diversos em produtos. As modificações do processo compreendem um conjunto de medidas: Housekeeping Boas Práticas de PmaisL Define-se como o uso cuidadoso de matérias-primas e insumos, incluindo mudanças organizacionais. Na maioria dos casos, estas são as medidas economicamente mais interessantes e que podem ser facilmente colocadas em prática. O início do programa de Produção mais Limpa deve contemplar primeiramente a análise das práticas operacionais e buscar soluções práticas de housekeeping. As economias proporcionadas pelas boas práticas operacionais podem viabilizar novos investimentos na empresa, inclusive em novas tecnologias. 15

16 São exemplos de boas práticas de PmaisL: - Organização do estoque de matéria-prima e aviamentos; - Organização do layout conforme a seqüência operacional de montagem das peças; - Reorganização dos intervalos de limpeza e de manutenção; - Eliminação de perdas devido à procura de materiais; - Melhoria de logística de compra, estocagem e distribuição de matérias-primas, insumos e produtos; - Elaboração de manuais de boas práticas operacionais; - Capacitação de pessoal envolvido no programa de PmaisL; - Otimização dos fluxos de material; - Melhoria do sistema de informação; - Padronização de operações e procedimentos; - Substituição de matérias-primas e aviamentos. As matérias-primas e aviamentos que geram baixo índice de aproveitamento, devido à baixa qualidade ou têm dificuldades para reciclagem podem, muitas vezes, ser substituídas por outras menos prejudiciais, auxiliando na redução do volume de resíduos. Como exemplo, se pode citar a substituição de fornecedor cujos tecidos possuem alto grau de defeitos ou irregularidade na largura. Modificações tecnológicas As modificações variam desde um nível relativamente simples até mudanças substanciais que interfiram na perda de tempo em operações, no consumo de energia ou na utilização de matérias-primas. Freqüentemente, estas medidas precisam ser estudadas e combinadas com housekeeping e a seleção de matérias-primas. Como exemplo, tem-se: substituição do processo de encaixe e risco da modelagem, de um modelo manual para digitalizado. Modificações no produto Após as oportunidades mais simples terem sido esgotadas, a modificação no produto é uma abordagem importante. As modificações no produto podem levar a uma situação ecológica melhorada em termos de produção, utilização e disposição do resíduo. Elas podem conduzir à substituição do produto ou de seus detalhes. As alterações devem melhorar o aproveitamento do tecido sem comprometer a qualidade do produto. Neste contexto, o termo design ambiental tem ganhado importância no mundo da moda. Nível 2 - Reciclagem interna Os resíduos que não podem ser evitados com a ajuda das medidas acima descritas devem ser reintegrados ao processo de produção da empresa. Isto pode significar: - Utilizar os resíduos das matérias-primas no desenvolvimento de produtos alternativos, como por exemplo, produtos compostos por pequenos pedaços de tecido. 16

17 Nível 3 - Reciclagem externa Após esgotar as oportunidades acima se deve optar por medidas de reciclagem de resíduos fora da empresa. Nestes ambientes é possível a recuperação de materiais de maior valor e sua reintegração ao ciclo econômico, como papel, aparas e retalhos de tecido. Os exemplos aplicados para a reciclagem interna também se aplicam para a reciclagem externa. Normalmente, é mais vantajoso buscar fechar os circuitos dentro da própria empresa, mas se isto não for viável técnica e economicamente, então se deve buscar a reciclagem externa HISTÓRIA DA PmaisL A UNIDO e UNEP criaram, em 1994, o programa de Produção mais Limpa, voltado para a preservação ambiental. O Programa de Produção mais Limpa é uma estratégia integrada e preventiva que visa aumentar a produtividade da empresa, diminuindo os custos de matéria-prima, energia, recursos naturais, e conseqüentemente reduzindo o impacto ambiental de maneira sustentável. Para implementar o programa e promover a aplicação da Produção mais Limpa por empresas e países em desenvolvimento existem cerca de 31 Programas nacionais de Produção mais Limpa (NCPPs) e Centros Nacionais de Produção Mais Limpa (NCPCs). Além disto, outros centros estão em fase de planejamento. Esses centros localizam-se em diversas partes do mundo, e têm como papel principal promover demonstrações na planta industrial, treinamento de todos os envolvidos, disseminação das informações e avaliação das políticas ambientais. Em julho de 1995, foi inaugurado o NCPC brasileiro, denominado Centro Nacional de Tecnologias Limpas CNTL SENAI e que está localizado no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI, em Porto Alegre, no Estado do Rio Grande do Sul. O CNTL SENAI tem a função de atuar como um instrumento facilitador para a disseminação e implantação do conceito de Produção Mais Limpa em todos os setores produtivos. O programa desenvolvido no Brasil é uma adaptação do programa da UNIDO/UNEP e da experiência da Consultoria Stenum, da cidade de Graz, na Áustria, que desenvolveu o projeto Ecological Project for Integrated Environmental Technologies ECOPROFIT PORQUE INVESTIR EM PmaisL O Programa de Produção mais Limpa visa fortalecer economicamente a indústria, através da prevenção da poluição, inspirado pelo desejo de contribuir com a melhoria da situação ambiental de uma região. Baseado em problemas ambientais conhecidos, o Programa de Produção mais Limpa investiga o processo de produção e as demais atividades de uma empresa e estuda os do ponto de vista da utilização de materiais e energia. Esta abordagem ajuda a induzir inovações dentro das próprias empresas, objetivando introduzilas na direção de um desenvolvimento sustentável, juntamente com a região onde estão estabelecidas. A partir disto, são criteriosamente estudados os produtos, as tecnologias e os materiais, a fim de minimizar a geração de resíduos e encontrar modos de reutilizar aqueles considerados inevitáveis. Neste sentido, este Programa é ferramenta lucrativa por estabelecer um conceito holístico. 17

18 Algumas razões que levam a implantação do programa de Produção mais Limpa são: - Baixa os custos da produção, de disposição final, dos cuidados com a saúde e da limpeza do meio ambiente; - Melhora a eficiência do processo e a qualidade do produto, contribuindo para a inovação industrial e a competitividade; - Baixa os riscos aos trabalhadores, comunidade, consumidores de produtos e gerações futuras, decrescendo assim seus custos com riscos e prêmios de seguros; - Melhora o conceito público da empresa produzindo benefícios sociais e econômicos intangíveis PmaisL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Entende-se por Desenvolvimento Sustentável, aquele que atende as necessidades da geração atual sem comprometer o direito das futuras em satisfazer as suas próprias necessidades. Pela análise desta definição tem-se dois conceitos fundamentais: o das necessidades variam de sociedade para sociedade, mas que devem ser satisfeitas assegurando as condições essenciais de vida a todos; e o da limitação, que reconhece a necessidade da tecnologia em desenvolver soluções para conservar recursos disponíveis atualmente, permitindo sua renovação na medida em que são necessários às futuras gerações. O uso racional de matéria-prima, água e energia, para reduzir a poluição significa uma opção ambiental e econômica definitiva. Diminuindo os desperdícios, tem-se maior eficiência no processo industrial e menor investimento para soluções de problemas ambientais. A empresa torna-se mais competitiva ao transformar matérias-primas, água, energia em produtos, e não em resíduos. O tema Produção mais Limpa não é apenas um tema ambiental e econômico. A geração de resíduos em um processo produtivo, muitas vezes, está diretamente relacionada a problemas de saúde ocupacional e de segurança dos trabalhadores. Desenvolver a Produção mais Limpa minimiza estes riscos, contribuindo para a melhor qualidade do ambiente de trabalho. Uma conseqüência positiva, muitas vezes difícil de mensurar, é o fortalecimento da imagem da empresa frente à comunidade e autoridades ambientais. Como justificativa, apresenta-se também o fato de que os consumidores de hoje exigem cada vez mais produtos ambientalmente corretos. Estes consumidores assumem previamente que as empresas sejam tão responsáveis quanto à qualidade de seus produtos, como em relação ao meio ambiente nas suas práticas produtivas. Definições de desenvolvimento sustentável mencionam as responsabilidades quanto ao emprego mais eficiente possível de recursos naturais, de maneira que não prejudique as gerações futuras. Relacionando esta definição com Produção mais Limpa, pode-se observar que produzir sustentavelmente significa, em palavras simples, transformar recursos naturais em produtos e não em resíduos. 18

19 Neste contexto, a Produção mais Limpa consolida-se como uma ferramenta extremamente útil para a promoção do desenvolvimento sustentável, pois, se por um lado, aumenta a eficiência dos processos produtivos, melhorando a competitividade das organizações, por outro, racionaliza o consumo de recursos naturais e reduz a geração de resíduos. Em um mercado cada vez mais exigente e competitivo passar a entender o que acontece com as organizações que implementam ações visando reduzir os impactos sobre o meio ambiente, pode tornar-se um diferencial. Ao mesmo tempo, essas empresas podem aumentar seus ganhos e sua competitividade, assumindo um caráter estratégico e mercadológico, promovendo mudanças na cultura da organização e ajudando a projetar uma nova imagem junto à sociedade. Exemplo de desenvolvimento humano e ambiental O CNTL SENAI realiza inúmeros eventos para a promoção da produção mais limpa em diversos setores industriais brasileiros. Apesar de sempre otimizar de maneira racional os recursos utilizados nestes eventos, ocorreu, no ano de 2002 no III Fórum de Produção mais Limpa, uma sobra de sacolas de tecido utilizadas para a distribuição do material técnico e promocional. O evento teve um grande público participante, contudo, cerca de 90 pessoas que eram esperadas, não compareceram. E agora, o que fazer com estas sacolas remanescentes? Com objetivo de unir o desenvolvimento social com atitudes ambientais surgiu então a idéia de realizar o reaproveitamento das sacolas, contratando, com o apoio do SENAI Departamento Nacional, o trabalho da Griffe Morro da Cruz. Esta Griffe é formada por um grupo de mulheres do Morro da Cruz, uma comunidade humilde de Porto Alegre. Este grupo, pioneiro na reciclagem de tecidos e de peças de vestuário, elaborou uma arte original nas sacolas, que serão distribuídas com alguns exemplares deste guia. É a criatividade das moradoras do Morro da Cruz agora presente em sacolas pelo Brasil inteiro. Para obter mais informações sobre o trabalho da Griffe do Morro da Cruz, entre em contato pelo telefone: PmaisL E SEGURANÇA OCUPACIONAL A redução da geração de resíduos no processo contribui para a minimização dos riscos ocupacionais, uma vez que há uma menor quantidade de resíduos a ser acondicionada, transportada e para disposição final. A aplicação da PmaisL em segurança no trabalho também proporciona condições para que o trabalhador esteja perfeitamente inserido ao meio, de forma segura e confortável, analisando o layout de processo, procedimentos e infra-estrutura, preconizando não somente a melhoria tecnológica, mas a aplicação de know-how e a mudança de atitudes. 19

20 O know-how significa aprimorar a eficiência adotando melhores técnicas de gestão. Mudar atitudes significa encontrar uma nova abordagem para o relacionamento entre os objetivos e o ambiente de trabalho, pois reavaliar um processo ou um produto pode trazer significativos resultados, sem requerer novas tecnologias. A organização e limpeza do ambiente, que geralmente é a primeira manifestação do PmaisL, contribuem para desobstruir áreas de circulação (como salas de depósito de retalhos), bem como reduzir as atividades que envolvem resíduos. Reduzem os riscos aos trabalhadores, não somente pelas práticas organizacionais que conferem menor negligência no ambiente de trabalho, mas também pela consciência criada. A redução de riscos aos trabalhadores interfere diretamente na redução dos custos, tanto pela redução de acidentes que levam a ausência ao serviço, como pelo custo do afastamento do trabalho. Classificação dos riscos ocupacionais no setor de Confecção a) Riscos Ambientais: de acordo com a Norma Regulamentadora Nº 9 - NR-9 da Portaria 3214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego, riscos ambientais são aqueles causados por agentes físicos, químicos ou biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração, intensidade ou tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador. b) Riscos Ergonômicos: são aqueles relacionados com fatores fisiológicos e psicológicos inerentes à execução das atividades profissionais. Estes fatores podem produzir alterações no organismo e estado emocional dos trabalhadores, comprometendo a sua saúde, segurança e produtividade. Exemplos: movimentos repetitivos, levantamento e transporte manual de pesos, movimentos viciosos, esforço físico intenso, postura inadequada, mobiliário com regulagem inadequada, etc. c) Riscos de Acidentes: são quaisquer circunstâncias ou comportamentos que provoquem alteração da rotina normal de trabalho. 20

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI

Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI Artigo Técnico Por Silvio Neto Pereira do Vale, Técnico de Ensino do CPC - Centro SENAI de Produção mais Limpa Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI As organizações mundiais e brasileiras

Leia mais

Implementação de Programas de Produção mais Limpa

Implementação de Programas de Produção mais Limpa Implementação de Programas de Produção mais Limpa Implementação de Programas de Produção mais Limpa Porto Alegre 2003 PRESIDENTE DO SISTEMA FIERGS E DO CONSELHO REGIONAL DO SENAI-RS Francisco Renan O.

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 A classificação de resíduos sólidos envolve a identificação do processo ou atividade que lhes deu origem, de seus constituintes e características, e a comparação

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos;

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos; TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENED ALUNA: CAROLINA SEGASPINI BOTEJO KRIESER CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA SISTEMA AEROPORTUÁRIO DATA:20.08.2010 OBJETIVO

Leia mais

Artigo. Produção sustentável

Artigo. Produção sustentável Artigo Produção sustentável Como reduzir custo, ganhar dinheiro e ser amigo do planeta com a utilização do modelo logística reversa. Proposta da metrologia têxtil e do Setor de Vestuário do SENAI BA. Por

Leia mais

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais?

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Perguntas frequentes Resíduos Sólidos 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Resíduos industriais: gerados nos processos produtivos e instalações industriais.

Leia mais

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP 3 - Metodologias 1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da poluição e minimização de resíduos 2. Histórico de produção mais limpa no Brasil 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida

Leia mais

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Handson Cláudio Dias Pimenta (UFRN/PEP) handsonpimenta@hotmail.com Sérgio Marques Júnior (UFRN) sergio@ct.ufrn.br

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Leonardo Dias Pinto (Latec/UFF) Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas (Latec/UFF) Resumo Os resíduos sólidos provenientes

Leia mais

Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde

Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde Questões Resolvidas

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Vera Lúcia Pimentel Salazar Bióloga, Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA vsalazar@apta.sp.gov.br

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Vera Lúcia Pimentel Salazar Bióloga, Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA vsalazar@apta.sp.gov.br PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Vera Lúcia Pimentel Salazar Bióloga, Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA vsalazar@apta.sp.gov.br A Produção Mais Limpa (PML) é uma estratégia aplicada na produção e nos

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias BENVENUTI, T. a*, MAFFESSONI, D. b, TONIN, B. P. b a. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

Postes de Eucalipto Tratados

Postes de Eucalipto Tratados Postes de Eucalipto Tratados - Considerações - Destinação de Resíduos de Madeira Tratada 3º Simpósio Madeira e Construção- Agosto 2015 Flavio C. Geraldo ABPM Workshop Presidente ABRADEE Maio 2015 Flavio

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade Prof. Rogerio Valle Logística Reversa e Sustentabilidade LOGÍSTICA REVERSA, PROCESSO A PROCESSO (ED. ATLAS) Visão sistêmica dos fluxos de recursos e de produtos Evolução na problemática da sustentabilidade

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Implementação de um Programa de Prevenção à Poluição

Implementação de um Programa de Prevenção à Poluição Implementação de um Programa de Prevenção à Poluição GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CETESB COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais

Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos

Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos 1 Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos Marconi Canuto Brasil (marconic@tce.rj.gov.br) Técnico de Controle Externo (arquiteto) do e auditor ambiental. Ana Lucia Costa Bittencourt

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Princípios, objetivos e instrumentos, Diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos Responsabilidades dos

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

SENAI-RS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO REGIONAL

SENAI-RS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO REGIONAL SENAI-RS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO REGIONAL Presidente Paulo Fernandes Tigre Presidente do Sistema FIERGS Conselheiros Representantes

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L 1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L Centro SENAI de Produção Mais Limpa Cleaner Production Center - CPC 21-23 de Novembro de 2007 São Paulo O objetivo do

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO 09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO Maria Lucimar Maranhão Lima (1) Engenheira Química pela UFC. Especialista em Educação Profissional Técnica de Nível Médio integrado ao

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

Produção Mais Limpa E Os Aspectos Da Política Nacional De Resíduos Sólidos No Setor De Confecções

Produção Mais Limpa E Os Aspectos Da Política Nacional De Resíduos Sólidos No Setor De Confecções Produção Mais Limpa E Os Aspectos Da Política Nacional De Resíduos Sólidos No Setor De Confecções BIERMANN, M.J.E. 1 Pontifícia Universidade Católica PUC, RS, mjulieta@terra.com.br. Resumo Estima-se que

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) 1 - DIRETRIZ GERAL O presente Termo de Referência tem o objetivo de orientar os empreendimentos, sujeitos ao

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Isabela Helena De Marchi A Resolução CONAMA nº 005, em conformidade com a NBR nº10.004 da Associação brasileira de Normas Técnicas ABTN definiu em seu artigo 1º os resíduos

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Serviços. Técnicos e Tecnológicos

Serviços. Técnicos e Tecnológicos Serviços Técnicos e Tecnológicos Serviços Técnicos e Tecnológicos Pas Psati Meio Ambiente Segurança do Trabalho Design de moda, calçados e Artesanato Design Moveleiro Gestão Haverá Título?! Sumário A exigência

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

Princípios Básicos de Produção mais Limpa em Matadouros Frigoríficos

Princípios Básicos de Produção mais Limpa em Matadouros Frigoríficos Série Manuais de Produção mais Limpa SENAI Sistema FIERGS Centro Nacional de Tecnologias Limpas SENAI-RS Princípios Básicos de Produção mais Limpa em Matadouros Frigoríficos Porto Alegre 2003 Série Manuais

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná LEI Nº 12493-22/01/1999 Publicado no Diário Oficial Nº 5430 de 05/02/1999. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes a geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte,

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

Considerando a necessidade da elaboração de Programa Estadual e de Plano para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais.

Considerando a necessidade da elaboração de Programa Estadual e de Plano para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07/2011 Dispõe sobre gerenciamento e disposição final dos resíduos sólidos gerados em unidades de produção industrial, de bens e serviços, assim como os provenientes de atividades

Leia mais

RESUMO DO PROJETO: A Empresa:

RESUMO DO PROJETO: A Empresa: A Empresa: RESUMO DO PROJETO: Fundada em 1987, a PROSUL oferece aos seus clientes serviços especializados de engenharia consultiva. Sediada em Santa Catarina e fundada pelo engenheiro Wilfredo Brillinger,

Leia mais

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo. Otimizar o uso dos recursos naturais

Leia mais

O lançamento de Resíduos Industriais no trecho entre Resende e Volta Redonda

O lançamento de Resíduos Industriais no trecho entre Resende e Volta Redonda O lançamento de Resíduos Industriais no trecho entre Resende e Volta Redonda Janaina da Costa Pereira Torres janainacpto@gmail.com Lucas de Medeiros Figueira lucasfigueira.c4@gmail.com Danielle Alves de

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2 968, de 14 de setembro de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de

Leia mais

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L)

PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Workshops Meio Ambiente Convênio -CIESPCIESP PRÁTICAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Flávio de Miranda Ribeiro Gerente da Divisão de Sustentabilidade e Questões Globais - - 27/05/2010 1. INTRODUÇÃO ESTRUTURA

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos nas Indústrias Madeireiras

Gerenciamento de Resíduos nas Indústrias Madeireiras Gerenciamento de Resíduos nas Indústrias Madeireiras Profa. Dra. Adriana Maria Nolasco Laboratório de Movelaria e Resíduos Florestais LCF/ESALQ/USP amnolasc@usp.br Telefone: 19 3402-2166 Home page: www.anpm.org.br

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Panorama sobre resíduos sólidos

Panorama sobre resíduos sólidos Panorama sobre resíduos sólidos Brasil Dinamarca: Cooperação em Meio Ambiente Setembro de 2009 Principais conceitos (proposta do setor industrial) Resíduos sólidos: qualquer material, substância, objeto

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 214 ISSN 2318-763 21 Eixo Temático ET-1-1 - Gestão Ambiental IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins PROTEGER Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP Karin Regina de Casas Castro Marins OBJETIVO Implantar um SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) no transporte público

Leia mais