ADOLFINO ALVES PEREIRA NETO BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE ESTOQUES NO VAREJO DE UTILIDADES ESTUDO DE CASO LE BISCUIT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADOLFINO ALVES PEREIRA NETO BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE ESTOQUES NO VAREJO DE UTILIDADES ESTUDO DE CASO LE BISCUIT"

Transcrição

1 ADOLFINO ALVES PEREIRA NETO BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE ESTOQUES NO VAREJO DE UTILIDADES ESTUDO DE CASO LE BISCUIT Feira de Santana 2010

2 ADOLFINO ALVES PEREIRA NETO BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE ESTOQUES NO VAREJO DE UTILIDADES ESTUDO DE CASO LE BISCUIT Artigo apresentado ao Curso de Pós- graduação como requisito obrigatório para obtenção do título de Especialista em Logística Empresarial da Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana. Orientador Prof. MsC. Leoman Moutinho dos Santos Feira de Santana 2010

3 ADOLFINO ALVES PEREIRA NETO BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE ESTOQUES NO VAREJO DE UTILIDADES ESTUDO DE CASO LE BISCUIT Artigo apresentado ao curso de Pós-graduação em Logística Empresarial como pré-requisito parcial obrigatório para a obtenção do titulo de Especialista em Logística Empresarial pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana. Data de aprovação / / BANCA EXAMINADORA Orientador Prof. MsC. Leoman Moutinho dos Santos FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DE FEIRA DE SANTANA MsC. André Luis Nascimento Kaecher - Coordenador do Curso de Especialização em Logística Empresarial FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DE FEIRA DE SANTANA Feira de Santana 2010

4 4 BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE ESTOQUES NO VAREJO DE UTILIDADES ESTUDO DE CASO LE BISCUIT Adolfino Alves Pereira Neto RESUMO Com a estabilização da moeda brasileira, a gestão de estoques tornou-se um dos fatores decisivos para o sucesso das empresas que lidam com armazenamento. No mercado, a guerra não é mais de preços, e sim, da busca incessante pela redução de custos e por uma melhor prestação de serviço ao cliente. Uma das fontes de redução de custos está na armazenagem, e embora este seja um fato incontestável, a gestão de estoques assim como outras áreas da administração, recebe pouca atenção por parte das empresas. Isso pode implicar em redução da lucratividade do negócio de forma silenciosa e quase imperceptível. No Brasil, nas micro e pequenas empresas, ocorre uma miopia administrativa provocada pela falta de conhecimento sobre Boas Práticas na gestão de estoques. É grande a quantidade de empresas que utilizam apenas o conhecimento empírico para gerir seus estoques, em detrimento das boas práticas existentes e difundidas nesta área. Para analisar com maior profundidade este assunto ainda pouco explorado, foi feito um estudo de caso com a Le Biscuit, empresa baiana que atua no varejo de utilidades, brinquedos e armarinho. A empresa que entrou no mercado de forma tímida e se tornou no maior player do mercado de utilidades do Norte/Nordeste, sempre enxergou mercadoria como dinheiro na prateleira, e que utilizar gradualmente boas práticas era fator condicional para o sucesso. Palavras-chave: Administração de Estoques, Controle, Boas Práticas, Acuracidade, Inventário, Redução de custo, Logística, T.I., Giro, Compras.

5 5 INTRODUÇÃO 1 Fundamentação Teórica O presente estudo busca motivar micro e pequenas empresas do varejo a utilizar Boas Práticas, difundindo assim o conhecimento delas na Gestão de Estoques. Como objetivo adicional, o estudo também identifica os motivos para o não uso das boas práticas, definindo conceitos, analisando um caso de sucesso no varejo de utilidades (Le Biscuit), e sugerindo melhorias a serem implementadas. A escolha deste tema foi feita de forma estratégica, devido a baixa produção acadêmica a respeito das boas práticas na gestão de estoques, tratando o assunto de forma superficial. São inexistentes pesquisas que abordem os fatores motivadores para que seja tímido o uso das boas práticas e qual a dificuldade enfrentada pelas empresas para utilizá-las. O amadurecimento da idéia do tema aconteceu pela observação do mercado de micro e pequenas empresas de varejo no país por mais de vinte anos, onde foi observado que as boas práticas são usadas timidamente. Esta observação tamém evidenciou que o conhecimento e a aplicação de boas práticas trás resultados de grande valia para a organização. Em diversas dessas empresas foi comprovado o uso das boas práticas, porém, quase sempre sem que a empresa sequer tenha noção de que está aplicando um boa prática. O estudo foi desenvolvido através de consultas realizadas em artigos científicos, livros dos principais autores sobre o tema e entrevistas feitas na empresa pesquisada. Foi utilizado o método comparativo, onde algumas boas práticas de gestão de estoques são expostas de acordo com a teoria das melhores publicações sobre o assunto, e a comparação delas com um caso real do mercado. 1.1 Gestão de Estoques Antes de desenvolver o conhecimento sobre boas práticas na gestão de estoques, se faz necessário a conceituação sobre Gestão e Estoque.

6 6 Gestão é lançar mão de todas as funções e conhecimentos necessários para através de pessoas, atingir os objetivos de uma organização de forma eficiente e eficaz. De acordo com Moura, Estoque é um conjunto de bens armazenados, com características próprias, que atendem aos objetivos e necessidades da empresa. Martins e Alt (2009, p. 198) diz: A gestão de estoques constitui uma série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se utilizam, bem manuseados e bem controlados. Obseva-se aqui a ênfase dada pelo autor a qualidade, quando utiliza repetidamente a palavra bem, no sentido de melhor qualidade. A Gestão de Estoques quando feita dentro de padrões estabelecidos e utilizando boas práticas, implicam em melhores resultados nos processos executados. A gestão eficiente e eficaz implica em bons ou ótimos resultados de cada processo, reduzindo o custo da manutenção de estoques. Quando um processo é feito apenas visando a eficiência, ele não pode ser considerado como uma boa prática, pois está se aplicando apenas o conhecimento do saber fazer, porém, o resultado poderá não ser eficaz, o que implica em qualidade abaixo do esperado. As boas práticas remetem a eficácia. Gerir estoques aplicando boas práticas é o processo que mantém produtos ou materiais dentro do seu nível ideal de atendimento ao mercado, preservando a integridade dos mesmos com baixo custo operacional, evitando faltas e/ou excessos de estoques, tendo foco em eficiência e eficácia, atingindo inevitavelmente os melhores resultados. 1.2 Parâmetros de Estoques A gestão de estoques é composta por diversos processos que se executados atendendo a requisitos de boas práticas, implicam nos melhores resultados. Os processos de recebimento, inspeção, armazenamento, movimentação, separação, conferência e carregamento são os mais comuns e frequentes na armazenagem. Em todos esses processos pode-se aplicar boas práticas.

7 7 Estoques mal geridos são drenos do fluxo de caixa das empresas, em muitos casos imperceptíveis, podendo ser os grandes responsáveis por problemas financeiros, falta de liquidez ou deficiências no atendimento. Estamos vivendo no século XXI. Faz mais de cinquenta anos que o homem começou, no século passado, a controlar estoques utilizando computadores, os quais, comparados as atuais calculadoras de bolso, seriam inúmeras vezes mais lentos e ineficazes. De lá até aqui, a evolução da Tecnologia da Informação permitiu um imenso avanço em todas as áreas da sociedade, e em especial na gestão de estoques. Atualmente, os softwares atendem a todas as boas práticas necessárias para que se obtenha a excelência no gerenciamento de estoques. A evolução dos softwares desde o MRP I (Planejamento dos Recursos dos Materiais I), MRP II (Planejamento dos Recursos dos Materiais II), ERP (Planejamento dos Recursos do Empreendimento) e recentemente o WMS (Sistema de Gerenciamento de Armazém), onde todos eles aplicam os conceitos acadêmicos de boas práticas na gestão de estoques, eliminou todo o trabalho braçal das empresas nesta área. Associado a evolução dos softwares, a comunicação global acontece em um piscar de olhos através do uso da Internet de forma gratuita, dando acesso a informação sobre gestão de estoques e boas práticas, difundindo esses conceitos no mundo. Gasnier (2002, p. 25) diz: Estoques implicam em penalidades para a empresa e para a cadeia de abastecimento. É preciso ter sempre em mente que quanto menos, melhor, isto é, que o estoque é um mal absoluto para a produtividade e que, portanto, precisa ser eliminado assim que as causas forem sanadas. As empresas devem gerir estoques necessários, onde faltas e excessos devem ser eliminados. Apesar de todo o conhecimento divulgado no mundo sobre gestão de estoques, o mercado brasileiro de micro e pequenas empresas continua dando pouca atenção a essa disciplina. Apesar de não haver pesquisas no país a respeito do uso de boas práticas de gestão de estoques, é notória no mercado a grande quantidade de empresas que não enxergam que os estoques são como dinheiro nas prateleiras. Dinheiro parado implica em perda financeira direta, e, em geral, de baixa mensuração e percepção. Os softwares de gestão estão repletos de recursos que sinalizam essa perda antecipadamente, porém, é comum nas micro e

8 8 pequenas empresas o uso de inventários em detrimento desses recursos para identificá-las antecipadamente, evitando prejuízos. O problema do estoque excessivo ou faltante pode ocorrer por má gestão administrativa motivada por diversos fatores. Nos dias atuais, a gestão de estoques conta com uma vasta riquesa de controles, processos e equipamentos que colaboram para que se alcance melhores resultados com menores custos. Ainda assim, é comum empresas praticarem apenas uma gestão de estoques embrionária, aplicando o conhecimento empírico absorvido dia a dia informalmente pelas experiências vividas no mercado, implicando assim em perdas financeiras e físicas. Um pequeno exemplo pode ser avaliado no uso dos códigos de barra. Desde que o Governo Federal instituiu em 1984 o código nacional de produtos e determinou que a ABAC fizesse sua administração no país, já se passaram 26 anos. Atualmente, leitores óticos e impressoras de código de barras são vendidos a preços acessíveis a qualquer empresa. Além disso, todos os softwares de gestão fazem uso do código de barras. A utilização do código de barras na gestão de estoques é fator condicionador para redução de custos, aumento da acuracidade dos estoques e aumento da velocidade de execução dos processos. Embora já tenham se passado quase três décadas de uso dos códigos de barra, segundo o GS1, órgão que controla os códigos de barra no país, ainda é grande a fatia do mercado que não os utiliza. Mas por que então? O mais provável é que seja a falta de cultura em T.I.. Este é apenas um dos diversos questionamentos que podem ser feitos a respeito do não uso de boas práticas. Segundo Tozo, há vários parâmetros de estoque considerados boas práticas na gestão de estoques, como lote econômico de compra, gestão do lead time, sugestão de compra, nível de serviço, técnicas de armazenamento, preservação de materiais, controle de validade e de lotes, planejamento da produção, etc. Há alguns motivos identificados para justificar o não uso de boas práticas como os citados aqui, porém, o principal deles é o uso do conhecimento empírico em detrimento do conhecimento científico. Segundo Babini, o conhecimento empírico é o modo comum, corrente e espontâneo de conhecer, que se adquire no trato direto com as coisas e os seres humanos, as informações são assimiladas por tradição, experiências causais, ingênuas, é caracterizado pela aceitação passiva, sendo mais sujeito ao erro nas

9 9 deduções e prognósticos. É o saber que preenche nossa vida diária e que se possui sem o haver procurado, sem aplicação de método e sem se haver refletido sobre algo. O Conhecimento Científico,é representado pela ciência e pode ser definido como o conjunto organizado de conhecimentos sobre um determinado objeto, obtidos mediante a observação, a experiência dos fatos e um método próprio. Quando questionadas a respeito do não uso das boas práticas, as empresas quase sempre justificam que os custos são impeditivos para implantá-las em seus estabelecimentos. Relatam que são pequenas, estão em crescimento, e que no momento certo ocorrerá o investimento. De forma negativa, esses investimentos geralmente ocorrem tardiamente, prejudicando o próprio negócio. Se as boas práticas fossem aplicadas no tempo devido, o crescimento seria mais rápido em consequência da redução de custos que seria obtida. Para eliminar os problemas gerados pelo conhecimento empírico, diversos segmentos de mercado criaram boas práticas para suas atividades. No caso da gestão de estoques, essas boas práticas reduzem ou eliminam a maioria dos problemas e resultam em eficiência e eficácia. 1.3 Boas Práticas Boas Práticas é uma expressão derivada do inglês "best practices", a qual denomina técnicas identificadas como as melhores para realizar determinada tarefa. Por exemplo, as "boas práticas" para se calcular uma equação são os melhores jeitos para fazer uma equação. É sempre recomendável seguir as boas práticas. Em diversas profissões têm sido criadas normas de "boas práticas" que definem a forma correta de atuar dos respectivos profissionais. São diversas as boas práticas existentes no mercado que colaboram para com a eficácia na gestão de estoques, porém, neste estudo, teremos como foco apenas seis boas práticas amplamente difundidas e de fácil execução pelas empresas, as quais estão detalhadas a seguir. Em seguida será feita uma análise do uso de boas práticas em uma empresa real.

10 Estoque de Segurança, Estoque Máximo e Ponto de Pedido ES Estoque de Segurança Segundo Pozo(2007), também denominado como estoque mínimo, o estoque de segurança indica a quantidade mínima possível capaz de suportar um tempo de ressuprimento superior ao programado ou um aumento na demanda do produto. Sua finalidade é não afetar o processo produtivo e, principalmente, não provocar transtornos aos clientes por falta de material ou produto. O ideal é um estoque de segurança igual a zero, porém, sabemos que dentro de uma organização, os materiais não são utilizados em uma taxa uniforme, e que, também, o tempo de reposição para qualquer produto não é fixo e garantido em razão das variáveis de mercado. Fica difícil estabelecer como zero o estoque de segurança, porém não é impossível. O modelo mais simples e fácil de utilizar para o cálculo do estoque de segurança, é em função de um consumo médio no período, e um coeficiente de grau de risco, onde um gerente de logística em função da sua sensibilidade de mercado, pode estimar um percentual para cada material. ES = C x K Onde: ES Estoque de Segurança C Consumo médio no período K Coeficiente de grau de risco. O Estoque de Segurança evita que ocorra a ruptura do estoque, porém, para que isso ocorra, é necessário o uso de softwares de gestão para que seja elucidada esta ocorrência de forma automática ou não, providenciando um pedido de reposição do estoque. Exemplificando, uma empresa necessita definir o estoque de segurança de um produto que tem uma demanda média mensal de 100 unidades e, para tanto, o

11 11 gerente de logística definiu um grau de risco de 30%. Qual seria então o estoque de segurança? ES = C x K ES = 100 x 0.30 ES = 30 unidades Há outras formulas que envolvem variáveis como consumo maior que o previsto e percentual de atraso no tempo de reposição, porém este estudo não visa um aprofundamento deste assunto. Na figura 1, temos uma representação gráfica do estoque de segurança, além do ponto de pedido e estoque máximo. Figura 1 Gráfico de Análise de Variação do estoque

12 EM Estoque Máximo Estoque Máximo é a quantidade máxima de estoque permitida para o material. Assim, a finalidade principal do estoque máximo é suportar as variações normais de estoque em face da dinâmica do mercado, deixando margem que assegure que o nível máximo de estoque não cresça e onere os custos de manutenção de estoque. Obtem-se o Estoque Máximo com a formula: EM = ES + LC Onde: EM Estoque Máximo ES = Estoque de Segurança LC = Lote de Compra. Quantidade do produto especificado no pedido de compra, que estará sujeita à política de estoque de cada empresa. Há várias fórmulas para calcular lote de compra, porém não é foco deste estudo o aprofundamento deste assunto. Exemplificando, qual é o estoque máximo de um material cujo lote de compra é de 100 unidades e o estoque de segurança é igual à metade do lote de compra? EM = ES + LC EM = (100 / 2) + 1 EM = = 150 unidades PP Ponto de Pedido É a quantidade de produtos que deve haver em estoque, garantindo que o processo produtivo não terá problemas de continuidade, enquanto aguarda-se a chegada do lote de compra, durante o tempo de reposição. Quando um determinado produto atinge seu ponto de pedido, deve ser feito o ressuprimento do estoque,

13 13 emitindo um pedido de compra ao fornecedor. O ponto de pedido utiliza a seguinte fórmula: PP = (C x TR) + ES Onde: PP = Ponto de Pedido C = Consumo Médio no Período TR = Tempo de Reposição ES = Estoque de Segurança Exemplificando, temos um determinado produto que é consumido em 100 unidades mensalmente. Sabemos que seu tempo de reposição é de 45 dias. Então, qual é o seu ponto de pedido, uma vez que o seu estoque de segurança é de 20 unidades? PP = (C x TR) + ES C = 100 unidades por mês TR = 45 dias (ou seja, 1.5 mes, ou um mês e meio) ES = 20 unidades PP = (100 x 1.5) + 20 PP = 170 unidades As boas práticas de estoque de segurança, estoque máximo e ponto de pedido, se aplicados continuamente, evitam prejuizos, pois impedem excessos e rupturas dos estoques, além de promover um melhor planejamento da compra, influenciando positivamente na cadeia de suprimentos. 1.5 Recebimento Segundo Viana(2002), a atividade Recebimento intermedia as tarefas de compra e pagamento ao fornecedor, sendo de sua responsabilidade a conferência

14 14 dos materiais destinados à empresa. Neste contexto, aparece como o fiel avaliador de que os materiais desembaraçados correspondam efetivamente às necessidades da empresa. Suas atribuições básicas são: a. Coordenar e controlar as atividades de recebimento e devolução de materiais; b. Analisar a deocumentação recebida, verificando se a compra está confirmada; c. Confrontar os volumes declarados na Nota Fiscal e no Manifesto de Transporte com os volumes a serem efetivamente recebidos; d. Proceder a conferência visual, verificando condições de embalagem quanto a possíveis avarias na carga transportada e, se for o caso, apontando as ressalvas de praxe nos respectivos documentos; e. Proceder a conferência qantitativa e qualitativa dos materiais recebidos; f. Decidir pela recusa, aceite ou devolução, conforme o caso; g. Providenciar a regularização da recusa, devolução ou da liberação de pagamento ao fornecedor; h. Liberar o material desembaraçado para estoque no almoxarifado. Nos pontos d, e, f, g e h acima, pode ser utilizado um sistema ERP, WMS ou MRP II que proporcione a segurança operacional adequada para este, que é um dos momentos mais críticos do processo de gestão de estoques. O recebimento é um dos processos onde pode ocorrer diversos problemas operacionais, geramente provocados por erros humanos, ou por má fé. Para evitá-los, é necessário que o software em uso disponha dos seguintes recursos: a. utilização de coletores de dados com RF Rádio Frequência, permitindo ao operador efetuar ações no sistema sem a necessidade de se dirigir a um computador para isso. Com o coletor as ações ocorrem durante o deslocamento do operador; b. permitir que seja possível coletar eletronicamente dados da conferência visual; c. permitir comparar eletronicamente a nota fiscal de entrada com a conferência feita;

15 15 d. requisitar a reconferência do material, caso haja divergência quantidativa da nota fiscal de entrada com a conferência feita; e. Bloquear o armazenamento do material, caso haja divergência quantitativa ou financeira entre a nota fiscal de entrada e o pedido de compra, concedendo ao comprador a decisção de liberação para o armazenamento ou devolução ao fornecedor. 1.6 Curva ABC Na página 64 de seu livro, Viana diz que o método da Curva ABC foi criado por Vilfredo Pareto, economista, sociólogo e engenheiro italiano ( ), onde baseado na sua teoria nasceu o Diagrama de Pareto, utilizado em diversas áreas em todo o mundo. A Curva ABC proporciona ao gestor de estoques uma visão em escala dos materiais sob seu controle. Ela mostra em uma escala decrescente, a importância dos materiais pela quantidade ou pelo valor das unidades vendidas. Isso implica em maior conhecimento da sua demanda, para que sejam tomadas medidas estratégicas a respeito dos materiais. Pode-se por exemplo, executar promoções para venda de materiais que encontram-se na parte C da curva, promover ações de marketing sobre os materiais da curva A e B, inativar materiais, entre outras outras tantas ações possíveis com a Curva ABC. Esta importante boa prática tem baixíssimo custo de mercado, pois tornou-se fator obrigatório nos softwares de gestão disponíveis, popularizando o conhecimento da mesma. Na figura 2, temos uma representação hipotética de um universo analisado, onde a Classe A representa 20% do mix e 80% do valor, sendo a classe mais importante.

16 16 Figura 2 Gráfico da Curva ABC Classe % MIX %VALOR A B C 30 5 Figura 3 Classes da Curva ABC A Curva ABC é um método eficaz aplicável a qualquer situação onde se deseja estabelecer uma escala de prioridade, visando dar tratamento diferenciado por classe identificada. Ela também pode ter uma análise mais profunda, aumentando-se a quantidade de classes a serem analisadas, dando um tratamento especial a cada uma delas. Os softwares MRP II (Planejamento dos Recursos Materiais), ERP (Planejamento dos Recursos do Empreendimento) e os WMS (Sistema de Gerenciamento de Armazém), dispõem de processos eficazes para gerenciamento da Curva ABC. 1.7 Inventário Os estoques são vulneráveis a partir do momento em que são produzidos ou adquiridos. Dai em diante, em todos os locais desde o armazém da indústria até o

17 17 momento em que é entregue ao consumidor final, deverão ser feitos movimentos seguindo regras rígidas de controle, para que a integridade do material seja preservado. O inventário é uma boa prática que colabora para que se reduza a vulnerabilidade dos estoques. Ao contrário do que uma boa parte imagina, os inventários nao visam identificar divergências entre o estoque físico e os sitemas de gestão, e sim, verificar se as quantidades devidas estão realmente presentes fisicamente e em perfeito estado para comercialização ou uso. O inventário físico é uma contagem periódica dos materiais existentes para efeito de comparação com os estoques registrados e contabilizados em controle da empresa, a fim de se comprovar sua existência e exatidão. (VIANA, 2002, p. 381). Os inventários podem ser realizados mensalmente, anualmente ou de forma rotativa, onde são escolhidos materiais a serem contados diariamente. A prática de inventário anual é inadequada e está em descontinuidade no mercado. Os inventários mensais são feitos de forma rotativa ou geral. Os inventários rotativos são práticos, tem baixo custo e tendem a melhores resultados, pois os conferentes tornam-se especialistas em contagem, os problemas são corrigidos imediatamente após a sua identificação, e não há a necessidade de parar o armazém. É comum selecionar fornecedores, grupos ou sub-grupos de materiais para efetuar a contagem. Os principais motivos para a realização dos inventários, são a possibilidade de falhas nos softwares de gestão de estoques, bem como as falhas cometidas por pessoas ao lidar fisicamente com os estoques. Inventariar mercadorias é inventariar um patrimônio como outro qualquer, tendo valor monetário de grande importância na empresa. Se feito com métodos adequados, pessoas treinadas e motivadas e equipamentos adequados, o resultado para a empresa e para a equipe de contagem é como uma vitória alcançada. Por outro lado, os inventários podem se tornar um martírio. O termo inventário quando pronunciado dentro das organizações que não o fazem a partir dos princípios das boas práticas, provoca pavor na equipe de contagem. Pessoas mal remuneradas, horários inadequados, tamanho da equipe insuficiente, alimentação inadequada, fazem com que a equipe já inicie a contagem na certeza de que o resultado será de qualidade inferior, implicando em diversas recontagens, onde chega-se a constatação de que vários casos de divergências

18 18 terão que ser resolvidos posteriormente ao evento, provocando no final, a sensação de desânimo e insatisfação generalisada. Os principais fatores que levam a um fracasso nos inventários são: a. falta de planejamento na periodicidade de execução; b. falta de método adequado para o processo do inventário; c. baixo ou nenhum incentivo para a equipe que executa o inventário; d. ausência do uso de coletores de dados; e. horários e datas inadequadas para execução, interferindo na vida particular dos envolvidos; f. execução de apenas uma contagem dos estoques; g. resolução em data posterior, das divergências indentificadas no inventário; 2 A EMPRESA Le Biscuit, a loja estudada, iniciou suas atividades em 1968 na cidade de Feira de Santana Ba com três sócios, comercializando presentes e brinquedos. Hoje a empresa comercializa utilidades, tem quatorze lojas nos estados da Bahia e Sergipe, e um centro de distribuição em Salvador Ba. Um ano depois de inaugurada, passou a comercializar também artigos de armarinho. Cinco anos depois agregou as linhas de cama, mesa e banho, e enxoval para bebê. Nesta época já eram duas lojas. Após dez anos, a empresa já contava com três lojas e passou a vender também no atacado. Devido a grande variedade de linhas oferecidas, a quantidade de mercadorias a serem controladas era muito grande. Os únicos recursos utilizados para gerir os estoques, eram a ficha cardex (ficha de cartolina onde controlava-se manualmente os estoques) e uma ficha de fornecedor que continha a linha de mercadorias do mesmo, e se assemelhava a uma planilha Excel, porém feita manualmente. Em 1980, doze anos após a sua fundação, a empresa passou a usar o serviço de um bureau de serviços computadorizado, controlando os carnês de crediário apenas. Nesta época, continuava-se usando os mesmos controles manuais para gerir os estoques. Em 1986 foi adquirido o primeiro computador, mas apenas para registrar as vendas feitas. Em 1995, a empresa já contava com o cadastro de mercadorias, registro de

19 19 entradas, porém, não havia a gestão de estoques. Os vendedores comissionados analisavam os estoques e informavam suas quantidades aos compradores para que efetuassem as compras. Em 1998 a empresa passa a utilizar um sistema de controle de estoques, porém não havia confiabilidade para a gestão. Em 2002, 36 anos depois, a empresa começa a controlar estoques no computador. Em 2004 já são mais de vinte mil itens em estoque. Em 2006 a empresa constroi um CD central para gerir estoques e faz uso do WMS (Sistema de Gerenciamento de Armazém). Atualmente a empresa faz uso intenso de boas práticas de gestão de estoques e continua agregando novas práticas. Para uma maior compreensão da evolução da Le Biscuit do ponto de vista da gestão dos seus estoques, podemos traçar uma linha do tempo, tabulando os acontecimentos: Ano Acontecimento Comentário 1968 Fundação Poucas mercadorias na linha de presentes e briquedos, e gestão manual dos estoques usando ficha cardex 1969 Nova linha de venda Início da comercialização de artigos de armarinho 1974 Novas linhas de venda Cama, mesa, banho, e enxoval de bebê 1978 Vendas no atacado A empresa passa a vender no atacado e ja tem três lojas 1980 Uso do bureau de Apenas os carnês de crediário são controlados serviços informatizados pelo computador externo à empresa 1986 Aquisição do primeiro computador A empresa passa a registrar as vendas no computador 1998 Uso de sistema de A empresa passa a usar sistema de gestão de gestão de estoques estoques, porém não havia confiabilidade na informação 2002 Uso do computador São cadastradas as mercadorias por cor, e é para gerir estoques dado início a gestão dos estoques pelo computador

20 Diversificação de linhas Já são mais de vinte mil SKU s em estoque 2006 Centralização do A empresa constroi um CD central para gerir estoque estoques e faz uso do WMS Warehouse Management System. As compras passam a ser centralizadas 2010 Atualmente... A empresa faz uso intenso de boas práticas de gestão de estoques e continua agregando novas práticas. São 14 lojas. Ao longo de trinta e quatro anos, a empresa fez a gestão dos seus estoques manualmente, utilizando conhecimento empírico absorvido ano após ano por diretores, gerentes e demais membros da equipe. A partir da década de 1990, a Tecnologia da Informação já era utilizada pela empresa, porém para outros fins. O principal motivo para o não uso da T.I. nesta época para gerir estoques, e até os primeiros anos do século XXI, era a baixa confiabilidade dos sistemas disponíveis no mercado e dos bancos de dados existentes. As boas práticas nunca foram no passado, meta ou foco da empresa, pois a mesma desconhecia a maioria delas. Este desconhecimento era e ainda é comum no Brasil, para a maioria das micro e pequenas empresas. Para que seja evidenciada a evolução da empresa até alcançar o conhecimento da maioria das boas práticas existentes, faremos uma análise comparativa das quatro boas práticas foco deste estudo e definidas na primeira parte deste estudo, com as práticas empíricas usadas pela Le Biscuit ao longo da sua história de crescimento no mercado. As observações feitas na Le Biscuit, onde foram analisadas as rotinas de trabalho de compradores, gerentes de estoque, gerentes de armazém e diretores de empresas do varejo em geral, leva a constatação que, descendo a um nível mais profundo na análise, o que provoca o problema do não uso de boas práticas, ferramentas tão poderosas, é o baixo índice de conhecimento dos profissionais envolvidos na gestão dos estoques. Sem o conhecimento das boas práticas adequadas, o profissional não tem argumentos para convencimento da sua diretoria a respeito da melhoria dos processos. Nas empresas com cultura elevada onde cultua-se educação e o conhecimento, os profissionais dificilmente permitem que

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações Curso de Especialização em Gestão Empresarial (MBA Executivo Turma 12) Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Dr. Álvaro José Periotto 3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO

PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO PREVENÇÃO DE PERDAS NO VAREJO Gustavo Carrer I. Azevedo gustavoa@sebraesp.com.br @gustavocarrer /gustavocarrer Prevenção de Perdas O que são perdas no Varejo? Toda e qualquer interferência negativa no

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais.

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais. Fenícia Gestão ERP Introdução O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua robustez aliada ao alto grau de tecnologia e conhecimento

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque

Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque Gerenciamento de Inventários - Automação de Estoque A Globaw analisa a situação atual do cliente e apresenta soluções sob medida de automação de estoque (Almoxarifados, armazéns e CDs) matéria prima, materiais

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 INVENTÁRIO 1 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Antonio Augusto Junho Anastasia Governador do Estado de Minas Gerais Renata Maria Paes de Vilhena Secretária de Estado de Planejamento

Leia mais

Fenícia Automação Comercial

Fenícia Automação Comercial Fenícia Automação Comercial Introdução Indicado para estabelecimentos comerciais, rede de lojas ou franquias, o sistema FENÍCIA AUTOMAÇÃO COMERCIAL traz uma série de tecnologias de alto valor agregado

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 3. Contextualização. Principais Atribuições. Controles de Estoque. Plano de Ação. Instrumentalização

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 3. Contextualização. Principais Atribuições. Controles de Estoque. Plano de Ação. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 3 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Controles de Estoque Principais Atribuições Planejamento Controle Gestão de estoques PDCA Sistema de administração

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

Manual de Logística ISGH

Manual de Logística ISGH Manual de Logística ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Juniana Torres Costa Gerente do Núcleo de Logística ISGH FORMATAÇÃO Comunicação Visual ISGH DATA Novembro de 2014 Manual de Logística ISGH Página 2 SUMÁRIO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS.

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Sobre o MedOne GESTÃO SIMPLIFICADA, EFICIÊNCIA GARANTIDA. Gestão simplificada, segurança

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3.

Política de Atendimento de Lubrificantes. Índice. Item Tópico Página. 1. Introdução e Propósito 2. 2. Nossa Missão 2. 3. Política de Atendimento de Lubrificantes Índice Item Tópico Página 1. Introdução e Propósito 2 2. Nossa Missão 2. CALL Center 2 e. Disponibilidade de Produtos.1 Pedidos Mínimos.2 Tipos e Características

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro. A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para crescerh@crescerh.com.br e/ou realizar cadastro no site Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações II 8º Encontro - 28/08/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CONTROLE DE ESTOQUE e SCM. - PLANO MESTRE

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Varejistas de todos os portes tem dúvidas em relação ao processo de armazenamento de seus produtos no estoque.

Varejistas de todos os portes tem dúvidas em relação ao processo de armazenamento de seus produtos no estoque. Varejistas de todos os portes tem dúvidas em relação ao processo de armazenamento de seus produtos no estoque. Com o intuito de esclarecer algumas destas dúvidas, a KPL preparou este artigo contendo os

Leia mais

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA.

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA. Juiz de Fora, 17 de maio de 2013. Referência: Concorrência 009/12 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento de licenças de uso perpétuo, implantação, customização, treinamento e manutenção

Leia mais

Mobility Gestão Mobility Gestão Guia de Vendas 07/01/2009

Mobility Gestão Mobility Gestão Guia de Vendas 07/01/2009 Mobility Gestão Guia de Vendas 07/01/2009 O Mobility Gestão é um software de retaguarda para o segmento de Varejo, visando o controle total do estoque e movimentações de venda. Desenvolvido para trabalhar

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa)

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Varejo. A gestão definitiva para sua empresa

Varejo. A gestão definitiva para sua empresa Varejo A gestão definitiva para sua empresa Introdução Indicado para estabelecimentos comerciais, rede de lojas ou franquias, o sistema FENÍCIA AUTOMAÇÃO COMERCIAL traz uma série de tecnologias de alto

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais