Unidade III. Os varejistas precisam garantir o abastecimento adequado de produtos de acordo com as decisões relacionadas ao mix de produtos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade III. Os varejistas precisam garantir o abastecimento adequado de produtos de acordo com as decisões relacionadas ao mix de produtos."

Transcrição

1 Unidade III 4 COMPRAS, ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MERCADORIAS Os varejistas precisam garantir o abastecimento adequado de produtos de acordo com as decisões relacionadas ao mix de produtos. As tarefas de abastecimento devem atender a dois objetivos simultaneamente: minimizar os investimentos em estoques e minimizar o índice de faltas. A ferramenta ECR, já citada anteriormente, é bastante eficiente na administração destas duas tarefas, reduzindo desperdícios originados, tanto nas faltas de produtos em estoque como nos excessos de investimento em estoque. 4.1 Previsão de vendas A previsão de vendas é uma tarefa de alta importância no varejo, pois determina as quantidades de produtos que devem ser compradas. Trata-se de uma estimativa sobre a demanda. As previsões de venda são, portanto, os pontos de partida para o planejamento das compras do varejista. A tarefa de prever a demanda e, consequentemente, as vendas objetiva a manutenção das vendas e a satisfação de demandas futuras. De forma geral, a estimativa de vendas é feita para períodos mensais, porém, em segmentos específicos, as estimativas são baseadas em estações porque estão relacionadas a categorias 115

2 Unidade III sazonais. É o caso do segmento de moda e dos produtos sazonais como panetones e ovos de páscoa. Previsões de vendas não sazonais As categorias de produtos não sazonais são aquelas que apresentam pouca variação e certa regularidade no seu desempenho de vendas. As previsões de vendas, nesse caso, podem ser feitas tanto para os níveis totais da empresa, como também para o nível de determinada loja, departamento ou categoria. As previsões de vendas normalmente têm foco inicial em períodos maiores, bem como englobam a empresa como um todo. Posteriormente, essas previsões são detalhadas até chegar às categorias de produtos em espaço de tempo menores, como mês, semana ou até mesmo previsões diárias. As previsões anuais são baseadas nos históricos de vendas da empresa e também nas variáveis ambientais e no comportamento da concorrência. As previsões mensais de vendas são decorrência das previsões anuais. Para chegar a esse cálculo, é usado com frequência pelos varejistas o Índice Mensal de Vendas. Este índice é o resultado da divisão das vendas mensais de determinado ano pela sua média mensal de vendas [IMS = Vendas mensais/média mensal de vendas]. Ao se multiplicar esse índice pela média mensal prevista do ano, o varejista obtém a estimativa mensal de vendas. Previsão de vendas sazonais A previsão de vendas de produtos sazonais também é feita com base nas vendas dos anos anteriores e análise das variações ambientais e comportamento da concorrência. Em economias mais estáveis, o cálculo desta previsão é um pouco mais confortável que em econômica em constantes flutuações, isso porque as variáveis ambientais podem afetar fortemente os 116

3 custos do produto, gerando certa imprecisão no cálculo. Grandes aumentos no custo da matéria prima podem fazer o produto chegar ao consumidor com preço final acima do esperado, assim, na elaboração da previsão de vendas de produtos sazonais, os varejistas devem levar em conta os seguintes aspectos: nível de sensibilidade a preço dos consumidores desse produto: quanto menor a sensibilidade do consumidor ao preço, maior as chances da demanda ser mantida; existência e preço de produtos substitutos: se o preço do produto substituto tiver aumentado na mesma proporção, haverá boas chances de manutenção da demanda, porém, caso o preço do produto substituto não tenha acompanhado os mesmos níveis de aumento, o varejista poderá esperar quedas nas vendas. Mas é importante lembrar que essa queda dependerá do grau de substituição oferecido pelo produto substituto; nível de competitividade: o volume de vendas é afetado pelo nível de esforços de marketing empreendido pelo varejista, portanto, a estimativa deve levar em consideração os investimentos e o posicionamento competitivo definido pelo varejista; ciclo de vida da categoria: produtos ou categorias em estágio de crescimento podem apresentar volumes maiores de vendas, já produtos ou categorias em estágio de maturidade, podem apresentar volumes de vendas semelhantes ao ocorrido e, por fim, aqueles produtos ou categorias que se encontram em declínio merecem cálculos mais modestos de volume de vendas; economia: variações na economia como expectativas otimistas, índices de desemprego, taxas de juros e outros também devem ser considerados, pois afetam a disponibilidade de gastos dos consumidores. 117

4 Unidade III 4.2 Métodos de definição de estoque Existem alguns métodos que auxiliam o varejista a calcular os seus estoques. Vamos neste tópico estudar três deles: método de relação estoque/vendas (também chamado de método de giro de estoque), método de variação percentual e método de estoque básico. Método de relação estoque/vendas O método de relação estoque/vendas (ou método de giro de estoque) define o estoque por meio da aplicação do índice estoque/vendas sobre as vendas previstas no período em questão. O índice estoque/vendas é o volume de estoque necessário no início do período para realizar o volume de vendas pretendido nesse período. Veja este exemplo: Índice de estoque /vendas: 1,5. Período: mês. Previsão mensal de vendas: R$ 200 mil. Portanto, o nível de estoque deverá ser de R$ 300 mil o que significa girar esse estoque a cada 45 dias ou 8 vezes por ano. Em geral, diferentes setores varejistas apresentam diferentes índices de estoque/vendas; cinco dias para varejistas de hortifruti, 15 a 20 dias para supermercados, 90 dias para lojas de confecções. (PARENTE, 2000) Características de variedade, volume de vendas, área de vendas devem ser levadas em consideração para definir seus índices de estoque/vendas. As redes varejistas com várias lojas podem adotar certa relação de estoque/vendas, de acordo essas características. 118

5 O registro de dados de desempenho é fundamental para a identificação dos índice/vendas. A análise desses dados históricos auxilia na definição final dos volumes, que podem ainda ser comparados com os dados do setor que podem ser conseguidos nas associações de classe, como a ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados). Método de variação percentual O método de variação percentual é aplicado quando o volume de vendas varia muito, de mês para mês, ou seja, há a ocorrência de forte sazonalidade. A tarefa é ajustar o estoque às variações do volume de vendas, com o objetivo de reduzir o impacto dessas variações. Para a aplicação deste método, usa-se a seguinte fórmula: Estoque objetivo do começo do mês = (estoque médio) x 1/2 (1+ vendas planejadas para o mês / média de vendas mensais) Este método trabalha com dados de 2 períodos. As vendas planejadas no período 1 se referem a um período de volume de vendas baixo, já as vendas planejadas no período 2 se referem a um período de volume de vendas alto. Vamos analisar o exemplo a seguir, extraído de Parente (2000). Período 1 Período 2 Estoque médio mensal (R$1.000) Venda planejada para o mês (R$1.000) Venda média mensal (R$1.000) Estoque objetivo do começo do mês (R$1.000) Período 1: Estoque objetivo do começo do mês = X ½ ( / ) = Período 2: Estoque objetivo do começo do mês = X ½ ( / ) =

6 Unidade III O método ajustou os estoques de forma não proporcional, provocando, porém, razoável equilíbrio e mais homogeneidade nos estoques. Método de estoque básico Este método implica, na sua aplicação, a existência de duas condições: a primeira é a crença dos gestores de que deve existir um estoque básico (certo nível de estoque) disponível e a segunda é que o giro do estoque é menor do que 6 vezes por ano. Apesar da semelhança com o método de variação percentual, o método de estoque básico resulta em maiores oscilações nos níveis de estoque porque está mais próximo das possíveis variações de vendas. Para a aplicação deste método usa-se a seguinte fórmula: Estoque objetivo do começo do mês = (estoque médio) + (vendas planejadas para o mês - média de vendas mensais) Veja o exemplo a seguir extraído de Parente Período 1 Período 2 Estoque médio mensal (R$1.000) Venda planejada para o mês (R$1.000) Venda média mensal (R$1.000) Estoque objetivo do começo do mês (R$1.000) Período 1: Estoque objetivo do começo do mês = ( ) = Período 2: Estoque objetivo do começo do mês = ( ) = A evolução da cadeia de abastecimento de produtos de consumo no Brasil 120

7 Com a estabilização da inflação brasileira alcançada com o conjunto de medidas adotadas por ocasião do Plano Real, em 1994, iniciou-se gradativamente uma mudança nos hábitos de consumo da população dos grandes centros, e o pequeno varejo independente brasileiro gradativamente tornou-se o canal mais importante na distribuição de bens de consumo no país, escoando mais da metade da produção nacional e alcançando crescimento real de 11% em 2002 e 5,8% em 2003, de acordo com a Associação Brasileira dos Atacadistas e Distribuidores (ABAD, 2003). Os fabricantes chegam de forma direta a somente 5% dos pontos de venda do território nacional. Dependem, portanto, da cadeia composta para atingir todo o restante, o que demonstra a importância dessa atividade para a vascularização do consumo brasileiro (BAUMGARTEN, 2006). O pequeno varejista, tradicionalmente atendido de forma intermitente por meio de longas e descoordenadas cadeias de abastecimento, passou a representar um novo alvo estratégico, que permitiria aos fabricantes reduzir a influência e o poder de barganha das grandes redes de varejo, que passaram a consolidar-se a partir dos anos 90 (PARENTE, 2000). Visando aproveitar essa oportunidade, alguns fabricantes de bens de consumo estabelecidos no Brasil começaram a redesenhar seus sistemas de distribuição (SAAB, 2003), reelegendo o canal de distribuição de quatro níveis como um dos destinos prioritários para investimentos e ampliação de vendas. Com o crescimento da importância estratégica dos canais mais longos, os fabricantes tentaram adaptar a 121

8 Unidade III esse novo segmento as ferramentas de coordenação existentes (como, por exemplo, o VMI), que haviam sido desenvolvidas, a um grande custo organizacional e financeiro, para o gerenciamento da interface com as grandes redes varejistas (protagonistas de canais mais curtos de distribuição). O resultado dessa iniciativa de adaptação do VMI a canais mais longos não atendeu às expectativas de redução de oscilações de demanda nos vários níveis da cadeia de suprimentos analisada, tendo se mantido largamente inalterados os perfis de oscilação, mesmo após o intervalo observado de três anos decorridos da implantação da iniciativa (Saab Junior; Corrêa, 2008). 4.3 Fatores de influência do nível adequado dos estoques É importante que o varejista entenda e perceba as diferentes características entre suas lojas e as considere no momento de calcular e estabelecer níveis adequados ou ótimos de estoque. Fórmulas padronizadas devem apenas orientar o varejista, que deve ter mente o planejamento de um estoque balanceado que evite desperdícios, ou seja, que equilibre investimento de capital e quantidades necessários para o atendimento da demanda. Um nível de ótimo de estoque se caracteriza por: garantir uma quantidade suficiente de produtos que atenda às vendas planejadas; não apresentar excessos de capital investido, o que significa não ter estoque de produtos acima dos níveis de segurança; apresentar níveis baixos de falta de produtos, o que chamados de níveis de ruptura aceitáveis; 122

9 conter níveis de estoque que tragam para o consumidor a imagem de loja bem abastecida; propiciar bons níveis de giro de estoque. 4.4 Planejamento de compras Assim que as vendas vão sendo feitas, os níveis de estoques precisam ser restabelecidos para que mais vendas ocorram e o varejista atinja o volume total de vendas planejado. Essa necessidade de reabastecimento é talvez uma das tarefas mais críticas na gestão de varejo. Os varejistas utilizam diferentes procedimentos para o planejamento e gestão de compras que abrangem três abordagens básicas. Uma delas é a abordagem de cima para baixo que se refere à determinação de um certo volume financeiro para ser destinado a compra das mercadorias. Essa quantia é distribuída entre as diversas categorias do mix de produtos da empresa ou da loja. Outra abordagem é a chamada de baixo para cima em que previsão é feita partindo-se da estimativa de compras necessária ao nível de produto e subindo até o nível da empresa, passando pelas categorias e departamentos. Existe ainda a abordagem interativa, que parte de uma estimativa geral de compras no modelo de cima para baixo e os compradores, à medida que executam as compras, vão revisando as necessidades de cada categoria, departamento. Orçamento de compras Em qualquer ramo varejista de produtos, as compras consistem na mais importante conta de despesa no relatório 123

10 Unidade III de lucros e perdas da empresa. (Parente, 2000). Em determinados tipos de varejo, como os supermercados, 80% da receita vão para pagamento dos fornecedores, uma vez que esses varejistas costuma trabalhar com margem de 20%, ou seja, a cada R$ 1,00 de receita, R$ 0,80 correspondem ao custo dos produtos. Isso explica a necessidade de uma gestão criteriosa na previsão de vendas na determinação do orçamento de compras. O orçamento de compras engloba a tarefa de ajustes de demarcações de preços. Essa tarefa inclui, além das reduções de preços, as quebras de mercadorias ocasionadas por roubos e danos. As demarcações de preços são realizadas para que o estoque tenha seu valor reduzido e posteriormente seja reabastecido com novas compras. Fornecedores Seleção e avaliação Incluir novos fornecedores ou excluir aqueles que já existem também faz parte das decisões e tarefas desempenhadas pelos varejistas no processo de a composição do mix de produtos. Os grandes varejistas normalmente compram a maior parte das mercadorias diretamente dos fabricantes, porém, podem optar por abastecer os seus estoques comprando dos intermediários (distribuidores, atacadistas, importadores), caso mais comum entre os varejistas menores ou que estão distantes das fontes de suprimento. Geralmente a iniciativa de contato parte do fornecedor, que procura os varejistas para apresentar-lhes seus portfólios de produtos e formas de comercialização. Porém, os varejistas também podem assumir essa tarefa, procurando por novas opções de abastecimento e para isto se utilizam de diversas fontes de informação. 124

11 Dentre as diversas fontes de informações existentes, estão: vendedores: a atividade de natureza externa coloca os vendedores em contato com muitas empresas e outros vendedores e assim são grandes fontes de informação sobre fornecimento de produtos não concorrentes; revistas especializadas: reúnem informação especializada, bem como peças publicitárias relacionadas ao segmento. São exemplos de revistas especializadas em varejo a Supermercado, a SuperHiper, a Revista do Varejista; feiras: eventos em que fornecedores diversos apresentam as suas linhas de produtos já existentes e seus lançamentos; internet: os sites das empresas são ótimos instrumentos de comunicação, tanto para a obtenção de dados, como para a realização de contatos; pesquisas junto aos consumidores: por meio de pesquisas, os varejistas obtêm não só informações sobre necessidades e preferências, como podem ainda obter sugestões de produtos para serem comercializados; pesquisas realizadas nos concorrentes: os varejistas fazem visitas regulares aos principais concorrentes para identificar fornecedores e produtos. No que diz respeito à avaliação, não há um método especifico que avalie o grau de satisfação do varejista com relação aos fornecedores (sua forma de atuação, linha de produtos, preços etc.). O que os varejistas fazem considera aspectos importantes que impactam diretamente na operação como: Atuação dos vendedores: os vendedores são a linha de frente de qualquer empresa e exercem papel importante 125

12 Unidade III no relacionamento entre fornecedor e varejista. Esses profissionais precisam demonstrar: competência (familiaridade com os produtos e entendimento das necessidades do mercado, características que colaboram fortemente com o desempenho das categorias); comprometimento: o vendedor precisa ter interesse no desempenho do varejista e para isso deve dedicar tempo para visitas frequentes ao clientes; autonomia de decisão: os varejistas preferem trata com profissionais que possam tomar decisões rápidas, sem a necessidade de muita consultas a empresa. Preços e condições de pagamento: esta questão abrange diversos pontos importantes para varejistas, como preço de custo, prática de descontos progressivos em função de volumes comprados, prática de descontos especiais e prazos de pagamento. Nesta questão a transparência nas negociações deixa os varejistas mais confortáveis e seguros, tanto na transação, como no relacionamento com os fornecedores. Linha de produto, qualidade e imagem de marca; os varejistas tendem a preferir fornecedores de produtos com forte imagem de marca no mercado, bem como aqueles que possuem bom desempenho no mercado. A imagem de marca de qualidade confiável é transferida ao varejista. E a capacidade do fornecedor de colocar novos produtos no mercado também é apreciada pelo varejista. Capacidade de abastecimento: esta capacidade junto com as práticas de preços e condições de pagamento são duas questões-chave na avaliação dos fornecedores pelos varejistas. Faltas de produtos decorrentes de falhas 126

13 de abastecimento significam prejuízos financeiros e de imagem e naturalmente desagradam de forma significativa os varejistas. A avaliação deste quesito pelo varejista passa pela rapidez entre pedido e entrega das mercadorias, cumprimento de prazos, exatidão nas quantidades e itens comprados. Propaganda e promoção: as ações de comunicação no ponto de venda realizadas pelos fornecedores são de grande importância para o varejista porque estimulam as vendas e por isso são muito apreciadas. Os fornecedores podem trabalhar neste sentido realizando campanhas de propaganda cooperadas, demonstrando produtos no ponto de venda, desenvolvendo promoções junto aos consumidores por meio do oferecimento de brindes e amostras. Serviços diversos: os fornecedores podem prestar serviços de apoio aos varejistas como treinamento de funcionários das organizações varejistas, fornecerem material promocional e de exposição, como displays para produtos, luminosos, equipamentos, uniformes, objetos de decoração com a marca dos produtos etc. Organização de compras A organização de compras pode estar baseada em diferentes tipos de estrutura, são pontos importantes de decisão para as redes varejistas que possuem muitas lojas. Essas estruturas se relacionam com o grau de centralização das decisões de compras das organizações varejistas. Organização de compras centralizada Caso em que as decisões de compras para todas as lojas são definidas em uma unidade central. Este tipo de estrutura traz as vantagens de maiores descontos em função do volume de 127

14 Unidade III compras, bem como maior controle sobre a gestão de produtos, estoques e compras. Porém, essa estrutura é menos flexível e, portanto, menos sensível às demandas de cada loja e também menos ágil. Estrutura mais comumente presente quando as lojas têm localização próxima e são de menor porte. Organização de compras descentralizada. Neste tipo de organização as lojas ou a região detém a decisão sobre as compras. Por um lado, a organização de compras descentralizadas pode ter como vantagens mais flexibilidade e assim ser mais sensíveis às demandas de cada loja e também ser mais ágil, mas sofre com condições de compra menos competitivas devido aos volumes de compras que são menores e tem menor controle da gestão de produtos, estoques e compras. Apesar disso, esta estrutura se apresenta viável quando as lojas são distantes uma das outras, ou ainda quando estão em áreas que possuem consumidores de preferências distintas, ou ainda quando as lojas ou regiões apresentam desempenho expressivo no volume de vendas. Organização de compras semidescentralizada. Esta estrutura integra ambos os modelos vistos, somando a negociação centralizada dos produtos mais importantes e descentralizando as compras dos produtos que complementam o mix. As redes que atuam em regiões ou estados diferentes costumam adora esta prática. Negociação de compras Negociar é um processo que visa atender de forma satisfatória os interesses de todas as partes envolvidas. Como esse é um assunto de alta importância na gestão do varejo, afetando diretamente o desempenho e os resultados, vamos estudá-lo de forma mais detalhada na unidade IV desta apostila. Neste tópico vamos tratar dos elementos mais importantes da negociação para os varejistas: custos, descontos, prazos de pagamento, custos de 128

15 logística, bonificações e serviços são elementos mais presentes nos processos de negociação entre varejistas e fornecedores. O primeiro ponto a ser discutido nas negociações entre varejistas e fornecedores é o custo, ou seja, o valor pago pelas mercadorias. Reajustes de preços costumam incomodar bastante os varejistas uma vez que precisam ser repassados ao consumidor o que pode afetar tanto a demanda como a própria imagem da empresa. Os descontos são outro ponto de destaque nas negociações. Os fornecedores podem praticar diversos tipos de desconto: Descontos por quantidade: referem-se ao montante relacionado com o volume comprado. Assim, o fornecedor pode estabelecer um determinado desconto para compras acima de certo volume. Pode ainda ser aplicado de forma cumulativa, ou seja, o desconto aumenta à medida que as compras são efetuadas dentro de um período de tempo. Descontos por negociação: estão relacionados a alguma ação realizada pelo varejista no lugar do fornecedor, como no caso de trocas de produtos com os consumidores. Descontos sazonais: são oferecidos pelo fornecedor na compra de produtos na baixa estação, isto é, quando a demanda é menor. Uma loja de confecções pode requisitar um desconto na compra de roupas de banho em uma época em que há baixa procura pelo artigo. Descontos por pagamento à vista: trata-se de uma forma de compensação para varejista antecipar o pagamento das mercadorias compradas. Descontos por logística: são reduções obtidas por aqueles varejistas que passam a ter um depósito central. Como antes de ter este depósito os fornecedores precisavam 129

16 Unidade III fazer a entregas em cada loja do varejista, com a existência de um depósito central, as despesas com logística diminuem e assim o varejista que investiu no depósito central requisita um desconto no preço dos produtos. Uma rede de eletrodomésticos que recebe as mercadorias compradas em cada uma de suas lojas espalhadas por diversas cidades, pode obter um desconto ao construir um depósito central porque o abastecimento de cada loja passa a ser feito pelo próprio varejista. O prazo de pagamento é um requisito que tem origem no período de inflação de nosso país. Apesar dos índices de inflação serem hoje muito baixos no Brasil, o prazo de pagamento é uma espécie de fôlego para o fluxo de pagamentos, além de ser instrumento que auxilia na própria gestão do caixa da empresa. Os custos de transporte de mercadoria, chamados custos de logísticas, também são negociados. Os grandes varejistas normalmente conseguem que esses custos fiquem sob responsabilidade do fornecedor. Os varejistas também negociam bonificações em produtos ou até mesmo em dinheiro, em momentos especiais, como inauguração ou reformas de lojas e campanhas promocionais de aniversário da empresa. A colocação de equipamentos necessários para a venda de certos produtos, como moedores de grão de café, geladeiras para sorvetes, além de treinamento de funcionários, equipe para a realização de degustação de produtos são alguns serviços que podem ser negociados pelo varejista junto ao fornecedor. Etiqueta inteligente tem presença garantida na loja do futuro Sistemas utilizados em lojas futurísticas, apresentados na feira de tecnologia Cebit 2006 pelo Grupo Metro, 130

17 indicam que o processo das compras deve sofrer uma grande revolução nos próximos anos. Máquinas dão informações sobre o produto adquirido, assim como aconteceu com a introdução dos códigos de barras, a utilização das etiquetas inteligentes (também conhecidas como RFID) deve agilizar consideravelmente as compras em supermercados ou em lojas de roupas, por exemplo. Este tipo de tecnologia - já utilizado em diversos setores para gerenciar mercadorias - permite que um chip associe grande quantidade de informações a um determinado produto. Assim, antes de comprar um vinho o usuário passa a etiqueta colada na garrafa por um leitor e descobre qual o seu teor alcoólico, onde foi produzido, a temperatura ideal para ser servido e com que tipo de carne combina. Uma alternativa é fazer com que sensores instalados em carrinhos hi-tech de supermercado identifiquem todos os itens transportados - devidamente etiquetados - e mostrem em sua tela a soma da compra. O cliente da loja do futuro também não vai precisar esperar que alguém calcule o preço de todos os produtos selecionados; basta atravessar uma espécie de portão com sensores e o valor da compra será determinado em segundos. Já nas lojas de roupas, os apressados ou indecisos contarão com a ajuda de um assistente virtual. O cliente escolhe uma roupa que, identificada pelo sistema via etiqueta inteligente, aparece em uma grande tela vestida em um/uma modelo. Para trocar as cores ou fazer diferentes combinações entre peças basta utilizar uma tela sensível ao toque. 131

18 Unidade III Um dos problemas destes provadores do futuro pode estar na diferença entre o corpo dos modelos e o dos clientes. Fazer uma compra com base no que eles mostram seria como adquirir roupas depois de um desfile, porque todos na passarela ficam muito bem com as peças exibidas (Carpanez, 2006) 4.5 Distribuição e reposição rápida de mercadorias O sistema de distribuição e de reposição de mercadorias é item importante na gestão do varejo e pode ter impacto direto na competitividade e consequentemente na lucratividade da empresa. As entregas podem ser feitas tanto diretamente nas lojas, como em depósitos do varejista caso existam. Las Casas, 2008, define distribuição como um conjunto de organizações que atuam de forma sistemática e se interrelacionam com o objetivo de exercer determinadas funções de marketing, como transferir posse e, principalmente, distribuir produtos e serviços do produtor ao consumidor. Distribuição Produtos perecíveis, que exigem condições especiais de transporte e precisam ser colocados à venda rapidamente, como pães, iogurte, leite fresco e produtos congelados, costumam ser entregues diretamente nas lojas. O sistema de entrega direta tem a vantagem de envolver mais o vendedor na operação devido as suas frequentes visitas, o que favorece atualização constante dos produtos na loja e garante a existência de produtos sempre frescos para venda. Porém, esse sistema gera menor controle da administração central, requerendo profissionais qualificados na loja para gerenciar e controlar os processos de compra. 132

19 Produtos como artigos de bazar e enlatados geralmente são entregues em um depósito central do varejista, uma vez que não exigem condições especiais nem de transporte nem de armazenagem. As grandes redes trabalham com recursos da tecnologia da informação para gerenciar a distribuição das mercadorias em cada loja. Sistemas específicos auxiliam no controle de estoques e na tarefa de reposição de mercadorias com segurança e rapidez. As vantagens da utilização desses sistemas são a diminuição dos custos de distribuição, mecanização do processamento dos produtos, regularização dos fluxos de mercadorias, redução dos investimentos em estoques e redução nos índices de falta de produtos. As consequências dessas vantagens são a possibilidade de liberação de recursos antes voltados para estoques para outras áreas e o aumento de vendas pela manutenção dos níveis ótimos de produtos nas lojas. É importante atentar que os sistemas centralizados de distribuição apresentam desvantagens que devem ser administradas pelos gestores, como maior tempo para ajuste as demandas de cada região, manuseio extra de produtos perecíveis, a existência de mais um estágio no processo de distribuição e consequentemente aumento de custos operacionais. Tendências de distribuição no varejo Saiba como novos modelos de lojas estão mudando o perfil da cadeia de abastecimento, e como as empresas se preparam para distribuir seus produtos Foi-se o tempo em que havia apenas três modelos de varejo: pequenas, médias e grandes lojas. Hoje o consumidor pode comprar uma televisão pela internet, frutas e legumes na loja de vizinhança perto de sua casa, bebidas no atacarejo (mistura de atacado com varejo) e perecíveis congelados no supermercado, entre outros formatos. Com essa nova configuração, o varejo tem mudado a cadeia de abastecimento 133

20 Unidade III e forçado o surgimento de novas estruturas de distribuição. Um exemplo é o próprio atacarejo, em que cada unidade não depende totalmente de um centro de distribuição e permite que a indústria abasteça diretamente na loja, pois a área de vendas é também a área de estocagem dos produtos. Essa flexibilidade, aliada à simplicidade de exposição dos produtos e à opção de comprar tanto no atacado quanto no varejo, tornaram o canal sinônimo de preço baixo e tendência de mercado. Esse modelo logo atraiu grandes redes tradicionalmente varejistas, como os grupos Pão de Açúcar e Carrefour, que adquiriram respectivamente o Assai e o Atacadão, ambos atacarejos de grande participação no Estado de São Paulo. Para se medir o impacto dessa tendência dentro da cadeia de abastecimento, basta observar a estrutura de distribuição do Pão de Açúcar. Além dos atacarejos, a rede também tem apostado nos últimos dez anos em outros modelos de varejo para cercar distintos perfis de consumidores. Nessa aposta surgiram bandeiras como o Extra Perto, pequenas lojas de conveniência, com diversificado mix de produtos, poucos itens e sem área de estocagem; o Extra Eletro, especializado em eletrodomésticos e eletroeletrônicos; e os sites de compra Pão de Açúcar, focados apenas em alimentos e produtos de higiene e beleza, e Extra.com, voltado para a venda de produtos eletrônicos. Com essa estrutura, o modelo que consiste na estocagem dos produtos no centro de distribuição para em seguida abastecer os estoques dos pontos de venda ficou desatualizado. A rede precisou adaptar seus CDs para diferentes formas de abastecimentos. O Extra Perto, por exemplo, 134

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS.

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Sobre o MedOne GESTÃO SIMPLIFICADA, EFICIÊNCIA GARANTIDA. Gestão simplificada, segurança

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais.

emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais. Nós amamos e-commerce! f emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais. Além do e-commerce full service, na emarket você

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO O requisito mínimo para se definir uma inovação é a introdução de novos elementos/instrumentos nos processos produtivos, de gestão ou comerciais, que favoreçam a melhor participação

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

VENHA FAZER PARTE DA NOSSA EQUIPE DE VENCEDORES! PROPOSTA DISTRIBUIDOR LA POZZI

VENHA FAZER PARTE DA NOSSA EQUIPE DE VENCEDORES! PROPOSTA DISTRIBUIDOR LA POZZI VENHA FAZER PARTE DA NOSSA EQUIPE DE VENCEDORES! PROPOSTA DISTRIBUIDOR LA POZZI INTRODUÇÃO A LaPozzi Professional Cosméticos fornece ao mercado de cosméticos capilar profissional, produtos inovadores,

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011 RESULTADOS 3T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 4 de novembro de 2011 ELETRO GPA ALIMENTAR AGENDA RESULTADOS Supermercados Proximidade Atacarejo Postos e Drogarias Hipermercado Lojas Especializadas

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais