INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ RENAN BATISTA ALVES SIDENEI MENDES PONTES JUNIOR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUE LOJA DE ARTESANATO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ RENAN BATISTA ALVES SIDENEI MENDES PONTES JUNIOR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUE LOJA DE ARTESANATO"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ RENAN BATISTA ALVES SIDENEI MENDES PONTES JUNIOR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUE LOJA DE ARTESANATO PARANAGUÁ 2011

2 RENAN BATISTA ALVES SIDENEI MENDES PONTES JUNIOR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUE LOJA DE ARTESANATO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso Técnico de Informática do Instituto Federal do Paraná Campus Paranaguá, como requisito parcial de avaliação. Orientador: Prof. Dr. Roberto Teixeira Alves PARANAGUÁ 2011

3 FOLHA DE APROVAÇÃO RENAN BATISTA ALVES SIDENEI MENDES PONTES JUNIOR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUE LOJA DE ARTESANATO Trabalho aprovado como requisito parcial para obtenção de aprovação, ao Curso Técnico de Informática, do Instituto Federal do Paraná, formada pela seguinte banca examinadora: Orientador: Prof. Dr. Roberto Teixeira Alves Direção Geral, IFPR. Prof. Msc. Emilio Rudolfo Fey Neto Departamento de Informática, IFPR. Prof. Msc. Gil Eduardo de Andrade Departamento de Informática, IFPR. Paranaguá, 28 de julho de 2011

4 Dedicamos este trabalho aos nossos pais, pelo incentivo desta nova conquista com a mais profunda admiração e respeito.

5 AGRADECIMENTOS À Deus, primeiramente pela vida e pela oportunidade de realizar este estudo para concretização de mais uma etapa. nessa jornada. Aos pais, que compartilham os nossos ideais, incentivando-nos a prosseguir Ao orientador, Prof. Dr. Roberto Teixeira Alves, pela excelente orientação e comprometimento fornecido durante a realização deste trabalho. Aos professores mestres e doutores do IFPR que contribuíram para o nosso crescimento intelectual. Aos (quase) técnicos em informática da nossa turma, amigos e colegas com quem compartilhamos alegria e companheirismo ao longo do curso. A todos aqueles que de alguma forma contribuíram ou torceram pela concretização deste projeto.

6 O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário. (Albert Einstein)

7 RESUMO O projeto elaborado tem como objetivo principal o desenvolvimento de software para uma pequena loja de artesanatos, que possa aumentar o uso eficiente dos meios internos e diminuir as suas necessidades, principalmente pelo fato do uso do computador ser um componente de trabalho quase indispensável num contexto de mundo globalizado e cada vez mais competitivo, permitindo um melhor controle de estoque, informações e serviços. Para o desenvolvimento foram aplicados os processos da engenharia de software junto com a pesquisa das necessidades do usuário, pois somente dessa forma tornou-se possível cumprir as etapas de desenvolvimento para a conclusão de um software de qualidade. Também foram utilizados, no processo de desenvolvimento, conhecimentos voltados na parte de modelagem de sistemas, programação orientada a objetos e banco de dados, contando também com a utilização de ferramentas para este fim. A meta esperada é desenvolver um software que atenda todos os requisitos que uma pequena empresa necessita para sua informatização, além de ser útil, confiável e de fácil entendimento. Palavras-chave: Desenvolvimento de software. Qualidade. Informatização.

8 ABSTRACT The project elaborated has like principal objective the development of software for a small handicraft shop, which can increase the efficient use of internal resource and reduce their needs, mainly because of computer use be a component of work almost indispensable in a context of globalized world and each time more competitive, allowing a better control of stock, information and services. Were applied to the development processes of software engineering along with the needs of the user research, because only this form it become possible accomplish the development stages for the conclusion of the quality software. Were also used in the development process, knowledge directed in part of systems modeling, object-oriented programming and database, and it also includes the use of tools for this purpose. The expected goal is to develop software that meets all the requirements that a small business needs for its computerization, besides being useful, reliable and easy to understand. Key-words: Software development. Quality. Computerization.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Componentes de software FIGURA 2 Ciclo de vida clássico FIGURA 3 Modelo de prototipação FIGURA 4 Modelo espiral FIGURA 5 Grau de importância dos sistemas de informação FIGURA 6 Modelo proposto de SIG FIGURA 7 Diagramas estruturais FIGURA 8 Diagramas de comportamento FIGURA 9 Representação de diagrama de casos de uso FIGURA 10 Representação de diagrama de classes FIGURA 11 Representação de diagrama de sequência FIGURA 12 Padrão de arquitetura MVC FIGURA 13 Diagrama de Casos de Uso Proposto FIGURA 14 Diagrama de Classes Proposto FIGURA 15 Modelo Conceitual Proposto FIGURA 16 Modelo Lógico Proposto FIGURA 17 Acesso Administrador FIGURA 18 Acesso Funcionário FIGURA 19 Manter Acesso FIGURA 20 Manter Fornecedor FIGURA 21 Manter Produto FIGURA 22 Manter Funcionário FIGURA 23 Manter Cliente... 77

10 LISTA DE SIGLAS SI Sistema de Informação SIO Sistema de Informação Operacional SIG sistema de Informação Gerencial SIE Sistema de Informação Estratégico UML Unified Modeling Language MVC Model View Controller

11 APÊNDICE A Estudo de Viabilidade. B Diagrama de Sequência Acesso. C Diagrama de Sequência Manter Acesso. D Diagrama de Sequência Manter Fornecedor. E Diagrama de Sequência Manter Produto. F Diagrama de Sequência Manter Funcionário. G Diagrama de Sequência Manter Cliente.

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA HIPÓTESE OBJETIVOS FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ENGENHARIA DE SOFTWARE Componentes do software Paradigmas da engenharia de software Ciclo de vida clássico Prototipação Modelo Espiral SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistema de informação operacional SIO Sistema de informação gerencial SIG Importância do SIG para as empresas Sistema de informação estratégico SIE UNIFIED MODELING LANGUAGE UML Fases do desenvolvimento de um sistema em UML Diagramas UML Diagrama de casos de uso Diagrama de classes Diagrama de sequência MODEL VIEW CONTROLLER MVC METODOLOGIA DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO Análise de requisitos e estudo de viabilidade Modelagem da Arquitetura Desenvolvimento e validação FERRAMENTAS UTILIZADAS StarUML... 40

13 3.3.2 BrModelo e DBDesigner FlameRobin Firebird Linguagem SQL Netbeens e linguagem Java FUNCIONALIDADES DO SISTEMA DIAGRAMA DE CASOS DE USO PROPOSTO Descrição dos casos de uso DIAGRAMA DE CLASSES PROPOSTO Descrição do diagrama de classes MODELO CONCEITUAL PROPOSTO Descrição do modelo conceitual MODELO LÓGICO PROPOSTO Descrição do modelo lógico CONSIDERAÇÕES FINAIS PROPOSTA DE TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS APÊNDICE... 59

14 14 1 INTRODUÇÃO Nos dias de hoje o mundo vive a base de avanços tecnológicos e é moldado a base da era computacional. Em conseqüência disso, cada vez mais as empresas - sejam elas pequenas, médias ou grandes - procuram o auxílio de softwares especializados que auxiliem nas mais diversas tarefas pré-requisitadas. A partir do levantamento de alguns dados elaborados e com o auxílio de um estudo de viabilidades, foi desenvolvido um software que controle o fluxo de cadastro de funcionários, clientes e fornecedores; controle o fluxo de vendas, compras e caixa e, que também apresenta relatórios detalhados de todas essas funcionalidades. Este software é de grande importância para o avanço do conhecimento, pois engloba teorias vistas durante as aulas e a realização de pesquisas específicas. Vale ressaltar que foi de grande importância também para a empresa Vitória Presentes, que até os dias de hoje todo seu controle de estoque se caracteriza de modo primitivo, ou seja, a base de cadernos, onde registra todas as suas atividades. Portanto, se trata de um método que, muitas vezes, não traz muita eficiência, principalmente pela ausência de recursos. Por se tratar do desenvolvimento de um software, um dos principais conceitos que foram especificados é o da engenharia de software, que por sua vez, é uma das áreas da computação mais importantes nesse ramo, pois foram estabelecidos métodos, técnicas, processos e atividades relacionadas à segurança e confiabilidade. Também foram utilizados alguns conceitos voltados à parte de programação orientada à objetos, modelagem de sistemas e banco de dados. Por isso, para o sucesso de um bom software, foi preciso em primeiro lugar atender todas as necessidades do cliente, incluindo-o, de certo modo, na tecnologia da informação. E para tal finalidade, executar a informatização de seu ambiente de trabalho através da aplicação do software desenvolvido, que por sua vez seja de fácil utilização, eficiente e confiável. Com isso superando todos os seus objetivos.

15 PROBLEMA Devido à demanda de maior variação e quantidades de produtos, surgiu a necessidade de um controle maior das informações e melhora nos processos. A empresa procurou adquirir alguma das ferramentas disponíveis no mercado, mas teria que se adaptar as mesma, pois suas necessidades não condiziam. Além dos altos custos dos softwares para este tipo de necessidade. Também se pode notar a ausência de um modelo de negócios informatizado, pois os processos são feitos via controle manual. 1.2 HIPÓTESE É importante enfatizar que este sistema contribui com a organização dos processos e com o gerenciamento de estoques dessa empresa, tudo de maneira informatizada. Onde todas as informações podem ser visualizadas pelo administrador-proprietário do sistema, sendo que somente ele poderá realizar o cadastro de funcionários, fornecedores, compras e produtos. Além de obter os relatórios gerenciais. Já os funcionários cadastrados serão responsáveis por realizarem os processos de vendas e cadastro de clientes. 1.3 OBJETIVOS O objetivo geral desse projeto é o desenvolvimento de um software para controle de fluxo de compras e vendas de uma loja de artesanato e gerenciamento de estoque de mercadorias. Já como objetivos específicos: Identificar as principais necessidades da empresa; Analisar e desenvolver soluções; Informatização da pequena empresa;

16 16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este tópico retratará todos os conceitos utilizados como fonte de pesquisa para a fundamentação do projeto abordado, como: engenharia de software, sistemas de informação, Unified Modeling Language UML e Model View Controller - MVC. 2.1 ENGENHARIA DE SOFTWARE Segundo Pressman (1995, p.3-53), Engenharia de Software é o estabelecimento e uso de sólidos princípios de engenharia para que se possa obter economicamente um software que seja confiável e que funcione eficientemente em máquinas reais. Onde a Engenharia de Software tende a caminhar em paralelo com os Sistemas de Informação, sendo que ambos, quando destinados às empresas, auxiliam as mesmas a tomarem decisões sob o foco de seu negócio empresarial. Sendo assim, engenharia de software pode ser tratada como uma metodologia de desenvolvimento e manutenção de sistemas modulares, apresentando adequação aos requisitos funcionais do negócio do cliente, envolvendo a efetivação de padrões de qualidade e produtividade em suas atividades. Além do planejamento e gestão de atividades, recursos, custos e datas. Abrange um conjunto de três elementos fundamentais (métodos, ferramentas e procedimentos), que possibilitam o controle do processo de desenvolvimento do software e oferecem uma base para a construção de um software de alta qualidade. Os métodos de engenharia de software são os detalhes de como fazer para construir o software. Eles envolvem um conjunto de tarefas que incluem: planejamento, análise de requisitos, projeto da estrutura de dados, arquitetura de programas e algoritmo de processamento, codificação, testes e manutenção. Já as ferramentas de engenharia de software proporcionam um apoio aos métodos. E por fim, os procedimentos servem como um elo entre os métodos e as ferramentas, possibilitando, dessa forma, o desenvolvimento do software de computador.

17 Componentes do software Antigamente poucas pessoas podiam definir o conceito de software de computador, pelo seu valor de aquisição, por não ser padrão no mercado e, até mesmo pela capacitação pessoal. Já nos dias de hoje, a era computacional está cada vez mais envolvida em todas as áreas tecnológicas, sendo que uma definição de software pode assumir o seguinte significado: programas de computadores. Porém, a descrição do conceito de software vai além da definição de programas de computadores. Sendo empregado também como ferramentas pelas quais se exploram os recursos do hardware, executam-se determinadas tarefas, e sendo o principal meio de interação com a máquina, tornando-a operacional. Os Componentes de software são criados por uma série de conversões que mapeiam as exigências (requisitos) do cliente para código executável em máquina (SILVA, 2005). Como ilustra a Figura 1, primeiramente um modelo de requisitos será convertido em um projeto. O projeto de software é convertido em uma forma de linguagem que especifica a estrutura de dados do software, atributos e requisitos. E por fim, a forma de linguagem é processada por um tradutor que a converte em instruções executáveis em máquina. Figura 1: Componentes de Software (SILVA, 2005)

18 Paradigmas da engenharia de software Os paradigmas da engenharia de software foram representados como estratégias utilizadas para definir as etapas de desenvolvimento do software Ciclo de vida clássico A Figura 2 ilustra o paradigma do ciclo de vida clássico da engenharia de software. Também chamado modelo cascata, o paradigma do ciclo de vida faz uma abordagem sistemática, sequencial ao desenvolvimento do software, que se inicia no nível do sistema e segue ao longo da análise, projeto, codificação, testes e manutenção. Com base no ciclo da engenharia convencional, o Paradigma do ciclo de vida abrange as seguintes atividades: Engenharia de Software Análise de Sistemas Projeto Codificaçào Teste Manutenção Figura 2: Ciclo de vida clássico (PRESSMAN, 1995, p. 3-53) a) Análise e engenharia de sistemas Como o software faz parte de um sistema mais complexo, o trabalho começa com o estabelecimento dos requisitos para os elementos que comporão o sistema e a atribuição de certos subconjuntos dos requisitos ao software. Essa visão é

19 19 importantíssima, principalmente quando o sistema deve fazer interface com outros elementos, como hardware, pessoas e bases de dados. Esta etapa envolve a coleta dos requisitos em nível do sistema, com uma pequena parte de projeto e análise de alto nível; b) Análise de requisitos de software A coleta dos requisitos é mais intensa e concentra-se no software. O engenheiro de software deve coletar informação como: a função, o desempenho e as interfaces necessárias. Os requisitos são documentos e devem ser vistos e discutidos com o cliente; c) Projeto É um processo com múltiplos passos, concentrando-se em 4 atributos principais: estrutura de Dados, arquitetura de Software, detalhes Procedimentais, caracterização das Interfaces; O processo de construção do projeto traduz as exigências em representações que podem ser avaliadas quanto à qualidade, mesmo antes da iniciada a codificação. A documentação gerada faz parte da configuração do software. d) Codificação O projeto deve então ser traduzido para a máquina, através da criação dos programas. Quanto mais detalhado for a obtenção de dados, mais fácil torna-se a codificação, tornando-a mecanizada; e) Testes O processo de testes concentra-se nos aspectos lógicos internos do software, tentando garantir que todas as instruções tenham sido testadas. Também são testadas as funcionalidades externas do software, para garantir que as entradas do sistema gerem saídas reais e corretas; f) Manutenção Ocorrerão mudanças através das correções de erros, porque o software precisa de alguma adaptação a mudanças, por exigência de novas funcionalidades

20 20 feitas pelo cliente ou ainda em função do desempenho. A manutenção de software implica na aplicação de todas as etapas do ciclo de vida novamente PROTOTIPAÇÃO Processo que capacita o desenvolvedor a criar um modelo do software a ser implementado. Geralmente, o cliente define um conjunto de objetivos gerais para o software, mas, ainda não identificou os requisitos de entrada, processamento e saída devidamente detalhados. Em outros casos, é difícil para o desenvolvedor ter certeza da eficiência de um algoritmo, da adaptação do software a um determinado Sistema Operacional ou até mesmo da integração homem-máquina com o usuário. Nestes casos, uma abordagem de prototipação à Engenharia de Software pode representar a melhor abordagem. O modelo pode assumir uma das três formas: a) Um protótipo em papel ou um modelo baseado em máquina, retratando a interação homem-máquina para facilitar o entendimento do usuário; b) Um protótipo de trabalho que implemente um subconjunto ou parte de uma função exigida pelo software; c) Um programa já existente que implemente parte ou todas as requisições exigidas, para que melhorias e novas características sejam implementadas. A Figura 3 ilustra a sequência de eventos para o paradigma de prototipação. Sendo que se inicia pela coleta de requisitos, onde o desenvolvedor e o cliente reúnem-se definindo os objetivos para o software. Após isso, ocorre a elaboração de um projeto rápido que é a representação dos aspectos do software visíveis ao usuário. O projeto rápido leva à construção de um protótipo que é avaliado pelo

21 21 cliente, definindo e ao mesmo tempo capacitando o desenvolvedor a compreender melhor o que precisa ser feito. Figura 3: Modelo de Prototipação (PRESSMAN, 1995, p. 3-53) O protótipo serve como um mecanismo para identificar os requisitos do software. Se um protótipo de trabalho for construído, o desenvolvedor tentará usar fragmentos de programas existentes ou aplicará ferramentas (por exemplo, geradores de relatórios, gerenciadores de janelas, etc.) que possibilitem que programas de trabalho sejam gerados rapidamente Modelo espiral O modelo espiral foi desenvolvido para abranger as melhores características tanto do ciclo de vida clássico como da prototipação, acrescentando, ao mesmo tempo, um novo elemento a análise dos riscos que falta a esses paradigmas. (PRESSMAN, 1995). O modelo, representado pela Figura 4, define quatro importantes atividades:

22 22 a) Planejamento, onde definimos os objetivos, alternativas e restrições; b) Análise de Riscos, responsável pela análise de alternativas e identificação e resolução dos riscos; c) Engenharia, onde temos o desenvolvimento do produto em um segundo nível; d) Avaliação do Cliente, caracterizando a avaliação dos resultados da engenharia. Figura 4: Modelo espiral (PRESSMAN, 1995, p. 3-53) Durante a primeira análise pelo espiral, os objetivos, as alternativas e as restrições são definidas e os riscos são identificados e analisados. Caso incertezas sejam encontradas, a prototipação pode ser usada no quadrante da engenharia para

23 23 ajudar o desenvolvedor e o cliente. A cada iteração ao redor do espiral, novas versões do software são geradas cada vez mais completas. No quadrante de avaliação do cliente, são apresentadas sugestões para modificações. Neste momento devemos verificar os riscos e decidir se devemos prosseguir ou não prosseguir caso estes riscos sejam muito grandes. O modelo espiral é atualmente a abordagem mais realista para o desenvolvimento de softwares em grande escala. Este modelo usa a prototipação em qualquer etapa da evolução do produto, sendo utilizado como um mecanismo de redução de riscos. Além de ser um modelo mais recente que o modelo clássico ou a prototipação. 2.2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Em uma empresa, a organização, o planejamento e a tomada de decisões perante aos desafios de cada dia são muito importantes. Tudo que uma esfera de trabalho necessita, são de informações capacitadas, objetivas e confiáveis que possam satisfazer as dinâmicas de trabalho dos mais diferentes serviços oferecidos pela empresa. Dentro deste contexto, Laudon e Laudon (1999, p.40) afirmam: Sistema de informação pode ser definido como um conjunto de componentes inter-relacionados, trabalhando juntos para coletar, recuperar, processar, armazenar e distribuir informação com a finalidade de facilitar o planejamento, o controle, a coordenação, a análise e o processo decisório em empresas e outras organizações. Para o desenvolvimento de um bom Sistema de Informação (SI) existem três áreas de estudos, que interagem e integram não só a funcionalidade do sistema, mas também na organização da própria empresa. São elas: Sistema de Informação Gerencial (Sintetizam os dados coletados), Sistemas de Informações Operacionais, Sistema de Informação Estratégico. Observe a Figura 5, logo abaixo, e veja um nivelamento de métodos que integram um SI, com seus graus de importância.

24 24 Figura 5: Grau de importância dos sistemas de informação. (URL_1, 2011) Todavia, uma empresa não é formada apenas por Sistemas de Informações, que sozinhos não funcionam. Mas sim formada por pessoas capacitadas a participar integralmente na distribuição destas informações, integradas com tecnologias de informação e comunicação que sejam favoráveis a mudanças constantes de acordo com o próprio avanço tecnológico, e a segurança que é vital para um bom funcionamento. Em uma visão mais avançada, os sistemas de Informações apresentam diversas vantagens, pois auxiliam na apresentação de relatórios de informações específicas ou gerais, consultas, arquivamento, controle de tarefas, segurança e resgate destas informações. Pode-se concluir então que o planejamento de um bom SI é aquele que atenda todas as necessidades da empresa e que garante o futuro desta Sistema de informação operacional - SIO Os sistemas de informação operacionais são essenciais para uma tomada de decisão, que organizam e gerenciam tarefas, porém, tem um grau de importância menor do que os outros sistemas. É responsável pelo desenvolvimento de operações rotineiras, tais como: relatórios, consultas e modificações de dados.

25 Sistema de informação gerencial - SIG O sistema de informação gerencial dá suporte às funções de planejamento, controle e organização de uma empresa, com isso fornece informações seguras e em tempo real para tomada de decisão. OLIVEIRA (2002, p. 59), define que, o sistema de informação gerencial é representado pelo conjunto de subsistemas, visualizados de forma integrada e capaz de gerar informações necessárias ao processo decisório. Portanto é um processo de transformação de dados em informações. E quando esse processo está voltado para a geração de informações que são necessárias e utilizadas no processo decisório da empresa, diz-se que esse é um sistema de informações gerenciais. A Figura 6 define um modelo de sistema de informação gerencial, sendo que através de dados, dos quais são feitos os relatórios para a tomada das decisões. Figura 6: Modelo proposto de SIG. (ELITE-UTOPIK, 2011) Importância do SIG para as empresas Dentre os aspectos importantes dos benefícios que são oferecidos por um sistema de informação gerencial, há certa dificuldade em obter uma avaliação

26 26 quantitativa sobre o mesmo, porém OLIVEIRA (2002, p.54) afirma que o sistema de informação gerencial pode, sob determinadas condições, trazer os seguintes benefícios para as empresas: Redução dos custos das operações; Melhoria no acesso às informações, proporcionando relatórios mais precisos e rápidos, com menor esforço; Melhoria na produtividade; Melhoria nos serviços realizados e oferecidos; Melhoria na tomada de decisões, por meio do fornecimento de informações mais rápidas e precisas; Estímulo de maior interação dos tomadores de decisão; Fornecimento de melhores projeções dos efeitos das decisões; Melhoria na estrutura organizacional, para facilitar o fluxo de informações; Melhoria na estrutura de poder, proporcionando maior poder para aqueles que entendem e controlam os sistemas; Redução do grau de centralização de decisões na empresa; Melhoria na adaptação da empresa para enfrentar os acontecimentos não previstos. Essas premissas permitem que as empresas definam possíveis fortalecimentos do processo de gestão, garantindo o diferencial de atuação e por consequência, vantagem competitiva, pois um SIG deve ser desenvolvido de forma a dar apoio às metas da organização. Dessa forma, a empresa justifica o cumprimento de suas metas com a ajuda dos sistemas de informação gerencial que ajudará na geração de informações rápidas e úteis para o processo de tomada de decisões Sistema de informação estratégico SIE Os sistemas de informação estratégicos são voltados às necessidades das empresas em formular estratégias das informações recolhidas e processadas, com o

27 27 objetivo de ganhar vantagem competitiva e redefinir objetivos da empresa. Os conceitos chaves na gestão estratégica das empresas são: estabelecer objetivos estratégicos que possam melhorar a posição da companhia, como o aumento de lucro ou redução de custos, fluxo de caixa, projeção de vendas para o mês seguinte, além das avaliações de desempenho dos objetivos estabelecidos. 2.3 UNIFIED MODELING LANGUAGE UML No campo de desenvolvimento de software, a elaboração de linguagens de modelagem orientada a objetos para expressar a complexidade de como as funções do sistema irão se organizar e se comunicar, vem desde a metade de 1970 sendo utilizada por desenvolvedores de sistemas, que começaram a experimentar métodos alternativos de análise e projeto (ALMEIDA e DAROLT, 2001). O crescente estudo destes métodos de modelagem proporcionou o crescimento de diversas técnicas, onde chegou a seu ápice entre 1989 a 1994, onde passou de pouco mais de 10 métodos desenvolvidos para pouco mais de 50 (ALMEIDA e DAROLT, 2001). Porém, ainda assim não se tinha uma seqüência lógica de métodos que pudessem atender todas as necessidades de desenvolvedores de sistemas, cada método era específico para alguma área em desenvolvimento, destacavam-se em algum fator, por outro lado deixavam a desejar em outro. A criação de uma linguagem unificada de modelagem (UML) só foi iniciada em outubro de 1994, onde o desenvolvedor James Rumbaugh (General Electrics) se juntou a Grady Booch (Rational SoftwareCorporation), a fim de unificar os métodos Booch e OMT (FURLAN, 1998). O método Booch destacava-se durante as fases de projeto e construção de sistemas, o OOSE fornecia excelente suporte para captura de requisitos, a análise e o projeto em alto nível; o OMT-2 era mais útil com a análise e sistemas de informação com uso de dados (BOOCH, 2000). A UML tem sua expressão na modelagem de softwares orientados a objetos e abrange grande parte da análise e modelagem de funções do sistema e processos de negócio, além de identificar classes escritas em determinada linguagem de programação, processos de banco de dados e componentes de software

28 28 reutilizáveis. Além disso, pode ser usada desde o início do projeto até a sua implementação final. Nesse contexto, (Furlan, 1998) apresenta a UML como: A Unified Modeling Language (UML) é a linguagem padrão para especificar, visualizar, documentar e construir artefatos de um sistema e pode ser utilizada com todos os processos ao longo do ciclo de desenvolvimento e através de diferentes tecnologias de implementação Fases do desenvolvimento de um sistema em UML Para a definição e desenvolvimento de um sistema utilizando a linguagem UML, tem-se um processo com 5 fases: análise de requisitos, análise, projeto, programação e por fim os testes. Sendo que são desenvolvidas de um modo que uma complemente a outra, dessa forma, encontrando os pontos cruciais em uma fase e restabelecendo-os nas fases seguintes. As características das fases são: a) Análise de requisitos: esta fase irá requisitar todas as necessidades do cliente, sendo caracterizadas através do diagrama de casos de uso, em que se utilizam notações de atores que se relacionam com as funções (casos de uso), estabelecendo a maneira de como o cliente estará se relacionado com o sistema; b) Análise: a fase de análise é onde ocorre a diagramação de classes e relacionamentos entre elas, sendo retratadas no diagrama de classes, estabelecendo os atributos que estarão relacionados ao sistema. Porém serão criadas apenas as classes que irão gerenciar o banco de dados, interface e comunicação; c) Projeto: na fase do projeto ou designe serão desenvolvidas as outras classes pertinentes a fase da análise, como as interfaces com o usuário, interação com o banco de dados e as comunicações. Estabelecendo desse modo o designe do sistema;

29 29 d) Programação: esta é a fase em que os modelos gerados, principalmente o diagrama de classes, são convertidos em código através da linguagem orientada a objeto utilizada; e) Testes: a fase de testes pode ser dividida em duas etapas, a primeira sendo realizada pelo próprio programador que irá verificar se realmente as classes estão se relacionando conforme o modo descrito na diagramação. E a segunda etapa é realizada pelo cliente, onde irá ver se realmente suas expectativas foram alcançadas Diagramas UML Os diagramas UML se organizam em diagramas ou modelos gráficos e, auxiliam na visualização, especificação, construção e documentação de funções complexas de sistemas de software. A grande importância de se desenvolver estes diagramas e modelos é porque oferecem ao desenvolvedor a oportunidade de se obter diversas visões do sistema. Sendo, cada diagrama desenvolvido, responsável por extrair uma informação específica de uma área que irá ser desenvolvida no sistema. Vale ressaltar também, como utilização desta técnica, tanto o desenvolvedor quanto o cliente podem identificar como o projeto está evoluindo. Portanto, servem para mostrar como o sistema irá se organizar dinamicamente em execução, pois se não existisse este modo de visualização seria difícil cliente e desenvolvedor seguirem a mesma lógica de raciocínio e acompanhamento. Segundo (SILVA, 2005), existe uma grande diferença entre diagramas e modelos gráficos, onde diz que: Os modelos servem para extrair informações referentes às funções do sistema; Por outro lado os diagramas servem para expressar graficamente e particularmente certas funções de tipos de um modelo.

30 30 A linguagem UML 2 é composta por treze diagramas, classificados em diagramas estruturais e diagramas de comportamento (OMG, 2006). Utilizando a notação de diagrama de classes, os diagramas estruturais, ilustrados na Figura 7, existem para visualizar, especificar, construir e documentar os aspectos de um sistema, envolvendo itens como classes, interfaces, colaborações e componentes. Figura 7: Diagramas estruturais (VARGAS, 2011) Já os diagramas de comportamento, ilustrados na Figura 8, servem para descrever o sistema modelado. São usados para visualizar, especificar, construir e documentar os aspectos dinâmicos, como por exemplo, o fluxo de mensagens ao longo do tempo. Figura 8: Diagramas de comportamento (VARGAS, 2011)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Engenharia de Software: Introdução Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Programa 1. O processo de engenharia de software 2. UML 3. O Processo Unificado 1. Captura de requisitos 2.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA ANDRE APARECIDO LEAL DE ALMEIDA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração. Aula 04 Prof. Arlindo Neto

FTAD Formação Técnica em Administração. Aula 04 Prof. Arlindo Neto FTAD Formação Técnica em Administração Aula 04 Prof. Arlindo Neto COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Conhecer as funções e importância de um Sistema de Informação Gerencial. O que é um Sistema

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

Sumário. Uma visão mais clara da UML

Sumário. Uma visão mais clara da UML Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Chapecó Ensino Médio Integrado em Informática Módulo V Unidade Curricular: Engenharia de Software Professora: Lara P. Z. B. Oberderfer Uma visão mais clara da

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Diagrama de Casos de Uso Demonstra o comportamento externo do sistema, através de uma linguagem simples. Apresentando o sistema sobre a perspectiva do

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

UML Linguagem de Modelagem Unificada

UML Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Sistemas UML Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Mauro Lopes 1-25 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os elementos conceituais da Linguagem de Modelagem Unificada (UML). Boa aula a todos.

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

MODELAGEM DE CASOS DE USO PARA UM SISTEMA DE CLÍNICA VETERINÁRIA

MODELAGEM DE CASOS DE USO PARA UM SISTEMA DE CLÍNICA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ADAM DREYTON FERREIRA DOS SANTOS CARLOS ROGÉRIO CAMPOS ANSELMO FELIPE BATISTA CABRAL FRANK GOMES DE AZEVEDO NAGIB

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 04

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 04 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 04 Agenda Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Modelagem Visual Síntese Histórica da UML Conceitos da UML Notações da UML Diagramas Estruturais Diagramas

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial SIG

Sistema de Informação Gerencial SIG Sistema de Informação Gerencial SIG O SIG abrange a empresa Estratégico Tático Operacional Conceitos Básicos: DADO: Qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a compensação

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

**Docentes do Centro Universitário Filadélfia- Unifil. computação@unifil.br

**Docentes do Centro Universitário Filadélfia- Unifil. computação@unifil.br COMPARATIVO DE PRODUTIVIDADE ENTRE UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM A ABORDAGEM DE LINHA DE PRODUTO DE SOFTWARE COM O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRADICIONAL.(2011) **Docentes

Leia mais

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS)

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

A história de UML e seus diagramas

A história de UML e seus diagramas A história de UML e seus diagramas Thânia Clair de Souza Vargas Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, SC Brazil thania@inf.ufsc.br Abstract.

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart

UML e a Ferramenta Astah. Profa. Reane Franco Goulart UML e a Ferramenta Astah Profa. Reane Franco Goulart História da UML o Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. o Alguns esforços nesse

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 3ª Série Fundamentos de Análise Orientada a Objetos A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel Ambiente de Desenvolvimento Orientação a Objetos É uma técnica de desenvolvimento de softwares que consiste em representar os elementos do mundo

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 23/04/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais