A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010"

Transcrição

1 A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

2 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 2. OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 3. FATORES DE COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA FLORESTAL BRASILEIRA 4. INVESTIMENTOS NO SETOR DE C&P 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 6. BACK-UP

3 PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE CELULOSE E PAPEL (C&P)

4 PERFIL DO DO SETOR Dados do Setor Celulose e Papel (2008) 220 empresas (450 municípios) 17 estados (5 regiões) 2,0 milhões ha de área plantada para fins industriais 2,8 milhões ha de florestas preservadas 2,7 milhões ha de área florestal total certificada Investimentos: US$ 12 bilhões (últimos 10 anos) Emprego: 114 mil diretos (indústria 67 mil/florestas 47 mil) 500 mil indiretos Fonte: Bracelpa.

5 PERFIL DO DO SETOR Perfil das Empresas de C&P no Brasil: Integradas - produzem celulose e papel (verticalizadas) Celulose - produzem apenas celulose e destinam grande parte da produção à exportação Papel - compram celulose de coligadas ou de terceiros para a produção de papel (> # empresas)

6 PERFIL DO DO SETOR Dados do Setor Celulose e Papel (2009) Celulose: Produção (1.000 ton): Exportação (1.000 ton): (61%) Papel: Produção (1.000 ton): Exportação (1.000 ton): (21,4%) Faturamento: R$ Impostos gerados: R$ Fonte: Bracelpa.

7 OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE CELULOSE E PAPEL (C&P)

8 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Evolução da PRODUÇÃO Nacional de C&P 15 11,2 12,0 12,7 13,5 10 mil ton 5 3,1 4,4 4,7 8,7 9,0 9,4 9,4 0,8 3,4 0 1, C elulose Papel Fonte: BRACELPA. Crescimento Crescimento Médio M Médio Anual Anual Celulose Celulose = 7,5% 7,5% Papel Papel = 5,7% 5,7%

9 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Evolução da PRODUÇÃO Nacional Celulose Celulose Papel Papel mil ton mil ton Crescimento Crescimento ¹ ¹ = 6,8% 6,8% Crescimento ¹ Crescimento ¹ = ,1% 2,1% ¹ Média do crescimento anual no período Fonte: BRACELPA.

10 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Destino EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS de Celulose Jan/2009 Jan/2009 Jan/2010 Jan/2010 China; 28% China; 24% Europa; 40% Europa; 46% Oceania-Ásia; 5% Oceania-Ásia; 12% América do Norte; 27% América do Norte; 18% US$ US$ milhões milhões US$ US$ milhões milhões Fonte: BRACELPA.

11 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Destino EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS de Papel Jan/2009 Jan/2009 Jan/2010 Jan/2010 Europa; 22% América do Norte; 15% Europa; 23% América do Norte; 9% América Latina; 55% África; 2% Oceania-Ásia; 5% China; 1% América Latina; 49% China; 3% África; 8% Oceania-Ásia; 8% US$ US$ milhões milhões US$ US$ milhões milhões Fonte: BRACELPA.

12 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Evolução das EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Celulose Celulose Papel Papel mil ton US$ milhõe mil ton US$ milhõe Volume (mil ton) Valor (US$ milhões) Volume (mil ton) Valor (US$ milhões) Crescimento Crescimento ¹ ¹ : : 09: Volume Volume = 11,0% 11,0% Valor Valor = 14,5% 14,5% Crescimento Crescimento ¹ ¹ : : 09: Volume Volume = -0,4% -0,4% Valor Valor = 5,9% 5,9% ¹ Média do crescimento anual no período Fonte: BRACELPA.

13 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Evolução das IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS Celulose Celulose Papel Papel mil ton US$ milhõe mil ton US$ milhõe Volume (mil ton) Valor (US$ milhões) Volume (mil ton) Valor (US$ milhões) Crescimento Crescimento ¹ ¹ : : 09: Volume Volume = 4,1% 4,1% Valor Valor = 4,2% 4,2% Crescimento Crescimento ¹ ¹ : : 09: Volume Volume = 10,9% 10,9% Valor Valor = 16,8% 16,8% ¹ Média do crescimento anual no período Fonte: BRACELPA

14 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Evolução do CONSUMO APARENTE Nacional Celulose Celulose Papel Papel mil ton mil ton Crescimento Crescimento ¹ ¹ = 1,9% 1,9% Crescimento ¹ Crescimento ¹ = ,7% 3,7% ¹ Média do crescimento anual no período Fonte: BRACELPA.

15 Tendências Recentes Papel Vendas Domésticas OVERVIEW DO DO SETOR C&P (1.000 ton (1.000 ton Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 350 Jan 2009 Jan 2010 * * Dados preliminares Fonte: BRACELPA. Recuperação das vendas! 2010 volta a patamares de 2008 (pré-crise)

16 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Maiores Produtores Mundiais de C&P (2008) CELULOSE País ton 1. EUA China Canadá Brasil Suécia Finlândia Japão Rússia Indonésia Chile Índia Alemanha Demais TOTAL MUNDO PAPEL País ton 1. EUA China Japão Alemanha Canadá Finlândia Suécia Coréia do Sul Itália França Brasil Indonésia Demais TOTAL MUNDO Fonte: RISI, BRACELPA.

17 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Principais Produtores de C&P da ALC (2008) Celulose Celulose Papel Papel Ranking 2008 País Produção (1.000 ton) 1º Brasil º Chile º Uruguai 967 4º Argentina 941 Ranking 2008 País Produção (1.000 ton) 1º Brasil º Argentina º Chile º Uruguai 90 Fonte: FAOSTAT, 2008.

18 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Evolução do FATURAMENTO 30 28, ,2 23,4 24,6 Milhões R Crescimento ¹ Crescimento ¹ = ,7% 8,7% ¹ Média do crescimento anual no período Inclui pastas de alto rendimento, celulose química e semiquímica, papel a artefatos. Fonte: BRACELPA

19 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Balança a Comercial do Setor ( ) Superávit da Balança Comercial Fonte: SECEX.

20 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Crise Econômica Mundial e o Setor de C&P Estoques elevados e redução do consumo : Redução da produção mundial de celulose. No Brasil, o setor aumentou a produção em 6% (2009/08) Impactos não foram tão agressivos quanto em outros setores Reflexo da redução no nível de investimento : Forte desaquecimento de importantes setores com repercussões negativas nos níveis de emprego, renda e arrecadação de tributos. No Brasil, houve redução em investimentos em floresta e adiamento de expansões industriais (exceto projetos em curso)

21 Participação do BRASIL no Mercado Mundial Fonte: Diversas, compilado por STCP. OVERVIEW DO DO SETOR C&P Canadá, Estados Unidos, Suécia e Finlândia Tradição na produção de celulose de mercado 80% da prod. mundial América do Sul e Sudeste Asiático Participação inexpressiva Brasil e Chile (novos produtores) Participação de 25% na produção de celulose de mercado 2008 Brasil passou de 6º para 4º no ranking dos maiores fabricantes mundiais de celulose, ultrapassando a Finlândia e a Suécia. Apesar da crise mundial, as exportações de celulose 16,9% (2009/2008). Porém, receitas de exportações da ordem de 15,4% queda dos preços internacionais Investimentos previsto C&P em US$ 20 bilhões (até 2014) Estima-se que a participação da produção de celulose do Brasil e Chile supere 30%.

22 FATORES DE COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA FLORESTAL BRASILEIRA

23 FATORES DE DE COMPETITIVIDADE Vantagens Comparativas (C&P): Disponibilidade de terra: Brasil grandes extensões territoriais, facilitando a aquisição de terras p/ investir em expansão floresta. Condições edafo-climáticas adequadas: Rápido crescimento do eucalipto 7 anos (celulose) Outros países - América do Sul = 12 anos Portugal e Espanha = 15 anos Finlândia e Canadá (outras spp. folhosas) > 20/25 anos Baixo custo de produção florestal Áreas degradadas disponíveis e com vocação florestal

24 Vantagens Competitivas: Alta produtividade (IMA Incremento Médio Anual) Pesquisa genética e silvicultural avançada IMA (eucalipto) 40 m³/ha.ano (2 vezes IMA 80s) IMA (pinus) 30 m³/ha.ano FATORES DE DE COMPETITIVIDADE Superior ao Chile, Uruguai, Argentina, África do Sul e Austrália Custos de produção e operação: Um dos menores custos de produção do mundo; Celulose ( USD 155/t), metade do custo no Canadá e EUA Tecnologia de produção florestal Indústria de bens de capital estabelecida (C&P) Capacidade técnica (gestão) Amplo mercado doméstico e em crescimento

25 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Evolução da ÁREA PLANTADA no Brasil Eucalipto Eucalipto Pinus Pinus Crescimento Crescimento ¹ ¹ = 7,7% 7,7% Crescimento Crescimento ¹ ¹ = 1,4% 1,4% ¹ Média do crescimento anual no período Fonte: ABRAF. TOTAL TOTAL = milhões milhões ha ha

26 OVERVIEW DO DO SETOR C&P Distribuição das Florestas Plantadas (BRACELPA) TOTAL = TOTAL 2,0 milhões 2,0 ha milhões (2008) ha (2008) Fonte: BRACELPA.

27 FATORES DE DE COMPETITIVIDADE Benchmarking - IMA Coníferas Coníferas (m³/ha.ano) (m³/ha.ano) Folhosas Folhosas (m³/ha.ano) (m³/ha.ano) Brasil Nova Zelândia Chile Uruguai EUA Suécia Brasil Austrália Portugal África do Sul EUA Finlândia Fonte: Bracelpa e Poyry.

28 FATORES DE DE COMPETITIVIDADE Evolução Tecnológica - Setor C&P (Brasil) (mil t/ano cel. - BH Produção Celulose (fábrica padrão) 's 2000's 2010 Consumo de Madeira em Tora Consumo Específico (milhões m³ sub/a ,6 3,7 1,9 1980's 2000's 2010 (milhões m³ sub/a 4,0 3,8 3,6 3,4 3,2 3,0 3,8 3,7 3,5 1980's 2000's 2010 Fonte: ABRAF (2009), Bracelpa e Poyry

29 FATORES DE DE COMPETITIVIDADE Evolução Tecnológica - Setor C&P (Brasil) (continua) IMA Rotação Média (m³/ha.ano ,0 40,0 25,0 1980's 2000's 2010 (anos) ,0 6,5 5,5 1980's 2000's 2010 Área Plantada Necessária Área Total em Terra (50% proteção) (mil ha 100,0 80,0 60,0 40,0 76,0 92,5 83,6 (mil ha 200,0 175,0 150,0 125,0 152,0 185,0 167,3 20,0 1980's 2000's ,0 1980's 2000's 2010 Fonte: ABRAF (2009), Bracelpa e Poyry.

30 INVESTIMENTOS NO SETOR DE C&P

31 INVESTIMENTOS REALIZADOS Investimentos em atividades florestais e industriais - empresas associadas da ABRAF (R$ milhões) Fonte: ABRAF. P&D Estradas Colheita e Trasnporte Indústria Plantio

32 MOVIMENTOS DE DE INVESTIDORES (PERFIL) Tendências Investimentos C&P no Brasil: a. Investimentos de grandes empresas nacionais e internacionais (projetos greenfield ou expansões) b. Fusões & Aquisições (grupos nacionais e internacionais) c. Estudo de viabilidade para empresas estrangeiras do segmento d. Parcerias com TIMOs e fundos de investimentos na produção florestal

33 CONSIDERAÇÕES FINAIS

34 Vantagens Comparativas Vantagens Competitivas Mercado Nacional e Internacional CONSIDERAÇÕES FINAIS Oportunidades e Retorno ao Investimento (Setor C&P Brasil) O SETOR SETOR DE DE C&P C&P TEM TEM AS AS CONDIÇÕES CONDIÇÕES BÁSICAS BÁSICAS PARA PARA AMPLIAR AMPLIAR SUA SUA PRODUÇÃO PRODUÇÃO E AUMENTAR AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO PARTICIPAÇÃO NO NO COMÉRCIO COMÉRCIO INTERNACIONAL INTERNACIONAL NECESSÁRIO NECESSÁRIO UTILIZAR UTILIZAR AS AS VANTAGENS VANTAGENS COMPARATIVAS COMPARATIVAS E COMPETITIVAS COMPETITIVAS PARA PARA FORTALECER FORTALECER AINDA AINDA MAIS MAIS O SETOR SETOR

35 CONSIDERAÇÕES FINAIS Oportunidades e Retorno ao Investimento (Setor C&P Brasil) Florestal: Disponibilidade de terras a preços competitivos Entre as mais altas produtividades do mundo (IMA) Industrial: Referência mundial em C&P Know-how tecnológico Produção de C&P 100% de florestas plantadas Superávit da balança a comercial Organizado em associações de classe atuantes

36 Industrial (continua) CONSIDERAÇÕES FINAIS Oportunidades e Retorno ao Investimento (Setor C&P Brasil) Grandes oportunidades e potencial p/ atrair investimentos Cenário atual otimista (retomada do mercado americano, demanda elevada da China e melhora da Europa) Meta de superar produção de celulose da China (~ 19 Mt) Investimentos previsto = US$ 20 bilhões (2014) Meta de produção de celulose = 21 Mt ( ) 17) Principais concorrentes (Europa e América do Norte) mas com > custo de produção (madeira e energia)

37 CONSIDERAÇÕES FINAIS MELHORAR AS AS CONDIÇÕES DO DO AMBIENTE DOMÉSTICO EM EM QUE QUE AS AS EMPRESAS ATUAM, PROMOVENDO GANHOS DE DE COMPETITIVIDADE QUE QUE PERMITAM SUPERAR OS OS IMPACTOS DA DA PERDA DE DE RENTABILIDADE DAS DAS EXPORTAÇÕES, PRINCIPALMENTE EM EM TEMPOS DE DE CRISE CRISE E DÓLAR DESFAVORÁVEL À EXPORTAÇÃO

38 OBRIGADO! Luiz Cornacchioni

SETOR DE CELULOSE E PAPEL

SETOR DE CELULOSE E PAPEL SETOR DE CELULOSE E PAPEL 7º Encontro da Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis BENTO GONÇALVES 12/11/2008 Pedro Vilas Boas Dados Gerais Cadeia Produtiva do Setor Florestal Lenha Carvão Vegetal PRODUÇÃO

Leia mais

Dados do Setor. Dezembro

Dados do Setor. Dezembro Dados do Setor Dezembro - 2011 Índice Dados do Setor 3 Taxas de Recuperação de Papéis Recicláveis 16 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 4 Papéis Recicláveis 17 Distribuição Geográfica das

Leia mais

Cenários Setoriais. Florestas.

Cenários Setoriais. Florestas. Cenários Setoriais Florestas O NEGÓCIO FLORESTAL NO BRASIL IMPORTÂNCIA DO SETOR DE BASE FLORESTAL Geração de valor (PIB): USD 17,5 bilhões / ano Impostos: USD 3,8 bilhões / ano Empregos: Diretos 1.500.000

Leia mais

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Miguel Sampol Pou Diretor Geral, Klabin S.A. Curitiba, PR Agosto

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

222 empresas com atividade em 539 municípios, localizados em 18 Estados. 2,2 milhões de hectares de área plantada para fins industriais

222 empresas com atividade em 539 municípios, localizados em 18 Estados. 2,2 milhões de hectares de área plantada para fins industriais II Encontro Brasileiro de Silvicultura (EBS) Setor de Celulose e Papel João Comério 11 de abril, 2011 Dados do Setor 222 empresas com atividade em 539 municípios, localizados em 18 Estados 2,2 milhões

Leia mais

PRODUÇÃO E MERCADO DE MADEIRA DE PINUS COM VALOR AGREGADO

PRODUÇÃO E MERCADO DE MADEIRA DE PINUS COM VALOR AGREGADO PRODUÇÃO E MERCADO DE MADEIRA DE PINUS COM VALOR AGREGADO Eng. Florestal Leonel Freitas Menezes Presidente da AGEFLOR 3 CONGRESSO INTERNACIONAL DO PINUS LAGES/SC 17/11/2011 CONTEÚDO Florestas plantadas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG. Alexandre Mendonça de Barros

A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG. Alexandre Mendonça de Barros A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG Alexandre Mendonça de Barros 05 de Agosto de 2013 1 Índice As transformações da economia agrícola internacional Vantagens

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS FEVEREIRO/2016 Resumo de desempenho Fevereiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No bimestre mês

Leia mais

Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul

Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul 1 Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul Luiz Calvo Ramires Junior 1 1. Caracterização da Atividade Florestal Brasileira DADOS SOCIOECONÔMICOS PIB Florestal = US$ 21 bilhões

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

Apresentação. Maio 2017

Apresentação. Maio 2017 Apresentação Maio 2017 Por que investir na SUZANO? Estratégia para Maximizar o Retorno sobre o Capital Investido Vantagens Competitivas e Posição de Liderança na Indústria Forte Geração de Caixa Estratégia

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO TRIGO. Análise para 2016

ANÁLISE DO MERCADO TRIGO. Análise para 2016 ANÁLISE DO MERCADO TRIGO Análise para 2016 SOJA MUNDO ANÁLISE DO MERCADO DE TRIGO MUNDO LONGO PRAZO Consumo e Projeção do Consumo Mundial de Trigo (em milhões de toneladas) 900 800 700 600 616 713 741

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura

Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura Silvicultura 105 106 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 CRESCIMENTO DO SETOR DE FLORESTAS PLANTADAS E REDUÇÃO DA INSEGURANÇA JURÍDICA SÃO PRINCIPAIS APOSTAS A redução dos investimentos em

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

Depois do pesadelo. Luís Paulo Rosenberg

Depois do pesadelo. Luís Paulo Rosenberg Depois do pesadelo Luís Paulo Rosenberg 25.11.2008 O Velho Mundo Valor de mercado dos bancos minguando 300 250 200 150 100 50 0 255 36,5 216 115 165 140 116 116 100 43 61 44 Citigroup Bank of America JP

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JANEIRO/2016 Resumo de desempenho Janeiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês/Ano mês anterior

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Fevereiro/2013 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Média Jan-Fev 2008 6.188 2009 4.446 2010 5.178

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

União dos Produtores de Bioenergia

União dos Produtores de Bioenergia União dos Produtores de Bioenergia O Futuro da Bioenergia no Contexto do Agronegócio Brasileiro José Carlos Toledo Do Petróleo aos Biocombustíveis Fator Econômico dólar/barril 80 70 60 50 40 30 25 30 40

Leia mais

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima?

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Maio 2014 Apresentar a Indústria de MT Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Diagnosticar as NECESSIDADES MÚTUAS Do que precisamos? Do que podemos fornecer mutuamente?

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE OUTUBRO 2014 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

Não há crise no setor! Será?

Não há crise no setor! Será? FÓRUM DOS PAPELEIROS DA REGIÃO SUL Não há crise no setor! Será? Preparatória para Negociação Coletiva de Trabalho 2015/2016 Itapema, setembro de 2015 Tripé da Instabilidade Econômica Recessão econômica

Leia mais

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011.

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011. Rentabilidade com Preservação de Capital José Márcio Camargo Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo Abril 2011 Abril 2011 1 Admirável Mundo Novo 1. Taxas de juros reais negativas em todos os países

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS AGOSTO/2016 Resumo de desempenho Agosto 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA www.sbs.org.br Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional Associados e Colaboradores -Empresas e Associações de classe -Universidades

Leia mais

Apresentação Institucional 3T09

Apresentação Institucional 3T09 Apresentação Institucional 3T09 Outubro, 2009 Estrutura Acionária 30/06/2009 Controle Familiar + Administração Profissional Monteiro Aranha; 20% Ordinárias Klabin Irmãos; 59% Investidores Estrangeiros;

Leia mais

Bens de capital. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Bens de capital. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Bens de capital Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO BENS DE CAPITAL o o o Desempenho atual: elevação da produção industrial neste ano reflete, em grande medida,

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE MARÇO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do setor

Leia mais

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil - 2013 Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Unidade de Negociações Internacionais Confederação Nacional da Indústria -

Leia mais

PAPEL E CELULOSE. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

PAPEL E CELULOSE. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DO SETOR DE PAPEL E CELULOSE Papel: produção segue em retração desde 2014, refletindo a fraca demanda doméstica

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS DEZEMBRO/2015 Resumo de desempenho Dezembro 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês mês

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2015 Resumo de desempenho ubro 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre mês mês do ano ano Mês No

Leia mais

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 O papel da construção no desenvolvimento sustentado Há cinco anos, o setor da construção iniciou um ciclo virtuoso de crescimento: Esse ciclo foi pavimentado

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15 abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15-822 -869-928 -761-829 -678-749 -708-748 -537-482 -349 I Resultados Mensal: -31,9% Acum. Ano:

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças dez/15 jan/16 mar/16 abr/16 jun/16 jul/16 set/16 out/16 dez/15 jan/16 mar/16 abr/16 jun/16 jul/16 set/16 out/16-490 -359-380 -436-477 -563-525 -556-412 -327-226 -113 I Resultado Out 16/Out 15: 37,7% Acum.

Leia mais

A Energia na Cidade do Futuro

A Energia na Cidade do Futuro Ministério de Minas e Energia A Energia na Cidade do Futuro 2º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica Brasileira I Participação das Fontes Renováveis e Alternativas Campinas, 07 de junho de 2013 José

Leia mais

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág.

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág. RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL 2016 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

Apresentação NDR Agosto 2017

Apresentação NDR Agosto 2017 Apresentação NDR Agosto 2017 Por que investir na Suzano? Estratégia para Maximizar o Retorno sobre o Capital Investido Vantagens Competitivas e Posição de Liderança na Indústria Forte Geração de Caixa

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças I Resultado Nov 16/Nov 15: 41,5% Acum. Ano: -10,6% Anualizado: -14,0% O, elaborado com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), registra déficit comercial de US$4,90 bilhões

Leia mais

Raio-X do Comércio Exterior Brasileiro

Raio-X do Comércio Exterior Brasileiro Raio-X do Comércio Exterior Brasileiro DESTAQUES Déficit recorde do setor de manufaturados: O Brasil fechou o ano de 2010 com o maior déficit comercial de sua história do setor manufatureiro, de US$ 70,9

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE SUÍNA JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS

POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS ATUAÇÃO GLOBAL POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS Ivan Tomaselli stcp@stcp.com.br VII CONGESSO INTERNATIONAL DE COMPENSADOS E MADEIRA TROPICAL BELÉM- OUTUBRO 2007 ASPECTOS ABORDADOS

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças fev/15 mar/15 mai/15 jun/15 ago/15 set/15 nov/15 dez/15 fev/15 mar/15 mai/15 jun/15 ago/15 set/15 nov/15 dez/15-748 -635-482 -548-559 -508-395 -457-386 -404-359 -113 I Resultados Mensal: -67,5% Acum. Ano:

Leia mais

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Hernon José Ferreira - Presidente Mercado Florestal A indústria de base florestal no Brasil vive um momento de franca expansão, devido principalmente

Leia mais

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO FORÇAS DO TURISMO BRASILEIRO 1 colocado na classificação de Recursos Naturais (Relatório de Competitividade em Viagem e Turismo 2017 Fórum Econômico Mundial) 8 colocado na classificação

Leia mais

CARNE AVÍCOLA JUNHO DE 2017

CARNE AVÍCOLA JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

INDÚSTRIA DE MÓVEIS JUNHO DE 2017

INDÚSTRIA DE MÓVEIS JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho):

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho): Julho / 2012 Destaques Julho: - Exportação: 2º maior valor para julho (exp: US$ 21,0 bi); anterior jul-11 (US$ 22,3 bi); - Importação: 2º maior valor para julho (US$ 18,1 bi); anterior jul-11: US$ 19,1

Leia mais

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AGRICULTURA Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA AGRICULTURA o o Algodão Embora não tenha alcançado recorde, as 3 últimas safras globais seguiram em recuperação

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14 dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14-1.067-914 -822-869 -707-761 -829-928 -678-749 -708-528 I Resultados Mensal: -30,3% Acum.

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO. Perspectivas para 2016 e Projeções para 2017

ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO. Perspectivas para 2016 e Projeções para 2017 ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO Perspectivas para 2016 e Projeções para 2017 ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO LONGO PRAZO Consumo e Projeção do Consumo Mundial de Milho em Grão (em milhões de toneladas) 1.400 1.200

Leia mais

INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2016 Resumo de desempenho Outubro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências Mercado Brasileiro de Software e Serviços - 2013 Jorge Sukarie Neto jorge.sukarie@abes.org.br Panorama e Tendências A ABES PERFIL DAS EMPRESAS ASSOCIADAS - 1.478 Associados (*) - US$ 19,8 bilhões de dólares

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Panorama do Setor de Tissue. Carlos H. S. Magalhães

Panorama do Setor de Tissue. Carlos H. S. Magalhães Panorama do Setor de Tissue Carlos H. S. Magalhães Panorama do Setor de Tissue CONTEÚDO Produção e Consumo de Tissue no Mundo, na América Latina e no Brasil nos últimos 10 anos; Principais players ; Atual

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/17

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/17 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/17 RESUMO DE DESEMPENHO Julho -2017 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior mês do ano anterior

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Junho/2012 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Jun/12 = R$ 7.158 milhões -0,5% sobre Mai/12 3,8%

Leia mais

GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS

GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS SÃO PAULO 06 de Novembro de 2008 CARRETÉIS DE MADEIRA INTRODUÇÃO ORIGEM DA MATÉRIA-PRIMA FLORESTAS PLANTADAS MATÉRIA

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO. Análise para 2016 e Perspectivas para 2017

ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO. Análise para 2016 e Perspectivas para 2017 ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO Análise para 2016 e Perspectivas para 2017 MUNDO SISTEMA FARSUL ANÁLISE DO MERCADO DE MILHO MUNDO LONGO PRAZO SISTEMA FARSUL Consumo e Projeção do Consumo Mundial de Milho em

Leia mais

Relatório Mensal JANEIRO/2016. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig

Relatório Mensal JANEIRO/2016. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Relatório Mensal JANEIRO/2016 Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Brasil mantém seu share nas exportações de café alcançando a média de 36,5 milhões de sacas em 12 meses Destaque no

Leia mais

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 Cenário Externo Maior crescimento global em 30 anos. Crescimento do PIB em 2004 - Expectativa Área do

Leia mais

Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras.

Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. 1 Aviso Geral Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. Tais afirmações estão sujeitas a riscos conhecidos e desconhecidos e incertezas que podem

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 2016 KLBN11 DEZEMBRO DE 2015 KLBN11 / KLBAY DISCLAIMER As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e

Leia mais

Brasil Estudo do Mercado de Maquiagem

Brasil Estudo do Mercado de Maquiagem Brasil Estudo do Mercado de Maquiagem O setor de HPPC no mundo Maiores consumidores de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Top 15 países Mundo USA China Japão Brasil 32,1 30,2 50,7 80,0 2º. Proteção

Leia mais

Inserção do Brasil no setor de serviços da economia mundial. Eduardo Bom Angelo Presidente da Brasilprev

Inserção do Brasil no setor de serviços da economia mundial. Eduardo Bom Angelo Presidente da Brasilprev Inserção do Brasil no setor de serviços da economia mundial Eduardo Bom Angelo Presidente da Brasilprev Participação dos Serviços no PIB (% em valor adicionado preços básicos) 70 60 Agropecuária Indústria

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ JUNHO DE 2017

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações

Leia mais

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil:

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: Projeções e Reflexões Fonte: FMI G7: EUA. Alemanha, Japão,

Leia mais

Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA DE PÓ DE PEDRA, DA PORCELANA E DA LOUÇA DE BARRO NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINDILOUÇA

Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA DE PÓ DE PEDRA, DA PORCELANA E DA LOUÇA DE BARRO NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINDILOUÇA C S E R Departamento Central de Serviços Grupo de Apoio Técnico aos Sindicatos - GAT Dados de Comércio de Importação & Exportação Setor de Louças Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

Instituto de Estudos e Marketing Industrial. Pesquisa de Mercado - Estudos Setoriais - Assessoria Empresarial - Publicações

Instituto de Estudos e Marketing Industrial. Pesquisa de Mercado - Estudos Setoriais - Assessoria Empresarial - Publicações Instituto de Estudos e Marketing Industrial Pesquisa de Mercado - Estudos Setoriais - Assessoria Empresarial - Publicações Apresentação Brasil Móveis 2006 Relatório Setorial da Indústria de Móveis no Brasil

Leia mais

Tendências e Perspectivas dos Serviços Terceirizados na Atividade Florestal

Tendências e Perspectivas dos Serviços Terceirizados na Atividade Florestal 14º Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Tendências e Perspectivas dos Serviços Terceirizados na Atividade Florestal 22/Agosto/06 GRUPO SUZANO 2 Grupo Suzano

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2008

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2008 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2008 Setor de Sucos Jan-Dez/08 Part% Jan-Dez/07 Part% Var % ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS 33.301.385 100,00 26.622.758 100,00 20. Preparações de prods. 2.266.001 horticolas,frutas,etc.

Leia mais

Fabio Silveira. Outubro 2016

Fabio Silveira. Outubro 2016 Cenário Proteína Animal Fabio Silveira Outubro 2016 Mercado mundial: produção x consumo milhões t 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 P 2017 P Carne de Frango Carne Bovina Carne Suína Total Prod. 78,3 81,3

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16 jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16-559 -457-490 -395-386 -404-359 -380-436 -327-226 -113 I Resultados Mensal: -14,22% Acum.

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Relatório Mensal MARÇO/2016. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig

Relatório Mensal MARÇO/2016. Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Relatório Mensal MARÇO/2016 Créditos foto cafezal: Helena Maria Ramos Alves - Epamig Exportações de café brasileiro crescem 2,5% em março Bom nível de estoques foi o fator que puxou crescimento As exportações

Leia mais

Agosto / Análise Conjuntural. Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência

Agosto / Análise Conjuntural. Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência Agosto / 2012 Análise Conjuntural Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência 1 Mecanismos de crescimento da economia brasileira após 2003 2 Variação do PIB ((% a.a) China e Índia não acompanham

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças set/15 out/15 dez/15 jan/16 mar/16 abr/16 jun/16 jul/16 set/15 out/15 dez/15 jan/16 mar/16 abr/16 jun/16 jul/16-457 -490-386 -404-359 -380-436 -477-412 -327-226 -113 I Resultado Mensal: -14,7% Acum. Ano:

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Internacional - Destaques Mercados globais: avanço (modesto) da economia americana, bom desempenho(ainda) da China e melhora (discreta) da Zona do Euro

Leia mais

Apresentação de resultados 2T15 Agosto de 2015

Apresentação de resultados 2T15 Agosto de 2015 Apresentação de resultados 2T15 Agosto de 2015 AGENDA 1. Destaques do 1S15 2. Desempenho operacional e financeiro 3. Hedge Cambial 4. Impactos da MP 677 5. Mercados e Perspectivas 2015 Empresa integrada

Leia mais