CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA ELUMA VALENTE ERIC VALENTE O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO SETOR SUPERMERCADISTA DE PEQUENO PORTE NA CIDADE DE LINS - SP LINS/SP 1º SEMESTRE/2013

2 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA ELUMA VALENTE ERIC VALENTE O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO SETOR SUPERMERCADISTA DE PEQUENO PORTE NA CIDADE DE LINS - SP Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins, como parte dos requisitos necessários para obtenção do título de Tecnólogo em Logística. Orientador: Prof. Dr. Eduardo Teraoka Tófoli LINS/ SP 1º SEMESTRE/2013

3 ELUMA VALENTE ERIC VALENTE O GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO SETOR SUPERMERCADISTA DE PEQUENO PORTE NA CIDADE DE LINS - SP Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Faculdade de Tecnologia de Lins Prof. Antônio Seabra, como parte dos requisitos necessários para obtenção do Título de Tecnólogo em Logística sob orientação do Profº. Dr. Eduardo Teraoka Tófoli. Data de aprovação: / / Orientador Profº. Dr. Eduardo Teraoka Tófoli Profº. Me. Silvio Ribeiro Profº. Me. Sandro da Silva Pinto

4 Dedico esse projeto aos meus pais Edney José Valente e Maria Silvia de Souza Santos, minha irmã Eluma Santos Valente e à minha avó Maria Luiza de Souza Santos. Eric Santos Valente

5 Dedico primeiramente a Deus, que me concedeu o dom da vida, e com ela as oportunidades que surgiram e surgem ao longo do meu caminho, pela força e fé que sempre tem me proporcionado e coragem de prosseguir sempre adiante. Dedico esse trabalho à minha família, que sempre me apoiou e me incentivou muito a lutar pelos meus objetivos, e pela força e paciência de me entender. E em especial, dedico esse trabalho ao meu namorado que sempre teve muita paciência e compreensão pela minha ausência e confiança depositadas em mim. Eluma Santos Valente

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por ter tido a oportunidade de cursar uma graduação em nível superior e por ter concluído uma das fases para atingir meu grande sonho. Agradeço a toda minha família que sempre me suportou mesmo quando as irritações se afloravam à pele e me davam estímulos para continuar em meu caminho. Muito obrigado por tudo e amo muito vocês, apesar das várias horas de isolamento necessário para amadurecimento das ideias, tanto científicas quanto filosóficas que conceituam a existência do ser. Obrigado á todos os que, direta ou indiretamente me provocaram mudanças iniciadas de situações positivas e negativas. Todas as formas de sentimentos incitam numa melhoria e aprimoramento do homem como ser humano racional e funcional. Obrigado àqueles que sempre torceram muito por mim, mesmo estando longe fisicamente. Em especial minha avó Maria Luiza de Souza Santos (in memoriam), que sempre me disse que a felicidade a cercava quando eu estava por perto. Obrigado por tudo. Eric Santos Valente

7 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus amigos de serviço Carol e Douglas, por tanto me apoiarem e aceitar meus intervalos de estudos, mesmo durante o trabalho, por acreditarem que eu poderia ir sempre adiante e que eu era capaz. À minha mãe e ao meu pai, por me apoiarem nessa jornada tão importante na minha vida, e me incentivar quando eu desanimava diante de um problema. Eluma Santos Valente

8 RESUMO Atualmente, para manter a competitividade, as empresas estão se adequando as mudanças que ocorrem no mercado, através da implantação de novas tecnologias e de novos processos organizacionais. A competitividade no setor supermercadista tem aumentado devido às alterações no comportamento dos consumidores, e á instalação de redes internacionais, que, a cada dia, aumentam a concorrência. Através disso, as empresas estão buscando formas de gerar vantagem competitiva e com isso, a gestão de estoque torna-se uma área essencial para essas empresas, pois a utilização correta dessa área poderá contribuir com as empresas do setor a permanecerem no mercado. O sucesso de uma organização pode ser resultado de um gerenciamento eficaz dos estoques frente aos desafios e obstáculos encontrados em seu caminho, pois normalmente pensa-se que a finalidade do estoque é de apenas suprir a demanda durante o tempo de ressuprimento, mas, se bem controlado, parte do dinheiro que seria imobilizado nos estoques se torna capital para investimentos em equipamentos ou em melhoria de outros setores. Com isso, o objetivo desse trabalho foi de verificar a importância do gerenciamento de estoque em uma empresa do setor supermercadista de pequeno porte, a fim de, melhorar sua competitividade. Para atingir o objetivo, foi realizado uma revisão bibliográfica, através de livros, artigos e revistas especializadas e um estudo de caso em uma empresa do setor supermercadista, localizado na cidade de Lins, interior do estado de São Paulo. A empresa que fez parte do estudo de caso é de pequeno porte, mas é de grande importância para a economia regional. Com a realização da pesquisa percebeu-se que a gestão de estoque é um processo logístico de alto custo, mas também se constitui num processo de extrema importância para o atendimento aos requisitos do cliente, pois contempla as funções de receber, estocar e expedir os produtos. Portanto, a responsabilidade da área de estoque é manter a qualidade do produto desde a sua chegada ao estabelecimento até o atendimento integral do pedido ao menor custo, fazendo do estoque uma área de extrema importância para sua competitividade. Palavras-chave: Gerenciamento de Estoque. Empresa de Pequeno Porte. Competitividade.

9 ABSTRACT Nowadays, to maintain competitiveness, business company are adapting to the current changes, through the deployment of new technologies and new organizations process available. The competitiveness in the market departments has increased due changes in consumer behavior and also by installations of international networks that, day by day increase the competition. And so, business companies are searching for paths of making competitive advantages and by this, inventory management became itself an essential area for this companies, because the proper usage of this area will contribute with this departments companies to keep themselves in the business market. The sucess of an organization may be resulted of an effective managment of stocks, faced to the challange and obstacles that may happen on its path, 'cause is usually thought that the goal of a stock it's just to meet the demand during the resupplying time. But if it's well controlled, part of the amount of money that would be immobilized in stocks, it may become a capital for investments on equipment or improvements in other sectors. By this, the main goal of this research-work was to verify the importance of stocks management in a supermarket small business company with the intent of improving its competitiveness. For reaching the goal, it was made a literature review based of books, specialized articles and magazines, and a case study in a supermarket business company, located at Lins, an inner city from Sao Paulo. Although this is a small business company, this supermarket that has made part of the case study has a huge importance for region economy. Since the research was made, it is easily noticed that managing stocks is a logistics process of high costs, but it also constitutes a process of extreme importance for reaching customers requirements goals, as it contemplates of receiving, stocking and shipping products. Therefore, the duties of stocks areas is to keep the product quality since its arriving to the establishment until the whole treatment of the order with the least cost, making the stocks area, one of the most extreme importance for its competitiveness. Key-Words: Stocks Management. Small Businesses. Competitiveness.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1.1Canal de Distribuição... 19

11 LISTA DE TABELAS Tabela 2.1 Ordenação dos Itens de Estoque Tabela 2.2 Critério Básico de Classificação Tabela 2.3 Ordenação pela Importância Relativa Decrescente... 40

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABAM Associação Brasileira de Administração de Materiais CPD Central de Processamento de Dados ECR - Efficient Consumer Response EDI - Eletronic Data Interchange ERP - Enterprise Resource Planning FIFO - First In First Out IMAM - Instituto de Movimentação e Armazenagem de Materiais JIT - Just In Time NF Nota Fiscal PEPS - Primeiro Que Entra Primeiro Que Sai SCM - Supply Chain Management WMS - Warehouse Management System XML - extensible Markup Language

13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO VAREJO CONCEITO VAREJO ADMINISTRAÇÃO DE VAREJO DESPERDÍCIOS NO SETOR VAREJISTA TIPOS DE VAREJO SETOR SUPERMERCADISTA GESTÃO DE ESTOQUES NO SETOR SUPERMERCADISTA Redução do Custo Pelo Abastecimento Correto Quantidade de Reabastecimento Giro de Estoque Supermercadista LOGÍSTICA E GESTÃO DE ESTOQUES CONCEITO LOGÍSTICO GESTÃO DE ESTOQUE A IMPORTÂNCIA DOS ESTOQUES GERENCIAMENTO DE ESTOQUES TIPOS DE ESTOQUES Matérias-Primas Produtos em Processo Produtos Acabados CUSTO DOS ESTOQUES Custo de Capital Custo de Armazenagem Custos de Risco Custos de Pedidos Custos de Falta de Estoque INVENTÁRIO Inventários Periódicos Inventários Cíclicos (ou Rotativos) REDUÇÃO DE ESTOQUE Análise ABC METODOLOGIA ESTUDO DE CASO CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Unidade de Suporte... 44

14 4.2 RESULTADO DA PESQUISA Controle de Compras Compras dos Setores Perecíveis CONTROLE DE RECEBIMENTO DE MERCADORIAS ARMAZENAMENTO DAS MERCADORIAS CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS CONTROLE DE REPOSIÇÃO NAS ÁREAS DE VENDA MOVIMENTAÇÃO INTERNA DE MERCADORIAS PARA A PRODUÇÃO DEPÓSITO CENTRAL - DISTRIBUIÇÃO ANÁLISES DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES... 60

15 14 INTRODUÇÃO A atividade varejista no Brasil teve o desenvolvimento de seus métodos de gestão atrasados quando comparados com o ambiente industrial, principalmente nos processos relativos à gestão de estoque. A gestão de estoque no varejo brasileiro foi, durante muito tempo, relegada a segundo plano nas preocupações dos gestores das empresas. Antes, em virtude da quase inexistência de grandes redes varejistas e, portanto, de pouquíssima competição, a maioria das lojas era gerenciada por seus proprietários e estes executavam a gestão de seus negócios utilizando sua experiência prática. Faziam reposições de mercadorias ou compra dos itens sem critérios quando visitados por fornecedores, definido quantidades a adquirir de maneira empírica. No entanto com o passar do tempo e o surgimento de grandes lojas individuais, das grandes redes, e o fim da economia moldada pela inflação o mercado mudou. Ocorreram grandes transformações no comércio varejista. O consumidor ficou cada vez mais exigente, espera encontrar uma loja com maior variedade de produtos, melhor atendimento, com preços mais competitivos e sem faltar mercadorias. Essa mudança no comportamento dos clientes serviu como alerta para o pequeno varejo. O comerciante que não mudasse rapidamente, tornando-se mais competitivo, correria risco de desaparecer. Uma dessas mudanças exigidas é a melhora na gestão de estoques. Com isso, pequenas empresas podem criar condições favoráveis para enfrentar as exigências do mercado, se tornando mais competitiva. Atualmente, para manter a competitividade, as empresas estão se adequando ao processo de globalização, através da implantação de novas tecnologias e de novos processos organizacionais. A globalização, no setor varejista de supermercados, tem aumentado a competitividade devido às alterações no comportamento dos consumidores, e á instalação de redes internacionais, que, a cada dia, aumentam a concorrência. Através disso, as empresas estão buscando formas de gerar vantagem competitiva e com isso, a gestão de estoque torne-se uma área essencial para essas empresas.

16 15 Os desafios da gestão de estoques estão relacionados à importância que o gestor dá a esse departamento. Atualmente as empresas estão procurando melhorar a qualidade de seus produtos e serviços, além de focar na redução de custos. E é nesta busca constante pela satisfação do cliente e qualidade dos produtos, que as empresas começam a rever e reestruturar seus conceitos, tentando assim detectar e até mesmo antecipar-se aos possíveis problemas, buscando para isso, soluções imediatas e também a longo prazo (MARTINS e ALT, 2006). As atividades relacionadas à reposição das mercadorias são diretamente responsáveis pelas quantidades de produtos que a empresa mantém em seus depósitos, influenciando na disponibilidade, nos custos e capitais investidos neste ativo. Desse modo, a determinação de uma metodologia adequada de reabastecimento, visando um nível de atendimento adequado e também a diminuição dos custos de armazenagem contribui para a eficiência da gestão dos estoques. Portanto, para se alcançar melhor desempenho, o gerente de estoques deve saber tomar decisões positivas, no que se refere a ressuprimento, pois agindo assim a empresa pode ter um melhor nível de fluxo de caixa (ABRAS, 2010). A gestão de estoque é muito necessário principalmente para as organizações, saber onde colocar, o que colocar, quanto de produto armazenar, quais meios de transporte usar e assim manter tudo em ordem. Nesse sentido algumas empresas já buscam explorar as técnicas inovadoras na área de controle de estoque. Sabendo disso o objetivo do trabalho foi de verificar a importância do gerenciamento de estoque em uma empresa do setor supermercadista de pequeno porte, a fim de, melhorar sua competitividade. Através disso surgiu a seguinte pergunta-problema: O gerenciamento de estoque proporciona maior competitividade para uma empresa do setor supermercadista de pequeno porte? Para responder a essa pergunta e atingir o objetivo, foi realizada uma profunda revisão bibliográfica e uma pesquisa de campo em um supermercado de pequeno porte na cidade de Lins, interior do Estado de São Paulo, que busca obter uma maior competitividade frente aos concorrentes. Para a realização da pesquisa, o trabalho ficou estruturado da seguinte forma: no capítulo 1 foi abordado o referencial teórico sobre varejo, seus conceitos, histórico, desperdício, entre outros. No capítulo 2 foi abordado o referencial teórico sobre a gestão de estoque, seus conceitos, sua importâncias, seus custos, entre outros. No capítulo 3 a metodologia utilizada para a realização da pesquisa e no

17 16 capítulo 4 a pesquisa de campo em um supermercado de pequeno porte da região noroeste paulista. Por fim, as considerações finais.

18 17 1 VAREJO O varejo ao longo dos anos tem conseguido alcançar admiráveis números de faturamento no Brasil como nunca visto, tornando-se um papel de destaque fundamental no cenário atual de empresas, possibilitando novos empregos, consolidando atividades nos mercados e desempenho no processo de venda (PARENTE, 2000). O desenvolvimento do país conseguiu dar uma grande alavancada se analisar seu histórico no final do século passado. Com ajuda de grandes grupos estrangeiros, empresariais associados aos grupos brasileiros (naquela época ainda engatinhando no setor), a globalização e o bom investimento, os resultados começaram a ser ainda mais desfrutados nas ultimas décadas (PARENTE, 2000). As transformações ocorridas são ainda mais notáveis quando se menciona o surgimento e popularização da internet. Como vantagem de exploração de novas atividades varejistas, medidas alternativas foram tomadas por grupos varejistas ainda com poucas influências no mercado, como forma de conquista de espaço neste cenário nacional, transformando-se hoje na maior parcela do faturamento brasileiro, quebrando assim por completo os paradigmas encontrados no desenvolvimento inicial (PARENTE, 2000). O Varejo consiste em uma ligação com vendas diretas para consumidor final, depois de ter passado por todo processo da cadeia de suprimentos, e chegar a canais ou pontos para que faça essa integração com o cliente. Varejo consiste em todas as atividades que englobam o processo de venda de produtos e serviços para atender a uma necessidade pessoal do consumidor final. O varejista é qualquer instituição cuja atividade principal consiste no varejo, isto é, na venda de produtos e serviços para o consumidor final. (PARENTE, 2000, p. 22). Assim, para que esse progresso chegasse ao patamar atingido hoje, as empresas, assim como seus impulsionadores, precisaram utilizar conceitos e ferramentas para dominar esse setor em amplo crescimento.

19 CONCEITO VAREJO Parente (2000, p. 22) define varejo como sendo todas as atividades que englobam o processo de venda de produtos e serviços para atender a uma necessidade pessoal do consumidor final. Para Levy e Weitz (2000, p. 26), varejo é um conjunto de atividades de negócios que adiciona valor a produtos e serviços vendidos a consumidores para seu uso pessoal e familiar. Berman e Evans (1998, p.3) são mais abrangentes e dizem que o varejo consiste naquelas atividades relacionadas com a venda de bens e serviços a consumidores para seu uso pessoal, familiar ou doméstico. Assim, o varejista é o último estágio do processo de distribuição que liga fabricantes ou produtores a consumidores. Parente (2000) coloca o varejista como parte integrante do sistema de distribuição, desempenhando um papel de intermediário e funcionando como um elo de ligação entre o nível do consumo e o nível do atacado ou da produção. Ainda segundo esse autor, o varejista vem assumindo um papel importante na identificação das necessidades do consumidor e na definição do que deverá ser produzido pela indústria para atender às expectativas do mercado. No cenário competitivo, onde confrontam-se as redes de varejo, o formato das lojas se transformou em elementos estratégicos. Tanto as grandes lojas, como aquelas de menor porte, empreendem seus potenciais competitivos baseados no formato que adotaram. O fato é que, independentemente do tamanho, todos estão competindo entre si e tem seu papel de importância, sendo importante que haja uma boa administração. 1.2 ADMINISTRAÇÃO DE VAREJO De acordo com Levy e Weitz (2000), o varejo é um dos maiores setores da economia mundial. O varejo está situado como último ponto de ligação entre o fabricante e o consumidor. Conforme a ilustração da Figura 1.1.

20 19 Manufatura (Fabricante) Atacadista Varejista Consumidor Figura 1.1: Canal de Distribuição Fonte: Adaptado de Levy e Weitz (2000) O setor manufatureiro fabrica os produtos e os vende aos atacadistas e varejistas, estes por sua vez, revenderão os produtos. Os Atacadistas atendem os varejistas que não tem acesso à compra direto com o fabricante. As lojas de varejo vendem estas mercadorias a consumidores finais (DIAS, 2006). Parente (2000) considera como varejo toda atividade que tenha por finalidade a venda de produtos ou serviços ao consumidor final, quando essa atividade é a principal fonte de receita de uma organização, considera-se essa uma empresa varejista. Existem vários tipos de atividades de varejo, elas podem ser exercidas em lojas, por telefone, correio, internet ou até mesmo porta a porta. As indústrias oferecem um tipo especifico de produto. Cabe ao varejo ter a disposição do consumidor vários tipos de produtos no mesmo local. Levy e Weitz (2000, p. 27) afirmam que todo varejista oferece uma variedade de produtos, mas se especializam na variedade que oferecem. A escolha de um segmento de mercado para atuar é parte integrante da administração de varejo. Para Levy e Weitz (2000), o comércio do varejo deve comprar em lotes maiores das indústrias para redução de custos de transporte e vender os produtos em quantidades menores, mais condizentes com a necessidade do consumidor. Ainda de acordo com Levy e Weitz (2000) o varejo também dispõem de serviços aos consumidores, como pagamentos parcelados, entrega do produto, visualização da mercadoria na hora da compra, pessoal treinando para dar informações sobre os itens aos consumidores. O varejo é definido por Levy e Weitz (2000, p. 27) como um conjunto de atividades de negócios que adiciona valor a produtos e serviços vendidos a consumidores para seu uso pessoal e familiar. A loja de varejo não é somente um lugar onde se entrega produtos ao consumidor final.

21 O setor varejista deve se preocupar com toda a sua dimensão, pois com algum descuido, eles acabam gerando alguns desperdícios DESPERDÍCIOS NO SETOR VAREJISTA Muitas empresas varejistas não possuem a dimensão dos seus desperdícios, o conhecimento que elas têm sobre essa matéria é pouco e específico apenas aos olhos. Ou seja, todo produto de quebra, roubos e inadimplências, sendo apenas aqueles produtos que elas estão habituadas a ver no dia a dia (ABRAS, 2010). Mas os desperdícios vão muito além desse conhecimento limitado, pois possui uma ampla atividade, segundo Parente (2000, p. 380) o novo conceito engloba todo tipo de desperdício: material desperdiçado, capital desperdiçado, oportunidades desperdiçadas, tempo e talento desperdiçados. Muitos empreendedores varejistas não têm a consciência do tamanho dos gastos ocorridos pela falta de capacitação daqueles funcionários que gastaram tempo e energia na tarefa de um processo. Todo o desperdício origina-se do pessoal envolvido nesse processo, do modo como trabalham e como são realizados. E todo esse desperdício está embutido no valor final para o cliente, e o que os varejistas não possuem é o conhecimento, é que eles também pagam a mais por todo esse processo de desperdício e de toda a cadeia de suprimentos (ABRAS, 2010). Para isso, existe uma ferramenta chamada Efficient Consumer Response (ECR) que trata exatamente desse cuidado em minimizar os desperdícios da cadeia de suprimentos, pois segundo Parente (2000), as empresas mais desenvolvidas do mundo estão empenhadas em analisar todos os processos empresariais para eliminar o trabalho que não agrega valor, porque estão descobrindo que existe trabalho que agrega valor unicamente quando se elimina o desperdício. E para analisar onde existe mais desperdício, é necessário verificar em qual o tipo de varejo que está acontecendo. 1.4 TIPOS DE VAREJO De acordo com Parente (2000), dependendo do tipo de propriedade, as empresas podem ser classificadas em independentes, cadeias, franquias, alugadas,

22 21 ou de propriedade de um fabricante ou atacadista e as instituições sem loja, muitas vezes chamadas de marketing direto, ou seja, existe possibilidade de comprar produtos e serviços sem ter que deixar suas casas, pois a aceleração da tecnologia permite este estilo de vida dos consumidores. O tipo de instituição mais adequado a este trabalho é a Instituição com loja. É classificada como alimentícia, e este grupo se adéqua a empresas como Bares, Mercearias, Padarias, Minimercados, Lojas de conveniência, Supermercados convencionais, SuperLojas, Hipermercados e os supermercados compactos. Para Parente (2000), os supermercados compactos caracterizam-se pelo sistema auto-serviço, checkouts (caixas registradoras sobre balcão na saída da loja) e produtos dispostos de maneira acessível, que permitem aos clientes se auto servirem, utilizando cestas e carrinhos. Os supermercados compactos têm de dois a seis checkouts e apresentam uma linha completa, porém compacta, de produtos alimentícios, representam a maioria das unidades de auto-serviço do Brasil e em geral, pertencem a operadores independentes. 1.5 SETOR SUPERMERCADISTA No Estado de São Paulo, o setor supermercadista tem sido uma referência na incorporação de novas tecnologias e técnicas comerciais e administrativas, sempre visando aprimorar o atendimento ao consumidor. Por exemplo, a abertura aos domingos é uma prática de 76,4% das lojas e 90% das empresas praticam a entrega em domicílio (TOFOLI, 2004). Segundo Martins e Alt (2006), os supermercados respondem por 85% de participação de mercado, de todo o abastecimento de gênero alimentício e afim. O supermercado é o formato do varejo que mais se destaca no sistema de auto-serviço, principalmente, por ser de maior visibilidade e frequência de visitas. Por isso, ele chama tanto a atenção dos consumidores, assim como dos fornecedores das mais variadas linhas e tipos de produtos. A loja do supermercado é almejada por alimentos, vestuário, calçados, artesanatos, eletrodoméstico, peças para automóveis, ferramentas, utilidades domésticas, frios, embutidos, bebidas, editores, informáticas, e muitos outros. Isso mostra a importância dos supermercados no mundo modernos.

23 22 Segundo a definição de Pozo (2010), o supermercado é o auto-serviço que desenvolve operações relativamente grandes, de baixo custo, baixa margem e alto volume, projetado para atender a todas as necessidades de alimentação, higiene e limpeza doméstica. Ainda segundo Levy e Weitz (2000), o supermercado também possui quatro funções básicas, que são: Fornecer uma variedade de produtos e serviços, dividir lotes em pequenas quantidades, manter estoques e fornecer serviços. De acordo com Parente (2000), os estoques são indispensáveis para esse tipo de organização. O supermercadista compra as mercadorias dos fabricantes ou atacadista, as recebe e estoca para oferecer ao consumidor. Deve funcionar de tal modo que, os consumidores comprem o que necessitem e voltem a comprar assim que tiverem precisando do produto novamente. 1.6 GESTÃO DE ESTOQUES NO SETOR SUPERMERCADISTA Gestão de estoques em setores varejista consiste em trabalhar corretamente e de maneira mais proveitosa os recursos "ociosos" adquiridos pelas empresas, até que estes recursos sejam direcionados às linhas de produção, sendo então o ato de controlar e destinar, economicamente o uso deste material. Segundo Parente (2000) a administração das compras e a gestão de estoque constituem em setor vital para as empresas varejistas e supermercadistas. Sendo assim, determinar os períodos observados como corretos no que tange o ressuprimento e a quantidade a ser ressuprida para que dessa maneira o estoque possa atender às necessidades da demanda apurada em determinado período, garantindo maior vinculo com o leque de fornecedores disponíveis. Para os supermercados a utilização do controle dos estoques traz procedimentos rápidos e captura instantânea de informações sobre o que o consumidor adquire e deseja. O supermercadista pode ainda, com base nos dados fornecidos, através do controle e gerenciamento, utilizá-los para compor o perfil do consumidor na hora de estabelecer o mix de marcas e produtos que irão compor o estoque do estabelecimento (HARB, 2005). Portanto, o supermercadista deve assegurar que o produto esteja disponível no tempo e nas quantidades desejadas, nivelando sua disponibilidade com os custos

24 23 de manutenção, fazendo uso do estoque como o diferencial competitivo de sua empresa. Deve-se preocupar também com o custo do abastecimento, com a quantidade do reabastecimento e com o giro de estoque Redução do Custo Pelo Abastecimento Correto Uma boa gestão de estoque é capaz de prover um abastecimento adequado e enxuto dos insumos até as linhas de produção, assim como em estoque de produtos acabados, fornecer sempre produtos de boa qualidade disponíveis aos clientes, minimizando dessa forma, os índices de faltas de insumos/produtos disponíveis para consumo, seja ele na produção ou em forma de cliente final (HARB, 2005). O setor supermercadista não fica atrás, pois, os custos de uma empresa no reparo da manutenção de sua gestão com estoque representam parcelas significativas dentro dos custos gerais absorvidos pelas empresas. Consequentemente, é onde precisa haver um bom gerenciamento destes insumos, evitando assim perdas significativas e prejuízos (PARENTE, 2000). A administração das compras e a gestão de estoques constituem em setor vital para as empresas varejistas. Por um lado, os estoques absorvem enorme volume de recursos e consistem no maior investimento no ativo das empresas, e, por outro, as compras representam a maior conta de despesas dos varejistas. (PARENTE, 2000, p. 209) Quantidade de Reabastecimento Segundo Parente (2000), as previsões de vendas são um componente fundamental na definição das quantidades a serem compradas. Fazer uma previsão com embasamento não sólido já é o suficiente para causar prejuízos em incontáveis casas decimais no setor varejista, tendo em vista que as faltas de produtos são um problema a serem evitados, assim como a compra em excesso sem real finalidade. Segundo Parente (2000) a previsão de vendas também pode ser elaborada para diferentes períodos de tempo anual, mensal, semanal e diária.

25 Giro de Estoque Supermercadista O giro de estoque é um indicador onde a empresa supermercadista analisa o desempenho do estoque, pois representa a quantidade que determinados produtos foram renovados em um período de tempo. O giro de estoque é necessário para a análise de um pedido de compra (HARB, 2005). De acordo com Parente (2000) o giro de estoque reflete a relação entre volume de vendas e estoques, e indica o número de vezes que o estoque médio é vendido durante um período de tempo. Esse tipo de análise se enquadra no gerenciamento de estoque. O gerenciamento de estoque supermercadista proporciona controle dos produtos, administrando seu giro, evitando que os clientes fiquem insatisfeitos por motivos relacionados à falta de mercadorias ou produtos em inconformidade com o uso, fazendo com que os supermercados não deixem de atender seus clientes.

26 25 2 LOGÍSTICA E ESTOQUE Embora muito do que se diz sobre logística faça menção direta ao transporte de mercadorias por diversos modais, existe também o conceito logístico ligado à estocagem de mercadorias dentro dos setores varejo-supermercadistas. Sendo a estocagem uma atividade extremamente importante dentro de uma organização, é necessário conciliar seus conceitos ás práticas, no que se refere á atingir os objetivos de redução de custos e em consequência disso, o aumento de lucro. 2.1 CONCEITO LOGÍSTICO A Logística ao contrário do que se pensa hoje é uma ciência antiga, visto que os primeiros resquícios de seu uso são notórios se analisarmos o Mundo Antigo, mais precisamente, cerca de aproximadamente anos atrás, quando os egípcios construíram as famosas pirâmides, conhecidas mundialmente por sua misteriosa e engenhosa logística para a época. Para que essa obra de ampla magnitude pudesse ser feita, era necessário todo tipo de planejamento, como por exemplo, materiais e mão-de-obra necessária para tal feito. Não muito distante dali, por volta do ano 221 a.c., podemos observar a estrutura impressionante da Grande Muralha da China, que foi sendo construída por várias dinastias ao longo de aproximadamente dois milênios, com objetivo focado na proteção e meio de defesa de seus inimigos ao Norte. Independentemente de sua funcionalidade, é de se chamar atenção toda sua vasta proporção (aproximadamente sete mil quilômetros) à época. Grandes feitos das civilizações antigas como esta, segundo Hara (2011) ainda trazem alguns enigmas não decifrados pelos experts, quanto á operacionalização dos processos construtivos. Mistérios à grandiosidade a parte, é perceptível que a Logística vem sendo utilizada desde os primórdios da humanidade, seja de maneira segmentada ou não. Ainda sobre o início das atividades Logísticas ao longo dos anos, o conceito mais atual começou a ser percebido e utilizado na área militar, durante a II Guerra

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Tecnologia aplicada à Logística Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Logística Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve a palavra LOGÍSTICA? Logística De cada 10 pessoas, pelo menos

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Introdução Esta unidade tem como foco os custos de estoque. Abordará os vários custos e exercícios de fixação. Custos dos estoques

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA DANIEL ALVES PEREIRA JULIO CESAR JUSTINO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais