Educação no Brasil. Lílian Nogueira Rolim! Marcela Cerávolo Salomão! Rafael Soares Farias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Educação no Brasil. Lílian Nogueira Rolim! Marcela Cerávolo Salomão! Rafael Soares Farias"

Transcrição

1 Educação no Brasil Lílian Nogueira Rolim! Marcela Cerávolo Salomão! Rafael Soares Farias

2 Histórico da Educação no Brasil "2

3 Histórico da Educação no Brasil Educação associada a Companhia de Jesus por 210 anos! Educação distinta para índios e colonos! Para modificar hábitos e costumes! 1759: Reformas Pombalinas sob influência do Iluminismo.! Expulsão dos jesuítas! Ensino Laico e Público (1772)! Sem discussão ou pensamento crítico "3

4 Histórico da Educação no Brasil 1807: Investimento em escola de ensino técnico e superior! 1824: Instrução primária gratuita e universal (exclusão dos escravos)! 1834: Transferência ao estado a responsabilidade pelo ensino primário e secundário De 250 mil crianças 2400 eram atendidas "4

5 Educação Recente Ensino fundamental obrigatório e gratuito (1988) de forma mais ampla.! Determina a progressiva universalização do Ensino Médio.! Formato relacionado com a organização fabril da sociedade. "5

6 Reforma de 2006 Extensão do ensino fundamental para 9 anos! Movimento mundial:! Início da educação obrigatória aos 6 anos (aniversário até 30 de março)! Aumentar o nível de escolaridade! Tendência: 81,7% das crianças de 6 anos estão na escola.! Sem antecipação do conteúdo período de transição! Problemas "6

7 Ensino Superior 1808 Chegada da Família Real:! Cirurgia e Anatomia em Salvador! Cirurgia, Anatomia e Academia da Guarda Marinha no Rio de Janeiro! Elitista: acesso ao estudo na Europa havia sido bloqueado. Ensino prático, com institutos isolados e profissionalizantes.! Primeira Universidade da América Latina: México, século XVI.! No Brasil: 1920 Medicina, Direito e Politécnica (RJ) "7

8 Ensino Superior 70: proliferação das universidades no Brasil! - Concentração urbana e exigência de mão-de-obra mais qualificada! - Entre 70 e 80 o número de matriculados mais que quadruplicou! 70% das matrículas estão concentradas nas instituições privadas! Enade (2004): tentativa de controlar a qualidade "8

9 Ensino Superior Falta planejamento:! Aumento sem qualidade! Imagem mercantilista da iniciativa privada! Perpetuação dos modelos isolados, com administração centralizada (reitoria) "9

10 Pós Graduação Até anos 50: cursar no exterior! Anos 60: fundação de centros de pós-graduação (ITA, USP)! Dentro da estratégia de internacionalização da produção: PG como forma de modernizar as cadeias de produção, cria condições para ASSIMILAÇÃO de tecnologia.

11 Educação Básica "11

12 Matrículas por nível de escolaridade Brasil 2012 "12

13 Meta 1: Atendimento Fonte: Todos Pela Educação - "13

14 Meta 2: Alfabetização Fonte: Todos Pela Educação - "14

15 Meta 3: Desempenho Fonte: Todos Pela Educação - "15

16 Meta 4: Conclusão Fonte: Todos Pela Educação - "16

17 Meta 5: Investimento Fonte: Todos Pela Educação - "17

18 5 bandeiras para atingir as 5 metas FORMAÇÃO e carreira do professor! Definição dos DIREITOS de aprendizagem! Ampliação da EXPOSIÇÃO dos alunos ao ensino! Uso relevante das AVALIAÇÕES EXTERNAS na gestão educacional! Aperfeiçoamento da GESTÃO e da governança da Educação

19 Ensino Superior "19

20 Número de Cursos - Brasil Número de cursos do Ensino Superior a 2007! ! ! ! Brasil

21 Número de Cursos - Brasil Número de cursos do Ensino Superior a Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste 2171 Comparação! 2007 em relação! a 1991: Do! total de cursos em 2007:! Brasil: 479%! Sudeste: 443%! 8% estão no Norte! 19% no Sul! Norte: 841%! Sul: 432%! 17% no Nordeste! 9% no Centro-Oeste! Nordeste: 519%! Centro-Oeste: 550% 47% no Sudeste! 25% em São Paulo "21

22 Educação Superior Em número de matrículas, entretanto, 26,3% corresponderam às instituições públicas e 73,7% às instituições privadas, em "22

23 Inscritos vs. Vagas vs. Ingressos Inscritos vs. Vagas vs. Ingressos Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Inscritos Vagas Ingressos Inscritos vs. Vagas vs. Ingressos Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Inscritos Vagas Ingressos

24 Financiamento da Educação "24

25 7,0000 Estimativa do Investimento Público Total em Educação em Relação ao PIB - Brasil a 2011 (%) 6,09 5,2500 4,68 5,04 3,74 3,5000 1,7500 0,39 0,54 1,51 1,77 1,22 1,67 0,62 1,06 0,94 1,04 0,0000 Todos os Níveis de Ensino Educação Básica Educação Infantil De 1ª a 4ª séries ou anos iniciais De 5ª a 8ª séries ou anos finais Ensino Médio Educação Superior Fonte: INEP. "25

26 Fonte: OCDE. "26

27 Estimativa do Investimento Público Direto em Educação por Estudante, com valores atualizados para 2011 pelo IPCA - Brasil a Educação Básica Educação Infantil De 1ª a 4ª séries ou anos iniciais De 5ª a 8ª séries ou anos finais Ensino Médio Educação Superior Fonte: INEP. "27

28 12,0 Proporção do Investimento Público por Estudade da Educação Superior sobre Investimento Público por Estudante da Educação Básica a ,1 10,5 10,1 9,0 8,7 8,2 7,9 6,7 6,0 6,1 5,6 5,2 5,0 4,8 3,0 0, Fonte: INEP. "28

29 Política Educacional no Brasil "29

30 Descontinuidade Pletora de reformas.! Oscilação entre centralização e descentralização.! Marca da descontinuidade: meta de eliminação do analfabetismo > FUNDEF > FUNDEB 10 anos >! 10 anos >! 14 anos Lei das escolas de primeiras letras! Ato Adicional! Reforma Couto Ferraz! Reforma Leôncio de Carvalho! Reforma Benjamin Constant! Código Epitácio Pessoa! Reforma Rivadávia Correa! Reforma Carlos Maximiliano! Reforma João Luís Alves/Rocha Vaz! Reforma Francisco Campos! Reformas Capanema! Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB)! 1968/ Legislação do regime militar! Constituição de 1988! Nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação! Plano Nacional de Educação! Reforma de 2006! Plano de Desenvolvimento da Educação Fonte: SAVIANI, D. Política educacional brasileira: limites e perspectivas. "30

31 Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) "31

32 Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Lançado em 2007! Foco: Educação Básica! Razões constitutivas:! Melhoria da qualidade.! Redução de desigualdades relativas às oportunidades educacionais (direito de aprender).! Lançado em conjunto com o Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação "32

33 Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Quais as ações previstas? Identificar e solucionar os problemas que afetam diretamente a Educação brasileira;! Combate a problemas sociais que inibem o ensino e o aprendizado com qualidade (ex. Saúde nas Escolas)! Articulação entre União, estados e municípios;! Até 2010: 130 programas de ação. "33

34 Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Quais as ações previstas? No ensino básico: Programa Universidade Aberta do Brasil! Piso salarial para professores! Substituição do FUNDEF pelo FUNDEB! Criação do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica)! Programa Luz para Todos na Escola! ProINFO etc. "34

35 Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Quais as ações previstas? No ensino superior: Reuni (Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais)! Pnaes (Plano Nacional de Assistência Estudantil)! Alteração do Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior)! Ampliação do Prouni (Programa Universidade para Todos)! Sinaes (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior) "35

36 REUNI Fonte: Site do MEC (http://reuni.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=100&itemid=81).

37 FIES Criado em 1999, operado pela CEF.! Destinado a financiar a graduação na educação superior de estudantes em instituições não gratuitas.! Alterações de 2007: maior prazo para pagamento da dívida.! Taxa de juros (a partir de 2010): 3,4% ao ano.! Desde 99, mais de 760 mil beneficiados, com recursos de R$ 25 bilhões.! Mais de 1500 instituições participantes (2013). Nº de contratos realizados: mil 154 mil 368 mil "37

38 FIES! Exemplo: Um estudante que financiou todo o curso com duração de 4 anos:! Fase de utilização - Durante o curso: Pagamento trimestral de até R$ 50,00.! Fase de carência - Nos 18 meses após a conclusão do curso, o estudante pagará, a cada três meses, o valor máximo de R$ 50,00.! Fase de amortização - Ao final da carência, o saldo devedor do estudante será dividido em até 13 anos [ 3 x 4 anos (período financiado do curso) + 12 meses]. "38

39 PROUNI Criado em 2004! Objetivo: concessão de bolsas de estudo integrais e parciais.! Para quem?! Estudantes egressos da rede pública ou privada;! Renda familiar per capita de até 3 salários mínimos! Seleção pelo ENEM "39

40 PROUNI Fonte: "40

41 PROUNI Bolsas ofertadas por ano Fonte: "41

42 PROUNI Bolsistas por raça - De 2005 a 2013 Preta! 12% Parda! 37% 2% 2% 0% Branca! 47% Branca Parda Preta Amarela Indígena Não Informada Fonte: "42

43 PROUNI Bolsistas por região - De 2005 a 2013 Norte! Centro-Oeste!6% 10% Nordeste! 15% Sul! 19% Sudeste! 51% Sudeste Sul Nordeste Centro-Oeste Norte Fonte: "43

44

45

46

47 Educação no Mundo: breve exposição

48 Gastos por estudante (2008) Média OCDE: +/ USD Brasil: +/ USD Fonte:

49 Gastos vs PIB per capita (2008) Fonte:

50 Vídeo - A Origem da Escola Pública

51 FIM

52 Informações Adicionais

53 Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Quatro eixos de atuação: FORMAÇÃO continuada presencial para os professores;! MATERIAL DIDÁTICO, obras literárias, de apoio pedagógico, etc.;! AVALIAÇÕES sistemáticas;! GESTÃO, mobilização e controle social.

54 FUNDEB Objetivos: aumentar os recursos na Educação Básica e distribuir melhor esse investimento no País.! O Fundeb garante que o investimento para cada aluno da Educação Básica não seja inferior a um determinado valor.! Gasto mínimo por aluno (a ser multiplicado pelo fator de ponderação):! 2010: R$ 1.414,85! 2011: R$ 1.722,05 Fonte: Todos Pela Educação - "54 Slide 34: PDE

55 FUNDEB Nível de ensino Fator de ponderação Creche em tempo integral pública 1,20 Creche em tempo integral conveniada 1,10 Pré-escola em tempo integral 1,30 Creche em tempo parcial pública 0,80 Creche em tempo parcial conveniada 0,80 Pré-escola em tempo parcial 1,00 Anos iniciais do Ensino Fundamental urbano 1,00 Anos iniciais do Ensino Fundamental no campo 1,15 Anos finais do Ensino Fundamental urbano 1,10 Anos finais do Ensino Fundamental no campo 1,20 Ensino Fundamental em tempo integral 1,30 Ensino Médio urbano 1,20 Ensino Médio no campo 1,25 Ensino Médio em tempo integral 1,30 Ensino Médio integrado à Educação Profissional 1,30 Educação especial 1,20 Educação indígena e quilombola 1,20 Educação de Jovens e Adultos com avaliação no processo 0,80 Educação de Jovens e Adultos integrada à Educação Profissional de nível médio, com 1,20 avaliação no processo Fonte: Todos Pela Educação - "55 Slide 34: PDE

56 FUNDEF x FUNDEB O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), estava restrito ao financiamento do Ensino Fundamental e à valorização dos docentes. O Fundeb, por sua vez, atende toda a Educação Básica e valoriza os profissionais da Educação como um todo, não só os professores. Fonte: Todos Pela Educação - "56 Slide 34: PDE

57 IDEB Índice para medir a qualidade do aprendizado nacionalmente e estabelecer metas para a melhoria do ensino.! Varia em uma escala de 0 a 10.! É calculado a partir:! da taxa de rendimento escolar (aprovação); e! da média de desempenho nos exames do INEP. Fonte: Todos Pela Educação - Slide 34: PDE

58 Fonte: IDEB

59 REUNI Busca a expansão da educação superior.! Principal objetivo: ampliar o acesso e a permanência. Fonte: Todos Pela Educação - Slide 35: PDE

60 PNAES Apóia a permanência de estudantes de baixa renda matriculados em cursos de graduação presencial das instituições federais de ensino superior.! Assistência a:! moradia estudantil,! alimentação,! transporte,! saúde,! inclusão digital,! cultura,! esporte,! creche e! apoio pedagógico. Fonte: Site do MEC (http://reuni.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=100&itemid=81). Slide 35: PDE

61 Fonte: Taxa de analfabetismo

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO Audiência Pública Câmara dos Deputados Brasília 2014 Extensão: 8,5 milhões km 2 População: 191,5 milhões População

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira INFORMATIVO TÉCNICO Nº 2/2015 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2014-2024: LINHA DE BASE E PROJEÇÕES DE METAS INTRODUÇÃO A Lei do Plano Nacional de Educação (Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014) estabelece

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara 1992 Darcy Ribeiro, apoiado por

Leia mais

Acesso e Permanência no Ensino Superior

Acesso e Permanência no Ensino Superior Acesso e Permanência no Ensino Superior José Francisco Soares Presidente do INEP Brasília-DF Março 2015 Censo da Educação Superior Características: Anual e sistemático; Declaratório; Participação obrigatória;

Leia mais

Pereira Barreto, 21 de maio de 2010 Ilona Becskeházy

Pereira Barreto, 21 de maio de 2010 Ilona Becskeházy Pereira Barreto, 21 de maio de 2010 Ilona Becskeházy Em 2007 o PIB de São Paulo foi de R$902 bi (US$ 463 bi): 34 % do PIB do Brasil Só é menor que o PIB de 26 países no mundo É maior que o PIB dos seguintes

Leia mais

Maria Helena Guimarães de Castro Outubro Política Nacional de Formação de Professores

Maria Helena Guimarães de Castro Outubro Política Nacional de Formação de Professores Maria Helena Guimarães de Castro Outubro 2017 Política Nacional de Formação de Professores PREMISSAS A QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS DEPENDE DA QUALIDADE DO TRABALHO DO PROFESSOR Evidências mostram que,

Leia mais

Encontro Estadual do Proinfância

Encontro Estadual do Proinfância Encontro Estadual do Proinfância Salvador \BA Março/2014 (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica AÇÕES DO MEC Curso de Especialização em Educação Infantil Formação em nível de especialização

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃ FUNDEB. João o Batista do Nascimento Professor, Filósofo e

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃ FUNDEB. João o Batista do Nascimento Professor, Filósofo e FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃ ÇÃO O BÁSICA: B FUNDEB João o Batista do Nascimento Professor, Filósofo e Economista Especialista em Políticas Públicas. P Marco Legal do Financiamento da Educação Básica Pública.

Leia mais

Educação como direito de todos (as)

Educação como direito de todos (as) Educação como direito de todos (as) Política de Assistência Estudantil: desafios e perspectivas Como as IFES darão respostas a estas demandas do novo Plano Nacional de Educação? Meta 12: elevar a taxa

Leia mais

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará Política Educacional: A experiência de Sobral/CE Sobral - Ceará Ponto de partida Resultado da avaliação de leitura com alunos de 2ª série Final de 2000 48% não liam textos, frases e nem palavras 48,0%

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS NOME DO CANDIDATO: INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS NOME DO CANDIDATO: INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC Campus Universitário Trindade Caixa Postal 476 Cep 88040-900 Florianópolis SC Brasil Fones: (048) 3721-6525, 331-6649 Fax (048) 3721-6649 MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

construindo uma agenda

construindo uma agenda Regime de colaboração: construindo uma agenda . Regime de colaboração. Sistema nacional de educação. Responsabilidade da gestão pública educacional. Esforço coordenado e planejado. Atuação propositiva

Leia mais

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I DA EDUCAÇÃO Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade,

Leia mais

O PROCESSO DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: ALGUNS DADOS e

O PROCESSO DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: ALGUNS DADOS e 1 O PROCESSO DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: ALGUNS DADOS - 2001 e 2012. 1 Formação e Gestão em Processos Educativos Fernanda Zanette de Oliveira Introdução No ano de 2001 (BRASIL, 2001), o

Leia mais

O Plano Nacional de Educação. Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal

O Plano Nacional de Educação. Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal O Plano Nacional de Educação Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal Plano Nacional de Educação Diretrizes Superação das desigualdades educacionais

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação DIRETORIA DE POLÍTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Junho de 2013 Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão - SECADI Panorama da

Leia mais

Diálogos Legislativos

Diálogos Legislativos Diálogos Legislativos Royalties e financiamento da educação Edmar Queiroz edmarq@senado.leg.br Consultoria Legislativa Constituição de 34 Vinculação da receita de impostos para a educação União e Municípios

Leia mais

A EXPANSÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

A EXPANSÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA A EXPANSÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA Gabriela da Fontoura Rodrigues Selmi- Mestranda PPGEDU-UFRGS Flávia Maria Teixeira dos Santos- Professora PPGEDU UFRGS RESUMO: Este

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil

Política Nacional de Educação Infantil Política Nacional de Educação Infantil Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Conferência Global sobre Desenvolvimento na Primeira

Leia mais

Seminário sobre LDB da Educação Nacional TALITA CRISTINI BATISTA LOPES MARIANA DA COSTA LOUREIRO COTOVICZ

Seminário sobre LDB da Educação Nacional TALITA CRISTINI BATISTA LOPES MARIANA DA COSTA LOUREIRO COTOVICZ Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto Multidisciplinar Departamento de Tecnologias e Linguagens Seminário sobre LDB da Educação Nacional TALITA CRISTINI BATISTA LOPES MARIANA DA COSTA

Leia mais

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS RESOLUÇÃO n 048 0 CONSUPER/2012 Regulamenta o Programa de Assistência Estudantil do Instituto Federal Catarinense. Processo nº 23348.000931/2012-24. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Município: CAROLINA / MA

Município: CAROLINA / MA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília

Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília Mauro Luiz Rabelo Decano de Ensino de Graduação Universidade de Brasília Art. 2 São diretrizes do PNE: I. erradicação do analfabetismo; II. universalização do atendimento escolar; III. superação das desigualdades

Leia mais

1. DESCONTOS E BOLSAS INTERNAS

1. DESCONTOS E BOLSAS INTERNAS 1 GUIA FINANCEIRO Este Guia Financeiro tem por finalidade orientar aos alunos e responsáveis financeiros sobre os descontos, bolsas e programas adotados pela Instituição. Também orienta sobre como realizar

Leia mais

O Plano Nacional de Educação PL. 8035/2010 Perspectivas, Desafios e Emendas dos/as Trabalhadores/as em Educação

O Plano Nacional de Educação PL. 8035/2010 Perspectivas, Desafios e Emendas dos/as Trabalhadores/as em Educação SEMINÁRIO CNTE O Plano Nacional de Educação PL. 8035/2010 Perspectivas, Desafios e Emendas dos/as Trabalhadores/as em Educação Secretário Carlos Abicalil EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO

Leia mais

Comissão de Educação e Cultura conjunta com a Comissão Especial do PNE

Comissão de Educação e Cultura conjunta com a Comissão Especial do PNE Comissão de Educação e Cultura conjunta com a Comissão Especial do PNE Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Brasília, 14 de março de 2012 Diretrizes do PNE 2011-2020 I. erradicação do analfabetismo;

Leia mais

Município: TAILÂNDIA / PA

Município: TAILÂNDIA / PA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Programa Bolsa Família Brasil na América do Sul População: 175 milhões Área: 8.514.215,3 km² 26 estados e DF 5.562 municípios População pobre: em torno

Leia mais

Art A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno

Art A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Seção que pactua a educação como direito de todos. CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I DA EDUCAÇÃO MS. Carreiro 1 Art. 205.

Leia mais

MEI Agenda de Aprimoramento de Recursos Humanos para Inovação

MEI Agenda de Aprimoramento de Recursos Humanos para Inovação MEI Agenda de Aprimoramento de Recursos Humanos para Inovação Proposta de Trabalho Brasília, 30 de novembro de 2012 São Paulo, Agosto 2011 Apresentação do projeto HORÁCIO PIVA 1 Recursos humanos qualificados

Leia mais

ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência

ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência Introdução: Proposta preliminar construída a partir do documento final da Conae 2014, do PNE e das contribuições

Leia mais

A PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS, A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL E A COORDENAÇÃO DE ASSUNSTOS ESTUDANTIS RESUMEM:

A PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS, A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL E A COORDENAÇÃO DE ASSUNSTOS ESTUDANTIS RESUMEM: A PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS, A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL E A COORDENAÇÃO DE ASSUNSTOS ESTUDANTIS RESUMEM: PORTARIA NORMATIVA Nº 10, DE 30 DE ABRIL DE 2010(FIES)* MINISTÉRIO

Leia mais

Responsabilidade Social: Inclusão

Responsabilidade Social: Inclusão Responsabilidade Social: Inclusão Mário Sérgio Vasconcelos cope@reitoria.unesp.br Responsabilidade Social Responsabilidade Social - Assistência Social 1960: debates aquecidos 1965: USA - procedimentos

Leia mais

Conselho Nacional de Secretários de Educação Consed

Conselho Nacional de Secretários de Educação Consed Conselho Nacional de Secretários de Educação Consed Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Brasília, 8 de março de 2012 Educação Infantil Meta 1 do PNE PROINFÂNCIA Taxas de atendimento Creches

Leia mais

Qual a diferença entre o Prouni e o Sistema de Seleção Unificada - SISU? O candidato que se inscreveu no SiSU também pode se inscrever no Prouni?

Qual a diferença entre o Prouni e o Sistema de Seleção Unificada - SISU? O candidato que se inscreveu no SiSU também pode se inscrever no Prouni? PROUNI Extraído em 09/05/2012 de http://siteprouni.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=category&id=23&it emid=134 O que é o Prouni? É um programa do Ministério da Educação, criado pelo Governo

Leia mais

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

Panorama Socioeconômico. Foz do Iguaçu

Panorama Socioeconômico. Foz do Iguaçu Panorama Socioeconômico Foz do Iguaçu Dinâmica ECONÔMICA Estrutura SOCIAL Situação DA SAÚDE Setor PÚBLICO Dinâmica ECONÔMICA Dinâmica ECONÔMICA E M P R E G O 150.000 Saldo de Empregos 100.000 50.000 0-50.000

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

Educação no Brasil para o século XXI. Claudia Costin

Educação no Brasil para o século XXI. Claudia Costin Educação no Brasil para o século XXI Claudia Costin Avanços e Desafios Brasil é a 6ª economia no mundo, mas apenas a 53ª em Educação (PISA 2009) Por que? Alguns dados sobre a Educação no Brasil Brasil

Leia mais

LDB Introdução. Conceito de Educação 12/07/2017

LDB Introdução. Conceito de Educação 12/07/2017 LDB 9394-96 LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL Introdução A LDB 9394/96 tem por característica principal a flexibilidade; Ela serve para organizar a educação escolar em nível nacional; Abrande

Leia mais

A Direção do Centro de Ciências Jurídicas e Sociais e Setor de Informática

A Direção do Centro de Ciências Jurídicas e Sociais e Setor de Informática SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS CENTRO DE CIÊNCIAS JURIDICAS E SOCIAIS - CCJS SETOR DE SERVIÇO SOCIAL Mem. 019/2014 Sousa, 15 de Julho

Leia mais

AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; ; LEI DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03

AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; ; LEI DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03 AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03 CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 205 a 214) CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO,

Leia mais

Município: OURO PRETO / MG

Município: OURO PRETO / MG Município: OURO PRETO / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado em junho de 2011 com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi

Leia mais

EQUIPE. Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal. Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas

EQUIPE. Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal. Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas EQUIPE Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas Estudos & Pesquisas Fundação Victor Civita (FVC) 2007-2012 18 estudos Formatos: relatório,

Leia mais

alfabetização agas nas universidades Sinopse das Ações do Ministério da Educação stência ao aluno transporte escolar formação de professores

alfabetização agas nas universidades Sinopse das Ações do Ministério da Educação stência ao aluno transporte escolar formação de professores erenda Sinopse das Ações do orçamento censo valorização do magistério Ministério da Educação stência ao aluno agas nas universidades alfabetização transporte escolar formação de professores Novembro 2010

Leia mais

PROJETO PRÉ-ENEM. Parceria dos grupos PET da UFOP e da Escola Estadual Dom Silvério

PROJETO PRÉ-ENEM. Parceria dos grupos PET da UFOP e da Escola Estadual Dom Silvério PROJETO PRÉ-ENEM Parceria dos grupos PET da UFOP e da Escola Estadual Dom Silvério ENEM Criado pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) - 1998 OBJETIVOS Avaliar os estudantes de escolas públicas e particulares

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios. Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011

Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios. Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011 Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011 1 Oportunidades para o Brasil Comércio e financiamento externo: aumento nos termos de troca puxado pela

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação XXXIX edição da Reunião dos

Leia mais

META: SERVIDOR CAPACITADO CÂMPUS PATROCÍNIIO CÂMPUS UBERLÂNDIA CÂMPUS ITUIUTABA CÂMPUS UBERLÂNDIA CENTRO

META: SERVIDOR CAPACITADO CÂMPUS PATROCÍNIIO CÂMPUS UBERLÂNDIA CÂMPUS ITUIUTABA CÂMPUS UBERLÂNDIA CENTRO PROGRAMA: 2109 - GESTÃO E MANUTENÇÃO DO MEC AÇÃO: 4572 - CAPACITAÇÃO DE SERV. PÚB. FED. EM PROC. DE QUALIFICAÇÃO E REQUALIFICAÇÃO. DESCRIÇÃO PROMOVER A QUALIFICAÇÃO E A REQUALIFICAÇÃO DE PESSOAL COM VISTAS

Leia mais

Pronatec. Novas oportunidades de acesso ao ensino técnico

Pronatec. Novas oportunidades de acesso ao ensino técnico Pronatec Novas oportunidades de acesso ao ensino técnico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Marco Antonio de Oliveira marco.antonio@mec.gov.br Brasília, 19 de março

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 360, DE 2016

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 360, DE 2016 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 360, DE 2016 Altera a lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, para estabelecer o reajuste anual do valor per capita do PNAE, definindo o IPCA como índice utilizado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUESA SÍLVIA MARIA LEITE MOTA Atividade Estruturada referente à disciplina História da Educação no Brasil Campus João Uchôa 2015-1 -

Leia mais

A PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS, A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL E A COORDENAÇÃO DE ASSUNSTOS ESTUDANTIS RESUMEM:

A PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS, A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL E A COORDENAÇÃO DE ASSUNSTOS ESTUDANTIS RESUMEM: A PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS, A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL E A COORDENAÇÃO DE ASSUNSTOS ESTUDANTIS RESUMEM: PORTARIA NORMATIVA Nº 10, DE 30 DE ABRIL DE 2010(FIES), com alterações

Leia mais

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO PROPOSTAS DE EMENDAS AO PL 8.035/2010 PNE 2011/2020

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO PROPOSTAS DE EMENDAS AO PL 8.035/2010 PNE 2011/2020 PROPOSTAS DE EMENDAS AO PL 8.035/2010 PNE 2011/2020 A União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (UNCME), entidade criada em 1992 e organizada em todos os estados brasileiros, tem como finalidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - Educação Infantil. Titulo do Projeto

TERMO DE REFERÊNCIA - Educação Infantil. Titulo do Projeto TERMO DE REFERÊNCIA - Educação Infantil Titulo do Projeto Fortalecimento da capacidade institucional da FUNDAJ nos processos de desenvolvimento de pesquisas na área de avaliação de políticas públicas em

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS ESPÍRITA

FACULDADES INTEGRADAS ESPÍRITA FACULDADES INTEGRADAS ESPÍRITA CONCESSÃO DE BOLSAS INSTITUCIONAIS CURITIBA 2016 1 APRESENTAÇÃO A concessão de bolsas institucionais, acadêmicos e para funcionários é uma ação da FIES para manter padrões

Leia mais

Versão Inicial elaborada por Jesué IF-SC Perguntas e respostas sobre o PRONATEC

Versão Inicial elaborada por Jesué IF-SC Perguntas e respostas sobre o PRONATEC Versão Inicial elaborada por Jesué IF-SC Perguntas e respostas sobre o PRONATEC 1- O que é o PRONATEC? R. O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC) é um conjunto de ações que

Leia mais

A Expansão do Ensino Superior no Brasil

A Expansão do Ensino Superior no Brasil AULA MAGNA UFPE 2009.1 A Expansão do Ensino Superior no Brasil Prof. Amaro Henrique Pessoa Lins Reitor UFPE POR QUE EXPANDIR? O ensino público, gratuito e de qualidade é essencial para reverter a situação

Leia mais

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho Avaliação e Monitoramento do PME Professora Marcia Adriana de Carvalho TEMAS 1 Por que avaliar e monitorar o PME 2 Qual a diferença entre avaliar e monitorar 3 4 Como definir plano de ações para o período

Leia mais

Os Desafios do Plano Nacional de Educação

Os Desafios do Plano Nacional de Educação Os Desafios do Plano Nacional de Educação Brasília-DF 2004 Os Desafios do Plano Nacional de Educação 1 COORDENAÇÃO-GERAL DE SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES EDUCACIONAIS Carlos Eduardo Moreno Sampaio COORDENAÇÃO

Leia mais

PNE: Metas do PNE: Meta 16. Formação Continuada e Pós-Graduação de Professores

PNE: Metas do PNE: Meta 16. Formação Continuada e Pós-Graduação de Professores Dados Estatísticos: Segundo estimativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), apenas no Ensino Médio e nas séries finais do Ensino Fundamental o déficit de professores

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Altera a lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, para estabelecer o reajuste anual do valor per capita do PNAE, definindo o IPCA como índice utilizado para o cálculo

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO, FEDERALISMO E REGIME DE COLABORAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO, FEDERALISMO E REGIME DE COLABORAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO, FEDERALISMO E REGIME DE COLABORAÇÃO Mariza Abreu Consultora Legislativa da Câmara dos Deputados Audiência Pública da Comissão de Educação, Cultura e Esporte Senado Federal,

Leia mais

Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público

Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público Perspectivas sobre Avanços Recentes no Brasil Débora Nogueira Beserra SPI/MP Brasília, 16/06/11 AGENDA 1.O Brasil

Leia mais

O II PNE: reflexões sobre o projeto e suas metas. Consultoria Legislativa Abril 2011

O II PNE: reflexões sobre o projeto e suas metas. Consultoria Legislativa Abril 2011 O II PNE: reflexões sobre o projeto e suas metas Consultoria Legislativa Abril 2011 I PNE - Tramitação PL nºs 4.155, de 10/02/98, do Dep. Ivan Valente (PT/SP) e 4.173, de 12/02/98, do Executivo, distribuídos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108 PROGRAMA Nº- 108 AMPLIAÇÃO DO PROJETO VOLTA REDONDA CIDADE DA MÚSICA SUB-FUNÇÃO: 361 ENSINO FUNDAMENTAL Proporcionar aos alunos da Rede Pública Municipal de Volta Redonda atividades musicais diversas nos

Leia mais

Prof Dr Álamo Pimentel,UFSB/CSC/IHAC

Prof Dr Álamo Pimentel,UFSB/CSC/IHAC Prof Dr Álamo Pimentel,UFSB/CSC/IHAC Provocar reflexões sobre as correlações entre diretrizes no investimento, mudanças nos sistemas de ensino e as políticas de educação no Brasil a partir das intersecções

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Mariza Abreu Consultora em Educação 06.maio.2016 Fontes de Financiamento da Educação Básica hoje (I) Constituição Federal de 1988: Art. 212, caput: % mínimos da receita

Leia mais

FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ANÁPOLIS

FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ANÁPOLIS FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ANÁPOLIS Renato Ribeiro Leite * UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Grupo de Pesquisa Qualidade da Educação Básica Grupo

Leia mais

VISÃO DO ALUNO 1. PROUNI

VISÃO DO ALUNO 1. PROUNI 1. PROUNI VISÃO DO ALUNO Após o cadastro do termo aditivo das instituições de Ensino Superior das vagas ProUni a serem ofertadas, os candidatos ao ProUni deverão ficar atentos ao calendário do Ministério

Leia mais

(Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo

(Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo LEI Nº 16.271, DE 17 DE SETEMBRO DE 2015 (Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo META 1. Ampliar o investimento

Leia mais

PNE: o que fazer? Maria Helena Guimarães de Castro

PNE: o que fazer? Maria Helena Guimarães de Castro PNE: o que fazer? Maria Helena Guimarães de Castro O contexto da implementação do PNE, após 18 meses de aprovação, está se mostrando muito complexo Metas muito ambiciosas em várias dimensões Plano aprovado

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG Estrutura da Apresentação Cenário das Avaliações em larga escala, no Brasil, implementadas pela União, no contexto da

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS CURSOS DE FILOSOFIA E ARTES FÓRUM DE DISCUSSÃO DO PMEP-2012 Prof. Dr.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS CURSOS DE FILOSOFIA E ARTES FÓRUM DE DISCUSSÃO DO PMEP-2012 Prof. Dr. UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS CURSOS DE FILOSOFIA E ARTES FÓRUM DE DISCUSSÃO DO Prof. Dr. Roberto Carvalho POLÍTICA PÚBLICA: social e econômica Política pública:

Leia mais

PEC 15/2015. O novo Fundeb como contribuição para a construção do custo aluno qualidade (CAQ) Nelson Cardoso Amaral Universidade Federal de Goiás

PEC 15/2015. O novo Fundeb como contribuição para a construção do custo aluno qualidade (CAQ) Nelson Cardoso Amaral Universidade Federal de Goiás PEC 15/2015 O novo Fundeb como contribuição para a construção do custo aluno qualidade (CAQ) Nelson Cardoso Amaral Universidade Federal de Goiás Há uma inter-relação entre o PNE, o CAQ e o Fundeb Meta

Leia mais

Educação no período de

Educação no período de Educação no período de 1945-1964 Profª Tathiane Milaré Revisão Brasil colônia Influência dos jesuítas Reformas de Marquês de Pombal Brasil Império Chegada da Família Real Constituição de 1824 (gratuidade;

Leia mais

Informativo Unesp. Coordenadoria de Permanência Estudantil - COPE. julho/ Especial 02

Informativo Unesp. Coordenadoria de Permanência Estudantil - COPE. julho/ Especial 02 Informativo Unesp Coordenadoria de Permanência Estudantil - COPE A Coordenadoria de Permanência Estudantil (COPE) foi criada, por deliberação do Conselho Universitário, em sessão de 15 de agosto de 2013

Leia mais

CONSIDERANDO os princípios referendados na Declaração Universal dos Direitos Humanos;

CONSIDERANDO os princípios referendados na Declaração Universal dos Direitos Humanos; RESOLUÇÃO Nº 066-CONSELHO SUPERIOR, de 14 de fevereiro de 2012. REGULAMENTA A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RORAIMA IFRR. O PRESIDENTE DO

Leia mais

MEC. Censo Escolar 2015 Notas Estatísticas. Brasília-DF março de 2016

MEC. Censo Escolar 2015 Notas Estatísticas. Brasília-DF março de 2016 MEC Censo Escolar 215 Notas Estatísticas Brasília-DF março de 216 MEC Agenda O desafio da universalização Educação infantil Creche e Pré-escola Ensino fundamental Anos iniciais e anos finais Ensino médio

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA POSSIBILIDADES E CAMINHOS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA POSSIBILIDADES E CAMINHOS EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA POSSIBILIDADES E CAMINHOS Universidade Federal de Juiz de Fora 11 de Dezembro de 2009 Celso Costa Diretor de Educação a Distância DED CAPES MEC SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL

Leia mais

NOME DO CURSO: O uso pedagógico dos recursos de Tecnologia Assistiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial

NOME DO CURSO: O uso pedagógico dos recursos de Tecnologia Assistiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial NOME DO CURSO: O uso pedagógico dos recursos de Tecnologia Assistiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA Fórum Regional Sudeste de Pró-Reitores de Graduação (FORGRAD) Universidade Católica de Petrópolis, RJ 01/04/2016 1. 2. Precarização do Programa 3.

Leia mais

O ACESSO E PERMANÊNCIA DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR E A PRÁXIS DO GESTOR

O ACESSO E PERMANÊNCIA DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR E A PRÁXIS DO GESTOR O ACESSO E PERMANÊNCIA DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR E A PRÁXIS DO GESTOR Gisele do Rocio Cordeiro Luis Fernando Lopes RESUMO A pesquisa tem o intuito de contribuir com a discussão sobre o papel do

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010 (PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO) SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PELO SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL

PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010 (PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO) SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PELO SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010 (PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO) SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PELO SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL GERAL: Supressão, em todo o texto, da flexão de gênero (ex: o/a, do/da,

Leia mais

em 2013 e, no Fundamental II, de 5,0 em 2011 para 4,7 em Com esses índices em decréscimo fica evidenciada a falta de investimento na qualidade

em 2013 e, no Fundamental II, de 5,0 em 2011 para 4,7 em Com esses índices em decréscimo fica evidenciada a falta de investimento na qualidade Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação apresenta as propostas dos candidatos à prefeitura da cidade de Campo Grande no segundo turno das eleições de 2016 Rose PSDB Confira o programa

Leia mais

CIRANDA DA EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE

CIRANDA DA EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE CIRANDA DA EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE - 2016 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONQUISTA D OESTE TEMA PRINCIPAL PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO UM COMPROMISSO DE TODOS VIDEO ABERTURA ANTONIO NÓVOA NIVEIS DA GRATIDÃO

Leia mais

Resultado Final do Eixo 04 - Currículo e e políticas educacionais Nº TÍTULO CPF

Resultado Final do Eixo 04 - Currículo e e políticas educacionais Nº TÍTULO CPF Nº TÍTULO CPF 1 Resultado Final do Eixo 04 - Currículo e e políticas educacionais ANÁLISE DA POLÍTICA PÚBLICA CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PAULISTA NA PERSPECTIVA DE AVALIAÇÃO EXTERNA DE SISTEMA 41691261815

Leia mais

Consulta Publica Plano Municipal de Educação

Consulta Publica Plano Municipal de Educação Consulta Publica Plano Municipal de Educação O Plano Municipal de Educação é feito a partir da construção coletiva, ou seja, com participação de toda a sociedade. Um plano será mais forte e exigirá mais

Leia mais

Orientações para Inscrição. Financiamento Estudantil FIES Faculdades EST

Orientações para Inscrição. Financiamento Estudantil FIES Faculdades EST Orientações para Inscrição Financiamento Estudantil FIES Faculdades EST 2014 Financiamento Estudantil - FIES É um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação de estudantes regularmente

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Brasileira. Fábio Lotti, Larissa Ferreira, Letícia Zacarin, Rafaela de Castro, Lucas Messa

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Brasileira. Fábio Lotti, Larissa Ferreira, Letícia Zacarin, Rafaela de Castro, Lucas Messa Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Brasileira Grupo: Fábio Lotti, Larissa Ferreira, Letícia Zacarin, Rafaela de Castro, Lucas Messa 1.Compare o PNE 2001/2010 com o projeto (estrutura do documento,

Leia mais

Semelhanças e diferenças entre o SAEB e a Prova Brasil.(Acesse o SOLAR)

Semelhanças e diferenças entre o SAEB e a Prova Brasil.(Acesse o SOLAR) Aula 03: Política educacional. Gestão educacional. Financiamento da Educação. Avaliação do sistema escolar brasileiro Tópico 04: Avaliação do sistema escolar brasileiro No contexto educacional, compreende-se,

Leia mais

CARTA DE GOIÂNIA - GO

CARTA DE GOIÂNIA - GO CARTA DE GOIÂNIA - GO Nos dias 8 e 9 de junho de 2011, em Goiânia, foi realizado o III Encontro Regional dos Fóruns Estaduais de Educação Infantil da Região Centro-Oeste, com a temática Educação Infantil:

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE EDUCACIONAL

LEI DE RESPONSABILIDADE EDUCACIONAL Câmara dos Deputados Audiência Pública LEI DE RESPONSABILIDADE EDUCACIONAL Prof. João Ferreira de Oliveira - UFG joao.jferreira@gmail.com Representando: ANPEd e ANFOPE - Associação Científica Fundada em

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NO PERÍODO DE 2007 A 2013

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NO PERÍODO DE 2007 A 2013 00211 A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NO PERÍODO DE 2007 A 2013 Resumo: Marileide Gonçalves França Rosângela Gavioli Prieto (Orientadora) Universidade de São Paulo A última década tem se

Leia mais

2ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena CNEEI

2ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena CNEEI 2ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena CNEEI Atividades da Coordenação Geral de Educação Escolar Indígena 18.11.2014 TERRITÓRIOS ETNOEDUCACIONAIS Pactuação de 02 TEEs TEE

Leia mais

Programa Nacional de Educação do Campo PRONACAMPO. Ministério da Educação. Março de Ministério da Educação

Programa Nacional de Educação do Campo PRONACAMPO. Ministério da Educação. Março de Ministério da Educação Programa Nacional de do Campo PRONACAMPO Março de 2012 Acesso à Básica no Campo Taxas de atendimento Infantil /Creche 6,98% Infantil/Pré-Escola 66,80% Ensino Fundamental 91,96% Ensino Médio 18,43% EJA

Leia mais

I Mostra de pesquisa em Direito Civil Constitucionalizado UNISC 2014

I Mostra de pesquisa em Direito Civil Constitucionalizado UNISC 2014 Ana Paula Zarth 1 Magali Peres de Camargo 2 O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES PRIVADAS DE ENSINO SUPERIOR NA EFETIVAÇÃO DO DIREITO FUNDAMENTAL À EDUCAÇÃO O presente resumo trata-se de uma análise em relação à contribuição

Leia mais

Diagnóstico da Educação Básica no Ceará Secretaria de Estado da Educação

Diagnóstico da Educação Básica no Ceará Secretaria de Estado da Educação Diagnóstico da Educação Básica no Ceará Secretaria de Estado da Educação Armando Simões Secretário Adjunto Fortaleza, 09 de Junho de 2015 Plano Nacional de Educação O Plano Nacional de Educação, aprovado

Leia mais