CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS UNIFEB ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS UNIFEB ENGENHARIA DE PRODUÇÃO"

Transcrição

1 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS UNIFEB ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO NO GERENCIAMENTO DE ESTOQUES UM ESTUDO DE CASO KIMIKO LUISA IWANO PRISCILA HARUMI JOHO Barretos - SP 2013

2 2 KIMIKO LUISA IWANO PRISCILA HARUMI JOHO SISTEMA INTEGRADO NO GERENCIAMENTO DE ESTOQUES UM ESTUDO DE CASO Trabalho de Conclusão de Curso TCC apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de bacharel em Engenharia de Produção, do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos UNIFEB. Orientador: Prof. MS. Rhadler Herculani. Barretos - SP 2013

3 3 IWANO, Kimiko L. JOHO, Priscila H. SI no Gerenciamento de Estoques / Kimiko Luisa Iwano,, Priscila Harumi Joho. Barretos, p. Orientador: Prof. MS. Rhadler Herculani Monografia de Engenharia de Produção (conclusão de curso), Engenharia de Produção, Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos (UNIFEB). 1.Estoque 2.Sistema Integrado 3.Gerenciamento de estoques

4 4 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS- UNIFEB Kimiko Luisa Iwano Priscila Harumi Joho SISTEMA INTEGRADO NO GERENCIAMENTO DE ESTOQUES ESTUDO DE CASO Trabalho de Conclusão de Curso TCC apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Bacharel em Engenharia de Produção do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos UNIFEB. Data da Aprovação: / / BANCA EXAMINADORA Prof. MS. Rhadler Herculani Orientador / UNIFEB Prof. Dr. Geraldo Correa UNIFEB Prof. MS. Gilberto Domingues Junior UNIFEB

5 5 Dedico este trabalho aos meus filhos Camila e Vítor, pelo incentivo e compreensão, à minha mãe pelo apoio e aos professores e mestres que compartilharam seus conhecimentos. Kimiko Luisa Iwano Dedico este trabalho a minha família por acreditarem em minha competência e aos professores que compartilharam comigo os seus conhecimentos. Priscila Harumi Joho

6 6 AGRADECIMENTOS A realização deste trabalho só foi possível graças a colaboração direta e indireta de muitas pessoas. Agradecemos primeiramente à Deus, à todos os professores do curso de Engenharia de Produção e aos funcionários do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos UNIFEB. Manifestamos a nossa gratidão a todas elas e de forma particular ao Prof. Ms. Rhadler Herculani. Devemos afirmar que seu apoio foi imprescindível para a consecução deste estudo, acompanhando cada passo desta luta, nos incentivando em muitos momentos difíceis, além da indicação de fontes para pesquisa, orientação, paciência e sua confiança depositada neste trabalho. Aos amigos que conquistamos na I Turma de Engenharia de Produção do UNIFEB. Na empresa referente ao estudo de caso, aos proprietários que foram muito receptivos e aos colaboradores envolvidos no setor estudado, por terem dividido conosco um espaço que os pertence. A nossa eterna gratidão a todos.

7 7 Determine que algo pode e deve ser feito, e então você achará o caminho para fazê-lo Abraham Lincoln

8 8 RESUMO Este relatório trata de um estudo de caso realizado em uma empresa varejista de materiais para construção em geral, onde se identificou a necessidade de um controle de estoque, devido a dificuldade na localização, armazenagem e identificação dos produtos, desperdícios e avarias de materiais. Para atingir o objetivo proposto, primeiramente foi realizada uma revisão bibliográfica, levando em consideração os fatores que afetam o controle dos materiais. A seguir é apresentada a metodologia de implantação de um Sistema Integrado Para Gerenciamento De Estoques com o intuito de melhorar a produtividade do setor. Por fim, o estudo conclui a grande importância do planejamento e controle e materiais, enfatizando que o seu gerenciamento permanece influenciado por um bom sistema integrado. Palavras-chave: Estoque, Sistema Integrado, Gerenciamento de Estoques e Materiais.

9 9 ABSTRACT This report is a case study in a retailer of building materials in general, which identified the need for inventory control, due to the difficulty in locating, storage and identification of products, waste and failure of materials. To reach that goal, first was a literature review, taking into consideration the factors that affect the control of materials. The following is the methodology of implementation of an Integrated System for Inventory Management in order to improve the sector's productivity. Finally, the study concludes the importance of planning and control and materials, emphasizing that its management remains influenced by a good integrated. Keywords: Stock, Integrated, Inventory and Materials Management.

10 10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO Objetivo Geral Objetivo específico Justificativa Estrutura do Trabalho TEORIA DE GESTÃO DE ESTOQUES Gerenciamento de Estoques Etapas do Processo de Estocagem Necessidades dos Clientes Previsão de Demanda e Análise Reposição de Materiais e Recebimento Armazenamento e catalogação de materiais Expedição Alguns conceitos e técnicas de gestão de estoque Auditoria em Registros de Estoque Endereçamento e Código de Barras de Materiais Sistemas Integrado Sistema Integrado no Gerenciamento de Estoques METODOLOGIA Classificação da Pesquisa Roteiro de Entrevistas e Observações Coleta de Dados ESTUDO DE CASO: SISTEMA INTEGRADO NO GERENCIAMENTO DE ESTOQUES A empresa... 39

11 Organograma Organizacional Problemática Enfrentada Quanto ao armazenamento Quanto à movimentação Quanto aos materiais propriamente ditos Quanto aos colaboradores Consolidação do método proposto Estabelecer os objetivos Diagnóstico da situação Observar e analisar os dados obtidos do diagnóstico Instrumentos e Fontes de Pesquisa RESULTADOS E DISCUSSÃO Resultados Benefícios Alcançados Dificuldades Encontradas SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 57

12 12 INTRODUÇÃO Atualmente, pode-se afirmar que o nível de serviço prestado ao consumidor no final da cadeia tornou-se um fator determinante para o sucesso de qualquer empresa e um assunto de âmbito preocupante no meio empresarial. Uma visão do panorama mundial da situação de negócios mostra que o uso da tecnologia está sendo cada vez mais empregado pelas empresas na busca constante pela competitividade. Em todos os setores, a capacidade de planejar, gerenciar e distribuir as informações dos processos, com apoio da tecnologia, passa a ser um ponto estratégico e consequentemente o sucesso dos negócios. Em outro cenário, o desempenho da gestão de estoques tornou-se uma forma de redução de custos e aumento da qualidade de seus processos e serviços, ou seja, a otimização e racionalização dos estoques é uma grande oportunidade para as empresas conquistarem seus objetivos, consistindo numa menor aplicação de capital próprio para atender certa demanda de vendas, bem como uma perda menor nas vendas por falta de materiais em estoque. Neste contexto, será abordada a utilização de um Sistema Integrado (SI) como apoio para o gerenciamento de estoques devido à crescente variabilidade de produtos com diferentes padrões de demanda e características específicas, onde a complexidade na administração de materiais aumenta necessitando de um controle diferenciado. Com essa perspectiva, os principais objetivos deste projeto são, por um lado, evidenciar a necessidade dessa abordagem estratégica na gestão dos estoques (SI e o planejamento e controle dos estoques) e, por outro caminho, demonstrar os benefícios alcançados após sua implantação numa empresa comercial. O estudo foi desenvolvido numa empresa que comercializa materiais de construção onde através de visitas e a vivência de uma das autoras foi constatada uma grande dificuldade em se administrar os estoques, voltado para questão de organização. No contato com a empresa, os funcionários manifestavam a necessidade de se ter controle de estoque para que houvesse agilidade desde a compra, venda e entrega da mercadoria. A partir deste levantamento surgiu o

13 13 interesse em estudar a informatização com foco para o controle de estoques, afim de se implantar um projeto de melhoria. Objetivo Geral Este trabalho de conclusão aborda como tema principal, a implantação de um processo adequado para o gerenciamento de estoques com apoio de SI, numa empresa de materiais de construção. Objetivo específico Incluir um trabalho de melhoria no layout da armazenagem a fim de obter uma relação entre os métodos utilizados; Consolidar um procedimento para a utilização de uma sistemática de gerenciamento dos estoques proposta na literatura; Implantar o procedimento proposto. Justificativa O ambiente empresarial está sofrendo alterações de âmbito mundial. A transformação de economias e sociedades industriais em economias de serviços, baseadas no conhecimento e na informação é um fator relevante a ser considerado, seguido pela emergência da empresa digital. (LAUDON E LAUDON, 2011). A comercialização de materiais de construção está na base de uma importante cadeia de valor e suas ineficiências repercutem diretamente nos demais níveis dessa cadeia.

14 14 Por outro lado, administrar recursos e estoques tem sido atualmente preocupação dos gerentes, engenheiros, administradores e praticamente todas as pessoas ligadas direta ou indiretamente tanto na produção de bens tangíveis quanto na prestação de serviços. O estudo também se justifica sob o ponto de vista de seu objeto de aplicação. A empresa analisada é conceituada no mercado em que atua e apresenta-se em plena expansão regional, atuante desde Afirmam Martins e Alt (2010, p. 13), que alguns problemas enfrentados no manejo dos materiais por exemplo, excesso de produtos e falta de espaço para armazená-los levaram à criação das atuais tecnologias de administração de materiais. Assim, os estoques assumem papel ainda mais importante nas empresas, pois qualquer que seja a diminuição dos custos nestes processos, resulta na obtenção de uma vantagem competitiva, diminuindo assim o tempo de retorno sobre os investimentos e como consequência, gerando a oportunidade de melhorar seu desempenho atendendo prontamente, no momento e na quantidade desejada seus clientes. Logo, qualquer trabalho que venha cientificamente contribuir para melhoria da gestão de estoques também está contribuindo, em maior ou menor grau, na geração de benefícios à sociedade local. O presente projeto ajudará a consolidar a linha de pesquisa SI no gerenciamento de estoques com vista a elaborar o Trabalho de Conclusão de Curso. Estrutura do Trabalho Este trabalho está estruturado em forma de capítulos conforme segue: Introdução: Trata do cenário de realização da pesquisa onde evidencia as delimitações e a metodologia empregada. Na sequência é apresentado os objetivos e a justificativa para sua realização;

15 15 Capítulo 1: Revisão Bibliográfica Apresenta os fundamentos sobre o gerenciamento de estoques, destacando as etapas do processo de estocagem, divisão e a organização dos materiais. Além disso, aborda também um estudo sobre Sistema Integrado (SI) dentre outros termos necessários para o perfeito entendimento posterior da pesquisa; Capítulo 2: Metodologia Científica - Trata dos procedimentos necessários para proceder a pesquisa, limitando-se ao objeto de estudo, definindo as ferramentas para levantamento de dados e sua posterior análise, que tem como embasamento o referencial teórico apresentado no capítulo 1; Capítulo 3: Estudo de caso Descreve o ramo de atividade da empresa, em seguida será apresentada a pesquisa de campo para a coleta de dados e a tabulação; Capítulo 4: Resultados e Discussões Visa mostrar os resultados obtidos posteriores a adoção das medidas propostas demonstrando análise, dificuldades e confrontando a teoria e os resultados adquiridos com sua implantação; Capítulo 5: Sugestões para trabalhos futuros Apresenta sugestões para futuros trabalhos a serem realizados nesta área de estudo; Conclusões: Considerações finais oriundas do presente trabalho.

16 16 1 TEORIA DE GESTÃO DE ESTOQUES O objetivo desse capítulo é apresentar definições e conceitos relevantes para iniciar o entendimento sobre a abordagem do tema proposto. Para isso, os tópicos abordam uma breve explicação sobre a administração de estoques, a importância dos sistemas gerenciais e os conceitos de organização do trabalho, com algumas características intrínsecas e de mercado. 1.1 Gerenciamento de Estoques Nesta seção serão apresentadas definições, tipos e ferramentas utilizadas para um bom desempenho no gerenciamento de estoque, segundo alguns autores. De acordo com Slack, Chambers e Johnston (2002), esse conceito originou-se na função de compras em empresas que compreenderam a importância de integrar o fluxo de materiais e suas funções de suporte, tanto por meio do negócio, como por meio do fornecimento aos clientes imediatos. O armazenamento de materiais existe devido um desequilíbrio entre fornecimento e demanda, foi a partir deste acúmulo de materiais que surgiu a necessidade do gerenciamento adequado dos materiais. Para Arnold (1999) os estoques são materiais e suprimentos que uma empresa mantém de acordo com sua finalidade, seja para vendas, fornecimento ou próprio consumo. No nosso caso, será abordado o estoque de produtos acabados, prontos para serem comercializados para vendas. Segundo Messias (1989) a administração de materiais tem por finalidade assegurar o contínuo abastecimento de artigos próprios, necessários e capazes de atender aos serviços executados por uma empresa. Devendo processar em conformidade com as estratégias da empresa e com todas as atividades envolvidas como compras, transporte, armazenagem, conservação, manipulação e controle de estoques. O gerenciamento de estoques se dá como uma sistemática de coordenação estratégica de materiais, a fim de melhorar o desempenho a longo

17 17 prazo, tanto para a empresa individualmente quanto para toda cadeia de suprimentos. (GONÇALVES E SCHWEMBER, 1979). Nesta situação, normalmente existe uma grande gama de produtos no mercado, de forma que quando um varejista não possui disponível no momento desejado pelo cliente, este pode, sem custos significativos, dirigir-se ao concorrente, caracterizando a situação conhecida como perda de venda. Diante disso, está a importância em se administrar cuidadosamente os estoques. (BIAZZI, 1993). Nas palavras de Martins e Alt (2010, p. 04): Administrar recursos materiais tem sido a preocupação dos gerentes, engenheiros, administradores e praticamente todas as pessoas diretamente ou indiretamente ligadas às atividades produtivas, tanto na produção de bens tangíveis quanto na prestação de serviço. O controle de estoque é visto pelas empresas como um recurso produtivo que no final da cadeia de suprimentos criará valor para o consumidor final e trará uma vantagem competitiva em relação aos seus concorrentes. O gerenciamento de estoques como visto pelos autores acima, é uma forma de administrar os materiais, maximizando processos dentro de suas cadeias e minimizando os custos referente ao armazenamento, desempenho, disponibilidade e atendimento aos clientes. Contudo, com o avanço da tecnologia, o modo de se conduzir esse gerenciamento foi bastante alterado, apesar do fato das constantes mudanças globais essa metodologia continua fazendo parte do meio empresarial, ocupando papel importante na determinação da lucratividade envolvendo não só o trabalho humano, mas também a gestão dos processos apoiado na tecnologia, resultando em algumas adaptações as quais serão analisadas nos próximos tópicos. 1.2 Etapas do Processo de Estocagem O armazenamento dos materiais consiste na alocação adequada dos produtos, de modo a garantir uma rápida localização, a manutenção eficiente dos níveis de reposição e para que a entrega seja facilitada, em outras palavras visa atender a demanda instantaneamente, com qualidade e sem desperdícios.

18 18 As empresas trabalham com materiais de diferentes características que necessitam ser administrados e armazenados de acordo com suas finalidades e funções. (TUBINO, 2009). O gerenciamento dos estoques deve ser considerado como um sistema completo. As etapas do processo podem ser assim descritas de forma resumida conforme Figura 1. Necessidade do Cliente Expedição Análise Armazenamento Reposição dos Materiais Recebiment o Figura 1: Ciclo da administração de materiais. Fonte: Martins e Laugeni (2006, p. 262) A utilização dos indicadores varia em função da indústria, da complexidade de produtos, do comportamento do mercado e da gestão de estoques da empresa (RODRIGUES, 2008). Para Arnold (1999), a administração da empresa deve estabelecer regras de decisão coerentes aos níveis de estoques respeitando cada etapa do ciclo, de modo que as pessoas responsáveis pelo controle possam desempenhar suas

19 19 funções com eficiência, incluindo a priorização de cada item particular, como estes itens devem ser controlados, quanto pedir de cada vez e quando emitir uma ordem de compra. Dentro da cadeia produtiva, desde a produção de bens até a prestação de serviço, o modo como é conduzido o gerenciamento dos estoques possui sua importância ampliada em razão das repercussões macroeconômicas, já mencionadas e de suas consequências dentro de uma organização. Portanto, estudos consideram que administrar este tipo de setor necessita fornecer o nível requerido de serviços ao consumidor, ou seja, buscar os objetivos dos serviços aos clientes e maximizar a utilização dos recursos da empresa Necessidades dos Clientes O processo de reposição do material se inicia com a identificação da demanda de um cliente. O órgão responsável pelo planejamento e controle de materiais verifica se existe estoque do material e se o mesmo deve ser comprado de imediato caso o cliente concorde com o lead time ou tempo para reposição. (MARTINS E LAUGENI, 2006). Neste sentido, após a análise das necessidades dos clientes é necessário desenvolver um planejamento e análise de reposição juntamente com uma previsão de demanda, permitindo as pessoas responsáveis destes sistemas uma projeção futura do consumo e planejem adequadamente suas ações. Contudo, apesar do avanço dos recursos computacionais e da sofisticação matemática das técnicas de projeção, a previsão da demanda dos produtos não é uma ciência exata, envolvendo experiência e julgamento pessoal do planejador. (TUBINO, 2009).

20 Previsão de Demanda e Análise Para Ching (2010) o intuito da previsão de demanda é manter os níveis de estoque proporcionais ao consumo se baseando no lead-time (tempo de ressuprimento do material), provisionar a demanda do item em período fixo e determinar o período de segurança, contudo a definição desta previsão tem seus riscos associados, sendo um assunto crítico para todo planejamento empresarial. As previsões de consumo podem ser determinadas através de estatísticas e previsões reformuladas pelo usuário. O método estatístico é realizado com o apoio de um SI onde são calculadas n períodos anteriores usando técnicas de previsões quantitativas. Porém, quando os dados históricos são insuficientes (produto novo) a reformulação das previsões é feita pelo usuário (opinião e julgamento de pessoas chave), utilizando método qualitativo, onde analisará as condições futuras esperadas de saídas e consumo com base em suas experiências. (GONÇALVES E SCHWEMBER, 1979). Além disso, para Tubino (2009) as técnicas qualitativas podem ser empregadas também quando não se dispõem de tempo suficiente para coletar e analisar os dados da demanda passada, devido ser considerada um método mais rápido de se preparar. Por outro lado, as técnicas quantitativas consistem em analisar os dados passados, relacionando os dados históricos do produto com o tempo e empregando modelos matemáticos para projetar a demanda futura. Segundo Gonçalves e Schwember (1979) as acumulações de estoque pode ser divida em três tipos. Materiais com defeito, ou seja, aqueles cujo apresentaram defeitos de fabricação e materiais avariados devido manuseio incorreto e mau armazenamento; Avanços tecnológicos, contemplam materiais em bom estado, porém não serão utilizados no futuro, devido a mudanças tecnológicas; Materiais em excesso em bom estado, onde não se pode prever a utilização imediata.

21 21 Contudo, faz-se necessário salientar que qualquer que seja o método de previsão adotado, não é uma ciência exata, muitas vezes não é possível prever mudanças bruscas na demanda, ocasionando acumulações de estoque quando o consumo projetado é acima do ocorrido Reposição de Materiais e Recebimento Para Martins e Laugeni (2006), a reposição de materiais é realizada pelo setor de compras da empresa. As principais etapas do processo de compra são a seleção e avaliação dos fornecedores, emissão do pedido e acompanhamento de entrega. É necessário identificar possíveis fornecedores, agrupar itens a serem supridos pelo mesmo fornecedor, avaliar as condições de qualidade (financeiras, de produtos e na confiabilidade de entrega) e analisar a possibilidade de contratos de abastecimento de médio e longo prazo, procurando estabelecer parcerias. Os mesmos autores destacam que o recebimento tem início quando o material chega nas dependências da empresa, onde o órgão encarregado deverá verificar o pedido de compra que originou a entrega e conferir informações como quantidade, preço unitários e totais e outros elementos contábeis e fiscais da nota fiscal que acompanha o material Armazenamento e catalogação de materiais O sistema, ou combinação de sistema de armazenamento, a ser abordado depende da política da empresa, o que implica no tipo de produto estocado, instalações e estrutura, processamento de dados e o tamanho do lote de cada material. Qualquer que seja o sistema adotado, os administradores devem manter um estoque de segurança e um estoque de trabalho suficiente com o intuito de oferecer o nível exigido de atendimento aos clientes, manter um controle dos itens de modo que possam ser facilmente encontrados e reduzir o esforço total necessário para receber, armazenar e retirar os produtos. (ARNOLD, 1999).

22 22 De acordo com Messias (1989) os materiais constantes no depósito para serem facilmente identificados e localizados, devem estar arrolados ou catalogados segundo suas características semelhantes ou não, sem, contudo, ocasionar confusão ou dispersão no espaço de alteração na qualidade, em virtude de contatos com outros materiais de fácil decomposição, combustão, deterioração, etc. Arnold (1999) lista alguns sistemas básicos de localização de estoques: Agrupar itens funcionalmente relacionados, ou seja, realizar a separação dos materiais por grupo de funções e finalidade, facilitando a familiaridade com as localizações dos itens; Agrupar os itens de giro rápido, referente aqueles de maior preferência e rotatividade, são colocados perto da área de expedição. Agrupar itens fisicamente semelhantes, geralmente alguns tipos de materiais exigem suas próprias instalações de armazenamento e seu manuseio adequado. Colocar o estoque de trabalho e o estoque de reserva em locais separados, ou seja, trabalhar apenas com uma pequena quantidade de estoque de trabalho, enquanto o estoque de reserva é utilizado para repor o estoque de trabalho podendo ser colocado em um ponto mais remoto. O controle de armazenamento de materiais pode garantir que as necessidades dos clientes possam ser atendidas, podendo equilibrar esse objetivo com a necessidade financeira do varejista em manter o mínimo de estoque possível Expedição De acordo com Christopher (2011) a expedição é uma atividade ligada a área de estocagem que inclui as seguintes tarefas:

23 23 Verificar se o pedido do cliente está pronto para ser expedido, na quantidade correta e embalado adequadamente; Preparar os documentos da remessa (informações relativas ao produto e local que serão enviados, incluindo nota fiscal, destinatário e transportadora); Pesagem, para determinar os custos de envio da mercadoria; Juntar as encomendas por transportadora; Carregar os caminhões. 1.3 Alguns conceitos e técnicas de gestão de estoque Neste tópico não será considerado as questões relacionadas a aquisição de materiais, previsão de compras e vendas, custos associados a estoques, previsão de incertezas, gerenciamento da demanda, a manutenção dos arquivos de controle, lotes de reposição, custos de movimentação de materiais etc., visto que estas atividades são mais afeitas à área de suprimentos e logística das empresas. Será apresentado um breve estudo sobre alguns conceitos e técnicas de controle de gerenciamento de estoques. Just in Time (JIT): visa atender a demanda instantaneamente, com qualidade e sem desperdícios, possibilitando o fornecimento da quantidade necessária de componentes e utilizando o mínimo de recursos. (CHING, 2010). Curva ABC: ferramenta útil para diagnóstico das características de demanda que se tem para administrar, conhecida também como curva de Pareto, baseada no princípio de que cada produto deve ser classificado de acordo com seus requisitos, onde nem todos os itens têm a mesma importância e a atenção deve ser dada para os mais significativos. (ARNOLD, 1999; CHING, 2010). Modelo baseado no ponto de pedido: consistem em estabelecer uma quantidade de itens em estoque, chamada de ponto de pedido ou de

24 24 reposição, que quando atingida dá partida ao processo de reposição do item em uma quantidade pré-estabelecida. O tempo de espera para ressuprir os estoques é o chamado lead time. (TUBINO, 2009). 1.4 Auditoria em Registros de Estoque Um sistema de gerenciamento nunca pode ser considerado livre de falhas, pois erros acontecem e dever ser detectados, de modo que a precisão dos registros dos materiais se mantenha na qualidade desejada. Uma forma adotada pelas empresas para reduzir falhas nos estoques é a utilização de controles de entradas e saídas, ajustando as contagens físicas através de inventários, ou seja, é confrontado um determinado período de entradas de materiais, que somado ao estoque físico atual obtém-se o volume de estoque teórico atual. (SOUZA, 2009). O controle de inventário é importante para garantir a qualidade nos processos de empresas que lidam com transações que giram em torno de bens de consumo. Sem um controle de estoque adequado, uma grande loja de varejo pode ficar sem estoque de um item importante. Porém, com um sistema de controle eficaz o mesmo é capaz de alertar quando é o momento certo da reposição e ajuda a minimizar o risco de erro e divergências entre as projeções numéricas do sistema com os estoques físicos. Segundo Messias (1989) este método permite aos gerentes e administradores o acompanhamento a curto prazo da exatidão dos seus estoques, propiciando ao profissional uma vigilância sobre o controle dos mínimos e máximos, bem como sob o bom estado e segurança dos materiais, facilitando a apuração do inventário físico para efeitos fiscais. Por outro lado, um inventário mal administrado significa clientes decepcionados, custos elevados de estocagem e vendas mais lentas. Para Arnold (1999), há dois métodos para se verificar a precisão dos registros, através de um inventário periódico (geralmente anual) de todos os itens cujo, os resultados demonstram na questão financeira, a representatividade do valor do estoque em dinheiro e para o planejamento, uma proposta para corrigir quaisquer

25 25 imprecisões nos registros; e através do método de contagens cíclicas (geralmente diárias) incluindo apenas determinados tipos de itens, onde consiste na programação predeterminada da contagem, uma particularidade é que dependendo do grau de importância do material, o mesmo pode ser contado durante várias vezes ao ano. A Figura 2 mostra as diferenças entre os dois métodos. CONTAGEM CÍCLICA Surgiu para apoio do inventário anual Contagem apenas de determinado itens Detecção e correção de problema a tempo Reduz e elimina perdas Treinamento pessoal para o inventário periódico INVENTÁRIO PERIÓDICO (ANUAL) Empresa necessita estar fechada Contagem geral do estoque Necessário arrumação Identificação de todos os materiais Pessoas instruídas e treinadas Trabalho burocrático desgastante Demanda grande quantidade de tempo e custo de pessoal Figura 2: Diferenças de Contagem Cíclica e Inventário Periódico. Fonte: Arnold (1999). De acordo com Arnold (1999) o principal objetivo do inventário é assegurar que as quantidades físicas ou existentes nos estoques estejam de acordo com as listagens e os relatórios de controle, uma vez que esses dados são transmitidos para a área de suprimentos, contábil e fiscal da empresa e também para o sistema computadorizado MRP¹, ERP² 1 e similares, que somente 1 MRP = Manufacturing Resource Planning (Planejamento dos Recursos de Manufatura) ² ERP = Enterprise Resource Planning (São sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema.)

26 26 apresentarão cálculos corretos da quantidade necessária de materiais se os níveis dos estoques estiverem corretos. É necessário examinar as notas de entradas e saídas, as requisições de compras e as fichas pertencentes ao setor de duplo controle e comparar os registros de estoques com as quantidades físicas do mesmo. (MESSIAS, 1989). Um fator importante para a busca da eficácia de um sistema de estocagem é a precisão do registro de estoque, responsável por regular a margem de segurança de cada item, liberação de pedidos de compras com base na disponibilidade dos materiais e análises de planejamento e controle. Caso contrário, se os registros não forem precisos ocorrerá constantemente falta de materiais, duplicidade de pedidos/solicitações de compras, perda de vendas, entregas atrasadas e excesso de estoque sem a real necessidade. Desta forma, três informações devem ser tratadas de forma isolada: a descrição da peça (número da peça), a quantidade e a localização dos materiais permitindo as empresas a operar um sistema eficaz, mantendo um nível satisfatório de atendimento aos clientes, permitindo sempre confiar nos dados de disponibilidade dos materiais do sistema, operar com eficácia e eficiência possuindo a garantia de que as peças estarão disponíveis e analisar, planejar e monitorar os estoques. (ARNOLD, 1999). 1.5 Endereçamento e Código de Barras de Materiais Para uma estocagem e uma recuperação adequada dos materiais, é necessário a identificação dos locais onde serão armazenados e sua nomenclatura cadastrada do sistema, conforme já citamos anteriormente. Existem várias formas para o endereçamento físico dos materiais, os métodos mais frequentemente adotados, consiste em seguir um plano metódico e sistemático que se dá através da divisão em grupo ou famílias, subgrupos, classes, números sequenciais e dígitos de auto controle. Para prateleiras e corredores é

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO Sistema de gestão ERP GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy?

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy? Por que a sua empresa merece Quem somos? A Otimizy Sistemas Inteligentes é a desenvolvedora do software ErpSoft, um Sistema de Gestão Empresarial voltado a resultados, que automatiza processos operacionais

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE

PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE Marcelo Coelho de Sousa (UNAMA) marcelocsousa@yahoo.com.br

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE EM UMA EMPRESA DA CIDADE DE MOSSORÓ RN

GESTÃO DE ESTOQUE: ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE EM UMA EMPRESA DA CIDADE DE MOSSORÓ RN 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 GESTÃO DE ESTOQUE: ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE EM UMA EMPRESA DA CIDADE DE MOSSORÓ RN Cícero Eriberto da Silva 1, Hudson do Vale de Oliveira 2,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

Sistemas de Informações. Daniel Gondim

Sistemas de Informações. Daniel Gondim Sistemas de Informações Daniel Gondim Roteiro da Aula SPT Sistema de Processamento de Transações Visão geral; métodos e objetivos Atividades no processamento de transações Controle de Administração Aplicações

Leia mais

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa)

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

ESTUDO DA GESTÃO DE ESTOQUE DE UMA EMPRESA DO SETOR DE SANEAMENTO

ESTUDO DA GESTÃO DE ESTOQUE DE UMA EMPRESA DO SETOR DE SANEAMENTO ESTUDO DA GESTÃO DE ESTOQUE DE UMA EMPRESA DO SETOR DE SANEAMENTO Adilson MENESIS 1; Aline Martins, CHAVES 2 ; Josiane Maria ALVES 3 ; Patrícia Carvalho, CAMPOS 4 1 Estudante Administração. Instituto Feral

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DISCIPLINA Aplicações de Sistemas de Prof. Wagner Däumichen Barrella Aplicações de Sistemas de Vínculo Administração-Tecnologia Administração e Tecnologia Revolução

Leia mais

Estudo de Caso Lojas Novo Mundo

Estudo de Caso Lojas Novo Mundo UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB Administração de Recursos Materiais ARM 2/2010 Professor: Guillermo Asper J06 - OS FLUXOS ASSOCIADOS AO TIPO DE GESTÃO DE ESTOQUE: Estudo de Caso Lojas Novo Mundo Grupo 14D

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning

ERP Enterprise Resourse Planning Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC Bacharelado em Sistemas de Informação 2B Fundamentos de Sistemas de Informação Professor: Paulo de Tarso ERP Enterprise Resourse Planning Alexandre

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Logística Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Logística. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES Capítulo 1 - Página 28 - Questões de revisão 1.2 O que é exatamente um sistema

Leia mais

6 Implantação do WMS na Empresa Alfa

6 Implantação do WMS na Empresa Alfa 6 Implantação do WMS na Empresa Alfa Dando continuidade ao estudo de caso sobre a implantação do WMS no CD da Empresa Alfa, este capítulo possui quatro objetivos: o primeiro é fazer uma breve descrição

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais.

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais. Fenícia Gestão ERP Introdução O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua robustez aliada ao alto grau de tecnologia e conhecimento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Identificar as oportunidades de mercado. Realizar análise de mercado. Elaborar previsão de vendas. Utilizar instrumentos de marketing.

Identificar as oportunidades de mercado. Realizar análise de mercado. Elaborar previsão de vendas. Utilizar instrumentos de marketing. : Técnico em Administração Descrição do Perfil Profissional: Identificar, interpretar, analisar fundamentos, conteúdos, sentidos e importância do planejamento na Gestão Mercadológica, Administrativo-Financeira,

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

Sistema de gestão ERP. erp

Sistema de gestão ERP. erp Sistema de gestão ERP erp Módulos e Clientes Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. erp área comercial área administrativa financeira área produção e suprimentos área

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

SIE - Sistemas de Informação Empresarial. Transação. Fontes: O Brien e Associação Educacional Dom Bosco

SIE - Sistemas de Informação Empresarial. Transação. Fontes: O Brien e Associação Educacional Dom Bosco SIE - Sistemas de Informação Empresarial SPT Sistemas de Processamento de Transação Fontes: O Brien e Associação Educacional Dom Bosco Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa O Brien [ Problema Organizacional

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO.

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE

Leia mais

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa Sistemas de Informação 2 1. Fundamentos dos Sistemas de Informação Antes de começar a discutir os sistemas de informação precisamos definir e entender

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais