Associação Nacional de Juizes de Basquetebol Rua Latino Coelho, 83-3º F Lisboa D E

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Associação Nacional de Juizes de Basquetebol Rua Latino Coelho, 83-3º F Lisboa D E"

Transcrição

1 P L A N O D E A C T I V I D A D E S Assembleia Geral 28 de Maio de 2002

2 INTRODUÇÃO A exemplo de anos anteriores, o Plano Anual de Actividades para 2002, consubstancia um conjunto de iniciativas que se reiteram no tempo por se considerarem indispensáveis e de programação anual, fazendo ênfase naquelas que pela sua própria natureza consagram a razão de ser da própria Associação. Assim, e analisando as grandes áreas de intervenção, propõe-se a Direcção levar a efeito as seguintes iniciativas: Formação; Relacionamento institucional; Actividade associativa. 1. FORMAÇÂO A exemplo de anos anteriores, e continuando a reconhecer-se toda a sua actualidade, realizar-se-ão os Clinic s para Jovens Juízes e o Clinic Internacional. 1.1 VIIIº Clinic Jovem Juiz Correspondendo à vontade dos sócios de descentralizar a realização dos cliniques e face à iniciativa do Núcleo Regional de Braga, decorreu nos passados dias de 26 a 28 de Março na Póvoa do Lanhoso o VIIIº Clinic Jovem Juiz, tendo participado 38 juizes de 8 distintas regiões do País. Assim, estiveram presentes juizes das Associações de Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Castelo Branco, Leiria, Lisboa e Setúbal. Do programa é de destacar a componente da formação prática, tendo sido utilizados meios audiovisuais que permitiram a filmagem de jogo e posterior análise do trabalho desenvolvido. A importância desta acção continua a ser reconhecida pelos associados, pois sendo a inscrição livre e aberta a todos os juizes menores de 21 amos de idade, para a esmagadora maioria tratase da primeira acção de nível nacional em que participam.

3 1.2 XI Clinic Internacional Esta é também uma acção determinante do nosso Plano Anual de Actividades, pois consagra a realização em Portugal do único grande fórum da arbitragem e no qual tem participado um Técnico de Arbitragem de reconhecido mérito internacional. Este ano propõe-se que, de novo, seja convidado um prelector estrangeiro, sendo a limitação da língua inglesa ultrapassada com o recurso a documentação de suporte ou a meios de tradução simultânea que sejam suportáveis pelo orçamento previsto e os meios disponíveis. Até ao momento, o Núcleo Regional de Coimbra, mostrou-se interessado na realização desta acção na sua Região, mais concretamente na Figueira da Foz, pelo que este ano aquele evento irá decorrer naquela cidade. Correspondendo ao desejo expresso pelos associados no último clinic, iremos realizar inserido nesta acção uma Assembleia Geral, dando assim mais uma oportunidade de todos os associados debaterem, no lugar próprio, questões relevantes da nossa vida associativa, da arbitragem e do Basquetebol em geral. 2. RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL - F.P.B. / L.C.B. Pensamos que enquanto agentes da modalidade a intervenção da ANJB junto de qualquer estrutura institucional desportiva ou de qualquer outra natureza, deverá continuar a pautar-se por uma atitude critica valorativa, de discussão das questões fundamentais para o desenvolvimento da arbitragem e da carreira de juiz de basquetebol. Neste sentido, e no que concerne ao diálogo com a F.P.B. o maior ênfase tem sido dado na análise e parecer de todos os documentos relativos a arbitragem, bem como no reiterar sistemático da necessidade de uma nova visão para a captação e formação de novos juizes e uma estrutura técnica qualificada para o sector da arbitragem Nas várias reuniões efectuadas, as propostas feitas pela ANJB, se bem que genericamente aceites, nem sempre têm merecido concretização prática, pelo que continuaremos a pugnar pelas alterações estruturais que temos por absolutamente necessárias e sem as quais qualquer outra iniciativa ou se enquadra no modus vivendi ou será condenada ao insucesso. Entendemos que não é um problema de dinheiro, mas de estruturas e de uma nova e criadora visão da arbitragem do basquetebol. Irá também ser analisado o seguro desportivo dos juizes, no sentido de avaliar da possibilidade de renegociar a melhoria das condições particulares tendo em vista uma melhor salvaguarda dos legítimos interesses dos associados. No que concerne à L.C.B., e tendo presente o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela Comissão Especifica para a Competição Profissional, temos mantido um diálogo permanente com o Presidente da Comissão de Arbitragem, abordando-se algumas questões relacionadas com a necessidade de promover uma renovação equilibrada e continua dos quadros, tendo em consideração as legitimas expectativas de todos os juizes, bem como a necessidade de criar novas formas de motivação, essencialmente para os Oficiais de Mesa.

4 Por outro lado iremos reforçar a nossa total disponibilidade para, quando a L.C.B. tiver por oportuno, se definir com clareza o estatuto de exclusividade dos juizes da L.C.B., tendo já a Direcção da A.N.J.B. tentado dar um primeiro e decisivo passo aquando da resposta dada ao pedido de análise feito pela Direcção da F.P.B. à proposta de Protocolo a celebrar entre a L.C.B. e a F.P.B. Nem sempre tudo é como desejamos, mas não é por falta de iniciativa da Direcção da A.N.J.B. que outras medidas não são implementadas. 3. ACTIVIDADE ASSOCIATIVA A Direcção continuará a prosseguir uma política de diálogo permanente com todos os associados quer através do site, cuja dinâmica crescente é manifesta, quer acompanhando todas as actividades formativas desenvolvidas, quer ainda através da Comissão Especifica para a Competição Profissional e, fundamentalmente, os Núcleos Regionais. Por outro lado, e apesar da existência do site da ANJB, far-se-á um esforço de informação no sentido de, periodicamente, ser remetido a todos os sócios um resumo de toda a matéria noticiosa divulgada no site. Durante o ano vai a Direcção, estar presente em todas as acções de formação, bem como promover e insistir na constituição e participação dos Núcleos Regionais. Mais uma vez, vai-se desenvolver uma campanha junto de todos os juízes inscritos na F.P.B., de forma a que se tornem sócios da ANJB. No âmbito do XI Clinic Internacional e indo ao encontro do desejo manifestado por alguns associados no último clinic, será agendada uma Assembleia Geral da ANJB. 4. PLANO ORÇAMENTAL Anexa-se o orçamento para as actividades a desenvolver previstas neste Plano de Actividades, referindo-se que no que concerne aos cliniques apenas são orçados os custos a suportar integralmente pela ANJB, sendo certo que nas contas a apresentar serão contabilizados todos os custos e todas as receitas. Quanto às outras fontes de receita é de referir As fontes de receita da associação que, a par dos apoios institucionais a solicitar, terão que suportar toda a despesa inerente às acções a realizar, estão previsivelmente asseguradas, tendo que ser desenvolvido um grande esforço de sensibilização junto dos sócios para a necessidade do pagamento atempado das respectivas quotas O Presidente da Direcção, (Valdemar Cabral)

5 ORÇAMENTO Proveitos e Ganhos DESPESAS Funcionamento e Serviços Externos 1.500,00 Quotas 6.000,00 Rendas 2,600,00 Créditos 4.739,00 Comunicações 1.250,00 Deslocações e Estadas ,00 Subsídios 7.480,00 Clinic Internacional 8.000,00 Apoio Formação LCB ,00 Clinic Jovem 2.200,00 Outras 1.300'00 Seguros 100,00 Publicidade e Markting 2.550,00 Trabalhos especializados (site e video) 500,00 Outros fornecimentos e serviços 175,00 Investimento 1.250, , ,00 Resultado líquido do exercício ,00

Associação Nacional de Juizes de Basquetebol Rua Latino Coelho, 83-3º F Lisboa URL:

Associação Nacional de Juizes de Basquetebol Rua Latino Coelho, 83-3º F Lisboa URL: P L A N O D E A C T I V I D A D E S 2 0 0 3 Aprovado em Assembleia Geral realizada em 31 de Março de 2003 INTRODUÇÃO O Plano de Actividades para 2003, não pode deixar de manter o seu grande ênfase em três

Leia mais

Associação Nacional de Juízes de Basquetebol Rua Latino Coelho, 83-3º E Lisboa Portugal. 28 de Maio de 2002

Associação Nacional de Juízes de Basquetebol Rua Latino Coelho, 83-3º E Lisboa Portugal. 28 de Maio de 2002 Relatório e Contas 2 0 0 1 Assembleia Geral 28 de Maio de 2002 1. Introdução Terminado mais um ano de exercício, é com regozijo que a Direcção verifica e realça que todos os compromissos assumidos no Plano

Leia mais

plano de actividades e orçamento

plano de actividades e orçamento Instituição de Utilidade Publica Medalha de Bons Serviços Desportivos 1984 2010 plano de actividades e orçamento PLANO DE ACTIVIDADES - 2010 INTRODUÇÃO O Presidente e a Direcção da Associação de Natação

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BILHAR PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2012 1 PLANO DE ACTIVIDADES 2012 São ainda uma incógnita as repercussões que terá na modalidade a recessão que se avizinha para o ano de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 II. PLANO DE ACTIVIDADES 4 2.1. FORMAÇÃO 4 2.1.1. Mestrado em Reabilitação Psicossocial Especialidade em Perturbação Mental 4 2.1.2.Publicação

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE REMO CONSELHO DE ARBITRAGEM PLANO DE ACÇÃO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE REMO CONSELHO DE ARBITRAGEM PLANO DE ACÇÃO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE REMO CONSELHO DE ARBITRAGEM PLANO DE ACÇÃO 2013-2016 A análise efectuada ao sector da arbitragem da Federação Portuguesa de Remo (FPR) deixa antever algumas dificuldades para o

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIGAÇÃO EM CANCRO PARA 2016

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIGAÇÃO EM CANCRO PARA 2016 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIGAÇÃO EM CANCRO PARA 2016 1. NOTA INTRODUTÓRIA 1.1.Missão A ASPIC, Associação Portuguesa de Investigação em Cancro, tem como objectivo

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES ORÇAMENTO EXERCÍCIO DE 2017 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE

PLANO DE ACTIVIDADES ORÇAMENTO EXERCÍCIO DE 2017 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2017 DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE 1. INTRODUÇÃO No âmbito das suas competências estatutárias, a Direcção da Federação Portuguesa de Bridge (FPB) elaborou

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2015

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2015 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2015 Instituição de Utilidade Pública Desportiva Membro do Comité Olímpico Português Membro da Confederação do Desporto de Portugal Filiada na Union Mondiale de Billard

Leia mais

Centro de Cultura e Desporto dos Trabalhadores do Município de Ponte de Lima PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO

Centro de Cultura e Desporto dos Trabalhadores do Município de Ponte de Lima PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 MISSÃO 2016 Continuar a reforçar a imagem do CCD enquanto instituição cultural e desportiva Melhorar a qualidade dos serviços prestados Promover ações de carácter cultural,

Leia mais

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010 AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR Instituto de Seguros de Portugal 18 de Novembro de 2010 1 ÍNDICE 1. O INTERESSE DO CONSUMIDOR NA ACTUAÇÃO DO ISP 2. INICIATIVAS

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Estudantes Sociais-Democratas) Os Estudantes Sociais-Democratas (adiante designados por ESD) são a estrutura sectorial

Leia mais

CNM - Clube Nacional de Montanhismo Departamento de Montanhismo. Projecto de Regulamento do Departamento INDICE

CNM - Clube Nacional de Montanhismo Departamento de Montanhismo. Projecto de Regulamento do Departamento INDICE INDICE CAPITULO I Objectivos do Departamento CAPITULO II Estrutura do Departamento de Montanhismo - SECÇÃO I Assembleia de Montanheiros - SECÇÃO II Direcção do Departamento - SECÇÃO III Conselho Técnico

Leia mais

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80 APM - Custos e Proveitos - Exercício de 2007 QUOTAS RECEITAS QUOTIZAÇÕES 123.798,80 123.798,80 SUBSÍDIOS CENTRO DE FORMAÇÃO 19.413,99 ENCONTRO NACIONAL PROFMAT/2007 50.450,00 GRUPO DE TRABALHO T3 38.132,00

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1 - A Associação X, adiante designada por Associação, é constituída por jovens 18 aos 30 anos

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

Protocolo de Colaboração

Protocolo de Colaboração Protocolo de Colaboração Entre os Centros de Formação de Associação de Escolas do distrito de Coimbra e a Universidade de Coimbra Os Centros de Formação de Associação de Escolas do distrito de Coimbra,

Leia mais

ARCTEL RELATÓRIO E CONTAS ANO 2015

ARCTEL RELATÓRIO E CONTAS ANO 2015 ARCTEL Associação de Reguladores de Comunicações e Telecomunicações da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa RELATÓRIO E CONTAS ANO 2015 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação da entidade ARCTEL - Associação

Leia mais

Social E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA. Segurança Social de Castelo Branco D C. B R A N. Segurança Social. Plano de Actividades e Orçamento 2009

Social E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA. Segurança Social de Castelo Branco D C. B R A N. Segurança Social. Plano de Actividades e Orçamento 2009 ENTRO DE Acção Social ULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA Segurança Social de astelo Branco A S D. B R A N O Segurança Social Plano de Actividades e Orçamento 2009 2009 será o princípio de uma nova

Leia mais

CURSOS DE MEDIAÇÃO LABORAL RECONHECIDOS PELO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

CURSOS DE MEDIAÇÃO LABORAL RECONHECIDOS PELO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CURSOS DE MEDIAÇÃO LABORAL RECONHECIDOS PELO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Os Cursos de Mediação Laboral reconhecidos pelo Ministério da Justiça, que habilitam ao acesso às listas de mediadores no âmbito da Mediação

Leia mais

ESCOLA DE ARBITRAGEM NORTE

ESCOLA DE ARBITRAGEM NORTE ESCOLA DE ARBITRAGEM NORTE Melhores Árbitros, Melhores Jogadores, Melhor Jogo!!!! PLANO DE ACÇÃO Fevereiro - Julho 2012 Índice: Introdução Objectivos Princípios Universo Estratégia Método Acções Divulgação

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ----- ENTRE ----- A REPÚBLICA DE ANGOLA, A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPÚBLICA DE CABO VERDE, A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU, A REPÚBLICA

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2016

Plano de Actividades e Orçamento 2016 Plano de Actividades e Orçamento 2016 0 Índice 1- Mensagem do Mordomo-mor 2- Plano de Actividades para 2016 2.1 Introdução 2.2 - Actividades 2016 3- Orçamento 2016 4- Anexos 4.1- Referenciais Estratégicos

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES ) O presente Regulamento, disciplina a concessão de apoios a prestar, pelas

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO O Desporto Escolar (DE) tem de ser entendido como uma responsabilidade da comunidade escolar e é à escola, que compete criar as condições necessárias

Leia mais

U.P.P.S.S. União dos Pensionistas da Previdência e Segurança Social RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCICIO DE 2014

U.P.P.S.S. União dos Pensionistas da Previdência e Segurança Social RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCICIO DE 2014 INTRODUÇÃO RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCICIO DE 2014 Dando cumprimento à alínea b) do nº 1 do Artigo 13º do Decreto-Lei 119/83 de 25 de Fevereiro e á alínea b) do Artigo 31º dos Estatutos, vem a Direcção

Leia mais

Acta nº 11. Acta nº 11 pg. 1 de 5

Acta nº 11. Acta nº 11 pg. 1 de 5 Acta nº 11 Ao vigésimo dia do mês de Março do ano de dois mil e dez, pelas treze horas e trinta, reuniu, em Assembleia Geral Ordinária, a Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, no Foyer do

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA PLANO DE ACTIVIDADES 2011 1.- DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DESPORTIVA Aumentar o número de praticantes e de Clubes filiados, assim como de praticantes informais da modalidade Realização de acções de divulgação

Leia mais

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal PROTOCOLO Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal Entre A Câmara Municipal de Setúbal, adiante designada por CMS, na qualidade de 1.º Outorgante, representada pela Presidente,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BRIDGE REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PROFESSORES Em vigor a partir de 13 de Setembro de 2013-1 - PARTE 0 PREÂMBULO 0.1 Introdução Uma das principais finalidades

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

Nova Rede de Transportes Urbanos de Chaves

Nova Rede de Transportes Urbanos de Chaves ISSN: 1645-7528 Nº 40 - Município de Chaves - Maio de 2010 - Distribuição gratuita - www.chaves.pt Nova Rede de Transportes Urbanos de Chaves pág. 12 Nova ETAR de Chaves pág. 3 Rede Ibérica de Entidades

Leia mais

INDÍCE. Enquadramento Núcleo de Ação Social Projeto 1.1 ATL 8 Projeto 1.2 Festa(s) de Natal 9 Quadro Orçamental Resumo 10

INDÍCE. Enquadramento Núcleo de Ação Social Projeto 1.1 ATL 8 Projeto 1.2 Festa(s) de Natal 9 Quadro Orçamental Resumo 10 1 INDÍCE Enquadramento 4 1. Núcleo de Ação Social Projeto 1.1 ATL 8 Projeto 1.2 Festa(s) de Natal 9 Quadro Orçamental Resumo 10 2. Núcleo de Ação Cultural Projeto 2.1 Coro da CP-IEFP 11 Projeto 2.2 Visitas

Leia mais

Regulamento de Apoio a Instituições sem fins lucrativos do. Concelho de Monforte

Regulamento de Apoio a Instituições sem fins lucrativos do. Concelho de Monforte Regulamento de Apoio a Instituições sem fins lucrativos do Concelho de Monforte Considerando que a Constituição da República nos seus artigos 73, 78 e 79 consagra que todos têm o direito à educação e à

Leia mais

Concursos de Principais alterações face a João Carreira

Concursos de Principais alterações face a João Carreira Concursos de 2014 Principais alterações face a 2013 João Carreira Que novos concursos são lançados hoje? São lançados 6 concursos: 2 Concursos de 2014: Principais alterações face a 2013 TIPOLOGIAS DE PROJETO:

Leia mais

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA L sa Regulamento de Apoio Financeiro ao Movimento Associativo da Freguesia das Alcáçovas APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Junta de Freguesia das Alcáçovas Abril 2010 INTRODUÇÃO O movimento

Leia mais

PROJECTO CONCURSOS NACIONAIS DE FUNDO 2015

PROJECTO CONCURSOS NACIONAIS DE FUNDO 2015 INTRODUÇÃO O propósito e a razão da existência da FPC, não passa só pela elaboração de regulamentos. Passa pela afirmação do nosso desporto a nível Nacional e Internacional, e para isso precisamos de organizar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O

REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O O presente regulamento tem como objectivo complementar e regular as situações omissas dos Estatutos. CAPÍTULO I Do regulamento interno ARTIGO 1.º (Vigência)

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2296 Diário da República, 1.ª série N.º 88 7 de maio de 2015 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n.º 47/2015 Primeiro orçamento suplementar da Assembleia da República para 2015

Leia mais

PLANO TRIENAL 2008/2010

PLANO TRIENAL 2008/2010 Tribunal de Contas PLANO TRIENAL 2008/2010 (EXTRACTO) Departamento de Consultadoria e Planeamento LISBOA / 2007 ÍNDICE 1 Missão do Tribunal de Contas... 3 2. Valores... 3 3. Visão... 3 4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

ESTATUTOS DA SECÇÃO DE MODELISMO DO MOTOCLUBE DE ALMODÔVAR SEDE DIRECÇÃO. A DIRECÇÃO da secção é composta pelos seguintes sócios fundadores:

ESTATUTOS DA SECÇÃO DE MODELISMO DO MOTOCLUBE DE ALMODÔVAR SEDE DIRECÇÃO. A DIRECÇÃO da secção é composta pelos seguintes sócios fundadores: ESTATUTOS DA SECÇÃO DE MODELISMO DO MOTOCLUBE DE ALMODÔVAR SEDE A secção de modelismo do Motoclube de Almodôvar é uma secção autónoma do Motoclube de Almodôvar devendo no entanto respeitar os princípios

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2017

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2017 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2017 Instituição de Utilidade Pública Desportiva Membro do Comité Olímpico Português Membro da Confederação do Desporto de Portugal Filiada na Union Mondiale de Billard

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2016 1 Introdução No quadro das competências do Conselho Local de Ação Social (CLAS) 1 a ação do seu Núcleo Executivo em 2016 vai desenvolver-se em 4 eixos de atuação:

Leia mais

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO Congresso da Administração Pública 2015 Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO ENQUADRAMENTO Visão do INA: ser reconhecido como um serviço de referência na qualificação e

Leia mais

Associação de Futebol de Lisboa Instituição de Utilidade Pública

Associação de Futebol de Lisboa Instituição de Utilidade Pública Associação de Futebol de Lisboa Instituição de Utilidade Pública Rua Nova da Trindade, 2-2º 1249-250 LISBOA Tel.: + 351 213 224 870 - Fax: + 351 213 224 885 direccao@afl.pt www.afl.pt AVISO CONVOCATÓRIO

Leia mais

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, O

Leia mais

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro

Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Ministério da Educação Decreto-Lei nº 344/93 De 1 de Outubro Criado em 1979, pelo Decreto-Lei nº 513-L1/79, de 27 de Dezembro, então como Conselho Coordenador da Instalação dos Estabelecimentos de Ensino

Leia mais

TÍTULO I JUÍZES, CHEFES DE JUÍZES E DIRECTOR TÉCNICO. Capítulo I Princípios Gerais. Art. 1º

TÍTULO I JUÍZES, CHEFES DE JUÍZES E DIRECTOR TÉCNICO. Capítulo I Princípios Gerais. Art. 1º TÍTULO I JUÍZES, CHEFES DE JUÍZES E DIRECTOR TÉCNICO Capítulo I Princípios Gerais Art. 1º 1. Os juízes tem como primeiras missões ajuizar e comparar a prestação dos atletas em actividade competitiva, de

Leia mais

Assunto: Posição do SNESup sobre o projeto do Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Escola Naval.

Assunto: Posição do SNESup sobre o projeto do Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Escola Naval. Exmo. Senhor Capitão-de-Mar-e-Guerra João Paulo Ramalho Marreiros Diretor de Ensino da Escola Naval N/Refª:Dir:AV/0957/15 12-10-2015 Assunto: Posição do SNESup sobre o projeto do Regulamento de Avaliação

Leia mais

Em 2004 foi desenvolvido um conjunto de acções tendo em vista

Em 2004 foi desenvolvido um conjunto de acções tendo em vista Anexo 7 Plano de Comunicação para o QCA Relatório de Execução de 00 Em 00 foi desenvolvido um conjunto de acções tendo em vista a concretização dos objectivos previamente definidas no Plano de Acção de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE S. JOSÉ DA LAMAROSA. Assembleia Geral Ordinária de 26 de Março de 2016

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE S. JOSÉ DA LAMAROSA. Assembleia Geral Ordinária de 26 de Março de 2016 ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE S. JOSÉ DA LAMAROSA RELATÓRIO & CONTAS 2015 - Introdução Os Corpos Gerentes da Associação de Solidariedade Social de S. José da Lamarosa, nos termos dos seus Estatutos

Leia mais

FEDERAÇÃO ORNITOLÓGICA NACIONAL PORTUGUESA

FEDERAÇÃO ORNITOLÓGICA NACIONAL PORTUGUESA FEDERAÇÃO ORNITOLÓGICA NACIONAL PORTUGUESA REGULAMENTO GERAL INTERNO APROVADO EM ASSEMBLEIA GERAL DE 15 DE NOVEMBRO DE 2003 Revisão aprovada em Assembleia-Geral de 28 / 05 / 2005 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

[RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE GERÊNCIA 2009] DRAFT

[RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE GERÊNCIA 2009] DRAFT FORMEM Federação Portuguesa de Centros de Formação Profissional e Emprego de Pessoas com Deficiência [RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE GERÊNCIA 2009] DRAFT Março de 2010 Índice Introdução XIII Jornadas

Leia mais

Comunicado. Publicação do Decreto-Lei nº86/2015 de 21 de maio que define o Regime Jurídico do Internato Médico

Comunicado. Publicação do Decreto-Lei nº86/2015 de 21 de maio que define o Regime Jurídico do Internato Médico Comunicado ANEM Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho Campus de Gualtar 4710-057 - Braga Tlm. +351 913 446 950 presidente@anem.pt www.anem.pt Publicação do Decreto-Lei nº86/2015 de 21 de maio

Leia mais

(FESTAS DO POVO) Artigo 1º. (Organização e Coordenação)

(FESTAS DO POVO) Artigo 1º. (Organização e Coordenação) PROJETO DE REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO, COORDENAÇÃO E REALIZAÇÃO DAS FESTAS DO POVO DE CAMPO MAIOR (FESTAS DO POVO) Artigo 1º (Organização e Coordenação) 1.- A organização e coordenação das Festas do Povo

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ARBITRAGEM

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ARBITRAGEM FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Aprovado em Reunião de Direcção de 10/02/2011 TÍTULO I DOS ÁRBITROS CAPÍTULO I Princípios gerais Art. 1º 1. Os árbitros têm como primeira missão disciplinar

Leia mais

GRAU II ESTÁGIO

GRAU II ESTÁGIO GRAU II ESTÁGIO 2016-17 ESTÁGIO Início: 3 de Outubro Fim: Até 30 de Junho Uma época desportiva: 800 horas (Inclui todas as atividades de treinador, desde o planeamento, preparação, treinos, reuniões, estágios,

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

Associação de Atletismo Lebres do Sado

Associação de Atletismo Lebres do Sado Associação de Atletismo Lebres do Sado Plano Anual de Atividades Ano 2015 Introdução Em 2015 a Associação de Atletismo Lebres do Sado pretende dar continuidade às suas diferentes atividades. A apresentação

Leia mais

Professores do Ensino Profissional

Professores do Ensino Profissional Professores do Ensino Profissional Regime jurídico - Decreto-Lei 4/98 de 8 de Janeiro Art 2 1 As escolas profissionais são, salvo o disposto no número seguinte, estabelecimentos privados de ensino. Art.

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

REGULAMENTO DA SECÇAO REGIONAL DO NORTE (SRN) (Artigo 3 do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DA SECÇAO REGIONAL DO NORTE (SRN) (Artigo 3 do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DA SECÇAO REGIONAL DO NORTE (SRN) (Artigo 3 do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro) Publicado no Diário da República, m Série, n."26l, de 11 de Novembro de 2003 ÍNDICE Artigo 1º. - Criação,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM 18 DE JANEIRO DE 2011 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DE JUÍZES DE PROVAS DE MONDIORING

REGULAMENTO DE JUÍZES DE PROVAS DE MONDIORING CAPÍTULO I ORGANIZAÇÃO E FINS Artigo 1º A 5ª Comissão do C.P.C., também designada por Comissão de Juízes, nos termos do Parágrafo 1º do Art. 22º dos Estatutos, passará a reger-se pelo presente Regulamento

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REUNIÃO FINAL DO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DO QUADRO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PARA 2012 Intervenção de Sua Excelência, Aiuba Cuereneia

Leia mais

LIDERAR NO DESPORTO. Como potenciar o processo de Liderança no Desporto INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR HORÁRIOS MATERIAL PLANEAMENTO MODALIDADES DE INSCRIÇÃO

LIDERAR NO DESPORTO. Como potenciar o processo de Liderança no Desporto INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR HORÁRIOS MATERIAL PLANEAMENTO MODALIDADES DE INSCRIÇÃO LIDERAR NO DESPORTO Como potenciar o processo de Liderança no Desporto INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR HORÁRIOS MATERIAL PLANEAMENTO MODALIDADES DE INSCRIÇÃO CV S PRELECTORES V CONTACTOS CONDIÇÕES VALOR PRAZOS

Leia mais

WORKSHOP AVALIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARENTAIS

WORKSHOP AVALIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARENTAIS WORKSHOP AVALIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARENTAIS 16 de Junho de 2008 No âmbito do Plano de Acção da CPCJ de Figueiró dos Vinhos para 2007/2008 foi calendarizada uma acção de formação sobre

Leia mais

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal

Entidades. Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal CLDS Setúbal Entidades Coordenadora ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal Executoras ACM - Associação Cristã da Mocidade de Setúbal (Bela Vista e zona envolvente) APACCF - Associação de Professores

Leia mais

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos I. Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Regulamento rege a mobilidade internacional de estudantes

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Perguntas mais frequentes Sucesso ao Alcance de Todos Pág: 1 de 7 Índice 1. Que posso conseguir com esta oportunidade?... 3 2. Tenho de ter exclusividade?... 3 3. Será que funciona? Será um negócio de

Leia mais

ACADEMIA EMPRESARIAL

ACADEMIA EMPRESARIAL 1 As missões empresariais têm como principal objetivo auxiliar as empresas nos seus projetos de internacionalização. Organizadas por diversas associações, estas ações potenciam negócios entre empresas

Leia mais

ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA

ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1º (Denominação) Por iniciativa de um grupo de cidadãos, interessados em contribuir para a resolução dos problemas

Leia mais

ACTA Nº 4 Reunião de Direcção Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa 2015/2016

ACTA Nº 4 Reunião de Direcção Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa 2015/2016 ACTA Nº 4 Reunião de Direcção Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa 2015/2016 No terceiro dia do mês de Junho do ano de dois mil e quinze, pelas treze horas, reuniu na sala Ribeiro Santos

Leia mais

EXECUTIVO DA JUNTA DE FREGUESIA DE S. VICENTE BRAGA

EXECUTIVO DA JUNTA DE FREGUESIA DE S. VICENTE BRAGA JUNTA FREGUESIA DE S. VICENTE WWW.JF-SVICENTE.COM INFORMAÇÃO PERIÓDICA DO PRESIDENTE DA JUNTA, À ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE S. VICENTE, REFERENTE À SESSÃO ORDINÁRIA DE 18 DE ABRIL 2012. EXECUTIVO DA JUNTA

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola

Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo

Leia mais

Associação de Basquetebol de Lisboa

Associação de Basquetebol de Lisboa Associação de Basquetebol de Lisboa ORGÃOS SOCIAIS GABINETE TÉCNICO DIRECÇÃO Sel.Distritais Comissão Formação CONSELHO DISCIPLINA Disciplina Reuniões Inquéritos ASSEMBLEIA GERAL Minibasquete Sorteios CONS.JURISDICIONAL

Leia mais

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES NORMA I ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1. O presente regulamento, em conformidade com

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DO ATL DE CHOUSELAS 2011/2012 OS 4 ELEMENTOS

PROJECTO EDUCATIVO DO ATL DE CHOUSELAS 2011/2012 OS 4 ELEMENTOS PROJECTO EDUCATIVO DO ATL DE CHOUSELAS 2011/2012 OS 4 ELEMENTOS Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OS 4 ELEMENTOS... 4 3. ESCOLHA DO TEMA... 4 4. OBJECTIVOS... 5 4.1 Objectivos gerais... 5 4.2 Objectivos específicos...

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO XADREZ Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo Artigo 1.º Participação Artigo 2.º Escalões Etários Artigo 3.º Constituição das Equipas

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA Considerando - Que a Educação é um direito de todos, cabendo ao Estado promover a sua democratização, bem como as condições

Leia mais

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL A VIDA ASSOCIATIVA É UM INSTRUMENTO DE EXERCÍCIO DA SOCIABILIDADE. POR MEIO DELA CONQUISTA SE NOVOS AMIGOS, EXPANDE SE CONHECIMENTOS,

Leia mais

Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira

Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira A Lei nº 59/2008, de 11 de Setembro, que regula o Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas, com efeitos a partir de 1 de Janeiro de 2009,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTELO DE VIDE Números para uma reflexão e base para uma estratégia. Ano 2016

GESTÃO FINANCEIRA DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTELO DE VIDE Números para uma reflexão e base para uma estratégia. Ano 2016 GESTÃO FINANCEIRA DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTELO DE VIDE Números para uma reflexão e base para uma estratégia. Ano 2016 PREÂMBULO No âmbito da apresentação do Relatório e Contas do Município de Castelo

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF Utilidade Pública Desportiva - Despacho 49/94, de REGULAMENTO DE ARBITRAGEM DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF Utilidade Pública Desportiva - Despacho 49/94, de REGULAMENTO DE ARBITRAGEM DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF REGULAMENTO DE ARBITRAGEM DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF 1 TÍTULO I JUÍZES, CHEFES DE JUÍZES E DIRECTOR TÉCNICO Capítulo I Princípios Gerais Art. 1º 1. Os juízes tem como primeiras missões ajuizar e comparar

Leia mais

Tunísia Embaixada da República da Tunísia exportações Portuguesas 166 milhões de euros aumento de cerca de 45,67% Tunes

Tunísia Embaixada da República da Tunísia exportações Portuguesas 166 milhões de euros aumento de cerca de 45,67% Tunes Missão Empresarial à Tunísia 12 a 15 de Maio de 2014 Tunísia A Câmara de Comércio e Indústria Árabe-Portuguesa (CCIAP) em estreita colaboração com a Embaixada da República da Tunísia em Portugal e com

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades P R O T O CO L O

Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades P R O T O CO L O P R O T O CO L O Primeira Outorgante Zurich Companhia de Seguros, S.A., com sede na Rua Barata Salgueiro, 41, 1269-058 em Lisboa, Pessoa Colectiva nº 500 528 586, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS. Regulamento de Publicidade

PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS. Regulamento de Publicidade PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS Regulamento de Publicidade 1 REGULAMENTO DE PUBLICIDADE PARA O PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS PREÂMBULO NOTA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Municipal de Desportos é uma infra-estrutura

Leia mais

Regulamento do Concurso dos torneios de nível A Grupo Juvenil

Regulamento do Concurso dos torneios de nível A Grupo Juvenil Regulamento do Concurso dos torneios de nível A Grupo Juvenil 1. Torneios Serão objecto de concurso para o ano de 2016, os seguintes torneios nas seguintes datas: (5) 1º Torneio 6 a 10 Fevereiro 3º Torneio

Leia mais