Saneamento e Infraestrutura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Saneamento e Infraestrutura"

Transcrição

1 Saneamento e Infraestrutura

2 Desempenho 2014 Contratação SUSAN

3 Desempenho 2014 Desembolso SUSAN

4 Perspectivas 2015

5 Linhas de Financiamento: SANEAMENTO PARA TODOS

6 Tipos de Financiamento Financiamento Corporativo / Governo Financiamento Direto para Estados, Distrito Federal e Municípios Financiamento para Empresas e e Concessionárias Garantias Corporativas Project Finance Financiamento Direto para Estados, Distrito Financiamento para Empresas Privadas ou Federal e Municípios Concessionárias Lastreado, principalmente, na sustentabilidade econômico-financeira do Financiamento para Empresas e empreendimento. Concessionárias Garantias Corporativas

7 MODELAGEM: CORPORATE FINANCE Operação onde o foco da análise/estudo de capacidade de pagamento é da empresa, incluindo análise do projeto. Quando não é possível o isolamento do projeto, pois, nem sempre ele é passível de geração de receitas próprias.

8 MODELAGEM: PROJECT FINANCE Sociedade de Propósito Específico (SPE) Análise baseada no fluxo de caixa Vinculação de receitas Preservar a capacidade de endividamento dos acionistas Isolar ativos do risco Contratos baseados na análise, quantificação, qualificação e alocação dos riscos.

9 Linhas de Financiamento: FINISA Objetivo: Financiar investimentos em saneamento ambiental e em infraestrutura ao Setor Público e ao Setor Privado Fonte de Recursos: CAIXA (recursos próprios, aportes, captação no mercado nacional e internacional).

10 Linhas de Financiamento: FINISA Limitação: Taxa de Juros e prazos de Mercado.

11 Linhas de Financiamento: FDNE, FDA e FDCO Financiamento para empresas públicas não-dependentes e empresas privadas Destinação: implantação, ampliação, diversificação ou modernização de empreendimentos de infraestrutura e saneamento na região de atuação de sua Superintendência.

12 Linhas de Financiamento: FDNE, FDA e FDCO TAXA DE JUROS 5% a 6.5% a.a, conforme prioridade do projeto definida pela SUDENE/SUDAM/SUDECO, quando da aprovação PRAZOS Carência: até 01 ano após a data prevista no contrato para o projeto entrar em operação, havendo capitalização de juros durante o período de carência. Amortização: Até 20 anos (semestral)

13 Linhas de Financiamento: FDNE, FDA e FDCO Limitações Até 60% do investimento total ou até 80% do investimento fixo Recursos próprios, no mínimo, igual a 20% dos investimentos totais previstos no projeto Localização dos Projetos

14 MODELOS DE CONCESSÃO - COMUM Prestação de Serviços + Obras Públicas Operação dos Serviços de Água e/ou Esgoto ou RSU PODER CONCEDENTE PROCEDIMENTO LICITATÓRIO LICITANTE VENCEDOR EM GERAL É A ÚNICA RECEITA DA CONCESSÃO RECEITA TARIFÁRIA $$ S P E Concessionária ACIONISTA Obra (ETE/ETA) + Operação - P O P U L A Ç Ã O U S U Á R I A -

15 MODELOS DE CONCESSÃO PATROCINADA Prestação de Serviços + Obra Pública Operação da Obra Construída C S B PARCEIRO PÚBLICO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO PARCEIRO PRIVADO $$ REMUNERAÇÃO TOTAL DA CONCESSIONÁRIA CONTRAPRESTAÇÃO + RECEITA TARIFÁRIA S P E Concessionária Patrocinada ACIONISTA $$ Obra + Operação - P O P U L A Ç Ã O U S U Á R I A -

16 MODELOS DE CONCESSÃO - ADMINISTRATIVA PARCEIRO PÚBLICO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO PARCEIRO PRIVADO Prestação de Serviços + Obra Pública Operação da Obra Construída S P E Concessionária Administrativa $$ CONTRATO Obra + Operação REMUNERAÇÃO CONTRATUAL PARCEIRO PÚBLICO RECEITA TARIFÁRIA P O P U L A Ç Ã O U S U Á R I A SPE se torna Concessionária Administrativa com contrato de X anos ( X > 5) para construir um ativo, sendo responsável por sua operação e recebendo o preço ofertado, na licitação, diretamente do Poder Concedente

17 Fernando Ciotti Gerente Regional SGE Infra, Energia e Telecom

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA Atuação da CAIXA 2 Áreas de Atuação Carteira Ativa por Macrosegmento Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC Seminário Sistema Nacional de Fomento e o Crédito do Desenvolvimento: Condições e Possibilidades Carlos André Lins Rodriguez Gerente de Clientes

Leia mais

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura 1 Visão Geral do Setor Visão Geral Setor Saneamento Grandes Números Brasil Abastecimento de Água Representação espacial do índice médio de atendimento

Leia mais

Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP

Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP 1 Visão Geral do Setor Visão Geral Setor Saneamento Grandes Números Brasil Abastecimento de Água Representação espacial

Leia mais

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor Vanessa Duarte de Carvalho Deptº de Saneamento Ambiental do BNDES Belo Horizonte, 26 de novembro de 2010 Agenda RESÍDUOS SÓLIDOS BNDES

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA AUTOSSUSTENTABILIDADE FINANCEIRA AUTONOMIA DE GESTÃO FOCO EM OBRIGAÇÕES DE RESULTADO

Leia mais

Lei nº e as Linhas de Financiamento para o Setor de Saneamento

Lei nº e as Linhas de Financiamento para o Setor de Saneamento AUDIÊNCIA PÚBLICA Lei nº 11.445 e as Linhas de Financiamento para o Setor de Saneamento Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Brasília, 01 de junho de 2010 Temas

Leia mais

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman AEERJ, 27 de julho de 2016 Fonte: Radar PPP Mercado de PPPs no Brasil Principais Conceitos Contratações de

Leia mais

Possibilidades de PPP em Saneamento

Possibilidades de PPP em Saneamento Seminário Internacional MRE BID BNDES Parceria Público-Privada Privada na Prestação de Serviços de Infra-estrutura Possibilidades de PPP em Saneamento ROGÉRIO DE PAULA TAVARES Diretor de Saneamento e Infra-estrutura

Leia mais

O papel da CAIXA na Estruturação e Modelagem de Parcerias Público Privadas. Roberto Derziê de Sant Anna Vice-Presidente de Governo

O papel da CAIXA na Estruturação e Modelagem de Parcerias Público Privadas. Roberto Derziê de Sant Anna Vice-Presidente de Governo E O papel da CAIXA na Estruturação e Modelagem de Parcerias Público Privadas Roberto Derziê de Sant Anna Vice-Presidente de Governo Cenário atual das Concessões e PPP no Brasil 101 Contratos de PPP assinados

Leia mais

Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação

Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação 14h00 às 15h30-Caso 3 Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação Jardins Mangueiral (DF) Novembro de 2014 1. Oportunidades e Desafios das PPP Habitacionais PPP Habitacionais Oportunidades Parceiro

Leia mais

Junho de Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável

Junho de Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável Junho de 2016 Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável Líderes em Renováveis Investimentos em 2014 3 Source: Renewables 2015 Global Status Report (year base: 2014) Participação das renováveis

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 Estabelece critérios, condições e prazos para a concessão de financiamentos ao amparo de recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA) e do Fundo

Leia mais

Alternativas para Financiamento em Projetos de Energia Elétrica VIEX 13/09/ 2017

Alternativas para Financiamento em Projetos de Energia Elétrica VIEX 13/09/ 2017 1 Alternativas para Financiamento em Projetos de Energia Elétrica VIEX 13/09/ 2017 Apoio do BNDES ao Setor Elétrico 2 3 Diretrizes de Atuação do BNDES Setor Elétrico é uma das infraestruturas prioritárias

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO. Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan. Junho/2017

PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO. Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan. Junho/2017 PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan Junho/2017 PLANSAB Metas de universalização: Água : 100% em 2023 Esgoto: 92% em 2033 Perdas: 31% em

Leia mais

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA , ,01

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA , ,01 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 408.377.447,62 395.630.624,01 Receitas derivadas e originárias 5.555.252,62 5.259.708,60 Transferências correntes recebidas

Leia mais

SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS. Rio de Janeiro, 18 Junho de 2013

SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS. Rio de Janeiro, 18 Junho de 2013 SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS Rio de Janeiro, 18 Junho de 2013 Sumário 1 - Arranjo Institucional do FGTS; 2 Grandes números do FGTS; 3 FI-FGTS e Carteiras Administradas; 4 Programas do FGTS;

Leia mais

BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA

BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA Fevereiro de 2016 Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: GP/DEDIV/GATE 1. Aspectos Institucionais Apoio a infraestrutura no BNDES Os vários setores são

Leia mais

Atuação do BDMG na estruturação e financiamento de PPPs para resíduos sólidos e tratamento de água

Atuação do BDMG na estruturação e financiamento de PPPs para resíduos sólidos e tratamento de água Atuação do BDMG na estruturação e financiamento de PPPs para resíduos sólidos e tratamento de água Seminário e oficina Técnica ABDE-BID: O Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento no Financiamento

Leia mais

Caixa Hospitais BNDES Saúde

Caixa Hospitais BNDES Saúde Caixa Hospitais Dezembro 2016 Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável do País...e parceira estratégica do Estado brasileiro Caixa Hospitais O que é? Capital de Giro disponibilizado

Leia mais

ASPECTOS CONSTITUCIONAIS POLÊMICOS DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS.

ASPECTOS CONSTITUCIONAIS POLÊMICOS DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. ASPECTOS CONSTITUCIONAIS POLÊMICOS DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. III Fórum Brasileiro de Direito Público da Economia Rio de Janeiro 11 de novembro de 2005 GUSTAVO BINENBOJM Prof. Dr. Direito Administrativo

Leia mais

COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1

COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1 COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1 Legislação Aplicável Esta Audiência Pública está sendo realizada nos termos do ART. 39 da Lei 8.666/1993. Lei nº 11.079, de 30 de Dezembro de 2004 Lei de Parcerias

Leia mais

Parcerias de Desenvolvimento Produtivo - PDP Parcerias Público-Privadas - PPP

Parcerias de Desenvolvimento Produtivo - PDP Parcerias Público-Privadas - PPP Parcerias de Desenvolvimento Produtivo - PDP Parcerias Público-Privadas - PPP Parcerias de Desenvolvimento Produtivo Conceitos 2 O que é uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP)? Parcerias para

Leia mais

Copright 2010 Top Brands. Proibida reprodução. Todos os direitos reservados.

Copright 2010 Top Brands. Proibida reprodução. Todos os direitos reservados. O Banco Instituição financeira múltipla, sociedade de economia mista, de capital aberto, com 64 anos de atuação; Maior banco de desenvolvimento regional da América Latina; Maior programa de microcrédito

Leia mais

LIVRO VERDE DO ETANOL

LIVRO VERDE DO ETANOL III Workshop INFOSUCRO sobre Economia do Etanol e Indústria Sucroenergética O Apoio do BNDES ao Setor Sucroenergético Carlos Eduardo Cavalcanti Chefe do Dept de Biocombustíveis - BNDES Rio, 26/11/2010

Leia mais

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público 1 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, DIRETA E INDIRETA: CONCESSÕES E PERMISSÕES 1.1 FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL:

Leia mais

O Regime Jurídico das SPEs, Sócios Estatais e Privados, Financiamento do setor. São Paulo 30 de outubro de 2014

O Regime Jurídico das SPEs, Sócios Estatais e Privados, Financiamento do setor. São Paulo 30 de outubro de 2014 O Regime Jurídico das SPEs, Sócios Estatais e Privados, Financiamento do setor. São Paulo 30 de outubro de 2014 Sociedade de Propósito Específico Legislação Antes 2004 Lei 8.666/93 (Lei de Licitações):

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Ingressos 10.259.869,68 Receitas derivadas e originárias 9.582.366,64 Transferências correntes recebidas Outros ingressos operacionais

Leia mais

FIESP O PACOTE DE SEGUROS TANTO PARA CONTRACTORS, COMO INVESTIDORES, OPERADORES E FINANCIADORES. JUN.17

FIESP O PACOTE DE SEGUROS TANTO PARA CONTRACTORS, COMO INVESTIDORES, OPERADORES E FINANCIADORES. JUN.17 FIESP O PACOTE DE SEGUROS TANTO PARA CONTRACTORS, COMO INVESTIDORES, OPERADORES E FINANCIADORES. JUN.17 FUNDAMENTOS Projetos de Infraestrutura Fundamentos 1 Modelagem Jurídica Financiabilidade Mitigação

Leia mais

A Desenbahia e a Copa 2014: atendendo às demandas do evento. Brasília, 28/11/2011

A Desenbahia e a Copa 2014: atendendo às demandas do evento. Brasília, 28/11/2011 A Desenbahia e a Copa 2014: atendendo às demandas do evento Brasília, 28/11/2011 Estrutura da Apresentação 1. Apoio ao Projeto de Construção da Arena Fonte Nova 2. Linha CrediCopa Saúde (em formatação)

Leia mais

Objetivos da Exposição

Objetivos da Exposição 1 Objetivos da Exposição Apresentar aos participantes do Fórum o modelo adotado pela Prefeitura Municipal de Caraguatatuba para gestão da Iluminação Pública seus principais desafios. 15 de setembro 2010

Leia mais

Alternativas de Financiamento da IP, a partir da COSIP

Alternativas de Financiamento da IP, a partir da COSIP Alternativas de Financiamento da IP, a partir da COSIP 25.04.2017 Classificação: Documento ostensivo Unidade Gestora: AGS/DEGEP Agenda Contextualização Estrutura COSIP Modelos de Negócios em Iluminação

Leia mais

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica Belo Horizonte MG dezembro /2007 Missão do BNDES Promover o desenvolvimento econômico e social Redução das desigualdades sociais e regionais Geração

Leia mais

SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs

SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs CONCESSÕES PPPs LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n 8.987/1995 Lei n 11.079/2004 e Lei nº 12.766/2012 Objetivos: atrair investimentos

Leia mais

Painel: COPA2014 Financiamento de Investimentos em Infraestrutura

Painel: COPA2014 Financiamento de Investimentos em Infraestrutura FENASAN 2010 Painel: COPA2014 Financiamento de Investimentos em Infraestrutura Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura São Paulo, 12 de agosto de 2010 Programas

Leia mais

Viabilização de Investimentos no Setor Elétrico. ABiNEE TEC Nelson Siffert São Paulo 24 de abril de Foto: Usina Hidrelétrica Barra Grande

Viabilização de Investimentos no Setor Elétrico. ABiNEE TEC Nelson Siffert São Paulo 24 de abril de Foto: Usina Hidrelétrica Barra Grande 1 Viabilização de Investimentos no Setor Elétrico ABiNEE TEC 2007 Foto: Usina Hidrelétrica Barra Grande Nelson Siffert São Paulo 24 de abril de 2007 Agenda BNDES Financiamentos do BNDES - Setor Elétrico

Leia mais

Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica

Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica Eduardo Chagas Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura Maio de 2015 Papel da infraestrutura na retomada do crescimento Tendo em vista as dificuldades

Leia mais

Luís Felipe Valerim Pinheiro

Luís Felipe Valerim Pinheiro E s t r u t u r a ç ã o d e P r o j e t o s d e C o n c e s s õ e s e P a r c e r i a s P ú b l i c o - P r i v a d a s p e l o S e t o r P r i v a d o Luís Felipe Valerim Pinheiro Salvador, 19 de outubro

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Junho de 2013

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Junho de 2013 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Junho de 2013 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Márcia Leal Chefe do Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura mleal@bndes.gov.br Maio 2012 O BNDES Evolução dos desembolsos 168,4 R$ bilhão 137,4 140,0 92,2

Leia mais

Saneamento Básico. Parcerias Público-Privadas. Uma solução inteligente para a região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro

Saneamento Básico. Parcerias Público-Privadas. Uma solução inteligente para a região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro Saneamento Básico Parcerias Público-Privadas Uma solução inteligente para a região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro Sumário As PPPs na lei Federal nº 11.079/04 Estrutura econômico-jurídica dos

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

Um novo modelo de negócios

Um novo modelo de negócios Congresso Nacional de Adm Hospitalar 23/06/2006 Alternativas para Viabilização do Sistema de Saúde Sinergia Público Privado Parcerias - Público-Privadas PPP Um novo modelo de negócios A necessidade de

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 Apoio do BNDES à Infraestrutura Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 BNDES Desembolsos do BNDES Infraestrutura representa mais de 1/3 R$ bilhões 168

Leia mais

Concessão administrativa para ampliação, manutenção e operação do sistema de esgotamento sanitário do município da Serra

Concessão administrativa para ampliação, manutenção e operação do sistema de esgotamento sanitário do município da Serra Sumário Executivo Concessão administrativa para ampliação, manutenção e operação do sistema de esgotamento sanitário do município da Serra Em 10/10/13 a CESAN realizou o leilão na Bovespa através da Concorrência

Leia mais

Alternativas de financiamento para a energia solar fotovoltaica no Brasil

Alternativas de financiamento para a energia solar fotovoltaica no Brasil Alternativas de financiamento para a energia solar fotovoltaica no Brasil FRANcisco José Araújo BEZERRA Superintendente de Políticas de Desenvolvimento BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. Área de atuação

Leia mais

Contratação de Serviços Públicos

Contratação de Serviços Públicos Contratação de Serviços Públicos MODELOS DE CONTRATAÇÃO I. MODELO CONVENCIONAL DE CONTRATO DE EMPREITADA (LEI 8.666/93) II. MODELO DE CONCESSÃO PÚBLICA (Tradiconal) (LEI 8.987/95) III. MODELO DE PPP (Concessão

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA - PPP 7 DE OUTUBRO DE 2016

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA - PPP 7 DE OUTUBRO DE 2016 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA - PPP 7 DE OUTUBRO DE 2016 OBJETO DA PPP Parceria Público-Privada para: 1) Manutenção e Operação dos edifícios já existentes (câmpus Barcelona e Centro); 2) Construção do novo

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS FIESP CIESP Ricardo Cunha da Costa Assessor da Área de Infraestrutura BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 24 de Abril de 2009 1 Missão e Visão

Leia mais

PROJECT FINANCE. Alberto Faro. São Paulo, 22 de março de 2017

PROJECT FINANCE. Alberto Faro. São Paulo, 22 de março de 2017 PROJECT FINANCE Alberto Faro São Paulo, 22 de março de 2017 Financiamento na modalidade Project Finance Fluxo de caixa do empreendimento é a fonte primária de recursos para pagamento da dívida contraída

Leia mais

A PPP de Iluminação Pública de Belo Horizonte. quarta-feira, 7 de setembro de 2016

A PPP de Iluminação Pública de Belo Horizonte. quarta-feira, 7 de setembro de 2016 A PPP de Iluminação Pública de Belo Horizonte quarta-feira, 7 de setembro de 2016 PPP DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA AGENDA 1. DO PROJETO 2. DA ESTRUTURAÇÃO 3. PERCEPÇÕES, APRENDIZADOS E DESTAQUES 1 DO PROJETO

Leia mais

PPPs NOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SANEAMENTO UMA VISÃO CRÍTICA DOS CASOS BRASILEIROS. Aspectos chave no desenho e modelação financeira das PPPs

PPPs NOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SANEAMENTO UMA VISÃO CRÍTICA DOS CASOS BRASILEIROS. Aspectos chave no desenho e modelação financeira das PPPs PPPs NOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SANEAMENTO UMA VISÃO CRÍTICA DOS CASOS BRASILEIROS Aspectos chave no desenho e modelação financeira das PPPs Brasília, 2 e 3 de outubro de 2015 Instrutores Prof. Rui Cunha

Leia mais

Troféu Transparência Comunicação Visual

Troféu Transparência Comunicação Visual Troféu Transparência 2015 Comunicação Visual Sobre a ANEFAC Entidade sem fins lucrativos fundada há quase 50 anos Cerca de 1600 associados Executivos de finanças, administração e contabilidade Missão Promover

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS E CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS

PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS E CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS E CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS Com análise das principais normas da Medida Provisória nº 727 de 12 de maio de 2016 que instituiu o Programa

Leia mais

Documentos necessários Se sua empresa é cliente do BB: Entre em contato com sua agência de relacionamento.

Documentos necessários Se sua empresa é cliente do BB: Entre em contato com sua agência de relacionamento. BANCO DO BRASIL Corporate Produtos e Serviços Crédito FCO Empresarial Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Para você que deseja investir na região Centro-Oeste, o Banco do Brasil disponibiliza

Leia mais

III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015.

III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015. III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015. Apoio Específico aos Municípios Linha de Financiamento para Modernização

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento do Nordeste FDNE. Martinho Leite de Almeida. Coordenação de Fundos/Sudene

Fundo de Desenvolvimento do Nordeste FDNE. Martinho Leite de Almeida. Coordenação de Fundos/Sudene Fundo de Desenvolvimento do Nordeste FDNE Martinho Leite de Almeida Coordenação de Fundos/Sudene Fundo de Desenvolvimento do Nordeste - FDNE 1 Finalidade: Assegurar recursos para a realização de investimentos

Leia mais

Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada

Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada Câmara de Transporte e Logística FIESC Florianópolis/SC 26 de julho de 2012 Histórico O Reino Unido foi o pioneiro na institucionalização financeira,

Leia mais

SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS. Brasília, 29 abril de 2013

SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS. Brasília, 29 abril de 2013 SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS Brasília, 29 abril de 2013 Sumário 1 - Arranjo Institucional do FGTS; 2 Governança corporativa da CAIXA; 3 Grandes números do FGTS; 4 FI-FGTS e Carteiras Administradas;

Leia mais

SUDENE. Fundo de Desenvolvimento do Nordeste FDNE

SUDENE. Fundo de Desenvolvimento do Nordeste FDNE SUDENE Fundo de Desenvolvimento do Nordeste FDNE 2015 FUNDO DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE FDNE Finalidade Assegurar recursos para investimentos na área de atuação da SUDENE, em infraestrutura e serviços

Leia mais

20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. O BNDES e a Mobilidade Urbana. Setembro/2014

20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. O BNDES e a Mobilidade Urbana. Setembro/2014 20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária O BNDES e a Mobilidade Urbana Setembro/2014 Contextualização A taxa de motorização no Brasil cresceu de 14 carros / 100 habitantes em 2001 para 26 carros / 100

Leia mais

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Soluções BNDES para pequenos negócios Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais

REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS RURAIS

REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS RURAIS SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DA PARAÍBA CONDIÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS RURAIS Maio/2013 Lei 12.249 Art. 70-A Beneficiários: Agricultores Familiares Empreendimentos localizados em municípios da estiagem;

Leia mais

Fórum modelos de negócios para eficiência energética em iluminação pública. Riscos e mecanismos de mitigação

Fórum modelos de negócios para eficiência energética em iluminação pública. Riscos e mecanismos de mitigação JCMiguez Fórum modelos de negócios para eficiência energética em iluminação pública Riscos e mecanismos de mitigação Junho de 2016 0 Agenda PPP como solução para projetos de IP Riscos e Mecanismos de mitigação

Leia mais

PPPs no Brasil. Breves consideração sobre a aplicação do instituto

PPPs no Brasil. Breves consideração sobre a aplicação do instituto PPPs no Brasil Breves consideração sobre a aplicação do instituto Bruno Aurélio baurelio@cpbs.com.br (11) 3165 3017 1. Diagnóstico 2. Desdobramentos do diagnóstico 3. Possíveis soluções para os problemas

Leia mais

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização 81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Rio de Janeiro,

Leia mais

Nota AIE/DEENE N 11/2009 Em 17/06/2011. Assunto : Informações para o Instituto de Estudos Socioeconômicos - INESC

Nota AIE/DEENE N 11/2009 Em 17/06/2011. Assunto : Informações para o Instituto de Estudos Socioeconômicos - INESC Nota AIE/DEENE N 11/2009 Em 17/06/2011 Assunto : Informações para o Instituto de Estudos Socioeconômicos - INESC O APOIO FINANCEIRO DO BNDES PARA AS USINAS DO MADEIRA As operações de concessão de colaboração

Leia mais

COPASA PPP SES DIVINÓPOLIS

COPASA PPP SES DIVINÓPOLIS COPASA PPP SES DIVINÓPOLIS Audiência Pública 03/09/2013 Divinópolis - MG PPP SES Divinópolis Modelagem nos termos de uma concessão administrativa para a construção, operação e manutenção do Sistema de

Leia mais

SEMINÁRIO AMBIENTE DE NEGÓCIOS:

SEMINÁRIO AMBIENTE DE NEGÓCIOS: SEMINÁRIO AMBIENTE DE NEGÓCIOS: SEGURANÇA JURÍDICA, TRANSPARÊNCIA E SIMPLICIDADE Sérgio Guerra Mudanças institucionais nas contratações públicas 23 de setembro de 2016 REGIMES DE CONTRATAÇÕES 1993 Licitações

Leia mais

6 O Projeto da MG-050

6 O Projeto da MG-050 61 6 O Projeto da MG-050 Em 2006, foi lançado o edital do Projeto PPP da MG-050 com o objetivo de recuperação, ampliação e manutenção da Rodovia MG-050. O projeto engloba ainda trechos da BR-265 (entre

Leia mais

Fórum PPPs em Iluminação Pública. São Paulo, 21 de outubro de 2014

Fórum PPPs em Iluminação Pública. São Paulo, 21 de outubro de 2014 Fórum PPPs em Iluminação Pública São Paulo, 21 de outubro de 2014 APRESENTAÇÃO DO PROJETO DE PPP MODERNIZAÇÃO Remodelação* e/ou eficientização** de cerca de 580 mil pontos de iluminação pública de modo

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS

SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS UMA SOLUÇÃO VIÁVEL PARA ERRADICAÇÃO DOS LIXÕES DO BRASIL Engo. ELEUSIS BRUDER DI CREDDO Conselheiro

Leia mais

Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás

Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás Mauricio dos Santos Neves Superintendente Área de Indústrias de Base Maio / 2017 Organização Interna Auditoria Interna Conselho

Leia mais

A transformação de um passivo ambiental em recurso energético

A transformação de um passivo ambiental em recurso energético A transformação de um passivo ambiental em recurso energético Contexto regulatório, institucional e de negócio Carlos Alberto R. silva Fórum Nacional Resíduos Sólidos 2010 26 e 27 de outubro de 2010 Empresa

Leia mais

Diálogos ABRELPE: 10 visões para o aprimoramento da gestão de resíduos XVIII FIMAI Ecomondo

Diálogos ABRELPE: 10 visões para o aprimoramento da gestão de resíduos XVIII FIMAI Ecomondo Diálogos ABRELPE: 10 visões para o aprimoramento da gestão de resíduos XVIII FIMAI Ecomondo 2. Modelos de Contratação e Cobrança Quais fatores um município deve considerar ao definir o modelo de contratação

Leia mais

São Paulo, setembro de 2010

São Paulo, setembro de 2010 16ª SEMANA DE TECNOLOGIA METRO-FERROVIÁRIA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE METRÔ AEAMESP. SOLUÇÕES DE TRANSPORTE MAIS ADEQUADAS PARA AS CIDADES O BNDES E OS INVESTIMENTOS NO SETOR DE TRANSPORTES

Leia mais

ANEXO 6. Reajustes e Cálculos das Contraprestações Públicas Mensais de Amortização Fixa e Variável e Penalidades

ANEXO 6. Reajustes e Cálculos das Contraprestações Públicas Mensais de Amortização Fixa e Variável e Penalidades ANEXO 6 Reajustes e Cálculos das Contraprestações Públicas Mensais de Amortização Fixa e Variável e Penalidades 1 1. OBJETIVO O objetivo deste anexo é detalhar a forma de cálculo e de reajustes da receita

Leia mais

Agenda. Conhecendo a Compesa Parceria Público-Privada. Contextualização Modelo de Negócios Investimentos. 20 dias 20 dias

Agenda. Conhecendo a Compesa Parceria Público-Privada. Contextualização Modelo de Negócios Investimentos. 20 dias 20 dias Agenda Conhecendo a Compesa Parceria Público-Privada 20 dias 20 dias Contextualização Modelo de Negócios Investimentos Conhecendo a Compesa Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de

Leia mais

BNDES. 8º Lubgrax Meeting. 16 de Agosto de 2017

BNDES. 8º Lubgrax Meeting. 16 de Agosto de 2017 BNDES 8º Lubgrax Meeting 16 de Agosto de 2017 Aspectos institucionais // Quem somos!! Fundado em 20 de junho de 1952!! Empresa pública de propriedade integral da União!! Instrumento-chave para implementação

Leia mais

A experiência subnacional com APPs

A experiência subnacional com APPs A experiência subnacional com APPs O caso do Município de São Paulo Marco Aurélio de Barcelos Silva Diretor SP Negócios Panorama geral das PPPs nos municípios brasileiros Municípios lideram iniciativas

Leia mais

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA 85º Encontro Nacional da Indústria da Construção Rogério de Paula Tavares Diretor Executivo de Infraestrutura e Saneamento Fortaleza/CE,

Leia mais

Projetos de PPPs da Bahia. Maio/2016

Projetos de PPPs da Bahia. Maio/2016 Projetos de PPPs da Bahia Maio/2016 Estrutura de Garantia Projetos de PPP Consolidados Estado da Bahia Situação Financeira do Estado Novos Projetos Estrutura de Garantia Projetos de PPP Consolidados Estado

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo Secretaria de Estado de Desenvolvimento.

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo Secretaria de Estado de Desenvolvimento. Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo 2015 Secretaria de Estado de Desenvolvimento. PROGRAMA ESTADUAL DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS Fórum Concessões

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG "Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia para a retomada do desenvolvimento INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG BDMG: Foco em Inovação Novembro/14 Dezembro/15 O BDMG em resumo 2 O Banco de Desenvolvimento de Minas

Leia mais

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES e o Apoio ao Setor de P&G André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Instrumento chave

Leia mais

Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural

Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural Linhas de Financiamentos - BNDES 12 de julho de 2012. Nelson Granthon Barata Gerente Departamento de Fontes Alternativas de Energia Área de Infraestrutura

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais

Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público

Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público Perspectivas sobre Avanços Recentes no Brasil Débora Nogueira Beserra SPI/MP Brasília, 16/06/11 AGENDA 1.O Brasil

Leia mais

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 BNDES - Apresentação Institucional Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade

Leia mais

FIBRIA CELULOSE S.A. Companhia Aberta. CNPJ n.º / NIRE Código CVM n.º 12793

FIBRIA CELULOSE S.A. Companhia Aberta. CNPJ n.º / NIRE Código CVM n.º 12793 FIBRIA CELULOSE S.A. Companhia Aberta CNPJ n.º 60.643.228/0001-21 NIRE 35.300.022.807 Código CVM n.º 12793 COMUNICADO SOBRE TRANSAÇÃO ENTRE PARTES RELACIONADAS A FIBRIA CELULOSE S.A. ( Companhia ), em

Leia mais

Atuação e Linhas de Financiamento do BNDES São Paulo Wireless 2ª edição

Atuação e Linhas de Financiamento do BNDES São Paulo Wireless 2ª edição Atuação e Linhas de Financiamento do BNDES São Paulo Wireless 2ª edição Ludmila Colucci Departamento de Telecomunicações 25 de Março de 2009 Organização interna Secretaria Geral Conselho de Administração

Leia mais

Financiamento dos Investimentos em Energia

Financiamento dos Investimentos em Energia Nossa Trajetória Financiamento dos Investimentos em Energia Fenergia 2017 Vitória, 21 de DIFERENÇA - BANDES X BANCOS COMERCIAIS Quais são as diferenças? O Bandes é um banco de desenvolvimento que oferta

Leia mais

UNIÃO DE ESFORÇOS PARA UNIVERSALIZAR OS SERVIÇOS. Yves Besse maio 2010

UNIÃO DE ESFORÇOS PARA UNIVERSALIZAR OS SERVIÇOS. Yves Besse maio 2010 UNIÃO DE ESFORÇOS PARA UNIVERSALIZAR OS SERVIÇOS VISÃO DO SETOR PRIVADO Yves Besse maio 2010 ABCON Fundação 1996 ABCON e 2001 SINTERCON Objetivo Promover a participação das empresas privadas no setor de

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - COSIP E RESOLUÇÃO DA ANEEL 414/2010: ENTRE O DIREITO TRIBUTÁRIO E O FINANCEIRO

CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - COSIP E RESOLUÇÃO DA ANEEL 414/2010: ENTRE O DIREITO TRIBUTÁRIO E O FINANCEIRO CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - COSIP E RESOLUÇÃO DA ANEEL 414/2010: ENTRE O DIREITO TRIBUTÁRIO E O FINANCEIRO Hendrick Pinheiro Raquel Lamboglia Guimarães Advogados em Manesco, Ramires,

Leia mais

Contrato de Concessão para a Exploração do Serviço Público de Abastecimento de Água e Esgoto do Município de Camboriú/SC

Contrato de Concessão para a Exploração do Serviço Público de Abastecimento de Água e Esgoto do Município de Camboriú/SC ÁGUAS DE CAMBORIÚ Contrato de Concessão para a Exploração do Serviço Público de Abastecimento de Água e Esgoto do Município de Camboriú/SC Concorrência Pública Nacional: Modalidade Técnica e Preço Concessão

Leia mais

PROJETO ACESSO AQUAVIÁRIO AOS PORTOS

PROJETO ACESSO AQUAVIÁRIO AOS PORTOS PROJETO ACESSO AQUAVIÁRIO AOS PORTOS PROPOSTA DE MODELO DE CONCESSÃO CONTRIBUIÇÕES À SEP (A VISÃO DOS USUÁRIOS NO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO) MAIO/2015 4 (QUATRO) PRESSUPOSTOS BÁSICOS MODELO:. Parceria

Leia mais

BNDES. Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital. Fabio Stefano Erber Diretor. Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente

BNDES. Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital. Fabio Stefano Erber Diretor. Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente Experiência do no Financiamento ao Setor de Bens de Capital Fabio Stefano Erber Diretor Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente Haroldo Fialho Prates Chefe do DEPIP 14 de junho de 2004 Atuação Estratégica

Leia mais