GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS VETERINÁRIOS - UM ESTUDO DE CASO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS VETERINÁRIOS - UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 ISSN GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS VETERINÁRIOS - UM ESTUDO DE CASO Samuel Vinícius Bonato (Facensa) Tássia Aline Duarte da Rosa (Facensa) Paula Machado Lange (Facensa) Resumo O PRESENTE ARTIGO CIENTÍFICO TEM COMO OBJETIVO ABORDAR UM ESTUDO SOBRE GESTÃO DE ESTOQUES. É ESSENCIAL QUE AS ORGANIZAÇÕES RECONHEÇAM AS SUAS REAIS NECESSIDADES, PARA QUE AS EXPECTATIVAS SEJAM ATENDIDAS. ALÉM DISTO, AS ORGANIZAÇÕES DEVEM DEESENVOLVER SEUS PROCESSOS COM FOCO NA ORGANIZAÇÃO DE ESTOQUE. ESTE ESTUDO TEM COMO OBJETIVO ANALISAR O PROCESSO DE LOGÍSTICA DE MATERIAIS DE UMA EMPRESA DO RAMO AGROPECUÁRIO, DE MANEIRA A VERIFICAR EM QUE CONDIÇÕES ELE ESTÁ ORGANIZADO, SUGERIR E IMPLEMENTAR MELHORIAS, TENDO COMO BASE DADOS PASSADOS E DEMAIS INFORMAÇÕES LEVANTADAS COM OS GESTORES DA EMPRESA. ENTRE OS PRINCIPAIS RESULTADOS OBTIDOS DESTACAM-SE A ACEITAÇÃO DA EMPRESA EM RELAÇÃO ÀS PROPOSTAS IMPLEMENTADAS E A MELHORIA DO CONTROLE SOBRE OS PRODUTOS VETERINÁRIOS ESTOCADOS NA ORGANIZAÇÃO. Palavras-chaves: ESTOQUES, PREVISÃO DE DEMANDA, VETERINÁRIA

2 1. Introdução Atualmente, as empresas lutam incessantemente por sua sobrevivência em um cenário cada vez mais competitivo e globalizado. Com essas variáveis, tem-se uma busca constante por uma melhor colocação no mercado. Independente do ramo de atuação, a plena satisfação do cliente se faz imprescindível para uma organização obter sucesso em suas atividades. Segundo Fleury, Wanke e Figueiredo (2008), o gerenciamento de estoque é um processo integrado, onde existem determinadas políticas da empresa com relação ao seu controle. Os procedimentos para este controle podem ser periódicos ou permanentes, sendo necessário desenvolver procedimentos que definam a freqüência segundo a qual os níveis de estoques são examinados e comparados com os dados anteriores, ou seja, quando e quanto pedir. Baseado nestes dados é possível afirmar que qualquer organização, independente do seu tamanho, necessita de atenção no que se refere à Gestão de Estoque. Este trabalho tem como objetivo aprimorar a gestão dos estoques de uma Agropecuária, através da sugestão e implantação de melhorias nos controles e métodos utilizados atualmente. A primeira seção apresenta uma revisão da literatura, buscando embasar a gestão e controle de estoques através da pesquisa em periódicos, internet e livros que abordam a gestão de estoques nas empresas. A segunda seção apresenta um diagnóstico da situação atual da empresa objetivando identificar os principais pontos fracos em relação à gestão de seus estoques. A terceira seção apresenta os procedimentos metodológicos utilizados para a execução do trabalho, a quarta seção apresenta algumas sugestões para melhoria dos pontos fracos identificados, bem como a sua implantação e, por fim, a quinta seção apresenta os resultados alcançados após a implementação das oportunidades de melhoria. 2. Referencial Teórico 2.1 Planejamento e Gestão de Estoques De acordo com Ballou (1993), o processo de armazenar produtos em longo prazo exige um grande investimento por parte das empresas. Estoque em determinados setores, é 1

3 dinheiro parado, então é necessária uma sincronização entre a oferta e a demanda, a entrada e saída, reduzindo a manutenção e eliminando o que é desnecessário, visto que existe uma dificuldade de prever a demanda futura e como nem sempre os suprimentos estão disponíveis a qualquer momento. Segundo Fleury, Wanke e Figueiredo (2008), saber onde localizar, quando pedir, quanto pedir e quanto manter em estoque de segurança é de extrema importância, destacando: i) a localização é uma decisão que depende fundamentalmente da interação de diversas dimensões características de cada material: giro do estoque, valor agregado e validade dos produtos; ii) quanto pedir depende de análises incrementais referente a custos de transportes das compras e manutenção de estoques; iii) quando pedir, depende diretamente do consumo médio dos produtos; iv) o quanto manter em estoque, é determinado supondo que a variabilidade da demanda siga uma distribuição de probabilidade normal. Para chegarmos a uma resposta coerente devemos observar o valor agregado aos produtos, a previsão de necessidade de comprar, exigência do consumidor, prazos e disposição dos produtos (BOWERSOX E CLOSS, 2001). Outro fator importante, devido à grande concorrência e a evolução constante no mercado, é o fato de as empresas estarem cada vez mais fazendo o uso dos sistemas de informação como softwares e demais equipamentos adequando-se as necessidades e otimizando o sistema como um todo (WANKE; FIGUEREDO; FLEURY, 2008). Nesse sentido, Ballou (1993) também destaca que o uso de computadores é justificável para o armazenamento de dados por um determinado período, tendo uma freqüência de consultas diárias, semanal, mensal e anual conforme a necessidades. Outro ponto importante a destacar é a extrema importância para a empresa que se criem planilhas de controles eletrônicos (Excel), para que se possa ter um melhor acesso as informações, controle e facilitando o planejamento. O departamento de compras necessita estar programado para efetuar os pagamentos das mesmas com base em dados passados. A previsão de demanda é sujeita a erros, portanto as execuções de vendas eficazes necessitam de três componentes básicos que é uma boa administração das previsões, uma boa base de dados e por fim um suporte financeiro (BALLOU, 1993). 2.2 Previsão de Demanda (Entrada e Saída) 2

4 As previsões de demanda orientam o planejamento e a coordenação de todos os sistemas logísticos, pois são projeções de valores ou quantidades que provavelmente serão produzidas, vendidas ou expedidas (BOWERSOX E CLOSS, 2001). Segundo Ballou (1993), geralmente os estoques de segurança são determinados conforme a demanda, e supondo que a mesma siga uma probabilidade normal de saída. É necessário saber o ponto certo de reposição, conhecido também como estoque mínimo e nível de investimento ótimo. FLEURY (2008) destaca que estes estoques mínimos dependem diretamente do consumo médio de produtos, considerando o valor unitário e o custo de transportar. No caso de medicamentos e materiais de uso veterinários, comprar a maior quantidade de produtos em uma mesma nota é possível negociar descontos. O fato de prever não é considerado uma ciência exata, e empresas estão adotando processos integrados de previsão, que inclui a coleta de dados de várias fontes, cálculos matemáticos, estatísticas conforme dados passados e pessoas capacitadas (BOWERSOX E CLOSS, 2001). Segundo Francischini e Gurgel (2004), o consumo real de determinado item possui dois componentes: i) padrões básicos de comportamento ao longo do tempo, que podem ser estimados por métodos de previsão; ii) variáveis aleatórias, onde as causas são tão variáveis que é impossível prevê-las. Existem dois métodos para se estimar uma demanda, que seria a qualitativa, que é baseada em opiniões e estimativas, e a quantitativa que seria baseado em ferramentas estatísticas e de programação de produção (FRANCISCHINI E GURGEL, 2004). 2.3 Armazenagem e Custos de Estoques Faz parte da logística um bom armazenamento de produtos. Muitas empresas estão evitando ou minimizando a necessidade de armazenamento de produtos, visto que a idéia é ajustar o suprimento e a demanda de acordo com o tempo e quantidade necessária, expondo os produtos de uma forma com fácil visualização, utilizando etiquetas contendo informações relacionadas ao produto como prazos de validade, utilidade, composição, tudo se possível com uma fácil visualização dentro de um espaço físico. (BALLOU, 1993). 3

5 Para Francischini e Gurgel (2004), é considerada uma vantagem para a empresa possuir seu próprio controle de armazenagem, pois a mesma possuirá uma maior flexibilidade, terá autoridade absoluta na tomada de decisões, poderá agregar valor reutilizando produtos se adequando a necessidade. Já para Fleury, Wanke e Figueiredo (2008), é fundamental para a organização um programa contendo dados para uma melhor localização dos produtos. Esses dados são convertidos em informações úteis para a tomada de decisões logística e para e emissão de relatórios. As informações devem ser atualizadas com freqüência, rapidez e com um fácil acesso. O layout de um depósito é um trabalho específico, evitando que atrapalhe o fluxo dos materiais, conforme seu manuseio. Devem ficar bem posicionados e identificados. As construções nos tetos, como luzes, tubulações de vapor, dutos de ar quente e antenas de comunicação, devem ficar acima das prateleiras, dando espaço para a movimentação e abastecimento dos produtos e equipamentos de uma forma mais segura para os funcionários da empresa que ali operam (BOWERSOX E CLOSS, 2001). O projeto do armazém reflete o período de tempo no qual se espera que os produtos permaneçam a disposição. A maior parte das empresas possui um espaço físico próprio trazendo vantagens como o menor custo de armazenagem, maior controle sobre o estoque e se o produto/material requer um pessoal especializado, sendo assim mais viáveis. (FRANCISCHINI E GURGEL, 2004). Para BALLOU (1993), o manuseio também incrementa o risco de dados e perda de produtos, o que pode causar insatisfação por parte do comprador. As estantes e as caixas permitem um armazenamento vertical dos produtos, fácil acessibilidade, facilitando o manuseio, eficiência, organização dos itens e um fácil reconhecimento dos materiais, podendo ser distribuídos em fileiras (BOWERSOX E CLOSS, 2001). Uma maneira prática de armazenagem é dividir o setor em diferentes partes como medicamentos, materiais cirúrgicos, dentre outros. Podem existir produtos com alta e baixa rotatividade conforme demanda (FRANCISCHINI E GURGEL, 2004). A alternativa é o arranjo em ângulo, que seria a adaptação conforme as paredes do armazém, aumentando a eficiência das movimentações, ao invés de usar um ângulo reto perdendo espaços (BALLOU, 1993). 4

6 Empresas possuem estoques cada vez mais diversificados, tornando o gerenciamento cada vez mais complexo e complicado. Quanto menor, menores são os riscos de permissibilidade e absolência do material (BALLOU, 1993). O custo de armazenamento seria referente ao acondicionamento dos materiais e a sua movimentação, como por exemplo, aluguel do armazém, mão-de-obra, depreciação das empilhadeiras. Já o custo de estoque seria o custo financeiro, custo das perdas, absolência e avarias, (FRANCISCHINI E GURGEL, 2004). Existe uma parcela de custos fixos em um estoque, sendo proporcional a capacidade das instalações, pois está relacionada ao espaço físico, aos equipamentos, ao pessoal envolvido e aos demais investimentos (WANKE; FIGUEREDO; FLEURY, 2008). 2.4 Classificação e Codificação de Materiais Para Francischini e Gurgel (2004), são geralmente codificados com o nome, marca, fabricante, quantidades, peso e validades. Um profissional deve desenvolver um sistema de codificação que melhor atinja as necessidades. A chave mais rápida para a identificação dos produtos seria o código de barras. Segundo Bowersox e Closs (2001), para facilitar a localização no estoque existem dois métodos básicos de endereçamento, como o endereçamento fixo, onde é designada certa localização para cada produto e endereçamento variável que seria a designação das mercadorias a qualquer espaço físico disponível. As embalagens devem conter informações identificando um determinado produto, principalmente quando o frasco não permite uma fácil visualização (BALLOU, 1993). 3. Metodologia O método escolhido para a elaboração deste artigo foi um estudo de caso, tratando de uma abordagem metodológica de investigação aplicada à uma empresa Agropecuária localizada na cidade de Glorinha RS. A primeira etapa do trabalho contempla a análise da literatura existente sobre gestão de estoque, armazenagem, codificação de materiais e o uso da tecnologia de informação para o gerenciamento de materiais. Através da busca em periódicos, livros, revistas, artigos e 5

7 trabalhos acadêmicos serão identificados e apresentados os principais pontos referentes ao assunto abordado. A segunda etapa apresenta o diagnóstico da situação atual da empresa no que se refere à gestão de seus estoques. Esta análise será feita através da observação in loco da situação atual, complementadas por entrevistas não estruturadas com os principais envolvidos no processo. Serão analisadas as estratégias de reposição dos estoques bem como a armazenagem, identificação e controle dos mesmos. A partir da análise dos dados, será possível identificar os principais pontos que geram problemas para a gestão eficaz e prática dos estoques da organização. Com a identificação das necessidades da empresa, na terceira etapa serão sugeridas melhorias, com o intuito de serem aprovadas e aplicadas na gestão dos estoques. Por fim, a quarta etapa apresentará os resultados obtidos com a implantação e adaptação dos funcionários envolvidos nos novos procedimentos internos no almoxarifado. 4. Diagnóstico da Situação Atual A empresa Agropecuária Santa Teresinha, situada na cidade de Glorinha/RS é uma empresa familiar que possui uma grande criação de animais como bovinos, ovinos e eqüinos para reprodução e venda. A propriedade tem cerca de hectares e seu departamento financeiro é situado em Porto Alegre. A empresa está dividida em setores, sendo a estrutura dominante na empresa a Estrutura Funcional. Os medicamentos e materiais de uso veterinário usados para prevenção e/ou cura de doenças e demais curativos, ficam armazenados em uma média de 4000 doses de medicamentos em um almoxarifado com cerca de 50 m². A utilização destes medicamentos é conforme a demanda, ou seja, cada vez que algum animal fica doente alguma dose é requisitada e também através de um levantamento no calendário das datas de vacinação junto à Inspetoria Veterinária. A primeira etapa do processo de suprimentos da empresa acorre após verificação da real necessidade junto a Inspetoria Veterinária da região. Desta forma, o médico veterinário da empresa realiza a solicitação de compras de forma manual ao fornecedor, citando os 6

8 medicamentos e/ou materiais (antibióticos, vacinas e materiais cirúrgicos) de uso veterinário, em quantidades específicas de acordo com o número de animais a ser medicados. Em um segundo momento, o gerente e o auxiliar de estoques da empresa, após a chegada dos produtos, realizam uma conferência junto a nota fiscal, identificando a real solicitação de tais produtos, como quantidades e especificação. O setor financeiro da empresa realiza de imediato (á vista) o pagamento para o fornecedor. Após, o funcionário responsável pelo almoxarifado separa e identifica cada medicamento lançando em planilhas de controles internos e após armazenando em prateleiras com fácil visualização. Para os medicamentos que necessitam manter-se em temperaturas de 2º a 8 C, os mesmos então são colocados em freezers. Conforme a demanda, os medicamentos e materiais são retirados das prateleiras do estoque. Para controlar a baixa das quantidades do estoque é realizado anotações em livros que ficam arquivados na empresa. A seqüência de atividades administrativas e operacionais realizadas para a gestão de estoques da empresa atualmente acontece de acordo com esta sequência: i) levantamento da real necessidade; ii) compra do produto; iii) conferência da nota fiscal; iv) lançamento em planilhas de controle; v) separação e identificação; vi) pagamento ao fornecedor e; vii) retirada do estoque e atualização da planilha de controle. Durante a observação realizada in loco para identificar os problemas enfrentados pela empresa em relação à sua gestão de estoques, foram observados aspectos relacionados aos processos internos, custos e histórico da empresa. A partir desta observação, foi possível identificar que a mesma possui alguns problemas em seus processos, principalmente no que se refere a estoques parados, previsão da demanda e as formas de identificação e armazenamento dos itens no almoxarifado. A figura 01 descreve cada um dos pontos destacados e qual a situação atualmente enfrentada pela empresa. Problema ESTOQUE PARADO Descrição Devido à empresa possuir criação de animais de várias espécies, é necessário um grande volume de medicamentos e materiais cirúrgicos de uso veterinários, para que supra a demanda quando necessário. São cerca de doses de medicamentos estocados para prevenção e/ou cura de doenças. Desta forma, acaba tornando-se comum a existência de estoques parados aguardando a sua utilização. Um dos problemas gerados por esta espera é que muitas vezes os medicamentos vencem antes da sua utilização, gerando custos desnecessários de descarte e armazenagem. 7

9 PREVISÃO DE DEMANDA Os medicamentos são utilizados para prevenção e/ou curas de doenças, conforme a demanda ou calendário de vacinação da Inspetoria veterinária da região, sendo difícil prevê-la. Porém mesmo com dificuldades, a previsão é baseada em dados passados arquivados na própria empresa. FORMAS DE ARMAZENAMENTOS E IDENTIFICAÇÃO DOS ITENS Figura 01 - Maiores problemas de Gestão de Estoques Fonte: Autor O armazenamento dos produtos precisa de alguns ajustes para que melhore a visualização dos itens, pois nem todos são corretamente identificados, havendo uma miscelânea no armazenamento. Hoje a falta de uma divisão correta dos produtos, por espécie, utilização, prazos de validade, é um fator preocupante no setor de estoque da empresa. 5. Oportunidades de Melhoria e Implantação 5.1 Estoques Parados O estoque de produtos da empresa é difícil prever e está sujeito a erros, portanto o estoque parado é custo. A redução do mesmo é de extrema importância, evitando gastos desnecessários, como a compra indevida de produtos, e prazos de validade vencidos. Sugere-se que o médico veterinário responsável pela solicitação dos medicamentos e produtos veterinários, tenha certeza da real necessidade, e que use como base os dados passados que são arquivados na empresa, evitando compras desnecessárias e o aumento contínuo deste estoque. Como proposta, um método bastante utilizado é o Just-in-time, que seria suprir os produtos apenas quando eles são necessários, diminuindo o estoque parado (WANKE; FIGUEREDO; FLEURY, 2008), porém muitas vezes o uso desta ferramenta fica restrito por indisponibilidade de fornecedores com produtos a pronta entrega Devido à inexistência na empresa de um controle formal de estoques, a figura 02 apresenta um modelo de controle da entrada de produtos no estoque, onde é possível acompanhar a data da última compra, as quantidades e o número da NF, a fim de montar um histórico do tempo de permanência de tais produtos armazenados. Data da Compra Nota Fiscal Quantidades Medicamentos e Materiais 15/10/ pares Luvas 20/10/ doses Dipirona Figura 02 Proposta para controle de entrada de produtos Fonte: Autor 8

10 5.2 Previsão de demanda Após levantamentos de dados do estoque, é proposto que a empresa crie planilhas de controles eletrônicos (Excel), para que se possa ter um melhor acesso as informações, controlando e facilitando o planejamento. O departamento de compras necessita estar programado para efetuar os pagamentos das mesmas com base em dados passados. A figura 03 apresenta um modelo mais elaborado para controlar as demandas e os fluxos de entrada e saída de medicamentos na empresa. Laboratório Medicamento Fabricação/ Validade IBASA DIPIRONA MERIAL LEVAMISOL CALBOS TOPLINE LTDA SPRAY Figura 02 Controle de estoque de medicamentos Fonte: Autor Disponível Total Indicação Saída no Estoque Estoque Medicamento ANALGÉSICO E ANTE-PIRÉTICO VERMÍFUGO CICATRIZANTE A figura 03 apresenta uma proposta de planilha para controle do fluxo de entrada e saída de materiais de uso veterinário. Material Disponível no Estoque Saída Total no Estoque LUVAS SIRINGAS AGÚLHAS CURATIVOS Figura 03 Controle de materiais de uso veterinário Fonte: Autor. Estas planilhas proporcionam uma melhor visualização dos medicamentos e matérias que estão disponíveis no estoque e seus prazos de validade. Os dados são lançados pelo gerente do almoxarifado no momento da chegada e da saída de tais produtos. A mesma possui uma fórmula (=D8-E8) que calcula automaticamente as quantidades (Disponibilidade em Estoque Saída = Total Estoque). É necessário para a empresa um estoque de segurança, portanto a planilha avisa quando determinado produto está com necessidade de reposição (quantidade mínima), e até mesmo quando determinado produto vencerá (prazo mínimo de 5 dias). 5.3 Formas de Armazenamento e Identificação dos Itens Sugere o autor Araújo (1978), que para uma melhor utilização dentro dos armazéns, um método que pode ser adotado pela empresa é método de endereçamento fixo, onde cada produto tem um espaço determinado. Desta forma, é possível disponibilizá-los em estantes, 9

11 divididos em setores diferentes, permitindo um armazenamento vertical dos produtos, facilitando a acessibilidade, o manuseio, eficiência, organização dos itens e um fácil reconhecimento dos materiais, podendo ser distribuídos em fileiras. Neste sentido, a figura 04 apresenta 3 modelos de layout de etiquetas de identificação, separando cada medicamento por espécie, o que facilitará a visualização e agilizará a busca por medicamentos e materiais de uso veterinário. Figura 04 Modelo de layout de etiquetas de identificação Fonte: Autor Nos rótulos dos produtos deverá constar o nome, fabricante, quantidade, peso e data de validade. Como proposta, será criada uma etiqueta maior, contendo todos os dados do produto, facilitando a visualização. A figura 05 apresenta a proposta para os novos rótulos e informações que deverão constar neste rótulo. É importante salientar ainda que podem existir produtos com alta ou baixa rotatividade conforme demanda. Figura 05 Sugestão de rótulo para os produtos Fonte: Autor 6. Resultados da Implantação A figura 06 apresenta os principais resultados obtidos com a implantação das propostas sugeridas no item 5. 10

12 7. Conclusões Para o desenvolvimento deste trabalho, foi necessária uma visão geral da empresa, tendo como foco a área de gestão de estoques. O objetivo foi mapear e analisar a estrutura organizacional, bem como os procedimentos adotados pela empresa Agropecuária Santa Terezinha Ltda, identificando as deficiências no setor, propondo e implementando melhorias a fim de ajudar a organização a controlar melhor seus estoques. Desta forma, foram identificados 3 problemas que a empresa deve tentar melhorar através da implantação de novos controles e métodos de trabalho, sendo os estoques parados, a previsão de demanda e a forma de armazenamento e identificação de itens. Para o primeiro e segundo caso, foram definidas melhorias no que se refere ao controle de entrada e saída de materiais, facilitando o acompanhamento da movimentação dos materiais. Para o terceiro caso, foi proposto um novo layout para etiquetas de identificação e para os rótulos dos produtos. Problema ESTOQUE PARADO PREVISÃO DE DEMANDA Resultados Implantou-se na empresa um controle eletrônico padrão, em formato de planilha. O responsável pelo estoque após adaptação ao novo procedimento implantado, lança diariamente informações, onde é possível verificar-se o prazo de validade e as quantidades de cada medicamento de uso veterinário estocado. Este sistema reduziu consideravelmente o numero e o custo de produtos vencidos dentro do almoxarifado. Com a implantação de uma planilha eletrônica (Excel), gerou-se uma melhor organização no setor de estoque. O responsável pelo almoxarifado realiza o lançamento dos dados na planilha conforme a Nota Fiscal de compra, onde são lançadas e armazenadas em médias 90 notas semestralmente (média de 15 NF/mês). Tal controle indica um estoque mínimo de segurança informando com cinco dias de antecedência o término dos produtos no estoque. Realizou-se também uma parceria com a Inspetoria Veterinária da região, onde foi acordado o envio, aos cuidados da empresa, do calendário de vacinação com prazo mínimo de seis meses de antecedência, o que está auxiliando na programação da compra dos medicamentos e produtos de uso veterinários junto ao setor financeiro. A empresa realizou recentemente um levantamento de informações, a fim de comparar os custos das compras. O custo com produtos era em média de R$ ,00/ano, e após a implantação dos novos controles ocorreu uma redução média de 15%, economizando-se cerca de R$ 5.000,00/ano, valor considerável. Com esta economia está sendo possível manter os novos controles internos e aumentar a receita da empresa. 11

13 FORMAS DE ARMAZENAMENTOS E IDENTIFICAÇÃO DOS ITENS Figura 06 Resultados obtidos Fonte: Autor Após adaptação dos funcionários a uma mudança no Layout interno da empresa, os produtos estão sendo armazenados em estantes de forma vertical, subdivididos por espécie e utilização, onde o método utilizado foi em forma de etiquetas, cerca de R$ 2.000,00/ano está sendo investido. Tal melhoria está proporcionando resultados positivos, como organização e melhor visualização. Anteriormente, demorava-se em torno de 15 minutos até a localização de determinados produtos. Com a implantação dos novos controles internos, leva-se aproximadamente 5 minutos para que os medicamentos e produtos de uso veterinários estejam preparados para uso, agilizando os processos dentro do almoxarifado. As propostas foram bem recebidas pela empresa, e o sucesso está diretamente ligado à cultura da mesma. Foi necessária inicialmente uma conscientização e adaptação dos funcionários junto às novas sugestões de melhorias, como por exemplo, um controle mais eficaz de endereçamento e etiquetagem dos produtos e a utilização de planilhas eletrônicas a fim de controlar a demanda. Após alguns meses de funcionamento dos novos procedimentos, sugere-se que sejam realizados estudos complementares a fim de avaliar a obtenção de resultados positivos ou negativos, eficazes ou não dentro da empresa. A interação da teoria com a prática possibilitará à empresa atender melhor suas reais necessidades com uma adequada organização, tornandose mais eficiente e alcançando o almejado sucesso. 8. Referências ARAÚJO, Jorge S. Administração de Materiais. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, BOWERSOX, Donald; CLOSS, David. Logística Empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, FLEURY, Paulo; WANKE, Peter; FIGUEIREDO, Kleber. Logística Empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo: Atlas, Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: planejamento do fluxo de produtos e dos recursos. São Paulo: Atlas,

14 FRANCISCHINI, Paulino; GURGEL, Floriano. Administração de Materiais e Patrimônio. São Paulo: Pioneira Thomson Learning,

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA REVISÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

6 Quarta parte logística - Quarterização

6 Quarta parte logística - Quarterização 87 6 Conclusão A concorrência aumentou muito nos últimos anos e com isso os clientes estão recebendo produtos com melhor qualidade e um nível de serviço melhor. As empresas precisam, cada vez mais, melhorar

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE!

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! A EMPRESA A Fast Solution é uma empresa especializada em desenvolver soluções integradas em sistemas de impressão,

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO)

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:Técnico

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Warlei Laurindo Martins¹; Andriele de Oliveira Bernades¹; Juliana de Souza Santos¹;Pedro H. Gomes Lima¹; Diego

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE ENSINO Disciplina: FUNDAMENTOS DE LOGÍSTICA. Carga Horária:

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Análise das implicações do layout em um centro de distribuição logístico

Análise das implicações do layout em um centro de distribuição logístico Análise das implicações do layout em um centro de distribuição logístico Aladiane Santos, ladia87.sbn@hotmail.com Rosani Cruz, rosanisc@hotmail.com Diego Augusto de Jesus Pacheco, profdajp@gmail.com Resumo:

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais