ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: Um estudo de caso na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos Paulo Afonso/BA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: Um estudo de caso na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos Paulo Afonso/BA"

Transcrição

1 FACULDADE SETE DE SETEMBRO - FASETE CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARCELA ROUSE MARQUES DE MELO ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: Um estudo de caso na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos Paulo Afonso/BA Paulo Afonso - BA Novembro / 2011

2 MARCELA ROUSE MARQUES DE MELO ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: Um estudo de caso na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos Paulo Afonso/BA Monografia apresentada ao Curso de Bacharelado em Administração da Faculdade Sete de Setembro FASETE, como requisito para obtenção do título de Bacharel em Administração, sob a orientação da Professora Albenice Freire Nunes. Paulo Afonso - BA Novembro / 2011

3

4 Dedico esse trabalho, essa conclusão de mais uma fase da minha vida primeiramente a Deus por sempre esta ao meu lado e aos meus pais que sempre me incentivaram e mostraram o melhor caminho para vida, a fé, o respeito e os meus estudos.

5 Agradecimentos Primeiramente agradeço à Deus por estar sempre comigo, guiando todos os meus passos para que eu alcançasse meus objetivos, pois sem ele nada seria possível. Aos meus pais, que os amo muito, que sempre se dedicam para da uma boa educação, investindo no meu futuro e dos meus irmãos. Ao meu esposo Ricarth pela compreensão e companheirismo que com seu amor e carinho sempre me incentivou a ir em busca dos meus sonhos. A minha orientadora Profª Albenice Nunes, pessoa muito importante para concretização deste trabalho, que agüentou os meus chiliques e que sempre me incentivou a ir em frente e não me deixou desistir, muito obrigada! A professora e coordenadora Cynthia Mattosinho que sempre demonstrou sua preocupação para que eu pudesse conclui esse trabalho. Aos meus colegas de turma Sandra, Amanda, Pollyana, Tassia e Robson que foram grandes companheiros a minha amiga Kátia que mesmo distante sempre demonstrou seu carinho e sua amizade. Obrigado a todos vocês por fazerem parte dessa etapa da minha vida que foi concluída com muito amor e dedicação.

6 A maior vantagem competitiva que uma empresa pode possuir é uma visão do futuro. Gary Hamel

7 Resumo A presente monografia tem como intuito identificar a administração de estoque como um diferencial competitivo na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos, avaliando as formas de controle de estoques e analisando se o sistema de controle de estoque utilizado atende as necessidades da empresa estudada. Os temas abordados no referencial teórico tratam Administração de Materiais, Gestão de estoques, Logística e Diferencial competitivo. Nos procedimentos metodológicos foram utilizadas pesquisas bibliográficas, de campo e pesquisa qualitativa, já o meio de coleta de dados foi à entrevista com o Gestor da empresa. O estudo de caso descreve as informações sobre a Loja Sidnei Componentes Eletrônicos, sua missão, visão, objetivos e organograma da mesma, e por fim apresentam as análises, sendo possível à obtenção de resultados que contribuíram no entendimento de que à forma com a qual a empresa administra seus estoques auxilia às suas vendas, a torna mais competitiva perante seus clientes e, conseqüentemente, obtêm resultados favoráveis em relação aos seus investimentos, informação esta dada pelo gestor da mesma. Assim, percebe-se que a devida administração de estoque é um diferencial competitivo na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos e que o seu gestor considera sua administração adequada ao seu meio de atuação. Palavras-chaves: Administração de Materiais, Gestão de estoques, Logística, Competitividade.

8 Abstract This monograph was developed in order to identify the inventory management as a competitive edge in the Electronic Components Store Sydney, evaluating ways to control inventories and analyzing the inventory control system used meets the needs of the company studied. The topics covered in the theoretical treat Materials Management, Inventory Management, Logistics and competitive edge. Methodological procedures were used in literature searches, field and qualitative research, as the means of data collection was the interview with the manager of the company. The case study describes the information about the Lodge Sydney Electronic Components, its mission, vision, goals and organizational structure of it, and finally present the analysis, it is possible to obtain results that contributed to the understanding that the way in which the company manages its inventory to sales aids, makes it more competitive with its customers and consequently obtain favorable results in respect of their investments, information is given by the same manager. Thus, it is clear that proper inventory management is a competitive edge in the Electronic Components Store Sydney and that his manager his administration considers suitable to your way of acting. Keywords: Materials Management, Inventory Management, Logistics, competitiveness.

9 Lista de Figuras Figura 1 - Procedimentos fundamentais de Administração de Materiais...20 Figura 2 - Estrutura Organizacional da Empresa...39 Figura 3 - Mostruário de Guitarras...40 Figura 4 - Estoque de Guitarras...40 Figura 5 - Mostruário de Fios...40 Figura 6 - Estoque de Fios...40 Figura 7 - Gaveteiro de Comp. Eletrônicos...41 Figura 8 - Mostruário de Matérias Elétricos...41 Figura 9 - Balcão e Prateleiras...41

10 Sumário 1. INTRODUÇÃO Considerações Iniciais Definição do Problema Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Estrutura do Trabalho REFERENCIAL TEÓRICO Administração de Materiais Logística Importância da Logística Logística e Diferencial Competitivo Gestão de Estoques Estoques Política de Estoques Tipos de Estoques Custos dos Estoques PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Tipo de Pesquisa Universo e Amostra Instrumentos de coleta de Dados Análise e Interpretação dos Dados Conclusão do Capítulo ESTUDO DE CASO Descrição da Empresa Estudada... 37

11 4.1.1 Missão, Visão e Objetivos Organograma Descrição de ambientes da Loja Sidnei Componentes Eletrônicos Análise e Interpretação dos Dados da entrevista aplicada ao Gestor Entrevista com o Gestor CONSIDERAÇÕES FINAIS Limitações do estudo Recomendações para próximas pesquisas REFERÊNCIAS...51 APÊNDICE...53 ANEXOS...55

12 12 1. INTRODUÇÃO No presente capítulo são abordados os conceitos relacionados ao tema em estudo, os quais serviram como ferramenta para um melhor embasamento da problemática. Logo em seguida serão apresentados a justificativa e os objetivos gerais e específicos que envolvem esta pesquisa. 1.1 Considerações Iniciais O ambiente empresarial tem se modificado ao longo dos anos, como consequência as organizações se tornaram cada vez mais competitivas. Essa competitividade está diretamente relacionada às características de desempenho ou eficiência da empresa, ou seja, para sobreviver e crescer no mercado de atuação é necessário adotar novas formas de administração que se diferenciem dos seus concorrentes. Para se adequar ao processo de globalização, se destacar diante dos seus concorrentes e acompanhar as alterações no comportamento dos consumidores, os gestores cada vez mais tem se preocupado em estabelecer novas estratégias que auxiliem nas tomadas de decisão e no alcance das metas estabelecidas. Essas estratégias estão basicamente relacionadas em atender as necessidades de seus clientes, reduzir os custos, ter um maior controle das entradas e saídas dos seus estoques, evitar desperdícios e aumentar a sua lucratividade. A estratégia competitiva envolve o posicionamento de um negócio de modo a maximizar o valor das características que o distingue de seus concorrentes. Em consequência, um aspecto central da formulação da estratégia é a análise detalhada da concorrência (PORTER, 1991, p. 61) O meio mais eficiente de se estabelecer uma estratégia competitiva é conhecer as diversas características dos seus concorrentes, principalmente, os seus pontos fortes e fracos, a qualidade dos produtos, serviços ao consumidor, política de preços, abrangência da sua distribuição e seus fornecedores.

13 13 Dentre as estratégias que possibilitam um melhor desempenho das empresas em relação aos seus clientes, como também aos seus concorrentes, o controle das entradas e saídas das mercadorias dos estoques tem demonstrado ser de grande entradas e saídas das mercadorias dos estoques têm demonstrado ser de grande importância nas atividades econômicas e financeiras das empresas. Essa função administrativa é conhecida como Administração de Materiais ou Administração Logística, que segundo Francischini e Gurgel (2002) é uma atividade que envolve o planejamento, a execução e o controle, nas condições mais eficientes e econômicas, as entradas e saídas de material, desde a tomada de decisão de compra até a entrega do produto ao cliente. A base do gerenciamento logístico é otimizar os recursos de suprimentos, estoques e distribuição dos produtos e serviços. Dentre estes, pode-se considerar que o controle de estoque é uma das mais importantes funções da Administração de Materiais. De acordo com Martins e Campos (2005, p. 155). A gestão de estoques constitui uma série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se utilizam, bem manuseados e bem controlados. Uma ideal administração de estoque possibilita ao gestor um aumento no grau eficiência, diminuição das perdas, ganhos significativos, agilidade no atendimento, rapidez na localização dos produtos e confiabilidade nos processos. Esses procedimentos contribuem na satisfação do cliente e na rentabilidade dos negócios. As empresas devem ter uma atenção especial à administração de seus estoques, independente do ramo, a sua má gestão pode provocar altos custos em razão das aquisições indevidas, bem como a perda de clientes em razão da falta de produtos. Este trabalho tem como proposta demonstrar que um eficiente controle de estoque auxilia as empresas a se tornar mais competitivas e que a sua devida administração é considerada como diferencial diante dos concorrentes. Por meio deste serão conhecidos formas de controle e critérios de avaliação de estoques utilizados na empresa em estudo.

14 Definição do Problema No cenário atual, onde a competitividade tende a crescer, percebe-se que os clientes estão cada vez mais exigentes e sempre em busca do novo. Em razão disso, as empresas que não ofertarem diversidades e produtos que estão em evidência, estarão em desvantagem diante aos concorrentes e assim, perdendo espaço no mercado de atuação. Para atender a demanda as empresas precisam manter um constante equilíbrio entre a procura e a oferta, daí a grande importância de se manter um controle ideal de estoque. Saber o que comprar e quando comprar é um desafio que grande parte das organizações enfrentam, se não houver um planejamento de estoque ocorrerá o risco de aquisição de mercadorias de pouco giro e falta daquelas de maior procura, além de prejudicar a imagem da empresa, há prejuízos econômicos. Conforme Pozo (2007, p. 38), entende-se que controle de estoques, dentro da logística, é em função da necessidade de estipular os diversos níveis de materiais e produtos que a organização deve manter, dentro de parâmetros econômicos. As mercadorias só devem ser adquiridas e mantidas em estoque se houver uma real necessidade, pois um estoque inadequado só acarreta custos de armazenagem e muitas vezes perdas por desgastes ou obsolência. Portanto na elaboração do planejamento devem ser considerados os fatores internos e externos que afetam diretamente os custos e os meios de aquisição dos produtos. Uma boa administração de estoque pode ser considerada como diferencial competitivo, o qual envolve os seguintes processos: à procura, aquisição, armazenamento e venda do produto. Esta observação dar suporte a discussão proposta neste trabalho, portanto buscou-se pesquisar uma empresa que auxiliasse a pesquisa, assim, a administração de estoques como diferencial competitivo na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos foi definido como o problema a ser estudado, dando ênfase ao controle de estoque. Portanto, este trabalho tem com objetivo responder a seguinte questão: De que forma a administração de estoque pode ser

15 15 considerada como um diferencial competitivo na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos? 1.3 Justificativa O foco principal de uma empresa que tenha entre seus objetivos ser competitiva e permanecer no mercado deve ser, entre outras finalidades, atender as necessidades do cliente e, consequentemente, obter lucro sobre seu investimento. Algumas atitudes são essenciais para que esse desejo seja possível, como ofertar um bom atendimento, preço baixo, produtos de qualidade, como também administrar de forma correta o seu estoque. Percebe-se cada vez mais que o sucesso de um empreendimento está muito ligado a uma boa gestão de estoques, ou seja, o sucesso operacional depende de uma logística adequada, que atenda a demanda e que não cause prejuízos com armazenamentos indevidos ou a escassez dos produtos. O controle de estoque exige cuidados especiais, principalmente no que diz respeito aos departamentos responsáveis pela decisão de adquiri-los e mantê-los, o financeiro e operacional. Estes normalmente entram em conflito, em razão do primeiro, o financeiro, se preocupar mais com os gastos e custos envolvidos na aquisição, armazenamento e manutenção dos estoques o segundo, portanto pra este departamento é importante verificar se há necessidade de certos investimentos. O departamento operacional foca mais a necessidade de atender a demanda e sempre ter em estoque diversidade de produtos, independente dos custos, a aquisição de mercadorias é considerada um investimento e um meio de se tornar mais competitivo (MOREIRA, 2004). Com o intuito de atender melhor o seu cliente, desde a fabricação até o cliente final, é necessário que se mantenha na empresa um bom planejamento de sua logística, isso significa direcionar seus esforços para que o seu estoque não seja um empecilho no momento de suas vendas, e se necessário adquirir um sistema de informática que auxilie na compra, estocagem e no melhor atendimento possível

16 16 para com o cliente. Essa estratégia tornará mais segura as decisões relativas ao que deve ser adquirido, estocado e ofertado. Organizar um estoque está diretamente ligado a uma gestão ideal, portanto não se deve medir esforços em atender bem o cliente, saber o quanto deve ser investido, diminuir os custos e assim obter lucros. Conforme Moura (2004, p. 4), para gerir com eficiência os estoques de uma organização, é necessário conhecer o capital investido, a disponibilidade do estoque existente, o custo Incorrido. Conhecendo as informações necessárias para se desenvolver um planejamento de estoque que atenda a demanda e que evite prejuízos, a empresa se tornará mais competitiva no meio de que atua. O desenvolvimento deste trabalho é importante para a empresa em estudo, em razão de abordar dois temas de extrema importância na gestão de qualquer empreendimento, que é a administração de seus estoques e a competitividade. Conforme os resultados obtidos, irá auxiliar na tomada de decisões, como por exemplo, em que momento comprar, como armazenar e controlar os seus estoques. Para os acadêmicos o estudo irá auxiliar num maior conhecimento sobre a área de Administração de Materiais e as atividades que a envolve. Para a comunidade, a aplicação das teorias sobre administração de estoque pelos gestores, ou seja, a prática em si nas empresas, irá beneficiá-los no momento e pós o atendimento, resultando assim, em clientes mais satisfeitos e uma organização mais competitiva. 1.4 Objetivos A seguir, será apresentado o objetivo geral e os objetivos específicos, os quais direcionam a pesquisa realizada Objetivo Geral Identificar se a administração de estoque pode se considerada como um diferencial competitivo na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos.

17 Objetivos Específicos Pesquisar os conceitos de administração de materiais, gestão de estoques, logística e diferencial competitivo; Detectar o grau de importância dada ao controle de estoque na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos; Avaliar as formas de controle de estoque na Loja Sidnei Componentes Eletrônicos; Analisar se o sistema de controle de estoque utilizado atende as necessidades da organização em estudo. 1.5 Estrutura do Trabalho Este trabalho possui uma estrutura simples, conforme os conhecimentos adquiridos ao longo da pesquisa, com o objetivo de obter resultados que atendam à problemática em estudo. Os capítulos estão estruturados da seguinte forma: Capítulo 1 Introdução: Na apresentação inicial se encontram a apresentação do tema pesquisado, a definição do problema, os objetivos do estudo, a justificativa para que o mesmo seja desenvolvido, como também sua importância. Capítulo 2 Referencial teórico: Neste capítulo são aprestados definições e citações de autores que abordam o tema em estudo como por exemplo, conceitos sobre administração de materiais, logística, gestão de estoque, entre outros. Capítulo 3 Procedimentos metodológicos: Nessa fase é conhecida a metodologia utilizada para realização deste trabalho o tipo de pesquisa, como também os instrumentos de coletas de dados dos resultados que responderam a problemática em foco. Capítulo 4 Estudo de caso: Neste capítulo as informações sobre a empresa em estudo foram descritas, posteriormente a entrevista feita com o gestor da mesma, juntamente com a análise, discussão e interpretação das respostas colhidas com o

18 18 objetivo de se identificar se a boa administração de estoque é considerada um diferencial competitivo. Capítulo 5 Considerações finais: Este capítulo contém as conclusões da pesquisa realizada, nele são abordados diversos temas relacionados aos objetivos deste trabalho, como também suas principais contribuições na área de Gestão de estoque e a sua influência na Prestação de serviços, o mesmo está organizado da seguinte forma: limitações do estudo, sugestões para a organização em estudo e recomendações para próximas pesquisas. Nas Referências se encontram as fontes que serviram de embasamento para a realização deste trabalho. Nos Apêndices são encontrados o questionário e a entrevista realizada com o gestor da organização. Nos Anexos encontram-se as fotos da loja e do depósito de mercadorias da empresa pesquisada.

19 19 2. REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo encontram-se conceitos e citações referentes ao tema em estudo, o objetivo deste é fornecer informações que dêem embasamento que auxilie no alcance do objetivo desta monografia. 2.1 Administração de Materiais Os materiais que auxiliam no exercício das atividades de uma empresa são de responsabilidade da Administração de materiais. Embora a maioria das organizações não possuírem em seu quadro funcional um profissional especializado nessa área, a rotina dessa função deve ser acompanhada com um cuidado especial, independente do ramo a atividade esta geralmente exercida pelo gestor ou gerente da mesma, pois engloba desde a aquisição até o consumidor final (o cliente). De acordo com Francischini e Gurgel (2004, p. 5), Administração de Materiais é a atividade que planeja, executa e controla, nas condições mais eficientes e econômicas, o fluxo de material, partindo das especificações dos artigos a comprar até a entrega do produto terminado ao cliente. Administração de materiais é entendida por Viana (2002) como, uma das especializações do administrador, daí a necessidade de se analisar os dez mandamentos da boa Administração, segundo Marcelo Martinovich, consultor e professor do Sebrae (SP): 1. análise do mercado; 2. perfil do público; 3. compras e estoques; 4. custos e formação de preços; 5. fluxo de caixa; 6. ponto de equilíbrio; 7. planejamento tributário; 8. estrutura comercial;

20 20 9. política de Recursos Humanos; 10. Informática. O administrador de materiais deve estar atento na hora de solicitar produtos para estocar, pois cabe ao mesmo gerenciar e controlar as entradas e saídas de mercadorias. Segundo Viana (2002, p.40), Administrar com eficiência e exatidão o movimento de entradas e saídas dos materiais necessários à empresa - o quê, quando e como comprar - não é tarefa simples. A Tabela 1 aprofunda esse raciocínio. Figura 1 - Procedimentos fundamentais de Administração de Materiais. Fonte: Viana, 2002,. Ainda segundo o autor, nenhum modelo ou sistema pode substituir ou prescindir da análise do administrador, pois as características de consumo, importância, valor e métodos de compra dos materiais são muito variáveis. (Viana 2000, p.41) 2.2 Logística Desde o início dos tempos o homem já utilizava a logística na sua vida sem ter a menor noção do seu significado, pois em busca de seu sustento e de produtos que pudessem ser utilizados para confeccionar suas vestimentas, o mesmo se deslocava

21 21 para outras áreas que fossem mais favoráveis às suas necessidades. Esseagrupamento de pessoas dava origem a diversas atividades, as quais originavam produtos e serviços que eram utilizados por todos. Conforme Ballou (1993, p.18), a concepção logística de agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva é uma evolução natural do pensamento administrativo. Nos tempos atuais essa atividade interliga o fluxo de mercadorias desde a sua fabricação até o consumidor final, sendo necessário um planejamento que acompanhe o seu fluxo. A logística de uma empresa é notada independente de seu porte ou da simplicidade das suas atividades, conforme Ching (1999, p. 20): O tratamento das atividades logísticas nas empresas pode ser classificado em várias fases, de acordo com o grau de inter-relação existente entre os diversos agentes da cadeia. Esse relacionamento inicia-se na fase em que a empresa trata os problemas logísticos somente em sua óptica interna, passa em seguida pelos primeiros passos rumo à integração empresa-cliente, progride posteriormente em direção ao tratamento integrado empresas - fornecedores e atinge a fase da logística integrada. A satisfação do cliente deve ser o objetivo primordial de toda empresa, principalmente no momento do atendimento, portanto, disponibilizar seus estoques de uma forma que atenda as suas necessidades é papel de um gestor que organiza sua logística de forma harmoniosa, visando sempre à redução de custos e o aumento da competitividade da empresa Importância da Logística A logística tem papel importante em diversos setores de uma empresa, um bom planejamento colocado em prática, interfere no tempo de entrega, na redução dos custos e aumenta a competitividade entres os segmentos, portanto um planejamento responsável e um devido controle nos processos e informações são atitudes que tornam a empresa mais competitiva no ramo atuação (MARTINS E ALT, 2005). As empresas que seguem seus planejamentos tendem a diminuir os prejuízos e consequentemente, aumentam seus lucros e se destacam no mercado.

22 22 Ballou (2001, p. 25) enfatiza que, A logística diz respeito à criação de valor, tanto para clientes e fornecedores como para acionistas. O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços não têm valores a menos que estejam sob posse do cliente quando (tempo) e onde (lugar) eles desejam consumi-los Logística e Diferencial Competitivo Devido à globalização, a facilidade de se obter informações mais rápidas, contribui para o aumento da concorrência, e a logística surge como uma ferramenta a ser utilizada para produzir vantagem competitiva, por isso deve-se ter uma administração apropriada que facilite as relações entre cliente e fornecedor, tendo em vista que para o sucesso do gerenciamento de materiais nas empresas depende da aplicabilidade dos conceitos logísticos. Para que a empresa obtenha vantagem competitiva ela precisa adquirir uma estratégia que seus concorrentes ainda não tenham implantado, ou seja, é necessário buscar um diferencial que satisfaça as necessidades do consumidor, o planejamento logístico pode ser considerado uma vantagem competitiva. Para Fleury (2000, p.29), as mudanças econômicas vem transformando o conceito empresarial sobre logística, que passou a ser vista não mais como uma simples atividade operacional, e sim como uma atividade estratégica, uma ferramenta. As estratégias competitivas de uma empresa, normalmente, são o que a sustenta no mercado, o que vem se buscando nos últimos tempos é uma redução de tempo no atendimento ao cliente, ou seja, uma forma mais eficaz de cumprir prazos de entregas e se possível reduzi-los a ponto de se chegar à pronta entrega, preocupando-se sempre com a satisfação do cliente. Segundo Martins e Alt (2005, p. 284): Cada vez mais se ouve a expressão: competitividade pelo tempo, isto é, a rapidez de resposta aos desejos do consumidor torna-se fator decisivo de diferencial competitivo entre as empresas. Conseguimos isso por meio do gerenciamento otimizado do sistema

23 23 logístico, ou seja, temos de tratar esse sistema considerando os relacionamentos nele existentes, e saber que rapidez aumentada sem melhoria do sistema significa aumento de custos. Uma estratégia competitiva está diretamente ligada a uma administração que tem como valor ações que geram resposta que tendem a atender aos desejos dos clientes, quanto mais imediata for este atendimento, mais competitiva será a empresa, este será, portanto, um de seus diferenciais. Para Bowersox e Closs (2001, p.69), a disponibilidade de produtos reflete a capacidade da empresa em ter em estoques as mercadorias no momento em que são requisitadas pelo cliente. Portanto, para que a empresa se destaque da concorrência ela precisa atingir os objetivos da gestão de estoques, onde o gestor deve formalizar uma política de estoques visando ter um diferencial. Um devido planejamento de estoques pode ser considerado com uma vantagem competitiva, principalmente em relação ao orçamento necessário para estocagem de produtos. Segundo Ettinger (1972, p. 692), Um orçamento para estocagem indica a quantidade de matériaprima e fornecimentos suplementares, os materiais em processo de elaboração e as quantidades de produtos acabados, que deverão estar disponíveis no começo de cada período comercial (mês, semana). O autor ainda completa que terão vantagens em relação aos orçamentos se ficarem atentos as seguintes informações: 1. Desviações do programa podem ser localizadas pela comparação dos orçamentos com os registros; 2. Os administradores dos estoques terão clara compreensão da política de estoques seguida pela Direção; 3. Os meios requeridos pelas mudanças nas necessidades dos estoques, quando o negócio precisa de grandes ou pequenos estoques, podem ser reservados pela direção financeira a fim de atender em tempo a tais necessidades;

24 24 4. Pela comparação entre o orçamento e o desempenho real, a Direção pode apreciar rapidamente a eficiência da administração dos estoques. 5. Desviações do programa podem ser localizadas pela comparação dos orçamentos com os registros; 6. Os administradores dos estoques terão clara compreensão da política de estoques seguida pela Direção; 7. Os meios requeridos pelas mudanças nas necessidades dos estoques, quando o negócio precisa de grandes ou pequenos estoques, podem ser reservados pela direção financeira a fim de atender em tempo a tais necessidades; 8. Pela comparação entre o orçamento e o desempenho real, a Direção pode apreciar rapidamente a eficiência da administração dos estoques. Desde o primeiro item percebe-se a importância da previsão de venda e assim ter noção da quantidade que se estar disposto a vender e assim fazer um orçamento que atenda a demanda e justifique o investimento. Percebe-se que por meio de um planejamento adequado é possível manter um estoque que satisfaça os objetivos da empresa e, conseqüentemente, as necessidades do cliente. Pode-se entender que seguindo o planejamento traçado para o funcionamento ideal da sua logística, e estando atentas as informações citadas por Ettinger, a empresa terá mais chances de se tornar competitiva perante seus concorrentes. 2.3 Gestão de Estoques O ato de administrar os recursos materiais que possuem valor econômico e que auxiliam na movimentação da empresa é considerado como gestão de estoques. Então essa atividade envolve gerir os materiais adquiridos para movimentar a empresa no intuito de se obter lucro, os ativos circulantes, como também aqueles que são ociosos e fazem parte do ativo permanente, como exemplo as máquinas e equipamentos que auxiliam na produção e nas vendas. Segundo Kobayashi (2000, p. 54), um dos objetivos da gestão de estoques é manter o suprimento adequado de mercadorias e produtos para atender os clientes. No entanto, algumas empresas não conseguem ter um controle de estoque adequado

25 25 ocasionando na falta de produtos e atrasos na entrega dos mesmos, tanto em relação ao fornecedor como na entrega do produto ao cliente. Essas situações podem causar grandes impactos sobre os custos e no atendimento ao cliente, pois quando a empresa perde de vender um produto por falta no estoque, ela tanto esta perdendo vendas como também gerando insatisfação e a perda de confiança dos consumidores. Além das situações descritas a cima, uma má gestão de estoques pode ter conseqüências desastrosas para uma empresa, pois um indevido investimento em estoques pode ocasionar perda financeira, custos adicionais e excessivos que, a partir destes fatores, igualam, em importância estratégica e econômica, os investimentos em estoque aos investimentos ditos diretos. Daí a decisão de obter um estoque ideal ou mínimo, e assim manter na empresa quantidades suficientes e necessárias para o fluxo da produção desde a encomenda até conseguir o equilíbrio com o fluxo de consumo. Arnold (1999, p.107) informa que: Em termos financeiros, os estoques são muito importantes para as empresas de manufatura. No Balanço patrimonial, eles representam de 20% a 60% dos ativos totais. À medida que os estoques vão sendo utilizados, seu valor se converte em dinheiro, o que melhora o fluxo de caixa e o retorno sobre o investimento. Existe um custo de estocagem dos estoques, que aumenta os custos operacionais e diminui os lucros. A boa Administração dos estoques é essencial. Percebe-se que os estoques fazem parte de um percentual significativo dos custos de uma organização e que é essencial na movimentação da mesma, e que a decisão de mantê-los, geralmente, se torna um diferencial competitivo perante os concorrentes. Como foi dito, os estoques tem custos e a necessidade de um bom gerenciamento destes busca a redução dos mesmos e conseqüentemente um aumento nos lucros. A função do sistema de administração de materiais, o gerenciamento de estoques reflete quantitativamente os resultados obtidos pela empresa ao longo do exercício financeiro, o que, por isso mesmo, tende a ter sua ação concentrada na aplicação de instrumentos

26 26 gerenciais baseados em técnicas que permitam a avaliação sistemática dos processos utilizados para alcançar as metas desejadas (VIANA, 2002, p. 107). Entende-se então que, o gerente de estoque tem que atingir o principal objetivo da administração de material, que é manter um nível satisfatório, que atenda às necessidades em relação ao material demandado na empresa Estoques Estoque é conhecido como os bens físicos que ficam guardados, por algum período, numa empresa. Geralmente, este termo é associado apenas às necessidades de uma fábrica ou indústria, o que não deve ser considerado, pois alguns comércios, independente do ramo, só são movimentados com a presença de estoques sendo, portanto, a sua presença significativa já que o seu investimento faz parte de um grande percentual de seu capital investido. Conforme Pozo (2002, p. 109), o termo controle de estoques, dentro da Logística, é em função da necessidade de estipular os diversos níveis de materiais e produtos que a organização deve manter, dentro de parâmetros econômicos. Viana (2002, pg. 109), pode-se define estoques assim: ou a. materiais, mercadorias ou produtos acumulados para utilização posterior, de modo a permitir o atendimento regular das necessidades dos usuários para a continuidade das atividades da empresa, sendo o estoque gerado, consequentemente, pela impossibilidade de prever-se a demanda com exatidão; b. reserva para ser utilizada em tempo oportuno. Segundo Viana (2002, p. 115): A manutenção de estoques requer investimentos e ganhos elevados. Evitar sua formação ou, quando muito, tê-los em número reduzido de itens e em quantidades mínimas, sem que,

27 27 em contrapartida, aumente o risco de não ser satisfeita a demandados usuários, consumidores em geral, representam um ideal conflitante com a realidade do dia-a-dia. De acordo com o autor, pode-se dar ênfase a algumas razões para a existência dos estoques: Compras ou produção de forma mais econômica; Redução de fretes; Prevenir incertezas (desabastecimentos); Reduzir efeitos de sazonalidades; Diferentes ritmos de produção entre fases; Reduzir custos de ociosidades; e Melhor atendimento a consumidores. A diminuição dos custos das mercadorias são conseqüências de grande parte das razões citadas acima, como também interferem nos preços ofertados. Portanto, é importante se fazer uma previsão dos seus estoques seguindo a demanda existente no mercado. Atender aos clientes na hora certa, com a quantidade certa e requerida, tem sido o objetivo da maioria das empresas. Assim, a rapidez e presteza na distribuição das mercadorias assumem cada vez mais um papel preponderante na obtenção de uma vantagem competitiva duradoura (MARTINS E ALT, 2005, p. 137). Atender ao cliente de forma ágil é considerado um diferencial competitivo, então a forma como as mercadorias são armazenas ou estocadas facilita o acesso as mesmas, deixando o cliente satisfeito e demonstrando assim que a empresa é organizada no que diz respeito à gestão de seus estoques. Para Viana (2002, p. 116 e 117) pode-se classificar os materiais que compõem o estoque sob vários aspectos. No entanto, a classificação de materiais quanto à aplicação, em materiais produtivos e improdutivos, auxilia a política de formação. Independente de serem para o cliente interno ou para o externo, os estoques deve ser mantido conforme a necessidade de consumo. Então, cada tipo de estoque tem suas características próprias e sofrem influências distintas, por exemplo, osestoques

28 28 destinados à venda são influenciados pelas solicitações impostas pelo mercado e das conseqüências nas mudanças na oferta e na procura e na capacidade de produção; já em relação ao consumo interno da empresa, que são influenciados pelas necessidades constantes dos setores de produção, manutenção e todos os outros setores. Os estoques possuem algumas características, pode-se cita as principais, também consideradas formas de armazenagens: Movimentação a mercadoria é recebida, depois deslocada para o local de armazenagem. Em seguida armazenada e, se necessário, levada para outro local de embarque. Essa movimentação é conhecida como fluxo de operações, e funciona conforme sua trajetória. Armazenagem Esse sistema se refere a ideal disposição das mercadorias e deve funcionar como uma estrutura organiza para que a sua disposição seja facilitada. Para AMARAL: Para caracterizarmos um "Sistema de Armazenagem" é necessária uma perfeita integração entre estrutura metálica, equipamento de movimentação, prédio/armazém, produtos a serem estocados, etc. Tudo isso para que se satisfaçam as necessidades de cada organização. Ainda complementa, a importância da "Armazenagem" na Logística é que ela leva soluções para os problemas de estocagem de materiais que possibilitam uma melhor integração entre: Suprimento - Produção - Distribuição. (AMARAL; J. L.) Conforme o autor citado acima, para que haja equilíbrio no fluxo de materiais, é importante que haja integração de todas as partes envolvidas no sistema logístico e esta é a função do sistema de armazenagem. Conforme Francischini e Gurgel (2004, p. 148), para que o controle de estoques seja eficaz é necessário, portanto que haja um fluxo de informações adequado e um resultado esperado quanto a seu comportamento.

29 29 Já que a tendência das empresas nos dias de hoje é manter com estoques cada vez menores como forma de redução nos custos, no momento da aquisição é importante verificar os prazos de entrega com seus fornecedores e assim poder atender a demanda de uma forma que priorize a necessidade do cliente, para que isso aconteça é necessário que gestor formalize uma política de estoques. Para Fleury, Wanker e Figueiredo ( 2000,p.187), a formalização de uma política de estoques abrange a tomada de decisão com base em quatro questões: 1. Onde localizar estoques na cadeia de suprimento? Esta decisão é referente a centralização e descentralização dos mesmos[...]; 2. Quando pedir ressuprimento?nesta decisão busca-se determinar se a empresa vai conseguir ou não a metodologia pelo ponto de pedidos; 3. Quanto manter em estoque de segurança?[...] Quando é preciso manter para os níveis de disponibilidade de produtos exigidos pelo mercado; 4. Quanto pedir?busca-se determinar se é mais adequado para uma empresa adotar a metodologia do lote econômico de compra ou implantar um regime Just in time. O gestor deve analisar essas decisões para que possa se determinar a eficiência da empresa ocasionando ao sucesso no atendimento ao cliente, diminuindo os desperdícios e reduzindo os custos Política de Estoques A política de estoque tem como objetivo demonstrar como é importante o planejamento de estoque para o resultado financeiro de uma empresa. Para Bowersox & Closs (1997), o termo política de estoque esta relacionado a normas sobre o que comprar o que reduzir, quando comprar e produzir, e em quais quantidades. Isto inclui também as decisões sobre posicionamento e alocação dos estoques.

30 30 O planejamento de estoque deve estabelecer metas a serem atingidas para que assim possa medir o desempenho da gestão de estoque, que visa manter nos depósitos os produtos suficiente para o giro dos negócios. Para Pozo (2000, p.35 e 36), os objetivos do planejamento e controle de estoque são: Assegurar o suprimento adequado de matéria prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; Manter o estoque o mais baixo possível; Identificar os itens obsoletos para eliminá-los; Não permitir falta ou excesso de produtos em relação à demanda; Prevenir-se contra perdas, danos, extravios ou mau uso; Fornecer bases concretas para elaboração de dados ao planejamento; Manter os custos nos níveis mais baixos possíveis, levando em conta os volumes de vendas, prazos, recursos e seu efeito sobre o custo de venda do produto. O gestor deve mensurar os custos com os estoques, o ideal para qualquer empresa seria a inexistência de estoques, no entanto a realidade é outra, pois a empresa deve manter um nível de produtos que sirva de amortecedor entre os mercados supridor e os consumidores, por isso a importância do planejamento e do controle de estoque dentro de uma organização Tipos de Estoques Os estoques são muito importantes para o processo de produção e venda, sendo assim é necessário um controle de entradas e saídas, detalhado e eficiente que contribua para um bom funcionamento dos negócios. Para Dias (1993), os estoques na empresa podem ser: Matérias-primas São os materiais básicos ou insumos necessários para produção dos acabados; Produtos em processo consiste em todos os materiais que estão sendo utilizados no processo de fabricação;

31 31 Produtos acabados refere-se aos produtos já prontos, ou seja, os produtos já foram produzidos, mais ainda não foram vendidos; Peças de manutenção corresponde aos produtos utilizados para manutenção. O custo da produção é constituído das despesas de mão-deobra parada, equipamentos ociosos e perda ocasional Custos dos Estoques Atualmente as empresas buscam estudar o comportamento dos clientes para assim descobrir quais são suas necessidades e muitas vezes acabam optando por vendas sob encomenda, evitando não ficarem com muita mercadoria em estoque, pois muitas vezes é considerado como investimento parado.porém, a falta de produtos poderá acarretar custos elevados. Para Pozo (2007, p.37 e 38), existem varias espécies de custos que se aplicam as situações de estoque: Custo de Pedido - está diretamente determinado com base no volume das requisições ou pedidos que ocorrem no período. Custo de Manutenção de Estoque - incorporam as despesas de armazenamento, impostos, seguros de incêndio e roubo decorrente do material estocado. Além disso, os itens estão sujeitos a perdas, roubos e obsolescência, aumentando ainda mais os custos de mantê-los em estoques. Custo por falta de Estoque - as empresas buscam reduzir ao máximo seus estoques o que poderá fazer com que ela não cumpra o prazo de entrega de seu produto, o que proporcionará uma multa por atraso ou, cancelamento por parte do cliente. Portanto, as empresas devem ter um controle de estoque que a possibilite atender a demanda tornando-se mais eficaz e competitiva, pois devido à falta de produtos no estoque poderá causar enormes transtornos tanto ao cliente como a empresa que terá sua imagem desgastada, ocasionando custos elevados e difíceis de manter.

32 Modelos de Gerenciamento de Estoques É necessário que para um controle de estoque ideal a empresa utilize de sistemas informatizados que assegurem a melhoria dos serviços. Para Viana (2000, p. 120 e 121), os estoques são gerenciados por meio de dois modelos fundamentais: a. Gerenciamento Manual as empresas utilizam controle manual por meio de fichas e prateleira e/ou controle de estoque; b. Gerenciamento Mecanizado adotado em empresas que utilizam controle por meio da informática. Devido o avanço tecnológico é fundamental que a empresa busque informações em tempo real, utilizando métodos eficientes que agilize o processo de tomada de decisão. Ainda segundo Viana (2000), através de um sistema mecanizado as empresas visam estabelecer às seguintes metas: Uma política de estoques para reposição automática; Política de cotas por unidade administrativa requisitada, para garantia da existência em estoque, dos materiais utilizados; Política de inventario permanente; Implantar rotinas internas e especificas que contemplem o processo de cadastramento de materiais; Implantar rotinas internas que contemplem o processo licitatório, inclusive com a adoção de política de contratos de longo prazo para execução de serviços e compra de materiais; Implantação de rotinas internas e especificas que contemplam os processos de recebimento e armazenamento. A informatização da administração de materiais facilita o controle desde a necessidade de materiais até o efetivo pagamento de fornecedores, por esse motivo devem-se estabelecer metas que contribua para o desenvolvimento e sucesso do empreendimento

33 33 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Neste capítulo é discorrida a metodologia que foi aplicada no desenvolvimento deste trabalho, no seu contexto são conhecidos os tipos de pesquisas, o universo e amostra, o instrumento de coleta dos dados, análises e interpretação dos mesmos, sempre focando o objeto em estudo. A escolha de uma metodologia para executar a pesquisa depende do tipo de pesquisa que se está fazendo e do tipo de objeto que se está estudando. (GUEDES 2000, p. 104). O caminho escolhido para realização deste trabalho foi a utilização da pesquisa bibliográfica, de campo e qualitativa, e na obtenção dos dados utilizou-se como meio de abordagem a entrevista com o gestor da empresa estudada. A utilização de um método de pesquisa tem como finalidade ilustrar a realidade dos acontecimentos, esclarecendo, portanto, se aquele fato é realmente verídico. Segundo Oliveira (2002, p. 57), o método trata de um conjunto de processos pelos quais se torna possível conhecer determinada realidade, produzir determinado objeto ou desenvolver certos procedimentos ou comportamentos. Com o intuito de responder à problemática, foram utilizados métodos científicos que fundamentaram os conceitos e as técnicas que envolvem o estudo, dando assim maior segurança e economia na realização da pesquisa. 3.1 Tipo de Pesquisa Para um melhor embasamento teórico utilizou-se, inicialmente, da pesquisa bibliográfica, que de acordo com Koche (1997, p. 122), é a que se desenvolve tentando explicar um problema, utilizando o conhecimento disponível a partir das teorias publicadas em livros ou obras congêneres. Os conhecimentos adquiridos por meio de obras publicadas reforçaram os procedimentos científicos que envolveram a pesquisa.

34 34 Foi realizada também uma pesquisa de campo, utilizando o método de estudo de caso em uma empresa de equipamentos eletrônicos que, segundo o gestor, considera a administração de estoque como um diferencial competitivo. Conforme pesquisa, a empresa estudada está totalmente envolvida com os conceitos abordados neste trabalho. Quando o estudo bibliográfico já foi realizado, começa-se outra fase, a pesquisa de campo, com o intuito de conhecer melhor o assunto e a empresa em estudo, e assim poder definir que objetivos devem ser alcançados, qual o meio de abordagem para coleta de dados, qual a amostra e forma de análise e interpretação das informações coletadas (MARCONI & LAKATOS, 1996). Após a definição dos procedimentos científicos e dos métodos utilizados, partiu-se para pesquisa de campo e obtenção dos dados necessários para a realização desse estudo. Estes foram coletados por meio de entrevista e analisados utilizando-se da pesquisa qualitativa, que segundo Malhotran (2001, p.155) é aquela metodologia de pesquisa não-estruturada, exploratória, baseada em pequenas amostras, que proporciona insights e compreensão do contexto do problema. Definiu-se essa pesquisa em qualitativa em razão das informações obtidas nas respostas proporcionarem uma melhor visão e compreensão da situação que envolve a problemática, ou seja, ao responder as perguntas contidas na entrevista o gestor abordado descreveu a realidade da empresa em estudo. 3.2 Universo e Amostra A pesquisa limitou-se somente a abordagem ao gestor da empresa em estudo, ou seja, a empresa estudada foi o universo, portanto não foi necessário a amostra, pois a pesquisa foi realiza somente com o gestor. Essa decisão foi tomada em razão de apenas o mesmo ter conhecimento e ser responsável pelas decisões tomadas dentro da empresa, portanto, foi necessário abordá-lo por meio de entrevista para identificar se a sua administração de estoques é considerado um diferencial competitivo, em suma cabe apenas a ele a resposta dessa indagação.

35 Instrumentos de coleta de Dados Nessa pesquisa, o meio de se obter respostas que atendam à problemática foi a entrevista, essa forma de abordagem foi a mais apropriada como instrumento de coleta de dados. Também foram coletadas informações em livros e sites sobre o tema em pesquisa, a chamada consulta bibliográfica já citada anteriormente, a qual forneceu dados de extrema importância no desenvolvimento deste trabalho. Entrevista é um encontro entre duas pessoas, a fim de que uma delas obtenha informações a respeito de determinado assunto, mediante uma conversação de natureza profissional. É um procedimentos utilizado na investigação social, para a coleta de dados ou para ajudar no diagnóstico ou tratamento de um problema social (LAKATOS E MARCONI, 2001, p. 195). As perguntas contidas no questionário da entrevista eram todas de caráter informativo e livre, portanto eram formados por perguntas abertas, as quais permitiam que o gestor emitisse sua opinião livremente. De acordo com Lakatos e Marconi (2001, p. 204), perguntas abertas, também chamadas livres ou não limitadas, são as que permitem ao informante responder livremente, usando linguagem própria, e emitir opiniões. A abordagem ao gestor, por meio de entrevista, ocorreu em 28 de outubro de 2011, a qual levou duas horas para ser concluída em razão de constantes intervalos solicitados pelo gestor para falar com clientes e fornecedores, mas este fato nada interferiu nos resultados obtidos. 3.4 Análise e Interpretação dos Dados Como já foi informado, para obtenção de resultados utilizou-se da pesquisa qualitativa, este meio de abordagem facilitou a descrição, compreensão e classificação de forma complexa do problema em estudo, aprofundando-se assim nas particularidades do comportamento do entrevistado, dando-lhe a oportunidade de expor sua visão e atitudes em relação ao tema pesquisado (OLIVEIRA, 2002).

36 36 Os dados obtidos foram organizados, analisados e interpretados, permitindo assim conhecer o comportamento do gestor entrevistado em relação ao tema em estudo e obter respostas que atendam aos objetivos propostos nesta pesquisa, e principalmente responder o objetivo geral, que consiste em identificar se a administração de estoques é um diferencial competitivo. 3.5 Conclusão do Capítulo Neste capítulo foram apresentados os métodos e tipos de pesquisa utilizados: a pesquisa bibliográfica, de campo e qualitativa. Também foi informado que o meio de abordagem para coleta de dados foi à entrevista com o gestor da empresa em estudo e que os dados coletados, após sua organização, foram analisados e interpretados, fornecendo assim respostas que atenderam a problemática pesquisada.

37 37 4. ESTUDO DE CASO Este capítulo descreve as informações sobre a Loja Sidnei Componentes Eletrônicos, objeto de estudo para desenvolvimento deste trabalho. Nele caracterizam o histórico, missão, visão e estrutura organizacional. 4.1 Descrição da Empresa Estudada A empresa escolhida para estudo é a Sidnei Componentes Eletrônicos, que está localizada à Rua Otaviano Leandro de Morais, 267 Centro Paulo Afonso/BA. Foi Fundada em 07 de abril de 2005, é constituída por dois sócios e atua no comércio varejista de componentes eletrônicos, material elétrico, iluminação, instrumentos musicais e acessórios. (Fonte: arquivo da Loja Sidnei Componentes Eletrônicos, novembro / 2011) A idéia de montar a loja surgiu de um dos sócios, onde o mesmo possui outra no mesmo segmento na cidade de Maceió/AL, que através de visitas a cidade de Paulo Afonso, percebeu a necessidade de se ter uma loja nesse segmento, pois foi constatado que a população tinha que ir a outras cidades para adquirir os produtos desejados, ou seja, existia demanda, mas não a oferta dos produtos. Foi quando o mesmo decidiu propor a sociedade. A empresa surgiu no intuito de atender as necessidades dos consumidores da cidade e região e vem se destacando cada vez no mercado, tornando-se referencia no mercado em que atua, por oferecer uma diversidade de produtos. Através do espírito empreendedor dos proprietários a empresa busca cada vez mais se destacar no mercado e oferecer aos seus clientes um ambiente confortável, por isso, que a pouco mais de um ano a mesma passou por grandes mudanças, tanto na sua estrutura física era numa área 100m² e passou para 400m², melhorando assim o atendimento aos seus clientes e podendo expor ainda mais os produtos

38 38 ofertados, como também diversificou seus produtos, introduzindo a linha de instrumentos musicais. A Sidnei Componentes Eletrônicos vem acompanhando o desenvolvimento do mercado, buscando cada vez mais melhorias que contribua para a satisfação de seus clientes Missão, Visão e Objetivos Missão: Atender as necessidades dos clientes oferecendo variedades de produtos, assegurando continuamente a qualidade de seus produtos e serviços, ganhando confiabilidade dos consumidores. Visão: Ser referência de mercado no segmento que atua e expandir sua área de atuação para acompanhar a demanda no mercado, ganhando credibilidade e a confiança de seus clientes. Objetivos: O principal objetivo da Sidnei Componentes é trazer sempre a satisfação de seus clientes atendendo suas necessidades e buscando sempre um bom atendimento. A empresa tem como objetivo também realizar trabalhos que ajude a melhorar o meio ambiente como, associando-se a projetos sustentáveis, tornando-se ponto de coleta de pilhas, baterias portáteis, celulares, laptops, câmeras digitais e outros aparelhos eletrônicos portáteis para reciclagem, conscientizando as pessoas sobre a importância de contribuir com a adequada destinação desses materiais, cujos resíduos tóxicos trazem riscos ao meio ambiente e à saúde pública Organograma A estrutura organizacional é bem distribuída como mostra figura abaixo apresentando o organograma da loja que composto por onze colaboradores e terceiriza os serviços contábeis.

39 39 Estrutura Organizacional Sidnei Componentes Eletrônicos Figura 2 Estrutura Organizacional da Empresa Fonte: Sidnei Componentes Eletrônicos Descrição de ambientes da Loja Sidnei Componentes Eletrônicos Abaixo são apresentadas algumas imagens dos ambientes da loja, onde mostra o estoque e como os produtos estão expostos e distribuídos para melhor visualização dos clientes. A figura 3 apresenta a variedade de guitarras e contrabaixos expostos para que o cliente possa escolher aquele que deseja com mais facilidade, conhecendo o produto e testando os que mais lhe agradam. A figura 4 mostra como esses produtos são armazenados, as caixas são marcadas com descrição e a marca dos produtos para facilitar na hora da procura.

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Warlei Laurindo Martins¹; Andriele de Oliveira Bernades¹; Juliana de Souza Santos¹;Pedro H. Gomes Lima¹; Diego

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Capítulo 1 -Ambiente em Mutação dos Negócios

Capítulo 1 -Ambiente em Mutação dos Negócios 1 CENÁRIO ATUAL DOS NEGócIOS Existem atualmente três revoluções concomitantes no mercado A) REVOLUÇÃO ECONÔMICA Surgimentos dos bloc08 8Con6micos Transfertncia de riqu8z8s Globalizaçlo (velocid8de das

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais