Manuel Nogueira Martins

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manuel Nogueira Martins"

Transcrição

1 Processo Especial de Revitalização PER Comarca de Leiria Alcobaça Inst. Central 2ª Sec. Comércio J2 Proc. N.º 804/15.0T8ACB 2.º Juízo Administrador Judicial Provisório: Orlando José Ferreira Apoliano Carvalho Julho de 2015

2 Proposta para a Regularização do Passivo Manuel Nogueira Martins, divorciado, aufere um rendimento liquido de cerca de 900, pelo que a proposta apresentada tem por base o seu atual rendimento disponível. Medidas Propostas Notas Prévias Ao presente plano de pagamento aplica-se a cláusula de Salvo regresso de maior fortuna ; Este plano aplica-se a todos os créditos mesmo aqueles créditos que não tenham sido reconhecidos por ainda não se encontrarem vencidos. O capital mutuário à data do trânsito em julgado incluirá os valores da totalidade dos créditos vencidos e vincendos, é sobre este valor que incidirá as condições de pagamento previstas no plano. O Plano de Recuperação deve indicar claramente as alterações que dele decorrem para as posições jurídicas dos credores da devedora porquanto, e analisada a viabilidade económica do devedor e o seu equilíbrio financeiro, temos por bem propor: Página 2

3 I) Redução dos créditos por perdão e moratória, nos seguintes termos: O Plano entrará em vigor quando transitar em julgado a sentença da sua homologação. Estado Autoridade Tributária Pagamento de 100% dos créditos de capital, juros, coimas, multas, custas ou outras quantias da mesma natureza, reclamados e não reclamados mas já existentes, até 60 prestações mensais, iguais e sucessivas, a 1.ª prestação com vencimento no mês seguinte ao términus do prazo previsto no n.º 5 do art.º 17.º-D do CIRE; Juros vincendos calculados à taxa legal em vigor; Dispensa de Garantia segundo o nº4 do art.º 52 do L.G.T. As ações executivas que se encontrem pendentes para cobrança de dívidas tributárias não são extintas, a suspensão prevista no normativo a que se refere o nº 1 do artº 17-E do C.I.R.E. cessa conforme o que ocorrer primeiro com o decurso das negociações ou com o prazo previsto na Lei para a conclusão das mesmas (n.º 5 do art.º 17.º-D do C.I.R.E.). Instituto da Segurança Social Pagamento da totalidade da dívida reclamada e reconhecida (capital e juros) em 60 prestações mensais iguais e sucessivas; Juros vincendos calculados à taxa legal em vigor; A 1ª Prestação vence-se no mês seguinte ao trânsito em julgado da sentença de homologação do plano; Pagamento integral dos valores referentes a custas processuais devidas no âmbito de acções executivas que se encontram suspensas na respectiva secção de processo executivo, no prazo de 30 dias após o trânsito em julgado de sentença homolgatória do plano de Página 3

4 recuperação, devendo tal pagamento ser efectuado junto da secção de processo executivo na qual se encontra; As acções executivas pendentes para cobrança de dívidas à segurança social não são extintas e se mantêm suspensas após aprovação e homologação do plano de recuperação até integral cumprimento do plano de pagamentos que venha a ser autorizado; Credores Hipotecários / Garantido Montepio Geral Proposta de Regularização: i. Pagamento de 100 % do capital, em 15 anos, após o período de carência de capital, em 180 prestações, com a taxa de juro indexada à Euribor a 6 meses com um spread de 2,5%: ii. Um período de carência de capital de dois anos após a data de trânsito em julgado do despacho de homologação do plano de recuperação; iii. Perdão dos juros vencidos à data da do trânsito em julgado do despacho de homologação do plano de revitalização; iv. Caso o plano seja aprovado, tal não constitui novação da dívida mantendo-se as garantias nos exactos termos inicialmente prestados, v. Suspensão das execuções contra os avalistas, caso existam, enquanto o presente plano estiver a ser cumprido. Página 4

5 Credores Comuns Instituições Financeiras BCP e CE Montepio Geral Proposta de Regularização: i. Pagamento de 100 % do capital, em 5 anos, após o período de carência de capital, em 60 prestações, com a taxa de juro indexada à Euribor a 6 meses com um spread de 2,5%; ii. Um período de carência de capital de dois anos após a data de trânsito em julgado do despacho de homologação do plano de recuperação; iii. Perdão dos juros vencidos à data da do trânsito em julgado do despacho de homologação do plano de revitalização; iv. Caso o plano seja aprovado, tal não constitui novação da dívida mantendo-se as garantias nos exactos termos inicialmente prestados, v. Suspensão das execuções contra os avalistas, caso existam, enquanto o presente plano estiver a ser cumprido. Trabalhador Pagamento de 50 % do capital, em 6 anos, em 72 prestações mensais, após o período de carência de capital; Perdão 50% de capital e dos juros vencidos e vincendos; Período de carência de Capital: 1 ano após o trânsito em julgado da sentença de homologação; Página 5

6 Outros Credores Proposta de Regularização: i. Pagamento de 25 % do capital, em 10 anos, em 120 prestações mensais, após o período de carência de capital; ii. iii. iv. Perdão dos restantes 75% de capital e dos juros vencidos e vincendos; Período de carência de capital: 2 anos após a data de trânsito em julgado da sentença de homologação; Suspensão das execuções contra os avalistas, caso existam, enquanto este plano estiver a ser cumprido. Página 6

7 Comparação com a situação que se verificaria na ausência de qualquer plano de recuperação Tendo em conta a situação patrimonial actual devedor, que levou a que o mesmo se apresentasse ao PER, e caso não haja concordância e apoio dos credores para a execução da presente proposta de recuperação, teremos de dar como certo o cenário de liquidação dos activos que certamente irá acarretar perdas substanciais na venda dos mesmos. Imóvel: Urbano: O valor de mercado do imóvel é de cerca 100m. O valor a realizar numa venda em processo de insolvência será, certamente, inferior e, muito provavelmente, só permitirá liquidar a divida ao credor hipotecário. Rústicoso: O valor de mercado dos imóveis rústico não ultrapassará os 50m, e de muito dificil venda.. Ou seja, num cenário de liquidação, a maioria dos credores irá receber uma percentagem muito reduzida, ou mesmo nula dos seus créditos, consoante a graduação dos mesmos. Em alternativa, com a aprovação do plano, teremos a garantia de pagamento das obrigações assumidas perante todos os credores nos termos supra expostos. Assim, atendendo-se ao supra exposto, a aprovação do plano de recuperação afigura-se claramente mais vantajosa. Efeitos Gerais De acordo com o n.º 1 do art.º 217º do CIRE, as alterações dos créditos sobre a revitalizanda introduzidas pelo plano de insolvência produzir-se-ão independentemente de tais créditos terem sido, ou não, reclamados ou verificados. Página 7

8 De referir que se mostra imprescindível assegurar os períodos de carência supra apresentados, porquanto a empresa necessita desse período temporal para estabilizar a sua tesouraria, por forma a conseguir manter a sua actividade corrente dentro dos parâmetros que lhe permitam projectar a sua actividade, sendo certo que, pelo menos numa fase inicial, certamente não lhe serão concedidas facilidades de crédito. Terminado o período de carência e tendo em conta as previsões constantes deste plano, a empresa terá condições de tesouraria que lhe permitirão cumprir o que aqui está estabelecido. Assim, atendendo-se ao supra exposto, a aprovação do plano de recuperação afigura-se claramente mais vantajosa. Página 8

PLANO de INSOLVÊNCIA

PLANO de INSOLVÊNCIA Alterações à PROPOSTA DE PLANO de INSOLVÊNCIA (Artº 192º e seguintes do CIRE) POLITROFA Indústria de Plásticos Reforçados, Lda Processo nº 3926/10.0TJVNF 4º Juízo Cível 4.1 Créditos do Estado Fazenda Nacional

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO EUROPARAÍSO SOCIEDADE IMOBILIÁRIA, S.A.

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO EUROPARAÍSO SOCIEDADE IMOBILIÁRIA, S.A. PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO * EUROPARAÍSO SOCIEDADE IMOBILIÁRIA, S.A. TRIBUNAL DO COMÉRCIO DE LISBOA 4.º Juízo PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO N.º 1496/13.6 TYLSB * Página 1 ÍNDICE ÍNDICE... 2

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO SOCINVAL SOCIEDADE DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS, S.A.

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO SOCINVAL SOCIEDADE DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS, S.A. PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO * SOCINVAL SOCIEDADE DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS, S.A. TRIBUNAL DO COMÉRCIO DE LISBOA 3.º Juízo PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO N.º 62/14.3 TYLSB * Página 1 ÍNDICE

Leia mais

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA).

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). IVA 14-03-2015 ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES 1 -REGIME TRANSITÓRIO (créditos vencidos até 31/12/2012) Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). a) Se a data relevante para a dedução,

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 9.480/13.3 TBVNG 2º Juízo Cível Insolvente: FERNANDO JORGE MARTINS PEREIRA DA SILVA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos

Leia mais

I Conteúdo do Plano de Insolvência (artigo 195º do C.I.R.E.):

I Conteúdo do Plano de Insolvência (artigo 195º do C.I.R.E.): Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Administrador da Insolvência da SOLOURO Vinhos, S.A., vem nos termos do nº 2 do artigo 193º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas (C.I.R.E.), apresentar

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO DUOVIL CONSTRUÇÃO, UNIPESSOAL, LDA

PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO DUOVIL CONSTRUÇÃO, UNIPESSOAL, LDA PROPOSTA DE PLANO DE RECUPERAÇÃO * DUOVIL CONSTRUÇÃO, UNIPESSOAL, LDA TRIBUNAL DO COMÉRCIO DE LISBOA 1.º Juízo PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO N.º 2044/13.3 TYLSB * Página 1 ÍNDICE ÍNDICE... 2 I ELEMENTOS

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 10.767/11.5 TBVNG 1º Juízo Cível Insolvente: ANA ALEXANDRA DE OLIVEIRA PAIVA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 710/11.7 TBVNG - 2º Juízo Cível Insolvente: JOSÉ MANUEL DA SILVA MACEDO Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

Motovedras Veículos Motorizados, Lda.

Motovedras Veículos Motorizados, Lda. Veículos Motorizados, Lda. Processo Especial de Revitalização PER Comarca de Lisboa Norte V. F. Xira - Instância Central - Sec. Comércio J3 Proc. N.º 2060/15.0T8VFX Administrador Insolvência: Orlando José

Leia mais

O presente RELATÓRIO, é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

O presente RELATÓRIO, é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 4.003/12.4 TBVFR 2º Juízo Cível Insolvente: FERNANDO C. PEREIRA SOUSA, LIMITADA Tribunal Judicial de Santa Maria da Feira RELATÓRIO O presente RELATÓRIO, é elaborado nos termos

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 1.261/13.0 TBVNG 6º Juízo Cível Insolventes: JOSÉ LUIS MONTEIRO ALVES E MARIA ISOLINA SILVA AMORIM Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado

Leia mais

O novo mecanismo do CIRE

O novo mecanismo do CIRE O novo mecanismo do CIRE 1. Finalidade; 2. Procedimento de iniciação; 3. Reclamação dos créditos e lista provisória de créditos; 4. Negociações; 5. Efeitos da pendência do PER; 6. Votação; 7. Conclusão

Leia mais

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros)

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) Anexo à Instrução nº 15/98 Modelo I INSTITUIÇÃO SITUAÇÃO ANALÍTICA DO MÊS DE CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) 10 CAIXA 11 DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 DISPONIBILIDADES SOBRE INSTITUIÇÕES.DE

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 6.896/11.3 TBMTS 6º Juízo Cível Insolventes: PAULO ALEXANDRE SOUSA NOGUEIRA E MARIA DO CÉU ATAÍDE SOUSA VAQUEIRO Tribunal Judicial de Matosinhos RELATÓRIO O presente RELATÓRIO

Leia mais

Plano de pagamento de dívidas suspende execuções fiscais. Empresas que cheguem a acordo, ainda que provisório, com os

Plano de pagamento de dívidas suspende execuções fiscais. Empresas que cheguem a acordo, ainda que provisório, com os Plano de pagamento de dívidas suspende execuções fiscais INSOLVÊNCIAS Plano de pagamento de dívidas suspende execuções fiscais Empresas que cheguem a acordo, ainda que provisório, com os credores, verão

Leia mais

RELATÓRIO Artigo 155º

RELATÓRIO Artigo 155º SHM Software, Hardware e Manutenção, Lda. Tribunal do Comércio de Lisboa 2ª Juízo Procº 1211/06.0 TYLSB RELATÓRIO Artigo 155º 30 de Janeiro de 2007 Índice 1. Introdução; 2. Análise do documento referido

Leia mais

Junho de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

Junho de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Junho de 2012 O Programa REVITALIZAR OBJECTIVO PRIMORDIAL Contribuir para dar novo fôlego a projetos empresariais operacionalmente viáveis, em que a função financeira se encontra desajustada face às condicionantes

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 1.089/12.5 TBMAI 4º Juízo Cível Insolventes: FERNANDA CARMINDA QUEIRÓS CORREIA E PAULO JORGE TEIXEIRA MENDES Tribunal Judicial da Maia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado

Leia mais

Lisboa, Junho de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

Lisboa, Junho de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Lisboa, Junho de 2012 O Programa REVITALIZAR Contribuir para dar novo fôlego a projetos empresariais operacionalmente viáveis, em que a função financeira se encontra desajustada face às condicionantes

Leia mais

RECUPERAÇÃO E REVITALIZAÇÃO EXTRAJUDICIAL

RECUPERAÇÃO E REVITALIZAÇÃO EXTRAJUDICIAL RECUPERAÇÃO E REVITALIZAÇÃO EXTRAJUDICIAL PROGRAMA REVITALIZAR Avenida Central nº 82, 2º Frt. 4710-229 Braga * +351.253.267.314/5 * +351.913.428.917 * pviana.jsoares@gmail.com ENQUADR RAMENTO Memorando

Leia mais

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES Anexo à Instrução nº 20/96 SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL

Leia mais

Novo Plano de Regularização Excepcional e Temporária de Dívidas Fiscais e à Segurança Social (Publicação e Entrada em Vigor do Regime)

Novo Plano de Regularização Excepcional e Temporária de Dívidas Fiscais e à Segurança Social (Publicação e Entrada em Vigor do Regime) Novo Plano de Regularização Excepcional e Temporária de Dívidas Fiscais e à Segurança Social (Publicação e Entrada em Vigor do Regime) Foi hoje, 31 de Outubro de 2013, publicado, em Diário da República,

Leia mais

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na. Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova de Famalicão,

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na. Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova de Famalicão, Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito do Tribunal Judicial de Fafe 1º Juízo Processo nº 780/08.5TBFAF Insolvência de Vítor Manuel Paulino Gabriel V/Referência: Data: Nuno Rodolfo da Nova Oliveira

Leia mais

Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas

Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL DE CONCILIAÇÃO Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas Decreto-lei nº201/2004, de 18 de Agosto ORIGEM O Procedimento Extrajudicial de Conciliação foi inicialmente

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 5.216/14.0 TBVNG - UP 2 JUIZ 4 Insolvente: PAULA CRISTINA COSTA CAMPOS Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA nº 783, de 31/05/2017. Instrução Normativa RFB nº 1711, de 16/06/2017.

MEDIDA PROVISÓRIA nº 783, de 31/05/2017. Instrução Normativa RFB nº 1711, de 16/06/2017. MEDIDA PROVISÓRIA nº 783, de 31/05/2017. Instrução Normativa RFB nº 1711, de 16/06/2017. MAPA ETÉCNICO FISCAL - www.etecnico.com.br - facebook/mapaetecnicofiscal 1 INTRODUÇÃO A MP 783/2017, institui o

Leia mais

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com. escritório na Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com. escritório na Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito da 2ª Secção de Comércio da Instância Central de Vila Nova de Gaia J1 Processo 1810/16.2T8VNG Insolvência de Deolinda Gomes Coelho da Silva V/Referência: Data:

Leia mais

CIRCULAR. Para conhecimento, junto enviamos a Circular nº 10/2016 Suplemento do nosso Gabinete Fiscal, sobre o assunto em epígrafe.

CIRCULAR. Para conhecimento, junto enviamos a Circular nº 10/2016 Suplemento do nosso Gabinete Fiscal, sobre o assunto em epígrafe. CIRCULAR N/REFª: 75/16 DATA: 08/11/2016 Assunto: Regime Excecional de Regularização de Dívidas de Natureza Fiscal e de Dívidas de Natureza Contributiva à Segurança Social, designado por Peres Exmos. Senhores,

Leia mais

PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO (PER)

PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO (PER) . Nº 6 31 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO (PER) [1] ÍNDICE 1. PROCESSOS ESPECIAIS DE REVITALIZAÇÃO (PER) DE EMPRESAS 9 1.1. PER Instaurados 9 1.1.1. Dimensão das Empresas com PER Instaurado

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME EXCECIONAL DE REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REGIME EXCECIONAL DE REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REGIME EXCECIONAL DE REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático - Regime Excecional de Regularização de Dívidas (2019 v1.0) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

J2 Processo nº 1101/14.3TBVCD Insolvência de José Manuel da Silva Martins e Adosinda Lopes Silva Apenso da Reclamação de Créditos

J2 Processo nº 1101/14.3TBVCD Insolvência de José Manuel da Silva Martins e Adosinda Lopes Silva Apenso da Reclamação de Créditos Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito da 1ª Secção de Comércio da Instância Central de Santo Tirso J2 Processo nº 1101/14.3TBVCD Insolvência de José Manuel da Silva Martins e Adosinda Lopes Silva

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DAS FINANÇAS (2) Diário da República, 2.ª série N.º 50 9 de março de Gabinete do Ministro

PARTE C MINISTÉRIO DAS FINANÇAS (2) Diário da República, 2.ª série N.º 50 9 de março de Gabinete do Ministro 9052-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 50 9 de março de 2012 PARTE C MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Gabinete do Ministro Despacho n.º 3568-A/2012 Em execução do disposto no Decreto -Lei n.º 42/91, de 22

Leia mais

APECA Juros de mora DL 73/99

APECA Juros de mora DL 73/99 DL 73/99 Artigo 1.º - Incidência Artigo 2.º - Isenções Artigo 3.º - Taxa Artigo 4.º - Prazo de liquidação Artigo 5.º - Anulação oficiosa de juros indevidos Artigo 6.º - Reclamações e impugnações dos devedores

Leia mais

SR2013Lda. Processo Especial de Revitalização PER. Comarca de Faro Olhão Inst. Central Sec. Comercio J1. Proc. N.º 671/15.3T8OLH

SR2013Lda. Processo Especial de Revitalização PER. Comarca de Faro Olhão Inst. Central Sec. Comercio J1. Proc. N.º 671/15.3T8OLH Lda Processo Especial de Revitalização PER Comarca de Faro Olhão Inst. Central Sec. Comercio J1 Proc. N.º 671/15.3T8OLH Administrador Insolvência: Orlando José Ferreira Apoliano Carvalho Outubro de 2015

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA. (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.)

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA. (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Notas prévias: Publicação do extracto do anúncio na Imprensa Nacional Casa da Moeda em 10.11.2010; Reunião realizada

Leia mais

NÃO 3,03% SIM 4,65% SIM 6,70% DRª SANDRA CABRAL RAMOS RUA VIRIATO, N.º 27-1.º D DR. GONÇALO MENÉRES RUA BRAAMCAMP, 11-7.º TELEF:

NÃO 3,03% SIM 4,65% SIM 6,70% DRª SANDRA CABRAL RAMOS RUA VIRIATO, N.º 27-1.º D DR. GONÇALO MENÉRES RUA BRAAMCAMP, 11-7.º TELEF: 1 BANCO BANIF MAIS, S.A. AV. 24 DE JULHO, N.º 98 1200-870 LISBOA NIPC: 500 280 312 2 BANCO BNP PARIBAS PERSONAL FINANCE, S.A. R. TOMÁS DA FONSECA, TORRES DE LISBOA - TORRE G, 15.º 1600-209 LISBOA NIPC:

Leia mais

Instrumentos de recuperação. Oponibilidade do plano por avalistas e fiadores. Paulo Valério

Instrumentos de recuperação. Oponibilidade do plano por avalistas e fiadores. Paulo Valério Instrumentos de recuperação Oponibilidade do plano por avalistas e fiadores Paulo Valério Instrumentos de Recuperação PER Parajudicial Iniciativa do devedor Recuperação da empresa/reestruturação de passivo

Leia mais

PLANO DE REVITALIZAÇÃO Título I, Cap. II, art. 17º-A a 17º-I do CIRE

PLANO DE REVITALIZAÇÃO Título I, Cap. II, art. 17º-A a 17º-I do CIRE Carla Maria Gonçalves, Luís Daniel Gonçalves Portador do CC. nº 1234567-5ZY1, e do NIF 204 123 123, Portadora do CC nº 1234568-2ZY0, e do NIF 203 456 456, PLANO DE REVITALIZAÇÃO Título I, Cap. II, art.

Leia mais

PLANO DE REVITALIZAÇÃO

PLANO DE REVITALIZAÇÃO PLANO DE REVITALIZAÇÃO O Plano de Recuperação deve indicar claramente as alterações dele decorrente para as posições jurídicas dos credores da devedora, porquanto, e analisada a viabilidade económica da

Leia mais

DECRETO N.º 24/XIII. Regime aplicável ao património da Casa do Douro

DECRETO N.º 24/XIII. Regime aplicável ao património da Casa do Douro DECRETO N.º 24/XIII Regime aplicável ao património da Casa do Douro A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Secção I Disposições gerais Artigo

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Proc.º de Insolvência n.º 331/16.8 T8AMT Insolvente: LUÍS MANUEL GONÇALVES DE SOUSA Comarca do Porto Este Instância Central Secção de Comércio Juiz 2 Amarante RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado

Leia mais

Juros de mora e prestação de garantia

Juros de mora e prestação de garantia 16-05-12- Juros de mora e prestação de garantia Com vista à uniformização de procedimentos, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) veio prestar alguns esclarecimentos sobre o regime de prestação de garantia,

Leia mais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais 1 Conceito de taxa de justiça no C.C.J. A taxa de justiça do processo corresponde ao somatório das taxas de justiça inicial e subsequente de cada

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de Insolvência n.º 2792 /15.3 T8STS Insolvente: PAULA CRISTINA PEREIRA LINO Comarca do Porto Instância Central 1ª Secção de Comércio Juiz 1 SANTO TIRSO RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado

Leia mais

Anexo 1 à Informação Técnica 31/2014

Anexo 1 à Informação Técnica 31/2014 Anexo 1 à Informação Técnica 31/2014 Quadro Comparativo após a republicação do Despacho Normativo n.º 18 A/2010, de 1de julho, alterado pelo Despacho Normativo 17/2014 de 26 de dezembro Artigo 1.º Objecto

Leia mais

CAPÍTULO 7. Anexo. Nota 1

CAPÍTULO 7. Anexo. Nota 1 CAPÍTULO 7 Aneo As contas dos fundos devem dar uma imagem verdadeira e apropriada da sua situação financeira e dos resultados das operações. Ao proporcionarem uma informação de grande síntese, a simples

Leia mais

Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa

Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa RODOLFO VERMELHO Agente de Execução Cédula n.º 5357 Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa A Tramitação da Acção Executiva e a Probabilidade da Recuperação do Crédito 02 de Abril de

Leia mais

Anexo à Instrução 17/96

Anexo à Instrução 17/96 Anexo à Instrução 17/96 SOCIEDADES EMITENTES OU GESTORAS DE CARTÕES DE CRÉDITO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE

Leia mais

ANEXO IV EXPOSIÇÕES ANALISADAS COLECTIVAMENTE. Parte 1 Grupos homogéneos de risco

ANEXO IV EXPOSIÇÕES ANALISADAS COLECTIVAMENTE. Parte 1 Grupos homogéneos de risco ANEXO IV EXPOSIÇÕES ANALISADAS COLECTIVAMENTE Parte 1 Grupos homogéneos de risco 1. Para efeitos do presente Instrutivo, no que respeita à determinação de grupos homogéneos de risco devem ser analisados,

Leia mais

ALCANENA PORTO DE MÓS

ALCANENA PORTO DE MÓS Construções Pastilha & Pastilha, S.A. COMARCA DE LEIRIA, ALCOBAÇA - INST. CENTRAL PROC. N.º 1772/09.2TBPMS - 2ª SEC. COMÉRCIO - J1 INSOLVENTE: NEGOCIAÇÃO P A R T I C U L A R ALCANENA PORTO DE MÓS RECEÇÃO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação 1.2. Endereço 1.3. Contactos BEST Banco Electrónico de Serviço Total, S.A. Praça Marquês de Pombal, 3 3º, 1250-161

Leia mais

NEGOCIAÇÃO PARTICULAR

NEGOCIAÇÃO PARTICULAR NEGOCIAÇÃO PARTICULAR Insolvência: "Fruti Cordeiro, Lda." Processo de Insolvência n.º 2578/15.5T8ACB Comarca de Leiria, Alcobaça - Inst. Central - 2ª Secção Comércio Por determinação do Exmo. Administrador

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

Programa Especial de Regularização Tributária (Pert)

Programa Especial de Regularização Tributária (Pert) Programa Especial de Regularização Tributária (Pert) Uma oportunidade para pessoas físicas e jurídicas refinanciarem suas dívidas com o Governo Federal Programa Es pec i al de Regul ari zaç ão Tri butári

Leia mais

Regularização de IVA de créditos de cobrança duvidosa e créditos incobráveis

Regularização de IVA de créditos de cobrança duvidosa e créditos incobráveis Regularização de IVA de créditos de cobrança duvidosa e créditos incobráveis Com a aprovação da lei do Orçamento do Estado para 2013 foram introduzidos no Código do IVA quatro novos artigos (78.º-A a 78.º-D)

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de Insolvência n.º 2108/15.9 T8AVR Insolventes: DULCE MARIA FERREIRA REBELO E LUIS MIGUEL CUNHA SOUSA Comarca de Aveiro Instância Central 1ª Secção de Comércio Juiz 3 AVEIRO (ANADIA) RELATÓRIO O

Leia mais

Insolvência de COMPANHIA NACIONAL DE FIAÇÃO E TECIDOS DE TORRES NOVAS Plano de Insolvência (artigo 192º do C.I.R.E.)

Insolvência de COMPANHIA NACIONAL DE FIAÇÃO E TECIDOS DE TORRES NOVAS Plano de Insolvência (artigo 192º do C.I.R.E.) COMPANHIA NACIONAL DE FIAÇÃO E TECIDOS DE TORRES NOVAS, S.A., adiante também designada por CTN, vem, nos termos do nº 1 do artigo 193º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas (C.I.R.E.),

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 96/3 Publicação de Informação sobre Fundos de Investimento Imobiliário

Regulamento da CMVM n.º 96/3 Publicação de Informação sobre Fundos de Investimento Imobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 96/3 Publicação de Informação sobre Fundos de Investimento Imobiliário De acordo com o disposto no número 2 do

Leia mais

Insolvência de CSAG - Promoção Imobiliária & Construção Civil, Lda. Apenso da Reclamação de Créditos

Insolvência de CSAG - Promoção Imobiliária & Construção Civil, Lda. Apenso da Reclamação de Créditos 2º Juízo Cível Processo nº 1696/11.3TJVNF Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito do Tribunal Judicial de Vila Nova de Famalicão Insolvência de CSAG - Promoção Imobiliária & Construção Civil, Lda.

Leia mais

INSOLVÊNCIA EFEITOS DA DECLARAÇÃO DE INSOLVÊNCIA

INSOLVÊNCIA EFEITOS DA DECLARAÇÃO DE INSOLVÊNCIA Página 1 de 8 INSOLVÊNCIA EFEITOS DA DECLARAÇÃO DE INSOLVÊNCIA Nos dias de hoje, e numa altura em que mais do que nunca se avolumam processos de insolvência nos Tribunais portugueses, é importante ter

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 45/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO II Notas de preenchimento I. Notas gerais para o preenchimento do modelo de ficha de informação

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos 1. Comissão de Gestão de Processo 300,00 2. Comissão de Contrato 200,00 3. Comissão de Avaliação 250,00 Crédito Habitação - Residentes (Contratos de crédito

Leia mais

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA GERÊNCIA NACIONAL DO ATIVO DO FGTS CIRCULAR Nº 391, DE 25 DE

Leia mais

CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas.

CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas. CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas. 1ª Sessão a) conceito e fim da execução; b) formas do precesso de execução:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES - GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES - GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES - GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL Nº Conta: Nº Contribuinte: Data: 2 6 / 1 1 / 2 0 1 2 A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação

Leia mais

FAQ S - Contribuição Especial Sobre as Operações Bancárias (CEOB)

FAQ S - Contribuição Especial Sobre as Operações Bancárias (CEOB) FAQ S - Contribuição Especial Sobre as Operações Bancárias (CEOB) FAQS PERGUNTAS FREQUENTES Na sequência da implementação do Regime Jurídico da Contribuição Especial sobre as Operações Bancárias (CEOB),

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos 1. Comissão de Gestão de Processo 300,00 2. Comissão de Contrato 200,00 3. Comissão de Avaliação 250,00 Crédito Habitação - Residentes (Contratos de crédito

Leia mais

Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011

Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011 Circular das finanças com esclarecimentos relativos à Sobretaxa extraordinária IRS 2011 As Finanças estão a dar destaque à sua recente circular nº23/2011 de 3 de Outubro relativa à Sobretaxa extraordinária

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre ações cíveis ( )

Estatísticas trimestrais sobre ações cíveis ( ) 254.992 241.319 242.147 23.633 22.327 113,1% 97,6% 128,1% 125,3% 122,8% Julho de Boletim n.º 32 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 1º Trimestre de Estatísticas trimestrais sobre ações cíveis (27-) O presente

Leia mais

Crédito à Habitação. Contratar, reembolsar e renegociar. Fernanda Matias João Ramiro Santos Departamento de Supervisão Comportamental 2 dezembro 2014

Crédito à Habitação. Contratar, reembolsar e renegociar. Fernanda Matias João Ramiro Santos Departamento de Supervisão Comportamental 2 dezembro 2014 Crédito à Habitação Contratar, reembolsar e renegociar Fernanda Matias João Ramiro Santos Departamento de Supervisão Comportamental 2 dezembro 2014 Encontro Nacional de Centros de Informação Autárquica

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 38ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO. Registro: ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 38ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO. Registro: ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2012.0000390065 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0035685-43.2010.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes ARANTES ALIMENTOS LTDA.

Leia mais

Orçamento Rectificativo para 2012: propostas fiscais

Orçamento Rectificativo para 2012: propostas fiscais Orçamento Rectificativo para 2012: propostas fiscais Introdução O Governo aprovou, em Conselho de Ministros, no passado dia 29 de Março, a proposta de lei (Proposta de Lei 51-XII) que altera a Lei do Orçamento

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre ações cíveis ( )

Estatísticas trimestrais sobre ações cíveis ( ) 78,1% 115,5% 19,3% 95,7% 112,4% 127,1% 241.4 236.554 248.464 262.38 254.847 241.628 Janeiro de 216 Boletim n.º 23 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 1º e 2º Trimestres de 215 Estatísticas trimestrais sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA N.º 346, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2007 (Prazo de vigência expirado em 31 de dezembro de 2008)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA N.º 346, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2007 (Prazo de vigência expirado em 31 de dezembro de 2008) Publicada no D.O.U. nº 239, de 13/12/2007 Seção 1 Página 154 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA N.º 346, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2007 (Prazo de vigência expirado em 31 de dezembro de 2008) Dispõe sobre o Programa de

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. o PARTICIPANTE ou ASSISTIDO no final assinado, doravante denominado MUTUÁRIO:

CONTRATO DE MÚTUO. o PARTICIPANTE ou ASSISTIDO no final assinado, doravante denominado MUTUÁRIO: CONTRATO DE MÚTUO A FAELBA - Fundação COELBA de Previdência Complementar, com sede na Av. Tancredo Neves, 450, Ed Suarez Trade, 33º andar, sala 3302, nesta Capital, inscrita no CNPJ/MF sob nº 13.605.605/0001-58,

Leia mais

GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA SALARIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA SALARIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO FUNDO DE GARANTIA SALARIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Fundo de Garantia Salarial (2003 v4.13) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que o Portador e a Beneficiária

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL

PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Exposição de motivos Apesar de ter sido criado há já mais de 10 anos e muito embora esteja previsto no artigo 336.º do Código

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO Previsão legal e conceito! No CPC/73 art. 890/900! No NCPC art. 539/549 Tivemos pequenas e pontuais mudanças sobre o tema.! E citado no CC no art. 334 Trata-se do depósito

Leia mais

Anexo A Relação dos créditos reconhecidos, nos termos do nº 2 do artigo 129º do

Anexo A Relação dos créditos reconhecidos, nos termos do nº 2 do artigo 129º do Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito da 2ª Secção de Comércio da Instância Central de Vila Nova de Famalicão J1 Processo nº 3557/15.8T8VNF Insolvência de Moisés Mirra Ribeiro e Adosinda Pereira

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Jorge Boeira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Jorge Boeira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Jorge Boeira) Dispõe sobre parcelamento para empresas em recuperação judicial de débitos com a Secretaria da Receita Federal, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional

Leia mais

SIM 91,92% RUA DO ROSÁRIO, 127, 2º TELEF: FAX: DR. JOSÉ NORONHA PORTO SIMÕES RECL. GARANT ,625% 5,909%

SIM 91,92% RUA DO ROSÁRIO, 127, 2º TELEF: FAX: DR. JOSÉ NORONHA PORTO SIMÕES RECL. GARANT ,625% 5,909% MAPA UM - MONTANTE DOS S RECONHECIDOS, NATUREZA E DISCRIMINAÇÃO CREDITOS RECONHECIDOS N. REC. (1) NATUREZA VOTAÇÃO ASS. CRED. 156.º JUROS VINCENDOS CAPITAL JUROS (TOTAL) TAXA(S) FUNDAMENTO(S) Para votação

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 3.048/10.3 TBMAI 3º Juízo Cível Insolventes: JOÃO MANUEL REBELO MARTINS E MARIA DA GRAÇA ASCENSÃO MOREIRA Tribunal Judicial da Maia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos

Leia mais

Unidade de Conta 2013 CONCEITO VALOR - ACTUALIZAÇÃO

Unidade de Conta 2013 CONCEITO VALOR - ACTUALIZAÇÃO Alexandre Silva Unidade de Conta 2013 CONCEITO VALOR - ACTUALIZAÇÃO VERBO JURIDICO VERBO JURÍDICO Unidade de Conta 2013 : 2 Unidade de Conta 2013 CONCEITO VALOR - ACTUALIZAÇÃO Alexandre Silva Escrivão

Leia mais

CATÁLOGO INSOLVÊNCIA DE RICARDO JORGE ALMEIDA REBELO

CATÁLOGO INSOLVÊNCIA DE RICARDO JORGE ALMEIDA REBELO CATÁLOGO INSOLVÊNCIA DE RICARDO JORGE ALMEIDA REBELO TRIBUNAL DA COMARCA DE LEIRIA - ALCOBAÇA INSTÂNCIA CENTRAL - 2ª SECÇÃO COMÉRCIO J1 PROCESSO Nº 676/14.1T8ACB 8 de fevereiro 3ª Feira 17h00 Rua Manuel

Leia mais

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa:

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa: Acórdãos TRL Processo: 258/14.8TBPDL.L1 6 Relator: ANABELA CALAFATE Descritores: ADMINISTRADOR DE INSOLVÊNCIA REMUNERAÇÃO Nº do Documento: RL Data do Acordão: 02 07 2015 Votação: UNANIMIDADE Texto Integral:

Leia mais

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Nesta classe estão incluídos todos os valores representativos do conjunto da actividade creditícia, as aplicações em títulos que não sejam imobilizações financeiras

Leia mais

IEI. Plano de Recuperação (Art.º 192º e segs. do CIRE) Tribunal do Judicial de Ponta Delgada 1º Juízo Proc.º 2759/12.3 TBPDL

IEI. Plano de Recuperação (Art.º 192º e segs. do CIRE) Tribunal do Judicial de Ponta Delgada 1º Juízo Proc.º 2759/12.3 TBPDL IEI INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS INDUSTRIAIS, LDA. Plano de Recuperação (Art.º 192º e segs. do CIRE) Tribunal do Judicial de Ponta Delgada 1º Juízo Proc.º 2759/12.3 TBPDL Maio de 2013 Enquadramento Identificação

Leia mais

Refª: OS0080 Versão: 4 Entrada em Vigor:

Refª: OS0080 Versão: 4 Entrada em Vigor: Ordem de Serviço Refª: OS0080 Versão: 4 Entrada em Vigor: 2012-05-25 Título: Crédito Pessoal para Fins Sociais Processo Associado: N/A Sumário Regulamenta a concessão de crédito pessoal para fins sociais

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre ações cíveis ( )

Estatísticas trimestrais sobre ações cíveis ( ) 78,3% 95,7% 96,9% 112,6% 127,4% 248.737 262.192 254.893 241.544 242.638 Fevereiro de 216 Boletim n.º 26 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 3º Trimestres de Estatísticas trimestrais sobre ações cíveis (-)

Leia mais

DECISÃO do Plenário do CFA na 19ª reunião, realizada em 11/12/2003,

DECISÃO do Plenário do CFA na 19ª reunião, realizada em 11/12/2003, RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA N.º 287, DE 14 DE JANEIRO DE 2004 (Revogada pela Resolução Normativa CFA n.º 339, de 5 de junho de 2007) Dispõe sobre o parcelamento de anuidades e outros débitos de exercícios

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS No passado dia 1 de Julho entrou em vigor o Decreto-Lei n.º 79/2017, de 30 de Junho, o qual introduziu alterações de

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva Medida

Leia mais

Aprovadas em sessão do Conselho de Administração de 7/05/2001e atualizadas em Fevereiro de 2003

Aprovadas em sessão do Conselho de Administração de 7/05/2001e atualizadas em Fevereiro de 2003 Empréstimos NORMAS INTERNAS Aprovadas em sessão do Conselho de Administração de 7/05/2001e atualizadas em Fevereiro de 2003 ARTº 1º - NATUREZA E VALOR 1. As condições específicas de cada operação constarão

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais RELATÓRIO PERIÓDICO COMARCA DE: NOME DO MAGISTRADO: PERÍODO A QUE RESPEITA: DATA: CÍRCULO DE 1 - Acções Laborais Processos Conciliações Acções Arquivamento Acções Recebidos Pré-Judiciais Propostas Pedido

Leia mais

Título: Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES)

Título: Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES) Título: Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES) Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 11 páginas Formato: PDF (Portable

Leia mais