O PLURALISMO FAMILIAR E A LIBERDADE DE CONSTITUIÇÃO DE UMA COMUNHÃO DA VIDA FAMILIAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PLURALISMO FAMILIAR E A LIBERDADE DE CONSTITUIÇÃO DE UMA COMUNHÃO DA VIDA FAMILIAR"

Transcrição

1 O PLURALISMO FAMILIAR E A LIBERDADE DE CONSTITUIÇÃO DE UMA COMUNHÃO DA VIDA FAMILIAR 104 Ana Paula de Araujo Carina Ana de Oliveira Elieser Leal Germano Tatiane Alves Salles dos Santos. INTRODUÇÃO O presente estudo tem como objetivo abordar as principais mudanças no âmbito familiar com base no novo modelo constituído pela sociedade. É evidente, ao analisar a evolução histórica do direito, que mudanças ocorrem constantemente, pode-se dizer que o direito vive em constante transformação, pois, ao passo que a sociedade evolui, é dever do direito evoluir juntamente para atender as necessidades sociais. As evoluções oriundas da sociedade foram primordiais para as alterações legislativas voltadas à família. Com essas mudanças, vieram à tona vários conceitos de família, denominadas pela família eudemonista, que tem como prioridade o afeto entre os integrantes da entidade familiar, a união homoafetiva, as famílias monoparental e pluriparental. Esse reconhecimento afastou a noção de que apenas as famílias biológicas e baseadas no casamento eram moralmente corretas. O exemplo disso é o marco extremamente importante que ocorreu com a evolução constitucional, pois a Carta Magna possibilitou o reconhecimento das uniões homoafetivas ampliando o desenvolvimento e a vivência dos membros familiares, considerando a dignidade da pessoa humana e regulamentando o direito das relações pessoais e, assim, transformando o conceito de família, possibilitando uma igualdade maior de direitos, protegendo todos os seus integrantes. Portanto o reconhecimento da multiparentalidade significa um avanço para o direito de família brasileiro, bem como efetiva o princípio da dignidade da pessoa humana. O conceito de família foi gradativamente evoluindo no direito brasileiro. Os códigos, elaborados a partir do século XIX, versavam sobre uma família arcaica, em que a mulher era submissa ao seu marido e se dedicava aos afazeres domésticos. Momento este em que o Estado tinha grande influência da igreja quanto à regulamentação da família e do casamento, o que colaborava para tornar o conceito familiar da época

2 105 arcaico e hierarquizado. Inicialmente, o conceito de família aceito pela sociedade era o da constituída pelo matrimônio, vez que a lei apenas tratava sobre casamento, relações de filiação e o parentesco, mas, devido à constante mutação do seio familiar, e uma vez que cabe ao Estado o dever jurídico constitucional de instituir as medidas necessárias para a constituição e desenvolvimento das famílias, ao longo da história, surgiu o reconhecimento de relações extramatrimoniais. No que tange às relações extramatrimoniais, pode-se afirmar que atualmente o núcleo familiar forma-se pela união estável, pela união de um dos pais com seus descendentes (famílias monoparentais) e pela união homoafetiva. Em relação a essa ultima, apesar de se tratar de um tema omisso na legislação, é muito discutida pela doutrina e jurisprudência, por ter existência na sociedade. Com essas evoluções, espera-se uma resposta rápida do direito, o que não ocorria no passado, quando as alterações se davam por ordem sociológica, e, deste modo, gradativamente. Com tal avanço, o legislador promulgou, por exemplo, a Lei nº 9.263, de 12/01/1996, que regula o 7º do art. 226 da Constituição, que trata do planejamento familiar: o conjunto de ações de regulação da fecundidade que garanta direitos iguais e constituição, limitação ou aumento da prole pela mulher, pelo homem ou pelo casal (art. 1º). Tal norma complementa a disposição constitucional segundo a qual cabe à pessoa natural a livre decisão sobre o planejamento familiar, fundando-se nos princípios da dignidade da pessoa humana e da paternidade responsável. Por fim, atualmente, tem-se um conceito social de família mais abrangente e diversificado e não mais aquele conceito em que a família era consagrada apenas pelo casamento, em que a mulher e os filhos eram submissos ao pater familias. Os princípios da afetividade nas relações familiares são utilizados como forma de auxiliar o operador do direito para uma melhor interpretação das normas, não sendo soluções exclusivas aos problemas, permitindo também uma adequação do direito às constantes mudanças da sociedade. O princípio da afetividade fundamenta as relações interpessoais e o direito de família nas relações socioafetivas de caráter patrimonial ou biológico e na comunhão de vida. A família contemporânea não se justifica sem que o afeto exista, pois este é elemento formador e estruturador da entidade familiar, fazendo com que a família seja uma relação que tem como pressuposto o afeto, devendo tudo o que for vinculado neste ter a proteção do Estado. (LÔBO, Paulo. Direito Civil: Famílias. 4.ed. 2ª tiragem [s.l.}: Saraiva, 2012, p )

3 106 Entidade familiar deve ser compreendida como uma unidade envolvida por laços de afetividade, pois a família contemporânea é um grupo que busca concretizações pessoais e afetivas, e o indivíduo contemporâneo prioriza seu bem-estar e suas relações afetivas, cabendo ao Estado e também ao Direito ajustar-se a essa nova tendência. Na atual sociedade, houve a mudança da família como um âmbito econômico para uma compreensão solidária e afetiva, isto para acompanhar as necessidades de seus membros. Portanto, indispensável pensar nas relações de família sem considerar a qualidade dos vínculos existentes dentro dela, pois, por mais complexos que sejam, compõe-se por afeto, solidariedade, perdão, paciência, dentre outros diversos modos de vivência. Assim, não resta dúvida de que é necessário priorizar a importância da afetividade, constituindo, assim, um princípio aplicado no âmbito familiar. Nesse sentido, o afeto torna-se uma das bases estruturais do direito de família contemporâneo, a qual é composta por seres humanos, munidos de necessidades, desejos e ideias que se modificam ao passar do tempo, devendo o direito acompanhar e se atualizar com essas modificações de pensamentos. Outrossim, a afetividade, no decorrer do tempo, vem gerando consequências importantes e concretas, por sua marcante função social, bem como causando alterações profundas no modo de pensar a família brasileira. Uma das consequências fora o reconhecimento da união homoafetiva, a qual passou a ser uma comunidade equiparada à união estável. (Decisão do STF, 05 de maio de 2011, publicada no informativo nº 625). Importante mencionar também sobre o reconhecimento da parentalidade socioafetiva como uma nova forma de parentesco, bem como a admissão da reparação civil pelo abandono afetivo. Tais consequências demonstram o impacto do reconhecimento do afeto, ressaltando sua importância para o meio jurídico. Nessa linha, não se torna relevante se os laços de parentesco de uma família sejam biológicos ou não, pois têm o mesmo valor e são dirigidos, implicitamente, pelo princípio da afetividade. A família já não tem mais o antigo ponto de vista de ser imutável e indissolúvel, sendo o afeto o responsável por esta concepção inovadora. Pelas considerações expostas, é de suma importância que o Direito, notadamente o Direito de Família, esteja sempre atualizado sobre as constantes mutações na sociedade brasileira, para que as normas possam harmonizar-se com o meio social, de acordo com os novos valores e novas formas de constituir uma família.

4 107 MATERIAL E MÉTODOS Para o estudo do presente trabalho, foram utilizados o método indutivo, a partir da coleta de material bibliográfico, com base em doutrinadores atuantes na área de Direito de família, jurisprudências dos tribunais superiores, assim como pela legislação brasileira. Os trabalhos foram iniciados a partir de conhecimentos jurídicos-conceituais sobre a terminologia do Direito de Família, seguido do conhecimento da legislação pertinente. O presente texto foi elaborado a partir do embasamento nos conhecimentos básicos sobre o Direito de Família brasileiro. RESULTADO E DISCUSSÃO DA PESQUISA O presente trabalho teve como objetivo abordar assuntos relevantes no âmbito do Direito de Família Brasileiro, bem como remeter o leitor a uma visão ampla das mudanças que ocorreram na sociedade em relação ao mencionado tema. Concomitantemente, o presente estudo faz com que se possa avaliar o conceito de Família na sociedade atual. CONSIDERAÇÕES FINAIS A família é muito mais que uma união derivada do casamento entre um homem e uma mulher. Família é uma junção de afetos, uma comunhão de trocas de amparo, o compromisso maior instituído pela formação de uma família deve ser único e exclusivo de amor e mútua assistência. São evidentes as diversas modalidades de família que vem se descortinando, quais sejam, a família formada pelo casamento, a família por união estável, a família monoparental, a família homossexual. A formação do Direito é necessária para subsidiar os anseios da sociedade em cada momento histórico. Assim, com o decorrer do tempo, com a evolução do pensamento humano, com a quebra de

5 vários paradigmas, não cabe aos legisladores impor à sociedade que estabeleça em seu seio familiar uma forma de vida que remeta ao que existira no passado. 108 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DIAS, Maria Berenice. Diversidade Sexual e Direito Homoafetivo. 2. ed. São Paulo, Revista dos Tribunais, atualizada e ampliada, Venosa, Sílvio de Salvo. Direito Civil. 11. ed. São Paulo: Atlas, Vicente, Paulo, Marcelo Alexandrino. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método /decisao-monocratica AGRADECIMENTOS A instituição de ensino Faculdade de Direito de Alta Floresta/MT pela oportunidade de realizar o referido estudo sobre Direito de Família. A Professora Eleusa de Carvalho Furquim pela parceria com os alunos na realização deste trabalho, Aos demais colegas do 8º semestre do curso de Direito da Faculdade de Direito de Alta Floresta/MT.

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br União Estável: Surgimento e Reconhecimento Como Entidade Familiar Larissa Vilanova...E a gente vive junto E a gente se dá bem Não desejamos mal a quase ninguém E a gente vai à luta

Leia mais

O PLURALISMO FAMILIAR E A LIBERDADE DE CONSTITUIÇÃO DE UMA COMUNHÃO DA VIDA FAMILIAR

O PLURALISMO FAMILIAR E A LIBERDADE DE CONSTITUIÇÃO DE UMA COMUNHÃO DA VIDA FAMILIAR O PLURALISMO FAMILIAR E A LIBERDADE DE CONSTITUIÇÃO DE UMA COMUNHÃO DA VIDA FAMILIAR LA PLURALIDADE DE LA FAMILIA Y UNA CONSTITUCIÓN DE BECAS DE LIBERTAD DE VIDA FAMILIAR 182 Ana Paula de Araujo 1 Carina

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Casamento homossexual Marcelo Augusto Paiva Pereira Como citar este artigo: PEREIRA, Marcelo Augusto Paiva. Casamento Homossexual. Disponível em http://www.iuspedia.com.br 15 fev.

Leia mais

UNIÃO POLIAFETIVA: APLICAÇÃO DA TEORIA DO POLIAMOR E SUA POSSIBILIDADE JURÍDICA.

UNIÃO POLIAFETIVA: APLICAÇÃO DA TEORIA DO POLIAMOR E SUA POSSIBILIDADE JURÍDICA. UNIÃO POLIAFETIVA: APLICAÇÃO DA TEORIA DO POLIAMOR E SUA POSSIBILIDADE JURÍDICA. Maria Iracema de Castro Meira E-mail: maria_iracema_18@hotmail.com Orientadora: Prof a. Ma. Maria Cristina Baluta Universidade

Leia mais

Do singular ao plural: construindo laços afetivos familiares.

Do singular ao plural: construindo laços afetivos familiares. Prof. MSc. Renato Duro Dias Coordenador do Curso de Direito da Universidade Federal do Rio Grande FURG Mestre em Memória Social e Patrimônio Cultural Especialista em Direito de Família e das Sucessões

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Código da Disciplina: 2742 Vigência: 1 / 2004 Disciplina: DIREITO CIVIL VI - FAMILIA Código do Curso: 17 Curso: Direito Unidade: NÚCLEO UNIV BH Turno: NOITE Período: 8 Créditos: 4 Carga Horária TOTAL 60

Leia mais

Visão Geral do Livro IV do Novo Código Civil Maria Luiza Póvoa Cruz

Visão Geral do Livro IV do Novo Código Civil Maria Luiza Póvoa Cruz Visão Geral do Livro IV do Novo Código Civil Maria Luiza Póvoa Cruz Há muito que o nosso vigente modelo codificado (Lei nº 3.071, de 01 de janeiro de 1916), não atendia às demandas sociais e, via de conseqüência,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DIREITO CIVIL VII Código da Disciplina: JUR 302 Curso: DIREITO Semestre de Oferta da Disciplina: 8º Faculdade Responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de: 2015

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br As Espécies De Famílias E Ampliação Do Conceito De Entidade Familiar Com A Constituição Federal De 1988 E O Código Civil De 2002. Mariana Brasil Nogueira * A disciplina legal da

Leia mais

Pós-Graduação. Direito das Famílias e das Sucessões

Pós-Graduação. Direito das Famílias e das Sucessões Pós-Graduação Direito das Famílias e das Sucessões - 2017 Disciplinas: 1) Evolução Histórica do Direito das Famílias: do Patriarcalismo à Afetividade, Avanços e Retrocessos 2) Contornos Contemporâneos

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/RJ. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/ COLABORADOR EducaPsico

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/RJ. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/ COLABORADOR EducaPsico RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/RJ RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico Outubro/2014 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA - FGV Tribunal de Justiça do Rio Janeiro Analista

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dignidade da pessoa humana Rodrigo Hage O princípio da dignidade da pessoa humana como norteador das relações familiares "...Família, família Cachorro, gato, galinha Família, família

Leia mais

O novo papel da família

O novo papel da família conceito O termo família é derivado do latim famulus, que significa escravo doméstico. Este termo foi criado na Roma Antiga para designar um novo grupo social que surgiu entre as tribos latinas, ao serem

Leia mais

ESTRUTURA FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL

ESTRUTURA FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL O QUE É A FAMÍLIA? Família surgiu em Roma para identificar um novo grupo social que surgiu entre tribos latinas, ao serem introduzidas à agricultura e também escravidão legalizada. A família caracteriza

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL: IMPLICAÇÕES TEÓRICAS

UNIÃO ESTÁVEL: IMPLICAÇÕES TEÓRICAS UNIÃO ESTÁVEL: IMPLICAÇÕES TEÓRICAS CAMILA DE OLIVEIRA BELONI BOLSISTA UEMS¹ LÍDIA MARIA GARCIA GOMES TIAGO DE SOUZA ORIENTADORA² ¹Estudante do Curso de Direito da UEMS, Unidade Universitária de Paranaíba;

Leia mais

1 Introdução: Casamento e União Estável: CASAMENTO PARTE I: CONCEITO E NATUREZA JURÍDICA, PRINCÍPIOS DO CASAMENTO 17/08/2014

1 Introdução: Casamento e União Estável: CASAMENTO PARTE I: CONCEITO E NATUREZA JURÍDICA, PRINCÍPIOS DO CASAMENTO 17/08/2014 CASAMENTO PARTE I: CONCEITO E NATUREZA JURÍDICA, PRINCÍPIOS DO CASAMENTO Prof.a Dra Cíntia Rosa Pereira de Lima 1 Introdução: Indissolubilidade Sacralização da família Casamento religioso (exclusivo até

Leia mais

Período Turma (s) Eixo de Formação Eixo de formação Profissional. Docente Prof. Me. Francisco José de Oliveira

Período Turma (s) Eixo de Formação Eixo de formação Profissional. Docente Prof. Me. Francisco José de Oliveira Página 1 de 6 Disciplina Curso Graduação DE GRADUACÃO Curso Semestral Código DIREITO DE FAMÍLIA 103 Período Turma (s) 7º Período A, B e D Eixo de Formação Eixo de formação Profissional Carga Horária 48

Leia mais

O Direito de Adoptar?

O Direito de Adoptar? Direito da Igualdade Social 2010 2011 O Direito de Adoptar? A adopção por casais homossexuais Andreia Engenheiro Nº 2068 1. Família Tem influência de factores: - Religiosos; - Económicos; - Socio-culturais.

Leia mais

Modificações no Estatuto das Famílias

Modificações no Estatuto das Famílias Modificações no Estatuto das Famílias Projeto de Lei 2.285/2007, apensado ao PL 675/2007 PROJETO ORIGINAL deputado Sérgio Barradas (PT-BA) Art. 91 Constituindo os pais nova entidade familiar os direitos

Leia mais

ROTEIRO DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PARA ANALISTA DO BACEN NOÇÕES GERAIS

ROTEIRO DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PARA ANALISTA DO BACEN NOÇÕES GERAIS ROTEIRO DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PARA ANALISTA DO BACEN NOÇÕES GERAIS 1) Espécies de Entidade familiar a. Família matrimonial (casamento). b. Família informal (união estável). c. Família monoparental

Leia mais

AULA 14. União estável. Concubinato. Arts a 1.727, CC. Art. 226, 3º, CF. Leis nº 9.278/96 e nº 8.971/94. 1

AULA 14. União estável. Concubinato. Arts a 1.727, CC. Art. 226, 3º, CF. Leis nº 9.278/96 e nº 8.971/94. 1 Quem junta com fé, casado é. (Sabedoria popular) AULA 14 União estável. Concubinato. Arts. 1.723 a 1.727, CC. Art. 226, 3º, CF. Leis nº 9.278/96 e nº 8.971/94. 1 BREVE HISTÓRICO CC/1916: UNIÃO ESTÁVEL

Leia mais

Sumário 1.1. A FAMÍLIA ATRAVÉS DOS TEMPOS: DA GESTÃO MASCULINA AUTÔ- NOMA À INGERÊNCIA ESTATAL... 21

Sumário 1.1. A FAMÍLIA ATRAVÉS DOS TEMPOS: DA GESTÃO MASCULINA AUTÔ- NOMA À INGERÊNCIA ESTATAL... 21 Sumário 1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DE FAMÍLIA... 21 1.1. A FAMÍLIA ATRAVÉS DOS TEMPOS: DA GESTÃO MASCULINA AUTÔ- NOMA À INGERÊNCIA ESTATAL... 21 1.2. O AVANÇO DA INTERVENÇÃO ESTATAL E SUA INEFICIÊNCIA...

Leia mais

Conceito: é a relação afetiva ou amorosa entre homem e mulher, não adulterina ou incestuosa, com estabilidade e durabilidade, vivendo ou não sob o

Conceito: é a relação afetiva ou amorosa entre homem e mulher, não adulterina ou incestuosa, com estabilidade e durabilidade, vivendo ou não sob o União Estável Conceito: é a relação afetiva ou amorosa entre homem e mulher, não adulterina ou incestuosa, com estabilidade e durabilidade, vivendo ou não sob o mesmo teto, com o objetivo de constituir

Leia mais

Categorias/ Questões. Conteúdos/ Matéria. Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Tipo de aula. Semana 1 UNIDADE I -

Categorias/ Questões. Conteúdos/ Matéria. Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Tipo de aula. Semana 1 UNIDADE I - PLANO DE CURSO DISCIPLINA: LABORATÓRIO DE PRÁTICA JURÍDICA II - FAMÍLIA (CÓD. ORES 60158) ETAPA: 8ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A união estável e sua evolução Maria Rosinete dos Reis Silva * A união de pessoas de sexo diferente, fora do matrimônio, remonta à Antigüidade, especialmente ao povo romano, onde

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA FAMÍLIA NA PERSPECTIVA DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA

A FUNÇÃO SOCIAL DA FAMÍLIA NA PERSPECTIVA DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA A FUNÇÃO SOCIAL DA FAMÍLIA NA PERSPECTIVA DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA Mariane Leticia Pedroso (UEPG) - E-mail: marianepedroso_@hotmail.com 1 MSc. Dirce do Nascimento Pereira (UEPG) 2 Resumo A pesquisa

Leia mais

Conceito de família. João Benício Aguiar. João Benício Aguiar

Conceito de família. João Benício Aguiar. João Benício Aguiar Conceito de família O que é família? Arranjos familiares: Família tradicional: pai, mãe e um ou mais filhos. Monoparental: composta por apenas um dos progenitores: pai ou mãe. Os motivos que possibilitam

Leia mais

ADOÇÃO. 1 Introdução: 1 Evolução legislativa: 12/10/2014. Filiação natural vs. Filiação adotiva. Infertilidade: Interesse dos casais

ADOÇÃO. 1 Introdução: 1 Evolução legislativa: 12/10/2014. Filiação natural vs. Filiação adotiva. Infertilidade: Interesse dos casais ADOÇÃO Prof.a Dra Cíntia Rosa Pereira de Lima 1 Introdução: Filiação natural vs. Filiação adotiva Infertilidade: Interesse dos casais Melhor interesse da criança e do adolescente 1 Evolução legislativa:

Leia mais

Tema: Do julgamento do STF sobre parentalidade socioafetiva e suas consequências

Tema: Do julgamento do STF sobre parentalidade socioafetiva e suas consequências Curso de Férias: Direito Civil recentes transformações Tema: Do julgamento do STF sobre parentalidade socioafetiva e suas consequências Advogado em Curitiba; Mestre em Direito Civil pela UFPR; Diretor

Leia mais

TÍTULO: PLURALIDADE DE AFETOS E O ENTENDIMENTO DE FAMÍLIA NOS DIAS ATUAIS.

TÍTULO: PLURALIDADE DE AFETOS E O ENTENDIMENTO DE FAMÍLIA NOS DIAS ATUAIS. TÍTULO: PLURALIDADE DE AFETOS E O ENTENDIMENTO DE FAMÍLIA NOS DIAS ATUAIS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

Leia mais

Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida Área de Integração

Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida Área de Integração Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida 21115 Área de Integração 1 CONCEITO DE FAMÍLIA 2 3 RELAÇÕES DE PARENTESCO ESTRUTURAS FAMILIARES/MODELOS DE FAMÍLIA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA 4 5 FUNÇÕES

Leia mais

Sumário PALAVRAS PRÉVIAS... 5 PREFÁCIO... 7

Sumário PALAVRAS PRÉVIAS... 5 PREFÁCIO... 7 Sumário PALAVRAS PRÉVIAS... 5 PREFÁCIO... 7 1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DE FAMÍLIA... 21 1.1. A FAMÍLIA ATRAVÉS DOS TEMPOS: DA GESTÃO MASCULINA AUTÔ- NOMA À INGERÊNCIA ESTATAL... 21 1.2. O AVANÇO DA INTERVENÇÃO

Leia mais

PARECER Nº, DE RELATOR: Senador ROBERTO REQUIÃO

PARECER Nº, DE RELATOR: Senador ROBERTO REQUIÃO PARECER Nº, DE 2017 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre emenda 4-S ao Projeto de Lei do Senado nº 612, de 2011, de autoria da Senadora Marta Suplicy, que altera

Leia mais

PODER FAMILIAR DOS PADRASTOS E MADRASTAS SOBRE SEUS ENTEADOS

PODER FAMILIAR DOS PADRASTOS E MADRASTAS SOBRE SEUS ENTEADOS PODER FAMILIAR DOS PADRASTOS E MADRASTAS SOBRE SEUS ENTEADOS Amanda Barros Macedo Graduada em Direito pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo. Pós-Graduanda em Direito Civil e Processo Civil.

Leia mais

realização de direitos por via judicial e a inércia do legislador

realização de direitos por via judicial e a inércia do legislador ASSUNTO: Direito Público TEMA: Processo e Constituição TÍTULO: Processo e Constituição: os direitos dos homoafetivos: realização de direitos por via judicial e a inércia do legislador Objetivo Geral: Detectar

Leia mais

Estrutura familiar e dinâmica social

Estrutura familiar e dinâmica social Estrutura familiar e dinâmica social Introdução Neste trabalho pretendendo tratar minuciosamente sobre o conceito e relevância social do parentesco; a família enquanto grupo específico e diferenciado de

Leia mais

FIDΣS. Patrícia Kellis Gomes Borges *

FIDΣS. Patrícia Kellis Gomes Borges * Recebido 17 out. 2014 Aceito 29 out. 2014 O RECONHECIMENTO DA FAMÍLIA ANAPARENTAL COMO ENTIDADE FAMILIAR ESTÁVEL E SUA CONSEQUENTE LEGITIMIDADE PARA PLEITEAR ADOÇÃO, À LUZ DA JURISPRUDÊNCIA DO STF Patrícia

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NO ACIDENTE DE TRABALHO. LANA REZENDE DOS SANTOS FACULDADE ALFREDO NASSER

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NO ACIDENTE DE TRABALHO. LANA REZENDE DOS SANTOS FACULDADE ALFREDO NASSER RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NO ACIDENTE DE TRABALHO LANA REZENDE DOS SANTOS FACULDADE ALFREDO NASSER lanarezende27@gmail.com ANA CELUTA F. TAVEIRA Faculdade Alfredo Nasser Mestre em Direito e

Leia mais

Notas prévias à 12ª edição 7 Agradecimentos (1ª edição) 9 Abreviaturas 11 Prefácio (1ª edição) 15 Sumário 19 Notas introdutórias 21

Notas prévias à 12ª edição 7 Agradecimentos (1ª edição) 9 Abreviaturas 11 Prefácio (1ª edição) 15 Sumário 19 Notas introdutórias 21 Índice geral Notas prévias à 12ª edição 7 Agradecimentos (1ª edição) 9 Abreviaturas 11 Prefácio (1ª edição) 15 Sumário 19 Notas introdutórias 21 1ª P A R T E O Sistema dos Direitos Fundamentais na Constituição:

Leia mais

SUMÁRIO Sexualidade, medo e preconceito Expressões, nomes e nomenclaturas Antes O papel das religiões...

SUMÁRIO Sexualidade, medo e preconceito Expressões, nomes e nomenclaturas Antes O papel das religiões... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO À 7.ª EDIÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO À 6.ª EDIÇÃO... 15 APRESENTAÇÃO À 5.ª EDIÇÃO... 19 APRESENTAÇÃO À 4.ª EDIÇÃO... 25 APRESENTAÇÃO À 3.ª EDIÇÃO... 27 APRESENTAÇÃO À 2.ª EDIÇÃO... 29 APRESENTAÇÃO

Leia mais

EDITORIAL. v. 6, n.1, p. 1-24, jan./jun Revision, v. 1, p , 1998.

EDITORIAL. v. 6, n.1, p. 1-24, jan./jun Revision, v. 1, p , 1998. EDITORIAL Família é um termo muito utilizado, mas difícil de captar em toda a sua complexidade. Nos estudos de família há limitações, tanto no aspecto teórico quanto na perspectiva empírica, em relação

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO DIREITO DE FAMÍLIA

ASPECTOS GERAIS DO DIREITO DE FAMÍLIA ASPECTOS GERAIS DO DIREITO DE FAMÍLIA Isabella Garrido 1 RESUMO: Ao longo do tempo, mais precisamente a partir da segunda metade do século XX, a sociedade tem vivenciado um importante processo de transformação,

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 1 ANO: 2016 C/H: 33 AULAS: 40 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 1 ANO: 2016 C/H: 33 AULAS: 40 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 1 ANO: 2016 C/H: 33 AULAS: 40 DISCIPLINA: DIREITO CIVIL V PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: Entender o Direito de Família, obtendo uma formação crítica e social diante

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA PLANO DE ENSINO FACULDADE: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais CURSO: Direito Período: 3 o DEPARTAMENTO: Ano: 2016 DISCIPLINA: Direito Constitucional (Teoria Geral da Constituição) CARGA HORÁRIA:

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Corregedoria-Geral da Justiça

Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Corregedoria-Geral da Justiça Tribunal de Justiça do Estado do Paraná Corregedoria-Geral da Justiça Provimento Nº264 SEI Nº 0102975-68.2016.8.16.6000 O Des. EUGÊNIO ACHILLE GRANDINETTI, Corregedor-Geral da Justiça, nos usos de suas

Leia mais

MULTIPARENTALIDADE E PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA

MULTIPARENTALIDADE E PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA MULTIPARENTALIDADE E PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA EFEITOS JURíDICOS SEGUNDA EDiÇÃO Atualizada até dezembro de 2014 SÃO PAULO EDITORA ATLAS S.A. - 2015 2013 by Editora Atlas S.A. 1.ed.2014;2.ed.2015 Capa:

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam:

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam: PLANO DE ENSINO CURSO: Direito PERÍODO: 8º Semestre DISCIPLINA: Direitos Reais CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 66 horas I EMENTA Fundamentos históricos e constitucionais.

Leia mais

Breve abordagem sobre os princípios regentes do novo Direito de Família no cenário jurídico brasileiro

Breve abordagem sobre os princípios regentes do novo Direito de Família no cenário jurídico brasileiro Breve abordagem sobre os princípios regentes do novo Direito de Família no cenário jurídico brasileiro Autore: Redazione In: Diritto brasiliano Inconteste é a relevância ocupada pelo Direito de Família

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina DIR311 Direito Civil II - Parte Geral II

Programa Analítico de Disciplina DIR311 Direito Civil II - Parte Geral II 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Direito - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 4 0 4

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL. 1 Introdução: 1 Introdução: 28/09/2014. União Estável vs. Família Matrimonializada. CC/16: omisso. CF/88: art.

UNIÃO ESTÁVEL. 1 Introdução: 1 Introdução: 28/09/2014. União Estável vs. Família Matrimonializada. CC/16: omisso. CF/88: art. UNIÃO ESTÁVEL Prof.a Dra Cíntia Rosa Pereira de Lima União Estável vs. Família Matrimonializada CC/16: omisso CF/88: art. 226, 3º Hoje: CC/02 (arts. 1.723 a 1.726) Concubinato. Já está superada a divergência

Leia mais

O Papel da Psicologia Jurídica na adoção por homoafetivos

O Papel da Psicologia Jurídica na adoção por homoafetivos O Papel da Psicologia Jurídica na adoção por homoafetivos Edmara Tantin 1 RESUMO Situar a Psicologia Jurídica, como agente de interrelação entre as Ciências do Direito e da Psicologia, bem como entender

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª. Série Direito Civil I Direito A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Problemática da equiparação do Casamento com a União Estável para fins sucessórios

Problemática da equiparação do Casamento com a União Estável para fins sucessórios Problemática da equiparação do Casamento com a União Estável para fins sucessórios Por André Muszkat e Maria Letícia Amorim* Casamento e união estável são dois institutos jurídicos distintos, apesar de

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam:

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam: PLANO DE ENSINO CURSO: Direito PERÍODO: 1º Semestre DISCIPLINA: Teoria Geral do Direito Civil CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 horas/aula I EMENTA Fundamentos históricos

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho (s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho (s) DISCIPLINA INTRODUÇÃO AO DIREITO I CH: 80h/a AULA: teórica EMENTA O Direito como sistema. As disciplinas auxiliares do Direito. A construção histórica do Direito. Norma Jurídica. Fontes do Direito. Ramos

Leia mais

SALÁRIO-MATERNIDADE NA BARRIGA SOLIDÁRIA A CASAIS HOMOAFETIVOS MASCULINOS: possibilidades e fundamentos jurídicos

SALÁRIO-MATERNIDADE NA BARRIGA SOLIDÁRIA A CASAIS HOMOAFETIVOS MASCULINOS: possibilidades e fundamentos jurídicos SALÁRIO-MATERNIDADE NA BARRIGA SOLIDÁRIA A CASAIS HOMOAFETIVOS MASCULINOS: possibilidades e fundamentos jurídicos Camila Fenalti Salla 1 Mariana Fenalti Salla 2 INTRODUÇÃO Desde os tempos mais remotos,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO SÃO PAULO/ JUNHO 2015

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO SÃO PAULO/ JUNHO 2015 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO SÃO PAULO/ JUNHO 2015 Antes de ser um fato jurídico, a adoção é um fato social, praticado desde o início da humanidade; Provimento de herdeiro x permanência

Leia mais

Família e o mundo jurídico: repercussão do Código Civil de 2002 nas relações familiares.

Família e o mundo jurídico: repercussão do Código Civil de 2002 nas relações familiares. BuscaLegis.ccj.ufsc.br Família e o mundo jurídico: repercussão do Código Civil de 2002 nas relações familiares. Rebeca Ferreira Brasil Bacharela em Direito pela Universidade de Fortaleza -Unifor Os direitos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007 PROJETO DE LEI N.º, DE 2007 Regulamenta o artigo 226 3º da Constituição Federal, união estável, institui o divórcio de fato. O Congresso Nacional decreta: DA UNIÃO ESTAVEL Art. 1º- É reconhecida como entidade

Leia mais

A ADOÇÃO POR CASAIS HOMOAFETIVOS

A ADOÇÃO POR CASAIS HOMOAFETIVOS A ADOÇÃO POR CASAIS HOMOAFETIVOS Ana Jéssica Carvalho Pessanha 1 Deymes Cachoeira de Oliveira 2 SUMARIO Introdução. 1 Famílias Constitucionalizadas; 2 A União Homoafetivo Como Forma de Constituir Família;

Leia mais

ALGUNS ASPECTOS QUE DIFERENCIAM A UNIÃO ESTÁVEL DO CASAMENTO

ALGUNS ASPECTOS QUE DIFERENCIAM A UNIÃO ESTÁVEL DO CASAMENTO ALGUNS ASPECTOS QUE DIFERENCIAM A UNIÃO ESTÁVEL DO CASAMENTO José Ricardo Afonso Mota: Titular do Ofício do Registro Civil e Tabelionato de Notas da cidade de Bom Jesus do Amparo (MG) A união estável,

Leia mais

Da socioafetividade como vínculo de filiação. Patrícia Angelo Carbonero. Págs: 10 a 16. TÍTULO: DA SOCIOAFETIVIDADE COMO VÍNCULO DE FILIAÇÃO

Da socioafetividade como vínculo de filiação. Patrícia Angelo Carbonero. Págs: 10 a 16. TÍTULO: DA SOCIOAFETIVIDADE COMO VÍNCULO DE FILIAÇÃO TÍTULO: DA SOCIOAFETIVIDADE COMO VÍNCULO DE FILIAÇÃO Patrícia Angelo Carbonero 1 SUMÁRIO: 1- INTRODUÇÃO; 2- CONCEITO DE PATERNIDADE; 3- RECONHECIMENTO DOS FILHOS; 4- FILIAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL; 5-

Leia mais

Introdução. Objetivos

Introdução. Objetivos Breves Considerações Sobre a Multiparentalidade e seus Efeitos no Direito de Família e Sucessões Alessandro Coimbra dos Santos (FATEB) (alecoimbrasantos@yahoo.com.br) Orientadora: Profª. Esp. Juliana Ferreira

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam:

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam: PLANO DE ENSINO CURSO: Direito SÉRIE: 5º Semestre DISCIPLINA: Bases Procedimentais da Administração Pública CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:40 horas/aula I EMENTA Serviço público.

Leia mais

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Tipo de aula. Semana

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: DIREITO DAS FAMÍLIAS (CÓD. ENEX 60137) ETAPA: 7ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Adoção e a espera do amor Maria Berenice Dias * Como citar este artigo: DIAS, Maria Berenice. Adoção e a espera do amor. Disponível em: http://www.blogdolfg.com.br.20 outubro. 2007.

Leia mais

Disciplina: Direito Constitucional II Professor Esp. Anderson de Queirós e Silva. Rio Verde/GO 2014/01

Disciplina: Direito Constitucional II Professor Esp. Anderson de Queirós e Silva. Rio Verde/GO 2014/01 PLANO DE CURSO Disciplina: Direito Constitucional II Professor Esp. Anderson de Queirós e Silva Rio Verde/GO 2014/01 ESTRUTURAÇÃO DO PLANO DE CURSO DISCIPLINA: Direito Constitucional II Cód. : PLANO DE

Leia mais

O ACESSO À SAÚDE COMO DIREITO FUNDAMENTAL

O ACESSO À SAÚDE COMO DIREITO FUNDAMENTAL 1 O ACESSO À SAÚDE COMO DIREITO FUNDAMENTAL Graciela Damiani Corbalan INFANTE 1 RESUMO: O presente trabalho se propõe a analisar o acesso ao sistema de saúde como direito fundamental, protegido pela Constituição

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO 2017 1. INFORMAÇÕES GERAIS Professor: Dr. Frederico Thales de Araújo Martos Departamento: Direito Privado Disciplina: Direito Civil V Série: 5ª Turmas: A

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL. Profª. Danielle Nunes

UNIÃO ESTÁVEL. Profª. Danielle Nunes UNIÃO ESTÁVEL Profª. Danielle Nunes 1 PRIMEIRAS NORMAS Decreto lei nº. 7.036/1944, que reconheceu a companheira como beneficiária de indenização no caso de acidente de trabalho de que foi vítima o companheiro.

Leia mais

PROVA DISCURSIVA P 2 PARTE I

PROVA DISCURSIVA P 2 PARTE I PROVA DISCURSIVA P 2 No parecer que vale sete pontos e nas três questões a seguir que valem um ponto cada uma, faça o que se pede, usando os espaços indicados no presente caderno para rascunho. Em seguida,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Direito Administrativo e o Princípio da Supremacia do Interesse Público sobre o Interesse Privado Fernanda Yasue Kinoshita* sábado, 3 de junho de 2006, 09:56h. 1 Conceito Segundo

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam:

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam: PLANO DE ENSINO CURSO: Direito PERÍODO: 6º Semestre DISCIPLINA: Contratos Civil e Empresarial CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 horas/aula I EMENTA Contratos em espécie.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Famílias homoafetivas Maria Berenice Dias * Como citar este artigo: DIAS, Maria Berenice. Familias homoafetivas. Disponível em: http://www.blogdolfg.com.br.17 setembro. 2007. É cada

Leia mais

MULTIPARENTALIDADE E FILIAÇÃO SOCIOAFETIVA: EFEITOS JURÍDICOS Jennifer Helena Mendes 1

MULTIPARENTALIDADE E FILIAÇÃO SOCIOAFETIVA: EFEITOS JURÍDICOS Jennifer Helena Mendes 1 Revista do Curso de Direito da Universidade Braz Cubas V1 N2: Junho de 2017 MULTIPARENTALIDADE E FILIAÇÃO SOCIOAFETIVA: EFEITOS JURÍDICOS Jennifer Helena Mendes 1 Resumo Com a evolução da sociedade, a

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL 1. Sobre a chamada constitucionalização do Direito Civil, assinale a alternativa correta: A) A constitucionalização do Direito Civil preconiza,

Leia mais

OS DIREITOS CIVIS DO TRANSEXUAL E O DIREITO FUNDAMENTAL À FELICIDADE THE CIVIL RIGHTS OF TRANSEXUAL AND FUNDAMENTAL RIGHT TO HAPPINESS

OS DIREITOS CIVIS DO TRANSEXUAL E O DIREITO FUNDAMENTAL À FELICIDADE THE CIVIL RIGHTS OF TRANSEXUAL AND FUNDAMENTAL RIGHT TO HAPPINESS OS DIREITOS CIVIS DO TRANSEXUAL E O DIREITO FUNDAMENTAL À FELICIDADE THE CIVIL RIGHTS OF TRANSEXUAL AND FUNDAMENTAL RIGHT TO HAPPINESS Bruna Carolina Gonçalves Barbosa Graduanda em Direito Unisalesiano-Lins

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen E-MAIL: thiara@uniarp.edu.br Período/ Fase: 4ª Semestre:1ª Ano: 2014 Disciplina:

Leia mais

MÍRIAN PEREIRA TORRES. SÍNDROME DA ALIENAÇÃO PARENTAL: sanções aplicáveis ao genitor alienador

MÍRIAN PEREIRA TORRES. SÍNDROME DA ALIENAÇÃO PARENTAL: sanções aplicáveis ao genitor alienador MÍRIAN PEREIRA TORRES SÍNDROME DA ALIENAÇÃO PARENTAL: sanções aplicáveis ao genitor alienador Monografia apresentada como requisito para conclusão do curso de graduação em Direito pela Faculdade de Ciências

Leia mais

O IMPACTO DA LEI MARIA DA PENHA NO DIREITO DE FAMÍLIA

O IMPACTO DA LEI MARIA DA PENHA NO DIREITO DE FAMÍLIA O IMPACTO DA LEI MARIA DA PENHA NO DIREITO DE FAMÍLIA 1. INTRODUÇÃO A luta e garra da mulher brasileira, Maria, Maria, cantada por Ellis Regina, foi traduzida em lei com a força e persistência da também

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Aula 03 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de ciências jurídicas e sociais. Priscila de Carvalho Brito

Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de ciências jurídicas e sociais. Priscila de Carvalho Brito Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de ciências jurídicas e sociais Priscila de Carvalho Brito A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DANO MORAL DECORRENTE DO ABANDONO AFETIVO Brasília 2014 PRISCILA

Leia mais

PRINCIPIO DO MELHOR INTERESSE DA CRIANÇA NA GUARDA COMPARTILHADA Autores: Gagstetter, G.

PRINCIPIO DO MELHOR INTERESSE DA CRIANÇA NA GUARDA COMPARTILHADA Autores: Gagstetter, G. PRINCIPIO DO MELHOR INTERESSE DA CRIANÇA NA GUARDA COMPARTILHADA Autores: Gagstetter, G. Resumo: Em caso de separação, a regra até pouco tempo atrás prevalecia a guarda unilateral em que um dos pais obtinha

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XIII/2.ª ALTERA O CÓDIGO CIVIL, ELIMINANDO A DISCRIMINAÇÃO ENTRE HOMENS E MULHERES EM MATÉRIA DE PRAZO INTERNUPCIAL

PROJETO DE LEI N.º./XIII/2.ª ALTERA O CÓDIGO CIVIL, ELIMINANDO A DISCRIMINAÇÃO ENTRE HOMENS E MULHERES EM MATÉRIA DE PRAZO INTERNUPCIAL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XIII/2.ª ALTERA O CÓDIGO CIVIL, ELIMINANDO A DISCRIMINAÇÃO ENTRE HOMENS E MULHERES EM MATÉRIA DE PRAZO INTERNUPCIAL Exposição de motivos No próximo dia 1 de junho

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Unidade Acadêmica Especial de Letras, Ciências Humanas e Sociais Aplicadas da Regional Jataí. Curso: Direito Disciplina: Direito das Sucessões Carga

Leia mais

Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso.

Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso. Da Ordem Social: da família, da criança, do adolescente e do idoso. Cretella Júnior e Cretella Neto Direito Constitucional III Prof. Dr. João Miguel da Luz Rivero jmlrivero@gmail.com Base da ordem social

Leia mais

A ADOÇÃO NA UNIÃO HOMOAFETIVA A LUZ DOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA IGUALDADE E DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA.

A ADOÇÃO NA UNIÃO HOMOAFETIVA A LUZ DOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA IGUALDADE E DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA. A ADOÇÃO NA UNIÃO HOMOAFETIVA A LUZ DOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA IGUALDADE E DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA. Manoella Souza, (Ricardo Aronne) Faculdade de Direito, PUCRS Resumo O presente trabalho busca

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CIVIL

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CIVIL 1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CIVIL P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - A respeito da propriedade e da posse, assinale a alternativa correta: A. As concepções doutrinárias que entendem a função social como limite

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO UNIDADE JUR 3107 DISCIPLINA Direito Civil VII TURMA: C02 PROFESSORA SIRLENE FERNANDES

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina DIR317 Direito de família e sucessões

Programa Analítico de Disciplina DIR317 Direito de família e sucessões Catálogo de Graduação 01 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Direito - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO PRINCÍPIO JURÍDICO DA AFETIVIDADE: REPERSONALIZAÇÃO DAS RELAÇÕES FAMILIARES ILANA TATIANA GALVÃO

Leia mais

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 378, EM 11 DE OUTUBRO DE 2002. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2003 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que

Leia mais

PLURALIDADE DE AFETOS E O ENTENDIMENTO DE FAMILIA NOS DIAS ATUAIS

PLURALIDADE DE AFETOS E O ENTENDIMENTO DE FAMILIA NOS DIAS ATUAIS PLURALIDADE DE AFETOS E O ENTENDIMENTO DE FAMILIA NOS DIAS ATUAIS Aliffer Henrique dos SANTOS 1 Tamires Midori de Lima SUZUKI 2 Meire Cristina QUEIROZ 3 RESUMO: Como resultado do trabalho desenvolvido

Leia mais

MUTABILIDADE DO REGIME DE BENS

MUTABILIDADE DO REGIME DE BENS MUTABILIDADE DO REGIME DE BENS A evolução da sociedade global, e a repercussão da mesma na sociedade brasileira, vêm sobrecarregando o trabalho estatal na medida em que o mesmo deve estar preparado aos

Leia mais

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PRICILA ADRIANA MÜLLER

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PRICILA ADRIANA MÜLLER UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PRICILA ADRIANA MÜLLER NOVAS CONSTITUIÇÕES FAMILIARES: DA FORMAÇÃO CLÁSSICA À FORMAÇÃO MODERNA Panambi (RS) 2015 PRICILA ADRIANA

Leia mais

Seus direitos na Hungria

Seus direitos na Hungria Seus direitos na Hungria Uma breve introdução à legislação sobre lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans Descriminalização e idade de consentimento A prática de atos sexuais entre homens com consentimento

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO COMPONENTE CURRICULAR: Serviço de Assistência Jurídica SAJ II PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO COMPONENTE CURRICULAR: Serviço de Assistência Jurídica SAJ II PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO COMPONENTE CURRICULAR: Serviço de Assistência Jurídica SAJ II CÓDIGO: DIR-482 Carga Horária: 30h PRÉ-REQUISITO: - PERÍODO LETIVO: 2016.2 Turma: 8º semestre PROFESSOR: - TITULAÇÃO:

Leia mais

Possibilidade de indenização em face do abandono afetivo

Possibilidade de indenização em face do abandono afetivo 1 Possibilidade de indenização em face do abandono afetivo http://jus.com.br/revista/texto/23326 Publicado em 01/2013 Hilma da Silva Costa Venez Acadêmica de Direito do Instituto de Ensino e Pesquisa Objetivo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO FACULDADE ASCES CURSO DE DIREITO O DANO MORAL NAS RELAÇÕES CONJUGAIS BRUNA ANCIOLLY ALVES

ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO FACULDADE ASCES CURSO DE DIREITO O DANO MORAL NAS RELAÇÕES CONJUGAIS BRUNA ANCIOLLY ALVES ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO FACULDADE ASCES CURSO DE DIREITO O DANO MORAL NAS RELAÇÕES CONJUGAIS BRUNA ANCIOLLY ALVES CARUARU PE 2015 ASSOCIAÇÃO CARUARUENSE DE ENSINO SUPERIOR E

Leia mais

CLAUDIA PEDRAL TERAPEUTA OCUPACIONAL AGOSTO/12

CLAUDIA PEDRAL TERAPEUTA OCUPACIONAL AGOSTO/12 CLAUDIA PEDRAL TERAPEUTA OCUPACIONAL AGOSTO/12 Família, família Papai, mamãe, titia, Família, família Almoça junto todo dia, Nunca perde essa mania Mas quando a filha quer fugir de casa Precisa descolar

Leia mais