SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS"

Transcrição

1 BIB140 Forma & Função em Plantas SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS Atividade 1 Experimento sobre pressão de embebição Faça essa atividade ao início da aula prática. Só então comece a observação morfológica. As sementes, antes de iniciarem o processo de germinação, precisam absorver água e, com isso, sofrem diversas alterações físicas, químicas e no metabolismo. Este experimento demonstra fenômenos relacionados à embebição, que é o processo pelo qual as sementes absorvem a água. 1- Prepare dois cones dobrando dois papeis-de-filtro. Coloque o papel filtro num funil; 2- Coloque cerca de 70 ml (ou 150g) de gesso em um copo ou cuba e adicione ml de água até obter uma pasta homogênea. Agite continuamente com o bastão de vidro ou palito de sorvete, pois o gesso endurece rápido; 3- Identifique um funil como A e outro como B. (A é o controle) 4- Preencha o funil A totalmente com gesso; no funil B coloque gesso até a metade e acrescente 7-10 sementes de grão-de-bico e cubra com gesso; 5- Prossiga com a observação morfológica e anatômica dos outros materiais da aula; 6- Deixe os funis em repouso até o endurecimento completo; 7- Observe após algumas horas. Responda às questões e discuta este experimento. Essas respostas devem ser entregues como sendo o Relatório 1 da Aula prática 2. É um trabalho individual, para ser entregue, impreterivelmente ao início da aula teórica da semana seguinte. A preparação destas respostas é importante para o conteúdo da próxima aula teórica. 1- Descreva o que aconteceu em até 5 linhas. 2- Explique o porquê do ocorrido (até 20 linhas); 3- Quais estruturas da semente devem estar envolvidas com esse fenômeno decorrente da embebição? 4- Explique os papéis biológicos e ecológicos, importantes para a germinação, no fenômeno observado? 5- Considerando os conhecimentos adquiridos neste experimento, explique por que estruturas de cimento precisam ser feitas com areia peneirada, livre de fragmentos de plantas; 6- Como o resultado desse experimento pode ser aplicado para a construção de barris para estocagem de bebidas ou de barcos de madeira? Dicas para pesquisa: - Química e estrutura da parede celular vegetal; - Potencial mátrico; - Estrutura de polissacarídeos e proteínas.

2 BIB140 Forma & Função em Plantas Material 1) Feijão (Phaseolus vulgaris, Leguminosae) e plântulas germinadas na luz de leucena (Leucaena leucocephala, Leguminosae). a) Observe a semente de feijão branco externamente e localize o hilo, micrópila e a rafe; b) Faça um corte longitudinal sagital da semente (aquele que divide em duas metades iguais) e identifique: cotilédones, tegumento, totalidade do embrião, plúmula e eixo hipocótilo-radicular; c) Observe a plântula de leucena crescida iluminada e identifique: cotilédones, ápice meristemático, epicótilo, hipocótilo, raíz primária, primeiro par de folhas, nó e internó (entrenó). d) Esta é uma germinação fanerocotiledonar ou criptocotiledonar? e) A germinação é epígea ou hipógea? f) Faça um esquema das estruturas observadas e coloque legendas. g) Consulte os professores e monitores sobre a adequação do seu esquema. Material 2) Moyashi ou broto-de-feijão (Vigna radiata, Leguminosae): plântula estiolada devido à germinação no escuro. a) Observe a plântula da mesma forma que você fez com o de feijão identificando as seguintes estruturas: cotilédones, ápice meristemático, epicótilo, radícula, primeiro par de folhas, gancho plumular, nó e internó (entrenó); b) Compare as plântulas de moyashi com as de leucena crescidas na luz e destaque as principais diferenças. Material 3) Milho (Zea mays., Gramineae): frutos embebidos e plântula. a) Observe as sementes embebidas sem raiz emergente. Faça um corte longitudinal sagital (passando bem pelo meio do embrião) e pingue uma gota de lugol em uma das metades e coloque a outra metade no reagente de tetrazólio. Agora, na metade corada com lugol, localize: plúmula, coleóptilo, coleorriza, escutelo, radícula e endosperma (observe também lâmina em demonstração). Reserve a parte colocada em tetrazólio para observação dentro de cerca de meia hora. O material que reage com tetrazólio deve adquirir uma coloração rosada, indicando onde há atividade metabólica; b) Identifique as células da camada de aleurona

3 BIB140 Forma & Função em Plantas c) Observe a lâmina do corte longitudinal de milho e identifique as estruturas no esquema abaixo: QUESTÕES PARA ESTUDO EXTRA-CLASSE 1) Caracterize uma germinação epígea e hipógea. 2) Caracterize uma germinação criptocotiledonar e fanerocotiledonar. 3) Onde se situam as reservas da semente de leguminosas e gramíneas? 4) Quais as implicações dessa localização na velocidade de germinação dessas plantas? 5) Explique adaptativamente a morfologia da germinação realizada no escuro.

4 Milho Zea mays Gramineae Fruto em corte longitudinal mostrando coleóptilo, coleorriza, plúmula, radícula, escutelo (cotilédone modificado), endosperma, tegumento pericarpo e camada de aleurona

5

6 Feijão Phaseolus vulgaris Leguminosae Plântulas germinadas sob luz.

7

8 Seafórtia Archontophoenix cunninghamii Arecaceae Observe plântulas resultantes de germinação hipógea criptocotiledonar

9 Sementes de orquídeas Orchidaceae Observe sementes minúsculas, com tegumento pouco desenvolvido e embrião mixotrófico com apenas algumas células.

10 Em muitas plantas o embrião e a semente fogem dos padrões normalmente observados.

2. Formação e a Estrutura das Sementes (Parte I)

2. Formação e a Estrutura das Sementes (Parte I) 2. Formação e a Estrutura das Sementes (Parte I) 3. Formação dos gametas e fecundação 3.1. Formação do Grão de Pólen (Microsporogênese) Os grãos de pólen são formados na antera 1 Principais Etapas da Microsporogênese

Leia mais

SEMENTE. Introdução. Desenvolvimento da semente

SEMENTE. Introdução. Desenvolvimento da semente 62 Introdução SEMENTE A semente pode ser definida como um óvulo maduro e fecundado, contendo em seu interior uma planta embrionária, substâncias de reserva (às vezes ausentes), ambas protegidas por um

Leia mais

Estrutura e adaptação das plântulas Structure and adaptation of plantulas

Estrutura e adaptação das plântulas Structure and adaptation of plantulas Estrutura e adaptação das plântulas Structure and adaptation of plantulas ANA PAULA CASTELLO PEREIRA(UNINGÁ)¹ ALAN CASSIANO SECORUN(PG-UEM) 2 RESUMO: A caracterização da estrutura e adaptação das plântulas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

Atividade B. Plano de aula. Explorando o comportamento. das sementes em água. 1. Propósitos/ Finalidades da Atividade. 2. Aprendizagens esperadas

Atividade B. Plano de aula. Explorando o comportamento. das sementes em água. 1. Propósitos/ Finalidades da Atividade. 2. Aprendizagens esperadas Plano de aula Actividade B: Explorando o comportamento das sementes na água. 1. Propósitos/ Finalidades da Atividade Constatar o comportamento evolutivo no tempo de sementes diversas quando colocadas em

Leia mais

A ESTRUTURA DE SEMENTES E SUAS

A ESTRUTURA DE SEMENTES E SUAS A ESTRUTURA DE SEMENTES E SUAS SUBSTÂNCIAS DE RESERVA J.D. Bewley & M. Black Apresentação Renato Gama UnB www.renatogdn.com.br ESTRUTURA - TESTA É geralmente uma camada dura. A importância fisiológica

Leia mais

SEMENTE. CONSTITUIÇÃO DA SEMENTE Tegumento ou casca: protege a semente. Testa (camada mais externa) Tégmen ou tegma (camada mais interna) SEMENTE

SEMENTE. CONSTITUIÇÃO DA SEMENTE Tegumento ou casca: protege a semente. Testa (camada mais externa) Tégmen ou tegma (camada mais interna) SEMENTE SEMENTE MORFOLOGIA E ANATOMIA DA SEMENTE Anna Frida Hatsue Modro É o óvulo desenvolvido após a fecundação, contendo o embrião, com ou sem reservas nutritivas, protegido pelo tegumento Origem: Tem origem

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL 24/10/2012. Crescimento e desenvolvimento. Crescimento e desenvolvimento. Onde tudo começa? Crescimento e desenvolvimento

FISIOLOGIA VEGETAL 24/10/2012. Crescimento e desenvolvimento. Crescimento e desenvolvimento. Onde tudo começa? Crescimento e desenvolvimento FISIOLOGIA VEGETAL Crescimento e desenvolvimento Pombal PB Crescimento e desenvolvimento Onde tudo começa? Crescimento e desenvolvimento Polinização: transferência do grão de pólen da antera ao estigma

Leia mais

EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ

EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ Disciplina i LPV 504 PLANTAS ESTIMULANTES ANA DIONISIA L. COELHO NOVEMBRE EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ COTILEDONES EIXO EMBRIÃO Novembre, 2003 FRUTO DE CAFÉ Novembre, 2003

Leia mais

Fisiologia da germinação. Formação de mudas. Propagação e plantio de café

Fisiologia da germinação. Formação de mudas. Propagação e plantio de café "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Fisiologia da germinação. Formação de mudas. Propagação e plantio de café USP/Esalq Piracicaba/SP agosto - 2016 Prof. José Laércio

Leia mais

Fisiologia da germinação. Propagação assexuada. Formação de mudas.

Fisiologia da germinação. Propagação assexuada. Formação de mudas. "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Fisiologia da germinação. Propagação assexuada. Formação de mudas. USP/Esalq Piracicaba/SP agosto - 2017 Prof. José Laércio Favarin

Leia mais

PROPOSTA DE ATIVIDADES PRÁTICAS DE GERMINAÇÃO DE SEMENTES PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

PROPOSTA DE ATIVIDADES PRÁTICAS DE GERMINAÇÃO DE SEMENTES PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL PROPOSTA DE ATIVIDADES PRÁTICAS DE GERMINAÇÃO DE SEMENTES PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL SILVA, Aline C 1, JOAQUIM, Walderez M. 2 1 2 Universidade do Vale do Paraíba /IP&D - Instituto de Pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DE IMAGENS EM TECNOLOGIA DE SEMENTES

ANÁLISE DE IMAGENS EM TECNOLOGIA DE SEMENTES Produção de Sementes (LPV-638) Graduação Engenharia Agronômica Segundo Semestre de 2015 ANÁLISE DE IMAGENS EM TECNOLOGIA DE SEMENTES Francisco Guilhien Gomes Junior Tecnologia de Sementes Depto de Produção

Leia mais

Quais são as partes constituintes dos embriões? folha (s) embrionária (s) 2 em eudicotiledôneas

Quais são as partes constituintes dos embriões? folha (s) embrionária (s) 2 em eudicotiledôneas Quais são as partes constituintes dos embriões? Eixo embrionário: _ plúmula - meristema apical caulinar provido ou não de primórdios foliares _ hipocótilo _ radícula raiz embrionária Cotilédone (s) folha

Leia mais

BIOLOGIA AVALIAÇÃO ADICIONAL DO 2º BIMESTRE

BIOLOGIA AVALIAÇÃO ADICIONAL DO 2º BIMESTRE 8º ano BIOLOGIA AVALIAÇÃO ADICIONAL DO 2º BIMESTRE Esta avaliação (todos os experimentos) será realizada no laboratório da escola no dia 27/05/2017, a partir das 8h da manhã, com o auxílio das professoras

Leia mais

MERISTEMAS TECIDOS PERPETUAMENTE JOVENS E EMBRIONÁRIOS

MERISTEMAS TECIDOS PERPETUAMENTE JOVENS E EMBRIONÁRIOS FACULDADE ANHAGUERA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Meristemas Disc.: Anatomia Vegetal Profa. Zanderluce Gomes Luis MERISTEMAS Tecido não diferenciado, originado das células embriogênicas e responsável pela formação

Leia mais

AULA 10 CAPÍTULO 10 RAIZ

AULA 10 CAPÍTULO 10 RAIZ AULA 10 CAPÍTULO 10 RAIZ RAIZ RAIZ Estrutura simples, quando comparada ao caule MAR = raiz primária Dicotiledôneas = raiz axial ou pivotante Monocotiledôneas = raiz fasciculada Morfologia externa Coifa

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES Ai de ti, se por tua causa semente morrer semente.

PRODUÇÃO DE SEMENTES Ai de ti, se por tua causa semente morrer semente. PRODUÇÃO DE SEMENTES Ai de ti, se por tua causa semente morrer semente. Eng. Agr. Clélia Maria Mardegan O QUE VAMOS ESTUDAR SOBRE SEMENTES Conceitos iniciais. Um pouco de estória. Importância das sementes.

Leia mais

26/6/2012. Em muitos casos, uma semente viável poderá não germinar mesmo que as condições ambientais sejam adequadas.

26/6/2012. Em muitos casos, uma semente viável poderá não germinar mesmo que as condições ambientais sejam adequadas. UNIDADE XIII DORMÊNCIA E GERMINAÇÃO 1. Introdução 2. Estrutura de sementes, plântulas e órgãos dormentes 2.1. Sementes e plântulas 2.2. Gemas 2.3. Rizomas, tubérculos, bulbos, bulbos sólidos, raízes modificadas

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência 2 a Fase 1 o Ano 18/08/10 Material e Reagentes: Experiência Açúcar (sacarose) Bicarbonato de sódio Álcool etílico Recipiente com graduação (proveta ou seringa) Almofariz com pistilo Fósforo ou isqueiro

Leia mais

Sementes. Cotilédone. Endosperma. Coleóptilo. Folhas embrionárias Radícula Caulículo. Caulículo. Tegumento. Folhas embrionárias.

Sementes. Cotilédone. Endosperma. Coleóptilo. Folhas embrionárias Radícula Caulículo. Caulículo. Tegumento. Folhas embrionárias. Histologia vegetal Sementes Cotilédone Coleóptilo Folhas embrionárias Caulículo Endosperma Radícula Tegumento Folhas embrionárias Radícula Caulículo Cotilédones ricos em endosperma Disponível em: .

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES

GERMINAÇÃO DE SEMENTES GERMINAÇÃO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ ESTUDO DA GERMINAÇÃO FISIOLOGIA VEGETAL ESTUDOS BÁSICOS E MAIS APROFUNDADOS, INDEPEN- DENTES DA IMPORTÂNCIA

Leia mais

Aula SEMENTE. META Apresentar a semente e suas partes constituintes fazendo uma breve comparação entre as sementes de Gimnospermas e Angiospermas.

Aula SEMENTE. META Apresentar a semente e suas partes constituintes fazendo uma breve comparação entre as sementes de Gimnospermas e Angiospermas. SEMENTE Aula 12 META Apresentar a semente e suas partes constituintes fazendo uma breve comparação entre as sementes de Gimnospermas e Angiospermas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: reconhecer

Leia mais

Teste de raios X: princípio e interpretação

Teste de raios X: princípio e interpretação Teste de raios X: princípio e interpretação Aula 2 LPV 5731 - ANÁLISE DE IMAGENS DE SEMENTES E PLÂNTULAS Programa de pós-graduação em Fitotecnia Francisco G Gomes-Junior Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Aula Multimídia. Prof. David Silveira

Aula Multimídia. Prof. David Silveira Aula Multimídia Prof. David Silveira BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL 1) GERMINAÇÃO: Partes da semente: - TEGUMENTO (casca) proteção. - ENDOSPERMA (álbume/3n) reserva nutritiva. - EMBRIÃO Cotilédone (folhas

Leia mais

Tipos de propagação de plantas. Propagação de plantas. Propagação sexuada ou seminífera. Agricultura geral. Vantagens da propagação sexuada

Tipos de propagação de plantas. Propagação de plantas. Propagação sexuada ou seminífera. Agricultura geral. Vantagens da propagação sexuada Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Movimentos orientados em relação à fonte de estímulo:

Movimentos orientados em relação à fonte de estímulo: Movimentos orientados em relação à fonte de estímulo: Fototropismo: movimento da planta é orientado pela direção da luz; Positivo: caule (cresce em direção à fonte luminosa); Negativo: raiz (cresce em

Leia mais

ANÁLISE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES COMERCIAIS DE CUCURBITA MÁXIMA (ABÓBORA GILA)

ANÁLISE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES COMERCIAIS DE CUCURBITA MÁXIMA (ABÓBORA GILA) ANÁLISE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES COMERCIAIS DE CUCURBITA MÁXIMA (ABÓBORA GILA) Patrícia de Moura Alves 1 ; Ana Claudia Bello Pereira 2 ; Anailda Angélica Lana Drumond, 3 ¹Discente do curso de Engenharia

Leia mais

Aspectos de Forma em Plantas Forrageiras

Aspectos de Forma em Plantas Forrageiras LZT 520 Plantas Forrageiras e Pastagens Aspectos de Forma em Plantas Forrageiras MORFOLOGIA E DESENVOLVIMENTO ESTRUTURAL RELACIONADOS COM A PRODUÇÃO E O MANEJO DE PASTAGENS Duas famílias Poaceae (Gramineae)

Leia mais

Experimento para Química. Velocidade da Reação

Experimento para Química. Velocidade da Reação Experimento para Química Velocidade da Reação A velocidade das reações químicas depende de muitos fatores. Este experimento visa demonstrar aos alunos a influência da temperatura e da superfície de contato

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências da Natureza Disciplina: Série: 2ª Ensino Médio Professor: Pascoal Belico Cária Atividades para Estudos Autônomos Data: 25 / 4 / 2016 Aluno(a): N o : Turma: TEMAS:

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

FOTOMORFOGÊNESE e MOVIMENTOS EM PLANTAS

FOTOMORFOGÊNESE e MOVIMENTOS EM PLANTAS FOTOMORFOGÊNESE e MOVIMENTOS EM PLANTAS Profa. Dra. Helenice Mercier Laboratório de Fisilogia Vegetal FOTOMORFOGÊNESE: a luz como sinal ambiental O QUE AS PLANTAS ENXERGAM? FOTOMORFOGÊNESE DIREÇÃO INTENSIDADE

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DE FRUTOS, SEMENTES E PLÂNTULAS DE Chorisia glaziovii (O. Kuntze) E. Santos

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DE FRUTOS, SEMENTES E PLÂNTULAS DE Chorisia glaziovii (O. Kuntze) E. Santos Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DE FRUTOS, SEMENTES E PLÂNTULAS

Leia mais

Citrus. Cana. Parede celular. Dra. Maria Izabel Gallão

Citrus. Cana. Parede celular. Dra. Maria Izabel Gallão Citrus Cana Parede celular Parede Celular Parede celular contribui para a integridade estrutural e morfologia da planta. A planta necessita da parede celular para o seu crescimento. Parede celular deve

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Farmácia Laboratório de Farmacognosia MICROSCOPIA DE DROGAS VEGETAIS Esta aula tem o objetivo de iniciar o aluno na prática do laboratório

Leia mais

Química Geral Experimental II. Experimento Nº2. Fatores que Favorecem uma Reação Química. Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S.

Química Geral Experimental II. Experimento Nº2. Fatores que Favorecem uma Reação Química. Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S. Química Geral Experimental II Experimento Nº2 Fatores que Favorecem uma Reação Química Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S. Fogaça Este material pode ser utilizado exclusivamente para fins

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenolimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 10: Germinação O início do desenolimento e da ida da noa planta. O início da ida de uma planta superior geralmente ocorre

Leia mais

Conhecendo a planta de trigo

Conhecendo a planta de trigo Conhecendo a planta de trigo Erlei Melo Reis OR Melhoramento de sementes Ltda Passo Fundo - RS Roteiro: Classificação sistemática A morfologia do grão Germinação de sementes Morfologia da raiz Morfologia

Leia mais

Actividade Enzimática enzima amilase

Actividade Enzimática enzima amilase Actividade Enzimática enzima amilase O que se pretende..seleccionar o material necessário tendo em conta o procedimento. 2.Verificar a alteração de cor do indicador Solução de Lugol (água iodada) na presença

Leia mais

Colorações de Bactérias: Coloração Simples e Coloração Diferencial(Coloração de Gram)

Colorações de Bactérias: Coloração Simples e Coloração Diferencial(Coloração de Gram) Escola Secundária com 3º Ciclo D.Manuel I Beja Acção de Formação ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Guião de actividade laboratorial versão aluno Colorações de Bactérias: Coloração Simples

Leia mais

Aula 12 - Diversidade das Angiospermas e suas famílias mais importantes

Aula 12 - Diversidade das Angiospermas e suas famílias mais importantes Observe a lenhosidade do material, que apresenta folhas compostas bipinadas com folíolos de primeira ordem (traço) e de segunda ordem (seta vermelha). Atente para os pulvinos (setas azuis), uma dilatação

Leia mais

O QUE SE PRETENDE. 1. Seleccionar o material que permita extrair e separar os pigmentos fotossintéticos presentes nos cloroplastos a nível das folhas.

O QUE SE PRETENDE. 1. Seleccionar o material que permita extrair e separar os pigmentos fotossintéticos presentes nos cloroplastos a nível das folhas. O QUE SE PRETENDE 1. Seleccionar o material que permita extrair e separar os pigmentos fotossintéticos presentes nos cloroplastos a nível das folhas. 2. Descrever o procedimento efectuado na execução da

Leia mais

Reprodução assexuada. Biologia Unidade 6: Reprodução

Reprodução assexuada. Biologia Unidade 6: Reprodução 1 Reprodução assexuada Biologia Unidade 6: Reprodução 1 2 Reprodução assexuada: diversidade de processos INTRODUÇÃO A reprodução assexuada é um tipo de reprodução que não envolve células sexuais masculinas

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 3

Química Geral Experimental - Aula 3 Química Geral Experimental - Aula 3 Título da Prática: Misturas homogêneas e heterogêneas. Objetivos: Familiarizar o aluno com os conceitos de mistura e métodos de separação. Tópicos Explorados: - Misturas

Leia mais

INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES MORFOFISIOLOGIA DE SEMENTES

INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES MORFOFISIOLOGIA DE SEMENTES UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES P R O F. D R. R O B E R T O C E Z A R L O B O DA C O S TA O QUE É GERMINAÇÃO? BOTÂNICOS A germinação é um fenômeno biológico

Leia mais

MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS

MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Capítulo 2 MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Renato Serena Fontaneli, Henrique Pereira dos Santos e Roberto Serena Fontaneli A família das gramíneas (Poaceae ou Gramineae) é uma das principais famílias

Leia mais

Aulas Escolares Pritt

Aulas Escolares Pritt Aulas Escolares Pritt Esses materiais são parte da iniciativa educacional de pesquisadores globais. O conceito e o programa de ensino foram desenvolvidos com a supervisão do Prof. Dr. Katrin Sommer, Diretor

Leia mais

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays)

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Amadeu J. de Melo Neto 1, Ernane R. da Costa 1, Marcelo M. Pereira 1, Flávio P. dos Santos 1 e Luiz

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO.

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO. AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO. Aula 11 Glauber Silva Godoi META Desenvolver no aluno a capacidade de avaliar

Leia mais

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL Profa. Dra. Helenice Mercier Dep. de Botânica USP Laboratório de Fisilogia Vegetal FOTOMORFOGÊNESE O QUE AS PLANTAS ENXERGAM? FOTOMORFOGÊNESE DIREÇÃO INTENSIDADE

Leia mais

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo Prof.: Eduardo Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

Leia mais

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID. Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR)

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID. Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Tipo do produto: Plano de Atividade 1 IDENTIFICAÇÃO NOME DO SUBPROJETO:

Leia mais

Efeito do Tratamento de Sementes com Micronutrientes (Zn e Mo) Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays)

Efeito do Tratamento de Sementes com Micronutrientes (Zn e Mo) Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Efeito do Tratamento de Sementes com Micronutrientes (Zn e Mo) Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Amadeu J. de Melo Neto 1, Ernane R. da Costa 1, Hélio Alves Gomes Júnior e Marcelo

Leia mais

MILHO PARA OS DIFERENTES NÍVEIS TECNOLÓGICOS

MILHO PARA OS DIFERENTES NÍVEIS TECNOLÓGICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira MILHO PARA OS DIFERENTES NÍVEIS TECNOLÓGICOS Prof. Dr. João Antonio da Costa Andrade Departamento de Biologia

Leia mais

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática Deterioração e vigor Profª Marcela Carlota Nery Deterioração Processo progressivo e irreversível Respiração Alterações na atividade enzimática Alterações no tegumento das sementes Alterações nas taxas

Leia mais

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Botânica Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I Órgãos vegetais Órgãos Vegetais: FLOR A flor é um ramo altamente modificado, apresentando apêndices especializados. Órgãos Vegetais:

Leia mais

03/08/2011 MULTIPLICAÇÃO DE PLANTAS FORMAÇÃO DA SEMENTE DE FORMAÇÃO DA SEMENTE REPRODUÇÃO VIA SEXUADA: SEMENTES

03/08/2011 MULTIPLICAÇÃO DE PLANTAS FORMAÇÃO DA SEMENTE DE FORMAÇÃO DA SEMENTE REPRODUÇÃO VIA SEXUADA: SEMENTES FORMAÇÃO DA SEMENTE DE ANGIOSPERMAS MULTIPLICAÇÃO DE PLANTAS REPRODUÇÃO VIA SEXUADA: SEMENTES Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ Produção de um novo organismo,

Leia mais

FORMAÇÃO DA SEMENTE DE ANGIOSPERMAS

FORMAÇÃO DA SEMENTE DE ANGIOSPERMAS FORMAÇÃO DA SEMENTE DE ANGIOSPERMAS MULTIPLICAÇÃO DE PLANTAS REPRODUÇÃO VIA SEXUADA: SEMENTES Produção de um novo organismo, com intervenção de células ou núcleos sexuais Há renovação do indivíduo Julio

Leia mais

ATIVIDADES 2016 COLÉGIO ESTADUAL INDEPENDÊNCIA PRIMEIRA ATIVIDADE REVITALIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

ATIVIDADES 2016 COLÉGIO ESTADUAL INDEPENDÊNCIA PRIMEIRA ATIVIDADE REVITALIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS ATIVIDADES 2016 COLÉGIO ESTADUAL INDEPENDÊNCIA PRIMEIRA ATIVIDADE REVITALIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS PARCERIA PIBID BIOLOGIA/UEG PRÁTICA - BRIÓFITAS Objetivo Observar e reconhecer as estruturas

Leia mais

Atividade prática - Estudando a água Parte 11

Atividade prática - Estudando a água Parte 11 Atividade prática - Estudando a água Parte 11 9º ano do Ensino Fundamental e 1º ano do Ensino Médio Objetivo Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são possíveis

Leia mais

ANÁLISE DE IMAGENS NA AVALIAÇÃO DE DANOS MECÂNICOS E CAUSADOS POR PERCEVEJOS EM SEMENTE DE FEIJÃO 1

ANÁLISE DE IMAGENS NA AVALIAÇÃO DE DANOS MECÂNICOS E CAUSADOS POR PERCEVEJOS EM SEMENTE DE FEIJÃO 1 121 ANÁLISE DE IMAGENS NA AVALIAÇÃO DE DANOS MECÂNICOS E CAUSADOS POR PERCEVEJOS EM SEMENTE DE FEIJÃO 1 VICTOR AUGUSTO FORTI 2, SILVIO MOURE CICERO 3, TAIS LEITE FERREIRA PINTO 4 RESUMO A possibilidade

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES

GERMINAÇÃO DE SEMENTES GERMINAÇÃO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ ESTUDO DA GERMINAÇÃO FISIOLOGIA VEGETAL ESTUDOS BÁSICOS E MAIS APROFUNDADOS, INDEPEN- DENTES DA IMPORTÂNCIA

Leia mais

PRÁTICA 3 GRUPO 13. O objetivo desse procedimento é estudar a hidrólise do ácido bórico e do bórax.

PRÁTICA 3 GRUPO 13. O objetivo desse procedimento é estudar a hidrólise do ácido bórico e do bórax. PRÁTICA 3 GRUPO 13 Departamento de Química Inorgânica, IQ-UFF Responsável: Prof. Fabio da Silva Miranda Revisado: 04/05/2017 1. Introdução O presente procedimento experimental pretende abordar alguns aspectos

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

BIB 124 Diversidade e evolução dos organismos fotossintetizantes IBUSP

BIB 124 Diversidade e evolução dos organismos fotossintetizantes IBUSP Aula Prática 8 - NOVIDADES EVOLUTIVAS REPRODUTIVAS DAS ESPERMATÓFITAS - 2014 Objetivos: Entender as novidades evolutivas das espermatófitas, atinentes à reprodução sexuada, atentando para sua importância

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar. ALUNO(A): TURMA: Ciências.

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar. ALUNO(A): TURMA: Ciências. FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ 2011 O Colégio que ensina o aluno a estudar. APICE 4 o Ano Ensino Fundamental I ALUNO(A): TURMA: Ciências [4 a ETAPA] Você está recebendo o APICE (Atividade para Intensificar

Leia mais

Roteiro 22 Reflexão e Refração de uma onda bidimensional num meio líquido

Roteiro 22 Reflexão e Refração de uma onda bidimensional num meio líquido Roteiro 22 Reflexão e Refração de uma onda bidimensional num meio líquido INTRODUÇÃO As ondas podem sofrer o efeito de diversos fenômenos, dentre eles estão a reflexão e a refração. Quando uma onda que

Leia mais

PRODUTO EDUCACIONAL NO MUNDO DAS FOLHAS

PRODUTO EDUCACIONAL NO MUNDO DAS FOLHAS 1 PRODUTO EDUCACIONAL NO MUNDO DAS FOLHAS Este roteiro de aula prática deve ser ministrado prioritariamente após as aulas teóricas sobre o conteúdo de morfologia e citologia vegetal. No decurso da aula

Leia mais

Estrutura e classificação de frutos

Estrutura e classificação de frutos Estrutura e classificação de frutos Dra. MARIANA ESTEVES MANSANARES Departamento de Biologia Setor de Botânica e Sistemática Universidade federal de Lavras (UFLA) FRUTO OU FRUTA? Terminologia botânica

Leia mais

Plano de Intervenção

Plano de Intervenção INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA GERMINAÇÃO Plano de Intervenção AUTOR: Luiz Felipe Ribeiro CONTEXTUALIZAÇÃO Em biologia chama-se germinação ao processo inicial do crescimento de uma planta a partir de um corpo

Leia mais

- ROTEIRO DE LABORATÓRIO -

- ROTEIRO DE LABORATÓRIO - DISCIPLINA: DATA : - ROTEIRO DE LABORATÓRIO - VISTO PROF: NOTA: Experimento: Semestre: GRUPO BANCADA 1. Objetivo: Este experimento possibilita a visualização de características morfológicas de alguns tipos

Leia mais

USP - INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA. BIB 311 Sistemática e evolução das Espermatófitas

USP - INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA. BIB 311 Sistemática e evolução das Espermatófitas USP - INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA BIB 311 Sistemática e evolução das Espermatófitas - 2015 Aula Prática 2 - GIMNOSPERMAS : CYCADOPHYTA e GINKGOPHYTA 1. Analise e faça desenhos esquemáticos

Leia mais

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ Definição x Conceito A palavra CONCEITO tem vários significados

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: ALUNO(a): Numa comparação grosseira, as briófitas são consideradas os anfíbios do mundo vegetal.

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: ALUNO(a): Numa comparação grosseira, as briófitas são consideradas os anfíbios do mundo vegetal. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 3º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) Numa comparação grosseira, as briófitas são consideradas os anfíbios do

Leia mais

FISIOLOGIA DE PÓS COLHEITA DE GRÃOS

FISIOLOGIA DE PÓS COLHEITA DE GRÃOS Material de apoio para a Disciplina Fisiologia pós colheita de grãos do curso de pós graduação e especialização em Armazenamento de Grãos e a Segurança Alimentar 1) ESTRUTURA DOS GRÃOS 1.1 Introdução Prof

Leia mais

Pranchas dos Experimentos. Como citar: restinga: uma sequência didática argumentativa. 1ed. São Paulo: Edição dos autores, Janeiro de p.

Pranchas dos Experimentos. Como citar: restinga: uma sequência didática argumentativa. 1ed. São Paulo: Edição dos autores, Janeiro de p. Pranchas dos Experimentos e Atividades práticas Como citar: AZEVEDO, N.H.; MARTINI, A.M.Z.; OLIVEIRA, A.A.; SCARPA, D.L.; PETROBRAS:USP, IB, LabTrop/BioIn (org.). Ecologia na restinga: uma sequência didática

Leia mais

ANÁLISE DE IMAGENS EM TECNOLOGIA DE SEMENTES

ANÁLISE DE IMAGENS EM TECNOLOGIA DE SEMENTES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ANÁLISE DE IMAGENS EM TECNOLOGIA DE SEMENTES Francisco Guilhien Gomes Junior Depto de Produção Vegetal USP/ESALQ Disciplina: Produção

Leia mais

REGISTRO DE INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA - EXTRAÇÃO DE DNA. Autor: Cassiano Rodrigues PLANO DA INTERVENÇÃO

REGISTRO DE INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA - EXTRAÇÃO DE DNA. Autor: Cassiano Rodrigues PLANO DA INTERVENÇÃO INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA - EXTRAÇÃO DE DNA PLANO DA INTERVENÇÃO Autor: Cassiano Rodrigues CONTEXTUALIZAÇÃO A extração de ácidos nucléicos (DNA e/ou RNA) geralmente é a primeira de várias etapas para o

Leia mais

Acção de Formação: " Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares "

Acção de Formação:  Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ RÉGIO DE VILA DO CONDE Acção de Formação: " Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares " Formador: Prof. D tor Victor Duarte Teodoro Formando: Maria Marcelina Ramos Maia

Leia mais

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS 2016 Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS Quais as diferenças entre a célula vegetal e animal?? Basicamente: parede celular; vacúolo; cloroplastos. Parede

Leia mais

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela Padrões para a classificação do MILHO Caroline Matheus Larissa Gabriela Introdução O milho (Zea mays) é, sem dúvida, um dos alimentos mais importantes da cadeia alimentar animal. Muito trabalho tem sido

Leia mais

Ficha de trabalho. Microscópio

Ficha de trabalho. Microscópio Ficha de trabalho Microscópio 1. Observa com atenção a imagem 1. 1.1. Faz a legenda da figura 1-2- 3-4- 5-7- 8-9- 10-11- 12- Regras de utilização do microscópio 1º- Abre a caixa e retira, cuidadosamente,

Leia mais

setor 1401 Aulas 17 a 19 REINO VEGETAL. ANGIOSPERMAS (ANTÓFITAS)

setor 1401 Aulas 17 a 19 REINO VEGETAL. ANGIOSPERMAS (ANTÓFITAS) setor 1401 14010409 14010409-SP Aulas 17 a 19 REINO VEGETAL. ANGIOSPERMAS (ANTÓFITAS) 1. Classe formada por representantes de aspecto variado, desde minúsculas formas que lembram lentilhas até árvores

Leia mais

FORMAÇÃO DA SEMENTE DE ANGIOSPERMAS

FORMAÇÃO DA SEMENTE DE ANGIOSPERMAS FORMAÇÃO DA SEMENTE DE ANGIOSPERMAS MULTIPLICAÇÃO DE PLANTAS Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ R E P R O D U Ç Ã O CICLO SEXUADO (n) RECOMBINAÇÃO GÊNICA (2n) NOVO

Leia mais

PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA

PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA PRÉ-CONDICIONAMENTO PARA TESTE DE TETRAZÓLIO EM SEMENTES DA CULTIVAR BRS ENERGIA Maria do Socorro Rocha 1,2, Maria Isaura P. de Oliveira 2, Napoleão Esberard de M. Beltrão 2, Julita Maria F.C. Carvalho

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1)

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1) TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA Milena Fontenele dos Santos (1) 1 Aluna de graduação do curso de Agronomia do Centro Universitário de Patos de Minas

Leia mais

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Silva, Kelina Bernardo; Ursulino Alves, Edna; Alcantara Bruno, Riselane de Lucena; Pontes Matos, Valderez Caracterização

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTRUTURAS DE MADEIRA CLASSIFICAÇÃO DA MADEIRA AULA 2 EDER BRITO Classificação das árvores Pela Botânica as árvores são classificadas como vegetais superiores, denominados de fanerógamas, que apresentam

Leia mais

GERMINAÇÃO E ASPECTOS FISIOLÓGICOS EM SEMENTES DE HYMENAEA COURBARIL L.*

GERMINAÇÃO E ASPECTOS FISIOLÓGICOS EM SEMENTES DE HYMENAEA COURBARIL L.* GERMINAÇÃO E ASPECTOS FISIOLÓGICOS EM SEMENTES DE HYMENAEA COURBARIL L.* RAYANE MORAIS DE OLIVEIRA, JALES TEIXEIRA CHAVES FILHO Resumo: o objetivo deste trabalho foi estudar a germinação e os aspectos

Leia mais

Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule

Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule RAIZ funções: 1 o ) fixação e absorção; 2 o ) armazenamento e condução. XILEMA H 2 O e sais minerais partes aéreas raiz substâncias orgânicas FLOEMA Raiz Primária

Leia mais

Caracterização Morfológica da Semente, Plântula e Muda de Jacarandá-da-bahia

Caracterização Morfológica da Semente, Plântula e Muda de Jacarandá-da-bahia Caracterização Morfológica da Semente, Plântula e Muda de Jacarandá-da-bahia Gizelda Maia Rêgo 1 Edilberto Possamai 2 RESUMO O objetivo do trabalho foi descrever e ilustrar os aspectos morfológicos externos

Leia mais

Panicum maximum Jacques var. trichoglume cv Green Panic Brachiaria brizantha (Hochst. ex A. Rich.) cv Marandu. O aparelho reprodutor

Panicum maximum Jacques var. trichoglume cv Green Panic Brachiaria brizantha (Hochst. ex A. Rich.) cv Marandu. O aparelho reprodutor BOTÂNICA No reino vegetal, as plantas que produzem sementes pertencem a cinco grandes divisões nominadas de Cycadophyta, Ginkgophyta, Coniferophyta, Gnetophyta e Magnoliophyta (Cronquist, 1981). As quatro

Leia mais

7º Fund. Disciplina Professor Natureza Código / Tipo Trimestre / Ano Data

7º Fund. Disciplina Professor Natureza Código / Tipo Trimestre / Ano Data Nome Nº Série Ensino Turma 7º Fund. Disciplina Professor Natureza Código / Tipo Trimestre / Ano Data Ciências CLAUDIA Roteiro de Férias At/I 2º /2016 06/2016 Tema Valor da atividade FUNGOS CÉLULA ANIMAL,

Leia mais

Cinética de Reações Químicas

Cinética de Reações Químicas Experiência 4: Cinética de Reações Químicas 1. Introdução A Cinética Química é a área da química que está relacionada com as velocidades das reações. A velocidade de uma reação química representa a variação

Leia mais

O uso do som audível para germinação de sementes de feijão carioca (Phaseolus vulgaris)

O uso do som audível para germinação de sementes de feijão carioca (Phaseolus vulgaris) O uso do som audível para germinação de sementes de feijão carioca (Phaseolus vulgaris) Instituição: EE Mario Pereira Pinto Endereço: R. Colibri, s/n - Jardim Sta. Lucia, SP 13236-170 Autor: Vitor Coutinho

Leia mais

1) O que aconteceu com o cubo de gelo no béquer 1? Que conclusão você tira desse resultado?...

1) O que aconteceu com o cubo de gelo no béquer 1? Que conclusão você tira desse resultado?... Nº da Prática: 01 Data: / / Título da Prática: Qual o líquido é mais denso: a água líquida ou o álcool? S Comparar as densidades da água líquida, do gelo e do álcool. 2 cubos de gelo; álcool; água. Coloque

Leia mais