SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS"

Transcrição

1 BIB140 Forma & Função em Plantas SEMENTE, GERMINAÇÃO E PLÂNTULAS Atividade 1 Experimento sobre pressão de embebição Faça essa atividade ao início da aula prática. Só então comece a observação morfológica. As sementes, antes de iniciarem o processo de germinação, precisam absorver água e, com isso, sofrem diversas alterações físicas, químicas e no metabolismo. Este experimento demonstra fenômenos relacionados à embebição, que é o processo pelo qual as sementes absorvem a água. 1- Prepare dois cones dobrando dois papeis-de-filtro. Coloque o papel filtro num funil; 2- Coloque cerca de 70 ml (ou 150g) de gesso em um copo ou cuba e adicione ml de água até obter uma pasta homogênea. Agite continuamente com o bastão de vidro ou palito de sorvete, pois o gesso endurece rápido; 3- Identifique um funil como A e outro como B. (A é o controle) 4- Preencha o funil A totalmente com gesso; no funil B coloque gesso até a metade e acrescente 7-10 sementes de grão-de-bico e cubra com gesso; 5- Prossiga com a observação morfológica e anatômica dos outros materiais da aula; 6- Deixe os funis em repouso até o endurecimento completo; 7- Observe após algumas horas. Responda às questões e discuta este experimento. Essas respostas devem ser entregues como sendo o Relatório 1 da Aula prática 2. É um trabalho individual, para ser entregue, impreterivelmente ao início da aula teórica da semana seguinte. A preparação destas respostas é importante para o conteúdo da próxima aula teórica. 1- Descreva o que aconteceu em até 5 linhas. 2- Explique o porquê do ocorrido (até 20 linhas); 3- Quais estruturas da semente devem estar envolvidas com esse fenômeno decorrente da embebição? 4- Explique os papéis biológicos e ecológicos, importantes para a germinação, no fenômeno observado? 5- Considerando os conhecimentos adquiridos neste experimento, explique por que estruturas de cimento precisam ser feitas com areia peneirada, livre de fragmentos de plantas; 6- Como o resultado desse experimento pode ser aplicado para a construção de barris para estocagem de bebidas ou de barcos de madeira? Dicas para pesquisa: - Química e estrutura da parede celular vegetal; - Potencial mátrico; - Estrutura de polissacarídeos e proteínas.

2 BIB140 Forma & Função em Plantas Material 1) Feijão (Phaseolus vulgaris, Leguminosae) e plântulas germinadas na luz de leucena (Leucaena leucocephala, Leguminosae). a) Observe a semente de feijão branco externamente e localize o hilo, micrópila e a rafe; b) Faça um corte longitudinal sagital da semente (aquele que divide em duas metades iguais) e identifique: cotilédones, tegumento, totalidade do embrião, plúmula e eixo hipocótilo-radicular; c) Observe a plântula de leucena crescida iluminada e identifique: cotilédones, ápice meristemático, epicótilo, hipocótilo, raíz primária, primeiro par de folhas, nó e internó (entrenó). d) Esta é uma germinação fanerocotiledonar ou criptocotiledonar? e) A germinação é epígea ou hipógea? f) Faça um esquema das estruturas observadas e coloque legendas. g) Consulte os professores e monitores sobre a adequação do seu esquema. Material 2) Moyashi ou broto-de-feijão (Vigna radiata, Leguminosae): plântula estiolada devido à germinação no escuro. a) Observe a plântula da mesma forma que você fez com o de feijão identificando as seguintes estruturas: cotilédones, ápice meristemático, epicótilo, radícula, primeiro par de folhas, gancho plumular, nó e internó (entrenó); b) Compare as plântulas de moyashi com as de leucena crescidas na luz e destaque as principais diferenças. Material 3) Milho (Zea mays., Gramineae): frutos embebidos e plântula. a) Observe as sementes embebidas sem raiz emergente. Faça um corte longitudinal sagital (passando bem pelo meio do embrião) e pingue uma gota de lugol em uma das metades e coloque a outra metade no reagente de tetrazólio. Agora, na metade corada com lugol, localize: plúmula, coleóptilo, coleorriza, escutelo, radícula e endosperma (observe também lâmina em demonstração). Reserve a parte colocada em tetrazólio para observação dentro de cerca de meia hora. O material que reage com tetrazólio deve adquirir uma coloração rosada, indicando onde há atividade metabólica; b) Identifique as células da camada de aleurona

3 BIB140 Forma & Função em Plantas c) Observe a lâmina do corte longitudinal de milho e identifique as estruturas no esquema abaixo: QUESTÕES PARA ESTUDO EXTRA-CLASSE 1) Caracterize uma germinação epígea e hipógea. 2) Caracterize uma germinação criptocotiledonar e fanerocotiledonar. 3) Onde se situam as reservas da semente de leguminosas e gramíneas? 4) Quais as implicações dessa localização na velocidade de germinação dessas plantas? 5) Explique adaptativamente a morfologia da germinação realizada no escuro.

4 Milho Zea mays Gramineae Fruto em corte longitudinal mostrando coleóptilo, coleorriza, plúmula, radícula, escutelo (cotilédone modificado), endosperma, tegumento pericarpo e camada de aleurona

5

6 Feijão Phaseolus vulgaris Leguminosae Plântulas germinadas sob luz.

7

8 Seafórtia Archontophoenix cunninghamii Arecaceae Observe plântulas resultantes de germinação hipógea criptocotiledonar

9 Sementes de orquídeas Orchidaceae Observe sementes minúsculas, com tegumento pouco desenvolvido e embrião mixotrófico com apenas algumas células.

10 Em muitas plantas o embrião e a semente fogem dos padrões normalmente observados.

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ

EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ Disciplina i LPV 504 PLANTAS ESTIMULANTES ANA DIONISIA L. COELHO NOVEMBRE EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ COTILEDONES EIXO EMBRIÃO Novembre, 2003 FRUTO DE CAFÉ Novembre, 2003

Leia mais

PROPOSTA DE ATIVIDADES PRÁTICAS DE GERMINAÇÃO DE SEMENTES PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

PROPOSTA DE ATIVIDADES PRÁTICAS DE GERMINAÇÃO DE SEMENTES PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL PROPOSTA DE ATIVIDADES PRÁTICAS DE GERMINAÇÃO DE SEMENTES PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL SILVA, Aline C 1, JOAQUIM, Walderez M. 2 1 2 Universidade do Vale do Paraíba /IP&D - Instituto de Pesquisa

Leia mais

Actividade Enzimática enzima amilase

Actividade Enzimática enzima amilase Actividade Enzimática enzima amilase O que se pretende..seleccionar o material necessário tendo em conta o procedimento. 2.Verificar a alteração de cor do indicador Solução de Lugol (água iodada) na presença

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Teste de raios X: princípio e interpretação

Teste de raios X: princípio e interpretação Teste de raios X: princípio e interpretação Aula 2 LPV 5731 - ANÁLISE DE IMAGENS DE SEMENTES E PLÂNTULAS Programa de pós-graduação em Fitotecnia Francisco G Gomes-Junior Escola Superior de Agricultura

Leia mais

26/6/2012. Em muitos casos, uma semente viável poderá não germinar mesmo que as condições ambientais sejam adequadas.

26/6/2012. Em muitos casos, uma semente viável poderá não germinar mesmo que as condições ambientais sejam adequadas. UNIDADE XIII DORMÊNCIA E GERMINAÇÃO 1. Introdução 2. Estrutura de sementes, plântulas e órgãos dormentes 2.1. Sementes e plântulas 2.2. Gemas 2.3. Rizomas, tubérculos, bulbos, bulbos sólidos, raízes modificadas

Leia mais

Experimento para Química. Velocidade da Reação

Experimento para Química. Velocidade da Reação Experimento para Química Velocidade da Reação A velocidade das reações químicas depende de muitos fatores. Este experimento visa demonstrar aos alunos a influência da temperatura e da superfície de contato

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES MORFOFISIOLOGIA DE SEMENTES

INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES MORFOFISIOLOGIA DE SEMENTES UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA INFLUÊNCIA DA LUZ NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES P R O F. D R. R O B E R T O C E Z A R L O B O DA C O S TA O QUE É GERMINAÇÃO? BOTÂNICOS A germinação é um fenômeno biológico

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo Prof.: Eduardo Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

Leia mais

MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS

MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Capítulo 2 MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Renato Serena Fontaneli, Henrique Pereira dos Santos e Roberto Serena Fontaneli A família das gramíneas (Poaceae ou Gramineae) é uma das principais famílias

Leia mais

Conhecendo a planta de trigo

Conhecendo a planta de trigo Conhecendo a planta de trigo Erlei Melo Reis OR Melhoramento de sementes Ltda Passo Fundo - RS Roteiro: Classificação sistemática A morfologia do grão Germinação de sementes Morfologia da raiz Morfologia

Leia mais

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL Profa. Dra. Helenice Mercier Dep. de Botânica USP Laboratório de Fisilogia Vegetal FOTOMORFOGÊNESE O QUE AS PLANTAS ENXERGAM? FOTOMORFOGÊNESE DIREÇÃO INTENSIDADE

Leia mais

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays)

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Amadeu J. de Melo Neto 1, Ernane R. da Costa 1, Marcelo M. Pereira 1, Flávio P. dos Santos 1 e Luiz

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

Plano de Intervenção

Plano de Intervenção INTERVENÇÃO AULA PRÁTICA GERMINAÇÃO Plano de Intervenção AUTOR: Luiz Felipe Ribeiro CONTEXTUALIZAÇÃO Em biologia chama-se germinação ao processo inicial do crescimento de uma planta a partir de um corpo

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 3

Química Geral Experimental - Aula 3 Química Geral Experimental - Aula 3 Título da Prática: Misturas homogêneas e heterogêneas. Objetivos: Familiarizar o aluno com os conceitos de mistura e métodos de separação. Tópicos Explorados: - Misturas

Leia mais

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Botânica. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Botânica Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I Órgãos vegetais Órgãos Vegetais: FLOR A flor é um ramo altamente modificado, apresentando apêndices especializados. Órgãos Vegetais:

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar. ALUNO(A): TURMA: Ciências.

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar. ALUNO(A): TURMA: Ciências. FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ 2011 O Colégio que ensina o aluno a estudar. APICE 4 o Ano Ensino Fundamental I ALUNO(A): TURMA: Ciências [4 a ETAPA] Você está recebendo o APICE (Atividade para Intensificar

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

PRODUTO EDUCACIONAL NO MUNDO DAS FOLHAS

PRODUTO EDUCACIONAL NO MUNDO DAS FOLHAS 1 PRODUTO EDUCACIONAL NO MUNDO DAS FOLHAS Este roteiro de aula prática deve ser ministrado prioritariamente após as aulas teóricas sobre o conteúdo de morfologia e citologia vegetal. No decurso da aula

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTRUTURAS DE MADEIRA CLASSIFICAÇÃO DA MADEIRA AULA 2 EDER BRITO Classificação das árvores Pela Botânica as árvores são classificadas como vegetais superiores, denominados de fanerógamas, que apresentam

Leia mais

ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL PROFª CYNTHIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE

ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL PROFª CYNTHIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Secretaria do Estado da Educação, da Cultura e dos Desportos - SECD UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS

Leia mais

Colorações de Bactérias: Coloração Simples e Coloração Diferencial(Coloração de Gram)

Colorações de Bactérias: Coloração Simples e Coloração Diferencial(Coloração de Gram) Escola Secundária com 3º Ciclo D.Manuel I Beja Acção de Formação ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Guião de actividade laboratorial versão aluno Colorações de Bactérias: Coloração Simples

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 1

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 1 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 1 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

Página 1 de 8. 1 Elaborar um protocolo experimental adequado ao assunto em estudo estudo de uma enzima.

Página 1 de 8. 1 Elaborar um protocolo experimental adequado ao assunto em estudo estudo de uma enzima. Página 1 de 8 ACTIVIDADE LABORATORIAL BIOLOGIA 12º Ano O que se pretende 1 Elaborar um protocolo experimental adequado ao assunto em estudo estudo de uma enzima. 2 Seleccionar material adequado ao estudo

Leia mais

Panicum maximum Jacques var. trichoglume cv Green Panic Brachiaria brizantha (Hochst. ex A. Rich.) cv Marandu. O aparelho reprodutor

Panicum maximum Jacques var. trichoglume cv Green Panic Brachiaria brizantha (Hochst. ex A. Rich.) cv Marandu. O aparelho reprodutor BOTÂNICA No reino vegetal, as plantas que produzem sementes pertencem a cinco grandes divisões nominadas de Cycadophyta, Ginkgophyta, Coniferophyta, Gnetophyta e Magnoliophyta (Cronquist, 1981). As quatro

Leia mais

Parede Celular. Dra. Maria Izabel Gallão

Parede Celular. Dra. Maria Izabel Gallão Parede Celular Confere proteção às células Constituição varia com o determinado tipo celular Algumas bactérias possuem parede celular com a seguinte constituição: Proteínas, lipídeos e polissacarídeos

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: ALUNO(a): Numa comparação grosseira, as briófitas são consideradas os anfíbios do mundo vegetal.

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: ALUNO(a): Numa comparação grosseira, as briófitas são consideradas os anfíbios do mundo vegetal. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 3º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) Numa comparação grosseira, as briófitas são consideradas os anfíbios do

Leia mais

Morfologia Vegetal. O corpo da planta

Morfologia Vegetal. O corpo da planta Morfologia Vegetal O corpo da planta Os sistemas da planta Meristema apical do caule Sistema caulinar Ou axial Crescimento Modular Fitômeros Plasticidade Fenotípica Sistema radicular Ou absortivo-fixador

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES

GERMINAÇÃO DE SEMENTES GERMINAÇÃO DE SEMENTES JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO. PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ ESTUDO DA GERMINAÇÃO FISIOLOGIA VEGETAL ESTUDOS BÁSICOS E MAIS APROFUNDADOS, INDEPEN- DENTES DA IMPORTÂNCIA

Leia mais

Protocolo experimental

Protocolo experimental Protocolo experimental Quem semeia, colhe 1 Enquadramento Teórico O Banco Mundial de Sementes (figura 1), localizado na ilha norueguesa de Spitsbergen, foi inaugurado no ano de 2008. Neste local estão

Leia mais

UNIDADE 3 O REINO DAS PLANTAS

UNIDADE 3 O REINO DAS PLANTAS UNIDADE 3 O REINO DAS PLANTAS Livro pág. 66 Leitura do Texto: A conquista do Ambiente Terrestre. Livro: Uma breve história do conhecimento Embora o homem represente 1% da Biomassa do Planeta, é provável

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA 1ª AVALIAÇÃO CORRETOR 1 01 02 03 04 05 06 07 08 Reservado à CCV AVALIAÇÃO FINAL Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Reservado à CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO Crescimento Inibição Produção Raízes Gemas Caules Produção de Etileno 10-11 10-9 10-7 10-5 10-3 10-1 Concentração

Leia mais

BOTÂNICA PARTE II Ramo da biologia que estuda as plantas. Gimnospermas

BOTÂNICA PARTE II Ramo da biologia que estuda as plantas. Gimnospermas BOTÂNICA PARTE II Ramo da biologia que estuda as plantas. Gimnospermas BOTÂNICA (Reino Plantae) Para pertencer ao grupo das plantas o organismo deve: Ter raiz, caule e folha; Ser autótrofo fotossintetizante

Leia mais

Citologia Exercícios Dissertativos. (a) A afirmação apresentada pode ou não ser considerada válida? (b) Justifique sua resposta.

Citologia Exercícios Dissertativos. (a) A afirmação apresentada pode ou não ser considerada válida? (b) Justifique sua resposta. Exercícios Dissertativos 1. (2002) Devido ao fato de serem muito simples em termos de organização, podemos afirmar que os vírus provavelmente tiveram sua origem antes do surgimento das primeiras células

Leia mais

Técnicas de análise de imagens para avaliação da qualidade de sementes

Técnicas de análise de imagens para avaliação da qualidade de sementes Técnicas de análise de imagens para avaliação da qualidade de sementes Aula 2 LPV 5731 - ANÁLISE DE IMAGENS DE SEMENTES E PLÂNTULAS Programa de pós-graduação em Fitotecnia Francisco G Gomes-Junior Escola

Leia mais

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente?

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente? Oficina 03 Plantas Atividade 1: O que tem dentro da semente? 1- Apresentação do problema Para iniciar a atividade, o professor deverá distribuir diferentes sementes e lançar a pergunta: O que tem dentro

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

MÉTODOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS Professora Mariana Geração 2016

MÉTODOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS Professora Mariana Geração 2016 MÉTODOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS Professora Mariana Geração 2016 SEPARAÇÃO DE MISTURAS A maioria dos materiais encontrados na natureza não é substância pura, ou seja, não é constituída de um único tipo

Leia mais

CQ136 Química Experimental I. Grupos 1, 2 e 17

CQ136 Química Experimental I. Grupos 1, 2 e 17 1 CQ136 Química Experimental I Grupos 1, 2 e 17 Introdução: Os elementos do Grupo 1 possuem uma química bastante homogênea, mostrando de modo bem claro os efeitos do tamanho crescente dos átomos em suas

Leia mais

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE 1. Objetivos SOLUBILIDADE No final dessa experiência, o aluno deverá ser capaz de: - Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. - Utilizar técnicas simples de separação de misturas. 2. Introdução

Leia mais

ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR

ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR 1 Aspectos gerais Definições: a) Absorção b) Transporte ou translocação c) Redistribuição 2 Aspectos anatômicos da raiz Tecidos envolvidos: Epiderme (pêlos absorventes) Parênquima

Leia mais

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a):

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 2 ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) O coqueiro (Cocos nucifera) é uma monocotiledônea de grande porte. Suas flores,

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Botânica (Reino Plantae ou Metaphyta) 1. Características Gerais Grupo monofilético; Eucariotos; Fotossintizantes; Substância de reserva; Parede celular. 2.

Leia mais

Imagem por ressonância magnética

Imagem por ressonância magnética Imagem por ressonância Aula 38 Histórico Descoberta das propriedades s nucleares: Isidor Isaac Rabi (prêmio Nobel de Física no ano de 1944) Impulso para vários estudos na área de espectroscopia LPV 5731

Leia mais

2010/1 Luciana Dias Thomaz

2010/1 Luciana Dias Thomaz Fruto e Semente Biologia de Fanerógamas 2010/1 Luciana Dias Thomaz Introdução: A origem do fruto e suas várias formas de dispersões foram cruciais para a evolução e a irradiação das angiospermas ao redor

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina Sistemática Vegetal Código da Disciplina: NDC 125. Período de oferta da disciplina: 2 período

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina Sistemática Vegetal Código da Disciplina: NDC 125. Período de oferta da disciplina: 2 período PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina Sistemática Vegetal Código da Disciplina: NDC 125 Curso: Agronomia Período de oferta da disciplina: 2 período Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns (NDC)

Leia mais

Práticas de. Química Geral e Orgânica. para Engenharia Ambiental

Práticas de. Química Geral e Orgânica. para Engenharia Ambiental Práticas de Química Geral e Orgânica para Engenharia Ambiental INTRODUÇÂO A química é uma ciência experimental e se ocupa especialmente das transformações das substâncias, de sua composição e das relações

Leia mais

INTERVENÇÃO. Práticas sobre Osmose. Autores: Alexia Rodrigues Menezes, Bibiana Ferrer, Cristina Langendorf, Suelen Mattoso e Maria Teresa Iturres.

INTERVENÇÃO. Práticas sobre Osmose. Autores: Alexia Rodrigues Menezes, Bibiana Ferrer, Cristina Langendorf, Suelen Mattoso e Maria Teresa Iturres. CONTEXTUALIZAÇÃO INTERVENÇÃO Práticas sobre Osmose Autores: Alexia Rodrigues Menezes, Bibiana Ferrer, Cristina Langendorf, Suelen Mattoso e Maria Teresa Iturres. Plano da Intervenção Sabe-se que o plasmalema,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE ATRAVÉS DO TESTE DE TETRAZÓLIO

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE ATRAVÉS DO TESTE DE TETRAZÓLIO AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE ATRAVÉS DO TESTE DE TETRAZÓLIO MAGALI APARECIDA DE OLIVEIRA SANTOS Dissertação apresentada à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade

Leia mais

ANATOMIA DOS VEGETAIS ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS

ANATOMIA DOS VEGETAIS ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS ANATOMIA DOS VEGETAIS ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS Profa. Dra. Mara Magenta 2º semestre - 2007 DATAS PREVISTAS PARA AS AULAS PRÁTICAS (SUJEITAS A ALTERAÇÃO) 1º bimestre Aula I: 09 ou 10 de agosto Aulas II

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/10/2013 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVAS 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

AULA 2. Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras

AULA 2. Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras AULA 2 Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras Terminologia em Forragicultura Forragicultura: Estudo das plantas forrageiras. (????) Forragem: Partes aéreas de uma população de plantas herbáceas,

Leia mais

ESTRUTURA DE FOLHAS DE MONOCOTILEDÓNEAS E DE DICOTILEDÓNEAS

ESTRUTURA DE FOLHAS DE MONOCOTILEDÓNEAS E DE DICOTILEDÓNEAS Escola Secundária do Padre António Martins Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Biologia ESTRUTURA DE FOLHAS DE MONOCOTILEDÓNEAS E DE DICOTILEDÓNEAS Pedro Pinto Nº 14 11ºA 16/03/2004 Introdução

Leia mais

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Reprodução nas plantas Apresentação feita por Como se reproduzem as plantas com flor? As plantas com flor reproduzem-se por sementes, que resultam da reprodução sexuada, que ocorre quando as células sexuais

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta FISIOLOGIA VEGETAL Organização da célula vegetal e da planta cianobactéria Complexidade ipê Eucariotos: - aumento da complexidade genética - aumento da complexidade celular Woese (1987): baseado na filogenia

Leia mais

RECEITAS BROWNIE E PETIT GÂTEAU

RECEITAS BROWNIE E PETIT GÂTEAU RECEITAS BROWNIE E PETIT GÂTEAU Brownie Petit Gâteau BOLO BOMBOM BROWNIE Direitos autorais: Nestlé Brasil INGREDIENTES BROWNIE 200g NESTLÉ Docello Brownie/Petit Gateau 50g Margarina 80% de lipídio 80ml

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia Experimento Deslocamento de equilíbrios químicos (Princípio de Le Chatelier) Objetivo: Estudar e compreender alguns fatores que deslocam equilíbrios químicos. Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA COMPONENTES CURRÍCULARES Código Nome Nível de Ensino 1 FTC0001 AGROECOLOGIA STRICTO

Leia mais

OUTUBRO - INTERVENÇÃO EXTRAÇÃO DE DNA VEGETAL PLANO DA INTERVENÇÃO

OUTUBRO - INTERVENÇÃO EXTRAÇÃO DE DNA VEGETAL PLANO DA INTERVENÇÃO OUTUBRO - INTERVENÇÃO EXTRAÇÃO DE DNA VEGETAL Autor: Cláudia Lucher de Freitas PLANO DA INTERVENÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DNA é a sigla dada para o ácido desoxirribonucléico, que é um complexo de moléculas

Leia mais

Exercícios de Tipos celulares e membranas

Exercícios de Tipos celulares e membranas Exercícios de Tipos celulares e membranas 1. (UFF, 2011) As células animais, vegetais e bacterianas apresentam diferenças estruturais relacionadas às suas características fisiológicas. A tabela abaixo

Leia mais

BIOLOGIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2005

BIOLOGIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2005 IOLOGIA 2ª ETAPA do VESTIULAR 2005 QUESTÃO 01 Os hormônios sexuais são substâncias que, no sistema reprodutor feminino, promovem interações que regulam o ciclo menstrual. Analise a possibilidade de ocorrência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Características anatômicas e químico-bromatológicas das forrageiras x alternativas para otimizar consumo e digestão

Leia mais

AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS. Importância do estudo de plantas forrageiras DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA 06/09/2016

AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS. Importância do estudo de plantas forrageiras DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA 06/09/2016 06/09/2016 FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS Professor: Eng. Agr. Dr. Otoniel G. L. Ferreira Importância

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: ANATOMIA VEGETAL Código da Disciplina: NDC124 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 3 período Faculdade responsável: NÚCLEO DE DISCIPLINAS COMUNS Programa

Leia mais

Índice de refracção e propriedades ópticas. Química 12º Ano. Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial

Índice de refracção e propriedades ópticas. Química 12º Ano. Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial Índice de refracção e propriedades ópticas Química 12º Ano Unidade 3 Plásticos, vidros e novos materiais Actividades de Projecto Laboratorial Dezembro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng. Cerâmica

Leia mais

29/9/2011 IMPLANTAÇÃO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS. Universidade Federal de Pelotas. Curso de Zootecnia Cultivo convencional

29/9/2011 IMPLANTAÇÃO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS. Universidade Federal de Pelotas. Curso de Zootecnia Cultivo convencional Universidade Federal de Pelotas Curso de Zootecnia Cultivo convencional IMPLANTAÇÃO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS I) QUANTO AO PREPARO DO SOLO E INCORPORAÇÃO DAS SEMENTES: Plantio

Leia mais

Esta avaliação é composta de 13 questões, das quais você deverá escolher apenas 10 para responder.

Esta avaliação é composta de 13 questões, das quais você deverá escolher apenas 10 para responder. 2º EM Biologia B Marli Av. Trimestral 30/10/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental deseja-se que o aluno seja capaz de: - Elaborar processos para a transformação de materiais,

Leia mais

Plano de Aulas - Ciências Andréa Barreto

Plano de Aulas - Ciências Andréa Barreto Plano de Aulas - Ciências Andréa Barreto Introdução Neste livro, estarei colocando um plano de aula de Ciências que utilizei em sala de aula. Os planos de aula estão estruturados segundo uma lógica da

Leia mais

COMO FAZER OVOS DE PÁSCOA

COMO FAZER OVOS DE PÁSCOA COMO FAZER OVOS DE PÁSCOA Modo de preparo: 1. Comece preparando o recheio de trufa (veja a receita abaixo). Em seguida, separe os ingredientes pedidos na receita. 2. Coloque o chocolate meio-amargo sobre

Leia mais

Escola Secundária/3 Morgado de Mateus

Escola Secundária/3 Morgado de Mateus Escola Secundária/3 Morgado de Mateus FICHA DE TRABALHO Ano lectivo 2009/2010 1. Para cada uma das questões seguintes, escolha a opção correcta. 1.1. A reprodução é uma função A- necessária à sobrevivência

Leia mais

Termos para indexação: morfologia vegetal, Myrtaceae, sementes florestais.

Termos para indexação: morfologia vegetal, Myrtaceae, sementes florestais. 52 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DO FRUTO, DA SEMENTE E DO DESENVOLVIMENTO DA PLÂNTULA DE Blepharocalyx salicifolius (H.B.K.) Berg. E Myrceugenia gertii Landrum - MYRTACEAE 1 Suelen Santos Rego 2, Antonio

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell

LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell 1. Considere uma solução aquosa de NH 3, preparada na concentração de 0,100 mol L -1. Calcule o ph desta solução. Use K b = 1,8 10-5. 2. Uma alíquota

Leia mais

GERMINAÇÃO E MORFOLOGIA DE SEMENTES E DE PLÂNTULAS DE HORTELÃ-DO- CAMPO Hyptis cana POHL. (LAMIACEAE) 1

GERMINAÇÃO E MORFOLOGIA DE SEMENTES E DE PLÂNTULAS DE HORTELÃ-DO- CAMPO Hyptis cana POHL. (LAMIACEAE) 1 1 GERMINAÇÃO E MORFOLOGIA DE SEMENTES E DE PLÂNTULAS DE HORTELÃ-DO- CAMPO Hyptis cana POHL. (LAMIACEAE) 1 EPIFANIA RITA VUADEN 2, MARIA CRISTINA DE FIGUEIREDO E ALBUQUERQUE 3, MARIA DE FÁTIMA BARBOSA COELHO³,

Leia mais

Plantas - diversidade

Plantas - diversidade Plantas - diversidade Objetivos da aula: Origem das plantas Ciclo de vida Corpo da planta Germinação A célula vegetal Tecidos vegetais Bibliografia: Raven, P.H., Biologia Vegetal 300 000 espécies de plantas

Leia mais

Principais famílias: 28/05/2015 MORFOLOGIA. Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras. Poaceae (gramíneas) grama, pastagem.

Principais famílias: 28/05/2015 MORFOLOGIA. Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras. Poaceae (gramíneas) grama, pastagem. Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras MORFOLOGIA Refere-se a estrutura e ao arranjo de partes das plantas. Prof. Leandro C. Araujo (DBZ) Zootecnista Essencial para a identificação das plantas

Leia mais

Sequência didática REDE ANÍSIO TEIXEIRA

Sequência didática REDE ANÍSIO TEIXEIRA REDE ANÍSIO TEIXEIRA Sequência didática AUTOR: Ródnei Souza. 1. TEMA: Arte Cinética e Ciências 2. CONTEÚDOS CONCEITUAI(S): Arte Cinética Interações interpartículas (Forças de Van deer Waals, interações

Leia mais

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução A calibração do forno de redução Combustol para o conhecimento da temperatura real em seu centro, foi realizada com base num indicador digital de temperatura,

Leia mais

Metabolismo dos Glicídios

Metabolismo dos Glicídios QUÍMCA E BIOQUÍMICA Curso Técnico em Nutrição e Dietética Metabolismo dos Glicídios Professor: Adriano Silva Os hidratos de carbono são as biomoléculas mais abundantes do nosso planeta 100b de toneladas

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de da Natureza Disciplina: Série: 6ª - Ensino Fundamental Professora: Flávia Lage Atividades para Estudos Autônomos Data: 03 / 10 / 2016 Aluno(a): Nº: Turma: Querido(a) aluno(a),

Leia mais

TECNOLOGIA DE CEREAIS E OLEAGINOSAS

TECNOLOGIA DE CEREAIS E OLEAGINOSAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA - UNIPAMPA TECNOLOGIA DE CEREAIS E OLEAGINOSAS Prof a.valéria Terra Crexi EPIBLASTO (capa) ABAIXO ESCUTELO: massa rica em gordura,proteínas e tiamina INTERIOR DO ESCUTELO

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 121. Novembro/1980. ESTUDO PRELIMINAR SOBRE QUEBRA DE DORMÊNCIA EM FRUTOS DE CUMARU (Coumarouna spp.)

CIRCULAR TÉCNICA N o 121. Novembro/1980. ESTUDO PRELIMINAR SOBRE QUEBRA DE DORMÊNCIA EM FRUTOS DE CUMARU (Coumarouna spp.) IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS PBP/. CIRCULAR TÉCNICA N o 2 Novembro/980 ISSN 0003453 ESTUDO PRELIMINAR SOBRE QUEBRA DE DORMÊNCIA EM FRUTOS DE CUMARU (Coumarouna

Leia mais

Atividade extra. Exercício 1 Adaptado de UFRRJ Quantidade de matéria (em mols) de HBr. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Química

Atividade extra. Exercício 1 Adaptado de UFRRJ Quantidade de matéria (em mols) de HBr. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Química Atividade extra Exercício 1 Adaptado de UFRRJ 2006 Dada a tabela a seguir, em relação à reação 2 HBr H2 + Br2 : Tempo (min) Quantidade de matéria (em mols) de HBr 0 0,200 5 0,175 10 0,070 15 0,040 20 0,024

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 3.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 3.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 3.º ANO/EF 2015 Caro (a) aluno (a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL

PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL 1 PRODUÇÃO DE ENZIMAS INDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL PAPAÍNA enzima constituinte do látex do fruto verde de mamão (Carica papaya) Látex bruto seco em pó papaína. Papaína não pode ser armazenada por longos

Leia mais

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho ANGIOSPERMAS Angeion: urna; Sperma: semente Também são denominadas por antófitas (anthos = flor), espermáfitas, traqueófitas e fanerógamas É o grupo mais numeroso de todos os vegetais, com cerca de 90%

Leia mais

Comportamento de Tatuzinhos de Jardim

Comportamento de Tatuzinhos de Jardim Parte 1 Grupo Controle Pergunta Comportamento de Tatuzinhos de Jardim Quais são os comportamentos dos tatus-bola e como eles respondem a diferentes variáveis ambientais? Introdução Nessa aula prática,

Leia mais

LANÇAMENTOS RECEITUÁRIO CULINÁRIOS BASES PARA MOLHOS MAGGI

LANÇAMENTOS RECEITUÁRIO CULINÁRIOS BASES PARA MOLHOS MAGGI LANÇAMENTOS RECEITUÁRIO CULINÁRIOS BASES PARA MOLHOS MAGGI Base Para Molho Branco Base Para Molho Branco ARGUMENTOS DE VENDAS: Base para diversas receitas; Permite o toque do chef; Garante a mesma qualidade

Leia mais

Da cevada ao malte 1

Da cevada ao malte 1 1 O QUE É A MALTAGEM? Maltagem = Transformação da cevada em malte 2 DIAGRAMA DE FLUXO DA MALTAGEM Palha Recepção de cevada e 1ª limpeza CEVADA Silos de armazenagem Molha Germinação Secagem Calibragem Quebras

Leia mais

contiver qualquer marca identificadora em um outro local deste caderno. que prejudique a leitura, peça imediatamente ao fiscal que o substitua.

contiver qualquer marca identificadora em um outro local deste caderno. que prejudique a leitura, peça imediatamente ao fiscal que o substitua. 1. Só se identifique na parte inferior desta capa. Sua prova será anulada se contiver qualquer marca identificadora em um outro local deste caderno. 2. Este caderno contém 05 questões. Se estiver incompleto

Leia mais

GERMINAÇÃO DE VARIEDADES DE Panicum maximum SUBMETIDAS A TRATAMENTO COM NITRATO DE POTÁSSIO

GERMINAÇÃO DE VARIEDADES DE Panicum maximum SUBMETIDAS A TRATAMENTO COM NITRATO DE POTÁSSIO GERMINAÇÃO DE VARIEDADES DE Panicum maximum SUBMETIDAS A TRATAMENTO COM NITRATO DE POTÁSSIO Kleyton Chagas de Sousa 1 Antonia Almeida da Silva 1 Janinny Nobre Duarte 1 Jullyanna Pereira da Silva 1 Francisco

Leia mais

TER de Ciências- 7º Ano- 4º Bimestre/ 2014

TER de Ciências- 7º Ano- 4º Bimestre/ 2014 TER de Ciências- 7º Ano- 4º Bimestre/ 2014 Professoras Áurea e Perla 1) No Brasil, o representante mais importante das gimnospermas é a araucária (pinheirodo-paraná). Estas plantas produzem estróbilos,

Leia mais