Relações Governo Empresa Multinacional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relações Governo Empresa Multinacional"

Transcrição

1 Relações Governo Empresa Multinacional As Companhias Multinacionais (CMNs) e os Estados

2 Estados e CMNs São ameaças: ao bem estar social e econômico do trabalhador às pequenas empresas às comunidades locais

3 Estados e CMNs Segundo as CMNs Há aumento: nas exportações nos salários nos empregos

4 Por outro lado, Temem por parte das CMNs Dominação Exploração Perda de autonomia nacional

5 Contra Ponto CMNs trazem IED (Investimento Externo Direto) Países querem atrair capital e tecnologia São Importantes para o desenvolvimento do País

6 Incorporação das CMNs Rivalidade, incerteza e tempo

7 Objetivos das CMNse dos Estados Barganha entre Estado e CMNs Mercado

8 EPI e as CMNs As CMNs Além fronteiras Organizam Produção Organizam Distribuição Ações são determinadas pelas: Políticas Estrutura econômicas Interesses políticos da sociedade de origem EPI- Economia Política Internacional

9 Alteração do Papel das CMNs 1. Mudanças Tecnológicas ( comunicação, transportes) =redução dos custos operacionais 2. Desregulamentação dos Mercados Financeiros e de outros serviços

10 Impactos dos Investimentos das CMN Na localização das atividades econômicas Nos padrões internacionais de comércio Índices nacionais de crescimentos econômicos

11 Custo de Desenvolvimento IED Tecnologia Mercado internacional

12 Padrão de Barganha Obsolescente Antes de investir Concessões Impostos Proteção cambial Exigências do País Hospedeiro Comprar ou produzir localmente: Determinado % dos componentes Determinado % de bens intermediários

13 CMNse o Poder Concentram enorme poder: político econômico

14 Diplomacia Triangular ressaltam que mudanças estruturais nas dimensões tecnológica, financeira e política obrigaram os governos a cooperar com essas corporações. Ana Lúcia Guedes

15 1980, Mudanças na EPI alteraram Relacionamento entre Estados e CMNs Maior envolvimento das CMNscom os Governos Reconheceram dependência dos escassos recursos controlados pelas firmas

16 RI Gestão/ Gestão Internacional EPI / NI

17 Multinacionais de Países em Desenvolvimento 1960 e 1970 Políticas de Substituição das Importações Limitação de recursos e capitais Tarifas aduaneiras elevadas Adaptação de produtos para condições locais Uso de insumos locais ( não importados) Reduzidos custos de capital (máquinas de 2ª mão) Emprego de métodos intensivos de produção e mão-de-obra Baixa intensidade de uso de capital Exportação principalmente para países pobres As CMNslocais eram parte de grupos empresariais

18 Multinacionais de Países em Desenvolvimento anos 1990 Reestruturação das multinacionais Estatização e privatização Destaque global em sua área de atuação

19 Multinacionais Brasileiras

20 Multinacionais Brasileiras Os negócios brasileiros no exterior chegaram a US$ 12 bilhões

21 Multinacionais Brasileiras: Expansão desvalorização de empresas estrangeiras, que ainda não se recuperaram da crise "Aquele pensamento de que estaríamos exportando empregos é parte do passado. As empresas que vão para o exterior ganham competitividade e, assim, conseguem praticar preços interessantes para o consumidor brasileiro. José Roberto Araújo Cunha, FIA "vantagem artificial": a valorização do real frente ao dólar, que dá maior poder de compra às empresas brasileiras. "A crise deixou muitos países com ativos baratos e o real forte aumenta o poder de compra das empresas nacionais, que estão vendo a internacionalização como forma de escapar das barreiras ao comércio e de divulgar suas marcas

22 Multinacionais Brasileiras : "Vários países impõem Oportunidades barreiras tarifárias ou não-tarifárias à importação de certos produtos. Muitas vezes, as empresas estrangeiras não conseguem exportar e acabam abrindo unidades nesses mercados", diz. As empresas brasileiras estão fazendo o que as asiáticas fizeram há 30 anos, Uma das empresas brasileiras que mais se internacionalizaram nos últimos anos, a Gerdau também está entre aquelas que aproveirampara fazer negócios no semestre, com um investimento de US$ 1,6 bilhão na Ameristeel, baseada nos Estados Unidos, onde já era majoritária A lógica é a da "perda de oportunidade". Ou seja, se a empresa brasileira não entrar no mercado americano, por exemplo, companhias de outras nacionalidades como chinesas e coreanas vão ocupar esse espaço. autopeças brasileiro como um exemplo de setor que já foi forte, mas que deixou de se internacionalizar e acabou perdendo competitividade.

23 Multinacionais Brasileiras

24 Brasil e suas Multinacionais O Brasil tornou-se um investidor cobiçado no mundo. Fortalecidas em relação às companhias cujas matrizes localizam-se em países que sofreram mais os impactos da crise global, as empresas nacionais avançam em seu processo de internacionalização. Agora, são os mercados desenvolvidos que buscam atrair os recursos dos brasileiros.frança e Holanda, por exemplo, abriram este ano agências no país com o objetivo de levar reais para seus mercados. Levando em consideração os empréstimos dentro de um mesmo grupo multinacional, o Investimento Brasileiro Direto (IBD) lá fora totalizou US$ 5,577 bilhões e o Investimento Estrangeiro Direto (IED) aqui dentro ficou em US$ 17,130 bilhões. O governo faz uma projeção de US$ 12 bilhões para o IBD e de US$ 38 bilhões para o IED em 2010, mas já trabalha com um cenário em que o hiato (1) do valor líquido diminui, podendo até mesmo ocorrer uma inversão de cenário, em que as remessas ao exterior possam superar a chegada Dados do Banco Central (BC) mostram que, de janeiro a agosto de 2010, o valor líquido da participação das empresas nacionais em outros países totalizou US$ 15,612 bilhões, comparável ao das estrangeiras no Brasil, que chegou a US$ 16,906 bilhões. Trata-se de uma mudança significativa diante do que ocorreu no ano passado, quando os investimentos brasileiros no exterior resultaram em envio de US$ 4,545 bilhões e os ingressos no país atingiram US$ 25,949 bilhões

Ajustando o Balanço de Pagamentos

Ajustando o Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Ajustando o Balanço de Pagamentos Desvalorização cambial Elevação das tarifas de importação Estabelecimento de cotas de importação Concessão de subsídios às exportações Controle de capitais

Leia mais

Setor Externo: Ajuste Forçado e Retomada da Economia Brasileira

Setor Externo: Ajuste Forçado e Retomada da Economia Brasileira 7 Setor Externo: Ajuste Forçado e Retomada da Economia Brasileira Vera Martins da Silva (*) A economia brasileira está saindo do fundo do poço, mas muito mais lentamente do que o desejado pela grande massa

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Númer o 04/2007 Cenário Moveleiro Número 04/2007 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

Banco de Dados Nov/10

Banco de Dados Nov/10 Banco de Dados Nov/10 Movimento mundial de desvalorização do dólar. Enfraquecimento da moeda americana. Moedas asiáticas Tailândia, Malásia, Cingapura. Moedas dos países do leste europeu: Hungria, Polônia,

Leia mais

TRANSNACIONAIS Origens e evolução H I N O N A C I O N A L D A P R O P A G A N D A

TRANSNACIONAIS Origens e evolução H I N O N A C I O N A L D A P R O P A G A N D A TRANSNACIONAIS Origens e evolução H I N O N A C I O N A L D A P R O P A G A N D A 1 O QUE É DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO >> Forma como a produção e comercialização de bens e serviços se organiza mundialmente,

Leia mais

Setor Externo: Otimismo Incipiente

Setor Externo: Otimismo Incipiente 7 Setor Externo: Otimismo Incipiente Vera Martins da Silva (*) Apesar do enorme desemprego e nível de atividade ainda com péssimos indicadores há no ar um conjunto de informações e percepções sobre a existência

Leia mais

RISCOS DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO

RISCOS DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA - FIESC SEMINÁRIO RISCOS DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO PALESTRA BRASIL: DESINDUSTRIALIZAÇÃO OU ESTAGNAÇÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Florianópolis,

Leia mais

Relatório Aprendendo a Exportar

Relatório Aprendendo a Exportar Relatório Aprendendo a Exportar Encontro 1 O número de empresas exportadoras no Brasil é bastante reduzido, já que não há uma cultura de exportação em larga escala consolidada no país. Para as empresas,

Leia mais

ENTREVISTA. Jorge Correia Santos, Presidente da Câmara Agrícola Lusófona

ENTREVISTA. Jorge Correia Santos, Presidente da Câmara Agrícola Lusófona ENTREVISTA Jorge Correia Santos, Presidente da Câmara Agrícola Lusófona A Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) apresenta enormes potenciais nos setores da Agricultura e da Pecuária. Entre diversos

Leia mais

Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos. Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007

Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos. Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007 Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007 Balanço de Pagamentos do Brasil Componentes destacados Balança Comercial; Balança de Serviços;

Leia mais

Variáveis Macroeconômicas nas Economia Aberta. 30. Teoria Macroeconômica das Economia Abertas. Mercado de Fundos. Mercado de Fundos.

Variáveis Macroeconômicas nas Economia Aberta. 30. Teoria Macroeconômica das Economia Abertas. Mercado de Fundos. Mercado de Fundos. 30. Teoria Macroeconômica das Economia Abertas Variáveis Macroeconômicas nas Economia Aberta As mais importantes variáveis macroeconômicas em uma economia aberta são: poupança nacional, investimento doméstico,

Leia mais

DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 2002

DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 2002 DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 22 Os dados de agosto do setor externo brasileiro mostram a persistência das dificuldades na atração de fluxos externos em todas as modalidades: investimento direto estrangeiro

Leia mais

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Hildo Meirelles de Souza Filho Ciclos do crescimento 1947-1980, taxas de crescimento do PIB 15,0 10,0 5,0-1948 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968

Leia mais

Setor Externo CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados!

Setor Externo CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Setor Externo 2 CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Comportamento cíclico da Balança Comercial A partir de 2001 a Balança Comercial aumentou sua importância

Leia mais

Capítulo 7 Movimentos internacionais de fatores

Capítulo 7 Movimentos internacionais de fatores Capítulo 7 Movimentos internacionais de fatores Preparado por Iordanis Petsas Material de apoio para Economia internacional: teoria e política, 6ª edição de Paul R. Krugman e Maurice Obstfeld Organização

Leia mais

Brasil: 25 anos de estagnação e empecilhos à globalização

Brasil: 25 anos de estagnação e empecilhos à globalização Brasil: 25 anos de estagnação e empecilhos à prof.danilopastorelli@saojudas.br Mestre em Economia Graduado em História e Pedagogia 1980 2005: era de ajustes macroeconômicos setor externo indicadores sociais

Leia mais

Os benefícios do câmbio desvalorizado para o saldo da Balança Comercial

Os benefícios do câmbio desvalorizado para o saldo da Balança Comercial Os benefícios do câmbio desvalorizado para o saldo da Balança Comercial O superávit na balança comercial brasileira deveu-se mais à diminuição de importações do que ao aumento das exportações Marcelo de

Leia mais

AMBIENTE COMPETITIVO

AMBIENTE COMPETITIVO Objetivo AMBIENTE COMPETITIVO Entender como as forças ambientais influenciam a competitividade das empresas. Ser capaz de analisar o ambiente competitivo e formular estratégias empresariais Sumário Ambiente

Leia mais

Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ

Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ 14 Encontro de Energia - FIESP GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO: UMA ANÁLISE PELO LADO DA DEMANDA Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ São Paulo 5 de Agosto de 2013 PLANO DA APRESENTAÇÃO O que

Leia mais

Setor Externo: Expansão das Exportações Revigora a Economia

Setor Externo: Expansão das Exportações Revigora a Economia 9 Setor Externo: Expansão das Exportações Revigora a Economia Vera Martins da Silva (*) No âmbito da economia brasileira, o setor externo tem sido praticamente a única fonte de boas notícias e assim ainda

Leia mais

Para além da política macroeconômica. Geraldo Biasoto Junior

Para além da política macroeconômica. Geraldo Biasoto Junior Para além da política macroeconômica Geraldo Biasoto Junior Agosto de 2010 Política econômica no Brasil Cisão entre a macro e a microeconomia Taxa de juros = instrumento exclusivo de política econômica

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2012

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2012 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2012 1 Krugman & Obtstfeld (2005) Cap. 10 2 1. Industrialização como Meio para Superação do Subdesenvolvimento 2. Política de Substituição

Leia mais

Por que exportar? Tiago Terra Supervisor de Competitividade Apex-Brasil

Por que exportar? Tiago Terra Supervisor de Competitividade Apex-Brasil Por que exportar? Tiago Terra Supervisor de Competitividade Apex-Brasil Apex-Brasil A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, atua há anos para promover os estudos e serviços brasileiros

Leia mais

Setor de Bens de Capital 1

Setor de Bens de Capital 1 Setor de Bens de Capital 1 A indústria de Bens de Capital (BC) que produz máquinas e equipamentos é tradicionalmente reconhecida como um componente estratégico de um padrão de desenvolvimento rápido e

Leia mais

Bens de capital. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Bens de capital. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Bens de capital Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO BENS DE CAPITAL o o o Desempenho atual: elevação da produção industrial neste ano reflete, em grande medida,

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS DEZEMBRO/2015 Resumo de desempenho Dezembro 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês mês

Leia mais

Os principais parceiros do Brasil e a agenda de acordos. Lia Valls Pereira. Pesquisadora e economista da Economia Aplicada do IBRE/FGV

Os principais parceiros do Brasil e a agenda de acordos. Lia Valls Pereira. Pesquisadora e economista da Economia Aplicada do IBRE/FGV TEXTO PARA DISCUSSÃO Os principais parceiros do Brasil e a agenda de acordos Lia Valls Pereira Pesquisadora e economista da Economia Aplicada do IBRE/FGV Outubro de 2012 Os principais parceiros do Brasil

Leia mais

A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA

A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA PERÍODO COLONIAL Portugal proibia a criação de fábricas no Brasil para que os brasileiros consumissem os produtos manufaturados pela metrópole. PÓS COLÔNIA A industrialização

Leia mais

PORTOS E LOGÍSTICA (/NOTICIAS/PORTOS-E-LOGISTICA) Segunda, 29 Maio :15

PORTOS E LOGÍSTICA (/NOTICIAS/PORTOS-E-LOGISTICA) Segunda, 29 Maio :15 PORTOS E LOGÍSTICA (/NOTICIAS/PORTOS-E-LOGISTICA) Segunda, 29 Maio 2017 07:15 Investimento estrangeiro em infraestrutura sobe 500% no ano (/noticias/portos-e- logistica/38952- investimento-estrangeiro-

Leia mais

REGIMES CAMBIAIS LEITURA OBRIGATÓRIA

REGIMES CAMBIAIS LEITURA OBRIGATÓRIA LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 23 ECONOMIA ABERTA: REGIMES CAMBIAIS, DETERMINAÇÃO DA RENDA E IMPACTOS DA POLÍTICA ECONÔMICA Pinho, Diva Benevides & Vasconcellos, Marco Antonio S.(Org.), Manual de Economia,

Leia mais

X. Japão: do crescimento acelerado à recessão internacionalizada

X. Japão: do crescimento acelerado à recessão internacionalizada X. Japão: do crescimento acelerado à recessão internacionalizada 1. A economia japonesa após a guerra - Esforço de guerra destruiu a indústria local pela falta de estoques de reposição e investimentos

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

10. Em Foco IBRE: A Fragilidade do Superávit da Balança Comercial

10. Em Foco IBRE: A Fragilidade do Superávit da Balança Comercial 25 10. Em Foco IBRE: A Fragilidade do Superávit da Balança Comercial Com o superávit da balança comercial em março, o déficit acumulado no primeiro trimestre deste ano (-US$ 5,5 bilhões) foi inferior ao

Leia mais

IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé).

IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé). IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé). O termo está vinculado à situação econômica e social das nações ricas ; Para atingir este estado, um país precisa de: 1. Controle

Leia mais

Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A

Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A globalização surgiu por necessidade primária do e na

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/2015 Resumo de desempenho ho 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre mês mês do ano ano Mês No ano

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

Balança Comercial [Jan. 2009]

Balança Comercial [Jan. 2009] Highlight: Balança Comercial [Jan. 2009] A pós queda de demanda mundial, desde de, a trombose do sistema financeiro (em setembro /08), as exportadores brasileiros vem perdendo dinamismo. Seria ingenuidade

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2015 Resumo de desempenho ubro 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre mês mês do ano ano Mês No

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 1 Método indireto de produção Queijo Vinho Local 1 h / kg 2 hs /l Resto do Mundo 6 hs / kg 3 hs / l Se P Q /P L = 1 Local => produz

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Eloi Martins Senhoras

Leia mais

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil - 2013 Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Unidade de Negociações Internacionais Confederação Nacional da Indústria -

Leia mais

Estado e Desenvolvimento Econômico no Brasil Contemporâneo

Estado e Desenvolvimento Econômico no Brasil Contemporâneo Estado e Desenvolvimento Econômico no Brasil Contemporâneo DAESHR005-13SB/DBESHR005-13SB/NAESHR005-13SB (4-0-4) Professor Dr. Demétrio G. C. de Toledo BRI demetrio.toledo@ufabc.edu.br UFABC 2017.II (Ano

Leia mais

O Inovar-Auto, que custou mais de R$ 4 bilhões aos cofres públicos, termina neste ano em meio à maior crise da história do setor

O Inovar-Auto, que custou mais de R$ 4 bilhões aos cofres públicos, termina neste ano em meio à maior crise da história do setor Programa do governo atraiu R$ 85 bilhões de montadoras. Mas fracassou O Inovar-Auto, que custou mais de R$ 4 bilhões aos cofres públicos, termina neste ano em meio à maior crise da história do setor A

Leia mais

Setor Externo: Panorama Internacional em Transformação

Setor Externo: Panorama Internacional em Transformação 8 análise de conjuntura Setor Externo: Panorama Internacional em Transformação Vera Martins da Silva (*) Dentro de um quadro recessivo, o setor externo continua como um fator de otimismo na economia brasileira.

Leia mais

SEMINÁRIO COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE Painel 3: Estímulo à inovação, pesquisa e desenvolvimento. Palestrante: Franco Pallamolla

SEMINÁRIO COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE Painel 3: Estímulo à inovação, pesquisa e desenvolvimento. Palestrante: Franco Pallamolla SEMINÁRIO COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE Painel 3: Estímulo à inovação, pesquisa e desenvolvimento Palestrante: Franco Pallamolla 1. A INDÚSTRIA MÉDICO-HOSPITALAR E ODONTOLÓGICA Mais de 460 empresas atuam

Leia mais

Não há crise no setor! Será?

Não há crise no setor! Será? FÓRUM DOS PAPELEIROS DA REGIÃO SUL Não há crise no setor! Será? Preparatória para Negociação Coletiva de Trabalho 2015/2016 Itapema, setembro de 2015 Tripé da Instabilidade Econômica Recessão econômica

Leia mais

Teorias, paradigma e tendências em Negócios Internacionais

Teorias, paradigma e tendências em Negócios Internacionais Teorias, paradigma e tendências em Negócios prof.danilopastorelli@saojudas.br Mestre em Economia Graduado em História e Pedagogia Teorias, paradigma e tendências em Negócios Estrutura empresarial que desenvolve

Leia mais

Economia Industrial. Prof. Marcelo Matos. Aula 18

Economia Industrial. Prof. Marcelo Matos. Aula 18 Economia Industrial Prof. Marcelo Matos Aula 18 A Empresa Transnacional e Reorganização das estruturas produtivas mundiais Gonçalves (K&H 2013, cap17); Introdução ET como principal locus de acumulação

Leia mais

CURSO BASICO DE EXPORTAÇÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDUSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR / SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR

CURSO BASICO DE EXPORTAÇÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDUSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR / SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDUSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR / SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR É a saída de bens, produtos e serviços além das fronteiras do pais de origem. Esta operação pode envolver

Leia mais

Câmbio, custos e a indústria

Câmbio, custos e a indústria Câmbio, custos e a indústria Confederação Nacional da Indústria (CNI) Flávio Castelo Branco e Marcelo Azevedo Workshop Exportações e Indústria: os fatores que afetam a competitividade CINDES O que está

Leia mais

O Desafio da Competitividade: Plano Brasil Maior

O Desafio da Competitividade: Plano Brasil Maior O Desafio da Competitividade: O Plano Brasil Maior PET-Economia UnB 30 de março de 2012 Dimensão Estruturante Dimensão Estruturante Dimensão Estruturante Diretriz Estruturante 1 Dimensão Estruturante Fortalecimento

Leia mais

A inserção do Brasil nas cadeias globais. 21/02/2015 A inserção do Brasil nas cadeias globais2 1

A inserção do Brasil nas cadeias globais. 21/02/2015 A inserção do Brasil nas cadeias globais2 1 A inserção do Brasil nas cadeias globais 21/02/2015 A inserção do Brasil nas cadeias globais2 1 Aumento de complexidade dos produtos Os novos produtos disponibilizados pela tecnologia aos consumidores

Leia mais

Contas externas 6ª edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI (BPM6) Banco Central do Brasil Departamento Econômico (Depec)

Contas externas 6ª edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI (BPM6) Banco Central do Brasil Departamento Econômico (Depec) Contas externas 6ª edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI () Banco Central do Brasil Departamento Econômico (Depec) Brasília, 22 de abril de 2015 Contas externas - impactos relativos ao A dinâmica

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/2013 Consumo aparente mensal R$ bilhões constantes* Mês corrente / mês anterior = -2,0% Mês ano corrente / Mês do ano anterior

Leia mais

O Papel da América Latina na Divisão Internacional do Trabalho XXXIX Encontro Nacional de Estudantes de Economia (ENECO) II Congresso de Estudantes

O Papel da América Latina na Divisão Internacional do Trabalho XXXIX Encontro Nacional de Estudantes de Economia (ENECO) II Congresso de Estudantes O Papel da América Latina na Divisão Internacional do Trabalho XXXIX Encontro Nacional de Estudantes de Economia (ENECO) II Congresso de Estudantes Latino-Americanos de Economia (CELEC) Florianópolis,

Leia mais

Comércio Mundial e Brasileiro

Comércio Mundial e Brasileiro EXTENSIVO 2016 Comércio Mundial e Brasileiro Camila Ferreira Década de 1990 Crise econômica mundial e brasileira Neoliberalismo Globalização Especulação Financeira Expansão do crédito fictício BOLHAS Banco

Leia mais

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Aula 01 - Fundamentos teóricos, parte I. Economia internacional Vs Comércio exterior. Teorias do Comércio Internacional (liberalismo vs protecionismo) COMÉRCIO INTERNACIONAL Onde

Leia mais

Tiago Terra Apex-Brasil. Por que exportar?

Tiago Terra Apex-Brasil. Por que exportar? Tiago Terra Apex-Brasil Por que exportar? Apex-Brasil A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, atua há anos para promover os estudos e serviços brasileiros no exterior e atrair

Leia mais

A Evolução da Economia Nacional

A Evolução da Economia Nacional Conferência Económica BIM Moçambique Ambiente de Investimento A Evolução da Economia Nacional Carlos Nuno Castel-Branco Professor Auxiliar da Faculdade de Economia da UEM) 14-09-2005 1 Estrutura da Apresentação

Leia mais

R E S U L T A D O S 4T12 / 2012

R E S U L T A D O S 4T12 / 2012 1 Informações Importantes Nós fazemos declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições de nossa Administração e informações

Leia mais

Ciência, tecnologia e sociedade

Ciência, tecnologia e sociedade Ciência, tecnologia e sociedade Aula 5_O surgimento de um sistema organizado de produção de tecnologia e sua transformação profa. Maria Caramez Carlotto SCB 2 quadrimestre de 2016 O surgimento de um sistema

Leia mais

Internacionalização da Economia Brasileira

Internacionalização da Economia Brasileira ASPECTOS TÉCNICOS DO ACORDO BRASIL ARGENTINA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL Internacionalização da Economia Brasileira Paulo Vieira da Cunha São Paulo, Agosto/2007 1 Agenda 1. Internacionalização da Economia

Leia mais

O Processo de Globalização

O Processo de Globalização O Processo de Globalização O Processo de Globalização O que é: Fenômeno de integração econômica e cultural em consequência da intensificação das trocas internacionais de mercadorias e da circulação de

Leia mais

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO www.infoescola.com Revolução da técnica Introduz Forma eficiente de padronizar a mercadoria Menor tempo Menor custo Agrupamento de trabalhadores

Leia mais

Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense

Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense Luciano Nakabashi * Luis Esteves ** Marcio José Vargas da Cruz *** RESUMO - O cenário internacional tem sido favorável tanto à

Leia mais

INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS

INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS Custos industriais aceleram ao longo de 2015 e fecham o ano com crescimento de 8,1% O Indicador de Custos Industriais (ICI) apresentou crescimento dessazonalizado de 3,3%

Leia mais

Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33

Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33 Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33 Segunda Prova Dia 01 de julho (quinta-feira) - 19:00 hs. Dúvidas 01/06 à tarde. Dia 24 e 25 de junho não haverá aula. Prova para os que faltaram

Leia mais

ESPANHA Mercado Um parceiro de confiança /

ESPANHA Mercado Um parceiro de confiança / Mercado 1º cliente (25% de quota) e 1º fornecedor (cerca de 33%) Mais de 6.000 empresas portuguesas exportam para Espanha Portugal é o 5º cliente de Espanha (7%) e 8º fornecedor (quase 4%) Espanha vende

Leia mais

Políticas comercial e industrial: o hiperativismo do primeiro biênio Dilma. Sandra Polónia Rios Pedro da Motta Veiga

Políticas comercial e industrial: o hiperativismo do primeiro biênio Dilma. Sandra Polónia Rios Pedro da Motta Veiga Políticas comercial e industrial: o hiperativismo do primeiro biênio Dilma Sandra Polónia Rios Pedro da Motta Veiga Junho de 2013 Estrutura: 1. As políticas comercial e industrial: contexto e principais

Leia mais

Crescimento. Econômico. Copyright 2004 South-Western

Crescimento. Econômico. Copyright 2004 South-Western Crescimento 17 Econômico Crescimento Econômico O padrão de vida de um país depende da sua capacidade de produzir bens e serviços. A renda per capita do Brasil cresceu 1.7% ao ano desde 1976. No século

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Formação, Capacitação e Atualização Política dos Filiados, Militantes e Simpatizantes Módulo IV A Atuação Política dos Socialistas Aula 3 Os Socialistas

Leia mais

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO Castelo Branco 19 de Fevereiro de 2015 DO S AND DONT S DA INTERNACIONALIZAÇÃO DONT S Aventureiro Internacionalização para salvar a minha empresa Follow up 1 mês depois Mercados

Leia mais

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Fórum Estadão de Competitividade Carlos Eduardo Abijaodi Diretor de Desenvolvimento Industrial Confederação Nacional da Indústria 1

Leia mais

As Esferas da Globalização

As Esferas da Globalização As Esferas da Globalização As quatro esferas da globalização Comercial Produtiva Financeira Tecnológica Esfera Comercial A idéia de globalização é um fenômeno sócioeconômico, que pode ser dividido em processos,

Leia mais

Internacionalização da economia brasileira

Internacionalização da economia brasileira 48 Internacionalização da economia brasileira Virene Roxo Matesco A crise financeira de 2008 atingiu os fluxos de investimentos diretos estrangeiros (IDE), o capital externo mais cobiçado. Os fluxos de

Leia mais

MERCADO INTERNACIONAL DE MANGA: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

MERCADO INTERNACIONAL DE MANGA: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS MERCADO INTERNACIONAL DE MANGA: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Carlos Roberto Machado Pimentel Ricardo Elesbão Alves Heloísa Almeida Cunha Filgueiras INTRODUÇÃO Do conjunto de frutas atualmente comercializado,

Leia mais

RISCO DE DESINDUSTRIALIZAÇÃO DO VESTUÁRIO BRASILEIRO? RELATÓRIO DE INTELIGÊNCIA

RISCO DE DESINDUSTRIALIZAÇÃO DO VESTUÁRIO BRASILEIRO? RELATÓRIO DE INTELIGÊNCIA RESUMO EXECUTIVO A questão da desindustrialização do vestuário no Brasil é objeto de muitas das discussões dos grandes empresários do setor. Vários estudos realizados por especialistas na área pretendem

Leia mais

CAPÍTULO 5 GESTÃO DA EXPORTAÇÃO

CAPÍTULO 5 GESTÃO DA EXPORTAÇÃO CAPÍTULO 5 GESTÃO DA EXPORTAÇÃO 5.1 PORQUÊ EXPORTAR? EXPORTAÇÃO: A FORMA MAIS COMUM DE INTERNACIONALIZAÇÃO PORQUÊ? FACTORES CONDUCENTES À EXPORTAÇÃO (A) ASPECTOS INTERNOS Características do Produto/Serviço

Leia mais

BRASIL. Paulo André de Oliveira. Conjuntura Econômica JUROS. Ciclos de expansão da Economia 1. Ciclos de expansão da Economia 2

BRASIL. Paulo André de Oliveira. Conjuntura Econômica JUROS. Ciclos de expansão da Economia 1. Ciclos de expansão da Economia 2 UNESP FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS Paulo André de Oliveira Pós Graduação Energia na Agricultura Economista DÓLAR Conjuntura Econômica JUROS BRASIL CRISE FINANCEIRA SETOR INTERNO E EXTERNO Ciclos de

Leia mais

EAE 0423-Economia Brasileira I. Prof. Dr. Guilherme Grandi

EAE 0423-Economia Brasileira I. Prof. Dr. Guilherme Grandi EAE 0423-Economia Brasileira I Prof. Dr. Guilherme Grandi CRISE E ESPERANÇA: 1974-1980 - DIONÍSIO DIAS CARNEIRO O capítulo está organizado em cinco seções: 1. Introdução 2. Condicionantes Externos e Internos

Leia mais

TÓPICOS DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

TÓPICOS DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS TÓPICOS DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS (EXECÍCIOS DA UNIDADE 2) (PROFª. GLAUCEMIR BARROS) (UNIFOR) Marque a alternativa correta: 1) Caracteriza o escambo: a) ( ) regime de trocas diretas b) ( ) trocas amonetárias

Leia mais

2.5 Desenvolvimento de Mercados

2.5 Desenvolvimento de Mercados 2.5 Desenvolvimento de Mercados Por que Desenvolvimento de Mercados? O mercado influencia a competitividade das empresas. A dimensão do mercado doméstico gera escala, permite a existência de uma base industrial

Leia mais

Brasil: Exportações em 2000

Brasil: Exportações em 2000 Brasil: Exportações em 2000 US$ FOB % Básicos 12.562 23,44% Minérios de ferro e seus concentrados 3.048 5,69% Soja, mesmo triturada 2.188 4,08% Farelo e resíduos da extração de óleo de soja 1.651 3,08%

Leia mais

INSS Economia Conceitos Básicos - Contabilidade Nacional Fábio Lobo

INSS Economia Conceitos Básicos - Contabilidade Nacional Fábio Lobo INSS Economia Conceitos Básicos - Contabilidade Nacional Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Conceitos básicos macroeconômicos, Contabilidade Nacional.

Leia mais

Integração regional Fundamentos

Integração regional Fundamentos Integração regional Fundamentos Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ reinaldogoncalves1@gmail.com Bibliografia básica R. Baumann, O. Canuto e R. Gonçalves Economia Internacional. Teoria e Experiência

Leia mais

UNCTAD WIR 2007 WORLD INVESTMENT REPORT SOBEET

UNCTAD WIR 2007 WORLD INVESTMENT REPORT SOBEET UNCTAD UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT WIR 2007 WORLD INVESTMENT REPORT LANÇAMENTO NO BRASIL: SOBEET SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS DE EMPRESAS TRANSNACIONAIS E DA GLOBALIZAÇÃO ECONÔMICA

Leia mais

CAPÍTULO 18. Abertura dos mercados de bens e dos mercados financeiros. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO 18. Abertura dos mercados de bens e dos mercados financeiros. Olivier Blanchard Pearson Education Olivier Blanchard Pearson Education Abertura dos mercados de bens e dos mercados financeiros CAPÍTULO 18 Capítulo 18: Abertura dos mercados de Abertura dos mercados de bens e dos mercados financeiros A

Leia mais

Comércio e Fluxo de Capital, seus Efeitos nas Contas Nacionais

Comércio e Fluxo de Capital, seus Efeitos nas Contas Nacionais Comércio e Fluxo de Capital, seus Efeitos nas Contas Nacionais Silvia Ferreira Marques Salustiano Tito Belchior Silva Moreira ** O presente trabalho faz uma análise voltada para o Brasil e para os países

Leia mais

Estrutura geoeconômica da América

Estrutura geoeconômica da América Estrutura geoeconômica da América Fatores que influenciam para uma organização econômica de um País. Reservas minerais, o tipo de solo, vegetação, hidrografia e o clima; Aspectos políticos ou seja como

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 1 Comércio internacional, no mundo real, reflete: Diferenças de produtividade do trabalho Diferenças de dotação de recursos Modelo

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

Perfil dos exportadores brasileiros para a China

Perfil dos exportadores brasileiros para a China Perfil dos exportadores brasileiros para a China Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Objetivos e estrutura EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS PARA A CHINA Apresentar a estrutura tecnológica

Leia mais

Estratégias de Desenvolvimento

Estratégias de Desenvolvimento Estratégias de Desenvolvimento Duas estratégias principais de industrialização para países não desenvolvidos: crescimento equilibrado e crescimento como cadeia de desequilíbrios 11.1- Crescimento equilibrado

Leia mais

ALGUMAS PROJEÇÕES SOBRE A GLOBALIZAÇÃO

ALGUMAS PROJEÇÕES SOBRE A GLOBALIZAÇÃO ALGUMAS PROJEÇÕES SOBRE A GLOBALIZAÇÃO IVES GANDRA DA SILVA MARTINS, Professor Emérito das Universidades Mackenzie, Paulista e da Escola de Comando e Estado Maior do Exército, Presidente do Conselho de

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA

ECONOMIA BRASILEIRA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA Criação do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, constituído por representantes dos trabalhadores, dos empresários, do governo e outros setores da sociedade. Rompimento

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JANEIRO/2016 Resumo de desempenho Janeiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês/Ano mês anterior

Leia mais