Soluções Produtos Tecnologia Serviços Vendas Treinamentos Cadastro A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Soluções Produtos Tecnologia Serviços Vendas Treinamentos Cadastro A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z"

Transcrição

1 Contato Glossário Soluções Produtos Tecnologia Serviços Vendas Treinamentos Cadastro Glossário de Rede A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z 10BASE-T Padrão de rede IEEE para cabeamento Ethernet 10 Mbps par-trançado. 100BASE-TX Padrão de rede IEEE para cabeamento Ethernet 100 Mbps par-trançado; também chamado Fast Ethernet. 100BASE-FX Padrão de rede IEEE para Ethernet que utiliza fibra ótica multimodo a 100 Mbps. Essa é uma versão do Fast Ethernet. Contato Nome: Telefone: Msg : 1000BASE-SX Padrão de rede IEEE para variedade de Gigabit Ethernet que utiliza cabo de fibra ótica a 850 nm. 1000BASE-LX Padrão de rede IEEE para variedade de Gigabit Ethernet que utiliza cabo de fibra ótica em multimodo e monomodo a 1330 nm. Enviar 1000BASE-T Padrão de rede IEEE para variedade de Gigabit Ethernet que utiliza cabo par-trançado. Access Control Lists Base de dados que descreve o tipo de acesso que cada usuário têm à um serviço. Access Profiles Access profiles controla todos os aspectos de gerenciamento remoto dos switches Extreme Networks. Um access profile pode consistir de uma lista de endereços IP e máscaras de rede. Cada método de gerenciamento remoto pode ser independentemente associado a um access profile. Os métodos de gerenciamento remoto sob controle do access profile incluindo SNMP Read, SNMP Read/Write, Web/ExtremeWare Vista, acesso Telnet e SSH2. Address Um grupo de caracteres que indentifica uma rede individual. Address Table A base de dados mantida pelo switch de todos os endereços aprendidos e as portas do switch através das quais esses endereços podem ser alcançados. Isso é usado pelo switch para fazer forwarding de pacote e filtros. Application Switching Um dispositivo para rede de data center de Nível 4-7 com habilidade de detectar diferentes aplicações, e associar cada recurso de rede e serviços para faturamento do cliente. O switch de aplicação SummitPx1 da Extreme faz tudo isso em Gigabit Ethernet, executando funções de rede incluindo análise de sessão TCP wire-speed, terminação, origens, e modificação uniforme inteiramente em hardware. ASIC Application-Specific Integrated Circuit. Um chip desenvolvido para uma aplicação particular. ASICs são comumente usados em dispositivos de rede para maximizar performance com um custo mínimo. ASP Application Service Provider. Acomoda aplicações de software no próprio servidor com facilidades próprias. Clientes podem acessar suas aplicações via linhas privadas ou internet. ATM extremenetworks.com.br/glossario.asp 1/10

2 Asynchronous Transfer Mode. Tecnologia de rede Cell-based capaz de transmitir dados, voz, video e tráfego frame-relay. Auto-negotiating Processo de duas partes de um dispositivo de rede que automaticamente altera a velocidade e potencialidade duplex de outro dispositivo. Autosensing Processo de um dispositivo de rede que automaticamente altera a velocidade de outro dispositivo. Backbone Interconexão em uma LAN ou WAN entre sub-redes ou workgroups. Conexão de alta velocidade para sub-redes de baixa velocidade. Por exemplo, um backbone Gigabit Ethernet conectado a uma subrede Fast Ethernet. Backplane Matriz Bus ou switching que reside dentro de um chassis hub ou switch; todo tráfego passa pelo backplane pelo menos uma vez. Bandwidth Máxima quantidade de dados que pode ser transmitida em um determinado tempo; normalmente expressado em bitspor-segundo ou bytes-por-segundo. BGP Border Gateway Protocol, um protocolo de internet que habilita um grupo de roteadores (chamados autonomous systems) para compartilhar informações de rota de um modo eficiente, rotas loop-free podem ser estabelecidas. BGP é comumente usado dentro e entre Internet Service Providers (ISPs). Esse protocolo é definido com a RFC BGP4 Uma extensão do Border Gateway Protocol, um protocolo de internet que habilita grupos de roteadores (chamados autonomous systems) para compartilhar informações de rota de um modo eficiente, rotas loop-free podem ser estabelecidas. BGP é comumente usado dentro e entre Internet Service Providers (ISPs). Bidirectional Rate Shaping Uma tecnologia baseada em hardware que reforça políticas de tráfego, uso de tracks, e gerencia tráfegos simultaneamente roteando pacotes de dados para a fila lógica de entrada e processando políticas na forma bidirecional. Refere-se também a bandwidth by the slice. BLEC Building Local Exchange Carrier. Um tipo de provedor de serviço que oferece acesso a internet e serviços de rede de dados para edifícios compostos por firmas comerciais. Broadband Infra-estrutura para comunicação em banda larga, ou grandes tubulações, que possibilitam rápida transmissões de dados e aplicações futuras para a economia na internet. Broadcast Mensagens encaminhadas para todos os dispositivos de uma rede. Broadcasts existem em Nível 2. Category 5 (CAT5) Padrão certificado de rede que um cabo de fio de cobre pode trafegar dados até 100 Mbps. Veja também UTP. Chipset Um grupo de circuitos hardware integrados, tais como application-specific integrated circuits (ASICs), que executam uma função particular. Eles são comumente usados em dispositivos de rede para maximizar desempenho a um custo baixo. Os switches da Extreme Networks switches são baseados no chip poderoso da série "i". Veja também ASIC. CLI Command Line Interface. Uma interface que permite o usuário interagir com o sistema operacional utilizando comandos e argumentos opcionais. Client/Server Modelo distribuído onde clientes podem acessar e compartilhar informações a partir de múltiplos servidores. Collapsed Backbone Arquitetura LAN onde uma interconexão de sub-rede é concentrada em um roteador ou switch de Nível 3. extremenetworks.com.br/glossario.asp 2/10

3 Collision Transmissões Ethernet simultaneas de dois ou mais dispositivos no mesmo segmento. Co-location Colocar equipamentos proprietários por um cliente em outra facilidade segura da companhia. Facilidades Co-location oferecem espaço para equipamento, segurança e outros serviços, bem como interconexão e acesso internet para equipamentos instalados. Concentrator Dispositivo utilizado em uma LAN para combinar informações de um cluster de clientes e/ou servidores; Frequentemente chamado hub. COPS O protocolo Common Open Policy Service é usado com RSVP e rede baseada em política para comunicação entre um dispositivo de rede e uma entidade de gerenciamento de política autoritária. Tipicamente, isso é um servidor de política ou processo de controle de servidor de admissão. Isso define o transporte e formato do dado utilizado nessa comunicação. Data-link Layer Veja Nível 2. Destination Address Endereço IP ou MAC do dispositivo que está para receber o pacote. DHCP Dynamic Host Control Protocol. Um modo efetivo para associar dinamicamente e reutilizar um número fixo de endereço IP quando existem mais dispositivos na rede que endereços disponíveis. Um servidor DHCP associa dinamicamente endereços IP para os dispositivos que necessitam. Essa associação de endereço expira após um tempo especificado pelo gerente da rede. O servidor então reassocia esses endereços para outros dispositivos caso necessário. DHCP é uma extensão para BOOTP em que as atribuições de endereços são feitas estaticamente. DiffServ Um padrão IETF desenvolvido para ajudar a resolver problemas de qualidade IP. DiffServ opera em Nível 3 e permite negociação out-of-band. DiffServ confia condicionadores de tráfego na borda da rede para indicar os requerimentos de cada pacote. Duplex Um modo de comunicação onde um dispositivo pode enviar e receber dados do mesmo link. O dis-positivo pode operar em full-duplex e half-duplex. Dynamic Link Context System Dynamic Link Context System permite configurações baseadas em políticas em nome de usuários ou dispositivos desktop e automaticamente os mapeia para um nível baixo de endereços. DVMRP Distance Vector Multicast Routing Protocol é usado par a comunicação e distribuição de informações da tabela de rotamento multicast. Isso é baseado no protocolo RIP utilizado para roteamento unicast. Enterprise Desktop Switch Enterprise Desktop Switch combina o baixo custo e simplicidade de um dispositivo de borda empilhável com características enterprise-class encontradas em switches de chassis mais caros. Equal Cost Multipath Routing (ECMP) Distribui o tráfego da rede entre múltiplos links de banda larga para aumentar o desempenho. A implementação de OSPF da Extreme suporta múltiplos caminhos de mesmo custo entre pontos e divide o tráfego uniformemente entre os caminhos disponíveis. Quatro links podem ser envolvidos em um link ECMP e o tráfego é compartilhado em base de sessões de endereços de origem e destino. ERP Enterprise Resource Planning. Um sistema de gerenciamento de negócio que integra todas as características de negócio, incluindo planejamento, fabricação, vendas e marketing. Como a metodologia ERP tornou-se mais popular, aplicações de software surgiram para ajudar gerentes de negócio a extremenetworks.com.br/glossario.asp 3/10

4 implemetarem ERP. ESRP Extreme Standby Router Protocol permite dispositivos de host continuar a comunicação mesmo que uma rota física falhe. Ethernet Um padrão de rede IEEE, originalmente desenvolvido pela Xerox, para transmitir dados a 10 Mbps. Extranet Um web site seguro para clientes ou fornecedores melhor que o público. Pode fornecer acesso à pesquisa paga, inventários atuais e base de dados internas, virtualmente qualquer informação que é privada e não publicada a todos. Uma extranet utiliza internet pública como seu sistema de transmissão, mas necessita de senha para obter acesso. Fast Ethernet Um padrão de rede IEEE para transmissão de dados a 100 Mbps. Veja também 100BASE-TX. Fault-tolerance Habilidade de um dispositivo de detectar e corrigir falhas de rede e falhas internas. O elemento chave de tolerância à falhas inclui módulos hot-swappable, fontes de alimentação load-sharing redundantes, backplanes passivos e sistemas de ventilação redundantes. FDDI Fiber Distributed Data Interface. Um padrão de rede ANSI para LANs de fibra ótica a 100 Mbps; extensamente usada como uma tecnologia backbone para interconectar diversas redes Ethernet ou Token Ring. Filter Ação do switch para descartar certos tipos de pacotes de dados. Firmware Rotinas de software que são permanentemente escritas em memória read-only. Full-duplex Modo de comunicação em que um dispositivo simultaneamente envia e recebe sobre o mesmo link, dobrando a largura de banda. Uma conexão 100Mbps fullduplex possui 200Mbps de banda. Uma conecção 1000Mbps full-duplex possui 2000Mbps de banda. GBIC Gigabit Interface Connector. Conexão física para mídia Gigabit Ethernet. Gbps Gigabits por segundo. Gigabit Ethernet Padrão de rede para transmissão a 1000 Mbps. Half-Duplex Modo de comunicação em que um dispositivo é capaz de ou enviar ou receber, mas não simultaneamente. Hardware Address Dispositivo físico ou endereço media access control (MAC). Header Informação especial contida no início do frame. Host Qualquer entidade da rede que possa iniciar uma transmissão. Um roteador, um servidor ou workstation. HTTP Hypertext Transfer Protocol. Define pedidos para HTML e arquivos gráficos que pertencem à web page estarem seguros entre o servidor web e o browser cliente. Hub Um dispositivo de rede não inteligente que envia um sinal a todas as estações conectadas a ele. ICMP Internet Control Message Protocol. Uma parte do protocolo IP que segura erros e mensagens de controle. O switch edita mensagens ICMP para relatar problemas de datagrama IP retornados à suas origens. IGMP extremenetworks.com.br/glossario.asp 4/10

5 Internet Group Management Protocol. Um protocolo que utiliza hosts para manter os roteadores locais informados sobre seus membros no grupo multicast. Quando todos os hosts saírem de um grupo, o roteador não mais encaminhará datagramas que retornarem para o grupo. IGMP Snooping IGMP Snooping fornece para um encaminhamento inteligente de pacotes multicast em domínio de broadcast Nível 2. Ao registrar informações de IGMP snooping, uma lista de distribuição de workstations é formada para determinar qual end-stations receberão pacotes com um endereço específico de multicast. IEEE 802 Grupo do Instituto padrão de Engenheiros de Elétrica e Eletrônica os quais definem métodos de acesso e controles em LANs. Internet A internet é formada de mais de 65 milhões de computadores em mais de 100 países cobrindo esforços comerciais, acadêmicos e governamentais. Intranet Web site in-house que serve os funcionários de uma empresa. Apesar das páginas da Intranet possuírem link com a Internet, a Intranet não é acessada pelo público geral. IP Protocolo Nível 3 (nível de rede) que contém informações de endereçamento e informações de controle que permitem pacotes ser roteados. IPX Internetwork Packet Exchange. Um protocolo de rede usado pelo sistema operacional da Novell Netware. Como UDP/IP, IPX protocolo de datagrama usado para comunicações sem conexão. ISO International Standards Organization. Latency Qualquer atraso introduzido em uma rede prevê encaminhamento de pacotes em wire speed. LAN Local Area Network. Uma rede onde computadores são conectados a uma distância próxima, tal como no mesmo prédio ou escritório; um sistema LANs conectados a distância é chamado de wide-area network (WAN). Layer 1 O primeiro, ou físico, nível do modelo OSI (open systems interconnection). Disponibiliza dados através de um link de rede. Esse nível deve regular sinalizando e mantendo o sinal forte. Hubs, repetidores e concentradores operam em Nível 1. Todos os pacotes são repetidos no fio. Layer 2 O segundo, ou nível de data-link do modelo OSI (open systems interconnection). Nível de MAC (media access control). Transmite pacotes atraves de link fisico nível 1 lendo o hardware ou enderecos MAC de origem e destino em cada pacote. Switching opera em Nível 2. Switches tem uma tabela de roteamento de endereço de hardware dos dispositivos conectados a eles. Quando os pacotes chegam, os switches lêem os endereços em Nível 2 e se conferir com o da tabela, ele encaminha para a porta. Caso contrário, os pacotes são encaminhados para todas as portas (floods). Layer 3 O terceiro, ou roteamento, nível do modelo OSI (open systems interconnection). O nível de rede roteia dados para diferentes LANs e WANs baseado em endereços de rede. Layer 4 O quarto, ou transporte, nível do modelo OSI (open systems interconnection). Isso envolve serviços de rede para fornecer gerenciamento end-to-end de uma sessão de comunicação. Layer 7 O sétimo, ou aplicação, nível do modelo OSI (open systems interconnection). Define os serviços que diretamente suportam aplicações tal como software para gerenciamento de rede, correio eletrônico ou transferências de arquivo. Link Aggregation extremenetworks.com.br/glossario.asp 5/10

6 Agrupamento de múltiplos links de rede para um único link lógico. Agrupando quatro conexões Ethernet 100 Mbps em um link lógico, você pode criar throughtput bidirecional de até 800 Mbps entre o servidor e o switch. MAC Media Access Control. Nível 2 do modelo OSI (open systems interconnection). O nível de data-link responsável por planejar, transmitir e receber dados em uma LAN. MAC Address Media Access Control address. O único endereço físico de um dispositivo de interface de rede. MAN Metropolitan Area Network, uma rede de dados desenvolvida para uma cidade ou município. Em termos de largura geográfica, MANs são maiores que local area networks (LANs), mas menores que wide area networks (WANs). MANs são comumente caracterizadas por conexões de alta velocidade utilizando cabo de fibra ótica ou outra mídia digital. Mbps Megabits por segundo. Meshed Topology Uma construção de rede com mistura de diferentes topologias de rede. Por exemplo uma rede backbone de banda larga que conecta com uma coleção de segmentos lentos. MIB Management Information Base. Uma base de dados de informação que o switch disponibiliza para sistemas de gerenciamento de rede. Por exemplo, estatísticas de tráfego e configurações de porta. MPLS Multiprotocol Label Switching. Um protocolo de switching que integra informações de Nível 2 sobre links de rede para Nível 3 com o objetivo de simplificar e aumentar a troca de pacotes IP. Multicast Um pacote, ou transmissão, destinados para muitos clientes. Multimode Fiber Cable Cabo de fibra com wide core. A Luz é refletida pelo core em múltiplos ângulos e é propagado em múltiplos caminhos, cada caminho com tamanho diferente e portanto um tempo diferente para atravessar a fibra. Esses múltiplos ângulos ou modos causam uma dilatação do sinal, essa distorsão ocorre acima do limite de distância que a integridade do sinal luminoso pode ser mantida. Fibra Multimode é o tipo predominante de fibra LAN instalados em edifícios e é mais caro que fibra monomodo. NIC Network Interface Card. Uma expansão da placa de uma workstation ou servidor e fornece conexão para a rede. Non-blocking Habilidade do switch de transmitir e receber pacotes em todas as portas simultaneamente, em wire speed. OC Optical Carrier, usado para especificar a velocidade das redes de fibra ótica conforme com o padrão SONET. OC-1 = Mbps, OC-3 = Mbps, OC-12 = Mbps, OC-24 = Gbps, OC-48 = Gbps, OC-96 = Gbps, OC-192 = 9.6 Gbps e OC-255 = Gbps Over-subscription Over-subscription ou over-subscription ratios deal especificamente com pontos em uma rede onde ocorrem congestionamentos. O impacto de impróprio oversubscription ratios é congestionamento, o que causa perda de pacotes. Over-subscription ratios são calculados adicionando os requerimentos do potencial de banda de um caminho particular dividindo o total pelo caminho de banda atual. Apesar da proporção maior que 1:0 é considerado over-subscribed, isso não necessariamente significa que um congestionamento irá ocorrer. OSPF Open Shortest Path First. Um protocolo de roteamento que mantém um mapa de todas as rotas e as redes que eles conectam. Envia mensagens curtas verificando se um vizinho está vivo e alcançável. Mais eficiente, mais escalável extremenetworks.com.br/glossario.asp 6/10

7 que protocolos de roteamento vector-distance que mantém tabelas de todos os destinos conhecidos e número de hops. Packet-over-SONET Uma metropolitan area network (MAN) ou wide area network (WAN) transportam tecnologia que carrega pacotes IP diretamente sobre transmissão SONET sem qualquer facilidade de data link tal como ATM. Packet-over-SONET transmitem dados com a maior taxa possível, pois SONET tem o menor overhead de pacotes que ATM (28 bytes out of an 810-byte frame comparado 5 out of a 53-byte ATM cell). PIM Dense Mode Protocol Independent Multicast Dense Mode. Protocolo multicast similar a DVMRP em que utiliza Reverse Path Forwarding, mas não requer qualquer protocolo unicast particular. PIM Sparse Mode Protocolo multicast que funciona definindo um ponto comum entre o remetente e o receptor. O remetente e o receptor iniciam a comunicação a um ponto de encontro, e quando o fluxo inicia-se ocorre sobre um caminho otimizado. Policy-Based Quality of Service (QoS) Um serviço de rede que fornece habilidade para priorizar diferentes tipos de tráfego e gerenciamento de banda sobre uma rede. POP Point of presence. O ponto onde um carrier de longa distância que conecta à uma companhia de telefonia local ou à um usuário de uma companhia local não envolvida. Para serviços online e Internet service providers, o POP é uma discagem de usuários de uma extensão local via modem. Port Density Número de portas, física ou lógica, por dispositivo de rede. Port Mirroring Uma característica de switching que permite os dados de uma porta serem replicados para outra porta para monitoramento através de um analizador de rede. RADIUS Remote Authentication Dial-In User Service, um sistema de conta e autenticação usado por muitos Internet Service Providers (ISPs). Quando você disca para um ISP você deve entrar com usuário e senha. Essa informação é passada para um servidor RADIUS, que checa se a informação está correta e autoriza acesso para o sitema ISP. RAN Regional area network. Uma rede de dados que interconecta negócios, residências e governos em uma região geográfica específica. RANs são maiores que local area networks (LANs) e metropolitan area networks (MANs), mas menores que wide area networks (WANs). RANs são comumente caracterizadas pelas conexões de alta velocidade utilizando cabo de fibra ótica ou outra mídia digital. Redundant PHY Um dos modos mais efetivos, baratos e simples para realizar redundância de link com rapido restabelecimento utilizando conexões físicas redundantes, também chamado de redundant PHY (com esse tipo de redundância, existe um link primário ativo e um link secundário em standby). Por exemplo, uma única porta gigabit pode ter duas conexões físicas. Caso o link primário falhe, o link secundário assume em menos de um segundo. RIP Routing Information Protocol. Um protocolo definido pela RFC 1058 que especifíca como os rotadores trocam as informações da tabela de roteamento. Com RIP, os roteadores trocam as tabelas inteiras periodicamente. RMON Remote Monitoring. Um protocolo de gerenciamento de rede que permite que as informações de rede sejam acumuladas em uma única workstation. Routing Processo para disponibilizar uma mensagem através de uma ou mais rede. Router Um dispositivo de rede que encaminha pacotes para destinos baseados em endereço IP Nível 3. Um roteador implementa vários protocolos para manter as informações de outros extremenetworks.com.br/glossario.asp 7/10

8 roteadores. Um roteador lê as informações de endereços de rede Nível 3 em todos os pacotes recebidos e determina se o mesmo deve ser descartado ou encaminhado. Se for encaminhado, o roteador verifica a tabela de roteamento para encontrar a melhor rota entre o remetente e o receptor. RSVP Resource Reservation Protocol. Padrão IETF usado para fornecer qualidade de serviço reservando banda antes da transferência do pacote para assegurar sua disponibilidade. Secure Shell (SSH) Secure Shell é um programa para conexão em outro computador na rede, para executar comandos em uma máquina remota e mover arquivos de uma máquina para outra. Isso fornece uma autenticação forte e comunicação segura sobre canais inseguros. SSH protege a rede de ataques como IP spoofing, IP source routing, e DNS spoofing. Um invasor que pretende controlar a rede poderá somente forçar a disconexão de SSH. Eles não podem sequestrar uma conexão quando a encriptação está ativada. Segment Divisão da rede formada por bridges, ou switches; dividir uma Ethernet em múltiplos segmentos é um modo comum de aumentar banda em uma LAN. Single Mode Fiber Cable Fibra com diâmetro relativamente limitado, através do qual apenas um modo será propagado. Transmite maior banda que a fibra multimodo, mas necessita de uma origem de luz com espessura de espectro limitada. SNMP Simple Network Management Protocol. Um padrão para acumular dados estatísticos sobre o tráfego da rede e o comportamento dos componentes de rede; SNMP utiliza management information bases (MIBs), que define qual informação está disponível em qualquer dispositivo de rede gerenciável. Snooping Verificação de pacotes para obter informação. SONET Synchronous Optical Network, um padrão para conectar sistemas de transmissão de conexão em fibra ótica. SONET define um padrão de interface no nível físico do modelo OSI. O padrão define a hierarquia de taxas de informação para ser multiplexadas. SONET estabelece níveis Optical Carrier (OC) de 51.8 Mbps (sobre uma mesma linha T-3) para 9.2 Gbps. Com a implementação de SONET, a comunicação que leva throughout ao mundo pode interconectar as carriers digitais existentes e sistemas de fibra ótica. A equivalência internacional SONET, padronizada pela ITU, é chamada SDH. Source Address Endereço IP ou media access control (MAC) do dispositivo distribuindo o pacote. Spanning Tree Processo usado para eliminar rotas de dados redundantes e aumentar a eficiência da rede. Store-and-forward Característica de Switching onde a porta receptora recebe o frame inteiro e armazena no buffer antes de encaminhá-lo para a porta de destino. Switching Fabric Termo usado para especificar o máximo de banda de um switch no backplane. Subnet Addressing Um método que um gerente pode utilizar para estender múltiplas redes físicas utilizando um único endereço IP. Roteadores locais e switches inteligentes usam extensões de endereço de rede IP para identificar e rotear tráfego para segmentos físicos locais. Subnet Mask Um número que o gerente usa para dizer ao switch como filtrar os pacotes. Por exemplo, uma máscara de sub-rede para o endereço diz ao switch para somente aceitar tráfego destinado aos endereços Ips que começam com Todos os outros pacotes são descartados. Switch extremenetworks.com.br/glossario.asp 8/10

9 Um dispositivo de rede que filtra e encaminha pacotes entre segmentos LAN e/ou desktops. TCP/IP Transmission Control Protocol/Internet Protocol. Conjunto de protocolos de comunicação usados para conectar hosts na internet. T1/E1 Uma conexão digital ponto-a-ponto dedicada configurada para trafegar voz e dados, normalmente usada para redes privadas bem como interconexões entre organizações PBX ou LAN e telco. Telnet Protocolo dentro do protocolo TCP/IP fornece a função de emulação de terminal. Transparent LAN Service (TLS) Um serviço de comunicações de uma companhia de telefonia local ou carrier comum que liga LANs remotas. Topology Layout físico ou lógico, ou configuração de rede. Transparent Web Cache Redirection Habilidade inerente dos switches da série "i" da Extreme Networks para redirecionar tráfego web utilizando critério de Nível 4, tal como HTTP porta 80, em wire speed para uma ou mais portas load-shared entre muitos web cache servers sem a reconfiguração das aplicações de navegação. Uplink Conexão de um dispositivo lento para um rápido. Um hub para um switch, um switch para um roteador, um roteador para um servidor. UDP User Datagram Protocol. Um protocolo de conexão, parecido com TCP, que roda nas redes IP. Unicast Pacote destinado para somente um endereço. UTP Unshielded Twisted Pair. Cabeamento com fios que são trançados uns aos outros, os fios individuais são isolados. Veja também Category 5. VDSL Very High Speed Digital Subscriber Line. Transmite dados a 10 Mbps-55Mbps sobre curtas distâncias, normalmente entre 1000 e 6000 pés, sobre voice-grade wire. VID VLAN Identifier. Um número que identifica uma VLAN específica. VLAN Virtual LAN. Um grupo de dispositivos lógicos, não físicos, definidos por software. VLANs permite os administradores de rede resegmentar a rede sem reorganizar fisicamente os dispositivos ou conexões de rede. Voice-grade Wiring Termo geral que refere-se à linhas analógicas com necessidade de banda para transmitir voz, tipicamente sobre quatro mil Hertz (4KHz). Virtual Private Network (VPN) Uma rede privada configurada dentro de uma rede pública. WAN Wide Area Network. Uma rede que utiliza tecnologias de telecomunicação para conectar computadores ou redes sobre longas distâncias. WDM Wavelength Division Multiplexing. Um tipo de multiplexador desenvolvido para ser usado sobre fibra ótica. WDM modula cada corrente de dados dentro de uma parte diferente de espectro de luz. Web Hosting Localizador de sites de clientes em um web server comercial proprietário. Um único servidor pode suportar milhares de pequenos web sites, enquanto que grandes web sites usam um servidor dedicado ou múltiplos servidores. WINS Windows Internet Naming Service. Sistema que determina o endereço IP associado à um computador particular na rede. extremenetworks.com.br/glossario.asp 9/10

10 Wire Speed Taxa máxima que os pacotes podem transmitir e receber em uma interface de rede. Workgroup Coleção de computadores que são agrupados para compartilhar recursos tais como dados e periféricos. Copyright 2002 Extreme Networks extremenetworks.com.br/glossario.asp 10/10

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06. Prof. Fábio Diniz FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Gestão Aplicada a TIC AULA 06 Prof. Fábio Diniz Na aula anterior ERP Enterprise Resource Planning Objetivos e Benefícios ERP Histórico e Integração dos Sistemas

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007

Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007 Pós-Graduação OBCURSOS FACON TI 2007 Prof. Bruno Guilhen Brasília Setembro CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Arquitetura e Protocolo de Redes Realidade atual Motivação Ampla adoção das diversas tecnologias de

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores...17 1.1 Introdução... 17

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Glossário de Redes de Computadores

Glossário de Redes de Computadores Glossário de Redes de Computadores 10Base-2 Ethernet - uma implementação da tecnologia Ethernet, com velocidades até 10Mbps e transmissão através de cabo coaxial com comprimento máximo de 185 metros por

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Redes de Computadores Concursos de TI

Redes de Computadores Concursos de TI Redes de Computadores Concursos de TI CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Prof. Bruno Guilhen Arquitetura e Protocolo de Redes www.concursosdeti.com.br E1 E9 Conceito de Protocolo E2 N1 R1 R3 R2 N5 R4 Como esses

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio III DISPOSITIVOS

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Índice NETWORK ESSENTIALS

Índice NETWORK ESSENTIALS NETWORK ESSENTIALS Índice Estruturas Físicas... 3 Adaptador de Rede... 4 Tipos de par trançado... 5 Coaxial... 6 Tipos de cabos coaxial... 6 Fibra Óptica... 7 Tecnologias comunicação sem fios... 8 Topologias

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes

Fundamentos de Rede. Aula 01 - Introdução e Redes Fundamentos de Rede Aula 01 - Introdução e Redes Contextualização Séculos XVIII e XIX - Revolução Industrial máquinas mecânicas, taylorismo, fábricas hierarquia, centralização da decisão, mainframes Séculos

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores Santo André, 2Q2011 1 Comutação Comutação (chaveamento): alocação dos recursos da rede para a transmissão pelos diversos dispositivos

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Rede ATIVOS E PASSIVOS Além dos dispositivos que atuam na borda da rede (computadores, tablets, smartphones, etc), uma rede é

Leia mais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais http://www.waltercunha.com Bibliografia* Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição: 4 ou 5 http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Projeto Lógico da Rede

Projeto Lógico da Rede Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Projeto de Redes Locais e a Longa Distância. Thiago Leite

Projeto de Redes Locais e a Longa Distância. Thiago Leite <thiago.leite@udf.edu.br> Projeto de Redes Locais e a Longa Distância Thiago Leite COMER, Douglas. Redes de computadores e internet: abrange transmissão de dados, ligados inter-redes, web e aplicações.

Leia mais