V. Sustentabilidade Do Investimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V. Sustentabilidade Do Investimento"

Transcrição

1 Pelo seu histórico, Portugal é um País de gente dada ao descobrimento e desenvolvimento de rotas comerciais, por tal, Portugal pode possicionar-se na Europa como um alavancador de sinergias de investimento nos mercados lusofonos Cremos, que podemos antecipar operações de investimento a médio longo prazo, através desta plantaforma, oportunidade a explorar pelos operadores locais e vindoros, existem condições favoráveis neste sentido. O Investidor Estrangeiro tem que saber aproveitar estas condições naturais, pela cultura e laços históricos que existem entre Portugal e outras culturas de expressão Portuguesa.

2 Diz o proverbio hebreu, que sem visão há perca, ou seja, o projecto perece, LP - BROTHERS Venturecapital, na qualidade de Investidor, no mercado Português, entende que a razão do seu êxito tem a haver com uma visão actualizada do mercado Português, isto deve-se à visão renovada e adquirida no terreno operacional, recorrendo constantemente à troca de informação junto de outros operadores. V. Sustentabilidade Do Investimento Exige-se do Investidor uma cultura de honestidade, e este tem que ter valores de ética social e ambiental promovendo assim, não somente o investimento mas a sustentabilidade empresarial, tendo em conta as vertentes sociais e ambientais como vector estratégico de criação de valor. Hoje mais do que nunca, o Investidor Estangeiro, procura ser um criador de riqueza sustentável, isto é: Criar valor financeiro, melhorar os sistemas de gestão financeiros, sociais e ambientais, encorajar a inovação, animar uma gestão progressiva no sentido desta construir uma boa reputação, executando o principio dos relacionamentos honestos com as partes envolvidas. Concluimos, que esta deve ser a atitude do Investidor Estrangeiro em Portugal, País de oprtunidades nas mais diversas áreas, tais como: Turismo, Novas Tecnólogias entre outros nichos de negócio, não esquecendo que Portugal é uma grande plantaforma para a criação de cinergias de investimento junto do Brasil e os Palop, ou seja: Angola, Moçambique, S.Tomé, C. Verde, Guiné Bissau, Macau. Assim, como Investidor, entendemos que Portugal é um mercado frutifero para o desenvolvimento da actividade de Capital de Risco como também a plantaforma estratégica mais importante para iniciar e desenvolver negócios para os mercados emergentes do Brasil e Angola, entre outros.

3 Portugal é um País único. As pessoas são sempre prontas a ajudar a resolver os problemas e a fazer amizades. Mais do que Investir em Portugal, desenvolva relacionamentos! III. Invista na Disciplina Sendo Portugal um País de gente boa, observamos que há muita indisciplina... e diz-nos a experiência que a indisciplina é uma factura de elevado valor, a médio longo prazo. O Investidor Estrangeiro, deverá ser um exemplo de referencia positiva, em termos de Cultura de Disciplina, ou seja: Através do seu estilo de vida, deverá demonstrar e ensinar o seu próximo, que o êxito dos Investimentos também provéem de disciplina. Os Empreendedores Portugueses, pecam por falta de disciplina nos seus horários, compromissos, imagem pessoal e instituicional, entre outros. Uma Cultura de Disciplina provoca organização e objectividade, alcançando assim o sucesso pretendido para as partes envolvidas, Empreendedor versos Investidor. Há Investidores que desistiram de investir em Portugal pela dificuldade que tiveram ao lidar com a indisciplina. Qual é o Investidor que vai Investir num projecto que não está fundamentado num plano de trabalho disciplinado? A Disciplina requer mudança. Esta mudança não pode ser uma acção futura, mas sim uma mudança para o dia de hoje. IV. Sem Visão o Projecto Perece

4 afastando este do mercado Português. Assim, O maior desafio do Investidor estrangeiro é conseguir ultrapassar a cultura negativa e burocratica do dia a dia existente em Portugal, e ter a capacidade, de educar e gerar optimismo junto de terceiros. Investir, exige ânimo, coragem por parte do Investidor, não sendo facil lidar com a complexidade burocratica implantada no sistema Português, apelamos aos Investidores presentes a olharem para Portugar como um desafio de oportunidades de investimento, Não desanimem! II. Objectivos Definidos Para o Investidor, o Tempo é muito importante, e, para o Empreendedor que pretende iniciar ou desenvolver determinado projecto o Capital é uma necessidade emergente, assim, tanto o Investidor como o Empreendedor necessitam estabelecer entre si uma troca de informação prática e realista e de imediato defenirem objectivos de inicio de trabalho a curto prazo. Mais do que investir, o Investidor Estrangeiro em Portugal, necessita de se identificar com os seus objectivos de investimento, estando ele próprio seguro e definido na sua estratégia de Investimento. Aconselhamos ao Investidor Estrangeiro em Portugal, a ser um construtor de relacionamentos, relacionamentos estes que devem de abranjer um universo vasto de pessoas singulares ou colectivas, no sentido de tomar conhecimento e experiência do mercado, podendo assim crescer positivamente na sua acção de Investidor com segurança e Objectividade. Entendemos, que bons relacionamentos promovem o êxito para os Objectivos estabelecidos por um Investidor Estrangeiro. Os Portugueses são um povo de relacionamentos.

5 OPORTUNIDADES PARA UM INVESTIDOR ESTRANGEIRO PALAVRA DE ABERTURA LP - BROTHERS Venturecapital, sociedade de direito espanhol, agradece o convite de participar em mais um ENCONTRO GESVENTURE. Graças à visão, do Exmo. Sr. Dr. Francisco Banha, e da sua equipe, hoje é possivel realizar-se este 6º Encontro, assim, fazemos votos que este mesmo Evento alcance os seus objectivos. Reconhecemos, na pessoa do Exmo. Sr. Dr. Francisco Banha como aquele que mais tem contribuido para a promoção da ciência da Industria de Capital de Risco, em Portugal, sendo os Encontros por si organizados, um veiculo difusor do Capital de Risco para que cada vez mais este possa ser visto como uma fonte de alternativa de financiamento credivel e com caracteristicas próprias que lhe garantem vantagens únicas. O nosso muito obrigado, e não perca a visão e prossiga OPORTUNIDADES PARA UM INVESTIDOR ESTRANGEIRO I. Gerador de Ânimo Um Investidor Estrangeiro em Portugal, tem que ter a capacidade para gerar ânimo e motivação para si próprio. Portugal é um país de gente fantástica, e de grande riqueza intelectual, no entanto, existe um negativismo enraizado no pensamento, na confição, nas actitudes e reacções que dificultam o espírito do Investidor / player,

A StartUp BUZZ Mapping the route to your entrepreneurial dreams

A StartUp BUZZ Mapping the route to your entrepreneurial dreams A StartUp BUZZ Mapping the route to your entrepreneurial dreams A StartUp BUZZ é uma organização dedicada a promover o empreendedorismo e inspirar os jovens a adoptarem uma atitude audaz face a um mundo

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

Juntos vamos mais longe. Jorge Santos

Juntos vamos mais longe. Jorge Santos Angola Guiné-Bissau Portugal Brasil Guiné Equatorial São Tomé e Príncipe Cabo Verde Moçambique Timor-Leste Programa de Internacionalização Agronegócio CPLP Jorge Santos Presidente O programa de internacionalização

Leia mais

VALORES E PRINCÍPIOS DA SIKA

VALORES E PRINCÍPIOS DA SIKA CONSTRUINDO CONFIANÇA SIKA UM LÍDER GLOBAL COM PRINCÍPIOS E TRADIÇÃO Fundada na Suíça pelo criador visionário Sr. Kaspar Winkler há mais de 100 anos, a Sika tornou-se uma empresa de sucesso mundial assumindo

Leia mais

SESSÃO 10 EXPLORANDO NOVAS POSSIBILIDADES: ALAVANCANDO A CAPACIDADE INOVADORA NUM MUNDO GLOBAL

SESSÃO 10 EXPLORANDO NOVAS POSSIBILIDADES: ALAVANCANDO A CAPACIDADE INOVADORA NUM MUNDO GLOBAL SESSÃO 10 EXPLORANDO NOVAS POSSIBILIDADES: ALAVANCANDO A CAPACIDADE INOVADORA NUM MUNDO GLOBAL TEMAS A ABORDAR Iniciativas de investidores não tradicionais Empresas Metanacionais Born Globals Projectos

Leia mais

Capítulo 9 Estratégia em Portugal

Capítulo 9 Estratégia em Portugal ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Capítulo 9 Estratégia em Portugal João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Formulação da Estratégia Análise do Meio Envolvente Missão, Objectivos e Estratégia

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo DESDE 1990 O ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo é um estabelecimento de ensino superior politécnico, criado em 25 de

Leia mais

ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível?

ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível? ONGs e o desafio da mensuração do impacto social: melhor é (im)possível? Aurora A.C. Teixeira CEF.UP, Faculdade de Economia, Universidade do Porto; OBEGEF; INESC TEC Dimensão do 3º setor e tipos de organizações

Leia mais

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Memorando de Entendimento Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Considerando que a Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa doravante designada por

Leia mais

Excelência, Senhor Vice-Primeiro Ministro de Portugal, Excelentíssimo Senhor Presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal,

Excelência, Senhor Vice-Primeiro Ministro de Portugal, Excelentíssimo Senhor Presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Internacionalização das Economias Conferência AICEP Intervenção de S. Ex.ª o Senhor Embaixador Murade Isaac Murargy, Secretário Executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Lisboa 03

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2009). Entrevista ao Dr. Francisco Mantero. CI-CPRI, E T-CPLP, º1, pp. 1-5.

SOUSA GALITO, Maria (2009). Entrevista ao Dr. Francisco Mantero. CI-CPRI, E T-CPLP, º1, pp. 1-5. SOUSA GALITO, Maria (2009). Entrevista ao Dr. Francisco Mantero. CI-CPRI, E T-CPLP, º1, pp. 1-5. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevista ao Dr. Francisco Mantero Secretário-geral do Conselho

Leia mais

Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo. Santarém, 16 de Outubro

Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo. Santarém, 16 de Outubro Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo Santarém, 16 de Outubro - 2008 PENT- Plano Estratégico Nacional do Turismo Uma estratégia para o desenvolvimento do Turismo em

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO PARCERIAS Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um espaço (CONFEDERAÇÃO

Leia mais

INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO

INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO 1- O Mundo Global e os fenómenos de inserção colectiva O processo de globalização competitiva, o terrorismo religioso, a escassez do petróleo

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Prof. Braga de Macedo

GRUPO DE TRABALHO DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Prof. Braga de Macedo GRUPO DE TRABALHO DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Prof. Braga de Macedo ALGUMAS NOTAS SOBRE ARQUITECTURA INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ALGUNS ORGANISMOS DE APOIO ÀS EMPRESAS E À INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Cidadania e Mundo Atual ANO: 7º TURMA: A ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Empregabilidade: comunicação e relações pessoais AULAS PREVISTAS:

Leia mais

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra INICIATIVA MATÉRIAS PRIMAS: RUMO AO FORNECIMENTO SEGURO E À GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS MINERAIS EUROPEUS 23 de Fevereiro de 2010 Raw Materials Initiative: towards to mineral resources secure supply

Leia mais

Inovação & Empreendedorismo

Inovação & Empreendedorismo Inovação & Empreendedorismo Inovação & empreendedorismo O que não é inovação? grande repercussão qualquer coisa diferente que as empresas fazem já se proclama como inovação inovação não é criatividade

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA.

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. 1 Sector de Actividade: Calçado Actividade Principal: Produção de calçado CEO: Joaquim Carvalho Telefone: +351 255310690 Fax: +351 255310699 E-mail: js@mail.calafe.com Morada:

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

importância da REABILITAÇÃO URBANA

importância da REABILITAÇÃO URBANA importância da REABILITAÇÃO URBANA na construção de cidades inteligentes WORKSHOP SMARTCITIES PORTUGAL 2014 roadshow Aveiro 20 de Maio de 2014 1 2 3 REABILITAÇÃO URBANA uma estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Introdução. Sucesso organizacional + Ambiente de Mudança. Adotar uma ESTRATÉGIA. Criar vantagem competitiva sustentada

Introdução. Sucesso organizacional + Ambiente de Mudança. Adotar uma ESTRATÉGIA. Criar vantagem competitiva sustentada Introdução Sucesso organizacional + Ambiente de Mudança Adotar uma ESTRATÉGIA Criar vantagem competitiva sustentada Elemento unificador que dá coerência e direcção às decisões individuais da empresa Introdução

Leia mais

Contributo para o GT Internacionalização & Desenvolvimento

Contributo para o GT Internacionalização & Desenvolvimento Contributo para o GT Internacionalização & Desenvolvimento José Santos Lisboa, 18 Agosto 2011 Num Mundo Global, a internacionalização das empresas depende da internacionalização dos dirigentes e quadros

Leia mais

Seminário de Alto Nível sobre Finanças e Cooperação Internacional da Capacidade Produtiva entre a China e os Países de Língua Portuguesa

Seminário de Alto Nível sobre Finanças e Cooperação Internacional da Capacidade Produtiva entre a China e os Países de Língua Portuguesa - Seminário de Alto Nível sobre Finanças e Cooperação Internacional da Capacidade Produtiva entre a China e os Países de Língua Portuguesa 7º Fórum Internacional sobre o Investimento e Construção de Infra-estruturas

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO EMPREENDEDORISMO

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO EMPREENDEDORISMO DOCENTES: Prof. Doutor Gualter Couto Mestre Carlos Faias PROGRAMA - 2007/2008 OBJECTIVOS: Esta cadeira introduz os alunos aos princípios básicos do empreendedorismo e da criação e desenvolvimento de um

Leia mais

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio José Soares Ferreira Projecto financiado com apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela

Leia mais

Apresentador: Jorge Correia

Apresentador: Jorge Correia SÃO TOME E PRINCIPE CENTRO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA OS PAÍSES DA SUB-REGIÃO AFRICANA E DA CPLP Apresentador: Jorge Correia Presidente da Câmara de Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços de São

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

Gurus da Qualidade. Walter Shewhart

Gurus da Qualidade. Walter Shewhart Gurus da Qualidade João Noronha ESAC/IPC Walter Shewhart 1891-1967 Cartas de controlo Causas normais e causas especiais de variação Controlo estatístico do processo Ciclo PDCA Plan, Do, Check, Act Ciclo

Leia mais

Catálogo de Formação 2017

Catálogo de Formação 2017 Catálogo de Formação 2017 visão Criar Recursos Humanos de Excelência e alta qualidade que tenham a capacidade de inovação, competitividade e criação de riqueza, num ambiente exigente ao nível nacional

Leia mais

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu MÓDULO VI A e os Desafios do Século XXI O papel da no Mundo Ajuda ao Desenvolvimento PESC Processo de integração Manutenção da Paz Democracia uro Direitos Humanos Globalização Criminalidade Justiça Mercado

Leia mais

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry Cursos: Administração / Ciências Contábeis Disciplina: Inovação Tecnológica Data: 12/04/2012 Inovação Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Leia mais

Entrevista com CJR Empeiteiros SA. Miguel Rodrigues. Administrador. Com quality media press para LA VANGUARDIA/EXPRESSO

Entrevista com CJR Empeiteiros SA. Miguel Rodrigues. Administrador.  Com quality media press para LA VANGUARDIA/EXPRESSO Entrevista com CJR Empeiteiros SA Miguel Rodrigues Administrador www.cjr.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA/EXPRESSO Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas

Leia mais

BASE CONCEPTUAL DO CONCURSO FOMENTO DO EMPREENDEDORISMO NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

BASE CONCEPTUAL DO CONCURSO FOMENTO DO EMPREENDEDORISMO NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS BASE CONCEPTUAL DO CONCURSO FOMENTO DO EMPREENDEDORISMO NOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS 1. Introdução Na sociedade do conhecimento o desenvolvimento económico é potenciado por empresas de base

Leia mais

História das juniores empresas

História das juniores empresas História das juniores empresas A primeira Júnior Empresa surgiu na ESSEC (L'Ecole Empresarial Supérieure des Sciences Economiques et Commerciales de Paris) no ano de 1967, na FRANÇA em PARIS. Os alunos

Leia mais

PRÉMIOS AGRO-NEGÓCIO 2015

PRÉMIOS AGRO-NEGÓCIO 2015 PRÉMIOS AGRO-NEGÓCIO 2015 Regulamento do Concurso Preambulo O sector da agricultura em Cabo Verde tem sido objecto, nos últimos anos, de avultados investimentos, mormente no que tange à construção de infraestruturas

Leia mais

Manual de Ecodesign InEDIC

Manual de Ecodesign InEDIC Manual de Ecodesign InEDIC Ferramenta 4: A ferramenta da análise do mercado fornece uma abordagem prática aos conceitos teóricos explicados no capítulo 5. Com o objetivo de determinar o potencial do mercado

Leia mais

CONFERÊNCIA O VALOR ECONÓMICO DA SAÚDE. Centro de Congressos de Lisboa, 12 de outubro de Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

CONFERÊNCIA O VALOR ECONÓMICO DA SAÚDE. Centro de Congressos de Lisboa, 12 de outubro de Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP CONFERÊNCIA O VALOR ECONÓMICO DA SAÚDE Centro de Congressos de Lisboa, 12 de outubro de 2016 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Senhor Ministro da Saúde, Professor Adalberto Campos Fernandes,

Leia mais

Enlaces útiles/ Esteka Interesgarriak. Jornais e revistas

Enlaces útiles/ Esteka Interesgarriak. Jornais e revistas DEPARTAMENTO DE PORTUGUES // PORTUGALERA DEPARTAMENTUA PORTUGAL Nacionais http://www.publico.clix.pt http://www.expresso.pt http://www.correiomanha.pt http://www.dn.pt http://www.visaoonline.pt http://www.acapital.pt

Leia mais

A transferência de tecnologia entre universidades e empresas como abordagem à resolução de problemas ambientais específicos

A transferência de tecnologia entre universidades e empresas como abordagem à resolução de problemas ambientais específicos A transferência de tecnologia entre universidades e empresas como abordagem à resolução de problemas ambientais específicos O SETOR Antes de 1993, a situação global dos serviços de abastecimento público

Leia mais

Abordagem ao mercado PALOP e Espanhol. Luís Cadillon International Business Developer

Abordagem ao mercado PALOP e Espanhol. Luís Cadillon International Business Developer Abordagem ao mercado PALOP e Espanhol Luís Cadillon International Business Developer PRIMAVERA BSS Início de actividade - Dezembro de 1993 Sociedade Anónima de Capitais 100% Portugueses Sede em Braga,

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

As PME s em Moçambique

As PME s em Moçambique MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Seminário Económico Moçambique Portugal As em Moçambique Por Claire Zimba Existimos para Auditório da Culturgest, 10:40Hrs 11:00Hrs, 17 de Julho de 2015, Lisboa - Portugal

Leia mais

Apresentação Trainees PT

Apresentação Trainees PT Apresentação Trainees PT Maria João Figueiredo Human Resources Business Partner ISEP 08.06.2009 Este documento é propriedade intelectual da PT e fica proibida a sua utilização ou propagação sem expressa

Leia mais

RESUMO DOS TRABALHOS FÓRUM DE JOVENS ESCUTEIROS EUROPA/ ÁFRICA PAÍSES OFICIAIS DE LINGUA PORTUGUESA

RESUMO DOS TRABALHOS FÓRUM DE JOVENS ESCUTEIROS EUROPA/ ÁFRICA PAÍSES OFICIAIS DE LINGUA PORTUGUESA RESUMO DOS TRABALHOS FÓRUM DE JOVENS ESCUTEIROS EUROPA/ ÁFRICA PAÍSES OFICIAIS DE LINGUA PORTUGUESA 4 A 12 DE JULHO DE 2010 PRAIA CABO VERDE 1 INTRODUÇÃO O presente documento pretende fazer uma síntese

Leia mais

ECO.AP. 29 de Março de 2011

ECO.AP. 29 de Março de 2011 ECO.AP 29 de Março de 2011 1 O SUCH como Empresa de Serviços Energéticos 2 Energia Concluído o quadro legislativo aplicável à formatação e execução de contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar

Leia mais

A ESSÊNCIA DA INOVAÇÃO SOCIAL E COMO ESTÁ A MUDAR O MUNDO

A ESSÊNCIA DA INOVAÇÃO SOCIAL E COMO ESTÁ A MUDAR O MUNDO A ESSÊNCIA DA INOVAÇÃO SOCIAL E COMO ESTÁ A MUDAR O MUNDO PROFESSOR FILIPE SANTOS, PRESIDENTE DA PORTUGAL INOVAÇÃO SOCIAL Cerimónia do Prémio Portugal Inovador Social da Fundação Manuel António da Mota

Leia mais

Valor económico da língua portuguesa

Valor económico da língua portuguesa 1 Seminário Diplomático 2013 PROJETAR PORTUGAL Fundação Champalimaud, 4.1.2013 Valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral

Leia mais

Conclusões. II Conferência de Ministros de Turismo da CPLP

Conclusões. II Conferência de Ministros de Turismo da CPLP Conclusões II Conferência de Ministros de Turismo da CPLP Na sequência de uma decisão da VIII Reunião Ordinária do Conselho de Ministros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, que se reuniu em Coimbra

Leia mais

Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos

Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos Eficiência Hídrica em Edifícios e Espaços Públicos Seminário Aproveitamento de Águas Pluviais e Cinzentas Aveiro, 18/02/2011 M. Couto, C. Ferreira, A. Silva Afonso, V. M. Ferreira (CIRA; UA) Fases do Projecto:

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de ! %! &' ( "##$ %&' (%&' A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de parques eólicos na Polónia

Leia mais

Política Empresarial e Direitos Humanos. 1 Introdução 2 Compromisso 3 Aplicação 4 Governação

Política Empresarial e Direitos Humanos. 1 Introdução 2 Compromisso 3 Aplicação 4 Governação Política Empresarial e Direitos Humanos 1 Introdução 2 Compromisso 3 Aplicação 4 Governação BP 2013 Política Empresarial e Direitos Humanos 1. Introdução Distribuímos energia por todo o mundo. Localizamos,

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Diplomacia Económica Vantagens e Desvantagens

Diplomacia Económica Vantagens e Desvantagens Diplomacia Económica Vantagens e Desvantagens Maria Sousa Galito Doutorada em Ciência Política e Relações Internacionais pelo IEP-UCP Jornada de Diplomacia Económica, ISEG, 05-12-2012 Diplomacia Microeconómica:

Leia mais

Portugal em Linha - a Comunidade Lusófona online

Portugal em Linha - a Comunidade Lusófona online Anunciar Divulgue a sua Empresa através de Portugal em Linha Porquê anunciar? Todos os empresários conhecem a importância da publicidade. Ter um bom produto ou uma marca de qualidade não é, só por si,

Leia mais

O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública, que agrega e

O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública, que agrega e O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública, que agrega e representa empresas que se comprometem ativamente com a

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP )

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP ) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CONFERENCIA DE INVESTIDORES DO CORREDOR DE NACALA Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em

Leia mais

André Miguel Gestor de projecto

André Miguel Gestor de projecto André Miguel Gestor de projecto andre.miguel@cm-cascais.pt A Agricultura Urbana (AU) é a agricultura praticada no interior (agricultura intra-urbana) ou na periferia (agricultura periurbana) de uma localidade

Leia mais

O que significa ser um estudante do ISPTEC? 02/03/2015

O que significa ser um estudante do ISPTEC? 02/03/2015 O que significa ser um estudante do ISPTEC? 02/03/2015 Índice Ø Bem vindo ao ISPTEC Ø Perfil do Estudante Ø Actividades de Apoio ao Estudante Ø A importância da Autonomia Ø Método de Estudo Ø Objectivos

Leia mais

Informações sobre os Roteiros

Informações sobre os Roteiros Informações sobre os Roteiros O MakeMoney traz roteiros especialmente desenvolvidos para elaboração de Planos de Negócios, Estudos de Viabilidade e Planos de Inovação e Competitividade. Este documento

Leia mais

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE?

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE? POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE? Ligia Amorim Diretora geral da NürnbergMesse Brasil 1ª vice-presidente do capítulo América Latina da UFIthe Global Association of the Exhibition Industry. Vice-presidente

Leia mais

A Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial - Análise SWOT. Rayco Diaz, Pedro Madureira e Elsa Cristina Ramalho

A Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial - Análise SWOT. Rayco Diaz, Pedro Madureira e Elsa Cristina Ramalho A Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial - Análise SWOT Rayco Diaz, Pedro Madureira e Elsa Cristina Ramalho 1. Introdução A geotermia é a energia armazenada na forma de calor sob a superfície terrestre

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO 9-5-2017 PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Vasta Rede de Acórdos de Dupla Tributação 8 Regime dos residentes não habituais 1 Regime dos vistos dourados (golden

Leia mais

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO 1. Introdução O Estado Moçambicano encetou um processo de reformas legislativas e administrativas, visando dotar o País de leis

Leia mais

Lançamento do Centro Tecnológico. - Praia, 25 de Março de Discurso de sua Excelência, o Primeiro Ministro, José Maria Neves

Lançamento do Centro Tecnológico. - Praia, 25 de Março de Discurso de sua Excelência, o Primeiro Ministro, José Maria Neves Lançamento do Centro Tecnológico - Praia, 25 de Março de 2010 Discurso de sua Excelência, o Primeiro Ministro, José Maria Neves Senhoras Ministras; Senhores Ministros; Senhor Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos negócios Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos Negócios Agenda Um pouco do do Bradesco Sustentabilidade e o Bradesco Planejamento

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Plano de Negócios Pedro Vaz Paulo 1. PROJECTO CRIAR EMPRESA 1. Projecto Definição 1. Âmbito do negócio 2. Inovação 3. Concorrência 4. Análise SWOT 5. Plano de Negócios 2. PLANO DE

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

Parceria para a expansão do mercado dos cuidados médicos e turismo de saúde

Parceria para a expansão do mercado dos cuidados médicos e turismo de saúde Parceria para a expansão do mercado dos cuidados médicos e turismo de saúde 1 Antecedentes e Enquadramento 2 Análise swot 3 Visão Estratégica 4 A Parceria, o Projeto e a Ambição 8 de maio de 2012 1 Antecedentes

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta

REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA. Proposta ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO DA REDE DE PARLAMENTARES PARA O AMBIENTE E LUTA CONTRA A DESERTIFIÇÃO E A POBREZA Proposta ****** Art. 1 Denominação e natureza 1. É constituída A Rede de Parlamentares

Leia mais

Na verdade, Brasil e Portugal têm uma responsabilidade especial relativamente à CPLP e que não pode ser rejeitada.

Na verdade, Brasil e Portugal têm uma responsabilidade especial relativamente à CPLP e que não pode ser rejeitada. Exmos. Minhas Senhoras e Meus Senhores Começo por agradecer o honroso convite do Governo da Bahia para proferir algumas palavras sobre a Actualidade da Lusofonia, convite a que naturalmente acedi com entusiasmo.

Leia mais

Microsoft Corporation INVESTIR EM PORTUGAL. Nuno Duarte. Director Geral Microsoft Portugal

Microsoft Corporation INVESTIR EM PORTUGAL. Nuno Duarte. Director Geral Microsoft Portugal Microsoft Corporation INVESTIR EM PORTUGAL Nuno Duarte Director Geral Microsoft Portugal Enquadramento Microsoft 18 Anos de parcerias em Portugal Pilar de Crescimento e Inovação Microsoft Portugal é um

Leia mais

A assembleia geral do PANLAR representou 21 países. Pensar a longo prazo

A assembleia geral do PANLAR representou 21 países. Pensar a longo prazo A assembleia geral do PANLAR representou 21 países Pensar a longo prazo Nesta última nota do ano gostaria de comentar sobre o plano de desenvolvimento que estamos fazendo no PANLAR e que nos permitirá

Leia mais

ANOS DA CPLP» Intervenção de. S. Ex.ª Embaixador Murade Murargy, Secretário Executivo da Comunidade dos. Países de Língua Portuguesa (CPLP)

ANOS DA CPLP» Intervenção de. S. Ex.ª Embaixador Murade Murargy, Secretário Executivo da Comunidade dos. Países de Língua Portuguesa (CPLP) «SEMINÁRIO DAS COMEMORAÇÕES DOS 20 ANOS DA CPLP» Intervenção de S. Ex.ª Embaixador Murade Murargy, Secretário Executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Assembleia da República Portuguesa

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PRSA AGORACRED S/A SCFI. Rua das Palmeiras, 685, Ed. Contemporâneo Empresarial. Salas 1002,1003, 1007 a 1011, Santa Lucia, Vitória, ES. Tel.(27) 40090200 http://www.agoracred.com.br/ POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

Estratégia e governança [G4-34]

Estratégia e governança [G4-34] 19 Estratégia e governança [G4-34] Aos 45 anos, a Unimed-BH é uma cooperativa médica que responde por um amplo sistema de saúde. São dois focos de negócio: a operação de planos de saúde e a Rede Própria

Leia mais

Escola ES/3 Dos Carvalhos Março 2007 Geografia A - 10

Escola ES/3 Dos Carvalhos Março 2007 Geografia A - 10 Análise da notícia Lisboa mais pobre Trabalho Realizado por: Ana Luísa nº2 Maria Elisa nº16 Mariana nº18 Marta Daniela nº19 10ºD 1 Título da Notícia Lisboa mais pobre Data de edição da notícia Setembro

Leia mais

Como posso ter mais sucesso nas minhas vendas e na minha carreira Mary Kay? Gioconda Morais Diretora Sênior Mary Kay

Como posso ter mais sucesso nas minhas vendas e na minha carreira Mary Kay? Gioconda Morais Diretora Sênior Mary Kay + Como posso ter mais sucesso nas minhas vendas e na minha carreira Mary Kay? Gioconda Morais Diretora Sênior Mary Kay A FELICIDADE NÃO CAI DO CÉU Suas atitudes, seus valores e suas escolhas irão aumentar

Leia mais

Perspectivas para Retomada do Setor de Petróleo e Gás no Brasil

Perspectivas para Retomada do Setor de Petróleo e Gás no Brasil Perspectivas para Retomada do Setor de Petróleo e Gás no Brasil Prof. Edmar de Almeida Grupo de Economia de Energia Instituto de Economia UFRJ São Paulo, 13 de março de 2017 Plano da Apresentação Crise

Leia mais

Uma política em conformidade com a nossa agenda de luta contra a pobreza

Uma política em conformidade com a nossa agenda de luta contra a pobreza Gestão transparente e sustentável dos recursos minerais: Uma política em conformidade com a nossa agenda de luta contra a pobreza Comunicação de Sua Excelência Armando Emílio Guebuza, Presidente da República

Leia mais

PRÉMIO STARTUP a) Pessoas singulares, individualmente ou em grupo,

PRÉMIO STARTUP a) Pessoas singulares, individualmente ou em grupo, PRÉMIO STARTUP 2017 1. OBJETIVO 1.1. Este concurso destina se a seleccionar ideias empreendedoras, ligadas ao sector da veterinária, que demonstrem ter aplicabilidade empresarial, em torno da qual se possa

Leia mais

Contribuição do Sistema Unimed para a Sustentabilidade do Setor Saúde

Contribuição do Sistema Unimed para a Sustentabilidade do Setor Saúde Contribuição do Sistema Unimed para a Sustentabilidade do Setor Saúde Política Nacional de Sustentabilidade Lançada em 2001 como Política de Responsabilidade Social Comitê Nacional de Sustentabilidade

Leia mais

Cursos com os menores preços de mercado!

Cursos com os menores preços de mercado! Jan/Jun Agenda 2017 Faça a DIFERENÇA nagestão suaempresa! da Cursos com os menores preços de mercado! Aparecida de Goiânia - Bela Vista de Goiás Hidrolândia - Senador Canedo Classificação dospequenosnegócios

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO NA TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL

O PAPEL DA EDUCAÇÃO NA TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL O PAPEL DA EDUCAÇÃO NA TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL Brasil é 88º lugar (de 127) em ranking de educação pela Unesco. Esse ranking mede o desempenho das nações em relação a metas de qualidade. FOLHA 2011

Leia mais

NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS PROPOSTAS DE TRABALHO A DESENVOLVER PELO CANDIDATO OBSERVADO

NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS PROPOSTAS DE TRABALHO A DESENVOLVER PELO CANDIDATO OBSERVADO GRUPO: ÁREA DE COMPETÊNCIAS-CHAVE CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE NÚCLEO GERADOR DOMÍNIOS CRITÉRIOS DE EVIDÊNCIA OBSERVADO DIREITOS E DEVERES Identificar situações de autonomia e responsabilidades partilhadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O PROJECTO Projecto de promoção do desenvolvimento local utilizando o turismo como instrumento catalisador de integração e sustentabilidade. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ALENTEJO ARAD LAPÓNIA LOMZA TRENTINO

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Este manual tem como objetivo orientar os Países participantes da Caravana Africa Livre do Trabalho Infantil sobre como utilizar de maneira correta o símbolo do projeto. As

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO. Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO. Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais PROJECTO DE RESOLUÇÃO Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exmo. Sr. Presidente do Governo Exma. Sra. e

Leia mais

Escritório da Morar América Centro Empresarial. Prêmios

Escritório da Morar América Centro Empresarial. Prêmios APRESENTAÇÃO São 30 anos realizando sonhos. Com uma administração familiar bem-sucedida, a Morar consagrou-se uma das principais empresas de construção do ES, estando entre as quatro maiores do estado.

Leia mais