REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DOS DEFEITOS DA SOJA 3ª Edição-JULHO 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DOS DEFEITOS DA SOJA 3ª Edição-JULHO 2008"

Transcrição

1 REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DOS DEFEITOS DA SOJA 3ª Edição-JULHO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO DA SOJA APROVADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 11, de 15 de maio de 2007 e ALTERADA pela INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 37, de 27 de julho de 2007

2 CGQV-DIPOV-SDA/MAPA INFORMA: Em cumprimento ao artigo 41, do Regulamento Técnico da SOJA, aprovado pela INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 11, de 15 de maio de 2007, a CGQV-DIPOV- SDA/MAPA disponibiliza um referencial fotográfico com o objetivo de uniformizar os critérios de classificação. Caso queira colaborar com a melhoria contínua deste acervo de imagens digitais, favor transmitir fotos e enviar sugestões para ou

3 CGQV-DIPOV-SDA/MAPA INFORMA: 3ª Edição do Referencial Fotográfico: Colaboração da Fiscal Federal Agropecuário FÁTIMA CHIEPPE PARIZZI-SFA/MG. Colaboração da EQUIPE TUIUIÚ (Fiscal Federal Agropecuário YOSHIO FUGITA, da SFA/MS. Classificadores José Donisete Ferreira e Joviamar Alves Matias, da SFA/GO. Classificadores Osvaldo Mandacari Escobar e José Aparecido de Lucena da SFA/MS)

4 CGQV-DIPOV-SDA/MAPA INFORMA: Para melhorar a qualidade das fotos desta 3ª Edição do Referencial Fotográfico, foi utilizada a máquina fotográfica Nikon SMZ1500, da SFA/PE. A CGQV agradece a colaboração dos Fiscais Federais Agropecuários : ANTÔNIO CARLOS FLORÊNCIO DE SOUZA; EVARISTO PAULINO DE ALBUQUERQUE; LILIANE KARLA FIGUEIRA DA SILVA; SARA MEDEIROS DA ROCHA MELO

5 DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PERCENTUAL MÁXIMO de 14 %, mas não será considerada para efeito de enquadramento em TIPO. Se exceder, fazer OBSERVAÇÃO: A amostra classificada se apresenta com...% de Umidade, excedendo-se assim, ao percentual máximo de tolerância que é de 14 % (Catorze por cento), conforme disposto no 4º, do artigo 4º, do regulamento técnico da soja aprovado pela Instrução Normativa MAPA nº 11, de 15/05/2007

6 GRUPOS da SOJA GRUPO I : SOJA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO. ( Soja vendida empacotada nos supermercados). GRUPO II : SOJA DESTINADA A OUTROS USOS ( Matéria prima para fazer ÓLEO DE SOJA e FARELO DE SOJA, por exemplo.)

7 UTILIZAR AMOSTRA DE TRABALHO de, NO MÍNIMO, 125 gramas

8 MATÉRIAS ESTRANHAS E IMPUREZAS USAR PENEIRA de 3,00 mm

9 ANOTAR O PESO DAS MATÉRIAS ESTRANHAS E IMPUREZAS e TRANSFORMAR de gramas para %. ANOTAR O PESO DA AMOSTRA (gramas), ISENTA DE MATÉRIAS ESTRANHAS E IMPUREZAS.

10 PARA TRANSFORMAR PESO DAS MATÉRIAS ESTRANHAS E IMPUREZAS em percentagem usar regra de três: %= Peso das Matérias estranhas e impurezas (g) X 100 Peso da amostra de trabalho (g)

11 A CASCA (PELÍCULA), retida na peneira de 3,00 mm NÃO é impureza.

12 DEFEITOS GRAVES Citados em Escala de gravidade 1.QUEIMADOS 2.ARDIDOS. 3.MOFADOS.

13 1-QUEIMADOS: grãos ou pedaços de grãos carbonizados; Critério da EQUIPE TUIUIÚ: Queimados apresentando cor NEGRA, CARVÃO. CAUSA: GRÃOS QUEIMADOS NO SECADOR

14 2-ARDIDOS: grãos ou pedaços de grãos que se apresentam visivelmente fermentados em sua TOTALIDADE e com COLORAÇÃO MARROM ESCURA acentuada, AFETANDO O COTILÉDONE.

15 3-MOFADOS: grãos ou pedaços de grãos que se apresentam com fungos (mofo ou bolor) visíveis a olho nu;

16 3-MOFADOS: grãos ou pedaços de grãos que se apresentam com fungos (mofo ou bolor) visíveis a olho nu;

17 DEFEITOS LEVES Citados em escala de gravidade 1. FERMENTADOS; 2. ESVERDEADOS; 3. GERMINADOS; 4. DANIFICADOS 5. IMATUROS 6. CHOCHOS; 7. AMASSADOS; 8. PARTIDOS E QUEBRADOS;

18 4-FERMENTADOS: grãos ou pedaços de grãos que, em razão do processo de fermentação, tenham sofrido alteração visível na cor do cotilédone que não aquela definida para os ardidos; Fermentados FERMENTADOS ARDIDOS para comparação

19 COMPARAÇÃO ENTRE FERMENTADOS, ARDIDOS E QUEIMADOS: ARDIDOS NORMAL FERMENTADOS QUEIMADOS

20 5-ESVERDEADOS: grãos ou pedaços de grãos com desenvolvimento fisiológico completo que apresentam coloração totalmente esverdeada no cotilédone. Critério: Tem que ser grão com formato REDONDO e coloração TOTALMENTE ESVERDEADA no COTILÉDONE.

21 Soja parcialmente esverdeada Não sendo totalmente esverdeada, NÃO é considerado Defeito.

22 6-GERMINADOS: grãos ou pedaços de grãos que apresentam visivelmente a emissão da radícula;

23 6-GERMINADOS: grãos ou pedaços de grãos que apresentam visivelmente a emissão da radícula;

24 7-DANIFICADOS: grãos ou pedaços de grãos que se apresentam com manchas na polpa alterados e deformados, perfurados ou atacados por doenças ou insetos, em qualquer de suas fases evolutivas;

25 7-DANIFICADOS: grãos ou pedaços de grãos que se apresentam com manchas na polpa alterados e deformados, perfurados ou atacados por doenças ou insetos, em qualquer de suas fases evolutivas;

26 Critério especial: Separar os grãos atacados por percevejos, pesar, transformar em %, e depois dividir por 4. Ítem III, do art. 25.

27 8-IMATUROS : grãos de formato oblongo, que se apresentam intensamente verdes, por não terem atingido seu desenvolvimento fisiológico completo e que podem se apresentar enrugados. IMATUROS CHOCHOS Para comparação

28 Soja totalmente esverdeada mas com formato oblongo ( formato de feijão ) é considerado defeito IMATURO.

29 8-CHOCHOS: grãos com formato irregular que se apresentam enrugados, atrofiados e desprovidos de massa interna.

30 DIFERENÇA ENTRE CHOCHOS e IMATUROS : CHOCHOS Para comparação IMATUROS IMATUROS

31 9-AMASSADOS: grãos que se apresentam esmagados, com os cotilédones e tegumento rompidos por danos mecânicos, estando excluídos deste defeito os grãos que se apresentam trincados em seu tegumento;

32 10-PARTIDOS E QUEBRADOS: pedaços de grãos, inclusive cotilédones,que ficam retidos na peneira de crivos circulares de 3,0 mm(três milímetros) de diâmetro; QUEBRADOS Critério: Cotilédone deve estar SADIO. PARTIDOS

33 TOTAL DE AVARIADOS É a SOMA dos DEFEITOS: 1. QUEIMADOS; 2. ARDIDOS; 3. MOFADOS; 4. FERMENTADOS; 5. GERMINADOS; 6. DANIFICADOS; 7. IMATUROS 8. CHOCHOS. ATENÇÃO: FICAM FORA DESTA SOMA: OS ESVERDEADOS, AMASSADOS, PARTIDOS E QUEBRADOS.

34 SUJEIRA NA CASCA NÃO É DEFEITO

35 MANCHA PÚRPURA (NÃO É DEFEITO): Grãos que apresentam manchas arroxeadas no tegumento. NÃO É DEFEITO

36 MANCHA CAFÉ (NÃO É DEFEITO) grãos que apresentam manchas escuras a partir do hilo NÃO É DEFEITO

37 SOJA TRATADA COM FUNGICIDA. CUIDADO PERIGO Ver Art. 9º.

38 SOJA GRAFITADA Não é defeito, mas pode estar ocultando uma avaria, e por isso, a soja deve ser cortada, nos termos do inciso I, parágrafo único, do art. 25:

39 Ler Art. 25 PARA A DETERMINAÇÃO DOS DEFEITOS, DEVE-SE AFERIR O PESO DA AMOSTRA ISENTA de MATÉRIAS ESTRANHAS E IMPUREZAS, anotando o PESO OBTIDO no laudo de classificação. Depois usar regra de três: %= Peso do defeito (g) X 100 Peso da amostra isenta de matérias estranhas e impurezas (g)

40 GRUPO I: SOJA DESTINADA DIRETAMENTE A ALIMENTAÇÃO HUMANA

41 GRUPO II-SOJA DESTINADA A OUTROS USOS

42 FORA DE TIPO QUANDO NÃO SE ENQUADRAR NAS TABELAS DE TOLERÂNCIA. Ver art. 6º.

43 FORA DE TIPO POR DEFEITOS GRAVES, NO GRUPO I Ler 1º., do art. 6º.

44 FORA DE TIPO POR MATÉRIAS ESTRANHAS E IMPUREZAS, NO GRUPO I Ler 2º., do art. 6º.

45 FORA DE TIPO POR DEFEITOS LEVES, seja no GRUPO I ou no GRUPO II. Ler 3º., do art. 6º.

46 PRESENÇA DE MAMONA

47 DESCLASSIFICADO

48 Ler Art. 28 PARA A DETERMINAÇÃO DA CLASSE, DEVE-SE AFERIR O PESO DA AMOSTRA ISENTA de DEFEITOS, anotando-se o PESO OBTIDO, no laudo de classificação. Depois usar regra de três: %= Peso de grãos de outras cores (g) X 100 Peso da amostra isenta de defeitos (g)

49 CLASSE da SOJA COLORAÇÃO da PELÍCULA DEFINE A CLASSE da SOJA CLASSE AMARELA CLASSE MISTURADA

50 CLASSE da SOJA COLORAÇÃO da PELÍCULA DEFINE A CLASSE da SOJA CLASSE AMARELA ADMITE ATÉ 10% de grãos de OUTRAS CORES.

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO APROVADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 12, de 28 de março de 2008

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO DA SOJA

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO DA SOJA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO DA SOJA Art. 1º O presente Regulamento Técnico tem por objetivo definir o padrão oficial de classificação da soja, considerando os seus requisitos

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO

REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO Art. 1º O presente Regulamento Técnico tem por objetivo definir o padrão oficial de classificação do feijão, considerando os seus requisitos de identidade e qualidade, a amostragem,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FÍSICA DE FEIJÃO

CLASSIFICAÇÃO FÍSICA DE FEIJÃO Página 1 de 18 1 Escopo Método de ensaio para classificação física de feijão segundo a Instrução Normativa nº 12, de 28/03/2008 que estabelece a Norma de Identidade e Classificação de Feijão (Phaseolus

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA.

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. Informe Número: 435 Data: 07/02/2014 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os valores de custos

Leia mais

ANEXO NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA ERVILHA

ANEXO NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA ERVILHA ANEXO NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA ERVILHA 1. Objetivo: A presente norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, embalagem, marcação

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO ARROZ

PROJETO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO ARROZ 1 PROJETO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO ARROZ 1. OBJETIVO: o presente Regulamento Técnico tem por objetivo definir o padrão oficial do arroz, considerando os seus requisitos de identidade

Leia mais

A cevada será recebida exclusivamente à granel.

A cevada será recebida exclusivamente à granel. I Instrução Interna Nr. 10/2015 DE :Diretoria PARA :Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 CEVADA CERVEJEIRA 01 - RECEPÇÃO: A cevada será recebida na seguinte unidade: L O C

Leia mais

Produção Integrada de Caju - PI-Caju. Caderno de Pós Colheita

Produção Integrada de Caju - PI-Caju. Caderno de Pós Colheita Produção Integrada de Caju - PI-Caju Caderno de Pós Colheita Caderno de Pós Colheita Produção Integrada de Caju PI-Caju Identificação:... Nome do Produtor/Empresa:... Endereço:... Município:... Estado:...

Leia mais

Qualidade de grãos de milho

Qualidade de grãos de milho 55ª Reunião Técnica Anual do Milho 38ª Reunião Técnica Anual do Sorgo 19 a 21 de Julho de 2010 (Vacaria, RS) Qualidade de grãos de milho Composição do grão de milho Proteína 9% Óleo 4% Açucares 1,7% Minerais

Leia mais

Sumário. Documento Normativo para obtenção do SQP para soja, milho e farelo de soja

Sumário. Documento Normativo para obtenção do SQP para soja, milho e farelo de soja Página: 1/ 16 Sumário 1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES E SIGLAS 4. REFERÊNCIAS 5. PROCEDIMENTOS 6. ROTEIROS DE CLASSIFICAÇÃO 7. AMOSTRA CONTRA PROVA 8. PADRÕES 9. ORGANIMO GENETICAMENTE MODIFICADO

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 429/12 Data: 26/11/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO

Leia mais

O MINISTÉRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA

O MINISTÉRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA ARROZ Portaria N o 269, de 17 de novembro de 1988 O MINISTÉRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA, no uso de suas atribuições tendo em vista o disposto na Lei N o 6.309, de 15 de dezembro de 1975, e no Decreto N

Leia mais

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes (42) 8816-3452 ou Fernando Barreto (DDR 3234-8135) Nº01

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes (42) 8816-3452 ou Fernando Barreto (DDR 3234-8135) Nº01 www.castrolanda.coop.br/circular Nº01 Nº 01 I Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda I Fevereiro, 4-2011 SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA Missão: Formar Profissionais capacitados, socialmente responsáveis e aptos a promoverem as transformações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/SARC Nº 001, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA/SARC Nº 001, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2002 INSTRUÇÃO NORMATIVA/SARC Nº 001, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o inciso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8 DE 11 DE JUNHO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8 DE 11 DE JUNHO DE 2003 Página 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8 DE 11 DE JUNHO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere o Artigo 87, Inciso II da Constituição,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ 1. OBJETIVO: este regulamento tem por objetivo definir as características de identidade e qualidade da maçã. 2. CONCEITOS: para efeito deste regulamento,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE JUNHO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE JUNHO DE 2003 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE JUNHO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, inciso II, da Constituição, tendo em vista

Leia mais

Amostragem e análises de qualidade em grãos

Amostragem e análises de qualidade em grãos Disciplina de Armazenamento e Conservação de Grãos 2015/02 Amostragem e análises de qualidade em grãos Prof. Nathan Levien Vanier Eng. Agrônomo, Dr. Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Objetivos - Compreender

Leia mais

Classificação de Grãos MT

Classificação de Grãos MT Classificação de Grãos MT Alex Utida Aprosoja MT Agosto, 2014 Documento Interno e de Uso Exclusivo da Aprosoja-MT Classificação de Grãos A entidade, consciente da importância que a produção de grãos tem

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA APLICAÇÃO DAS NORMAS DA QUALIDADE DE CLASSIFICAÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL

A PROBLEMÁTICA DA APLICAÇÃO DAS NORMAS DA QUALIDADE DE CLASSIFICAÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL A PROBLEMÁTICA DA APLICAÇÃO DAS NORMAS DA QUALIDADE DE CLASSIFICAÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL ALEXANDRE CEZAR PIRES (UNINOVE) kennedy_xandy@yahoo.com.br Sidnei Alves de Araujo (UNINOVE) saraujo@uninove.br A

Leia mais

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 Nº 02 Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 SAFRA INVERNO Mais informações no Controle de Qualidade (42) 3234-8037 com Fernando Barreto, (42) 8816-3452 / Marcelo

Leia mais

METODOLOGIA DO INDICADOR DE PREÇOS DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA

METODOLOGIA DO INDICADOR DE PREÇOS DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA METODOLOGIA DO INDICADOR DE PREÇOS DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA 1. OBJETIVO Descrever a Metodologia do Indicador de Preços da SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA, produto comercializado no porto de Paranaguá nas modalidades

Leia mais

Qualidade do milho para utilização na alimentação animal

Qualidade do milho para utilização na alimentação animal III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Qualidade do milho para utilização na alimentação animal Luiz Carlos MACHADO 1, Daviane Martinele

Leia mais

I - alimento embalado: é todo alimento contido em uma embalagem pronta para ser oferecida ao consumidor;

I - alimento embalado: é todo alimento contido em uma embalagem pronta para ser oferecida ao consumidor; MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC N 14, DE 28 DE MARÇO DE 2014 Dispõe sobre matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos

Leia mais

PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA

PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA Autor: Aline Manenti Darabas Colaboraram para este projeto: Agenor Borges Arminda, Diarles Giusti Consoni, Karoline Hilzendeger Pereira, Sandro Novelli e Valdineia

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação ANEXO I. Especificação Técnica

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação ANEXO I. Especificação Técnica ANEXO I Especificação Técnica UNIDADES ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABACAXI: Fruto colhido maduro, o que é indicado quando a malha do fruto estiver aberta; o padrão desejado são frutos com peso acima de 1,8 (um

Leia mais

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG COMPRA DE HORTIFRUTICOLAS PARA A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ESPECIFICAÇÃO DO EDITAL CEASA MG CEAGESP ABACAXI PÉROLA OU HAWAÍ: De Primeira; Graudo. Classificação: Grupo I (Polpa Amarela), Subgrupo: Colorido (Até

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 400, de 21 de março de 2013. DISPÕE SOBRE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL E VEGETAL NO MUNICIÍPIO DE IPIRANGA DO NORTE-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT 120 R 00 DESTINAÇÃO DE MATERIAIS DESATIVADOS

DECISÃO TÉCNICA DT 120 R 00 DESTINAÇÃO DE MATERIAIS DESATIVADOS R DOCUMENTO NORMATIVO I INDICE 1 OBJETIVO... 1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 3 PROCEDIMENTOS... 1 3.1 MATERIAIS EXCEDENTES DE OBRAS...1 3.2 MATERIAIS RETIRADOS DEVIDO A DEFEITOS...1 3.3 MATERIAIS DESATIVADOS

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ 1. Objetivo: este regulamento tem por objetivo definir as características de identidade e qualidade da maçã. 2. Conceitos: para efeito deste

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja 53 Marcos César Colacino 1 ; Carolina Maria Gaspar de Oliveira 2 RESUMO A antecipação da colheita da soja resulta em uma grande quantidade de vagens verdes

Leia mais

ESCLARECIMENTOS SOBRE A LEI DA BALANÇA

ESCLARECIMENTOS SOBRE A LEI DA BALANÇA ESCLARECIMENTOS SOBRE A LEI DA BALANÇA XVII Encontro de Transporte Seguro dos Produtos de Cloro Álcalis e seus Derivados Expositor: Paulo de Tarso Martins Gomes Presidente da ABTLP Local: São Paulo SP

Leia mais

PADRONIZAÇÃO & CLASSIFICAÇÃO VEGETAL

PADRONIZAÇÃO & CLASSIFICAÇÃO VEGETAL PADRONIZAÇÃO & CLASSIFICAÇÃO VEGETAL Osmário Zan Matias Fiscal Agropecuário SFA/GO Engenheiro Agrônomo CREA/GO - 2.899/D osmario.zan@agricultura.gov.br Lei nº 9.972 de 25 de maio de 2000 Institui a classificação

Leia mais

BENEFICIAMENTO DE SEMENTES. Silvio Moure Cicero. 1. Importância

BENEFICIAMENTO DE SEMENTES. Silvio Moure Cicero. 1. Importância 16 BENEFICIAMENTO DE SEMENTES 1. Importância Silvio Moure Cicero Em programas de produção de sementes, o processamento representa a etapa final pela o qual o lote poderá adquirir a qualidade que possibilite

Leia mais

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3 UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo Resumo 3 DLPAC Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados Estrutura do DLPAC

Leia mais

10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação

10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação 10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação DEFEITO ASPECTO CAUSA PROCEDIMENTO a) massa dura a) ajustar a consistência da massa b) pouco descanso b) aumentar o tempo de descanso c) massa encascada

Leia mais

Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1

Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1 Qualidade de grãos de trigo submetidos a diferentes condições de armazenamento 1 Edar Ferrari Filho 2, Luidi Eric Guimarães Antunes 2, Roberto Gotardi 2, Rafael Gomes Dionello 3, Paulo Andre Rocha Petry

Leia mais

Instrução Normativa nº 001, de 27 de janeiro de 2014

Instrução Normativa nº 001, de 27 de janeiro de 2014 Instrução Normativa nº 001, de 27 de janeiro de 2014 O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do regulamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 03/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 101312/2014-81 VIGÊNCIA: 01/04/2015 a 31/03/2016 A.L.M. CORTEZ - HORTIFRUTIGRANJEIROS - ME CNPJ: 08.453.366/0001-28 ITEM ESPECIFICAÇÃO QUANT.

Leia mais

Situação dos teores proteína de soja em Mato Grosso

Situação dos teores proteína de soja em Mato Grosso Situação dos teores proteína de soja em Mato Grosso Maria Aparecida Braga Caneppele UFMT Londrina, 05 de outubro de 2015 Parâmetros de Qualidade Classificação (Grãos Avariados) Proteína Bruta Extrato Etéreo

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor após decorridos 120 (cento e vinte) dias de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor após decorridos 120 (cento e vinte) dias de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 38, DE 23 DE JUNHO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

POLÍTICA DE PÓS-VENDA 2014

POLÍTICA DE PÓS-VENDA 2014 SISTEMA DE TROCA EXPRESSA ABRANGÊNCIA SUPORTE TÉCNICO TROCA EXPRESSA PROCEDIMENTO DE GARANTIA POLÍTICA DE PÓS-VENDA 2014 PROCEDIMENTO DE REPARO SISTEMA DE REPARO PROCEDIMENTO DE ENVIO V. OUT.2014 1. Objetivo

Leia mais

Especificação de Produtos

Especificação de Produtos Especificação de s SUGESTÕES Grupo 01 Batata Fresca, de ótima qualidade, compacta, firme, coloração uniforme, aroma, cor e sabor típicos da espécie, em perfeito estado de desenvolvimento. Não serão permitidos

Leia mais

Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014.

Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Informações gerais. Telefones para contato: Comercial: 34 3292 8840 ou 34 8412 4502 Administração: 34 3292 8800 Comunicação: 34 3292 8818 ou 9976 1207

Informações gerais. Telefones para contato: Comercial: 34 3292 8840 ou 34 8412 4502 Administração: 34 3292 8800 Comunicação: 34 3292 8818 ou 9976 1207 Manual do Expositor Informações gerais Dada da feira: A 5ª Femec Feira do Agronegócio do Estado de Minas Gerais será realizada de 29 de março a 1º de abril de 2016, das 08 às 20 horas, no Parque de Exposições

Leia mais

Regulamento Concurso Fotográfico CRN-2. #orgulhotnd

Regulamento Concurso Fotográfico CRN-2. #orgulhotnd Regulamento Concurso Fotográfico CRN-2 DA INSTITUIÇÃO #orgulhotnd Artigo 1º - O Concurso Fotográfico de valorização da atuação do Técnico em Nutrição e Dietética (TND), sem fins lucrativos, foi instituído,

Leia mais

Econet Calendário de Obrigações e Tabelas Práticas 1

Econet Calendário de Obrigações e Tabelas Práticas 1 Econet Calendário de Obrigações e Tabelas Práticas 1 CALENDÁRIO MENSAL DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS DE FEVEREIRO 2012 ICMS / MT 01.02 (4ª feira) 03.02 (6ª feira) 06.02 (2ª feira) Transportador Revendedor Retalhista

Leia mais

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela Padrões para a classificação do MILHO Caroline Matheus Larissa Gabriela Introdução O milho (Zea mays) é, sem dúvida, um dos alimentos mais importantes da cadeia alimentar animal. Muito trabalho tem sido

Leia mais

Critério de Classificação Orquídeas Variadas.

Critério de Classificação Orquídeas Variadas. Critério de Classificação Orquídeas Variadas. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Indicador de Pressão para Extintor de Incêndio. Ademir Ribeiro Dconf/Divec

Indicador de Pressão para Extintor de Incêndio. Ademir Ribeiro Dconf/Divec Ademir Ribeiro Dconf/Divec INTRODUÇÃO: Considerando que os Indicadores de Pressão para Extintores de Incêndio são componentes fundamentais por permitir ao usuário identificar a qualquer momento, se o extintor

Leia mais

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2 Uso de Terra de Diatomácea para Proteção de Grãos de Milho 24 Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014.

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A UNIFORMIZAÇÃO DAS - NORMAS QUE DISCIPLINAM O INGRESSO E TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DIGITAIS NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO DE AGENTE REDUTOR LÍQUIDO DE NOx AUTOMOTIVO ARLA 32 Portaria Inmetro 139/2011 - Código: 3469

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO DE AGENTE REDUTOR LÍQUIDO DE NOx AUTOMOTIVO ARLA 32 Portaria Inmetro 139/2011 - Código: 3469 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0027, DE 10 DE SETEMBRO DE 2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0027, DE 10 DE SETEMBRO DE 2002 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0027, DE 10 DE SETEMBRO DE 2002 Publicado no DOE(Pa) de 11.09.02. Dispõe sobre a instituição do documento Passe Fiscal de Mercadoria, para fins de controle de mercadorias em trânsito

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/ProEn/ProPPEC/2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/ProEn/ProPPEC/2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/ProEn/ProPPEC/2005 REGULAMENTA A REALIZAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA, EXTENSÃO, TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO, DISSERTAÇÕES E TESES DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COM SERES HUMANOS.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL BOM JESUS TRÊS LAGOAS/MS

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL BOM JESUS TRÊS LAGOAS/MS Chamada Pública N.º 02/2015 para aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar para alimentação escolar, no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE, com dispensa de licitação,

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Código: 21 Ano de escolaridade: 9º (Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de julho e Despacho Normativo n.º 24-A/2012,

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2015

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2015 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2015 O MUNICÍPIO DE BARRACÃO comunica aos interessados que está procedendo CHAMADA PÚBLICA, para fins de habilitação dos fornecedores e recebimento do projeto de venda de

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TABACO EM FOLHA CURADO

ANEXO REGULAMENTO DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TABACO EM FOLHA CURADO ANEXO REGULAMENTO DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TABACO EM FOLHA CURADO 1. OBJETIVO: O presente regulamento tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. RESOLUÇÃO Nº 1.066, DE 25 DE SETEMBRO de 2015. Fixa os critérios para cobrança das anuidades, serviços e multas a serem pagos pelas pessoas físicas e jurídicas registradas no Sistema Confea/Crea, e dá

Leia mais

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA Luz e Visão Capítulo 8 8º ano - CSA 2014 Afinal, o que é luz? Luz é uma forma de transmissão de energia pelo espaço. Como a luz se propaga? Propagação da luz Corpos luminosos: emitem a própria luz. São

Leia mais

Redação(ões) Anterior(es) Redação(ões) Anterior(es)

Redação(ões) Anterior(es) Redação(ões) Anterior(es) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 16, DE 19 DE JANEIRO DE 1982. O Ministro de Estado da Agricultura, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto na Lei nº 6.305, de dezembro

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº-1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº-1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº-1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013 O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS

Leia mais

Efeito da qualidade dos grãos (verdes, ardidos etc.) nos produtos finais. Walme Taveira Ferraz Filho Diretoria Industrial

Efeito da qualidade dos grãos (verdes, ardidos etc.) nos produtos finais. Walme Taveira Ferraz Filho Diretoria Industrial Efeito da qualidade dos grãos (verdes, ardidos etc.) nos produtos finais Walme Taveira Ferraz Filho Diretoria Industrial Jun/2015 Histórico da Empresa Há 50 anos, Múcio de Souza Rezende tinha um grande

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Suspensão e Crédito Presumido de PIS/COFINS para soja

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Suspensão e Crédito Presumido de PIS/COFINS para soja Suspensão e Crédito Presumido de PIS/COFINS para soja 28/11/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1. Suspensão...

Leia mais

Modelos de Instrumentos de Pesquisa COLÉGIO COSMOS. Tema da Pesquisa. Nome do Aluno Nº - Série/Ano. Disciplina Professor(a)

Modelos de Instrumentos de Pesquisa COLÉGIO COSMOS. Tema da Pesquisa. Nome do Aluno Nº - Série/Ano. Disciplina Professor(a) 1 Capa Modelos de Instrumentos de Pesquisa COLÉGIO COSMOS Tema da Pesquisa Nome do Aluno Nº - Série/Ano Disciplina Professor(a) Campo Limpo Paulista, de de 2012 Relatório INTRODUÇÃO (Produção textual do(a)

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA FACULDADE SÃO CAMILO-MG

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA FACULDADE SÃO CAMILO-MG 1 REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA FACULDADE SÃO CAMILO-MG CAPÍTULO I Disposição preliminares Art 1º A Biblioteca da Faculdade São Camilo-MG tem por objetivo geral apoiar as atividades de ensino-aprendizagem

Leia mais

CENTRAL DE SABORES REGULAMENTO PARA O 2º CONCURSO DE QUALIDADE DO SISTEMA COCCAMIG

CENTRAL DE SABORES REGULAMENTO PARA O 2º CONCURSO DE QUALIDADE DO SISTEMA COCCAMIG CENTRAL DE SABORES REGULAMENTO PARA O 2º CONCURSO DE QUALIDADE DO SISTEMA COCCAMIG **O presente regulamento contém 10 capítulos e 42 artigos. I - Do concurso de qualidade, objetivo, data de realização

Leia mais

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico:

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições:

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições: Portaria SES-RS nº 767 DE 13/08/2015 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 26 ago 2015 Aprova os critérios e procedimentos para o recolhimento de alimentos, inclusive in natura, bebidas

Leia mais

MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO

MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n. 653, de 16 de maio de 1985 Publicado no DOERJ de 10 de junho de

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

P O R T A R I A. São José dos Pinhais, 05 de maio de 2014. Frei Nelson José Hillesheim, OFM Diretor-Geral FACULDADE FAE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS

P O R T A R I A. São José dos Pinhais, 05 de maio de 2014. Frei Nelson José Hillesheim, OFM Diretor-Geral FACULDADE FAE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS PORTARIA DG N.º 08/2014 APROVA, AD REFERENDUM DO CSA, O EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2014, 2 SEMESTRE, DA FACULDADE FAE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. O Diretor-Geral da Faculdade FAE São José dos Pinhais, no uso

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual 24/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 4 3. Análise da Legislação... 9 4. Conclusão... 10 5.

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CRA-MG, Nº 005 de 14 de maio de 2013. Aprova Regulamento do para a concessão do Prêmio CRA-MG na Estrada.

RESOLUÇÃO NORMATIVA CRA-MG, Nº 005 de 14 de maio de 2013. Aprova Regulamento do para a concessão do Prêmio CRA-MG na Estrada. RESOLUÇÃO NORMATIVA CRA-MG, Nº 005 de 14 de maio de 2013. Aprova Regulamento do para a concessão do Prêmio CRA-MG na Estrada. O CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS, no uso da competência

Leia mais

Índice I. DADOS DA EMPRESA... 2. a) Dados para contabilização da Empresa Modelo... 3. b) Cálculo do IRPJ... 4. c) Cálculo da Contribuição Social...

Índice I. DADOS DA EMPRESA... 2. a) Dados para contabilização da Empresa Modelo... 3. b) Cálculo do IRPJ... 4. c) Cálculo da Contribuição Social... Índice I. DADOS DA EMPRESA... 2 a) Dados para contabilização da Empresa Modelo... 3 b) Cálculo do IRPJ... 4 c) Cálculo da Contribuição Social... 5 d) Plano de Contas... 6 e) Histórico Padrão... 7 f) Lançamentos

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - BA

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2011 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - BA ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE JULHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2011 TRIBUTOS FEDERAIS CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Introdução - Autoridades Administrativas e o Abuso de

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 14.973/01/3 a Impugnação: 40.010103925-56 Impugnante: Célio Sôda PTA/AI: 01.000138006-11 IPR: 095/0927 Origem: AF/Guaxupé Rito: Sumário EMENTA EXPORTAÇÃO - DESCARACTERIZAÇÃO - FALTA DE COMPROVAÇÃO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 18ª REGIÃO - SERGIPE EDITAL Nº 01/2016/CRESS-SE, DE 09 DE MARÇO DE 2016

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 18ª REGIÃO - SERGIPE EDITAL Nº 01/2016/CRESS-SE, DE 09 DE MARÇO DE 2016 CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 18ª REGIÃO - SERGIPE EDITAL Nº 01/2016/CRESS-SE, DE 09 DE MARÇO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CARGO TEMPORÁRIO DE ASSISTENTE ADMINISTRATIVO PARA ATUAR

Leia mais

EDITAL TOMADA DE PREÇO PARA AQUISIÇÃO DE TUBOS DE CONCRETO

EDITAL TOMADA DE PREÇO PARA AQUISIÇÃO DE TUBOS DE CONCRETO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLEDADE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E AGRICULTURA EDITAL TOMADA DE PREÇOS Nº 38/2015 TIPO MENOR PREÇO EDITAL TOMADA DE PREÇO PARA AQUISIÇÃO DE TUBOS DE CONCRETO O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

INSCRIÇÕES PARA A MOSTRA MOVIMENTOS URBANOS 8ª FAN BH 2015

INSCRIÇÕES PARA A MOSTRA MOVIMENTOS URBANOS 8ª FAN BH 2015 INSCRIÇÕES PARA A MOSTRA MOVIMENTOS URBANOS 8ª FAN BH 2015 A Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte, em parceria com a Associação dos Amigos do Centro de Cultura Belo Horizonte, convida artistas,

Leia mais

Critérios de Classificação Palmeira Geral.

Critérios de Classificação Palmeira Geral. Critérios de Classificação Palmeira Geral. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso.

Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Critério de Classificação Roseira Mini Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 13 de abril de 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 13 de abril de 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 13 de abril de 2012 Institui a Infraestrutura Nacional de Dados Abertos INDA. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estabelece normas e procedimentos para recuperação, manutenção e valorização de edifícios, obras e monumentos tombados, sujeitos ao tombamento vizinho ou identificados

Leia mais

Agenda Tributária: de 08 a 14 de janeiro de 2015

Agenda Tributária: de 08 a 14 de janeiro de 2015 Agenda Tributária: de 08 a 14 de janeiro de 2015 Dia: 09 Comprovante de Pagamento ou Crédito à Pessoa Jurídica de Juros sobre o Capital Próprio A pessoa jurídica que tenha efetuado o pagamento ou crédito

Leia mais

SEGURO CUSTEIO AGRÍCOLA VERÃO

SEGURO CUSTEIO AGRÍCOLA VERÃO SEGURO CUSTEIO AGRÍCOLA VERÃO Condições Contratuais Versão 1.1 CNPJ 61.074.175/0001-38 Processo SUSEP nº 15414.900179/2015-05 MAPFRE Seguros Gerais S.A. - CNPJ 61.074.175/0001-38 SAC - Central de Atendimento

Leia mais

SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS

SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS 25.01.2010 ÍNDICE 1. Notificação de Início do Acompanhamento... 3 2. Software para Elaboração de Projetos Agropecuários... 5 2.1. Ícones... 6 3. Cadastro do

Leia mais

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES Sinduscon Ceará - Agosto / 2014 DIAS OBRIGAÇÕES DESCRIÇÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 05 (terça-feira) IRRF RETIDO NA FONTE Recolher até o 3º dia útil após o último decêndio do mês anterior, os fatos gerados a

Leia mais

Ciências Contábeis PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO. Tema: Orçamentos empresariais 3º semestre - Matriz 2013/2 4º Semestre - Matriz 2013/1

Ciências Contábeis PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO. Tema: Orçamentos empresariais 3º semestre - Matriz 2013/2 4º Semestre - Matriz 2013/1 PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO Tema: Orçamentos empresariais 3º semestre - Matriz 2013/2 4º Semestre - Matriz 2013/1 Informações: As peças orçamentárias de uma empresa são fundamentais, pois

Leia mais

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR 1 Projeto Básico da Contratação de Serviços: 1.1 O presente Projeto Básico consiste na contratação de empresa para realizar remasterização das imagens captadas para o DVD do 29º

Leia mais