UNIFESO PROFª LIDIA CALDEIRA TEORIA GERAL DO NEGÓCIO JURÍDICO 1ª aula

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIFESO PROFª LIDIA CALDEIRA TEORIA GERAL DO NEGÓCIO JURÍDICO 1ª aula"

Transcrição

1 UNIFESO PROFª LIDIA CALDEIRA TEORIA GERAL DO NEGÓCIO JURÍDICO 1ª aula CONCEITOS BASILARES AO CONHECIMENTO DAS RELAÇÕES JURÍDICAS FATO, ATO E NEGÓCIO JURÍDICO FATO é qualquer ocorrência que interessa ou não ao direito, ao âmbito jurídico. Logo, há fatos que não interessam ao direito, e fatos jurídicos. Os direitos subjetivos estão ligados a acontecimentos fáticos. Quando um fato gera direitos subjetivos, são chamados fatos jurídicos. Fatos jurídicos são acontecimentos oriundos da determinação humana ou de fatos naturais, que geram, modificam, conservam ou extinguem relações jurídicas. Fato simples, material ou neutro os que não têm relevância jurídica. Conceitos doutrinários para fatos jurídicos: Miguel Reale É qualquer fato que, na vida social, venha a corresponder ao modelo de comportamento ou de organização configurado por uma ou mais normas de direito. Sílvio de Salvo Venosa: São fatos jurídicos todos os acontecimentos que, de forma direta ou indireta, ocasionam efeito jurídico. Nesse contexto, admitimos a existência de fatos jurídicos em geral, em sentido amplo, que

2 compreendem tanto os fatos naturais, sem interferência do homem, como os fatos humanos, relacionados com a vontade humana. Alessandro Groppali. Qualquer evento que a lei reconheça consequências jurídicas, quer dizer, o nascimento, a modificação ou a extinção de um direito subjetivo. Carlos Roberto Gonçalves: Fato jurídico em sentido amplo é todo acontecimento da vida que o ordenamento jurídico considera relevante no campo do direito. Fatos Jurídicos Lato sensu Fatos naturais Ou fatos jurídicos stricto sensu Fatos humanos Ou voluntários ou atos jurídicos lato sensu ordinários extraordinários Lícitos 1. Ato jurídico stricto sensu 2. Negócio Jurídico 3. Ato-fato jurídico Ilícitos Classificação dos fatos jurídicos lato sensu: 1. Naturais ou jurídicos stricto sensu são os fatos que decorrem da natureza, independem da vontade humana, mas ainda assim produzem efeitos jurídicos. Podem ser: Ordinários : evento natural previsível e comum de ocorrer. Sofre influência do elemento tempo.

3 Ex. nascimento, morte, decurso de prazo, prescrição, decadência. Extraordinários: Decorrente da natureza, mas de fatos inesperados como o caso fortuito (evento totalmente imprevisível) ou força maior (evento previsível, mas inevitável ou irresistível). Ex: terremotos, tsunami, a tragédia em Teresópolis, em Voluntários ou atos jurídicos lato sensu são aqueles que nascem de uma participação voluntária do homem, isto é, decorrem de um comportamento volitivo. São ações humanas que criam, modificam, transferem ou extinguem direitos. OBS: Os fatos jurídicos voluntários podem ser lícitos ou ilícitos. Os ilícitos, praticados de forma contrária às lei, podem ser ilícitos civis, administrativos ou penais. Artigo 935 CC: analisar! Diferenciação: Penal sanção (pena), tipicidade de conduta, pessoalidade da aplicação da pena Civil tem por sanção o ressarcimento de um dano causado à vítima do ato, e resulta na chamada responsabilidade civil. A conduta não é típica, mas descrita no art. 186 CC e 187 CC. Administrativos tem por sanção a aplicação de multas ou exigência de condutas por parte da administração.

4 Há correntes doutrinárias, a qual filia-se o prof. Flávio Tartuce, de que os atos ilícitos não são jurídicos lato sensu, pois estes dependem da licitude para entrar no plano de validade. É fato jurígeno, porém não jurídico. Posições divergentes: Prof. Sílvio de Salvo Venosa, Jose carlos Moreira Alves, dentre outros. Os atos lícitos, portanto, são chamados atos lato sensu e se dividem em atos jurídicos stricto sensu e negócios jurídicos. Exige-se manifestação de vontade. 1. Atos jurídicos stricto sensu ou meramente lícitos são atos voluntários, materiais, cujos efeitos da manifestação de vontade estão previstos em lei, não possuindo o agente meios de alterá-lo. Trata-se de mera intenção, pois não há como modificar o resultado da ação. Ex. Ato de pescar como gerador do efeito da aquisição do direito de propriedade. Notificação que constitui em mora o devedor. Reconhecimento de filhos. A tradição do bem móvel. 2. Negócio jurídico manifestação duas de vontade, em regra, que produz efeitos jurídicos, sendo que os agentes podem coordenar os efeitos. É a manifestação de vontade que gera, modifica, conserva ou extingue a relação jurídica. A vontade não poderá conter vícios. Se o negócio jurídico tiver natureza patrimonial terá a natureza jurídica de contrato. Ex. Se alguém celebra com outrem um contrato de compra e venda.

5 3. Ato-fato jurídico a boa doutrina do Prof. Pontes de Miranda aponta mais uma categoria de atos lícitos: o ato-fato jurídico, segundo o qual não há vontade relevante. É irrelevante para o direito que o agente tenha ou não a intenção e praticá-lo, o que se leva em conta é o efeito resultante do ato que pode ter repercussão jurídica, inclusive ocasionando prejuízos a terceiros. Trata-se de um fato jurídico qualificado por uma atuação humana, por uma vontade não relevante juridicamente. Para o reconhecimento do ato-fato, não se exige capacidade do agente, nem se reconhece a existência de negócio jurídico. Ex. a descoberta de tesouro. Art CC. Confeitos comprados por criança num botequim (ex. do Prof. Silvio de Salvo Venosa). NEGÓCIO JURÍDICO CONCEITO São atos jurídicos resultantes do encontro de duas vontades capazes (excepcionalmente mais de duas) que se encontram para produzirem efeitos desejados pelas partes. Diferentemente dos atos jurídicos stricto sensu, onde o resultado será sempre o determinado pela lei, nos negócios jurídicos, o resultado será aquele que as partes desejarem, desde que obedecidos os elementos de validade determinados no artigo 104 do Código Civil. TEORIAS CONCEITUAIS Anotações tiradas da obra dos Prof. Gagliano e Pamplona Filho: Teoria voluntarista: Segundo Antônio Junqueira de Azevedo, para esta corrente de pensamento, o negócio jurídico é a manifestação de vontade destinada a produzir efeitos jurídicos.

6 O ato de vontade dirigido a fins práticos tutelados pelo ordenamento jurídico. Uma declaração de vontade, pela qual o agente pretende atingir determinados efeitos admitidos por lei. Esta é a corrente dominante no direito brasileiro conforme se depreende da confrontação entre os artigos 85 e 112, dos CC de 1916 e 2002, respectivamente: Art.85 CC/16: Nas declarações de vontade se atenderá mais à sua intenção que ao sentido literal da linguagem. Art.112 CC/02: Nas declarações de vontade se atenderá mais à intenção nelas consubstanciada do que ao sentido literal da linguagem. Duelo entre a teoria da vontade e teoria da declaração: Para a teoria da vontade, o elemento produtor dos efeitos jurídicos é a vontade real. A declaração é a causa imediata do efeito perseguido. Se não houver correspondência entre a vontade real e a declarada, prevalece a intenção. Para a teoria da declaração, que não se afasta tanto da voluntarista, o elemento fundamental para a produção dos efeitos jurídicos é a declaração. A doutrina entende serem ambas as faces de uma mesma moeda. Teoria objetivista O negócio jurídico seria antes um meio concedido pelo ordenamento jurídico para a produção de efeitos jurídicos, que propriamente um ato de vontade. Em outras palavras: para os objetivistas, o negócio jurídico, expressão máxima da autonomia da vontade, teria conteúdo normativo, consistindo em um poder privado de autocriar um ordenamento jurídico próprio. Antônio Junqueira de Azevedo.

7 ELEMENTOS ESSENCIAIS DO NEGÓCIO JURÍDICO O negócio jurídico será válido para o direito se estiverem presentes todos os elementos do artigo 104 do Código Civil, e mais a manifestação de vontade livre e conscientemente declarada. A DECLARAÇÃO DE VONTADE A vontade é um elemento de caráter subjetivo, que se revela através da declaração. Esta, portanto, e não aquela, constitui requisito de existência do negócio jurídico. (GONÇALVES, 2015, p.354). I - A manifestação de vontade quanto à forma de declarar pode ser: Expressa: a que se realiza por meio de palavras, falada ou escrita, e de gestos, sinais ou mímicas, de modo explícito. Tácita: a que se revela pelo comportamento do agente. Somente se entenderá como válida a declaração tácita quando a lei não exigir que seja expressa. Ex. aceitação de herança. Presumida: não realizada expressamente, mas que a lei deduz de certos comportamentos. Ex: artigos 322, 323 e 324 CC. Diferença entre vontade tácita e presumida: na tácita, vale o comportamento do agente, na presumida, há o estabelecimento pela lei. Nestas, o agente pode elidi-las (provar que não é tal a sua vontade).

8 II a manifestação quanto à sua recepção pelo outro contratante pode ser: Receptícias : por dirigirem-se a uma pessoa, que dela deve ter ciência do ato, para produzirem efeitos. Nas declarações que a lei exige serem receptícias, o não recebimento da declaração pelo outro contratante gera ineficácia do negócio jurídico. Ex: revogação de mandato (682,I e 686 CC) e proposta de contrato à distância (427 e 428 CC). Não receptícias: são as que se efetivam com a manifestação do agente, não se dirigindo a destinatário especial. Produzem efeitos independentemente da recepção. Ex: promessa de recompensa, aceitação de letra de câmbio, revogação de testamento. (GONÇALVES, 2015, p.356). Quando uma das partes neutraliza a manifestação da vontade, como na coação física, por exemplo, ou na hipnose, o negócio jurídico é inexistente. O SILÊNCIO COMO MANIFESTAÇÃO DE VONTADE Regra geral, o silêncio não vale como declaração de vontade, pois equivale à ausência de declaração de vontade. No entanto, tanto a lei, como o contrato, podem determinar importância do silêncio para a validade do negócio jurídico. Análise dos artigos 111 c/c 539 CC. Art. 432 CC. Art. 147 CC. Ver! Cabe ao juiz analisar se o silêncio importa em manifestação de vontade. RESERVA MENTAL

9 Ocorre reserva mental quando um dos declarantes oculta a sua verdadeira intenção, isto é, quando não quer um efeito jurídico que declara querer. Tem por objetivo enganar o outro contratante ou declaratário. Se este, entretanto, não soube da reserva, o ato subsiste e produz os efeitos que o declarante não desejava. Análise do artigo 110 CC. CLASSIFICAÇÃO DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS: A classificação do negócio jurídico tem como objetivo enquadrar um determinado instituto jurídico, bem como demonstrar a natureza jurídica deste (categorização jurídica). Pelo que consta no artigo 185 da atual codificação, as classificações a seguir servem tanto para os negócios quanto para os atos em sentido estrito. TARTUCE, 2012, P.188. Quanto à manifestação de vontade dos envolvidos: Unilaterais são atos e negócios em que a manifestação de vontade emana de apenas uma pessoa, com um único objetivo. (testamento, promessa de recompensa arts. 854 a 860 CC, proposta de contrato art. 427 CC). Bilaterais negócios que somente se realizam mediante a manifestação de vontade das duas partes sobre o objeto ou bem jurídico tutelado. Ex. contratos em geral, casamento, etc.

10 Plurilaterais ou multilaterais são negócios jurídicos que se aperfeiçoam com a participação de três ou mais partes, com interesses semelhantes no plano jurídico. Ex. Contrato de consórcio e de sociedade, envolvendo mais de duas partes. Há discussão doutrinária acerca desta modalidade de contrato, uma vez que não gera direitos e obrigações entre as partes. Quanto à onerosidade: onerosos os que geram dispêndio econômico para as duas partes que participam do negócio. Ex. contrato de compra e venda. Gratuito negócio jurídico que onera apenas uma parte, beneficiando a outra. Ex. doação pura. Obs. Diferenciar negócio jurídico unilateral, de contrato unilateral (neste só há obrigações para uma das partes). Ex. doação é negócio jurídico bilateral e contrato unilateral. Quanto à forma: Solenes ou formais negócios jurídicos cuja validade está condicionada à observância de uma forma determinada, haja vista a sua importância para a vida das pessoas. Exigem, portanto, forma prescrita em lei, como garantia jurídica. Ex. casamento, testamento, compra e venda de imóveis (escritura pública).

11 Não solenes ou não formais admitem qualquer forma não proibida em lei. Ex: contrato de locação. 4. Quanto à reciprocidade: Principais existem por si mesmos, não dependem de qualquer outra relação jurídica ou negócio para sua existência. Ex. Contrato de locação. Acessórios são aqueles cuja existência está vinculada a um outro negócio jurídico ou a uma relação jurídica. Ex. contrato de fiança. Regra: o acessório segue o principal. Se o principal se extingue, extingue-se, também, o acessório. 5. Quanto ao agente pode ser: Inter vivos ocorrem e produzem efeitos durante a vida do agente. Ex. compra e venda. Mortis causa produz efeito somente após a morte do sujeito. 6. Quanto às condições pessoais especiais dos contratantes:

12 Intuito personae ou personalíssimos são aqueles que dependem das condições especiais de um dos contratantes, havendo obrigação infungível. Ex: contrato de fiança. A contratação de um cantor famoso para fazer um show. Negócios jurídicos impessoais são aqueles que não dependem de condições especiais, e podem ser executados por qualquer pessoa ou profissional da categoria ou objeto contratados. Bibliografia: 1. GAGLIANO, Pablo Stolze e PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo Curso de Direito Civil. Parte Geral. Vol I. SP: Saraiva, GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. Parte Geral. Vol I.14. ed. SP: Saraiva, TARTUCE, Flávio. Direito Civil. Lei de Introdução e Parte Geral. Vol.1. SP: Gen &Método.

Direito das Obrigações

Direito das Obrigações Direito das Obrigações Kauísa Carneiro ZANFOLIN RESUMO: Trata-se de obrigações das quais acarretam consequências jurídicas, são tratadas pela parte especial do Código Civil. Corresponde a uma relação de

Leia mais

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Textos, filmes e outros materiais. Tipo de aula. Semana

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Textos, filmes e outros materiais. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: DIREITO CONTRATUAL (CÓD. ENEX 60119) ETAPA: 4ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos, filmes

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais

Conteúdo: Negócio Jurídico: Elementos; Planos; Teoria das Nulidades.

Conteúdo: Negócio Jurídico: Elementos; Planos; Teoria das Nulidades. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 12 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Negócio Jurídico: Elementos; Planos; Teoria das Nulidades. 3. NEGÓCIO JURÍDICO: 3.4

Leia mais

AULA Partes a) Sujeito ativo (credor): titular do direito de receber o objeto obrigacional.

AULA Partes a) Sujeito ativo (credor): titular do direito de receber o objeto obrigacional. AULA 02 1. Conceito de Obrigações Caio Mário: o vínculo jurídico em virtude do qual uma pessoa pode exigir de outra prestação economicamente apreciável 1 Washington de Barros Monteiro: obrigação é a relação

Leia mais

As fontes obrigacionais do direito Brasileiro. Karen Karoline Lucas MUNHOZ 1

As fontes obrigacionais do direito Brasileiro. Karen Karoline Lucas MUNHOZ 1 As fontes obrigacionais do direito Brasileiro. Karen Karoline Lucas MUNHOZ 1 RESUMO: Declarações unilaterais de vontade derivadas da lei, que resultam em obrigações de dar e fazer. Palavras-chave: Fonte

Leia mais

Anderson Nogueira Oliveira Material de Aula Direito Civil IV Obrigações II Aula 2 e 3 (Cessão de Crédito e Débito)

Anderson Nogueira Oliveira Material de Aula Direito Civil IV Obrigações II Aula 2 e 3 (Cessão de Crédito e Débito) AULA 02 CESSÃO DE CRÉDITO CESSÃO DE CRÉDITO 1. Conceito Negócio jurídico bilateral ou sinalagmático, gratuito ou oneroso, pelo qual o credor, sujeito ativo de uma obrigação, transfere a outrem, no todo

Leia mais

AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS Profª Helisia Góes Direito Civil III Contratos Turmas 5ºDIV, 5º DIN-1 e 5º DIN-2 DATA: 24/09/09 (5º DIV) e 29/09/09 (5º DIN-1 e 5º DIN-2) CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/02 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO CIVIL III PROFESSORA: IVANA BONESI RODRIGUES LELLIS TURMA: 4º AM / BM

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 14 PERÍODO: 4 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL II NOME DO CURSO: DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 14 PERÍODO: 4 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 14 PERÍODO: 4 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL II NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Introdução

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 6) DAS PENALIDADES:

Leia mais

Objetivo da aula: Negócios jurídicos. ELEMENTOS ACIDENTAIS DO NEGÓCIO JURÍDICO PLANO DA EFICÁCIA DO NEGÓCIO JURÍDICO

Objetivo da aula: Negócios jurídicos. ELEMENTOS ACIDENTAIS DO NEGÓCIO JURÍDICO PLANO DA EFICÁCIA DO NEGÓCIO JURÍDICO AULA 05 PONTO: 05 Objetivo da aula: Negócios jurídicos. Tópico do plano de Ensino: Elementos dos negócios jurídicos. Classificação. Elementos acidentais: Condição, termo e encargo. Roteiro de aula ELEMENTOS

Leia mais

DEFEITOS OU VÍCIOS DO NEGÓCIO JURÍDICO VÍCIOS SOCIAIS

DEFEITOS OU VÍCIOS DO NEGÓCIO JURÍDICO VÍCIOS SOCIAIS DEFEITOS OU VÍCIOS DO NEGÓCIO JURÍDICO VÍCIOS SOCIAIS 1) Simulação. - CONCEITO: é uma declaração enganosa de vontade, visando produzir efeito diverso do indicado no negócio jurídico celebrado. Celebra-se

Leia mais

Aula 13 Da invalidade dos negócios jurídicos. Por Marcelo Câmara

Aula 13 Da invalidade dos negócios jurídicos. Por Marcelo Câmara Aula 13 Da invalidade dos negócios jurídicos. Por Marcelo Câmara Introdução: Sumário: Sumário: 1 Invalidade dos negócios jurídicos; 1.1 A teoria da inexistência jurídica. 1.2 Ineficácia e invalidade. 1.3

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Reconhecida pelo Decreto 79.090 de 04/01/1970

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Reconhecida pelo Decreto 79.090 de 04/01/1970 CURSO DE DIREITO 2º SEMESTRE 2013 PERÍODO: 4º DISCIPLINA: Direito Civil III - Teoria Geral dos Contratos e Responsabilidade Civil CARGA HORÁRIA TOTAL: 80 h/a. CRÉDITOS: 04 PROFESSORA: MÁRCIA PEREIRA COSTA

Leia mais

I DIR. PATRIMONIAIS E DIR. NÃO PATRIMONIAIS

I DIR. PATRIMONIAIS E DIR. NÃO PATRIMONIAIS I DIR. PATRIMONIAIS E DIR. NÃO PATRIMONIAIS NÃO PATRIMONIAIS DIREITO CIVI PATRIMONIAIS I DIR. PATRIMONIAIS E DIR. NÃO PATRIMONIAIS NÃO PATRIMONIAIS DIREITO CIVI OBRIGAÇÕES PATRIMONIAIS REAIS O conteúdo

Leia mais

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura:

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Data: 27/junho/2014 Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: 1. Segundo uma certa teoria do direito (Viehweg; Ferraz Jr) existem diferentes enfoques teóricos

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula.

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. PLANO DE CURSO DISCIPLINA: DIREITOS REAIS (CÓD. ENEX 60130) ETAPA: 6ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos, filmes

Leia mais

Quando um contrato é necessário?

Quando um contrato é necessário? Quando um contrato é necessário? Milhares de pessoas realizam acordos diariamente sem se preocuparem com as formalidades e exigências legais. É certo que, para ser válido, nem todo acordo precisa ser formalizado

Leia mais

Planejamento Tributário

Planejamento Tributário Planejamento Tributário rio Análise da Legitimidade Critérios rios Jurídicos Claudemir Rodrigues Malaquias claudemir.malaquias malaquias@carf.fazenda.gov.br 1 Sumário Contexto Patologias do Negócio Jurídico

Leia mais

PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO

PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Distinção entre Concessão e Permissão PONTO 2: Formas de Extinção da Concessão e Permissão 1. DISTINÇÃO ENTRE CONCESSÃO E PERMISSÃO 1.1 CONCESSÃO A concessão é um contrato

Leia mais

MATÉRIA: LEI Nº 8.429/92 PROFESSOR: EDGARD ANTONIO NÍVEL SUPERIOR

MATÉRIA: LEI Nº 8.429/92 PROFESSOR: EDGARD ANTONIO NÍVEL SUPERIOR MATÉRIA: LEI Nº 8.429/92 PROFESSOR: EDGARD ANTONIO NÍVEL SUPERIOR FCC/2008/TRF 5ª REGIÃO - ANALISTA JUDICIÁRIO: EXECUÇÃO DE MANDADOS 28) Segundo a Lei nº 8.429/92, permitir, facilitar ou concorrer para

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEÇÃOA CRIMINAL AÇÃO PENAL nº ACUSADO: JOAQUIM JOSE DOS SANTOS ALEXANDRE

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEÇÃOA CRIMINAL AÇÃO PENAL nº ACUSADO: JOAQUIM JOSE DOS SANTOS ALEXANDRE TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEÇÃOA CRIMINAL AÇÃO PENAL nº. 0034199-92.2013.8.19.0000 ACUSADO: JOAQUIM JOSE DOS SANTOS ALEXANDRE EMENTA: AÇÃO PENAL PORTE DE ARMA POLICIAL MILITAR INCREMENTO DO RISCO ATIPICIDADE

Leia mais

PLANO DE CURSO TEORIA DA NORMA E DO CRIME (CÓD.: ENEX 60112) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS:

PLANO DE CURSO TEORIA DA NORMA E DO CRIME (CÓD.: ENEX 60112) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: PLANO DE CURSO DISCIPLINA: TEORIA DA NORMA E DO CRIME (CÓD.: ENEX 60112) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DOLO BILATERAL E SUAS CONSEQÊNCIAS JURÍDICAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS AUTOR(ES):

Leia mais

Sumário. A responsabilidade penal da pessoa jurídica (artigo 3 ) Walter Claudius Rothenburg...55

Sumário. A responsabilidade penal da pessoa jurídica (artigo 3 ) Walter Claudius Rothenburg...55 Sumário Introdução - Ana Maria Moreira Marchesan e Silvia Cappe/li................13 1. Teoria geral do Direito Penal Ambiental............13 2. Fundamentos constitucionais da tutela penal do meio ambiente.........18

Leia mais

Cód. barras: STJ00095765 (2012)

Cód. barras: STJ00095765 (2012) Cód. barras: STJ00095765 (2012) CAPÍTULO 1 - LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO... 1 1.1. Lei de introdução às normas do direito brasileiro... 1 1.1.1. Considerações gerais... 1 1.1.2. Vigência

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NO ACIDENTE DE TRABALHO. LANA REZENDE DOS SANTOS FACULDADE ALFREDO NASSER

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NO ACIDENTE DE TRABALHO. LANA REZENDE DOS SANTOS FACULDADE ALFREDO NASSER RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NO ACIDENTE DE TRABALHO LANA REZENDE DOS SANTOS FACULDADE ALFREDO NASSER lanarezende27@gmail.com ANA CELUTA F. TAVEIRA Faculdade Alfredo Nasser Mestre em Direito e

Leia mais

DIMENSÕES DOS DANOS AMBIENTAIS, JURIDICIDADE E FORMAS DE REPARAÇÃO

DIMENSÕES DOS DANOS AMBIENTAIS, JURIDICIDADE E FORMAS DE REPARAÇÃO DIMENSÕES DOS DANOS AMBIENTAIS, JURIDICIDADE E FORMAS DE REPARAÇÃO Fernanda Luiza Fontoura de Medeiros Pesquisadora do CNPq Doutora em Direito (UFSC/Coimbra) Mestre em Direito (PUCRS) Professora Adjunta

Leia mais

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula Direito Previdenciário para o Concurso do INSS

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula 001-005 Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Fontes Hierarquia (ordem de graduação) Autonomia (entre os diversos ramos) Aplicação (conflitos entre

Leia mais

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Contrato individual de trabalho é o acordo, tácito ou expresso, correspondente à relação de emprego. Relação de emprego entre EMPREGADOR e EMPREGADO. DEFINIÇÃO LEGAL: O

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ESTUDOS Você merece se preparar com os melhores! Simulado 001 Lei 8429/92 Improbidade Administrativa PROFESSOR: LEANDRO PEREIRA Questões Comentadas 1. Dentre as possíveis sanções pela prática

Leia mais

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Direito Civil I - Parte Geral Código: DIR 165 Pré-Requisito: IED I Período Letivo: 2013.2 Professor:

Leia mais

Questões derivadas da MP 627

Questões derivadas da MP 627 III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF Questões derivadas da MP 627 Contabilidade e Direito: essência e forma Elidie Palma Bifano Tema do bloco: Questões derivadas da

Leia mais

IUS RESUMOS. Tributos e Competência Tributária. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Tributos e Competência Tributária. Organizado por: Samille Lima Alves Tributos e Tributária Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. TRIBUTOS E COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA... 3 1. Caracterizando o tributo... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Classificação dos tributos... 4 2 tributária...

Leia mais

a) Liberatória (art. 299 CC) o devedor originário está exonerado do vínculo obrigacional.

a) Liberatória (art. 299 CC) o devedor originário está exonerado do vínculo obrigacional. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 12 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: Obrigações: V - Transmissão das Obrigações: 2. Assunção de Dívida. Contratos: Teoria Geral

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS CONTRATOS

CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS CONTRATOS QTO AOS EFEITOS: unilaterais, bilaterais,plurilaterais; gratuitos ou onerosos; comutativos ou aleatórios QTO À FORMAÇÃO: paritários, de adesão; QTO AO MOMENTO DA EXECUÇÃO: de execução instantânea, diferida

Leia mais

COMPONENTE CURRICULAR: Fundamentos do Direito Privado CÓDIGO: ADM 160 PRÉ-REQUISITO: ---- PERÍODO LETIVO: PLANO DE CURSO

COMPONENTE CURRICULAR: Fundamentos do Direito Privado CÓDIGO: ADM 160 PRÉ-REQUISITO: ---- PERÍODO LETIVO: PLANO DE CURSO C U R S O D E A D M I N I S T R A Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 COMPONENTE CURRICULAR: Fundamentos do Direito Privado CÓDIGO: ADM 160 PRÉ-REQUISITO: ---- PERÍODO LETIVO:

Leia mais

TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO. Prof. Luis Fernando Alves

TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO. Prof. Luis Fernando Alves 1 TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO Prof. Luis Fernando Alves www.professorluisfernando.jur.adv.br 2 4. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO 4.1. PRINCÍPIOS DA NULLA EXECUTIO

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS Rafael Medeiros Antunes Ferreira 1

ASPECTOS GERAIS DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS Rafael Medeiros Antunes Ferreira 1 ASPECTOS GERAIS DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS Rafael Medeiros Antunes Ferreira 1 RESUMO: Este artigo discorre sobre os aspectos gerais dos negócios jurídicos, abordando seus elementos, algumas de suas principais

Leia mais

Classificação das Obrigações

Classificação das Obrigações DN DireitoNet Resumos Classificação das Obrigações Quanto ao objeto, seus elementos, de meio e de resultado, civis e naturais, puras e simples, condicionais, a termo e modais, de execução instantânea,

Leia mais

Aula 09 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

Aula 09 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS Turma e Ano: CAM MASTER B 2015 Matéria / Aula: Direito Civil Obrigações e Contratos Aula 9 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Mário Alexandre de Oliveira Ferreira Aula 09 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

Leia mais

FATOS, ATOS E NEGÓCIOS JURÍDICOS Resumo Prof. Lucas Siqueira

FATOS, ATOS E NEGÓCIOS JURÍDICOS Resumo Prof. Lucas Siqueira FATOS, ATOS E NEGÓCIOS JURÍDICOS Resumo Prof. Lucas Siqueira Fatos Jurídicos Natural ou stricto sensu: Ocorrem segundo a lei da causalidade natural, sem interferência da vontade humana. * ordinário * extraordinário

Leia mais

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar...

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar... SUMÁRIO Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

Avaliação do Desequilíbrio Econômico- Financeiro em Contratos de Construções

Avaliação do Desequilíbrio Econômico- Financeiro em Contratos de Construções Avaliação do Desequilíbrio Econômico- Financeiro em Contratos de Construções Equilíbrio Econômico-Financeiro Definição manutenção da relação estabelecida inicialmente pelas partes contratantes que deverá

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Breves Comentários sobre a Função Social dos Contratos Alessandro Meyer da Fonseca* O Código Civil, composto de uma parte geral e cinco partes especiais, estabelece as regras de

Leia mais

Os Acordos de Leniência e a quantificação de danos em face de cartéis

Os Acordos de Leniência e a quantificação de danos em face de cartéis Os Acordos de Leniência e a quantificação de danos em face de cartéis Acordo de Leniência A Lei Anticorrupção Empresarial instituiu a possibilidade de realização do chamado acordo de leniência com as pessoas

Leia mais

Objetivo da aula: Negócios jurídicos.

Objetivo da aula: Negócios jurídicos. AULA 02 PONTO: 02 Objetivo da aula: Negócios jurídicos. Tópico do plano de Ensino: Negócio jurídico. Conceito, classificação e interpretação (Elemento Volitivo) Roteiro de aula NEGÓCIO JURIDICO CONCEITO

Leia mais

Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro LINDB (decreto lei nº 4657/42)

Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro LINDB (decreto lei nº 4657/42) Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 02 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro

Leia mais

Uma visão sistêmica do Direito e a aplicação do art. 45 da Lei do Divórcio

Uma visão sistêmica do Direito e a aplicação do art. 45 da Lei do Divórcio Uma visão sistêmica do Direito e a aplicação do art. 45 da Lei do Divórcio Da opção pelo regime da comunhão universal ou por outro regime de bens para as 02 hipóteses excepcionais do art. 45 da Lei 6.515/77

Leia mais

PLANO DE CURSO 2012/1

PLANO DE CURSO 2012/1 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2012/1 DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO PROFESSOR: JOÃO CLAUDIO GONÇALVES LEAL TURMA: 5º ANO INTEGRAL

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Cargo de confiança 1) A determinação do empregador para que

Leia mais

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS O contrato social é o regulador das relações obrigacionais entre os sócios, alicerçada na Constituição Federal, nas leis e nos princípios gerais do Direito, sendo os

Leia mais

LIMINARES DE NATUREZA CAUTELAR Cautelar e Tutela Antecipada

LIMINARES DE NATUREZA CAUTELAR Cautelar e Tutela Antecipada LIMINARES DE NATUREZA CAUTELAR Cautelar e Tutela Antecipada o Semelhança advinda da sumariedade, medida cautelar e antecipação da tutela não se confundem. Distinguem as figuras no objetivo; a medida cautelar

Leia mais

Filosofia e Direito. Filosofia e Direito

Filosofia e Direito. Filosofia e Direito 2016-2 HORÁRIO DO 1º SEMESTRE 1ª Aula Humanidades em Direito Redação e Linguagem Jurídica Filosofia e Direito Ciência Política e Teoria do Estado Introdução ao Estudo do Direito 2ª Aula Humanidades em

Leia mais

TERMINAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

TERMINAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Aula 3 Terminação do Contrato de Trabalho Professora: Maria Inês Gerardo www.mariainesgerardo.com.br MARIA INÊS GERARDO Conteúdo Programático desta aula Causas de extinção do contrato de trabalho e os

Leia mais

- Identificar as características da norma, as fontes de Direito, sua vigência e hierarquia;

- Identificar as características da norma, as fontes de Direito, sua vigência e hierarquia; FUNDAMENTOS DO DIREITO [11111] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS A unidade curricular de Fundamentos do Direito visa fornecer aos alunos uma introdução ao conceito, problemas e método do Direito, construindo

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO 1 ART. 42 - VEDAÇÕES de 1º de maio a 31 de dezembro: Contrair obrigação de despesa, nos últimos 8 meses, que não possa ser cumprida (paga)

Leia mais

Aula 10 CLASSIFICANDO O CONTRATO DE DOAÇÃO SIMPLES UNILATERAL

Aula 10 CLASSIFICANDO O CONTRATO DE DOAÇÃO SIMPLES UNILATERAL Turma e Ano: CAM MASTER B 2015 Matéria / Aula: Direito Civil Obrigações e Contratos Aula 10 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Mário Alexandre de Oliveira Ferreira Aula 10 CLASSIFICANDO O CONTRATO

Leia mais

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. Conceito

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. Conceito Conceito CRÉDITO TRIBUTÁRIO O crédito tributário corresponde ao direito do Estado de exigir o tributo, ou melhor, de exigir o objeto da obrigação tributária principal do sujeito. Contribuição do crédito

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DIREITO AMBIENTAL Código da Disciplina: JUR 163 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 10º Faculdade responsável: FACULDADE DE DIREITO Programa em vigência

Leia mais

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público Diana Pinto e Pinheiro da Silva 1. Execução de Serviço Público Execução de serviço público Dificuldade de definição [...] o conceito de serviço público

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES Índice 1. Inadimplemento das Obrigações...4 1.1. Mora... 4 1.2. Das Perdas e Danos... 4 1.3. Juros moratórios ou juros

Leia mais

ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO

ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO Conceito de Ato Administrativo Ato administrativo é todo ato praticado no exercício da função administrativa.

Leia mais

Março/2011. Prof a. Mestre Helisia Góes

Março/2011. Prof a. Mestre Helisia Góes DIREITO CIVIL III - CONTRATOS TEORIA GERAL DOS CONTRATOS Extinção dos Contratos (Desfazimento da Relação Contratual) Março/2011 Prof a. Mestre Helisia Góes TRANSITORIEDADE CONTRATO EXTINÇÃO como toda obrigação,

Leia mais

1. TEORIA CONSTITUCIONALISTA DO DELITO FATO TÍPICO

1. TEORIA CONSTITUCIONALISTA DO DELITO FATO TÍPICO 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria Constitucionalista do Delito PONTO 2: Legítima Defesa PONTO 3: Exercício Regular de Direito PONTO 4: Estrito Cumprimento do Dever Legal 1. TEORIA CONSTITUCIONALISTA DO DELITO

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 20. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 20. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 20 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

DIREITO ADMINISTRATIVO IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA DIREITO ADMINISTRATIVO IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Atualizado em 04/11/2015 IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA A exigência de uma atuação moral se relaciona com o dever de probidade, ética e honestidade da Administração

Leia mais

DUPLICATA MERCANTIL. Partes: Com efeito, se alguém efetua a venda a prazo, pode emitir uma duplicata O vendedor será o adquirente. Natureza Jurídica:

DUPLICATA MERCANTIL. Partes: Com efeito, se alguém efetua a venda a prazo, pode emitir uma duplicata O vendedor será o adquirente. Natureza Jurídica: DUPLICATA MERCANTIL A DUPLICATA MERCANTIL É TITULO DE CRÉDITO CRIADO PELO DIREITO BRASILEIRO. A emissão da duplicata foi disciplina pela Lei 5474/68 O termo duplicata não pode ser interpretado ao Pé da

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães Matéria: Obrigações do empresário: O Regime Empresarial Registro: matrícula, arquivamento e autenticação Órgãos de Atuação: DNRC e Junta Comercial Escrituração:

Leia mais

INFORMAÇÃO. liberdade sindical (cfr. Art. 55º nº 2 al. d) da Constituição da República Portuguesa), concretizado no artigo

INFORMAÇÃO. liberdade sindical (cfr. Art. 55º nº 2 al. d) da Constituição da República Portuguesa), concretizado no artigo INFORMAÇÃO O Direito de reunião dos trabalhadores é uma concretização da garantia constitucionalmente imposta da liberdade sindical (cfr. Art. 55º nº 2 al. d) da Constituição da República Portuguesa),

Leia mais

Direito Civil. Invalidade do Negócio Jurídico. Professora Tatiana Marcello.

Direito Civil. Invalidade do Negócio Jurídico. Professora Tatiana Marcello. Direito Civil Invalidade do Negócio Jurídico Professora Tatiana Marcello www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Aula Civil XX LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 Institui o Código Civil. O PRESIDENTE

Leia mais

Captação ilícita de sufrágio

Captação ilícita de sufrágio Captação ilícita de sufrágio Captação ilícita de sufrágio, também conhecida como compra de voto, é o ato do candidato de doar, oferecer, prometer ou entregar ao eleitor, com o fim de conseguir votos, bens

Leia mais

1 Classificação das sociedades

1 Classificação das sociedades 1 Classificação das sociedades Qto à forma de exploração do objeto Qto à personificação Qto ao regime de constituição Qto à forma de constituição Qto à nacionalidade Qto ao capital Qto à responsabilidade

Leia mais

Tribunais Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Direito Civil Nilmar de Aquino

Tribunais Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Direito Civil Nilmar de Aquino Tribunais Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Direito Civil Nilmar de Aquino 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. Introdução Lei que regulamenta

Leia mais

SUMÁRIO 1. NOÇÕES PRELIMINARES

SUMÁRIO 1. NOÇÕES PRELIMINARES SUMÁRIO 1. NOÇÕES PRELIMINARES 1. Direitos de terceira geração 1.1 Introdução 1.2 Direitos difusos 1.3 Direitos coletivos stricto sensu 1.4 Direitos individuais homogêneos 2. Meio ambiente: definição e

Leia mais

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis AULA 5 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 5.1. Desconsideração da personalidade jurídica da empresa Em algumas situações, o patrimônio

Leia mais

Direito Tributário. Aula 09. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 09. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Direito Civil. Sucessão em Geral. Professora Alessandra Vieira.

Direito Civil. Sucessão em Geral. Professora Alessandra Vieira. Direito Civil Sucessão em Geral Professora Alessandra Vieira www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Aula Civil XX DO DIREITO SUCESSÓRIO Considerações Gerais: A abertura da sucessão se dá no exato instante

Leia mais

IUS RESUMOS. Aquisição da personalidade civil e os direitos do nascituro. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Aquisição da personalidade civil e os direitos do nascituro. Organizado por: Samille Lima Alves Aquisição da personalidade civil e os direitos do nascituro Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. AQUISIÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E OS DIREITOS DO NASCITURO... 3 1. Das pessoas como sujeitos

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL UNIP

ÉTICA PROFISSIONAL UNIP ÉTICA PROFISSIONAL UNIP Ética Profissional Atribuições Profissionais Responsabilidades dos Engenheiros Atribuições Profissionais As atribuições definem que tipo de atividades uma determinada categoria

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 15

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 15 I Noções Introdutórias ao Direito Civil... 19 1.1 Conceito de Direito... 19 1.2 Direito Objetivo e Subjetivo...22 1.3 Situações Subjetivas...27 1.4 Relação Jurídica...28 1.5 Direito

Leia mais

Sumário. Serviço Público e Administração Pública

Sumário. Serviço Público e Administração Pública Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública 1.1 Conceito 1.2 Objeto 1.3 Objetivo 1.4 Campo de Aplicação 1.5 Exercício Financeiro 1.6 Regime Orçamentário e Regime Contábil 1.6.1 Regime de Caixa 1.6.2 Regime

Leia mais

1) Com relação aos Atos do Escrivão ou do Chefe de Secretaria é INCORRETO afirmar que :

1) Com relação aos Atos do Escrivão ou do Chefe de Secretaria é INCORRETO afirmar que : 1 1) Com relação aos Atos do Escrivão ou do Chefe de Secretaria é INCORRETO afirmar que : a) Os atos e termos do processo serão datilografados ou escritos com tinta escura indelével, assinado-os as pessoas

Leia mais

NORMAS DE CONTROLE DA ELUSÃO FISCAL

NORMAS DE CONTROLE DA ELUSÃO FISCAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO João de Deus Moreira Calheiros Júnior NORMAS DE CONTROLE DA ELUSÃO FISCAL Orientador: Prof. Dr. Raymundo Juliano

Leia mais

SUMÁRIO I TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL

SUMÁRIO I TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL SUMÁRIO I TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL CAPÍTULO 1 DIREITO PENAL: NOÇÕES INTRODUTÓRIAS PARTE 1 Noções introdutórias 1 PARTE 2 Noções introdutórias 2 PARTE 3 Noções introdutórias 3 CAPÍTULO 2 PRINCÍPIOS

Leia mais

INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES DISPOSIÇÕES GERAIS

INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES DISPOSIÇÕES GERAIS INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES DISPOSIÇÕES GERAIS Fundamentação: Art. 389 a 393. Do Código Civil 1 Motivos do Inadimplemento: a) Inadimplemento Decorrente de Ato de Culposo do Devedor: Neste caso, a palavra

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 62/XIII

PROJETO DE LEI N.º 62/XIII PROJETO DE LEI N.º 62/XIII 41ª ALTERAÇÃO AO CÓDIGO PENAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 400/82, DE 23 DE SETEMBRO, CRIMINALIZANDO UM CONJUNTO DE CONDUTAS QUE ATENTAM CONTRA OS DIREITOS FUNDAMENTAIS DOS

Leia mais

É preciso diferenciar a natureza jurídica da antecipação de tutela da decisão de antecipação de tutela, não sendo expressões sinônimas.

É preciso diferenciar a natureza jurídica da antecipação de tutela da decisão de antecipação de tutela, não sendo expressões sinônimas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 24 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Antecipação de Tutela: Efetividade, Momento do Requerimento; Revogação e Modificação; Fungibilidade;

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas (Aula 3) Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Alteração do contrato 1. Complete a frase: A mudança

Leia mais

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( )

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( ) Introdução À Ética e a Moral A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal(1623-1662) Ética ou Filosofia Moral: Parte da filosofia que se ocupa com a reflexão a respeito das noções e princípios que fundamentam

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Ato Administrativo Clovis Feitosa

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Ato Administrativo Clovis Feitosa Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Ato Administrativo Clovis Feitosa 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. (CESPE - 2013 - TRE-MS - Técnico Judiciário

Leia mais

Prefeitura do Município de Tejupá CNPJ /

Prefeitura do Município de Tejupá CNPJ / CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2016 EDITAL DE ERRATA Nº 07/2016 Valdomiro José Mota, Prefeito Municipal de Tejupá, Estado de São Paulo, torna público na forma prevista no artigo 37 da Constituição Federal, o Edital

Leia mais

Relação de Emprego. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Relação de Emprego. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Relação de Emprego Relação de Emprego e Relação de Trabalho Alguns têm dificuldades em diferenciar as expressões "relação de emprego" e "relação de trabalho, empregando-as, em alguns momentos, como sinônimos.

Leia mais

AULÃO AO VIVO PC-GO. Prof. Rodrigo Cardoso

AULÃO AO VIVO PC-GO. Prof. Rodrigo Cardoso AULÃO AO VIVO PC-GO Prof. Rodrigo Cardoso 1 (CESPE 2016/PC-PE/AGENTE DE POLÍCIA) Considerando as fontes do direito administrativo como sendo aquelas regras ou aqueles comportamentos que provocam o surgimento

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO (1. ANO)

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO (1. ANO) FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE MACAU CURSO DE LICENCIATURA EM DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA ANO LECTIVO DE 2011/2012 PROGRAMA DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO AO DIREITO (1. ANO) DISCIPLINA ANUAL CARGA

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

INFRAÇÕES TRIBUTÁRIAS

INFRAÇÕES TRIBUTÁRIAS INFRAÇÕES TRIBUTÁRIAS Infrações objetivas subjetivas dolo culpa INFRAÇÕES TRIBUTÁRIAS Infrações objetivas desconsidera-se a culpabilidade do infrator compete provar Fazenda Pública existência da materialidade

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, xiii

SUMÁRIO. Apresentação, xiii SUMÁRIO Apresentação, xiii 1 A Contabilidade e a Gestão Tributária, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Os objetivos da atividade de gestão tributária, 1 1.3 Características profissionais exigidas para o cargo de

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. OBJETIVOS GERAIS: Caracterizar o Direito Civil em seus elementos básicos, modalidades, atos, inter-relações e implicações.

PROGRAMA DE DISCIPLINA. OBJETIVOS GERAIS: Caracterizar o Direito Civil em seus elementos básicos, modalidades, atos, inter-relações e implicações. PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DIREITO CIVIL I Código da Disciplina: JUR 326 Curso: DIREITO Semestre de Oferta da Disciplina: 2º Faculdade Responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de: 2015

Leia mais