BI-RADS 30/05/2016 BIÓPSIAS MAMÁRIAS RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BI-RADS 30/05/2016 BIÓPSIAS MAMÁRIAS RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO"

Transcrição

1 BIÓPSIAS MAMÁRIAS Simone Elias Professora Afiliada Coordenadora da Unidade Clínica e Diagnóstica Disciplina de Mastologia Departamento de Ginecologia RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO BI-RADS MAMOGRAFIA PERIÓDICA (CONTROLE DE QUALIDADE / IMAGEM & LAUDO) ACHADOS INCONCLUSIVOS CATEGORIA MALIGNIDADE RECOMENDAÇÃO 0 indeterminada estudo adicional 1 0% rotina 2 0% rotina 3 < 2% intervalo menor 4A 2% e < 10% biópsia 4B 10% e < 50% biópsia 4C 50% e <95% biópsia 5 95% biópsia 6 confirmada cirurgia, se indicado US MAMAS 1

2 BI-RADS 2 (achados benignos) BI-RADS 2 (achados benignos) LEITE DE CÁLCIO REDONDA DISTRÓFICA SUTURA HALO OU ANEL BASTONETE BI-RADS 2 (achados benignos) BI-RADS 3 (achados provavelmente benignos ) 2

3 BI-RADS 3 lesões provavelmente benignas ACHADOS MAMOGRÁFICOS EM LNP E 17 CÂNCERES DETECTADOS BI-RADS 3 lesões provavelmente benignas ACHADOS MAMOGRÁFICOS EM 535 E 9 CÂNCERES DETECTADOS L O C A L MC REDONDAS (38,8 %) 01 ( 0,1%) NÓDULO 589 (18,5%) 12 (2 %) ASSIMETRIA 448 (14,1%) 02 (0,4 %) MISCELÂNEA 41 (1,3 %) 0 (0%) ACHADO N (535) POSITIVO (9) NC ISOLADO 289 (54%) 4 (1,4%) NC MÚLTIPLOS 76 (14%) 0 NC COM MC 12(2%) 0 VPP 0,5% D I F U S A MC AGRUPADAS 97 (3,0%) 0 (0%) MC DIFUSA 522 (16,4 %) 1 (0,2 %) NÓDULO 253 (7,9%) 1 (0,4 %) Obs.: 3-3,5 anos / 17 FN (VPP 0,5%) /EC 0 ou I = 5 anos Sickles, EA. Radiology, 1991 MICROCALCIFICAÇÕES 104 (19%) 4 (3,8%) ASSIMETRIA 54 (10%) 1 (1,9%) VPP 0,47% Varas X, LeborgneF, LeborgneJ. Radiology, 1992 BI-RADS 3 lesões provavelmente benignas (<2 %) BI-RADS 3 lesões provavelmente benignas VPP MICROCALCIFICAÇÕES 0,4 % LESÕES CIRCUNSCRITAS 1,2 % ASSIMETRIAS 0,2 % SEGUIMENTO MAMOGRÁFICO / USG: pouca chance de malignidade controle radiológico precoce identifica a progressão cânceres considerados LPB - prognóstico favorável 3

4 BI-RADS 3 lesões provavelmente benignas PROTOCOLOS DE SEGUIMENTO REPETIR A MAMOGRAFIA / USG EM 6 MESES USAR COMPLEMENTOS NECESSÁRIOS MAMOGRAFIA BILATERAL 2 A 3 ANOS ESTABILIDADE BIRADS 2 PROGRESSÃO DA LESÃO ( CRESCIMENTO, AUMENTO DE NÚMERO, ÁREA ) É INDICATIVO DE INVESTIGAÇÃO NÓDULO NÃO-CALCIFICADO DE FORMA OVAL OU LOBULADA COM MARGENS CIRCUNSCRITAS (75%) CRITÉRIOS ECOGRÁFICOS DE BENIGNIDADE hiperecogenicidade forma elipsóide < 3 lobulações cápsula ecogênica Ø malignidade CALCIFICAÇÕES AGRUPADAS REDONDAS E/OU OVAIS 4

5 BI-RADS 3 lesões provavelmente benignas BI-RADS O SEGUIMENTO NÃO DEVE SER UTILIZADO COMO SUBSTITUTO DE ESTUDOS ADICIONAIS LESÕES ELEGÍVEIS PARA O SEGUIMENTO ASSIMETRIA COMPRESSÃO / US CALCIFICAÇÕES AGRUPADAS AMPLIAÇÃO NÓDULOS ULTRASSONOGRAFIA CATEGORIA MALIGNIDADE RECOMENDAÇÃO 1 0% rotina 2 0% rotina 3 < 2% intervalo menor 4A 2% e < 10% biópsia 4B 10% e < 50% biópsia 4C 50% e <95% biópsia 5 95% biópsia 6 confirmada conduta adequada EXAMES PRÉVIOS RASTREAMENTO ORGANIZADO DO CÂNCER DE MAMA BIÓPSIAS MAMÁRIAS PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS NÃO-CIRÚRGICOS ACHADOS BENIGNOS Qual a dúvida a ser respondida? É o melhor método de biópsia para o caso? O resultado negativo irá prescindir uma cirurgia? ACHADOS INCONCLUSIVOS MAMOGRAFIA PERIÓDICA (CONTROLE DE QUALIDADE / IMAGEM & LAUDO) TRATAMENTO ADEQUADO O resultado poderá auxiliar na estratégia do tratamento? A paciente foi esclarecida sobre o risco de subestimação diagnóstica? É o menos invasivo? ACHADOS SUSPEITOS BIÓPSIA DIAGNÓSTICO RÁPIDO É o de menor custo? US MAMAS 5

6 BI-RADS 4 or 5 (achados suspeitos) BI-RADS 4/5 (achados suspeitos) PROCEDIMENTO INVASIVO PAAF BIÓPSIA À VÁCUO CALCIFICAÇÕES NÓDULOS CORE BIÓPSIA BI-RADS 4 or 5 (achados suspeitos) BIÓPSIA GUIADA CALCIFICAÇÕES MAMOGRAFIA (ESTEREOTAXIA) X ULTRASSONOGRAFIA 6

7 BIÓPSIA GUIADA POR ESTEREOTAXIA TIPO CORE BIÓPSIA GUIADA POR ESTEREOTAXIA TIPO CORE BIÓPSIA GUIADA POR ESTEREOTAXIA TIPO VÁCUO 7

8 BIÓPSIA GUIADA POR ESTEREOTAXIA TIPO VÁCUO 8

9 MELHOR INDICAÇÃO DE CALCIFICAÇÕES AGRUPADAS SUSPEITAS BIÓPSIA À VÁCUO 9

10 CORE VÁCUO BIÓPSIA GUIADA POR ULTRASSONOGRAFIA TIPO CORE EVIDENTES, SUSPEITAS E EXTENSAS TÊNUES, MENOS SUSPEITAS E AGRUPADAS MELHOR INDICAÇÃO DE NÓDULOS SUSPEITOS CORE BIÓPSIA GUIADA POR US LIMITE DE TAMANHO DE LESÃO PARA CORE? 10

11 PUNÇÃO ASPIRATIVA COM AGULHA FINA CISTOS SIMPLES SINTOMÁTICOS NÓDULOS SUSPEITOS 11

12 PAAF - LPB PAAF - LSuspeitas ALGORITMO DO MANEJO DAS LESÕES IMPALPÁVEIS DA MAMA AGULHAS DE BIÓPSIA DE FRAGMENTO MMG / USG BI-RADS 4/5 MC AGRUPADA < 2CM = VÁCUO/RX MC EXTENSA = CORE/RX NÓDULOS = CORE/US PROCEDIMENTO INVASIVO MMG / US BENIGNO MALIGNO CA IN SITU ATIPIA INSATISFATÓRIO DISCORDÂNCIA CONTROLE CIRURGIA BIÓPSIA CIRÚRGICA 12

13 AGULHAS DE BIÓPSIA À VÁCUO FDA warns reprocessing of reusable biopsy instruments risks contamination FDA PUBLIC HEALTH NOTIFICATION: REPROCESSING OF REUSABLE ULTRASOUND TRANSDUCER ASSEMBLIES USED FOR BIOPSY PROCEDURES Issued: June 19, 2006 Dear Colleagues: This is to alert you to the importance of properly cleaning and sterilizing reusable ultrasound biopsy transducer assemblies(i.e., transducer device and associated accessories), and to provide recommendations for doing so. If these devices are not correctly reprocessed between patients, residual material from a previous patient may contaminate the biopsy needle and needle guide when the system is reused for biopsies. This could lead to patient infections. REPROCESSAMENTO 13

14 PORTAL DA ANVISA RISCOS DO REPROCESSAMENTO PERGUNTA Gostaria de um parecer sobre a reutilização e reesterilização de agulhas de biópsia, visto que a mesma é de custo elevado (aproximadamente 50,00 a unidade) e o SUS não custeia. RESPOSTA Em primeiro lugar nós precisamos seguir a legislação vigente sobre reprocessamento. As portaria 03 e 04 avaliam o risco quando reprocessamos um material. De acordo com essas legislações, nenhuma agulha com componente plástico pode ser reprocessada. Se seu caso se enquadra nesta orientação, por favor, não reprocesse. risco biológico risco de acidente (partes plásticas) diminuição da acurácia (corte) risco jurídico BIÓPSIAS MAMÁRIAS One stop clinic Institute Gustave Roussy, Paris PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS NÃO-CIRÚRGICOS Journée Diagnostique Qual a dúvida a ser respondida? É o melhor método de biópsia para o caso? O resultado negativo irá evitar uma cirurgia? A paciente foi esclarecida sobre o risco de subestimação diagnóstica? É o menos invasivo? É o de menor custo? One appointment for diagnosis May,

15 One day Princess Margaret Hospital Toronto Single Day Consults Johns Hopkins Breast Center Baltimore/EUA Gatusso Rapid Diagnosis Center ONE DAY Women referred to the clinic by their family doctor can have a physical examination, mammography, ultrasound, even a biopsy of the tissue and results, all within a day At Johns Hopkins, diagnostic evaluation results are known the same day. Biopsy, may also be done on the same day with results being available h. Conference call May, 2011 Sep/2013 MASTOLOGIA / UNIFESP Obrigada! 15

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Hospital São Lucas SERVIÇO DE CIRURGIA TORÁCICA José Antônio de Figueiredo Pinto DEFINIÇÃO Lesão arredondada, menor que 3.0 cm

Leia mais

Imagiologia Mamária. Manuela Gonçalo. Director: Prof. Doutor F. Caseiro Alves. Serviço de Radiologia HUC

Imagiologia Mamária. Manuela Gonçalo. Director: Prof. Doutor F. Caseiro Alves. Serviço de Radiologia HUC Imagiologia Mamária Manuela Gonçalo Serviço de Radiologia HUC Director: Prof. Doutor F. Caseiro Alves Imagiologia Mamografia (M. Digital) (referência) Diagnóstico Rastreio Ecografia R.M. Galactografia

Leia mais

GINCANA DE ULTRASSOM. Ana Cláudia Mendes Rodrigues Radiologista Rio de Janeiro

GINCANA DE ULTRASSOM. Ana Cláudia Mendes Rodrigues Radiologista Rio de Janeiro GINCANA DE ULTRASSOM Ana Cláudia Mendes Rodrigues Radiologista Rio de Janeiro 52 anos; assintomática Complemento de mamografia ( resultado ainda não estava pronto no dia do USG ) 40 anos; complemento de

Leia mais

DIAGNOSTICOS INVASIVOS EM MAMA

DIAGNOSTICOS INVASIVOS EM MAMA 74 Encontro do Clube de Radiologia do Clube do Interior do Parana Pato Branco, 18 e 19 de Agosto de 2012 PROCEDIMENTOS DIAGNOSTICOS INVASIVOS EM MAMA Lucio De Carli Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS

Leia mais

A utilização do mamótomo melhora a relação custo efetividade no diagnóstico das lesões de mama?

A utilização do mamótomo melhora a relação custo efetividade no diagnóstico das lesões de mama? Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 008/03 Tema: Mamótomo I Data: 18/08/03 II Grupo de Estudo: Adolfo Orsi Parenzi Clemilda Alvarenga Coelho Elen Cristina Queiroz Rezende Pinto Lélia Maria de

Leia mais

USO ADEQUADO DA CATEGORIA 3 EM MAMOGRAFIA, ULTRASSONOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EDWARD A. SICKLES

USO ADEQUADO DA CATEGORIA 3 EM MAMOGRAFIA, ULTRASSONOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EDWARD A. SICKLES USO ADEQUADO DA CATEGORIA 3 EM MAMOGRAFIA, ULTRASSONOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EDWARD A. SICKLES A CATEGORIA 3 FOI CRIADA PARA SITUAÇÕES ESPECÍFICAS DE LESÕES QUE APRESENTAM MENOS QUE 2% DE CHANCE

Leia mais

A classificação TI-RADS é realmente útil?

A classificação TI-RADS é realmente útil? A classificação TI-RADS é realmente útil? Tulio A. A. Macedo Professor Adjunto de Radiologia Univ. Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia TI-RADS Histórico Necessidade de padronização

Leia mais

Protocolo de Regulação de Acesso para Biópsia e PAAF Guiados por Ultrassonografia versão 2012

Protocolo de Regulação de Acesso para Biópsia e PAAF Guiados por Ultrassonografia versão 2012 Protocolo de Regulação de Acesso para Biópsia e PAAF Guiados por Ultrassonografia versão 2012 Elaboração: Dr Luis Pracchia Coordenador do Programa Oncologia Paulistana do Núcleo de Políticas Estratégicas

Leia mais

É um nódulo pulmonar?

É um nódulo pulmonar? Avaliação dos Pequenos Nódulos Pulmonares Alexandre Dias Mançano Radiologia Anchieta Hospital Regional de Taguatinga DF É um nódulo pulmonar? Até 20% são imagens que mimetizam nódulos ao RX Fratura de

Leia mais

ROTINAS DE MASTOLOGIA

ROTINAS DE MASTOLOGIA ROTINAS DE MASTOLOGIA I. ATENDIMENTO AMBULATORIAL: 1) Anamnese 2) Exame físico das mamas: Descrição obrigatória dos tópicos constantes da ficha padronizada: - inspeção estática e dinâmica, palpação das

Leia mais

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL PARA CARCINOMA MAMÁRIO ATRAVÉS DE MAMOGRAFIA CONTRASTADA

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL PARA CARCINOMA MAMÁRIO ATRAVÉS DE MAMOGRAFIA CONTRASTADA TÍTULO: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL PARA CARCINOMA MAMÁRIO ATRAVÉS DE MAMOGRAFIA CONTRASTADA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Lesões simuladoras de malignidade na RM

Lesões simuladoras de malignidade na RM Objetivo Lesões simuladoras de malignidade na RM Fabiola Procaci Kestelman Através da discussão de casos avaliar causas frequentes de lesões simuladoras de malignidade na RM Tipo de mama Qualidade do exame

Leia mais

US + Elastografia+ Doppler: funcionam no rastreamento?

US + Elastografia+ Doppler: funcionam no rastreamento? OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Encontrar lesões malignas não detectadas no rastreamento mamográfico em pacientes assintomáticas US + Elastografia+ Doppler: funcionam no rastreamento?

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM (BI-RADS ): COMO TEM SIDO UTILIZADO?*

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM (BI-RADS ): COMO TEM SIDO UTILIZADO?* Artigo Original Godinho ER, Koch HA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM (BI-RADS ): COMO TEM SIDO UTILIZADO?* Eduardo Rodrigues Godinho 1, Hilton Augusto Koch 2 Resumo Abstract O Breast Imaging Reporting

Leia mais

Nódulos Tireoideanos. Narriane Chaves P. Holanda, E2 Endocrinologia HAM Orientador: Dr. Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE

Nódulos Tireoideanos. Narriane Chaves P. Holanda, E2 Endocrinologia HAM Orientador: Dr. Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Nódulos Tireoideanos Narriane Chaves P. Holanda, E2 Endocrinologia HAM Orientador: Dr. Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Nódulos Tireoideanos Introdução Revised American Thyroid Association Management

Leia mais

30/05/2016. Como solucionar dúvidas na mamografia. Como melhorar? - Controle de Qualidade - Experiência. Dicas Úteis

30/05/2016. Como solucionar dúvidas na mamografia. Como melhorar? - Controle de Qualidade - Experiência. Dicas Úteis Como solucionar dúvidas na mamografia Como solucionar dúvidas na mamografia : como melhorar a mamografia ou que método é mais adequado para qual tipo de achado? Como melhorar? - Controle de Qualidade -

Leia mais

Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso?

Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso? Abordagem diagnóstica de um nódulo hepático o que o cirurgião deve saber? Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso? Maria Fernanda Arruda Almeida Radiologia

Leia mais

Discussão de casos clínicos

Discussão de casos clínicos Discussão de casos clínicos Apresentadora: Alessandra Borba Moderador: Felipe Zerwes Participantes: Felipe Luzzatto (RS), Vilmar Marques de Oliveira (SP), José L. Pedrini (RS), Alessandra Morelle (RS),

Leia mais

Nódulos e massas pulmonares

Nódulos e massas pulmonares Nódulos e massas pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP A) Nódulo pulmonar solitário 1 Definição O nódulo pulmonar solitário (NPS)

Leia mais

Nódulos da tireóide. Nilza Scalissi. Departamento de Medicina Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

Nódulos da tireóide. Nilza Scalissi. Departamento de Medicina Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo ENDOCRINOLOGIA & METABOLOGIA Santa Casa -SP Nódulos da tireóide Departamento de Medicina Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo Nilza Scalissi Bócio Nodular Necrópsia-14.6% nódulos múltiplos

Leia mais

em biópsias mamárias INTRODUÇÃO

em biópsias mamárias INTRODUÇÃO VPP das ARTIGO categorias ORIGIAL, e ORIGIAL do ARTICLE em biópsias mamárias Valores preditivos positivos das categorias, e do Breast Imaging Reporting and Data System ( ) em lesões mamárias submetidas

Leia mais

Está indicada no diagnóstico etiológico do hipotireoidismo congênito.

Está indicada no diagnóstico etiológico do hipotireoidismo congênito. 108 Tireoide Debora L. Seguro Danilovic, Rosalinda Y Camargo, Suemi Marui 1. ULTRASSONOGRAFIA O melhor método de imagem para avaliação da glândula tireoide é a ultrassonografia. Ela está indicada para

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Manejo das lesões mamárias impalpáveis

Manejo das lesões mamárias impalpáveis ARTIGO ESPECIAL Rodrigo Cericatto 1, Carlos H. Menke, Jorge V. Biazús 1, Nilton L. Xavier 1, José A. Cavalheiro 1, Ana C. Bittelbrunn 1, Eliane G. Rabin 1 Neste artigo são abordadas as lesões mamárias

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Hemangioma Típico Prevalência: 1 a 20%. F: M até 5:1 Assintomático. Hiperecogênico bem definido

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Punção Aspirativa com Agulha Fina Guiada por Ultrassonografia Endoscópica PAAF-USE primeira linha suspeita de neoplasia do pâncreas

Punção Aspirativa com Agulha Fina Guiada por Ultrassonografia Endoscópica PAAF-USE primeira linha suspeita de neoplasia do pâncreas A Punção Aspirativa com Agulha Fina Guiada por Ultrassonografia Endoscópica (PAAF-USE) é utilizada para estudo de lesões pancreáticas Complementa a caracterização imagiológica Método de primeira linha

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE lesões de tireóide, citologia, ultrassonografia, epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE lesões de tireóide, citologia, ultrassonografia, epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Rastreamento para Câncer de Pulmão

Rastreamento para Câncer de Pulmão Rastreamento para Câncer de Pulmão Rosana S Rodrigues Coordenadora de Pesquisa - Área de Imagem ID Or Médica Radiologista Hospital Copa D Or e HUCFF/UFRJ Rastreamento anual por TC de baixa dose (LDCT)

Leia mais

PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES SUBMETIDAS A CORE BIOPSY EM CUIABÁ - MT

PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES SUBMETIDAS A CORE BIOPSY EM CUIABÁ - MT Vol.16,n.1,pp.39-43 (Out - Dez 2013) Revista UNINGÁ Review PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES SUBMETIDAS A CORE BIOPSY EM CUIABÁ - MT PREVALENCE OF THE BREAST CANCER IN SUBMITTED WOMEN HER IT "CORE

Leia mais

05/03/ /2015. Equipe NATS, Bom dia!

05/03/ /2015. Equipe NATS, Bom dia! 05/03/2015 03/2015 Biópsia de nódulo tireoidiano SOLICITANTE : Juíza Cláudia Helena Batista, da 3ª Unidade Jurisdicional do Juizado Especial de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO: 9013419.97.2015.813.0024

Leia mais

Utilização da ultrassonografia para o seguimento de lesões mamárias benignas avaliadas por citopatologia

Utilização da ultrassonografia para o seguimento de lesões mamárias benignas avaliadas por citopatologia DOI: 10.5327/Z201500040003RBM ARTIGO ORIGINAL Utilização da ultrassonografia para o seguimento de lesões mamárias benignas avaliadas por citopatologia The use of ultrasonography for follow-up of benign

Leia mais

Análise da utilização de oferta de vagas para investigação diagnóstica do câncer de mama no município do Rio de Janeiro

Análise da utilização de oferta de vagas para investigação diagnóstica do câncer de mama no município do Rio de Janeiro Análise da utilização de oferta de vagas para investigação diagnóstica do câncer de mama no município do Rio de Janeiro Analysis of the use of vacancies for the diagnostic investigation of breast cancer

Leia mais

Quais as características propostas pelo BIRADS-US que melhor diferenciam nódulos malignos dos benignos?

Quais as características propostas pelo BIRADS-US que melhor diferenciam nódulos malignos dos benignos? EDUARDO CARVALHO PESSOA 1 JOSE RICARDO PACIÊNCIA RODRIGUES 2 CARLA PRISCILA KAMIYA 1 JOSÉ MORCELI 3 JOSÉ JOAQUIM GOMES NABUCO 4 HELOISA MARIA DE LUCA VESPOLI 2 GILBERTO UEMURA 2 Quais as características

Leia mais

ELASTOGRAFIA MAMÁRIA

ELASTOGRAFIA MAMÁRIA ELASTOGRAFIA MAMÁRIA ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA VANTAGENS Aumenta a detecção do câncer de mama (especialmente em mulheres de alto risco com mamas densas) DESVANTAGENS O câncer pode não ser detectado no ultrassom

Leia mais

NÓDULO DA TIREÓIDE CONDUTA CIRÚRGICA. Prof. Francisco Monteiro

NÓDULO DA TIREÓIDE CONDUTA CIRÚRGICA. Prof. Francisco Monteiro NÓDULO DA TIREÓIDE CONDUTA CIRÚRGICA Prof. Francisco Monteiro CIRURGIA DA TIREÓIDE (HISTÓRICO) Somente o homem que é familiar com a arte e a ciência do passado é competente para ajudar no seu progresso

Leia mais

SINDROME DE LI-FRAUMENI. Maria Isabel Waddington Achatz Diretora do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center

SINDROME DE LI-FRAUMENI. Maria Isabel Waddington Achatz Diretora do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center SINDROME DE LI-FRAUMENI Maria Isabel Waddington Achatz Diretora do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center Família Y0012 Câncer de mama bilateral Y0012T023: Feminino, 29 anos,

Leia mais

ALCANÇOU OBJETIVO 2 PARCIALMENTE,

ALCANÇOU OBJETIVO 2 PARCIALMENTE, PROVA PRÁTICA: GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA ESTAÇÃO: 07 A recorrente alega que no comando da estação solicita-se explicar o significado de BI-RADS 3, chance da lesão evoluir para câncer e em quanto tempo

Leia mais

HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL

HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL Correlação imaginológica e histopatológica das lesões mamárias em pacientes que se submeteram a procedimento cirúrgico no Hospital do Servidor Público Municipal MARCELO

Leia mais

INSTITUCIONAL HISTÓRIA

INSTITUCIONAL HISTÓRIA 2011 INSTITUCIONAL HISTÓRIA O Centro de Diagnóstico do Câncer foi fundado em 1998 e está localizado na cidade de João Pessoa, sendo considerado uma referência estadual para a detecção precoce do câncer

Leia mais

Roseli Regina Freire Marconato

Roseli Regina Freire Marconato Roseli Regina Freire Marconato AVALIAÇÃO DOS MUTIRÕES DE MAMOGRAFIA REALIZADOS NA REGIÃO DA DIREÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DE MARÍLIA NOS ANOS DE 2005 E 2006 Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

Qualidade da interpretação do diagnóstico mamográfico*

Qualidade da interpretação do diagnóstico mamográfico* Artigo Original Original Article Qualidade da interpretação do diagnóstico mamográfico Qualidade da interpretação do diagnóstico mamográfico* Quality of the interpretation of diagnostic mammographic images

Leia mais

Ministério da Saúde, Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Rio de Janeiro-RJ, Brasil 2

Ministério da Saúde, Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Rio de Janeiro-RJ, Brasil 2 Artigo original Avaliação das ações de detecção precoce do câncer de mama no Brasil por meio de indicadores de processo: estudo descritivo com dados do Sismama, 2010-2011 doi: 10.5123/S1679-49742017000100007

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: MASTOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO

O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO DRA MARINA PORTIOLLI HOFFMANN DRA MARIA HELENA LOUVEIRA DR GUILBERTO MINGUETTI INTRODUÇÃO: O câncer de mama associado a gestação

Leia mais

Estudo Prospectivo das Características Sonográficas no Diagnóstico de Nódulos Sólidos da Mama

Estudo Prospectivo das Características Sonográficas no Diagnóstico de Nódulos Sólidos da Mama RBGO 24 (3): 95-99, 2002 Estudo Prospectivo das Características Sonográficas no Diagnóstico de Nódulos Sólidos da Mama Trabalhos Originais Prospective Study of The Ultrasound Features in the Diagnosis

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

Punção Aspirativa por Agulha Fina Orientada por Ultra-Sonografia

Punção Aspirativa por Agulha Fina Orientada por Ultra-Sonografia RBGO 3 (5): 3-37, 00 Punção Aspirativa por Agulha Fina Orientada por Ultra-Sonografia em Lesões Não-palpáveis Trabalhos Originais Fine Needle Aspiration Cytology Guided by Ultrasound in Nonpalpable Lesions

Leia mais

Reunião GETH. Abril.2014

Reunião GETH. Abril.2014 Reunião GETH Abril.2014 Caso 1 Dr Sérgio Mancini Nicolau Caso I: Sexo feminino, 40 anos, casada, administradora História da Doença Atual: 2013 - Paciente sem queixas específicas, conta que irmã teve diagnóstico

Leia mais

FALSO NEGATIVO NA RESSONÂNCIA DE MAMA:

FALSO NEGATIVO NA RESSONÂNCIA DE MAMA: FALSO NEGATIVO NA RESSONÂNCIA DE MAMA: causas e como reduzí-los Linei Urban Clínica DAPI, Curitiba, Brasil Linei A B D Urban Coordenadora da Comissão de Mama do Colégio Brasileiro de Radiologia Coordenadora

Leia mais

Análise crítica e estimativa dos valores preditivos positivos das calcificações de aspecto mamográfico não benigno

Análise crítica e estimativa dos valores preditivos positivos das calcificações de aspecto mamográfico não benigno MARÍLIA CHAVES VIEIRA DE CAMPOS Análise crítica e estimativa dos valores preditivos positivos das calcificações de aspecto mamográfico não benigno Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

Mastologia. caderno do Programa

Mastologia. caderno do Programa RESIDÊNCIA Médica Mastologia caderno do Programa RESIDÊNCIA RESIDÊNCIA Médica Mastologia caderno do programa Autores: Alfredo Carlos S. D. de Barros Felipe Eduardo Martins de Andrade Danubia A. Andrade

Leia mais

Vigilância ativa em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia

Vigilância ativa em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Vigilância ativa em câncer de próstata Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Argumentos que justificam a vigilância ativa como opção terapêutica Câncer de próstata na era do PSA Apresentação clínica

Leia mais

RESUMO. Palavras Chaves: Mamografia, SISCAN, SISCOLO, SISMAMA.

RESUMO. Palavras Chaves: Mamografia, SISCAN, SISCOLO, SISMAMA. O SISTEMA DE INFORMAÇÃO NO CONTROLE DE CÂNCER DE MAMA (SISMAMA) E SUA ATUALIZAÇÃO PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DO CONTROLE DE CÂNCER (SISCAN) Janie O. Feijo (1) ; Camila Pereira (1)

Leia mais

O que fazer perante:nódulo da tiroideia

O que fazer perante:nódulo da tiroideia 10º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O que fazer perante:nódulo da tiroideia Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa

Leia mais

Detecção Auxiliada por Computador

Detecção Auxiliada por Computador Detecção Auxiliada por Computador (computer-aided detection - CAD) Márcio Eloi Colombo Filho - 6402378 Jessica Caroline Alves Nunes Temporal 7547611 Tiago Pedro de Santana Junior - 7961516 Mamografia Único

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM BI-RADS : VALOR PREDITIVO POSITIVO DAS CATEGORIAS 3, 4 E 5. REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA*

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM BI-RADS : VALOR PREDITIVO POSITIVO DAS CATEGORIAS 3, 4 E 5. REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA* Artigo Original BI-RADS : valor preditivo positivo das categorias 3, 4 e 5 BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM BI-RADS : VALOR PREDITIVO POSITIVO DAS CATEGORIAS 3, 4 E 5. REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA*

Leia mais

Importância do atendimento integrado em Mastologia para redução da mortalidade por câncer de mama

Importância do atendimento integrado em Mastologia para redução da mortalidade por câncer de mama Artigo de Atualização Descritores Câncer de mama Mortalidade Estadiamento de Neoplasias Diagnóstico Precoce Keywords Breast Cancer Mortality Neoplasm Staging Early Diagnosis Importância do atendimento

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

Uma proposta de classificação ecográfica mamária

Uma proposta de classificação ecográfica mamária 515 Artigos Originais A breast sonography classification proposal Maria Julia Gregorio Calas 1, Hilton Augusto Koch 2, Maria Virginia Peixoto Dutra 3 RESUMO Objetivos: as melhorias tecnológicas na qualidade

Leia mais

CURSOS PRÉ-CONGRESSO

CURSOS PRÉ-CONGRESSO CURSO DA ESCOLA BRASILEIRA DE - ONCOPLASTIA SALA A CURSO DA ESCOLA BRASILEIRA DE ONCOPLASTIA 08h00-08h30 08h30-09h00 De Halsted a Oncoplástica Pensando 3D Fundamentos da oncoplastia Relação tumor x Mama

Leia mais

Mamografia: Aspectos Gerais

Mamografia: Aspectos Gerais FÉLIX, Jeordeane [1] FÉLIX, Jordenilson [2] CÁSSIA, Michelle de [3] ALVES, Tacimary [4] BRITO, Thais [5] SOARES, Wanessa Danielle [6] FÉLIX, Jeordeane; et.al. Mamografia: Aspectos Gerais. Revista Científica

Leia mais

Breast Cancer. Breast Tissue

Breast Cancer. Breast Tissue Breast Cancer Cancer cells are abnormal cells. Cancer cells grow and divide more quickly than healthy cells. Some cancer cells may form growths called tumors. All tumors increase in size, but some tumors

Leia mais

INVESTIGAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA DO SUS

INVESTIGAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA DO SUS 1 UNICESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ PROGRAMA DE MESTRADO EM PROMOÇÃO DA SAÚDE CRISTIANA APARECIDA SOARES MANZOTTI INVESTIGAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA DO SUS

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2 Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos Aula Prá8ca Abdome 2 Obje8vos Qual a importância da caracterização de lesões através de exames de imagem? Como podemos caracterizar nódulos hepá8cos? Revisar os

Leia mais

PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012 Legislações - GM Ter, 7 de Fevereiro de 22 : PORTARIA Nº 96, DE 6 DE FEVEREIRO DE 22 Aprova a diretriz para acompanhamento e tratamento de pacientes portadores de implantes mamários das marcas PIP (Poly

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

José Rodrigues Pereira Médico Pneumologista Hospital São José. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Como e quando realizar

José Rodrigues Pereira Médico Pneumologista Hospital São José. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Como e quando realizar José Rodrigues Pereira Médico Pneumologista Hospital São José Rastreamento do Câncer de Pulmão: Como e quando realizar www.globocan.iarc.fr National Cancer Institute 2016 National Cancer Institute 2016

Leia mais

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Nomenclatura SISTEMA BETHESDA (1988) SISTEMA BETHESDA (1991) SISTEMA BETHESDA (2001) Nomenclatura

Leia mais

Abreu-e-Lima MC et al.

Abreu-e-Lima MC et al. Artigo Original Abreu-e-Lima MC et al. COMPARAÇÃO ENTRE FRAGMENTOS OBTIDOS COM AGULHAS DE CALIBRES 14 E 12 EM CORE BIOPSY ESTEREOTÁXICA DE LESÕES MAMÁRIAS IMPALPÁVEIS: DIFERENÇAS ENTRE O TAMANHO DOS FRAGMENTOS

Leia mais

Cistos e doença policística renal

Cistos e doença policística renal Cistos e doença policística renal Introdução Cistos simples (com paredes finais e regulares e conteúdo líquido) são considerados benignos, não sendo necessário nenhum seguimento ou exame complementar para

Leia mais

Criteria for conducting sonographic FNA in thyroid nodules. Palavras-chave: Neoplasias da Glândula Tireóide; Ultrassonografia, Biópsia por Agulha.

Criteria for conducting sonographic FNA in thyroid nodules. Palavras-chave: Neoplasias da Glândula Tireóide; Ultrassonografia, Biópsia por Agulha. Artigo de Revisão Considerações sobre a realização de PAAF em nódulos de tireóide Criteria for conducting sonographic FNA in thyroid nodules Filipe B G Freire 1, Wellington P Martins 1, 2 O achado de nódulos

Leia mais

PET-CT NO NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO. Dr. Mauro Esteves -

PET-CT NO NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO. Dr. Mauro Esteves - PET-CT NO NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO Dr. Mauro Esteves - mauro.rad@hotmail.com PET-CT no nódulo pulmonar solitário nódulo pulmonar - definição opacidade nodular 3 cm de diâmetro circundada por tecido pulmonar

Leia mais

Análise dos resultados de mamografias de rastreamento realizadas em um serviço público do interior de Minas Gerais

Análise dos resultados de mamografias de rastreamento realizadas em um serviço público do interior de Minas Gerais DOI: 10.5327/Z201600040007RBM Artigo Original Análise dos resultados de mamografias de rastreamento realizadas em um serviço público do interior de Minas Gerais Analysis of screening mammograms results

Leia mais

Lesões hiperecogênicas na mama: correlação anatomopatológica e diagnósticos diferenciais à ultrassonografia *

Lesões hiperecogênicas na mama: correlação anatomopatológica e diagnósticos diferenciais à ultrassonografia * Ensaio Iconográfico Medeiros MM et al. / Lesões hiperecogênicas nas mamas Lesões hiperecogênicas na mama: correlação anatomopatológica e diagnósticos diferenciais à ultrassonografia * Hyperechoic breast

Leia mais

Ana Catarina Martins Pereira António Nuno Laia Cardoso (Docentes ESALD) 21 Maio de 2010

Ana Catarina Martins Pereira António Nuno Laia Cardoso (Docentes ESALD) 21 Maio de 2010 Ana Catarina Martins Pereira António Nuno Laia Cardoso (Docentes ESALD) 21 Maio de 2010 Diagnóstico por mamografia: novos desafios Objectivos Abordar os novos avanços em mamografia Abordar avanços na Ultrassonografia

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO CÂNCER DE MAMA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO CÂNCER DE MAMA ERM-0304 Cuidado Integral à Mulher ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO CÂNCER DE MAMA Profª Drª Marislei Sanches Panobianco 1 As mamas são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas

Leia mais

Métodos de imagem. Radiologia do fígado. Radiologia do fígado 12/03/2012

Métodos de imagem. Radiologia do fígado. Radiologia do fígado 12/03/2012 Radiologia do fígado Prof. Jorge Elias Jr Radiologia do fígado Revisão anatômica Métodos de imagem na avaliação do fígado Anatomia seccional hepática pelos métodos de imagem Exemplo da utilização dos métodos:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA EM MAMOGRAFIA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA EM MAMOGRAFIA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA EM MAMOGRAFIA PROFESSOR: Talita de Oliveira Santos 1. EMENTA: Importância e métodos de prevenção do câncer de mama. Anatomia da mama e patologias relacionadas.

Leia mais

ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL

ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é o 2º mais incidente entre as mulheres no mundo e no Brasil, tornandose um grave problema de saúde pública. Os fatores de risco incluem

Leia mais

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA EM MAMOGRAFIA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA EM MAMOGRAFIA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA EM MAMOGRAFIA PROFESSOR: Marcelo Fernandes Cipreste Talita de Oliveira Santos 1. EMENTA: Importância e métodos de prevenção do câncer de mama. Anatomia da mama

Leia mais

Valor da ressonância magnética no diagnóstico e manejo do câncer de mama

Valor da ressonância magnética no diagnóstico e manejo do câncer de mama Valor da ressonância magnética no diagnóstico e manejo do câncer de mama 1 I Elaboração Final: II Origem: CT de MBE da Unimed Federação-SC. Responsáveis Técnicos pela Avaliação: Drs Álvaro Koenig e Carlos

Leia mais

Drenagem do abscesso mamário. Incisão ou punção?

Drenagem do abscesso mamário. Incisão ou punção? 46 Congresso de Ginecologia e Obstetrícia de Brasília 24 a 26 de abril de 2013 Drenagem do abscesso mamário. Incisão ou punção? Alberto Moreno Zaconeta Professor Adjunto Área de Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Dr. Bruno Pinto Ribeiro Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio Introdução Mais de 99% câncer de tireóide tópico Locais ectópicos struma ovarii, pescoço Objetivo

Leia mais

PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA

PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Outubro é o mês da luta contra o câncer de mama. Este movimento começou nos Estados Unidos onde vários Estados tinham ações isoladas referentes ao câncer de mama e ou mamografia

Leia mais

1a consulta (09/06/2015) DPRH 64anos, branca, do lar QD: tumor em mama esquerda identificado em auto exame hà 5 meses (janeiro 2015)

1a consulta (09/06/2015) DPRH 64anos, branca, do lar QD: tumor em mama esquerda identificado em auto exame hà 5 meses (janeiro 2015) Caso1: 1a consulta (09/06/2015) DPRH 64anos, branca, do lar QD: tumor em mama esquerda identificado em auto exame hà 5 meses (janeiro 2015) menarca: 11anos, menopausa: 58anos, 3g3p0ab, 1o parto: 26anos,

Leia mais

EDUARDO GONDIM DE OLIVA PAAF DE TIREÓIDE: CORRELAÇÃO CITO-HISTOLÓGICA DE 159 CASOS OPERADOS EM UM HOSPITAL TERCIÁRIO.

EDUARDO GONDIM DE OLIVA PAAF DE TIREÓIDE: CORRELAÇÃO CITO-HISTOLÓGICA DE 159 CASOS OPERADOS EM UM HOSPITAL TERCIÁRIO. EDUARDO GONDIM DE OLIVA PAAF DE TIREÓIDE: CORRELAÇÃO CITO-HISTOLÓGICA DE 159 CASOS OPERADOS EM UM HOSPITAL TERCIÁRIO. Trabalho de conclusão de curso apresentado à comissão de residência medica do hospital

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

Detecção precoce e controle do câncer de mama PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER

Detecção precoce e controle do câncer de mama PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER prot cancer mama:prot cancer mama.qxd 16/2/2009 11:46 Página 1 prot cancer mama:prot cancer mama.qxd 16/2/2009 11:46 Página 2 Detecção precoce e controle do câncer de mama PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À SAÚDE

Leia mais

Acurácia diagnóstica da biópsia percutânea com agulha grossa orientada por estereotaxia nas lesões mamárias categoria BI-RADS 4

Acurácia diagnóstica da biópsia percutânea com agulha grossa orientada por estereotaxia nas lesões mamárias categoria BI-RADS 4 MARIA SILVIA PETTY MOUTINHO 1 SIMONE ELIAS 2 CLÁUDIO KEMP 3 AFONSO CELSO PINTO NAZÁRIO 4 EDMUND CHADA BARACAT 5 Acurácia diagnóstica da biópsia percutânea com agulha grossa orientada por estereotaxia nas

Leia mais