MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM"

Transcrição

1 MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM Organizar o Programa Educativo SFA-Fomentar novas qualificações e novos métodos de ensino para favorecer o desenvolvimento do SISTEMA DE FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA nos Centros de EFP 1

2 Organizar o Programa Educativo R.A.4. Organizar o Programa Educativo. Resultados do estudo deste módulo: Capacidade de projetar em cooperação com as partes interessadas em diferentes ambientes de aprendizagem e de adaptar o ensino a novos desenvolvimentos. PARTE TEÓRICA DA UNIDADE 1. Capacidade de projetar, em cooperação com os intervenientes, em diferentes ambientes de aprendizagem Nesta unidade vamos apreender os ramos, saber as tendências dentro desses diferentes ramos, saber como as organizações se estruturam, adquirir conhecimentos didáticos e usar uma capacidade importante; a reflexão. Unidade Didática 1.1 O que há de novo no nosso ramo Atividade 1.1. Mapa mental: O que está a acontecer nos diferentes domínios de atividades Unidade Didática 1.2. Unidade Didática 1.3 Unidade Didática 1.4 Estruturas Organizacionais Atividade Teoria das Estruturas Organizacionais Atividade Discutir o Impacto das Estruturas Organizacionais Didática em ABT Atividade Teoria de Kolb Atividade1.3.2 Associar Kolb à ABT Reflexão Atividade O que é a Reflexão Atividade Praticar a Reflexão PARTE TEÓRICA DA UNIDADE 2. Capacidade de Adaptação Se sabe o que está a acontecer nos diferentes ramos será importante ser capaz de adaptar o nosso programa educacional aos principais desenvolvimentos nesse ramo. Onde vai buscar a sua informação e como adaptar o seu processo de aprendizagem. Unidade Didática Como Conhecer os seus Domínios de atividades 2.1. Unidade 2.2. Didática Atividade Em combinação com a atividade Como acompanhar as tendências através de métodos de pesquisa de informação. Adaptar o Processo de Aprendizagem Atividade Mãos à obra. Tentar adaptar a própria educação usando a informação da ficha didática do início da atividade

3 PARTE TEÓRICA DA UNIDADE 3. Autocontrole Emocional Um formador é equilibrado como ser humano e demonstra isso. Unidade Didática 3.1 Como se tornar um Praticante de Reflexão Atividade O que é um praticante de reflexão Atividade Discutir os efeitos da reflexão Unidade Didática 3.2 Ética Atividade Jogar o jogo de Valor PARTE TEÓRICA DA UNIDADE 4. Capacidade de Criar Áreas de Aprendizagem Capacidade de criar uma área de aprendizagem em cooperação com as partes interessadas em diferentes contextos de aprendizagem Unidade Didática 4.1 Introdução à estrutura de qualificação Atividade Estudar a própria estrutura de qualificação Unidade Didática 4.2 Projetar pelo modelo IDI Atividade Teoria do Modelo IDI Atividade Primeiros Passos de como Projetar Unidade Didática 4.3 Projeto Atual Atividade Orientações para Projetar uma Unidade de Aprendizagem PARTE TEÓRICA DA UNIDADE 5.Gestão do Tempo Capacidade de planear o seu trabalho Unidade Didática 5.1 Planeamento Atividade Teoria do Planeamento Atividade Discussão da teoria e do impacto no seu próprio trabalho Unidade Didática 5.2 Comunicação na prática com as partes interessadas Atividade Uma perspetiva geral 3

4 UNIDADE DE APRENDIZAGEM 1. Capacidade de Projetar em Cooperação com as partes interessadas em Diferentes Ambientes de Aprendizagem UNIDADE DE APRENDIZAGEM 4. Capacidade de criar áreas de aprendizagem Desenhar currículos é uma capacidade importante de um formador. Há duas coisas importantes de que um formador deve estar ciente. Deve estar familiarizado com a estrutura de qualificação da profissão que ensina. Prós e contras da profissão e as exigências definidas no perfil. Esta parte é o tema da unidade didática 4.1. Por outro lado, o formador deve conhecer todas as partes interessadas, as metas, fontes, necessidades e prioridades. Quando houver uma perspetiva geral de tudo isto, o programa educativo irá realmente agregar valor ao ramo. Esta forma de conceção é o tema da unidade didática 4.2. Na unidade didática 4.3 o participante fará um projeto real. Todos os passos do modelo IDI passam por aqui. UNIDADE DIDÁTICA 4.1. Introdução à estrutura de qualificação A estrutura da qualificação é a base do programa de formação. Este formato é usado para desenvolver unidades didáticas. É importante que o formador conheça esta estrutura. Nesta unidade o formador vai olhar mais de perto para estrutura e as práticas de desenvolvimento através do modelo IDI. Atividade Olhar para a própria estrutura de qualificação Resumo da Atividade O formador tem um olhar mais atento sobre a sua própria estrutura de qualificação 30 Minutos individualmente ou em grupo se os formadores estiverem a dar a mesma formação. 10 Minutos de feedback Objetivos da Atividade O formador terá uma perspetiva geral das necessidades educativas de acordo com a estrutura de qualificação, o que lhe permitirá ter uma visão mais ampla para além da sua profissão. Orientações para um correto desenvolvimento da atividade Materiais Necessários Um perfil de qualificação do próprio programa educativo para Realizar a Ter um perfil de qualificação como reserva quando o próprio programa não está Atividade disponível Metodologia para implementar e Desenvolver a Atividade Orientações para depois da atividade finalizada (Perfil em holandês em anexo) Orientação durante a atividade Perguntas que podem ajudar a ler a estrutura de qualificação. Quais são as exigências para a avaliação? Quais são as principais tarefas para a profissão mencionada na estrutura de qualificação? São todas as partes mencionadas na estrutura visível do programa de formação atual? Existem questões escritas sobre o local de trabalho? O formador escreve as suas conclusões num documento. O formador escreve as respostas num documento. Estes documentos devem ser discutidos no grupo. Existem similaridades? Existem semelhanças no que deve ser projetado? 4

5 Avaliação da Atividade O formador tem uma visão clara sobre a estrutura de toda a estrutura de qualificação. Isto fica escrito num documento. O formador tem uma visão clara sobre o que deve ser projetado. 5

6 UNIDADE DIDÁTICA 4.2. Projetar pelo modelo IDI Planear programas de formação é uma parte importante do trabalho de um formador no sistema de formação em alternância. Há imensa teoria disponível para o desenho de programas. Aqui foi escolhido o projeto educativo pelo modelo IDI. Este é um modelo que tem mais visão mais detalhada sobre uma grande variedade de aspetos. Seguem-se as seguintes etapas: Definir atividade Passo 1 Defina o problema de instrução Quais são as necessidades O que é prioridade Formular o problema de instrução Passo 2 Analisar o ambiente do contexto Partes interessadas Condições Fontes (soluções já existentes) Passo 3 Organizar atividades de projeto Tarefa Responsabilidades Planeamento Atividades de desenvolvimento Passo 4 Definir metas de aprendizagem Resultados de Aprendizagem no final Marcos (pontos intermédios importantes) Passo 5 Especificar métodos Para a aprendizagem Para as atividades de ensino Para os média Passo 6 Construir um protótipo Material de ensino Instrumentos de avaliação para o protótipo As atividades de avaliação 6

7 Passo 7 Protótipo de teste Testes num cenário concreto Recolher dados de avaliação Passo 8 Analisar os resultados Sobre objectivos de aprendizagem Método Métodos de avaliação Passo 9 Adaptar e implementar Voltar a projetar Decisão relativa à aplicação Execução Atividade Teoria do modelo IDI Resumo da Atividade Curta explicação pelo formador do modelo IDI (teoria acima) (modelo anexo em holandês) Duração da Atividade 10 Minutos Objetivos da Atividade Consciencializar os formadores das exigências de todos as partes interessadas. Também para consciencializar as partes interessadas do impacto do contexto. Não é apenas uma lição, mas a construção de um programa consistente. Materiais Necessários para Realizar a Atividade Metodologia para implementar e Desenvolver a Atividade Orientações para depois da atividade finalizada Avaliação da Atividade Orientações para um correto desenvolvimento da atividade Um local para ensinar o modelo Algumas informações sobre instrução para o formador Este link explica o contexto teórico do projeto de instrução. Siga os passos escritos acima. Mantenha-o simples, é a vantagem deste modelo. Dê uma ficha didática sobre o modelo IDI (anexo) O formador tem uma atitude de aprendizagem ativa durante a atividade Atividade Primeiros passos de um projeto Resumo da Atividade Os formadores praticam os primeiros passos do modelo IDI Duração da Atividade 30 Minutos. Individualmente ou em grupo se os formadores ensinam na mesma área de formação Objetivos da Atividade Materiais Necessários para Realizar a Atividade O formador descobre os primeiros passos do modelo IDI. (definir atividades) Orientações para um correto desenvolvimento da atividade Etapas do modelo IDI Resultado da atividade de aprendizagem 1.1 Resultado da atividade de aprendizagem

8 Estrutura de qualificação Metodologia para implementar e Desenvolver a Atividade O formador escolhe um problema de instrução fora dos resultados das atividades de aprendizagem anteriores. Deve ser uma nova parte do programa de formação. Para este problema, descreve os três primeiros passos do modelo IDI Passo 1 Defina o problema de formação Quais são as necessidades O que é prioridade Formular o problema de formação Passo 2 Analisar o ambiente do contexto Partes interessadas Condições Fontes (soluções já existentes) Passo 3 Organizar atividades de projeto Tarefa Responsabilidades Planeamento É importante para o formador manter uma visão alargada. Os resultados da atividade de aprendizagem 1.1 e podem ser usados durante o passo 1; necessidades e prioridades. O formador deve indicar várias partes interessadas. A ligação com a estrutura de qualificação tem de ser feita no passo 2; condições. Métodos de aprendizagem na procura de informações na atividade de aprendizagem são usados no passo 2; fontes. Orientações para depois da atividade finalizada Avaliação da Atividade Esta atividade é uma base para o desenvolvimento de uma unidade educativa. A experiência adquirida pode ser usada numa nova tarefa de projeto. O formador mostra uma atitude de aprendizagem ativa durante a atividade. Três etapas de modelo IDI são "preenchidas" corretamente pelo formador. 8

9 UNIDADE DIDÁTICA 4.3. Projeto atual Nesta unidade, o formador termina o projeto da atividade de aprendizagem Os formadores praticam as restantes etapas. As atividades de desenvolvimento podem ser terminadas. As atividades de avaliação devem ser planeadas. Atividades de desenvolvimento Passo 4 Definir metas de aprendizagem Resultados de Aprendizagem no final Marcos (pontos intermédios importantes) Passo 5 Especificar métodos Para a aprendizagem Para as atividades de ensino Para os média Passo 6 Construir um protótipo Material de ensino Instrumentos de avaliação do protótipo As atividades de avaliação Passo 7 Protótipo de teste Testes num cenário concreto Recolher dados de avaliação Passo 8 Analisar os resultados Sobre objetivos de aprendizagem Método Métodos de avaliação Passo 9 Adaptar e implementar Reprojetar Decisão relativa à aplicação Execução Atividade Orientação para projetar numa unidade de aprendizagem Resumo da Atividade Nesta unidade, o formador termina o projeto da atividade de aprendizagem Os formadores praticam as restantes etapas. 9

10 Duração da Atividade Objetivos da Atividade Materiais Necessários para Realizar a Atividade Metodologia para implementar e Desenvolver a Atividade Orientações para depois da atividade finalizada Avaliação da Atividade Pelo menos 60 minutos. Os formadores apreendem a sua visão interna para a elaboração de um programa de formação com a ajuda de um modelo. Orientações para um correto desenvolvimento da atividade Etapas do modelo IDI Resultado da atividade de aprendizagem 1.1 Resultado da atividade de aprendizagem Resultado da atividade de aprendizagem Estrutura de qualificação O formador utiliza os resultados das atividades anteriores combinados com o conhecimento pedagógico prévio. O trabalho do projeto é muito mais demorado. Tem de ser possível ao formador após a sessão entrar em contato com o outro formador enquanto este desenvolve o projeto. O formador tem de incentivar a utilização de diferentes pontos de vista no seu projeto. O formador deve cuidar para que todas as medidas previstas sejam tomadas O trabalho do projeto é muito mais demorado. Tem de ser possível ao formador após a sessão entrar em contato com o outro formador enquanto este desenvolve o projeto. O modelo é preenchido de acordo com os princípios aprendidos. Um projeto original deve ter uma compensação extra. O formador tem uma atitude ativa durante a atividade de aprendizagem 10

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Learning Outcomes Matrix, English Version Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Compilado por: LMETB Título do módulo Perfil pessoal Matriz dos resultados da aprendizagem Nível introdutório

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

Programa de Formação Continuada para Docentes

Programa de Formação Continuada para Docentes Programa de Formação Continuada para Docentes Objetivos do programa Consolidar a identidade didático-pedagógica da instituição realizando reflexões com seus docentes sobre as diretrizes educacionais da

Leia mais

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros.

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros. REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DE GRAU I (Resumo) 1. Carga Horária O Curso de Treinadores de Atletismo de Grau I passa a englobar na sua componente curricular, para além das matérias gerais do treino desportivo

Leia mais

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental 1. Introdução Júlia Fonseca 2010/2011 CICLO DE GESTÃO Planeamento Implementação Controlo de gestão Ciclo de gestão Planeamento Feedback Implementação Controlo Planear Dirigir e Motivar Controlar PLANEAMENTO

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objetivos Gerais Este Curso, homologado pelo IEFP, visa dotar os participantes das técnicas, conhecimentos e competências necessárias á apresentação com sucesso

Leia mais

Formação de professores para a construção de autómatos

Formação de professores para a construção de autómatos Formação de professores para a construção de autómatos 1. Introdução Esta é uma proposta de um currículo de formação de professores para a construção de autómatos em contexto de sala de aula. A oficina

Leia mais

Inovação & A avaliação

Inovação & A avaliação INOVAÇÃO E ENSINO DA EXCELÊNCIA: AVALIAÇÃO NO AEB, PORQUÊ E COMO Inovação & A avaliação Impacto da avaliação formativa nas aprendizagens (workshop 1) Lisboa, 07 julho 2015 Anabela Serrão PORQUE AVALIAMOS?

Leia mais

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência?

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? VOCÊ SABE O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? Setembro 2014 www.in-formacao.com.pt Formador/a O formador é o técnico

Leia mais

Você está pronto para mudar a aparência de sua casa, mas não sabe por onde começar? Isso tudo pode parecer intimidador.

Você está pronto para mudar a aparência de sua casa, mas não sabe por onde começar? Isso tudo pode parecer intimidador. Você está pronto para mudar a aparência de sua casa, mas não sabe por onde começar? Isso tudo pode parecer intimidador. Para saber decorar uma casa não basta apenas gostar de decoração. É preciso conhecer

Leia mais

Aula 1. Planejamento. Lilian R. Rios 18/02/16

Aula 1. Planejamento. Lilian R. Rios 18/02/16 Aula 1 Planejamento Lilian R. Rios 18/02/16 Planejamento de Ensino É um conjunto de conhecimentos práticos e teóricos ordenados de modo a possibilitar interagir com a realidade, programar as estratégias

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

Workshop de Gestão de Recursos Humanos Objetivos Gerais Dotar os participantes de técnicas, métodos e instrumentos que vão fazer melhorar o planeamento, o acompanhamento e a Gestão dos Recursos Humanos.

Leia mais

Roteiro Pedagógico. Roteiro Pedagógico Curso de Formação Associado ao Estágio Profissional. Curso de Formação associado ao Estágio Profissional

Roteiro Pedagógico. Roteiro Pedagógico Curso de Formação Associado ao Estágio Profissional. Curso de Formação associado ao Estágio Profissional Roteiro Pedagógico Curso de Formação associado ao Estágio Profissional Página 1 de 19 Mês Módulo 0 - Apresentação do Curso Sessão Presencial Situação Profissional Módulo I - Situação Profissional da Psicologia

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Orientações para a PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA (PIP)

Orientações para a PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) Orientações para a PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) Avaliação do Projeto de Intervenção O Projeto de Intervenção tem a ponderação de 30% na Avaliação Final do formando. PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local Amarante - 2009 Níveis de conhecimento O Trevo Saber Fazer como executo a tarefa; procedimentos Saber Ser características da minha personalidade

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas Profa. Karina de M. Conte 2017 DIDÁTICA II Favorecer a compreensão do processo de elaboração, gestão,

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa mluz.antunes@estesl.ipl.pt Missão da Biblioteca Escolar A biblioteca escolar oferece um serviço

Leia mais

O curso de Gestão e Coordenação de Formação tem como objetivo principal planear, executar e avaliar ações de formação profissional.

O curso de Gestão e Coordenação de Formação tem como objetivo principal planear, executar e avaliar ações de formação profissional. 0. ENQUADRAMENTO Hoje em dia fala-se muito de formação, nos incentivos existentes à formação, através de por exemplo cheques-formação, mas raramente se fala sobre o que se formar e quem formar. No nosso

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Revistos e aprovados na reunião de Departamento de 13 de setembro de 2016 Introdução O princípio consensualmente

Leia mais

Os 8 passos para planear uma sessão de formação. Como decidir sobre que conteúdos incluir

Os 8 passos para planear uma sessão de formação. Como decidir sobre que conteúdos incluir 1 Os 8 passos para planear uma sessão de formação 2 Como decidir sobre que conteúdos incluir 3 Como definir objectivos 1 2 3 4 5 6 Definir o objectivo do evento e para quem foi concebido Determinar as

Leia mais

Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA

Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA Conteúdos Metodologias e técnicas de identificação de necessidades de formação, em função dos diversos públicos-alvo; Metodologias e técnicas de concepção de programas de

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

Seminário Regional READ Introdução às Sessões

Seminário Regional READ Introdução às Sessões Seminário Regional READ Introdução às Sessões Equipa Global READ Banco Mundial Maputo, Moçambique 3-5 de Dezembro de 2012 Por que estamos aqui hoje? Objetivos do Seminário Dar aos participantes a oportunidade

Leia mais

Curso de Mediaçã o de Conflitos

Curso de Mediaçã o de Conflitos Curso de Mediaçã o de Conflitos Objetivos Gerais/Competências visadas: Dotar os formandos de um conjunto de competências que permitam problematizar, analisar e refletir sobre situações práticas de gestão

Leia mais

Programa EaD em REDE

Programa EaD em REDE Programa EaD em REDE Regulamento Interno Regulamenta o Programa EaD em Rede da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais - ABRUEM. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2. Actividades Rítmicas Expressivas: Danças Sociais (latino-americanas)

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2. Actividades Rítmicas Expressivas: Danças Sociais (latino-americanas) CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Desenho Técnico Engenharia da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

Objectivo: estimular um diálogo em grupo sobre a qualidade do docente, utilizando uma ficha com questões e conceitos

Objectivo: estimular um diálogo em grupo sobre a qualidade do docente, utilizando uma ficha com questões e conceitos FICHA DE DIÁLOGO Objectivo: estimular um diálogo em grupo sobre a qualidade do docente, utilizando uma ficha com questões e conceitos Dimensão do grupo: 6 ou mais participantes Objectivos da Toolbox: Reflectir

Leia mais

Métodos de Ensino. Práticas de ensino de algoritmos (Hazzan, Cap. 7) Péricles Miranda

Métodos de Ensino. Práticas de ensino de algoritmos (Hazzan, Cap. 7) Péricles Miranda Métodos de Ensino Práticas de ensino de algoritmos (Hazzan, Cap. 7) Péricles Miranda Objetivos desta aula Apresentar métodos de ensino para educadores de cursos de computação. Discutir as vantagens e desvantagens

Leia mais

Curso de Liderança, Empowerment e Coaching

Curso de Liderança, Empowerment e Coaching Curso de Liderança, Empowerment e Coaching Referencial Pedagógico 1. Competências Globais e Específicas Desenvolver competências no âmbito da relação com as equipas de trabalho, identificando os vários

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA. 1 Ano

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA. 1 Ano DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA 1 Ano - 2010 1 Cadeira: Microeconomia 1 Esta disciplina irá capacitar o estudante a fazer análises simples do cenário económico usando conceitos por ele já conhecidos

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS O curso objetiva a formação de docentes capacitados para atuar no ensino

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO TEXTO 2 http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2310-6.pdf acesso em http://pt.wikipedia.org/wiki/conselho_de_classe 09 de outubro de 2014 CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ

LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ Organização: Profª Esp. Ariane Polizel Objetivos: Se comunicar com maior repertório da Língua Portuguesa na modalidade escrita. Favorecer a aprendizagem dos conteúdos

Leia mais

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL Arthur Henrique Teixeira Faustino 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Arthurtfaustino@gmail.com Auricélia Lopes Pereira

Leia mais

Mapas conceituais em aplicações educacionais. Evandro Cantú Instituto Federal do Paraná Câmpus Foz do Iguaçu

Mapas conceituais em aplicações educacionais. Evandro Cantú Instituto Federal do Paraná Câmpus Foz do Iguaçu Mapas conceituais em aplicações educacionais Evandro Cantú Instituto Federal do Paraná Câmpus Foz do Iguaçu evandro.cantu@ifpr.edu.br Aprendizagem Significativa Proposta por David Ausubel, nos anos 1960.

Leia mais

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL No processo ensino-aprendizagem Rio de Janeiro 2005 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE DINÂMICA GRUPAL OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

Plano anual de atividades 2015/2016 Nos bastidores da moda

Plano anual de atividades 2015/2016 Nos bastidores da moda Plano anual de atividades 2015/2016 Nos bastidores da moda O (PAA) constitui-se como um documento orientador das atividades desenvolvidas ao longo do ano letivo. O tema e atividades propostas no PAA partem

Leia mais

Caminho das pedras. Organização Convide os participantes a formar pequenos grupos. Materiais Barbante, lã colorida, cartões e tesoura.

Caminho das pedras. Organização Convide os participantes a formar pequenos grupos. Materiais Barbante, lã colorida, cartões e tesoura. Ofici3 cin3 Caminho das pedras Objetivos Desenvolver sequências didáticas que disseminem uma prática sociointeracionista do ensino da leitura e da escrita. Conhecer a metodologia da sequência didática

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014 A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA BARROSO, Poliana Polinabarroso@saocamilo-es.br BICALHO, Alessandro Erick alessandrobicalho@saocamilo-es.br

Leia mais

Root cause analysis. O que é «root cause analysis»?

Root cause analysis. O que é «root cause analysis»? Metodologias de Diagnóstico e Elaboração de Relatórios FASHT Root cause analysis Profª Cesaltina Pires cpires@uevora.pt O que é «root cause analysis»? É um processo para investigar e identificar as «raízes»

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais Escola Profissional de Salvaterra de Magos CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais Escola Profissional de Salvaterra de Magos CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2 Ano Letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Cursos Profissionais Nota Introdutória A avaliação constitui uma fonte de informação fundamental para o professor, para

Leia mais

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança MBA LEADERSHIP Liderança DESCRIÇÃO Cada vez mais, a liderança assume um papel preponderante no dia-a-dia das nossas empresas. O sucesso de uma equipa está dependente da capacidade de liderança do seu líder.

Leia mais

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco.

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto 1 Introdução Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução O projeto se inicia com a definição de quais objetivos

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas Desenvolvendo Competências de Gerenciamento de Projetos por Meio de Jogos de Dramatização

Título do Slide Máximo de 2 linhas Desenvolvendo Competências de Gerenciamento de Projetos por Meio de Jogos de Dramatização Desenvolvendo Competências de Gerenciamento de Projetos por Meio de Jogos de Dramatização Darli Palma Cunha, 09/19/2013 Título As mãos do que Slide desenham Todo fazer é um conhecer e todo conhecer é um

Leia mais

DESENHO E MONTAGEM DE EXPOSIÇ ÕE

DESENHO E MONTAGEM DE EXPOSIÇ ÕE Fundamentos de DESENHO E MONTAGEM DE EXPOSIÇ ÕE S Formador Bruno Filipe Soares Cabede Pág. 1 de 9 0 INDÍCE DIAGNÓSTICO PÁG. 03 JUSTIFICAÇÃO PÁG. 04 ÁREA TEMÁTICA PÁG. 04 MODALIDADES PÁG. 04 PÚBLICOS-ALVO

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas. Programa do Curso.

Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas. Programa do Curso. Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas Programa do Curso www.areapedagogica.com 2 Programa do Curso de Formação Pedagógica de Formadores blearning 90 Horas Objetivos Gerais No final

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 Tema: Mundo dos games Mês: Maio Habilidade Socioemocional: Cooperação e empatia, desafios e lógica Período: 09 a 13 de Maio Duração: até 1h30 Público: Descrição da atividade

Leia mais

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática Profª. M.e Cláudia Benedetti Profa. M.e Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

INTRODUÇÃO. Para obter mais informações ou serviços, envie para: ou visite:

INTRODUÇÃO. Para obter mais informações ou serviços, envie  para: ou visite: MUESTRA AMOSTRA INTRODUÇÃO Fazendo Chinês Fácil para Crianças, reconhecido como um dos melhores materiais de aprendizagem de chinês em todo o mundo, é publicado pelo Hong Kong s prestigious Joint Publishing

Leia mais

Plano de formação e atividades ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra

Plano de formação e atividades ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra 1 Plano de formação e atividades 2016 1ª fase Ações financiadas pela C.M. Sintra - A emergência da escrita no pré-escolar. Uma abordagem à escrita em contexto pré-escolar Formadora: Manuela Guedes Destinatários:

Leia mais

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos.

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. Para efeitos de implementação do Quadro de Referência Europeu de Garantia

Leia mais

CAP - Curso de Aperfeiçoamento Profissional. Cronometragem e Cronoanálise - Nível Básico

CAP - Curso de Aperfeiçoamento Profissional. Cronometragem e Cronoanálise - Nível Básico Cronometragem e Cronoanálise - Nível Básico Toda empresa deve conhecer sua REAL capacidade de produção para que seja eficiente e produtiva, isso em qualquer tipo de segmento. Não conhecer os limites da

Leia mais

Pedagogia Licenciatura S-20 - Educação e Diversidade S-20 - Filosofia Geral

Pedagogia Licenciatura S-20 - Educação e Diversidade S-20 - Filosofia Geral Página 0001 de 0004 1º Período 6387-02S-20 - Educação e Diversidade 0 40-040 0491-02S-20 - Filosofia Geral 0 40-040 PED 0845-02S-20 - História da Educação I 0 40-040 PED 0752-02S-20 - Introdução à 0 40-040

Leia mais

CURSO PRÁTICO DE GESTÃO

CURSO PRÁTICO DE GESTÃO +351 21 00 33 892 CURSO PRÁTICO DE GESTÃO Código da Formação: 1660614 Preço: 1995 (+iva) Preço para particulares: 1535 Duração: 6 dias - 42 horas Local: LISBOA INSCREVA-SE LISBOA 1 até 31 Maio 2017 1 até

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde Edição N.º 19 Atividades Técnicas do Serviço de Segurança no Trabalho dezembro de 2016 O desenvolvimento da prevenção de riscos profissionais no local de trabalho é

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS

TECNOLOGIAS APLICADAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0 Tecnologias

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE Publicado no Boletim do Trabalho do Emprego (BTE) nº 4 de 29 de janeiro de 2013 com entrada em vigor a 29 de janeiro de 2013. Publicação

Leia mais

1.ª Parte do Workshop "Planeamento e Avaliação de Projectos Sociais"

1.ª Parte do Workshop Planeamento e Avaliação de Projectos Sociais 1.ª Parte do Workshop "Planeamento e Avaliação de Projectos Sociais" O workshop decorreu no dia 11 de Abril de 2007 com horário compreendido entre as 10-13h e as 14-17h na sala de formação do Monte - ACE

Leia mais

Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade

Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade Conferência Qualidade ao serviço da Educação de Adultos Revisão por Pares : uma proposta inovadora? Lisboa, 4 de Maio 2017 Sistema de Certificação

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

PROCEDIMENTO PASSO A PASSO: TUTORIA. Programa Ensino Integral

PROCEDIMENTO PASSO A PASSO: TUTORIA. Programa Ensino Integral PROCEDIMENTO PASSO A PASSO: TUTORIA Programa Ensino Integral PROCEDIMENTO PASSO A PASSO: TUTORIA VERSÃO 04 02 15 Definição: a Tutoria é uma das metodologias do Programa que tem como finalidade atender

Leia mais

Regime de Avaliação do Plano de Formação

Regime de Avaliação do Plano de Formação Centro Centro de Formação da Associação de Escolas Bragança Norte Regime de Avaliação do Plano de Formação Escola-Sede: Escola Secundária Abade de Baçal Avenida General Humberto Delgado 5300-167 Bragança

Leia mais

CICLO DE FORMAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO CLÍNICA

CICLO DE FORMAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO CLÍNICA CICLO DE FORMAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO CLÍNICA Organização 1. O Ciclo de Formação em Investigação Clínica, organizado pelo Serviço de Cirurgia B do Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca e pela X2 Science

Leia mais

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa Elaborando um projeto de pesquisa A pesquisa é a realização concreta de uma investigação planeada, desenvolvido e redigida de acordo com as normas das metodologias consagradas pela ciência; Requerida quando

Leia mais

LEADERS O que é? Programa LEADERS Desenvolvimento de Competências de Liderança novos Líderes e reforço de competências em Líderes experientes

LEADERS O que é? Programa LEADERS Desenvolvimento de Competências de Liderança novos Líderes e reforço de competências em Líderes experientes Programa LEADERS 1 O que é? O Programa LEADERS consiste numa abordagem inovadora ao Desenvolvimento de Competências de Liderança alinhada com a Estratégia das organizações. Este Programa assume uma óptica

Leia mais

GRAU II ESTÁGIO

GRAU II ESTÁGIO GRAU II ESTÁGIO 2016-17 ESTÁGIO Início: 3 de Outubro Fim: Até 30 de Junho Uma época desportiva: 800 horas (Inclui todas as atividades de treinador, desde o planeamento, preparação, treinos, reuniões, estágios,

Leia mais

FEDRA Federação de Doenças Raras de Portugal. Capacitação para Dirigentes Associativos e Quadros Superiores e Intermédios Motivação e Liderança

FEDRA Federação de Doenças Raras de Portugal. Capacitação para Dirigentes Associativos e Quadros Superiores e Intermédios Motivação e Liderança FEDRA Federação de Doenças Raras de Portugal Capacitação para Dirigentes Associativos e Quadros Superiores e Intermédios Motivação e Liderança 6 e 7 Setembro 2016 Auditório da Casa dos Marcos Moita Directora

Leia mais

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional PERFIL PROFISSIONAL / IDENTIFICAÇÃO DA OCUPAÇÃO: Ocupação: FIGURINISTA CBO: 2624-10 Educação Formação Inicial e Continuada - Carga Horária Profissional: Nível da Eixo Produção Cultural 2 Qualificação:

Leia mais

CURSO: ACOMPANHAMENTO DA PRÁTICA EDUCATIVA

CURSO: ACOMPANHAMENTO DA PRÁTICA EDUCATIVA CURSO: ACOMPANHAMENTO DA PRÁTICA EDUCATIVA Introdução Uma pesquisa realizada pela Fundação Carlos Chagas indica que a maioria dos coordenadores pedagógicos deixam de fazer o acompanhamento da prática educativa

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

Tecnologia Educacional Eficaz. Prof. David Prata Setembro de 2016

Tecnologia Educacional Eficaz. Prof. David Prata Setembro de 2016 Tecnologia Educacional Eficaz Prof. David Prata Setembro de 2016 Por onde começar? Visão Pedagógica Quais são suas metas de aprendizagem para seus alunos? O que é que você quer que eles sejam capazes de

Leia mais

OS CINCO GRANDES DESAFIOS DA FORMAÇÃO. Joaquim Dolz

OS CINCO GRANDES DESAFIOS DA FORMAÇÃO. Joaquim Dolz OS CINCO GRANDES DESAFIOS DA FORMAÇÃO DOCENTE DE LÍNGUAS Joaquim Dolz Contexto atual Exigências do mundo econômico em educação e formação (economias emergentes, crise) A atividade docente é um pilar fundamental

Leia mais

Código de Boas Práticas de Impacto REPORTE EXECUTIVO

Código de Boas Práticas de Impacto REPORTE EXECUTIVO Nota Prévia O Código de Boas Práticas de foi produzido pelo NCVO, membro do Inspiring Impact. O Inspiring Impact é um programa que visa alterar até 2022 a forma como o setor voluntário no Reino Unido se

Leia mais

SSC0120- Sistemas de Informação. Apresentação da Disciplina

SSC0120- Sistemas de Informação. Apresentação da Disciplina SSC0120- Sistemas de Informação Apresentação da Disciplina Simone S. Souza ICMC/USP 2017 Responsáveis pela disciplina Profa. Simone R. S. Souza srocio@icmc.usp.br Atendimento: sextas (10:00 12:00hs) sala:

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 1 CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS INTRODUÇÃO Os Cuidados de Saúde Primários (CSP), em Portugal, atravessam um momento de grande crescimento científico e afirmação como pilar essencial

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA 1 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (Orientações para a realização das APS dos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano:

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Educação Física na Infância Professor: Gilson Pereira Souza E-mail: professorgilsonpereira@gmail.com Código:

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL Chegamos ao momento de construir um plano de desenvolvimento para as necessidades identificadas a partir de seu autodiagnóstico e reflexões iniciais.

Leia mais

Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues². Introdução

Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues². Introdução 99 BALANCED SCORECARD COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues² Resumo: O planejamento estratégico é o processo administrativo que estabelece a melhor direção

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

Documento Base (Formulação Preliminar) Comissão SEB/MEC - Fev/2016

Documento Base (Formulação Preliminar) Comissão SEB/MEC - Fev/2016 Documento Base (Formulação Preliminar) Comissão SEB/MEC - Fev/2016 Orientações para cursos de Formação de Professores, nas áreas de Didática, Metodologias e Práticas de Ensino Estrutura do documento I.

Leia mais

JORNADAS DE REFLEXÃO. 6 e 7 de Setembro 2012

JORNADAS DE REFLEXÃO. 6 e 7 de Setembro 2012 JORNADAS DE REFLEXÃO 6 e 7 de Setembro 2012 Formação Científica Sólida BOM POFESSOR Competências Pedagógicas Envolvimento e Sucesso dos Alunos CONCEITO DE ANDRAGOGIA PEDAGOGIA ANDRAGOGIA Educação de Adultos

Leia mais

Estruturação por Processo

Estruturação por Processo Como Estimular os Colaboradores se Tornarem Multiplicadores de Conhecimento, Garantindo o Engajamento e a Troca de Experiências em Ambientes Altamente Competitivos Estruturação por Processo Colaboradores

Leia mais

O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo. Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17

O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo. Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17 O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17 É necessário conhecer e apreender a realidade de cada instituição escolar que

Leia mais

Atribuições do professor-tutor da Seed/PR

Atribuições do professor-tutor da Seed/PR GESTÃO EM FOCO Programa de Fortalecimento da Gestão Escolar Secretaria de Estado da Educação do Paraná Governo do Paraná Atribuições do professor-tutor da Seed/PR Pauta da Reunião a) Edital de seleção

Leia mais