MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM"

Transcrição

1 MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM Organizar o Programa Educativo SFA-Fomentar novas qualificações e novos métodos de ensino para favorecer o desenvolvimento do SISTEMA DE FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA nos Centros de EFP 1

2 Organizar o Programa Educativo R.A.4. Organizar o Programa Educativo. Resultados do estudo deste módulo: Capacidade de projetar em cooperação com as partes interessadas em diferentes ambientes de aprendizagem e de adaptar o ensino a novos desenvolvimentos. PARTE TEÓRICA DA UNIDADE 1. Capacidade de projetar, em cooperação com os intervenientes, em diferentes ambientes de aprendizagem Nesta unidade vamos apreender os ramos, saber as tendências dentro desses diferentes ramos, saber como as organizações se estruturam, adquirir conhecimentos didáticos e usar uma capacidade importante; a reflexão. Unidade Didática 1.1 O que há de novo no nosso ramo Atividade 1.1. Mapa mental: O que está a acontecer nos diferentes domínios de atividades Unidade Didática 1.2. Unidade Didática 1.3 Unidade Didática 1.4 Estruturas Organizacionais Atividade Teoria das Estruturas Organizacionais Atividade Discutir o Impacto das Estruturas Organizacionais Didática em ABT Atividade Teoria de Kolb Atividade1.3.2 Associar Kolb à ABT Reflexão Atividade O que é a Reflexão Atividade Praticar a Reflexão PARTE TEÓRICA DA UNIDADE 2. Capacidade de Adaptação Se sabe o que está a acontecer nos diferentes ramos será importante ser capaz de adaptar o nosso programa educacional aos principais desenvolvimentos nesse ramo. Onde vai buscar a sua informação e como adaptar o seu processo de aprendizagem. Unidade Didática Como Conhecer os seus Domínios de atividades 2.1. Unidade 2.2. Didática Atividade Em combinação com a atividade Como acompanhar as tendências através de métodos de pesquisa de informação. Adaptar o Processo de Aprendizagem Atividade Mãos à obra. Tentar adaptar a própria educação usando a informação da ficha didática do início da atividade

3 PARTE TEÓRICA DA UNIDADE 3. Autocontrole Emocional Um formador é equilibrado como ser humano e demonstra isso. Unidade Didática 3.1 Como se tornar um Praticante de Reflexão Atividade O que é um praticante de reflexão Atividade Discutir os efeitos da reflexão Unidade Didática 3.2 Ética Atividade Jogar o jogo de Valor PARTE TEÓRICA DA UNIDADE 4. Capacidade de Criar Áreas de Aprendizagem Capacidade de criar uma área de aprendizagem em cooperação com as partes interessadas em diferentes contextos de aprendizagem Unidade Didática 4.1 Introdução à estrutura de qualificação Atividade Estudar a própria estrutura de qualificação Unidade Didática 4.2 Projetar pelo modelo IDI Atividade Teoria do Modelo IDI Atividade Primeiros Passos de como Projetar Unidade Didática 4.3 Projeto Atual Atividade Orientações para Projetar uma Unidade de Aprendizagem PARTE TEÓRICA DA UNIDADE 5.Gestão do Tempo Capacidade de planear o seu trabalho Unidade Didática 5.1 Planeamento Atividade Teoria do Planeamento Atividade Discussão da teoria e do impacto no seu próprio trabalho Unidade Didática 5.2 Comunicação na prática com as partes interessadas Atividade Uma perspetiva geral 3

4 UNIDADE DE APRENDIZAGEM 1. Capacidade de Projetar em Cooperação com as partes interessadas em Diferentes Ambientes de Aprendizagem UNIDADE DE APRENDIZAGEM 4. Capacidade de criar áreas de aprendizagem Desenhar currículos é uma capacidade importante de um formador. Há duas coisas importantes de que um formador deve estar ciente. Deve estar familiarizado com a estrutura de qualificação da profissão que ensina. Prós e contras da profissão e as exigências definidas no perfil. Esta parte é o tema da unidade didática 4.1. Por outro lado, o formador deve conhecer todas as partes interessadas, as metas, fontes, necessidades e prioridades. Quando houver uma perspetiva geral de tudo isto, o programa educativo irá realmente agregar valor ao ramo. Esta forma de conceção é o tema da unidade didática 4.2. Na unidade didática 4.3 o participante fará um projeto real. Todos os passos do modelo IDI passam por aqui. UNIDADE DIDÁTICA 4.1. Introdução à estrutura de qualificação A estrutura da qualificação é a base do programa de formação. Este formato é usado para desenvolver unidades didáticas. É importante que o formador conheça esta estrutura. Nesta unidade o formador vai olhar mais de perto para estrutura e as práticas de desenvolvimento através do modelo IDI. Atividade Olhar para a própria estrutura de qualificação Resumo da Atividade O formador tem um olhar mais atento sobre a sua própria estrutura de qualificação 30 Minutos individualmente ou em grupo se os formadores estiverem a dar a mesma formação. 10 Minutos de feedback Objetivos da Atividade O formador terá uma perspetiva geral das necessidades educativas de acordo com a estrutura de qualificação, o que lhe permitirá ter uma visão mais ampla para além da sua profissão. Orientações para um correto desenvolvimento da atividade Materiais Necessários Um perfil de qualificação do próprio programa educativo para Realizar a Ter um perfil de qualificação como reserva quando o próprio programa não está Atividade disponível Metodologia para implementar e Desenvolver a Atividade Orientações para depois da atividade finalizada (Perfil em holandês em anexo) Orientação durante a atividade Perguntas que podem ajudar a ler a estrutura de qualificação. Quais são as exigências para a avaliação? Quais são as principais tarefas para a profissão mencionada na estrutura de qualificação? São todas as partes mencionadas na estrutura visível do programa de formação atual? Existem questões escritas sobre o local de trabalho? O formador escreve as suas conclusões num documento. O formador escreve as respostas num documento. Estes documentos devem ser discutidos no grupo. Existem similaridades? Existem semelhanças no que deve ser projetado? 4

5 Avaliação da Atividade O formador tem uma visão clara sobre a estrutura de toda a estrutura de qualificação. Isto fica escrito num documento. O formador tem uma visão clara sobre o que deve ser projetado. 5

6 UNIDADE DIDÁTICA 4.2. Projetar pelo modelo IDI Planear programas de formação é uma parte importante do trabalho de um formador no sistema de formação em alternância. Há imensa teoria disponível para o desenho de programas. Aqui foi escolhido o projeto educativo pelo modelo IDI. Este é um modelo que tem mais visão mais detalhada sobre uma grande variedade de aspetos. Seguem-se as seguintes etapas: Definir atividade Passo 1 Defina o problema de instrução Quais são as necessidades O que é prioridade Formular o problema de instrução Passo 2 Analisar o ambiente do contexto Partes interessadas Condições Fontes (soluções já existentes) Passo 3 Organizar atividades de projeto Tarefa Responsabilidades Planeamento Atividades de desenvolvimento Passo 4 Definir metas de aprendizagem Resultados de Aprendizagem no final Marcos (pontos intermédios importantes) Passo 5 Especificar métodos Para a aprendizagem Para as atividades de ensino Para os média Passo 6 Construir um protótipo Material de ensino Instrumentos de avaliação para o protótipo As atividades de avaliação 6

7 Passo 7 Protótipo de teste Testes num cenário concreto Recolher dados de avaliação Passo 8 Analisar os resultados Sobre objectivos de aprendizagem Método Métodos de avaliação Passo 9 Adaptar e implementar Voltar a projetar Decisão relativa à aplicação Execução Atividade Teoria do modelo IDI Resumo da Atividade Curta explicação pelo formador do modelo IDI (teoria acima) (modelo anexo em holandês) Duração da Atividade 10 Minutos Objetivos da Atividade Consciencializar os formadores das exigências de todos as partes interessadas. Também para consciencializar as partes interessadas do impacto do contexto. Não é apenas uma lição, mas a construção de um programa consistente. Materiais Necessários para Realizar a Atividade Metodologia para implementar e Desenvolver a Atividade Orientações para depois da atividade finalizada Avaliação da Atividade Orientações para um correto desenvolvimento da atividade Um local para ensinar o modelo Algumas informações sobre instrução para o formador Este link explica o contexto teórico do projeto de instrução. Siga os passos escritos acima. Mantenha-o simples, é a vantagem deste modelo. Dê uma ficha didática sobre o modelo IDI (anexo) O formador tem uma atitude de aprendizagem ativa durante a atividade Atividade Primeiros passos de um projeto Resumo da Atividade Os formadores praticam os primeiros passos do modelo IDI Duração da Atividade 30 Minutos. Individualmente ou em grupo se os formadores ensinam na mesma área de formação Objetivos da Atividade Materiais Necessários para Realizar a Atividade O formador descobre os primeiros passos do modelo IDI. (definir atividades) Orientações para um correto desenvolvimento da atividade Etapas do modelo IDI Resultado da atividade de aprendizagem 1.1 Resultado da atividade de aprendizagem

8 Estrutura de qualificação Metodologia para implementar e Desenvolver a Atividade O formador escolhe um problema de instrução fora dos resultados das atividades de aprendizagem anteriores. Deve ser uma nova parte do programa de formação. Para este problema, descreve os três primeiros passos do modelo IDI Passo 1 Defina o problema de formação Quais são as necessidades O que é prioridade Formular o problema de formação Passo 2 Analisar o ambiente do contexto Partes interessadas Condições Fontes (soluções já existentes) Passo 3 Organizar atividades de projeto Tarefa Responsabilidades Planeamento É importante para o formador manter uma visão alargada. Os resultados da atividade de aprendizagem 1.1 e podem ser usados durante o passo 1; necessidades e prioridades. O formador deve indicar várias partes interessadas. A ligação com a estrutura de qualificação tem de ser feita no passo 2; condições. Métodos de aprendizagem na procura de informações na atividade de aprendizagem são usados no passo 2; fontes. Orientações para depois da atividade finalizada Avaliação da Atividade Esta atividade é uma base para o desenvolvimento de uma unidade educativa. A experiência adquirida pode ser usada numa nova tarefa de projeto. O formador mostra uma atitude de aprendizagem ativa durante a atividade. Três etapas de modelo IDI são "preenchidas" corretamente pelo formador. 8

9 UNIDADE DIDÁTICA 4.3. Projeto atual Nesta unidade, o formador termina o projeto da atividade de aprendizagem Os formadores praticam as restantes etapas. As atividades de desenvolvimento podem ser terminadas. As atividades de avaliação devem ser planeadas. Atividades de desenvolvimento Passo 4 Definir metas de aprendizagem Resultados de Aprendizagem no final Marcos (pontos intermédios importantes) Passo 5 Especificar métodos Para a aprendizagem Para as atividades de ensino Para os média Passo 6 Construir um protótipo Material de ensino Instrumentos de avaliação do protótipo As atividades de avaliação Passo 7 Protótipo de teste Testes num cenário concreto Recolher dados de avaliação Passo 8 Analisar os resultados Sobre objetivos de aprendizagem Método Métodos de avaliação Passo 9 Adaptar e implementar Reprojetar Decisão relativa à aplicação Execução Atividade Orientação para projetar numa unidade de aprendizagem Resumo da Atividade Nesta unidade, o formador termina o projeto da atividade de aprendizagem Os formadores praticam as restantes etapas. 9

10 Duração da Atividade Objetivos da Atividade Materiais Necessários para Realizar a Atividade Metodologia para implementar e Desenvolver a Atividade Orientações para depois da atividade finalizada Avaliação da Atividade Pelo menos 60 minutos. Os formadores apreendem a sua visão interna para a elaboração de um programa de formação com a ajuda de um modelo. Orientações para um correto desenvolvimento da atividade Etapas do modelo IDI Resultado da atividade de aprendizagem 1.1 Resultado da atividade de aprendizagem Resultado da atividade de aprendizagem Estrutura de qualificação O formador utiliza os resultados das atividades anteriores combinados com o conhecimento pedagógico prévio. O trabalho do projeto é muito mais demorado. Tem de ser possível ao formador após a sessão entrar em contato com o outro formador enquanto este desenvolve o projeto. O formador tem de incentivar a utilização de diferentes pontos de vista no seu projeto. O formador deve cuidar para que todas as medidas previstas sejam tomadas O trabalho do projeto é muito mais demorado. Tem de ser possível ao formador após a sessão entrar em contato com o outro formador enquanto este desenvolve o projeto. O modelo é preenchido de acordo com os princípios aprendidos. Um projeto original deve ter uma compensação extra. O formador tem uma atitude ativa durante a atividade de aprendizagem 10

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Learning Outcomes Matrix, English Version Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Compilado por: LMETB Título do módulo Perfil pessoal Matriz dos resultados da aprendizagem Nível introdutório

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência?

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? VOCÊ SABE O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? Setembro 2014 www.in-formacao.com.pt Formador/a O formador é o técnico

Leia mais

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR MÓDULO 4 EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 O JOGO

Leia mais

Formação de professores para a construção de autómatos

Formação de professores para a construção de autómatos Formação de professores para a construção de autómatos 1. Introdução Esta é uma proposta de um currículo de formação de professores para a construção de autómatos em contexto de sala de aula. A oficina

Leia mais

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental 1. Introdução Júlia Fonseca 2010/2011 CICLO DE GESTÃO Planeamento Implementação Controlo de gestão Ciclo de gestão Planeamento Feedback Implementação Controlo Planear Dirigir e Motivar Controlar PLANEAMENTO

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Inovação & A avaliação

Inovação & A avaliação INOVAÇÃO E ENSINO DA EXCELÊNCIA: AVALIAÇÃO NO AEB, PORQUÊ E COMO Inovação & A avaliação Impacto da avaliação formativa nas aprendizagens (workshop 1) Lisboa, 07 julho 2015 Anabela Serrão PORQUE AVALIAMOS?

Leia mais

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros.

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros. REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DE GRAU I (Resumo) 1. Carga Horária O Curso de Treinadores de Atletismo de Grau I passa a englobar na sua componente curricular, para além das matérias gerais do treino desportivo

Leia mais

Curso: ESTRATÉGIAS E INOVAÇÃO PEDAGÓGICA

Curso: ESTRATÉGIAS E INOVAÇÃO PEDAGÓGICA Curso: ESTRATÉGIAS E INOVAÇÃO PEDAGÓGICA e-ipp Unidade de e-learning do Politécnico do Porto e-ipp@sc.ipp.pt ÍNDICE ÍNDICE... 2 RESUMO... 3 FICHA DO CURSO... 4 PERFIL DOS ALUNOS... 4 NECESSIDADES DE INSTRUÇÃO...

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objetivos Gerais Este Curso, homologado pelo IEFP, visa dotar os participantes das técnicas, conhecimentos e competências necessárias á apresentação com sucesso

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES PÚBLICO-ALVO Quadros médios e superiores com saberes específicos de determinada profissão ou área profissional que se interessem pela atividade formativa, com

Leia mais

Roteiro Pedagógico. Roteiro Pedagógico Curso de Formação Associado ao Estágio Profissional. Curso de Formação associado ao Estágio Profissional

Roteiro Pedagógico. Roteiro Pedagógico Curso de Formação Associado ao Estágio Profissional. Curso de Formação associado ao Estágio Profissional Roteiro Pedagógico Curso de Formação associado ao Estágio Profissional Página 1 de 19 Mês Módulo 0 - Apresentação do Curso Sessão Presencial Situação Profissional Módulo I - Situação Profissional da Psicologia

Leia mais

Orientações para a PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA (PIP)

Orientações para a PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) Orientações para a PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) Avaliação do Projeto de Intervenção O Projeto de Intervenção tem a ponderação de 30% na Avaliação Final do formando. PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Projecto de Experiências Pré- Profissionais

Projecto de Experiências Pré- Profissionais Projecto de Experiências Pré- Profissionais Introdução 3 1. Suporte Legal.3 2. Conceito de Experiências Pré-Profissionais.4 3. Objectivos...4 a) Gerais...4 b) Específicos.. 4 4. Proposta de realização

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa mluz.antunes@estesl.ipl.pt Missão da Biblioteca Escolar A biblioteca escolar oferece um serviço

Leia mais

Workshop de Gestão de Recursos Humanos Objetivos Gerais Dotar os participantes de técnicas, métodos e instrumentos que vão fazer melhorar o planeamento, o acompanhamento e a Gestão dos Recursos Humanos.

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

Aula 1. Planejamento. Lilian R. Rios 18/02/16

Aula 1. Planejamento. Lilian R. Rios 18/02/16 Aula 1 Planejamento Lilian R. Rios 18/02/16 Planejamento de Ensino É um conjunto de conhecimentos práticos e teóricos ordenados de modo a possibilitar interagir com a realidade, programar as estratégias

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Revisão Ano Letivo 2015/ 2016

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Revisão Ano Letivo 2015/ 2016 PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Revisão Ano Letivo 2015/ 2016 Identificação do Aluno NOME: DATA DE NASCIMENTO: NÍVEL DE EDUCAÇÃO OU ENSINO: PRÉ-ESCOLAR 1ºCEB 2ºCEB

Leia mais

Programa de Formação Continuada para Docentes

Programa de Formação Continuada para Docentes Programa de Formação Continuada para Docentes Objetivos do programa Consolidar a identidade didático-pedagógica da instituição realizando reflexões com seus docentes sobre as diretrizes educacionais da

Leia mais

A coordenação pedagógica deverá conduzir o processo de construção do Plano Anual com base nos documentos previamente construídos na rede e na escola.

A coordenação pedagógica deverá conduzir o processo de construção do Plano Anual com base nos documentos previamente construídos na rede e na escola. O Plano Anual é o documento que registra as decisões da comunidade escolar em relação a operacionalização e organização da ação educativa, em consonância com seu Projeto Político Pedagógico, a Matriz Curricular

Leia mais

Curso de Mediaçã o de Conflitos

Curso de Mediaçã o de Conflitos Curso de Mediaçã o de Conflitos Objetivos Gerais/Competências visadas: Dotar os formandos de um conjunto de competências que permitam problematizar, analisar e refletir sobre situações práticas de gestão

Leia mais

Trabalho Individual Final (TIF) Ação: C523A-14_15. Avaliação das aprendizagens dos alunos refletir sobre as práticas avaliativas

Trabalho Individual Final (TIF) Ação: C523A-14_15. Avaliação das aprendizagens dos alunos refletir sobre as práticas avaliativas Trabalho Individual Final (TIF) Ação: C523A-14_15. Avaliação das aprendizagens dos alunos refletir sobre as práticas avaliativas Turma 1 Formador - Joaquim Morgado Formanda Cristina Maria Sereno Augusto

Leia mais

Os 8 passos para planear uma sessão de formação. Como decidir sobre que conteúdos incluir

Os 8 passos para planear uma sessão de formação. Como decidir sobre que conteúdos incluir 1 Os 8 passos para planear uma sessão de formação 2 Como decidir sobre que conteúdos incluir 3 Como definir objectivos 1 2 3 4 5 6 Definir o objectivo do evento e para quem foi concebido Determinar as

Leia mais

342 Marketing e Publicidade

342 Marketing e Publicidade 342 Marketing e Publicidade Análise de mercados e consumidores Destinatários Diretores e Gestores de Marketing, Marca e Vendas. Não existentes. Formação Continua. Requisitos de acesso Modalidade de Formação

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos.

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. Para efeitos de implementação do Quadro de Referência Europeu de Garantia

Leia mais

Serviço de Psicologia Externato da Luz

Serviço de Psicologia Externato da Luz Serviço de Psicologia Externato da Luz Índice Apresentação do Programa 3 Estrutura do Programa 4 Portefólio e Blogue Interactivo 5 Implementação do Programa 7 Grupos, horários e respectivos orientadores

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas Profa. Karina de M. Conte 2017 DIDÁTICA II Favorecer a compreensão do processo de elaboração, gestão,

Leia mais

Seminário Regional READ Introdução às Sessões

Seminário Regional READ Introdução às Sessões Seminário Regional READ Introdução às Sessões Equipa Global READ Banco Mundial Maputo, Moçambique 3-5 de Dezembro de 2012 Por que estamos aqui hoje? Objetivos do Seminário Dar aos participantes a oportunidade

Leia mais

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Revistos e aprovados na reunião de Departamento de 13 de setembro de 2016 Introdução O princípio consensualmente

Leia mais

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões PLANEJAMENTO INSTRUMENTO DE AÇÃO EDUCATIVA PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões Busca determinar fins Torna presentes valores e crenças Explicita nossa compreensão (mundo, vida, sociedade,

Leia mais

RESOLUÇÃO. Parágrafo único. O novo currículo será o 0006-LS e entrará em vigor no 1º semestre letivo de 2018.

RESOLUÇÃO. Parágrafo único. O novo currículo será o 0006-LS e entrará em vigor no 1º semestre letivo de 2018. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2017 ALTERA MATRIZ CURRICULAR, BEM COMO, EMENTAS E OBJETIVOS DO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA: CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF E APROVA

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

Proposta da formação docente

Proposta da formação docente Proposta da formação docente 7 Cadernos de Teorias e Práticas Educativas em Saúde - Vol. II Proposta da formação docente Este texto tem como objetivo relatar uma experiência de planejamento e implementação

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2. Actividades Rítmicas Expressivas: Danças Sociais (latino-americanas)

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2. Actividades Rítmicas Expressivas: Danças Sociais (latino-americanas) CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Relatório Circunstanciado

Relatório Circunstanciado Ano Letivo 2015/2016 Relatório Circunstanciado Artigo 13.º do Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro Artigo 31.º-A da Lei n.º 21/2008, de 12 de maio 1. IDENTIFICAÇÃO DO/A ALUNO/A Nome: Data de Nascimento:

Leia mais

ROTEIRO PEDAGÓGICO. Roteiro Pedagógico Curso de Formação Associado ao Estágio Profissional

ROTEIRO PEDAGÓGICO. Roteiro Pedagógico Curso de Formação Associado ao Estágio Profissional Roteiro Pedagógico Curso de Formação Associado ao Estágio Profissional ROTEIRO PEDAGÓGICO CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL ASSOCIADO AO ESTÁGIO PROFISSIONAL (BEST81P) Página 1 de 18 M Mês Abril BEST81P 30

Leia mais

ADAPTAÇÃO CURRICULAR: CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL

ADAPTAÇÃO CURRICULAR: CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL ADAPTAÇÃO CURRICULAR: CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL Marta Gertel RESUMO: Nos últimos anos, a proposta de inclusão escolar tem gerado uma modalidade de atividades cujo objetivo principal é

Leia mais

Wynne Harlen. Lisboa, Setembro

Wynne Harlen. Lisboa, Setembro Wynne Harlen Lisboa, Setembro 15 2012 Agenda Quais são as competências IBSE e por que são importantes? Como desenvolvê-las (5 aos 13 anos ) Ajudar os alunos a: Colocar questões e planificar investigações

Leia mais

Avaliando os vínculos externos

Avaliando os vínculos externos Módulo 2 Avaliando os vínculos Conteúdo SESSÃO 1 Avaliando os vínculos 54 53 Módulo 2 Sessão 1 Avaliando os vínculos As áreas chaves ligadas aos vínculos são: Relacionamentos com outras organizações Defesa

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fragoso 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fragoso

Leia mais

Optimizar uma Exposição Oral. António Rosado

Optimizar uma Exposição Oral. António Rosado Optimizar uma Exposição Oral António Rosado Objectivo da Exposição: a arte e a ciência de expor eficazmente ideias e informações com sentido, de modo a que possam surgir significados claros, estáveis e

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ

LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ Organização: Profª Esp. Ariane Polizel Objetivos: Se comunicar com maior repertório da Língua Portuguesa na modalidade escrita. Favorecer a aprendizagem dos conteúdos

Leia mais

O curso de Gestão e Coordenação de Formação tem como objetivo principal planear, executar e avaliar ações de formação profissional.

O curso de Gestão e Coordenação de Formação tem como objetivo principal planear, executar e avaliar ações de formação profissional. 0. ENQUADRAMENTO Hoje em dia fala-se muito de formação, nos incentivos existentes à formação, através de por exemplo cheques-formação, mas raramente se fala sobre o que se formar e quem formar. No nosso

Leia mais

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

Comunicação Alternativa e Inclusão

Comunicação Alternativa e Inclusão Comunicação Alternativa e Inclusão UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro Rio de Janeiro Brasil 28-10-2011 Patrícia Correia Diretora Executiva da Cnotinfor-Imagina Aventuras 2 Instalação do software

Leia mais

Programa EaD em REDE

Programa EaD em REDE Programa EaD em REDE Regulamento Interno Regulamenta o Programa EaD em Rede da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais - ABRUEM. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.

Leia mais

Regime de Avaliação do Plano de Formação

Regime de Avaliação do Plano de Formação Centro Centro de Formação da Associação de Escolas Bragança Norte Regime de Avaliação do Plano de Formação Escola-Sede: Escola Secundária Abade de Baçal Avenida General Humberto Delgado 5300-167 Bragança

Leia mais

AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA: O PAPEL DOS PROFESSORES E DOS ALUNOS. Zabala, A. A prática Educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998

AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA: O PAPEL DOS PROFESSORES E DOS ALUNOS. Zabala, A. A prática Educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998 AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA: O PAPEL DOS PROFESSORES E DOS ALUNOS Zabala, A. A prática Educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998 QUEM É O PROFESSOR? QUEM É O ALUNO? COMO DEVE SER O ENSINO? COMO

Leia mais

Mapas conceituais em aplicações educacionais. Evandro Cantú Instituto Federal do Paraná Câmpus Foz do Iguaçu

Mapas conceituais em aplicações educacionais. Evandro Cantú Instituto Federal do Paraná Câmpus Foz do Iguaçu Mapas conceituais em aplicações educacionais Evandro Cantú Instituto Federal do Paraná Câmpus Foz do Iguaçu evandro.cantu@ifpr.edu.br Aprendizagem Significativa Proposta por David Ausubel, nos anos 1960.

Leia mais

DESENHO E MONTAGEM DE EXPOSIÇ ÕE

DESENHO E MONTAGEM DE EXPOSIÇ ÕE Fundamentos de DESENHO E MONTAGEM DE EXPOSIÇ ÕE S Formador Bruno Filipe Soares Cabede Pág. 1 de 9 0 INDÍCE DIAGNÓSTICO PÁG. 03 JUSTIFICAÇÃO PÁG. 04 ÁREA TEMÁTICA PÁG. 04 MODALIDADES PÁG. 04 PÚBLICOS-ALVO

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE Publicado no Boletim do Trabalho do Emprego (BTE) nº 4 de 29 de janeiro de 2013 com entrada em vigor a 29 de janeiro de 2013. Publicação

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017 Psicólogas do Externato Pré-Escolar Vera Almeida 1º Ciclo Vera Almeida 2º Ciclo Manuela Pires 3º Ciclo Irene Cardoso Ensino Secundário

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

Você está pronto para mudar a aparência de sua casa, mas não sabe por onde começar? Isso tudo pode parecer intimidador.

Você está pronto para mudar a aparência de sua casa, mas não sabe por onde começar? Isso tudo pode parecer intimidador. Você está pronto para mudar a aparência de sua casa, mas não sabe por onde começar? Isso tudo pode parecer intimidador. Para saber decorar uma casa não basta apenas gostar de decoração. É preciso conhecer

Leia mais

Métodos de Ensino. Práticas de ensino de algoritmos (Hazzan, Cap. 7) Péricles Miranda

Métodos de Ensino. Práticas de ensino de algoritmos (Hazzan, Cap. 7) Péricles Miranda Métodos de Ensino Práticas de ensino de algoritmos (Hazzan, Cap. 7) Péricles Miranda Objetivos desta aula Apresentar métodos de ensino para educadores de cursos de computação. Discutir as vantagens e desvantagens

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO TEXTO 2 http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2310-6.pdf acesso em http://pt.wikipedia.org/wiki/conselho_de_classe 09 de outubro de 2014 CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL

Leia mais

SESSÃO DE SENSIBILIZAÇÃO CAF

SESSÃO DE SENSIBILIZAÇÃO CAF SESSÃO DE SENSIBILIZAÇÃO CAF Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação 30 de abril de 2012 Powerpoint Templates APRESENTAÇÃO Powerpoint Templates EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO Nomes Setor da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍRA SP PROCESSO SELETIVO EDITAL 001/2017

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍRA SP PROCESSO SELETIVO EDITAL 001/2017 PRIMEIRA RETIFICAÇÃO A Prefeitura Municipal de Guaíra, Estado de São Paulo, torna público que realizará por meio do INSTITUTO EXCELÊNCIA LTDA - ME, na forma prevista no artigo 37, inciso IX, da Constituição

Leia mais

Código de Boas Práticas de Impacto REPORTE EXECUTIVO

Código de Boas Práticas de Impacto REPORTE EXECUTIVO Nota Prévia O Código de Boas Práticas de foi produzido pelo NCVO, membro do Inspiring Impact. O Inspiring Impact é um programa que visa alterar até 2022 a forma como o setor voluntário no Reino Unido se

Leia mais

Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET)

Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) O que é? Modelo para garantir a qualidade das escolas profissionais implementado em toda a

Leia mais

CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO

CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO 2013/2014 CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimentar a Brincar (Ano 5) Realização de experiências no âmbito da Biologia Escola Secundária Cacilhas-Tejo Agrupamento de Escolas Emídio Navarro EB 2,3

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Conforme o ponto 1 do artigo 128º do Regulamento Interno

Leia mais

Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA

Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA Conteúdos Metodologias e técnicas de identificação de necessidades de formação, em função dos diversos públicos-alvo; Metodologias e técnicas de concepção de programas de

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA. Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider

OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA. Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider E-mail: emschneider@utfpr.edu.br O que são objetivos de ensino/aprendizagem? O que espero que meu aluno aprenda?

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Desenho Técnico Engenharia da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

passo a passo com vista à educação e formação dos adultos

passo a passo com vista à educação e formação dos adultos passo a passo com vista à educação e formação dos adultos O Luxemburgo tem uma longa tradição de educação e formação para adultos e que é comprovada através da vasta oferta de cursos e a elevada taxa de

Leia mais

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA Luísa Correia. Modelos e práticas de Auto-avaliação de Bibliotecas Escolares RBE Outubro/Dezembro 2010 Pressupostos

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação.

CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação. CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação. 41 Conforme as Diretrizes Nacionais Gerais para a Educação Básica, a

Leia mais

LEADERS O que é? Programa LEADERS Desenvolvimento de Competências de Liderança novos Líderes e reforço de competências em Líderes experientes

LEADERS O que é? Programa LEADERS Desenvolvimento de Competências de Liderança novos Líderes e reforço de competências em Líderes experientes Programa LEADERS 1 O que é? O Programa LEADERS consiste numa abordagem inovadora ao Desenvolvimento de Competências de Liderança alinhada com a Estratégia das organizações. Este Programa assume uma óptica

Leia mais

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DE UM PORTEFÓLIO

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DE UM PORTEFÓLIO GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DE UM PORTEFÓLIO 1. O que é um portefólio? Segundo Tierney, citado por Bernardes e Bizarro (2004): Uma colecção sistemática, organizada e devidamente planeada de trabalhos produzidos

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local Amarante - 2009 Níveis de conhecimento O Trevo Saber Fazer como executo a tarefa; procedimentos Saber Ser características da minha personalidade

Leia mais

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco.

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto 1 Introdução Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução O projeto se inicia com a definição de quais objetivos

Leia mais

Apêndice VII Guião de entrevista aos formadores portugueses

Apêndice VII Guião de entrevista aos formadores portugueses Apêndice VII Guião de entrevista aos formadores portugueses Orientações para o investigador: 1. Começar a entrevista por se apresentar e por apresentar aos formadores portugueses o projeto de investigação

Leia mais

Curso: PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM

Curso: PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM Curso: PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM ÍNDICE ÍNDICE... 2 RESUMO... 3 FICHA DO CURSO... 4 PERFIL DOS ALUNOS... 4 NECESSIDADES DE INSTRUÇÃO... 4 e-conteúdos... 4 PRÉ-REQUISITOS... 4 TECNOLOGIAS WEB...

Leia mais

Relatório Reflexivo. Oficina de Formação

Relatório Reflexivo. Oficina de Formação . Relatório Reflexivo Oficina de Formação (Re)Aprender a ensinar e avaliar nos cursos profissionais: o saber em ação José Luís Gonçalves Serafim Santo Tirso, 30 de julho de 2015 ÍNDICE 1. Introdução...

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEUSP

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEUSP FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEUSP Disciplina: Metodologia do Ensino de Português: A Alfabetização Professor: Nilce da Silva Aluno: Nathália Reis Ramos Número USP: 5120500 Plano de

Leia mais

Avaliando projetos. Conteúdo. Módulo. SESSÃO 1 Planejamento e implementação de projetos 62. SESSÃO 2 Resultados de médio e longo prazo do projeto 68

Avaliando projetos. Conteúdo. Módulo. SESSÃO 1 Planejamento e implementação de projetos 62. SESSÃO 2 Resultados de médio e longo prazo do projeto 68 Módulo 3 Avaliando projetos Conteúdo SESSÃO 1 Planejamento e implementação de projetos 62 SESSÃO 2 Resultados de médio e longo prazo do projeto 68 61 Módulo 3 Sessão 1 Planejamento e implementação de projetos

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017 AEMB - DEPE PROJETO CURRICULAR DE DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR 2013/2017 O Jardim de Infância é um espaço mágico repleto de cores, sons, onde os grandes aprendem com os pequenos o que é ser realmente grande

Leia mais

HABILIDADES DE PENSAMENTO PRESENTES NO ENSINO/APRENDIZAGEM E NA AVALIAÇÃO

HABILIDADES DE PENSAMENTO PRESENTES NO ENSINO/APRENDIZAGEM E NA AVALIAÇÃO HABILIDADES DE PENSAMENTO PRESENTES NO ENSINO/APRENDIZAGEM E NA AVALIAÇÃO Profa. Dra. Maria Isabel da Cunha - UNISINOS Oficina de formação Tema: Avaliação da aprendizagem: qualidade de instrumentos de

Leia mais

José Luís Ramos CIEP/CC TIC da Universidade de Évora

José Luís Ramos CIEP/CC TIC da Universidade de Évora José Luís Ramos jlramos@uevora.pt CIEP/CC TIC da Universidade de Évora Comunidades Escolares de Aprendizagem Gulbenkian XXI Apoio: Comunidades Escolares de Aprendizagem Gulbenkian XXI Comunidades Escolares

Leia mais

MUDANÇAS! CLIMATICAS!

MUDANÇAS! CLIMATICAS! ! MUDANÇAS! CLIMATICAS! NA SALA DE AULA! Curso da UNESCO para professores secundários (fundamental II e ensino médio) sobre educação em mudança climática e desenvolvimento sustentável (EMCDS)! Sexto dia

Leia mais

Licenciatura em Matemática MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Licenciatura em Matemática MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Matemática MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2012 APRESENTAÇÃO Este manual tem como objetivo principal auxiliar você a cumprir o estágio supervisionado obrigatório e as Atividades Complementares

Leia mais

Modelos de formação na aprendizagem da condução. Susana Paulino

Modelos de formação na aprendizagem da condução. Susana Paulino Modelos de formação na aprendizagem da condução Susana Paulino 01-07-2009 1 Lisboa, 30 de Junho de 2009 Objectivo do Ensino da Condução e Dados de Referência Modelo de Ensino da Condução Actual Tipos de

Leia mais

Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade

Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade Conferência Qualidade ao serviço da Educação de Adultos Revisão por Pares : uma proposta inovadora? Lisboa, 4 de Maio 2017 Sistema de Certificação

Leia mais

Plano de Formação da Biblioteca Escolar

Plano de Formação da Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas de Santo António Plano de Formação da Biblioteca Escolar Literacias da Informação e Tecnológica Contextualização Perante as necessidades de um contexto informativo mais complexo,

Leia mais

Reuniões de equipa. Estas reuniões possibilitam que se partilhem pontos de vista, que em conjunto se procurem soluções e se definam prioridades.

Reuniões de equipa. Estas reuniões possibilitam que se partilhem pontos de vista, que em conjunto se procurem soluções e se definam prioridades. Reuniões de equipa Para que se possa caracterizar o perfil de funcionalidade de cada aluno nos seus contextos de vida é importante que se reúnam professores e pais, e sempre que necessário outras pessoas

Leia mais

GUIA DO FORMANDO. Aspetos Deontológicos e Práticos dos Relatórios de Avaliação Psicológica

GUIA DO FORMANDO. Aspetos Deontológicos e Práticos dos Relatórios de Avaliação Psicológica GUIA DO FORMANDO Aspetos Deontológicos e Práticos dos Relatórios de Avaliação Psicológica Índice Enquadramento... pág. 3 Descrição do Curso... Destinatários... Objetivos de aprendizagem... Estrutura e

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. AVA: treinaremcasa.com.br/ava

MANUAL DO ALUNO. AVA: treinaremcasa.com.br/ava MANUAL DO ALUNO A Treinar é uma escola com tradição na área de cursos de Informática, Tecnologia, Desenvolvimento Profissional e Educação a Distância. Oferece cursos do nível básico ao avançado, visando

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO. Educador Ambiental. Mariana Cruz; Raquel Lopes 2012

ACÇÃO DE FORMAÇÃO. Educador Ambiental. Mariana Cruz; Raquel Lopes 2012 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Educador Ambiental Mariana Cruz; Raquel Lopes educadoramb@gmail.com 2012 Acção de Formação: Educador Ambiental Índice 1. Apresentação dos Formadores 2. Integração no tema a Educação Ambiental

Leia mais

Índice de conteúdo. Projeto Pedagógico e de Animação do Estremoz Férias

Índice de conteúdo. Projeto Pedagógico e de Animação do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação do Estremoz Férias 2017 Índice de conteúdo Introdução...4 1.Objetivos Gerais...4 2.Objetivos Específicos...5 3.Estratégias Educativas e Pedagógicas...5 4.Atividades Sócio-Educativas...6

Leia mais