FORMAÇÃO CONTINUADA: COMPREENDENDO O PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DE UM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO CONTINUADA: COMPREENDENDO O PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DE UM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO"

Transcrição

1 FORMAÇÃO CONTINUADA: COMPREENDENDO O PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DE UM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO Carlos de Souza Novais 1 ; Leandra de Lourdes Rezende Amaral 2 Universidade Federal de Uberlândia - 1 Universidade Federal de Uberlândia - 2 RESUMO Compreender o processo de ensino para professores do ensino básico em meio às diversas mudanças em que o sistema de ensino vem passando é fundamental para entender os reais objetivos dessa politica de qualificação de professores. O presente artigo pretende investigar e analisar o processo de ensino para professores conceituado como formação continuada, demonstrando através de uma pesquisa realizada em um curso de especialização para professores das séries iniciais, o porquê esses profissionais buscam estas formações extras e suas perspectivas com o aprendizado obtido. Levando em consideração que uma investigação mais aprofundada para uma melhor discussão do tema envolve outros materiais e pesquisas, este estudo compõe uma etapa importante para compreensão e reflexão dos métodos utilizados para qualificação dos professores do ensino básico. Palavras-chave: Formação continuada, Educação, Qualificação. INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo compreender o processo de ensino conceituado como formação continuada numa turma de especialização. Este trabalho é de extrema importância por trazer elementos críticos para refletirmos sobre as políticas de qualificação dos docentes no Brasil, neste caso, destacamos os professores municipais e estaduais lotados em Uberlândia MG no ano de Torna-se fundamental por apresentar questões consorciadas com os objetivos do Estado na formação de profissionais que formam a humanidade brasileira A qualificação de professores através de um curso de especialização Para compreender o processo de qualificação de professores na series iniciais, utilizo além de embasamentos teóricos de diversos autores uma pesquisa elaborada com alunos do curso de especialização em Geografia para séries iniciais do ensino fundamental, oferecido pelo Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia.

2 A atividade foi voltada, prioritariamente, para professores do 1º ao 5º ano do ensino fundamental de escolas públicas de Uberlândia e região. Mas também puderam participar da seleção professores de Geografia da educação infantil, de outros anos do ensino fundamental, do ensino médio, além de profissionais da educação de escolas públicas ou particulares. A pesquisa foi realizada no primeiro semestre de 2013 durante uma intervenção em sala, aplicamos questionários que buscavam compreender principais dificuldades e outras visões do aluno quanto ao curso. A principio a pesquisa foi motivada pela disciplina de Psicologia da Educação também oferecida no primeiro semestre de 2013, compondo parte das disciplinas da grade curricular do 4º período do curso de graduação em geografia licenciatura. Com os questionários respondidos, pudemos tabular os resultados e montar gráficos, que servirão para uma análise neste trabalho, dando suporte assim aos objetivos pretendidos por este. Para complementar a discussão sobre os reais objetivos que se tem com os cursos de qualificação profissional, também utilizo uma tabela com o plano de carreira dos professores do Estado de Minas Gerais. A seguir apresentamos os principais gráficos obtidos com a pesquisa e que contribuem diretamente para a discussão, para que possamos analisar: No gráfico 1, podemos perceber que a participação neste curso é em grande maioria de professores do ensino fundamental. Levando em consideração, que nas séries iniciais do ensino fundamental é instruído por pedagogos, podemos então fazer uma associação da maior percentagem de alunos a dificuldade com os temas da geografia, mesmo porque na pedagogia os temas geográficos não são estudados de forma continua e aprofundada.

3 Gráfico 1: Série(s) em que o professor atua Educação infantil Fundamental 7% Médio e EJA 4% Educação infantil e iniciais 4% Ensino Fundamental Ensino Médio Ensino Médio 7% Nenhum 25% Ensino Fundamental e Médio 3% Fonte: Elaboração própria Ensino Fundamental 50% Ensino Fundamental e Médio Nenhum Fundamental Médio e EJA Educação infantil Educação infantil e iniciais O gráfico 2, mostra que as principais dificuldades enfrentadas por estes profissionais, estão relacionadas a falta de conhecimento teórico dos temas geográficos. Reforçando a gráfico 1, as principais dificuldade estão relacionadas ao conteúdo a ser aplicado em sala. Gráfico 2: Principais dificuldades enfrentadas ao ensinar Geografia Falta de material didático 4% Suporte técnico da escola 8% Falta de conhecimento teórico 46% Barreiras hierarquicas 4% Falta de conhecimento teórico Didática Desinteresse dos alunos Suporte técnico da escola Desinteresse dos alunos 17% Didática 21% Fonte: Elaboração própria Falta de material didático Barreiras hierarquicas O gráfico 3, mostra que as três principais motivações estão intercaladas, destacando-se a melhor instrução em relação a geografia. Ou seja, mesmo que o principal objetivo seja a maior capacitação e reajuste salarial não é descartado.

4 Gráfico 3: Motivação em fazer o curso de especialização Melhor instrução em relação a Geografia 48% Reajuste salarial 19% Aprende r novas técnicas de ensino 33% Reajuste salarial Aprender novas técnicas de ensino Melhor instrução em relação a Geografia Fonte: Elaboração própria No gráfico 4, as expectativas com o curso é melhorar a didática de ensino e ampliar o conhecimento teórico dos temas geográficos. Esse gráfico reforça o anterior. Gráfico 4: Expectativas com o curso Quais expectativas com o curso? Melhorar didática 48% Ampliar conhecimento teórico 52% Ampliar conhecimento teórico Melhorar didática Fonte: Elaboração própria Perante os gráficos a presentados com suas análises, podemos observar que apesar de haver uma procura de qualificação ligada ao plano de carreira, o primeiro motivo que leva o profissional do ensino a buscar qualificação é ampliação do conhecimento para atualização dos já adquiridos. Isso pode ser visto em (RIBEIRO,p 30 citado por FREIRE, 1999) Diante das exigências do mundo pós-moderno e daquele que se propõe a educar, não há como

5 permanecer estático. Procurar o que se está produzindo nos centros de excelência se torna uma necessidade nos dias de hoje, principalmente diante do inacabamento. Porém, nem todos acreditam que essa qualificação, chamada de formação continuada ou continua tenha a capacidade de solucionar os problemas oriundos da formação de professores. O Estado através de suas ideologias implantadas até mesmo na proposta de uma educação de maior qualidade é capaz de ofuscar a realidade sobre o que realmente vem ocorrendo. Nesse ponto cabe expor aqui a fala de (ROCHA, 2011): A reprodução social se constitui através de vários instrumentos. A ideologia é um dos mais utilizado. E como expressão de interesses e falsificação da realidade para garantir o controle social, a estrutura dominante faz uso de superestruturas, sendo a educação uma das principais. Através dela, difunde-se a ideologia dominante, reproduz-se as relações de dominação e, ao mesmo tempo, prepara-se as forças produtivas para suas respectivas funções. Como o que se expressa contrário às demais ideias, cabe aqui buscar maiores aprofundamentos com outras opiniões para se fundamentar este trabalho. O que se espera com a qualificação profissional A análise dos gráficos obtidos através do questionário, na planilha do plano de carreira do professores do estado de Minas Gerais e nos textos de bases teóricas nos mostra que o governo defende uma formação continua de professores, utilizando como meio para qualificação dos profissionais o rendimento salarial, com acréscimos de acordo com sua qualificação. CONSIDERAÇÕES FINAIS Levando em consideração as opiniões dos autores que trabalham a temática e os resultados da pesquisa através dos questionários, bem como uma interpretação do plano de carreira dos professores do estado de Minas Gerais chegamos a uma primeira discussão sobre a qualificação dos professores através de programas e cursos de capacitação. Embora muitos aspectos levem profissionais da educação básica a procurarem se qualificar, o principal objetivo é uma maior carga de conhecimentos para serem aplicados em sala.

6 Diante desse cenário, cabe a nós refletirmos sobre as reais necessidades nas formações dos professores bem como o aprimoramento dos profissionais que já atuam em salas de aula, construindo assim um novo modelo de formação continuada, incorporando os anseios de uma educação de qualidade. REFERÊNCIAS RIBEIRO, E.H.R.M. A formação continuada do professor: uma experiência com o ensino médio em rede. Defesa de mestrado. PUC-Campinas, ROCHA, I.L. As políticas públicas para o ensino fundamental obrigatório em tempos de neoliberalismo. V encontro brasileiro de educação e marxismo, educação e emancipação humana. UFSC Florianópolis, VERDUM, P. L. Políticas de formação continuada de professores da educação básica: concepções e práticas de um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Educação integrante da Rede Nacional de Formação Continuada de Professores da Educação Básica da SEB/MEC. IV mostra de pesquisa da pós-graduação PUCR, VERDUM, P.L. Formação continuada de professores da educação básica: políticas e práticas. Porto Alegre, 2010.

7 Anexo 1

8 Apêndice 1 Questionário Pesquisa no Curso de Especialização em Geografia para séries iniciais do Ensino Fundamental 1 Qual sua idade? anos. 2 Qual seu sexo? 1( ) Masculino 2( ) Feminino 3 Em qual(is) curso(s) você é graduado? 4 Ano de conclusão da sua última graduação? 5 A quanto tempo trabalha como professor? 6 7 Em qual rede de ensino você trabalha? 1( ) Pública 2( ) Privada Série(s) em que atua? (trabalhando com Geografia) 8 Que meios utiliza para atualizar seus conhecimentos na disciplina de Geografia? (Enumere em ordem crescente, do mais utilizado para o menos utilizado) 1( ) Internet 2( ) Livros didáticos 3( ) Cursos de formação e capacitação 4( ) Outro 9 Quais as principais dificuldades encontradas ao ensinar Geografia? 10 Como ficou sabendo do Curso de Especialização em Geografia para séries iniciais do Ensino Fundamental? 1( ) Na própria escola onde ensina 2( ) Através do sindicato 3( ) Através da UFU 4( ) Colegas de trabalho 5( ) Outros 11 O que mais te motivou a fazer o curso de pós-graduação Especialização em Geografia para séries iniciais do Ensino Fundamental? (Enumere em ordem crescente, do mais priorizado ao menos priorizado) 1( ) Reajuste salarial 2( ) Aprender novas técnicas de ensino 3( ) Melhor instrução em relação a Geografia 4( ) Outro 12 Quais as expectativas com o Curso de Especialização em Geografia para séries iniciais do Ensino Fundamental? 13 Possui outros cursos de Pós-Graduação? 1( ) Sim 2( ) Não 14 Se sim, qual(is)? 15 Tem interesse em fazer cursos de especialização para outras disciplinas além da Geografia? 1( ) Sim 2( ) Não 16 Se sim, quais?

A PROFISSIONALIDADE DO BACHAREL DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

A PROFISSIONALIDADE DO BACHAREL DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1 A PROFISSIONALIDADE DO BACHAREL DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Joselene Elias de Oliveira UnB Fernanda Bartoly Gonçalves de Lima IFB RESUMO Este trabalho se propõe a realizar uma revisão bibliográfica

Leia mais

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS Rodolfo Dias Pinto 1 Maria de Lourdes dos Santos 2 1 Bolsista do Programa de Projetos de Pesquisa na Licenciatura

Leia mais

LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA

LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA: UMA FERRAMENTA IMPRESCINDÍVEL PARA A APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA Rodolfo Moreira Cabral, Antonio Carlos Belarmino Segundo Universidade Estadual da Paraíba, rodolfomoreira.16@hotmail.com;

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO / UERJ COORDENAÇÕES E DEPARTAMENTOS

FACULDADE DE EDUCAÇÃO / UERJ COORDENAÇÕES E DEPARTAMENTOS FACULDADE DE EDUCAÇÃO / UERJ COORDENAÇÕES E DEPARTAMENTOS Professoras Paula Cid e Luciana Velloso Coordenação do Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação. Faculdade de Educação Estrutura Direção e Vice-Direção:

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR QUESTIONÁRIO DO DIRETOR Caro Diretor(a): este questionário faz parte de uma importante pesquisa sobre a educação nosso estado o SPAECE. O objetivo principal é conhecer os Gestores, suas práticas de gestão

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR 5 º E 9 º A N O D O E N S I N O F U N D A M E N TA L Caro Professor(a): este questionário faz parte de uma importante pesquisa sobre a educação no nosso estado o SPAECE. O objetivo

Leia mais

OFICINAS PEDAGÓGICAS DE MATEMÁTICA: QUAL A MOTIVAÇÃO PARA ESTUDANTES E PROFESSORES?

OFICINAS PEDAGÓGICAS DE MATEMÁTICA: QUAL A MOTIVAÇÃO PARA ESTUDANTES E PROFESSORES? OFICINAS PEDAGÓGICAS DE MATEMÁTICA: QUAL A MOTIVAÇÃO PARA ESTUDANTES E PROFESSORES? Camila Pereira de Almeida (1), Caroline Silva Rodrigues (1), Maria Alves de Azerêdo (2) Universidade Federal da Paraíba,

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA EX-ALUNOS

QUESTIONÁRIO PARA EX-ALUNOS QUESTIONÁRIO PARA EX-ALUNOS 1 - Nome Completo 2 - E-mail 3 - Endereço 4 - Nº. 5 - Complemento 6 - Bairro 7 - Cidade 8 - UF 9 - Cep 10 - Sexo 11 - Data de Nascimento 12 - Estado Civil 13 - Para você o que

Leia mais

NOTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO ESTRATÉGIA DE REFLEXÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE

NOTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO ESTRATÉGIA DE REFLEXÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE NOTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO ESTRATÉGIA DE REFLEXÃO PARA ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE Para refletir... A educação seja doravante permanente, isto é, um processo

Leia mais

A Educação para a paz na formação de professores

A Educação para a paz na formação de professores 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO A Educação para a paz na formação de professores : Vandoski, Josiane Miranda. Apresentador : Vandoski, Josiane Miranda. Autor RESUMO:

Leia mais

CONHECENDO SUA PROFISSÃO III

CONHECENDO SUA PROFISSÃO III CONHECENDO SUA PROFISSÃO III META Levar o aluno a conhecer a profissão de Biólogo Professor. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar as principais dificuldades encontradas na profissão;

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS, DA TEORIA À PRÁTICA

PLANO DE NEGÓCIOS, DA TEORIA À PRÁTICA PLANO DE NEGÓCIOS, DA TEORIA À PRÁTICA LUZ, V. V. DA¹, VASQUES, A. F. ¹, SCHEBEK, J.P.H.R.¹, OLIVEIRA, L. R. DE² ¹ Estudantes do Curso Superior do Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSUL) Bagé RS Brasil

Leia mais

Professores no Brasil

Professores no Brasil Professores no Brasil Perfil docente, políticas para o magistério e níveis de formação dos professores brasileiros Maio de 2016 Perfil dos docentes brasileiros Funções docentes da Educação Básica todas

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DE QUÍMICA: REPOLHO ROXO COMO INDICADOR ÁCIDO-BASE

AULAS PRÁTICAS DE QUÍMICA: REPOLHO ROXO COMO INDICADOR ÁCIDO-BASE AULAS PRÁTICAS DE QUÍMICA: REPOLHO ROXO COMO INDICADOR ÁCIDO-BASE Gicelia Moreira RESUMO Universidade Federal de Campina Grande-UFCG, gicelia.moreira2009@gmail.com Diante muitas dificuldades encontradas

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E NUCLEO CENTRAL DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E NUCLEO CENTRAL DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E NUCLEO CENTRAL DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES LEMOS, Rita Maria - CEFET-MG/Araxá - ritamaria.lemos@gmail.com VIEIRA, Vânia Maria de Oliveira. UNIUBE - vaniacamila@uol.com.br

Leia mais

UMA PROFESSORA INICIANTE: UM SONHO, ALGUMAS DIFICULDADES E A ESPERANÇA DE SUPERAÇÃO

UMA PROFESSORA INICIANTE: UM SONHO, ALGUMAS DIFICULDADES E A ESPERANÇA DE SUPERAÇÃO UMA PROFESSORA INICIANTE: UM SONHO, ALGUMAS DIFICULDADES E A ESPERANÇA DE SUPERAÇÃO Fernanda Oliveira Costa Gomes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo fernanda.ocg@terra.com.br Introdução Com

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES TRATAMENTO ESTATÍSTICO DOS DADOS COLETADOS JUNTO AOS EGRESSOS DO PERÍODO DE

RELATÓRIO DE ATIVIDADES TRATAMENTO ESTATÍSTICO DOS DADOS COLETADOS JUNTO AOS EGRESSOS DO PERÍODO DE APRESENTAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES TRATAMENTO ESTATÍSTICO DOS DADOS COLETADOS JUNTO AOS EGRESSOS DO PERÍODO DE 1995-2001 Benedito S. Lima Neto Coordenador do Projeto Juliana Milanez Estagiária outubro,

Leia mais

Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL

Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Plano de Trabalho 2013 PALAVRA DO PRESIDENTE Desde 2007, os municípios de Santa Catarina contam com a Escola de Gestão

Leia mais

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Ana Maria Boavida Escola Superior de Educação de Setúbal Maria de Fátima Guimarães Escola Superior de

Leia mais

Ás expectativas dos professores da escola Abel Coelho- Mossoró-RN com relação à formação continuada- Uma visão do PIBID-UERN

Ás expectativas dos professores da escola Abel Coelho- Mossoró-RN com relação à formação continuada- Uma visão do PIBID-UERN Ás expectativas dos professores da escola Abel Coelho- Mossoró-RN com relação à formação continuada- Uma visão do PIBID-UERN Roseana da Silva Bezerra ¹; Tomaz Guilherme Pereira de Sena ²; Antônio Gautier

Leia mais

CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE 1 CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Joana D`arc Anselmo da Silva Estudante do Curso de Licenciatura em Pedagogia, bolsista PIBID Universidade Federal da Paraíba. UFPB Campus IV, joanadarc945@gmail.com

Leia mais

ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS

ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS 1 ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS Resumo Karina Ávila Pereira Universidade Federal de Pelotas Este artigo refere se a um recorte de uma tese de Doutorado em Educação

Leia mais

A IDENTIDADE DO(A) PROFESSOR DE MATEMÁTICA: Uma construção na formação. A construção da identidade profissional do(a) licenciado em Matemática

A IDENTIDADE DO(A) PROFESSOR DE MATEMÁTICA: Uma construção na formação. A construção da identidade profissional do(a) licenciado em Matemática A IDENTIDADE DO(A) PROFESSOR DE MATEMÁTICA: Uma construção na formação Objeto de pesquisa A construção da identidade profissional do(a) licenciado em Matemática Problemática Muitos são os estudos sobre

Leia mais

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Mesa redonda 04 XXI SNEF Uberlândia, 27/01/2015 Profa. Eliane A. Veit, UFRGS Vivemos num país com dimensões

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE ATITUDES FRENTE O APRENDER E A ESCOLA DE ESTUDANTES DO ENSINO BÁSICO FEIJÓ, T. V. ¹, BARLETTE, V. E.

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE ATITUDES FRENTE O APRENDER E A ESCOLA DE ESTUDANTES DO ENSINO BÁSICO FEIJÓ, T. V. ¹, BARLETTE, V. E. UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE ATITUDES FRENTE O APRENDER E A ESCOLA DE ESTUDANTES DO ENSINO BÁSICO FEIJÓ, T. V. ¹, BARLETTE, V. E. 1 ¹ Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) Bagé RS Brasil RESUMO Este

Leia mais

A PRÁTICA CURRICULAR E AS TECNOLOGIAS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS: desafios e possibilidades

A PRÁTICA CURRICULAR E AS TECNOLOGIAS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS: desafios e possibilidades 1 A PRÁTICA CURRICULAR E AS TECNOLOGIAS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS: desafios e possibilidades Mariana dos Reis Alexandre UNESP, Bauru/SP e-mail: mari.agd@hotmail.com Thais Cristina Rodrigues Tezani

Leia mais

ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA

ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA Adiene Silva Araújo Universidade de Pernambuco - UPE adienearaujo@hotmail.com 1- Introdução A Biologia como ciência, ao longo da história

Leia mais

Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Marli Eliza Dalmazo Afonso de André

Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Marli Eliza Dalmazo Afonso de André Compartilhando... Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores Marli Eliza Dalmazo Afonso de André Com muitos anos de experiência na formação de mestrandos e doutorandos

Leia mais

O CENÁRIO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA EM FOCO: A DIDÁTICA E A PRÁTICA DOCENTE EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO TOCANTINS

O CENÁRIO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA EM FOCO: A DIDÁTICA E A PRÁTICA DOCENTE EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO TOCANTINS O CENÁRIO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA EM FOCO: A DIDÁTICA E A PRÁTICA DOCENTE EM UMA ESCOLA PÚBLICA NO TOCANTINS Maria Elena Moura de Oliveira i Neila Nunes de Souza ii RESUMO O presente estudo retrata uma pesquisa

Leia mais

A avaliação da aprendizagem no curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Londrina: um olhar sobre a formação discente

A avaliação da aprendizagem no curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Londrina: um olhar sobre a formação discente A avaliação da aprendizagem no curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Londrina: um olhar sobre a formação discente Resumo: Jocimara Aparecida de Jesus 1 Dirce Aparecida Foletto de Moraes 2 Este

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta

Aprovação do curso e Autorização da oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Prospecção Tecnológica. 30 de agosto de 2012.

Prospecção Tecnológica. 30 de agosto de 2012. Prospecção Tecnológica 30 de agosto de 2012. A ação será executada por: A Equipe O Projeto Prospecção Tecnológica Objetivo Possibilitar a implantação de novas tecnologias que permitam redução de custos,

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO ENSINO DA FÍSICA EM CAJAZEIRAS- PB

O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO ENSINO DA FÍSICA EM CAJAZEIRAS- PB O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO ENSINO DA FÍSICA EM CAJAZEIRAS- PB José Robbyslandyo da Silva Santos robbyn23@hotmail.com Juliano de Sousa bezerra soujulianosousa@gmail.com soujulianosouza@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DOS ANOS INICIAIS EM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DOS ANOS INICIAIS EM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA FORMAÇÃO

Leia mais

A PEDAGOGIA DO ESPORTE NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA.

A PEDAGOGIA DO ESPORTE NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA. A PEDAGOGIA DO ESPORTE NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Marcos Vinicius Morais Ferreira¹ (IC), André Luís dos Santos Seabra² (PQ) marcos-moraisf@hotmail.com Universidade Estadual

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES

O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES Sociedade Brasileira de na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS: DESAFIOS E NECESSIDADES DOCENTES Pamela dos Santos Bezerra IFSP Câmpus Caraguatatuba

Leia mais

PIBID GEOGRAFIA NA MEDIAÇÃO ENTRE A ESCOLA E A UNIVERSIDADE COMO ESPAÇOS DE FORMAÇÃO DOCENTE

PIBID GEOGRAFIA NA MEDIAÇÃO ENTRE A ESCOLA E A UNIVERSIDADE COMO ESPAÇOS DE FORMAÇÃO DOCENTE 1 PIBID GEOGRAFIA NA MEDIAÇÃO ENTRE A ESCOLA E A UNIVERSIDADE COMO ESPAÇOS DE FORMAÇÃO DOCENTE Márcia Cristina de Oliveira Mello UNESP Campus de Ourinhos PIBID/CAPES Resumo Dentro de uma política institucional

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I: ANALISANDO AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I: ANALISANDO AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Revista da Educação Matemática da UFOP, Vol I, 2011 - XI Semana da Matemática e III Semana da Estatística, 2011 ISSN 2237-809X CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I: ANALISANDO AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE

Leia mais

DIRETRIZES PARA A DISCIPLINA DE PRÁTICA PEDAGÓGICA

DIRETRIZES PARA A DISCIPLINA DE PRÁTICA PEDAGÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAD COORDENADORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COEG COLEGIADO DO CURSO DE GEOGRAFIA DIRETRIZES PARA A DISCIPLINA

Leia mais

ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE

ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE ETNOMATEMÁTICA E LETRAMENTO: UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO EM UMA FEIRA LIVRE Sandra Regina RICCI Mestranda em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás sandraricci@brturbo.com.br

Leia mais

APLICAÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS SOBRE BIOMAS BRASILEIROS E CADEIAS ALIMENTARES COM ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

APLICAÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS SOBRE BIOMAS BRASILEIROS E CADEIAS ALIMENTARES COM ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 APLICAÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS SOBRE BIOMAS BRASILEIROS E CADEIAS ALIMENTARES COM ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO Bruna Lima Rocha Universidade Castelo Branco O presente estudo teve como

Leia mais

O RACIOCÍNIO PROPORCIONAL UTILIZADO PELOS ALUNOS DO 1 ANO DO ENSINO MÉDIO AO RESOLVER PROBLEMAS

O RACIOCÍNIO PROPORCIONAL UTILIZADO PELOS ALUNOS DO 1 ANO DO ENSINO MÉDIO AO RESOLVER PROBLEMAS O RACIOCÍNIO PROPORCIONAL UTILIZADO PELOS ALUNOS DO 1 ANO DO ENSINO MÉDIO AO RESOLVER PROBLEMAS Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 Mayara de Souza

Leia mais

HIDROCARBONETOS NO DIA A DIA NA VISÃO DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

HIDROCARBONETOS NO DIA A DIA NA VISÃO DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO HIDROCARBONETOS NO DIA A DIA NA VISÃO DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Lucilene Aline da Rosa 1 (IC)*, Daniela do Amaral Friggi 2, Magali Kemmerich 3 1 Licenciando em Química, Instituto Federal

Leia mais

Sugestões para a melhoria da formação pedagógica nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação

Sugestões para a melhoria da formação pedagógica nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação Sugestões para a melhoria da nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação Aspecto Valorização da licenciatura e melhor preparo do licenciado Atenção aos

Leia mais

CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE

CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE Edmar Martins de Oliveira 1, Cleidson Reginaldo Ferreira Ribeiro 2, Renata de Melo Paulino 3, Divino Ordones 4. 1 Graduando no Curso de Licenciatura Plena

Leia mais

Uma destas importantes parcerias é com o INSTITUTO AOCP.

Uma destas importantes parcerias é com o INSTITUTO AOCP. A Fundação de Apoio à FAFIPA é uma entidade sem fins lucrativos que atua na área da Educação Superior, em cursos de pós-graduação em diversas áreas do conhecimento, cursos de formação e capacitação de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO INOVADOR: NECESSIDADES FORMATIVAS E FATORES QUE POSSIBILITAM OU DIFICULTAM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS.

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO INOVADOR: NECESSIDADES FORMATIVAS E FATORES QUE POSSIBILITAM OU DIFICULTAM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS. FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO INOVADOR: NECESSIDADES FORMATIVAS E FATORES QUE POSSIBILITAM OU DIFICULTAM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS. i Helianane Oliveira Rocha UFRN ii Jailma Silva de Oliveira

Leia mais

ANEXO 01 LICENCIATURA EM PEDAGOGIA UENF SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS

ANEXO 01 LICENCIATURA EM PEDAGOGIA UENF SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS ANEXO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA UENF SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES PROGRAMAS / ATIVIDADES PERFIS DOS CANDIDATOS NÚMEROS DE VAGAS Coordenador (PA2) Conteudista (PA3) DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

Aula 6 Livro físico.

Aula 6 Livro físico. Conteúdos da aula 1. Material didático 2. Formatos 3. 2 1. Material didático Nessa aula, teremos como foco a apresentação do material didático da etb Material didático pode ser definido amplamente como

Leia mais

QUALIDADE DO ENSINO DE QUÍMICA NA MODALIDADE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MASSARANDUBA PB

QUALIDADE DO ENSINO DE QUÍMICA NA MODALIDADE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MASSARANDUBA PB QUALIDADE DO ENSINO DE QUÍMICA NA MODALIDADE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MASSARANDUBA PB Viviane Marques Sousa Universidade Estadual da Paraíba UEPB vivianemarxsousa@hotmail.com

Leia mais

TRABALHOS ACADÊMICOS

TRABALHOS ACADÊMICOS TRABALHOS ACADÊMICOS 86 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Jorge Eto 1 ; Marco Aurélio Borges Rodrigues Mariano 2, Daniela Dellacorte 3, Tânia de Oliveira 4, Gerson Bibiano 5 RESUMO:

Leia mais

Armando Traldi Júnior

Armando Traldi Júnior www.fisem.org/web/union http://www.revistaunion.org ISSN: 1815-0640 Número 48. Diciembre 2016 Página 232-237 Reseña de los libros: Desafios da Educação Inclusiva: formação de professores e práticas Armando

Leia mais

A DIFERENÇA ENTRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA

A DIFERENÇA ENTRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA A DIFERENÇA ENTRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA (Autor) Bruno Rocha; (Co-autor) Júlio César Andrade; (Co-autor) Cláudia Jeciane Souza; (Coautor) Mylena Teixeira

Leia mais

CUBO MÁGICO: uma estratégia pedagógica utilizada nas aulas de matemática 1

CUBO MÁGICO: uma estratégia pedagógica utilizada nas aulas de matemática 1 CUBO MÁGICO: uma estratégia pedagógica utilizada nas aulas de matemática 1 Renata Cleiton Piacesi Corrêa 2 ; Vitoria Cardoso Batista 3 INTRODUÇÃO O ensinar e aprender a matemática nas salas de aula da

Leia mais

O PROFESSOR DE ENFERMAGEM EM SUA FASE INICIANTE: QUE ANGÚSTIAS, QUE DIFICULDADES, QUAIS CAMINHOS?

O PROFESSOR DE ENFERMAGEM EM SUA FASE INICIANTE: QUE ANGÚSTIAS, QUE DIFICULDADES, QUAIS CAMINHOS? O PROFESSOR DE ENFERMAGEM EM SUA FASE INICIANTE: QUE ANGÚSTIAS, QUE DIFICULDADES, QUAIS CAMINHOS? Marcos Antonio Ferreira Júnior 1, Josefa Aparecida Gonçalves Grígoli 2 Nos últimos dez anos inúmeros cursos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. 1º semestre: EIXO 1 A TRAJETÓRIA EDUCACIONAL NEB 60 TOTAL

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. 1º semestre: EIXO 1 A TRAJETÓRIA EDUCACIONAL NEB 60 TOTAL MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA COMPONENTE CURRICULAR EIXO TEMÁTICO CH CR REQUISITOS 1º semestre: EIXO 1 A TRAJETÓRIA EDUCACIONAL Língua Portuguesa NEB 60 Educação e Tecnologias

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108 PROGRAMA Nº- 108 AMPLIAÇÃO DO PROJETO VOLTA REDONDA CIDADE DA MÚSICA SUB-FUNÇÃO: 361 ENSINO FUNDAMENTAL Proporcionar aos alunos da Rede Pública Municipal de Volta Redonda atividades musicais diversas nos

Leia mais

POLÍTICA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS O acompanhamento e o relacionamento com os egressos é um pilar muito importante para a consolidação de uma

POLÍTICA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS O acompanhamento e o relacionamento com os egressos é um pilar muito importante para a consolidação de uma POLÍTICA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS O acompanhamento e o relacionamento com os egressos é um pilar muito importante para a consolidação de uma instituição de ensino, partindo do princípio de que o vínculo

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO - PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA E A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO - PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA E A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA ESTÁGIO SUPERVISIONADO - PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA E A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA BEZERRA, Geisianny Morais geisiany.morais@hotmail.com Estudante de Geografia - DG/CH/UEPB ALMEIDA, Juliana

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Educação de jovens e adultos; Políticas públicas.

Palavras-chave: Formação de professores; Educação de jovens e adultos; Políticas públicas. A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EJA: INSTITUIÇÕES E POLÍTICAS Thamyres Xavier Moreira Universidade Federal de Ouro Preto Resumo: O presente trabalho trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa com a aplicação

Leia mais

ENADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

ENADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA 1 ENADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Luciana Schwengber Unisc Dr. Cláudio José de Olieira - Unisc Resumo: Este artigo consiste na problematização da produtividade das Provas do ENADE - Exame

Leia mais

PROFESSOR PESQUISADOR = ALUNO PROTAGONISTA

PROFESSOR PESQUISADOR = ALUNO PROTAGONISTA PROFESSOR PESQUISADOR = ALUNO PROTAGONISTA E.E. RAUL HUMAITA VILLA NOVA CEL. Professor(es) Apresentador(es): Professora Jocileuda M. Moriconi - PCG Realização: Foco do Projeto A teoria sem a prática vira

Leia mais

Palavras-chave: Alfabetização Matemática. Letramento Matemático. Formação inicial de professores.

Palavras-chave: Alfabetização Matemática. Letramento Matemático. Formação inicial de professores. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DE FUTUROS PROFESSORES Resumo Jéssica da Costa Ricordi 1 - UFPR Neila Tonin Agranionih 2 UFPR O artigo objetiva apresentar e analisar concepções de acadêmicos

Leia mais

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID. Detalhamento de SUBPROJETO (Licenciatura)

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID. Detalhamento de SUBPROJETO (Licenciatura) Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 CEP - 70359-970 Brasília, DF - Brasil. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses.

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica (3) (4) (5) previsão de alunos por turma em disciplina teórica de, no máximo, 80. relação aluno por docente,

Leia mais

A INSERÇÃO DO EGRESSO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA NOVAFAPI NO MERCADO DE TRABALHO: PERSPECTIVAS, E DESAFIOS.

A INSERÇÃO DO EGRESSO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA NOVAFAPI NO MERCADO DE TRABALHO: PERSPECTIVAS, E DESAFIOS. A INSERÇÃO DO EGRESSO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA NOVAFAPI NO MERCADO DE TRABALHO: PERSPECTIVAS, E DESAFIOS. Vanessa Martins Hidd Santos - NOVAFAPI Tânia Maria Basílio Quezado de Castro - NOVAFAPI INTRODUÇÃO

Leia mais

ISSN do Livro de Resumos:

ISSN do Livro de Resumos: PROGRAMA PIBID: O OLHAR DOS DOCENTES DAS TURMAS DAS ESCOLAS PARCEIRAS A PARTIR DAS PRÁTICAS DOS PIBIDIANOS. Natali Gonçalves GOMES, Priscila Flores ETCHEVERRY Bolsista de inciação à docência - PIBID. Pedagogia

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS)

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES TURÍSTICAS (2º CICLO) MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DOS DESTINOS TURÍSTICOS (2º CICLO) DOUTORAMENTO

Leia mais

O PROFESSOR DE FÍSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA

O PROFESSOR DE FÍSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA O PROFESSOR DE FÍSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PA Márcia Cristina Palheta Albuquerque (1); Laely Vieira (2); Walmir Benedito Tavares (1); Marcos Lázaro

Leia mais

PENSAMENTOS DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS SOBRE SABERES DOCENTES: DEFINIÇÕES, COMPREENSÕES E PRODUÇÕES.

PENSAMENTOS DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS SOBRE SABERES DOCENTES: DEFINIÇÕES, COMPREENSÕES E PRODUÇÕES. PENSAMENTOS DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS SOBRE SABERES DOCENTES: DEFINIÇÕES, COMPREENSÕES E PRODUÇÕES. Amayra Rocha da Silva Graduanda do Curso de Pedagogia. Bolsista-CNPq, UFPI. Profª. Drª. Maria da

Leia mais

A GEOGRAFIA ESCOLAR A PARTIR DOS LIVROS DIDÁTICOS:HISTÓRIA DA DISCIPLINA NO BRASIL

A GEOGRAFIA ESCOLAR A PARTIR DOS LIVROS DIDÁTICOS:HISTÓRIA DA DISCIPLINA NO BRASIL A GEOGRAFIA ESCOLAR A PARTIR DOS LIVROS DIDÁTICOS:HISTÓRIA DA DISCIPLINA NO BRASIL O referente texto propõe uma reflexão critica do ensino da geografia escolar a partir do livro didático e nos arremete

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOCENTE: ALESSANDRA ASSIS DISCENTE: SILVIA ELAINE ALMEIDA LIMA DISCIPLINA: ESTÁGIO 2 QUARTO SEMESTRE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOCENTE: ALESSANDRA ASSIS DISCENTE: SILVIA ELAINE ALMEIDA LIMA DISCIPLINA: ESTÁGIO 2 QUARTO SEMESTRE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOCENTE: ALESSANDRA ASSIS DISCENTE: SILVIA ELAINE ALMEIDA LIMA DISCIPLINA: ESTÁGIO 2 QUARTO SEMESTRE PEDAGOGIA A leitura de mundo precede a leitura da palavra Paulo Freire

Leia mais

Faculdade de Educação FaE/UFMG Curso de Pedagogia - Horário de Aulas 2º Semestre de º Período

Faculdade de Educação FaE/UFMG Curso de Pedagogia - Horário de Aulas 2º Semestre de º Período Faculdade de Educação FaE/UFMG Curso de Pedagogia - Horário de Aulas 2º Semestre de 2016 1º Período Turma: G Turno: Manhã SOCIOLOGIA ALFABETIZAÇÃO POLÍTICA FILOSOFIA METODOLOGIA DE PESQUISA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Avaliação Educacional Código da Disciplina: EDU 340 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

CARTOGRAFIA ESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA

CARTOGRAFIA ESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA CARTOGRAFIA ESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA Reis 1, Christiane Maria Moura cmm_reis@yahoo.com.br Rodrigues 2, Jean Marrie de Oliveira, jeanrodriguezpb@gmail.com Centro de Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAD CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAD CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA Página 1 de 5 UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAD CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE DISCIPLINA 2016.1 DISCIPLINA: Estágio Supervisionado

Leia mais

DIFICULDADES RELATADAS POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NO PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA: ESTUDO DE CASO DE ESCOLAS ESTADUAIS EM GRAJAÚ, MARANHÃO 1

DIFICULDADES RELATADAS POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NO PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA: ESTUDO DE CASO DE ESCOLAS ESTADUAIS EM GRAJAÚ, MARANHÃO 1 DIFICULDADES RELATADAS POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NO PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA: ESTUDO DE CASO DE ESCOLAS ESTADUAIS EM GRAJAÚ, MARANHÃO 1 Camila Jorge Pires Graduanda em Licenciatura em Ciências Naturais/Química

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE, SUAS FRAGILIDADES E DESAFIOS

A FORMAÇÃO DOCENTE, SUAS FRAGILIDADES E DESAFIOS A FORMAÇÃO DOCENTE, SUAS FRAGILIDADES E DESAFIOS Introdução Fernanda Oliveira Costa Gomes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo fernanda.ocg@terra.com.br Este artigo apresenta parte de uma pesquisa

Leia mais

PERFIL DE QUEM ATUA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS FASES INICIAIS DA EJA NO MUNICÍPIO DE DOURADOS MS

PERFIL DE QUEM ATUA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS FASES INICIAIS DA EJA NO MUNICÍPIO DE DOURADOS MS PERFIL DE QUEM ATUA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS FASES INICIAIS DA EJA NO MUNICÍPIO DE DOURADOS MS MONTANDON, Taíssa Martins 1 SANTOS, Maria de Lourdes dos 2 1 Discente de Pedagogia da FAED/UFGD

Leia mais

ALUNOS E ESTAGIÁRIOS: UMA RELAÇÃO DESAFIADORA DE APRENDIZAGEM

ALUNOS E ESTAGIÁRIOS: UMA RELAÇÃO DESAFIADORA DE APRENDIZAGEM ISSN 2316-7785 ALUNOS E ESTAGIÁRIOS: UMA RELAÇÃO DESAFIADORA DE APRENDIZAGEM Pamella Aleska da Silva Santos 1 IFMT Campus Campo Novo do Parecis pamellaaleska@hotmail.com Vera Cristina de Quadros 2 IFMT

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

O Departamento de Química conta hoje com 55 (cinquenta e cinco) docentes, sendo 51 (cinquenta e um) professores doutores e 4 (quatro) mestres.

O Departamento de Química conta hoje com 55 (cinquenta e cinco) docentes, sendo 51 (cinquenta e um) professores doutores e 4 (quatro) mestres. 2 1. DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL 1.1. BREVE HISTÓRICO A então Universidade do Paraná, hoje Universidade Federal do Paraná é considerada a mais antiga universidade do Brasil tendo sido criada em 19 de

Leia mais

Palavras-chave: Formação do professor. Prática pedagógica pré-profissional Conhecimento didático dos conteúdos.

Palavras-chave: Formação do professor. Prática pedagógica pré-profissional Conhecimento didático dos conteúdos. 1 A PRÁTICA PEDAGÓGICA PRÉ-PROFISSIONAL E OS CONHECIMENTOS DIDÁTICOS DA MATEMÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE SANTA FÉ EM SÃO LUIS/MA Ana Lúcia Maia Gama Universidade Nacional de Rosario Argentina

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Educação Física Curso: Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio Série: 1º, 2º, 3º Ano Carga Horária: 80h/a (67/H) Docente Responsável: EMENTA

Leia mais

Água em Foco Introdução

Água em Foco Introdução Água em Foco Introdução O Água em Foco tem como principais objetivos: (I) a formação inicial, com os alunos do Curso de Licenciatura em Química da UFMG, e continuada de professores, para trabalhar com

Leia mais

Relatório de Avaliação do curso de. Capacitação "Gestão Pública"

Relatório de Avaliação do curso de. Capacitação Gestão Pública Universidade Federal Fluminense Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Pessoal Técnico-Administrativo Divisão de Capacitação e Qualificação Relatório de Avaliação do curso de Capacitação "Gestão

Leia mais

Apresentando o problema

Apresentando o problema 2 Apresentando o problema Segundo a pesquisa de Lourenço (1974, p.22) o trabalho do coordenador pedagógico foi criado e direcionado a supervisionar o trabalho do professor na escola de forma que este aplicasse

Leia mais

REUNIÃO COM OS EDUCADORES DO 2º SEGMENTO

REUNIÃO COM OS EDUCADORES DO 2º SEGMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/SEÇÃO DE ENSINO NÃO FORMAL REUNIÃO COM OS EDUCADORES DO 2º SEGMENTO Não é no silêncio que

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES: CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE ALFABETIZAÇÃO EM QUESTÃO NO ÂMBITO DO PIBID

FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES: CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE ALFABETIZAÇÃO EM QUESTÃO NO ÂMBITO DO PIBID FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES: CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE ALFABETIZAÇÃO EM QUESTÃO NO ÂMBITO DO PIBID Resumo: Ângela Helena Bona Josefi Professora do Departamento de Pedagogia; Coordenadora de área

Leia mais

IMPACTOS NEGATIVOS (Do problema) Falta de investimento em Recursos materiais e humanos; Professores desmotivados; Salas superlotadas;

IMPACTOS NEGATIVOS (Do problema) Falta de investimento em Recursos materiais e humanos; Professores desmotivados; Salas superlotadas; REFLEXÃO E AÇÃO 3 Faça uma reflexão acerca do esquema apresentado como síntese desta unidade do Caderno. A seguir, em pequenos grupos, discuta com seus colegas e escreva os principais problemas da escola

Leia mais

Uma Investigação a Disciplina Informática (ou correlatas) em Educação Matemática nos Cursos de Licenciatura.

Uma Investigação a Disciplina Informática (ou correlatas) em Educação Matemática nos Cursos de Licenciatura. Uma Investigação a Disciplina Informática (ou correlatas) em Educação Matemática nos Cursos de Licenciatura. Clécio Rodrigues de Souza Ubiratan D Ambrosio Mestrado Profissional em Educação Matemática PUC

Leia mais

PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS. Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO.

PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS. Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO. PEDAGOGIA JURÍDICA: AS PRÁTICAS DO PEDAGOGO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS Laylla Nayanne Dias Lopes TJGO laylla.lopes@hotmail.com RESUMO: Este trabalho realiza uma análise sobre a participação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 Apresentação O Curso de Licenciatura em Artes da tem como meta principal formar o professor de artes através de

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU260 DISCIPLINA: ENSINO DA GEOGRAFIA CARGA HORÁRIA: 90h EMENTA: Geografia: conceitos

Leia mais

HUMANISMO EM NOVE LIÇÕES QUARTA EDIÇÃO

HUMANISMO EM NOVE LIÇÕES QUARTA EDIÇÃO HUMANISMO EM NOVE LIÇÕES QUARTA EDIÇÃO A quarta edição do curso Humanismo em Nove Lições foi realizada no início do mês de agosto em Belém, no Pará, tendo sido promovida pelo CEDES em associação com a

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais para formação de professores da educação básica: inicial e continuada. Dr. Delarim Martins Gomes

Diretrizes curriculares nacionais para formação de professores da educação básica: inicial e continuada. Dr. Delarim Martins Gomes Diretrizes curriculares nacionais para formação de professores da educação básica: inicial e continuada Dr. Delarim Martins Gomes INTRODUÇÃO As DCN-FIC propõem a ordenação do futuro, alicerçadas na educação

Leia mais

FORMAÇÃO DO PSICÓLOGO: UM ESTUDO REALIZADO NO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNISC

FORMAÇÃO DO PSICÓLOGO: UM ESTUDO REALIZADO NO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNISC 61 FORMAÇÃO DO PSICÓLOGO: UM ESTUDO REALIZADO NO CURSO DE PSICOLOGIA DA UNISC Resumo Morgana Schena Aila Severino Mença Aline Michele da Costa Paula Rogeli Vieira Silvia Virginia Coutinho Areosa Universidade

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases

Lei de Diretrizes e Bases Lei de Diretrizes e Bases 01. Segundo a Lei de Diretrizes e Bases, a avaliação do desempenho do aluno deverá ser contínua e cumulativa, considerando-se a: a) prevalência dos aspectos quantitativos sobre

Leia mais

PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO COM SÍNDROME DE DOWN EM UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DA CIDADE DE REMÍGIO.

PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO COM SÍNDROME DE DOWN EM UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DA CIDADE DE REMÍGIO. PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO COM SÍNDROME DE DOWN EM UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DA CIDADE DE REMÍGIO. Lidiane Rodrigues Diniz; Universidade Federal da Paraíba lidiany-rd@hotmail.com Ana Cristina

Leia mais

A MONITORIA COMO INSTRUMENTO FACILITADOR DE APRENDIZAGEM

A MONITORIA COMO INSTRUMENTO FACILITADOR DE APRENDIZAGEM A MONITORIA COMO INSTRUMENTO FACILITADOR DE APRENDIZAGEM Andre Reuel Vieira Gomes (Bolsista); Karla Katiuscia Nóbrega de Almeida (Professor Coordenador/Orientador) Centro de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais