UNIVERSIDADE DE LISBOA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE LISBOA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE DIREITO CURSO DE MESTRADO CIENTÍFICO EM DIREITO INTELECTUAL A RESPONSABILIDADE DOS PRESTADORES DE SERVIÇOS EM REDE - AS INOVAÇÕES DO DECRETO-LEI 7/ RELATÓRIO DE DIREITO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO REGÊNCIA: PROFESSOR DOUTOR JOSÉ DE OLIVEIRA ASCENSÃO PROFESSOR DOUTOR JOSÉ ALBERTO VIEIRA VERA ELISA MARQUES DIAS LISBOA, MAIO DE 2009

2 ÍNDICE: Capítulo I: Os conteúdos ilícitos em rede 4 1. A globalização dos conteúdos 4 2. Conteúdos ilícitos em rede 5 3. As dificuldades de repressão dos conteúdos ilícitos em rede 8 Capítulo II: A responsabilização dos prestadores de serviços 11 intermediários pelos conteúdos ilícitos em rede 4. A responsabilização dos prestadores de serviços Conceito Categorias Princípio da equiparação Os prestadores intermediários de serviços Conceito O princípio geral da irresponsabilidade Ausência de um dever geral de vigilância A imposição de deveres comuns O simples transporte Definição Isenção de responsabilidade Responsabilização A armazenagem intermédia ou caching Definição Isenção de responsabilidade Responsabilização A armazenagem principal ou hosting 26

3 6.7.1 Definição Requisitos do regime de isenção de responsabilidade 27 CAPÍTULO IV: AS INOVAÇÕES PORTUGUESAS NO DECRETO-LEI Nº 7/ Os Prestadores Intermediários de Associação de Conteúdos Instrumentos de busca Hipernexos Hiperligações simples (surface linking) Hiperligações profundas (deep linking) Conexões automáticas (inlining) Enquadramentos (frames) O direito à informação Os índices da ilicitude da associação de conteúdos A solução provisória de litígios Caracterização O procedimento As partes A ilicitude manifesta A responsabilidade pela decisão O pedido A provisoriedade da decisão administrativa A constitucionalidade 56 Conclusão 59 Bibliografia

4 A RESPONSABILIDADE DOS PRESTADORES DE SERVIÇO - As Inovações no Decreto-Lei 7/2004, de 7 de Janeiro - Capítulo I: Os conteúdos ilícitos em rede 9. A globalização dos conteúdos Desde a sua criação, em 1969, pelo governo norte-americano, com objectivos militares, sendo a intenção a oportunidade de comunicação num cenário de guerra nuclear, até aos dias de hoje a amplitude da internet mudou astronomicamente. O acesso à internet, restringia-se a um restrito grupo de funcionários governamentais, académicos e técnicos da área da informática, logo não era motivo de preocupação para as autoridades. Até que nos anos 90 se alastrou a toda a população mundial, quebrando fronteiras territoriais, sociais, económicas, raciais, culturais, religiosas e etárias. Foi a internet a artesã da aldeia global. Com o novo século a explosão deu-se a nível comercial e empresarial, aplicando-se o slogan quem não está na net, não existe! Esta revolução digital, proliferou-se à escala planetária, contaminando todos os sectores, gerando novas formas de comunicação, de negócio, de trabalho e de relacionamentos. Nunca as fronteiras pareceram tão invisíveis, acessíveis e próximas Na mesma linha de análise, SANTOS, Paulo / BESSA, Ricardo / PIMENTEL, Carlos CYBERWAR o fenómeno, as tecnologias e os actores, FCA, Editora de Informática, Lda, 2008, p.1. 2 HUGO LANÇA SILVA, avança o paralelo de que: A globalização que tanto se alarde nos nossos dias, se teve a sua génese nas Descobertas dos bravos marinheiros lusitanos, encontra o seu epicentro na Internet., As leis do 4

5 A comunidade cibernética, conta actualmente com dezenas de milhões de utilizadores, devendo a sua popularidade ao facto dos seus custos de utilização serem quase totalmente independentes do tempo de uso e da distância. 3 A internet é na sua génese anárquica, sendo famosa a proclamação de Perry Barlow 4 : "Governos do mundo industrial, em nome do futuro, pedimos que nos deixem sós. Não são vocês personas gratas entre nós. Falta-lhes soberania e legitimidade ética para implantar regras ou métodos. Temos motivos de sobra para temer-lhes. O ciberespaço não se ajusta em suas fronteiras". Contudo, este ideal deixou de ser conjecturável, com a explosão de utilizadores e o volume de circulação de informação também multiplicaram a diversidade de condutas lesivas e ilícitas, praticáveis e praticadas, na internet, ou por intermédio dela. Consequentemente urge a regulamentação do meio digital, 5 de modo a que se torne um ambiente seguro e de confiança, características essenciais à sua solidificação. 10.Conteúdos ilícitos em rede Com os benefícios indubitáveis, já conhecidos, da internet chegaram também as desvantagens, porque a globalização, a rapidez, facilidade e comodidade de divulgação de informação ao segundo, pode ser também usada para fins ilícitos. Os problemas e questões jurídicas 6 advindas da internet são inúmeros, estamos perante um mundo virtual paralelo em que é quase tudo é possível, inclusive a prática comércio electrónico: tentativa de desconstrução de um complexo puzzle, Verbo Jurídico, 2007, disponível em: 3 SEBASTIÃO NÓBREGA PIZARRO, Comércio Electrónico, Contratos electrónicos e informáticos, Almedina, 2005, p Activista norte-americano que proclamou, em 1996, a Declaração de Independência da Internet. 5 No mesmo sentido, SEBASTIÃO NÓBREGA PIZARRO, op. cit., p Como acentua ANTÓNIO PINTO MONTEIRO, As Telecomunicações e o Direito na Sociedade da Informação, Instituto Jurídico da Comunicação da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1999, p

6 de condutas contrárias à lei, à moral e aos bons costumes, com a desvantagem da provável potenciação dos danos. 7 A disseminação de conteúdos ilícitos pela internet assume uma gravidade muito maior do que por qualquer outro meio. Isto porque, para além da instantânea disseminação a nível global e intemporal, é difícil, se não quase impossível, o seu controlo por parte das autoridades, devido ao anonimato e às técnicas de encobrimento usadas pelos infractores. Uma mensagem com conteúdos ilícitos na internet pode ter consequências devastadoras e irreparáveis, como por exemplo uma mensagem de cariz difamatório ou racista. O Livro Verde para a Sociedade da Informação refere que no contexto emergente da sociedade da informação, o termo conteúdo parece englobar todo e qualquer segmento de informação propriamente dito, isto é, tudo aquilo que fica quando excluímos os sistemas de hardware e software que permitem a sua consulta e exploração. 8 Por outro lado, SOFIA CASIMIRO distingue entre conteúdos ilícitos e conteúdos lesivos, caracterizando-se os primeiros por serem contrários à ordem jurídica vigente, logo devem ser retirados da rede e responsabilizados os seus actores. Quanto aos segundos, apesar de não contrariarem directamente a lei, são inadequados e prejudiciais para alguns dos utilizadores porque são susceptíveis de ofender os seus 7 Como acentuam Paulo SANTOS / Ricardo BESSA / Carlos PIMENTEL, op.cit., p.5; ANTÓNIO PINTO MONTEIRO (coord.) As Telecomunicações e o Direito na Sociedade da Informação, Instituto Jurídico da Comunicação da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Coimbra, 1999, p. 356; e ANDREA SARRA VIVIANA, Comercio electrónico y derecho, Aspectos jurídicos de los negócios en Internet, Editorial Astrea de Alfredo y Ricardo Depalma, Ciudad de Buenos Aires, 2000, p Livro Verde para a Sociedade da Informação, Missão para a Sociedade da Informação, Ministério da Ciência e da Tecnologia, Lisboa, 1997, p

7 valores ou sentimentos, 9 devendo ser usados mecanismos de filtro para contornálos. Os conteúdos ilícitos em rede Web poderão ser de vários tipos destacando-se as difamações ou injúrias, a devassa da vida privada, a pornografia infantil, o incitamento à discriminação, o ódio ou violência racial ou religiosa, a violação de direitos de autor, o jogo ilegal, a concorrência desleal, entre outros. Quase todos os ilícitos cometidos no mundo real também são possíveis de ser cometidos no mundo virtual, com a desvantagem de que determinados tipos, porque inseridos na esfera digital global, são ampliados. Na rede, como fora dela, existirão sempre crimes, comportamentos desviantes, a procura do lucro fácil, pelo que o fenómeno deve ser encarado sem dramatismo, com o pragmatismo que se aplica aos factos consumados. 10 Os fornecedores de conteúdos colocam os conteúdos em rede. Quando esses conteúdos são ilícitos, como autores do acto ilícito, são eles os primeiros responsáveis por esses conteúdos. O fornecedor de conteúdos consoante a acção praticada pode incorrer em responsabilidade civil ou penal, podendo cumular as duas. Por regra, responsabilidade civil será a aquiliana, mas poderá existir responsabilidade contratual, por exemplo se o fornecedor de conteúdos no contrato celebrado com o fornecedor de acesso se obrigou a não colocar em rede conteúdos ilícitos, tendo violado essa estipulação contratual e provocado prejuízo ao fornecedor de acesso. 9 SOFIA CASIMIRO, Contributo para o estudo dos mecanismos de associação de conteúdos da World Wide Web As Hiperligações, Dissertação do Curso de Mestrado em Ciências Jurídicas (ano lectivo de 1998/1999), Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, , p HUGO LANÇA SILVA, As leis, op. cit., p

8 Nas restantes situações, aplicar-se-á as regras da responsabilidade civil subjectiva, nomeadamente no pagamento de uma indemnização se, como prevê o artigo 483º do Código Civil, o fornecedor de conteúdos violar, com dolo ou mera culpa, o direito de outrem ou qualquer disposição legal destinada a proteger interesses alheios. 11 Poderá, também, incorrer em responsabilidade penal caso preencham a tipificação legal da qualificação de um crime pelo ordenamento jurídico. 11.As dificuldades de repressão dos conteúdos ilícitos em rede A repressão dos conteúdos ilícitos em rede é extremamente difícil, contribuindo fatalmente para tal os factores do anonimato, da deslocalização de conteúdos e técnicas anti-bloqueio e a inexistência de um regime internacional. Talvez o principal seja o anonimato 12 que a internet proporcional aos seus utilizadores. O anonimato ou o uso de identidade falsa, é uma das características atraentes da internet, mas quando sai do âmbito do direito à reserva da vida privada e entra na impossibilidade de punição dos actores dos actos ilícitos, é abdicável. Este anonimato pode funcionar como um propulsor para o surgimento de condutas lesivas. 13 Muito usada é a técnica de deslocalização de conteúdos conhecida por mirrors ou espelhos, que começou como forma de reagir contra as limitações à liberdade de expressão. Esta prática consiste no apelo entre a comunidade internetiana para reproduzirem o conteúdo proibido noutras páginas em servidores localizados em países em que tal conduta não é proibida e punível, podendo, devido ao carácter global 11 PEDRO DIAS VENÂNCIO, Disponibilização de conteúdos em e-learning, verbojuridico, Abril, 2007, p. 6, disponível em: 12 Por anonimato entende-se a não identificabilidade ou a indeterminabilidade concreta desse autor Casimiro, A responsabilidade civil pelo conteúdo da informação transmitida pela internet, Almedina, 2000, p HUGO LANÇA SILVA, Os Internet Service Providers e o Direito: São criminosos, são cúmplices, são parceiros da justiça, polícias ou juízes?, 2005, disponível em 8

9 da internet, ser acedido nos países onde é proibido. 14 Este efeito dominó, em cadeia leva à difusão incontrolável do conteúdo, perdendo-se o rasto às reproduções e torna-se juridicamente impossível punir os seus actores. Mesmo com os mecanismos tecnológicos de protecção, os filtros, a censura, os internautas tentam arranjar sempre com técnicas anti-bloqueio, a forma de desbloquearem essas técnicas, tornando-as ineficazes. A diversidade de ordens jurídicas existentes e a qualificação diferente de ilícito leva a que o infractor desloque os seus conteúdos ilícitos para um país onde a sua conduta não seja crime. 15 Fazendo, assim, uso da transnacionalidade da internet os criminosos alojam-se em servidores de paraísos cibernéticos. Também, deste modo, a execução de decisões e sentenças é extremamente difícil. HUGO LANÇA SILVA, acrescenta, ainda, os factores da falsa sensação de segurança, do analfabetismo informático, da globalização da Internet e da falta de legitimidade dos Estados. 16 Mas como o supra referido autor dizer que é difícil legalizar a utilização da Internet, é também afirmar que esta tarefa é possível. 17 Sendo a solução mais viável a cooperação, coordenação e regulamentação internacional. 18 Pelas razões apresentadas é muito difícil a identificação e consequente punição do autor do ilícito. Assim sendo, e nunca abrindo mão da procura do infractor e de novos métodos que permitam a sua identificação, porque é ele o verdadeiro infractor e quem deve responder em primeira linha pelos seus actos, outras soluções foram pensadas para fazer frente a esta problemática. 14 Cf. SOFIA CASIMIRO, A responsabilidade civil pelos conteúdos, op. cit. P ; Paulo SANTOS / Ricardo BESSA / Carlos PIMENTEL, op.cit., p. 6-7; e HUGO LANÇA SILVA, As leis, op.cit., p Como desenvolve Sofia de Vasconcelos Casimiro Contributo para op. cit., p HUGO LANÇA SILVA, As leis, op. cit., p ; BERNARDINO CORTIJO FERNÁNDEZ Dificultades en la custodia de la prueba en el delito tecnológico, Otrosí 29, Agosto-Septiembre 2001, nº 29, 3ª época, p. 48 e ss. 17 Idem, p , disponível em: 18 No mesmo sentido SOFIA CASIMIRO, A responsabilidade civil pelos conteúdos, op. cit., p

10 A solução avançada, para contornar a dificuldade de chegar ao responsável pela colocação dos conteúdos ilícitos em rede, foi a via de responsabilização dos prestadores de serviços, com vista a remoção de tais conteúdos em rede. Como avança ROSA JULIÀ-BARCELÓ a responsabilização dos prestadores de serviços, nomeadamente dos prestadores intermediários de serviços é mais atractiva visto estes serem easier to locate 19 por estarem estabelecidos no mercado e devido à sua obrigatoriedade de inscrição (em Portugal junto da ICP-ANACOM, cf. nº 4 do artigo 4º do Decreto-Lei 7/2004), e por geralmente terem deeper pockets, o que oferece maiores garantias de solvabilidade na hora de indemnizar os danos. Na sequência desta lógica foram ensaiadas várias hipóteses de responsabilização dos prestadores de serviços e intentadas acções nesse propósito tanto na Europa como nos Estados Unidos da América. Contudo, a pressão do lobbie dos prestadores de serviços, a consciência da sua importância primordial para todo o desenvolvimento da internet, diremos mesmo para a existência dela, e o reconhecimento das situações em que é inviável um controle efectivo dos conteúdos ilícitos pelos provedores de serviços, nomeadamente devido à enorme quantidade de informação existente e à dificuldade de aferição da ilicitude, fez com que se tentasse encontrar em equilíbrio entre estes dois pontos de interesses. Neste trabalho iremos debruçar-nos na imputação de responsabilidade aos prestadores de serviço no âmbito do Decreto-Lei 7/2004, de 7 de Janeiro, que efectuou a transposição da Directiva 2000/31, de 8 de Junho de In On-line intermediary liability issues: comparing EU and U.S. legal frameworks, Electronic Commerce Legal Issues Platform, 1999, p. 2 10

11 Capítulo II: A responsabilização dos prestadores de serviços intermediários pelos conteúdos ilícitos em rede 12.A responsabilização dos prestadores de serviços 12.1 Conceito A Directiva 2000/31, de 8 de Junho de 2000, relativa a certos aspectos legais dos serviços da sociedade de informação, em especial do comércio electrónico, no mercado interno Directiva sobre o comércio electrónico -, do Parlamento Europeu e do Conselho, adoptou uma abordagem conciliadora e protectora dos provedores intermediários de serviço quanto a este ponto. O Decreto-Lei nº 7/2004, de 7 de Janeiro, transpôs 20 a Directiva 2000/31/CE, de 08 de Junho de 2000, sobre o Comércio Electrónico. Um prestador de serviços, na definição da Directiva 2000/31/CE, de 8 de Junho de , é qualquer pessoa singular ou colectiva, que presta um serviço do âmbito da sociedade da informação. 22 Conclui MENEZES LEITÃO que esta definição é propositadamente abrangente, permitindo nela incluir não apenas as operadoras mas também os próprios cibernautas, que ocasionalmente podem prestar serviços no âmbito da sua intervenção na rede, sem carácter profissional e mesmo gratuito No uso da autorização legislativa concedida ao Governo, pelo artigo 1º da Lei nº 7/2003, de 9 de Maio, e nos termos das alíneas a) e b) do nº 1 do artigo 198º da Constituição. 21 Doravante designada de Directiva do Comércio Electrónico, ou somente de Directiva. Quando nos referirmos a outra Directiva tal será assinalado e discriminado. 22 Alínea b) do artigo 2º da Directiva. 23 In A responsabilidade civil na internet, separata da Revista da Ordem dos Advogados, ano 61, I, Lisboa, Janeiro, 2001, p

12 Já o Decreto-Lei nº 7/2004, denomina serviço da sociedade da informação como qualquer serviço prestado a distância por via electrónica, mediante remuneração ou pelo menos no âmbito de uma actividade económica na sequência do pedido individual do destinatário. 24 Ou seja, estamos perante um serviço, remunerado ou com cariz económico, prestado através de meios electrónicos entre partes não presentes Categorias Várias têm sido as categorias avançadas para distinguir os prestadores de serviço, umas em função dos prestadores de serviços da sociedade de informação, outras tendo em conta as actividades exercidas. Na primeira linha, MENEZES LEITÃO, propõe a distinção entre fornecedor de conteúdo (que coloca conteúdos em rede, à disposição dos utilizadores da internet), fornecedor de acesso (que permitem aos utilizadores aceder à rede), intermediário de serviço (que exerce actividades de intermediação em relação aos serviços que circulam na rede) e fornecedor de espaço (que disponibilizam um espaço virtual em rede para os utilizadores colocarem os seus conteúdos). 25 Já CLÁUDIA TRABUCO, em função das actividades exercidas, visto que um prestador pode exercer várias actividades, distingue entre o fornecimento de conteúdos, o fornecimento de acesso, o fornecimento em geral e o fornecimento de espaço. 26 Como 24 Artigo 3º, nº 1 do Decreto-Lei nº 7/2004, de 7 de Janeiro, doravante designado de RCE. 25 MENEZES LEITÃO A responsabilidade civil na internet, separata da Revista da Ordem dos Advogados, ano 61, I, Lisboa, Janeiro, 2001, p. 182 e CLÁUDIA TRABUCO - Responsabilidade e Desresponsabilização dos Prestadores de Serviços, O Comércio Electrónico em Portugal _ O quadro legal e o negócio, ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações, 2004, p.144; na actualização deste texto em Conteúdos ilícitos e responsabilidades dos prestadores de serviços nas redes digitais ; APDI, Direito da Sociedade da Informação, vol. VII, Coimbra Editora, 2008, p. 476, a autora reúne as actividades de fornecimento em geral e o fornecimento de espaço na categoria de outros serviços. 12

13 afirma a autora o grau de responsabilidade dos seus prestadores variará forçosamente em função da intensidade do envolvimento destes com os conteúdos transmitidos Princípio da equiparação O artigo 11º do RCE enuncia o princípio da equiparação, determinando que a responsabilidade dos prestadores de serviços em rede está sujeita ao regime comum, ou seja às regras gerais de responsabilidade Segundo OLIVEIRA ASCENSÃO o Decreto-Lei começou por esclarecer que a responsabilidade dos prestadores é a comum, não fosse entender-se que o benefício dos prestadores intermediários se estenderia também aos prestadores finais de serviço em rede CLÁUDIA TRABUCO, Conteúdos ilícitos, op. cit., p Esta classificação tem a vantagem espelhar a realidade de acumulação de várias actividades num só prestador de serviços. 28 Veja-se outras classificações, ANDREA SARRA VIVIANA, Comercio electrónico y derecho, Aspectos jurídicos de los negócios en Internet, Editorial Astrea de Alfredo y Ricardo Depalma, Ciudad de Buenos Aires, 2000, p. 183; PEDRO GONÇALVES, Regulação pública de conteúdos na internet em Portugal contributo para a compreensão da designada solução provisória de litígios pela Administração Pública no âmbito do Decreto-Lei nº 7/2004, de 7 de Janeiro ; APDI, Direito da Sociedade da Informação, vol. VII, Coimbra Editora, 2008, p. 107 a 128; e Sofia de Vasconcelos Casimiro A responsabilidade civil pelo conteúdo da informação transmitida pela internet, Almedina, 2000, p Excepto quanto aos prestadores intermediários de serviços, se se encontrarem preenchidos os requisitos previstos nos artigos 12º a 14º do RCE. 30 No mesmo sentido, a Lei espanhola de transposição Ley nº 34/2002, de 11 de Julho 30 especifica mesmo, no nº 1 do seu artigo 13º, que os prestadores de serviços están sujetos a la responsabilidad civil, penal y administrativa estabelecida com carácter general en el ordenamento jurídico. 31 OLIVEIRA ASCENSÃO, Introdução à Perspectiva Jurídica, O Comércio Electrónico em Portugal _ O quadro legal e o negócio, ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações, Lisboa, 2004, p

14 14.Os prestadores intermediários de serviços 14.1 Conceito É pacífica a responsabilização dos prestadores de serviço quando eles próprios colocam conteúdos ilícitos em rede, ou quando têm controle sobre esses conteúdos. O cerne e a dificuldade da questão está nos casos em que os conteúdos são colocados por terceiros em rede por intermédio dos serviços dos provedores. Os prestadores intermediários de serviços são de suma importância para o desenvolvimento da rede de internet. São eles que tornam possível a circulação, alojamento e acessibilidade de conteúdos, fazendo assim de ponte entre o fornecedor de conteúdos e o utilizador que acede a eles. 32 A Directiva denomina estes provedores de prestadores intermediários de serviço, apesar de não os definir, contudo, esta definição é avançada pelo legislador nacional. Os prestadores intermediários de serviços ISPs, 33 são definidos pelo Decreto-Lei como aqueles que prestam serviços técnicos para o acesso, disponibilização e utilização de informações ou serviços técnicos para o acesso, disponibilização e utilização de informações ou serviços em linha independentes da geração da própria informação ou serviço MIGUEL POCH PEGUERA, op.cit., p. 27; 33 Também denominados pelo anglicanismo `Internet Service Providers` - ou ISP, como doravante nos referiremos. 34 Artigo 4º, nº 5 do Decreto-Lei nº 7/2004, de 7 de Janeiro. 35 Apesar de vigorar o princípio da liberdade de exercício que se traduz na dispensa de autorização prévia para o exercício da sua actividade (nº 3 do artigo 3º do RCE), estão sujeitos ao dever de inscrição junto da entidade de supervisão central (nº 4 do artigo 4º do RCE). 14

15 São entidades que, de forma autónoma, permanente, organizada 36 e a título profissional 37 prestam serviços em rede. Na prática são os ISPs que permitem o acesso à Internet e a distribuição das mensagens de correio ou de comunicação electrónica. 38 Os ISPs são de suma importância para o desenvolvimento da rede de internet. São eles que tornam possível a circulação, alojamento e acessibilidade de conteúdos, fazendo assim de ponte entre quem edita os conteúdos e quem quer aceder aos mesmos O princípio geral da irresponsabilidade O regime comum, como esclarecido no artigo 11º, não se aplica aos ISPs se quanto a estes estiverem preenchidos os requisitos previstos nos artigos 12º a 17º, conforme, os casos. Estes artigos prevêem um regime especial de isenção da responsabilidade dos ISPs, verificadas as circunstâncias previstas Esta isenção tem por base o princípio de independência e alheamento dos ISPs em relação aos conteúdos. Pressupõe que os ISPs não tiveram parte nem na criação, nem na decisão de transmitir ou de tornar a acessíveis os conteúdos ilícitos MANUEL A. CARNEIRO DA FRADA, Vinho Novo em Odres Velhos? A responsabilidade civil das operadoras de internet e a doutrina COMUM da imputação de danos, Separata da Revista da Ordem dos Advogados, ano 59, II, Lisboa, Abril, 1999, p SOFIA DE VASCONCELOS CASIMIRO, A responsabilidade civil pelos conteúdos, op. cit., p Como refere JOEL TIMÓTEO PEREIRA, Compêndio Jurídico da Sociedade da Informação, Quid Juris, Lisboa, 2004, p MIGUEL POCH PEGUERA, op.cit., p. 27; 40 Idem, ibidem, p. 40, na Directiva, tal como na transposição espanhola: No se exige ningún requisito adicional de orden subjetivo para disfrutar de la exención: basta com que la actividad desarrollada se haya ajustado exactamente al supuesto de hecho definido en la norma. 41 De acordo com CLÁUDIA TRABUCO, estes preceitos sobre responsabilidade limitam-se tão só a servir de `filtro` aplicável antes da implementação do regime de responsabilidade, em relação ao qual se introduzem algumas especialidades, in Conteúdos ilícitos, op. cit., p. 487; MARTINEZ, Pedro Romano, Responsabilidade dos Prestadores de Serviços em Rede, Lei do Comércio Electrónico Anotada, Coimbra Editora, 2005, p

16 A regra da irresponsabilidade dos ISPs assenta na impossibilidade prática, quer técnica, quer económica, destes controlarem e fiscalizarem todos os conteúdos que circulam nas suas redes ou se alojam nos seus servidores. 43 Como aclara OLIVEIRA ASCENSÃO a Directiva ao legislar sobre a responsabilidade dos prestadores de serviço em rede, traduziu a gravidade da matéria a emergência destes como poderosa força de pressão. Deste modo, a consequência está em se disciplinar muito mais a irresponsabilidade dos prestadores de serviço que a responsabilidade deles 44. Acusando fortemente, esta parte a Directiva, a influência do Digital Millenium Copyright Act norteamericano 45. Contudo, caso os ISPs não preencham os requisitos de isenção de responsabilidade, previstos nos artigos indicados, não beneficiam deste regime especial, aplicando-se o regime geral da responsabilidade (artigo 11º) Ausência de um dever geral de vigilância A Directiva no seu artigo 15º, nº 1 proíbe aos Estados-Membros que imponham uma obrigação geral de vigilância sobre as informações que estes transmitam ou armazenem, ou uma obrigação geral de procurar activamente factos ou circunstâncias que indiciem ilicitudes. 46 A transposição é feita nos mesmos termos pelo artigo 12º do RCE. 42 MIGUEL POCH PEGUERA, op. cit, p No mesmo sentido, idem, p. 27 e OLIVEIRA ASCENSÃO, Bases para uma transposição da directriz nº 00/31, de 8 de Junho (Comércio Electrónico), Separata da Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, vol.xliv, nºs 1 e 2, Coimbra Editora, 2003, p Idem, ibidem. 46 Assim como, no considerando 47 da Directiva se alerta que os Estados-Membros só estão impedidos de impor uma obrigação de vigilância obrigatória dos prestadores de serviços em relação a obrigações de natureza geral. 16

17 Como refere MENEZES LEITÃO desta disposição resulta claramente a exclusão na internet da responsabilidade por facto de outrem, quer a título objectivo, quer mesmo com base na culpa in vigilando. 47 Tal implica que os prestadores intermediários não são obrigados a vigiar, controlar e fiscalizar todos os conteúdos que transmitam ou armazenem, nem tampouco de investigar proactivamente eventuais ilícitos. 48 Estão, assim, isentos de controlar os passos dados pelos utilizadores, nomeadamente os sítios que visitam, os ficheiros que entram no tráfego de ou para o seu computador 49, ou os conteúdos que estes colocam em rede. O contrário acarretaria um grande ónus sobre o prestador intermediário, que teria de repassar toda a informação constantemente e mesmo tecnicamente seria uma missão, tendo em conta o actual estado da prática, quase impossível. E desembocaria numa responsabilidade por omissão dos prestadores de serviços, o que seria um propulsor do sentido de impunidade dos utilizadores em da rede, mais tranquilos ao sentirem que os seus actos desvaliosos iriam onerar terceiros. 50 Para levar a cabo essa tarefa os prestadores de serviço teriam de fazer grandes adaptações para se protegerem que poderiam afectar a privacidade e liberdade de expressão, podendo mesmo ter repercussões económicas para custear esse investimento. Tais custos, certamente, seriam imputados ao utilizador, o que levaria a que nem todos pudessem usufruir do serviço, contrariando, assim, toda a lógica de democratização e globalização subjacente à internet. 47 In A responsabilidade civil., op. cit., p Tal como sublinham os autores HUGO LANÇA SILVA, Os Internet Service, op.cit, p. 15; e PEDRO GONÇALVES, Regulação pública de conteúdos na internet ob. cit., JOEL TIMÓTEO PEREIRA, op. cit., p HUGO LANÇA SILVA, Os Internet Service Providers, op.cit., p

18 14.4 A imposição de deveres comuns Não obstante o princípio geral da ausência de dever geral de vigilância, o nº 2 do art. 15º Directiva permite aos Estados-Membros que, com carácter facultativo, estabeleçam a obrigação de informação pelos prestadores de actividades ilícitas, e de dar identificação dos destinatários dos serviços com quem celebrem acordos de armazenagem. 51 Este sentido é esclarecido pelo considerando 47 que explicita que tal proibição não diz respeito a obrigações de vigilância em casos específicos e, em especial, não afecta as decisões das autoridades nacionais nos termos das legislações nacionais. Completando o considerando 48 que os Estados-Membros podem exigir aos prestadores de serviços que acolham informações prestadas por destinatários dos seus serviços, que exerçam deveres de diligência que podem razoavelmente esperar-se deles e que estejam especificados na legislação nacional, no sentido de detectarem e prevenirem determinados tipos de actividade ilegais. Ora, foi no seio destes considerandos e do artigo nº 2 do artigo 15º da Directiva, que o legislador nacional estipulou os deveres comuns 52 dos prestadores intermediários de serviço, para com as entidades competentes, 53 no artigo 13º do Decreto-Lei, nomeadamente: a) Informar, de imediato, quando detectarem conteúdos ou actividades ilícitas; b) Identificarem os destinatários com quem tenham acordos de armazenagem; c) Cumprir, pontualmente, as decisões sobre a remoção ou impossibilitar o acesso a determinados sítios; d) Fornecer a lista dos titulares dos sítios que alberguem Cfr. OLIVEIRA ASCENSÃO, Bases para uma transposição, op.cit, p Estes deveres não são meras recomendações, pois estão sujeitos às sanções do artigo 37º. 53 As entidades competentes são os tribunais e a entidade de supervisão. 54 HUGO LANÇA SILVA, Os Internet Service Providers op.cit., p Concordamos com HUGO LANÇA SILVA, idem, quando este afirma que a obtenção destes dados é indispensável para o prosseguimento de uma eventual acção judicial, não apenas ao nível da identificação, como da prova. 18

19 Podemos dividir em três grupos as obrigações impostas no artigo 13º: 56 i. a obrigação de informação, por iniciativa própria dos ISPs - alínea a); ii. a obrigação de resposta, aos pedidos pelas entidades competentes - alíneas b) e d); iii.e, a obrigação de cumprimento de decisões, das entidades competentes - alínea c). CLÁUDIA TRABUCO indica que o incumprimento a não disponibilização de informações ou a não prestação de informações, quando solicitadas relativamente aos titulares dos sítios albergados ( ) merece apenas acolhimento na previsão de uma sanção de carácter genérico pela alínea a) do nº 1 do artigo 37º 57 Mais exigente é HUGO LANÇA SILVA ao defender que os ISPs devem ser responsabilizados civilmente pela omissão da obrigação de identificar correctamente o autor dos conteúdos, quando requerida pelas Autoridades competentes O simples transporte Definição O ISP limita-se ao simples transporte ou mere conduit, 58 ou seja, limita-se a veicular as informações a terceiros (os destinatários do serviço), tendo um papel passivo na transmissão das informações pelas redes de comunicações. 59 O 56 Esta classificação é avançada por CLÁUDIA TRABUCO, Responsabilidade e Desresponsabilização dos Prestadores de Serviços, O Comércio Electrónico em Portugal _ O quadro legal e o negócio, ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações, 2004, p.150; e também em Conteúdos ilícitos e responsabilidades dos prestadores de serviços nas redes digitais ; APDI, Direito da Sociedade da Informação, vol. VII, Coimbra Editora, 2008, p In Conteúdos ilícitos, op. cit, p ALEXANDRE LIBÓRIO DIAS PEREIRA, Comércio Electrónico na Sociedade da Informação: da Segurança Técnica à Confiança Jurídica, Almedina, 2005, p Idem, ibidem. 19

20 intermediário é um puro transmissor de dados, 60 que se limita a permitir o acesso à rede a que vulgarmente não dispõe de meios técnicos necessários para proceder ao controlo dos conteúdos disponibilizados em rede. 61 O artigo 14º do Decreto-Lei transpôs o artigo 12º da Directiva, aplica-se ao fornecedor da infra-estrutura ou operador de telecomunicações, ao fornecedor de acesso e ao fornecedor que realize uma armazenagem meramente tecnológica das informações com o fim exclusivo de transmissão e pelo tempo necessário a esta Isenção de responsabilidade Se tal actividade for puramente técnica, automática e de natureza passiva, o que implica que o prestador de serviços da sociedade da informação não tem conhecimento da informação transmitida ou armazenada, nem o controlo desta 63, o prestador fica isento de qualquer responsabilidade em relação às informações transmitidas, nomeadamente quanto aos conteúdos ilícitos. 60 ÓSCAR GARCÍA MORALES, Criterios de atribuición de responsabilidad penal a los prestadores de servicios e intermediários de la sociedad de la informatión, Contenidos ilícitos y responsabilidad de los prestadores de servicios de internet, Aranzadi, 2002, p CLÁUDIA TRABUCO, Conteúdos ilícitos, op. cit., p. 486; Também MENEZES LEITÃO refere mesmo que se pudesse considerar existente um dever de controlar o conteúdo do material que circula na rede, a verdade é que se torna materialmente impossível estabelecer esse controle, da mesma forma que não é possível a um operador da rede telefónica controlar o conteúdo de uma chamada, o que inviabiliza qualquer possibilidade de estabelecer um juízo de culpa, necessário para a constituição da responsabilidade civil, in A responsabilidade civil, op. cit., p LEI DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO ANOTADA, Coimbra Editora, 2005, p Cfr. o considerando 42 da Directiva 2000/31/CE, de 8 de Junho de

As Leis da Sociedade de Informação Responsabilidade dos Internet Service Provider

As Leis da Sociedade de Informação Responsabilidade dos Internet Service Provider Leis Portuguesas na Sociedade da Informação 5, 6 e 7 de Dezembro de 2005 Ordem dos Advogados As Leis da Sociedade de Informação Responsabilidade dos Internet Service Provider Dr. Hugo Lança Silva Organização

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 30 de Junho de 2010 João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 1 LOCAL : AB - PORTO DATA : 01-07-2010 CIBERCRIME Lei 109/2009, de 15 de Setembro Disposições penais materiais: Falsidade

Leia mais

O MARKETING DIRECTO POR EMAIL

O MARKETING DIRECTO POR EMAIL O MARKETING DIRECTO POR EMAIL 1 AS IMPLICAÇÕES LEGAIS DO EMAIL MARKETING Enquadramento da questão Equilíbrio entre o poder e a eficácia do marketing directo por e-mail no contacto com os consumidores e

Leia mais

SPAM: COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS NÃO SOLICITADAS

SPAM: COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS NÃO SOLICITADAS SPAM: COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS NÃO SOLICITADAS 1. INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da Internet, surgiu a possibilidade de se enviarem mensagens por correio electrónico, de forma quase instantânea e a

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E DO CORREIO ELECTRÓNICO NA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA (VERSÃO 1.0 2005-12-09) Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 CÓDIGO DE CONDUTA...2 2.1 CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

Condições de Utilização do site da 1001jogos.pt

Condições de Utilização do site da 1001jogos.pt Condições de Utilização do site da 1001jogos.pt Introdução No site www.1001jogos.pt (a seguir Site ), o utilizador pode jogar os jogos, inscrever-se na newsletter e criar um perfil próprio onde poderá

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

OBSERVATÓRIO. Diploma Ministerial incoerente,ilegal e anti-constitucional. Sobre o Registo de Cartões SIM

OBSERVATÓRIO. Diploma Ministerial incoerente,ilegal e anti-constitucional. Sobre o Registo de Cartões SIM OBSERVATÓRIO de Suplemento do Boletim informativo - CIP Newsletter Edição 7 Sobre o Registo de Cartões SIM Diploma Ministerial incoerente,ilegal e anti-constitucional Em 15 de Setembro de 2010, foi publicado

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 18º Prestação de Serviços de telemarketing Processo: nº 3109, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-18. Conteúdo:

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS TMT N.º 2 /2009 MAIO/JUNHO 2009 REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS Foi publicado no passado dia 2 de Junho o Decreto-Lei nº 134/2009 que veio estabelecer o regime jurídico aplicável à prestação

Leia mais

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei n.º 134/99, de 28 de Agosto Proíbe as discriminações

Leia mais

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro REGULA O TRATAMENTO DOS DADOS PESSOAIS E A PROTECÇÃO DA PRIVACIDADE NO SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES (TRANSPÕE A DIRECTIVA 97/66/CE, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1997) Artigo

Leia mais

1) Termos e Condições

1) Termos e Condições 1) Termos e Condições Termos e Condições Plataforma Compras Públicas A informação contida nesta área regula o uso da presente página de Internet www.compraspublicas.com e de todo o seu conteúdo. Recomenda-se

Leia mais

PLATAFORMA CLICK TO PRAY

PLATAFORMA CLICK TO PRAY PLATAFORMA CLICK TO PRAY 1 OBJECTO: Informação sobre os TERMOS E CONDIÇÕES que regulam o acesso e utilização do sítio web alojado sob a denominação www.clicktopray.org e de todos os conteúdos que dele

Leia mais

MPBA sociedade de advogados rl

MPBA sociedade de advogados rl Informação jurídica sobre o exercício da profissão de arquitecto em regime de subordinação I) Objecto da consulta Com a presente informação jurídica pretende-se clarificar se o exercício da profissão de

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio

Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio Lei n.º 18/2004, de 11 de Maio Transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 2000/43/CE, do Conselho, de 29 de Junho, que aplica o princípio da igualdade de tratamento entre as pessoas, sem distinção

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

(Unidade Disciplina Trabalho) Lei nº. /2014, de de

(Unidade Disciplina Trabalho) Lei nº. /2014, de de República Democrática de São Tomé e Príncipe (Unidade Disciplina Trabalho) Lei nº. /2014, de de A Lei 03/2004, de 02 de Julho, definiu as regras aplicáveis ao estabelecimento, à gestão e à exploração de

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

carácter intencional ou não intencional da sua violação.

carácter intencional ou não intencional da sua violação. NOVAS MEDIDAS, PROCEDIMENTOS E RECURSOS PARA ASSEGURAR O RESPEITO DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL No passado dia 1 de Abril foi publicado o Decreto-Lei nº 16/2008, que transpôs para a nossa ordem

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

1 - TERMO DE UTILIZAÇÃO

1 - TERMO DE UTILIZAÇÃO 1 - TERMO DE UTILIZAÇÃO Este Termo de Utilização (doravante denominado "Termo de Utilização") regulamenta a utilização dos SERVIÇOS de envio de mensagens electrónicas - "e-mail" (doravante denominado "SERVIÇO")

Leia mais

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Introduz um regime de fiscalização e de sanção contra-ordenacional aplicável a infracções aos deveres previstos no Regulamento (CE) n.º 1781/2006, do Parlamento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 17/98/M

Decreto-Lei n.º 17/98/M Decreto-Lei n.º 17/98/M de 4 de Maio A reprodução ilícita e em grande escala de programas de computador, fonogramas e videogramas, bem como o respectivo comércio, lesam de forma inaceitável os direitos

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a directiva do Parlamento Europeu e do Conselho nº 96/9/CE, de 11 de Março, relativa à protecção jurídica

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE

CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE Os serviços online que o Município de Aveiro disponibiliza através da Internet aos utilizadores estabelecem relações com a Câmara Municipal de Aveiro,

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

TRATAMENTO DA IMPRESSÃO DIGITAL DOS TRABALHADORES

TRATAMENTO DA IMPRESSÃO DIGITAL DOS TRABALHADORES TRATAMENTO DA IMPRESSÃO DIGITAL DOS TRABALHADORES Extraído da Net do site da Comissão Nacional de Protecção de Dados Os sistemas biométricos são constituídos por um sistema informático que integra hardware

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias.

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias. PROTECÇÃO JURÍDICA DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR - DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Contém as seguintes alterações: - Rectif. n.º 2-A/95, de 31 de Janeiro - DL n.º 334/97, de 27 de Novembro O presente diploma

Leia mais

PROGRAMA Módulo I Propriedade Industrial 29/01/2011 05/01/2011

PROGRAMA Módulo I Propriedade Industrial 29/01/2011 05/01/2011 II CURSO PÓS-GRADUADO DE DIREITO INTELECTUAL 2011 PROGRAMA Módulo I Propriedade Industrial (sábados de manhã, de 29 de Janeiro a 26 de Março) Coordenadores: Prof. Doutor José de Oliveira Ascensão Prof.

Leia mais

A utilização pelo utilizador dos serviços contidos na web da TRAVELPLAN S.A. implica a aceitação das seguintes condições gerais:

A utilização pelo utilizador dos serviços contidos na web da TRAVELPLAN S.A. implica a aceitação das seguintes condições gerais: TRAVELPLAN S.A. POLITICA DE PRIVACIDADE E CONDIÇÕES DE USO DA PAGINA WEB O presente documento estabelece as Condições Gerais de Uso dos serviços prestados por meio do web site da TRAVELPLAN S.A. (www.travelplan.pt),

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A.

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Processo: R-36/04 Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Assunto: Ordenamento do território servidões administrativas propriedade

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Licença Pública da União Europeia

Licença Pública da União Europeia Licença Pública da União Europeia V.1.0 EUPL Comunidade Europeia 2007 A presente licença pública da União Europeia ( EUPL ) 1 aplica-se a qualquer obra ou software (como definido abaixo) que seja fornecido

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 9.7.2003 Jornal Oficial da União Europeia C 160/7 BANCO CENTRAL EUROPEU MODELO DE ACORDO ENTRE O BANCO CENTRAL EUROPEU E O [banco central nacional do país aderente] ( 1 ) O PRESENTE ACORDO é celebrado

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

TERMOS DE UTILIZAÇÃO

TERMOS DE UTILIZAÇÃO TERMOS DE UTILIZAÇÃO O serviço de CLASSIPECADOS é prestado por JPVF. Os presentes termos e condições de utilização dos CLASSIPECADOS estabelecem os termos nos quais este serviço é prestado definindo as

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES DE ALOJAMENTO PARTILHADO

CONDIÇÕES PARTICULARES DE ALOJAMENTO PARTILHADO CONDIÇÕES PARTICULARES DE ALOJAMENTO PARTILHADO ARTIGO 1 : OBJECTO (Última versão datada de 16 de Fevereiro de 2011) As presentes condições particulares têm por objecto definir as condições técnicas e

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 João Cadete de Matos Director Departam ento de Estatística Banco de Portugal A protecção de informação estatística confidencialno

Leia mais

CONDITIÇOES PARTICULARES SERVIÇO CDN WEBSTORAGE

CONDITIÇOES PARTICULARES SERVIÇO CDN WEBSTORAGE CONDITIÇOES PARTICULARES SERVIÇO CDN WEBSTORAGE Versão em data de 14/11/2013 DEFINIÇÕES : Ficheiro de endereço direto: Endereço URL específico para o qual deve ser reencaminhada a hiperligação do Cliente

Leia mais

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução A Radiomóvel considera muito importante esta iniciativa da Anacom que vem no sentido de regular esta nova faceta da prestação de serviço telefónico, fruto

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA pág. 1 / 5 TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA 1. INTRODUÇÃO O site de vendas online www.fitnesshut.pt (adiante designado por site ou loja online) é um site de vendas online

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Por força do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

TEMÁRIO PROVISÓRIO Módulo I Propriedade Industrial 16/01/2010 23/01/2010

TEMÁRIO PROVISÓRIO Módulo I Propriedade Industrial 16/01/2010 23/01/2010 I CURSO PÓS-GRADUADO DE DIREITO INTELECTUAL Coordenador: Prof. Doutor José de Oliveira Ascensão TEMÁRIO PROVISÓRIO Módulo I Propriedade Industrial (sábados, Janeiro Março) 16/01/2010 1. OS GENÉRICOS E

Leia mais

VI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2015 APRESENTAÇÃO DO CURSO PROGRAMA

VI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2015 APRESENTAÇÃO DO CURSO PROGRAMA VI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2015 APRESENTAÇÃO DO CURSO A Associação Portuguesa de Direito Intelectual leva a cabo em 2015, em parceria com a Faculdade de Direito da Universidade de

Leia mais

Nota Legal INFORMAÇÃO GERAL

Nota Legal INFORMAÇÃO GERAL Nota Legal O presente Aviso Legal rege p acesso por parte do utilizador ao website (doravante, o "Utilizador") aos conteúdos fornecidos pela por LEVANTINA Y ASOCIADOS DE MINERALES, S.A.U.. A simples utilização

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES Nutri Ventures Corporation, S.A.

TERMOS E CONDIÇÕES Nutri Ventures Corporation, S.A. TERMOS E CONDIÇÕES Nutri Ventures Corporation, S.A. O presente documento regula a utilização do sítio de Internet http://www.nutri-ventures.com/ e respectivas subpáginas (doravante, o Sítio de Internet

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

Deliberação n.º 156/09

Deliberação n.º 156/09 Deliberação n.º 156/09 Princípios aplicáveis aos tratamentos de dados pessoais no âmbito de Gestão de Informação com a finalidade de Prospecção de Opções de Crédito A Comissão Nacional de Protecção de

Leia mais

Termos e Condições 1. DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS

Termos e Condições 1. DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS Termos e Condições 1. DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS O Zelando é um serviço multiplataforma desenvolvido para substituir a agenda tradicional nas Instituições de Educação Infantil, como creches, escolas e colégios

Leia mais

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE N.º 01/2008 Data: 2008/07/16 Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública Elaborada por: Núcleo de Apoio Jurídico e Contencioso e Unidade de Certificação SÍNTESE: A

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Regulamenta a lei que proíbe as discriminações no exercício de direitos por motivos baseados na raça, cor, nacionalidade ou origem étnica A Lei n.º 134/99, de 28

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 Objecto: Auxílio estatal n.º NN 173/01 - Portugal - Prorrogação do dispositivo de cobertura dos riscos inerentes ao transporte aéreo com a garantia

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 TÍTULO I PARTE GERAL Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta, a seguir designado

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Isenções - Prestações de Serviços Médicos Refacturação Redébito - Localização de operações. Processo: nº 1163, por despacho de 2010-11-02, do SDG do

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

Condições de utilização para a MediaPedia. 1 Generalidades/definições. 2 Objecto. 3 Registo, palavra-passe

Condições de utilização para a MediaPedia. 1 Generalidades/definições. 2 Objecto. 3 Registo, palavra-passe Condições de utilização para a MediaPedia 1 Generalidades/definições 1. A MediaPedia é um serviço que permite a publicação gratuita na plataforma de informação MediaPedia, bem como o acesso a contribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª Iniciativa Europeia Proposta de Decisão - Quadro COM (2007) 654 final SEC (2007) 1422 e 1453, relativa à utilização dos dados do Registo de Identificação de Passageiros

Leia mais

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto:

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto: Directiva 1999/44/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Maio de 1999, relativa a certos aspectos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999

Leia mais

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE A GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE B ESTATÍSTICAS C PRINCIPAIS MEDIDAS ADOPTADAS GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE Com o objectivo de proteger os nossos Clientes

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A COFINA MEDIA, S.A. (doravante apenas designada de COFINA ), com sede na Rua Luciana Stegagno Picchio, 3, 1549-023, Lisboa, pessoa colectiva n.º 502801034, matriculada na Conservatória

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ALLAN ARDISSON COSSET DIEGO ALVES DE PAIVA ERICK SOUSA DAMASCENO HUGO NASCIMENTO SERRA RICARDO FRANÇA RODRIGUES Legislação Aplicada à Computação Crimes de

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento Disciplinar é aplicável aos estudantes do ISAL - Instituto Superior de Administração e

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Ficha Informativa 1 Janeiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Compras na Internet:

Leia mais

Parecer n.º 02/P/2008/GPDP. Assunto: Pedidos de fornecimento dos dados de cliente do hotel por parte do Serviço Competente A à Companhia B

Parecer n.º 02/P/2008/GPDP. Assunto: Pedidos de fornecimento dos dados de cliente do hotel por parte do Serviço Competente A à Companhia B Parecer n.º 02/P/2008/GPDP Assunto: Pedidos de fornecimento dos dados de cliente do hotel por parte do Serviço Competente A à Companhia B A Companhia B vem pedir a nossa opinião sobre a situação de que,

Leia mais

Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt

Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt ATENDIMENTO AO LEITOR SEMANÁRIO SOL Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt ou ligue 210 434 000 Horário de Atendimento

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS Procedimento por Ajuste Directo n.º DSTD/01/2009 Cláusula 1.ª Objecto O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 6.11.2007 SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa

Leia mais

Condições gerais de utilização do Site V1.2

Condições gerais de utilização do Site V1.2 Condições gerais de utilização do Site V1.2 11 julho 2011 Preâmbulo Bem-vindo aos sites de Internet editados pela sociedade A9 (a seguir definida) e nomeadamente aos sites gymglish.com e richmorning.com

Leia mais

(em vigor desde Julho de 2003)

(em vigor desde Julho de 2003) CÓDIGO DE CONDUTA DO ANALISTA FINANCEIRO (em vigor desde Julho de 2003) Considerações Iniciais Considerando: 1. O papel determinante do Analista Financeiro no respeito e incremento de um princípio basilar

Leia mais