Beneficie-se da Escola do Minist erio Teocr atico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Beneficie-se da Escola do Minist erio Teocr atico"

Transcrição

1 Beneficie-se da Escola do Minist erio Teocr atico

2 Beneficie-se da Escola do Minist erio Teocr atico Eu, Jeov a, sou teu Deus, Aquele que te ensina a tirar proveito, Aquele que te faz pisar no caminho em que deves andar. Isa. 48:17. (Nome do estudante) ˇ

3 Sum ário P ágina Bem-vindo ` à Escola do Minist ério Teocr ático Tenha prazer em ler a Palavra de Deus Preste atenção a como escuta Você pode melhorar a mem ória Aplique-se à leitura Vale a pena estudar! Como pesquisar Como elaborar um esboço Como os estudantes podem elaborar suas apresentaç ões Como elaborar discursos dirigidos à congregação Como preparar discursos p úblicos Desenvolva a habilidade de ensinar Como melhorar a habilidade de conversar Saiba responder Comunicação por meio de cartas Continue a progredir! Programa para desenvolver a orat ória e a arte de ensino Caracter ísticas de orat ória Use cenas variadas A mensagem que devemos divulgar Orientaç ões para o superintendente da escola Índice remissivo WATCH TOWER BIBLE AND TRACT SOCIETY OF PENNSYLVANIA ASSOCIAÇ ÃO TORRE DE VIGIA DE B ÍBLIAS E TRATADOS Todos os direitos reservados Beneficie-se da Escola do Minist ério Teocr ático Editoras WATCHTOWER BIBLE AND TRACT SOCIETY OF NEW YORK, INC. Brooklyn, New York, U.S.A. ASSOCIAÇ ÃO TORRE DE VIGIA DE B ÍBLIAS E TRATADOS Rodovia SP-141, km 43, Ces ário Lange, SP, , Brasil Ediç ão de dezembro de 2014 Esta publicaç ão não é vendida. Ela faz parte de uma obra educativa b íblica, mundial, mantida por donativos. A menos que haja outra indicaç ão, os textos b íblicos citados são da Tradu ç ão do Novo Mundo das Escrituras Sagradas com Referências. Benefit From Theocratic Ministry School Education Portuguese (Brazilian Edition) (be-t) ISBN Made in Brazil Impresso no Brasil

4 Como melhorar Estudo P agina Estudo P agina 1 Leitura exata Articulacao clara Pron uncia correta Fluencia Uso correto de pausas Enfase segundo o sentido Enfasenasideiasprincipais Volume apropriado Modulac ao Entusiasmo Cordialidade e sentimento Gestos e expressoes faciais Contato visual Naturalidade Boa aparencia Equil ıbrio Usodomicrofone Uso da B ıblia ao responder a perguntas IncentivoaousodaB ıblia Introduc ao eficaz de textos b ıblicos Leitura de textos com enfase adequada Aplicac ao correta dos textos Esclarecer o valor pr atico da mat eria Escolhadepalavras Uso de esboco Apresentacao l ogicadamat eria Proferimento espont aneo Estilo conversante Qualidade da voz Mostrar interesse nos outros Respeito pelos outros Falar com conviccao Falar com tato, mas de modo firme Ser edificante e positivo Repeticao para dar enfase Desenvolvimento do tema Destacar os pontos principais Introducao que desperta interesse Conclusao eficaz Exatidao das declaracoes Clareza Apresentacao instrutiva Usar a mat eria designada Uso eficaz de perguntas Ilustracoes instrutivas Ilustracoes baseadas em situacoes conhecidas Uso eficaz de recursos visuais Argumentac ao que estimula oracioc ınio Argumentos convincentes Tocar o coracao Controle e boa distribuicao do tempo Exortacao eficaz Encorajar e fortalecer os ouvintes. 268

5

6 Bem-vindo a ` Escola do Minist erio Teocr atico A ESCOLA do Minist erio Teocr atico beneficia semanalmente milhoes de estudantes, em mais de 200 pa ıses. Alguns estudantes sao rec em-matriculados. Outros j a frequentam a escola h aanos.ela e realizada em dezenas de milhares de lugares. Onde quer que more, voce tamb em pode ter acesso a esse programa educativo. Essa instruc ao teocr atica est a dispon ıvel, sem custo, a pessoas de todas as idades, grupos etnicos e n ıveis culturais. O objetivo da escola foi declarado quando ela entrou em funcionamento nas congregac oes das Testemunhas de Jeov a, em 1943, nas seguintes palavras: Preparar todos os homens fi eis, os que ouviram a Palavra de Deus e provaram sua f e nela, para serem capazes de ensinaroutros...visaofim unicodetornarcadaqual...maisbem equipado para apresentar publicamente a esperanca que tem. (CursodoMinist erio Teocr atico, p. 4, em ingles) Esse ainda e o objetivo da escola. Realmente, qual eamelhor maneira de usarmos o dom divino da fala? A B ıblia responde: Toda coisa que respira louve ela a Jah. (Sal. 150:6) Quando fazemos isso, alegramos nosso Pai celestial e provamos que correspondemos, de corac ao, a ` sua bondade e ao seu amor. Nao surpreende que os cristaos sejam incentivados a oferecer sempre a Deus um sacrif ıcio de louvor, isto e, o fruto de l abios que fazem declarac ao p ublica do seu nome. (Heb. 13:15) A fim de ajud a-lo

7 ` ` 6 Bem-vindo ` aescoladominist erio Teocr atico CARACTER ISTICAS DA ESCOLA Programa semanal de leitura, estudo e pesquisas, baseados na B ıblia Instruc oes sobre leitura p ublica, orat oriaearte de ensino Discussao em grupo Oportunidades de fazer apresentac oes na congregac ao Assistencia personalizada para ajud a-lo a progredir a aprimorar sua habilidade de usar os dons concedidos por Jeov a Deus para o Seu louvor, estendemos-lhe boas-vindas como estudante da Escola do Minist erio Teocr atico! Apesar de o curso dar bastante enfase aleiturap ` ublica, aorat ` oria e aartedeensino,aescoladominist erio Teocr atico lhe oferece outros benef ıcios. Participar na programac ao da escola o ajudar a a desenvolver habilidades como fazer leitura pessoal, escutar e memorizar, estudar, fazer pesquisas, analisar e organizar ideias, conversar, responder perguntas e elaborar textos. As pesquisas, os coment arios e as apresentac oes feitas na escola se basearao na pr opria B ıblia e em publicacoes b ıblicas. A medida que encher a mente com as verdades preciosas da Palavra de Deus, aprender a a pensar do modo de Deus. Isso ser amuitoben efico em todas as facetas da sua vida. Falando sobre o valor da Palavra de Deus, William Lyon Phelps, catedr atico do s eculo 20, escreveu: Todo aquele que tem um conhecimento cabal da B ı- blia pode de fato ser chamado de educado....creioqueoconheci- mento da B ıblia sem um curso universit ario e mais valioso do que um curso universit ario sem a B ıblia. Como tirar pleno proveito E claro que para beneficiar-se plenamente do ensino transmitido na Escola do Minist erio Teocr atico voce precisa ser um estudante aplicado. O ap ostolo Paulo deu o seguinte incentivo ao seu colega cristao, Tim o- teo: Pondera estas coisas; absorve-te nelas, para que o teu progresso seja manifesto a todos. (1 Tim. 4:15) De que maneiras pr aticas pode aplicar-se? Faca o m aximo para assistir toda semana aprogramac ao apresentada na Escola do Minist erio Teocr atico. ` Use bem este manual, Beneficie-se da Escola do Minist e- rioteocr atico. Escreva seu nome no espaco reservado na primeira p agina e leve-o sempre a ` escola. Este manual cont em exerc ıcios. Sublinhe os pontos que achar uteis e use as margens para anotar pontos pr aticos que aprender na escola. Voce receber a um programa impresso para acompanhar a Escola do Minist erio Teocr atico. Esse programa

8 ` Bem-vindo ` aescoladominist erio Teocr atico 7 tamb em incluir a os procedimentos para o funcionamento da escola. Talvez ache pr atico guard a-lo dentro deste livro. Ao se preparar para assistir aescola,lembre-sedequeab ` ıblia e ocomp endio principal. Deprioridade a ` leitura do trecho da B ıblia designado para a semana. Ser a muito bom se tamb em conseguir ler com antecedencia a mat eria das outras partes do programa. As vezes, a assistencia e convidada a expressar-se. Aproveite bem essas oportunidades. A participac ao eimportanteparaajud a-lo a lembrar-se do que ouviu na reuniao e usar as informac oes de modo pr atico. Obviamente, todos os estudantes terao oportunidade de proferir discursos ou de participar de uma apresentac ao. Aproveite bem cada oportunidade. Empenhe-se ao m aximo para aprimorar a caracter ıstica de orat oria que lhe for indicada. Os conselhos que lhe forem da- dos teraooobjetivodeajud a-lo a continuar progredindo. Aceite essa ajuda de bom grado. Anote em seu livro sugestoes espec ıficas sobre o que pode fazer para se aprimorar. Visto que nao conseguimos nos ver assim como os outros nos veem, as sugestoes b ıblicas amorosas e os conselhos que recebemos podem contribuir significativamente para o nosso progresso. Isso acontece mesmo quando j aseest a matriculado na escola por v arios anos. Pro. 1:5. HABILIDADES Gostaria de progredir de maneira mais r apida? Isso e DESTACADAS uma questao de iniciativa. Estude com antecedencia NO CURSO a mat eria dos discursos de estudante. Caso haja necessidade de substituir algum estudante, voceestar Como escutar e a preparado para se apresentar e isso lhe dar a mais experiencia. Tamb em, memorizar preste bastante atenc ao a ` Leitura pessoal maneira de os outros estudantes Como estudar abordarem a mat eria. Podemos aprender uns com os outros. An alise e organizac ao Como fazer pesquisas Al em disso, dependendo das circunstancias, voce de ideias pode Aartedeconversar acelerar seu progresso adiantando o estudo deste livro. Depois que estiver bem inteirado do conte udo dos pr oximos 15 estudos, comece a analisar o Programa para de- Como responder perguntas senvolver a orat oria Como elaborar textos e a arte de ensino, que se inicia na p agina 78. Primeiro, estude cada lic ao e faca os exerc ıcios

9 8 Bem-vindo ` aescoladominist erio Teocr atico sugeridos. Ao sair no minist erio, coloque em pr atica o que estiver aprendendo. Isso pode acelerar seu progresso como orador e como instrutor da Palavra de Deus. O que aprender na Escola do Minist erio Teocr aticooajudar aase preparar para o que e mais importante na vida. Visto que estamos vivos porque e da vontade de Deus, louv a-lo ecumpriropr oprio objetivo de nossa existencia. Jeov a Deus merece que lhe prestemos louvor da melhor qualidade. (Rev. 4:11) A orientac ao que recebemos na escola eummeiodefazermosisso,porquenosajudaaraciocinarde maneira clara, agir com sabedoria e transmitir eficazmente as maravilhosas verdades da Palavra inspirada de Deus. FONTEDEINFORMA COES Comunicar-se eficazmente eumaarteque nem todos dominam. J asepublicarammui- toslivrosparaajudaraspessoasnessecam- po. Mas o Criador, que dotou o ser humano com a capacidade da fala, sabe mais sobre orat oria e ensino do que qualquer instrutor humano. Seu Filho unigenito atuou como Mestre de Obras na formac ao do c erebro humano, dos org aos da fala e de todas as outras maravilhas da criac ao. Durante a criac ao dos anjos e dos humanos, esse Filho atuou como a Palavra de Deus, o instrumento principal usado pelo pr oprio Deus para transmitir orientac oes as ` suas criaturas. (Pro. 8:30; Joao 1:1-3) Esse Filho foi enviado a ` Terra como o Senhor Jesus Cristo, a respeito de quem o registro inspirado diz: As multidoes ficaram assombradas com o seu modo de ensinar. Aqueles que o ouviam diziam: Nunca homem algum falou como este. (Mat. 7:28; Joao 7:46) Nao eparamenosqueosevangelhos se refiram a ele mais de 40 vezes como Instrutor. Podemos aprender muito com ele sobre orat oria e ensino. Oregistrob ıblico tamb em mostra como Jeov a Deus usou homens e mulheres de v arias formac oes para realizar sua vontade. Alguns transmitiram mensagens breves, mas poderosas. Muitos nao discursaram para grandes plateias, mas deram fielmente testemunho sobre o Deus verdadeiro e seus prop ositos. Tudo indica que, em sua maioria, nao eram oradores eloquentes, mas Deus abencoou seus esforcos. Podemos aprender do que a B ıblia nos conta sobre como realizaram o minist erio. Sal. 68:11. Obviamente, a B ıblia nao e um manual de orat oria. Mas quando analisamos seu conte udo, descobrimos informac oes valiosas sobre orat oria e ensino. Este livro, Beneficiese da Escola do Minist erio Teocr atico, foi esbocado com base nessas informac oes.

10 ` Tenha prazer em ler a Palavra de Deus FELIZ e o homem cujo agrado enaleidejeov a. Esse homem leapa- lavra de Deus dia e noite em voz baixa. (Sal. 1:1, 2) Vocesentetal prazer? Como pode sentir ainda mais alegria na leitura da Palavra de Deus? Escute a voz de Jeov a Nao faca uma simples leitura. Visualize os acontecimentos e imagine como foi o di alogo entre os personagens. Ao ler os cap ıtulos iniciais da B ıblia, ouca o pr oprio Jeov a contar, passo a passo, como preparou a Terra para receber o homem. Ouca-o dizer ao seu Filho, o Mestre de Obras, que chegou a hora de criar os primeiros humanos. Visualize a seguinte cena: Adao e Eva se rebelam, Deus os julga e em seguida os expulsa do Para ıso. (Genesis, caps. 1-3) Admire-se ao ler que uma voz do c eu identifica Jesus Cristo como o amado Filho de Deus, aquele que Deus enviou para dar a vida pela humanidade. (Mat. 3:16, 17) Tente imaginar a reac ao do ap ostolo Joao ao ouvir Jeov a declarar: Eis que faco novas todas as coisas. (Rev. 21:5) Ler a Palavra de Deus dessa maneira e realmente agrad avel. Continue a ler o registro inspirado e ver aquejeov a eumapessoa majestosa, que inspira reverencia. Vocesesentir a irresistivelmen- te atra ıdo a esse Deus que nos ama, nos trata com miseric ordia, nos ajuda se continuarmos humildemente procurando fazer sua vontade e nos mostra como ser bem-sucedidos em tudo. Jos. 1:8; Sal. 8:1; Isa. 41:10. Quanto mais ler a B ıblia, mais satisfeito ficar a, porque conhecer aa vontade de Deus mais a fundo. Mas sua satisfac ao nao se restringir a a isso. Quando perceber que as informac oes obtidas na leitura da B ı- blia o ajudam a lidar com problemas de maneira sensata, vocesesen- tir a como o salmista, que disse: Tuas advertencias sao maravilhosas. Por isso equeaminhaalmaastemobservado. (Sal.119:129)Voc e tamb em ficar a contente quando conseguir discernir princ ıpios b ıblicos que ajudam a amoldar seu modo de pensar e seus desejos avonta- ` de de Deus. Isa. 55:8, 9. AB ıblia fornece orientac ao moral que nos protege contra o dano e nos mostra o rumo certo a seguir. A medida que a lemos, percebemos 9

11 10 Tenha prazer em ler a Palavra de Deus que Jeov a e um Pai que sabe que problemas enfrentaremos se cedermos aos desejos da carne imperfeita. Ele nao quer que soframos as consequencias terr ıveis e inevit aveis de violar seus altos padroes de moral. Ele se importa conosco e quer que vivamos da melhor maneira poss ıvel. A leitura de sua Palavra leva-nos a reconhecer plenamente que e uma verdadeira ben c ao te-lo como nosso Deus e Pai celestial. LeiaaB ıblia diariamente O salmista disse o seguinte a respeito do homem que leapalavrade Deus diariamente: Tudo o que ele fizer ser a bem-sucedido. (Sal. 1:3) Realmente, apesar de nossas imperfeic oes, de vivermos num sistema perverso controlado por Satan as e dos esforcos do Diabo para nos devorar,aleituraregulareaaplica cao da Palavra de Deus nos darao condic oes de ser bem-sucedidos em tudo o que diz respeito ao nosso relacionamento com Jeov a. Visto que somos pressionados por este velho sistema, absorver os pensamentos do Criador, mesmo que por alguns momentos preciosos todo dia, pode fortalecer-nos. Alguns que estiveram presos por causa de sua f e tinham acesso apenas a alguns vers ıculos que vez por outra encontravam transcritos em artigos de jornais. Eles os recortavam, memorizavam e meditavam neles. Jeov aaben coou seus esforcos porque fizeram o que podiam naquelas circunstancias para absorver conhecimento da Palavra de Deus. (Mat. 5:3) Contudo, a maioria de n os tem muito mais liberdade. Nao devemos imaginar que ler rapidamente um vers ıculo b ıblico por dia ter a, por si s o, algum efeito milagroso. Mas seremos abencoados caso ajustemos nossas prioridades para que consigamos ler diariamente um trecho da B ıblia, meditar nele e aplic a-lo em nossa vida. Contudo, temos de admitir que, por mais bem elaborados que sejam, nossos planos podem falhar. Quando isso acontece, damos prioridade as ` coisas realmente importantes. Por exemplo, nao ficar ıamos, de prop osito, um ou dois dias sem tomar agua. Assim, a despeito do que possa acontecer no dia a dia, devemos reservar tempo para nos revigorar com as aguas da verdade. Atos 17:11. Leia toda a Palavra de Deus J aleuab ıblia inteira? Alguns ficaram assustados com a ideia de ler a B ıblia de Genesis a Revelac ao. Por isso, muitas pessoas que queriam ler a B ıblia inteira comecaram pelas Escrituras Gregas Cristas. Por

12 Tenha prazer em ler a Palavra de Deus 11 que? Talvez porque assim podiam ver de maneira mais f acil como esses livros b ıblicos se aplicavam a elas a ` medida que procuravam seguir os passos de Cristo. Ou talvez tenha sido porque as Escrituras Gregas Cristas parecem conter menos mat eria para ler apenas pouco mais de um quarto da B ıblia. Mas depois de terminarem a leitura desses 27 livros, comecaram a ler os 39 livros das Escrituras Hebraicas e gostaram de le-los. Quando terminaram de ler as Escrituras Hebraicas, j a haviamcriadooh abito de ler a B ıblia. Assim, passaram a ler as Escrituras Gregas pela segunda vez e nunca mais pararam. Esperamos que vocetamb em transforme a leitura di aria da Palavra de Deus num h a- bito vital ıcio. Existe algu em em sua fam ılia ou na congregac ao que nao sabe ler? Por que nao se oferece para ler a B ıblia regularmente para essa pessoa? Vocesebeneficiar a, e o mesmo acontecer a com ela ao passo que meditar no que ouve e aplicar as informac oes aprendidas. Rev. 1:3. TIRE PROVEITO DA LEITURA DI ARIA DA B IBLIA Grande parte do que eensinadonaescola do Minist erio Teocr atico gira em torno do programa de leitura da B ıblia. Incentivamos voce a acompanhar esse programa. Aprograma cao semanal da escola inclui aleituraean alise de um pequeno trecho da B ıblia. Se a acompanhar, com o tempo ler a ab ıblia inteira. Para criar o h abito de ler a B ıblia diariamente, reserve um hor ario espec ıfico talvez pela manha, por volta do meio-dia, na hora do jantar ou antes de se deitar. Deixar para ler pequenos trechos da B ıblia apenas quando tiver tempo ao longo do dia nao garantir a regularidade. Caso seja chefe de fam ılia, mostre interesse pelos membros da fam ılia ajudando-os a ter uma boa programac ao. Ler a B ıblia juntos poder aincentiv a-los a tamb em le-la pessoalmente todos os dias. E necess ario autodisciplina para ler a B ıblia diariamente. Ningu em nasce com o desejo de fazer isso. E preciso desenvolver anseio pela Palavra de Deus. (1 Ped. 2:2) Amedidaque ` cultivar o h abito de ler, seu apetite espiritual aumentar a. Da ı, ter a vontade de estudar mais e de empenhar-se em projetos especiais deleituraeestudodab ıblia para aprofundar sua compreens ao e apreco pelas riquezas espirituais que Jeov anosprov e. Ao ler a B ıblia, tire tempo para meditar no significado do que le noqueorelatolhe diz a respeito de Jeov a, na influencia positiva que pode ter em sua vida e em como pode usar a informac ao para ajudar outras pessoas.

13 12 Tenha prazer em ler a Palavra de Deus Com o tempo, talvez queira envolver-se em projetos especiais relacionados com a leitura da B ıblia. Isso pode ajud a-lo a ver melhor a relac ao entre diversos trechos da B ıblia. Se sua B ıblia tiver referencias, elas podem indicar-lhe detalhes hist oricos e relatos paralelos que poderao ajud a-lo a entender as circunstancias que levaram aescritadev ` arios salmos e das cartas dos ap ostolos de Jesus Cristo. A obra Estudo Perspicaz das Escrituras fornece uma quantidade enorme de informac oes sobre pessoas, lugares e qualidades mencionados na B ıblia. Cont em tabelas que indicam o cumprimento de profecias b ıblicas, mostram quais reis e profetas viveram numa mesma epoca e fornecem datas aproximadas de muitos eventos b ıblicos. Ao meditar no que aprende, entender a os motivos de certas condicoes se terem desenvolvido entre o povo de Deus. Descobrir atamb em por que Jeov a lidou com seu povo de determinadas maneiras. Ver a como Jeov a avalia as ac oes de governantes, povos e pessoas. Isso o ajudar a a entender bem melhor Seu modo de pensar. Achar aahist oria registrada na B ıblia mais interessante amedidaque ` visualizar a regiao em que se passaram os eventos. Mapas das terras b ı- blicas mostram como era o terreno e quais eram as distancias entre os lugares. Por exemplo, qual foi o local aproximado em que os israelitas cruzaram o mar Vermelho? Qual era a area da Terra Prometida? Que distancia Jesus percorreu para realizar seu minist erio terrestre? O que o ap ostolo Paulo viu em suas viagens mission arias? Alguns mapas e descric oes geogr aficas revelam detalhes que darao vida a ` sua leitura. Onde pode encontrar mapas de terras b ıblicas? Alguns estao impressos na Traduçao do Novo Mundo das Escrituras Sagradas. A obra Estudo Perspicaz cont em cerca de 70 mapas, e no final do terceiro volume h aum ındice de mapas. Use o Indice das Publicaçoes da Torre de Vigia para loca- lizar outros mapas. Se essas publicac oes nao estiverem dispon ıveis, use os mapas publicados em ASentinelapara ajud a-lo na leitura da B ıblia. Nas Escrituras Hebraicas, o Rei Davi glorificou a Jeov a, dizendo: Quao preciosos sao os teus pensamentos! O Deus, a quanto ascende a soma deles! (Sal. 139:17) Nas Escrituras Gregas Cristas, o ap ostolo Paulo louvou a Jeov a porque Ele tem brilhado sobre os nossos corac oes, para ilumin a-los com o glorioso conhecimento de Deus pelo rosto de Cristo. (2 Cor. 4:6) Davi e Paulo viveram s eculos distantes um do outro, mas ambos se alegravam com a Palavra de Deus. O mesmo pode acontecer com voce, se tomar tempo para ler tudo o que Jeov alheoferece nas p aginas de sua Palavra inspirada.

14 Preste atenc ao a como escuta ESCUTAR e um fator importante no processo de aprendizagem e tamb em pode afetar as chances de sobrevivencia da pessoa. Quando se preparava para libertar seu povo da escravidao no Egito, Jeov ainstruiu Mois es que, por sua vez, instruiu os anciaos de Israel sobre o que deviam fazer para salvar seus primogenitos do anjo da morte. ( Exo. 12:21-23) Os anciaos transmitiram essas informac oes verbalmente a cada fam ılia. O povo tinha de escutar com muita atenc ao. Como reagiu? A B ıblia nos conta: Todos os filhos de Israel fizeram assim como Jeov aordenaraamois eseaar ao. Fizeram exatamente assim. ( Exo. 12:28, 50, 51) Isso resultou numa maravilhosa libertac ao do povo de Israel. Atualmente, Jeov a nos prepara para uma libertac ao muito maior. Por certo, a instruc ao que ele fornece merece nossa m axima atenc ao. Essa instruc ao e dada nas reunioes SUGESTOES PARA SER BOM OUVINTE congregacionais. Est a tirando pleno proveito delas? Muito depende de como escuta. Consegue memorizar pontos altos da instruc ao Orepedindoajudapara fornecida nas reunioes? Tem o h abito concentrar-se no que e de procurar toda semana dito maneiras de aplicar essa instruc ao ou de transmiti-la a outras pessoas? Mantenha os olhos fixos no orador Prepare o corac ao Acompanhe na B ıblia Para beneficiar-nos plenamente da instruc ao a leitura dos textos fornecida nas reunioes cristas, temos de preparar o corac ao. Um citados evento ocorrido durante o reinado de Jeosaf a, de Jud a, Descubraoobjetivodo discurso destaca a importancia de fazer isso. Ele defendeu corajosamenteaadora cao verdadeira. Removeu de Jud aosaltose ` Responda mentalmente as perguntas; escute os os postes sagrados e comissionou pr ıncipes, coment arios com levitas e sacerdotes para ensinarem a Lei de Jeov a atenc ao ao povo em todas as cidades de Jud a. Contudo, os altos equen Faca anotac oes breves ao desapareceram. (2 Cro. 17:6-9; 20:33) A adorac ao Isole os pontos que de deuses falsos e a forma desaprovada de adorar a Jeov apraticadanos pretende aplicar altos pagaos estavam tao arraigadas que nao foram erradicadas. 13

15 14 Preste aten ç ão a como escuta Por que o programa educativo de Jeosaf á não teve uma influência duradoura? O relato continua: O pr óprio povo não preparara ainda seu coraç ão para o Deus de seus antepassados. O povo ouviu, mas não agiu em harmonia com a instruç ão. Talvez tenham achado inconveniente viajar para o templo em Jerusal ém a fim de oferecer sacrif í- cios. Dequalquer forma, seu coraç ão não havia sido motivado pela f é. Para evitarmos retroceder aos modos de agir caracter ísticos do mundo de Satan ás, devemos preparar o coraç ão para receber a instruç ão que Jeov á nos fornece atualmente. Como? Uma das maneiras mais importantes de fazer isso é por meio da oraç ão. Devemos orar para que aceitemos a instruç ão divina com gratidão. (Sal. 27:4; 95:2) Isso nos ajudar á a valorizar os esforços de nossos irmãos que, embora imperfeitos, se oferecem para ser usados por Jeov á para ensinar seu povo. Far á com que sejamos gratos a Jeov á não apenas pelas coisas novas que estamos aprendendo, mas tamb ém pela oportunidade de aumentarmos nosso apreço pelas coisas j á aprendidas. Por termos o desejo de realizar plenamente a vontade de Deus, oramos: Instrui-me, ó Jeov á, acerca do teu caminho.... Unifica meu coraç ão para temer o teu nome. Sal. 86:11. Concentre-se Muitos obst áculos nos impedem de escutar atentamente. Talvez estejamos perturbados por muitas ansiedades. Nossa atenç ão pode ser desviada devido a barulhos e movimentaç ão dentro ou fora do local de reunião. O desconforto f ísico pode dificultar nossa concentraç ão e, com frequência, os que têm filhos pequenos têm de dividir a atenç ão. O que pode ajudar-nos a ficar atentos ao programa? Os olhos exercem um papel importante em direcionar nossa atenção. Use-os para ajud á-lo a concentrar-se, mantendo-os fixos no orador. Quando ele citar um texto b íblico, procure-o na B íblia e acompanhe a leitura, mesmo que j á saiba o que diz. Resista à ` tentaç ão de virar a cabeça na direç ão de cada barulho ou movimento. Se você se distrair com o que vê, perder á grande parte do que estiver sendo apresentado na tribuna. Caso pensamentos inquietantes dificultem sua concentraç ão, ore a Jeov á pedindo a calma e a paz necess árias para prestar atenç ão. (Sal. 94:19; Fil. 4:6, 7) Faça isso v árias vezes, se necess ário. (Mat. 7:7, 8) As reuniões congregacionais são provisões de Jeov á. Esteja certo de que ele quer que você tire proveito delas. 1 João 5:14, 15.

16 Escute os discursos Eprov avel que consiga lembrar-se de coisas interessantes que ouviu em discursos. Mas escutar um discurso envolve mais do que apenas captar pontos interessantes. O discurso e como uma viagem. Embora possa haver coisas interessantes para ver ao longo do caminho, o mais importante e o destino, o objetivo. O orador pode estar tentando fazer a assistencia chegar a determinada conclusao ou motivar os presentes a agir de determinada maneira. Considere o discurso de Josu e ana ` cao de Israel, registrado em Josu e 24:1-15. Seu objetivo era motivar o povo a adotar uma posic ao intransigente em relac ao a ` adorac ao verdadeira, separando-se por completo da idolatria existente nas nac oes vizinhas. Por que isso era tao importante assim? A predominancia da adorac ao falsa representava uma ameaca s eria a ` posic ao da nac ao perante Jeov a. O povo respondeu ao apelo de Josu e, dizendo: Einconceb ıvel da nossa parte abandonarmos a Jeov a paraserviraoutrosdeuses...serviremosajeov a. E realmente fizeram isso! Jos. 24:16, 18, 31. Ao escutar um discurso, tente discernir o objetivo do que est asendo dito. Veja como os pontos mencionados pelo orador contribuem para atingir esse objetivo e pergunte-se o que precisa fazer com base nas informac oes apresentadas. Escute nas sessoes de perguntas e respostas OEstudodeA Sentinela, oestudodelivrodecongrega cao e algumas partes da Reuniao de Servico sao apresentadas por meio de perguntas e respostas com base em mat eria b ıblica impressa. Escutar nessas sessoes de perguntas e respostas e, de certa maneira, como participar de uma conversa. Para beneficiar-se plenamente, escute com atenc ao. Observe a linha de racioc ınio e veja como o dirigente destaca o tema e os pontos principais. Responda mentalmente as ` perguntas dele e escute a ` medida que outros comentam e explicam o valor pr atico da mat eria. Ouvir o ponto de vista de outras pessoas pode ajud a- loaenxergardeumangulo diferente assuntos j a conhecidos. Expresse sua f e, partilhando com outros seu ponto de vista. Rom. 1:12. Estudar com antecedencia a mat eria designada o ajudar aaenvolverse na an alise do assunto e a entender os coment arios feitos por outros. Caso nao consiga estudar bem a mat eria, gaste pelo menos alguns minutos para ter uma visao geral da informac ao antes da reuniao. Isso far a com que tire mais proveito do que for analisado. Preste atenç ao a como escuta 15

17 ` 16 Preste atenç ao a como escuta Escute em assembleias e congressos Nasassembleiasenoscongressosprovavelmenteh a mais coisas para desviar nossa atenc ao do que nas reunioes congregacionais. Isso pode fazer com que escutar se torne um desafio ainda maior. O que nos pode ajudar? Um fator importante e descansar bem a ` noite. Antes do in ıcio das sessoes, memorize o tema do dia. Veja o tema de cada discurso e procure prever o que ser a apresentado. Use bem a B ıblia. Muitas pessoas percebem que fazer breves anotac oes dos pontos principais as ajuda a manter-se concentradas no que edito.anoteasorienta coes que pretende por em pr atica no dia a dia e no minist erio. Nas viagens de ida e volta ao local da assembleia, converse com outros sobre alguns pontos mencionados. Isso o ajudar a a memorizar as informac oes. Ensine as criancas a escutar Os pais cristaos podem ajudar os filhos, mesmo os bem pequenos, a tornar-se s abios para a salvac ao, levando-os as ` reunioes, as ` assembleias e aos congressos. (2 Tim. 3:15) Visto que o per ıodo de concentrac ao e a disposic ao das criancas variam, e preciso ter discernimento para ajud a- las a escutar atentamente. Talvez ache pr aticas as sugestoes que apresentamos a seguir. Em casa, programe per ıodos para que as criancas fiquem sentadas e leiam ou vejam as ilustrac oesemnossaspublica coes b ıblicas. Evite usar brinquedos para mante-las ocupadas nas reunioes. Assim como no Israel antigo, os pequenos estao ali para que escutem e para que aprendam. (Deut. 31:12) Quando epr atico, alguns pais providenciam exemplares das publicac oes que estao sendo estudadas mesmo para as criancas bem pequenas. A medida que forem crescendo, ajude-as a preparar-se para comentar nas partes do programa abertas aparticipa ` cao da assistencia. As Escrituras mostram que existe uma relac ao bem estreita entre escutar a Jeov a e obedece-lo. Isso pode ser visto nas palavras de Mois es ana- ` cao de Israel: Pus diante de ti a vida e a morte, a ben c aoeainvoca cao domal;etensdeescolheravida...amandoajeov a, teu Deus, escutando a sua voz e apegando-te a ele. (Deut. 30:19, 20) Para recebermos a aprovac ao de Deus e a ben c ao da vida eterna, e essencial escutar a instruc ao que Jeov a nos fornece e aplic a-la obedientemente. Assim, evital acatarmos a admoestac ao de Jesus: Prestai atenc ao a como escutais. Luc. 8:18.

18 Voc e pode melhorar a mem oria JEOV ADEUScriouoc erebro humano com a maravilhosa faculdade da mem oria. Ele o projetou de tal forma que, por mais que se usem as preciosas informac oes ali armazenadas, elas nunca se esgotam. O projeto do c erebro harmoniza-se com o prop osito de Deus de que os humanos vivam para sempre. Sal. 139:14; Joao 17:3. Mas talvez sinta que muito do que a mente absorve se perde. Parece nao estar ali quando epreciso.oquevoc e pode fazer para melhorar a mem oria? Tenha interesse O interesse e um fator importante para aprimorar a mem oria. Se criarmos o h abito de ser observadores, de nos interessar pelas pessoas e pelo que se passa ao redor, nossa mente ser a estimulada. Isso facilitar a reagirmos com interesse similar quando lermos ou ouvirmos algo importante. E comum as pessoas terem dificuldade para gravar nomes. Mas, como cristaos, sabemos que as pessoas sao importantes, tanto nossos irmaos e os a quem pregamos como aqueles com quem lidamos no cotidiano. O que pode ajudar-nos a lembrar os nomes realmente necess a- rios? O ap ostolo Paulo alistou o nome de 26 membros de uma congregac ao a ` qual escreveu. Seu interesse por eles e indicado pelo fato de que nao apenas sabia seus nomes, mas mencionou detalhes espec ıficos a respeito de muitos deles. (Rom. 16:3-16) Alguns dos atuais superintendentes viajantes das Testemunhas de Jeov asaem-semuitobem em lembrar nomes, embora estejam cada semana numa congregac ao diferente. O que os ajuda nisso? Alguns tem oh abito de usar o nome da pessoa v arias vezes ao conversar com ela pela primeira vez. Esforcam-se a associar o nome com a fisionomia da pessoa. Al em disso, passam tempo com v arios irmaos trabalhando no minist erio de campo e tomando refeic oes. Quando voce conhecer uma pessoa, conseguir a gravar o nome dela? Comece por ter 17 SUGEST OES PARA SE LEMBRAR MAIS DO QUE LE Depois de ler determinado trecho, pergunte-se: Qual eo ponto principal dessa mat eria? Se nao conseguir lembrar-se do ponto-chave, procure-o Quando terminar de ler um cap ıtulo ou artigo, faca um novo teste. Alistetodosospontos principais. Caso nao consiga lembrar-se deles prontamente, recapitule amat eria

19 18 Voc epodemelhoraramem oria um bom motivo para lembrar-se do nome; da ı, experimente aplicar algumas das sugestoes acima. Lembrar-se do que letamb em e importante. O que pode ajud a-lo a melhorar nesse respeito? E preciso ter interesse e compreender o que le. Para dedicar atenc ao total aleitura,voc ` e precisa ter interesse na mat eria. Nao conseguir a gravar informac oes se estiver pensando em outra coisa enquanto le. Para compreender melhor, relacione a informac ao a coisas que lhe sejam familiares ou a algo que j a tenha aprendido. Pergunte-se: Como e quando posso aplicar essa informac ao? Como posso us a-la para ajudar outros? Algo que tamb em ajuda a melhorar a capacidade de compreensao e ler frases, em vez de ler palavra por palavra. Assim conseguir a entender ideias e identificar os pontos principais com mais rapidez, tornando-os mais f aceis de lembrar. Tire tempo para recapitular Os especialistas no campo da educac ao enfatizam a importancia de recapitular. Numa pesquisa, um professor universit ario provou que, se o estudante gastar um minuto recapitulando a mat eria logo depois de analis a-la, reter a o dobro de informac oes. Por isso, assim que terminar a leitura ou ler um bom trecho da mat eria recapitule mentalmente as ideias principais. Pense em como explicaria em suas pr o- prias palavras as coisas novas que aprendeu. Por relembrar o ponto logo depois de le-lo, voce conseguir aret e-lo por mais tempo na mem oria. Da ı, nos dias seguintes, procure recapitular o que leu, contando a outra pessoa o que aprendeu. Poder a fazer isso com algu em de sua fam ılia ou da congregac ao, um colega de trabalho ou de escola, um vizinho, ou algu em no servico de campo. Procure repetir nao apenas os fatosprincipais,mastamb em os argumentos b ıblicos apresentados. Issooajudar a a memorizar coisas importantes e ao mesmo tempo beneficiar a outras pessoas. Medite em coisas importantes Al em de recapitular e de falar a outras pessoas a respeito do que leu, ver aque e bom tamb em meditar sobre as coisas importantes que aprendeu. Os escritores b ıblicos Asafe e Davi fizeram isso. Asafe disse: Lembrar-me-ei das pr aticas de Jah; pois, vou lembrar-me da tua maravilha de outrora. E meditarei certamente em toda a tua atividade e

20 vou ocupar-me com as tuas ac oes. (Sal. 77:11, 12) Davi escreveu algo parecido: Medito em ti durante as vig ılias da noite e lembrei-me dos dias de outrora; meditei em toda a tua atuac ao. (Sal. 63:6; 143:5) Costuma fazer isso? Meditar profundamente nas ac oes, nas qualidades e nas expressoes da vontade de Jeov a o ajuda a fazer mais do que apenas reter fatos. Se fizer disso um h abito, ver a que coisas importantes ficarao gravadas no corac ao, e isso amoldar a seu modo de ser. As informac oes retidas na mem oria se tornarao parte de seus pensamentos mais ıntimos. Sal. 119:16. O papel do esp ırito de Deus Quando procuramos lembrar-nos de verdades a respeito das realizac oes de Jeov a e das coisas ditas por Jesus Cristo, nao dependemos unica e exclusivamente de nossa pr opria mem oria. Na noite antes de morrer, Jesus disse aos seus seguidores: Enquanto permaneci convosco, falei-vos destas coisas. Mas o ajudador, o esp ırito santo, que o Pai enviar a em meu nome, esse vos ensinar atodasascoisasevosfar alembrar todas as coisas que eu vos disse. ( Joao 14:25, 26) Mateus e Joao estavam ali. Ser aqueoesp ırito santo realmente os ajudou? Sem d uvida! Uns oito anos mais tarde, Mateus terminou a escrita do primeiro relato que conta a vida de Cristo em detalhes, incluindo declarac oes de valor incalcul avel feitas por ele, como o Sermao do Monte e o sinal pormenorizado da presenca de Cristo e da terminac ao do atual sistema de coisas. Sessenta e cinco anos depois da morte de Jesus, o ap ostolo Joao escreveu um Evangelho contando detalhes sobre o que Je- sus disse aos ap ostolos na noite anterior asuamorte.n ` ao h ad uvida de que tanto Mateus quanto Joao tinham lembrancas bem vivas das coisas que Jesus havia dito e feito enquanto estavam com ele, mas o esp ırito santo desempenhou um papel fundamental em garantir que eles nao se esquecessem de detalhes importantes que Jeov a desejava incluir em sua Palavra. Ser aqueoesp ırito santo atua como ajudador para os servos de Deus em nossos dias? Com certeza! E obvio que o esp ırito santo nao introduz em nossa mente coisas que nunca tenhamos aprendido, mas ele realmente atua como ajudador para fazer-nos lembrar das coisas importantes que j a estudamos. (Luc. 11:13; 1 Joao 5:14) Entao, conforme Voc epodemelhoraramem oria 19

21 20 Voc epodemelhoraramem oria a necessidade, nossa faculdade de racioc ınio eestimuladaparaque nos lembremos das declarac oes anteriormente feitas pelos santos profetas e do mandamento do Senhor e Salvador. 2 Ped. 3:1, 2. Nao se esqueca Jeov aavisouin umeras vezes a Israel: Nao te esquecas. Ele nao esperava que se lembrassem de tudo com perfeic ao. Mas nao deviam ficar tao envolvidos com seus pr oprios assuntos a ponto de se esquecerem das coisas que Jeov a havia feito. Deviam manter vivas as lembrancas da ocasiao em que Jeov a os libertou enviando seu anjo para eliminar todos os primogenitos do Egito, e de quando Jeov aabriue fechou o mar Vermelho, afogando Fara oeseuex ercito. Os israelitas deviam lembrar-se de que Deus lhes havia dado a Lei no monte Sinai e que os havia conduzido pelo deserto at e chegarem a ` Terra Prometida. Nao deviam esquecer-se, no sentido de que as lembrancas dessas coisas deviam continuar influenciando profundamente o que fizessem no dia a dia. Deut. 4:9, 10; 8:10-18; Exo. 12:24-27; Sal. 136:15. N os tamb em devemos ter cuidado para nao nos tornarmos esquecedicos. Ao passo que lidamos com as pressoes da vida, precisamos lembrar-nos de Jeov a, tendo em mente o tipo de Deus que ele eeo amor que demonstrou ao dar-nos seu Filho, que forneceu um resgate pelos nossos pecados para que pud essemos ter vida perfeita para sempre. (Sal. 103:2, 8; 106:7, 13; Joao 3:16; Rom. 6:23) A leitura regular da B ıblia e a participac ao ativa nas reunioes congregacionais e no minist erio de campo manterao essas verdades preciosas bem vivas para n os. Quando tiver de tomar decisoes, grandes ou pequenas, lembre-se dessas verdades vitais e permita que influenciem seu racioc ınio. Nao se esqueca disso. Procure a orientac ao de Jeov a. Em vez de encarar os assuntos simplesmente do ponto de vista humano ou confiar nos impulsos do corac ao imperfeito, pergunte-se: Que conselhos ou princ ıpios da Palavra de Deus devem influenciar minha decisao? (Pro. 3:5-7; 28:26) Vocen ao tem condic oes de se lembrar de coisas que nunca leu ou ouviu. Mas, a ` medida que adquirir mais conhecimento exato e aumentar seu amor por Jeov a, o esp ırito de Deus poder aajud a-lo a se lembrar de mais coisas, e seu crescente amor por Jeov ao motivar a a agir em harmonia com esse conhecimento.

22 ` ` Aplique-se ` aleitura OS ANIMAIS nao conseguem fazer o que voceest a fazendo neste momento. Uma dentre cada seis pessoas nao aprendeu a ler na maioria dos casos devido a ` falta de oportunidade de ir aescola emuitas ` das que aprenderam nao o fazem com tanta regularidade. Contudo, pela leitura da p agina impressa voce pode como que viajar para outros pa ıses, conhecer pessoas cuja experiencia de vida pode acrescentar-lhe algo e aprender coisas pr aticas que o ajudarao a lidar com problemas. A habilidade de ler influi no aproveitamento do jovem nos estudos. Ao procurar emprego, sua leitura poder a influir no tipo de trabalho que conseguir aenacargahor aria que ter a de cumprir para se sustentar.adonadecasaquel e bem tem mais condic oes de cuidar da nutric ao,dahigieneedapreven cao de doencas dos membros de sua fam ılia. As maes que tem boa leitura tamb em podem exercer uma influencia SEU PROGRAMA O QUE INCLUI muito positiva no desenvolvimento intelectual dos filhos. DE LEITURA? Mas eclaroqueomaiorbenef ıcio da leitura eque ela lhe d a condic oes de achar o pr oprio conhecimento AB ıblia est anotopo da lista? de Deus. (Pro. 2:5) Usamos a leitura em muitas facetas do servico a Deus. Nas reunioes Le regularmente as congregacionais lemos a B ıblia e publicac oes b ıblicas. Seu exito no minist erio revistas ASentinelae de Despertai!? campo depende em grande parte de sua leitura. E a preparac ao para essas atividades tamb em Le as novas publicac oes envolve a leitura. Por b ıblicas assim que as esse motivo, seu progresso espiritual depende muito de seus h abitos recebe? de leitura. Quando recebe o Nosso Minist erio do Reino, leas Aproveite bem a oportunidade Alguns que estao aprendendo sobre Deus nao tem informac oes preparadas muita escolaridade. Talvez precisem aprender a ler para ace- minist erio de pregac ao? para ajud a-lo no lerar seu progresso espiritual. Ou pode ser que precisem de ajuda para melhorar a leitura. Onde h a Quantas publicac oes necessidade, as mais antigas das congregac oes fornecem aulas de alfabetizac ao Testemunhas de Jeov a com base na publicac ao j aleu? intitulada Aplique-se aleituraeaescri- ta. Milhares de pessoas j a foram beneficiadas. Devido a ` 21

23 ` Continue a aplicar-se aleiturap ublica Oquel e para seus filhos pode ajudar a formar a personalidade deles Seus h abitos de leitura influenciam o seu desenvolvimento espiritual Aprenda a ler com expressividade em p ublico

24 importancia de ter boa leitura, algumas congregac oes programam a realizac ao simultanea de aulas de aprimoramento de leitura e da Escola do Minist erio Teocr atico. Mesmo onde nao h a tais aulas, a pessoa pode progredir bem, reservando tempo para ler em voz alta todos os dias, assistindo regularmente a ` Escola do Minist erio Teocr atico e participando nela. Infelizmente, revistas em quadrinhos e a televisao, entre outras coisas, tem feito com que muitas pessoas negligenciem a leitura. Ver televisao e ler pouco pode dificultar o desenvolvimento da leitura, da habilidade de raciocinar com clareza e da capacidade de expressar-se bem. O escravo fiel e discreto fornece-nos publicac oesquenosajudam aentenderab ıblia. Essas publicac oes contem uma vasta quantidade de informac oes sobre assuntos espirituais vitais. (Mat. 24:45; 1 Cor. 2:12, 13) Elas tamb em nos mantem informados sobre acontecimentos mundiais importantes e seu significado, ajudam-nos a conhecer melhor a natureza e nos ensinam a lidar com assuntos que nos dizem respeito. Acima de tudo, dao enfase a como podemos servir a Deus de maneira aceit avel e ganhar sua aprovac ao. Essa leitura saud avel o ajudar a a progredir em sentido espiritual. Obviamente, a habilidade de ler bem nao e, por si s o, uma virtude. Precisa ser usada de maneira correta. Temos de selecionar o que lemos, assim como fazemos com a comida. Por que comer alimentos que nao sao nutritivos ou que podem at e envenen a-lo? Da mesma forma, por que ler mat eria, mesmo ocasionalmente, que possa corromperamenteeocora cao? Devemos basear-nos em princ ıpios b ı- blicos ao escolher mat eria de leitura. Antes de decidir o que ler, lembre-se de textos como Eclesiastes 12:12, 13; Ef esios4:22-24;5:3,4; Filipenses 4:8; Colossenses 2:8; 1 Joao2:15-17e2Jo ao 10. Leia com a motivac ao correta Ao analisarmos os Evangelhos, percebemos claramente a importancia de ler com a motivac ao correta. No Evangelho de Mateus, por exemplo, encontramos Jesus perguntando a l ıderes religiosos, versados em assuntos b ıblicos, coisas como: Nao lestes? e Nunca lestes?, antes de responder, com base nas Escrituras, as ` perguntas capciosas deles. (Mat. 12:3, 5; 19:4; 21:16, 42; 22:31) Isso nos ensina Aplique-se ` aleitura 23

25 24 Aplique-se ` aleitura que, se lermos com motivac ao impr opria, poderemos tirar conclusoes totalmente erradas ou compreender mal a mat eria. Os fariseus liam as Escrituras porque pensavam que por meio delas ganhariam a vida eterna. Essa recompensa, como Jesus destacou, nao e concedidaaquemn ao ama a Deus e nao aceita Seu meio de salvac ao. (Joao 5:39-43) As intenc oes dos fariseus eram ego ıstas e, por isso, eles tiravam muitas conclusoes erradas. O amor por Jeov a eamotiva cao mais pura que podemos ter para ler sua Palavra. Esse amor nos incentiva a aprender a vontade de Deus, porque o amor alegra-se com a verdade. (1 Cor. 13:6) Mesmo que nao gost assemos de ler no passado, amar a Jeov ade todaamente nos induzir aaus a-la num esforco intenso para adquirir conheci- mento sobre Deus. (Mat. 22:37) O amor desperta o interesse, e o interesse estimula o aprendizado. Analise o ritmo A leitura anda de maos dadas com o reconhecimento. Por exemplo, neste momento voceest a reconhecendo palavras e lembrando-se de seu significado. Poder a acelerar o ritmo de sua leitura se ampliar a area de reconhecimento. Em A leitura em fam ılia produz uniao vez de olhar para cada palavra, tente visualizar v arias palavras de uma vez. Com a pr atica, descobrir aqueentendede maneira mais clara o que le. No caso das mat erias mais profundas, poder atirarmais proveito se usar outro m etodo. Ao aconselhar Josu e sobre a leitura das Escrituras, Jeov a disse: Este livro da lei nao se deve afastar da tua boca e tu o tens de ler em voz baixa. (Jos. 1:8) Quando est a meditando, a pessoa muitas vezes fala em voz baixa. Por isso, o termo

26 hebraico traduzido ler em voz baixa tamb em e traduzido meditar. (Sal. 63:6; 77:12; 143:5) Ao meditar, a pessoa se concentra profundamente no assunto, sem pressa. Quando ficamos absortos na leitura, permitimos que a Palavra de Deus tenha um impacto maior sobreamenteeocora cao. A B ıblia cont em profecias, conselhos, prov erbios, poesias, expressoes de julgamento divino, detalhes sobre o prop osito de Jeov a e uma infinidade de exemplos da vida real. Todas essas informac oes sao valiosas para quem deseja andar nos caminhos de Jeov a. Somos muito beneficiados quando lemos a B ıblia de tal modo que as informac oes contidas nela fiquem profundamente gravadas na mente e no corac ao. Aprenda a concentrar-se Durante a leitura, imagine-se nos cen arios. Procure visualizar os personagens e participar de suas emoc oes. Isso e relativamente f acil quando lemos um relato como o de Davi e Golias, registrado em 1 Samuel cap ıtulo 17. Mas e poss ıvel dar vida at emesmoadetalhessobre aconstru cao do tabern aculo ou a instituic ao do sacerd ocio, como os registrados em Exodo e em Lev ıtico, se voce visualizar as dimensoes e o material usado na construc ao, ou se imaginar a fragrancia do incenso, os graos torrados e os animais apresentados como ofertas queimadas. Imagine como deve ter sido maravilhoso realizar os servicos sacerdotais. (Luc. 1:8-10) Se envolver seus sentidos e emoc oes dessa maneira, conseguir a captar o significado do que le e isso tamb em o ajudar a a memorizar o assunto. Mas se nao tiver cuidado, a mente pode vaguear durante a leitura. Os olhos estarao vendo a p agina, mas os pensamentos poderao estar em outro lugar. H am usica tocando? A televisao est a ligada? Algu em est a conversando? Se poss ıvel, e melhor ler num lugar em que nao haja barulho. Contudo, a distrac ao pode vir de dentro de voce. Talvez tenha tido um dia agitado. Infelizmente, emuitof acil ficar repassando na mente as coisas que aconteceram durante o dia. Obviamente, e bom recapitular os eventos do dia, mas nao deve fazer isso quando estiver lendo. Voce talvez comece a leitura compenetrado, ou at efa ca uma orac ao antes de ler. Mas no decorrer da leitura a mente comeca a vaguear. Tente de novo e discipline-se para ficar concentrado na leitura. Aos poucos, perceber aamelhora. Aplique-se ` aleitura 25

27 ` ` 26 Aplique-se ` aleitura O que faz quando nao entende uma palavra? Algumas palavras desconhecidas sao definidas ou explicadas na mat eria. As vezes e poss ı- vel descobrir o significado com base no contexto. Se isso nao acontecer, procure a palavra num dicion ario ou marque-a para perguntar aalgu em o que significa. Isso ampliar aseuvocabul ario e o ajudar aa entender melhor o que le. Leitura p ublica Quandooap ostolo Paulo disse a Tim oteo para continuar a aplicarse a ` leitura, ele se referia especialmente a ` leitura feita em benef ıcio de outras pessoas. (1 Tim. 4:13) A boa leitura p ublica envolve mais do que simplesmente ler palavras. O leitor precisa entender o significado das palavras e compreender as ideias que expressam. S oquando faz isso e que ele consegue transmitir corretamente as ideias e reproduzir as emoc oes com exatidao. E obvio que isso exige bastante preparac ao e ensaio. E por isso que Paulo exortou: Continuaaaplicar-te aleiturap ublica. A Escola do Minist erio Teocr atico lhe proporcionar a um excelente treinamento nessa questao. Reserve tempo para ler Os planos do diligente seguramente resultam em vantagem, mas todo precipitado seguramente se encaminha para a carencia. (Pro. 21:5) Isso sem d uvida acontece com o nosso desejo de ler. Para obter essa vantagem, precisamos fazer um bom planejamento para evitar que outras atividades interfiram em nossa leitura. Quando costuma ler? Tira mais proveito quando lelogonoin ıcio do dia, ou est amaisalertaemoutroper ıodo? Se conseguir reservar mesmo que sejam 15 ou 20 minutos por dia para a leitura, ficar aadmirado de ver quanto consegue ler. O segredo e a regularidade. Por que Jeov a preferiu ter seus grandiosos prop ositos escritos num livro? Para que as pessoas pudessem consultar sua Palavra. Isso lhes daria condic oes de analisar as obras maravilhosas de Jeov a, de falar a seus filhos sobre elas e de lembrar-se do modo de Deus agir. (Sal. 78:5-7) Com respeito a esse assunto, a melhor maneira de demonstrarmos apreco pela generosidade de Jeov a e aplicar-nos aleiturade ` sua Palavra vitalizadora.

28 Valeapenaestudar! J AVIUalgu em escolhendo frutas? A maioria das pessoas observa a cor e o tamanho para saber se estao maduras. Algumas cheiram, apalpam e at e apertam as frutas. Ainda outras observam o peso, colocando uma fruta em cada mao para saber qual e a mais suculenta. O que as pessoas pensam ao fazer isso? Analisam detalhes, avaliam diferencas, lembram-se de outras frutas que j a escolheram e comparam o que veem no momento com o que j a sabem. Por escolherem com atenc ao, terao o prazer de comer frutas saborosas. Obviamente, os benef ıcios de estudar a Palavra de Deus sao muito maiores. Quando esse estudo ocupa um lugar importante em nossa vida, af e e o amor tornam-se mais fortes, o minist erio torna-se mais produtivo easdecis oes que tomamos dao maior evidencia de discernimento e sabedoria piedosa. Falando sobre os benef ıcios resultantes da sabedoria, Prov erbios 3:15 diz: Todos os outros agrados teus nao se podem igualar a ela. Est a sendo beneficiado assim? COMO TIRAR A maneira de estudar pode fazer a diferenca. Col. 1:9, 10. MAIOR PROVEITO O que significa estudar? E mais do que uma simples leitura superficial. Envolve usar as faculdades mentais para analisar o assunto de maneira cuidadosa ou prolongada. Inclui Prepare o corac ao analisar o que le, compar a-lo com o que j a Obtenha uma visao sabe e observar os motivos apresentados para as declarac oes. geral da mat eria Ao estudar, analise a fundo as ideias novas e veja como poder a Isole fatos importantes aplicar ainda mais os conselhos b ıblicos. Como Testemunha de Jeov a, Veja como os textos tamb em desejar apensaremsitua coes em que poder ausara b ıblicos apoiam as mat eria declarac oes feitas para ajudar outros. Obviamente, o estudo inclui meditac ao. Recapitule os pontos principais Prepare-se mentalmente Ao preparar-se para estudar, voce apanha a B ıblia, Medite sobre como sua as publicac oes que pretende usar, l apis vida deve ser influenciada pelo que estuda ou caneta e talvez um caderno. Mas ser aquetamb em prepara o corac ao? A B ıblia nos diz que Esdras preparou seu corac ao Procure usar a mat eria para consultar a lei de Jeov aeparapratic para ajudar outras a-la, e para ensinar regulamento e justica pessoas em Israel. (Esd. 7:10) O que envolve essa preparac ao do corac ao? 27

29 ` 28 Valeapenaestudar! Aora cao nos d a condic oes de realizar o estudo da Palavra de Deus com a atitude correta. Queremos que o corac ao, nosso ıntimo, seja receptivo ainstru ` cao de Jeov a. Assim, ao comecar a estudar, ore a Jeov a pedindo a ajuda do esp ırito santo. (Luc. 11:13) Peca-lhe que o ajude a entender o significado do que estudar a, a ver a relac ao da mat eria com oprop osito Dele, como a informac ao pode ajud a-lo a discernir entre o bem e o mal, como deve aplicar seus princ ıpios na vida e como a mat eria influencia sua relac ao com Ele. (Pro. 9:10) A medida que estudar, persista em pedir sabedoria a Deus. (Tia. 1:5) Faca uma autoan alise sincera com base no que aprender, ao passo que procura a ajuda de Jeov a para livrar-se de pensamentos errados e de desejos prejudiciais. Sempre responda a Jeov a com agradecimento pelas coisas que ele revela. (Sal. 147:7) Orar antes de estudar faz com que tenhamos uma relacao achegada com Jeov a, uma vez que nos d a condic oes de reagir favoravelmente as ` coisas que ele nos diz por meio de sua Palavra. Sal. 145:18. Essa receptividade distingue o povo de Jeov a de outros estudantes. As pessoas que nao tem devoc ao piedosa acham que se deve questionar e duvidar de tudo o que est aescrito.masn os temos uma atitude diferente. Confiamos em Jeov a. (Pro. 3:5-7) Se nao entendemos alguma coisa, nao conclu ımos presuncosamente que ela deve estar errada. Pesquisamos o assunto a fundo e esperamos por Jeov a. (Miq. 7:7) Assim como Esdras, temos o objetivo de agir com base no que aprendemos e ensinar isso a outros. Essa atitude nos possibilita tirar muito proveitodoqueestudamos. COMO OBTER UMA VIS AO GERAL Como estudar DA MAT ERIA Em vez de simplesmente comecarpeloprimeiropar a- grafo e prosseguir at eofinaldamat eria, tire tempo para Analise o t ıtulo obter uma visao geral das informac oes contidas no artigo Vejaarela cao de cada ou no cap ıtulo. Comece analisando o t ıtulo. Ele indica o subt ıtulo com o t ıtulo tema da mat eria que estudar a. Em seguida, observe atentamente a relac ao dos subt ıtulos com o tema. Analise as Examine gravuras, tabelas ou quadros gravuras, tabelas ou quadros de ensino contidos na mat e- de ensino ria. Pergunte-se: Com base nessa visao geral, o que espero aprender? Que valor ter aparamim? Issodirecionaseu estudo. Em seguida, passe para a mat eria em si. Os artigos de es-

30 ` tudo de A Sentinela e alguns livros tem perguntas impressas. Amedida que ler os par agrafos, conv em marcar as respostas. Mesmo que o artigo nao tenha perguntas, voce pode marcar os pontos importantes que deseja se lembrar. Se uma ideia for nova para voce, gaste um pouco mais de tempo para certificar-se de que a entendeu bem. Fique atento a ilustrac oes ou argumentos que possam ser usados no minist erio de campo ou num discurso que far a em breve. Pense em determinadas pessoas cuja f e poderia ser fortalecida caso lhes contasse o que est a aprendendo. Marque os pontos que deseja usar e recapitule-os quando terminar de estudar a mat eria. Procure os textos b ıblicos citados no artigo. Analise a relac ao de cada texto com a ideia geral do par agrafo. Talvez haja alguns pontos mais dif ıceis de entender ou que gostaria de estudar mais detalhadamente. Anote-os para verific a-los mais tarde, em vez de se desviar do assunto que est a estudando. Muitas vezes os pontos sao esclarecidos na pr opria mat eria. Caso contr ario, poder apesquisar mais sobre o assunto. Que coisas devem ser anotadas para a pes- quisa? Talvez vocen ao tenha entendido muito bem um texto citado ou nao consiga ver como ele se aplica ao assunto. Pode ser que tenha entendido certa explicac ao, mas nao o suficiente para conseguir transmiti-la a outras pessoas. Em vez de ficar na d uvida, pesquise mais sobre esses pontos depois de terminar de estudar a mat eria. No meio de sua carta detalhada aos cristaos hebreus, o ap ostolo Paulo declarou: Este e o ponto principal. (Heb. 8:1) Costuma dar a si mesmo um lembrete desse tipo? Veja por que Paulo fez isso. Nos primeiros cap ıtulos dessa carta inspirada, ele j a tinha mostrado que Cristo, como grande sumo sacerdote de Deus, havia entrado no pr oprio c eu. (Heb. 4:14 5:10; 6:20) Contudo, por isolar e enfatizar esse ponto principal no in ıcio do cap ıtulo 8, Paulo preparou seus leitores para meditar na relacao desse ponto com a vida deles. Ele destacou que Cristo tinha se apresentado diante da pessoa de Deus em benef ıcio deles e que havia aberto o caminho para que eles tamb em pudessem entrar naquele lugar santo celestial. (Heb. 9:24; 10:19-22) A garantia de que sua esperanca seria concretizada os levaria a aplicar os conselhos que Paulo daria a seguir com respeito af ` e, aperseveran ` ca e a ` conduta crista. Da mesma maneira, focalizarmos a atenc ao nos pontos principais do assunto nos ajudar a a discernir a linha de racioc ınio e far a com que tenhamos bem em mente os motivos para agir em harmonia com esses pontos. Valeapenaestudar! 29

31 Procure os textos na B ıblia Para tirar pleno proveito do estudo pessoal, prepare o coraçao Reserve tempo para meditar Conheça bem as ferramentas de pesquisa dispon ıveis em seu idioma

32 Ser a que seu estudo pessoal o motivar aaagir?essa eumaperguntavital. Quando aprender algo, pergunte-se: Como isso deve influir em mi- nha atitude e em meus objetivos? Como posso usar essas informac oes para resolver um problema, tomar uma decisao ou atingir um objetivo? Como posso us a-las em minha fam ılia, no minist erio de campo e na congregac ao? Considere essas perguntas com orac ao, pensando em situac oes reais em que poder a aplicar o que aprendeu. Quando terminar de estudar um cap ıtulo ou um artigo, faca uma breve recapitulac ao. Veja se consegue lembrar-se dos pontos principais e dos argumentos que os apoiam. Isso o ajudar aagravarasinforma- coes. O que estudar Como povo de Jeov a, temos bastante para estudar. Mas por onde comecar? E bom analisar todos os dias o texto e o coment ario do folheto Examine as Escrituras Diariamente. Quando estudamos a mat eria que ser aanalisadanasreuni oes congregacionais, tiramos muito mais proveito. Al em disso, alguns usam bem o tempo estudando algumas de nossas publicac oes que foram lancadas antes de terem aprendido a verdade. Outros escolhem alguns trechos da leitura b ıblica semanal e fazem um estudo mais profundo desses vers ıculos. Mas e se vocen ao conseguir estudar bem toda a informac ao que ser a apresentada nas reunioes da semana? Evite a armadilha de estudar amat eria as ` pressas apenas por faze-lo ou, pior ainda, de nao estudar nada do que vai ser considerado porque nao consegue estudar toda a mat eria. Veja quanto consegue estudar, e estude bem aquela parte. Faca isso toda semana. Com o tempo, esforce-se a estudar tamb em a mat eria dasoutrasreuni oes. Edifica os da tua casa Jeov areconhecequeoschefesdefam ılia tem de trabalhar muito para sustent a-la. Prepara a tua obra portas afora, diz Prov erbios 24:27, e apronta-a para ti no campo. Apesar disso, as necessidades espirituais da fam ılia nao devem ser negligenciadas. Por isso, o vers ıculo continua: Depois tens de edificar tamb em os da tua casa. Como os chefes de fam ılia podem fazer isso? Prov erbios 24:3 diz: Os da casa serao... firmemente estabelecidos pelo discernimento. Como o discernimento pode beneficiar sua fam ılia? Discernimento e a capacidade de enxergar al em do obvio. Pode-se dizer perfeitamente Valeapenaestudar! 31

33 32 Valeapenaestudar! que o estudo familiar eficaz comeca por uma an alise detalhada da pr o- pria fam ılia. Como anda o progresso espiritual dos membros de sua fam ılia? Ao conversar com eles, escute com atenc ao. Existe um ambiente de queixa ou m agoa? Percebe se dao prioridade as ` coisas materiais? Quando vai ao servico de campo com seus filhos, nota se eles se sentem a ` vontade para identificar-se como Testemunhas de Jeov aquando encontram colegas? Gostam do programa de estudo e leitura da B ıblia em fam ılia? Estao realmente vivendo de acordo com as orientac oes de Jeov a? Se for observador poder a ver o que precisa fazer, como chefe da fam ılia, para edificar qualidades espirituais em cada um de seus membros. Ao tratar de necessidades espec ıficas, procure artigos nas revistas A Sentinela e Despertai!. Diga-lhes com antecedenciaoqueser aestudado, para que possam pensar nas informac oes. Mantenha um ambiente cordial durante o estudo. Sem repreender ou constranger ningu em, frise o valor pr atico da mat eriaeindiquecomoelaseaplica afam ` ılia. Mantenha todos envolvidos. Ajude-os a ver como a Palavra de Jeov a e perfeita e nos d aexatamenteoqueprecisamos. Sal.19:7. Benef ıcios As pessoas observadoras que nao tem entendimento das coisas espirituais podem estudar o Universo, os eventos mundiais e at easipr oprias, mas nao conseguem compreender o significado real do que veem. Por outro lado, o esp ırito de Deus ajuda aqueles que estudam Sua Palavra regularmente a perceber a mao de Deus nessas coisas, e a entender o cumprimento de profecias b ıblicas e o desenrolar do prop osito de Deus para abencoar humanos obedientes. Mar. 13:4-29; Rom. 1:20; Rev. 12:12. Por mais maravilhoso que isso possa ser, nao devemos tornar-nos orgulhosos. A leitura di aria da Palavra de Deus ajuda-nos a manter a humildade. (Deut. 17:18-20) Isso tamb em nos protege do poder enganoso do pecado, porque se a Palavra de Deus est avivanocora cao e menos prov avel que o pecado consiga atrair-nos e vencer nossa determinac ao de resistir a ele. (Heb. 2:1; 3:13; Col. 3:5-10) Assim, andaremos dignamente de Jeov a, com o fim de lhe agradarmos plenamente, ao prosseguirmos em dar fruto em toda boa obra. (Col. 1:10) Esse eo nosso objetivo ao estudar a Palavra de Deus e, se conseguirmos alcanc a- lo, obteremos o maior de todos os benef ıcios.

34 Como pesquisar OREISALOM AO ponderou e fez uma investigac ao cabal, a fim de por em ordem muitos prov erbios. Por que? Porque estava interessado em escrever palavras corretas de verdade. (Ecl. 12:9, 10) Lucas pesquisou todas as coisas com exatidao, desde o in ıcio, a fim de narrar em ordem l ogica os eventos da vida de Cristo. (Luc. 1:3) Esses dois servos de Deus estavam pesquisando. Oque e pesquisa? E a busca minuciosa de informac oes sobre determinado assunto. Inclui ler e exige a aplicac ao dos princ ıpios do estudo. Tamb em pode envolver entrevistas. Em que circunstancias e necess ario fazer pesquisas? Seguem-se alguns exemplos. Durante o estudo pessoal ou a leitura da B ıblia, podem surgir algumas perguntas importantes para voce. Ao dar testemunho, a pessoa talvez lhe facaumaperguntaso- bre a qual vocegostariadeobterinforma coes espec ıficas para responder. Ou pode ser que voce QUAIS DESSAS tenha sido designado para proferir um discurso. FERRAMENTAS DE No caso de um discurso, pode ser que a mat eria PESQUISA VOCETEM? que lhe foi designada pareca bem gen erica. Como poder a aplic a-la Traduçao do Novo Mundo aos ouvintes? Enriqueca-a por meio de pesquisas. Um argumento aparentemente obvio torna-se informativo e at e das Escrituras Sagradas motivador quando apoiado por dados estat ısticos Comprehensive ou por um exemplo que se encaixe na mat eria Concordance e que tenha a ver com os presentes. A mat eria que servir adebasepara (Concordancia Abrangente) seu discurso pode ter sido preparada para leitores de todo o mundo, mas voce ASentinelae Despertai! precisa ampliar e ilustrar os pontos, e mostrar como se aplicam a determinada congregac ao Racioc ınios a ` Base das ou Escrituras a uma pessoa espec ıfica. Como fazer isso? Testemunhas de Jeov a Antes de comecar a pesquisar, pense na assistencia. Proclamadores do Oquej aconhecemdamat eria? O que precisam saber? Da ı, Reino de Deus identifique o seu objetivo. Vocepretendeexplicar, Estudo Perspicaz das convencer, refutar ou motivar? Para explicar algo e necess ario Escrituras incluir informac oes Indice das Publicaçoes da adicionais a fim de esclarecer o assunto. Embora os fatos b asicos TorredeVigia possam ser compreendidos, talvez Watchtower Library em precise falar um pouco mais sobre quando ou como fazer oqueest a sendo dito. Para convencer, e CD-ROM preciso apresentar 33

35 34 Como pesquisar motivos e provas que indiquem por que uma coisa ededeterminada maneira. Para refutar, e necess ario conhecer bem os dois lados da questao e analisar detalhadamente as evidencias usadas. E obvio que nao procuramos apenas usar argumentos fortes, mas procuramos meios para apresentar fatos de maneira bondosa. Motivar envolve tocar o corac ao. Significa incentivar os ouvintes e estimular seu desejo de agir em harmonia com o que est a sendo dito. Citar exemplos de pessoas que agiram assim, mesmo ao enfrentar dificuldades, pode tocar o coracao dos ouvintes. Est aprontoparacome car? Ainda nao. Veja a quantidade de informacao de que precisar a. O tempo e um fator importante. Se tiver de apresentar a informac ao a outros, quanto tempo ter a para fazer isso? Cinco minutos? Quarenta e cinco minutos? H a um limite de tempo, como acontece nas reunioes, ou h a certa flexibilidade, como no caso de um estudo b ıblico ou de uma visita de pastoreio? Por ultimo, que ferramentas de pesquisa tem a ` disposic ao? Al em das que tem em casa, h a mais na biblioteca do Salao do Reino? Ser aqueos irmaos que j aservemajeov a por muitos anos estariam dispostos a deix a-lo consultar suas publicac oes? Existe uma biblioteca p ublica em sua regiao para que possa consultar livros de referencia, caso necess ario? Como usar nossa ferramenta de pesquisa mais importante a B ıblia Se o seu projeto de pesquisa envolve o significado de um texto b ıblico, comece com a pr opria B ıblia. Examine o contexto. Pergunte-se: A quem foi dirigido esse texto? O que o contexto diz sobre as circunstancias que levaram a essa declarac ao ou a atitude das pessoas envolvidas? Esses detalhes muitas vezes nos ajudam a entender um vers ıculo, e tamb em podem ajudar-nos a enriquecer um discurso. Por exemplo, o texto de Hebreus 4:12 muitas vezes e citado para mostrar que a Palavra de Deus tem o poder de tocar o corac ao e influenciar pessoas. O contexto ajuda-nos ainda mais a ver como isso realmente pode acontecer. Fala sobre os 40 anos que Israel passou no deserto antes de entrar na terra que Jeov a havia prometido a Abraao. (Heb. 3:7 4:13) A palavra de Deus sua promessa de lev a-los a um lugar de descanso, em harmonia com o pacto que havia feito com Abraao nao estava morta; estava viva e rumo ao cumprimento. Os israelitas tinham todos os motivos para ter f e nessa promessa. Mas, amedidaquejeov ` a os conduzia do Egito para o monte Sinai e dali para a Terra Prometida,

36 eles demonstraram falta de f eemv arias ocasioes. Assim, sua reac ao ao modo de Deus cumprir sua Palavra revelou o que tinham no corac ao. Atualmente, a palavra ou promessa de Deus revela o que o homem tem no corac ao. Consulte as referencias cruzadas. Algumas B ıblias tem referencias cruzadas. Voce tem uma assim? Se tiver, elas podem ser uteis. Veja um exemplo da Traduçao do Novo Mundo das Escrituras Sagradas. Otexto de 1 Pedro 3:6 menciona Sara como exemplo digno de ser imitado pelas esposas cristas. A referenciacruzadaag enesis 18:12 reforca essa ideia dizendo que, no ıntimo, Sara chamava Abraao de senhor. Isso mostra que sua submissao vinha do corac ao. Al em desses esclarecimentos, as referencias cruzadas podem lev a-lo a vers ıculos que mostram o cumprimento de uma profecia b ıblica ou de um modelo do pacto da Lei. Contudo, e bom estar ciente de que algumas referencias cruzadas nao tem o objetivo de fornecer explicac oes. Elas podem simplesmente indicar ideias paralelas ou ainda informac oes biogr aficas ou geogr aficas. Pesquisa com uma concordancia b ıblica. Aconcord ancia b ıblica e um ındice alfab eticodepalavrasusadasnab ıblia. E usada para encontrar textos que se relacionam com o assunto que est a pesquisando. Ao consult a-los, aprender aoutrosdetalhespr aticos. Ver aaevidencia do modelo da verdade contido na Palavra de Deus. (2 Tim. 1:13) A Traduçao do Novo Mundo cont em um Indice de Palavras B ıblicas. A Comprehensive Concordance (Concordancia Abrangente) emui- to mais extensiva. Se estiver dispon ıvel em seu idioma, ela lhe indicar a todos os textos em que aparecem as principais palavras da B ıblia. Como usar outras ferramentas de pesquisa Oquadronap agina 33 alista uma s erie de outras ferramentas de pesquisa fornecidas pelo escravo fiel e discreto. (Mat. 24:45-47) Muitas delas tem um ındice da mat eria contida na publicac ao, al em de um ındice no final cuja finalidade eajud a-lo a encontrar informac oes espec ı- ficas. No final de cada ano, as revistas ASentinelae Despertai! trazem ındices dos assuntos publicados nelas durante o ano. Estar familiarizado com o tipo de informac ao contida nessas publicacoes b ıblicas pode acelerar o processo de pesquisa. Digamos, por exemplo, que voce queira saber algo sobre profecia, doutrina, conduta crista ou aplicac ao de princ ıpios b ıblicos. A revista ASentinelaprovavelmente tem a informac ao que procura. A Despertai! publica mat erias sobre Como pesquisar 35

37 36 Como pesquisar eventos e problemas atuais, religiao, ciencia e povos de v arios pa ıses. O livro OMaiorHomemQueJ aviveucomenta todos os relatos contidos nos Evangelhos, em ordem cronol ogica. Algumas publicac oes analisam livros b ıblicos vers ıculo por vers ıculo, como eocasoderevelaçao Seu Grandioso Cl ımax Est apr oximo!, Preste Atençao aprofeciade ` Daniel! e os dois volumes de Profecia de Isa ıas Uma Luz para Toda a Humanidade. No livro Racioc ınios a ` Base das Escrituras voceencontra- r a respostas satisfat orias a centenas de perguntas b ıblicas comumente levantadas no servico de campo. Quando quiser saber mais sobre outras religioes, seus ensinos e sua hist oria, consulte o livro O Homem em Busca de Deus. A obra Testemunhas de Jeov a Proclamadores do Reino de Deus conta em detalhes a hist oria moderna das Testemunhas de Jeov a. Se desejar saber os acontecimentos recentes na obra mundial de pregac ao, consulte o ultimo Anu ario das Testemunhas de Jeov a. A obra Estudo Perspicaz das Escrituras e uma enciclop edia e um atlas da B ıblia; se precisar obter detalhes sobre povos, lugares, coisas, idiomas ou eventos hist oricos associados com a B ıblia, e uma excelente fonte de pesquisas. Indice das PublicaçoesdaTorredeVigia.Esse Indice, publicado em mais de 20 idiomas, o ajudar aaencontrarinforma coes em v arias publicac oes. Est a dividido em ındice de assuntos e ındice de textos. Para usar o ındice de assuntos, encontre a palavra que corresponda ao assunto que deseja pesquisar. Caso queira saber mais sobre algum texto, procure-o na lista do ındice de textos. Se algo foi publicado em seu idioma sobre o assunto ou o texto b ıblico que procura, no per ıodo abrangido pelo Indice, encontrar a uma lista de referencias. No in ıcio do Indice h aumarela cao com as abreviaturas das publicac oes citadas. (Ao consult a-la, ver a, por exemplo, que w99 1/3 15 se refere arevista ` ASentinelade 1. de marco de 1999, p agina 15.) Verbetes principais, como Experiencias no minist erio de campo e Biografias de Testemunhas de Jeov a, podem ser uteis ao preparar discursos para motivar acongrega cao. Visto que pesquisar pode ser muito envolvente, tome cuidado para nao se desviar do assunto que est a pesquisando. Concentre-se no objetivo de pesquisar a mat eria necess aria para cumprir a tarefa do momento. Se o Indice fizer referencia a determinada fonte de mat eria, abra a publicac ao na p agina indicada e use os subt ıtulos e as primeiras sentencas dos par agrafos para encontrar a informac ao de que precisa. Se estiver procurando o significado de determinado vers ıculo b ıblico, pri-

38 meiro localize o texto na p agina indicada e entao examine os coment arios antes e depois da citac ao. Watchtower Library (Biblioteca da Torre de Vigia) em CD-ROM. Se tiver acesso a um computador, talvez ache util usar a Watchtower Library em CD-ROM, que cont em uma vasta colec ao de nossas publicacoes. O programa tem um sistema simples pelo qual voce pode procurar uma palavra, uma combinac ao de palavras, ou uma citac ao b ıblica em qualquer publicac ao da Watchtower Library. Caso essa ferramenta de pesquisa nao esteja dispon ıvel em seu idioma, poder aacess a-la em um idioma internacional com que estiver familiarizado. Outras bibliotecas teocr aticas Em sua segunda carta inspirada ao jovem Tim oteo, Paulo pediu-lhe que levasse os rolos, especialmente os pergaminhos, a Roma, onde Paulo estava. (2 Tim. 4:13) Paulo valorizava certos escritos e os guardava. Vocetamb em pode fazer isso. Costuma guardar os exemplares de A Sentinela, Despertai! edonosso Minist erio do Reino, mesmo depois de terem sido estudados nas reunioes? Se fizer isso, poder aus a-los para fazer pesquisas junto com as outras publicac oes b ıblicas que tiver adquirido. A maioria das congregac oes tem uma colec ao de publicac oes teocr aticas na biblioteca do Salao do Reino. Essas publicac oes podem ser usadas por todos os membros da congregac ao, dentro do Salao do Reino. Arquivo pessoal Fique atento a mat erias interessantes que poder ausartantoparafalar com as pessoas como para ensinar. Se encontrar num jornal ou numa revista uma mat eria interessante, dados estat ısticos ou um exemplo que possa usar no minist erio, recorte o artigo ou copie as informacoes. Inclua a data, o nome da publicac ao e talvez o nome do autor ou do editor. Nas reunioes congregacionais, anote argumentos e ilustracoes que poderao ajud a-lo a explicar a verdade a outras pessoas. J alhe aconteceu de ter uma boa ideia para uma ilustrac ao, mas nao surgir a oportunidade de us a-la logo? Anote-a e guarde-a em seus arquivos. Depois de participar na Escola do Minist erio Teocr atico por algum tempo, voceter a preparado v arios discursos. Guarde suas anotac oes. As pesquisas que tiver feito poderao ser uteis mais tarde. Converse com outros Pessoas sao uma rica fonte de informac oes. Para compilar seu Evangelho, Lucas evidentemente obteve muitas informac oes entrevistando Como pesquisar 37

39 38 Como pesquisar testemunhas oculares dos acontecimentos. (Luc. 1:1-4) Talvez um irmao diga algo que o ajude a entender um assunto sobre o qual vocees- teja pesquisando. De acordo com Ef esios 4:8, 11-16, Cristo usa d adi- vas em homens para ajudar-nos a obter mais conhecimento exato do Filho de Deus. Voce pode obter ideias uteis falando com pessoas que tem bastante experiencia no servico de Deus. Ao conversarmos com outros, descobrimos o que estao pensando, e isso pode ajudar-nos a preparar mat erias realmente pr aticas. Avalie os resultados Depois da colheita do trigo, o grao tem de ser tirado da palha. O mesmo acontece com as pesquisas que faz. Antes de usar as informac oes que encontrou, voce precisa separar o que evaliosodoque esup erfluo. Se pretende usar as informac oes num discurso, pergunte-se: Essa ideia que pretendo usar realmente acrescenta algo a ` explicac ao do assunto? Ou, embora a informac ao seja interessante, ser aquetendeadesviar a atenc ao do assunto? Se pensar em citar acontecimentos recentes ou dados relacionados com os campos da ciencia e da medicina em constante mudanca, certifique-se de que a informac ao esteja atualizada. Lembre-se tamb em de que algumas informac oes que aparecem nas nossas publicac oes mais antigas podem ter sido atualizadas. Por isso, procure as informac oes mais recentes sobre o respectivo assunto. Seja muito cauteloso ao usar informac oes de fontes seculares. Nunca se esqueca de que a Palavra de Deus e a verdade. ( Joao 17:17) Jesus ocupa o papel principal no cumprimento do prop osito de Deus. Por isso, Colossenses 2:3 diz: Cuidadosamente ocultos nele se acham todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. Avalie os resultados de suas pesquisas com base nisso. No caso das pesquisas seculares, pergunte-se: Essa mat eria cont em exageros, especulac ao ou expressa conceitos m ıopes? Foi escrita com base em interesses ego ıstas ou comerciais? Ser a que outras fontes respeitadas concordam com ela? Acima de tudo, harmoniza-se com a B ıblia? Prov erbios 2:1-5 incentiva-nos a continuar a buscar o conhecimento, a compreensao e o discernimento como se fossem prata e tesouros escondidos. Isso esin onimo de esforco e de ricas recompensas. Pesquisar demanda esforco, mas o ajudar a a descobrir o que Deus pensa sobre as coisas, a corrigir ideias equivocadas e a reforcar seu entendimento da verdade. Far atamb em com que suas apresentac oes sejam significativas e animadas, tornando-as agrad aveis de proferir e de ouvir.

40 Como elaborar um esboco MUITOS oradores se dao ao enorme trabalho de escrever tudo o que pretendem dizer, desde a introduc ao at eaconclus ao. Fazem v arios rascunhos at e terminar de preparar o discurso. Esse processo pode levar horas. E assim que prepara seus discursos? Gostaria de aprender um m etodo mais f acil? Se aprender a elaborar um esboco, nao ter a mais neces- sidade de escrever tudo o que pretende dizer e ter a mais tempo para ensaiar o discurso. Seus discursos serao mais f aceis de proferir, mais interessantes de ouvir e mais motivadores para a assistencia. Como sabemos, os oradores que proferem discursos p ublicos nas congregac oes j a recebem um esboco b asico da mat eria. Mas isso nao acontece com a maioria dos outros discursos. Talvez voce receba uma designac ao indicando apenas o assunto ou o tema. Ou pode ser que lhe pecam para falar com base em determinada mat eria publicada. Em outros casos, talvez receba apenas algumas orientac oes. Para todos esses discursos, voce precisa elaborar seu pr oprio esboco. O modelo na p agina 41 lhe dar aumaideiadecomoorganizarum esboco breve. Observe que os pontos principais comecam na margemesquerdaes ao escritos com letras mai usculas. Logo abaixo de cada ponto principal estao alistados os argumentos que o apoiam. Para desenvolver esses argumentos, h a ainda outras ideias, alistadas sob eles e deslocadas alguns espacos a ` direita. Analise esse esboco com atenc ao. Observe que os dois pontos principais estao diretamente relacionados com o tema do discurso. Veja tamb em que os pontos secund arios nao sao simplesmente pensamentos interessantes, mas apoiam o ponto principal sob o qual aparecem. Pode ser que seu esboco nao tenha exatamente a mesma aparencia desse modelo, mas, se voce entender os princ ıpios envolvidos, conseguir a organizar a mat eria e preparar um bom discurso num per ıodo razo avel. Por onde comecar? Analise, selecione e organize Voce precisa de um tema. Seu tema nao deve ser simplesmente um assunto gen erico, que poderia ser descrito com apenas uma palavra. 39

41 40 Como elaborar um esboço Ele e a ideia central que pretende transmitir e indica o ponto de vistasoboqualvoc e pretende abordar o assunto. Caso o tema lhe seja fornecido, analise cuidadosamente cada palavra principal dele. Se tiver de desenvolver o tema com base numa mat eria impressa, estude-a com o tema em mente. Se receber apenas o assunto sobre o qual falar, entao voceter a de escolher o tema. Antes de fazer isso, talvez queira fazer pesquisas. Tenha mente aberta e conseguir anovas ideias. Ao dar esses passos, tenha em mente as seguintes perguntas: Por que essa mat eria e importante para a minha assistencia? Qual emeu objetivo? Nao deve ser apenas cobrir mat eria ou proferir um discurso interessante, mas transmitir algo ben efico para os ouvintes. Quando definir o objetivo, anote-o e mantenha-o em mente duranteaprepara cao. Depois de definir o objetivo do discurso e escolher COMO ELABORAR um tema que combine com ele (ou de ter analisado como o tema que recebeu se encaixa nesse objeti- UM ESBOCO vo), poder a fazer pesquisas mais direcionadas. Procure Determine por que o mat eria espec ıfica para sua assistencia. Nao se contente com generalidades, mas procure pontos espec ıficos para a assistencia e assunto eimportante qual eoseuobjetivo que sejam informativos e realmente pr aticos. Seja realista no que diz respeito aquantidadedemat ` eria que Escolha um tema; se otemaj ativersido pesquisa. Na maioria dos casos, logo ter a mais mat eria escolhido, analise-o do que conseguir a usar. Por isso, seja criterioso. Re una mat eria pr atica Identifique os pontos principais que precisa abordar e instrutiva Identifique os pontos principais Organizeamat eria e use apenas as melhores informac oes Prepare uma introduc ao que desperte interesse Elabore uma conclusao motivadora Reviseeaprimore odiscurso a fim de abranger o tema e alcancar seu objetivo. Eles se tornarao a estrutura b asica de seu esboco. Quantos pontos principais deve ter? Talvez dois sejam suficientes para um discurso curto e, geralmente, cinco pontos sao suficientes at eparaumdiscursodeumahora. Quanto menor o n umero de pontos principais, maior a probabilidade de sua assistencia se lembrar deles. Uma vez que tiver em mente o tema e os pontos principais, organize a mat eria de pesquisa. Decida o que se relaciona diretamente com os pontos principais. Escolha detalhes que tornem sua apresentac ao original.

42 Como elaborar um esboço 41 Quando escolher textos para apoiar os pontos principais, fique atento a ideias que o ajudem a raciocinar de maneira significativa sobre esses textos. Aliste cada ideia ou texto sob o ponto principal correspondente. Se alguma informac ao nao se encaixar em nenhum dos pontos principais, descarte-a mesmo que seja muito interessante ou arquive-a para us a-la em outra ocasiao. Use apenas as melhores informac oes. Se tentar abranger muita coisa, ter adefalarr apido demais e cobrir aamat eria de maneira superficial. E melhor transmitir poucos pontos de real valor para a assistencia, mas fazer isso de maneira bem-feita. Nao passe da hora. A essa altura, organize a mat eria numa sequencia l ogica, se ainda nao o fez. O escritor do Evangelho de Lucas fez o mesmo. Depois de reunir muitos fatos com respeito ao assunto sobre o qual escreveria, ele os organizou em ordem l ogica. (Luc. 1:3) Voce pode organizar a mat eria por ordem cronol ogica ou por ordem de t opicos, possivelmente de acordo com causa e efeito, ou problema e soluc ao, dependendo do que for melhor para atingir seu objetivo. Nao faca uma mudanca brusca de uma ideia para outra. A transic ao de pensamentos deve ser suave para os ouvintes, sem lacunas dif ıceis de preencher. As provas apresentadas devem levar a assistencia a conclusoes l ogicas. A ` medida que organizar os pon- tos, pense em como a apresentac ao soar aparaaassist encia. Acha que os presentes conseguirao acompanhar com facilidade a sua linha de racioc ınio? Serao motivados a agir com base no que escutarem, em harmonia com o objetivo que vocetem em mente? A seguir, prepare uma introduc ao que desperte interesse no assunto e que mostre aos ouvintes que sua QUAL EOPROP OSITO DE DEUS PARA COM A TERRA? OPROP OSITO ORIGINAL DE DEUS ERA QUE A TERRA SE TORNASSE UM PARA ISO Deus deu in ıcio ao Para ıso no Eden. (Gen. 2:8, 15) Adao e Eva e seus descendentes deviam estender o Para ıso por toda a Terra. (Gen. 1:28) DEUS NAO DESISTIU DO PROP OSITO DE TRANSFORMAR A TERRA NUM PARA ISO Oprocederan arquico dos primeiros humanos, sob a influencia de Satan as, nao mudou o prop osito de Deus. No tempo devido, Deus destruir aosperversos. (Pro. 2:22) Satan as ser alan cado no abismo. (Rev. 20:1-3) Cristo cumprir a o prop ositodedeusparacoma Terra durante o Reinado Milenar. As doencaseamorteser ao eliminadas. (Rev. 21:3, 4) Os mortos serao ressuscitados para viver na Terra. Sob o governo celestial, os humanos fi eis transformarao a Terra num para ıso. (Isa. 65:17, 21-25)

43 ` 42 Como elaborar um esboço mensagem erealmenteimportanteparaeles. As vezes, e bom escrever as primeiras frases na ıntegra. Por ultimo, elabore uma conclusao motivadora, coerente com seu objetivo. Se preparar o esboco com bastante antecedencia, ter a tempo para aprimor a-lo antes do proferimento. Pode ser que ache necess ario mencionar certos dados, uma ilustrac ao, ou contar um caso real para apoiar determinadas ideias. Citar um acontecimento recente ou algo de interesse na localidade pode ajudar a assistencia a entender de maneira mais r apida a importancia da mat eria. Ao revisar o discurso, poder a perceber outras maneiras de adaptar as informac oes a ` assistencia. O processo de analisar e aprimorar e essencial para transformar uma boa mat eria num discurso pr atico. Alguns oradores precisam usar notas mais extensas do que outros. Mas, se dispuser a mat eria em poucos pontos principais, eliminar o querealmenten ao apoia esses pontos e colocar as ideias em ordem l ogica, ver aque amedidaqueganhaexperi ` encia nao precisar amais escrever tudo o que pretende dizer. Isso pode poupar muito tempo e melhorar a qualidade dos seus discursos. Ficar aevidentequevoc e realmente est a tirando proveito da instruc aofornecidanaescolado Minist erio Teocr atico.

44 Como os estudantes podem elaborar suas apresentac oes CADA designac ao que recebemos na escola nos oferece uma oportunidade para progredir. Seja aplicado e, aos poucos, seu progresso se tornar a evidente tanto para voce como para outros. (1 Tim. 4:15) Aescolaoajudar a a desenvolver ainda mais as suas habilidades. Fica ansioso com a ideia de falar perante a congregac ao? Isso enormal, mesmo que j a esteja matriculado na escola h a algum tempo. No entanto, h a algumas coisas que ajudam a diminuir a ansiedade. Em casa, crie o h abito de ler em voz alta. Comente com frequencia nas reunioes e, se for publicador, participe regularmente na pregacao. Isso lhe dar a mais experiencia em falar perante outros. Al em disso, prepare seus discursos com bastante antecedencia e treine-os em voz alta. Lembre-se de que sua assistencia eamig avel. Antes de proferir qualquer discurso, ore a Jeov a. Ele tem prazer em conceder esp ırito santo sempre que seus servos o pedem. Luc. 11:13; Fil. 4:6, 7. Nao tenha expectativas muito elevadas. E necess ario tempo para se tornar um orador experiente e um bom instrutor. (Miq. 6:8) Se estiver matriculado na escola h a pouco tempo, nao espere fazer uma apresentac ao perfeita logo de imediato. Deaten cao a uma caracter ıstica de orat oria por vez e estude neste livro a sec ao que a explica. Se poss ıvel, faca o exerc ıcio sugerido no livro. Assim voceadquirir a experiencia em assuntos relacionados com a respectiva caracter ıstica antesdecumpriradesigna cao. O progresso vir a com o tempo. Como se preparar para ler em p ublico Preparar-se para ler em p ublicoenvolvemuitomaisdoquesimplesmente conseguir pronunciar as palavras impressas. Esforce-se para entender claramente o significado da mat eria. Assim que receber a designac ao, leia a mat eria com esse objetivo em mente. Procure entender a ideia de cada sentenca e a linha de racioc ınio de cada par agrafo, para que consiga transmitir os pensamentos da maneira exata e com o sentimento apropriado. Quando poss ıvel, consulte um dicion ario para ver a pron uncia correta de palavras que nao conhece. 43

45 44 Como os estudantes podem elaborar suas apresentaç oes Familiarize-se bem com a mat eria. Os pais talvez tenham de ajudar os filhos a fazer isso. Foi designado para ler um trecho da B ıblia ou um artigo de ASentinela? Se em seu idioma houver gravac ao da mat eria em fita cassete, conv em ouvi-la, prestando atenc ao a coisas como pron uncia, estilo de expressao, enfase e modulac ao. Entao, tente aplicar essas qualidades em sua leitura. Quando comecar a elaborar sua apresentac ao, estude detalhadamenteali cao que trata da caracter ıstica de orat oria que foi designado a observar. Se poss ıvel, recapitule essa informac ao depois de ter treinado v arias vezes a leitura da mat eria em voz alta. Esforce-se a aplicar na ıntegra os conselhos da lic ao. Esse treinamento lhe ser amuito util no minist erio. Quando participa na pregac ao, surgem muitas oportunidades de ler para outros. Visto que a Palavra de Deus tem o poder de mudar a vida das pessoas, eimportantequevoc ealeiabem.(heb.4:12)n ao espere dominar todos os aspectos da boa leitura depois de uma ou duas participac oes. O ap ostolo Paulo escreveu a um anciao cristao com anos de experiencia: Continua a aplicar-te aleiturap ` ublica. 1 Tim. 4:13. Tema e cena Como preparar uma apresentac ao que envolva uma cena? E preciso levar em conta tres coisas principais: (1) o assunto, (2) a cenaeapessoacomquemfar aaapresenta cao e (3) a caracter ıstica de orat oria em que ser a aconselhado. Voce precisa reunir mat eria sobre o assunto que vai abordar. Mas, antes de ir muito a fundo nisso, pense bem sobre a cena e a pessoa comquemfar aaapresenta cao, visto que esses fatores terao relac ao com o tipo de mat eria que abordar aeamaneiradeapresent a-la. Qual ser a a cena? Uma demonstrac ao de como apresentar as boas novas a algu em que conhece? Ou demonstrar a o que pode acontecer ao conversar com uma pessoa pela primeira vez? A pessoa e mais velha ou mais jovem que voce? Qual ser a a atitude dela com relac ao ao assunto que vocepretendeabordar?quantoelaprovavelmentej asabedo assunto? Que objetivo espera alcancar com sua apresentac ao? As respostas a essas perguntas serao importantes para direcionar seu trabalho.

46 Como os estudantes podem elaborar suas apresentaç oes 45 Onde poder a encontrar informac oes sobre o assunto que lhe foi designado? Leia as explicac oes sobre Como pesquisar, nas p aginas 33 a 38 deste livro, e use as ferramentas de pesquisa de que dis- poe. Na maioria dos casos, logo encontrar a mais mat eria do que poder a usar. Leia o suficiente para ter uma ideia do que tem a ` disposic ao e, ao fazer isso, nao se esqueca da cena que usar a e da pessoa com quem far aaapresenta cao. Marque os pontos apropriados para usar em sua apresentac ao. Antes de organizar a apresentac ao e fazer a escolha final dos detalhes, leia as informac oes sobre a caracter ıstica de orat oria em que ser a aconselhado. Um dos motivos principais de receber a designacao e aplicar esse conselho. Se cobrir a mat eria no tempo designado, ter a a satisfac ao de apresentar a conclusao do assunto, visto que ser a dado um sinal caso seu tempo se esgote. No minist erio de pregac ao, o tempo nem sempre ser a um fator restritivo. Por isso, ao preparar-se, leve em conta o tempo dispon ıvel, mas concentre-se principalmente na efic acia do ensino. Um detalhe a respeito das cenas. Veja as sugestoes na p agina 82, e escolha uma que seja pr atica para o minist erio e lhe de condic oes de apresentar a mat eria de modo realista. Se j a estiver matriculado na escola h a um bom tempo, encare isso como oportunidade para progredir e tornar-se mais eficiente no minist erio. Caso o superintendente da Escola do Minist erio Teocr atico indique a cena, aceite o desafio. A maioria das cenas envolve a obra de testemunho. Se nunca deu testemunho nas circunstancias indicadas na cena, peca sugestoes a publicadores que j a o fizeram. Se poss ıvel, tente usar a mat eria designada numa situac ao parecida com a cena que apresentar a na escola. Isso o ajudar a a atingir um objetivo importante de seu treinamento. Apresentac ao da mat eria em forma de discurso Os irmaos podem ser designados para proferir discursos breves a ` congregac ao. Ao prepar a-los, os pontos b asicos que precisam ser considerados sao parecidos aos pontos j a alistados para as designac oes apresentadas em forma de demonstrac ao. As principais diferencas sao a assistenciaeom etodo de apresentar a mat eria.

47 46 Como os estudantes podem elaborar suas apresentaç oes E bom preparar o discurso de forma que todos os presentes possam tirar proveito. A maioria dos ouvintes j a conhece as verdades b ı- blicas b asicas e pode ser que eles conhecam bem o assunto sobre o qual falar a. Leve em conta o que j aconhecemdamat eria. Esforce-se para apresentar a informac ao de uma maneira que os beneficie. Pergunte-se: Como posso usar essa mat eria para que eu e meus ouvintes aumentemos o apreco por Jeov a como pessoa? Que parte da mat eria nos ajudar a a discernir a vontade de Deus? Como ela pode ajudarnos a tomar decisoes acertadas em meio a um mundo dominado pelos desejos carnais? (Ef e. 2:3) Para encontrar respostas satisfat orias a essas perguntas e necess ario pesquisar. Quando usar a B ıblia, nao se limite a apenas ler os vers ıculos. Raciocine sobre os textos e mostre como servem de base para tirarmos conclusoes. (Atos 17:2, 3) Nao tente abranger mat eria demais, e apresente-a de um modo que facilite memoriz a-la. Na fase de preparac ao, deaten cao tamb em ao proferimento do discurso. Isso e muito importante. Treine o discurso em voz alta. Seu empenho em estudar e aplicar os conselhos referentes as ` diversas caracter ısticas de orat oria contribuir a muito para seu progresso. Quer seja um orador iniciante, quer seja experiente, prepare-se bem para falar com a convicc ao e o sentimento que a mat eria exigir. Sempre que cumprir uma designac ao na escola, lembre-se de que o objetivo de usar o dom divino da fala ehonrarajeov a. Sal. 150:6.

48 Como elaborar discursos dirigidos acongrega ` cao O PROGRAMA da Escola do Minist erio Teocr atico visa beneficiar toda a congregac ao. Informac oes valiosas tamb em sao apresentadas em outras reunioes congregacionais e em assembleias e congressos. Se voce foi designado para participar no programa espiritual de um desses eventos, recebeu uma grande responsabilidade. O ap ostolo Paulo recomendou a Tim oteo, um superintendente cristao, que estivesse constantemente atento aquest ` ao do ensino. (1 Tim. 4:16) As pessoas reservam tempo valioso para assistir as ` reunioes cristas, e algumas fazem muito empenho para estar ali e receber instruc oes sobre assuntos pertinentes asuarela ` cao com Deus. Fornecer-lhes essa instruc ao erealmenteumimensoprivil egio. Como voce pode cuidar bem dele? Destaques da leitura da B ıblia EssapartedaescolasebaseianotrechodaleiturasemanaldaB ı- blia. Deve-se enfatizar o efeito que a mat eria tem sobre n os atualmente. Conforme registrado em Neemias 8:8, Esdras e seus companheiros liam e explicavam a Palavra de Deus em p ublico, dando-lhe sentido e tornando-a compreens ıvel. Voce pode fazer o mesmo ao apresentar os destaques da B ıblia. Como deve preparar os destaques? Procure ler o trecho da B ıblia com uma semana ou mais de antecedencia. Depois de fazer isso, pense na congregac ao e nas necessidades dela. Ore pedindo orientac ao. Que conselhos, exemplos ou princ ıpios desse trecho da Palavra de Deus atendem a essas necessidades? E essencial pesquisar. Use bem a Watchtower Library (Biblioteca da TorredeVigia)emCD-ROMouo Indice das Publicaçoes da Torre de Vigia, se estiverem dispon ıveis em seu idioma. Ao pesquisar o que foi publicado a respeito dos vers ıculos que escolheu, talvez encontre detalhes que esclarecam o contexto, explicac oes sobre o cumprimento de profecias ou sobre o que certos textos revelam a respeito de Jeov a, ou ainda an alises de princ ıpios. Nao tente abranger muitos 47

49 48 Como elaborar discursos dirigidos ` a congregaç ao pontos. Escolha apenas alguns vers ıculos e concentre-se neles. Emelhor abranger poucos vers ıculos, mas faze-lo bem. Para cumprir essa designac ao, voce poder atamb em convidar os presentes a fazer coment arios sobre como se beneficiaram da leitura b ıblica da semana. O que descobriram que os beneficiar a em seu estudo pessoal e familiar, no minist erio, ou ainda no dia a dia? Que qualidades Jeov a manifestou ao lidar com pessoas e nac oes? O que aprenderam que fortaleceu a f e e aumentou o apreco por Jeov a? Nao se concentre nos pormenores t ecnicos, mas enfatize o significado e o valor pr atico dos pontos analisados. Discurso de instruc ao Baseia-se em mat eria impressa, como um artigo de ASentinelaou Despertai!, ou o trecho de um livro. Na maioria dos casos, a mat eria e mais do que suficiente para o tempo concedido. Como deve preparar o discurso? Com o objetivo de instruir, nao apenas abranger amat eria. O superintendente tem de ser qualificado para ensinar. 1 Tim. 3:2. Comece estudando a mat eria designada. Consulte os textos e medite. Esforce-se a fazer isso bem antes da data do discurso. Lembre-se de que os irmaos sao incentivados a ler com antecedencia a mat eria em que o discurso se basear a. A sua func ao nao e simplesmente recapitular ou condensar a mat eria, mas mostrar como se pode aplic a-la. Aborde trechos da mat eria de uma maneira que realmente beneficie acongrega cao. Assim como cada crianca tem sua personalidade, cada congregac ao tem caracter ısticas pr oprias. Para ensinar bem a crianca,ospaisn ao se limitam a simplesmente recitar preceitos. Eles raciocinam com ela, levando em conta sua personalidade e os problemas que enfrenta. De maneira similar, os instrutores da congregac ao esforcam-se a compreender e a abordar as necessidades de seus ouvintes. Contudo, o instrutor que tem discernimento nao usar a exemplos que possam constranger algu em na assistencia. Ele mostrar a os benef ıcios j a obtidos por se seguirem as orientac oes de Jeov aedestacar a conselhos b ıblicos que ajudarao a congregac ao a superar as dificuldades que enfrenta.

50 Como elaborar discursos dirigidos ` a congregaç ao 49 O ensino eficaz toca o corac ao dos presentes. Para que isso aconteca, nao se devem simplesmente declarar fatos, mas tamb em fazer com que os ouvintes criem apreco pelo que esses fatos representam. Isso exige verdadeira preocupac ao para com os que estao sendo instru ıdos. Os pastores espirituais devem conhecer o rebanho. Se tiverem em mente os problemas que os irmaos enfrentam, terao condic oes de falar de maneira encorajadora, demonstrar compreensao, compaixao e empatia. Como j a e do conhecimento dos bons instrutores, o discurso deve ter um objetivo bem definido. A mat eria deve ser apresentada de uma maneira que os pontos principais fiquem em evidencia e sejam lembrados. Os presentes devem poder assimilar e gravar ideias pr aticas que os influenciem. Reuniao de Servico Quando proferir um discurso baseado num artigo de Nosso Minist erio do Reino, perceber a que o desafio pode ser um pouco diferente. Nesses casos, ver aquemuitasvezesoqueserequer e que o orador transmita plenamente a mat eria publicada, e nao que selecione os pontos mais apropriados. Ajude os ouvintes a raciocinar a respeito dos textos em que se baseiam os conselhos. (Tito 1:9) Visto que o tempo concedido e limitado, na maioria dos casos nao e poss ıvel inserir mat eria adicional. Por outro lado, talvez voce seja designado para falar sobre um assunto cuja mat eria nao se encontra em Nosso Minist erio do Reino. Pode ser que a designac ao seja referente a um artigo de ASentinela, ou consista em apenas algumas sentencas. Como instrutor, fica ao seu encargo elaborar a mat eria conforme as necessidades da congregac ao. Talvez ache necess ario usar uma breve ilustrac ao ou contar uma experienciaquetenhaavercomoassunto.lembre-sedeque sua func ao nao e simplesmente falar sobre o assunto, mas abord a- lodeumamaneiraqueajudeacongrega cao a realizar com alegria a obra especificada na Palavra de Deus. Atos 20:20, 21. Quando estiver preparando a mat eria que usar a,pensenasitua cao dos membros da congregac ao. Elogie-os pelo que j aest ao fazendo. At e que ponto serao mais eficazes e terao mais alegria no minist erio se aplicarem as sugestoes dadas na mat eria designada?

51 50 Como elaborar discursos dirigidos ` a congregaç ao Adesigna cao pede que se apresente uma demonstrac ao ou uma entrevista? Nesse caso, devem ser planejadas com bastante anteceden- cia. Pode ser tentador simplesmente pedir para algu em elabor a-las, mas isso nem sempre produz os melhores resultados. Faca o m aximo para ensai a-las antes do dia da reuniao. Certifique-se de que a demonstrac ao ou a entrevista seja apresentada de uma maneira que realmentecontribuaparaainstru cao transmitida. Assembleias e congressos Os irmaos que desenvolvem excelentes qualidades espirituais e que se tornam bons oradores p ublicos e instrutores podem, com o tempo, ser convidados a participar no programa de uma assembleia ou de um congresso. Esses eventos sao realmente especiais para instruc ao teocr atica. O orador talvez receba um manuscrito, um esboco, instruc oes para um drama b ıblico que tenha aplicac ao moderna, ou um par agrafo com orientac oes. Se tiver o privil egio de participar no programa de uma assembleia ou de um congresso, estude a mat eria detalhadamente. Repasse-a at e entender seu valor. Ao proferir um discurso manuscrito, o orador deve ler a mat eria na ıntegra, sem refrasear ou mudar a ordem das sentencas.eledevees- tudar o manuscrito at e entender claramente os pontos principais e a linha de racioc ınio. Depois, precisa treinar a leitura em voz alta at e conseguir proferir o discurso com a devida enfase, entusiasmo, cordialidade, sentimento, sinceridade e convicc ao, bem como volume e intensidade apropriados a uma assistencia grande. O orador designado para proferir um discurso com base num esboco e respons avel por desenvolver a mat eria de uma maneira que se ajuste bem ao esboco. Em vez de le-lo durante o proferimento, ou de prepar a-lo em estilo manuscrito, ele deve apresentar as informac oes com naturalidade e sentimento. E importante se apegar ao tempo indicado no esboco para que possa apresentar claramente cada ponto principal. Deve explorar bem as ideias e os textos alistados sob os pontosprincipaisen ao excluir mat eria do esboco para inserir pontos de sua preferencia. A base da instruc ao, obviamente, eapalavra de Deus. A responsabilidade dos anciaos cristaos e pregar a palavra. (2 Tim. 4:1, 2) Por isso, o orador deve dedicar atenc ao especial aos textos b ıblicos indicados no esboco, raciocinando com base neles e mostrandocomoaplic a-los.

52 Como elaborar discursos dirigidos ` a congregaç ao 51 Nao procrastine Voce tem muitas oportunidades de proferir discursos em sua congregac ao? Como pode dar a devida atenc ao a todos eles? Evite preparar-se de ultima hora. Para proferir discursos que realmente beneficiem a congregac ao, e necess aria a devida reflexao. Por isso, crie o h abito de ler a mat eria logo que receber a designac ao. Assim, poder a pensar no assunto enquanto faz outras coisas. Nos dias ou nas semanas antes do discurso, pode ser que ouca coment arios que o ajudem a ver qual eamelhor maneira de mostrar o valor pr atico das informac oes. Podem surgir situac oes que mostrem que a mat eria e bem apropriada para o momento. Ler a mat eria e pensar nela logo ap os receber a designac ao e algo que toma tempo, mas e um tempo bem empregado. Quando finalmente se sentar para elaborar o esboco, ver a como foi bom ter meditado no assunto com bastante antecedencia. Cuidar de suas designac oes dessa maneira reduzir amuitooestresseeoajudar aaapresentar a mat eria de um modo que seja pr atico e que toque o corac ao dos irmaos. Quanto mais apreciar o privil egio que lhe foi confiado no programa de instruc ao que Jeov ad a ao seu povo, mais voce O honrar aeser a uma ben c ao para aqueles que O amam. Isa. 54:13; Rom. 12:6-8.

53 Como preparar discursos p ublicos NA MAIORIA das congregac oes das Testemunhas de Jeov a, profere-se, toda semana, um discurso b ıblico dirigido ao p ublico. Se voce eanci ao ou servo ministerial, mostram seus discursos que e um bom orador, um instrutor? Em caso afirmativo, talvez seja convidado a proferir um discurso p ublico. A Escola do Minist erio Teocr atico j a ajudou dezenas de milhares de irmaos a se qualificarem para receber esse privil egio. Mas por onde deve comecar a preparar um discurso p ublico? Estude o esboco Antes de fazer qualquer pesquisa, leia o esbocoemeditenamat eria at e entender o sentido. Fixe na mente o tema do discurso. O que dever atransmitir a ` assistencia? Qual e seu objetivo? Familiarize-se com os subt ıtulos e analise esses pontos principais. Como cada um deles se relaciona com o tema? Debaixo de cada ponto principal h av arios pontos secund arios. Logo abaixo destes encontram-se os argumentos que os apoiam. Veja como cada sec ao do esboco se desenvolve com base na sec ao anterior, se relaciona com a sec ao seguinte e ajuda a atingir o objetivo do discurso. Quando entender o tema, o objetivo do discurso e como os pontos principais atingem esse objetivo, estar aprontoparacome car a desenvolver a mat eria. No in ıcio, talvez ache pr aticopensarnodiscursocomosefossequatro ou cinco discursos pequenos, cada um com um ponto principal. Prepare um por vez. Oesbo co fornecido e uma ferramenta para preparar o discurso e nao sedestinaaservircomonotasqueusar aparaproferi-lo. Ecomoumesqueleto que voce, por assim dizer, ter a de revestir de carne, implantar um corac ao e dar vida. Use a B ıblia Jesus Cristo e seus disc ıpulos baseavam seus ensinamentos nas Escrituras. (Luc. 4:16-21; 24:27; Atos 17:2, 3) Voce pode fazer o mesmo. A B ı- blia deve ser a base de seu discurso. Em vez de simplesmente explicar e mostrar como aplicar declarac oes contidas no esboco fornecido, entenda como a B ıblia apoia tais declarac oes e entao faca uso dela para ensinar. 52

54 Ao preparar o discurso, examine cada vers ıculo citado no esboco. Estude o contexto. Alguns textos servem apenas para explicar o fundo hist orico. Nem todos precisam ser lidos ou comentados durante o discurso. Selecione os que forem melhores para seus ouvintes. Se vocese concentrar nos textos citados no esboco impresso, provavelmente nao precisar a usar outros textos. O exito de seu discurso nao depende da quantidade de textos usados, mas da qualidade do ensino. Ao ler os vers ıculos, explique por que estao sendo usados. Reserve tempo para mostrar como aplic a-los. Ao explicar um texto que acabou de ler, mantenha a B ıblia aberta. Eprov avel queseusouvintesfa cam o mesmo. Como pode despertar o interesse deles e ajud a-los a tirar mais proveito da Palavra de Deus? (Nee. 8:8, 12) Pode fazer isso por meio de explicac oes, ilustrac oes e aplicac oes. Explicaçoes. Ao preparar-se para explicar um texto importante, pergunte-se: Qual e o significado deste texto? Por que o estou usando no discurso? Que d uvidas os ouvintes podem ter sobre este vers ıculo? Voce precisa analisar o contexto, o fundo hist orico, o cen ario, o impacto das palavras e a intenc ao do escritor inspirado. Isso exige pesquisa. Encontrar ain umeras informac oes valiosas nas publicac oes fornecidas pelo escravo fiel e discreto. (Mat. 24:45-47) Nao tente explicar tudo sobre o vers ıculo que convidou a assistencia a ler, mas explique qual a relac ao dele com o ponto em an alise. Ilustraçoes. O objetivo das ilustrac oes e levar os ouvintes a um grau mais profundo de conhecimento ou ajud a-los a lembrar-se de determinado ponto ou princ ıpio analisado. Ajudam as pessoas a entender o que vocedizearelacion a-lo a algo que j a conhecam. Foi isso o que Jesus fez quando proferiu o famoso Sermao do Monte. Expressoes como aves do c eu, l ırios do campo, portao estreito, casa sobre a rocha e muitas outras tornaram seu ensino enf atico, claro e inesquec ı- vel. Mat., caps Aplicaçao. Explicar e ilustrar determinado texto sao t ecnicas que transmitem conhecimento, mas mostrar como aplicar esse conhecimento e o que produz resultados. E verdade que seus ouvintes tem a responsabilidade de agir de acordo com a mensagem b ıblica, mas voce pode ajud a-los a discernir o que precisam fazer. Quando tiver certeza de que entenderam o vers ıculo analisado e perceberam sua Como preparar discursos p ublicos 53

55 54 Como preparar discursos p ublicos importancianoassuntoemquest ao, dedique tempo para mostrar-lhes o impacto do texto sobre nossas crencas e conduta. Enfatize os benef ı- cios de abandonar ideias erradas ou uma conduta que nao se harmonize com a verdade que est a sendo apresentada. Ao pensar em como mostrar a aplicac ao dos textos, lembre-se de que seus ouvintes tem formac oes diferentes e enfrentam as mais diversas situac oes. Pode haver rec em-interessados, jovens, pessoas de mais idadeeaquelesqueest ao lutando com v arios problemas pessoais. Torne seu discurso pr atico e real. Nao deaimpress ao de estar dando conselhos apenas a determinadas pessoas. Decisoes que cabem ao orador Algumas decisoes com respeito ao seu discurso j a foram tomadas. Por exemplo, o esboco indica claramente os pontos principais e o tempoquedeveusarparaanalisarcadasubt ıtulo. Outras decisoes cabem avoc e. Poder a optar por gastar mais tempo em determinados pontos secund arios e menos em outros. Nao pense que deve cobrir da mesma maneira cada ponto secund ario. Isso pode fazer com que se apresse para cobrir a mat eria e confunda seus ouvintes. Como pode determinar que pontos deve analisar mais a fundo e quais deve apenas comentar brevemente? Pergunte-se: Que pontos me ajudarao a transmitir a ideia principal do discurso? Quais serao de maior proveito para minha assistencia? Ser aqueaomiss ao de determinado texto citado e do ponto relacionado com ele enfraquecer aasequ encia de evidencias que est a sendo apresentada? Tenha muito cuidado para nao inserir especulac oes ou opinioes pessoais. At emesmoofilhodedeus,jesuscristo,n ao falava de sua pr o- pria iniciativa. ( Joao 14:10) Tenha em mente que as pessoas vao as ` reunioes das Testemunhas de Jeov a para ouvir informac oes da B ıblia. Se voce e considerado um bom orador, provavelmente e porque tem o h a- bito de atrair a atenc ao das pessoas para a Palavra de Deus, e nao para si mesmo. Esse e o motivo de as pessoas apreciarem seus discursos. Fil. 1:10, 11. Depois de transformar um esboco simples numa explicac ao substancial das Escrituras, voce precisa treinar o discurso. E melhor fazer isso em voz alta. O importante e ter certeza de que todos os pontos estao bem gravados na mente. Ao proferir o discurso, vocedeveconseguir

56 falar de corac ao, dar vida amat ` eria e apresentar a verdade com entusiasmo. Antes de proferi-lo, pergunte-se: O que espero conseguir? Os pontos principais estao bem destacados? Preparei o discurso usando realmente a B ıblia como base? A transic ao entre os pontos principais e natural? O discurso motiva os ouvintes a desenvolver apreco por Jeov a e por suas provisoes? A conclusao est a diretamente relacionada com o tema, mostra aos ouvintes o que fazer e os motiva a faze-lo? Se conseguir responder sim a essas perguntas, entao voceest a em condic oes de usar bem o conhecimento em prol da congregac ao e do louvor de Jeov a. Pro. 15:2. Como preparar discursos p ublicos 55 QUANDO PRECISAR DE UM INT ERPRETE E comum haver diversos grupos lingu ısticos no mesmo pa ıs; assim, os oradores podem ser convidados a proferir discursos b ıblicos com a ajudadeint erpretes. Se receber um convite desses, as orientac oes abaixo ajudarao tanto avoc e quanto ao seu int erprete. O exito de seu discurso depende em grande parte do desempenho do int erprete. Mesmo que o int erprete seja experiente, ele se sair a melhor se voceoajudarapreparar-se. Geralmente, vocedevereduzirpelomenos um terco do seu discurso a fim de dar tempo para a interpretac ao. (Exceto no caso da l ıngua de sinais, em que a interpretac ao equase simultanea.) Antes do proferimento, analise com o int erprete a ideia geral do esboco e o objetivo da mat eria. Se for um discurso manuscrito a ser proferido num congresso, deixe o int erprete le-lo com bastante antecedencia. Converse com ele sobre os textos que usar a. Certifique-se de que a B ıblia usada pelo int erpretetransmitaamesmaideiadab ıblia que voceusar a. Mostre a ele quais expressoes dos textos serao destacadas ou explicadas. Decida se os textos serao lidos nos dois idiomas ou em apenas um. As ` vezes basta le-los no idioma para o qual se est a interpretando. Mencionar datas, n umeros e textos b ıblicos de maneira r apida pode criar problemas. Pause para ajudar o int erprete e procure usar n umeros redondos. Explique ao int erprete as ilustrac oes, expressoes idiom aticas e expressoes incomuns quepretendeusar.certifique-sedequeeleas entenda e que seja poss ıvel expressar os conceitos no idioma para o qual ele est a traduzindo. Use frases curtas. Expresse ideias completas antes de pausar para o int erprete. (Ele traduz as ideias, nao necessariamente todas as palavras.) No caso da interpretac ao consecutiva, espere o int erprete terminar antes de prosseguir. Para que o int erprete possa fazer um bom trabalho, vocedeveusarbomvolumeearti- cular bem as palavras.

57 Desenvolva a habilidade de ensinar QUAL e o seu objetivo como instrutor? Caso se tenha tornado publicador do Reino recentemente, sem d uvida deseja aprender a dirigir estudos b ıblicos, pois Jesus encarregou seus seguidores da tarefa de fazer disc ıpulos. (Mat. 28:19, 20) Se j ativerexperi encia nessa atividade, talvez queira ser mais eficiente no que diz respeito a tocar o corac ao daqueles a quem procura ajudar. Se tiver filhos, certamente deseja instru ı-los de uma maneira que os motive a dedicar-se a Deus. (3 Joao 4) Se for anciao ou estiver procurando habilitar-se para esse privil egio, talvez tenha o alvo de ser um orador que consegue fazer os ouvintes ter mais apreco por Jeov a e seu modo de agir. Como pode alcancar esses objetivos? Aprenda uma lic ao do Instrutor Magistral, Jesus Cristo. (Luc. 6:40) Quer estivesse falando a uma multidao reunida na encosta de uma montanha, quer a um pequeno grupo de pessoas enquanto caminhavam pela estrada, o que Jesus dizia e o modo como o dizia causavam uma impressao duradoura. Ele estimulava a mente e o corac ao de seus ouvintes, e indicava aplicac oes pr aticas e f aceis de entender. Consegue obter resultados similares? Confie em Jeov a A habilidade de ensino de Jesus foi ampliada tanto pelo estreito relacionamento que tinha com seu Pai celestial quanto pela ben c ao do esp ırito de Deus. Voce ora sinceramente a Jeov a para ter a habilidade de dirigir bem estudos b ıblicos? Se tem filhos, ora regularmente pedindo orientac ao para instru ı-los? Costuma orar de corac ao ao preparar-se para proferir discursos ou para dirigir reunioes? Expressar confianca em Jeov a por meio de orac oes o ajudar a a tornar-se melhor instrutor. Outra maneira de a pessoa demonstrar que depende de Jeov a epela confianca em sua Palavra, a B ıblia. Em sua ultima noite como humano perfeito, Jesus orou ao Pai: Tenho-lhes dado a tua palavra. ( Joao 17:14) Jesus tinha vasta experiencia, mas, em vez de transmitir suas pr oprias ideias, sempre falava o que seu Pai lhe ensinava, deixando assim um exemplo para seguirmos. ( Joao 12:49, 50) A palavra de Deus, conforme preservada na B ıblia, tem o poder de influenciar as pessoas suasa coes, pensamentos ıntimos e sentimentos. (Heb. 4:12) Amedida que adquirir mais conhecimento da Palavra de Deus e ` aprender 56

58 aus a-la com eficiencia no minist erio, voce desenvolver a o tipo de habilidade de ensino que aproxima as pessoas de Deus. 2 Tim. 3:16, 17. Honre a Jeov a Ser um instrutor em imitac ao de Cristo nao eapenasumaquestao de conseguir proferir discursos interessantes. E verdade que as pes- soas ficavam maravilhadas com as palavras cativantes de Jesus. (Luc. 4:22) Mas qual era o objetivo de Jesus em falar bem? Sua intenc ao era honrar a Jeov a, nao chamar atenc ao para si mesmo. ( Joao 7:16-18) E ele instou com seus seguidores: Deixai brilhar a vossa luz perante os homens, para que vejam as vossas obras excelentes e deem gl oria ao vosso Pai, que est anosc eus. (Mat. 5:16) Esse conselho deve influenciar a maneira de instruirmos as pessoas. Devemos estar determinados a evitar qualquer coisa que detraia desse objetivo. Assim, quando estivermos planejando o que dizer ou como dize-lo, e bom que nos perguntemos: Ser a que isso levar a as pessoas a desenvolver mais apreco por Jeov a, ou atrair aaaten cao para mim? Por exemplo, ilustrac oes e exemplos da vida real podem ser usados eficazmente para ensinar. Mas quando a ilustrac ao emuitolongaou aexperi encia e excessivamente detalhada, pode-se perder de vista o ponto em questao. Na mesma linha de racioc ınio, contar hist orias que simplesmente entretem os ouvintes detrai do objetivo de nosso minist erio. Se fizer isso, o instrutor chamar aaten cao para si mesmo em vez de atingir o verdadeiro objetivo do ensino teocr atico. Mostre a diferenca Para se tornar verdadeiro disc ıpulo, o ouvinte deve entender claramente o que est a sendo ensinado. Ele deve ouvir a verdade e ver como eladiferedeoutrascren cas. Fazer comparac oes nos ajuda nesse sentido. Jeov a repetidamente aconselhou seu povo a ver a diferenca entre oque epuroeoque e impuro. (Lev. 10:9-11) Ele disse que aqueles que serviriam em seu grande templo espiritual dariam instruc oes sobre a diferencaentreacoisasagradaeacoisaprofana.(eze.44:23)olivro de Prov erbios est a repleto de contrastes entre a justica e a iniquidade, entre a sabedoria e a tolice. Podem-se fazer comparac oes mesmo entre coisas que nao constituem opostos. O ap ostolo Paulo comparou um homem justo e um homem bom, conforme registrado em Romanos 5:7. No livro de Hebreus, ele mostrou a superioridade do sumo sacerd ocio de Cristo em relac ao ao de Arao. De fato, como escreveu Joao Desenvolva a habilidade de ensinar 57

59 58 Desenvolva a habilidade de ensinar Am os Comenio, educador do s eculo 17: Ensinar nao enadamaisdo que mostrar a diferenca entre uma coisa e outra no que se refere aos seusobjetivos,suasformasesuasorigens...portanto,quemexplica bem as diferencas ensina bem. Digamos, por exemplo, que voce esteja ensinando algu em sobre o ReinodeDeus.Seapessoan ao sabe o que eoreino,voc e pode mostrar o contraste entre o que a B ıblia diz e a ideia de que o Reino euma simples condic ao no corac ao. Ou pode mostrar como o Reino difere dos governos humanos. Mas ao falar a pessoas que conhecem essas verdades b ıblicas b asicas, voce pode entrar em mais detalhes. Pode mostrar-lhes como o Reino messianico difere do reinado universal do pr oprio Jeov a,descritonosalmo103:19,oudo reinodofilhodo amor de Deus, mencionado em Colossenses 1:13, ou da administracao, mencionada em Ef esios 1:10. O uso de comparac oes pode ajudar seus ouvintes a entender claramente esse importante ensino b ıblico. Ao ensinar, Jesus usou esse recurso muitas vezes. Ele comparou o entendimento popular da Lei mosaica com o verdadeiro objetivo da Lei. (Mat. 5:21-48) Diferenciou a verdadeira devoc ao piedosa das ac oes hip ocritas dos fariseus. (Mat. 6:1-18) E comparou o esp ırito daqueles que dominavam os outros com o esp ırito abnegado que seus seguidores mostrariam. (Mat. 20:25-28) Em certa ocasiao, conforme registrado em Mateus 21:28-32, Jesus convidou seus ouvintes a tirar suas pr oprias conclusoes quanto ao contraste entre a pessoa se achar justa e demonstrar verdadeiro arrependimento. Isso nos leva a outra faceta valiosa da boa t ecnica de ensino. Incentive os ouvintes a raciocinar Em Mateus 21:28 lemos que Jesus iniciou uma comparac ao perguntando: Que achais? O instrutor capaz nao se restringe a relacionar fatos ou fornecer respostas. Ele incentiva seus ouvintes a desenvolver a habilidade de raciocinar. (Pro. 3:21; Rom. 12:1) Isso e feito, em parte, por meio de perguntas. Conforme registrado em Mateus 17:25, Jesus perguntou: O que achas, Simao? De quem recebem os reis da terra os direitos ou o imposto por cabeca? Dos seus filhos ou dos estranhos? Essas perguntas intrigantes de Jesus ajudaram Pedro a chegar aconclusaocorretasobreaquest ao de pagar o imposto do templo. Em ou- ` tra ocasiao, ao responder a um homem que perguntou quem e realmente meu pr oximo?, Jesus comparou as ac oesdeumsacerdoteede um levita com as de um samaritano. Da ı levantou a seguinte pergun-

60 ta: Qual destes tres te parece ter-se feito pr oximodohomemquecaiu entre os salteadores? (Luc. 10:29-36) Novamente, em vez de raciocinar por seu ouvinte, Jesus o convidou a responder aperguntaqueele ` mesmo havia feito. Luc. 7: Toque o corac ao Os instrutores que compreendem o sentido da Palavra de Deus sabem que a verdadeira adorac ao nao esimplesmenteumaquest ao de memorizar certos fatos e harmonizar-se com determinadas regras. Ela se baseia numa boa relac ao com Jeov aenoapre co pelo seu modo de agir. Essa adorac ao envolve o corac ao. (Deut. 10:12, 13; Luc. 10:25-27) Na B ıblia, o termo corac ao muitasvezesserefereatudoqueapessoa tem no ıntimo, incluindo aspectos como desejos, afeic oes, senti- mentos e motivac oes. Jesus sabia que, apesar de os humanos olharem para as aparencias, Deus veoqueapessoa eno ıntimo. (1 Sam. 16:7) O servico que prestamos a Deus deve ser motivado por amor, nao para impressionar algu em. (Mat. 6:5-8) Por outro lado, os fariseus faziam muitas coisas para se exibir. Enfatizavam muito a questao de as pessoas se amoldarem as ` min uciasdaleiedeobedecerem as ` regras inventadas por eles mesmos. Mas deixavam de manifestar em suas vidas as qualidades que os identificariam com o Deus a quem professavam adorar. (Mat. 9:13; Luc. 11:42) Jesus ensinava que, apesar de ser importante obedecer aos requisitos de Deus, o valor dessa obediencia e determinado pelo que a pessoa tem no corac ao. (Mat. 15:7-9; Mar. 7:20-23; Joao 3:36) Nosso ensino produzir a os melhores resultados se imitarmos o exemplo de Jesus. E importante ajudarmos as pessoas a aprender o que Deus requer delas. Mas e importante tamb em que conhecam e amem a Jeov a como pessoa, para que sua conduta evidencie quanto valorizam a boa relac ao com o verdadeiro Deus. Obviamente, para beneficiar-se desse ensino as pessoas precisam avaliar com honestidade o que tem no corac ao. Jesus incentivava as pessoas a analisar suas pr oprias motivac oes e sentimentos. Ao corrigir um conceito errado, ele perguntava aos ouvintes por que eles pensavam de determinada maneira, ou por que haviam dito ou feito certas coisas. Contudo, Jesus ia al em disso e conjugava a ` sua pergunta uma declarac ao, uma ilustrac ao ou uma ac ao que os incentivava a ter o conceito correto sobre a questao. (Mar. 2:8; 4:40; 8:17; Luc. 6:41, 46) N os tamb em podemos ajudar os que nos escutam, sugerindo que Desenvolva a habilidade de ensinar 59

61 60 Desenvolva a habilidade de ensinar facam a si mesmos as seguintes perguntas: Por que estou propenso a agir dessa maneira? Por que reajo assim a essa situac ao? Depois, de- lhes motivos para encararem a situac ao do ponto de vista de Jeov a. Mostre a aplicac ao O bom instrutor reconhece que sabedoria e a coisa principal. (Pro. 4:7) Sabedoria e a habilidade de aplicar com exito o conhecimento para resolver problemas, evitar perigos, atingir objetivos e ajudar outros. O instrutor tem a responsabilidade de ensinar os estudantes a fazer isso, mas nao deve tomar decisoes por eles. Ao analisar princ ıpios b ıblicos, ajude o estudante a raciocinar. Voce pode citar uma situac ao do cotidiano e depois perguntar ao estudante como o princ ıpio b ıblico que acabaram de analisar o ajudaria caso ele se visse naquela situac ao. Heb. 5:14. Ao discursar no Pentecostes de 33 EC, o ap ostolo Pedro deu um exemplo de aplicac ao pr atica que mexeu com a vida das pessoas. (Atos 2:14-36) Depois de comentar tres passagens b ıblicas em que a multidao dizia acreditar, ele mostrou a aplicac ao delas com base em eventos que todos os presentes haviam testemunhado. Isso fez com que sentissem necessidade de agir de acordo com o que tinham ouvido. Voce acha que seu modo de ensinar tem um efeito parecido sobre as pessoas? Vai al em de declarar fatos e ajuda as pessoas a entender o porque das coisas? Incentiva seus ouvintes a avaliar como as coisas que estao aprendendo devem influenciar suas vidas? Talvez nao perguntem o que havemos de fazer?, como a multidao em Pentecostes, mas se voce tiver mostrado corretamente a aplicac ao dos textos analisados, eles serao motivados a pensar em agir de acordo com o que lhes foi dito. Atos 2:37. Ao ler a B ıblia com seus filhos, voce tem uma excelente oportunidade de trein a-los a pensar em termos pr aticos sobre os princ ıpios b ıblicos. (Ef e. 6:4) Voce pode, por exemplo, escolher alguns vers ıculos da leitura b ıblica semanal, explicar o seu significado, e entao perguntar algo como: Que orientac ao isso nos fornece? Como podemos usar esses textos no minist erio? O que eles nos mostram a respeito de Jeov ae de seu modo de fazer as coisas, e como isso aumenta nosso apreco por ele? Incentive os membros de sua fam ılia a comentar esses pontos durante os destaques da B ıblia na Escola do Minist erioteocr atico. Os vers ıculos que comentarem provavelmente ficarao gravados na mem oria deles.

62 Desenvolva a habilidade de ensinar 61 Deoexemplo Vocen ao ensina apenas por palavras, mas tamb em por ac oes. Suas ac oes fornecem um exemplo pr atico de como aplicar as coisas que diz. E dessa maneira que os filhos aprendem. Ao imitar os pais, os filhos mostram que querem ser como eles. Querem saber qual easensa cao de fazer o que seus pais estao fazendo. Da mesma maneira, quando aqueles a quem ensina tornam-se seus imitadores, assim como voce edecristo, comecam a receber as ben c aos resultantes de agir da maneira que agradaajeov a. (1 Cor. 11:1) Passam a sentir a mao de Jeov aemsuavida. Esse eumlembretes erio da importancia de se estabelecer o exemplo correto. Nossos atos santos de conduta e [nossas] ac oes de devocao piedosa contribuirao muito para dar aqueles ` a quem ensinamos uma demonstrac ao viva de como aplicar princ ıpios b ıblicos. (2 Ped. 3:11) Se incentivar um estudante da B ıblia a ler a Palavra de Deus regularmente, seja diligente nisso tamb em. PARA ENSINAR DE Se quiser que seus filhos aprendam a viver em harmonia com os princ ıpios b ıblicos, MANEIRA EFICAZ certifique-se de que eles o vejam agir em harmonia com a vontade de Deus. Se voce instrui os irmaos da congregac ao a serem zelosos no minist erio, participe plenamente nessa obra. Quando vocepra- tica o que ensina, tem mais condic oes Reconheca o poder Confie em Jeov a, nao em sua pr opria habilidade de motivar outros. dapalavradedeuse Rom. 2: use-a bem Com o objetivo de melhorar sua habilidade de ensino, pergunte-se: Quando dou instruc oes, ser aquefa Tenha por objetivo honrar co isso ajeov a, nao chamar a deumamaneiraqueinfluenciaaatitude,aconversaeas atenc ac oes ao para si mesmo daqueles que me escutam? Para esclarecer as coisas, Faca comparac oes para ajudar outros a entender mostro a diferenca entre uma ideia e outra ou entre uma claramente maneiradeagireoutra?oquefa co para ajudar meus estudantes, meus filhos ou meus ouvintes numa reuniao Incentive os ouvintes a a raciocinar lembrar-se do que digo? Mostro claramente aos meus ouvintes como aplicar o que aprendem? Conseguem ver isso Exorte outros a analisar em meu exemplo? Reconhecem como sua reac ao suas pr oprias motivac oes ao assunto que est a sendo analisado pode influenciar seu relacio- esentimentos Incentive seus ouvintes namento com Jeov a? (Pro. 9:10) Continue a dar atenc ao aavaliarcomooconhecimento b ıblico deve a essas coisas a ` medida que procura desenvolver suas habilidades como instrutor. Presta constante atenc ao influenciar suas vidas a ti mesmo Seja um exemplo digno e ao teu ensino. Permanece nestas coisas, pois, por fazeres isso, salvar astantoatimesmocomoaosqueteescutam. de ser imitado 1Tim.4:16.

63 Como melhorar a habilidade de conversar TEM facilidade de conversar com outras pessoas? Para muitos, a simples ideia de iniciar uma conversa, especialmente com algu em que nao conhecem, gera ansiedade. Essas pessoas talvez sejam t ımidas e se perguntem: Sobre o que vou falar? Como iniciar a conversa? Como dar continuidade a ela? As pessoas confiantes e desinibidas podem ter a tendencia de dominar a conversa. Seu desafio talvez seja fazer os outros falarem e aprender a ouvir o que dizem. Por isso, quer sejamos t ımidos, quer desinibidos, todos precisamos continuar a desenvolver aartedeconversar. Comece em casa Por que nao comeca a melhorar a habilidade de conversar em casa? Conversas edificantes podem contribuir muito para a felicidade da fam ılia. O principal segredo e importar-se profundamente uns com os outros. (Deut. 6:6, 7; Pro. 4:1-4) Quando nos importamos, nos comunicamos e escutamos quando a outra pessoa quer falar. Outro fator importante e ter algo de valor a dizer. Se tivermos um programa regular de leitura e estudo da B ıblia, teremos muito sobre o que falar. O folheto Examine as Escrituras Diariamente pode ser bem usado para iniciar conversas. Talvez tenhamos uma boa experiencia no servico de campo ou leiamos algo informativo ou humor ıstico. Devemos criar o h a- bito de contar essas coisas ao conversarmos com membros de nossa fam ılia. Isso tamb em nos ajudar a a conversar com pessoas de fora do c ırculo familiar. Como iniciar conversas com desconhecidos Muitas pessoas hesitam em iniciar uma conversa com algu em que nao conhecem. Mas por amarem a Deus e ao pr oximo, as Testemunhas de Jeov aesfor cam-se em aprender a iniciar conversas para poder transmitir as verdades b ıblicas a outras pessoas. O que pode ajud a-lo a melhorar nisso? Oprinc ıpio declarado em Filipenses 2:4 e valioso. Somos incentivados a nao visar, em interesse pessoal, apenas os nossos pr oprios assuntos, mas tamb em os dos outros. Pense nisso da seguinte maneira: 62

64 Como melhorar a habilidade de conversar 63 se voce nunca viu a pessoa antes, ela o encara como estranho. Como pode deix a-la a ` vontade? Um sorriso cordial e um cumprimento amig avel serao de ajuda. Mas h a mais a considerar. Talvez a pessoa estivesse concentrada em algo quando vocecome- cou a falar. Se tentar faze-la conversar sobre o que interessa a voce, sem levar em conta os pensamentos dela, ser a que ela reagir a favoravelmente? O que Jesus fez quando encontrou uma mulher junto a um poco em Samaria? O objetivo dela era tirar agua. Jesus iniciou a conversa com base nisso, e logo conduziu a palestra para um assunto espiritual. Joao 4:7-26. Se for observador, tamb em conseguir a discernir o que as pessoas podem estar pensando. A pessoa aparenta estar alegre ou triste? E idosa, possivelmente doente? Ve algum ind ıcio de que h acrian cas na casa? Parece que a pessoa tem uma boa situac ao financeira ou que luta para ganhar a vida? Existe alguma evidencia de influencia religiosa na casa, nas joias ou bijuterias da pessoa? Se levar essas coisas em conta ao cumpriment a-la, ela talvez considere que voces tem interesses em comum. A que conclusao talvez chegue se nao conseguir ver o morador, mas apenas ouvir a voz dele por detr as de uma porta trancada? Ele pode estar com medo. Poderia usar essa informac ao para iniciar uma conversa mesmo com a porta fechada? Em alguns lugares e poss ıvel envolver a pessoa numa conversa por contar algo sobre voce suaforma cao, por que foi a ` casa dela, por que acredita em Deus, por que comecou a estudar a B ıblia e como esta o tem ajudado. (Atos 26:4-23) E claro que isso precisa ser feito com discric ao e com um objetivo bem definido. Isso, por sua vez, pode levar a pessoa a contar algo sobre si e a SUGESTOES PARA opinar sobre o assunto em questao. INICIAR CONVERSAS Em algumas culturas, e comum demonstrar hospitalidade para com os desconhecidos. As pessoas logo o convidam para entrar e sentar-se. Nesse caso, se perguntar Leve em conta os de maneira educada sobre o bem-estar da fam ılia costumes locais e ouvir a resposta com interesse, o morador poder a Elogie com sinceridade prestar atencao ao que voce Fale sobre algo de tem a dizer. Outros povos mostram interesse ainda maior nos visitantes, o que pode fazer com Faca perguntas de interesse m utuo que os cumprimentos iniciais sejam demorados. Durante essa conversa inicial, talvez descubram que tem ponto de vista coisas em

65 64 Como melhorar a habilidade de conversar comum com voce. Isso pode levar a uma boa conversa sobre assuntos espirituais. E se houver em sua regiao muitas pessoas que falam idiomas diferentes do seu? Como pode dar testemunho a elas? Se aprender a cumprimentar as pessoas em alguns desses idiomas, mesmo que use palavras simples, vao perceber que voce se interessa por elas. Isso pode abrir as portas para mais comunicac ao. Como dar continuidade aconversa ` Para fazer isso, voce precisa interessar-se pela opiniao da outra pessoa. Incentive-a a falar o que pensa se ela estiver disposta a fazer isso. Perguntas bem escolhidas podem ajudar. As perguntas sobre ponto de vista sao as melhores, porque normalmente fazem com que a pessoa nao se limite a responder sim ou nao. Por exemplo, depois de falar sobre um problema da localidade, poderia perguntar: O que voce acha que causou essa situac ao? ou Na sua opiniao, qual easolu cao para isso? Quando fizer uma pergunta, preste atenc ao a ` resposta. Indique seu genu ıno interesse dizendo algo, acenando com a cabeca ou fazendo um gesto. Nao interrompa a pessoa. Avalie com mente aberta o que estiver sendo dito. Seja r apido no ouvir, vagaroso no falar. (Tia. 1:19) Quando responder, mostre que realmente estava prestando atenc ao aoqueapessoadizia. E bom saber, por em, que nem todos responderao as ` suas perguntas. Algumas pessoas reagem apenas levantando as sobrancelhas ou dando um sorriso. Outras poderao simplesmente dizer sim ou nao. Em vez de ficar frustrado, seja paciente e nao tente forcar a conversa. Se a pessoa estiver disposta a escutar, aproveite a oportunidade para transmitir-lhe algo sobre a B ıblia. Com o tempo, pode ser que ela o encare como amigo e se disponha a falar o que pensa. Ao conversar com algu em, pense em conversas futuras. Se a pessoa fizer uma s erie de perguntas, responda algumas, mas deixe uma ou duas para responder na pr oxima conversa. Ofereca-se para pesquisar o assunto e depois dizer-lhe o que descobriu. Se ela nao fizer perguntas, poder a concluir a conversa perguntando algo que voceachaqueain- teressaria. Ofereca-se para falar sobre o assunto na pr oxima visita. Po- der a encontrar muitas ideias sobre o que falar no livro Racioc ınios a ` Base das Escrituras, na brochura O Que Deus Requer de N os? e nos n u- meros recentes de ASentinelae Despertai!.

66 Como melhorar a habilidade de conversar 65 Conversar com concrentes Quando conversa pela primeira vez com outra Testemunha de Jeov a,tomaainiciativadeseconheceremmelhor?ousimplesmente fica quieto no seu canto? O amor por nossos irmaos deve levar-nos a querer conhece-los. (Joao 13:35) Por onde comecar? Voce pode simplesmente apresentar-se e perguntar o nome da pessoa. Se lhe perguntar como ela aprendeu a verdade, acabarao tendo uma conversa interessante e conhecendo-se melhor. Mesmo se tiver a impressao de que nao est a conseguindo se expressar com facilidade, pelo seu esforco a pessoa perceber aquevoc e se importa com ela, e isso eoque conta. O que pode ajud a-lo a ter uma conversa significativa com algu em de sua congregac ao? Mostre genu ıno interesse na pessoa e em sua fam ılia. A reuniao acabou h a alguns instantes? Comente algo que voce achou pr atico. Isso pode ser bom para ambos. Poder a falar a respeito de alguma mat eria interessante publicada em um n umero recente de ASentinelaou Despertai!. Isso nao deve ser feito para se exibir ou como se fosse um teste de conhecimento. Faca-o com o objetivo de contar algo de que gostou especialmente. Talvez possa falar a respeito de uma designac aoqueumdevoc es tenha recebido na Escola do Minist erio Teocr atico e trocar ideias sobre como abordar a mat e- ria. Poder atamb em contar experiencias do servico de campo. Obviamente, nosso interesse por pessoas muitas vezes nos leva a falar a respeito delas das coisas que dizem e fazem. Nossa conversa tamb em pode ter um pouco de humor. Falaremos coisas edificantes? Se levarmos a s erio o conselho da Palavra de Deus e formos motivados por amor, certamente faremos isso! Pro. 16:27, 28; Ef e. 4:25, 29; 5:3, 4; Tia. 1:26. Costumamos preparar-nos para ir ao minist erio de campo. Por que nao nos preparar para ter uma conversa interessante com os amigos? Ao ler e ouvir coisas interessantes, memorize alguns pontos para falar a outros. Com o tempo, voceter a uma infinidade de coisas sobre o que falar. Se fizer isso, ter a condic oes de conversar nao apenas a respeito do cotidiano, mas tamb em sobre outros assuntos. Acima de tudo, evidencie, naquilo que fala, quanto preza a Palavra de Deus! Sal. 139:17. QUALIDADES QUE AJUDAM Disposic ao alegre Cordialidade e sinceridade Interesse sincero na pessoa

67 Saiba responder ALGUMAS perguntas sao como icebergs. A parte mais substancial fica escondida abaixo da superf ıcie. Por detr as de certas perguntas muitas vezes existe algo mais importante. Mesmo quando a pessoa est a ansiosa pela resposta, para saber responder voce talvez tenha de discernir o quanto dizer e de que angulo deve abordar o assunto. ( Joao 16:12) Em alguns casos, como Jesus indicou aos seus ap ostolos, a pessoa talvez peca uma informac aoaque nao tenha direito ou que realmente nao a beneficie. Atos 1:6, 7. AB ıblia nos aconselha: Vossa pronunciac ao seja sempre com graca, temperada com sal, para que saibais como responder a cada um. (Col. 4:6) Assim, antes de responder, precisamos avaliar nao apenas o que dizer, mas tamb em como dize-lo. Procure discernir o ponto de vista de quem faz a pergunta Os saduceus tentaram colocar Jesus numa situac ao dif ıcil perguntando sobre a ressurreic ao de uma mulher que havia se casado diversas vezes. Mas Jesus sabia que eles nao acreditavam na ressurreic ao. Assim, respondeu a ` pergunta deles de uma maneira que esclarecesse o conceito equivocado que havia gerado a questao. Usando um argumento magistral e um relato b ıblico conhecido, Jesus falou sobre algo em que eles nunca haviam pensado: a evidencia clara de que Deus realmente realizar a a ressurreic ao. Os opositores ficaram tao pasmados com a resposta de Jesus que nao tiveram coragem de fazer mais perguntas. Luc. 20: Para saber responder, vocetamb em precisa discernir o ponto de vista e o interesse de quem faz a pergunta. Por exemplo, digamos que um colega de classe ou de trabalho lhe pergunte o motivo de vocen ao comemorar o Natal. Por que ele pergunta isso? Ser aqueest a realmente interessado em saber o motivo, ou est a simplesmente curioso para saber se voce pode se divertir? Para descobrir, talvez voce tenha de perguntar por que ele quer saber isso. Entao, responda concordemente. Poder a aproveitar a oportunidade para tamb em mostrar apessoaque, ` por seguirmos as orientac oes da B ıblia, somos protegidos dos aspectos frustrantes e onerosos desse feriado. 66

68 Saiba responder 67 Suponhamos que seja convidado a falar a um grupo de alunos sobre as Testemunhas de Jeov a. Depois da palestra, eles talvez facam algumas perguntas. Se as perguntas parecerem sinceras e objetivas, ser a melhor dar respostas simples e objetivas. Se perceber que as perguntas refletem preconceitos comunit arios, talvez seja melhor responder s o depois de explicar brevemente o que pode formar a opiniao popular sobre o assunto em questao, e por que as Testemunhas de Jeov a preferem seguir o padrao estabelecido pela B ıblia. Geralmente, e bom encarar tais perguntas como reflexo da preocupac ao das pessoas, nao como desafios embora talvez sejam apresentadas nesse tom. Ao responder, ter a a oportunidade de ampliar o ponto de vista de seus ouvintes, transmitir informac oes exatas e explicar a base b ı- blicaparaasnossascren cas. Como reagir caso seu patrao nao queira lhe dar licenca para assistir a um congresso? Primeiro, analise a questao ANTES DE RESPONDER, ANALISE com base no ponto de vista dele. Acha que seria de ajuda propor fazer a compensac ao em outra ocasiao? Poderia fazer diferenca se lhe explicasse que as instruc oes dadas em nossos congressos nos ajudam a ser funcion arios O motivo da pergunta honestos e confi aveis? Quebaseprecisaserlan- Se demonstrar que se importa com os interesses dele, talvez ele tamb em leve em conta o que eim- seja entendida correta- cada para que a resposta portante para voce. Mas e se ele quiser que vocefa mente ca algo desonesto? Pode claramente dizer que nao far a Como explicar sua posic ao demonstrando tal coisa e at e citar um texto da B ıblia para apoiar sua posic ao. Mas nao respeito pelas questoes seria melhor primeiro arrazoar com ele que uma pessoa disposta a mentir ou a roubar em benef ıcio que interessam profundamente a outra pessoa dele poderia tamb em mentir ou roubar para o preju ızo dele? Como se expressar com Por outro lado, talvez voce bondadeeconvic cao ainda esteja estudando en ao queira participar de algumas atividades antib ıblicas na escola. Lembre-se, o professor provavelmente nao postadiretaoufornecer Se deve dar uma res- pensa como voce princ ıpios e exemplos e ele tem a responsabilidade de manter a disciplina na classe. Assim, voce b ıblicos que ajudem a tem os seguintes pessoa a tomar sua pr o- desafios: (1) mostrar considerac ao pria decisao para com as preocupa- coes dele, (2) explicar sua posic ao de maneira respeitosa e (3) ser firme a favor do que sabe que agradar aajeov a. Para obter melhores resultados, talvez seja preciso mais do que apresentar suas crencas de maneira simples e direta.

69 68 Saiba responder (Pro. 15:28) Se for jovem, seu pai ou sua mae sem d uvida o ajudarao a preparar algo para dizer. Vez por outra pode ser intimado a responder acusac oes que alguma autoridade tenha levantado contra voce. Um policial, um funcion a- rio do governo ou um juiz podem exigir que voce responda perguntas sobre obediencia a determinada lei, neutralidade crista ou sua posicao com respeito a ` participac ao em comemorac oes patri oticas. Como deve responder? Com temperamento brando e profundo respeito. (1 Ped. 3:15) Tamb em, pergunte-se por que essas questoes sao relevantes e reconheca respeitosamente a importancia delas. Depois disso, assimcomooap ostolo Paulo valeu-se das garantias da lei romana, voce pode mencionar as garantias legais que se aplicam em seu caso. (Atos 22:25-29) Talvez a autoridade em questao abra a mente ao saber de fatos sobre a posic ao adotada pelos primeiros cristaosepelastestemu- nhas de Jeov a em todo o mundo. Ou voce poder a mostrar que, por reconhecerem a autoridade de Deus, as pessoas, na realidade, sao motivadas a ser mais obedientes as ` leis humanas condizentes com a Palavra de Deus. (Rom. 13:1-14) Depois de lancar essa base, e poss ıvel que uma declarac ao das razoes b ıblicas para sua posic ao seja aceita. OconceitodapessoasobreaB ıblia Ao decidir como responder, vocetamb em precisa levar em conta o que a pessoa pensa das Escrituras Sagradas. Jesus fez isso ao responder a ` pergunta dos saduceus sobre a ressurreic ao. Sabendo que aceitavamapenasosescritosdemois es, Jesus usou um relato do Pentateuco para raciocinar com eles, e iniciou seus argumentos dizendo que at e mesmo Mois es disse que os mortos sao levantados. (Luc. 20:37) Vocetamb em pode achar pr atico citar trechos da B ıblia que seu ouvinte conheca e aceite. Mas e se a pessoa nao reconhecer a autoridade da B ıblia? Observe oqueoap ostolo Paulo fez em seu discurso no Are opago, conforme registrado em Atos 17: Ele transmitiu verdades b ıblicas sem citar diretamente a B ıblia. Se necess ario, voce pode fazer o mesmo. Em alguns lugares, talvez tenha de conversar v arias vezes com uma pessoa antes de fazer referencia direta ab ` ıblia. Quando introduzir a B ı- blia na conversa, e melhor primeiro apresentar alguns motivos que indiquem por que vale a pena analis a-la, em vez de declarar incisivamente que ela e a Palavra de Deus. Contudo, seu objetivo edarumtes-

70 Saiba responder 69 temunho claro sobre o prop osito de Deus e, com o tempo, deixar a pessoa ver por si mesma o que a B ıblia diz. A B ıblia e muito mais persuasiva do que qualquer coisa que possamos dizer. Heb. 4:12. Sempre com graca E muito apropriado que se diga aos servos do Deus clemente, Jeov a, que sua conversa deve ser sempre com graca, temperada com sal. (Col. 4:6; Exo. 34:6) Isso significa que devemos falar de maneira bondosa, mesmo quando a pessoa parece nao merecer tal bondade. Devemos falar coisas de bom gosto, naodemaneirarudeousemtato. Muitas pessoas vivem sob tremenda pressao e sao submetidas diariamente a abusos verbais. Quando as visitamos, talvez sejam r ıspidas conosco. Como devemos reagir numa situac ao dessas? A B ıblia diz: Uma resposta, quando branda, faz recuar o furor. Esse tipo de resposta tamb em pode abrandar algu em que seja contra n os. (Pro. 15:1; 25:15) As pessoas que no dia a dia sao tratadas de modo rude podem sentir-se tao atra ıdas a ` nossa maneira educada de falar e a ` nossa voz bondosa que talvez escutem as boas novas que pregamos. Nao temos interesse em discutir com pessoas que nao demonstram respeito pela verdade, mas queremos raciocinar, com base na B ıblia, com aqueles que nos permitem fazer isso. Independentemente da situac ao que enfrentamos, naonosesquecemosdequedevemosmos- trar as ` pessoas, com bondade e convicc ao, que as promessas preciosas de Deus sao confi aveis. 1 Tes. 1:5. Decisoes pessoais e assuntos de consciencia Como deve responder quando um estudante da B ıblia ou um irmao lhe pergunta o que ele deve fazer em determinada situac ao? Talvez vocesaibaoquefariaseestivessenamesmasitua cao. Mas cada pessoa deve assumir a responsabilidade por suas pr oprias decisoes na vida. (G al. 6:5) O ap ostolo Paulo explicou que ele incentivava a obediencia pela f e entre os povos a quem pregava. (Rom 16:26) Esse e um excelente exemplo para seguirmos. A pessoa que toma decisoes pensando principalmente em agradar seu instrutor da B ıblia ou outro humano est a servindo a homens, nao vivendo pela f e. (G al. 1:10) Por isso, uma resposta direta e simples pode nao ser o melhor para aquele que est a fazendo a pergunta. Como, entao, poder a responder de maneira coerente com as orientac oes b ıblicas? Voce pode chamar atenc ao para princ ıpios b ıblicos

71 70 Saiba responder apropriados e exemplos inclu ıdos no relato b ıblico. Em alguns casos, pode mostrar a ` pessoa como fazer pesquisas para que ela mesma encontre os princ ıpios e os exemplos. Voce pode at e comentar os princ ı- pios e o valor dos exemplos, mas sem aplic a-los asitua ` cao em questao. Pergunte a ` pessoa se ela consegue ver neles algo que poderia ajud a-la a tomar uma decisao acertada. Com base nesses princ ıpios e exemplos, incentive-a a considerar que atitude agradaria a Jeov a. Dessa maneira, voce a ajudar a a treinar as faculdades perceptivas para distinguir tanto o certo como o errado. Heb. 5:14. Comentar nas reunioes congregacionais As reunioes congregacionais muitas vezes nos dao oportunidade de declarar publicamente nossa f e. Uma maneira de fazermos isso e por meio de coment arios. Como devemos COMO COMENTAR comentar? Com o desejo de bendizer a Jeov a. Foi isso NAS REUNIOES que o salmista Davi fez no meio das multidoes congregadas. (Sal. 26:12) N os tamb em devemos comentar Se for o primeiro a comentar, deumaresposta mule ao amor e a obras excelentes, conforme instou de uma maneira que incentive nossos irmaos e os esti- simples e direta oap ostolo Paulo. (Heb. 10:23-25) Estudarmos a mat eria Para dar coment arios das reunioes com antecedencia pode ajudar-nos a conseguir isso. adicionais: (1) mostre a relac ao de determinado Quando for chamado para comentar, de textocitadocomoassunto; (2) mencione simples, claras e breves. Nao comente o par agrafo in- respostas comooassuntoem teiro, mas aborde apenas um ponto. Se voce der apenas parte da resposta, outros tamb em terao oportunida- questao afeta nossa vida; (3) explique como as informac de de comentar. E muito bom destacar os textos citados oes podem ser usadas; ou (4) conte na mat eria. Ao fazer isso, procure enfatizar a parte do uma experiencia breve texto que se aplica ao ponto que est a sendo analisado. que destaque um pontochave Aprenda a comentar em suas pr oprias palavras em vez de ler diretamente do par agrafo. Nao fique chateado se Escute atentamente os nao conseguir expressar a ideia exatamente como gostaria. Isso acontece de vez em quando com todos os que coment arios dos outros para que possa acrescentaralgoaoquej afoidito comentam. Procure comentar com E obvio que saber responder envolve mais do que apenas saber as respostas. Requer discernimento. Mas sente- as pr oprias palavras se muita satisfac ao quando a resposta dada vem do coracao e toca profundamente os outros. Pro. 15:23.

72 Comunicac ao por meio de cartas AS CARTAS j amelhoraramavidaeocomportamentodemilh oes de pessoas. A maioria dos livros das Escrituras Gregas Cristas eram originalmente cartas. Atualmente podemos escrever cartas para fortalecer novos membros da nossa fraternidade crista, manter contato com amigos, encorajar irmaos e irmas que assumiram responsabilidades especiais, fortalecer os que enfrentam dificuldades e transmitir informac oes necess arias relativas ao cuidado de atividades da congregac ao. 1 Tes. 1:1-7; 5:27; 2 Ped. 3:1, 2. As cartas tamb em sao um meio eficaz de dar testemunho. Em algumas regioes, muitas pessoas moram em pr edios de alta seguranca ou em hot eis onde nao podemos dar testemunho livremente. Alguns moradores passam a maior parte do tempo fora de casa, de modo que nao os encontramos ao pregar de casa em casa. Outros moram em lugares isolados. ` As vezes voce e obrigado a ficar em casa por causa de doenca, mau tempo ou toque de recolher. Acha que poderia escrever uma carta para dar testemunho a um parente ou a algu em com quem tenha conversado informalmente? Ser a que um de seus estudantes da B ıblia se mudou? Uma carta sua pode ser exatamente o que ele precisa para manter o interesse espiritual. Ou talvez voce possa transmitir informac oes b ıblicas para pessoas que recentemente se casaram, tornaram-se pais, ou perderam algu emqueamavamnamorte. Testemunho por carta Ao escrever para dar testemunho a algu em que nao conhece, primeiro apresente-se. Voce pode explicar que participa de um trabalho volunt ario de ambito internacional. Se for apropriado, diga que etestemunha de Jeov a. Explique por que est aescrevendoemvezdefa- zer uma visita. Escreva como se estivesse falando pessoalmente com o destinat ario. Mas, em harmonia com a orientac ao de sermos cautelosos como as serpentes, contudo, inocentes como as pombas, pense bem em quanta informac ao deve dar a respeito de si mesmo. Mat. 10:16. Inclua na carta o que teria dito a ` pessoa se a tivesse visitado. Voce pode adaptar uma introduc ao do livro Racioc ınios ou usar uma apresentac ao publicada em um n umero recente de Nosso Minist erio do 71

73 ` ` 72 Comunicaç ao por meio de cartas Reino. Pode tamb em fazer uma pergunta e incentivar a pessoa a pensar nela. Alguns publicadores simplesmente explicam que temos um programa gratuito para responder perguntas b ıblicas e citam os t ıtulos de alguns cap ıtulos de uma de nossas publicac oes de estudo. Um modelo de carta de testemunho aparece na p agina 73. Esse modelo cont em algumas ideias, mas e bom variar o conte udo. Caso contr ario, as pessoas acabarao recebendo v arias cartas iguais. Algumas pessoas relutam em ler uma carta longa de algu em que nao conhecem. Por isso, talvez seja melhor escrever uma carta breve. Se ela for muito longa, o destinat ario poder a cansar-se de le-la. Seria bom anexar um convite impresso das reunioes no Salao do Reino. Voce pode incluir um tratado, uma brochura ou um exemplar de ASentinela ou Despertai! e explicar que, se a pessoa desejar, poder a receber essas publicac oes regularmente. Ou poder a perguntar-lhe se aceitaria que algu em a visitasse em casa para conversar mais sobre o assunto abordado. Apresentac ao da carta Olhe agora a carta-modelo. Observe o seguinte: (1) Est abemorganizada e esmerada. (2) Mesmo que a pessoa perca o envelope, ela ainda ter aonomeeoendere co do remetente. (3) O objetivo da carta est adeclarado de maneira simples e objetiva no primeiro par agrafo. (4) Cada ideia principal e abordada em um par agrafo separado. (5) Em vista do objetivo da carta, ela nao e muito informal nem formal demais. Nas cartas de estilo mais formal, como as que o secret ario da congregac ao envia a ` filial ou congenere, deve-se incluir o nome da congregacao, o nome do secret ario, seu endereco de correspondenciaeadata. Deve-se indicar tamb em o nome e o endereco da pessoa ou da organizac ao a quem a carta e dirigida. Em seguida, faz-se uma saudac ao apropriada. No fechamento, usam-se, em alguns idiomas, expressoes como Atenciosamente, ou Cordialmente, acima da assinatura. A assinatura deve ser escrita am ` ao. Toda vez que escrever uma carta, deaten cao aortografia, ` agram ` atica, a pontuac ao e, eclaro, a apresentac ao. Isso conferir a dignidade a ` carta e a ` mensagem que ela cont em. No envelope, sempre coloque o endereco do remetente de preferencia seu pr oprio endereco de correspondencia. Se achar que nao seria bom fornecer seu endereco ao dar testemunho por carta a pessoas desconhecidas, pergunte aos anciaosseelesaprovamquevoc e

MANUAL BÁSICO DA MULHER SUD. Manual Básico para Mulheres, Parte B

MANUAL BÁSICO DA MULHER SUD. Manual Básico para Mulheres, Parte B MANUAL BÁSICO DA MULHER SUD Manual Básico para Mulheres, Parte B MANUAL BÁSICO DA MULHER SUD Manual Básico para Mulheres Parte B Publicado por A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias Salt

Leia mais

www.seguindoacristo.com.br

www.seguindoacristo.com.br As Escrituras são infalíveis, a Palavra de Deus não contém erros. A nossa interpretação, contudo, não é infalível. Dessa forma, este estudo é passível de correção e, portanto, toda compreensão e ajuda

Leia mais

O Que a Bíblia Diz? Volume 1. Respostas bíblicas a 31 perguntas comuns. Distribuição Gratuita Venda Proibida. Distribuição Gratuita Venda Proibida

O Que a Bíblia Diz? Volume 1. Respostas bíblicas a 31 perguntas comuns. Distribuição Gratuita Venda Proibida. Distribuição Gratuita Venda Proibida O Que a Bíblia Diz? Volume 1 Distribuição Gratuita Venda Proibida Estes artigos foram traduzidos por Arthur Nogueira Campos e publicados originalmente em O Que Está Escrito? de janeiro 1994 a julho 1996

Leia mais

Minha Busca por Emprego

Minha Busca por Emprego Minha Busca por Emprego AUTOSSUFICIÊNCIA INTRODUÇÃO SERÁ QUE ESTE GRUPO VAI ME AJUDAR A ENCONTRAR UM EMPREGO? Nem sempre é fácil encontrar emprego, mas este grupo de autossuficiência vai ajudá- lo a aprender

Leia mais

ensino, não há maior chamado Um Guia de Recursos para o Ensino do Evangelho

ensino, não há maior chamado Um Guia de Recursos para o Ensino do Evangelho ensino, não há maior chamado Um Guia de Recursos para o Ensino do Evangelho ENSINO, NÃO HÁ MAIOR CHAMADO Um Guia de Recursos para o Ensino do Evangelho Publicado por A Igreja de Jesus Cristo dos Santos

Leia mais

A Bíblia foi escrita para você

A Bíblia foi escrita para você 1 Sumário: A Bíblia foi escrita para você... 3 Por quer ler a Bíblia?... 5 Regras para tornar-se um bom operário... 6 1. Leia a Bíblia todos os dias... 6 2. Tenha uma hora marcada... 6 3. Marque a duração

Leia mais

Educação para um Emprego Melhor AUTOSSUFICIÊNCIA

Educação para um Emprego Melhor AUTOSSUFICIÊNCIA Educação para um Emprego Melhor AUTOSSUFICIÊNCIA INTRODUÇÃO SERÁ QUE ESTE GRUPO VAI ME AJUDAR A COMPLETAR MEUS ESTUDOS? Nem sempre é fácil conseguir estudar, mas este grupo de autossuficiência vai ajudá-

Leia mais

À minha mãe, uma mulher de fé que sempre acreditou no propósito de Deus para minha vida. Sua dedicação aos seus filhos é o seu maior legado.

À minha mãe, uma mulher de fé que sempre acreditou no propósito de Deus para minha vida. Sua dedicação aos seus filhos é o seu maior legado. 1 À minha mãe, uma mulher de fé que sempre acreditou no propósito de Deus para minha vida. Sua dedicação aos seus filhos é o seu maior legado. Tudo o que alcançamos é também uma conquista sua, obrigado

Leia mais

Preparar-se para a Exaltação

Preparar-se para a Exaltação Preparar-se para a Exaltação Preparar-se para a Exaltação Manual do Professor Publicado por A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias Salt Lake City, Utah Capa: A Ressurreição, de Harry Anderson

Leia mais

As Famílias São Eternas

As Famílias São Eternas Esboço para o Tempo de Compartilhar de 2014 As Famílias São Eternas E ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais (Malaquias 4:6). Instruções para o Tempo de Compartilhar

Leia mais

Um Convite à Diferença

Um Convite à Diferença Um Convite à Diferença Ellen G. White 2002 Copyright 2013 Ellen G. White Estate, Inc. Informações sobre este livro Resumo Esta publicação ebook é providenciada como um serviço do Estado de Ellen G. White.

Leia mais

Uma Vida com Propósitos

Uma Vida com Propósitos Uma Vida com Propósitos Você não está aqui por acaso Rick Warren Título original: The purpose-driven life Tradução: James Monteiro dos Reis 2003 - Editora Vida Idioma: português-br Digitalizado, revisado

Leia mais

CURANDO FERIDAS EMOCIONAIS J. M.

CURANDO FERIDAS EMOCIONAIS J. M. CURANDO FERIDAS EMOCIONAIS J. M. BELEZA EM VEZ DE CINZAS Joyce Meyer Gênero: Cura interior Dedico este livro ao meu marido Dave, que me mostrou o amor de Jesus enquanto minha cura ainda estava em andamento.

Leia mais

Música Sua Influência na Vida do Cristão

Música Sua Influência na Vida do Cristão Música Sua Influência na Vida do Cristão Ellen G. White 2010 Copyright 2013 Ellen G. White Estate, Inc. Informações sobre este livro Resumo Esta publicação ebook é providenciada como um serviço do Estado

Leia mais

Para o. Vigor da. Juventude

Para o. Vigor da. Juventude Para o Vigor da Juventude Mensagem da Primeira Presidência para os Jovens NOSSOS QUERIDOS RAPAZES E MOÇAS, depositamos grande confiança em vocês. Vocês são amados filhos e filhas de Deus, e Ele Se importa

Leia mais

omos filhas Serviremos de testemunhas Cremos Estaremos preparadas Moças Progresso Pessoal S e rv i r d e

omos filhas Serviremos de testemunhas Cremos Estaremos preparadas Moças Progresso Pessoal S e rv i r d e omos filhas Moças Progresso Pessoal Serviremos de testemunhas Cremos S e rv i r d e Testemunhas de Deus Estaremos preparadas Vinde a Cristo, sede aperfeiçoados nele. (Morôni 10:32) Este livro de Progresso

Leia mais

Quem está realmente bem? As Bem-Aventuranças

Quem está realmente bem? As Bem-Aventuranças 1 Quem está realmente bem? As Bem-Aventuranças Dallas Willard Bem-aventurados os espezinhados, os estapeados, os traídos. Paul Simon Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos

Leia mais

Crer é também pensar John R. W. Stott

Crer é também pensar John R. W. Stott Crer é também pensar John R. W. Stott C o n t e ú d o : PREFÁCIO 3 CRISTIANISMO DE MENTE VAZIA 4 POR QUE OS CRISTÃOS DEVEM USAR SUAS MENTES? 7 CRIADO PARA PENSAR 8 PENSANDO OS PENSAMENTOS DE DEUS 11 MENTES

Leia mais

Mensagens aos Jovens. Ellen G. White. Copyright 2013 Ellen G. White Estate, Inc.

Mensagens aos Jovens. Ellen G. White. Copyright 2013 Ellen G. White Estate, Inc. Mensagens aos Jovens Ellen G. White 2004 Copyright 2013 Ellen G. White Estate, Inc. Informações sobre este livro Resumo Esta publicação ebook é providenciada como um serviço do Estado de Ellen G. White.

Leia mais

os DEMANZDAMENTOS 21473 - Os Dez Mandamentos Thays Designer Editor C. Qualidade Dep. Arte

os DEMANZDAMENTOS 21473 - Os Dez Mandamentos Thays Designer Editor C. Qualidade Dep. Arte os D EZ MANDAMENTOS os D EZ MANDAMENTOS Princípios divinos para melhorar seus relacionamentos Loron Wade Tradução Eunice Scheffel do Prado Casa Publicadora Brasileira Tatuí, SP Título original em inglês:

Leia mais

Orelhas do Livro Orelha esquerda: "T. Harv Eker desmistifica o motivo pelo qual algumas pessoas estão destinadas à riqueza e outras a uma vida de

Orelhas do Livro Orelha esquerda: T. Harv Eker desmistifica o motivo pelo qual algumas pessoas estão destinadas à riqueza e outras a uma vida de Contra-capa Se as suas finanças andam na corda bamba, talvez esteja na hora de você refletir sobre o que T. Harv Eker chama de "o seu modelo de dinheiro" - um conjunto de crenças que cada um de nós alimenta

Leia mais

OS SETE HÁBITOS DAS PESSOAS MUITO EFICAZES Stephen R. Covey

OS SETE HÁBITOS DAS PESSOAS MUITO EFICAZES Stephen R. Covey OS SETE HÁBITOS DAS PESSOAS MUITO EFICAZES Stephen R. Covey 1 2 Vencer é um hábito. Assim como fracassar. Isso explica a obsessão de Stephen R. Covey, consultor empresarial e escritor de sucesso, com os

Leia mais

Ensinamentos dos Presidentes da Igreja. Ezra Taft Benson

Ensinamentos dos Presidentes da Igreja. Ezra Taft Benson Ensinamentos dos Presidentes da Igreja Ezra Taft Benson ENSINAMENTOS DOS PRESIDENTES DA IGREJA EZRA TAFT BENSON Publicado por A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias Salt Lake City, Utah Livros

Leia mais

PREPARAÇÃO PARA ENTRAR NO TEMPLO SAGRADO

PREPARAÇÃO PARA ENTRAR NO TEMPLO SAGRADO PREPARAÇÃO PARA ENTRAR NO TEMPLO SAGRADO PREPARAÇÃO PARA ENTRAR NO TEMPLO SAGRADO Este livreto foi adaptado de O Templo Sagrado, de Boyd K. Packer capa: Templo de Salt Lake última capa: Templo de Laie

Leia mais

Evidências históricas da fé Cristã

Evidências históricas da fé Cristã EVIDÊNCIA QUE EXIGE UM VEREDITO Evidências históricas da fé Cristã COMPILADO POR Josh McDowelI Digitalizado por id www.semeadoresdapalavra.net Nossos e-books são disponibilizados gratuitamente, com a única

Leia mais

DADOS DE COPYRIGHT. É expressamente proibida e totalmente repudíavel a venda, aluguel, ou quaisquer uso comercial do presente conteúdo

DADOS DE COPYRIGHT. É expressamente proibida e totalmente repudíavel a venda, aluguel, ou quaisquer uso comercial do presente conteúdo DADOS DE COPYRIGHT Sobre a obra: A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos parceiros, com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos acadêmicos,

Leia mais

BASTA UMA PALAVRA Pe. Antonio José Distribuição Gratuita

BASTA UMA PALAVRA Pe. Antonio José Distribuição Gratuita ~ 1 ~ BASTA UMA PALAVRA Pe. Antonio José Distribuição Gratuita ~ 2 ~ Projeto Rio de Deus www.riodedeus.com Capa: Tiago Juliani Diagramação: Maíra Jaber As referências bíblicas foram retiradas de: Lecionário

Leia mais

[página intencionalmente deixada em branco]

[página intencionalmente deixada em branco] [página intencionalmente deixada em branco] Imortalidade da Alma ou Ressurreição dos Mortos? Oscar Cullmann *** Immortalité de l'âme ou Résurrection des morts? Edição Compacta em Português Brasileiro Nesta

Leia mais

Bee, Frances Fidelizar o cliente/frances e Roland Bee; tradução Edite Sciulli São Paulo: Nobel, 2000.

Bee, Frances Fidelizar o cliente/frances e Roland Bee; tradução Edite Sciulli São Paulo: Nobel, 2000. Tradução do Customer Care originalmente publicado em 1995, em comum acordo com o Institute of Personnel and Development. 1995 Frances e Roland Bee Direitos desta edição reservados à Livraria Nobel S.A.

Leia mais

Ian MacKay. Saber Ouvir Entender o Que Realmente Está Sendo Dito Interpretar as Palavras, o Tom de Voz e os Sinais

Ian MacKay. Saber Ouvir Entender o Que Realmente Está Sendo Dito Interpretar as Palavras, o Tom de Voz e os Sinais Ian MacKay Saber Ouvir Entender o Que Realmente Está Sendo Dito Interpretar as Palavras, o Tom de Voz e os Sinais Tradução do Listening Skills, originalmente publicado em 1984, em comum acordo com o

Leia mais