A POLÍTICA COMO. MAX WEBER ( ) (Originalmente, uma conferência para estudantes da Universidade de Munich, Alemanha, em 1919)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A POLÍTICA COMO. MAX WEBER ( ) (Originalmente, uma conferência para estudantes da Universidade de Munich, Alemanha, em 1919)"

Transcrição

1 A POLÍTICA COMO VOCAÇÃO MAX WEBER ( ) (Originalmente, uma conferência para estudantes da Universidade de Munich, Alemanha, em 1919)

2 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DO TEXTO: - O QUE ÉPOLÍTICA? - O QUE ÉO ESTADO MODERNO? - COMO SURGEM OS POLÍTICOS PROFISSIONAIS? QUE IMPACTO O AUMENTO NA IMPORTÂNCIA DOS POLÍTICOS PROFISSIONAIS EXERCEU SOBRE OS PARTIDOS POLÍTICOS? - QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS QUALIDADES DO POLÍTICO POR VOCACÃO? - QUE RELAÇÃO EXISTE ENTRE ÉTICA E POLÍTICA?

3 O QUE ÉPOLÍTICA?

4 QUE SENTIMENTO MOVE AS PESSOAS QUE SE ENTREGAM À POLÍTICA? O DESEJO DE PODER. PODER = CAPACIDADE DE DIRIGIR; CAPACIDADE DE DECIDIR; A POSSIBILIDADE DE INFLUIR SOBRE OS OUTROS SERES HUMANOS ; A CONSCIÊNCIA DE FIGURAR ENTRE AQUELES QUE DETÊM NAS MÃOS UM ELEMENTO IMPORTANTE DA HISTÓRIA QUE SE CONSTRÓI.

5 As pessoas que se entregam à política e desejam o poder podem ter (e têm) objetivos, propósitos diferentesno que se refere ao quebuscarão uma vez alcançado o poder. Qualquer homem que se entrega àpolítica aspira ao poder seja porque o considere como instrumento a serviço da consecução de outros fins, ideais ou egoístas, seja porque deseje o poder pelo poder, para gozar do sentimento de prestígio que só o poder confere (61).

6 ENTÃO, PARA WEBER, POLÍTICA É: O esforço de influência exercido sobre a direção do Estado [ou de um conjunto de estados, no caso da política internacional]. Conjunto de esforços feitos visando a participar do poder ou a influenciar a divisão do poder, seja entre estados, seja no interior de um único estado (60).

7 O QUE ÉO ESTADO MODERNO?

8 O ESTADO SE DEFINE PELO MEIO, PELO INSTRUMENTO QUE LHE É PRÓPRIO: o uso da violência, da coação física. A violência, a coação física, não éo único instrumento do Estado; mas éo seu instrumento, específico, peculiar.

9 O Estado moderno é uma comunidade humana que, dentro dos limites de determinado território (...), reivindica o monopólio do uso legítimoda violência física (60). (...) o Estado consiste em uma relação de dominação do homem pelo homem, com base no instrumento da violência legítima ou seja, da violência considerada como legítima (61). O Estado moderno éum agrupamento de dominação que apresenta caráter institucional e que procurou com êxito monopolizar, nos limites de um território, a violência física legítima como instrumento de domínio e que, tendo esse objetivo, reuniu nas mãos dos dirigentes os meios materiais de gestão (66).

10 Mas o Estado sópode existir se os dominados se submeterem àautoridade reivindicada pelos dominadores. Quais são, então, asrazões, as justificações internas, os fundamentosem que se apóia a dominação exercida pelo estado?

11 Weber aponta trêsfundamentos da legitimidade da dominação do estado: 1) a tradição: a autoridade do passado eterno ; a autoridade dos costumes santificados pela validez imemorial e pelo hábito, enraizado nos homens, de respeitálos. Exemplo: o poder tradicional do patriarca ou do senhor de terras.

12 2) o carisma: a autoridade que se baseia em dons pessoais e extraordinários de um indivíduo : o chefe (61). O seguidor do líder carismático trabalha com a devoção de um crente em favor do êxito da causa de uma personalidade e não somente em favor das abstratas mediocridades contidas num programa (92). Exemplo: o poder carismático exercido pelo profeta, pelo dirigente guerreiro eleito, pelo soberano escolhido por meio de plebiscito, pelo grande demagogo, pelo dirigente de um partido político.

13 3) a legalidade: a autoridade que se impõe pela crença na validez de um estatuto legal e de uma competência positiva, estruturada em regras racionalmente estabelecidas (61). Exemplo: o servidor do estado atual.

14 De que maneira, por que meios o estado impõe sua dominação? 1) pela obediência do aparato administrativo, do estado-maior administrativo A obediência do estado-maior administrativo ao detentor do poder não se baseia apenasnos motivos citados acima, que fundamentam a legitimidade da dominação do estado, do ponto de vista dos súditos comuns. Baseia-se em motivos relacionados a interesses pessoais: retribuição materiale prestígio social (63).

15 2) pelos meios materiais de gestão (recursos financeiros; recursos militares; qualquer espécie de recurso utilizável para fins políticos). Há casos em que o próprio estado-maior administrativo é proprietário totalmente ou parcialmente dos meios materiais de gestão(nesse caso, as pessoas da administração são economicamente independentesdo detentor do poder). Esse tipo de estado éorganizado segundo o princípio das ordens. Éo caso do estado no período feudal.

16 Hácasos em que o estado-maior administrativo não éproprietáriodos meios materiais de gestão (nesse caso, as pessoas da administração são economicamente dependentesdo detentor do poder). Éo caso do Estado moderno.

17 COMO SURGEM OS POLÍTICOS PROFISSIONAIS? QUE IMPACTO O AUMENTO NA IMPORTÂNCIA DOS POLÍTICOS PROFISSIONAIS EXERCEU SOBRE OS PARTIDOS POLÍTICOS? (66-107)

18 QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS QUALIDADES DO POLÍTICO POR VOCACÃO?

19 Que qualidades permitem ao político que esteja à altura do poder que exerce e da responsabilidade que esse poder lhe impõe? 1) Paixão: devoção apaixonada a uma causa, a um propósito, a um ideal. A causa, o propósito, o ideal em questão depende das convicções pessoais de cada um.

20 2) Sentimento de responsabilidade(responsabilidade por tomar decisões e pelas conseqüências dessas decisões) A atividade do chefe político estásubordinada a um princípio de responsabilidade estranho e oposto ao que norteia o funcionário (81-82). A honra do funcionário reside em executaras ordens que estão sob responsabilidade de uma autoridade superior (mesmo que a autoridade superior se obstine a seguir trilhas erradas, desprezando advertências. Ofuncionário pode alertar a autoridade superior, mas não tem o dever de decidir). A honra do chefe político consiste na responsabilidadepessoal exclusiva, indelegável, pelo que faz.

21 3) Senso de proporção: qualidade psicológica fundamental do político; capacidade de distanciar-se dos homens e das coisas; deixar que os fatos ajam sobre si no recolhimento e na calma interior do espírito; força de personalidade ; capacidade de subjugar energicamente a própria alma.

22 4) Dominação da vaidade: necessidade de se colocar pessoalmente em primeiro plano, da forma a mais evidente possível. Existem apenas duas espécies de pecado mortal em política: não defender causa alguma e não ter sentimento de responsabilidade duas coisas que, repetidamente, conquanto não necessariamente, são idênticas. A vaidade, ou dizendo de outra maneira, a necessidade de se colocar pessoalmente, da forma a mais evidente possível, em primeiro plano, induz freqüentemente o político àtentação de cometer um ou outro desses pecados ou os dois ao mesmo tempo (109).

23 QUE RELAÇÃO EXISTE ENTRE ÉTICAE POLÍTICA?

24 CONFRONTO ENTRE A ÉTICA DA CONVICÇÃO E A ÉTICA DA RESPONSABILIDADE

25 ÉTICA DA CONVICÇÃO ÉA ÉTICA ABSOLUTA. A ÉTICA DO SERMÃO DE JESUS CRISTO NA MONTANHA (MATEUS, 5-7) ÉUM BOM EXEMPLO DE ÉTICA ABSOLUTA (POR EXEMPLO: NÃO-VIOLÊNCIA INCONDICIONAL: SE ALGUÉM LHE BATER NUMA FACE, OFEREÇA A OUTRA ). ÉA ÉTICA DO TUDO OU NADA. INCONDICIONAL. PREOCUPA-SE COM OBEDECER ÀS DIRETRIZES ESTABELECIDAS E NÃO SE PREOCUPA, EM NENHUMA HIPÓTESE, COM AS CONSEQÜÊNCIAS DECORRENTES DESSA ATITUDE (POR EXEMPLO, A COAÇÃO TOTAL PARA QUE SE CUMPRA O MANDAMENTO DÊ TUDO O QUE POSSUI ). QUEM AGE DE ACORDO COM A ÉTICA DA CONVICÇÃO NÃO SE PREOCUPA COM OS RESULTADOS DO COMPORTAMENTO ASSUMIDO.

26 ÉTICA DA RESPONSABILIDADE ÉA ÉTICA DO POLÍTICO POR VOCAÇÃO. TEM A VIOLÊNCIA COMO INSTRUMENTO ESPECÍFICO. QUEM AGE DE ACORDO COM ESSA ÉTICA PREOCUPA-SE COM OS RESULTADOS PREVISÍVEIS DO COMPORTAMENTO ASSUMIDO; SENTE-SE RESPONSÁVEL PELAS CONSEQÜÊNCIAS PREVISÍVEIS DO COMPORTAMENTO ASSUMIDO. MAS ESTA ÉTICA NÃO TEM RESPOSTA PARA QUESTÕES DO TIPO: QUE FIM ÉBOM? QUE FIM ÉSUFICIENTEMENTE BOM PARA JUSTIFICAR UM MEIO PERIGOSO OU DESONESTO?

27 A idade não importa, mas sim a soberana competência do olhar, que sabe ver as realidades da vida, e a força da almaque é capaz de suportá-las e de elevar-se àaltura delas (122).

28

Formação dos Estados Modernos e do Poder. Aula 2 Conceito weberiano de Estado. Prof.: Rodrigo Cantu

Formação dos Estados Modernos e do Poder. Aula 2 Conceito weberiano de Estado. Prof.: Rodrigo Cantu Formação dos Estados Modernos e do Poder Aula 2 Conceito weberiano de Estado Prof.: Rodrigo Cantu O parágrafo Estrutura do parágrafo Tópico frasal: uma ou duas frases iniciais, em que se expressa de maneira

Leia mais

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia A Teoria de Ação Social de Max Weber 1 Ação Social 2 Forma de dominação Legítimas 3 Ética Protestante

Leia mais

EAD Fundamentos das Ciências Sociais

EAD Fundamentos das Ciências Sociais EAD - 620 AUTORES E TEORIAS CLÁSSICAS DA SOCIOLOGIA II MAX WEBER BUROCRACIA E A QUESTÃO DO PODER RETROSPECTIVA O que vimos até aqui 1. Contribuição da Ciências Sociais para o Administrador 2. Surgimento

Leia mais

MAX WEBER PROF. NOGUEIRA

MAX WEBER PROF. NOGUEIRA MAX WEBER PROF. NOGUEIRA MAX WEBER EDITAL: WEBER, M. CIÊNCIA E POLÍTICA. DUAS VOCAÇÕES 2.1 Max Weber e o problema da significação da ciência. 2.1.1 Ciência, desenvolvimento da tecnologia e controle da

Leia mais

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER Professora: Susana Rolim MAX WEBER Sociólogo alemão, nascido em 21 de abril de 1864. Seu primeiro trabalho foi A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905).

Leia mais

Prof. José Leopoldo Ferreira Antunes

Prof. José Leopoldo Ferreira Antunes Prof. José Leopoldo Ferreira Antunes Que não podemos passar sem pátria, parece-me evidente: pois nós não podemos viver fora de uma sociedade organizada e a mais alta sociedade organizada que existe é a

Leia mais

Weber e a Burocracia 3/18/2014 UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS.

Weber e a Burocracia 3/18/2014 UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS. Weber e a Burocracia O MODELO DA BUROCRACIA UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS. COM AS TRANSFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES EM FUNÇÃO

Leia mais

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO Capítulo 6 Poder, política e Estado 1 O poder e a política Poder se refere à capacidade de agir ou de determinar o comportamento dos outros. As relações de poder perpassam todas as relações sociais. As

Leia mais

Da Burocracia a ISO 9.000

Da Burocracia a ISO 9.000 Da Burocracia a ISO 9.000 Aula 5 EAD-610 2017 1 BUROCRACIA Teoria Clássica Administração Científica Taylor e outros Processo Administrativo Fayol Burocracia Weber 2 SUMÁRIO Conceitos sobre autoridade O

Leia mais

Estado, Poder e Classes Sociais

Estado, Poder e Classes Sociais Estado, Poder e Classes Sociais 1 Edição atualizada, 2016 Capítulo 3 2 Economia Política Internacional Fundamentos Teóricos e Experiência Brasileira Sumário Capítulo 1. Economia Política Internacional:

Leia mais

Burocracia segundo Weber. A Sociedade da Hierarquia Burocrática

Burocracia segundo Weber. A Sociedade da Hierarquia Burocrática Burocracia segundo Weber A Sociedade da Hierarquia Burocrática Problematização l O que há em comum entre a administração pública e a privada, que garante estabilidade política para a primeira e estabilidade

Leia mais

SOCIOLOGIA 1 ANO PROF. DARIO PINHEIRO PROF. JOSINO MALAGUETA ENSINO MÉDIO

SOCIOLOGIA 1 ANO PROF. DARIO PINHEIRO PROF. JOSINO MALAGUETA ENSINO MÉDIO SOCIOLOGIA 1 ANO PROF. DARIO PINHEIRO PROF. JOSINO MALAGUETA ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Os clássicos da Sociologia 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 3.2 Conteúdo Max Weber 3 CONTEÚDOS

Leia mais

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994.

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. Liderança Cap. 10 - Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. pag 143 a 156 Um dos fatos mais impressionantes e universais sobre

Leia mais

A Sociologia Compreensiva. De Max Weber

A Sociologia Compreensiva. De Max Weber A Sociologia Compreensiva De Max Weber Problematização O comportamento social é espontâneo, individual e descolado do passado? Max Weber Maximillian Carl Emil Weber Nasceu em 1864 na cidade de Erfurt (Alemanha),

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

LIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 13 - UMA VIDA DE FRUTIFICAÇÃO Prof. Lucas Neto A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO AMOR É A BASE DO FRUTO DO ESPÍRITO Como cristãos o nosso viver é Cristo e assim seremos coparticipantes de sua natureza

Leia mais

Economia Política Internacional

Economia Política Internacional Economia Política Internacional Reinaldo Gonçalves rgoncalves@alternex.com.br Economia Política Internacional Fundamentos Teóricos e Experiência Brasileira Sumário PARTE I: ECONOMIA POLÍTICA INTERNACIONAL:

Leia mais

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA INSTITUTO AFRO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR Faculdade Zumbi dos Palmares Faculdade de Pedagogia RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA JOYCE MOURÃO RODRIGUES

Leia mais

24/07/2014. As origens da Sociologia. A questão do conhecimento

24/07/2014. As origens da Sociologia. A questão do conhecimento Tema 1: O enfoque do Positivismo para a Educação Professora Ma. Mariciane Mores Nunes As origens da Sociologia Sociologia: ciência que explica a dinâmica das sociedades contemporâneas. Envolve: herança

Leia mais

Afundamentos da Administração

Afundamentos da Administração Afundamentos da Administração aula 3 Professor Douglas Pereira da Silva 1 Fayol em uma de suas contribuições para o estudo da Administração define o chamado processo administrativo, com o desempenho de

Leia mais

ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL - Código de Ética Profissional do Serviço Público (Decreto nº 1.171/1994) Professora Claudete Pessôa 1 Ética e moral. 2 Ética, princípios e valores. 3 Ética e democracia:

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA DO ESTADO

1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA DO ESTADO 1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Em O Federalista, artigos assinados por Publius (Alexander Hamilton, James Madison e John Jay; várias edições), os autores defendem a nova

Leia mais

Evolução do Pensamento Administrativo

Evolução do Pensamento Administrativo Evolução do Pensamento Administrativo Rosely Gaeta Abordagem Estruturalista (Weber) E Neoclássica (APO Peter Drucker) Slides de Aula Fonte: Chiavenatto e diversos autores 22/11/2014 Abordagem Estruturalista

Leia mais

2.2 Elementos formais e informais

2.2 Elementos formais e informais 2.2 Elementos formais e informais A produtividade de um grupo e sua eficiência estão estreitamente relacionadas não somente com a competência de seus membros, mas, sobretudo com a solidariedade de suas

Leia mais

MAX WEBER. Prof. Cristhian Lima

MAX WEBER. Prof. Cristhian Lima MAX WEBER Prof. Cristhian Lima Duas Realidades 1 REPÚBLICA FRANCESA 2 DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA 3 CIÊNCIAS NATURAIS 4 ÊNFASE NA UNIVERSALIDADE 5 CIÊNCIAS HUMANAS = CIÊNCIAS EXATAS Duas Realidades 1 FRAGMENTAÇÃO

Leia mais

POR QUE EVANGELIZAR? O amor de Deus A ordem de Jesus. O Dom do Espírito Santo. O clímax da história. A responsabilidade da Igreja.

POR QUE EVANGELIZAR? O amor de Deus A ordem de Jesus. O Dom do Espírito Santo. O clímax da história. A responsabilidade da Igreja. POR QUE EVANGELIZAR? Existem oito razões para incomodar as pessoas com a pregação do evangelho: 1. O amor de Deus. Evangelismo é um ato de amor (João 3:16, Mt. 5:45-44). 2. A ordem de Jesus. Evangelizar

Leia mais

OS CLASSICOS DA SOCIOLOGIA

OS CLASSICOS DA SOCIOLOGIA OS CLASSICOS DA SOCIOLOGIA MAX WEBER 1864-1920 Prof. Elson Junior Santo Antônio de Pádua, Maio de 2017 CONCEITOS BÁSICOS AÇÃO SOCIAL COMPREENSÃO SOCIAL PATRIMONIALISMO COMPREENSÃO TIPO IDEAL TIPOLOGIA

Leia mais

Panorama histórico da administração, parte I Taylor, ford, fayol, weber

Panorama histórico da administração, parte I Taylor, ford, fayol, weber Panorama histórico da administração, parte I Taylor, ford, fayol, weber Panorama histórico da ADM I Nascido na Filadélfia (EUA); Engenheiro Mecânico; Carreira na Midvale Steel Co. (de capataz a engenheiro)

Leia mais

Não foi um doutor formado nas melhores universidades, mas todos o chamavam de Mestre.

Não foi um doutor formado nas melhores universidades, mas todos o chamavam de Mestre. O Maravilhoso Jesus! Isaías 9.6-7 (Baseado em sermão do Dr. John E. Haggai) Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis, 31/12/2009 Culto Especial de Fim de Ano 2 Ele não foi um guerrilheiro, mas provocou

Leia mais

TGA PROFA. LUCIANA F. NOVO TEORIA DA BUROCRACIA. Características Disfunções Níveis

TGA PROFA. LUCIANA F. NOVO TEORIA DA BUROCRACIA. Características Disfunções Níveis TGA PROFA. LUCIANA F. NOVO TEORIA DA BUROCRACIA Características Disfunções Níveis RACIONALIDADE DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL BUSCA NOVA TEORIA MAIS ADEQUADA À COMPLEXIDADE MAX WEBER: PREOCUPAÇÃO CENTRAL RACIONALIDADE

Leia mais

Valores de uma Igreja RELACIONAL

Valores de uma Igreja RELACIONAL Valores de uma Igreja RELACIONAL O que já aprendemos... A Igreja deve valorizar e incentivar os relacionamentos Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum... Da multidão dos que creram, uma

Leia mais

LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO. Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed)

LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO. Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed) LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed) Profa. Dra. Adriana Cristina Ferreira Caldana Thiago Ferreira Quilice Liderança O que faz um líder? Quais são os atributos

Leia mais

Pontos importantes de serem lembrados: - Pedro escreveu para cristãos que passavam por dificuldades e passariam por maiores sofrimentos ainda;

Pontos importantes de serem lembrados: - Pedro escreveu para cristãos que passavam por dificuldades e passariam por maiores sofrimentos ainda; Mensagens em 1 Pedro Sermão manhã Ibfé 27Dez2015 Pr. Cantoca Introdução: Pontos importantes de serem lembrados: - Pedro escreveu para cristãos que passavam por dificuldades e passariam por maiores sofrimentos

Leia mais

MENSAGEM DO GENERAL CHEFE DO ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS (FORMATURA DE DESPEDIDA) (06 DE FEVEREIRO DE 2014)

MENSAGEM DO GENERAL CHEFE DO ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS (FORMATURA DE DESPEDIDA) (06 DE FEVEREIRO DE 2014) SENHORES ALMIRANTES SENHORES GENERAIS SENHORES OFICIAIS, SARGENTOS, PRAÇAS E FUNCIONÁRIOS CIVIS MEUS CAMARADAS AO LONGO DE MAIS DE 47 ANOS, 3 DOS QUAIS COMO CEMGFA, SERVI A NOSSA PÁTRIA NAS NOSSAS FORÇAS

Leia mais

AULA 2 Dia 22 de agosto A Liderança Servidora

AULA 2 Dia 22 de agosto A Liderança Servidora 1 AULA 2 Dia 22 de agosto A Liderança Servidora 2 Poder e Autoridade Para compreender a importância e a grande diferença entre a liderança servidora e as outras formas de relações hierárquicas interpessoais,

Leia mais

Teoria da Administração. RAD-1101 Prof.Dr.Jorge Henrique Caldeira de Oliveira

Teoria da Administração. RAD-1101 Prof.Dr.Jorge Henrique Caldeira de Oliveira Teoria da Administração RAD-1101 Bibliografia Filipe Sobral, Alketa Peci. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro, cap.6 Organização Objetivos da aula Definir os conceitos de organização,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Gestão em Saúde LIDERANÇA

Gestão em Saúde LIDERANÇA Gestão em Saúde LIDERANÇA Profa. Ms. Raquel J. Oliveira Lima A administração tinha como objetivos principais: alcançar a eficiência e eficácia, Hoje alcançar a excelência por meio da eficiência e eficácia

Leia mais

Sacramentos. Aula 23/03/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Sacramentos. Aula 23/03/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Sacramentos Aula 23/03/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Sacramentos O que são os sacramentos? Sacramento é derivado do latim sacramentum, era utilizado no meio militar correspondendo a juramento

Leia mais

Pequeno compêndio. Conversa espiritual

Pequeno compêndio. Conversa espiritual Pequeno compêndio Conversa espiritual A conversa espiritual é uma maneira de partilhar em grupo partir uma experiência de oração pessoal. É uma forma importante de orar em grupo. " Assim falava os que

Leia mais

- A principal tarefa da Igreja é a evangelização, ou seja, a pregação do Evangelho a judeus e a gentios.

- A principal tarefa da Igreja é a evangelização, ou seja, a pregação do Evangelho a judeus e a gentios. INTRODUÇÃO LIÇÃO 3 IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA - A principal tarefa da Igreja é a evangelização, ou seja, a pregação do Evangelho a judeus e a gentios. - A igreja existe para dizer ao mundo que Jesus

Leia mais

ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR

ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR EM BUSC DO PERFEITO MOR #3 DIZER, CONHECER, OBEDECER E NDR Sabemos que o conhecemos, se obedecemos aos seus mandamentos. quele que diz: Eu o conheço, mas não obedece aos seus mandamentos, é mentiroso,

Leia mais

A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo.

A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. As soluções encontradas por Weber para os intrincados problemas metodológicos que ocuparam a atenção dos cientistas sociais do começo do século XX permitiram-lhe

Leia mais

Durkheim SOCIEDADE HOMEM. Anos 70 ROCOCÓ DETERMINA OPERÁRIOS

Durkheim SOCIEDADE HOMEM. Anos 70 ROCOCÓ DETERMINA OPERÁRIOS Durkheim Durkheim SOCIEDADE Anos 70 OPERÁRIOS ROCOCÓ DETERMINA HOMEM Sociologia Ciências naturais Sociologia Objetividade Relações causais Bases estatísticas Tipologia Social Sociedades de: Solidariedade

Leia mais

Derson da S. Lopes Jr.

Derson da S. Lopes Jr. PRINCÍPIO BÍBLICO Tudo o que você tiver que fazer, faça o melhor que puder... Ec. 9:10...Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. João 10:10 PRINCÍPIO ESPÍRITO DE PROFECIA O desenvolvimento

Leia mais

Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira:

Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira: Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira: Amados irmãos e irmãs em Cristo Jesus, A Paz de Jesus! A

Leia mais

Buscando a excelência no casamento. Adalberto Vargas da Rosa 6º ENCONTRO

Buscando a excelência no casamento. Adalberto Vargas da Rosa 6º ENCONTRO 6º ENCONTRO SUBMISSÃO: A ALEGRIA DA ESPOSA SUBMISSÃO: A ALEGRIA DA ESPOSA O mundo ordenado por Deus, através das suas instituições, para que as pessoas vivam em harmonia e protegidas. SUBMISSÃO: A ALEGRIA

Leia mais

A Oração. Egmon Pereira. 23 de Agosto de Igreja Presbiteriana do Brasil. A Oração. Egmon Pereira. Texto Bíblico. Introdução.

A Oração. Egmon Pereira. 23 de Agosto de Igreja Presbiteriana do Brasil. A Oração. Egmon Pereira. Texto Bíblico. Introdução. Igreja Presbiteriana do Brasil 23 de Agosto de 2016 Mateus 6.5-15 5 E, quando orardes, não sereis como os hipócritas; porque gostam de orar em pé nas sinagogas e nos cantos das praças, para serem vistos

Leia mais

LIÇÃO 10 - MANSIDÃO: TORNA O CRENTE APTO PARA EVITAR PELEJAS. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 10 - MANSIDÃO: TORNA O CRENTE APTO PARA EVITAR PELEJAS. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 10 - MANSIDÃO: TORNA O CRENTE APTO PARA EVITAR PELEJAS Prof. A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO MANSIDÃO E PELEJA A mansidão como fruto do Espírito Santo se caracteriza pelo desempenho de uma pessoa em

Leia mais

1 Coríntios 15,4: E, se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e vã, a vossa fé.

1 Coríntios 15,4: E, se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e vã, a vossa fé. BREVE CATECISMO DE WESTMINSTER PERGUNTA 30 PERGUNTA 30: Como nos aplica o Espírito a redenção adquirida por Cristo? Resposta: O Espírito aplica-nos a redenção adquirida por Cristo pelo chamado eficaz,

Leia mais

POLÍTICA. MARGINALIZAÇÃO POLÍTICA

POLÍTICA. MARGINALIZAÇÃO POLÍTICA POLÍTICA. MARGINALIZAÇÃO POLÍTICA ÉTICA PROFISSIONAL E EMPRESARIAL POLÍTICA. O QUE É POLÍTICA? POLIS = CIDADE-ESTADO atividade humana que se refere à cidade. Aristóteles Política é a realização do bem

Leia mais

CAPÍTULO 5. Max Weber e o estudo da Burocracia

CAPÍTULO 5. Max Weber e o estudo da Burocracia CAPÍTULO 5 Max Weber e o estudo da Burocracia Objetivos Pessoas Informação Conhecimento Espaço Tempo Dinheiro Instalações Organização MAXIMIANO /TGA Fig. 5.1 Uma organização é um sistema de recursos que

Leia mais

FICHA DE AVALIAÇÃO DO CANDIDATO A ESTUDANTE DO STNB

FICHA DE AVALIAÇÃO DO CANDIDATO A ESTUDANTE DO STNB FICHA DE AVALIAÇÃO DO CANDIDATO A ESTUDANTE DO STNB Nome do Candidato: INSTRUÇÕES: 1. Esta ficha de avaliação deve ser preenchida pelo pastor da igreja e anexada a documentação que encaminha o candidato

Leia mais

Crise. Crise. Momento perigoso, difícil ou decisivo. Falta de alguma coisa considerada importante (ex.: crise de emprego, crise de valores).

Crise. Crise. Momento perigoso, difícil ou decisivo. Falta de alguma coisa considerada importante (ex.: crise de emprego, crise de valores). 7 Crise substantivo feminino ACESSO, ATAQUE Mudança súbita ou agravamento de uma doença Manifestação súbita de um estado emocional ou nervoso (ex.: crise de choro, crise nervosa) Crise Momento perigoso,

Leia mais

DATA: / / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 1.º ANO/EM

DATA: / / 2015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 1.º ANO/EM SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 015 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 1.º ANO/EM ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

ABORDAGEM ESTRUTURALISTA DA ADMINISTRAÇÃO

ABORDAGEM ESTRUTURALISTA DA ADMINISTRAÇÃO 1. Conceito: Teoria iniciada em meados de 1950, que trata a organização formada pelo todo (organização formal e informal) e inserida em um ambiente maior. 2. Estrutura: Conjunto formal constituído por

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos 1. O conceito de ação social 1.1 Ação tradicional 1.2 Ação afetiva 1.3 Ação racional com relação a valores 1.4 Ação

Leia mais

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder! Estado moderno! Europa e Estados Unidos! Centralização crescente e politização do poder! Na estrutura feudal da Idade Média, o poder ainda era uma relação de direito privado no sentido de dependência pessoal

Leia mais

LIÇÃO 12 UM CHAMADO PARA SER DISCÍPULO. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 12 UM CHAMADO PARA SER DISCÍPULO. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 12 UM CHAMADO PARA SER DISCÍPULO Prof. Lucas Neto A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO A NATUREZA DIVINA DO DISCÍPULO DE CRISTO O discípulo de Cristo deve ter em mente a condição de consolidar em seu ser

Leia mais

Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos

Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos Três modelos gerenciais básicos e suas respectivas fontes de legitimação nas organizações. Fundamentos da Administração Origens históricas do Patrimonialismo

Leia mais

INDIVIDUO E SOCIEDADE DURKHEIM E O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS

INDIVIDUO E SOCIEDADE DURKHEIM E O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS INDIVIDUO E SOCIEDADE DURKHEIM E O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS Émile Durkheim (francês) (1858-1917) Biografia Émile Durkheim (1858-1917) nasceu em Epinal, região de Lorena, na França, no dia 15 de

Leia mais

7 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA

7 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo II Ensinos Diretos de Jesus Roteiro 7 Objetivo Interpretar, à luz da Doutrina

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL

BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL 1- As bases conceituais do Sistema de Negociação Permanente da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL

Leia mais

Casas Abertas Estudos Diversos. A oração dos hipócritas 4

Casas Abertas Estudos Diversos. A oração dos hipócritas 4 A oração dos hipócritas 4 Casas Abertas Estudos Diversos Como vimos no estudo anterior que a hipocrisia é sutil e distorce nossa visão a respeito de nós mesmos! Vamos pontuar mais uma característica maléfica

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

Saber é conhecer, ser ou estar informado, tendo conhecimentos gerais ou específicos sobre algum tema ou sobre a própria vida.

Saber é conhecer, ser ou estar informado, tendo conhecimentos gerais ou específicos sobre algum tema ou sobre a própria vida. Três verdades essenciais que você precisa saber Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis, 23/08/2009 Culto do Amigo Saber é conhecer, ser ou estar informado, tendo conhecimentos gerais ou específicos sobre

Leia mais

Marketing de Negociação. Empreendedorismo II. Empreendedorismo II. Unidade II: LIDERANÇA.

Marketing de Negociação. Empreendedorismo II. Empreendedorismo II. Unidade II: LIDERANÇA. Marketing de Negociação Centro Universitário de Jaraguá do Sul - UNERJ Administração Habilitação em Marketing 7a. fase - semestre 2009/2 Prof. Adm. Marco Antonio Murara,Esp. Unidade II: LIDERANÇA. A fonte

Leia mais

Jovem, Igreja e Sociedade Paulo Alves

Jovem, Igreja e Sociedade Paulo Alves PASTORES, LOBOS E POODLES Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos. Mateus 24:24 Porque tais falsos apóstolos

Leia mais

Filosofia e Política

Filosofia e Política Filosofia e Política Aristóteles e Platão Aristóteles Política deve evitar a injustiça e permitir aos cidadãos serem virtuosos e felizes. Não há cidadania quando o povo não pode acessar as instituições

Leia mais

TEORIA GERAL DO ESTADO ELEMENTOS DO ESTADO. Prof. Thiago Gomes. Teoria Geral do Estado 1. CONTEXTUALIZAÇÃO. O que é necessário para formar um Estado?

TEORIA GERAL DO ESTADO ELEMENTOS DO ESTADO. Prof. Thiago Gomes. Teoria Geral do Estado 1. CONTEXTUALIZAÇÃO. O que é necessário para formar um Estado? TEORIA GERAL DO ESTADO Prof. Thiago Gomes 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O que é necessário para formar um Estado? 1 1. A IDEIA DE ESTADO Primeira definição apresentada Estado é uma forma específica de sociedade

Leia mais

BREVE CATECISMO DE WESTMINSTER PERGUNTA 35

BREVE CATECISMO DE WESTMINSTER PERGUNTA 35 BREVE CATECISMO DE WESTMINSTER PERGUNTA 35 PERGUNTA 35: Que é regeneração? RESPOSTA: É a obra da livre graça de Deus, pela qual somos conservados pelo Espírito Santo na perseverança da fé em Cristo, adquirindo,

Leia mais

Estatutos da Igreja Batista Brasileira em Basel (IBBB)

Estatutos da Igreja Batista Brasileira em Basel (IBBB) Estatutos da Igreja Batista Brasileira em Basel (IBBB) Artigo 1 Denominação, Sede e membresia 1. A Igreja Batista Brasileira em Basel (IBBB) é uma igreja evangélica livre, amparada nos fundamentos legais

Leia mais

TEORIA BUROCRACIA. Profa. Dra. Rosângela F. Caldas

TEORIA BUROCRACIA. Profa. Dra. Rosângela F. Caldas TEORIA BUROCRACIA CONCEITO Trabalho baseado em papéis e documentos, movimentados em seqüência contínua entre as várias unidades componentes da estrutura organizacional DESENVOLVIMENTO Europa - Sec. XX

Leia mais

Liderança 04/11/2011. Fonte: Maximiano (2009)

Liderança 04/11/2011. Fonte: Maximiano (2009) Fonte: Maximiano (2009) Autoridade Formal Fundamenta-se em leis aceitas de comum acordo, que criam figuras de autoridade dotadas do poder de comando. O seguidor obedece à lei incorporada na figura de autoridade,

Leia mais

ÉTICA. Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência;

ÉTICA. Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência; ÉTICA Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência; ÉTICA Ética e tudo aquilo que você não quer que façam com você Ética e individualismo O valor ético do esforço

Leia mais

Propriedades essenciais da Igreja: a unidade, a catolicidade, a santidade e a apostolicidade

Propriedades essenciais da Igreja: a unidade, a catolicidade, a santidade e a apostolicidade O Instituto de Educação a Distância, IEAD RCCBRASIL, oferece aos carismáticos a oportunidade de se aprofundarem na História da Igreja. O curso tem o objetivo de estudar os modelos eclesiológicos e missionários,

Leia mais

ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS BÁSICAS DA DOUTRINA ESPÍRITA E DO EVANGELHO DE JESUS.

ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS BÁSICAS DA DOUTRINA ESPÍRITA E DO EVANGELHO DE JESUS. ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS BÁSICAS DA DOUTRINA ESPÍRITA E DO EVANGELHO DE JESUS MÓDULO 12 O SIGNIFICADO DA LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE EM NOSSAS VIDAS A ESSÊNCIA DA LEI MAIOR 1º. ENCONTRO

Leia mais

Lição 9 para 26 de novembro

Lição 9 para 26 de novembro Lição 9 para 26 de novembro Embora não tivesse a Palavra de Deus escrita tal como a conhecemos hoje, Jó tinha suficientes indícios do plano de salvação divina para apegar-se à esperança de um Salvador.

Leia mais

É reciprocidade de afeto no relacionamento interpessoal e social. VERDADEIROS você tem?

É reciprocidade de afeto no relacionamento interpessoal e social. VERDADEIROS você tem? O verdadeiro AMIGO João 15.13-15 Pr. Fernando Fernandes Leiamos o texto bíblico: PIB em Curicica/RJ 25/07/2010 2 Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos. Vocês serão meus

Leia mais

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Sociologia Professor Scherr PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Comunismo primitivo os homens se unem para enfrentar os desafios da natureza. Patriarcal domesticação de animais, uso

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

EVANGELISMO. Por Evaristo Filho. SEMINÁRIO TEOLÓGICO EVANGÉLICO BÍBLICO SETEB Global

EVANGELISMO. Por Evaristo Filho. SEMINÁRIO TEOLÓGICO EVANGÉLICO BÍBLICO SETEB Global EVANGELISMO Por Evaristo Filho SEMINÁRIO TEOLÓGICO EVANGÉLICO BÍBLICO SETEB Global http://seminarioevangelico.com.br setebonline@gmail.com 2 Apresentação da Disciplina Informações Gerais Pré-Tarefas Antes

Leia mais

Tomada de Decisão - Ética: Aula 10

Tomada de Decisão - Ética: Aula 10 Tomada de Decisão - Ética: Aula 10 Objetivo Relacionar a função de tomada de decisão empresarial do administrador com a ética. Entender como a concentração nos fatos e nas evidências ajudam as decisões

Leia mais

NORMA DE REGULAMENTAÇÃO DA CONDUTA DO RADIALISTA QUANTO A CONFLITOS DE INTERESSES E QUESTÕES RELACIONADAS NOR 308

NORMA DE REGULAMENTAÇÃO DA CONDUTA DO RADIALISTA QUANTO A CONFLITOS DE INTERESSES E QUESTÕES RELACIONADAS NOR 308 MANUAL DE PESSOAL CÓD. 300 ASSUNTO: REGULAMENTAÇÃO DA CONDUTA DO RADIALISTA QUANTO A CONFLITOS DE INTERESSES E QUESTÕES RELACIONADAS CÓD: NOR 308 APROVAÇÃO: Resolução nº 023/05, de 25/10/2005 NORMA DE

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

24/11/2015. Evolução do Pensamento Administrativo. Teoria da Burocracia

24/11/2015. Evolução do Pensamento Administrativo. Teoria da Burocracia Evolução do Pensamento Administrativo 1903 1909 1916 1932 1947 1951 1953 1954 1957 1962 1972 1990 Teoria Abordagem 1903 Administração Científica Clássica 1909 Estruturalista 1916 Teoria Clássica Clássica

Leia mais

PARÂMETROS ÚTEIS Meus bem-amados, não creais em qualquer Espírito; experimentai se os Espíritos são de Deus, porquanto muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. (João, 1ª Epístola, 4:1.) No desdobrar

Leia mais

Lição 12 As autoridades e a posição do crente Texto Bíblico: Romanos

Lição 12 As autoridades e a posição do crente Texto Bíblico: Romanos Lição 12 As autoridades e a posição do crente Texto Bíblico: Romanos 13.1-7 A sociedade organizada pressupõe uma liderança que possa conduzi-los. Nos tempos mais remotos da civilização, os povos já possuíam

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM Sexta-feira da 25ª Semana do Tempo Comum (26 de setembro

Leia mais

CRATOLOGIA. Prof. Sergio Loncan Profª Suzane Maranduba AULA 11 28DE JULHO DE 2015 TERÇA-FEIRA CEPE 2015 LIDERANÇA E ÉTICA

CRATOLOGIA. Prof. Sergio Loncan Profª Suzane Maranduba AULA 11 28DE JULHO DE 2015 TERÇA-FEIRA CEPE 2015 LIDERANÇA E ÉTICA CRATOLOGIA LIDERANÇA E ÉTICA AULA 11 28DE JULHO DE 2015 TERÇA-FEIRA CEPE 2015 Prof. Sergio Loncan Profª Suzane Maranduba 1 CARACTERÍSTICAS DOS JOGOS Para efetivar mudanças (3) Candidatos estratégicos indivíduo

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO

REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO Considerando o disposto nos números 3 e 4 do artigo 143.º do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES), aprovado pela Lei n.º 62/2007,

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Sobre a noção de poder em Michel Foucault é incorreto afirmar que: a) Há uma separação entre o poder soberano (que provém do

Leia mais

A ESSÊNCIA DA LIDERANÇA

A ESSÊNCIA DA LIDERANÇA SUMÁRIO 1. As Definições 2. O Velho Paradigma e o Novo Paradigma 3. O Modelo da Liderança 4. O Legado do Líder Prof. Dr. Francisco Chaves 1. As Definições: Estar no poder é como ser uma dama. Se tiver

Leia mais

LIÇÃO 13 - A DECISÃO CRUCIAL DO DISCÍPULO: OUVIR E PRATICAR. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 13 - A DECISÃO CRUCIAL DO DISCÍPULO: OUVIR E PRATICAR. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 13 - A DECISÃO CRUCIAL DO DISCÍPULO: OUVIR E PRATICAR Prof. Lucas Neto A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO OBEDECER É MELHOR QUE SACRIFICAR Deus registra na Santa Bíblia a comparação dos atos de obediência

Leia mais

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade.

Origem na palavra Politéia, que se refere a tudo relacionado a Pólis grega e à vida em coletividade. O homem é um animal político por natureza; Política visa (ou deveria visar) um fim útil e bom para sociedade; Característica do ser humano é a vida em comunidade. Origem na palavra Politéia, que se refere

Leia mais

Por uma definição de estado sob a ótica de norberto bobbio

Por uma definição de estado sob a ótica de norberto bobbio ISSN 1127-8579 Pubblicato dal 07/03/2013 All'indirizzo http://xn--leggedistabilit2013-kub.diritto.it/docs/34733-por-uma-defini-o-deestado-sob-a-tica-de-norberto-bobbio Autore: Rodrigo Janoni Carvalho Por

Leia mais

COSMOVISÃO. vivendopelapalavra.com. Por: Helio Clemente

COSMOVISÃO. vivendopelapalavra.com. Por: Helio Clemente COSMOVISÃO vivendopelapalavra.com Por: Helio Clemente Cosmovisão: Palavra de origem alemã que significa visão do mundo ou a forma como uma pessoa vê o mundo, a vida, os homens e os princípios que sustentam

Leia mais

A VONTADE DE DEUS PARA O NOSSO TRABALHO

A VONTADE DE DEUS PARA O NOSSO TRABALHO A VONTADE DE DEUS PARA O NOSSO TRABALHO A esolha do nosso trabalho é feita na área da "liberdade", uma decisão feita com sabedoria. A decisão de um crente sobre a sua vocação é regulada e afetada pela

Leia mais

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza)

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza) ESTATUTOS Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo lº (Natureza) A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora de Lourdes, também designada abreviadamente

Leia mais