SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE"

Transcrição

1 ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01

2 ÍNDICE 1. Objetivo Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências Normativas 6 3. Definições, Siglas e Abreviaturas 7 e 8 4. Elementos do Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Requisitos Gerais Política TELEDATA de SSO Metas e Objetivos do SGSSO Planejamento do SGSSO TELEDATA de perigos, avaliação de riscos e determinação de controles Requisitos legais e outros requisitos Objetivos do Programa Programa de Gestão da SSO Implementação e Operação Estrutura e Responsabilidade Competência, treinamento e conscientização Comunicação, participação e consulta Documentação Controle de Documentos Controle Operacional Preparação e resposta a emergências Verificação e ação corretiva Monitoramento e medição de desempenho Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 2 de 24

3 Acidentes, incidentes, não conformidades e ações corretivas e preventivas Registros e Gestão de Registros Auditoria Análise Crítica pela Administração Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 3 de 24

4 1. OBJETIVO O objetivo do presente Manual é mostrar o funcionamento do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional da TELEDATA, bem como as suas relações com os demais sistemas componentes do Sistema Integrado de Gestão da TELEDATA. Na qualidade de empresa prestadora de serviços, muitas vezes a TELEDATA está sujeita à aplicação de normas específicas para os ambientes operacionais dos seus clientes, onde os seus profissionais prestam serviços. Sendo assim, este Manual também tem o objetivo de mostrar de que forma são atendidos os diversos requisitos de segurança e saúde ocupacional nesses ambientes. Segundo a OHSAS18001, com a qual a TELEDATA busca compliance, um sistema de gestão bem-sucedido DEVE se fundamentar em: Uma política de segurança e saúde apropriada para a companhia. A identificação dos riscos e exigências legais de saúde e segurança ocupacional. Objetivos, metas e programas que assegurem o aperfeiçoamento contínuo. Atividades de gestão que controlem os riscos de saúde e segurança ocupacional. Monitorar o desempenho do sistema de saúde e segurança ocupacional. Revisões, avaliações e aperfeiçoamentos contínuos do sistema. A norma OHSAS é uma especificação que fornece às organizações os elementos de um Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho (SST). Ela foi desenvolvida para ser compatível com a ISO 9001 (Gestão da Qualidade) e com a ISO (Gestão Ambiental). A união dessas três certificações possibilita às empresas a implementação de Sistemas de Gestão Integrados (SGIs). A TELEDATA possui um Sistema de Gestão Integrado, ainda não certificado, composto pelo: SGSSO Sistema de Gerenciamento de Saúde e Segurança Ocupacional SGA Sistema de Gerenciamento Ambiental SGQ ISO Sistema de Gestão da Qualidade Certificado conforme a ISO9001:2000 Código de Ética Corporativo Programa de Responsabilidade Social Todos os componentes desse Sistema de Gestão Integrado possuem itens em comum, que têm tratamento igual, nos termos do Manual do Sistema de Gestão Integrado TELEDATA. Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 4 de 24

5 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA O sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional da TELEDATA é aplicável em todos os seus ambientes administrativos, além de todos os demais ambientes operacionais dos clientes da TELEDATA, onde os seus profissionais executam seus serviços. Apesar de, na qualidade de prestadora de serviços de TIC, a atividades principal da TELEDATA estar classificada como Grau de Risco 1 pela legislação brasileira, a TELEDATA mantém uma política e um sistema de SSO que seja aplicável também a outros ambientes com maiores graus de riscos,em função do atendimento prestado no ambiente de seus clientes. A TELEDATA contrata empresas ou profissionais especializados para a execução das medições necessárias dos Riscos Ambientais em seus PPRA. Também o faz para garantir a eficácia do seus PCMSO, conforme previsto na legislação oriunda do Ministério do Trabalho. Os PPRA e PCMSO da TELEDATA são específicos quando necessário ao ambiente de trabalho ou ao contrato em questão, ou são generalistas e aplicáveis a todos os ambientes administrativos da empresa em seu conjunto. O SGSSO da TELEDATA é composto por: Política de SSO; Procedimentos e registros documentados, além de documentos complementares PPRA e PCMSO; Matriz de responsabilidade e autoridade; Implementação e operação monitorada, com a verificação de objetivos e a tomada de ações corretivas; Análise crítica pela administração com vistas à melhoria contínua; Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 5 de 24

6 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS O SGSSO TELEDATA busca compliance com a norma OHSAS18001:1999. Da mesma forma, o Sistema Integrado de Gestão TELEDATA também busca complicance com a norma ISO14001:2007. Para a norma ISO9001:2000 a TELEDATA é empresa certificada, através do TECPAR PR desde A TELEDATA também atende à legislação brasileira aplicável ao tema, em especial as Normas Regulamentadores do Ministério do Trabalho, aplicáveis às suas atividades. Como prestadora de serviços, muitas vezes a TELEDATA também DEVE atender às normas específicas de segurança e saúde, aplicáveis para os ambientes operacionais dos seus clientes, onde os seus profissionais prestam serviços. Sendo assim, as referências normativas para o SGSSO são: OHSAS18001 ISO9001:2000 ISO14001:2007 NR4 Norma Regulamentadora nr. 4 do Ministério do Trabalho SESMT NR5 Norma Regulamentadora nr. 5 do Ministério do Trabalho CIPA NR6 Norma Regulamentadora nr. 6 do Ministério do Trabalho Equipamento de Proteção Individual EPI NR7 Norma Regulamentadora nr. 7 do Ministério do Trabalho PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais NR9 Norma Regulamentadora nr. 9 do Ministério do Trabalho PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional NR10 Norma Regulamentadora nr. 10 do Ministério do Trabalho Trabalho com Eletricidade NR15 Norma Regulamentadora nr. 15 do Ministério do Trabalho Atividades e Operações Insalubres NR16 Norma Regulamentadora nr. 16 do Ministério do Trabalho Atividades e Operações Perigosas NR18 Norma Regulamentador nr. 18 do Ministério do Trabalho - Altura NR21 Norma Regulamentadora nr. 21 do Ministério do Trabalho Trabalho a Céu Aberto NR33 Norma Regulamentadora nr. 33 do Ministério do Trabalho Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 6 de 24

7 3. DEFINIÇÕES, SIGLAS E ABREVIATURAS ISO9001:2000 ISO14001:2004 OHSAS SST PPRA PCMSO SESMT CIPA PDCA Perigo de perigo Incidente Acidente Norma para gestão e controle da Qualidade Norma para gestão e controle ambiental Norma Internacional de gestão de segurança e saúde ocupacional Occupational Helth and Safety Assessment Series Segurança e Saúde do Trabalho Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Metodologia de administração criada por Demming, cujo nome deriva das primeiras letras das palavras Plan, Do, Check and Act. Fonte ou situação potencialmente capaz de causar perdas em termos de dados à saúde, prejuízos à propriedade, prejuízos ambiente do local de trabalho ou uma combinação entre eles Processo do reconhecimento da existência do perigo (3.4) e da definição de suas características Evento relacionado ao trabalho, no qual um ferimento, dano à saúde (independente da severidade) ou morte ocorreu, ou poderia ter ocorrido. NOTA1: um acidente é um incidente que levou a um ferimento, dano à saúde ou morte; NOTA2: um incidente onde não aconteceu ferimento, dano à saúde ou morte pode também ser chamado de quase-acidente ou situação de perigo ; Nota 3: uma situação de emergência é um tipo particular de incidente Acidente é um incidente que levou a um ferimento, dano à saúde ou morte; Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 7 de 24

8 Segurança e saúde ocupacional Risco Avaliação do risco Condições e fatores que afetam o bem estar dos empregados, trabalhadores temporários, pessoal contratado, visitante ou qualquer outra pessoa no ambiente de trabalho Combinação da freqüência, ou probabilidade, e da(s) conseqüências(s) da ocorrência de uma situação de perigo específica Todo o processo de estimação da magnitude dos riscos e de decisão a respeito da capacidade de se tolerar ou não tais riscos Segurança Ausência de riscos de perdas não aceitáveis (ISO/IEC Guide 2) Risco tolerável Risco que foi reduzido a níveis que podem ser suportados pela organização, considerando-se suas obrigações legais e sua política para o SSO Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 8 de 24

9 4. ELEMENTOS DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Os elementos componentes do SGSSO TELEDATA são: Política de SSO; Procedimentos e registros documentados; Matriz de responsabilidade e autoridade; Implementação e operação monitorada, com a verificação de objetivos e a tomada de ações corretivas; Análise crítica pela administração e proposição de melhorias; 4.1. Requisitos Gerais A organização DEVE estabelecer e manter um sistema de gestão de SSO cujos requisitos estão definidos nessa seção. A TELEDATA estabeleceu e mantém um sistema documentado de Gestão de SSO, que busca compliance com as orientações e determinações da norma OHSAS Também, o SGSSO da TELEDATA está de acordo e cumpre a legislação brasileira aplicável à matéria Política TELEDATA DE SSO DEVE estar disponível uma política de segurança e saúde ocupacional, autorizada pela alta administração da organização, que claramente estabeleça os objetivos para segurança e saúde, bem como o comprometimento para melhorar o desempenho relacionado à saúde e segurança. A política DEVE: a) Ser apropriada à natureza e escala dos riscos da SSO da organização; b) Incluir o compromisso de melhoria contínua; c) Incluir um compromisso de atender, pelo menos, a legislação vigente e aplicável de SSO, bem como a outros requisitos subscritos pela organização; d) Ser documentada implementada e mantida; e) Ser comunicada a todos os empregados com a intenção de que os mesmos tenham consciência de suas obrigações individuais para o SGO; f) Estar disponível às partes interessadas e; g) Ser periodicamente analisada e criticada para assegurar que ela permaneça relevante e apropriada à organização Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 9 de 24

10 A Política de Segurança e Saúde Ocupacional da TELEDATA está definida e documentada através deste Manual, bem como através do Código de Ética Corporativo da TELEDATA. Ela é divulgada a todas as partes interessadas através da intranet da empresa e de outros recursos de comunicação. Sua implementação está garantida através dos procedimentos documentados e das verificações periódicas a que o Sistema de Gestão de Segurança Ocupacional da TELEDATA é submetido. A TELEDATA reafirma em sua política de SSO, um dos conceitos fundamentais do seu Código de Ética Corporativo, que á a valorização da vida, em todos os seus aspectos. É nesses termos que ela define a sua Política de SSO: As boas práticas de Segurança e Saúde no Trabalho são fatores fundamentais para a melhoria contínua da produtividade e também da qualidade de vida de seus colaboradores em geral. A Política de SSO da TELEDATA apóia-se ainda nos seguintes princípios: Reconhecer a integridade física, a saúde e o bem estar dos nossos colaboradores como prioridade em todas as suas atividades; Buscar o aperfeiçoamento contínuo de seus processos, buscando a eliminação ou a atenuação dos agentes de risco inerentes à atividade na qual os seus colaboradores estiverem envolvidos; Atender aos requisitos da legislação aplicável ao assunto, bem como atender aos requisitos do SSO aplicáveis à cada um dos seus ambientes de trabalho; Buscar melhoria contínua do Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional, através da monitoração e análise crítica do sistema; Promover o comportamento seguro e responsável de seus colaboradores por meio da conscientização em SSO e da divulgação da política e de seus procedimentos, buscando a participação e o diálogo de todas as partes interessadas; Metas de Objetivos do SGSSO As metas e objetivos de SSO da TELEDATA estão estabelecidos e documentados na LISTA DE OBJETIVOS DO SSO. Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 10 de 24

11 Os procedimentos aplicáveis ao processo são os seguintes: PSSO 006 Determinação e Avaliação de Metas e Objetivos de Saúde e Segurança Ocupacional 4.3. Planejamento do SGSSO TELEDATA O modelo de planejamento e execução adotado pela TELEDATA é o mesmo recomendado para planejamento e execução das normas internacionais da ISO, ou seja, o PDCA de perigos, avaliação de riscos e determinação de controles A organização DEVE estabelecer e manter procedimentos para a identificação continuada dos perigos, avaliação dos riscos e implementação das medidas de controle necessárias. Estes DEVEm incluir: - atividades rotineiras e não rotineiras; - atividades de todo pessoal que tem acesso ao ambiente de trabalho (incluindo contratados e visitantes); e - infra-estrutura disponível no ambiente de trabalho, quer sejam fornecidas pela organização ou não. A organização DEVE assegurar que os resultados dessas avaliações e que os efeitos destes controles sejam considerados quando do estabelecimento de objetivos e meta do SSO. A organização DEVE documenta e manter estas informações atualizadas. A metodologia adotada para a identificação de perigos e avaliação de riscos DEVE: - ser definida considerando o escopo, a natureza e o planejamento da organização, de modos a assegurar o seu caráter pró-ativo ao invés de reativo; - fornecer a classificação dos riscos e a identificação daqueles que DEVEM ser eliminados ou controlados conforme as medidas definidas nos requisitos Objetivos e Programas de gestão de SSO; - ser consistente com a experiência operacional e com a capacidade das medidas adotadas para controle dos riscos; - fornecer elementos para a determinação das características de infra-estrutura, identificação de necessidades de treinamento e/ou desenvolvimento de controles operacionais; - fornecer subsídios para o monitoramento das ações requeridas, de modo a assegurar a efetividades e os prazos de implementação definidos. A TELEDATA mantém procedimento para a identificação continuada de perigos e avaliação de riscos e a implementação das medidas de controles necessários. Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 11 de 24

12 Nos termos das exigências legais brasileiras da NR7 e NR9, a TELEDATA mantém Programa de Controle de Riscos Ambientais PPRA e Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO. O levantamento dos riscos a que os trabalhadores estão expostos no ambiente de trabalho são determinados e documentados através de medições técnicas especializadas, realizadas por Técnico de Segurança, sob a responsabilidade de Engenheiro de Segurança. Uma vez determinados os riscos, o Engenheiro de Segurança faz as recomendações necessárias para a mudança de processos, mudanças de lay-out ou outros procedimentos que venham a ser necessários para a eliminação ou mitigação dos riscos. O PCMSO, realizado sob responsabilidade de especialista Médico do Trabalho, determina os exames médicos necessários para a monitoração e controle dos efeitos da contínua exposição àqueles riscos que não puderam ser eliminados, pelas recomendações do PPRA. A TELEDATA mantém ainda SEMST, Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho nos termos determinados pela legislação brasileira de SSO. Tanto o PPRA como o PCMSO são renovados anualmente, ou à cada 6 (seis) meses, nos termos da necessidades gerada pelo grau de risco da atividade em execução. Ainda que o grau de risco da atividade principal da TELEDATA seja mínimo nas suas áreas administrativas, ela mantém PPRA e PCMSO especializados e específicos para aqueles contratos onde o ambiente do Cliente oferece riscos maiores à saúde dos trabalhadores. Os procedimentos aplicáveis ao processo são os seguintes: PSSO 001 Contratação, Gestão e Execução de PPRA e PCMSO Requisitos legais e outros A organização DEVE estabelecer e manter procedimentos para identificar e acessar os requisitos legais e demais requisitos aplicáveis, relacionados à SSO. A organização DEVE manter estas informações atualizadas. As informações pertinentes aos requisitos legais e outros requisitos DEVEM ser comunicados aos seus empregados e às outras partes interessadas relevantes. Os requisitos legais aplicáveis à matéria são as NORMAS REGULAMENTADORAS e outras orientações emanadas do Ministério do Trabalho e Emprego. Essas informações são mantidas atualizadas através da verificação regular do sítio do Ministério do Trabalho e Emprego, na Internet. Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 12 de 24

13 Objetivos e programas A organização DEVE estabelecer e manter objetivos documentados para a SSO, em cada nível e função relevantes na organização. NOTA: objetivos DEVEM ser quantificáveis sempre que praticável. Ao estabelecer e analisar criticamente seus objetivos, uma organização DEVE considerar seus requisitos legais e outros, seus perigos e riscos da SSO, suas opções tecnológicas, seus requisitos financeiros, operacionais e de negócios e as demandas e visões das partes interessadas. Os objetivos DEVEM ser consistentes com a política da SSO incluindo o compromisso com a melhoria contínua. Os objetivos da SSO da TELEDATA estão estabelecidos através da LISTA DEOBJETIVOS DA SSO. Os procedimentos aplicáveis ao processo são os seguintes: PSSO 006 Determinação e Avaliação de Metas e Objetivos de Saúde e Segurança Ocupacional Programa(s) de gestão da SSO A organização DEVE estabelecer e manter programa(s) de gestão do SSO de modo a atingir seus objetivos. Isto DEVE incluir documentação relativa a: a) responsabilidade e autoridade definidas para atingir os objetivos relacionados aos níveis e funções relevantes da organização e; b) dos meios e prazos pelos quais, e dentro dos quais, os objetivos DEVEM ser alcançados; O(s) programa(s) de gestão da SSO DEVEM ser analisados criticamente a intervalos regulares e planejados. Sempre que necessário, o(s) programa(s) DEVE(M) ser alterado(s) de modo a contemplar mudanças em atividades, produtos, serviços ou condições operacionais da organização. A TELEDATA mantém programa de gestão de SSO. A responsabilidade e autoridade estão definidas na Matriz de Responsabilidade e Autoridade Integrada, conforme definido no Manual do SGI TELEDATA. A execução da gestão é analisada criticamente pela Administração, regularmente, também nos termos definidos no Manual do SGI TELEDATA, onde são analisados e criticados a Lista e os Indicadores de Metas e Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 13 de 24

14 Objetivos de Saúde e Segurança Ocupacional. A TELEDATA também mantém procedimento documentado para a criação ou alteração de documentos e registros do Sistema. Os procedimentos aplicáveis ao processo são os seguintes: - Manual do SGI TELEDATA - Relatório de Análise Crítica pela Administração - Matriz de Responsabilidade e Autoridade Integradas - Lista de Objetivos de SSO PSGI 004 Auditorias Internas PSGI 003 Não-conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva PSGI 002 Documentos e Registros 4.4. Implementação e Operação Estrutura e responsabilidade As funções, responsabilidade e autoridade do pessoal que gerencia, realiza e verifica atividades que tenham efeito nos riscos de SSO nas atividades da organização, na infra-estrutura e processos da organização, DEVEM ser definidos, documentados e comunicados de modo a facilitar a gestão de SSO. Em última análise, a responsabilidade pela SSO é atribuição da alta administração. A organização DEVE designar um membro da alta administração (por exemplo em uma grande organização, um membro do Conselho ou um membro de um comitê executivo) com responsabilidade específica para assegurar que os sistema de gestão da SSO está adequadamente implementado e desempenhando sua função, conforme requisitos, em todas as localidades e esferas de operação que integram a organização. A gestão deve providenciar os recursos essenciais para a implementação, controle e melhoria do sistema de gestão do SSO. O membro da alta administração designado DEVE ter função, responsabilidade e autoridade definidos para: a) Assegurar que os requisitos do sistema de gestão do SSO sejam estabelecidos, implementados e mantidos de acordo com esta norma, e; b) Assegurar que os relatórios do desempenho do sistema de gestão da SSO sejam apresentados à alta administração para análise crítica, como base para melhoria do sistema de gestão da SSO. Todos aqueles com responsabilidades gerenciais na organização DEVEM demonstrar seu compromisso com a melhoria contínua do desempenho da SSO. O SGSSO TELEDATA conta com o mesmo modelo de processo dos demais sistemas componentes do Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 14 de 24

15 Sistema de Gestão Integrada TELEDATA no que se refere à determinação de recursos, funções, responsabilidades, prestação de contas e autoridades. A Matriz de Responsabilidade e Autoridade sobre o SGSSO encontra-se definida na Matriz de Responsabilidade e Autoridade Integrada, parte componente do SGI TELEDATA. A execução se dá pelos mesmos procedimentos do SGI TELEDATA, em tudo o que se refere a: Auditorias internas; Ação preventiva e ação corretiva Controle de documentos Treinamento Análise crítica pela Administração Provisão de Recursos Melhoria contínua Anualmente, a TELEDATA faz o seu Planejamento Estratégico Anual e o Orçamento Anual para o próximo exercício. Nessa ocasião são definidos e determinados os recursos para a execução, monitoração e análise de todos os sistemas componentes do SGI TELEDATA. Os procedimentos aplicáveis ao processo de recursos, funções, responsabilidades, prestação de contas e autoridades a são os seguintes: - Planejamento Estratégico Anual - Orçamento anual - Matriz de Responsabilidade e Autoridade Integrada Competência, treinamento e conscientização As pessoas DEVEM ser competentes para realizar tarefas que possam causar impacto na SSO no local de trabalho. Competência deve ser definida com base no nível de educação, treinamento e/ou experiência apropriados. A organização DEVE estabelecer e manter procedimentos para garantir que seus empregados, em cada função e nível relevante, estejam conscientes: - da importância da conformidade com a política e procedimentos da SSO e com os requisitos so sistema de gestão da SSO; - das conseqüências, reais e potenciais, de suas atividades de trabalho e dos benefícios na SSO da melhoria do desempenho pessoal; - de suas funções e responsabilidades em atingir a conformidade com a política de SSO, procedimentos e requisitos Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 15 de 24

16 no sistema de gestão da SSO, incluindo os requisitos de preparação e de atendimento a emergências ( ver item Preparação e atendimento a emergências);e - das potenciais conseqüências da inobservância de procedimentos operacionais específicos. Os procedimentos de treinamento devem considerar diferenças nos níveis de: - responsabilidade, habilidade e alfabetização; e - risco O modelo de identificação de necessidades e execução se treinamento segue o mesmo processo em todos os sistemas componentes do SGI, nos termos definidos no documento certificado ISO9001:2004. A necessidade de treinamento é identificada, criticada e autorizada, sendo a execução e a avaliação controladas. A TELEDATA também está sujeita muitas vezes a obrigações contratuais de realização de treinamentos. Nos casos de obrigações contratuais, a fase de identificação da necessidade de treinamento restringe-se à definição de quais treinamentos serão realizados e quais profissionais serão treinados. O Guia Operacional do Contrato define quais (se específicos) e quantas horas de treinamento deverão ser realizadas por ano, por quais profissionais. Essas informações são registradas no Cronograma de Treinamentos. Os treinamentos específicos de segurança estão especialmente definidos no Guia Operacional do Contrato. Os procedimentos aplicáveis ao processo de treinamentos são os seguintes: PSGI 001 Treinamento, Conscientização e Competências Comunicação, participação e consulta A organização DEVE ter procedimentos para assegurar que a informação pertinente da SSO seja comunicada aos empregados e demais partes interessadas, bem como recebida das mesmas. As providências para o envolvimento e consulta aos empregados devem ser documentadas e as partes interessadas informadas. Os empregados devem: - ser envolvidos no desenvolvimento da análise crítica de políticas que afetam a saúde e a segurança do local de trabalho; - ser consultados quando da ocorrência de alterações que afetam a saúde e a segurança do local de trabalho; - ser representados sobre os assuntos da saúde e segurança e - ser informados sobre quem são o(s) seu(s) representante(s) para SSO e quem é o membro da alta administração designado (ver item Estrutura e Responsabilidades). Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 16 de 24

17 A TELEDATA tem processo de divulgação de informações quanto à sua Política de SSO e quanto às responsabilidades de todos os profissionais, na boa condução do sistema de SSO, além das suas responsabilidades quanto à execução do PPRA e do PCMSO. A TELEDATA disponibiliza ainda, através da OUVIDORIA, um canal de comunicação direta entre os empregados e a alta administração, além da Coordenação do SGI. Os representantes de todas as partes envolvidas estão designados através da Matriz de Autoridade e Responsabilidade Integradas. Os procedimentos aplicáveis ao processo de Comunicação, participação e consulta são os seguintes: - Matriz de Autoridade e Responsabilidade Integrada PSGI 005 Ouvidoria e Comunicação Guia Operacional do Contrato PSQ 013 Gerenciamento Operacional PSQ 018 Implementação de Contratos Documentação A organização DEVE estabelecer e manter informações em meio adequado, como papel ou mídia eletrônica, para: a) Descrever os principais elementos do sistema de gestão e as interações ente eles; e b) Fornecer orientação sobe a documentação relacionada. NOTA: é importante que a documentação seja mantida a um mínimo necessário para controlar todos os documentos e dados requeridos para a eficiência e efetividade do sistema de gestão de SSO Controle de Documentos A organização DEVE estabelecer e manter procedimentos para controlar todos os documentos e dados requeridos por esta norma para assegurar que: a) Eles possam ser localizados; b) Eles sejam periodicamente analisados criticamente, revisados quando necessário e aprovados quanto à adequação por pessoal autorizado; c) As versões correntes dos documentos e dados relevantes estejam disponíveis em todos os locais onde operações essenciais para o funcionamento efetivo do sistema de gestão da SSO sejam realizados. d) Documentos e dados obsoletos sejam prontamente removidos de todos os pontos de emissão e de uso ou caso contrário que estejam assegurados contra o uso inadvertido e Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 17 de 24

18 e) Documentos e dados obsoletos retidos para propósitos legais e/ou de preservação do conhecimento sejam adequadamente identificados; A TELEDATA mantém procedimento integrado, para tratamento equivalente de documentos, procedimentos e registros em todo o SGI TELEDATA. Os procedimentos aplicáveis ao processo de controle de documentos são os seguintes: - Manual do SGI PSGI 002 Documentos e Registros Controle Operacional A organização DEVE identificar aquelas operações e atividades associadas aos riscos identificados que necessitam de medidas de controle. A organização DEVE planejar tais atividades, incluindo manutenção, de modo a assegurar que estas sejam realizadas sob condições especificadas, através: a) Do estabelecimento e manutenção de procedimentos documentados para cobrir situações onde sua ausência possa acarretar desvios em relação à política e aos objetivos da SSO; b) Da estipulação de critérios de operação nos procedimentos; c) Do estabelecimento e manutenção de procedimentos relativos aos riscos identificáveis de bens, equipamentos e serviços comprados e/ou usados pela organização e da comunicação dos procedimentos e requisitos relevantes a serem atendidos por fornecedores e contratados e; d) Do estabelecimento e manutenção de procedimentos para o projeto de locais de trabalho, processos, instalações, maquinarias, procedimentos operacionais e organização do trabalho, incluindo as adaptações destes às capacidades humanas, de modo a eliminar ou reduzir riscos da SSO nas suas fontes. As operações e atividades que necessitam de controle são aquelas realizadas nos locais com riscos identificados de Nível 3 e 4. Sendo assim, são as atividades realizadas nos ambientes de clientes com esses mesmos níveis de riscos identificados. Os graus de risco identificados nas áreas administrativas da TELEDATA estão classificados nos níveis 1 e 2, nos termos das medições realizadas e das NRs aplicáveis à matéria. Os procedimentos aplicáveis ao processo de controle operacional são os seguintes: PSSO 001 Contratação, Gestão e Execução de PPRA e PCMSO - PPRA por contrato / local de trabalho Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 18 de 24

19 - PCMSO por contrato / local de trabalho PSSO 004 Levantamento e Análise de Indicadores de SSO PSS0 005 Trabalho em ambientes perigosos ou insalubres Preparação e resposta a emergências A organização deve estabelecer e manter planos e procedimentos para identificar o potencial e atender a incidentes e situações de emergência, bem como para prevenir e mitigar as doenças e lesões que possam estar associados a estes. A organização DEVE analisar criticamente seus planos e procedimentos de preparação e resposta a emergências, em particular após a ocorrência de incidentes ou de situações de emergência. A organização DEVE também testar periodicamente tais procedimentos onde praticável. A TELEDATA mantém procedimento documentado para preparação e resposta a emergências de Saúde e Segurança Ocupacional. A prevenção e as formas de mitigar doença e lesões que possam vir a estar associadas a emergências e saúde ocupacional estão previstas do PCMSO aplicável à cada contrato Nos locais onde for praticável, os procedimentos são testados periodicamente. A definição de, se é possível ou não testar a preparação e resposta a emergência está definida no procedimento específico. Os procedimentos aplicáveis ao processo de controle operacional são os seguintes: PSSO 003 Preparação e resposta a emergências PSSO 001 Contratação, Gestão e Execução de PPRA e PCMSO - PCMSO por contrato 4.5. Verificação e ação corretiva Monitoramento e medição do desempenho A organização DEVE estabelecer e manter procedimentos para monitorar e medir, periodicamente o desempenho da SSO. Estes procedimentos devem incluir: - medidas qualitativas e quantitativas apropriadas às necessidades da organização; - monitoramento da extensão na qual os objetivos da SSO são atingidos; Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 19 de 24

20 - medidas pró-ativas de desempenho que monitorem o cumprimento do(s) programa(s) de gestão da SSO, critérios operacionais e requisitos legais e regulamentares aplicáveis; - medidas relativas ao desempenho que monitorem acidentes, doenças, incidentes ( incluindo quase-acidentes) e outras evidências históricas do desempenho eficiente da segurança e saúde; - registros de dados e resultados de monitoramentos e medições suficientes para facilitar a análise das ações corretivas e preventivas necessárias. Caso seja necessária a utilização de equipamentos para a realização de medições e monitoramentos, a organização DEVE estabelecer e manter procedimentos para a calibração e manutenção de tais equipamentos. Registros de calibração e das atividades de manutenção, bem como dos respectivos resultados, devem ser mantidos. A TELEDATA mantém procedimentos para a verificação periódica do desempenho do SSO. Também mantém medições regulares em relação a acidentes e incidentes. Onde os contratos prevêm a obrigatoriedade, os registros originais de incidentes e acidentes são entregues regularmente ao cliente, sendo então esses emitidos com cópias, que são armazenadas na TELEDATA para a verificação de funcionamento do sistema. Os procedimentos aplicáveis ao processo de monitoramento e medição de desempenho são os seguintes: - Manual do SGI PSSO Monitoração e registro de acidentes e incidentes PSSO 002 Investigação e Tratamento de Incidentes e Acidentes PSSO 004 Levantamento e Análise de Indicadores de SSO PSGI 004 Auditoria Interna Acidentes, incidentes, não-conformidade e ações corretivas e preventivas A organização DEVE estabelecer e manter procedimentos para definir a responsabilidade e a autoridade para: a) O tratamento e a investigação de: - acidentes; - incidentes - não-conformidades b) A tomada de ações que mitiguem qualquer conseqüências de acidentes, incidentes ou não conformidades; c) O início e conclusão de ações corretivas e preventivas Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 20 de 24

21 d) A confirmação da efetividade das ações corretivas e preventivas tomadas. Estes procedimentos DEVEM requerer que as ações corretivas e preventivas propostas sejam criticamente analisadas por meio de processo de avaliação de risco antes de serem implementadas. Quaisquer ações corretivas ou preventivas tomadas para eliminar as causas de não-conformidades reais e potenciais DEVEM ser apropriadas à magnitude do problemas e proporcionais aos riscos de SSO encontrados. A organização deve implementar e registrar quaisquer alterações nos procedimentos documentados resultantes de ações corretivas e preventivas. O processo relacionado a Não-conformidades, Ações Preventivas e Ações Corretivas é tratado de forma única, em todos os sistemas componentes do SGI. As definições de responsabilidade e autoridade além de estarem incluídas nos procedimentos, também são parte integrante da Matriz de Responsabilidade e Autoridade Integrada. O processo de tratamento e investigação de ACIDENTES e INCIDENTES, têm procedimentos específicos dentro do próprio Sistema de Gerenciamento de Saúde e Segurança Ocupacional. Os procedimentos aplicáveis ao processo de controle de não-conformidade, ação preventiva e ação corretiva são os seguintes: - Manual do SGI PSGI 003 Não-conformidades, Ações Corretivas e Ações Preventivas PSSO 002 Investigação e Tratamento de Incidentes e Acidentes Registros e Gestão de Registros A organização DEVE estabelecer e manter procedimentos para a identificação, manutenção e disposição de registros da SSO, incluindo os resultados de auditoria e de análises críticas. Os registros da SSO devem ser legíveis e identificáveis permitindo rastrear a atividades envolvida. Os registros da SSO DEVEM ser armazenados e mantidos de uma tal forma a permitir sua pronta recuperação, sendo protegidos contra avarias, deterioração ou perdas. O período de retenção deve ser estabelecido e registrado. Os registros devem ser mantidos, conforme apropriado ao sistema e à organização para demonstrar a conformidade as requisitos desta norma. O processo relacionado a manutenção e gestão de registros é tratado de forma única, em todos os sistemas componentes do SGI Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 21 de 24

22 b) Procedimentos Aplicáveis Os procedimentos aplicáveis ao processo de controle de registros são os seguintes: PSGI 002 Documentos e Registros Auditoria A organização DEVE estabelecer e manter programa(s) e procedimento(s) para auditorias periódicas do sistema de gestão da SSO a serem realizadas, de forma a: a) Determinar se o sistema de gestão da SSO 1) Está em conformidade com as disposições planejadas para gestão da SSO, inclusive aos requisitos desta norma; 2) Tem sido adequadamente implementado e mantido; 3) É efetivo em atender a política e aos objetivos da organização b) Rever os resultados de auditorias anteriores; c) Fornecer informações sobre os resultados das auditorias à administração O programa de auditoria, incluindo quaisquer cronogramas, DEVE ser baseado nos resultados da análise de riscos das atividades da organização e no resultado das auditorias anteriores. Os procedimentos de auditoria DEVEM cobrir o escopo, a freqüência, as metodologias e competências, bem como as responsabilidades e requisitos relativos à condução de auditorias e à apresentação de resultados. Sempre que possível, as auditorias DEVEM ser conduzidas por pessoal independente, ou seja, que não possua responsabilidade direta sobre as atividades que estão sendo avaliadas; NOTA: o termo independente não significa, necessariamente, pessoal externo à organização. A TELEDATA dispõe de procedimento de Auditoria Interna, aplicável nos termos definidos no Manual do SGI e no procedimento próprio. a) Procedimentos aplicáveis Os procedimentos aplicáveis ao processo de auditoria são os seguintes: PSGI 004 Auditoria Interna Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 22 de 24

23 4.6. Análise crítica pela administração A alta administração da organização, em intervalos por ela predeterminados, DEVE analisar criticamente o sistema de gestão da SSO., para assegurar sua conveniência, adequação e eficácia contínuas. O processo de análise crítica deve assegurar que as informações necessárias sejam coletadas de modo a permitir à administração proceder a avaliação. Esta análise deve ser documentada. A análise crítica pela administração DEVE abordar a eventual necessidade de alterações na política, nos objetivos e em outros elementos do sistema de gestão da SSO, à luz dos resultados de auditorias do sistema de gestão da SSO, da mudança de circunstâncias e do compromisso com a melhoria contínua. A análise Crítica pela Administração faz parte do Sistema de Gestão Integrada TELEDATA e segue o mesmo procedimento em todos os componentes, nos mesmos termos do Manual do SGI TELEDATA. Os procedimentos aplicáveis ao processo de análise crítica pela Administração são os seguintes: - Manual do SGI Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 23 de 24

24 5. Registro de alterações Versão Data Alteração 01 02/01/2007 Versão inicial do manual Manual do Sistema de Gerenciamento de Segurança e Saúde Ocupacional DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 FOLHA: 24 de 24

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional.

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS foi elaborada de acordo com as regras estabelecidas nas Diretrizes ISO/IEC,

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL ESPECIFICAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL ESPECIFICAÇÃO ICS 03.100.01; 13.100 1 / 30 APRESENTAÇÃO A OHSAS 18001 foi desenvolvida com a participação das seguintes organizações: National Standards

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos

ABNT NBR 15331 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15331 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos Adventure tourism Safety management system Requirements

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA DIREÇÃO Data da Reunião: 15/03/2011 Data da Próima Reunião: março/2012 Folha: Total de 4 PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE I INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Módulo 01: Generalidades (10 horas). o Sistema de Gestão: o que é e quais os benefícios? o Qualidade o Ambiental o Saúde e Segurança no Trabalho o Sistema

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para:

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para: Manual da Qualidade A norma recomenda: o escopo do sistema de gestão da qualidade, incluindo detalhes e justificativas para quaisquer exclusões os procedimentos documentados estabelecidos para o sistema

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso Página 1 NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) INTRODUÇÃO 1 ESCOPO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 4.0. Generalidades

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX Denominação: Tratamento de não conformidades, ações corretivas e preventivas PG.SMS.015 SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática utilizada na identificação, registro e

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S 200 D I F E R E N C I A D O S Sistema de Gestão Unificado - Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacional.. Baseado no padrão C&Z4003 que reúne os

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ABRANGÊNCIA... 3 4. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO... 4 5. GERENCIAMENTO DO RISCO... 5 6. ATIVIDADES PROIBITIVAS E RESTRITIVAS... 6 7. ANÁLISE DE CRÉDITO...

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO

NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL - ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO Sumário NBR ISO 14001 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL ESPECIFICAÇÀO E DIRETRIZES PARA USO 1 Objetivos e campo de aplicação 2 Referências normativas 3 Definições 4 Requisitos do sistema de gestão ambiental

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006. Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009

Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006. Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009 Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006 Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009 Agenda Elementos centrais da Seg. da Informação O Par ABNT:ISO 27001 e ABNT:ISO 17799 Visão

Leia mais