ph do sangue arterial = 7.4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ph do sangue arterial = 7.4"

Transcrição

1 Regulação do Equilíbrio Ácido Base ph do sangue arterial = 7.4 < 6.9 ou > 7.7 = MORTE 1

2 Importância do ph nos processos biológicos Protonação ou desprotonação de radicais proteicos Variação da carga total da molécula Proteínas Estado ionização de resíduos de a.a. e dos grupos terminais amino e carboxílico Conformação espacial Reactividade Actividade é função do ph Enzimas Receptores Membranares Transportadores Taxas de trocas entre meios 2

3 Variação do ph induz variação no Volume Celular Aumento do ph Desprotonização de uma molécula Aumento nº de partículas/ unidade de volume Líquido celular hipertónico Entrada de água Aumento Volume Celular Diminuição do ph Protonização de uma molécula Diminuição nº de partículas/ unidade de volume Líquido celular hipotónico Saída de água Diminuição Volume Celular ph hiper iso água volume iso ph hipo água volume iso iso 3

4 Principais fontes de protões no organismo Aeróbio Glucose Anaeróbio Ácidos Gordos Proteínas Fosfolípidos CO 2 Ác.. Láctico Corpos Cetónicos H 3 PO 4 H 2 SO 4 H + H + H + H + H + H + H + H + H + H + H + H + H + H + H + H + H + H + 4

5 Produção Diária de Protões Produção diária de protões = 50 meq/l Excreção diária de protões = 0.2 meq/l ph Sangue Arterial = 7.45 ph Sangue Venoso = 7.35 Acidose quando ph < 7.35 Alcalose quando ph > 7.45 <6.9 ou > 7.7 = MORTE 5

6 Mecanismos Fisiológicos de controlo da [H + ] plasmática Sistemas Tampão Tamponamento Químico (rápido) Pulmão Ajuste Respiratório (lento) Rim Ajuste Renal (mais lento) Para pequenos desiquilíbrios os três mecanismos funcionam em conjunto 6

7 Regulação do ph no Organismo Tamponamento Químico (rápido) Ajuste Respiratório (lento) Ajuste Renal (mais lento) Para pequenos desiquilíbrios os três mecanismos funcionam em conjunto 7

8 Tamponamento Químico HA H + + A ácido protão base Constante de equilíbrio K = [H + ] [A ] [HA] Equação de Henderson Hassalbalch ph = pk + log [A ] [HA] 8

9 Principais Tampões Fisiológicos Intracelulares Ião Bicarbonato Fosfato Proteínas Plasmáticos Ião Bicarbonato Hemoglobina Proteínas plasmáticas 9

10 Tamponamento Químico Fosfato Proteína H 2 PO 4 H H HPO H + H H + nh Pr nh + Tampão Bicarbonato CO 2 + H 2 O H 2 CO 3 H + + HCO 3 10

11 Tampão Bicarbonato a 37 º pka = 6.1 α = 0.03 é a relação entre [H 2 CO 3 ] e pco 2 pco 2 arterial = 40 mm Hg 10 mmoles HCl [HCO 3 ]= 24 mm α pco 2 = 1.2 [HCO 3 ]= 14 mm α pco 2 = 11.2 ph = 7.4 ph = 6.2 ph = pka + log [HCO 3 ] α pco 2 11

12 Tampão Bicarbonato pka = 6.1 pco 2 = 40 mm Hg pco 2 = 40 mm Hg 10 mmoles HCl [HCO 3 ]= 24 mm α pco 2 = 1.2 [HCO 3 ]= 14 mm α pco 2 = 1.2 ph = 7.4 ph = 7.2 ph = pka + log [HCO 3 ] α pco 2 12

13 Tampão Bicarbonato pka = 6.1 CO 2 + H 2 O H 2 CO 3 H + + HCO 3 Relação fixa Por isso. ph α [HCO 3 ] [pco 2 ] 13

14 Impotância Fisiológica do Tampão Bicarbonato CO 2 + H 2 O H 2 CO 3 H + + HCO 3 RIM regula ph α [HCO 3 ] [pco 2 ] PULMÃO regula 14

15 Regulação do ph no Organismo Tamponamento Químico (rápido) Ajuste Respiratório (lento) Ajuste Renal (mais lento) Para pequenos desiquilíbrios os três mecasnismos funcionam em conjunto 15

16 Sangue Arterial Valores Normais ph 7.4 [HCO 3 ] 24 mmol pco 2 40mm Hg ph α [HCO 3 ] [pco 2 ] 16

17 Controlo Respiratório ph estimula respiração (quimioreceptores periféricos) CO 2 + H 2 0 H + + HCO 3 ph aumenta ventilação... CO 2 é eliminado 17

18 Controlo Respiratório ph estimula respiração (quimioreceptores periféricos) CO 2 + H 2 0 H + + HCO 3 ph Reacção movese para a esquerda ph aumenta ventilação... CO 2 é eliminado ph restabelecido 18

19 Sistemas tampão Quando é que um Tampão Fisiológico possui a sua eficácia máxima? 19

20 Regulação do ph plasmático Tamponamento Químico (rápido) Ajuste Respiratório (lento) Ajuste Renal (mais lento) Para pequenos desiquilíbrios os três mecasnismos funcionam em conjunto 20

21 H + é secretado no Tubulos Proximal e Ducto Colector Lumen Sangue H + Na + antiporte ATPase protões H + 21

22 HCO 3 do filtrado é reabsorvido no Túbulo Proximal Lumen Sangue HCO 3 H + Na + H + + HCO 3 HCO 3 H 2 CO 3 CO 2 ca H 2 O CO 2 ca H 2 O ca anidrase carbónica 22

23 Túbulo Proximal Sempre que 1 protão é secretado, um ião HCO 3 é adicionado ao sangue Um ião H + secretado reage com um ião HCO 3 filtrado HCO 3 é, com efeito reabsorvido 23

24 Túbulo Distal Excreção do H + via Tampão Fosfato Lumen Sangue HPO 4 HPO H + H 2 PO 4 ATPase protões H + + HCO 3 CO 2 ca H 2 O HCO 3 24

25 Túbulo Distal Excreção do H + via Tampão Amónia Lumen Sangue NH 3 + NH 4 H + NH 3 Glutamina Glutamato H + + HCO 3 CO 2 ca H 2 O HCO 3 25

26 RIM Sempre que um ião H + é secretado, um ião HCO 3 é adicionado ao sangue Um ião H + secretado reage com um ião HCO 3 filtrado. SE um ião H + secretado reage com outro tampão tubular, passa para o plasma HCO 3 adicional. 26

27 Acidoses e Alcaloses Acidoses ou alcaloses Respiratórias ph α [HCO 3 ] [pco 2 ] Acidoses ou alcaloses Metabólicas ph α [HCO 3 ] [pco 2 ] 27

28 Diagrama de Davenport [pco 2 ] [HCO 3 ] [pco 2 ] 20 ph 28

29 Acidose Respiratória Insuficiência Respiratória Redução na Eliminação de CO 2 Aumento da pco 2 nos tecidos. O equilíbrio deslocase para a direita. CO 2 + H 2 0 H + + HCO 3 29

30 Acidose Respiratória Alteração Primária: Resultado: pco 2 arterial HCO 3 e H + no plasma Compensação Renal : Secreção de H + Secreção Renal H + significa retenção de HCO 3. [HCO 3 ] permanecerá elevada enquanto durar desiquilibro respiratório 30

31 Acidose Respiratória Causas possíveis: 1) Doenças pulmonares Pulmão inactivo 2) Anestésicos e drogas Compensação Renal [HCO 3 ] 24 mm Alteração Primária ph

32 Alcalose Respiratória Alteração Primária: Resultado: pco 2 arterial HCO 3 e H + no plasma Compensação Renal : Secreção de H + da Secreção Renal H + provoca da retenção de HCO 3. [HCO 3 ] permanecerá baixa enquanto durar o desiquilibro respiratório 32

33 Alcalose respiratória Algumas causas possíveis: 1) Dor 2) Histeria 3) Hipóxia [HCO 3 ] 24 mm Alteração Primária Compensação Renal ph

34 Acidose Metabólica Adição de H + que não de natureza respiratória Aumento directo da [H + ] nos tecidos (diminuição de ph) O equilíbrio deslocase para a esquerda efeito tampão simples CO 2 + H 2 0 H + + HCO 3 34

35 Acidose Metabólica Alteração Primária: Adição de H + exógeno ou metabólico Perda de HCO 3 no intestino.. Resultado: do HCO 3 no plasma Compensação Respiratória (iniciase rapidamente): aumento da ventilação mais o HCO 3, mas restabelecendo o H + Renal (mais( lenta): Secreção de H + Reposição de HCO 3 35

36 Acidose Metabólica Causas possíveis: 1) Perda de Base (ex: diarreia). 2) Ganho de ácido (diabetes, insuficiência renal). [HCO 3 ] 24 mm Alteração Primária Compensação Renal HCO 3 conservado Compensação Respiratória ph

37 Alcalose Metabólica Perda de H+ que não de origem respiratória Diminuição da [H + ] (aumento do ph). O equilíbrio deslocase para a direita efeito tampão simples CO 2 + H 2 0 H + + HCO 3 37

38 Alcalose Metabólica Alteração Primária: Adição de HCO 3 exógeno Perda de H + no intestino. Resultado: do HCO 3 no plasma Compensação Respiratória (Iniciase rapidamente) redução da ventilação HCO 3 aumenta mais, mas restabelece H + Renal (mais lenta) redução da secreção de H + permite excretar HCO 3 na urina 38

39 Alcalose Metabólica Algumas causas possíveis: 1) Ingestão de excesso de Base. 2) Perda de ácido (Vómito) [HCO 3 ] Compensação renal HCO 3 perdido na urina Compensação Respiratória 24 mm Alteração primária ph

Conceito de ph ph = - Log [H + ] Aumento [H + ] => diminuição do ph => acidose Diminuição [H + ] => aumento do ph => alcalose Alterações são dependent

Conceito de ph ph = - Log [H + ] Aumento [H + ] => diminuição do ph => acidose Diminuição [H + ] => aumento do ph => alcalose Alterações são dependent Equilíbrio ácido-básico A concentração de H no FEC é mantida dentro de um limite extremamente estreito: 40 nmol/l = 1.000.000 menor que a Concentração dos outros íons!! [H] tem profundo efeito nos eventos

Leia mais

Manutenção do ph do sangue

Manutenção do ph do sangue Manutenção do ph do sangue Muitos dos fluidos biológicos, quer no interior, quer no exterior das células, apresentam intervalos de ph muito apertados, ou seja um valor de ph praticamente constante, uma

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012 Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICOPRÁTICO 5ª AULA TEÓRICOPRÁTICA RESOLUÇÃO

Leia mais

Tampão. O que é? MISTURA DE UM ÁCIDO FRACO COM SUA BASE CONJUGADA, QUE ESTABILIZA O P H DE UMA SOLUÇÃO

Tampão. O que é? MISTURA DE UM ÁCIDO FRACO COM SUA BASE CONJUGADA, QUE ESTABILIZA O P H DE UMA SOLUÇÃO Tampões biológicos Relembrar os conceitos de ácido e base (Brönsted-Lowry), ph, pka; Compreender a importância do ph na manutenção da estrutura tridimensional das biomoléculas; Conhecer os valores de ph

Leia mais

TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Plasma sanguíneo ph normal Acidose Alcalose Líquido extracelular Sangue arterial

Leia mais

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012 BIOQUÍMICA II Professora: Ms. Renata Fontes Medicina Veterinária 3º Período O conteúdo de Bioquímica II utiliza os conhecimentos adquiridos referentes ao estudo do metabolismo celular e fenômenos físicos

Leia mais

Ácidos, bases e sistemas tampão

Ácidos, bases e sistemas tampão Ácidos, bases e sistemas tampão Ionização da água A água pura tem uma baixa concentração de iões hidrónio (H 3 O + ) e uma igual concentração de iões hidróxido (OH - ) Os ácidos são dadores de protões

Leia mais

MECANISMOS DE ACIDIFICAÇÃO URINÁRIA. Carlos Balda UNIFESP

MECANISMOS DE ACIDIFICAÇÃO URINÁRIA. Carlos Balda UNIFESP MECANISMOS DE ACIDIFICAÇÃO URINÁRIA Carlos Balda UNIFESP - 2012 Steady State Equilíbrio Dinâmico VALORES NORMAIS ph H+ (nanoeq/l) pco 2 (mmhg) HCO 3 (meq/l) ARTERIAL 7,37-7,43 37-43 36-44 22-26 VENOSO

Leia mais

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake. Equilíbrio químico em solução aquosa. Soluções-tampão. Soluções tampão

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake. Equilíbrio químico em solução aquosa. Soluções-tampão. Soluções tampão Equilíbrio químico em solução aquosa Soluções-tampão 1 Soluções tampão Definição: soluções que podem resistir a variações significativas de ph. (se adicionamos quantidades pequenas de ácidos fortes ou

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins Biofísica renal Estrutura e função dos rins Múltiplas funções do sistema renal Regulação do balanço hídrico e eletrolítico (volume e osmolaridade) Regulação do equilíbrio ácidobásico (ph) Excreção de produtos

Leia mais

ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes ph = potencial hidrogeniônico ph = -log [H + ] Sorenson 1909 A escala de ph é logarítma; portanto, quando duas

Leia mais

tampão Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B

tampão Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B Cap 3: Equilíbrio Químico Soluções tampão Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B Água:excepcional habilidade em dissolver grande

Leia mais

98% intracelular extracelular

98% intracelular extracelular DISTRIBUIÇÃO CORPORAL DE 98% intracelular extracelular 2% HOMEOSTASE DE POTÁSSIO BALANÇO EXTERNO vs BALANÇO INTERNO BALANÇO INTERNO BALANÇO EXTERNO HOMEOSTASE DE POTÁSSIO BALANÇO EXTERNO vs BALANÇO INTERNO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA

A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA A ÁGUA A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA A água é a substância mais abundante nos sistemas vivos, prefazendo 70% ou mais do peso da maioria dos organismos. Os primeiros organismos vivos iniciaram a sua vida num ambiente

Leia mais

Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran

Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran FCAV/ UNESP Jaboticabal Disciplina: Química Geral Assunto: Solução Tampão Docente: Prof a. Dr a. Luciana M. Saran 1 1. INTRODUÇÃO Por que a adição de 0,01 mol de HCl à 1L de sangue humano, altera o ph

Leia mais

Profa Maria Clorinda EV/UFG

Profa Maria Clorinda EV/UFG Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG Departamento de Medicina Veterinária Maria Clorinda Soares Fioravanti (clorinda@vet.ufg.br) Disciplina: Clínica Médica de Pequenos Animais Profa Maria Clorinda

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias; Alterações do potássio; Acidoses

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Fisiologia Renal Função Tubular Formação da Urina Clearance (Depuração) Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL- ARTIGO DE REVISÃO. interpretação

GASOMETRIA ARTERIAL- ARTIGO DE REVISÃO. interpretação TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO GASOMETRIA ARTERIAL- ARTIGO DE REVISÃO interpretação Dra Leticia Godoy Dias Sanderson Porto Ferreira, fevereiro 2012 Resumo O objetivo do estudo é identificar na literatura

Leia mais

Equilíbrio Ácido-Básico. Água : solvente das reações químicas

Equilíbrio Ácido-Básico. Água : solvente das reações químicas Equilíbrio Ácido-Básico Água : solvente das reações químicas Introdução Polaridade molecular: moléculas que possuem uma maior concentração de cargas numa parte da molécula. Os elétrons são compartilhados

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Universidade Federal Rural de Pernambuco Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Área de Biofísica Medindo o potencial Hidrogeniônico Prof. Romildo Nogueira 1. Entendendo as bases A manutenção da

Leia mais

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal FUNÇÕES DOS RINS Controle da osmolaridade dos fluidos corporais Regulação do volume dos fluidos corporais (controle a longo prazo da pressão arterial) Regulação da concentração de eletrólitos: Na +, K

Leia mais

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro:

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: TROCAS GASOSAS E CONTROLE DO TRANSPORTE DE GASES Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: 1. Trocas gasosas 1.1. Locais

Leia mais

O plasma sanguíneo contém uma reserva ("pool") total de carbonato (essencialmente HCO 3-

O plasma sanguíneo contém uma reserva (pool) total de carbonato (essencialmente HCO 3- Exercícios 1. Segel, Biochemical Calculations, Capítulo 1, Problema 1-19. O Ka do ácido fraco HA é 1,6 x 10-6. Calcular: a) O grau de ionização do ácido para uma solução 10-3 M. b) O ph 2. Segel, Biochemical

Leia mais

GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS

GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS CBHPM 4.03.0.01-6 AMB 8.01.096-5 CBHPM 4.14.01.16-6 Sinonímia: Gasometria de Siggaard-Andersen. Teste de exercício em ergômetro com realização de gasometria arterial. Gasometria

Leia mais

EQÚILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO E ACIFICAÇÃO URINÁRIA. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

EQÚILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO E ACIFICAÇÃO URINÁRIA. Profa. Dra. Monica Akemi Sato EQÚILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO E ACIFICAÇÃO URINÁRIA Profa. Dra. Monica Akemi Sato Introdução Homeostasia: constância do meio interno Claude Bernard Parâmetros fisiológicos constantes: temperatura, volume, pressão,

Leia mais

Farmacologia I, Aulas Práticas

Farmacologia I, Aulas Práticas Farmacologia I, Aulas Práticas Aula 4 TÉCNICAS ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIAS DE EXCREÇÃO DE MEDICAMENTOS Conhecimentos a adquirir: Conhecer as vias de eliminação de fármacos, sabendo adaptar a dose.

Leia mais

Equilíbrio Ácido-base. Controle de ph por meio de soluções tampão

Equilíbrio Ácido-base. Controle de ph por meio de soluções tampão Equilíbrio Ácido-base Controle de ph por meio de soluções tampão Conceitos Soluções tampão = são sistemas aquosos que tendem a resistir a mudanças no seu ph quando pequenas quantidades de ácido ( H + )

Leia mais

Ciclo Respiratório Normal. Como Respiramos? Prova de Função Pulmonar. Que diz a espirometria? Espirômetro. Sensível ao volume.

Ciclo Respiratório Normal. Como Respiramos? Prova de Função Pulmonar. Que diz a espirometria? Espirômetro. Sensível ao volume. Ciclo Respiratório Normal Como Respiramos? Prova de Função Pulmonar Que diz a espirometria? Espirômetro Sensível ao volume Sensível ao fluxo 1 FEV1 / FVC % Visão Geral da Hematose O índice espirométrico

Leia mais

Fisiologia do Sistema Urinário

Fisiologia do Sistema Urinário Esse sistema é responsável pela maior parte da excreção. Este conceito define os processos pelos quais o organismo se livra de substâncias tóxicas (ou em excesso) resultantes do metabolismo celular, denominadas

Leia mais

Fisiologia Renal. Fisiologia Renal. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através da: Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno

Fisiologia Renal. Fisiologia Renal. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através da: Órgãos responsáveis pela manutenção do meio interno isiologia Renal isiologia Renal Profa. Ana Maria da Silva Curado Lins, M.Sc. Departamento de Biologia Primeira parte: Conceitos gerais e filtração glomerular Atenção: Esta apresentação possui animações.

Leia mais

Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique

Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique 1.0 Excreção Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique É a Eliminação de subprodutos do metabolismo celular. 1.1 Homeostase É uma condição na qual o meio interno do corpo permanece dentro

Leia mais

Excreção. Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue.

Excreção. Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue. Sistema Urinário Excreção Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue. Como eliminar os produtos tóxicos que se formam nas células? Vias

Leia mais

FARMACOLOGIA. Aula 11 Continuação da aula anterior Rim Diuréticos Antidiuréticos Modificadores do transporte tubular ANTIGOTOSOS

FARMACOLOGIA. Aula 11 Continuação da aula anterior Rim Diuréticos Antidiuréticos Modificadores do transporte tubular ANTIGOTOSOS FARMACOLOGIA Aula 11 Continuação da aula anterior Rim Diuréticos Antidiuréticos Modificadores do transporte tubular ANTIGOTOSOS RIM RIM RIM Filtra perto de 150 litros por dia! Após secreção e reabsorção

Leia mais

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Na aula de hoje, vamos falar de: 1. Importância da análise de amostras biológicas como ferramentas de diagnóstico 2. Composição dos dois fluidos mais analisados:

Leia mais

ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA

ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA ARTIGO SOBRE OS PERSONAGENS MARCANTES DA HISTÓRIA DA FISIOLOGIA Adaptação Ponto de vista evolutivo Exemplos: gado Zebu X gado europeu Aclimatação Alteração fisiológica, bioquímica ou anatômica a partir

Leia mais

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Avaliação da Função Renal Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Funções do Rim Balanço hídrico e salino Excreção de compostos nitrogenados Regulação ácido-base Metabolismo ósseo

Leia mais

Teste de frequência módulo de Bioquímica 21 Jan 98

Teste de frequência módulo de Bioquímica 21 Jan 98 Licenciatura em Enfermagem Biofísica e Bioquímica 1º Ano - 1º Semestre 2007/2008 Teste de frequência módulo de Bioquímica 21 Jan 98 Cotação máxima 13,5 valores (A cotação de cada pergunta está indicada

Leia mais

água 47 mmhg Hg) 37 o C Temperatura ( o C)

água 47 mmhg Hg) 37 o C Temperatura ( o C) Difusão e Transporte dos Gases Propriedade dos Gases Lei dos gases A pressão dos gases é determinada pelo impacto constante das moléculas em movimento contra uma superfície. Os gases dissolvidos na água

Leia mais

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser Sistema Renal Profa Msc Melissa Kayser Componentes anatômicos Rins Ureteres Bexiga urinária Uretra O sangue é filtrado nos rins, onde os resíduos são coletados em forma de urina, que flui para pelve renal,

Leia mais

Classificação. Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida

Classificação. Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida Diuréticos Classificação Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Hidroclorotiazida:

Leia mais

Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração

Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração DROGA ORGANISMO Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração FARMACOCINÉTICA Absorção Distribuição Biotransformação Eliminação FARMACODINÂMICA Local de ação Mecanismo

Leia mais

05)Quanto ao ciclo de Krebs é INCORRETO afirmar que:

05)Quanto ao ciclo de Krebs é INCORRETO afirmar que: FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Questões de Avaliação Parte I 01)Compare a energia produzida pela degradação da glicose pela via aeróbica e pela via anaeróbica terminando com o lactato, destacando quais as vantagens

Leia mais

PERÍODO ABSORTIVO E PÓS-ABSORTIVO

PERÍODO ABSORTIVO E PÓS-ABSORTIVO PERÍODO ABSORTIVO E PÓS-ABSORTIVO HORMONAS QUE REGULAM O METABOLISMO PRINCIPAIS FONTES DE ENERGIA CELULAR VIAS METABÓLICAS DO PERIODO ABSORTIVO ALTERAÇÕES METABÓLICAS DO PERIODO PÓS-ABSORTIVO PRODUÇÃO

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 RESPIRAÇÃO HUMANA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 RESPIRAÇÃO HUMANA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 RESPIRAÇÃO HUMANA Tecidos O Dissolvido Carboproteína 2 CO 2 Hb HbO HbCO CO + H 2O HHb 2 H 2 + Anidase Carbônica - HCO H CO 2 3 3 O 2 Hb O 2 Alvéolos HHb HbO 2 CO 2 CO 2

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO 1 Ventilação e metabolismo energético Equivalente ventilatório de oxigênio: Relação entre volume de ar ventilado (VaV) e a quantidade de oxigênio consumida pelos tecidos (VO2) indica

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS?

SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? SISTEMA URINÁRIO SISTEMA URINÁRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Conjunto de órgãos responsáveis pela filtração do sangue e eliminação de substâncias tóxicas, desnecessárias ou em excesso através

Leia mais

Eliminação de fármacos

Eliminação de fármacos Eliminação de fármacos Biotransformação Excreção ELIMINAÇÃO Metabolismo (biotransformação) fígado rim trato GI sangue pulmão pele placenta Excreção rim pulmão bílis Processos envolvidos na administração

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA. Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni

FISIOLOGIA HUMANA. Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni FISIOLOGIA HUMANA Sistema Renal - Filtração Glomerular - Prof. Fernando Zanoni fzanoni@prof.ung.br Função geral dos rins Homeostasia dos líquidos e eletrólitos Filtração, reabsorção, secreção e excreção

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Água, ph e tampão. Profa. Alana Cecília

Água, ph e tampão. Profa. Alana Cecília Água, ph e tampão Profa. Alana Cecília Água: Estrutura e Propriedades Físico-químicas A água é o principal componente da maioria das células; Permeia todas as porções de todas as células; Importância em

Leia mais

Diuréticos. Classificação da diurese. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através s da: Secreção de hormônios. Excreção de drogas

Diuréticos. Classificação da diurese. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através s da: Secreção de hormônios. Excreção de drogas Diuréticos Os diuréticos são fármacos f que tem a propriedade de causar Diuréticos aumento do volume urinário rio e cujo mecanismo é a inibição da reabsorção tubular de sódio s e água. Prof. Carlos Cezar

Leia mais

TRANSTORNOS ÁCIDOS-BÁSICOS

TRANSTORNOS ÁCIDOS-BÁSICOS TRANSTORNOS ÁCIDOS-BÁSICOS Marcos Mendes Disciplina de Fisiologia FMABC Conceitos ph = 7,40 0,04 (compatível com a vida 6,8 a 7,8) ph < 7,36 ACIDEMIA ph > 7,44 ALCALEMIA pco2 (a) = (40 4) mmhg TRANST.

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

A Diabetes É uma doença metabólica Caracteriza-se por um aumento dos níveis de açúcar no sangue hiperglicemia. Vários factores contribuem para o apare

A Diabetes É uma doença metabólica Caracteriza-se por um aumento dos níveis de açúcar no sangue hiperglicemia. Vários factores contribuem para o apare Diabetes Mellitus Tipo I Licenciatura em Bioquímica 1º ano 2005/2006 Duarte Nuno Amorim dos Santos A Diabetes É uma doença metabólica Caracteriza-se por um aumento dos níveis de açúcar no sangue hiperglicemia.

Leia mais

Fármacos com Ação nas Arritmias, Insuficiência Cardíaca e Acidentes Vasculares

Fármacos com Ação nas Arritmias, Insuficiência Cardíaca e Acidentes Vasculares UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ciências Farmacêuticas Departamento de Farmácia Fármacos com Ação nas Arritmias, Insuficiência Cardíaca e Acidentes Vasculares Prof. Dr. Roberto Parise Filho Química

Leia mais

Metais no Organismo Humano

Metais no Organismo Humano Metais no Organismo Humano Relativamente à necessidade biológica podem classificar-se Metais Essenciais: Metais Tóxicos: sódio, potássio, cálcio, magnésio, ferro, crómio, zinco, cobalto, manganês e níquel.

Leia mais

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia Experimento Deslocamento de equilíbrios químicos (Princípio de Le Chatelier) Objetivo: Estudar e compreender alguns fatores que deslocam equilíbrios químicos. Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS Avaliação do Estado Nutricional. CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA Química e Bioquímica Aplicada Prof.

EXAMES LABORATORIAIS Avaliação do Estado Nutricional. CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA Química e Bioquímica Aplicada Prof. m CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA Química e Bioquímica Aplicada Prof. Adriano Silva Estado Nutricional Composição da alimentação (tipo e quantidade dos alimentos ingeridos); Necessidades do organismo

Leia mais

Epinefrina, glucagon e insulina. Hormônios com papéis fundamentais na regulação do metabolismo

Epinefrina, glucagon e insulina. Hormônios com papéis fundamentais na regulação do metabolismo Epinefrina, glucagon e insulina Hormônios com papéis fundamentais na regulação do metabolismo Epinefrina ou adrenalina Estímulos para a secreção de epinefrina: Perigos reais ou imaginários Exercício físico

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br Pharmakon FARMACOLOGIA Logos Ciência que estuda a ação dos compostos biologicamente ativos no organismos e areação do organismo a estes

Leia mais

TERAPÊUTICA DAS ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO

TERAPÊUTICA DAS ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO TERAPÊUTICA DAS ALTERAÇÕES DO EQUILÍBRIO ÁCIDOBÁSICO Introdução O ph do líquido extracelular é uma das variáveis mais rigorosamente reguladas do organismo. Os limites vitais da variação do ph para mamíferos

Leia mais

Prof. Hélder Mauad 2012

Prof. Hélder Mauad 2012 Prof. Hélder Mauad 2012 FORMAÇÃO DE URINA CONCENTRADA E DILUÍDA REGULAÇÃO DA OSMOLARIDADE DO LIQUIDO EXTRACELULAR E DA CONCENTRAÇÃO DE SÓDIO As células do corpo são banhadas por LEC com concentração constante

Leia mais

NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS

NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS REIDRATAÇÃO DE VITELOS NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS A nova solução para diarreias em vitelos Compatível com o leite Boa palatibilidade Correção da acidose, desidratação e hipoglicémia

Leia mais

Água o componente fundamental!

Água o componente fundamental! Ms. Sandro de Souza Água o componente fundamental! Claude Bernard, no século XIX, foi o primeiro fisiologista a elucidar a quantidade de líquidos no corpo humano. Posteriormente os líquidos foram compartimentalizados

Leia mais

Macromolécula mais abundante nas células

Macromolécula mais abundante nas células PROTEÍNAS Origem grego (protos) primeira, mais importante A palavra proteína que eu proponho vem derivada de proteos, porque ela parece ser a substância primitiva ou principal da nutrição animal, as plantas

Leia mais

Fisioterapia em Terapia Intensiva

Fisioterapia em Terapia Intensiva Ácidos e Bases Fisioterapia em Terapia Intensiva ÁCIDO moléculas que contem átomos de hidrogênio capazes de liberar íons de hidrogênio. HCl H + + Cl BASE molécula que pode aceitar um íon de hidrogênio

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria Taxa de Filtração Glomerular - Marcadores A taxa de filtração glomerular (TFG) é considerada

Leia mais

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 8 o ano Unidade 8

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 8 o ano Unidade 8 Sugestões de atividades para avaliação Ciências 8 o ano Unidade 8 5 Nome: Data: UniDaDE 8 1 A saúde é um problema exclusivo do governo, os indivíduos têm pouco o que fazer para ajudar a manter adequada

Leia mais

Professores Gabriel Cabral (Aula 1) e Rafael Cafezeiro (Aula 1) QUESTÕES

Professores Gabriel Cabral (Aula 1) e Rafael Cafezeiro (Aula 1) QUESTÕES Foca na Medicina Professores Gabriel Cabral (Aula 1) e Rafael Cafezeiro (Aula 1) QUESTÕES 1. Com base nas fórmulas estruturais classifique os açúcares de acordo com o número de carbonos. Indique ainda

Leia mais

O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção. efectuada por. Órgãos de excreção.

O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção. efectuada por. Órgãos de excreção. Sistema excretor O que é a excreção? As células produzem substâncias tóxicas que têm de ser removidas do organismo. Excreção efectuada por Órgãos de excreção Pele (glândulas sudoríparas) Pulmões Suor Dióxido

Leia mais

A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio.

A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio. INTRODUÇÃO A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio. - conjunto de reações químicas do metabolismo energético (respiração celular). RESPIRAÇÃO CELULAR

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA GLICÓLISE Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília flaviagoulart@marilia.unesp.br Glicose e glicólise Via Ebden-Meyerhof ou Glicólise A glicólise,

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA Fixação 1) A ingestão de álcool inibe a liberação de ADH (hormônio antidiurético) pela hipófise. Assim sendo, espera-se que um homem alcoolizado: a)

Leia mais

UNIFESO - Engenharia Ambiental Prof. Edson Rodrigo Fernandes dos Santos. ÁGUA, ph E TAMPÕES

UNIFESO - Engenharia Ambiental Prof. Edson Rodrigo Fernandes dos Santos. ÁGUA, ph E TAMPÕES UNIFES - Engenharia Ambiental Prof. Edson Rodrigo Fernandes dos Santos ÁGUA, p E TAMPÕES ÁGUA É uma substância essencial para o organismo. Todas as reações bioquímicas ocorrem em meio aquoso. É uma substância

Leia mais

Esta avaliação é composta de 13 questões, das quais você deverá escolher apenas 10 para responder.

Esta avaliação é composta de 13 questões, das quais você deverá escolher apenas 10 para responder. 2º EM Biologia B Marli Av. Trimestral 30/10/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO integração e regulação alimentado jejum catabólitos urinários. Bioquímica. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

METABOLISMO ENERGÉTICO integração e regulação alimentado jejum catabólitos urinários. Bioquímica. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes METABOLISMO ENERGÉTICO integração e regulação alimentado jejum catabólitos urinários Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes REFERÊNCIA: Bioquímica Ilustrada - Champe ESTÁGIOS DO CATABOLISMO

Leia mais

mu/mm /MûlOOSi HEtWNBk FACULDADE DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO SARA ISABEL OLIVEIRA DE CASTRO E ANDRADE 1998/99

mu/mm /MûlOOSi HEtWNBk FACULDADE DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO SARA ISABEL OLIVEIRA DE CASTRO E ANDRADE 1998/99 . - ; ; " FACULDADE DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO. I II nil,,111,,..-.,1...- " - - ' "«mu/mm /MûlOOSi HEtWNBk - - ii i SARA ISABEL OLIVEIRA DE CASTRO E ANDRADE 1998/99

Leia mais

TITULAÇÃO BASE FRACA COM ÁCIDO FORTE

TITULAÇÃO BASE FRACA COM ÁCIDO FORTE TITULAÇÃO BASE FRACA COM ÁCIDO FORTE TITULAÇÃO BASE FRACA COM ÁCIDO FORTE 1 ETAPA Antes de iniciar a titulação A solução contém apenas base fraca e água - solução aquosa de uma base fraca. O ph da solução

Leia mais

Função das Membranas Celulares. 5_Transporte Activo Transmembranar

Função das Membranas Celulares. 5_Transporte Activo Transmembranar Licenciatura em Engenharia Biomédica Luís Martinho do Rosário [Depto. de Bioquímica / FCTUC] Função das Membranas Celulares 5_Transporte Activo Transmembranar EQUILÍBRIO DE DONNAN i K + K + o volume constante

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica A absorção, a distribuição, o metabolismo e a excreção de um fármaco envolvem

Leia mais

Sistema excretor. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS

Sistema excretor. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Sistema excretor Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS introdução Elimina as excretas, isto é, as substâncias tóxicas. Principalmente das substâncias que contêm nitrogênio (excretas nitrogenadas) A quebra

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISTEMA TAMPÃO

CAPÍTULO 3 SISTEMA TAMPÃO 17 CAPÍTULO 3 SISTEMA TAMPÃO Introdução: As reações químicas no organismo estão sujeitas a certas limitações como faixas estreitas de ph e temperatura, devido à necessidade de se preservar o ambiente fisiológico.

Leia mais

EXAMES BIOQUÍMICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun Aula 3

EXAMES BIOQUÍMICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun Aula 3 EXAMES BIOQUÍMICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Aula 3 Íons/Eletrólitos do plasma No plasma existem diversos eletrólitos positivos: Na+, K+, Ca², Mg² E eletrólitos negativos: Cl-, HCO3-, fosfatos e proteínas.

Leia mais

Aula 1: Introdução à Bioquímica. A Água

Aula 1: Introdução à Bioquímica. A Água Aula 1: Introdução à Bioquímica A Água 1 A Célula Composição de uma célula PROTEÍNAS 15% LIPÍDIOS 2% CARBOIDRATOS 3% ÁC. NUCLEICOS 7% Sais Minerais 1% Água 70% 2 DISTRIBUIÇÃO CORPORAL DA ÁGUA EM ADULTOS

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Biologia Trocas Gasosas

Exercícios de Aprofundamento Biologia Trocas Gasosas 1. (Unesp 2014) Os gráficos representam a concentração de três gases no sangue assim que passam pelos alvéolos pulmonares. É correto afirmar que os gráficos que representam as concentrações dos gases O

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais. Prof. Ricardo Luzardo

Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais. Prof. Ricardo Luzardo Controle da Osmolalidade dos Líquidos Corporais Prof. Ricardo Luzardo Osmolalidade é uma função do número total de partículas em solução, independente de massa, carga ou composição química. As partículas

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA PROGRAMA - ME 1 (2/8/2016) PONTO 10 - Fisiologia do Sistema Respiratório I 10.1. Funções respiratórias e não

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

Soluções. Prof a. Jennifer

Soluções. Prof a. Jennifer Soluções Prof a. Jennifer Conceito Qualitativo Uma solução é formada por dois componentes, denominados dispersante (ou solvente) e o componente disperso (ou soluto). Sólidos em líquidos Líquidos em líquidos

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A água é a substância mais abundante nos seres vivos, perfazendo 70% ou mais da massa da maioria dos organismos. A água permeia todas as porções de

Leia mais

Equilíbrio Ácido-Base. Ácidos e Bases Fracos

Equilíbrio Ácido-Base. Ácidos e Bases Fracos Equilíbrio Ácido-Base Ácidos e Bases Fracos ph de soluções CH 3 COOH (aq) 0,10 mol/dm 3 HCl (aq) 0,10 mol/dm 3 ph? ph= 2,9 ph= 1 [H 3 O + ] < [H 3 O + ] PORQUÊ? 2 ph de soluções Segundo Arrhenius o ácido

Leia mais

Ácidos e Bases. Os ácidos e bases fortes encontram-se completamente ionizados quando em solução aquosa. HCl H + + Cl - NaOH Na + + OH -

Ácidos e Bases. Os ácidos e bases fortes encontram-se completamente ionizados quando em solução aquosa. HCl H + + Cl - NaOH Na + + OH - Ácidos e Bases Os ácidos e bases fortes encontram-se completamente ionizados quando em solução aquosa. HCl H + + Cl - NaOH Na + + OH - Em sistemas biológicos os ácidos e bases fracas são bastante importantes

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL (Continuação)

FISIOLOGIA RENAL (Continuação) Disciplina de Fisiologia Veterinária FISIOLOGIA RENAL (Continuação) Prof. Fabio Otero Ascoli REGULAÇÃO DA OSMOLARIDADE Definição: Osmolaridade número de partículas osmoticamente ativas de soluto contidas

Leia mais

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos 2016 QUÍMICA Conteúdos Programáticos MATERIAIS - Origem - Constituição e composição dos materiais: - Constituição

Leia mais

Fisiologia celular I. Fisiologia Prof. Msc Brunno Macedo

Fisiologia celular I. Fisiologia Prof. Msc Brunno Macedo celular I celular I Objetivo Conhecer os aspectos relacionados a manutenção da homeostasia e sinalização celular Conteúdo Ambiente interno da célula Os meios de comunicação e sinalização As bases moleculares

Leia mais

A ÁGUA NO METABOLISMO DOS ANIMAIS

A ÁGUA NO METABOLISMO DOS ANIMAIS A ÁGUA NO METABOLISMO DOS ANIMAIS Estrutura molecular da água A água se assume um tetraedro irregular. Lado do oxigênio = rico em elétrons Lado do hidrogênio = rico em prótons 1 Características da Molécula

Leia mais